23/06/2010 ETIQUETAGEM DO PROCEL EDIFICA - ASPECTO DO CONDICIONAMENTO DE AR. Nathan Mendes - PUCPR Fernando Westphal ETIQUETAGEM PROCEL/INMETRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "23/06/2010 ETIQUETAGEM DO PROCEL EDIFICA - ASPECTO DO CONDICIONAMENTO DE AR. Nathan Mendes - PUCPR Fernando Westphal ETIQUETAGEM PROCEL/INMETRO"

Transcrição

1 ETIQUETAGEM DO PROCEL EDIFICA - ASPECTO DO CONDICIONAMENTO DE AR Nathan Mendes - PUCPR Fernando Westphal ETIQUETAGEM PROCEL/INMETRO 1

2 ENCE Etiqueta Nacional de Conservação de Energia Etiqueta Edifício Completo Pode-se obter etiquetas parciais, por sistema ENCE Etiqueta Nacional de Conservação de Energia Etiqueta Envoltória Pode-se obter etiquetas parciais, por sistema

3 ENCE Etiqueta Nacional de Conservação de Energia Etiqueta Envoltória + Iluminação Pode-se obter etiquetas parciais, por sistema ENCE Etiqueta Nacional de Conservação de Energia Etiqueta Envoltória + AC Pode-se obter etiquetas parciais, por sistema 3

4 ENCE Etiqueta Nacional de Conservação de Energia Etiqueta Sistemas individuais Pode-se obter etiquetas parciais, por sistema Peso de cada sistema na pontuação geral Pontos obtidos em função do nível de eficiência alcançado por um determinado sistema. Nível de classificação em função da pontuação geral Sistema Peso Envoltória 30% Iluminação 30% Cond. de ar 40% Nível Pontos A 5 B 4 C 3 D E 1 Nível Pont. total A 4,5 a 5 B 3,5 a <4,5 C,5 a <3,5 D 1,5 a <,5 E <1,5 4

5 Condicionamento de ar Equipamentos cobertos pelo PBE/INMETRO Splits e aparelhos de janela somente com comprovação de consumo mais baixo Pré-requisito específico: Nível A: sombrear unidades condensadoras de splits e aparelhos de janela Condicionamento de ar Equipamentos não cobertos pelo PBE Pré-requisitos nível A: 1. Cálculo de carga térmica. Controle de temperatura por zona 3. Evitar aquecimento e resfriamento simultâneo 4. Sistema de automação 5. Isolamento de zonas 6. Limites de potência de ventilação 7. Ciclo economizador 8. Acionamento otimizado 9. Recuperação de calor 10. Isolamento de bombas Níveis de eficiência: tabelas de eficiência (Std 90.1) 6/05/010 - Seminário Sustentabilidade e Facilities, São Paulo, SP - Fernando Simon Westphal, Dr. Eng 5

6 Condicionamento de ar Cálculo de carga térmica com métodos aceitáveis Exemplo: o ASHRAE Handbook of Fundamentals o Trace o HAP (E0) o Programas de Simulação Energética de Edificações (EnergyPlus, ESP-r, TRNSYS, Domus etc) 0 m²/tr... Não atende! Controle de temperatura por zona Não atende T 6/05/010 - Seminário Sustentabilidade e Facilities, São Paulo, SP - Fernando Simon Westphal, Dr. Eng 6

7 VAV VAV 3/06/010 Controle de temperatura por zona T Atende T 6/05/010 - Seminário Sustentabilidade e Facilities, São Paulo, SP - Fernando Simon Westphal, Dr. Eng SIMULAÇÃO DE SISTEMAS 7

8 Configuração do Sistema Primário Parâmetros de Entrada (Sistema Primário) Modelo do Resfriador de Líquido Modelo empírico que fornece o consumo do chiller através das temperaturas de saída da água do evaporador (T se ) e de entrada da água do condensador (T ec ) e a taxa de calor retirada no evaporador do sistema secundário (Q e ). É baseado nas três curvas abaixo: - Curva da capacidade em função das temperaturas: T CAPFT a1 bt 1 eo c1t eo d1t ci e1t ci f1t eo - Curva da eficiência em função das temperaturas: T EIRFT a bteo cteo dtci etci f - Curva da eficiência em função da carga parcial: EIRFPLR a 3 b3plr c3plr ci eo T ci onde PLR Pot Cap. No min al* EIR *[ CAPFT ]*[ EIRT ]*[ EIRPLR ] Q Q e e, avaliado( T eo, Tci ) 8

9 Parâmetros de Entrada (Sistema Primário) Modelo do Resfriador de Líquido Dados de Entrada Capacidade (kw) Queda de temperatura no evaporador (ºC) Vazão de água (L/s) COP Temperatura de saída da água no evaporador (ºC) Temperatura de entrada da água ou do ar no condensador (ºC) Dados de desempenho para se obter os coeficientes das curvas. Parâmetros de Entrada (Sistema Primário) Modelo do Resfriador de Líquido Dados de Desempenho Necessários: Variação da capacidade em função das temperaturas de entrada do condensador e saída do evaporador. Variação da eficiência em função das temperaturas de entrada do condensador e saída do evaporador. Variação da eficiência em função das condições de carga parcial (5, 50, 75 e 100 %). 9

10 Parâmetros de Entrada (Sistema Primário) Modelo do Resfriador de Líquido Exemplos das Curvas Exemplo de uma curva de eficiência em função do PLR (carga parcial Exemplo de uma curva de capacidade (CAPFT) em função das temperaturas. Exemplo de uma curva de eficiência (EIRFT) em função das temperaturas. Exemplo do Ajuste da Curva CAPT: Coeficientes das Curvas Polinomiais do modelo matemático do Chiller CAPFT a1 b1t eo c1t eo d1tci e1t ci f1 T T eo ci Onde, Z- é a razão entre a capacidade atual pela capacidade nominal. X temperatura da água na saída do evaporador. Y temperatura do ar na entrada do condensador para o Chiller a Ar ou temperatura da água de condensação da entrada do condensador para Chiller a Água. Ajuste da Curva CAPFT 10

11 Coeficientes das Curvas Polinomiais do modelo matemático do Chiller Segue abaixo quadro resumo com coeficientes das curvas obtidos para alguns equipamentos de um determinado fabricante: Equipamento Capacidade (KW) COP CAPFT (Eq. 1) EIRFT (Eq. ) EIRPLR (Eq. 3) RTAA ,0,75 A=0, B=0, C=-0, D=0, E=-0, F=-0, A=, B=0, C=0, D=-0, E=0,00037 F=-0, A=, B=-1, C=0, RTAA00 668,6,64 A=0, B=0, C=0, D=0, E=-0, F=-0, A=, B=0,06165 C=-0, D=-0, E=0, F=-0, A=, B=-0, C=-0, RTAA40 87,9,75 A=0, B=0, C=-0, D=0,00693 E=-0, F=-0, A=, B=0, C=-0, D=-0, E=0,00070 F=-0, A=, B=-1, C=-0,18017 RTAA ,,70 A=0, B=0, C=0,00043 D=0,01307 E=-0, F=-0, A=, B=0, C=0, D=-0, E=0, F=-0, A=, B=-0, C=-0, Parâmetros de Entrada (Sistema Primário) Modelo da Torre de Resfriamento Dados de Entrada Potência nominal do motor do ventilador. Temperatura de bulbo úmido de projeto (ºC) Temperatura de entrada da água (ºC) Temperatura de saída da água (ºC) Vazão de ar e de água (m 3 /h) Vazão de ar (m 3 /h) Capacidade (kw). 11

12 Parâmetros de Entrada (Sistema Primário) Modelo da Bomba de Circulação Dados de Entrada Eficiência nominal do motor Potencia necessária nominal Altura manométrica nominal Vazão de água nominal Variação da potência em função da vazão para se obter a curva do fator de ajuste de potência em carga parcial P C 3 0 C1PLR CPLR C3PLR P = fator de ajuste de potência do ventilador em carga parcial. PLR = fator de carga parcial (igual a vazão de ar atual/vazão de ar de projeto). Configuração do Sistema Secundário 1

13 Parâmetros de Entrada (Fan-Coil) Modelo da Serpentina de Resfriamento Altura da serpentina (H) Comprimento da serpentina (C) Largura da serpentina (L) Distância entre tubos (b) Distância entre fileiras (a) Diâmetro do tubo externo (d t,ext ) Diâmetro do tubo interno (d t,int ) Espessurada aleta (e) Número de aletas por metro Número de fileiras Número de Tubos por fileira Número circuitos Condutividade térmica da aleta (k f ) Condutividade térmica do tubo (k t ) Vazão de água (l/s) Parâmetros Necessários b H C a d t,int d t,ext L Parâmetros de Entrada (Fan-Coil) Modelo do Motor Ventilador Parâmetros Necessários: Potência do motor (W) Eficiência (%) Vazão de ar (m3/h) Dados suficientes para obter a variação da potência em carga parcial Curva da Potência em Função da Carga Parcial: P C 3 0 C1PLR CPLR C3PLR P = fator de ajuste de potência do ventilador em carga parcial. PLR = fator de carga parcial (igual a vazão de ar atual/vazão de ar de projeto). 13

14 Eficiência (kw/tr) Eficiência (kw/tr) PLR = 100% PLR = 90% PLR = 80% PLR = 70% PLR = 60% PLR = 50% PLR = 40% PLR = 30% PLR = 0% PLR = 15% 3/06/010 Curvas de desempenho Tcond = 9.5 Tcond = 8.9 Tcond = 8.4 Tcond = 7.8 Tcond = 7.3 Tcond = 6.7 Tcond = 6. Tcond = 5.6 Tcond = 5.1 Tcond = 4.5 Tcond = 3.9 Tcond = Tcond =.8 Tcond =.3 Tcond = 1.7 Tcond = 1. Carga Parcial Tcond = 0.6 Eficiência em carga parcial e diferentes temperaturas de condensação a C a 3 C 3 a 4 C acima de 4 C Carga Parcial 14

15 Temperatura ( C) 0:00 6:00 1:00 18:00 0:00 6:00 1:00 18:00 0:00 6:00 1:00 18:00 0:00 6:00 1:00 18:00 0:00 6:00 1:00 18:00 0:00 6:00 1:00 18:00 0:00 6:00 1:00 18:00 0:00 Vazão de água 3/06/010 Chiller (Eficiência X PLR X T cond ) Vazão (m³/s) TBU ext T cond IN T cond OUT Hora ITINERÁRIO Sistemas de Expansão Direta Equipamentos cobertos pelo PBE/INMETRO - Necessidades 15

16 ITINERÁRIO Sistemas de Expansão Direta Equipamentos cobertos pelo PBE/INMETRO tc Pt hw 1 hw W r lp lr ITINERÁRIO Sistemas de Expansão Direta Equipamentos cobertos pelo PBE/INMETRO # CT nom (Btu/h) EER nom (Btu/hW) Características dos condicionadores de ar CS nom (Btu/h) Tipo do Compressor Vazão de ar na condição normalizada (kg/s) Faixa ensaiada de Tbu int,e ( C) Faixa ensaiada de T ext,e ( C) , Alternativo 0, ,9-4,,4-40, , Rotativo 0,1346 1,4-3, 6,6-41, , Rotativo 0, ,5-3,9 6,1-4, , Rotativo 0, ,0-4,1 4,1-4, , Alternativo 0, ,8-3,1 16,8-44, , Rotativo 0, ,9-3, 16,6-45,3 Z CT,Z CS,Z EER a 0 a Tbu 1 int a Tbu int a Tbs 3 ext a 4 Tbs ext a Tbu 5 int Tbs ext 16

17 Consumo anual (kwh/m ) 3/06/010 ITINERÁRIO Sistemas de Expansão Direta Equipamentos cobertos pelo PBE/INMETRO Resultados obtidos para o condicionador de ar tipo split Ensaio Tbs ext ( C) Tbu int ( C) Potência AC (kw) Capacidade Total (Btu/h) Capacidade Sensível (Btu/h) 0 (Norma) 34,95 18,93 1, ,84 17,04 0, ,63 3,17 0, ,71 8,38 1, ,89 0,9 1, ,11 16,99 1, ,34 3,18 1, ,5 8,4 1, ,88 0,90 1, ,34 16,93 1, ,09 3,16 1, ITINERÁRIO Simulação do Sistema DX Equipamentos cobertos pelo PBE/INMETRO # 01 # 01N # 0 # 0N # 03 # 03N # 04 # 04N # 05 # 05N # 06 # 06N

18 IBPSA 18

19 Considerações finais Dados nominais não são suficientes para estimar o desempenho energético Nem sempre o condicionador de ar com maior eficiência energética nominal será o que proverá menor consumo de energia em condições reais de utilização Necessidade de melhorar catálogos, provendo informações para levantamento de curvas características tanto de sistemas de expansão tanto direta como indireta Necessidade de treinamento em sistemas de climatização, em projetos e em simulação 19

20 0

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características:

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: 6. SIMULAÇÃO 6.1. Pré-requisitos específicos 6.1.1. Programa de simulação O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: ser um programa para

Leia mais

Sistemas de Climatização e Componentes - I

Sistemas de Climatização e Componentes - I Sistemas de Climatização e Componentes - I PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa

Leia mais

Sistemas e Componentes II

Sistemas e Componentes II Sistemas e Componentes II Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa do autor 1 Serpentina de resfriamento e desumidificação

Leia mais

O PROCESO DE ETIQUETAGEM DE EDIFÍCIOS. Roberto Lamberts

O PROCESO DE ETIQUETAGEM DE EDIFÍCIOS. Roberto Lamberts O PROCESO DE ETIQUETAGEM DE EDIFÍCIOS Roberto Lamberts INTRODUÇÃO CONSUMO DE ELETRICIDADE POR SETOR Fonte: BEN- 2007 INTRODUÇÃO USOS FINAIS SETOR COMERCIAL INTRODUÇÃO DIVERSIDADE DE USOS FINAIS Fonte:

Leia mais

O USO DA SIMULAÇÃO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS COMERCIAIS

O USO DA SIMULAÇÃO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS COMERCIAIS Voltar O USO DA SIMULAÇÃO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS COMERCIAIS Autores: LOPES, M.N.; CARLO, J.C; MELO, A.P.; LAMBERTS, R. Resumo Este artigo apresenta a avaliação

Leia mais

Titulo: DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE CONSUMO ENERGÉTICO EM EDIFICAÇÕES

Titulo: DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE CONSUMO ENERGÉTICO EM EDIFICAÇÕES Titulo: DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA SIMULAÇÃO DE CONSUMO ENERGÉTICO EM EDIFICAÇÕES Autores: LOPES, M.N.; IWAMOTO, G.; MECABÔ, L.; LAMBERTS, R. Resumo: A participação das edificações

Leia mais

Msc. Eng. Fernando Pozza

Msc. Eng. Fernando Pozza Sistemas de Climatização por Condensação a Ar: Maximizando o Desempenho do Sistema em Cargas Parciais Através da Análise do Perfil de Temperaturas Externas Msc. Eng. Fernando Pozza Situação da Energia

Leia mais

26/08/ Agosto/2012

26/08/ Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Refrigeração. 26/08/2012 2 Circuito Frigorifico O ciclo de refrigeração ou ciclo frigorífico é um ciclo termodinâmico que constitui o modelo matemático que define o funcionamento

Leia mais

Sistemas de Ar Condicionado Residenciais

Sistemas de Ar Condicionado Residenciais Eng. Dr. Fulvio Vittorino - IPT 1 Sistemas de Ar Condicionado Residenciais Eng. Dr. Fúlvio Vittorino IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Objetivo Processos e equipamentos mecânicos

Leia mais

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO Lista de problemas número 1 Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO 1) Determinar as propriedades do R-134 nas seguintes condições: a) t = - 40 o C x = 1 b) p = 1 MPa t = 80 0 C c) p

Leia mais

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT TO EN M A Ç N LA CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM HARMONIA COM SEU AMBIENTE. QUALIDADE E AR CONDICIONADO LINHA SPLIT 00485mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:20:24 Cassete Apresentação

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

Unidades multitubulares com compressores scroll. Modelo CMAA Capacidade de refrigeração kw Capacidade de aquecimento kw

Unidades multitubulares com compressores scroll. Modelo CMAA Capacidade de refrigeração kw Capacidade de aquecimento kw Unidades multitubulares com compressores scroll Modelo CMAA Capacidade de refrigeração 45-485 kw Capacidade de aquecimento 50-670 kw Unidades multitubulares CMAA Aquecimento e refrigeração em simultâneo

Leia mais

CONTEÚDO ABORDADO. O Programa. Vertentes. Rede de Eficiência Energética. Regulamentos

CONTEÚDO ABORDADO. O Programa. Vertentes. Rede de Eficiência Energética. Regulamentos 2012 CONTEÚDO ABORDADO O Programa Vertentes Rede de Eficiência Energética Regulamentos Avaliação dos Sistemas Individuais Envoltória, Iluminação e Ar condicionado Processo de Etiquetagem Treinamento e

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética. Sistemas de Refrigeração Parte II

SEL-0437 Eficiência Energética. Sistemas de Refrigeração Parte II SEL-0437 Eficiência Energética Sistemas de Refrigeração Parte II 1 Tópicos da Aula de Hoje Sistemas de ar condicionado Redução do consumo de energia elétrica Termoacumulação Exercícios 2 Sistemas de Ar

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

EXTREME POWER MODELO - TST MODELO - TX. Unidade Split de Alta Capacidade

EXTREME POWER MODELO - TST MODELO - TX. Unidade Split de Alta Capacidade ETREME POWER MODELO - TST Unidade Split de lta Capacidade MODELO - T Eficiência é cuidar da vida s Unidades Split lta Capacidade da TRO possuem altos índices de eficiência energética e performance, são

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" Campus de Guaratinguetá, Departamento de Energia

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Guaratinguetá, Departamento de Energia UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" Campus de Guaratinguetá, Departamento de Energia Disciplina: Laboratório de Sistemas Térmicos Professor: José Alexandre Matelli LEVANTAMENTO DO

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO CENTRAL

SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO CENTRAL Proceedings of the 11 th Brazilian Congress of Thermal Sciences and Engineering -- ENCIT 006 Braz. Soc. of Mechanical Sciences and Engineering -- ABCM, Curitiba, Brazil, Dec. 5-8, 006 Paper CIT06-0587

Leia mais

GENIUS Self Contained

GENIUS Self Contained GENIUS Self Contained Condicionador de Ar Central Self Contained 5 a 15 TR Condensador Remoto CRCE/CRCB Unidade Condensadora TRCE 60 Hz Março, 2004 PKG-PRC005-PT Introdução Self Contained Genius Desenvolvido

Leia mais

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Principais Tipos Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Resfriados a água sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Trocador casco e tubo

Leia mais

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos

Workshop. Climatização e Cogeração Abril de Ronaldo Andreos Workshop Climatização e Cogeração Abril de 2008 Ronaldo Andreos Cia de Gás de São Paulo Fone: (11) 4504-5238/5072 Cel.: (11) 9638-8907 e-mail: randreos@comgas.com.br Climatização (Ar Condicionado) Agenda

Leia mais

A importância da ABNT NBR e a QUALIDADE DO AR INTERIOR

A importância da ABNT NBR e a QUALIDADE DO AR INTERIOR A importância da ABNT NBR 16401-1 e a QUALIDADE DO AR INTERIOR Validade: a partir de 04 / set / 2.008 NBR 16401-1 Projetos e Instalações NBR 16401-2 Parâmetros de Conforto Térmico NBR 16401-3 Qualidade

Leia mais

Refrigeração e Ar Condicionado

Refrigeração e Ar Condicionado Refrigeração e Ar Condicionado Condensadores Filipe Fernandes de Paula filipe.paula@engenharia.ufjf.br Departamento de Engenharia de Produção e Mecânica Faculdade de Engenharia Universidade Federal de

Leia mais

BLOCO DE ENG. AGRONÔMICA INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL SANTA ROSA DO SUL/SC

BLOCO DE ENG. AGRONÔMICA INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL SANTA ROSA DO SUL/SC BLOCO DE ENG. AGRONÔMICA INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS SANTA ROSA DO SUL SANTA ROSA DO SUL/SC MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO 1 ÍNDICE 1 Informativos gerais 2 Apresentação 3 Tabelas

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PORTATIL GP 8 12LA GP 8 12 LA GP 8 22 LA GP LA GP LA

MANUAL TÉCNICO PORTATIL GP 8 12LA GP 8 12 LA GP 8 22 LA GP LA GP LA MANUAL TÉCNICO PORTATIL GP 8 12LA GP 8 12 LA GP 8 22 LA GP 12 12 LA GP 12 22 LA 1 2 ÍNDICE Por favor, leia atentamente este manual, antes de iniciar a operação/manutenção do produto. Condicionador de ar

Leia mais

Gama Comercial Inverter G IV. criamos conforto

Gama Comercial Inverter G IV. criamos conforto Gama Comercial Inverter G IV criamos conforto Ar Condicionado GERAÇÃO IV Teto-Chão Interior Inverter 814410 (Opcional) 83291 AC I UM TR TC 18 83292 AC I UM TR TC 24 83293 AC I UM TR TC 30 83294 AC I UM

Leia mais

Unidades de quatro tubos com compressores de parafuso. Modelo RTMA Capacidade de refrigeração kw Capacidade de aquecimento kw

Unidades de quatro tubos com compressores de parafuso. Modelo RTMA Capacidade de refrigeração kw Capacidade de aquecimento kw Unidades de quatro tubos com compressores de parafuso Modelo RTMA Capacidade de refrigeração 344-661 kw Capacidade de aquecimento 361-714 kw Unidades de quatro tubos RTMA Aquecimento e arrefecimento simultâneo

Leia mais

Vantagens Competitivas que Geram Resultados

Vantagens Competitivas que Geram Resultados Vantagens Competitivas que Geram Resultados Visão LG Electronics Expansão dos negócios de Ar Condicionado Missão LG Electronics Contribuir para o enriquecimento da vida humana e da natureza Criar ambientes

Leia mais

Msc. Eng. Fernando Pozza

Msc. Eng. Fernando Pozza Sistemas de Climatização por Condensação a Ar: Maximizando o Desempenho do Sistema em Cargas Parciais Através da Análise do Perfil de Temperaturas Externas Msc. Eng. Fernando Pozza Situação da Energia

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado DAP A 3 3 3 E AO Nota 2 Nota 1 Tensão Entrada Numero de Fases Capacidade de Refrigeração Tipo Modelo de Série 2-220V 3-380V 4-440/480V 2 - MONOFASÍCO 3 - TRIFÁSICO 60Hz 1

Leia mais

Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP

Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP Workshop Técnico Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP Arthur Cursino IEE/USP Setembro / 2014 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução: Conceitos Sistema de

Leia mais

Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética. Edificações residenciais

Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética. Edificações residenciais Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética Edificações residenciais MÉTODO PRESCRITIVO Checklist MÉTODO PRESCRITIVO VANTAGENS - Simplificação, agilidade e redução de custos do processo

Leia mais

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO QUANDO PRECISAMOS DE AR CONDICIONADO? DIAGRAMA BIOCLIMATICO DE GIVONI 30 30 zon Estratégias mais eficientes a 1 Conforto higrotérmico 10

Leia mais

Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014

Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014 Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014 Emissões de CO2 da energia elétrica Energia em edifícios no PNE 2050 Impacto EE Aumento de consumo Número de domicílios passa

Leia mais

Mini Chiller Linha Ice Control Mini Chiller compactos com condensação a AR

Mini Chiller Linha Ice Control Mini Chiller compactos com condensação a AR Mini Chiller Linha Ice Control Mini Chiller compactos com condensação a AR A linha de Unidades trocadora de CALOR (MGA ) Ice Control é uma solução econômica e compacta desenvolvida para atender diversas

Leia mais

Processo de Retrocomissionamento Relato de Caso do Projeto Demonstrativo

Processo de Retrocomissionamento Relato de Caso do Projeto Demonstrativo Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers Processo de Retrocomissionamento Relato de Caso do Projeto Demonstrativo Maurício Salomão Rodrigues & Pedro Hoffmann 01/04/2016

Leia mais

Tabela 3.37: Constantes da Equação

Tabela 3.37: Constantes da Equação C R = [(a) + (b X AU amb ) + (c X CT baixa ) + (d X α par ) + (e X PD/AU amb ) + (f X somb) + (g X CT cob ) + (h X Ab S ) + (i X SomA parext X CT par ) + (j X cob) + (k X U cob X α cob X cob X AU amb )

Leia mais

Equipamentos Água Gelada Água Torre

Equipamentos Água Gelada Água Torre Água Gelada Água Torre Equipamentos Equipamentos Bombeamento Água Torre Bombeamento Água Gelada Torres de Resfriamento Fancoil de Alvenaria Equipamentos Vista Externa Fancoil de Alvenaria Equipamentos

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina EMC Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo

Universidade Federal de Santa Catarina EMC Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo Universidade Federal de Santa Catarina EMC 5472 - Refrigeração e Condicionamento de Ar Prof.: Cláudio Melo EXERCÍCIOS SUPLEMENTARES DE CONDICIONAMENTO DE AR 01) Uma câmara frigorífica para resfriamento

Leia mais

Sistemas e Componentes III. Manutenção e Operação

Sistemas e Componentes III. Manutenção e Operação Sistemas e Componentes III Manutenção e Operação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados - É proibida a reprodução deste material sem a autorização expressa do autor 1/52 MANUTENÇÃO DO SISTEMA

Leia mais

Realização: Parceiro:

Realização: Parceiro: Realização: Parceiro: Tecnologia de sistemas prediais disponível no Brasil atendendo requisitos de sustentabilidade. Eduardo Yamada Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Gerente de Sistemas Prediais e Energia

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Coeficiente de Performance do Ciclo (COP) - É um parâmetro importante na análise das instalações

Leia mais

2, 3, 4 Multi Ambientes 8 Multi Ambientes Unidade Externa Compacta

2, 3, 4 Multi Ambientes 8 Multi Ambientes Unidade Externa Compacta 2, 3, 4 Multi Ambientes 8 Multi Ambientes Unidade Externa Compacta Dimensões 2 AMBIENTES Modelo: AOBG14LAC2 / AOBGLAC2 Vista superior 20 0 2 (Unidade : mm) 10 288 1 Aplicável em residências grandes, lojas,

Leia mais

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DA ESPESSURA DE ISOLANTE NECESSÁRIA A UMA APLICAÇÃO Volume III Curso

Leia mais

INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA

INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA INTRODUÇÃO AO NOVO MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO PBE EDIFICA ENERGIA PRIMÁRIA CONCEITO Forma de energia disponível na natureza que não foi submetida a qualquer processo de conversão ou transformação. É a energia

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal Departamento de Arquitetura

Leia mais

Ar Condicionado Residencial NOVA FUNÇÃO SEGUIR LÍNHA DE PRODUTO

Ar Condicionado Residencial NOVA FUNÇÃO SEGUIR LÍNHA DE PRODUTO LÍNHA DE PRODUTO NOVA FUNÇÃO SEGUIR Pressionar o botão Follow me y a temperatura da habitação baseia-se na temperatura da zona onde está Ar Condicionado Residencial Ar condicionado Carrier Poupança Máxima

Leia mais

Anais do V Simpósio de Engenharia de Produção - SIMEP ISSN:

Anais do V Simpósio de Engenharia de Produção - SIMEP ISSN: INDICADORES DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA APLICADOS A CONDICIONADORES DE AR: ESTUDO DO PROJETO DO ESCRITÓRIO DE UMA FÁBRICA EM SUAPE-PE Allan Jayson Nunes de Melo, (UFPE), allan_jayson@hotmail.com Rafael Barbosa

Leia mais

BSM 2080/2385 ALTA EFICIÊNCIA MESMO A CARGAS PARCIAIS CONDENSADOR MICROCANAL INSTALAÇÃO RÁPIDA E FÁCIL MODO DE OPERAÇÃO NOTURNA

BSM 2080/2385 ALTA EFICIÊNCIA MESMO A CARGAS PARCIAIS CONDENSADOR MICROCANAL INSTALAÇÃO RÁPIDA E FÁCIL MODO DE OPERAÇÃO NOTURNA by BSM 2080/2385 Chillers condensação a ar Instalação ao tempo Compressores parafuso Trocadores de calor casco e tubo Ventiladores axiais Capacidade de refrigeração 317-2273 kw (90-646 TR) ALTA EFICIÊNCIA

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS ENG. LUCIANO BELO COBEE/14 2 3 PRODUÇÃO DISTRIBUIÇÃO CONSUMO Produção Distribuição Consumo Produção Distribuição Consumo 4 3 2 1 Energia utilizada: Chiller

Leia mais

Laboratório de Energia Solar UFRGS

Laboratório de Energia Solar UFRGS RELATÓRIO TÉCNICO LABSOL-UFRGS Nº 115/15 PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM ENSAIO DE MÓDULO FOTOVOLTAICO CANADIAN SOLAR CS6X-315P Solicitante: CANADIAN SOLAR BRASIL SERVIÇOS DE CONSULTORIA EM ENERGIA

Leia mais

ETIQUETAGEM: Perspectivas e desafios

ETIQUETAGEM: Perspectivas e desafios ETIQUETAGEM: Perspectivas e desafios Roberto Lamberts LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura breve histórico GERAL breve histórico TÉCNICO perspectivas desafios 2 Convênio Eletrobras UFSC

Leia mais

Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre Anchieta TV Cultura.

Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre Anchieta TV Cultura. XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação

Leia mais

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras. Palestrante Fernando Perrone

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras. Palestrante Fernando Perrone Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras Etiquetagem Eficiência Energética de Edificações Procel Edifica Palestrante Fernando Perrone

Leia mais

Condensador. T sai. T entra. Refrigerante. Temperatura. Desuperaquecimento. Condensação Sub-resfriamento. Meio de condensação

Condensador. T sai. T entra. Refrigerante. Temperatura. Desuperaquecimento. Condensação Sub-resfriamento. Meio de condensação Profª Karla Silva Temperatura Condensador Esfria e condensa o vapor superaquecido vindo da compressão nas instalações frigoríficas. Para isso usa: ar ou água ou ar e água em contato. Fases da transmissão

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife Dorival

Leia mais

ar condicionado da China

ar condicionado da China ar condicionado da China Pg. 2 AR CONDICIONADOS, da China INTRODUÇÃO: Os equipamentos de ar condicionado apresentados nesse catálogo são fabricados por uma renomada empresa fundada em 1992 e bastante reconhecida

Leia mais

// 05. Grupo Empresarial DX. Compromisso com as pessoas Compromisso com o meio ambiente

// 05. Grupo Empresarial DX. Compromisso com as pessoas Compromisso com o meio ambiente Esta nova marca, a DXM, com a sua origem nos maiores fabricantes mundiais de equipamentos de ar condicionado, verá a sua gama crescer progressivamente, em função das necessidades do mercado, passando progressivamente

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre

Leia mais

PLANO DE CURSO DE EXTENSÃO (NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO / RECICLAGEM) DETALHAMENTO E EMENTA

PLANO DE CURSO DE EXTENSÃO (NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO / RECICLAGEM) DETALHAMENTO E EMENTA 1/5 PLANO DE CURSO DE EXTENSÃO (NÍVEL DE APERFEIÇOAMENTO / RECICLAGEM) 1. ÁREAS DO CONHECIMENTO Engenharia Elétrica / Engenharia Mecânica. 2. TÍTULO DO CURSO DETALHAMENTO E EMENTA INDUSTRIAIS / COMERCIAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM Contratos ou Registros de um Processo de Compra

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM Contratos ou Registros de um Processo de Compra Documento: Registro de Preço - 001591/2016 Situação: Ativo 10624384000177 - FELIPE KROTH COSSETIN - ME Extrato: 002412/2016 Unidade: 01.18.00.00.0.1 - CENTRAL DE AQUISIÇÕES - DEMAPA Cod.Reduzido Seq. Unidade

Leia mais

Carga Térmica. Definições. Métodos de Cálculo. Ferramentas de simulação. Normas. Condições externas e internas

Carga Térmica. Definições. Métodos de Cálculo. Ferramentas de simulação. Normas. Condições externas e internas Carga Térmica Definições Métodos de Cálculo Ferramentas de simulação Normas Condições externas e internas PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados -

Leia mais

Desenvolvimento de Sistema Eficiente de Climatização com Termoacumulação para produção abaixo de 10 TR.

Desenvolvimento de Sistema Eficiente de Climatização com Termoacumulação para produção abaixo de 10 TR. 1 Desenvolvimento de Sistema Eficiente de Climatização com Termoacumulação para produção abaixo de 10 TR. C. A. M. de Holanda, DEMM-UFC, F. Benedute, ITEVA, R. B. Herbster, UFC e T. C. Neves, UFC Resumo

Leia mais

Boletim Técnico TÍTULO: LANÇAMENTO DA NOVA SÉRIE DOS EQUIPAMENTOS DA FAMÍLIA CASSETE

Boletim Técnico TÍTULO: LANÇAMENTO DA NOVA SÉRIE DOS EQUIPAMENTOS DA FAMÍLIA CASSETE Julho / 01 Página 01/07 TÍTULO: LANÇAMENTO DA NOVA SÉRIE DOS EQUIPAMENTOS DA FAMÍLIA CASSETE SUMÁRIO: Informar o Lançamento das novas Unidades Evaporadoras da Linha Cassete. OBJETIVO: Informar as principais

Leia mais

MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA DE SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO DE AR ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL.

Leia mais

Unidade Intercambiadora de Calor Série YE

Unidade Intercambiadora de Calor Série YE Unidade Intercambiadora de Calor Série YE A unidade intercambiadora de calor Série YE foi desenvolvida para proporcionar o máximo conforto térmico em ambientes. Projetada para atender diferentes demandas

Leia mais

Eficiência Energética Etiqueta PBE Edifica - Edifícios Públicos

Eficiência Energética Etiqueta PBE Edifica - Edifícios Públicos Eficiência Energética Etiqueta PBE Edifica - Edifícios Públicos Ma. Juliana Al-Alam Pouey LINSE Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UFPel Universidade Federal de Pelotas Florianópolis,

Leia mais

Família M3. Condicionadores de Ar UNIDADE EXTERNA

Família M3. Condicionadores de Ar UNIDADE EXTERNA Condicionadores de Ar Possuem filtro de ar antibacteriano e antifungo Ciclo de Ar frio Controle de temperatura Controle de ventilação: Auto, Baixo, Médio e Automático Controle remoto com display de cristal

Leia mais

CHILLER DE CONDENSAÇÃO A ÁGUA YCWL TR

CHILLER DE CONDENSAÇÃO A ÁGUA YCWL TR CHILLER DE CONDENSAÇÃO A ÁGUA YCWL 50 150 TR Visão Geral - YCWL 9 Modelos Disponíveis Capacidade de 50 a 150 TR R- 410a Painel de Controle Microprocessado Compressores Scroll Trocador de Calor do Tipo

Leia mais

Construção robusta e de alta durabilidade. Alta eficiência térmica, resultando em Segurança Motor EC de baixo consumo de energia,

Construção robusta e de alta durabilidade. Alta eficiência térmica, resultando em Segurança Motor EC de baixo consumo de energia, Cdr 270 792 W 229 1 9111 222 Condensador Remoto a r Baixo nível de ruído Fluxo de ar horizontal e vertical Construção robusta e de alta durabilidade Características técnicas lta eficiência térmica, resultando

Leia mais

Intercambiador de Calor

Intercambiador de Calor C6-003 Intercambiador de Calor Séries ICH-DX, ICV-DX Expansão Direta TROX DO BRASIL LTDA. Rua Alvarenga, 2025 05509-005 São Paulo SP Fone: (11) 3037-3900 Fax: (11) 3037-3910 E-mail: trox@troxbrasil.com.br

Leia mais

Catálogo Técnico. Fan Coil 42LS. Fan Coil 42LS - Água Gelada Modelos Horizontais e Verticais

Catálogo Técnico. Fan Coil 42LS. Fan Coil 42LS - Água Gelada Modelos Horizontais e Verticais Catálogo Técnico Fan Coil 42LS Fan Coil 42LS - Água Gelada s Horizontais e Verticais ÍNDICE 1 - Descrição dos s Disponíveis... 2 - Nomenclatura... - Características Técnicas... 4 - Controle...4 - Performance

Leia mais

ENG 3006 TRANSFERÊNCIA DE CALOR E MASSA 1 o SEMESTRE DE Capítulo 11 Trocadores de Calor

ENG 3006 TRANSFERÊNCIA DE CALOR E MASSA 1 o SEMESTRE DE Capítulo 11 Trocadores de Calor ENG 3006 TRANSFERÊNCIA DE CALOR E MASSA 1 o SEMESTRE DE 2015 Capítulo 11 Trocadores de Calor Tópicos Tipos de trocadores de calor; O coeficiente global de transferência de calor; Análise térmica de trocadores

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS BASE ADMINISTRATIVA DO QUARTEL- GENERAL DO EXÉRCITO SECRETARIA GERAL DO EXÉRCITO PRODUTO: AR CONDICIONADO SPLIT COM INSTALAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO Nº. 22 / 2016 ( SRP ) UASG Nº.

Leia mais

- Acionamentos hidrostáticos - Transmissões - Injetoras de plástico V EH18B-2 V EH14B-2 V EH16B-2 G 1 G 1-1/4 G 1-1/4 13.

- Acionamentos hidrostáticos - Transmissões - Injetoras de plástico V EH18B-2 V EH14B-2 V EH16B-2 G 1 G 1-1/4 G 1-1/4 13. Série V E Série FMD DC Resfriadores - óleo/ar (trocador de calor) - Vazão: de até 600 l/min - Capacidade: de 4.7 até kw/h - Pressão máxima de trabalho: bar - Sensor térmico opcional - Motor de corrente

Leia mais

SISTEMAS MULTIPRESSÃO

SISTEMAS MULTIPRESSÃO SISTEMAS MULTIPRESSÃO O sistema multipressão é um sistema de refrigeração, por compressão de vapor, que possui dois ou mais níveis de baixa pressão A capacidade e a eficiência de um sistema de refrigeração

Leia mais

AEFICIÊNCIA. Chillers Turbotosi MS080 - Condensação a Ar Dados Técnicos R134A SEM ÓLEO EVAPORADOR INUNDADO OPERAÇÃO RESFRIAMENTO COMPRESSOR CENTRÍFUGO

AEFICIÊNCIA. Chillers Turbotosi MS080 - Condensação a Ar Dados Técnicos R134A SEM ÓLEO EVAPORADOR INUNDADO OPERAÇÃO RESFRIAMENTO COMPRESSOR CENTRÍFUGO MS080 - Condensação SEM ÓLEO AEFICIÊNCIA EVAPORADOR INUNDADO OPERAÇÃO RESFRIAMENTO COMPRESSOR CENTRÍFUGO REFRIGERANTE R134A CONDENSADOR AXIAL Seleção Rápida - Turbotosi com Condensação MODELO CAPACIDADE

Leia mais

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Apresentação Eficiência energética em edificações Panorama internacional O caso Brasileiro PBE Edificação Custos nas instalações Eficiência energética

Leia mais

Validade da Ata: 06/09/2012 a 05/09/2013

Validade da Ata: 06/09/2012 a 05/09/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Goiás Pró-Reitoria de Administração e Finanças Pregão Eletrônico Nº 00071/2012(SRP) Processo nº 23070.005162/2012-58 Validade da Ata: 06/09/2012 a 05/09/2013

Leia mais

Os produtos da LG Electronics têm liderado o mercado global de sistemas de ar condicionado através do desempenho excelente e do design inovador.

Os produtos da LG Electronics têm liderado o mercado global de sistemas de ar condicionado através do desempenho excelente e do design inovador. Os produtos da LG Electronics têm liderado o mercado global de sistemas de ar condicionado através do desempenho excelente e do design inovador. LG Ar Condicionado 11 GAMA DOMÉSTica Fluxo de Ar Potente

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

Ar Condicionado Residencial e Comercial NOVA FUNÇÃO SEGUIR LÍNHA DE PRODUTO

Ar Condicionado Residencial e Comercial NOVA FUNÇÃO SEGUIR LÍNHA DE PRODUTO LÍNHA DE PRODUTO NOVA FUNÇÃO SEGUIR Pressiona o botão Follow me y a temperatura da habitação baseia-se na temperatura da zona onde está Ar Condicionado Residencial e Comercial *Função segue-me com o comando

Leia mais

Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade. Dupla saída de ar Baixa velocidade. Bandeja interna

Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade. Dupla saída de ar Baixa velocidade. Bandeja interna 302 770 00 27 3397 Evaporador de Ar Forçado Baixa Velocidade Dupla saída de ar Baixa velocidade Bandeja interna Características Técnicas Bandeja interna que evita fugas de ar e concentra fluxo de água

Leia mais

Condensadores para Supermercados

Condensadores para Supermercados Condensadores para Supermercados ECONOMIA DE ENERGIA EM REFRIGERAÇÃO PARA SUPERMERCADO COMPARATIVO ENTRE O CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA DO CONDENSADOR EM V ADIABÁTICO COM VARIADOR DE FREQÜÊNCIA E CONDENSADOR

Leia mais

Aquecimento de Água. Linha Bomba de Calor para Piscina. Linha Completa para o Conforto Térmico

Aquecimento de Água. Linha Bomba de Calor para Piscina. Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecimento de Água Linha Bomba de Calor para Piscina Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecedor de Água Apresentação Este modelo de bomba de calor para piscina é fabricado pela Rheem nos Estados

Leia mais

Chiller Bomba de Calor Compact-Y MD ErP

Chiller Bomba de Calor Compact-Y MD ErP Chiller Bomba de Calor Compact-Y MD ErP Ar Condicionado Chiller - Bomba de calor Compact-Y MD ErP Compact-Y MD Chiller/Bomba de calor reversível monobloco com condensação a ar e ventiladores helicoidais.

Leia mais

Catálogo Técnico. O Ar Condicionado Residencial Split Série COS

Catálogo Técnico. O Ar Condicionado Residencial Split Série COS Catálogo Técnico O Ar Condicionado Residencial Split Série COS CATALOGO TECNICO O AR CONDICIONADO RESIDENCIAL SPLIT Obrigado por preferir nossos produtos Nota: A informação técnica dentro desse catálogo

Leia mais

Controle térmico em processos de conformação de plásticos

Controle térmico em processos de conformação de plásticos Controle térmico em processos de conformação de plásticos O controle preciso da temperatura é essencial na indústria de plásticos. Para cada aplicação e matéria-prima processada há uma solução de resfriamento

Leia mais

Eficiência na transferência de calor de processos industriais

Eficiência na transferência de calor de processos industriais 58 Capítulo V Eficiência na transferência de calor de processos industriais Por Oswaldo de Siqueira Bueno* Nas edições anteriores, foram abordadas as perspectivas de economia de energia com a eficiência

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 14: Simulação de Consumo de Energia e S3E

Desempenho Térmico de edificações Aula 14: Simulação de Consumo de Energia e S3E Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + Definição + Objetivos + Interação dinâmica + Adoção em projeto + Indicadores de desempenho + Mundo + USA + BR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TURBINAS A VAPOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TURBINAS A VAPOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TURBINAS A VAPOR Prof. FERNANDO BÓÇON, Dr.Eng. Curitiba, setembro de 2015 IV - TURBINAS A VAPOR 1. GENERALIDADES 1.1

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações. Roberto Lamberts

Eficiência Energética em Edificações. Roberto Lamberts Eficiência Energética em Edificações Roberto Lamberts www.labeee.ufsc.br ENERGY EFFICIENCY FIRST FUEL Em 2013 a IEA definiu eficiência energética como o primeiro combustível a ser usado: Nunca acaba!

Leia mais

Palavras-chave: Ar Condicionado, Conservação de Energia, Conforto Térmico, Eficiência Energética, EER

Palavras-chave: Ar Condicionado, Conservação de Energia, Conforto Térmico, Eficiência Energética, EER EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (EER) DE CONDICIONADORES DE AR DOMÉSTICOS : MEDIÇÃO EM CAMPO x MEDIÇÃO EM CALORÍMETRO Anastácio da Silva Júnior Escola Técnica Federal de Santa Catarina UnED/SJ Curso de Refrigeração

Leia mais

AR CONDICIONADO SOLAR

AR CONDICIONADO SOLAR ISO 9001 : 2008 Engenharia do Ar Condicionado De 07/05/2012 a 11/05/2012 Capítulo Especial sobre AR CONDICIONADO SOLAR Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ

Leia mais

EXCELÊNCIA EXPERIÊNCIA EXPANSÃO. Principais Características EM ECONOMIA DE ENERGIA Nº DE UNIDADES CONECTÁVEIS FAIXA DE CAPACIDADE 8HP 60HP 22HP

EXCELÊNCIA EXPERIÊNCIA EXPANSÃO. Principais Características EM ECONOMIA DE ENERGIA Nº DE UNIDADES CONECTÁVEIS FAIXA DE CAPACIDADE 8HP 60HP 22HP Principais Características EXCELÊNCIA EM ECONOMIA DE ENERGIA Conta com os novos compressores duplos rotativos DC Inverter altamente eficientes e com tecnologia capaz de proporcionar eficiência ESEER acima

Leia mais

APLICAÇÃO DO CONCEITO DO SELO PROCEL EDIFICA EM EDIFICAÇÃO DO CAMPUS DE PALMAS/UFT

APLICAÇÃO DO CONCEITO DO SELO PROCEL EDIFICA EM EDIFICAÇÃO DO CAMPUS DE PALMAS/UFT APLICAÇÃO DO CONCEITO DO SELO PROCEL EDIFICA EM EDIFICAÇÃO DO CAMPUS DE PALMAS/UFT Nathália Canêdo de Lima Silva 1 ; Mariela Cristina Ayres de Oliveira 2 ; 1 Aluna do Curso de Arquitetura e Urbanismo;

Leia mais

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP. Resumo executivo

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP. Resumo executivo A B C D E Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Resumo executivo Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Resumo Executivo Sumário Apresentação...

Leia mais

Avaliação da Eficiência Energética em Edificações de um Campus Universitário de Acordo com o Processo Analítico do RTQ-C

Avaliação da Eficiência Energética em Edificações de um Campus Universitário de Acordo com o Processo Analítico do RTQ-C Avaliação da Eficiência Energética em Edificações de um Campus Universitário de Acordo com o Processo Analítico do RTQ-C Alcenor S. Filho, Carminda C. M. de M. Carvalho, Lusiane P. Fonseca, Allan R. A.

Leia mais