RACIONALIZAÇÃO DO USO DA ÁGUA POTÁVEL E REUSO DE EFLUENTES LÍQUIDOS EM PLANTAS SIDERÚRGICAS DE FERRO LIGAS: O CASO DA RIO DOCE MANGANÊS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RACIONALIZAÇÃO DO USO DA ÁGUA POTÁVEL E REUSO DE EFLUENTES LÍQUIDOS EM PLANTAS SIDERÚRGICAS DE FERRO LIGAS: O CASO DA RIO DOCE MANGANÊS"

Transcrição

1 ALBANO SOARES FILHO RACIONALIZAÇÃO DO USO DA ÁGUA POTÁVEL E REUSO DE EFLUENTES LÍQUIDOS EM PLANTAS SIDERÚRGICAS DE FERRO LIGAS: O CASO DA RIO DOCE MANGANÊS Dissertação apresentada ao curso de Gerenciamento e Tecnologia Ambiental no Processo Produtivo, Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, em cumprimento às exigências para obtenção do grau de mestre. Orientador: Prof. Dr. Emerson Andrade Sales Co-orientadora: Profª. Dra. Karla Oliveira Esquerre Salvador 2008

2 S676 Soares Filho, Albano Racionalização do uso da água e reuso de efluentes líquidos em plantas siderúrgicas de ferro ligas: o caso da Rio Doce Manganês / Albano Soares Salvador,BA, p.; il. color. Orientador: Prof. Dr. Emerson Andrade Sales Co-orientadora: Profª. Drª. Karla Patricia Santos Oliveira Rodríguez Dissertação (Mestrado) Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica, Referências e Anexos. 1. Recursos hídricos 2. Balanço hidrológico 3. Água Potável 4. Águas residuais. I. Universidade Federal da Bahia. Escola Politécnica. II. Sales, Emerson Andrade. III. Esquerre, Karla Patricia Santos Oliveira Rodríguez. IV. Título. CDD:

3 Folha de aprovação ver original teclim

4 Dedico este trabalho a meus pais Albano e Alvany, por toda uma vida dedicada a minha formação e a minha esposa e filha por permearem a minha existência.

5 AGRADECIMENTOS Ao meu pai e minha mãe, pelo cidadão que hoje sou. À minha esposa e filha pelas horas de compreensão. A Rio Doce Manganês RDM na pessoa de Gil Albano Andrade pelo incentivo e apoio, sem os quais não seria possível esta Dissertação. Ao Domingos, supervisor de serviços gerais da MOOP, pela colaboração e sugestões que tornaram possíveis as intervenções necessárias à malha hidráulica da RDM. A FH engenharia pelas informações e colaboração técnica. Ao Sérgio Aquino pela sua inestimável colaboração técnica. Aos professores do curso de Mestrado. Um especial agradecimento ao meu orientador, Professor Emerson Andrade Sales, e a minha co-orientadora Professora Karla Oliveira Esquerre pela paciência e horas dispensadas a revisão deste trabalho. Ao Professor Asher pela colaboração na revisão. A todos os demais que contribuíram para este trabalho.

6 Ontem foi embora. Amanhã ainda não veio. Temos somente hoje, Comecemos. (Madre Teresa de Calcutá)

7 SOARES FILHO, Albano. Racionalização do uso da água potável e reuso de efluentes líquidos em plantas siderúrgicas de ferro ligas: o caso da Rio Doce Manganês f. Dissertação (Mestrado em Gerenciamento e Tecnologia Ambiental no Processo Produtivo) -- Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, Salvador. RESUMO O objetivo principal deste trabalho consistiu na redução do consumo de água potável por pessoa de forma permanente na empresa Rio Doce Manganês RDM e substituição de parte da água bruta utilizada no processo por efluente tratado. Para consecução dos objetivos, abordou-se inicialmente a situação dos recursos hídricos, sua distribuição e demandas no Brasil e no mundo, a crescente conscientização da sociedade e segmento industrial, e a evolução do cabedal de leis que regem e disciplinam o uso do recurso no Brasil. Abordou-se também de forma resumida o processo de produção, atividades de apoio e características gerais da empresa siderúrgica RDM. Na etapa metodológica desenvolveu-se e implantou-se uma política abrangente de racionalização do uso da água na RDM tendo como instrumento norteador um Balanço Hídrico do consumo de água potável. Foram destacadas e enfatizadas as quantificações de consumo por áreas e setores, juntamente com o cadastramento hidráulico das instalações industriais, introdução de intervenções voltadas para a redução do consumo, através da aplicação de variáveis educacionais, intervenções sobre o sistema de distribuição e consumo, reaproveitamento de efluentes e modificação de projetos. Com a aplicação da metodologia, obteve-se um diagnóstico do consumo de água potável por áreas da empresa, possibilitando a intervenção nos pontos mais críticos, reduzindo-se o índice de consumo médio diário por pessoa no ano de 2006, de 123 litros para 60 litros no primeiro semestre de Como recomendação, propôs-se a instituição de um Programa de Gestão de Recursos Hídricos, o qual possuirá como elemento referencial, uma série de medidas a serem implementadas e mantidas em curto prazo, e o aprimoramento do balanço hídrico da água bruta utilizada pela empresa. Palavras-chave: Recursos hídricos; Balanço hídrico; Água potável; Diagnóstico; Política de gestão de recursos hídricos.

8 SOARES FILHO, Albano. Racionalização do uso da água potável e reuso de efluentes líquidos em plantas siderúrgicas de ferro ligas: o caso da Rio Doce Manganês f. Dissertação (Mestrado em Gerenciamento e Tecnologia Ambiental no Processo Produtivo) -- Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, Salvador. ABSTRACT The main objective of this work was to reduce the consumption of drinking water per person on a permanent basis in the company Rio Doce Manganese - RDM and the replacement of the water used in the process by gross treated effluent. To achieve these goals it was originally addressed the situation of water resources, its distribution and demands in Brazil and in the world, the growing awareness of society and industries, and the development of the leather of laws that and discipline the use of the resource in Brazil. It was also addressed, briefly the production process, activities of support and general characteristics of the steel company RDM. In the methodology step it was developed and implemented a wide policy of rationalization of the use of water in RDM having as a guiding tool the water Balance consumption of drinking water. It was highlighted and emphasized the quantifications of consumption in areas and sectors, together with the hydraulic registration of the industrial installations, introduction of interventions aimed at reducing consumption through the application of educational varying, interventions on the system for distribution and consumption, reuse of effluents and projects modification. As a result of the methodology, it was obtained a diagnosis of drinking water consumption in the areas of the company, enabling the intervention on the most critical points, reducing the index of the average daily consumption per person in 2006 from 123 liters to 60 liters in the first half of As proposed recommendations, it was sugested the establishment of a Water Resources Management Program which will have referential, a series of measures to be implemented and maintained in the short term, and the improvement of the water balance of the gross water used by the company. Keywords: Water Demands; Use of the resource; Drinking water Balance; Water Diagnosis; water resources management Policy.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Localização da Rio Doce Manganês - RDM 19 Figura 2: Corrida da liga 22 Figura 3: Reservatório de água para abastecimento industrial 23 Figura 4: Bacias hidrográficas 26 Figura 5: Fluxo metodológico 46 Figura 6: Torneira temporizada instalada no prédio ADM 68 Figura 7: Sistema de osmose reversa do laboratório 68 Figura 8: Detalhamento esquemático do sistema hidráulico para abastecimento das descargas sanitárias do vestiário central e prédio administrativo com águas pluviais e bruta. 81 Figura 9: Instalação da tubulação para captação de águas pluviais 82 Figura 10: Tanques intermediários acumuladores de águas pluviais 82 Figura 11: Introdução de novas instalações hidráulicas nas bacias sanitárias 83 Figura 12 : Efluente bruto da sinterização 91 Figura 13: Efluente da sinterização tratado com 10, 15 e 20 ml de sulfato de alumínio e 5 ml de polímero 92 Figura 14: Teste com 10 ml de cloreto férrico(a) e 100(b) e 125 ml(c) de sulfato de alumínio 92 Figura 15: Mistura do efluente bruto da sinterização e do afluente da ETA- Captação (adição de 5 (a), 10 (b) e 15 (c) ml de cloreto férrico) 30 minutos após sedimentação 98 Figura 16: Mistura do efluente bruto da sinterização e do afluente da ETA- Captação (adição de 5(a), 10(b) e 15(c) ml de sulfato de alumínio) 30 minutos após sedimentação 99 Figura 17: Mistura do efluente bruto da sinterização com afluente da ETA- Captação (adição de 20(a) e 30(b) ml de sulfato de alumínio) Figura 18: Mistura do efluente bruto da sinterização com afluente da ETA- Captação (adição de 15 ml de sulfato de alumínio) Figura 19: Tratamento do efluente da sinterização na ETA

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Mão-de-obra utilizada na RDM 20 Tabela 2: Principais pontos consumidores de água potável na RDM 50 Tabela 3: Determinação da vazão de chuveiros da RDM 51 Tabelas 4: Determinação da vazão em torneiras da RDM 51 Tabela 5: Consumo de água potável em 2004 e Tabela 6: Registro dos consumos na primeira e segunda medição 59 Tabela 7: Consumidores acima de 1 m 3 /dia 62 Tabela 8: Consumidores abaixo de 1 m 3 /dia 63 Tabela 9: Áreas priorizadas para intervenção 65 Tabela 10: Índices pluviométricos dos últimos 25 anos em Salvador 80 Tabela 11: Parâmetros e pontos de amostragem das análises 89 Tabela 12: Ensaios com efluente da sinterização utilizando-se sulfato de alumínio (Al 2 SO 4 ) 3, cloreto férrico e polímero 93 Tabela 13: Resultados das análises de laboratório do efluente bruto e tratado da sinterização 94 Tabela 14: Ensaios da mistura do efluente bruto da sinterização e do afluente da ETA-Captação, utilizando-se cloreto férrico (FeCl 3 ) 101 Tabela 15: Ensaios da mistura do efluente bruto da sinterização e do afluente da ETA-Captação utilizando sulfato de alumínio 102 Tabela 16: Resultados físico-químicos do efluente bruto e tratado da mistura do efluente da sinterização e afluente da ETA- Captação 103 Tabela 17: Resultado de análise de lodos 105 Tabela 18: Volume de efluente da sinterização tratados 109

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 : Consumo mensal de água potável nos anos de 2004 e Gráfico 2: Primeira medição do consumo de água potável 57 Gráfico 3: Segunda medição do consumo de água potável 59 Gráfico 4: Comparativo entre os consumos das medições 1 e 2 59 Gráfico 5: Consumidores acima de 1 m 3 /dia 63 Gráfico 6: Consumidores abaixo de 1 m 3 /dia 64 Gráfico 7 : Comparativo entre o consumo médio diário do ano de 2006, com o consumo médio diário do primeiro semestre de 2007 no prédio administrativo 69 Gráfico 8: Consumo médio diário observado nas medições 1 e 2, média total do ano de 2006 incluindo-se as modificações introduzidas, e a média diária após a intervenção (11m 3 /dia) 72 Gráfico 9: Média diária do consumo de água potável de janeiro de 2006 à maio de 2007 nos vestiários da Planta- I 73 Gráfico10: Consumo de água no refeitório, comparando-se as médias diárias da primeira e segunda medição com a média diária de consumo em Gráfico 11: Média do consumo diário de água no refeitório em 2006 e Gráfico 12: Média do consumo diário de água no refeitório por refeição preparada na medição 1, medição 2, 2006, 2006/2007(janeiro a maio) e primeiros 5 meses de Gráfico 13: Consumo médio diário de água potável na Metastec 78 Gráfico 14: Comparativo do consumo total entre os anos de 2004, e primeiro semestre de 2007 (m³/mês) 85 Gráfico 15: Indicador de consumo (litros/pessoa/dia) 85 Gráfico 16: Comparação entre o efluente bruto e tratado (Cu/ Mg/ Mo/ Ca/ P/ N/ As) 96 Gráfico 17: Comparação entre o efluente bruto e tratado. (Cor/ DBO/ DQO) 96 Gráfico 18: Volume de efluente da sinterização tratado em

12 LISTA ABREVIATURAS E SIGLAS ADM ANA CETREL CHESF CIA CMMAD CONAMA DBO DQO DSS EMBASA ETA ETALGÁS FAO LDM Mw OMS ONU PERH-BA PNDCA PNUMA PURA PVC RDM SABESP SSd TECLIM VL Administrativo Agência Nacional de águas Central de Tratamento de Efluentes Líquidos Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Centro Industrial de Aratu Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Conselho Nacional de Meio Ambiente Demanda Bioquímica de Oxigênio Demanda Química de Oxigênio Diálogos de Saúde e Segurança Empresa Baiana de Saneamento Estação de tratamento de água Estação de Tratamento de Gás Food and Agriculture Organization Limite de Detecção do Método Megawhat Organização Mundial de Saúde Organização das Nações Unidas Plano Estadual de Recursos Hídricos Bahia Plano Nacional de Combate ao Desperdício de Água Plano das Nações Unidas para o Meio Ambiente Plano de Utilização e Reuso da Água Policloreto de Vinila Rio Doce Manganês. Serviço de águas e Esgotos de São Paulo. Sólidos Sedimentáveis Rede de Tecnologias Limpas Volume de Lodo

13 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO LOCALIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO E CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DESCRIÇÃO DO PROCESSO SISTEMA DE UTILIDADES UNIDADES AUXILIARES E DE APOIO CONSERVAÇÃO DA ÁGUA HISTÓRICO DISPONIBILIDADE HÍDRICA DOS RECURSOS SUPERFICIAIS E ESCASSEZ DE ÁGUA GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS CONSERVAÇÃO DE ÁGUA METODOLOGIA ADOTADA RESULTADOS E DISCUSSÃO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 45 CONSUMIDORAS DE ÁGUA POTÁVEL 5.2 LEVANTAMENTO DO CONSUMO DE ÁGUA POTÁVEL EM ANOS 51 ANTERIORES 5.3 USOS DA ÁGUA NA RDM ESCOLHA DO SISTEMA DE MEDIÇÃO DO CONSUMO E DIMENSIONAMENTO DE EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VAZÃO E INSTALAÇÃO EM PONTOS DE MAIOR REPRESENTATIVIDADE, NA 53 REDE CONSUMIDORA DE ÁGUA BRUTA E POTÁVEL 5.5 IMPLEMENTAÇÃO DE CAMPANHA PRELIMINAR DE MEDIÇÃO DE 54 CONSUMO DE ÁGUA BRUTA E POTÁVEL 5.6 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA POTÁVEL APÓS CAMPANHA PRELIMINAR DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE OS USOS DA ÁGUA, CORREÇÃO DE VAZAMENTOS E SUBSTITUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE ALTO CONSUMO POR EQUIPAMENTOS ECONOMIZADORES DE 56 ÁGUA. 5.7 ANÁLISE DO CONSUMO DE ÁGUA POTÁVEL PRIORIZAÇÃO DE ÁREAS PARA INTERVENÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO Correção de vazamentos Campanhas de conscientização Substituição de componentes convencionais por economizadores de água. 66

14 5.10 INTERVENÇÕES, MODIFICAÇÕES HIDRÁULICAS E DE ABASTECIMENTO EM PONTOS DE MAIOR REPRESENTATIVIDADE E 67 SUBSTITUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL EM DESCARGAS SANITÁRIAS Detalhamento de intervenções nas áreas prioritárias Vestiários Planta I Refeitório Empreiteira Metastec SUBSTITUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL EM DESCARGAS SANITÁRIA POR ÁGUAS PLUVIAIS E ÁGUA BRUTA Uso de águas pluviais na área do prédio administrativo Abastecimento de descargas sanitárias por água bruta ESTABELECIMENTO DE UM INDICADOR DE CONSUMO PARA ÁGUA POTÁVEL TRATAMENTO E REAPROVEITAMENTO DE EFLUENTES, EM SUBSTITUIÇÃO A PARTE DA ÁGUA INDUSTRIAL CONSUMIDA NO 86 PROCESSO PRODUTIVO Tratamento e reuso de efluentes da antiga sinterização Campanha de amostragem e medição de vazão Ensaios de tratabilidade e teste do jarro Ensaio com o efluente da sinterização Resultados físico-químicos e biológicos de laboratório do efluente da sinterização Ensaios com o efluente misturado da sinterização e do afluente 97 da ETA-Captação Resultados Físico-Químicos e Biológicos de laboratório da 103 mistura do efluente bruto da Sinterização e do Afluente da ETA- Captação Resíduos sólidos (lodos) gerados nos tratamentos AVALIAÇÃO DAS ALTERNATIVAS DE TRATAMENTO DO EFLUENTE 106 DA SINTERIZAÇÃO SOB O ASPECTO HIDRÁULICO ETA-Captação recebendo o efluente da sinterização TRATAMENTO EM ESCALA REAL CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES 111 REFERÊNCIAS 113 ANEXOS ANEXOS 1 - Sugestão de programa de gestão de recursos hídricos 117 ANEXO 2 - Fotos dos hidrômetros 127 ANEXO 3 Planilhas de controle para medição do consumo de água potável 128 nos hidrômetros ANEXO 4 Planilhas de controle para medição do volume de efluente 130 Tratado

15 15 1 INTRODUÇÃO De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), a água doce poderá ter neste século importância similar a que o petróleo teve no século XX (UNESCO, 2003). Para muitos pode parecer exagero, no entanto, do total de água doce disponível no planeta, 70% é utilizada na agricultura para produção de alimentos e, de acordo com a Food and Drug Administration (FAO) a produção de alimentos está cada vez mais dependente da agricultura irrigada, e a necessidade de alimentar uma população crescente deverá pressionar também em escala crescente os recursos hídricos (REBOUÇAS, C, A). Neste contexto, o Brasil conta com uma disponibilidade por habitante de litros (CORDEIRO, 2005) de água, o que segundo os padrões da ONU nos deixaria em posição confortável. No entanto, o que se percebe é que ocorre uma distribuição de toda esta água de forma bastante desigual em todo o território, ficando a região Amazônica com cerca de 80% do total, contando com apenas 5% da população Brasileira e os restantes 20% sendo distribuídos para 95% da população. Neste cenário, considerando-se ainda regiões com baixíssimas precipitações pluviométricas, como é o caso do Nordeste, podemos concluir que a abundância é segmentada e que a disponibilidade atribuída é representativa apenas na escala (SETTI e outros, 2000). Desta forma, para enfrentar os enormes desafios que se impõem com as crescentes demandas futuras, as ferramentas com que se pode contar atualmente são o uso cada vez mais eficiente e integrado de todo e qualquer tipo de água, privilegiando-se também o reuso de efluentes. No setor industrial, percebe-se um movimento no sentido da utilização de forma mais racional a água disponível, seja de rios, subterrânea e de reuso não potável, esta última de forma mais intensa nos últimos tempos, com ganhos de imagem perante a sociedade, e redução de impactos sobre o meio ambiente. Neste contexto, a Rio Doce Manganês (RDM), indústria siderúrgica do ramo de ferro ligas com um contingente de colaboradores em torno de 750 pessoas, desconhecia a dinâmica de seu consumo, e apresentava no início do diagnóstico

16 16 elaborado neste trabalho, um consumo médio de aproximadamente 140 litros por pessoa por dia de água potável, o equivalente ao consumo diário por habitante do Estado de Minas Gerais. (PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO, 2006) A partir do conhecimento da realidade da empresa, foi possível elaborar uma série de intervenções focadas na redução do consumo da água potável, redução e reutilização de efluentes, utilizados para suprimento de parte da demanda industrial da Rio Doce Manganês - RDM. 1.2 OBJETIVOS Objetivo geral Este trabalho apresenta como objetivo geral, a racionalização do uso da água potável na empresa Rio Doce Manganês, incluindo-se o tratamento e utilização de efluentes e captação de águas pluviais e proposição de um Programa de Gestão de Recursos Hídricos Objetivos específicos Como objetivos específicos têm-se: Estabelecimento do controle sistemático do consumo, com ênfase na metodologia de quantificação das vazões. Implementação de ações voltadas para redução do consumo de água. Estabelecimento de indicadores de consumo para água potável.

17 17 2 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO 2.1 LOCALIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO E CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL A RDM foi criada em 1965 para a produção de ligas de ferro manganês. Atualmente, através das Unidades I e II a empresa detém um total de 153 MVA de potência elétrica instalada e uma capacidade nominal de produção de 280 mil t/ano, de ligas de Ferro ligas de Manganês. O parque industrial está localizado no município de Simões Filho - BA, dentro da área do Centro Industrial de Aratu (CIA), em área sob influência da Baía de Aratu. O parque produtivo é formado por três unidades distintas, denominadas plantas I/II/III. As principais referências do empreendimento são as divisas com a Rodovia Federal BR-324 e sede do município de Simões Filho à leste, e com a Baia de Aratu a noroeste, localiza-se a uma distância de aproximadamente 25 km de Salvador (BA), que fica em direção sul. A oeste localiza-se o distrito de Cotegipe, cujos limites praticamente se confundem com os muros da RDM, conforme mostrado na Figura 1. O parque industrial é cortado por um pequeno riacho denominado Paramirim, no sentido sul-norte, que tem aporte na represa de abastecimento industrial da RDM. Em épocas de alta pluviosidade, período que vai dos meses de abril à setembro, a represa extravasa por vertedouros em direção à Baía de Aratu e manguezais circundantes. A RDM está localizada em bacia hídrica vertente para a Baía de Aratu em uma sub-bacia de solo argiloso com pequena área e recursos hídricos muito limitados. Como pode-se observar na figura 1 a contribuição de água superficial dessa subbacia está limitada pela BR 324, estrada para Cotegipe e Mapele e parte da cidade de Simões Filho. Em termos hidrogeológicos, o sítio da RDM e seus arredores imediatos é dominado por solos argilosos, configurando um aqüífero freático pobre, com condutividades hidráulicas baixas e velocidade de fluxo média inferior a 10 m/ano

18 18 (CENTRAL DE TRATAMENTO DE EFLUENTES, 2005). O mapa potenciométrico revela que o sítio da RDM atua como receptor geral das águas subterrâneas das áreas circunvizinhas à leste, sul e oeste, descarregando este influxo hidráulico na Baía de Aratú. Quando a indústria foi implantada construiu para acumulação de água, um barramento (lagoa) para abastecimento industrial que serviria tanto para captação e acumulação de água como para retenção de efluentes para reutilização no processo produtivo, tendo em vista que a carência de água na região é grande. A bacia hidráulica inundável é de 12,3 hectares, perímetro de 1,6 km, profundidade máxima de 6,4 metros e uma capacidade de acumulação de m³. Como pode ser observado nas figuras 1 e 3, a lagoa da RDM está situada no fundo do vale entre as cotas de 0,0 m a 6,4 m, onde seu entorno é formado por encostas muito íngremes que estão nas cotas 45,0 m a 90,0 m sendo a recarga hidráulica da lagoa realizada pelas águas superficiais durante o período do inverno e água de exudação da encostas coletadas por um córrego, estreito e curto (750m), denominado Paramirim, durante todo ano. O Paramirim está no limite da área urbana recebendo contribuições de esgoto sanitário. Em épocas de estiagem mais prolongadas, a lagoa da RDM é recarregada com água captada em um barramento da CHESF, que servia a uma usina atualmente desativada. Balanço Hídrico Resumido A água industrial consumida na RDM é proveniente de um reservatório de acumulação (lagoa) alimentado pelas águas superficiais e a água de exudação de encostas, sendo principal condutor o riacho Paramirim citado anteriormente. A RDM utiliza ainda água potável fornecida pela Empresa Baiana de Águas e Saneamento (EMBASA). A partir da água proveniente do reservatório de acumulação (lagoa) e do Paramirim é produzida água clarificada para usos no processo industrial. A água potável proveniente da EMBASA, atende aos escritórios, sanitários, refeitório e outros prédios da área administrativa. A precipitação anual de águas pluviais na sub-bacia totaliza um volume de m³ = 176 m³/h considerando a área de contribuição de 80 ha e precipitação média anual de 1900 mm. Para as

19 19 atividades industriais realiza-se a captação de 28,67 m³/h na lagoa, mas como a chuva se concentra num período de 6 meses, o nível do reservatório varia, extravasando nos períodos chuvosos. Existe uma captação de 14,43 m³/h diretamente no Paramirim e recebe-se 4,75 m³/h da EMBASA (média de consumo diário no ano de 2005). No processo produtivo são gerados 27,69 m³/h de efluente e a evaporação atinge 20,08 m³/h. Existe um barramento vizinho de maior capacidade que o da Rio Doce Manganês, de propriedade de uma antiga subestação da Chesf, que pode ser utilizado pela RDM em períodos de longas estiagens. Figura 1: Sinterização Vista aérea da RDM. BAÍA BAÍA DE DE ARATU 3.2 COTEGIPE Características gerais da fábrica Barramento A RDM foi criada em 1965 para a produção de Planta Planta ligas -III -III de ferro mangan ETA - Captação Planta -I Planta -I Planta -II Planta -II BR-324 BR-324 SALVADOR Figura 1 Localização da Rio Doce Manganês - RDM Os principais clientes nacionais são a Usiminas, Cosipa, e Grupo Gerdau. A empresa exporta também para Argentina, Chile, Holanda, Alemanha e Turquia. Na Tabela 1 é mostrado o número de empregados subdivididos em próprios e terceirizados.

20 20 Tabela 1: Mão-de-obra utilizada na RDM. Número de Empregados Próprios 310 Terceirizados 438 Total DESCRIÇÃO DO PROCESSO - Preparação das matérias-primas, redutores e fundentes As matérias-primas utilizadas no processo de produção de ligas consistem em: Minério de manganês: O minério de manganês é proveniente do próprio estado da Bahia e de outros estados (minério de Carajás (PA) e Urucum (MT). Os minérios regionais são transportados via rodoviária ou ferroviária. Já os minérios dos outros estados são transportados via marítima até os portos de Aratu, Salvador e USIBA (distantes cerca de 20 km), e daí por caminhões até as instalações da RDM Fundentes: quartzo, calcário e dolomita. Estes materiais são provenientes de minas do próprio Estado da Bahia, distantes aproximadamente 500 km da RDM. O transporte é feito por via rodoviária até as instalações da RDM Redutores: carvão vegetal e coque. O carvão vegetal consumido é proveniente da área de plantação de eucalipto da empresa e das fazendas de terceiros transportados respectivamente, via ferroviária e rodoviária. O coque utilizado tem as procedências do Japão, China, Austrália ou África. Outra fonte de matéria-prima que substitui parte do minério de manganês no processo é o sinter de alta resistência mecânica, insumo produzido pela aglomeração de finos de minérios de manganês e finos de carvão. A área de estocagem de matérias-primas possui m² sendo 80% coberta, com espaços separados por divisórias móveis destinadas a segregação dos diferentes tipos de minérios e insumos. - Produção de ligas de FeMn e Fe-Si-Mn A produção de ligas de FeMn e Fe-Si-Mn baseia-se no processo termodinâmico de redução à forma metálica dos óxidos de manganês, silício e ferro

21 21 através do carbono suprido pelo carvão vegetal, coque metalúrgico e pela parcela de pasta eletrolítica contida nos eletrodos. Trata-se do processo convencional de redução em fornos elétricos, onde o calor é fornecido pela corrente elétrica através dos eletrodos que entram em contato com a mistura. As transformações do minério de manganês começam a ocorrer a cerca de 500 C podendo atingir até 1500 C. Parte dos óxidos de manganês, ferro e silício, bem como algumas impurezas são reduzidos à forma metálica constituindo a liga. Parte desses óxidos como de outros elementos constituintes da carga dão origem à escória. Outra parte dos constituintes da carga é arrastada pelos gases no processo ou ainda volatilizados. A potência de trabalho do forno pode ser regulada através da mudança de voltagem até se conseguir a tensão necessária, a fim de obter as condições ideais de trabalho. - Corrida do forno Transcorrido o tempo de reação da mistura das matérias-primas, redutores e fundentes em ligas metálicas, procede-se a abertura dos furos de corrida, havendo a descarga da escória e da liga. O metal líquido escorre em canais para dentro das piscinas ou é vertido para dentro de panelas. No caso das corridas em panelas, as mesmas são manuseadas através de ponte rolante até a área de piscinas onde o metal é vertido pelo basculamento da panela. A escória escorre em canais próprios para a baia de escória. As piscinas são previamente preparadas com o auxílio de pá-carregadeira, havendo a cobertura das células com camadas de finos de minérios. Após a solidificação, a liga sólida é recolhida por pá-carregadeira e descarregada em caçambas, transportada por caminhões até a área de preparação de produtos. A escória rica proveniente da produção de ferro manganês alto carbono é transportada para a área de recuperação de escória, e a escória pobre originada na produção de ferro sílico manganês, é enviada para a área de estocagem de subprodutos para posterior comercialização.

22 22 FIGURA 2 Corrida da liga 2.3 SISTEMAS DE UTILIDADES O abastecimento de água potável é feito pela EMBASA e a água industrial pelo represamento do córrego Paramirim, conforme detalhado na Tabela 2. Na Figura 2 é apresentada uma foto aérea do reservatório de água para abastecimento industrial da RDM.

23 23 Vertedouro FIGURA 3: Reservatório de água para abastecimento industrial da RDM 2.4 UNIDADES AUXILIARES E DE APOIO A RDM possui as seguintes unidades auxiliares e de apoio subdivididos em: escritórios em geral (financeiro, recursos humanos, administrativos e técnicos), vestiários, portarias, laboratório químico, oficinas de manutenção, ambulatório médico, almoxarifado, cozinha/restaurante.

24 24 3 CONSERVAÇÃO DA ÁGUA Foram enfatizados os aspectos mais relevantes para o objeto proposto neste trabalho, tais como: disponibilidade hídrica dos recursos superficiais e escassez de água, conservação de água e reuso, aspectos regionais dos recursos hídricos. 3.1 HISTÓRICO O uso de água na agricultura e o consumo industrial e residencial são os principais fatores de pressão para a demanda crescente de água doce em todo o planeta. As perspectivas que sinalizam cada vez mais para um cenário de escassez, e ruptura com as práticas de desperdício, fazem com que se verifique com maior freqüência, a necessidade da busca de alternativas para um problema que afeta a todos indiscriminadamente. De uma forma geral, a legislação cada vez mais restritiva, a pressão de consumidores cada vez mais exigentes quanto a práticas de conservação ambiental e a necessidade de adaptação a um mundo sem fronteiras, fazem com que sociedade e setor produtivo invistam de forma crescente em práticas de conservação de recursos hídricos e energia, como forma de reduzir custos, ganhar produtividade e agregar valor à imagem. Recentemente novas informações sobre o uso de energia e emissão de CO 2 implicando no aumento da temperatura do planeta foram apresentadas pela comunidade cientifica internacional através do Painel intergovernamental para mudanças climáticas. O cenário traçado prevê um quadro preocupante para a economia mundial, em função das crescentes demandas por energia, com o consumo de água associado, podendo dobrar dentro de algumas décadas o número de países classificados como carentes de recursos hídricos (BAIRD, 2002). No contexto histórico brasileiro, os marcos legais básicos referentes ao uso da água são, a Constituição Federal de 1988, a Lei 9.433, de 08/01/1997 e o Código de Águas, estabelecido pelo Decreto Federal , de 10/07/1934. Historicamente, a administração dos problemas de recursos hídricos, levandose em conta os limites de uma bacia hidrográfica, não é uma tradição no Brasil. Até os anos 70, as questões de recursos hídricos eram sistematicamente consideradas

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Profa. Dra. Marina S. de Oliveira Ilha FEC/UNICAMP Marina Ilha SBCS08 1 Distribuição da água doce superficial MUNDO CONT. AMERICANO Nordeste

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos.

REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS. Palavras-chave: Reúso, Água cinza, Bacias sanitárias, Recursos hídricos. REÚSO DE ÁGUA CINZA EM BACIAS SANITÁRIAS Gilsâmara Alves Conceição 1 João José Cerqueira Porto 2 1 Universidade Federal da Bahia, Escola Politécnica. Av. Cardeal da Silva, 132, Federação, 40210-630. Salvador-BA,

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA ISSN 1984-9354 ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Natália Sanchez Molina (UNESC) Rafael Germano Pires (UNESC) Débora Pereira

Leia mais

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Aula: A água em números Alexandre Resende Tofeti Brasília - DF 23 de Agosto de 2013 CFI Dados sobre a Água no Mundo e na América do Sul Reservas

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Congresso Internacional de Segurança da Água Brasília,

Leia mais

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol.

Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com. Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Mauro Medeiros Gerente de Licenciamento de Recursos Hídricos mauromedeiros.inea@gmail.com Créditos: Geol. Elisa Fernandes Geol. Alexandre Cruz 1 Documentos Emitidos Autorização Ambiental para Perfuração

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais

A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais A Água na Indústria de Alimentos: uso, reuso e suas implicações ambientais i 20/07/2007 José Luiz Silvério da Silva CCNE Djalma Dias da Silveira - CT Introdução Água é essencial: Sua ausência impossibilita

Leia mais

PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO ESTUDO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS José de Sena Pereira Jr. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos

Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Informações iniciais para obtenção da outorga de direito de uso de recursos hídricos Buscando atender a uma necessidade das empresas associadas, a Assessoria

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Nelson Neto de Freitas 8º Seminário Água, Comunicação e Sociedade XVI ENCOB - Maceió, 23 de novembro de 2014 A Política e o Sistema Nacional de Gerenciamento

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

PESQUISA O USO E O CONSUMO DA ÁGUA NO ESTADO DE SÃO PAULO. www.cpdec.com.br

PESQUISA O USO E O CONSUMO DA ÁGUA NO ESTADO DE SÃO PAULO. www.cpdec.com.br PESQUISA O USO E O CONSUMO DA ÁGUA NO ESTADO DE SÃO PAULO Introdução A pesquisa O Uso e o Consumo da Água no Estado de São Paulo foi desenvolvida pelo, em parceria com o NEIT (Núcleo de Economia Industrial

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0.

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. 4 JACIRO JOHNSON PEREIRA JACQUIMINOUT jaciro.jacquiminout@am.senai.br

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012 Ref.: Autos DAEE nº 49.559, prov. 1 PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006 Reti-ratificada em 03/08/2012 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições

Leia mais

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial

Tipos de Reuso. . Reuso Industrial Cerca de 71% da superfície do planeta Terra é coberta por água. Cerca de 97,5% dessa água é salgada e está nos oceanos, 2,5% é doce sendo que deles, 2% estão nas geleiras, e apenas 0,5% estão disponíveis

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA Carla Sautchúk 21/06/2011 1 Cenário da água PANORAMA DA ÁGUA NO BRASIL Detém 12% da água do mundo e 53% da água do continente sul americano; 90% dos recursos hídricos são utilizados

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

Cenário atual da disponibilidade hídrica na RMSP e contribuições para inovação e uso racional da água.

Cenário atual da disponibilidade hídrica na RMSP e contribuições para inovação e uso racional da água. 28 de maio de 2014 Cenário atual da disponibilidade hídrica na RMSP e contribuições para inovação e uso racional da água. Edson Geraldo V. Souza - SABESP AGENDA SABESP ÁGUA NO PLANETA ADMINISTRAÇÃO DA

Leia mais

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente

Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Saneamento Básico: Pobreza, Saúde e Meio Ambiente Antonio Rocha Magalhães CGEE Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Ex-membro da CJP de Brasilia. A Campanha da Fraternidade Ecumênica, de 2016, elegeu

Leia mais

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA.

XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS; XIX ENCONTRO NACIONAL DE PERFURADORES DE POÇOS; VIII FENÁGUA FEIRA NACIONAL DA ÁGUA. Águas Subterrâneas e a Legislação Mineira de Recursos Hídricos Breno

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

Formas de uso da água

Formas de uso da água Formas de uso da água INTRODUÇÃO A água é utilizada para várias atividades humanas: uso doméstico, geração de energia, irrigação, navegação, lazer, entre outras atividades. Distribuição relativa do consumo

Leia mais

AJUDE a salvar O PLANETA. Feche a TORNEIRA do desperdício.

AJUDE a salvar O PLANETA. Feche a TORNEIRA do desperdício. AJUDE a salvar O PLANETA. Feche a TORNEIRA do desperdício. O que é a água? A água é um elemento essencial para a existência de vida no planeta, com papel fundamental nas funções biológicas de animais e

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. Dispõe sobre a emissão de outorga de direito de uso dos recursos hídricos de domínio do Estado da Bahia, assim como a sua renovação, ampliação, alteração,

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA

INSTITUTO DE ENGENHARIA INSTITUTO DE ENGENHARIA DISCUSSÕES INTERNAS SOBRE A SITUAÇÃO ATUAL E FUTURA DOS RECURSOS HÍDRICOS DA MACROMETRÓPOLE PAULISTA. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES. AGOSTO 2014 RECURSOS HIDRICOS PARA A MACROMETROPOLE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e, 1 RESOLUÇÃO N 212/2003 - CG Disciplina a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, operado pela SANEAGO, conforme processo nº 22187758 /2003. O CONSELHO DE GESTÃO

Leia mais

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR Introdução Em 2000 havia no mundo mais de 1 bilhão de pessoas sem suficiente disponibilidade de água para consumo doméstico e se estima que, em

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Sistemas produtores capacidades

Sistemas produtores capacidades Sistemas produtores capacidades CAPACIDADES DE PRODUÇÃO ATUAIS SISTEMA INTEGRADO SISTEMA PRODUTOR Nominal Máxima (m³/s) (m³/s) Cantareira 33,0 35,0 Guarapiranga 14,0 15,0 Alto Tietê 10,0 12,0 Rio Claro

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli)

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) 1 REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo sugerindo à Agência Nacional de Águas que determine às empresas concessionárias deste serviço a divulgação em suas

Leia mais

UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB.

UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB. UM ESTUDO DA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA PARA A CIDADE DE CAMPINA GRANDE PB. Elton Silva Cruz, Engenheiro Civil; Djalena M. de Melo, Engenheira Civil; Melissa F. da Silveira, Graduanda da UFCG. Departamento

Leia mais

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS

ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS ENCONTRO ÁGUA E FLORESTA GESTÃO INTEGRADA DOS RECURSOS HÍDRICOS Prof. Demetrios Christofidis EDUCAÇÃO PARA MUDANÇA DE TRAJETÓRIA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei nº 9.984/2000 Criação da ANA 1988 1997 2000 2002

Leia mais

POTENCIAL E DESAFIOS

POTENCIAL E DESAFIOS IV Seminário Regional sobre os Usos Múltiplos M da Água e Gestão Integrada de Recursos HídricosH Seminários Regionais Tema: Uso da água na indústria e tratamento de águas residuárias rias REÚSO DE ÁGUA

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS. Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos

RECURSOS HÍDRICOS. Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos RECURSOS HÍDRICOS Aspectos Legais do Gerenciamento de Recursos Hídricos WORKSHOP A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR PRODUTIVO EM FÓRUNS AMBIENTAIS CIESP - JUNDIAÍ SETEMBRO - 2010 Wilson A. Bonança

Leia mais

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações Vereador Derosso Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável velpurae

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento 2.1 - Definição e Objetivos Objetivo principal de um Sistema de Abastecimento de água: fornecer ao usuário uma água de boa qualidade para seu uso, em quantidade

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente Programa 1305 Revitalização de Bacias Hidrográficas em Situação de Vulnerabilidade e Degradação Ambiental Numero de Ações 18 Ações Orçamentárias 101P Recuperação e Preservação da Bacia do Rio São Francisco

Leia mais

6º Congresso de Pós-Graduação

6º Congresso de Pós-Graduação 6º Congresso de Pós-Graduação CAPTAÇÃO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) SABRINA MAC FADDEN Co-Autor(es) ENÉAS XAVIER DE OLIVEIRA Orientador(es) SABRINA MAC FADDEN 1. Introdução Atualmente

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008

USO RACIONAL DA ÁGUA 2008 USO RACIONAL DA ÁGUA Tipos de Água: Água potável - é a que se pode beber. É fundamental para a vida humana, e é obtida através de tratamentos que eliminam qualquer impureza. Água poluída - É a água suja

Leia mais

Cobrança pelo Uso da Água

Cobrança pelo Uso da Água Oficina de Capacitação dos Convênio Membros SEMA do Comitê / METROPLAN Pardo Convênio SEMA / METROPLAN Oficina de Capacitação dos Membros do Comitê Pardo Cobrança pelo Uso da Água Santa Cruz do Sul, 29/maio/2012

Leia mais

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO

AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO AÇÕES IMPLEMENTADAS PARA O REUSO DE ÁGUA NA FÁBRICA PALESTRANTE: JOÃO HENRIQUE TEIXEIRA CAMACHO . . A SITUAÇÃO DA ÁGUA NO BRASIL. O Brasil detém 11,6% da água doce superficial do mundo. Os 70 % da água

Leia mais

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1.

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS DIRETOS E DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL E EQUIPAMENTOS SANITÁRIOS ECONOMIZADORES DE ÁGUA: ESTUDO DE CASO PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007

LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 LEI N 1.192, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007 CRIA, no município de Manaus, o Programa de Tratamento e Uso Racional das Águas nas edificações PRO-ÁGUAS. O PREFEITO DE MANAUS, usando das atribuições que lhe são

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS, SAÚDE E PROTEÇÃO AMBIENTAL

RECURSOS HÍDRICOS, SAÚDE E PROTEÇÃO AMBIENTAL RECURSOS HÍDRICOS, SAÚDE E PROTEÇÃO AMBIENTAL Ananda Helena Nunes Cunha 1 1 Engenheira Agrônoma, mestranda Engenharia agrícola. UEG/Anápolis GO Amarildo Roque Ferrari 2 2 Professor especialista CENED-Porto

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise O forte período de estiagem que assola a região é o tema desta edição especial do

Leia mais

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Gestão de Recursos Hídricos REPLAN 14/12/09 Mesa Redonda Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Alternativas para a redução do consumo de água Alternativas para a redução do

Leia mais

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015

Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão. Maio /2015 Reuso de Água na ArcelorMittal Tubarão Maio /2015 A empresa produtora de aço Número um no mundo PERFIL Líder nos principais mercados, entre eles o de automóveis, construção, eletrodomésticos e embalagens.

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

ÁGUA: PESQUISA PARA A SUSTENTABILIDADE

ÁGUA: PESQUISA PARA A SUSTENTABILIDADE Workshop FAPESP/SABESP ÁGUA: PESQUISA PARA A SUSTENTABILIDADE Adolpho José Melfi 12/05/09 Água Recurso natural do século 21 Densamente povoado Gestão Fortemente urbanizado Altamente industrializado Representa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja entre os melhores Municípios do Rio Grande do Sul,

Leia mais