WILTON KEITI INABA Mestre em Ciências da Saúde Universidade de Brasília Residência em Enfermagem Clínico-Cirúrgica FEPECS/HBDF Enfermeiro da Unidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WILTON KEITI INABA Mestre em Ciências da Saúde Universidade de Brasília Residência em Enfermagem Clínico-Cirúrgica FEPECS/HBDF Enfermeiro da Unidade"

Transcrição

1 SISTEMA TEGUMENTAR A PELE E ANEXOS WILTON KEITI INABA Mestre em Ciências da Saúde Universidade de Brasília Residência em Enfermagem Clínico-Cirúrgica FEPECS/HBDF Enfermeiro da Unidade de Terapia Intensiva do HBDF da SES DF Enfermeiro da Emergência do Serviço Médico da Câmara dos Deputados

2 ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA TEGUMENTAR A PELE Estrutura tissular complexa que forma a cobertura mais externa do corpo. É uma barreira de proteção contra agentes externos e traumatismos. DUNCAN, 2000

3 A PELE Corresponde de 7% a 16% do peso corporal Espessura entre 0.5 a 4 mm Superfície próxima a 1.5 m2 Coloração variada conforme a raça Recoberta por pêlos Considerada maior órgão do corpo Recebe 1/3 do sangue do corpo Tem um ph ácido (4,5 a 6) responsável pela manutenção da microbiota. Considerações Gerais

4 FUNÇÕES DA PELE PROTEÇÃO barreira física, perda excessiva de líquidos; SENSIBILIDADE terminações nervosas, dor, pressão, calor e frio; TERMOREGULAÇÃO temperatura corporal, vasoconstrição, vasodilatação e sudorese;

5 EXCREÇÃO ajuda na termorregulação mediante a excreção de resíduos, eletrólitos e O2; FUNÇÕES DA PELE METABOLISMO síntese vitamina D, ativa metabolismo de cálcio e fosfato, minerais, formação óssea; IMAGEM CORPORAL detalha a aparência, identidade única do indivíduo, comunicação e sexualidade.

6 ESTRUTURAS DA PELE

7 ESTRUTURAS DA PELE EPIDERME É formada por um revestimento de camadas de células sobrepostas, sendo que as células superficiais são achatadas e compõem uma camada córnea rica em queratina (epitélio estratificado pavimentoso queratinizado).

8 ESTRUTURAS DA PELE Possui cinco estratos: Estrato córneo, Estrato lúcido, Estrato granuloso, Estrato espinhoso, Estrato germinativa ou basal. EPIDERME

9 ESTRUTURAS DA PELE EPIDERME

10 ESTRUTURAS DA PELE EPIDERME

11 ESTRUTURAS DA PELE

12 ESTRATO ESPINHOSO

13 ESTRUTURAS DA PELE EPIDERME PROCESSO DE RENOVAÇÃO CELULAR

14 ESTRUTURAS DA PELE MELANÓCITOS

15 ESTRUTURAS DA PELE MELANÓCITOS

16 ESTRUTURAS DA PELE MELANÓCITOS

17 ESTRUTURAS DA PELE É o tecido conjuntivo sobre o qual se apoia a epiderme, de espessura variável, atingindo o máximo de 3 mm nas plantas dos pés. DERME

18 ESTRUTURAS DA PELE LIMITE EPIDERME - DERME

19 ESTRUTURAS DA PELE DERME ANEXOS Pêlos, Glândulas sebáceas, Glândulas sudoríparas, Unhas, Receptores nervosos.

20 ESTRUTURAS DA PELE Pêlos, Glândulas sebáceas, Glândulas sudoríparas. DERME ANEXOS

21 ESTRUTURAS DA PELE DERME ANEXOS Glândula sebácea

22 ESTRUTURAS DA PELE RECEPTORES NERVOSOS Terminações nervosas livres dor

23 ESTRUTURAS DA PELE RECEPTORES NERVOSOS Bulbos terminais de Krause sensações de frio

24 ESTRUTURAS DA PELE RECEPTORES NERVOSOS Corpúsculos de Vater-Pacini pressão

25 ESTRUTURAS DA PELE RECEPTORES NERVOSOS Corpúsculos de Meissner sensações táteis

26 ESTRUTURAS DA PELE RECEPTORES NERVOSOS Corpúsculos de Ruffini sensações de calor

27 ESTRUTURAS DA PELE A hipoderme não é considerada parte da pele. Na hipoderme há tecido adiposo, cujas células armazenam a gordura subcutânea HIPODERME (panículo adiposo).

28 ESTRUTURAS DA PELE

29 ESTRUTURAS DA PELE

30

31 CONHECENDO A FERIDA

32 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO LESÃO ou FERIDA Qualquer descontinuidade da integridade estrutural e/ou funcional da pele.

33 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS 1. Quanto ao diagnóstico etiológico: : define a origem da doença que propiciou o aparecimento da lesão cutânea, 2. Quanto à causa: : define o mecanismo de ação, por exemplo: traumáticas, cirúrgicas, patológicas, etc, 3. Quanto à morfologia: : descreve a localização, número, dimensão e profundidade, 4. Quanto à forma de cicatrização: : primeira, segunda e terceira intenção,

34 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS 5. Quanto ao grau de contaminação: : limpa, contaminada ou infectada. 6. Quanto à fase cicatricial: : define as três etapas: inflamatória, proliferativa e maturação. 7. Quanto à característica do exsudato: : descreve a sua presença ou ausência, aspecto, coloração e odor. 8. Quanto à evolução da ferida: : aguda ou crônica.

35 PATOGÊNESE DO PROCESSO INFECCIOSO Sem Sintomas COLONIZAÇÃO ADESÃO MULTIPLICAÇÃO INVASÃO DISSEMINAÇÃO INFECÇÃO Com Sintomas

36

37 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS DIAGNÓSTICO ETIOLÓGICO Diabetes Mellitus Síndrome de Fournier Úlcera Arterial

38 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS CAUSA Intencional ou Cirúrgica Traumática

39 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS CAUSA Úlcera de Pressão Queimadura

40 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS MORFOLOGIA Perfurante Pérfuro-incisiva Cavitária

41 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS FORMA DE CICATRIZAÇÃO Primeira Intenção Segunda Intenção

42 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS FORMA DE CICATRIZAÇÃO Primeira Intenção Segunda Intenção

43 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS FORMA DE CICATRIZAÇÃO Primeira Intenção (união primária)

44 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS FORMA DE CICATRIZAÇÃO Segunda Intenção (granulação)

45 CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS FORMA DE CICATRIZAÇÃO Terceira Intenção (sutura secundária)

46 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO CICATRIZAÇÃO É um processo sistêmico caracterizado por uma série de eventos que tem por objetivo restaurar a ferida.

47 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO FATORES INFLUENTES LOCAIS: Pressão, Ambiente seco, Traumatismo ou edema, Infecção, Necrose e Incontinência.

48 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO FATORES INFLUENTES SISTÊMICOS: Idade, Biotipo, Doenças crônicas, Condições nutricionais, Insuficiências vasculares e Imunossupressão e radioterapia.

49 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO EVOLUÇÃO AGUDA Quando há ruptura da vascularização e desencadeamento imediato do processo de hemostasia.

50 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO EVOLUÇÃO CRÔNICA Quando há desvio na seqüência do processo cicatricial e pode resultar na perpetuação de um processo agudo.

51 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO CONSIDERAÇÕES O processo cicatricial é sistêmico e dinâmico e está diretamente relacionado às condições gerais do organismo. O meio úmido facilita a migração celular, a formação do tecido de granulação e a epitelização. O curativo adequado favorece a manutenção do meio úmido. O diagnóstico etiológico, identificação da fase evolutiva e conduta adequada são fundamentais para o sucesso do tratamento.

52 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO FASES DA CICATRIZAÇÃO Estágio 1 Fase inflamatória 04 a 06 dias Estágio 2 Fase proliferativa 04 a 21 dias Estágio 3 Fase de epitelização 21 dias a meses Estágio 4 Fase de maturação meses a anos

53 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO ESTÁGIO 1: FASE INFLAMATÓRIA LESÃO FLUXO SANGUÍNEO SANGRAMENTO VASOCONSTRIÇÃO

54 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO ESTÁGIO 1: FASE INFLAMATÓRIA VASOCONSTRIÇÃO AGREGAÇÃO PLAQUETÁRIA TAMPÃO SISTEMAS COMPLEMENTO CININA

55 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO ESTÁGIO 1: FASE INFLAMATÓRIA COMPLEMENTO MASTÓCITOS SISTEMAS CININA PROSTAGLANDINAS HISTAMINA DOR VASODILATAÇÃO PERIFÉRICA

56 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO MASTÓCITOS LIBERANDO HISTAMINA

57 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO ESTÁGIO 1: FASE INFLAMATÓRIA VASODILATAÇÃO PERIFÉRICA EXSUTADO INFLAMATÓRIO PERMEABILIDADE FIBRONECTINA HIPEREMIA CALOR EDEMA QUIMIOTAXIA NEUTRÓFILOS MACRÓFAGOS FIBROBLASTOS FATORES DE CRESCIMENTO ANGIOGÊNESE

58 A AGRESSÃO

59 A LESÃO

60 A DEFESA

61 NEUTRÓFILOS

62 MACRÓFAGOS

63

64

65 FASE INFLAMATÓRIA

66 FASE INFLAMATÓRIA

67 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO ESTÁGIO 2: FASE PROLIFERATIVA MATRIZ FIBRINA, FIBRONECTINA e COLÁGENO MACRÓFAGO QUIMIOTAXIA ANGIOGÊNESE NEOVASOS MICROFIBROBLASTOS FIBROBLASTOS FIBRAS COLÁGENAS TIPO I CONTRAÇÃO DA FERIDA TIPO II

68 FASE PROLIFERATIVA

69 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO ESTÁGIO 3: FASE DE EPITELIZAÇÃO MACRÓFAGO MIGRAÇÃO E PROLIFERAÇÃO FATOR DE CRESCIMENTO EPITELIAL INIBIÇÃO DE CONTATO EPITÉLIO FIBRONECTINA MATRIZ CÉLULAS EPITELIAIS

70 FASE DE EPITELIZAÇÃO

71 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO ESTÁGIO 3: FASE DE EPITELIZAÇÃO INIBIÇÃO DE CONTATO PULO DO SAPO

72 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO ESTÁGIO 4: MATURAÇÃO VASCULARIZAÇÃO REMODELAÇÃO DO TECIDO CICATRICIAL REORGANIZAÇÃO DAS FIBRAS

73 A REPARAÇÃO

74 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO COMPLICAÇÕES Cicatrizes hipertróficas, Quelóides, Contraturas, Infecções e Cronicidade.

75 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO COMPLICAÇÕES Cicatriz hipertrófica

76 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO COMPLICAÇÕES Quelóides

77 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO COMPLICAÇÕES Contratura

78 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO COMPLICAÇÕES Infecção

79 FISIOLOGIA DA CICATRIZAÇÃO COMPLICAÇÕES Cronicidade

80 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS TIPOS DE TECIDO Tecido de granulação, Tecido necrótico úmido, Tecido necrótico seco e Tecido de epitelização.

81 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS TECIDO DE GRANULAÇÃO Avermelhada e Sangrante.

82 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS TECIDO DE GRANULAÇÃO Avermelhada e Sangrante.

83 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS TECIDO NECRÓTICO ÚMIDO Desvitalizado, Branco e Úmido.

84 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS TECIDO NECRÓTICO SECO Enegrecido, Endurecido e Seco.

85 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS TECIDO NECRÓTICO SECO Enegrecido, Endurecido e Seco.

86 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS TECIDO DE EPITELIZAÇÃO Rosa - azulado e Brilhante.

87 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS TECIDO DE EPITELIZAÇÃO Rosa - azulado e Brilhante.

88 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS EXSUDATO Fluido composto por células, proteínas que escapam de um vaso sanguíneo e se depositam nos tecidos, usualmente como resultado de um processo inflamatório.

89 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS ASPECTO - seroso, - hemorrágico (sanguinolento), - supurativo ou purulento, - fibrinoso e EXSUDATO - padrões mistos (seropurulento, serofibrinoso, etc). COLORAÇÃO - depende do tipo de exsudato e pigmento específico de algumas bactérias. ODOR - produtos aromáticos de bactérias e tecidos em decomposição.

90 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS EXSUDATO SEROSO Plamático, transparente, aquoso e está normalmente em lesões limpas. EXSUDATO SANGUINOLENTO Indica a ocorrência de lesão vascular EXSUDATO PURULENTO Decorrência de microorganismos piogênicos

91 CARACTERÍSTICAS TECIDUAIS AVALIAÇÃO TIPOS DE EXSUDATO

92 EXUDATO PURULENTO NEUTRÓFILO

93

94

95 Enxerto de Pele

96 CONSIDERAÇÕES FINAIS Para escolha do tratamento adequado para cada tipo de ferida é importante questionar: 1. Qual a causa da ferida? 2. Qual estágio encontra-se a ferida? 3. Que tipo de tecido está presente? 4. Tem exsudato? Que tipo?

97 TRATAMENTO DE FERIDAS

98 AVALIAÇÃO DA FERIDA MANUTENÇÃO DA UMIDADE PREVENÇÃO DE TRAUMATISMOS ISOLAMENTO TÉRMICO

99 FINALIDADES Promover a cicatrização; Proteger a ferida; Absorver secreção e facilitar a drenagem; Aliviar a dor e Diminuir infecções..

100 COBERTURA SECUNDÁRIA COBERTURA PRIMÁRIA UMIDADE DEBRIDAMENTO LIMPEZA

101 SOLUÇÕES DE LIMPEZA

102 Solução Fisiológica 0.9% É largamente utilizado; Custo acessível; Pronto uso; Usar aquecido; Cuidados no armazenamento; Realizar irrigação com agulha 40x12.

103

104 Anti-Sépticos São usados primariamente para diminuir o crescimento bacteriano; Inibem a cicatrização por destruírem as estruturas celulares.

105

106 DESBRIDAMENTO

107 DESBRIDAMENTO Mecânico Força física Autolítico Enzimas do próprio organismo Não causam dor Lento Enzimático Agentes químicos Fricção Cirúrgico Efetivo Não seletivo Remoção rápida Custo elevado

108 Autolítico Enzimas do próprio organismo Não causam dor Lento Enzimático Agentes químicos

109 Mecânico Força física Fricção Cirúrgico Efetivo Não seletivo Remoção rápida Custo elevado Enfermeiro

110 NECROSE SECA

111 NECROSE ÚMIDA

112 DESBRIDAMENTO MECÂNICO Tratamento com hidroterapia Depois de 6 sessões A B

113 COBERTURAS

114 GAZES Vantagens - Usado para grandes feridas com grande volume de exsudato para absorção, baixo custo. Desvantagens Pode deixar partículas ou fibras na ferida; é difícil garantir uma aplicação adequada; demanda mais tempo de enfermagem no cuidado pois geralmente necessita de 2 a 3 trocas diárias; precisa ser mantida úmida para evitar que o leito da ferida fique ressecada.

115

116 FILME TRANSPARENTE membrana de poliuretano Vantagens - são impermeáveis a água e bactérias, barreira mecânica; ambiente úmido; permite a sua visualização; aquecida; a troca entre 3 a 5 dias. Desvantagens - pode lesar a pele; não absorve exsudato. Não adere na região sacral ; peles oleosas.

117 Indicações Fixação de cateteres; Proteção de pele íntegra; Prevenção de úlcera de pressão; Cobertura de incisões cirúrgicas; Coberturas de áreas doadoras de enxertos.

118 FILME TRANSPARENTE membrana de poliuretano

119 FILME TRANSPARENTE membrana de poliuretano

120 HIDROGEL Vantagens molda-se à superfície da ferida; hidrata a ferida ; desbrida tecido necrosado; auxilia a dor; a remoção não traumática; permite a visualização. Desvantagens curativo secundário para fixação; podem requerer trocas freqüentes; tem pouca capacidade de absorção; podem macerar a pele.

121 Indicações Remover crostas e tecido desvitalizados de feridas abertas; Preencher cavidade.

122 HIDROGEL

123 ESPUMA DE POLIURETANO soluções de polímeros Vantagens: absorvem uma grande quantidade de exsudato, diminuir o odor; protegem e acolchoa; mantém o meio úmido que favorece a cicatrização. Desvantagens: não devem ser usados em feridas secas ou que não tenham exsudato.

124 Indicações Tratamento de feridas abertas Ferida exsudativa

125 HIDROCOLÓIDE gelatina, pectina e carboximeticelulose sódica Vantagens: Previne a contaminação secundária da ferida; protegem o desenvolvimento do tecido novo, desbridamento autolítico; aumentam a taxa de angiogênese e epitelização; umidade reduzir, a dor. Desvantagens: visualização da ferida; odor quando removido infecção; feridas com exsudato.

126 Indicações Prevenção e tratamento de feridas abertas não infectadas

127

128

129 CARVÃO ATIVADO COM PRATA Vantagens Auxilia na diminuição da carga bacteriana, reduzindo o exsudato e o odor; 7 dias; feridas crônicas com exsudato e odor. Desvantagens Feridas ressecadas ou com crostas de necrose. Pode aderir ao leito da ferida com pouco exsudato, causando sangramento ao ser removido.

130 Indicações Feridas fétidas e demais feridas infectadas

131 CARVÃO ATIVADO COM PRATA

132

133 PAPAÍNA bactericida e desbridante de enzima proteolítica. Utilizada em feridas necróticas e na presença de fibrina, possui característica de preservação dos capilares, através da angiogênese, preservando também o tecido de granulação; ação de 24 horas.

134 Indicações Desbridamento do tecido desvitalizado Tratamento de feridas abertas.

135 PAPAÍNA bactericida e desbridante de enzima proteolítica.

136 ALGINATO DE CÁLCIO E SÓDIO Vantagens absorventes, até 20 vezes o seu peso em exsudato, diminuindo troca; tipos de feridas; hemostáticas Desvantagens ressecar curativo secundário; difícil remoção quando ressecado; odor fétido na remoção.

137 Indicações Feridas abertas, sangrantes, altamente exsudativas com ou sem infecção, até a redução do exsudato.

138

139 ÁCIDOS GRAXOS ESSENCIAIS (AGE) Àcido Linolêico Utilizado para lesões, infectadas ou não, desde que desbridadas previamente. Modo de ação: promove quimiotaxia para leucócitos, facilita a entrada de fatores de crescimento na célula, promove mitose e proliferação celular

140 Indicações Prevenção de úlceras de pressão; Tratamento de feridas abertas.

141

142

143 COLAGENASE Age seletivamente degradando o colágeno inativo da ferida, através da enzima clostridium hystoliticum. Indicações: Desbridamento enzimático suave e não invasivo de lesões. Desvantagem: Lentidão no processo.

144 DÚVIDAS???

Epiderme: Encontra-se na camada papilar da derme e pode adquirir espessuras diferentes em determinadas partes do corpo humano.

Epiderme: Encontra-se na camada papilar da derme e pode adquirir espessuras diferentes em determinadas partes do corpo humano. Sistema Tegumentar Epiderme: Encontra-se na camada papilar da derme e pode adquirir espessuras diferentes em determinadas partes do corpo humano. Esse sistema do corpo humano, também conhecido como pele,

Leia mais

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos Funções. Pele e anexos 5/5/2012

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos Funções. Pele e anexos 5/5/2012 SISTEMA TEGUMENTAR SISTEMA TEGUMENTAR Origem: Ectodérmica Epiderme Mesodérmica Derme Hipoderme Pele: epiderme, derme e hipoderme Anexos: pêlos; unhas, cascos e garras; glândulas sudoríparas e sebáceas.

Leia mais

Prof. Ms. Marcelo Lima. Site:

Prof. Ms. Marcelo Lima.   Site: Prof. Ms. Marcelo Lima E-mail: profmarcelolima@yahoo.com.br Site: www.profmarcelolima.webnode.com.br INTRODUÇÃO 1. Funções: Proteção abrasões, perda de líquido, substâncias nocivas e microorganismos. Regulação

Leia mais

Fundamentos de Saúde SISTEMAS DO CORPO HUMANO

Fundamentos de Saúde SISTEMAS DO CORPO HUMANO Fundamentos de Saúde 1º bimestre/2012 SISTEMAS DO CORPO HUMANO Escola Técnica - MÚLTIPLA Estrutura do tegumento (pele). O tegumento humano, mais conhecido como pele, é formado por duas camadas distintas,

Leia mais

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca Processo Inflamatório e Lesão Celular Professor: Vinicius Coca www.facebook.com/profviniciuscoca www.viniciuscoca.com O que é inflamação? INFLAMAÇÃO - Inflamare (latim) ação de acender, chama FLOGOSE phlogos

Leia mais

AULA-8 CURATIVOS E COBERTURAS

AULA-8 CURATIVOS E COBERTURAS AULA-8 CURATIVOS E COBERTURAS Profª Tatiani UNISALESIANO CURATIVOS CONSIDERAÇÕES GERAIS Curativo é a proteção da lesão ou ferida, contra a ação de agentes externos físicos, mecânicos ou biológicos. É um

Leia mais

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol.

Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Profº Ms. Paula R. Galbiati Terçariol. Cicatrização Após uma lesão, o processo de cicatrização é iniciado. O tecido lesionado passa por 4 fases de reparo da ferida: hemostasia, inflamação, proliferação

Leia mais

15/10/2010. Pele: um dos maiores órgãos do corpo humano = 16% do peso corporal.

15/10/2010. Pele: um dos maiores órgãos do corpo humano = 16% do peso corporal. Recobre cerca de 75000 cm²; Peso de 3/4.5 kg; Recebe 1/3 do sangue; Mede de 1 a 2 mm de espessura; É impermeável, elástica, áspera e regenerativa. EPIDERME DERME TECIDO SUBCUTÂNEO ANEXOS: Glândulas sebáceas

Leia mais

Tratamento de feridas. O paciente com ferida... 07/03/2012. Profª. Ana Cássia. Sujeito que se emociona, sente, deseja e tem necessidades.

Tratamento de feridas. O paciente com ferida... 07/03/2012. Profª. Ana Cássia. Sujeito que se emociona, sente, deseja e tem necessidades. Tratamento de feridas Profª. Ana Cássia O paciente com ferida... Sujeito que se emociona, sente, deseja e tem necessidades. Expressões muito comuns no cotidiano da enfermagem São capazes de criar outras

Leia mais

Capítulo 2 Aspectos Histológicos

Capítulo 2 Aspectos Histológicos 5 Capítulo 2 Aspectos Histológicos Alguns conceitos básicos sobre histologia humana, a caracterização dos tecidos, a regeneração e reparação dos mesmos em lesões e a cicatrização de feridas são aspectos

Leia mais

Pele e Anexos. CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, REPRODUTOR E LOCOMOTOR Profa. Msc. Ângela C. Ito

Pele e Anexos. CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, REPRODUTOR E LOCOMOTOR Profa. Msc. Ângela C. Ito Pele e Anexos CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS TEGUMENTAR, REPRODUTOR E LOCOMOTOR Profa. Msc. Ângela C. Ito Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar Estruturas anexas da pele músculos e nervos. Pele

Leia mais

FERIDAS E CICATRIZAÇÃO

FERIDAS E CICATRIZAÇÃO FERIDAS E CICATRIZAÇÃO Feridas e Cicatrização Anatomo-Fisiologia da Pele; Processo de Cicatrização: Fases; Factores facilitadores e dificultadores. 2 PELE ANATOMIA E FISIOLOGIA 3 Pele Maior órgão do corpo

Leia mais

Módulo 7 Cobertura em Feridas

Módulo 7 Cobertura em Feridas Módulo 7 Cobertura em Feridas Enfermeira Cintia Mourão Pereira Núcleo de Telessaúde Técnico-Científico do Rio Grande do Sul Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de:

IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE. O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: 3BOLETIM TÉCNICO TEGADERM TM PAD Curativo transparente com compressa absorvente IMPERMEÁVEL E ABSORVENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO O Curativo Transparente com Compressa Absorvente consiste de: DORSO - Filme

Leia mais

Tecido conjuntivo de preenchimento. Pele

Tecido conjuntivo de preenchimento. Pele Tecido conjuntivo de preenchimento Pele derme epiderme Pele papila dérmica crista epidérmica corte histológico da pele observado em microscopia de luz Camadas da Epiderme proliferação e diferenciação dos

Leia mais

Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A principal meta da intervenção perioperatória é a prevenção de infecções na incisão. As ações tomadas pela equipe no perioperatório podem representar

Leia mais

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Reparação Prof. Raimundo Tostes Reparação Regeneração: reposição de um grupo de células destruídas

Leia mais

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL Mestranda: Diane Oliveira Sumário 1) Inflamação 1.1- Visão geral 1.2- Inflamação Aguda Estímulos

Leia mais

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme

10/6/2011. Histologia da Pele. Diagrama da Estrutura da Pele. Considerações Gerais. epiderme. derme epiderme derme 10/6/2011 Histologia da Pele Considerações Gerais Maior órgão do corpo: 16% do peso total e 1,2 a 2,3 m 2 de superfície Composto por duas regiões: epiderme e derme Funções proteção: atrito,

Leia mais

Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar

Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar Aula 2: Sistema esquelético Sistema tegumentar Sistema esquelético Sistema ósseo Conceito de esqueleto: conjunto de ossos e cartilagens que se interligam para formar o arcabouço do corpo Funções do esqueleto

Leia mais

BIOLOGIA. Histologia. Professora: Brenda Braga

BIOLOGIA. Histologia. Professora: Brenda Braga BIOLOGIA Histologia Professora: Brenda Braga Histologia (Estudo dos Tecidos) Tecidos conjunto de células especializadas em realizar uma ou mais funções. Células-tronco São praticamente indiferenciadas

Leia mais

Caixa (Trás) Caixa (Frente) Hydrosorb Comfort Hartmann Curativo Transparente Hidrogel, com bordas adesivas elásticas, para tratamento úmido de feridas

Caixa (Trás) Caixa (Frente) Hydrosorb Comfort Hartmann Curativo Transparente Hidrogel, com bordas adesivas elásticas, para tratamento úmido de feridas Caixa (Frente) Hydrosorb Comfort Hartmann Curativo Transparente Hidrogel, com bordas adesivas elásticas, para tratamento úmido de feridas Conteúdo: xxx unidades de xxx cm X xxx cm Estéril Importado por:

Leia mais

Cap. 8: A arquitetura corporal dos animais. Equipe de Biologia

Cap. 8: A arquitetura corporal dos animais. Equipe de Biologia Cap. 8: A arquitetura corporal dos animais Equipe de Biologia Histologia Estuda os tecidos orgânicos. Tecido: Agrupamento de células com as mesmas características e função. Além de suas próprias células,

Leia mais

Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes

Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Reparo Tecidual Ferida (lesão) 3 processos envolvidos no reparo: 1.Hemostasia

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR: Anatomia e Fisiologia da Pele

MATERIAL COMPLEMENTAR: Anatomia e Fisiologia da Pele MATERIAL COMPLEMENTAR: Anatomia e Fisiologia da Pele A terminologia tecido é interpretada equivocadamente, como sinônimo de pele ou tegumento, com frequência. Tecido é o agrupamento de células semelhantes,

Leia mais

OPÇÕES TERAPÊUTICAS. Alginatos Colagenase Colagénio Copolímero acrílico Espumas de poliuretano Hidrocolóides

OPÇÕES TERAPÊUTICAS. Alginatos Colagenase Colagénio Copolímero acrílico Espumas de poliuretano Hidrocolóides OPÇÕES TERAPÊUTICAS OPÇÕES TERAPÊUTICAS Alginatos Colagenase Colagénio Copolímero acrílico Espumas de poliuretano Hidrocolóides Hidrofibras Hidrogéis Iodo Polihexanida Prata OPÇÕES TERAPÊUTICAS ALGINATOS

Leia mais

21/03/2012. A variação molecular atua: fatores de crescimento hormônios adesão celular movimentação alterações funcionais

21/03/2012. A variação molecular atua: fatores de crescimento hormônios adesão celular movimentação alterações funcionais Tecido Conjuntivo Tecido responsável pela resposta inflamatória e por todo o processo de reparo que ocorre após a agressão. Contém vasos sangüíneos, linfáticos e líquido intersticial chamado de sistema

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Sistema Imunológico Simples: Não Antecipatório / Inespecífico Sistema Imune Antígeno Específico: Antecipatório Sistema Imunológico Simples: Não Antecipatório /

Leia mais

HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS

HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS TIPOS DE TECIDOS DO CORPO HUMANO O organismo humano é formado por quatro tipos básicos de tecidos: o epitelial, o conjuntivo, o muscular e o nervoso. Estes tecidos são formados

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais

INFLAMAÇÃO. Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais INFLAMAÇÃO Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais Para quê serve? A INFLAMAÇÃO é uma resposta do tecido à lesão, ela procura conter e isolar a lesão e preparar

Leia mais

Tema 08: Pele e Anexos

Tema 08: Pele e Anexos Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Tópicos Especiais para Biotecnologia Tema 08: Pele e Anexos Função Proteger o organismo contra a perda de água por evaporação e contra o

Leia mais

Anatomia(e(Fisiologia(para(a(Massagem(

Anatomia(e(Fisiologia(para(a(Massagem( Anatomia(e(Fisiologia(para(a(Massagem( A(PELE( A pele é o maior órgão do nosso corpo, correspondendo a 16% do peso corporal, extensãoaproximadade2m²emumadulto,e5mmdeespessuramédia. É constituída por duas

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

- Tecidos e órgãos linfoides - Inflamação aguda

- Tecidos e órgãos linfoides - Inflamação aguda - Tecidos e órgãos linfoides - Inflamação aguda ÓRGÃOS LINFÓIDES ÓRGÃOS LINFÓIDES PRIMÁRIOS: - Medula óssea - Timo ÓRGÃOS LINFÓIDES SECUNDÁRIOS: - Linfonodos - Placas de Peyer - Tonsilas - Baço ÓRGÃO LINFÓIDE

Leia mais

Tecido Epitelial e Conjuntivo

Tecido Epitelial e Conjuntivo Tecido Epitelial e Conjuntivo Objetivos os estudantes deverão ser capazes de... - descrever as características (constituintes e sua organização) e funções gerais do epitélio de revestimento e do epitélio

Leia mais

AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS LÂMINA Nº 91 - PELE GROSSA (PELE DE DEDO) - HE

AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS LÂMINA Nº 91 - PELE GROSSA (PELE DE DEDO) - HE AULA PRÁTICA 7 PELE E ANEXOS CUTÂNEOS A pele ou tegumento cutâneo reveste externamente o corpo variando em cor e espessura nas diferentes regiões, assim como também na presença de pêlos, glândulas e unhas.

Leia mais

A intervenção fonoaudiológica em pacientes queimados.

A intervenção fonoaudiológica em pacientes queimados. A intervenção fonoaudiológica em pacientes queimados. FONO x QUEIMADOS Trabalho Fonoaudiológico voltado para a parte estética e funcional da face, em consequência a causa e efeito da queimadura. A face

Leia mais

INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA

INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA Associação Beneficente Pró-Matre INTERVENÇÕES DE ENFERMAGEM NA FERIDA OPERATÓRIA Vitória 2013 Enfª Katiusi R. Christ Associação Beneficente Pró-Matre Instituição Filantrópica; Realiza em média 400 a 450

Leia mais

muscular circular interna serosa mesotélio adventícia

muscular circular interna serosa mesotélio adventícia HISTOLOGIA DOS ÓRGÃOS E SISTEMAS Organização tecidual dos órgãos tubulares: OBJETIVOS PARA O TÓPICO: - descrever a organização das diferentes túnicas e suas camadas nos órgãos tubulares ou ocos - explicar

Leia mais

Limpeza de Pele Tissue

Limpeza de Pele Tissue Limpeza de Pele Tissue Introdução à Pele - REVISÃO Pele A pele é o maior órgão do corpo humano (representa quase 15% do peso de nosso corpo) e desempenha funções muito importantes, confira. Regula a perda

Leia mais

FISIOLOGIA DA PELE Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo TATIANA FERRARA BARROS

FISIOLOGIA DA PELE Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo TATIANA FERRARA BARROS FISIOLOGIA DA PELE Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo TATIANA FERRARA BARROS Fisiologia da Pele Conhecimentos Básicos para Atendimento no Varejo SUMÁRIO 1. Introdução... 10 2. Funções da

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DOS SERES VIVOS E PRINCIPAIS TIPOS DE TECIDOS Profª MSc Monyke Lucena Átomos Compostos químicos Célula Tecidos Órgão Sistema Organismo Os animais apresentam diferentes tipos de tecidos,

Leia mais

Tema B TECIDO CONJUNTIVO

Tema B TECIDO CONJUNTIVO Tema B TECIDO CONJUNTIVO 1 Características gerais 2 Características dos principais tipos de tecido conjuntivo 2.1 Tecido conjuntivo propriamente dito 2.1.1 Laxo 2.1.2 Denso: modulado e não modulado 2.2

Leia mais

Aterosclerose. Aterosclerose

Aterosclerose. Aterosclerose ATEROSCLEROSE TROMBOSE EMBOLIA Disciplinas ERM 0207/0212 Patologia Aplicada à Enfermagem Profa. Dra. Milena Flória-Santos Aterosclerose Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola

Leia mais

Ferida e Cicatrização

Ferida e Cicatrização UNIFESP - EPM Disciplina de Cirurgia Plástica Titular: Profª Drª Lydia Masako Ferreira Ferida e Cicatrização Setor de Feridas Coordenadora: Profa. Regina Hayami Okamoto Profa. Leila Blanes Histórico Cerâmica

Leia mais

Profa. Maria Elisa Carneiro

Profa. Maria Elisa Carneiro Profa. Maria Elisa Carneiro PELE ou TEGUMENTO Recobre toda a superfície do corpo, nos orifícios naturais faz transição com as mucosas nas zonas mucocutâneas. Funções: proteção e barreira contra microrganismos,

Leia mais

Profª MSc Monyke Lucena

Profª MSc Monyke Lucena Profª MSc Monyke Lucena Átomos Compostos químicos Célula Tecidos Órgão Sistema Organismo Os animais apresentam diferentes tipos de tecidos, que se agrupam de acordo com sua função. É possível distinguir

Leia mais

TECIDO EPITELIAL SEGUNDA PARTE

TECIDO EPITELIAL SEGUNDA PARTE TECIDO EPITELIAL SEGUNDA PARTE Prof : Cristiano Ricardo Jesse TIPOS DE EPITÉLIO - REVESTIMENTO CLASSIFICAÇÃO: Quanto a forma das células o epitélio estratificado (camada mais superficial) pode ser: - Pavimentoso

Leia mais

Tegumento comum. Anatomia Comparada do Sistema Tegumentar (Pele e seus anexos) nos Animais Domésticos. Profa. Rosane Silva.

Tegumento comum. Anatomia Comparada do Sistema Tegumentar (Pele e seus anexos) nos Animais Domésticos. Profa. Rosane Silva. Anatomia Comparada do Sistema Tegumentar (Pele e seus anexos) nos Animais Domésticos Tegumento comum (Equinos, Bovinos, Suínos, Ovinos e Caninos) PARTE I Profa. Rosane Silva Funções da pele Funções da

Leia mais

O texto acima é o início de um enunciado de questão em uma avaliação, que apresentava quatro propostas a serem solucionadas pelo aluno.

O texto acima é o início de um enunciado de questão em uma avaliação, que apresentava quatro propostas a serem solucionadas pelo aluno. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Biologia Questão 1 A pele é o maior órgão do corpo. Representa aproximadamente 16% do peso corporal e desempenha inúmeras funções, entre elas protetora, sensorial,

Leia mais

WILTON KEITI INABA Mestre em Ciências da Saúde Universidade de Brasília Residência em Enfermagem Clínico-Cirúrgica FEPECS/HBDF Enfermeiro da Unidade

WILTON KEITI INABA Mestre em Ciências da Saúde Universidade de Brasília Residência em Enfermagem Clínico-Cirúrgica FEPECS/HBDF Enfermeiro da Unidade CONCURSO PÚBLICO TÉCNICO EM SAÚDE NA ESPECIALIDADE DE TÉCNICO EM ENFERMAGEM FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM PRINCÍPIOS DE WILTON KEITI INABA Mestre em Ciências da Saúde Universidade de Brasília Residência em

Leia mais

Inflamação aguda e crônica. Profa Alessandra Barone

Inflamação aguda e crônica. Profa Alessandra Barone e crônica Profa Alessandra Barone Inflamação Inflamação Resposta do sistema imune frente a infecções e lesões teciduais através do recrutamento de leucócitos e proteínas plasmáticas com o objetivo de neutralização,

Leia mais

PULPOPATIAS 30/08/2011

PULPOPATIAS 30/08/2011 Funções da polpa PULPOPATIAS Produtora Nutrição Sensorial Protetora Biologicamente, é a dentina que forma a maior parte do dente e mantém íntima relação com a polpa dental, da qual depende para sua formação

Leia mais

09/03/2015. Profa. Esp. Elaine Cristina Sabino Ovalle

09/03/2015. Profa. Esp. Elaine Cristina Sabino Ovalle Profa. Esp. Elaine Cristina Sabino Ovalle 1 2 3 4 5 6 7 8 9 -A luz de wood é um método de observação para diagnóstico de determinadas superfícies, através de uma luz fluorescente, possibilitando um preciso

Leia mais

Anatomia do Sistema Tegumentar

Anatomia do Sistema Tegumentar Anatomia do Sistema Tegumentar Introdução Embriologia Muda ou Ecdise Coloração Introdução Funções da Pele Proteção mecânica contra atritos e injúrias (queratina como linha de defesa) Proteção fisiológica:

Leia mais

Os tecidos. Tecidos biológicos. Aula 1 e 2. Tecido epitelial Tecido conjuntivo. 1º bimestre. Professora calina

Os tecidos. Tecidos biológicos. Aula 1 e 2. Tecido epitelial Tecido conjuntivo. 1º bimestre. Professora calina 1º bimestre Professora calina Aula 1 e 2 Tecidos biológicos Tecido epitelial Tecido conjuntivo Tecidos do corpo humano Tecido é um conjunto de células desempenham uma mesma função. semelhantes que Tecido

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO 25/10/2016. Origem: mesoderma Constituição: Funções:

TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO 25/10/2016. Origem: mesoderma Constituição: Funções: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO Origem: mesoderma Constituição: Diversos tipos de células Matriz extracelular: substância fundamental e fibras TECIDO CONJUNTIVO Funções: Sustentação estrutural Preenchimento

Leia mais

MONITORANDO A CICATRIZACAO DA FERIDA DIABÉTICA DOS PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO II

MONITORANDO A CICATRIZACAO DA FERIDA DIABÉTICA DOS PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO II MONITORANDO A CICATRIZACAO DA FERIDA DIABÉTICA DOS PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO II Nathália Cristina Alves Pereira 1 ; Luz Marina Pinto Martins 2 1. Estudante do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade

Leia mais

Biologia. Tecido Epitelial. Professor Enrico Blota.

Biologia. Tecido Epitelial. Professor Enrico Blota. Biologia Tecido Epitelial Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia TECIDO EPITELIAL (OU EPITÉLIO) Apresenta funções de revestimento, absorção de substâncias e proteção de diversas

Leia mais

BIOLOGIA MÓDULO I do PISM (triênio )

BIOLOGIA MÓDULO I do PISM (triênio ) BIOLOGIA MÓDULO I do PISM (triênio 005-007) QUESTÕES OBJETIVAS 0. O esquema ao lado representa a síntese protéica realizada Ribossomo por polirribossomos livres de uma célula eucariota. RNAm Polirribossomo

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO REVISÃO DA ANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE É o maior órgão do corpo humano; Principais funções: - proteção contra

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL INFLAMAÇÃO CRÔNICA PARTE 4 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 INFLAMAÇÃO CRÔNICA Inflamação de duração prolongada na qual a inflamação

Leia mais

TECIDO EPITELIAL 13/10/2014. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso. Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA

TECIDO EPITELIAL 13/10/2014. Mamíferos: Tipos de tecidos. Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso. Tecido epitelial: Origem ECTODERMA MESODERMA TECIDO EPITELIAL Mamíferos: Tipos de tecidos Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Origem ECTODERMA MESODERMA ENDODERMA 1 Tecido epitelial Ectoderma: epitélios sensoriais dos olhos; aparelho auditivo e

Leia mais

TRATAMENTO TÓPICO DE ÚLCERA DE ESTASE VENOSA - PROPOSTA PARA PADRONIZAÇÃO THE TOPIC TREATMENT OF VENOUS STASIS ULCER - PROPOSAL FOR STANDARDIZATION

TRATAMENTO TÓPICO DE ÚLCERA DE ESTASE VENOSA - PROPOSTA PARA PADRONIZAÇÃO THE TOPIC TREATMENT OF VENOUS STASIS ULCER - PROPOSAL FOR STANDARDIZATION CDD: 616.1 TRATAMENTO TÓPICO DE ÚLCERA DE ESTASE VENOSA - PROPOSTA PARA PADRONIZAÇÃO THE TOPIC TREATMENT OF VENOUS STASIS ULCER - PROPOSAL FOR STANDARDIZATION Cristiane Stremel Barros Écheli 1, Cesar Roberto

Leia mais

Tricologia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Tricologia

Tricologia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Tricologia Tricologia Profa Elaine C. S. Ovalle Tricologia Tricologia - do grego thricos (cabelos) + logos (estudo) É um ramo da medicina que trata dos pêlos ou cabelos, iniciou-se na Inglaterra em 1902 Seus conhecimentos

Leia mais

Tecido Epitelial de Revestimento

Tecido Epitelial de Revestimento Tecido Epitelial de Revestimento Prof. a Dr a. Sara Tatiana Moreira UTFPR Campus Santa Helena 1 Tecido Epitelial Revestimento Secreção/ Glandular 2 1 Revestimento das superfícies corporais externas 3 Revestimento

Leia mais

Defesa não Especifica. Realizado por: Ricardo Neves

Defesa não Especifica. Realizado por: Ricardo Neves Defesa não Especifica Realizado por: Ricardo Neves Como se defende o nosso corpo das doenças? Vacinas? Como são feitas? Como funcionam? http://www.theimmunology.com/animations/vaccine.htm Constituição

Leia mais

AS CÉLULAS ORGANIZAM-SE EM TECIDOS

AS CÉLULAS ORGANIZAM-SE EM TECIDOS AS CÉLULAS ORGANIZAM-SE EM TECIDOS AS CÉLULAS ORGANIZAM-SE EM TECIDOS 1 AS CÉLULAS ORGANIZAM-SE EM TECIDOS Um grupamento de células diferenciadas e especializadas na execução de certa função denomina-se

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO. DURAFIBER Curativo Absorvente de Fibras Gelificantes

MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO. DURAFIBER Curativo Absorvente de Fibras Gelificantes MODELO DE INSTRUÇÕES DE USO DURAFIBER Curativo Absorvente de Fibras Gelificantes DESCRIÇÃO DO PRODUTO Durafiber é uma almofada ou fita curativa em nãotecido, estéril e macio, constituído por fibras de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Enfermagem; Feridas; Úlcera Venosa; Pé diabético.

PALAVRAS-CHAVE Enfermagem; Feridas; Úlcera Venosa; Pé diabético. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Epitelial Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Epitelial Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Epitelial Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Tecidos animais Tecido epitelial Apresenta funções de revestimento, absorção de

Leia mais

HISTOLOGIA Considerações Gerais

HISTOLOGIA Considerações Gerais UNIVERSIDADE DE CUIABÁ NÚCLEO DE DISCIPLINAS INTEGRADAS DISCIPLINA: CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS I Livro: Histologia Básica. Texto e atlas. 10ª ou 11ª edição. Editora: Guanabara Koogan. Autores: Junqueira

Leia mais

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos 14/04/2015

SISTEMA TEGUMENTAR. Pele e anexos. Pele e anexos 14/04/2015 SISTEMA TEGUMENTAR SISTEMA TEGUMENTAR Pele e anexos Origem: Ectodérmica Epiderme Mesodérmica Derme Hipoderme Pele e anexos Pele: epiderme, derme e hipoderme Anexos: pêlos; unhas, cascos e garras; glândulas

Leia mais

HISTOLOGIA DA PELE. Priscyla Taboada

HISTOLOGIA DA PELE. Priscyla Taboada HISTOLOGIA DA PELE Priscyla Taboada Introdução Para a realização do diagnóstico Dermahistopatológico é necessário conhecer as características da anatomia microscópica da pele de diferentes espécies animais,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Úlceras por pressão Instrutora: Enf a Adriana

Leia mais

TECIDO EPITELIAL. Professora Melissa Kayser

TECIDO EPITELIAL. Professora Melissa Kayser TECIDO EPITELIAL Professora Melissa Kayser Tecido Epitelial Introdução Tecido que reveste a superfície externa do corpo e as cavidades internas. Desempenha várias funções: Proteção do corpo (pele) Percepção

Leia mais

Existem 4 tipos básicos de tecidos: Epitelial. Conjuntivo. Muscular. Nervoso

Existem 4 tipos básicos de tecidos: Epitelial. Conjuntivo. Muscular. Nervoso Histologia Animal Existem 4 tipos básicos de tecidos: 1) Epitelial 2) Conjuntivo 3) Muscular 4) Nervoso Tecido epitelial de revestimento Tecido conjuntivo denso modelado Tecido muscular liso Tecido Nervoso

Leia mais

ESCALA DE CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CIRÚRGICAS EM CADELAS E GATAS

ESCALA DE CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CIRÚRGICAS EM CADELAS E GATAS ESCALA DE CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CIRÚRGICAS EM CADELAS E GATAS Flávia Jardim Carneiro de Souza (1) ; Rodolfo Malagó (2) 1 Centro Universitário de Itajubá (FEPI), Medicina Veterinária, flavijard@hotmail.com.

Leia mais

Elaboração e desafios do protocolo de prevenção e tratamentos de feridas em um hospital privado

Elaboração e desafios do protocolo de prevenção e tratamentos de feridas em um hospital privado Elaboração e desafios do protocolo de prevenção e tratamentos de feridas em um hospital privado Abgail Almonfrey Enf. Assistencial UI / Membro da Comissão de Pele abgailfa@hotmail.com Eudilene Damasceno

Leia mais

Cicatrização. Normal e patológica

Cicatrização. Normal e patológica Cicatrização Cicatrização Normal e patológica Cicatrização Tentativa biológica a que o organismo recorre para restaurar sua integridade Ordem --- Desordem Tratamento das feridas no passado Egípcios: Mel

Leia mais

Disciplina: HISTOLOGIA PROFESSORA: JULIANA TAVARES

Disciplina: HISTOLOGIA PROFESSORA: JULIANA TAVARES Disciplina: HISTOLOGIA PROFESSORA: JULIANA TAVARES 2017 CONTEÚDO 2 TECIDO EPITELIAL CORTES HISTOLÓGICOS CONSTITUIÇÃO HISTOLÓGICA Células poliédricas justapostas Epitélio apoiado sobre tecido conjuntivo

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 50 TECIDO SANGUÍNEO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 50 TECIDO SANGUÍNEO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 50 TECIDO SANGUÍNEO Adenoide Tonsila Nódulos linfáticos Timo Células dos tecidos Capilar sanguíneo Baço Nódulos de Peyer Apêndice Capilar linfático Fluído intertical intercelular

Leia mais

SACRAL - CONCAVE. Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

SACRAL - CONCAVE. Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim SACRAL - CONCAVE Importado por: Bace Comércio Internacional Ltda Av. Tamboré n.º 1400 Sala 1 Q Alphaville - Barueri São Paulo/SP CEP- 06460-000 CNPJ 47.411.780/0001-26 Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann

Leia mais

Reparo. Cicatrização e Regeneração. Profa. Dra. Katia Calvi Lenzi de Almeida

Reparo. Cicatrização e Regeneração. Profa. Dra. Katia Calvi Lenzi de Almeida Reparo Cicatrização e Regeneração Profa. Dra. Katia Calvi Lenzi de Almeida Regeneração Conceito Substituição do tecido morto ou lesado por células parenquimatosas do mesmo tipo, restituindo-se a estrutura

Leia mais

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA Profª Tatiani UNISALESIANO PROCESSO DE HEMOSTASIA- COAGULAÇÃO DO SANGUE Toda vez que ocorre ferimento e extravasamento de sangue dos vasos, imediatamente são desencadeados

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Curativo Hidrocoloide Auto Adesivo e Absorvente ESTÉRIL. Apresentação:

INSTRUÇÕES DE USO. Curativo Hidrocoloide Auto Adesivo e Absorvente ESTÉRIL. Apresentação: INSTRUÇÕES DE USO Curativo Hidrocoloide Auto Adesivo e Absorvente ESTÉRIL Apresentação: Hydrocoll é um curativo hidrocoloide auto-adesivo e absorvente, coberto com uma película de poliuretano semi-impermeável,

Leia mais

M A N U A L A S S I S T Ê N C I A I N T E G R A L P E S S O A S F E R I D A S R I B E I R Ã O P R E T O 2.011

M A N U A L A S S I S T Ê N C I A I N T E G R A L P E S S O A S F E R I D A S R I B E I R Ã O P R E T O 2.011 PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE www.ribeiraopreto.sp.gov.br M DE A N U A L A S S I S T Ê N C I A I N T E G R A L ÀS P E S S O A S C O M F E R I D A S R I B E I R Ã

Leia mais

Catálogo DE PRODUTOS.

Catálogo DE PRODUTOS. Catálogo DE PRODUTOS www.vitamedical.com.br 1 A VitaMedical é sediada em Brasília e atua no mercado nacional através de uma rede de casas cirúrgicas e distribuidores locais autorizados. Nossos produtos

Leia mais

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias Daniel Gonçalves Objectivos: Aliviar dor Alterar o processo de cicatrização dos tecidos Alterar as propriedades plásticas dos tecidos conectivos (músculo, tendão, ligamento e cápsula articular) Métodos:

Leia mais

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota

Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA & COAGULAÇÃO Profa. Dra. Larissa Gorayb F Mota HEMOSTASIA Fenômeno fisiológico, dinâmico: mantém o sangue fluido no interior dos vasos e impede sua saída para os tecidos(trombose e hemorragia)

Leia mais

Clínica Cirúrgica de Pequenos Animais

Clínica Cirúrgica de Pequenos Animais Clínica Cirúrgica de Pequenos Animais PROFA. MSC. ANALY RAMOS MENDES Cronograma da Disciplina DATA TEMÁTICA 01/08/16 Introdução à disciplina 21/09/16 1ª Prova Regimental 21/11/16 2ª Prova Regimental 23/11/16

Leia mais

Protocolo Pós-Cirúrgico Corporal La Vertuan.

Protocolo Pós-Cirúrgico Corporal La Vertuan. www.lavertuan.com.br A cirurgia plástica busca proporcionar a cada indivíduo sua satisfação pessoal, a harmonia com seu corpo. Os tempos modernos transformam a beleza estética em "objeto de desejo. O Brasil

Leia mais

SISTEMA TEGUMENTAR ANATOMIA & FISIOLOGIA HUMANAS

SISTEMA TEGUMENTAR ANATOMIA & FISIOLOGIA HUMANAS SISTEMA TEGUMENTAR ANATOMIA & FISIOLOGIA HUMANAS SISTEMA TEGUMENTAR REVESTIMENTO PROTETOR TERMINAÇÕES NERVOSAS SENSITIVAS REGULAÇÃO DA TEMPERATURA CORPORAL PELE & ANEXOS PELE SISTEMA TEGUMENTAR CAMADAS

Leia mais

TÉCNICAS DE CURATIVOS

TÉCNICAS DE CURATIVOS TÉCNICAS DE CURATIVOS Tipos de Curativos: O Tipo de curativo a ser realizado varia de acordo com: a Natureza Localização Tamanho da ferida. Tipos de Curativos: Em alguns casos é necessária uma compressão,

Leia mais

TECIDOS. Professora Débora Lia Biologia

TECIDOS. Professora Débora Lia Biologia TECIDOS Professora Débora Lia Biologia TECIDOS HISTOLÓGICOS DEFINIÇÃO : Do grego, histo= tecido + logos= estudos. Tecidos = É um conjunto de células especializadas, iguais ou diferentes entre si, que realizam

Leia mais

OS ÓRGÃOS DOS SENTIDOS

OS ÓRGÃOS DOS SENTIDOS OS SENTIDOS OS ÓRGÃOS DOS SENTIDOS As terminações sensitivas do sistema nervoso periférico são encontradas nos órgãos dos sentidos: pele, ouvido, olhos, língua e fossas nasais. IMPORTÂNCIA DOS SENTIDOS

Leia mais

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina

O SANGUE HUMANO. Professora Catarina O SANGUE HUMANO Professora Catarina SANGUE Principais funções: Transportar O 2 e nutrientes a todas as células do corpo; Recolher CO 2 e excreções; Transportar hormônios; Proteger o corpo contra a invasão

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP

Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP Biomassa de Banana Verde Polpa - BBVP INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 91 4,55 Carboidratos 21,4 7,13 Proteínas 2,1 2,80 Gorduras

Leia mais

Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim Importado por: Bace Comércio Internacional Ltda Av. Tamboré n.º 1400 Sala 1 Q Alphaville - Barueri São Paulo/SP CEP- 06460-000 CNPJ 47.411.780/0001-26 Fabricado na Alemanha por: Paul Hartmann D7920 Heidenheim

Leia mais