UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO KARINE DA SILVA LUCENA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO KARINE DA SILVA LUCENA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO KARINE DA SILVA LUCENA NATAL/RN 2014

2 KARINE DA SILVA LUCENA Trabalho Final de Graduação apresentado como requisito para a conclusão do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Orientadora: Profª. Drª. Bianca Carla Dantas de Araújo NATAL/RN 2014

3 Catalogação da Publicação na Fonte. Universidade Federal do Rio Grande do Norte / Biblioteca Setorial de Arquitetura. Lucena, Karine da Silva. Cine 84: complexo de cinema/ Karine da Silva Lucena. Natal, RN, f. : il. Orientadora: Bianca Carla Dantas de Araújo. Monografia (Graduação) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Tecnologia. Departamento de Arquitetura. 1. Cinema Monografia. 2. Entretenimento Monografia. 3. Multiplex Monografia. 4. Cineclube Monografia. 5. Exibição cinematográfica Monografia. I. Araújo, Bianca Carla Dantas de. II. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. III. Título. RN/UF/BSE15 CDU

4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO KARINE DA SILVA LUCENA Aprovado em: / / BANCA EXAMINADORA Profª. Drª. Bianca Carla Dantas de Araújo ORIENTADORA Prof. MSc. Fabrício de Paula Leitão MEMBRO INTERNO Giuliano Bezerra Caldas ARQUITETO E URBANISTA CONVIDADO

5 AGRADECIMENTOS Agradeço, primeiramente, a Deus, por ter possibilitado e me acompanhado na realização de mais um sonho. Por ter me dado forças nos momentos mais difíceis e de incertezas durante essa jornada, me guiando sempre pelos melhores caminhos. Aos meus pais, Inêz e Francisco, por sua total dedicação à família, buscando sempre o melhor para cada um de nós. Por serem meu porto seguro e maiores exemplos de superação, persistência, coragem e amor. Por me ensinarem desde cedo que todo sonho é possível desde que se lute por ele. À minha mãe, que sonhou junto, comemorou cada vitória, e lutou para que chegar aqui hoje fosse possível. Ao meu pai, por sua dedicação incondicional à família, e, sobretudo, pelas inúmeras vezes que abdicou de seu sono por minha causa. Essa conquista também é de vocês. Aos meus irmãos, Cleber, Robson e Kledson, por todo o incentivo, confiança e apoio incondicional dado a mim durante essa caminhada. Em especial, a Kledson por sua contribuição e dedicação para que este trabalho se apresentasse da melhor maneira. A todos os familiares, pelo incentivo, apoio e confiança. Ao meu trio e irmãos que a Arquitetura me deu, Luciana e André, por caminharem junto comigo desde o início e compartilharem todos os momentos ao longo desses cinco anos de graduação. Por serem minha base nos momentos de stress e desesperos, estando eles relacionados ao curso ou não. Sem vocês tenho a certeza que teria sido tudo muito mais difícil. A André, por sua enorme paciência, dedicação, competência e esforço por tentar sempre melhorar as coisas. A Luciana, por ser meu exemplo de irmã mais velha, por sua dedicação e competência em tudo que faz. Por ser a melhor dupla de projeto que eu poderia ter e, sobretudo, por compartilhar sua família, sua casa e seus amigos comigo e André. A Família Alves, por ter me acolhido com tanto carinho em seu lar que, por inúmeras vezes, foi mais meu lar do que minha própria casa. Ao meu G8, em especial a Viviane e Ewerton, pelo apoio dado durante esse período e por se fazerem presentes sempre que os compromissos permitiam. A minha orientadora, professora Bianca Dantas, por embarcar nessa caminhada junto comigo e me guiar sempre para as melhores soluções.

6 A toda equipe CRD Arquitetura por todo aprendizado ao longo desse período, contribuindo ainda mais para o meu crescimento profissional. Em especial, ao Sr. Carlos, Igor e Wênya, pelo amor e dedicação à profissão, demonstrados a cada projeto desenvolvido. A Família Coxinha por todos os momentos de descontração compartilhados. Em especial a Renato Medeiros, por todos os ensinamentos e por sua grande contribuição na minha formação profissional e pessoal. Ao MeninAUs+Théo e André, pelo melhor grupo de pelo menos oito pessoas. Por todos os conselhos, ajudas, compartilhamento de desesperos e conquistas. Em especial, à Lorena Petrovich por ser a pequena sempre com as palavras certas nos momentos certos. A GalerAU por todos os momentos compartilhados aos longo desses cinco anos. A Maria Helena, Janyffer e Rebeca por cada palavra, todo o apoio e motivação que recebi. Ao corpo docente do curso de Arquitetura e Urbanismo por todo o conhecimento compartilhado, bem como, as instituições responsáveis por minha formação acadêmica, em especial, a UFRN e ao IFRN. Aos companheiros de curso por cada palavra de motivação, conversa ou sorrisos, me deram mais ânimo para chegar até aqui. A todos que, direta ou indiretamente, contribuíram para a chegada até aqui.

7 RESUMO Desde as primeiras exibições, o cinema se configura como uma atividade relacionada ao lazer e entretenimento da população. Ao longo do tempo, a atividade passou por diversas fases que foram do auge ao declínio em algumas décadas e, posteriormente, se estabelecendo definitivamente na contemporaneidade. Com os avanços tecnológicos, o cinema passou por modificações nos seus modos de exibição, se destacando, hoje, os multiplex e os cineclubes. O modo de exibição multiplex visa a tender ao público do cinema comercial e de grandes produções cinematográficas, enquanto o cineclube busca a linha do cinema como arte e cultura. A atividade vem, ao longo dos anos, perdendo seu espaço como equipamento inserido na cidade, passando a se estabelecer em grandes centros comerciais, como shopping centers. É nesse contexto que surge esta proposta, com objetivo de desenvolver o anteprojeto de um complexo de cinema, voltado aos mais diversos públicos, com foco no conforto acústico das salas de exibição. A intenção é desenvolver um projeto que mostre um conceito do cinema até então inexistente na capital potiguar. Palavras-chave: Cinema; Entretenimento; Multiplex; Cineclube; Exibição cinematográfica.

8 ABSTRACT From the earliest screenings, the film takes shape as a related leisure and entertainment activity of the population. Over time, the activity has gone through several phases of the peak were to decline in some decades, and subsequently settling permanently in contemporary times. With technological advances, the movie underwent changes in their views, is today highlighting the multiplex and cineclubs. The multiplex mode display to the public attends the commercial and the large film productions, while the cineclub aims line of cinema as art and culture. The activity has, over the years, losing its place as the city entered equipment, starting to settle in large commercial centers like shopping centers. It is in this context that the proposal, in order to develop the first draft of a movie complex, aimed at more diverse spectators, focusing on the acoustic comfort of screening rooms. The intention is to develop a project that shows a concept of the movie until then unknown in Natal. Key words: Cinema; Entertainment; Multiplex; Cineclub; Cinematographic exhibition.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Reserva Cultural no Prédio da Gazeta Figura 2 - Planta baixa Reserva Cultural Figura 3 - Hall principal da Reserva Cultural Figura 4 - Sala de exibição no modelo stadium Figura 5 - Café Reserva Cultural Figura 6 - Bistro em nível elevado com vista para Av. Paulista Figura 7 - Plataforma elevatória para acesso à edificação Figura 8 - Espaço Itaú na Rua Augusta Figura 9 - Foyer do cinema Figura 10 - Planta baixa térreo Figura 11 - Bombonnière Figura 12 - Wi-fi zone no hall Figura 13 - Sala de exibição Figura 14 - Livraria vista do hall Figura 15 - Cinemark Midway Mall Figura 16 - Croqui esquemático Figura 17 - Hall de exibição Figura 18 - Vista do foyer externo da Cinemateca Figura 19 - Vista a partir do foyer Figura 20 - Entorno da Cinemateca Figura 21 - Convivência interna Figura 22 - Foyer e praça pública Figura 23 - Planta baixa térreo Figura 24 - Área de exibição externa Figura 25 - Sala de exibição com balcão na plateia Figura 26 - Sala de exibição com plateia simples Figura 27 - Localização do terreno Figura 28 - Terreno para proposta Figura 29 - Uso de solo nas imediações do terreno Figura 30 - Gabarito nas imediações do lote Figura 31 - Terreno para intervenção Figura 32 - Terreno para proposta com APP de lagoa de captação Figura 33 - Topografia do terreno para intervenção Figura 34 - Perfil do terreno de intervenção Figura 35 - Esquema de insolação no terreno Figura 36 - Incidência de ventos no terreno Figura 37 - Mapeamento acústico para os anos de 2012 e Figura 38 - Exemplo de largura de rampas Figura 39 - Espaço de circulação compartilhado por duas vagas Figura 40 - Área de instalação de poltronas Figura 41 - Visuais dos espectadores Figura 42 - Disposição de poltronas em salas de exibição Figura 43 - Espaçamento entre poltronas Figura 44 - Fluxograma de relações entre os ambientes Figura 45 - Esquema de definição de partido Figura 46 - Esquema de permeabilidade da ventilação e proteção solar Figura 47 - Níveis de ruído incidente Figura 48 - Indicação de ventilação predominante... 74

10 Figura 49 - Zoneamento por setores Figura 50 - Planta baixa zoneada da proposta Figura 51 - Estudo volumétrico zoneado Figura 52 - Planta baixa zoneada da proposta Figura 53 - Estudo volumétrico zoneado Figura 54 - Planta baixa zoneada da proposta Figura 55 - Aberturas zenitais na área do foyer Figura 56 - Estudo volumétrico zoneado Figura 57 - Estudo volumétrico zoneado final Figura 58 - Esquema de fluxo Figura 59 - Relatório do Reverb... 86

11 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Evolução do Multiplex no Brasil Quadro 2 - Recuos exigidos pelo Plano Diretor de Natal Quadro 3 - Vagas reservadas para portadores de necessidades especiais Quadro 4 - Quantidade de assentos destinados a pessoas em cadeira de rodas Quadro 5 - Programa de necessidades e pré-dimensionamento... 70

12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA MODOS DE EXIBIÇÃO MULTIPLEX CINECLUBES CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS ISOLAMENTO ACÚSTICO CONDICIONAMENTO ACÚSTICO ELETROACÚSTICA Sistema Vitaphone Sistema Ótico Sistema Magnético Sistema Digital REFERÊNCIAS PROJETUAIS ESTUDOS DIRETOS Reserva Cultural Espaço Itaú de Cinemas Cinemark Midway Mall Considerações Acerca dos Estudos Diretos ESTUDO INDIRETO Cinemateca Nacional do Século XXI Considerações Acerca do Estudo Indireto UNIVERSO DE ESTUDO LOCALIZAÇÃO E ENTORNO ASPECTOS FÍSICOS ASPECTOS BIOCLIMÁTICOS E DE CONFORTO AMBIENTAL CONDICIONANTES LEGAIS PLANO DIRETOR DE NATAL (2007) CÓDIGO DE OBRAS DE NATAL (2004) CÓDIGO DE SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO DO ESTADO DO RN (CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RN) NBR ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS URBANOS NBR (NB 1186) - PROJETOS E INSTALAÇÕES DE SALAS DE PROJEÇÃO CINEMATOGRÁFICA DESENVOLVIMENTO DA PROPOSTA ARQUITETÔNICA METODOLOGIA PROJETUAL... 69

13 7.2. PROGRAMA DE NECESSIDADES E PRÉ-DIMENSIONAMENTO DEFINIÇÃO DE PARTIDO ARQUITETÔNICO ZONEAMENTO EVOLUÇÃO DA PROPOSTA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO SETOR PÚBLICO SETOR DE EXIBIÇÃO SETOR DE SERVIÇO SETOR ADMINISTRATIVO ESTACIONAMENTO CONFORTO ACÚSTICO DAS SALAS DE EXIBIÇÃO Simulação com o Reverb CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 88

14 14 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento industrial do século XIX, o mundo passou por um período de diversas transformações tecnológicas, que ocasionaram uma mudança nos hábitos de entretenimento da população. O cinema se configurava como uma resposta ao modo de produção industrial no campo da manifestação artística. As primeiras exibições ocorreram em espaços não adequados para tal fim, mas aos poucos a arte cinematográfica ganhou forças e buscou sua identidade própria, necessitando de um espaço mais apropriado para suas exibições. A primeira exibição pública de cinema ocorreu em dezembro de 1895, no Salão Indien du Grand Café, em Paris, e foi promovida pelos irmãos Lumière. As primeiras exibições cinematográficas foram marcadas pelo improviso e por ambientes modestos com uma tela de tecido, uma centena de cadeiras e um aparelho de projeção colocado sobre um banco, como destaca Emary (1995). Deste modo, o cinema se popularizou rapidamente, surgindo a necessidade de novos locais para a exibição desta arte. Foi nesse contexto em que antigos teatros foram adaptados para receber este tipo de exibição, bem como, começou-se a projetar edifícios voltados exclusivamente para a arte da exibição cinematográfica. Mas é apenas no século XX que o cinema se consolida como uma das mais importantes formas de comunicação. No Brasil, a primeira exibição ocorreu em dezembro de 1896, com um equipamento vindo de Lisboa. Apesar da novidade, o espetáculo não impressionou o bastante, dados os problemas de eletricidades ocorridos no teatro. Já em março do mesmo ano, alugou-se uma sala na Rua Ouvidor rua preferida pelos empresários para a exibição de entretenimentos, devido ao seu movimento e sua localização central e lá se instalou um cinematógrafo (ARAÚJO, 1976, p. 81). Segundo Paula Freire Santoro (2005), as primeiras exibições em São Paulo funcionavam em bases precárias, pequenos negócios familiares, realidade que muda com a chegada da energia elétrica e mudança da elite cafeeira para a cidade. Junto aos grandes cafés e teatros, surgem as salas de cinema fixas, que ainda não possuíam desenhos arquitetônicos específicos, e que permitiam outros tipos de usos. Em Natal, as exibições se tornaram mais frequentes devido à Segunda Guerra Mundial e consequente instalação da base militar americana na cidade de Parnamirim. Em 1949 chegou à cidade o Cine Rio Grande, e em 1958 o Cine

15 15 Nordeste, estes dois exemplares representaram durante vários anos, uma das melhores formas de entretenimento existente na Cidade do Natal. Contudo, no decorrer dos anos, o cinema enfrentou momentos de perda de público que questionaram sua sobrevivência. Isto pode ser associado ao surgimento da televisão e, posteriormente, ao vídeo cassete e diversos outros equipamentos de mídia que dava liberdade de se assistir filmes no conforto de seu lar. Existe ainda o fator associado à localização do cinema e sua relação com o conjunto urbano. Para Santoro (2005), uma série de alterações no modo de vida urbana cooperou para a dificuldade de manutenção do perfil elitista tanto na área central, como no habito de ir ao cinema. Os equipamentos voltados à arte cinematográfica perderam aos poucos seu prestígio que coincidiu com a degradação do centro coração histórico da cidade. Deste modo, o cinema foi perdendo sua força como equipamento de lazer coletivo, passando por um intenso processo de adaptação. As salas tradicionais foram cedendo lugar a novos usos e novos modos de inserção na cidade. A partir de 1997, de acordo com a Associação Brasileira das Empresas Exibidoras Cinematográficas Operadoras Multiplex ABRAPLEX -, ocorre a disseminação do sistema de exibição Multiplex, que é caracterizado pela existência de 5 à 18 salas de exibições unidas por um foyer, que conta com tecnologia de ponta e maior diversidade e flexibilidade na programação. Na cidade de Natal/RN, alguns dos cinemas de rua existentes tentaram continuar suas exibições após algumas reformas, como é o caso do Cine Rio Grande, ou mesmo modificando seu tipo de exibição, se voltando à exibição de filmes adultos, como foi o caso do Cine Nordeste. Estas adaptações não obtiveram êxito e esses cinemas acabaram por encerrar suas exibições por completo. Ao longo dos anos, seus edifícios foram cedendo lugar a novos usos. Assim, com o fim das exibições nestes cinemas, extingue-se também a existência dos cinemas de rua na cidade. Nos dias de hoje há uma tendência de implantação de cinemas em shoppings centers e galerias. Esta forma de implantação visa garantir uma opção de entretenimento completo aos usuários, possibilitando a utilização dos mais variados serviços em um único lugar. Outra facilidade, esta para os empresários da indústria de exibição cinematográfica, é a diminuição dos custos de implantação destes

16 16 equipamentos, uma vez que os shoppings fornecem a infraestrutura básica, como ar-condicionado, estacionamento, boa localização, dentre outros, não tendo os empresários que arcar com estes custos. Atualmente, a cidade conta com quatro cinemas, todos no sistema Multiplex e implantados dentro dos principais shoppings centers da cidade. O mais antigo é o Moviecom, localizado no Praia Shopping, que conta com 7 salas de exibições. Em seguida se instalou na cidade o Cinemark, localizado no Midway Mall, contando com 10 salas de exibições. E a cidade conta ainda com dois cinemas da Rede Cinépolis, um localizado no Natal Shopping, outro no Natal Norte Shopping, totalizando 12 salas de exibições. A produção e o consumo cinematográfico no mundo contemporâneo vêm aos poucos extinguindo o cinema como arte e cultura de uma sociedade, bastante representada nos, quase inexistentes, cineclubes. Os cineclubes são definidos como associações em que amadores de cinema se reúnem para ver filmes e estudar sobre a arte cinematográfica em todos os seus aspectos. No Brasil, o primeiro cineclube foi fundado em 1928, por Plínio Sussekind Rocha, Otávio de Faria, Almir Castro e Cláudio Mello, no Rio de Janeiro, e se chamava Chaplin Club. Outra iniciativa só ocorreu em 1940, com o Clube de Cinema de São Paulo, que teve suas atividades suspensas pelo Departamento Estadual de Imprensa e Publicidade, logo após sua inauguração. Funcionando com exibições clandestinas, só foi oficializado após a Segunda Guerra Mundial, em 1946, quando se uniu ao Museu de Arte Moderna (MAM) e se transformou na filmoteca do museu, se tornando no embrião da Cinemateca Brasileira. Os cineclubes comparecem como organizações atuantes, que foram fundamentais para a formação de núcleos de discussão intelectual sobre cinema em diversas partes do mundo. No final dos anos 50 e início dos anos 60, o cineclubismo brasileiro organizou-se em torno de entidades federativas. Surgiram, ainda, cineclubes que promoviam suas atividades em escolas secundaristas, faculdades e em museus. O cineclubismo foi uma das principais marcas do movimento cultural dos anos 50 e 60. Os cineclubes são constituídos levando em consideração três preceitos básicos: deve ser uma instituição sem fins lucrativos; sua estrutura deve ser democrática; e deve haver compromisso cultural ou ético para com a sociedade.

17 17 Nos anos 80, com o advento da Nova República, muitos cineclubes que haviam se estruturado, perderam o sentido de continuidade. Somente em novembro de 2003, o movimento cineclubista se reencontra dispostos a iniciar uma rearticulação do movimento, mas ainda assim, bastante defasados. Como se pode observar, as mudanças no equipamento do cinema vêm aos poucos excluindo a edificação deste equipamento do contexto urbano, bem como, perdendo sua identidade tipológica. Outro agravante são as limitações impostas aos usuários pelos shoppings centers, sejam pelos horários ou pelos custos mais elevados. Entretanto, ainda é possível perceber o apoio e incentivo ao cinema como forma de lazer aliada à cultura por parte da iniciativa privada, normalmente bancos. No que diz respeito à arte do cinema, criam-se espaços multiuso, objetivando a divulgação e exibição de produções de qualidade, permitindo também o acesso da população de baixa renda a este tipo de cultura e entretenimento. Considerando as atuais condições do mercado e buscando o resgate do cinema como forma de arte e cultura para a sociedade, procura-se trazer um conceito diferente do existente na cidade. Desta forma, o objetivo deste trabalho é desenvolver um anteprojeto de um cinema que supra a necessidade dos usuários do Multiplex, assim como os apreciadores da sétima arte que procuram algo a mais neste tipo de equipamento como, por exemplo, os cineclubes. Assim, o objetivo geral desse estudo é a concepção de anteprojeto de um complexo de cinema, voltado aos mais diversos públicos, com foco no conforto acústico das salas de exibição. Para isto, foram considerados os seguintes objetivos específicos: Estudar a evolução do cinema e seus modos de exibição; Estudar a arquitetura de cinemas, identificando as variações tipológicas e aspectos funcionais pertinentes; Compreender e estudar as soluções acústicas que contribuem para o processo projetual do cinema. Para alcançar os objetivos propostos neste trabalho, fez-se necessário entender o processo de evolução da indústria cinematográfica. A pesquisa foi realizada através de consultas bibliográficas eletrônicas, livros e trabalhos acadêmicos acerca do tema. Assim, o primeiro capítulo do presente trabalho trata da evolução da atividade no tocante ao processo de exibição.

18 18 No segundo capítulo foram abordados os dois modos de exibição relevante para o desenvolvimento da proposta. Neste capítulo foi tratado o processo de evolução de cada um dos modos, com suas características e peculiaridades. Em seguida, foram tratadas as características acústicas das salas de exibição, de modo a compreender os aspectos necessários para o desenvolvimento de uma sala de cinema acusticamente eficiente. O quarto capítulo apresenta os principais estudos de referência relevantes para o desenvolvimento da proposta, compreendendo as relações existentes nesse tipo de equipamento. O quinto capítulo trata do universo de estudo, onde foram realizados estudos do terreno através de coleta de dados e análise dos condicionantes físico-ambientais e legais. A partir dos resultados obtidos nas fases anteriores do processo, foi elaborada a proposta de um anteprojeto de um complexo de cinema, apresentada no sétimo capítulo do presente trabalho, sendo seguida pelo memorial descritivo e justificativo da proposta. Este trabalho é composto por duas partes, sendo a primeira parte o presente memorial e, a segunda parte, composta pelas pranchas da proposta arquitetônica.

19 19 1. EVOLUÇÃO DA INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA As primeiras exibições de cinema, que datam do final do século XIX, se configuravam como uma alternativa ao entretenimento da população. Inicialmente, as exibições necessitavam apenas de um projetor, uma tela e uma plateia, podendo acontecer nos mais variados locais. Costa (2006) relata que os primeiros filmes tinham herdado a característica de serem atrações autônomas, que se encaixavam facilmente nas mais diferentes programações dos teatros de variedades. Porém, a associação das exibições cinematográficas com outras formas de entretenimento, como por exemplo, cafés e bares, ocasionou a elitização da atividade. Aos poucos, o cinema se transformou em um símbolo de diversão atrelado ao status, uma vez que, com o desenvolvimento das máquinas de exibição, a burguesia detinha o capital e o monopólio da execução dessa atividade. Os realizadores da atividade buscaram no romance e no teatro a construção de uma nova linguagem, conferindo legitimidade ao cinema. A partir disto, se incorporou a narrativa e a linearidade às exibições. Deste modo, o cinema passou a ser tratado como arte, aumentando seu público, necessitando de novos locais para as exibições. Ainda no início do século XX, os grandes cinemas estavam localizados nos grandes centros urbanos, já que lá se concentravam o controle social e econômico da cidade como explicita Jean-Claude Bernardet em O que é cinema : As salas de bairro tendem a desaparecer, os cinemas concentram-se em pontos de poder aquisitivo mais elevado. (BERNARDET, 1991, p.48) Aos poucos essa atividade foi perdendo seu público, os cinemas de rua começaram a encerrar suas atividades, diminuindo, por consequência, a quantidade de salas de exibições e os espectadores. O início dessa decadência coincidiu com o processo de fragmentação dos centros urbanos, transformando um único centro urbano em vários centros. Atualmente, os cinemas de rua existentes que conseguem se manter ativos, resistindo à diminuição de público, têm seu foco voltado exclusivamente para a exibição de filmes de arte ou aos filmes adultos. De acordo com o relatório anual da Agência Nacional do Cinema (2011): Na esteira das mudanças ocorridas no setor da exibição, fatores como a entrada de empresas de capital estrangeiro e a implantação de um novo modelo de organização das salas, a mudança nos hábitos de consumo de cinema e a crescente modernização do parque tecnológico aumentaram a distância entre os grandes empreendedores da exibição (empresas

20 20 multinacionais e alguns exibidores de capital nacional) e os pequenos exibidores, que invariavelmente mantêm cinemas de rua por tradição familiar e tiveram que disputar o mercado em áreas menos atrativas.

21 21 2. MODOS DE EXIBIÇÃO Os modos de exibição se adaptaram às inovações tecnológicas e necessidades das sociedades ao longo do tempo. O multiplex apresenta a vertente mais contemporânea da atividade, sendo responsável pelo grande faturamento da indústria. Por sua vez, os cineclubes são instituições sem fins lucrativos e buscam, basicamente, a utilização do cinema como ferramenta de fomento a arte e a cultura MULTIPLEX Vários fatores ocasionaram a decadência do cinema de rua e, de acordo com Ferraz (2009), o encerramento das atividades de vários cinemas espalhados pelo país não ocorreu de forma repentina, ao contrário do que fazem pensar diversos autores. Ainda segundo a autora, nos anos de 1970 os proprietários dos locais de exibição buscaram alternativas de incentivo como reformas de salas existentes, com intuito de atrair o público novamente. Contudo, as medidas não foram suficientes para reestabelecer a dinâmica desta atividade. Por volta da década de 1990, o cinema brasileiro passa definitivamente por perdas constantes de público e fechamento de salas. Com as constantes modificações dos centros urbanos e descentralizações destes, o cinema passa a enfrentar problemas, perdendo o prestígio adquirido desde as primeiras décadas do século. Outro fator que comprometeu a estabilidade da atividade, segundo Stefani (2009), foi a popularização da televisão que, pouco tempo depois, se tornou a maior forma de entretenimento da população. Além disso, Santos (2000) afirma que as estruturas mantidas pelos cinemas tradicionais deixaram de ser viáveis, por não mais corresponderem às expectativas do público. Deste modo, o Sistema Multiplex foi a saída encontrada pela indústria cinematográfica para amenizar os efeitos da crise. O conceito multiplex surgiu há cerca de 25 anos nos Estados Unidos, tomando destaque por se tratar de um complexo de salas de exibição com excelentes recursos cinematográficos, com destaque, principalmente, para o conforto dos usuários, a qualidade e as inovações tecnológicas. O conceito chega ao Brasil no ano de 1997, com a inserção de exibidores estrangeiros no mercado nacional, como o Cinemark e a UCI.

22 22 Com as salas de cinema comuns deixando de proporcionar inovações aos espectadores, os multiplex se configuram como alternativas às exibições cinematográficas. O conceito do multiplex vai muito além de apenas salas de exibição. O sistema tem por objetivo oferecer uma maior variedade de filmes, diversos serviços e opções de entretenimento, condicionando assim os usuários ao máximo proveito do cinema. Dentre as opções ofertadas pelos multiplex, destacamse jogos, fast-foods, bares, áreas de shows, exposições e até pistas de dança. Santos (2000) afirma que a disposição das salas em um mesmo local otimiza espaço, gerando economia na operação, manutenção e administração, de forma a facilitar a informatização, climatização e utilização de sistemas avançados de acústica. Geralmente, este sistema é implantado em locais como shopping centers, aumentando as possibilidades de faturamento, uma vez que os usuários podem ir aos shoppings com intuito apenas de fazer compras e, sem planejamento prévio, assistir um filme. Além disto, os cinemas podem contar com a segurança e o estacionamento disponíveis dos shoppings. Diversos complexos exibidores neste modelo de cinema contemporâneo foram estabelecidos no país e se configuram como revolucionários no mercado exibidor no tocante à qualidade de som e imagem que oferecem. Diversos foram os fatores que atraíram cada vez mais o público: grande salas no modelo stadium, telas enormes modelo Wall to Wall e sistemas de projeção com equipamentos de ultima geração. Aos poucos, esses complexos foram influenciando os gostos e hábitos dos espectadores. De acordo com Saab e Ribeiro (2000), as maiores redes internacionais de exibição, como Cinemark, a United Cinemas International (UCI) e a Hoyts Cinemas, investiram significativamente no Brasil nos últimos anos, movimentando o cenário das salas de exibição no país, como mostram dados da ABRAPLEX Associação Brasileira das Empresas Exibidoras Cinematográficas de Multiplex (Quadro 1):

23 23 Quadro 1 - Evolução do Multiplex no Brasil Fonte: <http://www.abraplex.com.br/mercado.html>. Acesso em: 10 ago O Quadro 1 apresenta a evolução do multiplex no Brasil, relacionando a quantidade de complexos e salas de exibição das maiores redes internacionais atuantes no país ao longo dos anos. É possível observar que as duas maiores redes, em sete anos, aumentou cerca de dez vezes a quantidade de complexos e, por consequência, salas de exibições. Com relação a grupos nacionais, o Severiano Ribeiro se destaca com expressividade no mercado brasileiro, ficando atrás apenas da rede Cinemark. Foi o grande exibidor no Brasil antes da chegada das multinacionais e manteve a soberania na quantidade de salas no país durante oitenta anos. Os proprietários da rede afirmam ser muito difícil, atualmente, montar salas no formato antigo, uma vez que o formato multiplex possui custo operacional bem inferior e uma maior rotatividade, deste modo, gerando maior renda. Em seu estudo, Eduardo Baider Stefani (2009) cita o caráter hollywoodiano da programação no sistema multiplex, que busca exibir apenas grandes produções mundiais ou filmes populares nacionais, visando, basicamente, o lucro em suas sessões. A busca dos espectadores por diferenciais nos complexos, como salas VIPs, exibições em 3D, e diversos outros atrativos nos cinemas, tem incentivado o investimento continuo e a modernização cada vez maior das novas salas de exibição. O desenvolvimento das salas de exibição é de grande valia, tanto pelas funções relacionadas ao lazer e entretenimento, quanto pela educação e cultura que elas podem proporcionar à população. Hoje é possível identificar algumas poucas iniciativas dos cinemas de lazer em promover o cinema como cultura. Em algumas

24 24 redes, como a Cinemark, existe a oferta de filmes de arte a preços mais baixos e que contam com a mesma comodidade das grandes produções do cinema CINECLUBES De acordo com a Instrução Normativa nº 63, de 2 de outubro de 2007, da Agência Nacional de Cinema (ANCINE), cineclube pode ser definido como sendo espaços de exibição não comercial de obras audiovisuais nacionais e estrangeiras diversificadas, que podem realizar atividades correlatas, tais como palestras e debates acerca da linguagem audiovisual. Estes espaços são instituídos de forma democrática e visam, basicamente, a multiplicação de público e formadores de opinião para o setor audiovisual, bem como, a promoção da cultura audiovisual brasileira e da diversidade cultural. Para atingir os objetivos propostos pelos cineclubes, são realizadas exibições de obras audiovisuais, conferências, cursos e atividades correlatas. O primeiro cineclube que se tem notícia na história surgiu a partir do jornal Ciné-Club, fundado em 1920 por Charles de Vesme, Louis Delluc, entre outros colaboradores. Contudo, a primeira sessão oficial de um cineclube reconhecido se deu apenas em 1925, quando Charles Léger fundou o Tribune Libre du Cinema. Porém, como afirma Gusmão (2008), a atividade de cineclube não perdura por muito tempo, assim como o cineclubismo francês que só se restabelece após a Segunda Guerra Mundial, sob a presidência de Germaine Dullac. Aos poucos a atividade cineclubista foi se disseminando pela Europa, chegando no Brasil em O primeiro cineclube foi fundado por Plínio Sussekind Rocha, Otávio de Faria, Almir Castro e Cláudio Mello, no Rio de Janeiro, e se chamava Chaplin Club, realizando sua primeira exibição em Outra iniciativa de fundação de um cineclube só voltou a ocorrer em Na Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo, foi instaurado o Clube de Cinema de São Paulo, por Paulo Emílio Salles Gomes, Francisco Luís de Almeida Salles, Décio de Almeida Prado, Antônio Cândido, dentre outros. Contudo, o cineclube foi interditado pelo Departamento Estadual de Imprensa e Propaganda. Apesar disto, a partir de 1941 passou a funcionar com exibições clandestinas, sendo oficializado apenas em 1946, quando se uniu ao Museu de Arte Moderna (MAM), se convertendo na filmoteca do museu e que mais tarde se transformaria na Cinemateca Brasileira. O Clube de

25 25 Cinema de São Paulo serviu de parâmetro para o estabelecimento de outros cineclubes fundados pelo país ao final da década de 40. A primeira fase do cineclubismo no país, mesmo que restrita a um seleto grupo de intelectuais, ocasionou um novo formato de exibição, que se difundiu pelo Brasil na década de 50, época em que surgiram vários cineclubes pelo país. Segundo Gusmão (2008), um fator que contribuiu para o crescimento dessa atividade no Brasil, embora seja pouco tratado pela historiografia do cinema brasileiro, foi o forte movimento de orientação católica que estimulava a cultura cinematográfica e a fundação de cineclubes. A Igreja Católica investiu recursos e pessoal para implementar uma política cineclubista, promovendo cursos e formando equipes para difundir seu modo de organização. Por volta da década de 60, o cineclubismo brasileiro passou a se organizar em unidades federativas e acabaram por criar um congresso nacional de cineclubes evento que se tornou uma tradição e contou com 22 edições, ocorrendo sempre em diferentes cidades do país. Hoje em Natal, essa vertente da exibição cinematográfica é representada pelo Cineclube Natal (CCN), sendo o cineclube mais atuante e expressivo da capital potiguar desde maio de 2005, quando foi fundado. Além de atuar fortemente na capital, o Cineclube Natal realizou algumas oficinas de cineclubismo e apreciação cinematográfica no interior do estado. Como não possui edificação própria, as sessões são realizada em diversos locais, mas existem dois pontos principais de exibições periódicas: o Cine Café, realizado no Nalva Melo Café Salão e o Cine Vanguarda que acontece no Teatro de Cultura Popular. A atividade vem sendo amparada por leis de incentivo à cultura, como a lei municipal Djalma Maranhão, a estadual, Lei Câmara Cascudo e ainda, um programa do Ministério da Cultura, o Cine Mais Cultura. O programa oferece subsídios para obtenção de equipamento de exibição, obras brasileiras e ainda, a capacitação cineclubista, fomentando cada vez mais o pensamento crítico dos espectadores. Como o cineclube é uma instituição sem fins lucrativos, os incentivos por parte do poder público possibilita a integração do trabalho desenvolvido com a educação, levando a atividade a algumas escolas e bairros mais carentes da cidade. Além de levar essa cultura às escolas, o cineclube participa ativamente do cenário cultural de Natal, realizando exibições especiais, cursos e oficinas em mostras e

26 26 festivais. Graças a estas iniciativas, a atividade do cineclube vem ganhando, ao poucos, seu devido reconhecimento na capital potiguar.

27 27 3. CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS Em salas de exibição cinematográficas, assim como a qualidade da imagem, a qualidade do som é fundamental para garantir uma adequada projeção da película. Por se tratar de uma obra audiovisual, o som, seja através de diálogos, ruídos ou músicas, tão importante quanto a imagem na projeção cinematográfica. Assim como as cenas, os sons de um filme são totalmente planejados e criados segundo uma concepção estética, que varia de acordo com a intensão do diretor. Assim, as salas de exibição devem assegurar que os sons externos não adentrem o ambiente e prejudiquem o som da produção, bem como, garantir que o som reproduzir no ambiente seja ouvido com qualidade por todos os espectadores. Portanto, durante a exibição dos filmes não se ouve apenas o som proveniente das caixas acústicas, mas sim, o resultado da interação deste som com as características acústicas do ambiente. Estas características são determinadas por dois importantes aspectos: o isolamento e condicionamento acústico ISOLAMENTO ACÚSTICO Bistafa (2006) conceitua som como sendo vibrações das partículas do ar que se propagam a partir de estruturas vibrantes. O som é a sensação produzida no sistema auditivo. Ainda segundo o autor, o ruído é um som indesejável, em geral de conotação negativa. Segundo Lopes (2010) o isolamento acústico objetiva garantir que ruídos aéreos gerados em um ambiente não sejam transmitidos para outro adjacente, sendo este um espaço fechado ou externo a edificação. Em salas de exibição este aspecto é fundamental ser atendido, caso contrário, a compreensão do filme pode ser parcial ou totalmente prejudicada por sons indesejáveis. De acordo com a NBR (1988) os níveis de ruídos ambientais em salas de projeção cinematográfica devem ficar abaixo de 40 db (A), garantindo que todos os espectadores possam ouvir o mais sutil dos sons reproduzido pela película cinematográfica. O isolamento de um ambiente é obtido, basicamente, pelo seu isolamento físico em relação aos ambientes adjacentes. Desse modo, a primeira precaução que

28 28 se deve tomar é garantir a eliminação de aberturas entre o ambiente ruidoso e o que se deseja isolar acusticamente. No entanto, alguns pontos de abertura são bastante delicados, como é o caso de portas e janelas, haja vista a necessidade destes elementos, seja para acesso ou para iluminação e ventilação. Assim, algumas medidas devem ser tomadas para que estes elementos não prejudiquem o isolamento de ambientes como salas de exibição. Os acessos devem ser vedados com portas isoladas acusticamente que impeçam a entrada de ruídos. Antecâmaras devem ser instaladas entre o acesso e o exterior das salas para reforçar a função das portas. Deste modo, o isolamento é mantido durante as exibições, mesmo que a porta seja aberta para entrada de usuários. Deve-se ainda tomar precauções para que seja evitado e isolado o ruído de impacto, proveniente da vibração causada na estrutura da edificação por elementos como compressores de ar condicionado, bombas d água ou qualquer outro equipamento que possa produzir vibração. Devem ser utilizados amortecedores nas bases desses equipamentos CONDICIONAMENTO ACÚSTICO O condicionamento acústico em salas de exibição busca garantir que o som produzido seja transmitido aos espectadores com boa qualidade. Ele é assegurado, principalmente, pelo nível sonoro gerado pelo filme, a correta distribuição das caixas sonoras e a obtenção de um tempo de reverberação adequado. O tempo de reverberação é definido como o tempo que a energia de um campo sonoro reverberante leva para decair 60dB logo tenha cessado o som da fonte sonora (MORFEY, 2001, apud, LOPES, 2010). Ou seja, o tempo de reverberação é o tempo em que o som permanece no ambiente após se emitido pela fonte sonora. Para cada tipo de atividade existe um tempo de reverberação que lhe é mais adequado. O tempo de reverberação de um ambiente é determinado, principalmente, pelo tipo e distribuição dos materiais de revestimento utilizados, considerando a geometria do ambiente. O tempo de reverberação de salas de cinema normalmente são baixos, entre 0,3 e 0,8 segundos. Outro ponto importante para o condicionamento acústico das salas de exibição é a distribuição correta das diferentes caixas sonoras. O posicionamento

29 29 deve considerar o tipo de som a ser reproduzido, as dimensões, volume e a geometria da sala ELETROACÚSTICA O cinema, da maneira que se conhece atualmente, passou por um longo caminho até o desenvolvimento de soluções técnicas e mercadológicas para seu total estabelecimento. A primeira solução encontrada foi a gravação em discos que logo cedeu lugar à gravação ótica, sendo esta substituída pela gravação magnética e, posteriormente, pela digital Sistema Vitaphone Em 1910, surgiu o som em disco, que podia ser copiado e fabricado em série. O sistema mais conhecido e que teve maior reconhecimento comercial foi o Vitaphone. O sistema acompanhava o filme e um disco de 16 polegadas. Contudo, este sistema não era de todo eficaz, uma vez que sua reprodução se dava por meio de vitrola. Caso algo danificasse o disco de alguma maneira, por mínimo que fosse o dano, a reprodução seria prejudicada. Além da fragilidade do disco, o alto custo de fabricação, por vezes, inviabilizava a produção deste material. O sincronismo do som com a imagem do filme era obtido mecanicamente, tendo em vista que um motor acionava tanto o projetor quanto prato do disco. A operação não se complicava bastante sempre que havia o rompimento do filme, o que era comum de ocorrer. Assim, se tornava necessário voltar o filme ao início e dispor a agulha da vitrola em um local aproximado, prejudicando a sincronização planejada entre som e imagem. Embora primitivo, este sistema permitiu os primeiros filmes sonoros. A maioria dos discos só registravam músicas, assim, a falta de sincronismo, gerada pelo rompimento dos filmes, não se tornava um empecilho a exibição das películas. Apesar disto, os problemas enfrentado nas exibições com discos levaram a ideia de atribuir som à própria película Sistema Ótico O sistema ótico se torna viável comercialmente em 1927, com os filmes The Jazz Singer e Don Juan, sendo estes, marcos no início deste sistema. Pode-se

30 30 atribuir o sucesso ao funcionamento do sistema, à facilidade e menor custo de comercialização, e a sua praticidade. A partir de 1927, o cinema passou por uma gradativa transição do sistema Vitaphone para o sistema ótico, tendo suas salas que se equipar para receber os dois sistemas. Durante dez anos, de 1927 a 1937, aconteceu o verdadeiro boom no número de salas de projeção. Só nos Estados Unidos, a quantidade varia entre e salas. Por outro lado, o rápido crescimento da atividade cinematográfica, gerou a necessidade de padronização das instalações e da forma de se produzir os filmes. Assim, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas começa a se formalizar e organizar todo o sistema: a maneira em que o som ótico será registrado no filme, a forma de equalização, bem como, as características das caixas sonoras das salas. Os primeiros sistemas de registro ótico utilizavam o sistema simples, ou seja, em uma única câmera, eram registradas as imagens e o som da película. Este sistema gerava inúmeros problemas no momento da edição dos filmes. Deste modo, foi idealizado o sistema duplo: durante as filmagens, além da câmera, outro operador gravava o sim em um sistema ótico com microfone. Assim, tornava-se possível a edição, cortando os negativos do som e de imagem de formas independentes que, posteriormente, eram unidos e copiados Sistema Magnético Nos anos 50, o sistema magnético tornou-se popular. O som magnético atribuído ao filme possuía várias vantagens sobre o ótico. O novo sistema se destacava pela melhoria na qualidade do som, sendo este estéreo e com até seis canais (surround), enquanto o ótico era um sistema mono. A criação do novo sistema se deu graças à perda de público do cinema para a televisão. A indústria cinematográfica se viu obrigada em oferecer um diferencial para atrair novamente os espectadores. Assim, telas maiores com imagens coloridas foram idealizadas. Contudo, o sistema de som com um único canal não atenderia a esta inovação. Somente com o sistema magnético foi possível aumentar a quantidade de canais e melhorar a qualidade do som. Ainda assim, o sistema magnético possuía desvantagem com relação ao ótico. Os filmes eram bastante delicados e estragavam facilmente, sendo sua

31 31 durabilidade inferior a do ótico. Além disso, o novo sistema exigia um investimento bastante elevado na produção. Algumas experiências com faixas óticas estéreo foram realizadas, porém os resultados foram insatisfatórios, dada a quantidade de ruídos. Em 1965, quando a Dolby Laboratories apresentou o Dolby A um método de redução de ruídos originalmente desenvolvido para gravações profissionais a indústria cinematográfica encontrou um caminho para reinventar e aprimorar as trilhas óticas. O sistema Dolby magnético foi se aprimorando, sempre com intuito de reduzir o ruído, aumentar a resposta de frequência, diminuir a distorção e introduzir o som multicanal. Foi então neste contexto que surgiu o Dolby Digital. Por sua contribuição à indústria cinematográfica, em 1989 a Dolby Laboratories recebeu um premio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, se tornando, pouco tempo depois, uma das maiores empresas de desenvolvimento de sistemas sonoros do mundo Sistema Digital No ano de 1992, a Dolby Laboratories lança o Dolby Digital, e em 1995 o sistema é adotado como padrão nas salas de exibição por todo o mundo. O sistema foi utilizado pela primeira vez em 1992, no filme Batman Returns. O sistema faz uso de seis canais de áudio independentes, sendo cinco de frequências normais e uma para o subwoofer (o chamado 5.1). Com isso, é possível ao espectador ouvir sons inaudíveis nas versões anteriores do sistema. A configuração das caixas de som considerada ideal para o sistema digital é ter três na frente, por trás da tela de exibição, e duas na parte de trás do ambiente, todas a dispostas de forma equidistantes entre si e na mesma altura. Uma das principais vantagens do Dolby Digital é o fato deste poder ser gravado no próprio rolo do filme, no espaço entre os orifícios destinados ao encaixe dos dentes responsáveis pela rolagem do filme na máquina. A compressão do áudio acaba ocasionando perda de informações. Ainda assim, o resultado final é um som de boa qualidade que requer equipamentos simples para sua reprodução. Ao longo dos anos, e o graças aos desenvolvimento tecnológico, a Dolby Laboratories aperfeiçoou os sistemas existentes além de desenvolver novos sistemas, como é o caso do Dolby Digital EX,Dolby TrueHD, Dolby Pro LogicII e a mais recente aposta da empresa: o Dolby Atmos.

32 32 Atualmente, apesar de existirem outros sistemas digitais, como por exemplo, o DTS (Digital Theater System), os sistemas da Dolby são os que se destacam no cenário de exibição mundial.

33 33 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS A fim de embasar a elaboração da proposta arquitetônica de um Complexo Cultural de Cinema para os apreciadores da sétima arte, foram realizados estudos de referência. Estes estudos se configuram como análises de equipamentos com propostas semelhantes à que se pretende desenvolver. Foram analisados projetos cujos aspectos tipológicos, construtivos e até estéticos que pudessem contribuir para o desenvolvimento da proposta. Esses estudos foram realizados de maneira direta e indireta. Os estudos diretos resultaram de visitas in loco, com possibilidade de avaliação do ambiente construído. Já os estudos indiretos surgiram como fruto de pesquisas em fontes bibliográficas e na internet ESTUDOS DIRETOS Estudos diretos foram realizados a partir da análise de ambientes construídos, através da análise de aspectos que possam servir para o aperfeiçoamento da presente proposta arquitetônica, quanto ao programa de necessidades, disposição dos ambientes, implantação, relações com os usuários e funcionalidade. Observaram-se os seguintes itens: caracterização do estabelecimento, localização, proposta projetual e principais ambientes. Foram selecionados três estabelecimentos, estando dois localizados na cidade de São Paulo (SP) e um na cidade de Natal (RN). A Reserva Cultura e o Espaço Itaú de Cinemas, ambos em São Paulo, são espaços voltados para a exibição cinematográfica e se destacam pelo caráter cultural que empregam à atividade. O estudo direto realizado na cidade de Natal foi Cinemak Midway Mall, sendo este voltado para a exibição de filmes comerciais, nos moldes do sistema Multiplex Reserva Cultural Caracterização do estabelecimento Localizado na Avenida Paulista, centro de São Paulo, a Reserva Cultural vem se consagrando, no decorrer dos anos, como um dos complexos mais inovadores da capital paulista. O estabelecimento situa-se no térreo do prédio da Fundação Cásper Líbero, ocupando o lugar do antigo Cine Gazetinha. O destaque obtido pela Reserva

34 34 Cultural se dá tanto pela exibição de filmes nacionais e internacionais, quanto pela ideia de reunir diversas atrações em um mesmo ambiente. Figura 1 - Reserva Cultural no Prédio da Gazeta Fonte: <http://www.reservacultural.com.br/conceito.asp?id=14>. Acesso em: 20 ago Em junho de 2005 a Reserva Cultural inicia suas atividades. Desde o início o cineasta francês Jean-Thomas Bernardini, dono e idealizador da proposta, buscou um espaço que, além das exibições cinematográficas, pudesse oferecer outras formas de entretenimento aos usuários. Bernardini, também proprietário da distribuidora Imovision especializada em títulos segmentados, decidiu investir na exibição devido ao desinteresse das grandes redes de exibição pelo cinema independente. De acordo com o cineasta, a proposta é de criar programações paralelas, como minicursos de cinema, sessões cineclubes, exibições de filmes inéditos e em horários alternativos, para investir na disseminação do cinema como arte. Jean-Thomas idealizou a criação de um espaço voltado para um público de cinema específico, mas que atendesse a todos os outros, com uma variedade de atrativos. Dessa forma, além de quatro salas de exibição, existem espaços como o Café Pain de France, o Reserva Bistrô, a Livraria Lima Barreto e, ainda, um lobby multimídia, destinado a exibições e exposições diversas (ver Figura 2).

35 35 Figura 2 - Planta baixa Reserva Cultural Fonte: Elaboração da autora (2014) Localização Como mencionado anteriormente, o Reserva Cultural está localizado no térreo do prédio da Fundação Cásper Líbero. Neste mesmo edifício se encontra, por exemplo, o Teatro Gazeta, a TV Gazeta, a Gazeta FM e a Faculdade Cásper Líbero. Por situar-se em um prédio com diversos usos e estar localizado na Avenida Paulista, o Reserva atende àqueles que trabalham e estudam na região ou estão apenas de passagem. A localização privilegiada favorece tanto o acesso quanto à visibilidade do estabelecimento, aumentando assim, seu público. Proposta projetual e principais ambientes Atendendo aos anseios do proprietário, Naasson Ferreira Rosa, arquiteto responsável pelo projeto, buscou desenvolver um ambiente atrativo não apenas para os usuários amantes do cinema de arte. Deste modo, uma das soluções adotadas para o projeto buscou a criação de uma fachada transparente voltada para a Avenida Paulista. Esta solução proporcionou melhoria na qualidade do ambiente interno e favoreceu o contato com ambiente externo. O arquiteto trouxe ainda o conceito de um cinema de rua quando dispôs os ambientes ao longo de um corredor.

36 36 O acesso principal é realizado pela Avenida Paulista, através de uma escadaria que leva o usuário ao nível em que se localiza a bilheteria. Para os portadores de necessidades especiais, existe uma plataforma elevatória que conduz o cadeirante para o nível de acesso à bilheteria. A partir da bilheteria, é necessário descer uma rampa para ter acesso às instalações da Reserva Cultural, chegando ao hall principal. Como ambiente-chave pode-se destacar o hall principal (ver Figura 3). É através dele que se dá o acesso aos diversos ambientes da Reserva. Além de um ambiente de conexão, o hall tem importante papel de receber as exposições que ocorrem frequentemente. TVs exibindo entrevistas, trailers de filmes e making of de filmes, dão certo dinamismo ao local. O hall abriga também uma bombonière, voltada para os espectadores e, portanto, limitando seu funcionamento aos mesmos horários das salas de cinema. Os ambientes, mesmo que interligados, possuem funcionamento independente. Figura 3 - Hall principal da Reserva Cultural Fonte: <http://www.reservacultural.com.br/conceito.asp?id=14>. Acesso em: 20 ago O cinema da Reserva tem capacidade para 580 pessoas, distribuídas em quatro salas stadium: sala 1 (190 pessoas), sala 2 (160 pessoas), sala 3 (120 pessoas) e sala 4 (110 pessoas), além dos assentos destinados aos portadores de necessidades especiais. Apenas as duas primeiras e maiores salas possuem acesso direto pelo hall principal. A entrada às salas de exibição se dá sempre pelo fundo da sala (face oposta à tela) e no nível mais alto, onde se localizam os assentos reservados aos portadores de necessidades especiais (ver Figura 4).

37 37 Figura 4 - Sala de exibição no modelo stadium Fonte: <http://www.reservacultural.com.br/conceito.asp?id=14>. Acesso em: 20 ago O café, localizado ao lado da rampa de acesso, possui capacidade para aproximadamente 50 pessoas e se encontra no mesmo nível do hall principal. Como o café não se restringe ao público do cinema, seu horário de funcionamento independe deste (ver Figura 5). Figura 5 - Café Reserva Cultural Fonte: <http://www.reservacultural.com.br/conceito.asp?id=14>. Acesso em: 20 ago O bistrô oferece opções de refeições para almoço e jantar e cumpre sua função de atrair o público para o cinema. O bistrô está elevado do nível do hall principal, com o objetivo de ser visível aos transeuntes da Avenida Paulista, se configurando como um incentivo para novos usuários adentrarem ao espaço (ver Figura 6). Para que esta visibilidade fosse possível, foi necessário abrir mão da acessibilidade neste ambiente, uma vez que o acesso só pode ser feito através de uma escada. Assim como o café, o bistrô também possui capacidade para cerca de 50 pessoas.

38 38 Figura 6 - Bistro em nível elevado com vista para Av. Paulista Fonte: <http://www.reservacultural.com.br/conceito.asp?id=14>. Acesso em: 20 ago Em 2006, foi inaugurada a Livraria Lima Barreto, com foco em produções relacionadas ao cinema, mas que conta com obras dos mais diversos assuntos em seu acervo. O espaço é pequeno e separado do hall por divisórias de vidro. Aspectos complementares Quanto à prevenção contra incêndios, é possível identificar a existência de extintores em pontos estratégicos. Já com relação à acessibilidade, percebe-se a preocupação em adaptar os espaços sempre que necessário. Mesmo que o bistrô não seja acessível a portadores de necessidades especiais por falta de espaço para implantação de rampas, existe a preocupação do acesso ao prédio por meio de plataformas (ver Figura 7), além de assentos reservados para cadeirantes. Figura 7 - Plataforma elevatória para acesso à edificação Fonte: <http://www.reservacultural.com.br/conceito.asp?id=14>. Acesso em: 20 ago. 2014

39 Espaço Itaú de Cinemas Caracterização do estabelecimento Localizado na Rua Augusta, uma das principais vias arteriais da cidade de São Paulo, o Espaço Itaú de Cinema se destaca por ser uma das últimas representações de cinema de rua da capital (ver Figura 8). Figura 8 - Espaço Itaú na Rua Augusta Fonte: <http://www.metroo.com.br/projects/view/64/5>. Acesso em: 20 ago O estabelecimento situa-se no prédio do antigo Cine Majestic, que posteriormente se transformou em Espaço Unibanco de Cinemas. Após a fusão do Unibanco com o Banco Itaú, os espaços antes pertencentes ao Unibanco foram reformados, modernizados e mudaram toda sua identidade visual, se transformando nos Espaços Itaú de Cinema. Antes da reforma, tanto o prédio como a Rua Augusta estavam decadentes. Coube a Adhemar de Oliveira inovar na programação, investindo na exibição de filmes brasileiros e de muitos outros países. Assim, o espaço se tornou um dos preferidos pelos amantes do cinema arte, além de contribuir para reestruturação da vida cultural da região. Em 2012 o Espaço Itaú de Cinema da Rua Augusta inaugura totalmente inovado. Os arquitetos Gustavo Cedroni e Martin Corullon, do Metro Arquitetos Associados, foram os responsáveis pelas modificações realizadas na edificação. Os arquitetos buscaram transmitir aos usuários o universo do cinema de forma contemporânea. Os arquitetos buscaram usar a tecnologia em prol de uma comunicação limpa e moderna. Foi idealizado um espaço voltado para o público específico do cinema, mas que não deixa de nenhuma maneira atender o público do cinema entretenimento. Para atrair outros usuários, o espaço conta não apenas com

40 40 salas de exibição, mas também com bombonière, cafeteria e livraria, além de um espaço de convivência. Existe ainda um anexo, localizado no outro lado da rua, que conta com mais duas salas de exibição e um café. Figura 9 - Foyer do cinema Fonte: <http://www.metroo.com.br/projects/view/64/5>. Acesso em: 20 ago Localização Como dito anteriormente, o Espaço Itaú de Cinema está localizado na Rua Augusta, uma das principais vias da cidade, ligando o bairro dos Jardins ao Centro de São Paulo. A Rua Augusta faz parte da vida noturna da cidade de São Paulo, atraindo, principalmente, o público jovem, como observado no local. Na região é possível encontrar diversas casas noturnas, bares, restaurantes, entre outros. A boa localização favorece o acesso e a publicidade do local, atraindo cada vez mais o público que frequenta a Rua Augusta para outros fins. Proposta projetual e principais ambientes Os arquitetos desenvolveram a proposta com o objetivo de tratar o cinema como espaço público e garantir fluxos claros e desimpedidos. Esse objetivo é evidenciado, no edifício principal, pela grande abertura de entrada, permitindo o acesso de qualquer pessoa ao espaço, podendo esta, fazer uso dos espaços de convivência gratuitamente (ver Figura 10).

41 41 Figura 10 - Planta baixa térreo Fonte: <http://www.metroo.com.br/projects/view/64/5>. Acesso em: 20 ago Outro ponto fortemente perceptível na proposta é a utilização de um layout altamente contemporâneo, fazendo uso de tecnologia e de materiais mais limpos visualmente. O espaço possui acesso exclusivamente pela Rua Augusta. O acesso de portadores de necessidades especiais à edificação é realizado por meio de uma pequena rampa, localizada em uma das aberturas de entrada. Com relação aos níveis, todos possuem a mesma cota, com exceção de duas salas de exibição. O hall se destaca como ambiente-chave no estabelecimento. Todas as atividades são realizadas a partir dele. O hall tem o papel fundamental de integrar os demais ambientes do espaço. É no hall que se localizam a bombonière e um café com espaço de convivência onde os usuários podem interagir entre si, ou apenas desfrutar das comodidades do local (ver Figura 11 e Figura 12).

42 42 Figura 11 - Bombonnière Figura 12 - Wi-fi zone no hall Fonte: Karine Lucena (2014) Fonte: Karine Lucena (2014) As salas de exibição do prédio principal tem capacidade total de 563 espectadores, distribuídos em três salas: sala 1 (185 pessoas), sala 2 (208 pessoas) e sala 3 (170 pessoas). Já o anexo possui capacidade para 116 pessoas, distribuídas em duas salas: sala 4 (85 pessoas) e sala 5 (31 pessoas). O acesso se dá sempre pelo fundo da sala (face oposta à tela) e no nível mais alto, onde se localizam os assentos reservados aos portadores de necessidades especiais. Abaixo das telas de projeção encontram-se pequenos palcos que podem ser utilizados para a realização de palestras ou outros eventos, transformando as salas em auditórios, como se verifica na Figura 13. O café é um espaço limitado, basicamente, por um balcão, onde os clientes fazem seus pedidos e se dirigem a uma grande mesa logo à frente. Como apenas cafés e lanches são servidos, não existem outras mesas no local, o que reforça a intenção de integração entre os usuários. A bilheteria está situada imediatamente após a entrada, o que se torna um ponto desfavorável em dias de maiores públicos, já que a existência de filas pode atrapalhar o fluxo de acesso ao estabelecimento.

43 43 Figura 13 - Sala de exibição Fonte: <http://www.metroo.com.br/projects/view/64/5>. Acesso em: 20 ago A livraria se localiza ao lado da bilheteria. O espaço possui fechamento em vidro e conta com obras dos mais variados temas. Figura 14 - Livraria vista do hall Fonte: <http://www.metroo.com.br/projects/view/64/5>. Acesso em: 20 ago Aspectos complementares Quanto à prevenção contra incêndios, não foi possível identificar a existência de extintores ou outros tipos de equipamentos. Com relação à ambientação e layout do local, observou-se que a utilização de uma linguagem bastante simplificada e contemporânea. Os cartazes, comuns em cinemas, foram substituídos por telas que além de mostrar os filmes em cartaz, exibe seus trailers.

44 44 No local, pôde-se observar a existência de apenas dois bancos e uma grande mesa com dez lugares, ficando grande parte do público, que aguarda sua sessão, em pé Cinemark Midway Mall Caracterização do Estabelecimento A Cinemark é, atualmente, a maior rede de cinemas multiplex do país e do mundo. Em Natal o complexo de salas de cinema da rede está localizado no Shopping Midway Mall. O Cinemark possui sete salas de exibição equipadas com alta tecnologia, atendendo aos requisitos estabelecidos pelo sistema multiplex (ver Figura 15). Figura 15 - Cinemark Midway Mall Fonte: <http://www.midwaymall.com.br/2012/cinemark/>. 21 Ago.2014 Localização O cinema, como dito anteriormente, situa-se dentro do Shopping Midway Mall, localizado no bairro de Lagoa Nova, Zona Sul da cidade de Natal. O shopping está situado no cruzamento das Avenidas Salgado Filho/ Hermes da Fonseca e Bernardo Vieira, sendo este um dos principais eixos de ligação entre as zonas Sul e Norte da capital potiguar. Essa localização privilegiada possibilitou o aumento do público, tendo em vista a facilidade de acesso por usuários de todas as zonas da cidade. Proposta projetual e principais ambientes Por se tratar de um cinema dentro de um shopping center, algumas restrições foram encontradas dadas algumas limitações de espaço. Uma das adaptações realizadas é a bilheteria afastada do foyer, possibilitando a aglomeração de pessoas

45 45 nas filas sem ocupar áreas destinadas à fila de acesso às salas e da lanchonete. A bilheteria, por sua vez, é interligada à contagem, ambiente destinado ao gerenciamento da arrecadação da bilheteria (ver Figura 16). Figura 16 - Croqui esquemático Fonte: Elaboração da autora (2014) O foyer é destinado a receber as filas de acesso à lanchonete e às salas de exibição. Quando a entrada do usuário é permitida, ele tem acesso ao hall das salas de exibição, tendo assim, acesso às salas, à lanchonete e aos banheiros. A saída das salas de exibição é realizada, geralmente, pelas saídas de emergência das salas, localizadas abaixo das telas de projeção. Estas saídas levam o usuário diretamente ao estacionamento. Outra opção, menos utilizada, é a saída pelo próprio hall das salas, sendo guiados por funcionários do cinema. No hall de acesso às salas existem ainda salas de apoio à manutenção às salas de exibição. A partir do deste hall também que é feito o acesso às áreas de serviço como banheiros dos funcionários, vestiários e administração (ver Figura 17).

46 46 Figura 17 - Hall de exibição Fonte: <http://www.midwaymall.com.br/2012/cinemark/>. 21 Ago.2014 Nos corredores de projeção existem as cabines de projeção que são de uso restrito aos funcionários e se localizam no segundo e terceiro pavimento Considerações Acerca dos Estudos Diretos A proposta da Reserva Cultural foi importante por se assemelhar ao tema estudado. Ao oferecer diversas atividades que complementam as exibições cinematográficas e que funcionam independentes destas o estabelecimento consegue abranger um público bastante diversificado de modo que, em vários casos, o usuário se identifica com a proposta e passa a frequentar o local, se tornando, inclusive, apreciador dos filmes independentes. Os usos oferecidos pela Reserva se configuram como referências para alguns usos que pretendia implantar em minha proposta, como café, restaurante, livraria e espaço para exposições. Tanto a Reserva quanto o Espaço Itaú apostam em um público-alvo para o cinema, exclusivamente voltado para o cinema arte, ou seja, tem seu foco na exibição de produções cinematográficas independentes. Em minha proposta esse conceito será aplicado, contudo, além das produções independentes, as produções do cinema mundial também terão seu espaço. O Espaço Itaú de Cinema tem a proposta um pouco menor, mas se destaca, sobretudo, por sua relação direta com a rua, incentivando o acesso do público. Assim como a Reserva, o Espaço Itaú também possui usos semelhantes aos pretendidos para minha proposta. Outro ponto a ser rebatido na minha proposta, é a linguagem limpa e contemporânea do ambiente.

47 47 O Cinemark Midway Mall com sua proposta diferenciada das outras duas apresentadas, deve ser rebatido no projeto, principalmente, na configuração das salas de exibição e na relação da lanchonete que atende espectadores tanto no foyer quanto no hall de exibição. Outro fator de destaque identificado no cinema é a delimitação de um fluxo bastante definido de entrada e saída para as salas de exibição ESTUDO INDIRETO O estudo indireto foi realizado através de informações colhidas em revistas e sites, sendo analisado, principalmente, os aspectos funcionais e estéticos da referência projetual Cinemateca Nacional do Século XXI Caracterização do estabelecimento Localizada ao sul da Cidade do México, a Cinemateca Nacional do Século XXI é o lar do maior patrimônio cinematográfico da América Latina. O edifício da Cinemateca faz parte de um projeto maior que inclui o Museu do Cinema e uma Videoteca Digital. O projeto é assinado pelo escritório mexicano Rojkind Arquitectos e está em fase de execução, com previsão de conclusão das obras para o final de Figura 18 - Vista do foyer externo da Cinemateca Figura 19 - Vista a partir do foyer Fonte: <http://architizer.com/projects/cineteca-nacionalsiglo-xxi/>. Acesso em: 19 ago Fonte: <http://architizer.com/projects/cinetecanacional-siglo-xxi/>. Acesso em: 19 ago De acordo com os arquitetos, para intervir e expandir a Cinemateca Nacional foi necessária a compreensão das mudanças ocorridas no cinema. Os cinemas

48 48 deixaram de ser um espaço de encontro de massas para estar em qualquer lugar onde haja espectadores. Localização A Cinemateca está inserida dentro de um terreno antes subutilizado e de dimensões consideráveis no bairro de Xoco, na capital mexicana. O bairro histórico, antes circundado por terras de cultivo, passa agora por um processo de espraiamento urbano, tornando áreas como o sítio em que se localiza a Cinemateca um local bastante privilegiado e cobiçado pelos empreendedores e autoridades locais. O bairro onde está localizada possui uma diversidade de usos que permite um fluxo contínuo de pessoas nas imediações da Cinemateca, contribuindo para dinâmica do local e visibilidade do estabelecimento. A Cinemateca atende aos que trabalham e estudam nas proximidades ou estão apenas de passagem. Figura 20 - Entorno da Cinemateca Fonte: <http://architizer.com/projects/cineteca-nacional-siglo-xxi/>. Acesso em: 19 ago Proposta projetual e principais ambientes A proposta do projeto é que o edifício não seja só um local onde se encontre filmes, mas também um ambiente com espaços de entretenimento que desfrutem da mais alta tecnologia. Em parte, a ideia é mudar o ambiente tradicional de exibição, fazendo com que parques, cafés e praças, além de suas próprias funções, cumpram

49 49 também o papel de local para a atividade do cinema. Assim, a Cinemateca Nacional se torna um espaço de conexões físicas e virtuais entre a mídia e seus usuários. Figura 21 - Convivência interna Figura 22 - Foyer e praça pública Fonte: <http://architizer.com/projects/cinetecanacional-siglo-xxi/>. Acesso em: 19 ago Fonte: <http://architizer.com/projects/cineteca-nacionalsiglo-xxi/>. Acesso em: 19 ago Em resposta à condição urbana atual, parte do terreno foi recuperado e transformado em espaço público. Inicialmente, o estacionamento foi concebido em seis pavimentos, liberando cerca de 40% do terreno, que seria ligada à entrada posterior de pedestres, criando um eixo de ligação através da Cinemateca. Neste eixo, foi idealizada uma praça pública de 80m x 40m, abrigada das intempéries por uma grande cobertura, sendo esta um elemento de ligação entre o complexo preexistente e as novas salas de projeção. O novo foyer pode comportar atividades adicionais, como por exemplo, concertos, teatros, exposições, etc..

50 50 Figura 23 - Planta baixa térreo Fonte: <http://architizer.com/projects/cineteca-nacional-siglo-xxi/>. Acesso em: 19 ago Um anfiteatro destinado a exibições externas e diversos espaços comerciais foram incorporado ao programa original, aumentando as possibilidades de interações e trocas culturais e sociais (ver Figura 24). Além disso, um cuidadoso tratamento paisagístico foi realizado, buscando incorporar a ambiência de um parque. Figura 24 - Área de exibição externa Fonte: <http://architizer.com/projects/cineteca-nacional-siglo-xxi/>. Acesso em: 19 ago O programa conta com quatro novas salas de projeção que acomodam 180 espectadores cada e a reformulação das salas existentes. Nas salas internas o

51 51 complexo passa a comportar espectadores. O anfiteatro externo possui capacidade para 750 pessoas. Figura 25 - Sala de exibição com balcão na plateia Figura 26 - Sala de exibição com plateia simples Fonte: <http://architizer.com/projects/cinetecanacional-siglo-xxi/>. Acesso em: 19 ago Fonte: <http://architizer.com/projects/cineteca-nacionalsiglo-xxi/>. Acesso em: 19 ago Além de um cinema, os frequentadores das imediações da Cinemateca ganharam um espaço público livre e acolhedor. As novas instalações transformaram o local em um espaço de encontro não apenas para os espectadores, mas também para os habitantes de Xoco, trabalhadores e estudantes das imediações que agora contam com um espaço apropriado de lazer e entretenimento Considerações Acerca do Estudo Indireto A proposta da Cinemateca me atraiu, principalmente, pela forma de tratar a grande área coberta e suas adjacências como espaço público. Usuários que frequentam o local pela boa qualidade ambiental ali encontrada. Isto é um ponto chave a ser rebatido na proposta a desenvolvida. A exibição externa também é outro ponto que deverá ser tratado na proposta arquitetônica, uma vez que aumenta a relação dos usuários com o espaço de livre acesso.

52 52 5. UNIVERSO DE ESTUDO 5.1. LOCALIZAÇÃO E ENTORNO Para que seja viável a implantação do projeto, tendo em vista a importância de integração com o entorno e um fácil acesso, o terreno deve ser dotado de algumas características básicas e suas dimensões devem comportar a instalação de um equipamento de maior porte. Assim, buscou-se um terreno com facilidade de acesso pelos mais diversos meios de transporte, abrangendo todos os públicos. A localização deveria ser a mais central possível para usuários advindos qualquer uma das quatro zonas da cidade. Além disso, o terreno idealizado deve ainda contar com uma boa visibilidade, com o intuito de atrair a maior quantidade de público possível, despertando o interesse dos transeuntes. Tendo em vista as necessidades supracitadas para a implantação do projeto, tem-se como proposta um terreno situado às margens da BR-101, nas proximidades do Centro Administrativo, no bairro de Lagoa Nova- Natal/RN, como mostra a Figura 27. Figura 27 - Localização do terreno Fonte: Elaboração da autora (2014) O terreno é de propriedade da empresa EIT Engenharia S/A e encontra-se atualmente desocupado. O terreno conta apenas com a instalação de outdoors

53 53 publicitários e, esporadicamente, ocorre a instalação de equipamentos de entretenimento, como circos e parques de diversões (ver Figura 28). Figura 28 - Terreno para proposta Fonte: (2014) O acesso pode ser feito apenas através da Av. Gov. Mário Covas (BR-101), via arterial e um dos principais eixos da cidade. O uso do solo nas imediações da área de intervenção se configura como sendo, em sua maioria, residencial, como se pode observar na Figura 29. Ao longo da BR-101 é possível se observar uma grande presença de estabelecimentos de serviço. Figura 29 - Uso de solo nas imediações do terreno Fonte: PINTO (2013). Adaptado pela autora (2014)

54 54 Nas proximidades do terreno há outros estabelecimentos que podem afetar o funcionamento do projeto que se pretende implantar. Situado a poucos metros do terreno, o Departamento de Artes da UFRN poderá afetar seu funcionamento por comportar uma aparcela do público-alvo: jovens interessados na arte e cultura do cinema. Em momentos ociosos, como após a aula, espera-se que muitos deles se dirijam ao complexo para usufruir do cinema e dos demais espaços de convivência. Com relação ao gabarito do entorno do lote, há predominância de edificações térreas, com dois ou três pavimentos (ver Figura 30). Ao lado da área há apenas um edifício com quinze pavimentos que se destaca do entorno, devido ao grande vazio gerado pelo terreno do Governo do Estado e ao baixo gabarito das edificações próximas. Figura 30 - Gabarito nas imediações do lote Fonte: PINTO (2013). Adaptado pela autora (2014) 5.2. ASPECTOS FÍSICOS De grandes dimensões, como indicado na Figura 31, o terreno destinado à intervenção totaliza uma área de ,02 m².

55 55 Figura 31 - Terreno para intervenção Fonte: Elaboração da autora (2014) Contudo, a implantação de uma lagoa de captação no terreno pertencente ao Governo do Estado, localizado imediatamente atrás do terreno de intervenção, exige a criação de uma Área de Preservação Permanente. De acordo com a Resolução CONAMA nº 369, de 28 de março de 2006, que dispõe sobre as APP s urbanas, se torna necessário uma faixa de 30 m a partir da margem da lagoa, reduzindo cerca de 25 metros do terreno de intervenção. Desta forma, a área disponível para intervenção será reduzida de ,02 m² para ,12 m², como ilustra a Figura 32 a seguir. Figura 32 - Terreno para proposta com APP de lagoa de captação Fonte: Elaboração da autora (2014)

56 56 De acordo com a análise topográfica do terreno, pode-se observar a existência de uma diferença de nível de até quatro metros na maior parte do lote, que visivelmente é bastante sutil, dadas suas grandes dimensões. Na Figura 33 e Figura 34 ficam evidenciados esses desníveis, com o limite posterior do terreno - voltado para o centro administrativo -, e parte da testada sul, apresentando a menor cota de nível. Figura 33 - Topografia do terreno para intervenção Fonte: Elaboração da autora (2014) Figura 34 - Perfil do terreno de intervenção Fonte: Elaboração da autora (2014) 5.3. ASPECTOS BIOCLIMÁTICOS E DE CONFORTO AMBIENTAL Segundo Souza (2007), a Arquitetura Bioclimática é o estudo que busca a harmonização das construções ao clima e características locais. Manipula o desenho e elementos arquitetônicos a fim de otimizar as relações entre homem e natureza, tanto no que diz respeito à redução de impactos ambientais quanto à melhoria das condições de vida humana, conforto e racionalização do consumo energético.

57 57 Quando a orientação da edificação toma o máximo proveito da incidência solar e da ventilação predominante, diversos benefícios para a eficiência energética e, principalmente, para o conforto e saúde de seus usuários podem ser observados. Na Figura 35 pode-se observar a incidência solar nas faces do terreno ao longo do ano, através das cartas solares. Figura 35 - Esquema de insolação no terreno Fonte: Elaboração da autora (2014) Quanto à insolação, para clima quente e úmido, o indicado é que as menores fachadas estejam voltadas nas direções leste e oeste. Caso isso não seja possível, é indicado a utilização de elementos que amenizem a incidência solar nestas fachadas. Com relação à ventilação predominante na cidade, tem-se os ventos provenientes vindos da direção sudeste, como pode-se observar na Figura 36.

58 58 Figura 36 - Incidência de ventos no terreno Fonte: Elaboração da autora (2014) Para obtenção de maior conforto para os usuários, é indicado que os ambientes de grande permanência estejam livres da incidência solar e dos ruídos de tráfego e aproveitem da melhor maneira a ventilação natural. De acordo com estudos sobre acústica urbana, realizados na área de intervenção, pode-se notar que o terreno é atingindo um nível de ruído que varia de 81dB(A) a 66dB(A). Este ruído é proveniente do intenso tráfego de veículos na BR- 101 e possui tendência ao agravamento, como mostra a Figura 37.

59 59 Figura 37 - Mapeamento acústico para os anos de 2012 e 2017 Fonte: PINTO (2013). Adaptado pela autora (2014) O ruído é proveniente do tráfego é altamente prejudicial ao usuário quando exposto por um longo período. Além disso, é totalmente indesejado para equipamentos como cinemas. Tendo em vista isso, já é possível perceber que haverá necessidade de soluções projetuais que minimizem a ruído proveniente das vias.

60 60 6. CONDICIONANTES LEGAIS 6.1. PLANO DIRETOR DE NATAL (2007) O terreno escolhido para a intervenção localiza-se no bairro de Lagoa Nova, sendo tratado pelo Plano Diretor de Natal como Zona Adensável. O Plano Diretor da Cidade do Natal define Zona Adensável como sendo aquela onde as condições do meio físico, a disponibilidade de infraestrutura e a necessidade de diversificação de uso, possibilitem um adensamento maior do que aquele correspondente aos parâmetros básicos de coeficiente de aproveitamento. Sendo assim, tem-se para o bairro de Lagoa Nova um coeficiente máximo de aproveitamento de 3,0. O Plano Diretor define, ainda, taxa de impermeabilização como sendo o índice que se obtém, dividindo a área que não permite a infiltração de água pluvial pela área total do lote, não podendo esta, exceder o valor de 80%. Através da divisão entre a área correspondente à projeção horizontal da construção e a área total do lote, se obtém a taxa de ocupação máxima permitida, não podendo este valor ultrapassar 80%. Os recuos para as Zonas Adensáveis devem obedecer os valores estabelecidos na lei, de acordo com o Quadro 2 abaixo. Quadro 2 - Recuos exigidos pelo Plano Diretor de Natal Fonte: Plano Diretor de Natal (2007) Tendo exposto isso, é possível aplicar as prescrições urbanísticas no terreno da intervenção.

61 61 A área total do terreno é de ,02 m², contudo, aplicando-se a margem de trinta metros a partir da margem da lagoa de captação, decorrente da APP, resta uma área de intervenção com o total de ,12 m². A partir disso, tem-se: O coeficiente de aproveitamento de 3,0 permite a construção de ,36 m² no lote; A taxa de impermeabilização máxima de 80% permite contar com uma área impermeável de 8.004,90 m²; Os recuos estarão condicionados à altura da edificação e seguirão os parâmetros supracitados CÓDIGO DE OBRAS DE NATAL (2004) No Título III (Normas Específicas das Edificações) do Código de Obras e Edificações do Município de Natal são instituídas as diretrizes gerais para a construção de edificações no município de Natal. Todo projeto deve prever áreas destinadas ao estacionamento ou à guarda de veículos e, nos casos de edificações destinadas ao uso comercial ou industrial, além de áreas de estacionamento devem destinar áreas para carga e descarga. A entrada e saída de veículos devem ser projetadas para não criar ou agravar problema de tráfego na via de acesso. De acordo com o Art. 113 desta Lei, nos estacionamentos em níveis rebaixados, destinados a veículos de passeio e utilitários de pequeno porte, as rampas de acesso devem possuir inclinação máxima de 20% e altura mínima entre o piso e qualquer obstáculo de 2,20 metros. A quantidade de vagas, necessária para cada empreendimento, é variável em função da hierarquização das vias e natureza do uso, estabelecidas nos Anexos I e III desta Lei. Nos locais de uso coletivo, sejam estes públicos ou privados, devem ser reservadas vagas para Portadores de Necessidades Especiais (PNE), conforme estabelecido pela NBR específica, com sinalização, rebaixamento de guias e localização adequada. Toda calçada deve possuir faixa de, no mínimo, um metro e vinte centímetros (1,20m) de largura, para circulação de pedestres, com piso contínuo sem ressaltes ou depressões, antiderrapante, tátil, indicando limites e barreiras físicas. Toda edificação deve ser projetada de acordo com a orientação dos pontos cardeais, atendendo, sempre que possível, aos critérios mais favoráveis de ventilação, iluminação e insolação.

62 62 Todos os logradouros públicos e edificações públicas ou privadas de uso coletivo devem garantir o acesso, circulação e utilização por pessoas portadoras de necessidades especiais ou com mobilidade reduzida, atendendo as conformidades da NBR específica. Em locais destinados a reuniões ou aglomerações deve-se reservar assentos para portadores de necessidades especiais, conforme recomendado pela ABNT. De acordo com o Anexo I Sistema Viário Principal, a BR 101 se classifica como sendo uma via Estrutural Arterial I de penetração CÓDIGO DE SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO DO ESTADO DO RN (CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO RN) O Código de Segurança e Prevenção Contra Incêndio e Pânico do Estado do RN estabelece critérios básicos indispensáveis à segurança contra incêndio em edificações em todo o estado. O código busca garantir os meios necessários ao combate a incêndio, de modo a evitar ou minimizar a propagação do fogo, facilitar ações de socorro e garantir a evacuação segura dos ocupantes das edificações. As exigências do Corpo de Bombeiros Militar do RN variam de acordo com o uso da edificação. A presente proposta de projeto se enquadra na classificação de Reunião Pública, definida na norma como sendo edificações destinadas a exposição, teatros, cinemas, auditórios, colégios, centros de cursos diversos, salas de reunião, boites, salões de festa, bailes, casas noturnas e similares. As edificações classificadas como ocupação de Reunião Pública devem atender às seguintes exigências: Os espetáculos deverão ter a presença de pessoal habilitado nas técnicas de prevenção e combate a incêndio e controle de pânico, devidamente reconhecido pelo Corpo de Bombeiros Militar; Deverá dispor de sistema de iluminação de emergência; As portas de saída de emergência deverão ter abertura no sentido da saída e destravamento por barra anti-pânico; Ambientes com mais de 100 lugares, além das aberturas normais de entrada, deverão dispor de saídas de emergência com largura mínima de dois metros e vinte centímetros (2,20m), acrescendo-se uma unidade de passagem (cinquenta e cinco centímetros) para excedente de 100 pessoas;

63 63 Nos cinemas, auditórios e demais locais onde as cadeiras estejam dispostas em fileiras e colunas, os assentos obedecerão aos seguintes requisitos: a) Distância mínima de 90 cm de encosto a encosto; b) Número máximo de 15 assentos por fila e de 20 assentos por coluna; c) Distância mínima de 1,20 m entre séries de assentos. É obrigatória a utilização de guarda-corpo nas sacadas, rampas e escadas, em material resistente, evitando-se quedas acidentais NBR ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS URBANOS Esta norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade. De acordo com a norma, a sinalização tátil de alerta deve ser instalada perpendicularmente ao sentido de deslocamento nas seguintes situações: obstáculos suspensos (entre 0,60 m e 2,10 m de altura), nos rebaixamentos de calçadas, no início e término de escadas fixas, escadas rolantes, rampas, junto às portas dos elevadores e junto a desníveis como plataformas de embarques e palcos. A sinalização tátil direcional deve ter textura com seção trapezoidal, ser instalada no sentido do deslocamento, ter largura entre 20 cm e 60 cm e ser cromodiferenciada em relação ao piso adjacente. Quando o piso adjacente possuir textura, recomenda-se que a sinalização tátil direcional seja lisa. A inclinação das rampas deve ser calculada segundo a seguinte equação: Onde: i = i é a inclinação, em porcentagem; h é a altura do desnível; h x 100 c c é o comprimento da projeção horizontal. As rampas devem ter inclinação máxima de 8,33%. Para inclinação entre 6,25% e 8,33% devem ser previstas áreas de descanso nos patamares, a cada 50 m de percurso.

64 64 A largura das rampas (L) deve ser estabelecida em decorrência do fluxo de pessoas. A largura livre mínima recomendável para as rampas em rotas acessíveis é de 1,50 m, sendo o mínimo admissível 1,20 m, como ilustra a Figura 38. Figura 38 - Exemplo de largura de rampas Fonte: NBR 9050 (2004) Os corrimãos devem ser instalados em ambos os lados dos degraus isolados, das escadas fixas e das rampas, possuindo largura mínima entre 3,0 cm e 4,5 cm, sem arestas vivas. Além disso, deve ser deixado espaço livre de no mínimo 4,0 cm entre a parede e o corrimão, de modo a permitir boa empunhadura e deslizamento. Os corredores de uso público devem ter largura mínima de 1,50 m. Em locais onde exista grande fluxo de pessoas, a largura do corredor deverá ser maior que 1,50 m. As portas, inclusive de elevadores, devem ter um vão livre mínimo de 0,80 m e altura mínima de 2,10 m. Em portas de duas folhas ou mais, pelo menos uma delas deve ter o vão livre de 0,80 m. As portas de sanitários, vestiários e quartos acessíveis em locais de hospedagem e de saúde devem ter um puxador horizontal associado à maçaneta. As janelas devem considerar os limites de alcance visual que, para usuários em cadeiras de rodas, variam de 1,10 m a 1,20 m, excetuando-se locais onde prevaleça a segurança e privacidade. As calçadas, passeios e vias exclusivas para pedestres devem incorporar faixa livre com largura mínima recomendável de 1,50 m, sendo o mínimo admissível de 1,20 m, com altura livre mínima de 2,10 m. As calçadas devem ser rebaixadas junto às travessias de pedestres sinalizadas com ou sem faixa. As vagas para estacionamento de veículos que conduzam ou sejam conduzidos por pessoas portadoras de necessidades especiais devem:

65 65 Ter sinalização horizontal; Contar com um espaço adicional de circulação com no mínimo 1,20m de largura, podendo ser compartilhado por duas vagas, conforme Figura 39; Figura 39 - Espaço de circulação compartilhado por duas vagas Fonte: NBR 9050 (2004) Quando afastadas da faixa de travessia de pedestres, conter espaço adicional para circulação de cadeira de rodas e estar associadas à rampa de acesso à calçada; Estar vinculada a rota acessível que a interligue aos polos de atração; Estar localizada de forma a evitar a circulação entre veículos. O número de vagas de estacionamento destinadas aos veículos que conduzam ou sejam conduzidos por portadores de necessidades especiais deve estar de acordo com o Quadro 3. Quadro 3 - Vagas reservadas para portadores de necessidades especiais Fonte: NBR 9050 (2004) Os sanitários e vestiários acessíveis devem localizar-se em rotas acessíveis, próximos à circulação principal e, preferencialmente, próximos ou integrados às demais instalações sanitárias. De acordo com a norma deve haver área de transferência adequada para acesso às bacias sanitárias e chuveiros, com auxílio de barras de apoio. Para o lavatório, deve ser prevista uma área de aproximação adequada.

66 66 Em locais de reunião, como é o caso de cinemas, os assentos destinados às pessoas portadoras de necessidades especiais devem estar localizados em uma rota acessível vinculada a uma rota de fuga, além de garantir a segurança, o conforto e boa visibilidade. Segundo a norma, a quantidade de assentos deve estar de acordo com o Quadro 4. Quadro 4 - Quantidade de assentos destinados a pessoas em cadeira de rodas Fonte: NBR 9050 (2004) 6.5. NBR (NB 1186) - PROJETOS E INSTALAÇÕES DE SALAS DE PROJEÇÃO CINEMATOGRÁFICA Esta norma estabelece padrões técnicos para a execução de cálculos, projetos e instalações para o funcionamento de sala de projeção cinematográfica e seus equipamentos, visando atingir um nível de qualidade de projeção de imagem, reprodução de som e conforto para o espectador. A face anterior do encosto da poltrona mais próxima à tela (ver Figura 40) deve se localizar a uma distância mínima (Dmín) igual a 60% da largura (L) da tela (Dmín = 0,6xL), sendo que o ângulo de visão do espectador mais próximo à tela (ver Figura 41) não deve ser superior a: α = 40º em relação a um plano horizontal que passe pela borda superior da tela; β = 30º em relação a um plano horizontal que passe pelo centro da tela. A face anterior do encosto da poltrona mais afastada da tela deve estar localizada a uma distância máxima (Dmáx) igual a 2,9 vezes a largura (L) da tela, ou seja, Dmáx = 2,9L (ver Figura 40).

67 67 Figura 40 - Área de instalação de poltronas Fonte: NBR (1988) Figura 41 - Visuais dos espectadores Fonte: NBR (1988) Para garantir a boa visibilidade, deve-se ainda, dispor as poltronas em quincunce, ou seja, quando um grupo de cinco poltronas quatro formam um retângulo, ficando uma no centro, como mostra a Figura 42.

68 68 Figura 42 - Disposição de poltronas em salas de exibição Fonte: NBR (1988) O espaçamento entre as poltronas, medido da face anterior de um determinado encosto até a face anterior do encosto imediatamente à frente (ou atrás), não deve ser inferior a 1,00 m (ver Figura 43). Figura 43 - Espaçamento entre poltronas Fonte: NBR (1988) A borda do feixe de projeção deve se situar a uma altura mínima de 1,90 m acima do plano de implantação das poltronas e de circulação do público. Nas salas de projeção os níveis de ruídos ambientais devem ser abaixo de 40dB (A), NC 30. O nível sonoro deve ser garantido de 80 db a 85 db SPL (C). Para auditórios, teatros, cinemas, etc., devem ser examinadas as plantas e cortes do recinto e, levando-se em consideração os materiais a serem empregados, é realizado o estudo geométrico-acústico, considerando-se uma ou mais fontes sonoras, previamente localizadas.

69 69 7. DESENVOLVIMENTO DA PROPOSTA ARQUITETÔNICA 7.1. METODOLOGIA PROJETUAL O desenvolvimento de um projeto de arquitetura se dá em etapas, passando desde a compreensão do problema até o desenvolvimento de soluções adequadas. Assim sendo, a presente proposta foi desenvolvida de acordo com a metodologia projetual proposta por Elvan Silva (2006). Em seu livro Uma introdução ao projeto arquitetônico, Elvan Silva (2006) afirma que o processo projetual consiste em uma progressão, ou seja, parte de um contexto considerado problemático e evolui em direção a uma proposta considerada como solução. Este processo varia de pessoa para pessoa, uma vez que é um fenômeno de natureza nitidamente psicológica. Segundo o autor, a elaboração de um projeto de arquitetura passa pela elaboração de um programa de necessidades, sendo este interpretado através de fluxogramas de relações entre os ambientes do programa. Para ele, a definição do partido arquitetônico é parte imprescindível na elaboração de uma projeto de arquitetura, sendo conceituado como o resultado formal da manipulação inicial do programa e dos condicionantes de identificação imediata. No que concerne ao conteúdo, de acordo com o autor, o anteprojeto deverá conter informações que abrangem os seguintes aspetos: Definição volumétrica; Zoneamento; Dimensionamento; Configuração das aberturas; Solução plástica; Relação com o entorno; Acessos Perspectivas e/ou maquetes; Memorial descritivo e justificativo. A partir da metodologia de Elvan Silva foi desenvolvido o anteprojeto do complexo de cinema seguindo os principais aspectos abordados na metodologia como mostram os tópicos a seguir.

70 PROGRAMA DE NECESSIDADES E PRÉ- DIMENSIONAMENTO A elaboração do programa de necessidades foi realizada a partir dos dados obtidos com os estudos de referência e leituras complementares. Buscou-se atender os interesses de um público diversificado, de maneira harmônica e funcional. Inicialmente as atividades foram agrupadas em setores. Assim, as atividades foram distribuídas em quatro setores: público, exibição, serviços e administrativo. Os setores de serviço e administração se fazem necessários em equipamentos deste porte, sendo estes os responsáveis, respectivamente, pela manutenção e gestão da edificação. O setor público busca oferecer opções aos usuários do cinema que buscam algo mais que uma produção cinematográfica. Neste setor algumas atividades realizadas seriam inteiramente gratuitas, como é o caso da exibição de filmes na área externa, a área de exposição, etc.. Este setor tem o enfoque no cinema como cultura, favorecendo ao público do cinema arte e cineclubes. As salas multiuso buscam atender as atividades realizadas por cineclubes, como exibições e reuniões. O setor de exibição se comporta de forma um pouco mais restritiva, sendo o acesso permitido somente mediante aquisição de bilhete para uma exibição. O foco deste setor é a exibição de produções cinematográficas comerciais, podendo ocasionalmente, serem exibidas películas com enfoques mais culturais. No Quadro 5 se encontram os ambientes, separados por setores, com as áreas previstas no pré-dimensionamento e as áreas definitivas que constam na proposta arquitetônica. O dimensionamento foi realizado com base nos estudos de referência realizados e em pesquisas bibliográficas. Quadro 5 - Programa de necessidades e pré-dimensionamento SETOR AMBIENTE QUANTIDADE USO PÚBLICO ÁREA PREVISTA (m²) ÁREA FINAL (m²) ÁREA DE EXPOSIÇÃO ,13 EXIBIÇÃO EXTERNA ,18 BILHETERIA ,89 CAFÉ ,76 LIVRARIA ,21 DEPÓSITO ,4 FILMOTECA ,62 SALAS MULTIUSO WC'S ,07

71 71 EXIBIÇÃO SERVIÇO ADMINISTRATIVO ÁREA SETOR ,26 SALAS DE EXIBIÇÃO ,52 BOMBONNIÈRE ,64 FOYER ,8 WC'S ,1 ÁREA SETOR ,06 CABINES DE PROJEÇÃO ,4 DEPÓSITOS EQUIPAMENTOS DESCANSO FUNCIONÁRIOS ,89 ARMAZENAGEM 1 7 9,76 DEPÓSITO ,67 VESTIÁRIOS FUNC REFEITÓRIO ,88 COZINHA ,86 HALL SERVIÇO ,84 ÁREA SETOR ,3 GERÊNCIA ,54 ADMINISTRAÇÃO ,54 CONTAGEM ,52 ÁREA SETOR 42 53,6 ÁREA TOTAL ,22 Fonte: Elaboração da autora (2014) Na Figura 44 estão esquematizadas as relações entre os ambientes que compõe o complexo de cinema, forma a melhorar a compreensão e facilitar a espacialização da proposta.

72 72 Figura 44 - Fluxograma de relações entre os ambientes Fonte: Elaboração da autora (2014) 7.3. DEFINIÇÃO DE PARTIDO ARQUITETÔNICO Desde o início, o partido arquitetônico foi condicionado ao conforto dos usuários. A ideia central da proposta sempre buscou tomar partido da ventilação e iluminação natural, de modo a reduzir ao máximo o uso de condicionadores de ar. Deste modo, a partir dos estudos da ventilação e insolação incidentes no terreno, optou-se por duas grandes empenas, sendo uma delas o mais vazada possível e a outra, uma empena totalmente cega (ver Figura 45). As duas empenas possuem uma angulação entre si que geram uma abertura direcionada à via, com intuito de induzir o transeunte a adentrar na edificação.

73 73 Figura 45 - Esquema de definição de partido Fonte: Elaboração da autora (2014) A empena vazada está disposta perpendicularmente à maior faixa de incidência de ventilação, de modo que, ao longo de toda desta, seja possível a permeabilidade da ventilação e iluminação natural. Já a empena cega tem como papel minimizar a incidência solar na área de convivência da edificação (ver Figura 46). Figura 46 - Esquema de permeabilidade da ventilação e proteção solar Fonte: Elaboração da autora (2014)

74 ZONEAMENTO O zoneamento da edificação foi norteado pelos estudos de ventilação, insolação e ruídos incidentes no terreno da proposta. Como se pode observar na Figura 47, a testada do terreno é área mais prejudicada pelo ruído de tráfego, contudo, é a mais beneficiada com tocante à ventilação natural, como ilustra a Figura 48. Figura 47 - Níveis de ruído incidente Figura 48 - Indicação de ventilação predominante Fonte: Elaboração da autora (2014) Fonte: Elaboração da autora (2014) na Figura 49. A partir desses condicionantes foi possível chegar ao zoneamento ilustrado Figura 49 - Zoneamento por setores Fonte: Elaboração da autora (2014)

75 75 A edificação foi posicionada na porção mais a sudoeste do terreno, uma vez que nesta área há uma menor incidência do ruído de tráfego, tendo como limitante a APP da lagoa de captação. Além disso, é o ponto com melhor visibilidade para a edificação a partir da BR-101, no sentido Centro-Zona Sul, por onde se dá o acesso ao equipamento. A área que recebe maior ruído foi destinada ao estacionamento, uma vez que não se trata de uma área de permanência. O setor público foi localizado mais a sudeste, tendo em vista que este setor concentra atividades de convivência e que podem ser beneficiadas pela ventilação e iluminação natural. Os setores de serviço e de exibição foram posicionados de modo a se tornarem barreiras à incidência solar na área de convivência, sem grandes prejuízos para estes setores, uma vez que no setor de serviço não são realizadas atividades de grande permanência. Já o setor de exibição não deverá ter aberturas e deve fazer uso de condicionamento de ar, além de receber protetores na fachada onde ocorre maior incidência solar. Ao longo de toda a parte posterior do terreno existe uma APP com cerca de 30m de largura, decorrente da criação de uma lagoa de captação no terreno adjacente ao da proposta. Como não existia possibilidade de implantação de algum equipamento fixo, esta área foi destinada à criação de uma barreira acústica composta por vegetação densa EVOLUÇÃO DA PROPOSTA Ao longo do desenvolvimento da proposta, buscou-se ao máximo manter a zoneamento realizado previamente. Como dito anteriormente, a ideia central da proposta buscou tomar partido da ventilação e iluminação natural, de modo a proporcionar aos usuários maior conforto ambiental. Deste modo, a primeira proposta tem como destaque, a criação de empenas vazadas com uso de cobogós na fachada sudeste, promovendo a penetração de ventilação e iluminação na edificação. Uma empena maior foi disposta na fachada noroeste, sendo esta totalmente cega, com função de minimizar a incidência solar no interior da edificação. Inicialmente, se pensou em um setor de exibição com cinco salas de exibição, sendo duas delas menores que as demais, que seriam destinadas à atender as atividades de cineclubes (ver Figura 50).

76 76 Figura 50 - Planta baixa zoneada da proposta 01 Fonte: Elaboração da autora (2014) Nesta proposta átrios descobertos foram idealizados para permitir a ventilação cruzada. Inicialmente, a bilheteria foi locada na área de exposição, entrada da edificação e local de grande fluxo. Esta primeira proposta possui a setorização bem definida e um jogo de volumes simplificado, como se pode observar na Figura 51.

77 77 Figura 51 - Estudo volumétrico zoneado 01 LEGENDA SETORES PÚBLICO SERVIÇO ADMINISTRATIVO EXIBIÇÃO Fonte: Elaboração da autora (2014) A primeira alteração realizada na segunda proposta foi o alinhamento da empena voltada para noroeste com o volume das salas de exibição (ver Figura 53). Este alinhamento buscou maximizar a proteção solar. Figura 52 - Planta baixa zoneada da proposta 02 Fonte: Elaboração da autora (2014) Foram eliminados os átrios internos à edificação, tendo em vista o clima quente e úmido da cidade de Natal/RN, onde há necessidade de espaços de convivência que possuam o máximo de sombreamento. Além da questão de conforto, a eliminação destes átrios buscou promover uma melhor integração dos setores.

78 78 Nesta proposta, a bilheteria foi relocada para o limite oposto à entrada da edificação, criando um local reservado para e sem impedimento de fluxo por possíveis filas. Além disso, esta localização foi pensada para que o usuário das salas de exibição obrigatoriamente adentrasse à edificação, aumentando as chances de utilização de outros espaços. A proposta 02 apresenta cinco salas de exibição, todas com o mesmo tamanho e as salas destinadas a atividades cineclubistas, são alocadas próximo à entrada da edificação. Outra alteração nesse estudo é a mudança de local do setor administrativo, se tornando um setor de intermédio entre o setor de serviço e os demais. Os banheiros foram trazidos para as proximidades da área de exposição, de modo que pudesse atender os usuários do setor de serviço. Para dar um arremate nas empenas, foi criado um volume na parte posterior da edificação, abrigando o setor de serviços. Este volume possui linhas ortogonais, contrapondo as linhas inclinadas das empenas (ver Figura 53). Figura 53 - Estudo volumétrico zoneado 02 LEGENDA SETORES PÚBLICO SERVIÇO ADMINISTRATIVO EXIBIÇÃO Fonte: Elaboração da autora (2014) A terceira proposta apresenta a conformação final da planta baixa. A proposta passa a apresentar quatro grandes salas de exibição, conectadas por um grande hall. O norteador da disposição dos ambientes nesta proposta foi a criação de um fluxo definido e exclusivo para os usuários das salas de exibição, uma vez que este entra na edificação pela área de exposição, se dirige até a bilheteria, em seguida tem acesso às salas e após o término da sessão, é direcionado à saída através da área de exposição. O setor de serviço apresenta um hall central, no qual estão dispostas todas as atividades deste setor (ver Figura 54).

79 79 Figura 54 - Planta baixa zoneada da proposta 03. Fonte: Elaboração da autora (2014) Na terceira proposta ocorrem mudanças mais significativas, principalmente no que se refere à volumetria. A menor e mais externa empena é eliminada e o elemento vazado é incorporado ao bloco. Este bloco saca da empena vazada, com linhas ortogonais, fazendo a transição entre a empena inclinada e os volumes adicionados. Neste bloco menor estão situados ambientes como o café, a livraria e a filmoteca. Outro volume é incorporado à edificação. Desta vez, acima do bloco menor para criar um jogo de volumes e fazer o arremate das empenas. Além disso, esse volume permite a ventilação cruzada, uma vez que possui aberturas zenitais na área do foyer, como ilustra a Figura 55.

80 80 Figura 55 - Aberturas zenitais na área do foyer Fonte: Elaboração da autora (2014) O elemento desta proposta deixa de ser o cobogó e passa a ser uma estrutura vazada modular metálica combinada com uma tela de aço inoxidável, se comportando como uma segunda pele. Deste modo, por ser independente da estrutura, pode ser aplicada em toda a face da empena, permitindo uma uniformidade na fachada (ver Figura 56). Figura 56 - Estudo volumétrico zoneado 03 LEGENDA SETORES PÚBLICO SERVIÇO ADMINISTRATIVO EXIBIÇÃO Fonte: Elaboração da autora (2014) A proposta final é bastante próxima à proposta anterior, possuindo apenas alguns acréscimos. Um letreiro com o nome do complexo em concreto armado foi posicionado acima do bloco menor. Outra modificação foi a incorporação de um jardim vertical na fachada nordeste, criando um ponto de integração com a barreira acústica inserida na APP.

81 81 Figura 57 - Estudo volumétrico zoneado final LEGENDA SETORES PÚBLICO SERVIÇO ADMINISTRATIVO EXIBIÇÃO Fonte: Elaboração da autora (2014)

82 82 8. MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO O Cine 84: Complexo de Cinema está localizado no bairro de Lagoa Nova, Zona Adensável, de acordo com o Plano Diretor de Natal. Nas imediações do terreno há predomínio de uso residencial e de serviços. O terreno para o desenvolvimento da proposta foi selecionado por sua privilegiada localização na cidade, favorecendo a visibilidade do equipamento, e seu fácil acesso por qualquer meio de transporte. O complexo se configura como um espaço para os amantes da sétima arte, seja por cultura, lazer ou entretenimento. O local conta, além das salas de exibição, com café, livraria, área de exposição, filmoteca, salas multiuso e, ainda, área de exibição externa. O terreno onde se situa o prédio possui ,02m² e seu único acesso se dá através da BR-101. O projeto conta com área construída de 3.313,84m². A taxa de ocupação é 25%, o coeficiente de aproveitamento é de 0,33 e a taxa de permeabilidade é de 49,8%. O complexo é formado por uma única edificação com diferentes níveis de piso, estando o acesso elevado em relação ao nível da calçada 90cm. Assim, o acesso à edificação e aos demais níveis é realizado por meio de escadas ou rampas acessíveis. Nas fachadas existem duas empenas inclinadas, uma vazada e outra cega, que quebram a ortogonalidade do volume total da edificação. A fachada sudeste busca ser totalmente permeável, sendo sua vedação feita por elemento vazado metálico, favorecendo a permeabilidade da ventilação. Já na fachada nordeste, existe um jardim vertical com tecnologia Green Wall, com intuito de integrar mais a edificação à área vegetada da barreira acústica criada na APP, na parte posterior do lote. Na fachada noroeste, como há maior incidência solar durante o período da tarde, foi criada uma segunda pela com uma tela metálica em aço inoxidável. A edificação possui três estacionamentos, sendo um destinado aos usuários na área externa da edificação, que conta com 77 vagas, sendo 02 delas destinadas a portadores de necessidades especiais. O outro estacionamento para os usuários está localizado no subsolo e conta com 86 vagas de veículos e 10 para motocicletas. O terceiro e último estacionamento é destinado aos funcionários e para carga e descarga, contando com 16 vagas.

83 83 O acesso à edificação é realizado através da área de exposição e a existência de um fluxo bem definido faz o usuário que, inicialmente, iria apenas assistir um filme, percorrer toda a edificação, passando por outros ambientes. Assim, as chances do usuário realizar outra atividade além de assistir filmes aumentam consideravelmente, como ilustra a Figura 58. O acesso do subsolo à edificação é realizado por uma circulação vertical que também chega à área de exposição. Figura 58 - Esquema de fluxo Fonte: Elaboração da autora (2014) 8.1. SETOR PÚBLICO Este setor comporta a maior variação de atividades do programa, todas elas com livre acesso. Neste setor estão espaços como livraria, filmoteca, área de exibição externa, área de exposição, café, salas multiuso e o foyer. As salas multifuncionais têm finalidade de atender o público adepto do cineclubismo, seja com exibições cinematográfica, discussões ou simples reuniões. São duas salas separadas por um painel retrátil, com possibilidade de integração entre as duas e ampliação do espaço, quando necessário.

84 84 A área de exibição externa é destinada a todos os públicos e seu funcionamento depende das condições meteorológicas e seu uso se restringe a exibições noturnas. O café, livraria, filmoteca e salas multiuso possuem funcionamento independente das salas de exibição, permitindo a utilização destes espaços durante todo o dia SETOR DE EXIBIÇÃO O setor de exibição é composto por 4 salas de exibição, foyer, bombonnière e banheiros. O foyer é um grande espaço de integração entre os setores. A partir dele é possível chegar aos outros três setores facilmente. As salas de exibição nos moldes dos cinemas multiplex, ou seja, com uso de tecnologia digital de som e imagem. A tela possui dimensão de 12x5m, com a proporção 2,35:1. Cada uma das salas possui capacidade para 170 espectadores, totalizando 680 espectadores. O acesso à plateia se dá de forma ascendente, estando os assentos destinados aos portadores de necessidades especiais na primeira fileira. Todas as salas possuem tratamento acústico para melhorar a experiência da exibição. A bombonnière está localizada de modo a atender usuários desde o foyer até os que já se encontram no hall de exibição SETOR DE SERVIÇO O setor de serviço tem seu acesso na parte posterior da edificação, pelo acesso de funcionários. Neste setor está concentrada toda a área de manutenção do complexo e o hall de serviço faz a conexão entre os ambientes e dá acesso ao hall de projeção no 2º pavimento. Depósitos, vestiários, refeitório, descanso de funcionários, hall de projeção e cabines de projeção, fazem parte do setor. Os depósitos e vestiários, por se tratarem de ambientes de pouca permanência, foram dispostos na fachada sudeste, sendo esta uma das mais prejudicadas pela insolação no período da tarde. De modo a amenizar a falta de ventilação direta para os ambientes como descanso de funcionários, cozinha, administração, contagem e gerência, foi criado um shed na cobertura do hall de serviço, permitindo a renovação do ar nestes ambientes.

85 85 As cabines de projeção estão localizadas no 2º pavimento e o acesso ao hall de projeção se dá através de escada ou plataforma elevatória. Por recomendações técnicas, cada cabine de projeção possui um banheiro em seu interior SETOR ADMINISTRATIVO O setor administrativo é composto pela administração, gerência e contagem. Esse é o setor responsável pela gestão do equipamento. Os ambientes estão dispostos entre o setor de serviço e o público, podendo ter acesso facilmente a qualquer setor ESTACIONAMENTO O cálculo da quantidade de vagas necessárias para o estacionamento foi realizado de acordo com as diretrizes estabelecidas no Código de Obras do Município de Natal. A lei determina que para equipamentos com uso de cinema, implantados em vias arteriais, a quantidade de vagas de estacionamento deve ser de 1 vaga a cada 30m² de área construída. Assim, como a edificação possui área construída de 3.313,84m², seriam necessárias para atender a norma 111 vagas. No total, foram estabelecidas 179 vagas para veículos, sendo duas destas adaptadas aos portadores de necessidades especiais, e 10 vagas para motocicletas CONFORTO ACÚSTICO DAS SALAS DE EXIBIÇÃO O tratamento acústico das salas de exibição é uma característica imprescindível para um melhor desempenho nas exibições cinematográficas. Deste modo, foi feita simulação da sala de exibição com o software Reverb, analisando a influencia dos materiais para o condicionamento acústico do ambiente. Para melhor desempenho, as salas devem prever projeto de isolamento e condicionamento acústico. Como dito em capítulos anteriores, o isolamento impede que ruídos externos ao ambiente adentrem ao espaço e prejudiquem as atividades ali realizadas. Na presente proposta, as paredes que limitam as salas de exibição devem ser construídas com tijolo convencional deitado, gerando uma parede com espessura mínima de 20 cm. Com relação ao condicionamento acústico, através do software Reverb pôdese simular o tempo de reverberação na sala de exibição. O programa é um facilitador neste quesito, uma vez que com a inserção de apenas alguns dados

86 86 sobre o ambiente é possível verificar o comportamento acústico dos materiais empregados. Simulação com o Reverb A simulação utilizando o programa conta com quatro etapas: escolha do método de cálculo do tempo de reverberação, caracterização do ambiente, das superfícies e dos elementos isolados. De início foram retiradas as áreas de cada material aplicado no ambiente e seu volume total. Em seguida foram atribuídos os materiais de superfície e os elementos constantes no ambiente. Nas paredes fez-se uso de uma placa de fibra mineral com véu acústico e lã mineral, no forro utilizou-se gesso acartonado perfurado e para o piso, optou-se por um piso vinílico. A tela de projeção foi desconsiderada do cálculo, uma vez que é através dela que passam os sons das caixas instaladas imediatamente atrás dela. Figura 59 - Relatório do Reverb Fonte: Elaboração da autora (2014) A escolha de materiais para as salas de exibição resultou em tempos de reverberação próximos ao recomendado e, de forma geral, se manteve constante.

Cidade das Artes inicia em maio sua programação

Cidade das Artes inicia em maio sua programação Cidade das Artes inicia em maio sua programação Em janeiro, Rock in Rio, o Musical abriu o novo espaço cultural em sistema de soft opening Fotos em alta resolução: www.factoriacomunicacao.com Depois de

Leia mais

1ª MARATONA DE PROJETOS ATELIÊ VERTICAL PROF. LUCIANO ARRUSSUL

1ª MARATONA DE PROJETOS ATELIÊ VERTICAL PROF. LUCIANO ARRUSSUL Programa de necessidades e pré-dimensionamento SETORES: -Administrativo - Artístico - Técnico - Público e de Convivência Programa de necessidades e pré-dimensionamento Setor Administrativo Ambiente Descrição

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 16 PANORAMA ATUAL SOBRE O MERCADO DE SALAS DE EXIBIÇÃO, NO BRASIL 1. INTRODUÇÃO A significativa diversificação

Leia mais

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406

LOCALIZAÇÃO: PAVIMENTO TÉRREO IDENTIFICAÇÃO ÁREA (M 2 ) CAPACIDADE Auditório 367,23 406 INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E TECNOLÓGICA As salas de aula da FACULDADE BARRETOS estão aparelhadas para turmas de até 60 (sessenta) alunos, oferecendo todas as condições necessárias para possibilitar o melhor

Leia mais

MOSTRA LIVRE DE CINEMA

MOSTRA LIVRE DE CINEMA MOSTRA LIVRE DE CINEMA 2014 BREVE DESCRIÇÃO A MOSTRA LIVRE DE CINEMA é um festival audiovisual que desde 2011 vem privilegiando a exibição de filmes independentes na cidade de Piracicaba e em cidades circunvizinhas

Leia mais

Cinemark inaugura primeiro complexo com salas vip na zona norte de São Paulo

Cinemark inaugura primeiro complexo com salas vip na zona norte de São Paulo Cinemark inaugura primeiro complexo com salas vip na zona norte de São Paulo Instalado no Shopping Lar Center, o espaço possui salas com conceito prime e tecnologia XD São Paulo, 04 de maio de 2014 - A

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

O que é o Projeto Cine Gira Brasil

O que é o Projeto Cine Gira Brasil O que é o Projeto Cine Gira Brasil O Cine Gira Brasil é um projeto de cinema itinerante aprovado pelo Ministério da Cultura via artigo n o 18 da Lei Rouanet, que permite que empresas deduzam o valor investido

Leia mais

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica 1 Escopo da Recomendação: Esta Recomendação Técnica é uma iniciativa conjunta da Associação

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1

Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1 Pinacoteca do Estado de São Paulo: proposta de estudo publicitário para um museu de arte estatal 1 Ana Grazielle de Sá ALMEIDA 2 André da Rocha PINA 3 Diego Felipe Cezar ESTEVES 4 Rodrigo Barreto BEZERRA

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

Regulamento das oficinas

Regulamento das oficinas Regulamento das oficinas As oficinas oferecidas pelo Cine Festival Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo de Mariana são gratuitas e abertas à participação da comunidade; Cada pessoa poderá

Leia mais

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa O Guia Prático da Arquitetura Corporativa SUMÁRIO INTRODUÇÃO ARQUITETURA CORPORATIVA NO BRASIL RECURSOS HUMANOS, TURNOVER, NORMAS E LEIS TRABALHISTAS MÓVEIS DE ESCRITÓRIO Tudo o que você precisa saber

Leia mais

Associação Beneficente de Amparo á Família

Associação Beneficente de Amparo á Família Associação Beneficente de Amparo á Família Perfil A Associação Beneficente de Amparo à Família (ABENAF) é uma Organização Não Governamental (ONG), sem fins lucrativos, que tem como objetivo oferecer cultura,

Leia mais

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO EMPREENDIMENTOS DE PEQUENO PORTE 01 APRESENTAÇÃO MELNICK EVEN DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER APRESENTAÇÃO O CAU/RS Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul, na qualidade de Autarquia Federal deve na

Leia mais

A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade.

A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade. A Ricardo Maia Produções Artísticas apresenta a seguir uma seleção de projetos culturais que têm como tema principal a sustentabilidade. Considerando o crescente interesse geral de mobilização sobre o

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

Resenha. Flávio Júnior Freitas FERREIRA 1

Resenha. Flávio Júnior Freitas FERREIRA 1 Resenha Cinema e Mercado (AUTRAN, Arthur. MATTA, João Paulo Rodrigues. DE LUCA, Luiz Gonzaga. LEAL, Antônio. MATTOS, Tetê. NUDELIMAN, Sabrina. PFEIFFER, Daniela. MASSAROLO, João Carlos. DE ALVARENGA, Marcus

Leia mais

Escola Paulista de Direito. Transformando Conhecimento em Valores

Escola Paulista de Direito. Transformando Conhecimento em Valores Escola Paulista de Direito Transformando Conhecimento em Valores Índice Apresentação EPD... 3 Campus... 4 Biblioteca... 5 Laboratório informática... 6 Adaptação para portadores de necessidades especiais...

Leia mais

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito.

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco,

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade.

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. LANÇAMENTO Placo Phonique Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. Ssshhh... o silêncio é ouro. O excesso de ruído é uma das principais queixas das pessoas num ambiente. Os ruídos, além de incomodarem,

Leia mais

Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599

Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599 Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599 Valor total do Projeto: R$ 981.420,00 Apresentação: A Rádio Gazeta, fundada em 1943, com sua programação voltada exclusivamente

Leia mais

JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO ANL 2012

JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO ANL 2012 JANTAR DE CONFRATERNIZAÇÃO ANL 2012 Com a presença de mais de 100 executivos e profissionais do segmento do livro, aconteceu na capital paulista no último dia 04 de dezembro, o Jantar de Confraternização

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União Brasileira I Vol. de vários autores; Brasileira II Vol. de vários autores; Brasileira III Vol. de vários autores; Brasileira IV Vol. de vários autores; Brasileira V Vol. de vários autores; Editions du

Leia mais

TELE GUARD. Apresentação da empresa e do negócio. Integrantes: Leonardo Ramos Luis Claudio C Abreu

TELE GUARD. Apresentação da empresa e do negócio. Integrantes: Leonardo Ramos Luis Claudio C Abreu TELE GUARD Apresentação da empresa e do negócio. Integrantes: Leonardo Ramos Luis Claudio C Abreu A Empresa Há quase 15 anos no mercado, a Tele Guard é uma empresa de prestação de serviços, especializada

Leia mais

Desafios da Arte em Rede - I Rodada em Cultura, Arte, Tecnociência e Inovação I Rodada A arte em rede e a inovação FRÁGIL, FRÁGIL arte telemática

Desafios da Arte em Rede - I Rodada em Cultura, Arte, Tecnociência e Inovação I Rodada A arte em rede e a inovação FRÁGIL, FRÁGIL arte telemática O evento Desafios da Arte em Rede - I Rodada em Cultura, Arte, Tecnociência e Inovação tem como objetivo dar continuidade às ações conjuntas entre o Ministério da Cultura e a Rede Nacional de Ensino e

Leia mais

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000

SMALL HOUSE. Sejima e Nishizawa 1999-2000 SMALL HOUSE 1999-2000 Sejima e Nishizawa Andressa Rodrigues Melo 11411ARQ028 Ariane Xavier Duarte 11411ARQ023 Guilherme Duarte Cunha 11411ARQ001 Larissa Costa Silva 11411ARQ026 Kazuyo Sejima e Ruye Nishizawa

Leia mais

NÍVEL DE RUÍDO - UMA MEDIDA DE QUALIDADE NAS BIBLIOTECAS

NÍVEL DE RUÍDO - UMA MEDIDA DE QUALIDADE NAS BIBLIOTECAS NÍVEL DE RUÍDO - UMA MEDIDA DE QUALIDADE NAS BIBLIOTECAS José Yvan Pereira Leite (1) Eng. de Minas - UFPB, Mestre em Engenharia Química - UFRN, prof. da Escola Técnica Federal do Rio Grande do Norte. Sócio

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

O CIRCO DA FRONTEIRA: A ESCOLA CIA DA LONA DE CORUMBÁ - MS

O CIRCO DA FRONTEIRA: A ESCOLA CIA DA LONA DE CORUMBÁ - MS O CIRCO DA FRONTEIRA: A ESCOLA CIA DA LONA DE CORUMBÁ - MS Por Marco A C Bortoleto Abril de 2014 Em mais uma viagem, desta vez em pleno pantanal brasileiro, visitei um fantástico projeto circense, uma

Leia mais

PROPOSTA DE ESTRUTURAÇÃO

PROPOSTA DE ESTRUTURAÇÃO U N I R I O UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REITORA MALVINA TUTTMAN PROPOSTA DE ESTRUTURAÇÃO COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (COMSO) Fernanda Soares Coordenadora Gabriel Melo Assistente

Leia mais

Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados

Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados CURTA-SE VIII Festival Ibero-Americano de Curtas-Metragens de Sergipe Protocolo: 4 Proponente: Centro de Estudos Casa Curta-SE Estado do Proponente:

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Foto de Gabriel Lordêllo, parte da exposição realizada no estande de vendas do Mirador Camburi. Visite e conheça outras imagens encantadoras.

Foto de Gabriel Lordêllo, parte da exposição realizada no estande de vendas do Mirador Camburi. Visite e conheça outras imagens encantadoras. SINGULAR exclusivo supremo único Morar Construtora LANÇA NOVO PROJETO INSPIRADO PELA NATUREZA E ASSINADO POR GRANDES NOMES. Reconhecida pela credibilidade e entrega no prazo, a Morar Construtora tornou-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

SHOPPING ILHA DO MEL

SHOPPING ILHA DO MEL Cenário atual O Brasil é o 5º maior país do mundo com grande crescimento no setor de Shopping Centers. Segundo pesquisa da Interscience, encomendada pela Associação Brasileira de Shopping Centers (ABRASCE),

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

História. Foto: Ibraim Leão

História. Foto: Ibraim Leão Theatro Pedro II Rua Álvares Cabral 370, Centro, Ribeirão Preto-SP CEP 400-080 www.ribeiraopreto.sp.gov.br/fundacao/teatro/i36principal.php Tel. 55 (6) 3977.8 T heatro Pedro II Na década de 920, Ribeirão

Leia mais

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11 1 de 5 21/06/2011 17:55 FESTIVAIS inscrições até junho/11 1ª MOSTRA DE VÍDEO UNIVERSITÁRIO DA UNICAP A 1ª Mostra de Vídeo Universitário da Unicap é uma atividade integrada à programação de comemoração

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM

Vinheta Sala de Cinema 1. Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM Vinheta Sala de Cinema 1 Felipe Bruno 2 Graciene Silva de SIQUEIRA 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Esse trabalho surgiu a partir das atividades de um projeto de extensão (Pibex)

Leia mais

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som Imagens Sonoras por Caio Amon A Expansão da Imagem pelo Som Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Aprenda a produzir som e trilha para seus projetos. Imagens Sonoras A Expansão

Leia mais

RELATORIO MIDIA ESPONTANEA atualizado 18 nov 2014 Levantamento: LIDE MULTIMIDIA Número de jornalistas participantes: 350 sendo 100 profissionais de mídia nacional Volume total de mídia conquistada: 40.015

Leia mais

Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural. Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural

Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural. Programa de vivência, criação e circulação artística e cultural 1 1. Apresentação // 4 2. Objetivos e metas // 8 3. Estratégia - Música e Economia criativa // 9 4. Temáticas // 9 5. Programas // 10 6. Projetos Especiais // 10 7. Conselho gestor // 11 1. Apresentação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência III Encontro Internacional de Tecnologia e Inovação para Pessoas com Deficiência O Desenho Universal na Indústria Brasileira - São Paulo, 24 a 26 de outubro de 2011 - Relatório Final Introdução Tendo como

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Guia para 1 Definir o destino de parte do imposto que você vai, obrigatoriamente, pagar é uma possibilidade legítima e acessível. Basta escolher qual projeto, seja ele cultural, esportivo ou social, você

Leia mais

CAIXA CULTURAL RECIFE

CAIXA CULTURAL RECIFE GALERIA 1 E 2 A Galeria 1, localizada no térreo, é um amplo espaço expositivo integrado ao sítio arqueológico. A Galeria 2, fica no 1º pavimento. Ambas são climatizadas e contam com iluminação interna

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

Introdução...Pg.3. Conceitos...Pg.5 A acústica dentro dos escritórios... Pg.8

Introdução...Pg.3. Conceitos...Pg.5 A acústica dentro dos escritórios... Pg.8 ACÚSTICA ÍNDICE Introdução...Pg.3 Elementos de acústica...pg.4 Conceitos...Pg.5 A acústica dentro dos escritórios... Pg.8 Elementos de acústica aplicados no produto divisória i i piso-teto... t Pg.10 Soluções

Leia mais

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação.

A Feira do Empreendedor 2014 em São Paulo faz parte de um circuito de feiras que será realizado em vários estados da federação. 1 A Feira do Empreendedor é um evento de sucesso promovido pelo SEBRAE-SP, com o objetivo de oferecer informação, conhecimento e oportunidade para empresários e futuros empreendedores. A Feira do Empreendedor

Leia mais

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A

FUNCIONAL TOPOGRAFIA SOLAR/ PRIMEIRA METADE DO TERRENO E O INFERIOR LOCADO MAIS A FUNCIONAL IMPLANTAÇÃO IDENTIFICAR COMO SE DÁ A OCUPAÇÃO DA PARCELA DO LOTE, A DISPOSIÇÃO DO(S) ACESSO(S) AO LOTE; COMO SE ORGANIZA O AGENCIAMENTO, UMA LEITURA DA RUA PARA O LOTE ACESSO SOCIAL ACESSO ÍNTIMO

Leia mais

A BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA E A RELAÇÃO COM A SOCIEDADE: um relato dos serviços extensionistas inovadores do sistema integrado de Bibliotecas da UEFS

A BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA E A RELAÇÃO COM A SOCIEDADE: um relato dos serviços extensionistas inovadores do sistema integrado de Bibliotecas da UEFS PÔSTER EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas A BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA E A RELAÇÃO COM A SOCIEDADE: um relato dos serviços extensionistas

Leia mais

Área Industrial Dezembro/2013 nº 31. O BNDES e a economia da cultura

Área Industrial Dezembro/2013 nº 31. O BNDES e a economia da cultura Informe Setorial Área Industrial Dezembro/213 nº 31 2ª Edição Fevereiro/214 O BNDES e a economia da cultura O início da atuação do BNDES na economia da cultura remonta ao ano de 199, quando, com um enfoque

Leia mais

SUCESSO ÚNICO EM UM LOCAL HISTÓRICO PARA PORTO ALEGRE

SUCESSO ÚNICO EM UM LOCAL HISTÓRICO PARA PORTO ALEGRE SUCESSO ÚNICO EM UM LOCAL HISTÓRICO PARA PORTO ALEGRE SINDUSCON PREMIUM 2013 CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO EMPREENDIMENTOS DE MÉDIO PORTE A Cyrela Goldsztein, inovando com qualidade

Leia mais

design arquitetura tendência

design arquitetura tendência design arquitetura tendência HOME office mall Lindóia Lindóia ( ) A Melnick Even apresenta mais um produto da linha (HOM), baseado em um conceito inovador: o Mixed Use. Considerados uma solução de grande

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

nada é referência por acaso. corporate&offices

nada é referência por acaso. corporate&offices lançamento Um produto Melnick Even corporate&offices nada é referência por acaso. A Melnick Even usou toda sua expertise para trazer à rua Anita Garibaldi um empreendimento comercial pensado cuidadosamente

Leia mais

Eventos Corporativos

Eventos Corporativos Eventos Corporativos 2 FUNDIÇÃO PROGRESSO ESPAÇOS Fundição Progresso ESPAÇOS A Fundição Progresso é um centro multicultural que abriga em seus espaços diversas atividades e grupos artísticos. A Fundição

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

Temporada de Inverno

Temporada de Inverno Temporada de Inverno Campos do Jordão faz jus ao glamouroso título de Suíça Brasileira quando chega o inverno. Seu clima inigualável, mais frio que a média brasileira, sua arquitetura tardia baseada em

Leia mais

ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração

ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração Edif cio ALMARES A história como exemplo, o mar como inspiração Edif cio ALMARES O RESPEITO E A PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, DE POSSUIR O MAIOR PORTO DA AMÉRICA LATINA E, CLARO, O MAR, FAZEM COM QUE SANTOS

Leia mais

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS NO PROCESSO DA 3ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RESOLUÇÃO 08/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL A Comissão Organizadora da 3ª Conferência Nacional de Juventude, no uso de suas atribuições regimentais, em conformidade com o artigo 6º, objetivo específico

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade VICE-REITORIA ACADÊMICA DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade PLANO DE CURSO

Leia mais

A NOBREZA DO BATEL E A DINÂMICA DO CENTRO EM UM SÓ ESPAÇO DE TRABALHO.

A NOBREZA DO BATEL E A DINÂMICA DO CENTRO EM UM SÓ ESPAÇO DE TRABALHO. A NOBREZA DO BATEL E A DINÂMICA DO CENTRO EM UM SÓ ESPAÇO DE TRABALHO. EMPREENDIMENTOS INTELIGENTES. ESPAÇOS PARA O TRABALHO. A Invespark é uma incorporadora que materializa seus projetos através do planejamento

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho

Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho Casa do futuro Soluções permitem o monitoramento a distância das instalações da casa, visando redução de consumo e alto desempenho Por Heloisa Medeiros A rápida evolução de produtos e equipamentos eletrônicos

Leia mais

Projetando um. Futuro Sustentável.

Projetando um. Futuro Sustentável. Projetando um Futuro Sustentável. UMA NOVA FORMA DE PENSAR. UMA NOVA FORMA DE PENSAR O TODO. UTILITASfuncional Todo projeto tem a finalidade de transformar ideias e necessidades dos clientes em resultados

Leia mais

4º Festival Gastronômico do Baixo São Francisco - Penedo/Alagoas. Proposta de Participação Restaurante Local

4º Festival Gastronômico do Baixo São Francisco - Penedo/Alagoas. Proposta de Participação Restaurante Local 4º Festival Gastronômico do Baixo São Francisco - Penedo/Alagoas Proposta de Participação Restaurante Local 4º FESTIVAL GASTRONÔMICO DO BAIXO SÃO FRANCISCO 28 a 30 de Outubro de 2011 UMA FESTA DE SABORES

Leia mais

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação

Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação CULTURA NOS CEUs Proposta de programação cultural nos Centros Unificados de Educação Resumo São Paulo, março de 2013. Por Ney Piacentini O projeto CULTURA NOS CEUs pretende levar às instalações culturais

Leia mais

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI

INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO 1.1. Gabinetes de Trabalho para Professores Tempo Integral - TI INFRAESTRUTURA 1. ESPAÇO FÍSICO Atualmente a FIBRA encontra-se em novas instalações contando com 33 salas de aula climatizadas, com instalações de equipamentos de multimídia, auditório climatizado com

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos

REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores panorâmicos Porto Alegre, 18 de junho de 2012. A Assembleia Legislativa do RS Porto Alegre, RS REF: Layout Elevadores e Torre Metálica Elaboração de Anteprojeto de torre metálica para instalação de 02(dois) elevadores

Leia mais

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB

CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB CASA ZM CASA CT CASA MDT CASA FB Local: Itacaré - BA Ano: 2005 Local: Bragança Paulista - SP Ano: 2008 Local: Fazenda Boa Vista - SP Ano: 2008 Local: Porto Feliz - SP Ano: 2011 Bernardes e Jacobsen Arquitetura

Leia mais

APRESENTAÇÃO O CURSO

APRESENTAÇÃO O CURSO APRESENTAÇÃO A Especialização em Áudio para Rádio, TV e Cinema destina-se para quem quer trabalhar com broadcast e/ou radiodifusão, mercado em franca ascensão no Brasil. Além da microfonação, fundamental

Leia mais

SECRETARIA DE OBRAS E PLANEJAMENTO URBANO

SECRETARIA DE OBRAS E PLANEJAMENTO URBANO III CONCURSO DE ESTUDANTES DA FAU FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila - LORENA Concurso de projetos para Praças da área urbana, da cidade de Lorena - SP Apresentação: A Prefeitura Municipal de Lorena,

Leia mais

5 Conclusão. Reflexões e Contribuições. Percurso da Tese

5 Conclusão. Reflexões e Contribuições. Percurso da Tese 5 Conclusão Reflexões e Contribuições Percurso da Tese O percurso desta Tese foi extremamente proveitoso em termos de lições aprendidas e aspectos que realçam a viabilidade e necessidade de atenção específica

Leia mais

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700

Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Projeto de Digitalização de Jornais do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102700 Valor total do Projeto: R$ 2.283.138,52 Apresentação: O jornal A Gazeta foi comprado por Cásper Líbero em 1918. Produziu

Leia mais

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo.

erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. T erceiro município mais populoso do interior paulista e o quarto mercado consumidor do Estado, fora da região metropolitana de São Paulo. Ao longo dos últimos 12 anos, Sorocaba vem crescendo expressivamente

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Clube. Paineiras do Morumby. Desde 1960, formando esportistas e consolidando amizades.

Clube. Paineiras do Morumby. Desde 1960, formando esportistas e consolidando amizades. Clube Paineiras do Morumby Desde 1960, formando esportistas e consolidando amizades. 2 120 mil m² de puro lazer. Um verdadeiro oásis urbano. O Paineiras Fundado em agosto de 1960, o Clube Paineiras do

Leia mais

artes visuais na capital

artes visuais na capital artes visuais na capital Na cidade de São Paulo, em função do tamanho da amostra, é possível comparar os resultados entre as diferentes regiões da cidade.! As páginas seguintes apresentam o número de entrevistados

Leia mais

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden utility house in domus eletro house in light linea domus supri shop outdoor living & garden FEIRA PROFISSIONAL Reunir em um mesmo local e momento investidores e mercado-alvo, formando um ambiente de negócios

Leia mais

Sobre Escola São Paulo

Sobre Escola São Paulo 03.01.2014 Sobre Escola São Paulo Fundada em 2006, a Escola São Paulo é uma escola de educação continuada para formação de pessoas nas áreas criativas. Conectada com atuais tendências, propõe um modelo

Leia mais

Foto Andrés Otero. pavilhão ciccillo matarazzo espaço aberto para a economia criativa

Foto Andrés Otero. pavilhão ciccillo matarazzo espaço aberto para a economia criativa Foto Andrés Otero pavilhão ciccillo matarazzo espaço aberto para a economia criativa São Paulo Fashion Week, 15ª edição, Verão 2003-2004 Foto Andrés Otero Foto Andrés Otero A política de uso do Pavilhão

Leia mais

REVITALIZAÇÃO E ADEQUAÇÃO ACÚSTICA DE COMPLEXO DE SALAS DE CINEMA NO BAIRRO DE BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO

REVITALIZAÇÃO E ADEQUAÇÃO ACÚSTICA DE COMPLEXO DE SALAS DE CINEMA NO BAIRRO DE BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO REVITALIZAÇÃO E ADEQUAÇÃO ACÚSTICA DE COMPLEXO DE SALAS DE CINEMA NO BAIRRO DE BOTAFOGO, RIO DE JANEIRO Maria Lygia Niemeyer (1); Pablo César Benetti (2); Solange Liebman (3) (1) Depto. de Tecnologia da

Leia mais