Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa"

Transcrição

1 Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Estratégia para a formação financeira Susana Narciso Departamento de Supervisão Comportamental 11 de julho de 2013

2 Estratégia para a formação financeira 1. A importância da formação financeira 2. Medição do nível de literacia financeira da população 3. Definição de uma estratégia nacional de formação financeira Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

3 A importância da formação financeira O contributo da formação financeira para a estabilidade financeira Os bancos centrais têm vindo a reconhecer que a formação financeira complementa as medidas de regulação dos mercados bancários de retalho A formação financeira contribui para que os cidadãos façam uma afetação mais eficiente dos recursos e uma seleção adequada de produtos financeiros tem benefícios financeiros individuais diretos contribui a estabilidade financeira A definição de uma estratégia nacional de formação financeira é uma forma eficiente de implementar a formação financeira, na medida em que promove a cooperação entre diversas entidades a coordenação de recursos necessariamente escassos o desenvolvimento de projetos numa ótica de longo prazo O diagnóstico de necessidades de formação financeira da população é importante para a definição de objetivos e de linhas de atuação prioritárias Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

4 Medição do nível de literacia financeira da população Objetivos do Inquérito à Literacia Financeira da População Portuguesa (2010) Medição da literacia financeira da população, incluindo a análise de atitudes, comportamentos e conhecimentos financeiros Apoio à definição do Plano Nacional de Formação Financeira Diagnóstico da forma como os cidadãos lidam com as finanças pessoais, dos conhecimentos sobre as características dos produtos bancários e dos fatores de escolha a que dão mais importância Identificação dos grupos populacionais e dos temas financeiros em que as lacunas são mais significativas Instrumento de apoio à avaliação da implementação do Plano Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

5 Medição do nível de literacia financeira da população Características do Inquérito à Literacia Financeira da População Portuguesa Questionário com 94 questões de escolha múltipla, em seis áreas temáticas: Inclusão financeira Gestão da conta bancária Planeamento de despesas e poupança Escolha de produtos bancários Escolha e conhecimento das fontes de informação Compreensão financeira 2000 entrevistas (porta-a-porta), em todo o território nacional, à população com mais de 16 anos Amostra estratificada com base em cinco critérios: Género Idade Localização geográfica (NUTS 2) Situação laboral Nível de escolaridade Seguiu os princípios e melhores práticas internacionais definidas pela Internacional Network for Financial Education (INFE) Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

6 Medição do nível de literacia financeira da população Principais resultados do Inquérito à Literacia Financeira da População Portuguesa Atitudes em geral adequadas, mas que não se refletem nos comportamentos O controlo dos movimentos e do saldo da conta é realizado com muita frequência, mas existe algum desconhecimento das comissões associadas à conta bancária e o custo e a remuneração da conta são pouco ponderados na escolha do banco O planeamento do orçamento familiar é considerado de grande importância, mas não se traduz na realização de poupança A grande maioria da população lê a informação pré-contratual, mas não existe um hábito generalizado de comparação de produtos antes da sua aquisição Conhecimentos sobre conceitos e fontes de informação ainda insuficientes Há conceitos financeiros básicos que não são compreendidos pelos clientes bancários Há tendência para a sobreavaliação dos conhecimentos sobre conceitos financeiros O Portal do Cliente Bancário é ainda pouco conhecido pela população Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

7 O Plano Nacional de Formação Financeira O Plano Nacional de Formação Financeira português é dinamizado pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (CNSF), constituído pelos três supervisores financeiros Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e Instituto de Seguros de Portugal As linhas gerais de orientação do Plano foram aprovadas pelo CNSF e endossadas pelo Senhor Ministro de Estado e das Finanças O Plano assume um horizonte temporal de cinco anos, abrangendo o período de 2011 a 2015 O Plano esteve em consulta pública previamente à sua aprovação final Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

8 Missão e objetivos do Plano Nacional de Formação Financeira O Plano visa contribuir para elevar o nível de conhecimentos financeiros da população e promover a adoção de comportamentos financeiros adequados O Plano define cinco grandes objetivos: Melhorar conhecimentos e atitudes financeiras Apoiar a inclusão financeira Desenvolver hábitos de poupança Promover o recurso responsável ao crédito Criar hábitos de precaução O Plano é um instrumento destinado a enquadrar, dinamizar e difundir projetos de formação financeira O Plano adotou a marca Todos Contam, que procura refletir uma visão agregadora das iniciativas de formação financeira e a junção do esforço das partes envolvidas Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

9 Linhas de atuação do Plano Nacional de Formação Financeira Apoio na implementação e coordenação de iniciativas de formação financeira por públicos-alvo Estudantes do ensino básico e secundário Estudantes universitários Trabalhadores Grupos mais vulneráveis População em geral Para cada público-alvo são definidos os temas financeiros prioritários São desenvolvidos projetos numa perspetiva de médio e longo prazo Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

10 Entidades parceiras do Plano Nacional de Formação Financeira O Plano é coordenado pelo CNSF, que delega a gestão corrente numa Comissão de Coordenação com representantes dos três supervisores financeiros Conta também com a colaboração de um vasto conjunto de entidades, integradas em: Duas Comissões de Acompanhamento - uma vocacionada para a dinamização de projetos de formação financeira e outra para a identificação de necessidades de formação de diversos públicos-alvo Um Comité Consultivo, constituído por personalidades de reconhecida competência e experiência profissional, que apoia a reflexão em torno da implementação do Plano As entidades parceiras do Plano são ministérios, associações de defesa do consumidores, associações do setor financeiro, centrais sindicais, universidades, fundações, As entidades parceiras ajudam a fazer a ponte entre o Plano e os públicos-alvo: Atuando como formadores junto do público-alvo Colocando os públicos-alvo em contacto com o Plano Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

11 Princípios orientadores das iniciativas de formação financeira A participação de múltiplas entidades é fundamental para o sucesso do Plano, mas cria a necessidade de (i) definir critérios de qualidade e rigor para as iniciativas de formação financeira e de (ii) prevenir conflitos de interesse Em abril de 2012, foram publicados os Princípios Orientadores das iniciativas de formação financeira a enquadrar no Plano A informação deve ser: Exata, completa, atual e relevante Isenta, imparcial e objetiva, sem publicidade a produtos ou serviços financeiros específicos Promovida através das associações setoriais, quando envolva instituições do setor financeiro Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

12 Portal Todos Contam Em julho de 2012, o Plano lançou o Portal Todos Contam que é simultaneamente: um instrumento de formação financeira, disponibilizando conteúdos e materiais um veículo de divulgação das iniciativas desenvolvidas no âmbito do Plano O Portal disponibiliza conteúdos sobre gestão das finanças pessoais, conteúdos associados às diferentes etapas da vida, simuladores, bibliotecas, eventos, notícias e newsletters. Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

13 Concurso Todos Contam O Concurso Todos Contam foi lançado em setembro de 2012 em parceria com o Ministério da Educação e Ciência, com o objetivo de apoiar iniciativas de formação financeira nas escolas O Concurso premiou os melhores projetos de formação financeira a implementar nas escolas durante o ano letivo 2012/2013 O Concurso teve grande adesão das escolas, com candidaturas provenientes de quase todos os distritos do país Uma nova edição do concurso será lançada para o ano letivo 2013/2014 Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

14 Dia da Formação Financeira As entidades parceiras do Plano juntaram-se no dia 31 de outubro de 2012 para assinalar o Dia da Formação Financeira - data que coincide com o Dia Mundial da Poupança O objetivo foi sensibilizar a população para a importância da formação financeira As atividades realizadas em Lisboa e no Porto incluíram: Conferências e workshops Jogos iterativos e peças de teatro com conteúdos pedagógicos Distribuição de informação sobre literacia financeira Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

15 Referencial de Educação Financeira O Referencial de educação financeira para a educação pré-escolar, o ensino básico e secundário e a educação e formação de adultos foi preparado em parceria entre o Ministério da Educação e Ciência e os três supervisores financeiros: Referencial para as escolas, adaptado aos ciclos de ensino Referencial para a educação e formação de adultos, com Unidades de Formação de Curta Duração a integrar no Catálogo Nacional de Qualificações Os temas do Referencial são: Planeamento e gestão do orçamento Sistema e produtos financeiros básicos Poupança Crédito Ética Direitos e deveres O Referencial foi apresentado no Dia da Formação Financeira e esteve em consulta pública em novembro de 2012 Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

16 Ações de formação e de sensibilização A formação de formadores, enquanto agentes multiplicadores da formação financeira, é uma prioridade nas atividades do Plano. Em maio foi publicado o catálogo de Módulos de Formação 2013 sobre os seguintes temas: Gestão do orçamento familiar Prevenção e gestão do incumprimento Conta de depósito, conta de títulos e meios de pagamento Serviços Mínimos Bancários Produtos de poupança e investimento Crédito à habitação Crédito ao consumo e ao investimento Criação e gestão de empresas Seguros Prevenção de fraude Departamento de Supervisão Comportamental Lisboa, 11 de julho de

17 Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Estratégia para a formação financeira Susana Narciso Departamento de Supervisão Comportamental 11 de julho de 2013

Todos Contam para uma cidadania financeira responsável

Todos Contam para uma cidadania financeira responsável FINKIT LITERACIA FINANCEIRA Todos Contam para uma cidadania financeira responsável LÚCIA LEITÃO BANCO DE PORTUGAL 28 de março de 2017 A FORMAÇÃO FINANCEIRA PROMOVE UMA CIDADANIA FINANCEIRA RESPONSÁVEL

Leia mais

Parceria para a formação financeira na Região Norte

Parceria para a formação financeira na Região Norte Parceria para a formação financeira na Região Norte Objetivos da formação financeira Elevar os conhecimentos financeiros da população Contribuir para a melhoria dos comportamentos financeiros Promover

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO INQUÉRITO À LITERACIA FINANCEIRA DA POPULAÇÃO PORTUGUESA 2010

APRESENTAÇÃO DO INQUÉRITO À LITERACIA FINANCEIRA DA POPULAÇÃO PORTUGUESA 2010 APRESENTAÇÃO DO INQUÉRITO À LITERACIA FINANCEIRA DA POPULAÇÃO PORTUGUESA 2010 1ª Conferência do Banco de Portugal sobre Literacia Financeira 8 de Novembro de 2011 1 APRESENTAÇÃO DO INQUÉRITO À LITERACIAFINANCEIRA

Leia mais

Formação Financeira para a Inclusão Projeto de intervenção: Saber viver em Tempos de crise Fernanda Santos

Formação Financeira para a Inclusão Projeto de intervenção: Saber viver em Tempos de crise Fernanda Santos Formação Financeira para a Inclusão Projeto de intervenção: Saber viver em Tempos de crise Fernanda Santos Contexto Crise financeira mundial Crise económica e social em Portugal Inquérito à literacia

Leia mais

AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise

AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise AÇÃO DE FORMAÇÃO Saber Viver em Tempos de Crise Biblioteca Municipal de Castelo Branco 03 de abril de 2013 A ação de formação é realizada no âmbito do Projeto Saber viver em tempos de crise, apoiado financeiramente

Leia mais

Dia de Formação Financeira 2012

Dia de Formação Financeira 2012 Dia de Formação Financeira 2012 O Dia da Formação Financeira é uma ocasião em que as entidades parceiras do Plano Nacional de Formação Financeira se juntam para sensibilizar a população para a importância

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA 2 0 1 6-2 0 2 0 Editores Banco de Portugal Comissão de Mercado de Valores Mobiliários Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Design, impressão e acabamento

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro

Resolução do Conselho de Ministros n.º 77/2015, de 10 de Setembro Comissão Executiva da Especialização em Engenharia de Segurança ORDEM DO 16 de Dezembro, 2015 ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 2015-2020 - Por um trabalho seguro, saudável e produtivo

Leia mais

Concurso Todos Contam. 2.ª edição

Concurso Todos Contam. 2.ª edição PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Concurso Todos Contam 2.ª edição Regulamento do Concurso O Concurso Todos Contam é uma iniciativa promovida pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, entidade

Leia mais

NOTA DO GOVERNADOR. e dos factores a que dão mais importância no momento de os adquirir.

NOTA DO GOVERNADOR. e dos factores a que dão mais importância no momento de os adquirir. 1 NOTA DO GOVERNADOR A promoção da formação financeira é uma importante componente da estratégia do Banco de Portugal no âmbito das suas funções de supervisão comportamental dos mercados de produtos e

Leia mais

Concurso Todos Contam. 5.ª edição

Concurso Todos Contam. 5.ª edição PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Concurso Todos Contam 5.ª edição Regulamento do Concurso O Concurso Todos Contam é uma iniciativa promovida pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, entidade

Leia mais

ÍNDICE. parceria para a formação financeira dos jogadores de futebol

ÍNDICE. parceria para a formação financeira dos jogadores de futebol e no futebol também ÍNDICE parceria para a formação MENSAGEM DO PRESIDENTE DO SJPF 5 MENSAGEM do conselho nacional de supervisores FINANCEIROS 6 SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL 8 PLANO

Leia mais

INICIATIVAS GULBENKIAN PARA A INOVAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO. Concurso para apoio a iniciativas-piloto na educação pré-escolar

INICIATIVAS GULBENKIAN PARA A INOVAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO. Concurso para apoio a iniciativas-piloto na educação pré-escolar INICIATIVAS GULBENKIAN PARA A INOVAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO Concurso para apoio a iniciativas-piloto na educação pré-escolar Nota: Este concurso decorre em duas etapas. ENQUADRAMENTO A Fundação Calouste

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) Versão de 17 de maio de 2012 1 CARACTERIZAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS A.1. Instituição

Leia mais

Plano de Ação 2013 Autoria:

Plano de Ação 2013 Autoria: Supraconcelhia BAIXO VOUGA (Cf. Dec- Lei n.º 115/2006 de 14 Junho) Plano de Ação Autoria: julho Introdução Corresponde o presente documento à proposta de Plano de Ação de da Territorial Supra concelhia

Leia mais

PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016

PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016 PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS 2015-2020 Departamento da Qualidade na Saúde Março de 2016 PLANO ANUAL 2016 ESTRATÉGIA INTEGRADA PARA AS DOENÇAS RARAS 2015-2020 A comissão interministerial

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Lisboa, 2014 Plano Nacional de Formação Financeira www.todoscontam.pt Edição Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Design, distribuição e impressão Banco de Portugal

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas de Fajões 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas de Fajões

Leia mais

(Versão de trabalho para análise na Assembleia Geral Anual com a Comissão de Acompanhamento) Programa de atividades 2017

(Versão de trabalho para análise na Assembleia Geral Anual com a Comissão de Acompanhamento) Programa de atividades 2017 (Versão de trabalho para análise na Assembleia Geral Anual com a Comissão de Acompanhamento) Programa de atividades 2017 Programa de atividades 2017 (Versão de trabalho para análise na Assembleia Geral

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral julho 2015 Introdução O presente Plano de Melhoria insere-se no âmbito do Relatório elaborado pela Equipa de Avaliação Externa da IGEC, em resultado

Leia mais

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DO SETOR PRIVADO DE EMPREGO E DE RECURSOS HUMANOS 1. DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO AO UN GLOBAL COMPACT A APESPE RH- Associação Portuguesa

Leia mais

Sensibilizar para o Desperdício Alimentar

Sensibilizar para o Desperdício Alimentar Sensibilizar para o Desperdício Alimentar 1. Descrição Sensibilizar para o Desperdício Alimentar 2. Razões justificativas da ação: Problema/Necessidade de formação identificado A nível mundial, são muitas

Leia mais

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA

1. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MAIA 1. Introdução A avaliação externa do Agrupamento de Escolas da Maia, da responsabilidade da IGEC, decorreu de 17 a 20 de novembro do ano transato. A classificação de Muito Bom em todos os domínios enche-nos

Leia mais

Plano Nacional de Formação Financeira Edição Conselho Nacional de Supervisores Financeiros

Plano Nacional de Formação Financeira  Edição Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Plano Nacional de Formação Financeira www.todoscontam.pt Edição Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Design, distribuição e impressão Banco de Portugal Unidade de Imagem e Design Gráfico Lisboa,

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico

Escola Secundária José Saramago Mafra. Plano Estratégico Escola Secundária José Saramago Mafra Plano Estratégico 2014/2015 Preâmbulo O Plano Estratégico para 2014/2015 visa dar cumprimento ao disposto no artigo 15º do despacho normativo nº 6/2014, de 26 de maio.

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

Tipologia de Operação Cursos Técnicos Superiores Profissionais (TeSP)

Tipologia de Operação Cursos Técnicos Superiores Profissionais (TeSP) Grau de Alinhamento com as prioridades regionais da Estratégia de Especialização Inteligente (RIS3) 3 Fundamento para o alinhamento dos cursos TeSP com a EREI i) Parte ou a totalidade das horas de contacto

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS POR CONVITE PI 6.3 PROMOÇÃO DO PATRIMÓNIO CULTURAL UNESCO AVISO N.º CENTRO-14-2016-14 O Mérito do Projeto (MP) é determinado

Leia mais

CANDIDATURA AO PROGRAMA

CANDIDATURA AO PROGRAMA CANDIDATURA AO PROGRAMA CIDADES AMIGAS DAS CRIANÇAS Modelo de Caracterização do Município O documento deve ser preenchido em PDF, utilizando a funcionalidade de preenchimento de campos do presente formulário.

Leia mais

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

INAUGURAÇÃO 16 DE MARÇO VISEU

INAUGURAÇÃO 16 DE MARÇO VISEU INAUGURAÇÃO 16 DE MARÇO VISEU 7 Perguntas SOBRE UMA ASSOCIAÇÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, DE APOIO A FAMÍLIAS, DE MEDIAÇÃO E DE ARBITRAGEM 1. O que é a Beira Amiga? A BEIRA AMIGA (Associação de Defesa do

Leia mais

2 Newsletter RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) VISEU. Projeto apoiado pelo Fundo para a Promoção do Direitos dos Consumidores

2 Newsletter RUA SOAR DE CIMA ( MUSEU ALMEIDA MOREIRA) VISEU. Projeto apoiado pelo Fundo para a Promoção do Direitos dos Consumidores 2 Newsletter 1. Beira Amiga como resposta ao consumidor 2. CLAS: Centro Local de Ação Social 3. RACE: Rede de Apoio ao Consumidor Endividado Encontro Lisboa 4. Tertúlia Noites na Pólis 5. Beira Amiga na

Leia mais

SER SER RESPONSÁVEL. Programa de Responsabilidade Social das Empresas do Concelho de Odemira CLASO

SER SER RESPONSÁVEL. Programa de Responsabilidade Social das Empresas do Concelho de Odemira CLASO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SER RESPONSÁVEL REDE SOCIAL ODEMIRA SER RESPONSÁVEL Programa de Responsabilidade Social das Empresas do Concelho de Odemira CLASO PREÂMBULO A afirmação de Odemira como

Leia mais

Programa BIP/ZIP de Lisboa

Programa BIP/ZIP de Lisboa Programa BIP/ZIP de Lisboa Objectivos e âmbito O Programa BIP-ZIP Bairros e Zonas de Intervenção prioritária de Lisboa é criado pela Câmara Municipal de Lisboa, no quadro do Programa Local de Habitação

Leia mais

INQUÉRITO À LITERACIA FINANCEIRA DA POPULAÇÃO PORTUGUESA 2010

INQUÉRITO À LITERACIA FINANCEIRA DA POPULAÇÃO PORTUGUESA 2010 INQUÉRITO À LITERACIA FINANCEIRA DA POPULAÇÃO PORTUGUESA 2010 Apresentação dos Principais Resultados 18 de Outubro de 2010 Importância da literacia financeira Aspectos metodológicos do inquérito Resultados

Leia mais

Panel Modelos de Gestión de la Calidad del Postgrado y el Doctorado. Experiencias institucionales

Panel Modelos de Gestión de la Calidad del Postgrado y el Doctorado. Experiencias institucionales Panel Modelos de Gestión de la Calidad del Postgrado y el Doctorado. Experiencias institucionales Gestão da qualidade da pós-graduação a experiência da Universidade de Aveiro Teresa Bettencourt tbett@ua.pt

Leia mais

ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B

ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DOENTES DE PARKINSON ELEIÇÕES / 2012-2014 PROGRAMA ELEITORAL LISTA B Todos juntos somos fortes Não há nada a temer Ao meu lado há um amigo Que é preciso proteger Chico Buarque

Leia mais

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária

Anexo Único. Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Anexo Único Estrutura e modelo de funcionamento de Co- Governação para os Gabinetes de Apoio aos Bairros de Intervenção Prioritária Artigo 1º - Definição Um GABIP é uma estrutura de iniciativa municipal,

Leia mais

Projeto de Educação Financeira. No Poupar Está o Ganho

Projeto de Educação Financeira. No Poupar Está o Ganho Projeto de Educação Financeira No Poupar Está o Ganho Contexto Experiência do Museu do Papel Moeda, adquirida desde 2008, em projetos com a comunidade, relacionados com literacia financeira O reconhecimento

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE

ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE apresentação do projeto ECOEFICIÊNCIA E COMPETITIVIDADE Em relação a barreiras à inovação, as respostas (das empresas ao inquérito) apontam os recursos financeiros como os mais relevantes, o que denota,,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS

IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS Missão POWER UP ÍNDICE ENQUADRAMENTO 3 CONTEXTO 3 IMPORTÂNCIA DO TEMA, NA PERSPETIVA DA ORGANIZAÇÃO E DOS SEUS STAKEHOLDERS 4 DESCRIÇÃO 4 ESTRUTURA DO PROJETO 5 RESULTADOS ATINGIDOS 6 CONCLUSÕES 6 REFERÊNCIAS

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

Ponte da Barca, Lurdes Barata

Ponte da Barca, Lurdes Barata Ponte da Barca,.0.0 Lurdes Barata Índice A Economia Social O Universo O sector Cooperativo O COOPJOVEM O enquadramento O que é Para quem Em que condições Os apoios Como funciona O que se pretende/quanto

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n. o 88/

Resolução do Conselho de Ministros n. o 88/ Resolução do Conselho de Ministros n. o 88/2015 01-10-2015 Assunto: Cria a Comissão de Coordenação das Políticas de Prevenção e Combate ao Branqueamento de Capitais e ao Financiamento do Terrorismo Por

Leia mais

Apresentação e Planeamento de Atividades CPSU. Ano 2015

Apresentação e Planeamento de Atividades CPSU. Ano 2015 Apresentação e Planeamento de Atividades CPSU Ano 2015 O QUE É O CPSU CPSU Conselho Português de Saúde do Úbere Associação sem fins lucrativos Apresentação Missão Objetivos Estrutura Participação Projetos

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 072 remix Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322

Leia mais

Desafio Portugal 2020: Educação, Qualificação Profissional e Mercado de Trabalho: Impacto na Economia Portuguesa

Desafio Portugal 2020: Educação, Qualificação Profissional e Mercado de Trabalho: Impacto na Economia Portuguesa Desafio Portugal 2020: Educação, Qualificação Profissional e Mercado de Trabalho: Impacto na Economia Portuguesa Auditório da Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Torres Novas Fundos Europeus 2014-2020

Leia mais

Plano de Acção

Plano de Acção - 2 - Nota Prévia A Rede Social afirmou-se ao longo da sua criação como uma medida inovadora e com capacidade de produzir alterações positivas na intervenção social. Esta medida assumiu-se, desde início,

Leia mais

CONTEXTO. Cofinanciadores:

CONTEXTO. Cofinanciadores: PROGRAMA DE COOPERAÇÃO NA GUINÉ-BISSAU FUNÇÃO: Técnico(a) Formador(a) de Educação de Infância LOCALIZAÇÃO: República da Guiné-Bissau (Bafatá, Bissau, Canchungo e Gabú) DURAÇÃO: 12 meses (renovável): Setembro

Leia mais

COLÓQUIO SAÚDE NO TRABALHO

COLÓQUIO SAÚDE NO TRABALHO COLÓQUIO SAÚDE NO TRABALHO GESTÃO DO STRESSE E MOTIVAÇÃO STI Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos Carlos Jorge Pereira Porto 30-09-2016 ACT ACT https://www.youtube.com/watch?v=wuypuh9ojce TÍTULO DA

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Águeda PLANO DE ATIVIDADES Biblioteca Escolar 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014

Agrupamento de Escolas de Águeda PLANO DE ATIVIDADES Biblioteca Escolar 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES 2013/2014 1 DOMÍNIO A Apoio ao desenvolvimento curricular SUBDOMÍNIO: A.1. Curricular da BE com as Estruturas de Coordenação Educativa e Supervisão Pedagógica e os Docentes Escola/comunid.

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18 financiamento financiamento qualificação relações relações sector sector seguros comunicação comunicação desenvolvimento desenvolvimento legislação legislação logística keting keting keting keting mercado

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1.1. IMPLEMENTAR A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR - Aprimorar ação educativa. Otimizar o desempenho de funções de coordenação. Valorizar a centralidade da escola e do

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

Principais funções do Gestor e do Coordenador de Formação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo!

Principais funções do Gestor e do Coordenador de Formação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! Principais funções do Gestor e do Coordenador de Formação Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! ENQUADRAMENTO A formação profissional surge como um dos instrumentos indispensáveis para o

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Preâmbulo Competindo ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV), conforme art. 21º do Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, a promoção, coordenação e qualificação do voluntariado,

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

associação de pais / encarregados de educação do agrupamento de escolas do concelho de Valença do Minho Relatório de Atividades e Contas 2014/2015

associação de pais / encarregados de educação do agrupamento de escolas do concelho de Valença do Minho Relatório de Atividades e Contas 2014/2015 Relatório de Atividades e Contas 2014/2015 Com o presente relatório a Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Valença vem informar os seus associados sobre as atividades desenvolvidas

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade

Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE FERREIRA DIAS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO INTERNA DA ESCOLA Promover o sucesso educativo numa escola de qualidade 1 ÍNDICE Constituição da CAI... 3 I. Conceção

Leia mais

Implementação do PAPES (Programa de Apoio à promoção e Educação para a Saúde) Horário das docentes da Equipa da Promoção e Educação para a Saúde

Implementação do PAPES (Programa de Apoio à promoção e Educação para a Saúde) Horário das docentes da Equipa da Promoção e Educação para a Saúde INTRODUÇÃO Saúde é a capacidade de cada Homem, Mulher ou Criança para criar e lutar pelo seu projeto de vida, pessoal e original, em direção ao bem-estar. (C. Déjours) O projeto de Promoção e Educação

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2015

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2015 2015 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2015 Lisboa, 2016 Plano Nacional de Formação Financeira www.todoscontam.pt Edição Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Design, distribuição e impressão Banco de Portugal

Leia mais

Oferta de emprego. Responsável de Comunicação e Capitalização Ficha do posto - versão portuguesa

Oferta de emprego. Responsável de Comunicação e Capitalização Ficha do posto - versão portuguesa Oferta de emprego Responsável de Comunicação e Capitalização Ficha do posto - versão portuguesa Índice Descrição do posto de Responsável de Comunicação e Capitalização... 3 Processo de seleção dos candidatos...

Leia mais

Programa BIP/ZIP parcerias locais- A energia dos bairros em tempo de crise

Programa BIP/ZIP parcerias locais- A energia dos bairros em tempo de crise Programa BIP/ZIP parcerias locais- A energia dos bairros em tempo de crise Cidadania para a sustentabilidade OIDP Helena Roseta Vereadora da Habitação, CML Cascais, 3.7.2013 O conceito BIP-ZIP Lisboa é

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABINETE DO MINISTRO DE ESTADO E DAS FINANÇAS 20º Encontro de Lisboa com as Delegações dos Bancos Centrais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor Leste à Assembleia Anual do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial 04

Leia mais

XXI Conferência da Associação de Supervisões de Seguros Lusófonos

XXI Conferência da Associação de Supervisões de Seguros Lusófonos INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS FINANÇAS, MÁRIO CENTENO XXI Conferência da Associação de Supervisões de Seguros Lusófonos 7 DE JULHO DE 2017, HOTEL RITZ Senhor Presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros

Leia mais

Observatório Português dos Cuidados Paliativos

Observatório Português dos Cuidados Paliativos Observatório Português dos Cuidados Paliativos Regulamento 01-12-2015 Artigo 1º Natureza O Observatório Português dos Cuidados Paliativos (OPCP) está integrado no Instituto de Ciências da Saúde (ICS),

Leia mais

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança Breve Enquadramento O Plano Local de Promoção dos Direitos da Criança constitui o resultado do Projeto Tecer a, promovido pela Comissão Nacional de Promoção

Leia mais

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Susana Castelo TIS.pt Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 2º Workshop

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALHANDRA, SOBRALINHO E SÃO JOÃO DOS MONTES PLANO DE MELHORIA IGEC SETEMBRO DE 2013 FUNDAMENTOS DO PLANO DE MELHORIA 2013/2015 O Agrupamento assume-se como construtor de uma visão

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE APOIO À PROMOÇÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROAP)

PROGRAMA OPERACIONAL DE APOIO À PROMOÇÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROAP) PROMOÇÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROAP) 15 DE JANEIRO DE 2010 PROMOÇÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO 1. INTRODUÇÃO A Estratégia Nacional para a Segurança e Saúde no Trabalho, aprovada pela

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2017/18 financiamento financiamento geoestratégia geoestratégia geoestratégia qualificação recursos recursos recursos relações relações sector sector seguros governação governação governação governação agronegócio

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

Excelências, Exmo. Vice-Governador da Província de Luanda, Digno Presidente da ABANC Caros Convidados Minhas Senhoras e meus senhores,

Excelências, Exmo. Vice-Governador da Província de Luanda, Digno Presidente da ABANC Caros Convidados Minhas Senhoras e meus senhores, Excelências, Exmo. Vice-Governador da Província de Luanda, Digno Presidente da ABANC Caros Convidados Minhas Senhoras e meus senhores, Enquadrado nas celebrações do 35º aniversário do Banco Nacional de

Leia mais

Protocolo de cooperação para a preparação de materiais didático-pedagógicos de apoio ao Referencial de Educação Financeira

Protocolo de cooperação para a preparação de materiais didático-pedagógicos de apoio ao Referencial de Educação Financeira Protocolo de cooperação para a preparação de materiais didático-pedagógicos de apoio ao Referencial de Educação Financeira Entre: Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, composto pelas três autoridades

Leia mais

Call para Concurso Observatório para a Educação

Call para Concurso Observatório para a Educação Call para Concurso Observatório para a Educação 1. Introdução A Fundação Belmiro de Azevedo lançou, em 2016, o EDULOG, uma entidade sem fins lucrativos com o objetivo de dinamizar a discussão sobre a educação

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 051 BOUTIQUE DO BAIRRO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches 2016 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Considerando o interesse de medir com regularidade os conteúdos da Web em português de forma a ter uma informação precisa sobre a sua evolução;

Considerando o interesse de medir com regularidade os conteúdos da Web em português de forma a ter uma informação precisa sobre a sua evolução; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL em matéria de reforço

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução Procedimento simplificado para avaliação do desempenho dos docentes em regime de contrato a termo - Ano letivo 2011/2012 1. Introdução O presente documento decorre do referido no nº 5 do artigo 30º do

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES Mobilidade E COOPERAÇÃO PROGRAMA COMENIUS vai mais além NOS TEUS HORIZONTES O Programa COMENIUS A O Programa setorial Comenius, que integra o Programa Aprendizagem ao Longo da Vida (PALV), visa melhorar

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES FORMATIVAS INSTITUCIONAIS DA REDE CRC

DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES FORMATIVAS INSTITUCIONAIS DA REDE CRC DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES FORMATIVAS INSTITUCIONAIS DA REDE CRC Este questionário destina-se a efectuar um levantamento das necessidades formativas nas Organizações do território nacional que integram

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades. PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Quadriénio

Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades. PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Quadriénio Agrupamento de Escolas de Pinhal de Frades PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Quadriénio 2014-18 Aprender a ler e ler para aprender é uma questão central no ensino e na aprendizagem. Os programas e metas do

Leia mais

Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro. Projeto na área da Promoção e Educação para a Saúde

Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro. Projeto na área da Promoção e Educação para a Saúde Projeto na área da Promoção e Educação para a Saúde 2015/2018 I Diagnóstico da situação De modo a proceder a uma avaliação da Promoção e Educação para a Saúde no Agrupamento, o grupo de trabalho avaliou

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades 2014 / 2015 APAEA Índice 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 1 2. RELAÇÃO COM OS PAIS/ENCARREGADOS DE EDUCACAÇÃO E SOCIOS... 2 3. REPRESENTAÇÃO NOS ORGÃOS DO AGRUPAMENTO... 3 4. MELHORIA

Leia mais

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010

AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR. Instituto de Seguros de Portugal. 18 de Novembro de 2010 AUDIÇÃO GRUPO DE TRABALHO REGULAÇÃO DA CONCORRÊNCIA E DEFESA DO CONSUMIDOR Instituto de Seguros de Portugal 18 de Novembro de 2010 1 ÍNDICE 1. O INTERESSE DO CONSUMIDOR NA ACTUAÇÃO DO ISP 2. INICIATIVAS

Leia mais

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROJETO DE PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, A ASSEMBLEIA

Leia mais

Conhecer Melhor para Prevenir Melhor

Conhecer Melhor para Prevenir Melhor CAMPANHA IBÉRICA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO 2016/2017 Conhecer Melhor para Prevenir Melhor A CAMPANHA Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) e a Inspección de Trabajo y Seguridad Social

Leia mais