WiiSS WiFi site survey

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WiiSS WiFi site survey"

Transcrição

1 Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão Departamento de Engenharia Informática WiiSS WiFi site survey Relatório final da aplicação de Site Survey para WiFi 2007 Carlos Eduardo Moga Brotas

2 Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão Departamento de Engenharia Informática WiiSS WiFi site survey Relatório final da aplicação de Site Survey para WiFi 2007 Relatório de projecto de fim de curso apresentado na Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Beja como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Licenciado em Engenharia Informática Autor Carlos Eduardo Moga Brotas 3392 Orientador Rui Miguel Soares Silva Júri Presidente Rui Miguel Soares Silva Arguente Rui Manuel Carvalho Pais Vogal João Carlos da Silva Martins

3 Índice Geral ÍNDICE GERAL... 3 ÍNDICE DE FIGURAS... 5 SUMÁRIO... 7 DEDICATÓRIA... 9 AGRADECIMENTOS... 9 INTRODUÇÃO DESCRIÇÃO DO RELATÓRIO CAPÍTULO LOCALIZAÇÃO EM REDES WIFI TIME OF ARRIVAL TIME DIFFERENCE OF ARRIVAL RECEIVED SIGNAL STRENGTH CAPÍTULO PROCEDIMENTOS E PRODUTOS DE SITE SURVEY PROCEDIMENTOS E RECOMENDAÇÕES Posicionamento do AP para o Site Survey Realização do Site Survey Análise do Site Survey PRODUTOS DE SITE SURVEY Ekahau AirMagnet Hive Covera Zone CAPÍTULO TRABALHO DESENVOLVIDO ALTERNATIVA AO GPS Contextualização Descrição do mecanismo alternativo

4 3.1.3 Exemplo do mecanismo na aplicação CAPTURA DA POTÊNCIA DE SINAL DOS AP S Contextualização WRAPI WMI Native WiFi APLICAÇÃO DESENVOLVIDA Contextualização Aspectos Técnicos do Desenvolvimento Funcionalidade Utilização da Aplicação Manual do Interface da Aplicação Requisitos mínimos...38 CAPÍTULO TESTE EM AMBIENTE REAL CONTEXTUALIZAÇÃO SITE SURVEY AO EDIFÍCIO CLÁSSICOS DA C.M. DE BEJA Parâmetros do site survey realizado Resultados obtidos...41 TRABALHO FUTURO...45 CONCLUSÃO...47 BIBLIOGRAFIA

5 Índice de Figuras Figura 1 Imagem da localização utilizando o método ToA Figura 2 Imagem da localização utilizando o método TDoA Figura 3 Imagem da aplicação Ekahau (16) Figura 4 Imagem da aplicação AirMagnet (17) Figura 5 Imagem da aplicação Hive (18) Figura 6 Imagem da aplicação Covera Zone (19) Figura 7 Como definir a escala da planta, passo Figura 8 Como definir a escala da planta, passo Figura 9 Como definir a escala da planta, passo Figura 10 Arquitectura WMI Figura 11 Aspecto geral da aplicação WiiSS (aplicação desenvolvida) Figura 12 Inicio da aplicação Figura 13 Aplicação no modo survey, com a planta e a escala definidas, 1 AP colocados e 5 spots registados Figura 14 Aplicação no modo plot, 1 AP seleccionado e 5 spots registados Figura 15 Menu Ficheiro Figura 16 Menu Dispositivo Figura 17 Barra de Ferramentas dos AP s Figura 18 Barra de Ferramentas com informação do AP seleccionado Figura 19 Barra de Ferramentas do Survey (primeira parte) Figura 20 Barra de Ferramentas do Survey (segunda parte) Figura 21 Barra de opções do separador Plot Figura 22 Site Survey do edifício Clássicos da C.M. de Beja Figura 23 Relatório com 1 AP (mesmo modelo) Figura 24 Relatório com 1 AP de modelo diferente Figura 25 Relatório com 3 AP's do mesmo modelo Figura 26 Relatório com 4 AP s Figura 27 Relatório com 3 AP's do mesmo modelo mas com um gradiente diferente, e sem os AP's desenhados

6 6

7 Sumário Neste relatório final de curso são descritas as fases da implementação de uma aplicação de site survey para WiFi 1. Desde a análise, o desenho, a implementação até os testes em ambiente real com os seus respectivos resultados obtidos. São também elucidadas diferentes alternativas e sugestões de registo e análise de informação face às metodologias actuais. Assim como as funcionalidades e a forma de utilizar a aplicação desenvolvida neste projecto. 1 wireless fidelity 7

8 8

9 Dedicatória Dedico este trabalho a quem sempre fez de tudo para que eu apenas me tivesse que preocupar com os estudos. A quem sempre me apoiou em todas as situações. A quem nunca me disse o que fazer, mas sempre me ensinou como o fazer. A quem sempre acreditou em mim e nas minhas capacidades. Por isso e por muito mais, dedico este trabalho aos meus pais, José António Lavado Brotas e Maria de Fátima C. Moga Brotas. À minha irmã, Andreia Sofia Moga Brotas. Aos meus avós maternos, Lucília Marvão C. Moga e em especial ao meu avô Francisco José Cordeiro Moga que infelizmente já não se encontra fisicamente entre nós, mas sei que está imensamente orgulhoso de mim. Muito obrigado, por serem uma família excepcional. Agradecimentos Agradeço a todas as pessoas que directa ou indirectamente contribuíram de alguma forma para o meu sucesso durante o tempo do curso e na fase final do mesmo. Quero agradecer em especial: À minha namorada, Paula Ganhão pelo seu apoio, compreensão e paciência ao logo deste tempo. Aos meus colegas de casa, Julien Laurent, Jorge Soares e Cláudio Custódio, pela sua ajuda e motivação. Muito sinceramente sem eles tudo seria um mais difícil e menos alegre. Ao meu orientador, Rui Silva pela sua disponibilidade e pelas suas sugestões no projecto final. E também a outras pessoas como, Carlos Marques, Pedro Caixas, João Pinotes, pela vossa ajuda e disponibilidade nesta fase final. 9

10 10

11 Introdução Introdução Hoje em dia a tecnologia WiFi é considerada uma tecnologia bastante comum. Actualmente a maioria dos computadores portáteis vêm com esta tecnologia embutida de raiz, no entanto também está disponível em telemóveis, máquinas fotográficas, consolas, televisões, leitores de DVD 2, e mais dispositivos que utilizamos diariamente (1). A tecnologia WiFi permite implementar WLANs 3. Isto pode ser vantajoso quando pretendemmos reduzir os custos da implementação de uma rede com fios, ou quando se torna difícil a passagem dos próprios fios. Outra vantagem é a portabilidade, desde que tenhamos cobertura WiFi a nossa posição não tem de ser obrigatoriamente estática, temos plena mobilidade. Sendo uma tecnologia tão popular e versátil existem outras grandes vantagens tais como, a compatibilidade e a facilidade de partilhar informação e comunicação entre dispositivos de vários tipos. Muitas empresas estão a adoptar este tipo de redes WiFi em lugar das convencionais redes físicas por diversos motivos, entre os quais as suas vantagens. Para que a rede funcione a 100% entre todos os utilizadores que irão ter acesso à mesma é necessário efectuar alguns estudos no local onde se pretende implementar uma rede WiFi. A implementação de uma rede WiFi inicia-se com uma fase de planeamento designada por site survey, que consiste em determinar a localização dos pontos de acesso na área que a rede WiFi deve abranger. Esta localização é determinada com base na potência do sinal dos pontos de acesso e na sobreposição que se deseje para a rede WiFi. O procedimento mais comum nesta fase consiste em activar um ponto de acesso e seguidamente a movimentar um computador portátil com uma aplicação que indique a potência de sinal recebido pela área a abranger pela rede WiFi. Desta forma é possível observar a diminuição da potência do sinal recebido e consequentemente determinar a necessidade de existência de um novo ponto de acesso. Trata-se portanto de um procedimento repetitivo que consiste na observação da potência do sinal recebido e na recolocação do ponto de acesso, ao longo de toda a área a abranger. Pretende-se com este projecto o desenvolvimento de uma aplicação para computador em ambiente Windows, que permita visualizar em modo gráfico a potência do sinal recebido de um ponto de acesso. A aplicação funcionará em duas fases. A primeira fase consiste no 2 Digital Versatile Disc ou Digital Video Disc 3 Wireless Local Area Network 11

12 Introdução armazenamento da potência do sinal recebido conjuntamente com as respectivas coordenadas a receber de um receptor GPS 4. A segunda fase consiste na leitura dos dados recolhidos na primeira fase e na consequente activação de um pixel na planta correspondente à área a abranger pela rede WiFi. Para a resolução desde projecto, a linguagem de programação utilizada foi o C# e o IDE 5 foi o Visual Studio Para o desenho do interface foi utilizado o Corel Draw X3. O desenho da aplicação foi realizado no Enterprise Architect. A documentação da aplicação foi gerada no Doxygen. Descrição do Relatório Capítulo 1 Localização em Redes WiFi Estudo das técnicas de localização em redes WiFi, em concreto ToA 6, TDoA 7, e RSS 8. Capítulo 2 Procedimentos e Produtos de Site Survey Apresentação dos procedimentos, recomendações e alguns produtos actuais para a realização de site survey. Análise das funcionalidades dos produtos. Capítulo 3 Trabalho Desenvolvido Exposição da abordagem ao problema, soluções idealizadas e desenvolvidas. Descrição das várias bibliotecas para aceder a interfaces wireless. Informação detalhada sobre a aplicação realizada (análise, aspectos técnicos, funcionalidades, utilização). Capítulo 4 Testes em Ambiente Real Testes realizados à aplicação no edifício Clássicos de Beja, para a empresa Ubinov 9. Trabalho Futuro Ideias e sugestões para a continuação do desenvolvimento da aplicação realizada. Conclusão Análise, reflexão e conclusão do trabalho efectuado. 4 Global Positioning System 5 Integrated Development Environment 6 Time of Arrival 7 Time Difference of Arrival 8 Receive Signal Strength 9 Ubiquidade e Inovação, Lda. - Beja 12

13 Capítulo 1. Localização em redes WiFi Capítulo 1 Localização em redes WiFi Sistemas de localização em redes WiFi ou que redes sem fio que utilizam o padrão (difundido através da aliança internacional de fabricantes WECA 10, que possui 183 companhias associadas por todo o mundo e mais de produtos certificados WiFi) do IEEE 11 (2) surgem como solução à incapacidade dos sistemas existentes como o GPS de localização interior (efectuar localização dentro de edifícios, estruturas, etc.). Por outro lado a localização em redes WiFi é mais precisa que a localização por GPS, por outras palavras, a margem de erro é menor. A localização por GPS surgiu como sistema de apoio ao exército. No entanto as suas aplicações hoje em dia, tanto a localização por GPS como a localização em redes WiFi são inúmeras e aplicam-se em diversas situações, tais como, emergência, viagens, vida diária, trabalho, marketing, gestão de frotas, etc. (3) A localização em redes WiFi funciona tanto em ambientes indoor como outdoor e já provou ser exacta, de baixo custo e fácil de implementar. Existem alguns métodos de localização em redes WiFi tais como, GPS (hardware associado ao equipamento Wifi), AoA 12, ToA, TDoA, RF 13 fingerprinting, Nearest Cell entre outros. A localização em redes WiFi com GPS irá ser abordada mais à frente, neste capítulo iremos ver apenas estes métodos ToA, TDoA e RSS (utilizado pelo RF fingerprinting), pois estes são os únicos que possibilitam a localização em redes WiFi utilizando o próprio hardware sem necessidade de outros sistemas. (4) O ToA e o TDoA são baseados em diferenças de tempos. A sua forma mais simples baseia-se no tempo de propagação do sinal rádio. O que difere entre um e outro método é o quando, o onde e a forma como este intervalo de tempo é medido. O RF fingerprinting utiliza medições da potência de sinal, ao contrário dos outros dois métodos que utilizam medições de tempos. 10 Wireless Ethernet Compatibility Alliance 11 Institute of Electrical and Electronic Engineers 12 Angle of Arrival 13 Radio frequency 13

14 Capítulo 1. Localização em redes WiFi 1.1 Time of Arrival O método Time of Arrival pode ser utilizado de forma simples para determinar a posição de um dispositivo wireless. A distância entre o dispositivo wireless e o AP 14 ou WAP 15 é calculada através do tempo que o sinal de rádio leva a ir de um até o outro. A velocidade da propagação das ondas de rádio é uma constante conhecida, sabendo o tempo de chegada é possível saber a distância pela fórmula: Onde d i é a distância, v p é a velocidade da propagação e t i é a diferença de tempo entre a emissão e a recepção de um beacon de rádio. Para a localização de um dispositivo wireless, consideremos vários AP s e as possíveis localizações do dispositivo que são dadas pela circunferência de raio d i para cada AP. Figura 1 Imagem da localização utilizando o método ToA A posição do dispositivo é dada pela intersecção de todas as circunferências. São necessários pelos menos três AP s para que este método possa ser utilizado. Existem alguns problemas associados com este método, entre os quais, a necessidade de se saber exactamente o momento em que o sinal foi enviado e recebido, o tempo de processamento do sinal varia de dispositivo para dispositivo e de AP para AP, isso pode causar erros na determinação da localização do dispositivo. 14 Access Point 15 Wireless Access Point 14

15 Capítulo 1. Localização em redes WiFi 1.2 Time Difference of Arrival O método Time Difference of Arrival também conhecido como hyperbolic position location assenta no conceito de multilateration. O TDoA mede a diferença de tempo de um sinal emitido entre o dispositivo wireless e vários AP s. Um sinal emitido desde um dispositivo wireless para três ou mais APs é recebido em tempos diferentes, isto devido às diferenças que separam o dispositivo dos AP s ser diferente. Ao utilizar uma diferença de tempos podemos calcular as possíveis localizações do dispositivo. O grupo destas possíveis localizações tem a forma de uma hipérbole e é descrita por uma função hiperbólica. Por exemplo se um dispositivo enviar um beacon e for recebido pelo AP 1 com um tempo T1 e pelo AP 2 com um tempo T2 a diferença do tempo é dada por: TDoA 12 pode ser usada para construir para hipérbole que representa as possíveis localizações do receptor, através da fórmula: Onde D x1 e D x2 representam a distancia entre o AP 1 e o dispositivo. A constante p 12 (n) permite construir a hipérbole, onde cada ponto representa uma possível localização do dispositivo. Ao adicionar um AP 3, é possível traçar uma segunda hipérbole dada por: Com um mínimo de três AP s é possível determinar a localização do dispositivo wireless pelo cálculo da intersecção das hipérboles (para cada diferença de tempo). 15

16 Capítulo 1. Localização em redes WiFi Figura 2 Imagem da localização utilizando o método TDoA Quantos mais AP s forem utilizados, mais hipérboles se podem calcular e tornar a localização mais precisa e exacta. Este método utiliza tempos relativos em quanto o ToA utiliza tempos absolutos, no entanto o TDoA tem os mesmo requisitos que o ToA a nível da sincronização dos tempos. Estes dois métodos requerem uma infra-estrutura especial para funcionarem correctamente. Numa WLAN os AP s teriam de estar equipados com módulos para receberem e calcularem diferenças de tempos. 1.3 Received Signal Strength O RSS é utilizado no método RF fingerprinting, este método, ao contrário do ToA e do TDoA não utiliza medidas de tempos, mas sim a potência do sinal para calcular a localização do dispositivo. Para utilizar o RF fingerprinting na sua vertente empírica é necessário efectuar um levantamento de toda a área que pretendem-mos monitorizar. Para cada localização são efectuados diversos registos de potência de sinal, esta fase denomina-se de calibração (este é um processo idêntico ao de site survey). Na sua vertente determinista o RF fingerprinting recorre a princípios físicos para calcular a propagação do sinal. Existem várias aproximações no que diz respeito a expressões para calcular a propagação do sinal. A relação em decibéis entre a força do sinal no dispositivo e a distancia ao AP é dada por: Onde L p representa a intensidade do sinal recebido e L 0 a intensidade do sinal a um metro do emissor, X representa uma variável aleatória de distribuição normal diferente de zero, α 16

17 Capítulo 1. Localização em redes WiFi representa o gradiente distância/potência (para ambientes outdoor α = 2, para ambientes indoor α está dependente da geometria e das características físicas do meio envolvente). No caso da potência de transmissão do emissor ser conhecida podemos utilizar a seguinte aproximação do modelo de propagação em espaço aberto: A perda de sinal é dada por PL e depende da frequência utilizada entre o dispositivo wireless e o AP. A distancia total entre os dispositivos é dada por: Calcular apenas a perda de sinal não é suficiente, visto que o dispositivo apenas é capaz de saber a potência do sinal. Para calcular a distancia o dispositivo wireless precisa de saber a potência de sinal e também a potência de transmissão. Uma forma mais completa de determinar a distância entre o AP e o dispositivo wireless é: Onde P RX e P TX representam a potência de recepção e transmissão respectivamente, G TX e G RX representam os ganhos na transmissão e recepção e D a distância. Se estas variáveis forem conhecidas a distância é calculada da seguinte forma: Para uma localização mais exacta e precisa ao utilizar o modelo de propagação em espaço aberto é necessário adicionar mais AP s para ser possível construir mais circunferências de raio D. A intersecção de todas as circunferências irá indicar a localização do dispositivo wireless. Para espaços fechados estes métodos de propagação não poderão ser correctamente aplicados, pois não têm em conta as características e as formas dos materiais e dos objectos do cenário. 17

18 18 Capítulo 1. Localização em redes WiFi

19 Capítulo 2. Procedimentos e Produtos de Site Survey Capítulo 2 Procedimentos e Produtos de Site Survey 2.1 Procedimentos e Recomendações Antes de instalar e configurar um AP ou uma rede de AP s dever ser realizado o site survey onde pretendemos implementar a rede. O site survey permite obter informação detalhada sobre a área de cobertura, fontes de interferências, onde colocar devidamente os equipamentos wireless, considerações a ter em conta a respeito de fontes de electricidade e também nos ajuda a identificar e resolver constrangimentos que possam surgir no sinal RF nas nossas instalações. Em resumo o site survey consiste em utilizar um AP e um cliente para registar a potência de sinal na área pretendida. Utilizar o AP e o cliente por diversas posições para determinar quais as localizações ideais onde colocar os AP s para a implementação da WLAN. (5) Posicionamento do AP para o Site Survey Ao efectuar o site survey deve-se colocar o AP perto do último local onde seria possível colocar o mesmo. Isto ajuda a resolver problemas que possam surgir depois de colocar o AP na sua localização definitiva. Na maioria dos casos o AP deve ser colocado perto do tecto. Em armazéns ou instalações com tectos altos, o AP deve ser colado entre os 4,5 e os 7,5 metros de altura. Com estas alturas é possível que surjam problemas de ausência de pontos de electricidade, nestes casos é aconselhável utilizar PoE 16. Em outros cenários pode ser desejado esconder o AP, se se optar por colocar o AP por cima de um tecto falso as antenas deverão ser colocadas debaixo do tecto para garantir uma óptima recepção, para estes casos é aconselhável utilizar AP s com a possibilidade de ligar antenas externas. 16 Power over Ethernet 19

20 Capítulo 2. Procedimentos e Produtos de Site Survey Realização do Site Survey Para a realização do site survey podemos optar por um portátil, ou um palmtop, ou qualquer outro dispositivo específico para site survey, desde que tenham WiFi. Depois de escolhido o dispositivo basta deslocar-se por toda a área onde a WLAN vai funcionar e registar informação sobre a potência de sinal do AP posicionado. Reposicionar o AP para a nova localização quando efectuar um registo onde não exista potência de sinal nesse mesmo local, efectuar este passo repetidamente até concluir o número total de AP s que são necessários e as suas respectivas localizações. Ao efectuar o site survey devemos ter em atenção estas situações: Chãos de madeira podem causar interacção de andar para andar entre AP s. Devemos pensar em 3 dimensões. Escolher correctamente o canal para os AP s entre andares adjacentes. As portas devem estar fechadas antes de começar o site survey. Desta forma iremos visualizar a performance da WLAN a funcionar como no dia-a-dia real. Persianas metálicas devem estar fechas, pois alteram a qualidade do sinal Análise do Site Survey Depois de registada toda a informação do AP em várias localizações e de todos os pontos em relação ao AP, é tempo de analisar o mapa de valores da potência de sinal face á planta das instalações. Nesta fase é possível identificar zonas com má qualidade de recepção, possíveis zonas de interferências, etc. Para resolver estes constrangimentos pode-se reposicionar o AP ou inclusive experimentar com um AP diferente e/ou antena diferente. No caso de interferências só o reposicionamento não resolve a situação, é necessário utilizar um analisador de espectro para identificar quais as frequências que estão a causar a interferência. 2.2 Produtos de Site Survey Existem vários softwares no mercado que possibilitam o site survey, uns utilizam formas empíricas, outros, formas deterministas e também há os que utilizam ambas. A continuação estão enumerados alguns dos produtos e respectivas características, alguns foram utilizados como modelos para a engenharia de requisitos. 20

21 Capítulo 2. Procedimentos e Produtos de Site Survey Ekahau As características deste são: Suporte total para a/b/g. Predição de cobertura. Suporte GPS para surveys outdoor. Análise de cobertura, SNR 17, velocidade de transmissão. Overlap. Ferramentas para optimização da performance da rede. Simulações informativas. Localização de AP s. Combinação de predição e dados recolhidos. Interface intuitivo e simples de utilizar. Figura 3 Imagem da aplicação Ekahau (16) AirMagnet Figura 4 Imagem da aplicação AirMagnet (17) As características deste são: Realizar surveys passivos e activos. Visualizar resultados combinados. Realização de Simulações. Visualizar diferenças entre surveys. Maximizar a segurança. Realizar testes na rede. Relatórios Profissionais. Realizar análise detalhada de espectro. Visualizar mistura de sinal entre andares. Realizar surveys outdoor. 17 Signal-to-noise ratio 21

22 Capítulo 2. Procedimentos e Produtos de Site Survey Hive Figura 5 Imagem da aplicação Hive (18) As características deste são: Criar plantas de raiz ou desde outros ficheiros existentes. Definir objectos para colocar na planta. Importar plantas e surveys existentes. Plot surveys em tabelas múltiplas ou várias janelas gráficas. Plot coberturas por AP ou grupos de AP s. Imprimir e exportar plots ou dados de tabelas para Excel. Criar ficheiros RTF para importar no Word Covera Zone As características deste são: Realizar surveys passivos. Relatório em tempo real da potência de sinal. Medições de IP 18 Capturar toda informação com um clique. Importar imagens de mapas (JPEG, GIF, PNG, BMP). Suporte para GPS. Várias visualizações da mesma informação. Plot de linhas de contornos. Escala de cores automática ou manual. Figura 6 Imagem da aplicação Covera Zone (19) 18 Internet Protocol address 22

23 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Capítulo 3 Trabalho Desenvolvido 3.1 Alternativa ao GPS Contextualização Neste projecto um dos dois grandes requisitos iniciais é registar a posição de cada leitura efectuada à potência de sinal através de GPS. No entanto não foi possível utilizar esta tecnologia, pois o GPS não fornece cobertura indoor e o que é pretendido com a aplicação realizada neste projecto é que se possa fazer o site survey que qualquer instalação/edifício para implementar WLANs. Face a este constrangimento foi necessário idealizar numa alternativa. A primeira alternativa para conservar a autonomia da aplicação como se utilizasse GPS foi recorrer ao método ToA para registar a localização do dispositivo wireless em quanto o mesmo regista as potências de sinal dos AP s. No entanto esta abordagem falha em alguns aspectos. Não seria possível efectuar site surveys com um número inferior a três AP s. Mesmo utilizando três ou mais AP s ficamos impossibilitados de posicionar os AP s livremente na instalação/edifício, pois ao tentar registar uma leitura da potencia de sinal e o dispositivo wireless se encontrar fora da triangulação entre os AP s não vai ser possível determinar a localização do mesmo. A segunda alternativa a mais viável e a que foi implementada neste projecto, é dar a possibilidade ao utilizador de ser ele a registar a sua posição física face à planta da instalação/edifício Descrição do mecanismo alternativo O mecanismo implementado consiste em facultar ao utilizador uma forma de poder definir a escala da planta. Assim que a escala está definida é possível situar e localização qualquer ponto real dentro da mesma. A aplicação faculta ajudas para o registo dos pontos, como o step ratio, o recurso de uma grid para registar os pontos de uma forma sequencial e alinhada. 23

24 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Para registar os valores da potencial de sinal correctos face á sua localização, o utilizador deve situar-se com o dispositivo wireless (portátil com a aplicação a correr e escala definida na planta) e clicar no ponto da planta onde se encontra na realidade. Ao efectuar esse processo está a indicar à aplicação a localização do dispositivo wireless para que a mesma registe a sua posição e a potência de sinal recebida naquele ponto. Desta forma simples não é necessária a utilização de hardware próprio (GPS) ou outros sistemas q tenham requisitos e especificações próprias como ToA ou TDoA. Como o principal objectivo não é a localização apenas, mas sim a potência de sinal face á posição, este é o mecanismo mais simples, rápido e preciso de efectuar o site survey Exemplo do mecanismo na aplicação Figura 7 Como definir a escala da planta, passo 1 Figura 8 Como definir a escala da planta, passo 2 Com este passo é indicado à aplicação a distancia no eixo X em número de pixéis. De seguida surge uma janela onde se pode indicar a que distancia real equivale a distância que foi definida na planta assim como as suas unidades. Figura 9 Como definir a escala da planta, passo 3 24

25 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido 3.2 Captura da Potência de Sinal dos AP s Contextualização Como a aplicação foi desenvolvida em C# apenas vão ser descritas formas compatíveis com esta linguagem de programação de aceder à informação das placas de rede WiFi. Embora estas metodologias sejam também compatíveis com outras linguagens de programação. Durante a realização da aplicação, a forma de acesso ao hardware (IEEE hardware wireless) foi alterada três vezes, pois surgiram algumas falhas no que diz respeito ao acesso da informação WiFi (placas WiFi, AP s, potências de sinal, etc.). A primeira implementação foi realizada através de NDIS 19 / WRAPI 20, a segunda através do WMI 21 e a última com Native WiFi WRAPI WRAPI é uma biblioteca que permite consultar informação sobre redes IEEE As funções WRAPI obtêm a informação sobre WLANs utilizando o protocolo NDISUIO 22. Para que a biblioteca possa funcionar na aplicação é necessário desactivar o serviço WZC 23. Este é normalmente iniciado ao mesmo tempo que o windows é iniciado. Este serviço proporciona configurações para dispositivos wireless e também para redes WiFi. O serviço liga-se automaticamente ao NDISUIO e não possibilita a utilização do protocolo a outras aplicações/bibliotecas. (6), (7), (8) Os requisitos para a utilização desta biblioteca são os seguintes: Uma placa de rede sem fios (IEEE ) Processador x86 Windows XP Windows XP miniport drivers para NIC 24 Windows XP DDK Network Driver Interface Specification 20 Wireless Research API 21 Windows Management Instrumentation 22 NDIS User Mode I/O Protocol 23 Wireless Zero Configuration 24 Network Interface Card 25 Driver Development Kit 25

26 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido No entanto ao efectuar testes com esta biblioteca, mesmo com o WZC desactivado surgiram problemas na concorrência ao hardware, isto é, não era possível aceder à placa de rede wireless porque já estava a ser utilizada, mesmo verificando que nenhuma outra aplicação a estava a utilizar. Por esse motivo não foi utilizada esta biblioteca WMI O WMI é uma tecnologia que permite a manipulação de informação para a gestão e controlo de redes corporativas. Esta tecnologia é distribuída como um componente do Windows 2000 e Windows XP. O WMI baseia-se na iniciativa WBEM 26, esta iniciativa da indústria pretende o desenvolvimento de tecnologias standart para a gestão de informação em ambientes corporativos. O WMI permite que a gestão seja feita através de uma interface simples, orientada a objectos e extensível. (9), (7), (10) Figura 10 Arquitectura WMI Ao deixar de lado a biblioteca WRAPI no desenvolvimento da aplicação, foi testado o uso do WMI para aceder à informação do hardware. O WMI não oferece compatibilidade com todas as placas WiFi existentes no mercado. Foram testadas 8 placas WiFi (internas, usb, pcmcia, de diferentes fabricantes) e das 8 apenas 3 funcionaram com o WMI. No que diz respeito ao acesso 26 Web-Based Enterprise Management 26

27 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido à informação das redes WiFi através do WMI, a informação apenas estava correcta nos objectos do WMI para a primeira rede WiFi encontrada, nas restantes as informação estava corrupta, isto no caso da utilização de mais do que um AP. Tendo em conta estas falhas, a possibilidade de utilizar o WMI para o site survey também foi deixada de lado Native WiFi A API 27 Native WiFi contem funções estruturas e enumeradores que suportam a ligação e a gestão de WLANs. A API pode ser utilizada tanto para redes do tipo infra-estrutura como do tipo ad-hoc. O propósito desta API è apenas o de gerir as ligações e os perfis das WLANs. O Native WiFi só está disponível para o Windows XP SP2 28 e para o Vista. Ao contrário das outras abordagens, o Native WiFi suporta todas as placas de rede sem fios existentes no mercado, assim como todos os tipos de AP s e o acesso à informação das WLANs é correcto e exacto. Nos testes realizados esta API revelou ser bastante correcta e funcional. Embora a sua utilização esteja limitada a apenas a dois sistemas operativos e seja necessário um update especifico para o XP SP2 (KB918997), tento em conta as suas características e face aos testes realizados é a melhor opção para a implementação da aplicação de site survey. (11), (12), (13), (14), (15) 3.3 Aplicação Desenvolvida Contextualização Como já referido anteriormente a aplicação foi desenvolvida no Visual Studio 2005 na linguagem C#. A decisão de utilizar este ambiente e esta linguagem vêm da necessidade de aceder ao hardware do sistema para recolher informação e da necessidade de utilizar componentes gráficos para expor de uma forma fácil e intuitiva a informação recolhida e processada. Antes do começo da implementação foi analisado todo o processo de site survey, assim como as aplicações do mercado referidas no capítulo 2. Com o objectivo de tentar encontrar formas de simplificar e aportar novas ideias para melhorar a análise de redes WiFi, foi efectuado o 27 Application programming interface 28 Service Pack 2 27

28 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido levantamento de mais requisitos para além dos dois principais do objectivo deste projecto (registo da posição e da potência de sinal de um AP). Com engenharia de requisitos muitos foram identificados e implementados na aplicação. A funcionalidade e parte lógica da aplicação implementada provêm de toda a fase de análise e optimização realizada. Vários critérios foram tomados em consideração no que diz respeito ao interface, à sua navegação e usabilidade. Assim como novas ideias e sugestões para efectuar o site survey. A figura abaixo mostra o aspecto geral da aplicação quando é iniciada. Figura 11 Aspecto geral da aplicação WiiSS (aplicação desenvolvida) 28

29 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Aspectos Técnicos do Desenvolvimento O desenvolvimento da aplicação foi dividido nas nove fases seguintes: 1) Planeamento. 2) Engenharia de requisitos. 3) Desenho do interface. 4) Implementação das funcionalidades primárias. 5) Implementação de componentes específicos para a divisão e encapsulamento das funcionalidades. 6) Ligação do interface com as funcionalidades primárias e os componentes específicos, tudo numa só aplicação central. 7) Implementação de funcionalidades secundárias e optimizações. 8) Depuração, testes e correcção de bugs. 9) Testes em ambiente real com utilizadores finais. Planeamento Como referido anteriormente, o planeamento consistiu em identificar o que era necessário para a implementação, estudar as tecnologias existentes, decidir sobre que metodologias utilizar, que aplicações utilizar para cada fase do desenvolvimento. Engenharia de Requisitos Também como já referido anteriormente, nesta fase foram estudadas as outras aplicações já existentes no mercado. As suas funcionalidades, capacidades e limitações foram analisadas. Foram levantados os novos requisitos para além dos principais que eram: Registo da localização do dispositivo wireless Registo da potência de sinal em cada localização indicada Os requisitos identificados e implementados irão ser expostos mais à frente. Nesta fase foi também desenhada a aplicação no Enterprise Architect (classes, métodos, etc.). Desenho do Interface O interface foi desenhado tento em conta o estudo realizado às outras aplicações e tendo em conta as abordagens de simplificação e usabilidade. Para o desenho foi utilizado o Corel Draw X3. 29

30 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Implementação das funcionalidades primárias Nesta fase já foi utilizado o Visual Studio Foram realizadas 2 aplicações, uma para registar posições específicas face a uma planta com a sua escala e medidas reais e outra para fazer a comunicação com as placas WiFi, posterior identificação e registo de informações das WLANs. Implementação de componentes específicos Foram criados dois componentes (User Control). Concretamente um SurveyMap, este é quem se encarrega de registar a posição dos AP s e toda a informação dos survey spots (pontos de registo de potências de sinais) e um PlotMap, a função desde componente é de criar os gráficos e expor de a informação do survey. Ligação do interface com as funcionalidades primárias e os componentes específicos Nesta fase foi criada uma aplicação principal, foi desenvolvido o interface projectado e foram feitas todas as ligações entre o interface as funcionalidades primárias aos componentes. Implementação de funcionalidades secundárias e optimizações Já nesta fase foram implementadas as restantes funcionalidades, umas também essenciais para o correcto funcionamento aplicação e outras para simplificação e ajuda do processo de survey. Depuração, testes e correcção de bugs Foram realizados testes exaustivos à aplicação para identificar falhas e erros no funcionamento da aplicação. Alguns erros graves foram identificados e corrigidos. Assim como também foram identificadas e implementadas formas de optimização para a aplicação. Testes em ambiente real com utilizadores finais Nesta última fase a aplicação foi utilizada pela empresa Ubinov na realização do site survey do edifício Clássicos de Beja. Os resultados são expostos mais à frente neste relatório. 30

31 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Funcionalidade As principais funcionalidades e características da aplicação são: Survey de um ou vários AP s em simultâneo. Suporta plantas em BMP, JPEG, GIF, TIF e PNG. Permite escalar a planta escolhida em vários tipos de unidades. Compatível com todas as placas wireless. Compatível com o Windows XP SP2 e o Vista. Grelha para simplificar e alinhar os pontos registados. Visualização de todos os AP s disponíveis e as suas potências de sinal actual. Tamanho dos pontos personalizado. Intervalo de leitura de sinal personalizado. Salva e lê informação de ficheiros XML. Gráficos personalizados. Gráficos com diferentes configurações de AP s. Escala de pontos personalizada (step ratio). Estilo de pontos personalizado (quadrados ou círculos) Gradiente de potência de sinal personalizado. Transparência da planta personalizada. Diversas hipóteses de gráficos. Desenhar ou não os AP s. Desenhar ou não os centros dos pontos. Desenhar ou não a potência de sinal dos pontos. Sobrepor ou não a informação da potência de sinal dos pontos no gráfico. Relatórios personalizados. Permite criar relatórios em tempo real para JPEG. Opções para a criação dos relatórios. Incluir ou não o gradiente actual da potência de sinal e a respectiva escala da planta. Incluir ou não a informação dos AP s (SSID) assim como a sua localização na planta. Incluir ou não a data e hora do sistema ao ser gerado o relatório. Informação em tempo real da posição do rato na planta face à localização nas medidas reais da planta. Informação em tempo real do número de AP s e do número pontos registados no survey. 31

32 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Esta aplicação permite efectuar o site survey da forma tradicional, no entanto foram introduzidos novos conceitos para uma realização de site survey mais cómodo e com mais vantagens a nível de análise de resultados. Como a parte do site survey em campo é bastante cansativa e demorada quando efectuada com um AP apenas, foi explorada a possibilidade de recorrer a tantos AP s como queiramos. Ao contrário de utilizar apenas um AP e andar com o portátil por vários caminhos nas instalações/edifício a registar o sinal até registar-mos a perda do mesmo, reposicionar o AP nesse local e continuar a partir desse ponto. Podemos analisar a planta e identificar pela área quantos AP s poderemos necessitar, posicionar os mesmos nas instalações e depois efectuar o survey. Como a aplicação possibilita construir gráficos com um AP, um conjunto de AP s ou todos os AP s, é fácil identificar depois a configuração óptima dos AP s para uma cobertura total. A forma mais optimizada para esta abordagem é a colocação de um AP em cada divisão e fazer um único site survey. Com os resultados registados, depois podem-se efectuar diversas hipóteses de cobertura, entre os vários AP s. Por exemplo, vamos supor que temos um andar com 10 divisões. Colocamos um AP em cada divisão. Efectuamos o survey com a aplicação. Na parte do plot depois podemos ver o gráfico da cobertura de todos os AP s em conjunto, ou então verificar por exemplo como é a cobertura apenas com os AP s 1,4,6, ou com qualquer outra combinação de AP s. Da forma tradicional se pretender-mos visualizar o que acontece quando colocamos o AP noutra localização, temos de voltar a efectuar todos os caminhos nas instalações/edifício para observar o resultado, o que se torna fisicamente desgastante, monótono e cansativo. Desta nova forma a parte de site survey em campo não se torna tão cansativa fisicamente e possibilita uma rapidez muito superior a nível do processo total de site survey. Outra inovação é a utilização de XML para armazenar os site survey s, isto possibilita a extrema portabilidade, por outras palavras, podemos ter uma página web que faça a interpretação do ficheiro XML e disponha no browser os resultados obtidos no campo para visualização remota e sem a necessidade da aplicação. Não esquecendo também que a utilização dos ficheiros XML possibilita a pausa do site survey e a sua posterior continuação. A grelha também é uma ajuda bastante importante no site survey, com ela podemos definir a distância que vamos utilizar para efectuar o survey entre os pontos. Isto facilita a organização do survey assim como a visualização da cobertura total gerada posteriormente no gráfico. 32

33 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Utilização da Aplicação A aplicação é composta por três partes gerais, o Survey, o Plot, e as barras dos menus. No Survey é onde se vai registar a localização dos AP s e todos survey spots (localização e potência de sinal de cada AP colocado na planta). No Plot é onde são gerados os gráficos face às leituras efectuadas no Survey. Os menus contêm as funcionalidades e comandos da aplicação. Em resumo o funcionamento geral da aplicação é o seguinte: 1. Abrir a aplicação, a placa de rede wireless é seleccionada automaticamente pela aplicação, caso o computador tenha mais do que uma, é seleccionada automaticamente a primeira que a aplicação encontrar. É possível alterar a placa de rede seleccionada através do menu Device. Os AP s são pesquisados assim que a placa de rede é seleccionada. Os AP s disponíveis são listados na seguinte caixa de selecção de Access Point. 2. Optar por começar um projecto novo ou abrir um existente. 3. No caso de um projecto novo, clicar no botão Load Image Map, escolher a imagem da planta onde vamos efectuar o site survey e definir a escala da planta. 4. No caso de um projecto existente continuar o survey ou então analisar os gráficos. 5. Depois de definida a escala da planta colocar na planta o AP ou AP s sobre os quais o site survey vai incidir. Este passo faz-se ao clicar no botão Set Access Points, seleccionar o AP que se pretende colocar e por ultimo clicar na localização da planta onde o AP se encontra na realidade. Para os seguintes AP s, basta seleccionar o novo AP a colocar e clicar na sua localização. 6. É conveniente decidir previamente a distância entre os survey spots, isto é, definir a distância que vamos utilizar para efectuar as leituras das potências de sinal. Vamos supor que decidimos efectuar leituras de metro em metro, e vamos assumir que na escala da nossa planta cada metro são 50 pixéis. Definimos o Grid Step para 50 e clicamos no botão Draw Grid. Vamos visualizar uma grelha por toda a nossa planta em que cada survey spot é a intersecção das linhas verticais com as horizontais, desta forma temos a certeza que fazemos leituras de metro em metro. 7. Decidimos também quantas medições de potência queremos efectuar a cada AP em cada ponto. Como a potência de sinal varia ao longo do tempo, é aconselhável efectuar várias leituras no mesmo ponto a cada AP, a aplicação regista essas leituras e efectua a média aritmética das mesmas, calculando assim a potencia média do sinal de cada AP naquele ponto. O número de medições é definido na caixa de selecção Survey Steps. Vamos supor que escolhemos 5, isto significa que a aplicação vai registar 5 medições a cada AP por ponto. 33

34 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido 8. Para iniciar o nosso site survey basta clicar no botão Survey Spots, posicionarmo-nos na planta real onde pretendemos efectuar a leitura e clicar na planta da aplicação no mesmo ponto face à nossa localização actual. 9. A aplicação vai iniciar o registo da informação consoante as nossas escolhas. 10. Depois de recolhida a informação de um ponto basta repetir o processo. Efectuar a deslocação para a nossa posição, e voltar a clicar na planta da aplicação na respectiva posição. Repetir este passo até o site survey estar completo. 11. Clicar no separador Plot para construir os gráficos que pretendemos a respeito do site survey efectuado. Existem várias opções para esta funcionalidade. Irão ser descritas na próxima secção. No caso de haver mais do que um registo de potência de sinal para cada ponto, ao gerar o gráfico a aplicação desenha a maior potência de sinal naquele ponto entre os AP s escolhidos para o gráfico Manual do Interface da Aplicação Figura 12 Inicio da aplicação 34

35 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Figura 13 Aplicação no modo survey, com a planta e a escala definidas, 1 AP colocados e 5 spots registados Figura 14 Aplicação no modo plot, 1 AP seleccionado e 5 spots registados 35

36 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Figura 15 Menu Ficheiro Figura 16 Menu Dispositivo Figura 17 Barra de Ferramentas dos AP s 36

37 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Figura 18 Barra de Ferramentas com informação do AP seleccionado Figura 19 Barra de Ferramentas do Survey (primeira parte) Figura 20 Barra de Ferramentas do Survey (segunda parte) 37

38 Capítulo 3. Trabalho Desenvolvido Figura 21 Barra de opções do separador Plot Requisitos mínimos Para correr a aplicação no Windows Vista basta apenas ter instalada a Framework 2.0. No caso do Windows XP SP 2, é necessária a Framework 2.0, o update KB e a biblioteca msxml6. 38

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

BREVE MANUAL WIRELESS

BREVE MANUAL WIRELESS BREVE MANUAL WIRELESS Introdução O Projecto Municipal Seixal Digital pretende dotar o município do Seixal de equipamentos e infraestruturas que permitam o acesso às tecnologias de informação e comunicação.

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Sem fios (somente em alguns modelos)

Sem fios (somente em alguns modelos) Sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation nos EUA. Bluetooth

Leia mais

MANUAL WIRELESS DOS PONTOS MUNICIPAIS DE BANDA LARGA

MANUAL WIRELESS DOS PONTOS MUNICIPAIS DE BANDA LARGA MANUAL WIRELESS DOS PONTOS MUNICIPAIS DE BANDA LARGA Introdução O Projecto Municipal dos Pontos Municipais de Banda Larga (PMBL) pretende dotar o Município de Almeida de equipamentos e infra-estruturas

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

Cartão PC para LAN sem fios

Cartão PC para LAN sem fios Cartão PC para LAN sem fios AWL-100 Manual do utilizador Versão 1.1 Junho de 2002 i Aviso I Declaração de copyright Este manual não pode ser reproduzido sob nenhuma forma, por quaisquer meios ou ser utilizado

Leia mais

SISTEMA DE POSICIONAMENTO LOCAL BASEADO EM REDES WI-FI

SISTEMA DE POSICIONAMENTO LOCAL BASEADO EM REDES WI-FI SISTEMA DE POSICIONAMENTO LOCAL BASEADO EM REDES WI-FI Pedro Claro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Universidade de Aveiro 4 de Janeiro de 27 1 1 Introdução 6 Conclusões 2 1

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

ConfigFree - Gestão simplificada de ligações

ConfigFree - Gestão simplificada de ligações ConfigFree - Gestão simplificada de ligações As ligações sem fios tornaram-se essenciais no estabelecimento de comunicações em qualquer parte em qualquer momento, permitindo aos utilizadores manterem-se

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Site Survey (Indoor)

Site Survey (Indoor) Comunicações Móveis Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Site Survey (Indoor) 6 de Junho de 2003 Ricardo Oliveira rmpoliveira@portugalmail.pt

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos)

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca comercial registada da Microsoft Corporation nos EUA.

Leia mais

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. CONTROLOS GERAIS DO WINDOWS 4 3.1 ESTRUTURA HIERÁRQUICA 4 3.2 CONTROLO DE DATA 5 4. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 8 5. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Resumo Apresentação : Orador

Resumo Apresentação : Orador Resumo Apresentação : Orador Formador Sénior (1999-2010) CCSI - Certified Cisco System Instructor CCNA Security, Voice, Wireless CCDA, CCDP, CCNP, CCIP, CCSP IPS, NAC, Firewall, Wireless Specialist Coordenador

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

Wireless Mapping Geração de mapas de cobertura

Wireless Mapping Geração de mapas de cobertura Wireless Mapping Geração de mapas de cobertura Alexandre Manuel Fabião Gonçalves Ramos Daniel Filipe da Silva Ramos 16 Julho 2004 IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO Este documento é o relatório de estágio do projecto

Leia mais

Mestrado em Engª de Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008)

Mestrado em Engª de Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008) Mestrado em Engª de Redes de Comunicações Redes de Comunicações Móveis Trabalho de Laboratório (2007/2008) 2007-10-18 Configuração, caracterização, desempenho e limitações de redes sem fios IEEE802 Objectivo

Leia mais

Manual de actualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53

Manual de actualização passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Manual de passo a passo do Windows 8 CONFIDENCIAL 1/53 Índice 1. 1. Processo de configuração do Windows 8 2. Requisitos do sistema 3. Preparativos 2. Opções de 3. 4. 5. 6. 1. Personalizar 2. Sem fios 3.

Leia mais

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Versão I POR Definições de notas Ao longo deste manual do utilizador, é utilizado o seguinte estilo de nota: especifica o ambiente operativo,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

Manual de procedimentos para ligação à rede sem fios minedu

Manual de procedimentos para ligação à rede sem fios minedu 1 - Configuração no Windows Vista Exemplo de configuração de 802.1x com Certificados de Servidor para o Windows Vista. Antes de iniciar os passos de configuração, verifique se tem a placa Wireless ligada,

Leia mais

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Objectivos: Criar uma base de dados vazia. O Sistema de Gestão de Bases de Dados MS Access Criar uma base dados vazia O Access é um Sistema de Gestão de Bases

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Excel 2010 Colecção: Software

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Manual de Comunicações de Rede & Internet

Manual de Comunicações de Rede & Internet Manual de Comunicações de Rede & Internet PCs empresariais Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações incluídas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. WinREST Sensor Log A Restauração do Séc. XXI WinREST Sensor Log Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. 2 WinREST Sensor Log Índice Índice Pag. 1. WinREST Sensor Log...5 1.1. Instalação (aplicação ou serviço)...6

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Monitor de Publicidade. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Monitor de Publicidade. v2011 Manual Avançado Monitor de Publicidade v2011 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. HARDWARE... 3 1 4. DEFINIÇÃO... 4 b) Definição dos monitores... 4 c) Definições ZSRest... 4 d) Aspecto Monitor... 5 i. Sim 5

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

Guia de Rede MediCap USB300

Guia de Rede MediCap USB300 Guia de Rede MediCap USB300 Aplica-se às versões de firmware 110701 e mais recentes 1 Introdução... 2 Instruções Preliminares... 2 Como Configurar o Acesso Através da Rede ao Disco Rígido do USB300...

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO SANTARÉM MINEDU

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO SANTARÉM MINEDU ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO SANTARÉM MINEDU Manual de configuração da rede sem fios 1 - Configuração do cliente para Windows Exemplo de configuração de 802.1x com Certificados de Servidor para

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice Manual de Iniciação BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 a) BackOffice:... 4 b) Acesso BackOffice:... 4 4. Zonas... 6 c) Criar Zona:... 7 d) Modificar Zona:... 8 e) Remover

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Ensino Regular Diurno Disciplina: T.I.C. Professores: Margarida Afonso Curso Profissional - Técnico de Auxiliar de Saúde Ano: 10.º Turma(s): TAS MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO OBJECTIVOS Indicar as principais

Leia mais

Localização Geográfica no Google Maps com o Auxílio de Redes Wireless

Localização Geográfica no Google Maps com o Auxílio de Redes Wireless Localização Geográfica no Google Maps com o Auxílio de Redes Wireless Henrique G. G. Pereira 1, Marcos L. Cassal 1, Guilherme Dhein 1, Tarcízio R. Pinto 1 1 Centro Universitário Franciscano (UNIFRA) Rua

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 14 1999 27 3 - MANUAL DO UTILIZADOR Diogo Mateus 3.1. REQUISITOS MÍNIMOS * Computador Pessoal com os seguintes Programas * Microsoft Windows 95 * Microsoft Access 97 A InfoMusa

Leia mais

FICHA DE CURSO. 1. Designação do Curso: 2. Denominação do Diploma ou Certificado. 3. Objectivos Gerais e Enquadramento: 4.

FICHA DE CURSO. 1. Designação do Curso: 2. Denominação do Diploma ou Certificado. 3. Objectivos Gerais e Enquadramento: 4. 1. Designação do Curso: Curso de Especialização Pós-Graduada em Computação Móvel Aplicada 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em Computação Móvel Aplicada 3. Gerais e Enquadramento:

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.

Centro Atlântico, Lda., 2011 Ap. 413 4764-901 V. N. Famalicão, Portugal Tel. 808 20 22 21. geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Access 2010 Colecção: Software

Leia mais

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan

Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Guia de Imprimir/Digitalizar Portátil para o Brother iprint&scan Versão G POR Definições de notas Ao longo deste Manual do Utilizador, é utilizado o seguinte ícone: As Notas indicam o que fazer perante

Leia mais

ZSRest. Manual de Configuração ZSPDA. V2011-Certificado

ZSRest. Manual de Configuração ZSPDA. V2011-Certificado Manual de Configuração ZSPDA V2011-Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Pré-requisitos... 3 a) Base de dados... 3 b) Firewall... 3 c) Licença... 3 d) Rede sem fios... 3 e) PDA... 4 4. ZSPDA Interface...

Leia mais

Esta fase só se configura uma única vez.

Esta fase só se configura uma única vez. Fase 0 Esta fase só se configura uma única vez. É necessário iniciar o serviço de configuração automática com fios para tal devem ser realizados os seguintes passos: No VISTA Começar por carregar em Painel

Leia mais

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM

Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM Gestão Total da Manutenção: Sistema GTM por Engº João Barata (jbarata@ctcv.pt), CTCV Inovação Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro 1. - INTRODUÇÃO Os sub-sistemas de gestão, qualquer que seja o seu

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 1 Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico 1º Período Elementos básicos da interface gráfica do Windows (continuação).

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-76-3 Depósito legal: 202574/03

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-76-3 Depósito legal: 202574/03 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. * O leitor consente,

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Introdução ao Microsoft Windows

Introdução ao Microsoft Windows Introdução ao Microsoft Windows Interface e Sistema de Ficheiros Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto Iniciar uma Sessão A interacção dos utilizadores com o computador é feita através de sessões.

Leia mais

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo ANUAL ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Curso Profissional de Técnico de Restauração Cozinha - Pastelaria Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

Controlo de acessos em rede

Controlo de acessos em rede Manual do software Controlo de acessos em rede Access (Versão do software: 1.0.2) (Versão do documento: 1.0.9) Para mais informação, visite o nosso website: www.simonalert.com Página - 1 - Para mais informação,

Leia mais

Seu manual do usuário SAGEM WL5061S DONGLE WIFI http://pt.yourpdfguides.com/dref/1202737

Seu manual do usuário SAGEM WL5061S DONGLE WIFI http://pt.yourpdfguides.com/dref/1202737 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para SAGEM WL5061S DONGLE WIFI. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL Fevereiro/2002 - Portalegre Introdução A necessidade de efectuar cálculos complexos de uma forma mais rápida e fiável,

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

Relatório de Instalação do Windows 2003 Server

Relatório de Instalação do Windows 2003 Server Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Relatório de Instalação do Windows 2003 Server Instalação do Windows 2003 Server quarta-feira, 3 de dezembro de 2013 Índice Introdução...

Leia mais

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES

MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES OBRIGADO por ter adquirido a aplicação ClickFree Backup. Estas instruções foram reunidas para o ajudar a utilizar o produto, mas de um modo geral esperamos que

Leia mais

Conference For You C4U v. 0.13

Conference For You C4U v. 0.13 Departamento de Informática Conference For You C4U v. 0.13 Projecto Integrador 2012/2013 Licenciatura em Engenharia Informática Preparado por: João Regateiro nº 28994 Miguel Silva nº 28508 Ricardo Monteiro

Leia mais

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity!

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity! Audacity Os primeiros passos com o Audacity! João Torres joao.torres@dgidc.min-edu.pt Milena Jorge milena.jorge@dgidc.min-edu.pt Dezembro de 2009 Conteúdo 1 Sobre este documento 2 2 O que é o Audacity?

Leia mais

Manual de procedimentos para ligações internet sem fios

Manual de procedimentos para ligações internet sem fios Manual de procedimentos para ligações internet sem fios Com a conclusão da implementação da nova rede de dados da Escola Secundária de Vilela, surge a necessidade de alterar o protocolo de acesso à internet

Leia mais

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Leaseplan Portugal Bertrand Gossieaux SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Page2 INDICE 1. LOGIN, ESTRUTURA E SAÍDA DO SIM... 3 a) Login... 3 b) Estrutura principal... 4 c) Saída da

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

Análise real de dados

Análise real de dados Análise real de dados Para tacógrafos analógicos e digitais www.siemensvdo.com 1 Maximize todas as potencialidades dos tacógrafos digitais Novas obrigações, novas opções de análise Para si e para a sua

Leia mais

Base de dados I. Base de dados II

Base de dados I. Base de dados II Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação, relacionada com um determinado assunto ou finalidade, armazenada em computador em forma de ficheiros Para que serve? Serve

Leia mais

Sistemas de informação (S.I.)

Sistemas de informação (S.I.) Sistemas de informação (S.I.) Índice geral: Contents Índice geral: 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de Gestão Empresarial 3 TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 5 SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 6 Noções

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

Guia rápido de utilização da Caixa Mágica

Guia rápido de utilização da Caixa Mágica Guia rápido de utilização da Caixa Mágica Este Guia especialmente dirigido a iniciados em Linux pretende ajudá-lo no arranque da utilização do mesmo. Se deparar com problemas ao executar os passos aqui

Leia mais

Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida. Português

Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida. Português Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida Português Índice Instalação do Software... 1 Instalação do Controlador e Actualização do Controlador... 4 Motic Images Plus 2.0 ML...11 Calibração

Leia mais

Manual de utilizador. Função Memory Viewer. Índice

Manual de utilizador. Função Memory Viewer. Índice Manual de utilizador Função Memory Viewer Este é o manual da função Memory Viewer. Leia este manual atentamente antes de operar com a função Memory Viewer. Primeiro, leia o manual de utilizador do projector

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) Reliance - Ashtech. Suas Aplicações Em SIG.

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) Reliance - Ashtech. Suas Aplicações Em SIG. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS Módulo x (Aula Prática) Reliance - Ashtech e Suas Aplicações Em SIG (Carlos Antunes) INTODUÇÃO O Sistema Reliance baseia-se na utilização do

Leia mais

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente Gráfico Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e que comunique com o exterior. Actualmente o Windows é

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo Conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior; Windows: sistema operativo mais utilizado nos

Leia mais

SAFT para siscom. Manual do Utilizador. Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01. Data criação: 21.12.2007

SAFT para siscom. Manual do Utilizador. Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01. Data criação: 21.12.2007 Manual do Utilizador SAFT para siscom Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01 Data criação: 21.12.2007 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-220 FARO Telf. +351 289 899 620 Fax. +351 289 899 629

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

Visão Artificial Para a Indústria. Manual do Utilizador

Visão Artificial Para a Indústria. Manual do Utilizador Visão Artificial Para a Indústria Manual do Utilizador Luis Fonseca Carvalho de Matos ( luis.matos@ua.pt ) Julho de 2007 Índice de conteúdos 1. Apresentação......1 1.Conceito de Funcionamento......1 2.

Leia mais

LW056 SWEEX WIRELESS LAN PC CARD 54 MBPS. O Windows detectará automaticamente o aparelho e aparecerá a seguinte janela.

LW056 SWEEX WIRELESS LAN PC CARD 54 MBPS. O Windows detectará automaticamente o aparelho e aparecerá a seguinte janela. Instalação em Windows 2000 e XP LW056 SWEEX WIRELESS LAN PC CARD 54 MBPS O Windows detectará automaticamente o aparelho e aparecerá a seguinte janela. Seleccione a opção Não, desta vez não ( No, not this

Leia mais

Guia de Depósito Teses

Guia de Depósito Teses Guia de Depósito Teses Descreva o documento que está a depositar Página 1 Se seleccionar todas as opções nesta página, visualizará um formulário diferente, modificado com o intuito de capturar informações

Leia mais

Sistema para o Controlo e Gestão de Fechaduras de Hotel. Manual de Instruções

Sistema para o Controlo e Gestão de Fechaduras de Hotel. Manual de Instruções Sistema para o Controlo e Gestão de Fechaduras de Hotel BRF 500 Índice Capítulo 1: Descrição geral do produto... 2 Capítulo 2: Instalação e características do software... 3 Guia para a instalação do software...

Leia mais

Conceitos importantes

Conceitos importantes Conceitos importantes Informática Informação + Automática Tratamento ou processamento da informação, utilizando meios automáticos. Computador (Provem da palavra latina: computare, que significa contar)

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Um sistema de gestão de frotas que lhe permite o controlo, a localização em tempo real e a comunicação permanente com todos os veículos da sua

Um sistema de gestão de frotas que lhe permite o controlo, a localização em tempo real e a comunicação permanente com todos os veículos da sua Um sistema de gestão de frotas que lhe permite o controlo, a localização em tempo real e a comunicação permanente com todos os veículos da sua empresa. Um sistema que gere e controla toda a actividade

Leia mais

Power Systems. Monitorizar o ambiente de virtualização

Power Systems. Monitorizar o ambiente de virtualização Power Systems Monitorizar o ambiente de virtualização Power Systems Monitorizar o ambiente de virtualização Nota Antes de utilizar as informações contidas nesta publicação, bem como o produto a que se

Leia mais

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES

12 EXCEL MACROS E APLICAÇÕES INTRODUÇÃO O principal objetivo deste livro é auxiliar o leitor na sua aprendizagem sobre os recursos avançados do Excel em especial na interligação com o Visual Basic for Applications (VBA). Pretende-se

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE MANUEL DA FONSECA Curso Profissional: Técnico de Gestão e Equipamentos Informáticos PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS GRUPO 550 CICLO DE FORMAÇÃO 2012/2015 ANO LECTIVO 2012/2013 DISCIPLINA:

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais