BRDE ENERGIA. Linhas de financiamento para geração de energia e eficiência energética

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BRDE ENERGIA. Linhas de financiamento para geração de energia e eficiência energética"

Transcrição

1 BRDE ENERGIA Linhas de financiamento para geração de energia e eficiência energética Felipe Castro do Couto: Gerente de Planejamento - BRDE Santa Catarina

2 Um pouco de BRDE Banco público de fomento, criado em 1961 pelos governos de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Os governadores Celso Ramos (SC), Ney Braga (PR) e Leonel Brizola (RS). Primeiro agente financeiro cadastrado como repassador de recursos no BNDES. Especializado na oferta de crédito de médio e longo prazos. Primeiro agente financeiro credenciado junto à FINEP para repasse de recursos do programa FINEP Inovacred.

3 Um pouco de BRDE Missão Promover e liderar ações de fomento ao desenvolvimento econômico e social de toda a região de atuação, apoiando as iniciativas governamentais e privadas, através do planejamento e do apoio técnico, institucional e creditício de longo prazo.

4 Um pouco de BRDE,0 Evolução das contratações do BRDE entre 2002 e 2014 (em R$ bilhões),5,0,5,0,5,0,5,

5 Um pouco de BRDE Carteira de crédito em torno de R$ 11,0 bilhões. Mais de clientes ativos em 88% dos municípios. Mais de 90% dos contratos com MPMEs e produtores rurais

6 Um pouco de BRDE Agropecuária Indústria Comércio e Serviços Infraestrutura

7 Principais formas de apoio Repasse de produtos e programas do BNDES Programa Inovacred - FINEP Orientação e análise de projetos para a obtenção de incentivos fiscais (PRODEC) Fiança bancária

8 Histórico de Atuação no Setor Hídrica Financiamento a 59 projetos de CGHs, PCHs e UHEs, com potência na ordem de 311 MW; Valores financiados de projetos de energia hidráulica na ordem de R$ 638 milhões

9 Histórico de Atuação no Setor Financiamento 04 Linhas de Transmissão na ordem de R$ 153 milhões Linhas de transmissão Financiamento 03 subestações de Cooperativas de Eletrificação na ordem de R$ 40 milhões.

10 Histórico de Atuação no Setor Biomassa Projeto Biomassa no valor de R$ 49 milhões Projetos de biodigestores na ordem de R$ 1,3 milhão Biogás

11 Histórico de Atuação no Setor Eólica Participação no financiamento 03 projetos de parques eólicos com potência na ordem de 413 MW. Valores financiados em projetos de energia eólica na ordem de R$ 351 milhões.

12 Programa Específico de Fomento Objetivo: Fortalecer a atuação do BRDE no segmento de geração de energia elétrica renovável e em investimentos de eficiência energética; Diferenciais: Equipe técnica especializada, tramitação prioritária, articulação com órgãos públicos e opções de garantias mais flexíveis;

13 Geração de Energia Renovável Criado um Programa do Governo do Estado para incentivar investimentos em energias limpas em Santa Catarina. Tem a meta de elevar a capacidade de 880 MW para 1 mil MW, com a implantação de opções alternativas de energia, como a eólica e a solar.

14 Principais Entraves Licenciamento Ambiental Conexão na Rede Distribuição Financiamento de Longo Prazo Comercialização da Energia Incentivos Fiscais Regularização Fundiária

15 Principais Linhas de Financiamento FINEM Energia Elétrica - Geração Renovável: Apoiar empreendimentos que visem à expansão e/ou modernização da infraestrutura de geração de energia do País, no valor mínimo de R$ 20 milhões de financiamento, a partir das seguintes fontes: hidrelétricas, biomassa, energia eólica, energia solar, pequenas centrais hidrelétricas e outras energias alternativas; Produtos Automáticos BNDES/Automático: Apoio para realização de investimentos fixos diversos, limitado a R$ 20 milhões de financiamento por projeto e empresa proponente; FINAME: Apoio para aquisição de máquinas e equipamentos novos, de fabricação nacional, credenciados no BNDES;

16 FINEM Energia Elétrica - Geração Renovável Custo financeiro Remuneração básica do BNDES TJLP 1,5% a.a. ou 1,2% a.a 0,1% a.a. para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) Taxa de intermediação financeira ou 0,5% a.a. para demais empresas, Estados e Municípios Spread do Agente Negociada entre o BRDE e o cliente

17 FINEM Energia Elétrica - Geração Renovável Segmento Participação máxima (%) Hidrelétricas (acima de 30,0 Mw) 50 A partir de biomassa, energia eólica, energia solar, pequenas centrais hidrelétricas e outras energias alternativas 70

18 FINEM Energia Elétrica - Geração Renovável Destinação Hídrica (UHEs) com capacidade instalada igual ou superior a 1000 MW Hídrica (UHEs) com capacidade instalada superior a 30 MW e inferior a 1000 MW Energia eólica A partir da biomassa, energia solar, pequenas centrais hidrelétricas e outras energias alternativas Prazo máximo de amortização 20 anos 20 anos 16 anos 20 anos Obs: Os juros poderão ser capitalizados durante o período de carência, que será de até seis meses após a entrada do projeto em operação comercial.

19 BNDES Automático Condições de Financiamento para Geração de Energia Taxas de Juros de TJLP + 1,1% a.a. + Spread (MPME) ou TJLP + 3,5 a.a. + Spread Prazos até 20 anos, incluindo prazo máximo de carência de até 24 meses Participação Até 90% (MPME) ou até 50%, admitindo-se ampliação de participação ao custo de SELIC

20 FINAME PSI Condições de Financiamento Taxas de Juros 7,0% a.a. (MPME) ou 9,5% a.a. Prazos até 96 anos, incluindo prazo máximo de carência de até 24 meses Participação 80% Obs: Condições válidas até 31/12/2015

21 FINEM x Produtos Automáticos FINEM Vantagens Sem restrição de valor máximo de financiamento; Custo atrativo; Maior percentual de participação; Melhor alternativa para projetos de grande porte no ACR; Desvantagens PRODUTOS AUTOMÁTICOS Vantagens Maior agilidade na aprovação; Menor burocracia; Pacote de Garantias e Exigências mais flexível; Ideal para projetos de menor porte no ACR ou ACL. Desvantagens Processo mais lento e com pouca Limitação de valor máximo de flexibilidade, critérios são definidos financiamento; pelo BNDES. Custo mais elevado para Grandes Empresas.

22 Eficiência Energética Objetivo: Apoiar o conjunto de ações que contribuem para a redução do desperdício e racionalização no uso de energia no ambiente produtivo ou comercial.

23 Principais Linhas de Financiamento FINEM Eficiência Energética: Apoiar projetos para redução do consumo de energia ou aumento da eficiência do sistema energético nacional, no valor mínimo de R$ 5 milhões de financiamento; Produtos Automáticos BNDES MPME Inovadora: Apoio para realização de investimentos em inovação ou eficiência energética, limitado a R$ 20 milhões de financiamento, exclusivamente para empresas/grupos econômicos com ROB anual inferior a R$ 90,0 milhões. BNDES/Automático: Apoio para realização de investimentos fixos diversos para empresas/grupos de qualquer porte; FINAME: Apoio para aquisição de máquinas e equipamentos novos, de fabricação nacional, credenciados no BNDES; PROGEREN: Apoio para capital de giro (pode ser opção para financiar importados).

24 FINEM Eficiência Energética Apoio a projetos em unidades próprias ou de terceiros: Os beneficiários podem ser proprietários dos empreendimentos onde serão executadas as intervenções de eficiência energética ou prestadores de serviço contratados para executar projetos em unidades de terceiros. Apoio a plano de investimentos em eficiência energética: Possibilidade de agrupar investimentos em locais distintos na mesma operação, ou seja, apresentação pelo postulante de crédito de um plano de investimentos contemplando um conjunto de projetos de eficiência energética a serem executados em diferentes locais, como, por exemplo, uma rede de hotéis, lojas ou unidades industriais.

25 FINEM Eficiência Energética O que pode ser financiado: Investimentos focados na redução do consumo de energia ou no aumento da eficiência energética em: edificações, com foco em condicionamento de ar, iluminação, envoltória e geração distribuída; incluindo cogeração, para unidades novas ou já existentes (retrofit); processos produtivos, com foco em cogeração, aproveitamento de gases de processo como fonte energética; repotenciação de usinas; e redes elétricas inteligentes. Observação: esta linha não financia a geração de energia utilizando combustíveis fósseis, com exceção de gás natural.

26 FINEM Eficiência Energética Itens financiáveis: Estudos e projetos, inclusive diagnóstico energético; Obras civis, montagens e instalações; Aquisição de materiais permanentes; Aquisição de máquinas e equipamentos novos credenciados no BNDES; Aquisição de software nacional: desenvolvimento ou aquisição de softwares desenvolvidos no país e serviços correlatos, obedecidos os critérios estabelecidos no programa BNDES Prosoft Comercialização; Serviços técnicos especializados: incluindo consultorias e certificações; Treinamento: capacitação técnica e gerencial.

27 FINEM Eficiência Energética Equipamentos importados O apoio a máquinas e equipamentos importados, sem similar nacional, pode ser feito nas condições da Linha de Aquisição de Bens e Serviços Importados. Equipamentos para geração fotovoltaica Como ainda não estão cadastrados no CFI, não podem ser apoiados nas condições da Linha de EE no momento. No entanto, encontra-se em execução Plano de Nacionalização Progressiva para estes equipamentos e é possível que no início de 2016 alguns destes equipamentos já estejam cadastrados no CFI, e portanto tornem-se passíveis de apoio nas condições da Linha de EE. Lâmpadas LED No momento não são consideradas itens financiáveis por apresentarem baixo índice de nacionalização. No entanto, estão sendo articuladas no BNDES algumas iniciativas para viabilizar o apoio a este tipo de material.

28 FINEM Eficiência Energética Custo financeiro Remuneração básica do BNDES TJLP 1,5% a.a. ou 1,2% a.a. 0,1% a.a. para micro, pequenas e médias empresas (MPME) Taxa de intermediação financeira ou 0,5% a.a. para demais empresas, Estados e Municípios Spread do Agente Negociada entre o BRDE e o cliente Participação Máxima 70,0%

29 FINEM Aquisição de Bens e Serviços Importados ainda não internalizados Custo financeiro Remuneração básica do BNDES SELIC ou CESTA 2,0% a.a. 0,1% a.a. para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) Taxa de intermediação financeira ou 0,5% a.a. para demais empresas, Estados e Municípios Spread do Agente Negociada entre o BRDE e o cliente Participação Máxima 90,0%

30 BNDES MPME Inovadora Requisitos para enquadramento na linha: Cartão BNDES para Serviços Tecnológicos Programas de Inovação Patentes Incubadoras Parque Tecnológicos Investimento de um Fundo focado em Inovação

31 BNDES MPME Inovadora Financiamento de serviços tecnológicos no âmbito do Cartão BNDES (a partir de 2011): Serviços de avaliação de software: Avaliação CMMI Avaliação e implementação MPS.BR Avaliação MEDE-PROS Inovação e extensão tecnológica: Aquisição e transferência de tecnologia Desenvolvimento de embalagens Design de produto e ergonomia Prototipagem Diagnóstico de eficiência energética Impacto ambiental Projeto de experimento Projeto de Experimento Serviços de Micro e Nanotecnologias Serviços de Desenvolvimento de Produtos e Processos Depósito de propriedade intelectual junto ao INPI Desenho industrial Indicação geográfica Patente Programa de computador Topografia de circuitos

32 BNDES MPME Inovadora Exemplos de itens financiáveis: Obras civis, montagens e instalações; Serviços de Terceiros; Aquisição de máquinas e equipamentos novos credenciados no BNDES; Mão-de-obra própria, desde que associada ao projeto; Treinamento / consultoria; Serviços técnicos especializados: incluindo consultorias e certificações; Aquisição de software nacional: desenvolvimento ou aquisição de softwares desenvolvidos no país e serviços correlatos, obedecidos os critérios estabelecidos no programa BNDES Prosoft Comercialização; Viagens / diárias;

33 BNDES MPME Inovadora O que NÃO pode ser financiado Custos decorrentes da internação de máquinas, equipamentos e bens de informática e automação importados; Aquisição de terrenos e desapropriações; Custeio e gastos com manutenção corrente; Quaisquer gastos que impliquem remessa de divisas para o exterior; Máquinas, equipamentos e bens de informática e automação, dentre outros gastos do projeto, já financiados pelo BNDES; Aquisição de máquinas, equipamentos e bens de informática e automação importados; Compra de tecnologia e pagamento de royalties a empresas que integrem o mesmo grupo econômico ao qual o cliente pertença.

34 BNDES MPME Inovadora - Condições de Financiamento Taxas de Juros 6,5% a.a. (MPME) Prazos até 10 anos, incluindo prazo máximo de carência de até 24 meses Participação 70% Obs: Condições válidas até 31/12/2015

35 BNDES Automático Condições de Financiamento Taxas de Juros de TJLP + 1,1% a.a. + Spread (MPME) ou TJLP + 1,5 a.a. + Spread (Indústria BK) ou TJLP + 3,5% a.a. + Spread (demais casos) ou SELIC + 1,7% a.a. + Spread (Comércio/Serviços) Prazos até 20 anos, incluindo prazo máximo de carência de até 24 meses Participação Até 90% (MPME e Comércio/Serviços) ou até 70,0% (Indústria BK) ou até 50%, admitindo-se ampliação de participação ao custo de SELIC

36 FINAME PSI Máquinas e Equipamentos Eficientes - Condições de Financiamento Taxas de Juros 6,5% a.a. (MPME) ou 7,0% a.a. (demais casos) Prazos até 10 anos, incluindo prazo máximo de carência de até 24 meses Participação 80% Obs: Condições válidas até 31/12/2015

37 BNDES PROGEREN- Condições de Financiamento Custo financeiro Remuneração básica do BNDES SELIC 0,4% a.a. ou 1,3% a.a. ou 2,0% a.a. Taxa de intermediação financeira 0,1% a.a. para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) ou 0,5% a.a. para demais empresas, Spread do Agente Negociada entre o BRDE e o cliente Prazo Máximo 60 meses

38 MUITO OBRIGADO!

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização

Leia mais

Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina. André Medrado Florianópolis 04/08/2014

Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina. André Medrado Florianópolis 04/08/2014 Linha MPME Inovadora para empresas de TIC de Santa Catarina André Medrado Florianópolis 04/08/2014 Condições do Programa Porte: MPME s Beneficiárias Controle do Capital: Nacional ou Estrangeiro Financiamento

Leia mais

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG

O BNDES mais perto de você. Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica. Belo Horizonte MG Apoio do BNDES para Biotecnologia e Indústria Farmaceútica Belo Horizonte MG dezembro /2007 Missão do BNDES Promover o desenvolvimento econômico e social Redução das desigualdades sociais e regionais Geração

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

Apoio à Eficiência Energética. Financiamento pelo BDMG

Apoio à Eficiência Energética. Financiamento pelo BDMG Apoio à Eficiência Energética Financiamento pelo BDMG 08/06/2016 3 Agenda 1. Sobre o BDMG 2. Financiamento a Eficiência Energética 3. Produtos Financeiros Foco Atendimento ao Mercado Atributos Segmentos

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK Fevereiro de 2016 Bruno Plattek bruno.plattek@bndes.gov.br Como apoiamos Tx. de Interm. Fin. Organização Interna Área

Leia mais

ABDE-BNDES-BID. Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs.

ABDE-BNDES-BID. Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs. ABDE-BNDES-BID Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs. Sessão V: Ampliando a atuação de IFDs no financiamento climático. Painel: O potencial na

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009

Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009 Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das

Leia mais

Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de

Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de Março / 2015 Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo prazo para as pequenas e médias empresas

Leia mais

enfrentarem os desafios 2016

enfrentarem os desafios 2016 Contribuição do BNDES para as empresas Economia enfrentarem os desafios 2016 Fevereiro de 2016 1 A racionalidade da contribuição do BNDES aos desafios de 2016 Apoiar necessidades das empresas; atender

Leia mais

Alternativas para Financiamento em Projetos de Energia Elétrica VIEX 13/09/ 2017

Alternativas para Financiamento em Projetos de Energia Elétrica VIEX 13/09/ 2017 1 Alternativas para Financiamento em Projetos de Energia Elétrica VIEX 13/09/ 2017 Apoio do BNDES ao Setor Elétrico 2 3 Diretrizes de Atuação do BNDES Setor Elétrico é uma das infraestruturas prioritárias

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

Agência do Paraná. Paulo Marques Ferreira. Analista econômico-financeiro e representante do BRDE na região Oeste do PR

Agência do Paraná. Paulo Marques Ferreira. Analista econômico-financeiro e representante do BRDE na região Oeste do PR Agência do Paraná Paulo Marques Ferreira Analista econômico-financeiro e representante do BRDE na região Oeste do PR O BRDE Região de atuação: MS - PR SC - RS Criado em 1961 por três estados da região

Leia mais

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital

Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital Departamento de Bens de Capital - BNDES O Apoio do BNDES ao Setor de Bens de capital 12º Encontro da Cadeia de Ferramentas, Moldes e Matrizes - MOLDES ABM Agosto de 2014 Importância do investimento na

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica. 19 de Junho de 2015

Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica. 19 de Junho de 2015 Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica 19 de Junho de 2015 Linha do Tempo 50 s 60 s 70 s 80 s 90 s 00 s Hoje Infraestrutura Indústria de Base - Bens de Consumo Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO BNDES

LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO BNDES LINHAS DE FINANCANCIAMENTO DO Linhas de Financiamento para Geração Distribuída O APOIO DO AO SETOR SOLAR FOTOVOLTAICO NELSON TORTOSA - Credenciamento Setor Solar Fotovoltaico EMPRESAS CREDENCIADAS NO Já

Leia mais

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Seminário Internacional sobre Diretivas RoHS e WEEE Brasília, 08 de fevereiro de 2011 Complexo Industrial da Saúde

Leia mais

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado INOVAR PARA CRESCER QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo. Atua como banco de desenvolvimento apoiando financeiramente às iniciativas que estimulam o crescimento

Leia mais

Alternativas de Financiamento da IP, a partir da COSIP

Alternativas de Financiamento da IP, a partir da COSIP Alternativas de Financiamento da IP, a partir da COSIP 25.04.2017 Classificação: Documento ostensivo Unidade Gestora: AGS/DEGEP Agenda Contextualização Estrutura COSIP Modelos de Negócios em Iluminação

Leia mais

Financiamentos à Inovação Agência do Rio Grande do Sul

Financiamentos à Inovação Agência do Rio Grande do Sul Porto Alegre - 2016 Financiamentos à Inovação Agência do Rio Grande do Sul Estados-sócios BRDE É uma instituição pública de fomento, constituída como banco de desenvolvimento. Área de Atuação PRESENÇA

Leia mais

Apoio à Inovação. São Paulo, 03 de Outubro de 2017

Apoio à Inovação. São Paulo, 03 de Outubro de 2017 Apoio à Inovação São Paulo, 03 de Outubro de 2017 Classificação de porte Porte da Empresa MPMEs Micro Pequena Média Grande Receita Operacional Bruta Até R$ 2,4 milhões Até R$ 16 milhões Até R$ 300 milhões

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E INOVAÇÃO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E INOVAÇÃO QUEM SOMOS? Uma instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

Parque Tecnológico de Botucatu Junho / 2015

Parque Tecnológico de Botucatu Junho / 2015 Parque Tecnológico de Botucatu Junho / 2015 São Paulo Inova O Programa São Paulo Inova é uma iniciativa do Estado de São Paulo para apoiar empresas paulistas de base tecnológica e de perfil inovador em

Leia mais

Márlon Alberto Bentlin

Márlon Alberto Bentlin Forum Empresarial pelo Clima BRDE - Crédito & Desenvolvimento AGÊNCIA DO RIO GRANDE DO SUL Márlon Alberto Bentlin BRDE Estados-sócios É uma instituição pública de fomento, constituída como banco de desenvolvimento.

Leia mais

Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural

Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural Linhas de Financiamentos - BNDES 12 de julho de 2012. Nelson Granthon Barata Gerente Departamento de Fontes Alternativas de Energia Área de Infraestrutura

Leia mais

CNDL - CONDIÇÕES DIFERENCIADAS PRODUTO E SERVIÇOS

CNDL - CONDIÇÕES DIFERENCIADAS PRODUTO E SERVIÇOS CNDL - CONDIÇÕES DIFERENCIADAS PRODUTO E SERVIÇOS PACOTE DE VALOR AS EMPRESAS ASSOCIADAS AO SISTEMA CNDL Destinado a todas as empresas associadas ao sistema da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas,

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Financeiras

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Financeiras Novas políticas OPERACIONAIS Condições Financeiras Destaques Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação

Leia mais

BNDES - Apoio às MPMEs

BNDES - Apoio às MPMEs BNDES - Apoio às MPMEs ABIGRAF - SP 14 de maio de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio

Leia mais

Empresas e Empreendedores Temos bons Projetos mas não conseguimos nenhum apoio

Empresas e Empreendedores Temos bons Projetos mas não conseguimos nenhum apoio MARÍLIA Entidades de Apoio Temos recursos mas não encontramos bons Projetos para apoiar Empresas e Empreendedores Temos bons Projetos mas não conseguimos nenhum apoio? Alguns pontos de reflexão: Comunicação

Leia mais

DEMPI Micro, pequena e média

DEMPI Micro, pequena e média LINHAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO ACESSO AO CRÉDITO MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FIESP - 15/8/14 COMPESCA LINHAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO AGÊNCIAS DE FOMENTO As agências de fomento são

Leia mais

Apresentação BNDES. FIESP Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção (CONSIC) São Paulo SP 10 de outubro de 2017

Apresentação BNDES. FIESP Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção (CONSIC) São Paulo SP 10 de outubro de 2017 Apresentação BNDES FIESP Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção (CONSIC) São Paulo SP 10 de outubro de 2017 Desembolsos // Construção Civil 2 4000 3000 2000 1000 0 4000 3000 2000 1000

Leia mais

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet

Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet Apoio do BNDES a Provedores Regionais de Internet Feira de Santana BA 30/09/2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? No de operações 2013 R$ 1,1 milhões

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Janeiro de 2015 Os indicadores demonstram as dificuldades que as empresas de BK vêm encontrando... 2 O acirramento da concorrência

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Aracaju-SE 14.março.2016 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada

Leia mais

Instrumentos de Apoio do BNDES à BID

Instrumentos de Apoio do BNDES à BID Instrumentos de Apoio do BNDES à BID Brasília, 28 de Setembro de 2016 Apoio do BNDES: Aspectos Básicos OPERAÇÕES DIRETAS OPERAÇÕES INDIRETAS Empresa financiada diretamente pelo BNDES Empresas financiadas

Leia mais

Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás

Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás Mauricio dos Santos Neves Superintendente Área de Indústrias de Base Maio / 2017 Organização Interna Auditoria Interna Conselho

Leia mais

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação PROSOFT Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Prosoft Exportação Florianópolis, 16 de novembro de 2009 1 Apresentação do BNDES Fundado

Leia mais

Financiamento dos Investimentos em Energia

Financiamento dos Investimentos em Energia Nossa Trajetória Financiamento dos Investimentos em Energia Fenergia 2017 Vitória, 21 de DIFERENÇA - BANDES X BANCOS COMERCIAIS Quais são as diferenças? O Bandes é um banco de desenvolvimento que oferta

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

AGÊNCIA DO PARANÁ SEMINÁRIO INOVATEC LONDRINA AGOSTO/14. Parceria BRDE / FIEP / SEBRAE

AGÊNCIA DO PARANÁ SEMINÁRIO INOVATEC LONDRINA AGOSTO/14. Parceria BRDE / FIEP / SEBRAE AGÊNCIA DO PARANÁ SEMINÁRIO INOVATEC LONDRINA AGOSTO/14 Parceria BRDE / FIEP / SEBRAE . Fundação: 1961. AGÊNCIA PARANÁ. Perfil jurídico: Autarquia. Primeiro agente financeiro credenciado a repassar Linhas

Leia mais

Apoio à Inovação. Ijuí, 05 de agosto de 2015

Apoio à Inovação. Ijuí, 05 de agosto de 2015 Apoio à Inovação Ijuí, 05 de agosto de 2015 Histórico de atuação em Inovação Programas, Linhas e Produtos BNDES para Inovação 2008-10 2004-07... PITCE Lei de Inovação Lei do Bem PDP e PACTI PROSOFT (1997)

Leia mais

BNDES. 8º Lubgrax Meeting. 16 de Agosto de 2017

BNDES. 8º Lubgrax Meeting. 16 de Agosto de 2017 BNDES 8º Lubgrax Meeting 16 de Agosto de 2017 Aspectos institucionais // Quem somos!! Fundado em 20 de junho de 1952!! Empresa pública de propriedade integral da União!! Instrumento-chave para implementação

Leia mais

Apoio à Inovação. Santa Maria - RS 12.novembro.2015

Apoio à Inovação. Santa Maria - RS 12.novembro.2015 Apoio à Inovação Santa Maria - RS 12.novembro.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo prazo para investimento

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Márcia Leal Chefe do Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura mleal@bndes.gov.br Maio 2012 O BNDES Evolução dos desembolsos 168,4 R$ bilhão 137,4 140,0 92,2

Leia mais

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017.

OPORTUNIDADES. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017. Apresentamos nova(s) oportunidade(s) na sua Área de atuação. BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis 2017 O BNDES Fundo Clima - Energias Renováveis tem como objetivo apoiar investimentos em geração e distribuição

Leia mais

Apoio à Inovação Nov/2015

Apoio à Inovação Nov/2015 Apoio à Inovação Nov/2015 http://www.bndes.gov.br O objetivo do BNDES é fomentar e apoiar operações associadas à formação de capacitações e ao desenvolvimento de ambientes inovadores, com o intuito de

Leia mais

MILTON LUIZ DE MELO SANTOS Diretor Presidente

MILTON LUIZ DE MELO SANTOS Diretor Presidente MILTON LUIZ DE MELO SANTOS Diretor Presidente Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

Favereiro de BNDES Apoio à Energia Solar. Adriano Zanetti Área de Energia do BNDES

Favereiro de BNDES Apoio à Energia Solar. Adriano Zanetti Área de Energia do BNDES Favereiro de 2017 BNDES Apoio à Energia Solar Adriano Zanetti Área de Energia do BNDES O BNDES na Estrutura da União // 2 República Federativa do Brasil Poder Legislativo Poder Executivo Poder Judiciário

Leia mais

Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G -Programa BNDES P&G -

Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G -Programa BNDES P&G - Apoio do BNDES para a Cadeia de P&G -Programa BNDES P&G - Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás - Área de Insumos Básicos Departamento Regional Sul Gabinete da Presidência (GP/DESUL) Abril

Leia mais

Missão do BNDES MPME. Promover o desenvolvimento econômico e social. Redução das desigualdades sociais e regionais Geração de emprego e renda

Missão do BNDES MPME. Promover o desenvolvimento econômico e social. Redução das desigualdades sociais e regionais Geração de emprego e renda BNDES APLs como Estratégia de Desenvolvimento de MPMEs Brasília DF novembro 2007 Missão do BNDES Promover o desenvolvimento econômico e social Redução das desigualdades sociais e regionais Geração de emprego

Leia mais

BRDE Soluções para o. Próprios. Paulo Cesar Starke Junior Superintendente Juliana Souza Dallastra Gerente de Planejamento

BRDE Soluções para o. Próprios. Paulo Cesar Starke Junior Superintendente Juliana Souza Dallastra Gerente de Planejamento BRDE Soluções para o Financiamento de Recursos Paulo Cesar Starke Junior Superintendente Juliana Souza Dallastra Gerente de Planejamento 2 Onde conseguir recursos UOL 03/09/2013 A resposta é a mais óbvia

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 27/03/2014

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 27/03/2014 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Sorocaba SP 27/03/2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Empresário Como apoiamos? Operações Indiretas Instituições

Leia mais

Apresentação INOVACRED

Apresentação INOVACRED Apresentação INOVACRED Financiamento Reembolsável Objetivo: Financiar empresas no desenvolvimento e/ou aprimoramento de produtos, processos ou serviços, bem como inovação em marketing ou inovação organizacional,

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 04/06/2014

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 04/06/2014 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Sorocaba SP 04/06/2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Empresário Como apoiamos? Operações Indiretas Instituições

Leia mais

Veículos Híbridos e Elétricos: Perspectivas e Atuação do BNDES. Sérgio Schmitt

Veículos Híbridos e Elétricos: Perspectivas e Atuação do BNDES. Sérgio Schmitt Veículos Híbridos e Elétricos: Perspectivas e Atuação do BNDES Sérgio Schmitt 27 de novembro de 2015 1905 Disputa de Padrões ~1900 Vantagens Desvantagens Share ~90mil Vapor Tecnologia Conhecida Não necessitam

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet São José do Rio Preto - SP 29.setembro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas

Leia mais

As obras que ilustram este material pertencem ao acervo do BRDE.

As obras que ilustram este material pertencem ao acervo do BRDE. www.brde.com.br As obras que ilustram este material pertencem ao acervo do BRDE. DADOS PESSOAIS Nome Endereço nº complemento CEP Cidade Estado Telefone E-mail DADOS PROFISSIONAIS Empresa Endereço nº complemento

Leia mais

Financiamento do investimento social privado Atuação do BNDES no entorno de projetos eólicos

Financiamento do investimento social privado Atuação do BNDES no entorno de projetos eólicos Seminário Socioambiental Eólico SSE 2017 Financiamento do investimento social privado Atuação do BNDES no entorno de projetos eólicos Salvador, dezembro/2017 Agenda 1 Financiamento do BNDES ao Setor Eólico

Leia mais

LIVRO VERDE DO ETANOL

LIVRO VERDE DO ETANOL III Workshop INFOSUCRO sobre Economia do Etanol e Indústria Sucroenergética O Apoio do BNDES ao Setor Sucroenergético Carlos Eduardo Cavalcanti Chefe do Dept de Biocombustíveis - BNDES Rio, 26/11/2010

Leia mais

Linhas de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas

Linhas de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas Linhas de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas APEOP São Paulo SP 20 de setembro de 2017 2 Quem pode solicitar financiamento? Pessoas Jurídicas Empresas com CNPJ Microempreendedor individual

Leia mais

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008

Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G. Helena Tenório. Chefe do Departamento de Programas e Políticas do BNDES. 2 de julho de 2008 Mecanismos de Financiamento para a Indústria de P&G Helena Tenório Chefe do Departamento de Programas e Políticas do 2 de julho de 2008 Parceria Petrobras INVESTIMENTO FINANCIAMENTO Desenvolvimento da

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 003/2017, de 06 de janeiro de 2017.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 003/2017, de 06 de janeiro de 2017. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 003/2017, de 06 de janeiro de 2017. Altera e consolida as Normas Operacionais da Linha de Financiamento BNDES Exim Préembarque

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Soluções BNDES para pequenos negócios Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Londrina - PR 26.janeiro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações

Leia mais

Alternativas de financiamento para a energia solar fotovoltaica no Brasil

Alternativas de financiamento para a energia solar fotovoltaica no Brasil Alternativas de financiamento para a energia solar fotovoltaica no Brasil FRANcisco José Araújo BEZERRA Superintendente de Políticas de Desenvolvimento BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. Área de atuação

Leia mais

Apresentação Finep. APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás. Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015

Apresentação Finep. APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás. Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015 Apresentação Finep APIMEC Seminário Sobre Petróleo e Gás Rio de Janeiro, 22 de outubro de 2015 Agenda A FINEP Inova Empresa Modalidades de Financiamento (reembolsável, não reembolsável, renda variável)

Leia mais

Financiamento para o Setor Autopeças

Financiamento para o Setor Autopeças Financiamento para o Setor Autopeças Principais linhas do BNDES Inovação e Competitividade Financiamento para o Setor Autopeças Principais linhas do BNDES Inovação e Competitividade São Paulo, agosto de

Leia mais

QUEM SOMOS? Longos prazos + Baixas taxas = CRÉDITO SUSTENTÁVEL

QUEM SOMOS? Longos prazos + Baixas taxas = CRÉDITO SUSTENTÁVEL Março/2017 QUEM SOMOS? Uma instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo prazo para as pequenas,

Leia mais

O D de Desenvolvimento

O D de Desenvolvimento Apoio à inovação O D de Desenvolvimento Promover o desenvolvimento socioeconômico sustentável e competitivo de Minas Gerais com geração de mais e melhores empregos e redução das desigualdades. BANCO DO

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015.

III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015. III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015. Apoio Específico aos Municípios Linha de Financiamento para Modernização

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG

INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG "Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia para a retomada do desenvolvimento INFORMAÇÕES SOBRE O BDMG BDMG: Foco em Inovação Novembro/14 Dezembro/15 O BDMG em resumo 2 O Banco de Desenvolvimento de Minas

Leia mais

Nota AIE/DEENE N 11/2009 Em 17/06/2011. Assunto : Informações para o Instituto de Estudos Socioeconômicos - INESC

Nota AIE/DEENE N 11/2009 Em 17/06/2011. Assunto : Informações para o Instituto de Estudos Socioeconômicos - INESC Nota AIE/DEENE N 11/2009 Em 17/06/2011 Assunto : Informações para o Instituto de Estudos Socioeconômicos - INESC O APOIO FINANCEIRO DO BNDES PARA AS USINAS DO MADEIRA As operações de concessão de colaboração

Leia mais

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ):

3. CNAE E FATURAMENTO: 3.1. CNAE Principal (Código e Descrição da Atividade Econômica Principal, conforme CNPJ): BNDES/GOIÁSFOMENTO CARTA-CONSULTA 1. RESUMO DA OPERAÇÃO PROPOSTA: 1.1. Sobre a Empresa 1.1.1. Empresa/Proponente: 1.1.2. Objetivo Social: 1.1.3. Localização do Empreendimento Proposto (município): 1.2.

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS FIESP CIESP Ricardo Cunha da Costa Assessor da Área de Infraestrutura BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 24 de Abril de 2009 1 Missão e Visão

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. São Paulo SP 22.jul.2016

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. São Paulo SP 22.jul.2016 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas São Paulo SP 22.jul.2016 Agenda 1. 2. Quem pode solicitar financiamento? O que podemos financiar? Principais produtos do BNDES para apoio às MPMEs Cartão

Leia mais

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014

BNDES e o Apoio ao Setor de P&G. André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES e o Apoio ao Setor de P&G André Pompeo do Amaral Mendes Gerente AIB/DEGAP Novembro / 2014 BNDES BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Instrumento chave

Leia mais

Programa PCA. Armazena MT Cuiabá, 17 de outubro de 2017

Programa PCA. Armazena MT Cuiabá, 17 de outubro de 2017 Programa PCA Armazena MT Cuiabá, 17 de outubro de 2017 Quem somos Banco de DESENVOLVIMENTO Prioridades Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Inovação Bens de

Leia mais

Desempenho do BNDES em 2012

Desempenho do BNDES em 2012 Desempenho do BNDES em 2012 //1 22 de janeiro de 2013 1 AGENDA //2 Perspectivas do Investimento 2013 2016 Desempenho do BNDES em 2012 Conclusões //3 Perspectivas do Investimento 2013 2016 Perspectivas

Leia mais

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. FINAME (Agência Especial de Financiamento Industrial) BNDESPAR (BNDES Participações)

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. FINAME (Agência Especial de Financiamento Industrial) BNDESPAR (BNDES Participações) Mercado Financeiro Os segmentos do Mercado Financeiro e seus Principais Produtos: Fontes de Financiamento de Longo Prazo Módulo: Mercado Financeiro 1 Mercado Financeiro Fontes de Longo Prazo O Banco Nacional

Leia mais

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014

BNDES - Apresentação Institucional. Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 BNDES - Apresentação Institucional Oportunidades para Investimentos na Indústria Química Brasileira Sinproquim 23 de abril de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Garibaldi - RS 29 de março de 2017

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Garibaldi - RS 29 de março de 2017 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Garibaldi - RS 29 de março de 2017 Agenda 1. 2. Quem pode solicitar financiamento? O que podemos financiar? Principais produtos do BNDES para apoio às

Leia mais

Alterações nas condições a serem observadas no Produto BNDES AUTOMÁTICO

Alterações nas condições a serem observadas no Produto BNDES AUTOMÁTICO CARTA-CIRCULAR Nº 43/2008 Rio de Janeiro, 29 de agosto de 2008 Ref.: Ass.: BNDES AUTOMÁTICO Alterações nas condições a serem observadas no Produto BNDES AUTOMÁTICO O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

Linhas e Programas de Financiamento 3º São Paulo Wireless. Campinas - 09 de agosto de 2011

Linhas e Programas de Financiamento 3º São Paulo Wireless. Campinas - 09 de agosto de 2011 Linhas e Programas de Financiamento 3º São Paulo Wireless Campinas - 09 de agosto de 2011 Agenda Informações Institucionais Apoio à Modernização da Administração Tributária e de Gestão dos Setores Sociais

Leia mais

Apoio ao Setor de Bens de Capital

Apoio ao Setor de Bens de Capital Apoio ao Setor de Bens de Capital Luciano Velasco Andrea Varela Fuchsloch Departamento de Bens de Capital - DEBK Rio de Janeiro 17 de Novembro de 2015 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética

Leia mais

Workshop ABDE - BNDES Operações indiretas e instrumentos BNDES para Economia Criativa

Workshop ABDE - BNDES Operações indiretas e instrumentos BNDES para Economia Criativa Workshop ABDE - BNDES Operações indiretas e instrumentos BNDES para Economia Criativa Rio de Janeiro, 13.05.2015 Política de Privacidade: Documento Reservado Empresas do Sistema BNDES - Unidade Gestora

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 49/2016-BNDES Rio de Janeiro, 15 de dezembro de 2016. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Belo Horizonte, 21 de Agosto de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Junho de Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável

Junho de Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável Junho de 2016 Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável Líderes em Renováveis Investimentos em 2014 3 Source: Renewables 2015 Global Status Report (year base: 2014) Participação das renováveis

Leia mais

Seminário Investimentos em BIODIESEL

Seminário Investimentos em BIODIESEL Seminário Investimentos em BIODIESEL João Carlos Cavalcanti Superintendente da Área de Infra-estrutura do BNDES 16 de março de 2006 Agenda BNDES Formas de Atuação Programa de Financiamento para BNDES Formas

Leia mais

Participação das Fontes Alternativas no PAC

Participação das Fontes Alternativas no PAC Fórum PAC Perspectivas, Impactos e Desafios na Visão dos Agentes do Setor Elétrico Participação das Fontes Alternativas no PAC Ricardo Pigatto Presidente Brasília, 22 de maio de 2007 Resumo PAC Análise

Leia mais

BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA

BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA Fevereiro de 2016 Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: GP/DEDIV/GATE 1. Aspectos Institucionais Apoio a infraestrutura no BNDES Os vários setores são

Leia mais

FCO Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

FCO Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste FCO Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Linha de Financiamento de Desenvolvimento Industrial Brasília (DF), 29 de fevereiro de 2012 FCO Criação: art. 159, inciso I, alínea c, da CF/1988

Leia mais

Solução para reduzir gastos de energia. recursos gerados com a economia obtida.

Solução para reduzir gastos de energia. recursos gerados com a economia obtida. Solução para reduzir gastos de energia. recursos gerados com a economia obtida. GASTO ATUAL DE ENERGIA $$$ ECONOMIA OBTIDA $ NOVA CONTA DE ENERGIA $ ECONOMIA OBTIDA $$ NOVA CONTA DE ENERGIA $ Fase Atual

Leia mais

O BNDES e o apoio à inovação. Setembro / 2017

O BNDES e o apoio à inovação. Setembro / 2017 1 O BNDES e o apoio à inovação Setembro / 2017 2 Aspectos institucionais // Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Instrumento-chave para implementação

Leia mais

Estruturas de Fomento a Projetos de Inovação

Estruturas de Fomento a Projetos de Inovação Estruturas de Fomento a Projetos de Inovação Inovar para Competir Ampliar o investimento com eficiência, transparência e qualidade Agosto - 2013 Plano Inova Empresa Brasil: o que há de realmente novo?

Leia mais

Inovação como prioridade estratégica do BNDES

Inovação como prioridade estratégica do BNDES Inovação como prioridade estratégica do BNDES Helena Tenorio Veiga de Almeida APIMECRIO 20/04/2012 Histórico do apoio à inovação no BNDES 2 Histórico do apoio à inovação no BNDES 1950 Infraestrutura Econômica

Leia mais