relatório anual e contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "relatório anual e contas"

Transcrição

1 relatório anual e contas

2

3 O presente documento dá cumprimento ao estabelecido no Código das Sociedades Comerciais, relativo à apresentação anual do relatório e contas da empresa, referindo-se, em particular, ao ano de 2013, e responde às obrigações definidas no Decreto-Lei 111/2001, que requer que a Valorpneu apresente um relatório anual no qual sejam caracterizados os resultados obtidos pela sociedade em termos de gestão do sistema integrado. Este relatório caracteriza a situação da empresa em 2013, nomeadamente no que diz respeito à evolução do capital e sua estrutura acionista, bem como o respetivo balanço social; apresenta a quantidade de pneus recolhidos e entregues às empresas que se responsabilizam pela sua recauchutagem, reciclagem e outras formas de valorização; discrimina os gastos incorridos; identifica os produtores com quem realizou contratos; compara a atividade realizada em relação aos objetivos definidos na Licença e estabelece estratégias para o funcionamento futuro da sociedade.

4 índice A VALORPNEU NUM MINUTO 5 A Valorpneu em ATIVIDADE DA VALORPNEU 9 Modelo de Gestão 10 Funcionamento do SGPU 11 Órgãos sociais e colaboradores 12 Atividades de Balanço Ambiental, Económico e Social 20 da Gestão de Pneus Usados Avaliação ambiental 22 Avaliação económica 23 Avaliação social 24 COMUNICAÇÃO, I&D 27 E RESPONSABILIDADE SOCIAL Comunicação 28 I&D 34 Responsabilidade social 38 RESULTADOS VALORPNEU EM Fluxo de pneus 44 Recolha de pneus usados 50 Valorização de pneus usados 56 Taxas de Recolha e Valorização 63 Resultados económicos e financeiros 64 PERSPETIVAS PARA

5 ANUÁRIO DO SGPU 79 Produtores (contrato completo) 80 Produtores (contrato terminado) 120 Exportadores (não qualificados produtores) 123 Operadores do SGPU: pontos de recolha 124 Operadores do SGPU: transportadores 125 Operadores do SGPU: valorizadores 126 Recauchutadores 127 PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS 129 Proposta de Aplicação de Resultados 130 Considerações finais 130 CONTAS 133 Demonstrações Financeiras Individuais 134 Balanço 134 Demonstração dos resultados por naturezas 135 Demonstração das alterações no capital 136 próprio Demonstração dos fluxos de caixa 137 Anexo às Demonstrações Financeiras 138 CERTIFICAÇÃO DO REVISOR OFICIAL DE CONTAS 157

6 O ano de 2013 ficou marcado por uma melhoria no mercado dos pneus, veículos e equipamentos que os incorporem e por níveis elevados de desempenho de gestão de pneus usados. Foram colocadas no mercado ton de pneus, geradas ton de pneus usados e recolhidos e tratados no SGPU ton de pneus usados, demonstrando o bom trabalho realizado pelos vários parceiros do SGPU e a adequação da atual rede de recolha, transporte e valorização do sistema.

7 A VALORPNEU NUM MINUTO

8 A VALORPNEU EM 2013 O Sistema Integrado de Gestão de Pneus Usados (SGPU) continuou a apresentar uma taxa de recolha superior a 100% em 2013, ou seja, tal significa que a Valorpneu recolheu mais pneus do que aqueles que foram gerados no ano e que também pagaram Ecovalor. Da quantidade de pneus recolhidos, foram recicladas 38 mil toneladas de pneus usados e foram aproveitadas energeticamente 26 mil toneladas, sendo os restantes pneus reutilizados ou recauchutados. Em 2014, a Valorpneu continuará a prosseguir todas as ações para se manter como uma empresa de referência no domínio da gestão de fluxos específicos de resíduos, ao nível da sustentabilidade ambiental e económica. Resultados da atividade RESULTADOS DA VALORPNEU (ton) 2013 Pneus colocados no mercado: No âmbito do SGPU (pagam Ecovalor) Pneus usados gerados: No âmbito do SGPU Tratamento dos pneus usados gerados: Enviados para recauchutagem Enviados para reutilização 864 Enviados para reciclagem Enviados para valorização energética Enviados para aterro - Total de pneus usados gerados tratados Tratamento das existências: Enviadas para reutilização - Enviadas para valorização energética 788 Enviadas para aterro - Total de existências tratadas 788 Total de pneus tratados: Usados gerados + existências Objetivos de gestão RESULTADOS DA VALORPNEU 2013 (%) META 09/13 (%) EM RELAÇÃO À META Taxa de recolha 110,3% 96% +14,3 pp Taxa de prep. p/ reut. + recauchutagem 19,8% 27% -7,2 pp Taxa de reciclagem 70,7% 69% + 1,7 pp 6

9 Outros números Dados económico/financeiros: Volume de negócios Gastos de processamento EBITDA Resultados líquidos Resultados transitados Nº de colaboradores 6 Âmbito do sistema: Produtores aderentes Origens de pneus usados Operadores SGPU: Pontos de recolha 49 Transportadores 23 Recauchutadores 29 Recicladores 3 Valorizadores energéticos 4 Fragmentadores 1 Balanço ambiental do SGPU: Emissões de Gases com Efeito de Estufa evitadas Consumo de Energia Primária evitada 124 kt CO 2 - eq TJ Evolução dos pneus colocados no mercado, gerados, recolhidos e existências (ton) Pneus colocados no mercado (pagam Ecovalor) Pneus usados gerados recolhidos no âmbito do SGPU Pneus usados gerados Existências processadas 7

10 O ano de 2013 foi para a Valorpneu um ano de reforço e consolidação da operação do SGPU. Entre as várias atividades desenvolvidas ao longo do ano, é de destacar o estudo sobre o balanço ambiental, económico e social da gestão de pneus usados em Portugal, realizado em parceria com a 3 Drivers e o Instituto Superior Técnico, bem como a elaboração do caderno de encargos para renovação da licença de atividade da Valorpneu.

11 ATIVIDADE DA VALORPNEU

12 MODELO DE GESTÃO A Valorpneu A Valorpneu tem por objetivo a organização e a gestão do Sistema Integrado de Gestão de Pneus Usados (SGPU), de acordo com o licenciamento que lhe foi concedido e no quadro do sistema integrado previsto no Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de abril, o qual estabelece os princípios e as normas aplicáveis à gestão de pneus e pneus usados. Desta forma, a Valorpneu é uma entidade sem fins lucrativos, que obteve o primeiro licenciamento para assegurar aquela atividade no território do Continente a 7 de outubro de 2002, pelos Ministérios do Ambiente e da Economia, na Região Autónoma da Madeira a 17 de janeiro de 2006 e na Região Autónoma dos Açores a 1 de abril de 2006, ambas através da extensão do licenciamento concedida pelas respetivas Secretarias Regionais do Ambiente. Em 4 de dezembro de 2008 foi atribuída uma nova licença à Valorpneu pelo Estado Português, com efeitos a 7 de outubro de 2008 e termo a 31 de dezembro de Esta licença reflete já as mais recentes definições e a hierarquia de tratamento de resíduos, aprovadas no contexto da nova Diretiva Europeia de Gestão de Resíduos. O novo licenciamento da Valorpneu está em curso e, enquanto a nova licença não é emitida, a atual licença vai ser prorrogada. COMO FUNCIONA O MODELO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE PNEUS USADOS (SGPU)? 10

13 Funcionamento do SGPU O SGPU Sistema Integrado de Gestão de Pneus Usados é um sistema articulado de processos e responsabilidades que visa o correto encaminhamento dos pneus em fim de vida, promovendo a sua recolha, separação, retoma e valorização. Este sistema, que tem por base o princípio da responsabilidade do produtor, é financiado pela cobrança de um Ecovalor, discriminado na fatura aquando da venda de pneus. No SGPU, os Pontos de Recolha da rede são locais de armazenamento temporário de pneus usados, os quais funcionam como um reservatório a montante dos valorizadores. Estes operadores são a primeira face visível do SGPU, e aceitam, livres de encargos, quaisquer tipos de pneus provenientes dos detentores (distribuidores, particulares, oficinas, etc.). Em troca da prestação deste serviço a Valorpneu pagou, em 2013, um valor de contrapartida de 25 /ton aos Pontos de Recolha. Mediante uma contrapartida financeira, os Recicladores e Valorizadores Energéticos fecham o ciclo do SGPU, recebendo os pneus em fim de vida provenientes dos Pontos de Recolha, processando-os em granulado de borracha, no caso dos recicladores ou transformando-os em energia, no caso dos valorizadores energéticos, dando-lhes assim um destino adequado. O transporte dos pneus em fim de vida desde os Pontos de Recolha até aos Valorizadores também é controlado e financiado pela Valorpneu. Ecovalor cobrado aos produtores A tabela de Ecovalores aplicada atualmente pela Valorpneu contempla 14 categorias distintas de pneus. Abaixo apresentam-se os correspondentes Ecovalores unitários por pneu colocado no mercado. CÓDIGO CATEGORIA ECOVALOR 2013 ( /PNEU) T Ligeiro de passageiro/turismo 1,20 4x4 4x4 "on/off road" 2,11 C Comercial 1,84 P Pesado 8,86 A1 Agrícola (diversos) 3,06 A2 Agrícola (rodas motoras) 11,03 E1 Industrial (8" a 15") 2,10 E2 Maciço (<=15") 3,65 G1 Eng. Civil e Maciços (<24") 9,01 G2 Eng. Civil e Maciços (>=24") 41,43 M1 Moto (>50cc.) 0,76 M2 Moto (até 50cc.) 0,24 F Aeronaves 1,20 B Bicicletas 0,09 11

14 Órgãos sociais e colaboradores Estrutura de capital A Valorpneu é uma sociedade por quotas, sem fins lucrativos, com um capital social de , distribuído da seguinte forma: ACAP Associação Automóvel de Portugal: , representando 60% do capital social. ANIRP Associação Nacional dos Industriais de Recauchutagem de Pneus: 6.000, representando 20% do capital social. APIB Associação Portuguesa dos Industriais de Borracha: 6.000, representando 20% do capital social. Os três órgãos sociais da Valorpneu garantem a concertação entre as entidades envolvidas no SGPU e o controlo da atividade da Valorpneu. Órgãos sociais A Mesa da Assembleia Geral é constituída por 3 membros (Presidente, Vice-Presidente e Secretário). A administração e a representação da sociedade competem aos 5 Gerentes eleitos em Assembleia Geral, cujos mandatos têm a duração de 2 anos, sendo a fiscalização da administração assegurada por 1 fiscal único. Na foto da esquerda para a direita com início na primeira fila: José S. de Sousa (Gerente - APIB), Carlos F. Marques (Presidente da Mesa ANIRP), Hélder B. Pedro (Gerente ACAP), Bruno B. Ventura (Gerente ACAP), Joaquim S. Neves (Fiscal Único), José Aniceto (Gerente ANIRP), Miguel T. Morais (Secretário da Mesa - ACAP), Joaquim V. Soares (Gerente ACAP). 12

15 Colaboradores Em 2013, a Valorpneu manteve a sua equipa de 6 elementos que asseguram a operacionalidade da empresa nas suas diversas áreas de competência e acolheu ainda, durante o primeiro semestre, uma estagiária na área de I&D. Na foto da esquerda para a direita: Cátia Fernandes (Estagiária), Dora Gervásio (Departamento de Logística), Anabela Freire (Departamento Financeiro), Diogo Aresta (Departamento Rede Produtores), Climénia Silva (Diretora Geral), Paulo Silva (Departamento de Logística), Maria José Mendes (Assistente). Valorpneu, uma iniciativa 13

16 ATIVIDADES DE 2013 Introdução No contexto das diversas atividades desenvolvidas pela Valorpneu em 2013, deve ser realçada a elaboração do estudo Balanço Ambiental, Económico e Social da Gestão de Pneus Usados em Portugal, elaborado em parceria com a 3 Drivers e o Instituto Superior Técnico, que produziu resultados muito relevantes relativos ao impacte que a atividade da Valorpneu tem nas três vertentes da sustentabilidade: ambiente, economia e sociedade. São igualmente de realçar as diversas iniciativas levadas a cabo nas áreas de comunicação e sensibilização, investigação e desenvolvimento e responsabilidade social, que são apresentadas em capítulo próprio. Elaboração do estudo Balanço Ambiental, Económico e Social da Gestão de Pneus Usados O estudo do Balanço Ambiental, Económico e Social da Gestão de Pneus Usados em Portugal produziu resultados muito relevantes sobre o impacte que a atividade da Valorpneu e dos seus parceiros tem nas três vertentes da sustentabilidade: ambiente, economia e sociedade, cujos detalhes daremos no final deste capítulo. Da avaliação realizada constatou-se que o balanço é bastante positivo, tendo sido em média anualmente evitada, por tonelada de pneu gerido, a emissão de cerca de kg CO2-eq de gases com efeito estufa e o consumo de 46,5 GJ de energia. O sistema contribui ainda com 78 milhões de euros para o VAB nacional (com referência ao ano de 2011) e o impacte social total efetivo do SGPU ao nível do emprego ascendeu a 970 empregos diretos e 1013 empregos indiretos e induzidos. Desta forma, as atividades desenvolvidas pela Valorpneu enquadram-se por excelência no conceito da Economia Verde. A par de contribuírem para a redução significativa dos riscos ambientais, alavancam a criação de emprego e geram riqueza. Com base no estudo podemos aferir que em 2013, por tonelada de pneu usado gerida, tenha sido evitada a emissão de kg CO2-eq de Gases com Efeito de Estufa (GEE) e o consumo de 47,8 GJ de energia. Transpondo o valor acima para a totalidade do ano de 2013, em que foram geridos toneladas de pneus usados, verifica-se que a quantidade evitada de emissões de GEE e de energia consumida ascenderam a 124 kt CO2-eq de GEE e a TJ. Licença da Valorpneu De acordo com os termos da sua atual licença, a Valorpneu tinha autorização para exercer a atividade de gestão de pneus usados, prevista no âmbito do Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de abril, até ao dia 31 de dezembro de Por este motivo a Valorpneu entregou à Agência Portuguesa do Ambiente (APA), no final do mês de junho de 2013, um pedido de renovação da licença em vigor, tal como previsto legalmente. O pedido realizado foi acompanhado por um caderno de encargos que incluiu um conjunto de propostas de alteração às condições do atual licenciamento e que resultam da experiência acumulada ao longo de mais de 10 anos de atividade na gestão do SGPU. O caderno de encargos entregue à APA incluiu ainda algumas sugestões de modo a ajustar a operação da Valorpneu à nova realidade de mercado dos produtos reciclados de pneus usados. 14

17 Monitorização do transporte de pneus usados O sistema de informação do SGPU foi reformulado integralmente em A partir dessa data passou a ser possível, por exemplo, controlar melhor a logística associada ao transporte de pneus usados entre os Pontos de Recolha e os Valorizadores. Este novo sistema de controlo do SGPU foi utilizado em 2013 para reforçar a análise, a otimização e a verificação de conformidade da operação de transporte face aos meios existentes e à documentação que acompanha o Pedido de Transporte. Desta forma, a Valorpneu fez o seguimento das cargas de pneus usados desenvolvendo novos indicadores que, em tempo real, permitem a análise da qualidade do serviço prestado, bem como possíveis ações corretivas a realizar para a sua otimização. Ação conjunta com a ASAE Tal como em anos anteriores, a Valorpneu colaborou com a ASAE no sentido de identificar produtores de pneus, potencialmente aderentes ao SGPU e que não estejam ainda a cumprir com as suas obrigações legais relativas à gestão dos pneus que colocam no mercado. Desta forma, foram realizadas reuniões, entre a Valorpneu e a ASAE, nas quais foi trocada informação no sentido de direcionar a intervenção da ASAE e torná-la mais eficiente. Espera-se que em 2014 sejam visíveis os resultados desta colaboração, com uma possível redução dos free riders no mercado. Auditoria da Agência Portuguesa do Ambiente No final do ano de 2013, ao abrigo da atribuição da nova licença de atividade à Valorpneu, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) iniciou um processo de auditoria com âmbito nos últimos cinco anos de existência da Valorpneu. Os técnicos responsáveis pela auditoria debruçaram-se sobre o universo global do SGPU, verificando a sua operação e todas as atividades correlacionadas, como a adesão dos Produtores, a Investigação & Desenvolvimento ou a Comunicação e Sensibilização. 15

18 Apoio à organização da gestão dos pneus usados em outros países Em 2013, a Valorpneu deu seguimento à partilha da sua experiência na gestão de pneus usados com as entidades russas que estão incumbidas de definir um modelo de gestão de pneus usados naquele país. Esta partilha concretizou-se numa apresentação científica da Valorpneu na conferência realizada no Hotel Rossiya em São Petersburgo, nos dias 11 e 12 de abril, sob o tema Portuguese EPR System and the Crumb Rubber Use for Road Construction. Realização do 11.º Encontro Anual da Rede Valorpneu O Encontro Anual da Rede Valorpneu decorreu este ano nos dias 15 e 16 de outubro, na cidade da Guarda, no Hotel Lusitânia. Este ano a Valorpneu fez a apresentação dos dados relevantes alusivos à sua atividade e ao SGPU ao longo da última década. Também neste encontro foi efetuada uma apresentação pelo Professor Paulo Ferrão, intitulada: SGPU: contributo para o desenvolvimento sustentável e que resumiu os resultados do estudo realizado relativo ao Balanço Ambiental, Económico e Social da Gestão de Pneus Usados. Tal como em anos anteriores, foi apresentado o Prémio de Desempenho de Ponto de Recolha, atribuído à empresa Palmiresíduos. No que respeita ao Prémio Inovação Valorpneu, a 3 Drivers efetuou um balanço das suas cinco edições, tendo sido atribuído o Prémio em 2013 ao mestre André Guilherme Cachaço, do curso de Engenharia Química do Instituto Superior Técnico. O Encontro Anual da Rede Valorpneu terminou com a intervenção de Marco Meireles, especialista em coaching, que se focou no desenvolvimento ativo das capacidades de cada um para o alcance de objetivos ambiciosos, sólidos e fiáveis. 16

19 Avaliação de desempenho dos pontos de recolha O desempenho dos Pontos de Recolha da rede Valorpneu continuou a ser avaliado, tal como nos anos anteriores, tendo os resultados desta avaliação sido formalizados em relatórios trimestrais. A atribuição do prémio de desempenho em 2013 abrangeu o 2.º semestre de 2012 e o 1.º semestre de 2013 e considerou, entre outros aspetos, a certificação ambiental, a ausência de contaminantes na armazenagem, a presença nas formações da Valorpneu, a ocorrência de incidentes na caracterização de origens e a ausência de entregas de cargas contaminadas. A avaliação realizada pela Valorpneu foi posteriormente validada pela Ernest Young, sendo que os resultados foram apresentados no 11.º Encontro da Valorpneu. O ponto de recolha vencedor foi a empresa Palmiresíduos, com sede em Alijó. Auditorias a produtores Como é procedimento normal, a verificação das obrigações dos produtores foi realizada pela Valorpneu recorrendo a vários tipos de mecanismos, sendo de destacar a realização de auditorias formais a cargo de uma empresa internacional especializada nesta área. As auditorias aos produtores passam pelo controlo das declarações de pneus colocados no mercado nacional, que são a base para a liquidação do Ecovalor e financiamento do sistema. Em 2013 foram selecionados 340 produtores a quem foram enviados inquéritos, numa primeira fase, tendo sido visitados 40 destes produtores pela consultora Ernst Young, numa segunda fase da auditoria. Esta ação insere-se nas obrigações de controlo que a Valorpneu desenvolve e que passam pelo exame das declarações de pneus colocados no mercado nacional, que são a base para o financiamento do sistema. Em geral, os resultados foram satisfatórios. No entanto, foram detetadas algumas subdeclarações relativas, entre outras situações, a pneus usados introduzidos no mercado. 17

20 Atividades Desenvolvidas em 2013 ÁREAS Empresa e relação com a tutela PRINCIPAIS OBJETIVOS DEFINIDOS PARA 2013 Participar na revisão legislativa relativa ao setor dos pneus usados PRINCIPAIS ATIVIDADES REALIZADAS EM 2013 Pedido de renovação da licença da Valorpneu enquanto entidade gestora do SGPU Interação com a tutela com o objetivo de rever o enquadramento da atividade Garantir a execução das normas e procedimentos estabelecidos na atual licença da Valorpneu Realização do estudo Balanço Ambiental, Económico e Social da Gestão de Pneus Usados Produtores Promover a adesão de novos produtores ( free riders ) e combate à fraude Zelar pelo cumprimento das obrigações dos Produtores aderentes Novos aderentes em 2013: +201 (total: 1.652) Continuação do seguimento e interação com os agentes Rede de recolha e transporte Manter uma elevada taxa de recolha do SGPU Envolver os operadores nos resultados e promover a qualidade de serviço da rede Manutenção de uma rede adequada de Pontos de Recolha: 40 (Continente); 8 (Açores); 1 (Madeira) Manutenção de uma rede adequada de transportadores: 21 (Continente); 1 (Açores); 1 (Madeira) Reforço do seguimento do transporte de cargas, nomeadamente, ao nível da tara, volume e sua eficiência Disponibilização de relatórios de desempenho trimestrais aos Pontos de recolha e semestrais aos Transportadores Atribuição do Prémio de Desempenho de Ponto de Recolha 2013 Rede de valorização Manter taxas de valorização elevadas Monitorizar de forma eficaz a rede do SGPU e os seus operadores Implementar novas soluções de valorização dos pneus maciços Manutenção da rede de Recicladores (3), da rede de Valorizadores Energéticos (4) e da rede de Fragmentadores (1) Manutenção da cobertura total dos Recauchutadores nacionais pelo SGPU: 24 (Continente); 2 (Açores); 3 (Madeira) Acompanhamento periódico da atividade dos valorizadores Conclusão dos testes para novas soluções de valorização dos pneus maciços Monitorização contínua do mercado para verificar a existência de novas soluções para incrementar as operações de preparação para reutilização e escoamento do reciclado de pneu 18

21 Atividades Desenvolvidas em 2013 ÁREAS PRINCIPAIS OBJETIVOS DEFINIDOS PARA 2013 PRINCIPAIS ATIVIDADES REALIZADAS EM 2013 Mecanismos de controlo e fiscalização Manter e incrementar as auditorias e visitas de acompanhamento aos agentes do SGPU Auditorias a produtores: 340 Visitas de acompanhamento aos Pontos de Recolha: 40 Visitas de acompanhamento aos Valorizadores: 18 - Valorizadores (15) e Fragmentador (3) Realização de inspeções às cargas transportadas: 33 Reforço da interação com as entidades fiscalizadoras: ASAE, IGAOT, APA e DGAIEC Comunicação e sensibilização Reforçar a imagem da Valorpneu Campanha de comunicação relativa ao balanço dos 10 anos de funcionamento do SGPU, 101 inserções na TV, 428 inserções na Rádio e 23 na Imprensa escrita Atualização regular do site de internet com conteúdos técnicos e de divulgação Realização do 11.º Encontro Anual Valorpneu: 122 participantes Participação em eventos do setor: 21, incluindo patrocínios e apoios a 19 iniciativas Newsletter quadrimestral Valorpneu: exemplares Brochura institucional da Valorpneu e Jogo da Memória relativos ao balanço dos 10 anos de atividade Investigação e desenvolvimento Promover novas soluções finais para o pneu usado Realização do estudo Balanço Ambiental, Económico e Social da Gestão de Pneus Usados Atribuição do Prémio Inovação Valorpneu 2013 e lançamento do Prémio Inovação Valorpneu 2014 Estágio profissional na área do desenvolvimento e promoção de soluções de design aliadas à reciclagem dos pneus usados Interação com sociedades europeias congéneres, nomeadamente na elaboração de relatórios referentes ao fim de estatuto de resíduo Participação em grupo de trabalho para a promoção da utilização das misturas betuminosas na construção de estradas Participação em comissões técnicas do setor dos pneus e pneus usados Responsabilidade social Continuar o apoio a ações com caráter social Apoio a entidades de solidariedade social, ONG e outras atividades no domínio da responsabilidade social: 8 apoios 19

22 Balanço Ambiental, Económico e Social da Gestão de Pneus Usados Introdução Segundo o Programa Ambiental das Nações Unidas, fazem parte da Economia Verde as atividades que contribuem para a melhoria do bem-estar humano e da equidade social, em conjugação com a redução significativa dos riscos ambientais e escassez ecológicas. Numa Economia Verde o crescimento da riqueza e do emprego deve ser impulsionado pelo investimento público e privado, mas num enquadramento tal que permita uma redução das emissões de gases com efeito de estufa e da poluição, a melhoria da eficiência energética e da utilização de recursos e a prevenção da perda de biodiversidade e dos serviços associados. As atividades de gestão de resíduos tipicamente contribuem para a Economia Verde por potenciarem uma gestão mais eficiente dos recursos naturais, reduzindo os impactes ambientais da extração de novos recursos e assegurando a disponibilidade de materiais essenciais às nossas economias. Nesse sentido, durante o ano de 2013 a Valorpneu desenvolveu um projeto de investigação intitulado Balanço Ambiental, Económico e Social da Gestão de Pneus Usados em Portugal, em conjunto com a empresa 3 Drivers e o Instituto Superior Técnico, com o objetivo de avaliar e quantificar os impactes ambientais, económicos e sociais (emprego) associados ao Sistema de Gestão de Pneus Usados (SGPU). Para a execução deste projeto tomou-se como referência o ano de 2011, dado ser o mais recente em termos de estatísticas fechadas e por representar de forma aproximada os anos em que o SGPU operou, não tendo existido grandes oscilações em termos da rede, tecnologias e quantidades proporcionais de encaminhamento para os diferentes destinos. 20

23 Economia Verde Ecossistema (capital natural) Objetivo: garantir a resiliência ecológica e o crescimento sustentável Economia (capital financeiro manufaturado) Objetivo: melhorar a eficiência dos recursos e o crescimento inteligente Bem-estar humano (capital humano e social) Objetivo: melhorar a equidade social, a distribuição justa de encargos e o crescimento inclusivo 21

24 Avaliação ambiental Ao nível ambiental avaliaram-se os impactes e os benefícios que advêm da gestão de pneus usados, por exemplo em termos de emissões de Gases com Efeito de Estufa (GEE) ou do consumo acumulado de energia e analisaram-se comparativamente as várias tecnologias de reutilização, recauchutagem, reciclagem e valorização energética. Tal como a imagem abaixo indica, os benefícios ambientais são bastante superiores aos impactes. Por exemplo, no caso da categoria das alterações climáticas, o benefício ambiental é três vezes superior ao impacte. Balanço ambiental do SGPU (por ton de pneu usado gerido, 2011) Impactes Benefícios Alterações climáticas Acidificação Eutrofização terrestre Eutrofização marinha Consumo acumulado de energia 22 Produtos, materiais e energia evitados Reutilização e valorização dos PU Preparação dos PU Ainda em termos ambientais, por tonelada de pneu usado gerido em 2011 estima-se que tenha sido evitada a emissão de kg CO2-eq de GEE e o consumo de 48,8 GJ de energia. Se tivermos em conta os primeiros 10 anos de funcionamento do SGPU, por exemplo, o balanço médio anual de GEE é de -139 kt CO2-eq e de energia TJ, estimando-se que desde o início do funcionamento do SGPU a quantidade evitada de emissões de GEE ascendeu a cerca de kt CO2-eq, o equivalente respetivamente ao peso de baleias azuis, e a quantidade evitada de energia consumida ascendeu a TJ, o equivalente a 4% da energia primária consumida em Portugal num ano.

25 Avaliação económica Ao nível económico avaliou-se o enquadramento dos operadores inseridos no sistema e calculou-se o impacte económico do SGPU na economia nacional, contabilizando-se os benefícios diretos, indiretos e induzidos gerados e, igualmente, os custos de substituição de materiais e energia, os custos com o pagamento do Ecovalor pelos consumidores e ainda os hipotéticos custos de tratamento e eliminação dos PU. O estudo concluiu igualmente que o SGPU apresenta um contributo positivo para o desenvolvimento económico de Portugal. Verificou-se que o impacte total efetivo do SGPU ao nível da criação de valor acrescentado bruto (VAB) em 2011 ascendeu a 78,0 M, sendo que deste valor 40,0 M dizem respeito a impactes diretos (resultantes das atividades do SGPU), 11,5 M a impactes indiretos (resultantes das aquisições de bens e serviços do SGPU a outros ramos de atividades) e 26,5 M a impactes induzidos (resultantes da despesa feita pelos consumidores finais com o rendimento resultante dos diversos efeitos anteriormente mencionados). Valor acrescentado bruto - VAB (2011) M ,0 5,1 30, Impactes Directos Impactes Indirectos Impactes Induzidos Recauchutadores Recicladores PR+F; Transportadores; Valorpneu; Valorizadores Energéticos 23

26 Contrapondo à atual configuração do SGPU um cenário hipotético alternativo que seria a não existência de SGPU, ou seja, comparando os efeitos económicos totais efetivos do SGPU aos efeitos que adviriam com a potencial consequência de libertação de meios financeiros que poderiam ser utilizados em outras atividades (Ecovalor), com a dinamização económica pelo consumo de materiais substitutos e igualmente com a necessidade de tratar e eliminar os pneus usados, o impacte do SGPU continua a ser bastante positivo. De facto, o impacte total líquido de VAB estimado neste contexto é de 65,8 M ou de 41,6 M caso não se considere os efeitos induzidos. Outro aspeto de assinalar é o efeito do SGPU sobre a balança comercial do país, dado que permite que se aproveitem recursos endógenos (pneus usados), evitando-se em termos líquidos a importação de matérias-primas e energia. Neste contexto, em termos líquidos estima-se que o SGPU tenha permitido evitar importações no valor de 33,8 M ou 44,6 M em 2011, conforme se considerem ou não efeitos induzidos. Avaliação social Finalmente, ao nível social tipificaram-se os empregos associados aos operadores aderentes ao SGPU e estimaram-se os empregos diretos, indiretos e induzidos associados à gestão de PU, bem como a criação líquida de emprego tendo em consideração o efeito gerado pela substituição de materiais e energia, o pagamento do Ecovalor e o tratamento e eliminação hipotética dos pneus usados num cenário alternativo de gestão dos mesmos. Concluiu-se que o balanço social do SGPU é igualmente bastante positivo ao nível da criação de emprego. O impacte social total efetivo do SGPU ao nível do emprego em 2011 ascendeu a empregos, sendo que deste valor 970 dizem respeito a impactes diretos, 315 a impactes indiretos e 698 a impactes induzidos. Por outro lado, o impacte total líquido ao nível do emprego estimou-se em empregos ou empregos, caso se considere ou não os efeitos induzidos. 24

VALORPNEU. 1 - Funcionamento do Sistema

VALORPNEU. 1 - Funcionamento do Sistema RELATÓRIO DE ATIVIDADES 213 VALORPNEU www.valorpneu.pt Entidade Actividade Licença Valorpneu Sociedade de Gestão de Pneus, Lda Gestão de um Sistema Integrado de Gestão de Pneus Usados (SGPU) Despacho nº

Leia mais

VALORPNEU. 1 - Funcionamento do Sistema

VALORPNEU. 1 - Funcionamento do Sistema RELATÓRIO DE ATIVIDADES 211 VALORPNEU www.valorpneu.pt Entidade Actividade Licença Valorpneu Sociedade de Gestão de Pneus, Lda Gestão de um Sistema Integrado de Gestão de Pneus Usados (SGPU) Despacho nº

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Prémio Inovação Valorpneu 2014. Regulamento. Índice

Prémio Inovação Valorpneu 2014. Regulamento. Índice Regulamento Prémio Inovação Valorpneu 2014 Índice Artigo 1º... 2 Denominação... 2 Artigo 2º... 2 Objetivos... 2 Artigo 3º... 2 Âmbito... 2 Artigo 4º... 2 Destinatários... 2 Artigo 5º... 3 Prémios a atribuir...

Leia mais

PROGRAMA DA SESSÃO. 10h30 Impacto nos consumidores, distribuidores e recauchutadores. 10h45 Impacto nos operadores de ponto de recolha e de transporte

PROGRAMA DA SESSÃO. 10h30 Impacto nos consumidores, distribuidores e recauchutadores. 10h45 Impacto nos operadores de ponto de recolha e de transporte PROGRAMA DA SESSÃO 09h45 Recepção dos Participantes 10h00 Sessão de Abertura Painel 10 anos VALORPNEU 10h15 A construir o futuro 10h30 Impacto nos consumidores, distribuidores e recauchutadores 10h45 Impacto

Leia mais

Perguntas Frequentes Pneus Usados

Perguntas Frequentes Pneus Usados Perguntas Frequentes Pneus Usados 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de pneus usados? O Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de Abril, estabelece os princípios e as normas aplicáveis à gestão

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos. Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020

III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos. Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020 III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos Porto, 23 e 24 de Outubro de 2008 Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020 Luís Veiga Martins REUTILIZAÇÃO OU RECICLAGEM COEXISTÊNCIA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Regulamento do Green Project Awards

Regulamento do Green Project Awards Regulamento do Green Project Awards A GCI em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza, institui um Prémio de reconhecimento de boas práticas

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR

PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PROCEDIMENTO DE ADESÃO AO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DE BATERIAS DE VEÍCULOS USADAS (SIGBVU) DA VALORCAR PARA PRODUTORES/IMPORTADORES DE BATERIAS DE VEÍCULOS ÍNDICE Introdução...3 1. Enquadramento Legal...4

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

info valorpneu Newsletter quadrimestral da Valorpneu N.º 23 - abril 2014 Prémio Inovação 2014 Inova porque existe amanhã

info valorpneu Newsletter quadrimestral da Valorpneu N.º 23 - abril 2014 Prémio Inovação 2014 Inova porque existe amanhã info valorpneu Porque existe Amanhã Newsletter quadrimestral da Valorpneu N.º 23 - abril 2014 Prémio Inovação 2014 Inova porque existe amanhã editorial Editorial Climénia Silva Diretora-Geral Fragmentador

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

Manual da Marca Priolo

Manual da Marca Priolo 2015 Manual da Marca Priolo Carta Europeia de Turismo Sustentável Terras do Priolo ÍNDICE RESUMO 01 1. NOTA INTRODUTÓRIA 02 1.1 Justificação da necessidade de criação da Marca Priolo 02 2. PROCEDIMENTO

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Luís Madureira Pires Lisboa, 22 de março de 2013 Enquadramento > O Mecanismo Financeiro EEE (MF/EEE) Desde a assinatura do acordo do Espaço

Leia mais

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES 1. Porquê a introdução de uma contribuição sobre os sacos de plástico leves (mais comummente designados por sacos de compras )? Para

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA

REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA REGULAMENTO GERAL COMISSÃO ORGANIZADORA PATROCINADOR DE OURO CO-FINANCIAMENTO PATROCINADOR DE PRATA PNAM REGULAMENTO GERAL VALORES E NORMAS REGULAMENTARES GERAIS DO 1. ORIGEM, OBJETIVOS E PERIODICIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA FUNDO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Aviso 10 Edifício Eficiente 2015 LNEC - LABORATÓRIO NACIONAL DE ENGENHARIA CIVIL DIREÇÃO EXECUTIVA DO PNAEE LISBOA, 29/06/2015 O que é? Fundo de Eficiência Energética (FEE):

Leia mais

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução REGULAMENTO Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades Introdução O Banco Santander Totta, S.A., em parceria com as Instituições de Ensino Superior aderentes (doravante «IES»), e através da

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO INDICE 1. OBJETIVO 2. DESTINATÁRIOS 3. REQUISITOS GERAIS DE ACESSO À TIPOLOGIA MICROINVEST 4. MODELO ESPECÍFICO DE APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA - PROVERE Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE Fomento da competitividade

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Novos PO detêm um valor global de quase 12,2 mil M de financiamento comunitário Alerta de Cliente Dezembro de 2014 Temas/Assuntos: Numa cerimónia realizada

Leia mais

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento ROCK IN RIO LISBOA 2014 Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento PRINCÍPIOS O Sistema de Gestão da Sustentabilidade é baseado

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES

Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES Newsletter n.º 26 Mar.2013 MICROSOFT APOIA LINKCITIES A Microsoft deu a conhecer a Plataforma LinkCities propriedade da Link Think. Esta Plataforma liga as cidades e autarquias locais, através das suas

Leia mais

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL

D6. Documento de suporte à Implementação das Iniciativas Piloto REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL ÍNDICE 1. OBJETIVOS E METODOLOGIA 1.1. Objetivos 1.2. Metodologia de Trabalho 2. IDENTIFICAÇÃO DAS INICIATIVAS PILOTO 3. INICIATIVAS PILOTO 4. IMPLEMENTAÇÃO DE INICIATIVAS PILOTO - MATERIAIS DE SUPORTE

Leia mais

Regulamento do Green Project Awards

Regulamento do Green Project Awards Regulamento do Green Project Awards A GCI em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza, institui um Prémio de reconhecimento de boas práticas

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Eleições Ciclo Olímpico 2012 a 2016 Carlos Cunha de Sousa Este documento serve para apresentar a todos, as linhas orientadoras para o mandato que me proponho fazer enquanto

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.12. COM() 614 final ANNEX 1 ANEXO da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Fechar o ciclo

Leia mais

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra!

Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! Exmo. Presidente do município da Murtosa, Joaquim Santos Baptista; - na sua pessoa uma saudação aos eleitos presentes e a esta hospitaleira terra! 1 Exmo. Diretor-Geral da Educação, em representação do

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014

newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 newsletter Nº 87 ABRIL / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Março de 2014 2 Fundos de Compensação e de Garantia do Trabalho 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Assembleia da República

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Versão submetida à CE a 5 de maio de 2014 sujeita a aprovação Ação 3.1 JOVENS AGRICULTORES Nota

Leia mais

Metodologia de Atuação da Rede de Mentores

Metodologia de Atuação da Rede de Mentores Metodologia de Atuação da Rede de Mentores (Projeto Mentor - Rede de Apoio ao Empreendedorismo) 1. Processo de Constituição da Rede de Mentores O Conselho Empresarial do Centro CEC/CCIC e a AIMinho, na

Leia mais

Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU

Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU Consulta - Serviços de consultoria para elaboração de Diagnósticos e Guião para qualificação de fornecedores no âmbito do PORTUGAL SOU EU Abril 2014 Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Enquadramento... 2 3.

Leia mais

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA GUIA PORTUGAL 2020 NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? www.f-iniciativas.com GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? 1. O que é Portugal 2020 2. Metas para o Portugal

Leia mais

Modelo Regional de Apoios ao Desporto

Modelo Regional de Apoios ao Desporto 1 Introdução Esta proposta é um draft para o trabalho que se segue. Daí o seu conteúdo não ser nem pretender ser exaustivo nem definitivo. Poderão ser produzidas várias versões, à medida que se introduzem

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social O Conselho de Ação Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, atento à

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. GREEN PROJECT AWARDS BRASIL Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. CANDIDATURAS 201 INSCRIÇÕES NO PRIMEIRO ANO INSCRIÇÕES FEITAS

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

PROJECTO TER TOTAL ENERGY ROCKS

PROJECTO TER TOTAL ENERGY ROCKS PROJECTO TER 15 DE DEZEMBRO DE 2009 Projecto desenvolvido por: Professora Ana Mafalda Henriques Alunos Adriano Félix Ana Filipa Gonçalves Ana Rita Castelão André Gomes Lady Burrell Lauro Espanhol Marta

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO 21-4-2015 UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Índice A. Madeira 14-20 Instrumentos de Apoio ao tecido empresarial.

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014 Portugal 2020 CCILC, Junho 2014 Internacionalização: Quando? Para Quem? PME Organizações Onde? Regiões Como valorizar? + RH +Inovação O Quê? Que Investimentos? Quais? Temas Prioridades Objetivos Internacionalização:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

info valorpneu Newsletter quadrimestral da Valorpneu N.º 20 - abril 2013 10 anos a pensar em si e no ambiente

info valorpneu Newsletter quadrimestral da Valorpneu N.º 20 - abril 2013 10 anos a pensar em si e no ambiente info valorpneu Porque existe Amanhã Newsletter quadrimestral da Valorpneu N.º 20 - abril 2013 10 anos a pensar em si e no ambiente editorial Editorial Climénia Silva Directora Geral Valeu a pena 10 anos

Leia mais