GESTÃO DA MUDANÇA RECURSOS HUMANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DA MUDANÇA RECURSOS HUMANOS"

Transcrição

1 EUROFER GESTÃO DA MUDANÇA E RECURSOS HUMANOS RELATÓRIO FINAL Transferência de Aprendizagem na Indústria Siderúrgica Europeia Elaborado por: Prof. Dr. J. F den Hertog Faculdade de Economia e Administração de Empresas Universidade de Maastricht e Christian Mari Gestor de projecto Eurofer Projecto concebido por Eurofer e respectivo Comité de Assuntos Sociais e realizado com o apoio da Comissão Europeia

2 SÍNTESE Ao longo dos últimos 20 anos, a indústria siderúrgica europeia tem vindo a sofrer um processo considerável de mudança, contando-se actualmente entre as melhores do mundo em termos de competências produtivas, qualidade dos produtos e capacidade inovadora. Este facto é tanto mais notável se considerarmos que a maioria das empresas (no passado, predominantemente públicas) tiveram de enfrentar sérias crises ao longo das duas últimas décadas. A inovação organizacional e uma estratégia activa de gestão dos recursos humanos têm constituído elementos decisivos nesta revitalização industrial. Este processo de transição desenrolou-se em duas vagas que, em mais do que um caso, convergiram para, depois, culminarem num único movimento. A primeira vaga foi de reestruturação e drástica redução de efectivos (downsizing). Esta mudança foi necessária para preparar a indústria para o processo de privatização, permitindo-lhe competir num mercado aberto e global. O presente relatório tem por objecto a segunda vaga, no decurso da qual a mudança foi induzida a partir do interior e realizada sem apoios externos. Nos meandros da indústria, há consciência do facto de que a mudança veio para ficar. Neste contexto, a gestão de recursos humanos pode ser considerada como processo de negócio essencial que cria condições para organizações aprendentes (learning organizations) em contínua mudança. O Comité de Assuntos Sociais da Eurofer tomou a iniciativa de lançar um projecto conjunto, visando o intercâmbio de conhecimentos e experiências recolhidos por dez empresas siderúrgicas europeias neste domínio. As empresas participantes foram: Aceralia, British Steel (Corus), Cockerill- Sambre, Hoogovens (Corus), Riva/Ilva, Salzgitter, SSAB, ThyssenKrupp, Usinor, e Voest Alpine. Os relatórios das reuniões com estas empresas foram apresentados e discutidos no âmbito da Comissão Mista "Aço". Os principais resultados deste projecto são aqui apresentados e focam as seguintes questões: - Gestão da mudança; - Reforço de competências; - Renovação organizacional; e - Diálogo Social. A execução do projecto esteve a cargo de uma task force composta por gestores e especialistas das empresas participantes e membros do Comité dos Assuntos Sociais. Foram as seguintes as suas principais conclusões: A gestão da mudança organizacional e dos recursos humanos tornou-se um factor determinante para se conseguir uma vantagem competitiva em sectores com uma forte componente de conhecimento, como é o caso da indústria siderúrgica; 2

3 A mudança organizacional deve ter por base a aprendizagem organizacional. Contudo, observa-se que há que acelerar o ritmo dessa aprendizagem, na medida em que a envolvente está a evoluir ainda mais rapidamente. A mudança de velocidades parece, pois, ser fundamental neste contexto; A qualidade das comunicações é o factor que conta no diálogo social. Essa qualidade melhorou durante o processo de mudança descrito no projecto em causa, e será considerada, mantida e desenvolvida como uma mais-valia, tanto pelas administrações das empresas como pelos representantes dos trabalhadores; O projecto teve sucesso no objectivo de criar uma rede de gestores de recursos humanos na indústria siderúrgica europeia. Esta rede promete servir, numa base duradoura, de plataforma eficaz de intercâmbio de conhecimentos, ideias inovadoras e experiências, necessária à concretização dos desafios futuros. Entre os novos assuntos que requerem a atenção desta rede contam-se: a gestão de conhecimentos, as equipas autogeridas, as implicações organizacionais do comércio electrónico, estratégias mais eficazes de divulgação das inovações organizacionais, e a necessidade cada vez mais premente de as novas gerações competirem no mercado de trabalho. 3

4 O Projecto Apoiado pela Comissão Europeia, o projecto Gestão da Mudança & Recursos Humanos é uma acção concertada da indústria siderúrgica europeia, operando em conjunto no âmbito da Eurofer. Dez empresas trabalharam em estreita cooperação com o objectivo de acumularem e transferirem os conhecimentos e as experiências que reuniram no decurso das ambiciosas renovações organizacionais empreendidas ao longo da última década. Os objectivos gerais do projecto foram formulados da seguinte forma: Definir factores que contribuem para o sucesso ou o insucesso da gestão da mudança; Fornecer uma perspectiva comum da gestão da mudança e dos recursos humanos na indústria siderúrgica; Criar uma rede entre os profissionais de recursos humanos na indústria com: - participação activa, intercâmbio de ideias e melhores práticas numa atmosfera aberta e construtiva; - acções de acompanhamento nas empresas participantes. O Comité de Assuntos Sociais da Eurofer lançou este projecto de três anos, executado na prática por uma task force de gestores e especialistas das empresas participantes. Esta task force, juntamente com um representante por país do Comité de Assuntos Sociais, participou em seminários organizados, no terreno, por cada uma das empresas envolvidas. Cada empresa centrou a respectiva apresentação num programa de mudança significativa ou numa série coerente de intervenções. Além disso, estes esforços de mudança foram perspectivados mais amplamente no contexto económico e social da empresa, o que permitiu "dissecar" questões específicas, concretas e práticas e, ao mesmo tempo, "passar em revista" os factores próprios à envolvente e ao historial da empresa. Estes são elementos decisivos para compreender as similitudes e diferenças entre os casos apresentados. As empresas que participaram no projecto foram: Aceralia, Espanha British Steel Plc, Shotton works, Reino Unido (actualmente, parte da Corus) Cockerill Sambre, Bélgica (actualmente, parte da Usinor) Hoogovens, Países Baixos (actualmente, parte da Corus) 4

5 Riva/Ilva, Itália Salzgitter AG, Alemanha SSAB, Borlänge, Suécia ThyssenKrupp Stahl, Alemanha Usinor/Sollac, França Voest Alpine Stahl, Áustria Os seminários realizados serviram de plataforma para o intercâmbio de experiências, debate e análise, proporcionado a possibilidade de trocar ideias com gestores e especialistas locais, bem como com trabalhadores e seus representantes na maioria das empresas. Os resultados destes dez seminários foram vertidos em actas de reuniões apresentadas e discutidas pela Comissão Mista "Aço", as quais serviram de base ao presente relatório, juntamente com um inquérito suplementar que proporcionou a oportunidade de um segundo olhar sobre os dados apresentados, permitindo perspectivar as observações de modo mais dinâmico. 5

6 Antecedentes A indústria siderúrgica europeia é a primeira a nível mundial em termos de toneladas produzidas. Conta-se igualmente entre as melhores no que se refere a competências produtivas, equipamento, qualidade dos produtos e capacidade inovadora. Sendo uma indústria exportadora de produtos com elevado valor acrescentado, tem contribuído largamente para o excedente comercial europeu. Enquanto fornecedor da indústria europeia caracterizado pela flexibilidade e elevada qualidade, tem consolidado muitas das suas cadeias básicas de oferta. Actualmente, lidera o processo de globalização da indústria siderúrgica mundial. Não obstante, esta posição não foi atingida com mutações graduais e evolutivas, através das quais a indústria se foi adaptando à envolvente em constante mutação. Ao longo das duas últimas décadas, foram necessárias mudanças dramáticas em todos as áreas do negócio, por forma a obrigar os produtores europeus de aço a abandonarem a mera luta pela sobrevivência para se tornarem agentes qualificados em busca constante de vantagens competitivas. Alguns números apontam para a multiplicidade de iniciativas e agentes que intervieram neste processo de transformação. No espaço de 25 anos (figura 1), o número de efectivos nos 15 Estados-Membros diminuiu de para , enquanto a produção por trabalhador aumentou 3,4 vezes, de 163 toneladas para 556 toneladas em média. O valor acrescentado e a qualidade, elementos cruciais numa envolvente moderna e competitiva, melhoraram em simultâneo efectivos m. toneladas Figura 1:Volume de produção e efectivos (UE 12 1 ) O presente relatório explica os factores que contribuíram para o renascimento da indústria siderúrgica europeia na última década. Na base do presente relatório está o projecto Gestão da Mudança & Recursos Humanos que levou dez empresas siderúrgicas da Europa a criar uma 1 Não foi possível a reconstrução das séries históricas em conformidade com as definições CECA para a Áustria, Finlândia e Suécia. 6

7 rede para o intercâmbio de experiências e a transferência de aprendizagem, com incidência particular na mudança organizacional e nos recursos humanos. As mudanças operadas são notáveis e ocorreram em duas vagas. A primeira incidiu na reestruturação radical da indústria e o objectivo era assegurar a sua sobrevivência num mercado aberto, de modo socialmente aceitável. Os apoios públicos assumiram considerável importância nesta fase, a qual se iniciou com a declaração pela Comissão Europeia do "estado de crise", em conformidade com o artigo 58º do Tratado CECA, e terminou com a aprovação, a nível europeu, dos últimos planos de reestruturação relativos à Irlanda, Itália e Espanha, em Esta primeira fase crucial evitou o colapso da indústria siderúrgica europeia e garantiu a sua conveniente adaptação a novas estruturas do mercado. Após duas crises petrolíferas (1974 e 1979), as economias ocidentais compreenderam que haviam entrado numa outra era, caracterizada por um novo modelo de crescimento que transformou o mercado do aço - de mercado de vendedores passou a mercado de compradores. Assinalou igualmente a ruptura definitiva com a intervenção estatal na gestão da indústria siderúrgica. A segunda vaga afirma o reconhecimento por parte da indústria siderúrgica europeia de que o esforço permanente é fundamental para manter e reforçar a sua competitividade internacional e concretizar as suas ambições de vir a ser um interveniente determinante no mercado mundial do aço. Para além de constantes reduções dos custos, este processo implicou uma profunda revolução em termos de cultura empresarial, que passou a ser orientada para o cliente e não para a produção, de modo a proporcionar aos clientes a qualidade reforçada de produtos e serviços que exigem e merecem. Significa isto uma adaptação permanente a um mercado globalizante, num mundo em rápido movimento. O impulso para esta segunda vaga partiu da própria indústria, que demonstrou confiança nas suas capacidades para evoluir no rumo que havia determinado. A diferença essencial entre estas duas vagas reside no facto de a primeira ter assente essencialmente na partilha de responsabilidades entre as empresas, os governos nacionais e a Comunidade Europeia, com o objectivo de conseguir uma drástica redução de efectivos (downsizing) de forma socialmente compatível. Na segunda fase, pelo contrário, as empresas tiveram de concretizar mudanças existenciais recorrendo apenas aos recursos próprios. Ao fazê-lo, o seu espaço de manobra a nível económico era o de uma empresa normal operando num mercado aberto. No contexto da indústria, esta inflexão poderia descrever-se como um abandono definitivo da lógica política em favor da adopção de uma lógica puramente empresarial. A segunda vaga foi impulsionada por uma forte vontade das empresas, motivada pela certeza de que a mudança e a inovação tinham vindo para ficar. 7

8 Não obstante, para entender o presente, importa estar consciente das origens da indústria - e estas remontam a um passado distante. Após a Segunda Guerra Mundial, a indústria passou, em grande medida, a ser propriedade do estado ou a estar sob a influência governamental, e a sua reconstrução decorreu num clima de crescimento permanente. Numa economia em plena evolução e renascimento, o planeamento era um processo linear. O mercado continuava a crescer. As siderurgias aumentaram as suas capacidades produtivas durante esse período e a sua viabilidade a longo prazo parecia assegurada. O lado obscuro desta aparente solidez residia na orientação da produção num mercado dominado por vendedores. A relação custo-eficácia não constituía prioridade para os produtores de aço, que sabiam que a procura dos seus produtos seria superior à oferta. O motor da indústria era o aumento das capacidades produtivas para satisfazer o crescimento futuro da procura. O planeamento governamental desempenhava, por vezes, um papel mais importante do que os interesses económicos das próprias empresas aquando da decisão da localização de novas unidades de produção. Este facto e a intervenção estatal atrasaram o encerramento de fábricas obsoletas, tornando o processo de ajustamento muito mais penoso e oneroso, após as crises petrolíferas terem reduzido significativamente a tendência de crescimento e reorientado o investimento e o consumo para produtos eficientes do ponto de vista da energia e da produtividade, em detrimento de produtos e infra-estruturas que justificavam elevada procura de aço. De facto, no início da década de 80, ficou claro que o que acontecera não fora uma mudança quantitativa da envolvente/tendência económica, mas uma ruptura qualitativa face a um mundo de crescimento linear e permanente. Quando a poeira assentou, o mercado do aço estava virado do avesso: enorme excedente de capacidades muitas das quais compostas por unidades de produção obsoletas - resultante do retrocesso na procura do aço e da ausência de materialização dos investimentos efectuados em crescimento futuro. Estes factores agravaram a situação do mercado do aço, que passou a estar virado para o cliente. A concorrência a nível dos mercados nacional, europeu e mundial atingiu novos picos. Custos elevados, taxas inferiores de utilização das capacidades e preços mais baixos, decorrentes de batalhas sem precedentes por fatias de mercado, levaram a indústria siderúrgica europeia à beira do colapso. A declaração de crise pela Comissão Europeia permitiu a organização de uma redução ordenada das capacidades de produção em todo o sector siderúrgico CECA. Permitiu ainda às empresas mais duramente atingidas uma pausa para retomar fôlego, definindo quotas de produção e entrega (artigo 58º do Tratado CECA), e reduzindo as importações através de "acordos" com países terceiros, limitando as respectivas transações no mercado comunitário à sua quota tradicional. Neste contexto, foi autorizado o auxílio estatal para ajudar o sector sob duas condições: ser acompanhado de cortes de capacidade e assegurar a viabilidade económica de longo prazo das empresas beneficiárias. Além disso, apoios 8

9 provenientes do orçamento CECA (na sua maioria, financiado por impostos cobrados aos produtores de carvão e aço) permitiram o recurso a um regime altamente favorável de reforma antecipada, visando restringir as consequências sociais do encerramento de unidades de produção e das consideráveis reduções de efectivos. O artigo 58º do Tratado CECA foi aplicado a partir do último trimestre de 1980 até meados de 1988, sendo progressivamente abandonado a partir de O sistema de "acordos" com países terceiros desapareceu durante o mesmo período. Após a aprovação dos últimos planos de reestruturação em Dezembro de 1993, foram definitivamente banidos os subsídios ao sector siderúrgico. A indústria siderúrgica europeia emergiu deste período profundamente reestruturada e modernizada, essencialmente competitiva e com uma nova atitude. A grave crise de mercado que viveu entre meados de 1991 e 1993 constituiu um lembrete de que não deveria repousar nos resultados conseguidos anteriormente para assegurar o seu futuro. Reestruturações permanentes, cortes de despesas e adaptação a um mercado internacional em rápida evolução são processos definitivamente na ordem do dia. Na verdade, no início da década de noventa, o sector siderúrgico europeu viu-se confrontado com novos reptos: A proibição de subsídios e a abolição dos direitos aduaneiros e das restrições às importações nas fronteiras europeias alteraram as regras do jogo e expuseram completamente os produtos europeus de aço a verdadeiras forças de mercado; A competitividade teve de ser assegurada através de esforços permanentes de redução de custos, aumentando a produtividade, procurando sinergias, redefinindo (reengineering) os processos de produção, concentrando a produção nas melhores unidades fabris e encerrando as menos produtivas, etc.; Uma considerável evolução nas tecnologias utilizadas para a produção de aço havia acompanhado a reestruturação da indústria, e novas e drásticas mudanças tecnológicas estavam em curso; A qualidade tornou-se uma preocupação central no sentido de satisfazer necessidades cada vez mais sofisticadas dos clientes em termos de produtos e serviços. Os produtores de aço tornaram-se parte da cadeia de valor das suas indústrias clientes e tiveram de desempenhar um novo papel enquanto co-fazedores profissionais e parceiros de negócio. A fim de dar resposta satisfatória a estes novos desafios, tornou-se imperativa, na maioria dos casos, uma redefinição de prioridades estratégicas e o desenvolvimento de uma nova cultura orientada para o 9

10 cliente, que, em última instância, conduziram à privatização de grande parte do sector siderúrgico na Europa. Este processo exigiu igualmente a racionalização e a simplificação de estruturas organizacionais e a revitalização de culturas organizacionais. A gestão de recursos humanos assente no desenvolvimento de competências e no empowerment desempenhou um papel crucial neste processo. Igualmente fundamental foi a crescente sensibilização no sector para o facto de que tinham se der encontradas novas soluções para os problemas. Era também necessária uma mudança qualitativa de base. Era preciso trabalhar de forma diferente (caixa 1). De facto, a fim de aumentar significativamente a sua capacidade de antecipação e adaptação à mudança, a indústria teve de deixar de manobrar como um petroleiro para passar a competir numa espécie de America Cup. Por outras palavras, o desafio consistia em desenvolver a capacidade de mudar o curso rapidamente e em segurança, por forma a dar resposta imediata às necessidades do mercado e aproveitar as oportunidades, em vez de ter de navegar longas distâncias por longos períodos de tempo antes de o fazer eficazmente. Para que este processo seja possível, é necessário o desenvolvimento de um espírito de equipa entre uma tripulação altamente especializada e motivada. Em quase todos os níveis e domínios da empresa, foi preciso introduzir novas formas de trabalhar: da sala de direcção à fábrica, nas relações com os clientes, fornecedores e trabalhadores, atravessando os limites organizacionais internos e externos estabelecidos. Todas as empresas participantes (quadro 1) têm vindo a passar por este processo. Há que salientar que o têm feito sem renovação de efectivos e, sobretudo, sem a possibilidade de escolha em relação ao pessoal que manteria os respectivos postos de trabalho, mas essencialmente adaptando a mão-de-obra restante às exigências do novo contexto. Essas empresas estão conscientes de que mudança e inovação são hoje processos contínuos. As vantagens competitivas dependerão cada vez mais da capacidade de mudar e inovar. A gestão da mudança e os recursos humanos que têm de a concretizar devem ser considerados, neste contexto, uma competência nuclear e vantagem primordial. Aprender a partir da própria mudança (i.e., "aprendizagem organizacional") é crucial para o desenvolvimento desta capacidade e para a capitalização dessa vantagem. Essa constituiu a motivação para este projecto. British Steel (Shotton): Ainda que tenham sido conseguidas melhorias significativas em termos de eficácia, tornou-se evidente que, a fim de manter a nossa posição competitiva e dar resposta aos padrões de qualidade cada vez mais exigentes dos nossos clientes, eram necessárias ulteriores e drásticas mudanças para acelerar as melhorias. 10

11 Cockerill-Sambre: Os projectos-piloto demonstraram a ineficácia das formas tradicionais de redução de custos. Era imperativo encontrar novas abordagens, através de uma nova organização do trabalho, assente na exploração das potencialidades da mão-de-obra e no desenvolvimento de competências. Hoogovens: De repente, demo-nos conta de que dez anos de trabalho árduo poucas recompensas financeiras haviam produzido. E, colectivamente, percebemos que fazer mais do mesmo - ou, por outras palavras, trabalhar mais arduamente - de nada serviria. Compreendemos que era necessária uma verdadeira mudança: a nível dos processos, da organização da força de trabalho, das relações com os clientes, etc. Caixa 1: Mudança qualitativa: acabar com o "fazer mais do mesmo" Aprender a partir das similitudes e diferenças No início da apresentação das conclusões do presente projecto, há que salientar que cada empresa participante optou por ilustrar um processo de mudança que considerou particularmente relevante, quer porque estava naquele momento em curso ou porque havia sido recentemente concluído. Deste modo, os estudos de casos específicos podem ou não ser directamente representativos da tendência mais abrangente de mudança qualitativa anteriormente descrita. Contudo, todos são emblemáticos da problemática da gestão da mudança em articulação com os recursos humanos. Há que sublinhar que os "casos especiais de mudança" apresentados têm como objectivo ser portadores das lições aprendidas e que devem ser objecto de intercâmbio. O quadro 1 traça uma panorâmica muito geral dos 10 diferentes estudos de casos, demonstrando que: A maioria incide directamente na questão abrangente da mudança qualitativa; Entre esses, aproximadamente metade são projectos-piloto ou programas de mudança limitados a uma parte da empresa; Dois dos estudos incidem directamente na questão das aquisições e das fusões; Todos envolvem a concepção e a implementação de uma nova organização. 11

12 Embora todas as empresas participantes operem num contexto económico e institucional comum, existem diferenças notáveis em termos da situação de partida, dos modelos de acção escolhidos e do âmbito das mudanças efectuadas. Em algumas empresas, o processo foi iniciado mais cedo do que noutras, na maioria dos casos porque a conjuntura as havia já pressionado nesse sentido. As empresas que iniciaram o processo mais cedo dispuseram, obviamente, de mais tempo para concretizar as mudanças. As que tiveram pouco tempo tentaram utilizar a dinâmica criada por rápidas mudanças a nível da empresa. A situação de partida foi um factor ainda mais complexo para aquelas empresas que tiveram de iniciar o processo com encerramento de unidades, fusões ou integração de unidades de produção. Não é difícil imaginar as implicações em termos de cultura que este facto teve em algumas das empresas: organizações que, ao longo dos últimos cem anos, foram "concorrentes eternas" umas das outras eram agora obrigadas a operar e cooperar como membros de "uma família". Outro factor diferenciador prende-se com as relações laborais e os modelos de comunicação, negociação e cooperação entre administração e representantes dos trabalhadores, sejam estes sindicatos, conselhos de empresa ou delegados de pessoal. Em algumas empresas, o sistema de relações laborais existente constituiu um importante veículo de mudança. Noutras, porém, as intensas interacções administração/sindicatos serviram inicialmente para travar o processo de mudança, e não para o impulsionar. Nestes casos, foi necessário operar mudanças a nível dessas relações enquanto parte do processo. Para tentar entender os modelos de mudança seguidos pelas empresas participantes no projecto, é importante equacionar estas diferenças nas situações de partida. As organizações ficam presas na sua história. O caminho que trilharam determina, em larga medida, as suas opções de futuro. Um "programa de emergência" para a mudança organizacional poderá ser a única opção numa determinada situação A, enquanto que o mesmo poderá obstar a qualquer acção na situação B. As ilações a retirar em matéria de mudança organizacional estão fortemente dependentes do contexto. A melhor prática numa situação poderá ser completamente ineficaz noutra, principal motivo por que este projecto não teve como objectivo definir um parâmetro de referência organizacional conducente a generalizações estatísticas. O presente estudo proporciona um manancial de lições de mudança organizacional resultantes da prática no mundo real da indústria siderúrgica. Esta aprendizagem serve de base a uma perspectiva partilhada e à descrição de uma série de opções diferentes para a concretização da mudança. O princípio básico comum subjacente a estas diferentes práticas parece ser o significado qualitativo da mudança, independentemente do grau de urgência da mesma, sua incidência ou origem. 12

13 Os temas A gestão da mudança é o primeiro tema discutido no presente relatório, incidindo nos diferentes papéis desempenhados no processo; o apoio activo dos gestores de topo e a alteração da missão dos gestores de linha; a importância de uma visão clara e partilhada, e uma comunicação eficaz. Basicamente, trata-se de criar confiança e desenvolver uma cultura da mudança, processo este que implica mais do que a promoção de novos valores e normas. A mudança cultural tem de ser internalizada e traduzida em formas novas e mais eficazes de acção e comportamentos na vida quotidiana de uma empresa. O desenvolvimento de competências provou ter uma importância estratégica na indústria siderúrgica moderna. A polivalência e o desenvolvimento contínuo de competências tornaram-se condições básicas da flexibilidade e da adaptabilidade. A gestão de recursos humanos assume um papel particularmente relevante neste contexto. A concepção e o desenvolvimento de novas formas organizacionais a diferentes níveis da empresa é o terceiro tema tratado. Trata-se de renovação organizacional, racionalização e simplificação da organização. Especial atenção é prestada à criação de grupos auto-geridos ou ao "trabalho em equipa". O diálogo social pode ser considerado como o pano de fundo da mudança. O seu âmbito prende-se com uma nova perspectiva de comunicação entre os trabalhadores, seus representantes e gestores: aberta e bilateral, permitindo um novo futuro, em detrimento da conservação do passado. O presente relatório apresenta uma diversidade de abordagens da mudança organizacional e opções para a sua tradução prática. A última secção pretende retirar as principais conclusões desta variedade de acções. 13

14 Quadro 1 Empresa Início Impulso Âmbito Mudanças Observações Aceralia 1992/93 British Steel Shotton 1991 Ameaça de encerramento: progredir ou morrer. Necessidade de mudanças decisivas por forma a permitir a aceleração das melhorias. Toda a empresa. Fábrica. Projecto-piloto para o resto da empresa. Fusão e reestruturação industrial conducentes a privatização. Nova organização. Introdução de equipas polivalentes. Nova organização. Trabalho em equipa. A formação enquanto factor essencial de integração. Desenvolver uma cultura da aprendizagem. Cockerill Sambre End 1995 Necessidade de assegurar a competitividade e a futura situação no mercado. Toda a empresa. Projecto-piloto de trabalho em equipa. Nova organização. Introdução do trabalho em equipa. Gestão do tempo. Hoogovens 1991 Necessidade de operar de forma diferente para melhorar resultados financeiros e assegurar a competitividade a longo prazo. Projecto-piloto na HPS (Hoogovens Packaging Steel) para "equipas autogeridas". Nova organização a nível da empresa. Introdução de "equipas autogeridas" Na senda de uma organização aprendente. Riva/Ilva 1995 Aquisição da empresa Ilva pela Riva quando a Ilva foi privatizada. Ilva Nova organização. Novo estilo de gestão. Novas relações sociais. Rapidez e eficiência. Introdução do modelo de gestão "mini mill" numa empresa tradicional e integrada. 14

15 Quadro 1 (continuação) Empresa Início Impulso Âmbito Mudanças Observações Salzgitter 1996 SSAB Borlange Thyssen Krupp Usinor/Sollac Final da década de 80 Voest Alpine 1996 Fim do apoio institucional a programas de reforma antecipada. Necessidade de consolidação de resultados financeiros. Aquisição de capacidades para enfrentar novos desafios empresariais. Fusão das actividades siderúrgicas da Thyssen e da Krupp. Criação de uma empresa privada lucrativa a partir de duas empresas públicas com problemas. Viver sem reforma antecipada. Necessidade de melhorar resultados financeiros. Criação de PPS. Fábrica. Nova empresa resultante da fusão. Sollac. Toda a empresa, a começar pelo topo Uma solução para um problema social que também introduz um novo modelo de organização e gestão. Descentralização das decisões. Introdução de equipas orientadas para objectivos. Reestruturação. Integração. Nova organização. Nova organização. Gestão intermédia enquanto motor de mudança. Reengenharia. Nova organização. Promoção de nova cultura enquanto alavanca de mudança. Catalisador de futuras iniciativas de mudança. Na senda de uma organização aprendente. Criar sinergias. Gestão do tempo. Na senda de uma empresa aprendente. Aproveitar os resultados das melhorias constantes exige o desenvolvimento de novas formas de trabalho em conjunto e cooperação. 15

16 A Gestão da Mudança Não existe "um único modelo de sucesso". Existe, sim, uma ampla gama de opções possíveis para estruturas e processos organizacionais, práticas de gestão de recursos humanos, bem como para o desenvolvimento de relações saudáveis com clientes, fornecedores, parceiros sociais e outros agentes. Há uma "escolha organizacional", que permite às empresas adoptar abordagens que vão ao encontro das necessidades e possibilidades desses agentes cruciais. A escolha racional entre o modelo A e o modelo B pode ser muito complexa. Porém, preparar o caminho de A para B pode revestir mais incertezas e perigos. A essência da gestão da mudança é transformar um modelo normativo da organização num modelo de trabalho. Conceber novas soluções é uma actividade criativa, implementá-las exige trabalho árduo. É difícil operar mudanças nas organizações, em particular devido à burocracia existente. O paradoxo é que quanto mais uma empresa tem necessidade de mudança, menos bem preparada e equipada está para a concretizar. Por conseguinte, se queremos implementar a mudança, há que "preparar o impreparado". Criar as condições para a mudança e moldar os processos que conduzem a novas formas de organização têm sido preocupações cruciais dos gestores das dez empresas siderúrgicas participantes no projecto. A sucessão de mutações organizacionais em algumas empresas tem sido igualmente uma forma de manter a apetência da mão-de-obra para a mudança. Contudo, os diferentes gestores operaram escolhas diferentes neste domínio, o que não é surpreendente quando consideramos os diferentes contextos e situações de partida (mesmo no interior de uma empresa). Algumas empresas apenas recentemente efectuaram reduções drásticas de efectivos e racionalizações, estando ainda a recuperar do esforço. Outras estão envolvidas em programas mais duradouros por forma a desenvolver a capacidade de melhorarem continuamente. Outra ainda estão a sofrer novas mutações induzidas por uma fusão. Nesta secção, serão descritos estes diferentes modelos de mudança, em relação com os seus antecedentes e contextos. Antes de serem consideradas as diferenças, será dada atenção às similitudes, na medida em que estas são igualmente significativas tendo em conta os variados esforços de mudança. Verdadeiro compromisso do topo Como aconteceu no caso da empresa Riva/Ilva, trabalhadores e gestores têm de interiorizar a necessidade de mudança: Desta vez é a sério. Os nossos gestores de topo não estão apenas envolvidos e empenhados, mas apontam o caminho, acompanhando e fiscalizando as operações de perto. Cada empresa possui pilhas de planos que nunca foram efectivamente concretizados. Em alguns casos, planos válidos foram abandonados porque a gestão intermédia obstruiu a mudança. Noutros casos, iniciativas 16

17 inovadoras por parte da gestão de linha não conseguiram obter apoio da administração ou dos trabalhadores. Uma consequência potencial destas tentativas falhadas é que apenas algumas pessoas acreditam que é realmente necessário mudar e que a mudança vai acontecer. Uma circular do vice-presidente, um vídeo da empresa com a participação do presidente, ou ainda um artigo no boletim informativo não são obviamente suficientes. Um dos participantes colocou a questão nos seguintes termos: Não esquecemos o dia em que o presidente subiu ao palanque e se dirigiu aos trabalhadores e gestores da empresa, cara a cara. Nesse momento, as pessoas começaram a acreditar na operação de mudança. Um representante da SSAB afirmou: Através do seu envolvimento pessoal, os gestores de topo têm agora um rosto. Em vez de patrões desconhecidos, são pessoas reais determinadas a atingir os seus objectivos. Neste contexto, é importante assegurar a coerência [4] entre palavras e actos. As pessoas dão mais importância às acções do que às conversas. Os nossos gestores de topo põem em prática o que dizem, tal como afirmaram os trabalhadores da Hoogovens. O comportamento dos gestores de topo tem, pois, um importante significado simbólico. Comunicar visões claras Igualmente fundamental é a clareza da visão: PORQUÊ a empresa tem de mudar, O QUE vai mudar, QUANDO e COMO será concretizada a mudança, com o envolvimento de QUEM. Os participantes têm necessidade de directrizes claras, que tornem possível relacionar acções parciais com toda a operação. Os objectivos finais têm de ser muito definidos e a mudança tem de ser realizada completamente com o constante feedback de todos os participantes. A SSAB utilizou o balanced scorecard para tornar a visão mais concreta. A intenção era usar este instrumento para acompanhar as acções na perspectiva do cliente, do trabalhador e dos objectivos económicos. A urgência da mudança não ficou evidente para muitos trabalhadores. A defesa da necessidade de mudar implicou, em algumas das empresas, a clarificação das disfunções da organização existente. Foi solicitada a invalidação de maus hábitos e de rotinas erradas nos casos em que as pessoas pensavam, erroneamente, estar a agir da melhor forma. Na Cockerill-Sambre, um grupo de jovens gestores prometedores foi convidado a dar a sua visão crítica da organização da empresa. A British Steel (Shotton) decidiu fazer da comunicação um processo de negócio básico. Na maioria das empresas, foi salientado que a comunicação tem de ser um processo contínuo: A clareza de objectivos não é suficiente; a mão-de-obra tem de ser constantemente informada dos eventuais dividendos dos seus esforços. Parte da adesão progressiva à mudança deriva da satisfação de se atingirem novos objectivos. A maioria das empresas considerou a comunicação enquanto ferramenta eficaz para, simultaneamente, aumentar e diminuir o sentimento de 17

18 incerteza. Como ponto de partida, há que fomentar uma sensação de urgência. Na maioria dos casos, a comunicação de factos penosos serviu de terapia de choque. Na fase de desenvolvimento, a comunicação constituiu um instrumento de avanço e motivação. A mudança tem também de ser objecto de marketing. No decurso das transformações organizacionais, os processos de comunicação em muitas empresas foram evoluindo por si mesmos. Inicialmente, grande parte dos esforços tinham um carácter de divulgação: mensagens cuidadosamente planeadas e formuladas enviadas para vastas audiências. Na segunda fase, quando todo o processo de mudança estava a ser organizado, a comunicação sobre o programa de mutações seguiu o curso de uma cascata, de um nível de gestão e organização para o seguinte. Numa minoria de empresas, a comunicação evoluiu para um processo bilateral, quer no contexto de sessões de grupo directas entre os operários, da representação dos trabalhadores em grupos de projecto ou em programas de formação. Confiança No seio das organizações, a confiança tem de ser construída e adquirida, o que leva o seu tempo, A confiança pode perder-se subitamente com pequenos erros. De acordo com a maioria dos representantes da empresa, a confiança é especialmente importante quando o futuro é incerto. Por conseguinte, a desconfiança tem constituído um problema fundamental na maioria das empresas. A desconfiança e o cepticismo podem ser o resultado de velhas promessas não cumpridas, ou de novas ameaças vindas do exterior. Contudo, um grupo que defenda a sua posição contra outros grupos pode igualmente cultivar a desconfiança. No passado, em muitas empresas, as relações entre gestores e representantes de trabalhadores (sindicatos, delegados de pessoal e conselhos de empresa) eram fluidas devido a este fenómeno. Na maioria dos casos, a desconfiança foi reconhecida como um dos principais obstáculos a ultrapassar durante o processo. A confiança pode ser adquirida de três formas: através de uma acção competente com resultados positivos, de uma atitude franca e aberta, e de encontros directos, abertos e pessoais entre gestores (de topo) e trabalhadores. A maioria das empresas actuaram em conformidade com estas orientações. Os gigantescos esforços para informar os membros das organizações sobre os motivos da mudança, sobre a própria mudança e sobre os resultados podem ser considerados meios de construir confiança. O carisma da liderança inverteu verdadeiramente a situação em algumas empresas (Riva/Ilva, Salzgitter). A nossa administração tem agora um rosto. A percepção dos gestores de topo como pessoas reais, preocupadas com o futuro da empresa e respectivos trabalhadores é crucial. Por último, há que mencionar as medidas adoptadas para implementar as mudanças de modo socialmente compatível. A garantia de que não ocorreriam ulteriores despedimentos contribuiu para reduzir o stress e a desmoralização na 18

19 maioria das empresas. A incerteza não é, de modo algum, um contexto gerador de confiança. Na maioria dos casos, a opção por negociações com os sindicatos e os conselhos de empresa numa fase precoce assumiu importância primordial para a construção de confiança e para a instauração da comunicação. Gestores de linha Na quase totalidade das empresas, o número de níveis hierárquicos foi drasticamente reduzido. Em pelo menos dois casos (quadro 2), passou de 6 ou 5 para 3 níveis. Por vezes, esta mudança centrou-se predominantemente na redução dos níveis de gestão superiores e intermédios e na concessão de poder decisório (empowerment) aos gestores de linha. Noutros casos, o processo incidiu no empowerment de equipas autogeridas e na redução dos gestores ao nível da fábrica. Contudo, em ambos os casos, o interface directo entre trabalhadores e gestores provou ser crucial para a efectivação da mudança. Na Usinor, o supervisor de linha foi referido como sendo o motor da mudança. Os supervisores desempenham um importante papel enquanto interruptores no processo de comunicação, passando a comunicação do topo para a base e da base para o topo. Significa isto que deles se espera também que passem a missão de mudança comunicada pelo topo e que enviem as preocupações e sugestões críticas na direcção oposta. O novo papel tornou-se claramente visível durante o seu envolvimento nos programas de formação e instrução na maioria das empresas. Em muitos casos, agiram como professor e treinador. Frequentemente, foi reconhecido que este elo da cadeia deveria ser reforçado, em especial no que respeita à nova missão de acompanhamento (coaching) dos supervisores. A maior parte das empresas, criaram programas destinados a fazer o acompanhamento dos acompanhadores. Cultura Cultura e empresa são indissociáveis. Ainda mais do que as normas definidas ou explícitas do jogo, um cultura de empresa implica as regras não escritas [5]. Na sua forma mais simples, a cultura organizacional foi definida nos seguintes termos: O modo como fazemos as coisas por aqui [3]. Definir os processos de mudança empreendidos pela indústria siderúrgica enquanto resposta à necessidade de "fazer as coisas de modo diferente" claramente identifica a cultura da empresa como uma das maiores apostas destes processos de mudança. Tudo isto poderia inferir-se do que foi dito anteriormente, no sentido em que a transição de uma cultura orientada para a produção para uma cultura orientada para o cliente constituía um dos objectivos fundamentais do sector. Além disso, ficou evidente que o fim dos auxílios estatais 19

20 obrigou a uma nova avaliação do futuro da empresa. De facto, o despertar para a nova realidade segundo a qual as empresas siderúrgicas tinham de sobreviver enquanto empresas normais foi sentido por muitos como um choque cultural. Não obstante, a impressionante envergadura das mutações culturais geradas pelos processos de mudança levados a cabo tornar-se-á mais evidente em desenvolvimentos posteriores, demonstrando, em particular, como o modelo Taylorista de organização hierárquica foi desmantelado e substituído por formas organizacionais nas quais a descentralização de responsabilidades e a colaboração desempenham um papel fundamental, ao mesmo tempo que o trabalho adquire novos conteúdos. Segundo um operador da SSAB: Estávamos habituados a que os supervisores nos resolvessem os problemas, mas, de um momento para o outro, temos de ser nós a fazer tudo! Costumávamos perguntar ao supervisor o que fazer para depois termos o nosso trabalho fiscalizado agora, temos de pensar por nós próprios. A responsabilidade pessoal acrescida resulta em tarefas mais compensadoras. Significa isto uma mudança radical no comportamento de trabalhadores e gestores, bem como na sua relação com o seu trabalho, seus colegas e a empresa. Não é, pois, de estranhar que a mudança cultural tenha constituído uma questão sensível, facto que ficou patente, em especial, nas muito diferentes abordagens adoptadas pelas dez empresas para a gerir. O âmbito dos diferentes métodos começa pela utilização da mudança cultural enquanto alavanca para ulteriores mutações organizacionais, e acaba com a decisão de procurar a mudança cultural sem dela falar, por forma a evitar uma reacção adversa. A experiência da Voest Alpine constituiu a melhor ilustração da primeira abordagem. Aqui, em paralelo com um processo de reengenharia, a definição de uma nova cultura foi usada para eliminar obstáculos entre as diversas unidades da empresa e respectivo pessoal. Alterar o comportamento das pessoas e habituá-las a trabalhar em conjunto em vez de se considerarem donos do seu trabalho (e correspondente informação) foi considerado um impulso crítico da mudança. Pelo contrário, num contexto sensível de fusão, a ThyssenKrupp Steel optou por lidar com a mudança cultural da forma menos conspícua possível. Dado que cada uma das empresas que foram fundidas era herdeira de uma forte e antiga cultura, considerou-se que tentar impor uma nova cultura à nova entidade seria mais prejudicial do que benéfico. Entre as duas abordagens, a maioria das outras empresas, como a ThyssenKrupp Steel, considerou que o desenvolvimento de uma nova cultura seria o resultado natural do processo de mudança e, tal como a Voest Alpine, não hesitou em torná-la parte explícita desse mesmo processo. Algumas empresas, como a Hoogovens, procuraram explicitamente o desenvolvimento de uma cultura da mudança. Não obstante, independentemente da abordagem adoptada, todas as empresas utilizaram o mesmo método para levar essas mudanças por diante. Se quatro empresas (Cockerill Sambre, SSAB, Usinor, Voest Alpine) criaram programas especiais de liderança e mudança para este 20

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO As coisas importantes nunca devem ficar à mercê das coisas menos importantes Goethe Breve Evolução Histórica e Legislativa da Segurança e Saúde no Trabalho No

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. que acompanha. Proposta de

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. que acompanha. Proposta de COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2006 SEC(2006) 1314 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que estabelece

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

INTRODUÇÃO objectivo

INTRODUÇÃO objectivo INTRODUÇÃO O tema central deste trabalho é o sistema de produção just-in-time ou JIT. Ao falarmos de just-in-time surge de imediato a ideia de produção sem stocks, inventários ao nível de zero, produção

Leia mais

A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia

A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia Em 2001, na Áustria Central (Styria), num contexto marcado pela rápida mudança tecnológica e contínuo processo de inovação, surgiu um projecto de cooperação em

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos

Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrevista a Idalberto Chiavenato, guru mundial de recursos humanos Entrada: Um dos maiores peritos em administração de empresas e recursos humanos, o brasileiro Idalberto Chiavenato, está de regresso

Leia mais

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal

A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal A I&DT em 2020 e os Desafios para Portugal Nesta apresentação vou começar por partilhar alguma informação sobre a evolução da I&D empresarial e seus resultados. Os seus avanços são ainda pouco conhecidos,

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos

Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Discurso de Sua Excelência o Governador do Banco de Cabo Verde, no acto de abertura do XIII Encontro de Recursos Humanos dos Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa 24 e 25 de Março de 2011 1 Senhor

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Modelos de Gestão Pública: Tipologias de Governação

Modelos de Gestão Pública: Tipologias de Governação Modelos de Gestão Pública: Tipologias de Governação Nas últimas décadas do século XX, o tema da reforma administrativa passou a estar na agenda de grande parte dos governos dos países industrializados.

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos

Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Criatividade e Inovação Organizacional: A liderança de equipas na resolução de problemas complexos Dizer que o grande segredo do sucesso das empresas, especialmente em tempos conturbados, é a sua adaptabilidade

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO 2004 ««««««««««««2009 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 19.9.2005 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a criação de um Programa-Quadro para a Competitividade e a Inovação (2007-2013) Comissão

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais