Interciencia Asociación Interciencia ISSN (Versión impresa): VENEZUELA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Interciencia Asociación Interciencia interciencia@ivic.ve ISSN (Versión impresa): 0378-1844 VENEZUELA"

Transcrição

1 Interciencia Asociación Interciencia ISSN (Versión impresa): VENEZUELA 2002 Ulysses Paulino de Albuquerque / Laise de Holanda Cavalcanti Andrade USO DE RECURSOS VEGETAIS DA CAATINGA: O CASO DO AGRESTE DO ESTADO DE PERNAMBUCO (NORDESTE DO BRASIL) Interciencia, julio, año/vol. 27, número 007 Asociación Interciencia Caracas, Venezuela pp Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal Universidad Autónoma del Estado de México

2 USO DE RECURSOS VEGETAIS DA CAATINGA: O CASO DO AGRESTE DO ESTADO DE PERNAMBUCO (NORDESTE DO BRASIL) ULYSSES PAULINO DE ALBUQUERQUE e LAISE DE HOLANDA CAVALCANTI ANDRADE studos etnobotânicos no semi-árido brasileiro são ainda muito escassos, o que reflete a grande falta de interesse pelas florestas secas, consideradas por Janzen (1997) como um dos mais ameaçados ecossistemas do planeta. As atuais formas de uso e aproveitamento da terra são extremamente precárias e não respeitam a complexidade desses delicados ecossistemas. Uma das alternativas que têm sido apontadas para solucionar esse problema seria o estudo sobre o conhecimento e uso que as populações locais fazem dos recursos naturais e a análise detalhada do impacto de suas práticas sobre a biodiversidade (Albuquerque, 1997, 1999; Toledo et al., 1995). As rápidas mudanças sociais e os processos de aculturação econômica e cultural afetam fortemente o conhecimento local sobre o uso de recursos naturais (Amorozo e Gély, 1988; Caniago e Siebert, 1998; Benz et al., 2000). Os problemas decorrentes dessa perda cultural são irreversíveis e, com ela, as possibilidades de desenvolver sustentavelmente uma região com base na experiência local são reduzidas. Quando se fala em desenvolvimento sustentável, deve-se garantir os meios de sobrevivência para as comunidades locais antes de qualquer outra coisa. Na verdade, todos esses aspectos já vêm sendo discutidos por diversos autores (Diegues, 1994; Begossi, 1998; Rêgo, 1999; Albuquerque, 1999). No Nordeste do Brasil a expansão pecuária é um processo marcante, que se reflete na conversão de florestas em pastagens e cultivos. Algumas políticas e programas destinados à região são insuficientes e muitas vezes inconsistentes, pois derivam de um pobre conhecimento sobre os recursos e sobre a complexidade da relação pessoas/ambiente. O estudo de informações sobre a interação pessoas/plantas pode contribuir para mudar o quadro atual e pode dar-se em dois níveis: padrão geral de uso da terra relacionado com atividades econômicas e background cultural; e estudos por comunidades, grupos culturais ou táxons (Bye, 1995). No presente artigo, objetivou-se especialmente estudar a relação de uma comunidade rural, inserida no ecossistema caatinga, com as plantas da localidade, tendo em vista a importância de um tal conjunto de informações para o conhecimento dos recursos desta região. Este trabalho explora a relação pessoas/plantas no ecossistema caatinga (uma floresta seca), no município de Alagoinha, estado de Pernambuco (Brasil). Os seguintes questionamentos nortearam o seu desenvolvimento: 1) De que forma a comunidade local aproveita os recursos vegetais da região? 2) Aproveitando os recursos disponíveis, estes são diretamente utilizados no atendimento das necessidades gerais ou se convertem em produtos de venda ou troca? 3) Quais os produtos vegetais obtidos diretamente do ecossistema? 4) A disponibilidade desses recursos e o atendimento das necessidades das pessoas na comunidade estudada obedecem a fatores temporais? 5) Há espécies que recebem maior atenção das pessoas? Muitas das espécies vegetais da caatinga estão atualmente ameaçadas de extinção por várias razões, principalmente pela forte pressão extrativista de madeira para produção de carvão e/ou materiais de construção. Área de Estudo O município de Alagoinha, com área de 181km 2, está localizado no Nordeste do Brasil na sub-zona do agreste de Pernambuco (08º27 59 S; 36º46 33 W), distando 225,5km da capital deste Estado (FIDEM, 2001; Figura 1). O clima é semi-árido quente de baixas latitudes. Segundo a classificação de Köppen, esse clima enquadra-se no tipo BSHs. A temperatura média anual é de 25ºC e a precipitação pluviométrica anual é de 599mm, com chuvas distribuídas irregularmente durante o ano. A vegetação natural consiste de floresta tropical seca do tipo caatinga arbórea hiperxerófila, a qual se caracteriza pela PALAVRAS CHAVE / Brasil / Caatinga / Comunidade Rural / Etnobotânica / Uso de Recursos Naturais / Recebido: 05/10/2001. Modificado: 20/02/2002. Aceito: 09/04/2002 Ulysses Paulino de Albuquerque. Mestre e Doutor em Biologia Vegetal, Universidad Federal de Pernambuco (UFPE), Brasil. Professor Adjunto I. Endereço: Departamento de Biologia, Área de Botânica, Universidade Federal Rural de Pernambuco, R. Dom Manoel de Medeiros s/n, Dois Irmãos, Recife-PE, Brasil. e- mail: Laise de Holanda Cavalcanti Andrade. Mestra e Doutora em Botânica, Universidade de São Paulo, Brasil. Professor Ajunto IV. Endereço: Laboratório de Etnobotânica e Botânica Aplicada (LEBA), Universidade Federal de Pernambuco, Av. Prof. Moraes Rêgo s/n, Cidade Universitária, Recife-PE /02/07/ $ 3.00/0 JUL 2002, VOL. 27 Nº 7

3 presença de espécies xerófitas e decíduas, bem como de representantes das famílias Cactaceae e Bromeliaceae. Apresenta espécies que permanecem com folhas na estação seca, como é o caso do juá (Ziziphus joazeiro Mart.) ou parcialmente, como o umbu (Spondias tuberosa Arr. Câm.). A vegetação de caatinga, que cobre uma vasta área da região Nordeste do Brasil, é caracterizada pela deficiência hídrica originada da baixa pluviosidade, da alta evapotranspiração potencial e da distribuição irregular das chuvas (Rodal et al., 1992; Sampaio, 1995). Segundo Sampaio (1995) a flora é ainda pouco conhecida, incluindo aproximadamente 339 espécies de árvores e arbustos, sendo as famílias com o maior número de espécies Leguminosae, Euphorbiaceae e Cactaceae. A vegetação de caatinga não forma um conjunto estrutural e florístico homogêneo, mas varia em função de fatores como solo, índice xerotérmico, fisionomia e gêneros característicos, a saber: Tabebuia, Aspidosperma, Astronium, Cavanillesia, Schinopsis, Caesalpinia, Mimosa, Syagrus, Spondias, Cereus, Pilosocereus, Jatropha, Piptadenia, etc. (Sampaio, 1995). Na área de estudo, a agropecuária e o comércio são os dois principais setores econômicos. A agricultura é baseada no cultivo de feijão, mandioca, milho e goiaba. A comunidade rural, com 5793 habitantes dos habitantes do total (FIDEM, 2001), apresenta muitas unidades familiares caracterizadas por uma economia de subsistência cultivando plantas como mandioca, milho, goiaba e pinha, e criando bovinos e/ou caprinos. Produtos excedentes são comercializados nas feiras e mercados da cidade ou de municípios vizinhos. Extensas áreas de vegetação são convertidas em pastagens ou derrubadas para produção de madeira e carvão. As pequenas propriedades da zona rural são física e estruturalmente muito semelhantes e a grande maioria apresenta parte de sua área cultivada com Opuntia spp., usada como forragem. Pode-se observar na região um sistema de manejo dos recursos naturais caracterizado basicamente por ser um bioextrativismo, notadamente de fruteiras nativas como o umbu. Materiais e Métodos Figura 1. Local de estudo. Município de Alagoinha, estado de Pernambuco, Nordeste do Brasil. Realizou-se entrevistas com 30 informantes na área conhecida por Laje do Carrapicho e adjacências, envolvendo todas as residências habitadas e com pessoas dispostas a colaborar com a pesquisa. No total entrevistou-se 24 mulheres com idade variando de anos e seis homens com idade variando de anos, empregando-se a técnica de entrevista semi-estruturada (Martin, 1995). Os informantes foram questionados sobre as plantas conhecidas e o uso que se faz delas na região. Além disso, um levantamento geral para análise de produtos com potencial de mercado foi feito com base nos procedimentos adotados por Mutchnick e McCarthy (1997). Observações sobre práticas agrícolas e de manejo também foram realizadas através de observação participante (Mauss, 1993; Martin, 1995). Um detalhado levantamento etnobotânico foi obtido e o material botânico decorrente dele foi coletado com o auxílio dos informantes que identificaram as plantas no campo por seu nome vernáculo. Umas poucas plantas citadas pelos informantes não foram encontradas durante as excursões de coleta; por isso os nomes científicos referidos para este conjunto de plantas são aqueles mais comuns ligados aos nomes populares. Alguns materiais foram coletados estéreis e identificados no nível de gênero. Estudos (por exemplo, Griz, JUL 2002, VOL. 27 Nº 7 337

4 1996) já realizados na região contribuíram com material de herbário para fins de comparação. Material-testemunho encontra-se depositado no herbário UFP (Departamento de Botânica, Universidade Federal de Pernambuco). Como complemento às etapas anteriores, buscou-se identificar os componentes da vegetação nativa presentes na alimentação e a sua importância. Os informantes foram diretamente questionados sobre isso, juntamente com observações pessoais. Ainda solicitou-se aos informantes que recordassem do que se alimentaram nas últimas 24 horas. Uma Tabela baseada nos dados dos informantes e em um ano de observações de campo ( ), permitiu identificar a disponibilidade temporal dos fitorecursos conhecidos e consumidos envolvendo principalmente os dados relacionados com os produtos diretamente obtidos e o seu oferecimento. Na análise da disponibilidade temporal foram excluídas as espécies que só ocorrem sob cultivo. Análise dos Dados Com base nas informações obtidas processou-se uma análise quantitativa dos dados com objetivo de identificar as plantas mais importantes e o grau de coincidência das respostas dos informantes. Dentre os vários métodos reportados na literatura (Phillips, 1996), selecionou-se o de Friedman et al. (1986), modificado por Amorozo e Gély (1988), por basear-se no consenso dos informantes. Para cada planta calculou-se o nível de fidedignidade (NF) das respostas, como a razão entre o número de informantes que referiram principais usos (indicados pelos informantes como os mais importantes para uma espécie em particular) da espécie e o número total de informantes que mencionaram qualquer uso para a espécie, expressando-se o resultado na forma de porcentagem. Em seguida, calculou-se o rank order priority (ROP) que combina o NF x PR (popularidade relativa). A popularidade relativa é expressa pela razão entre o número de vezes em que os informantes citaram uma dada espécie pelo número de informantes que citaram a espécie mais citada. Os recursos foram em um primeiro momento enquadrados em categorias e subcategorias de uso adotadas por Toledo et al. (1995). O teste do χ 2 de independência e de Kruskal-Wallis foi usado para identificar diferenças nos padrões de uso dos recursos na comunidade. Empregou-se o percentual de espécies úteis em cada uma das categorias mais importantes para testar hipóteses relacionadas à fonte de obtenção dos recursos e ao potencial de mercado de produtos nas diferentes categorias. Figura 2. Disponibilidade temporal das plantas medicinais ao longo de um ano para uma comunidade rural no município de Alagoinha, Pernambuco (Nordeste do Brasil). As espécies estão listadas de acordo com a sua importância na comunidade ( rank order priority ). Figura 3. Disponibilidade temporal das plantas comestíveis ao longo de um ano para uma comunidade rural no município de Alagoinha, Pernambuco (Nordeste do Brasil). As espécies estão listadas de acordo com a sua importância na comunidade ( rank order priority ). 338 JUL 2002, VOL. 27 Nº 7

5 Resultados e Discussão A identidade das plantas usadas na comunidade, seu conhecimento e disponibilidade temporal A comunidade estudada identifica e usa 75 espécies pertencentes a 62 gêneros e 31 famílias; destas apenas quatro foram identificadas somente ao nível genérico. As famílias mais importantes em número de espécies foram Euphorbiaceae (8 spp.), Mimosaceae (7 spp.), Myrtaceae (7 spp.), Anacardiaceae (6 spp.), Caesalpiniaceae (5 spp.) e Capparaceae (4 spp.). Muito embora o número de espécies pareça baixo, é próximo ao referido por Sales e Lima (1985), que encontraram 66 espécies em um estudo sobre o uso da flora da caatinga no estado da Paraíba. Talvez isso seja decorrente do significado de planta útil dentro da comunidade. Caniago e Siebert (1998) reforçam a opinião de alguns autores segundo a qual nem todas as culturas e indivíduos possuem a mesma compreensão de planta útil. A idéia de que todas as plantas são úteis encontra-se disseminada em várias culturas (Silva, 1997; Caniago e Siebert, 1998). Alguns dos informantes foram capazes de nomear e reconhecer algumas espécies simplesmente pelas plântulas sem, contudo, atribuir-lhes um uso direto. Comumente afirmavam que todas as plantas servem para alguma coisa mesmo que para eles não tivessem qualquer utilidade. Disso depreende-se que a idéia de útil, na comunidade, não está associada à de valor prático. As Figuras 2 e 3 resumem as informações sobre a disponibilidade temporal das plantas com os principais usos detectados (medicinais e alimentícios), excluindo-se as plantas que só ocorrem sob cultivo. Ao analisar a disponibilidade das plantas medicinais usadas na comunidade, observa-se que as mais importantes são as que geralmente oferecem seus produtos continuamente. Notadamente, estas plantas são as que fornecem a casca do caule, com a exceção das espécies que ofertam seus produtos também de forma contínua variando, algumas vezes, a intensidade dessa oferta, como C. spinosa e S. paniculatum. As plantas que têm seus produtos oferecidos durante poucos meses, principalmente naqueles onde ocorreram chuvas, mesmo que esparsas, são geralmente ervas ou subarbustos que ofertam folhas ou flores para consumo, como P. foetida, E. viscosa e B. diffusa. Estas são pouco citadas na comunidade e raramente utilizadas, como o confirmam a sua importância relativa (ROP) indicada na Tabela I e pelas observações de campo. Normalmente entre os TABELA I PLANTAS USADAS EM UMA COMUNIDADE RURAL DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHA, ESTADO DE PERNAMBUCO (BRASIL): USOS E IMPORTÂNCIA RELATIVA Táxons Nome Vulgar Voucher Usos NF(%) PR ROP Amaranthaceae Amaranthus spinosus L. Bredo-de-espinho A(a),G 100 0,05 5,00 Amaranthus viridis L. Bredo-de-porco A (a),g,e 50 0,10 5,00 Anacardiaceae Anacardium occidentale L. Caju A (b),b 87,5 0,80 70,00 Mangifera indica L. Manga n.c A(b) 100 0,30 30,00 Myracrodruon urundeuva (Engl.) Aroeira B,C 85,7 0,70 59,90 Fr. All. Schinopsis brasiliensis Engl. Braúna B,C 66,6 0,30 19,98 Spondias purpurea L. Ciriguela A(b) 100 0,05 5,00 Spondias tuberosa Arr. Cam. Umbu A(b) Annonaceae Annona muricata L. Graviola n.c A(b) 100 0,10 10,00 Annona squamosa L. Pinha A(b) 85,7 0,35 29,90 Apocynaceae Aspidosperma pyrifolium Mart. Pereiro C 100 0,05 5,00 Asteraceae Acanthospermum hispidum DC. Espinho B 100 0,05 5,00 de-cigano Egletes viscosa Less. Macela B 100 0,10 10,00 Bignoniaceae Tabebuia sp. Pau d arco n.c C 100 0,05 5,00 Cactaceae Cereus jamacaru DC. Mandacaru n.c A(b),B 50 0,10 5,00 Opuntia ficus-indica Mill. Palma A(b),E 100 0,65 65,00 Melocactus zehntneri Coroa A(b) 100 0,05 5,00 (Britton e Rose) Lutzelb. de-frade Caesalpiniaceae Bauhinia cheilantha (Bong.) Steud. Mororó A (c),b,c 60 0,25 15,00 Caesalpinia ferrea Mart. Jucá B 100 0,20 20,00 Caesalpinia pyramidalis Tul. Catingueira B,C 85,7 0,35 29,90 Hymenaea courbaril L. Jatobá A(b),B 83,3 0,60 49,98 Senna martiana (Benth.) H.S. Canafístula B 100 0,10 10,00 Irwin e Barneby Capparaceae Capparis flexuosa L. Feijão-de-boi, B,E 50 0,20 10,00 Feijão-bravo Capparis jacobinae Moric. Icó A(b) 100 0,20 20,00 Cleome spinosa Jacq. Mussambê B 100 0,05 5,00 Crataeva tapia L. Trapiá A(b) 100 0,05 5,00 Caricaceae Carica papaya L. Mamão A(b) 100 0,05 5,00 Celastraceae Maytenus rigida Mart. Bom-nome B 100 0,15 15,00 Chenopodiaceae Chenopodium ambrosioides L. Mastruz n.c B 100 0,15 15,00 Crassulaceae Kalanchoe brasiliensis Cam. Pratudo B 100 0,05 5,00 Cucurbitaceae Momordica charantia L. Melão-de- n.c B 100 0,05 5,00 São Caetano Euphorbiaceae Cnidoscolus urens (L.) Arthur Urtiga B 100 0,10 10,00 Croton argyrophylloides Muell. Sacatinga, B,C,D,G 42,8 0,35 14,98 Arg. Marmeleirobranco Croton rhamnifolius Muell. Arg. Velame B 100 0,15 15,00 Jatropha curcas L. Pinhão-bravo B 100 0,10 10,00 Jatropha mollissima (Pohl) Baill. Pinhão-manso B 100 0,30 30,00 Manihot glaziovii Muell. Arg. Maniçoba F 100 0,10 10,00 Phyllanthus niruri L. Quebra-pedra n.c B 100 0,05 5,00 Sapium sp. Burra-leiteira F 100 0,05 5,00 JUL 2002, VOL. 27 Nº 7 339

6 meses de maio e agosto, com a presença das chuvas, existe uma grande oferta de ervas ruderais que se desenvolvem abundantemente na região. Seu aproveitamento é conhecido, mas existe uma preferência da comunidade em utilizar os recursos silvestres arbóreos, cuja coleta requer, algumas vezes, longas caminhadas em busca dos produtos desejados. As plantas comestíveis silvestres são utilizadas em menor número e o seu consumo é ocasional, não estando presentes na comunidade como elementos de complementaridade dietética. São consumidos quando ofertados pelo ambiente e mesmo nessas situações, alguns recursos não são procurados. Na Figura 3 observa-se que a maioria desses recursos é oferecida por poucos meses. Algumas espécies como S. obtusifolium têm frutos pequenos, e os poucos indivíduos apresentam uma distribuição muito dispersa. Outras espécies, como C. jacobinae, ofertam frutos durante um período maior e de coleta grandemente facilitada por ser uma planta de pequeno porte e de frutos grandes, não tão apreciados pela comunidade. As árvores e arbustos são a fonte primária de recursos em número total de espécies (57), tendo as ervas e subarbustos uma menor proporção (18). De aproximadamente 21 espécies utilizam-se folhas, mas nem sempre este é o único produto oferecido pela planta. Geralmente são as ervas e subarbustos os mais procurados para obtenção de folhas. O restante das plantas têm seus frutos, raízes ou caules procurados para as mais diversas finalidades. Um outro detalhe importante é que as ervas são procuradas para obtenção de raízes. O número mais elevado de árvores como fonte de recursos, e por oferecerem produtos disponíveis por um grande período de tempo, permite formular a hipótese de que comunidades que habitam ou vivem no entorno de florestas secas dependem mais das árvores e caules como fonte de produtos úteis. Partindo-se da premissa que o conhecimento botânico tradicional, apreendido das relações e observações dos fenômenos naturais, é produto do intelecto humano como resposta direta às suas necessidades reais frente a estímulos de natureza diversa (Albuquerque, 1997), tal hipótese encontra aí seus fundamentos. No ecossistema caatinga o estrato herbáceo é muito efêmero, surgindo com vigor apenas no período das chuvas. Todas as ervas e subarbustos nativos ou espontâneos situaram-se na faixa de uso entre 5-15%. Isso pode ser justificado pelo fato que essas plantas só se encontram disponíveis no curto período das chuvas. As espécies mais importantes, segundo a pri- TABELA I (cont) Táxons Nome Vulgar Voucher Usos NF(%) PR ROP Fabaceae Amburana cearensis (Arr. Cam.) Imburana B,C 81,25 0,80 65,00 A.C. Smith. -de-cheiro Cajanus cajan (L.) Millsp. Feijão-guandu A(c) 100 0,05 5,00 Dioclea grandiflora Mart. Mucunã A(c),B,F 50 0,10 5,00 Erythrina velutina Willd. Mulungu B 100 0,20 20,00 Lamiaceae Ocimum campechianum Mill. Mangericão B 100 0,05 5,00 Plectranthus sp. Hortelã B 100 0,40 40,00 Rosmarinus officinalis L. Alecrim n.c B 100 0,05 5,00 Malvaceae Gossypium herbaceum L. Algodão B 100 0,05 5,00 Malpighiaceae Malpighia glabra L. Acerola A(b) 100 0,15 15,00 Mimosaceae Acacia sp. Avoador C 100 0,05 5,00 -vermelho Anadenanthera colubrina (Vell.) Angico B,C,F 92,3 0,65 59,99 -de-caroço Brenan var. cebil (Griseb) Altschul Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. Jurema-preta B,C 75 0,40 30,00 Piptadenia stipulacea Ducke Carcará, B,C 83,3 0,30 24,99 rasga-beiço Piptadenia zehntneri Harms Angico-liso C 100 0,35 35,00 Prosopis julifora DC. Algaroba A(b,c),C,E 40 0,25 10,00 Myrtaceae Eucalyptus sp. Eucalipto B 100 0,25 25,00 Eugenia sp. 1 Pirim A(b) 100 0,10 10,00 Eugenia sp. 2 Ubaia A(b) 100 0,10 10,00 Eugenia uniflora L. Pitanga n.c A(b) 100 0,05 5,00 Myrciaria caulifora Berg. Jabuticaba A(b) 100 0,35 35,00 Psidium sp. Araçá n.c A(b) 100 0,10 10,00 Psidium guajava L. Goiaba A(b),B 100 0,50 50,00 Nyctaginaceae Boerhavia diffusa L. Pega-pinto B 100 0,10 10,00 Passifloraceae Passiflora foetida L. Maracujá A(b),B 50 0,10 5,00 -de-estalo Poaceae Cymbopogon citratus (DC) Stapf. Capim-santo n.c B 100 0,40 40,00 Rhamnaceae Ziziphus joazeiro Mart. Juá A(b),B 100 0,35 35,00 Rutaceae Citrus aurantium L. Laranja A(b),B 100 0,05 5,00 Ruta graveolens L. Arruda n.c B 100 0,30 30,00 Sapindaceae Sapindus saponaria L. Sabonete B,D 66,6 0,15 9,99 Serjania comata Radlk. Ariu B 100 0,05 5,00 Talisia esculenta (St. Hil.) Radlk. Pitomba A(b) 100 0,15 15,00 Sapotaceae Sideroxylon obtusifolium Quixaba n.c A(b),B 93,75 0,80 75,00 (Roem. e Schult.) T.D. Penn. Solanaceae Solanum paniculatum L. Jurubeba B 100 0,05 5,00 Verbenaceae Lippia alba (Mill.) Brow. Erva-cidreira B 100 0,65 65,00 Lippia sp. Alecrim B 100 0,10 10,00 Violaceae Hybanthus cf. ipecacuanha (L.) Pepaconha B 100 0,15 15,00 Baill. Convenções: NF: nível de fidedignidade; PR: popularidade relativa; ROP: rank order priority ; A: comestível (a: verdura; b: fruta; c: sementes); B: medicinal; C: madeira; D: uso doméstico; E: forragem; F: veneno; G: repelente de insetos. 340 JUL 2002, VOL. 27 Nº 7

7 Figura 4. Número de espécies segundo suas fontes de coleta em uma comunidade rural no município de Alagoinha, Pernambuco (Nordeste do Brasil). A: comestível; B: medicinal; C: madeira; D: uso doméstico; E: forragem; F: veneno; G: repelente de insetos. oridade de uso, são (Tabela I): S. tuberosa (100%), A. occidentale (70%), A. cearensis (65%), S. obtusifolium (75%), L. alba (65%), O. ficus-indica (65%), A. colubrina var. cebil (59,9%), M. urundeuva (59,9%), P. guajava (50%) e H. courbaril (49,98%). No cômputo geral as espécies nativas são as mais importantes, excetuando-se algumas ervas usadas para fins medicinais como o C. citratus (40%) e R. graveolens (30%), espécies comumente mencionadas em levantamentos etnobotânicos (Figueiredo et al., 1993; Begossi et al., 1993). O teste do χ 2 revelou diferenças significativas na distribuição das espécies por categorias em relação às fontes de sua obtenção, zonas antropogênicas e de vegetação nativa (Tabela II). Frei et al. (2000) em duas comunidades no México, semelhante ao observado, encontraram que os tipos de vegetação antropogênica são mais importantes para a obtenção de plantas medicinais. As pessoas obtêm mais plantas alimentícias nas zonas antropogênicas, enquanto as áreas de vegetação nativa oferecem mais plantas medicinais e produtos madeireiros (Figura 4). Diferenças estatisticamente significantes também foram encontradas em relação às espécies com potencial de mercado e sua distribuição em categorias de destaque (Tabela III). Espécies alimentícias e medicinais com potencial de mercado considerado pelos informantes se destacaram em relação a outras categorias de menor importância local (Figura 5). No caso das plantas medicinais, as espécies com valor de mercado atendem basicamente a uma economia informal. Existe diferenças de domínio cognitivo com relação às plantas dentro de uma comunidade relacionadas com a idade e sexo, como já relataram diferentes pesquisadores (Phillips e Gentry, 1993a,b; Amorozo, 1996). Caniago e Siebert (1998), com base em outros autores, afirmam que essas diferenças de conhecimento em muitas sociedades rurais são devido ao fato que nelas as mulheres geralmente têm mais responsabilidades para com a família e freqüentemente tendem a cuidar de campos e jardins. Na área estudada as mulheres dividem-se entre as tarefas domésticas e o trabalho em pequenos campos. Os homens, em sua maioria, trabalham como empregados em propriedades maiores, em diversos setores de atividades, mas principalmente no trato com animais de criação. A agricultura e as plantas comestíveis Figura 5. Número de espécies consideradas como de potencial de mercado segundo uma comunidade rural no município de Alagoinha, Pernambuco (Nordeste do Brasil). A: comestível; B: medicinal; C: madeira; D: uso doméstico; E: forragem; F: veneno; G: repelente de insetos. A comunidade depende de várias atividades produtivas, dentre as quais predomina uma economia de subsistência baseada no cultivo de feijão (Phaseolus vulgaris L.), milho (Zea mays L.), mandioca (Manihot esculenta Crantz), e de algumas fruteiras como a pinha (Annona squamosa L.) e a goiaba (Psidium guajava L.). No período da estação seca a deficiência alimentar é muito grande, com uma grande escassez dos alimentos básicos, sendo por isso necessário comprá-los. Grandes áreas são cultivadas com a palma forrageira (Opuntia ficus-indica Mill.) para a alimentação de animais e coleta de frutos para consumo humano. Os locais de cultivo geralmente estão na área das casas, aqui denominadas de unidades produtivas. O plantio em geral é feito nas primeiras chuvas que geralmente caem nos meses de abril a junho. No entanto, os pequenos agricultores podem perder a colheita, principalmente nos anos caracterizados pela baixa precipitação pluviométrica. Basicamente, as plantas consumidas são preferidas por seus frutos e folhas, usados quando ofertados pelo ambiente (Figura 3). Não há iniciativas de armazenamento, principalmente das espécies que aparecem em abundância no período das chuvas. Duas espécies são consumidas como verdura, A. spinosus e A. viridis, com as quais se prepara um guisado muito apreciado. Espécies de TABELA II COMPARAÇÃO DO PERCENTUAL DE ESPÉCIES ÚTEIS POR CATEGORIAS DE USO MAIS IMPORTANTES SEGUNDO AS FONTES DE COLETA, EM UMA COMUNIDADE RURAL DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHA, ESTADO DE PERNAMBUCO (BRASIL) Alimento Medicinal Madeira Usos Soma menores das linhas Natural 18,51 46,29 22,22 11,11 98,13 Antropogênica 39,20 45,09 3,92 11,76 99,97 Soma das colunas 57,71 91,38 26,14 22,87 χ 2 = 20,24; P<0,1. TABELA III COMPARAÇÃO DO PERCENTUAL DE ESPÉCIES ÚTEIS POR CATEGORIAS DE USO MAIS IMPORTANTES SEGUNDO O SEU POTENCIAL DE MERCADO, EM UMA COMUNIDADE RURAL DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHA, ESTADO DE PERNAMBUCO (BRASIL) Alimento Medicinal Madeira Usos Soma menores das linhas Sem potencial 18,18 41,81 18,18 21,81 99,98 Potenciais 40,0 50,0 8,0 2,0 100,0 Soma das colunas 58,18 91,81 26,18 23,81 χ 2 = 29,35; P<0,01. JUL 2002, VOL. 27 Nº 7 341

8 Amaranthus são muito importantes para algumas comunidades humanas, fornecendo sementes usadas como pseudocereais e folhas comestíveis (Mapes et al., 1996, 1997). As folhas têm um alto valor nutritivo e o grão apresenta uma grande porcentagem de conteúdo protéico (Castro et al., 1992). No entanto, na região, é um recurso disponível apenas na estação chuvosa, mas não durante toda ela, que sem dúvida poderia ser melhor aproveitado pela comunidade e até mesmo cultivado e empregado como um complemento na dieta. Um fato observado, é que muito embora nos meses mais produtivos do ano o ambiente ofereça uma grande variedade de recursos que poderiam ser utilizados como complementos alimentares, como é o caso das duas espécies de Amaranthaceae, a comunidade de modo geral os desconhece. Das 30 espécies utilizadas como alimento (Tabela I), 14 são cultivadas nas unidades produtivas. As demais são encontradas em habitates naturais ou antropogênicos. Entre as espécies cultivadas encontram-se a manga (M. indica), a ciriguela (S. purpurea), a pinha (A. squamosa), a graviola (A. muricata L.), a palma (O. ficus-indica), o mamão (C. papaya), o feijão guandu (C. cajan), a acerola (M. glabra), a pitanga (E. uniflora), a goiaba (P. guajava), a jabuticaba (M. cauliflora), a laranja (C. aurantium), a pitomba (T. esculenta) e o caju (A. occidentale). Com exceção de S. tuberosa, as demais espécies silvestres são unicamente coletadas na natureza. Entre estas plantas pode-se encontrar diversas formas de manejo, desde a simples coleta em populações naturais, à tolerância em campos e em áreas próximas as unidades produtivas e ao cultivo incipiente em jardins domésticos ou campos de proporções modestas. S. tuberosa é uma espécie importante que floresce e frutifica na estação seca e início da chuvosa. Fornece frutos com os quais se preparam doces, sucos, além de serem consumidos in natura; dos seus tubérculos são preparados doces comercializados em mercados populares e feiras livres. Os frutos são comercializados em grande escala e vendidos para outros estados do Brasil. Segundo Pires (1990), não há plantios dessa espécie sendo os frutos coletados diretamente de populações silvestres e em seguida comercializados ou transportados para as capitais nordestinas. Na natureza podem ser observados frutos de diferentes tamanhos, forma e cor, e de sabor que varia do acre ao doce. Nos períodos de farta colheita, a comunidade consome os frutos do umbuzeiro e ainda pode convertê-los em produtos de venda, comercializando-os principalmente nas margens de estradas e rodovias. Uma outra planta importante, que fornece frutos muito apreciados na comunidade é a palma. Os frutos são consumidos in natura e complementam a dieta habitual, mas também só estão disponíveis por um curto período (Figura 3). Durante as observações, uma das informantes coletou 15 baldes com capacidade de 20 litros de frutos somente em cultivos próximos à sua unidade produtiva. Os frutos desta espécie também são usados na Etiópia como um doce, e as flores no tratamento de lepra (Wilson e Mariam, 1979). A palma é uma planta importante por fornecer forragem durante todo o ano. Todavia, a potencialidade da espécie é subestimada em toda a região do semiárido do estado de Pernambuco, pois é uma planta que produz frutos de valor comercial, além de mostrar-se perfeitamente adaptada a sistemas de agricultura extensiva e intensiva (Barbera et al., 1992). Outras cactáceas menos importantes quanto aos frutos são o mandacaru (C. jamacaru) e a coroa-de-frade (M. zehntneri). No geral, as demais plantas citadas como alimento são coletadas pelas crianças e consumidas ocasionalmente ou como divertimento, segundo os próprios informantes. Outras plantas eram utilizadas na alimentação em períodos de secas prolongadas. Um bom exemplo é o de D. grandiflora cujos frutos, no passado, eram consumidos na forma de uma farinha cozida, o que não se faz mais hoje, evidenciando que na caatinga as pressões ambientais também podem determinar o padrão de uso de plantas por uma dada comunidade e em uma dada circunstância. Com base nos dados obtidos, pode-se reconhecer quatro padrões de consumo e utilização de plantas comestíveis na área: Consumo ocasional de plantas coletadas em áreas silvestres ou antropogênicas, consumo regular de espécies nativas, consumo regular de espécies cultivadas para as necessidades locais, e comércio de espécies nativas e cultivadas em mercados e em feiras, mas de forma inexpressiva. Na área estudada, os resultados sugerem que é possível usar os fitorecursos alimentícios em programas de nutrição visando melhorar a qualidade de vida das pessoas, como também indicam Salinas et al. (1993) no estudo com plantas alimentícias no México. Algumas espécies que ocorrem na área, não citadas pelos informantes como de uso alimentício ou apontadas para alguma outra finalidade, são recursos alimentícios para outras comunidades (cf. Casas et al., 1994): C. ambrosioides (verdura), Senna occidentalis (sementes), Portulaca oleacea (verdura), Crotalaria spp. (verduras), Solanum nigrum (verdura), o que também aponta para a possibilidade de introdução na região de novos usos com o objetivo de colaborar para que as pessoas passem o período de seca mantendo suas necessidades calóricas diárias. Plantas usadas na medicina popular Foram registradas 48 plantas usadas para fins medicinais, correspondendo a 64% do total. Destas 41,6% também foram indicadas para outras finalidades. Na Tabela IV são reportados detalhadamente a indicação e o modo de uso de cada uma dessas plantas. A maioria delas é genuinamente brasileira ou especificamente nativa da região Nordeste, como a aroeira (M. urundeuva), a braúna (S. brasiliensis), o angico (A. colubrina (Vell.) Brenan var cebil (Griseb) Altschul), a imburana de cheiro (A. cearensis), o juá (Z. joazeiro) e a quixaba (S. obtusifolium). Algumas são plantas típicas da caatinga e podem ser consideradas ameaçadas devido às técnicas destrutivas para obtenção do produto (cascas do caule, afetando os sistemas condutores da planta). Essas espécies são comumente comercializadas nos mercados e feiras livres de cidades vizinhas e mesmo na capital do Estado. Grandes quantidades de cascas do caule são vendidas o que, dependendo da espécie, pode afetar a estrutura das populações naturais. Usualmente elas são indicadas no tratamento e combate de inflamações e infecções. Um estudo sistemático com as plantas da região pode oferecer alternativas eficazes, diminuindo o impacto da coleta sobre as populações naturais, principalmente ao se constatar que a maioria das espécies, incluindo as ervas, recebem as mesmas indicações terapêuticas (Tabela IV). Algumas plantas são freqüentemente indicadas como antídoto para picada de cobras, como o feijão-de-boi (C. flexuosa), o pinhão-bravo (J. curcas) e o pinhão-manso (J. molissima), tanto no tratamento de animais como de humanos. Segundo Dennis (1988) diversas sociedades possuem um arsenal de antídotos, mas o curioso é observar que às vezes culturas tão distantes tenham as mesmas explicações para justificar o uso de determinadas plantas. Na região estudada, justifica-se o uso das espécies de Jatropha pela observação do comportamento de um réptil que ingere o látex da planta antes de enfrentar uma cobra. Os informantes relataram que foi dessa forma que eles aprenderam a usar as plantas no caso de acidentes com humanos ou animais. A mesma explicação é encontrada na Índia para o caso de 342 JUL 2002, VOL. 27 Nº 7

9 TABELA IV PLANTAS USADAS PARA FINS MEDICINAIS EM UMA COMUNIDADE RURAL DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHA, ESTADO DE PERNAMBUCO (BRASIL)* Espécies Parte usada Formas de uso e indicações terapêuticas Acanthospermum hispidum DC. Amburana cearensis (Arr. Cam.) A.C. Smith. Anacardium occidentale L. Anadenanthera colubrina (Vell.) Brenan var. cebil (Griseb) Altschul Bauhinia cheilantha (Bong.) Steud. Boerhavia diffusa L. Caesalpinia ferrea Mart. Caesalpinia pyramidalis Tul. Capparis flexuosa L. Cereus jamacaru DC. Chenopodium ambrosioides L. Citrus aurantium L. Cleome spinosa Jacq. Cnidoscolus urens (L.) Arthur Croton argyrophylloides Muell. Arg. Croton rhamnifolius Muell. Arg. Cymbopogon citratus (DC) Stapf. Dioclea grandiflora Mart. Egletes viscosa Less. Erythrina velutina Willd. Eucalyptus sp. Gossypium herbaceum L. Hybanthus cf. ipecacuanha (L.) Baill. Hymenaea courbaril L. Jatropha curcas L. Jatropha mollissima (Pohl) Baill. Kalanchoe brasiliensis Cam. Lippia sp. Lippia alba (Mill.) Brow. Maytenus rigida Mart. Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. Momordica charantia L. Myracrodruon urundeuva (Engl.) Fr. All. Ocimum campechianum Mill. Passiflora foetida L. Phyllanthus niruri L. Piptadenia stipulacea Ducke Plectranthus sp. Psidium guajava L. Rosmarinus officinalis L. Ruta graveolens L. Sapindus saponaria L. Schinopsis brasiliensis Engl. Senna martiana (Benth.) H.S. Irwin e Barneby Serjania comata Radlk. Sideroxylon obtusifolium (Roem. e Schult.) T.D. Penn. Solanum paniculatum L. Ziziphus joazeiro Mart. Raiz Sementes, folhas e cascas do caule Raiz Cascas do caule Cascas do caule Caule Flor e folhas Raiz Folha? Folha Folha Raiz Látex Látex Folha e casca do caule Toda a planta A planta toda Raiz Raiz Raiz/frutos *As espécies estão listadas por ordem alfabética. Informações adicionais encontram-se na Tabela I. Com um infuso prepara-se um xarope para combater a tosse e a asma. Com um infuso prepara-se um xarope para tosse. Para a gripe na forma de chá. A tintura ou o decocto são usados externamente contra inflamações e pancadas. Com um infuso prepara-se um xarope para a tosse. Torra-se e pulveriza-se as sementes preparando uma bebida ingerida para a dor de cabeça. Com um infuso das folhas ou cascas do caule prepara-se um xarope para a tosse e expectorante. O chá das folhas também é usado para diabetes. Com um infuso prepara-se um xarope para a tosse. O chá é usado para combater inflamações. Prepara-se um decocto que é usado na forma de chá para labirintite. Também empregado nos problemas renais. Com um infuso prepara-se um xarope para combater a tosse. As cascas são raspadas e deixadas em água. Bebe-se o líquido resultante contra picada de cobras. As cascas são raspadas e deixadas em água. Bebe-se o líquido resultante contra problemas renais. Com um infuso prepara-se um xarope para combater a tosse. Com o infuso prepara-se um chá para combater a febre. A flor em tintura para uso externo em inflamações. As folhas como lambedor para combater a tosse. Com o decocto prepare-se um chá para combater inflamações. Coloca-se de molho em água esfregando-se vigorosamente. Bebe-se para aliviar a dor de barriga. O chá das folhas é considerado depurativo. Com o infuso prepara-se um chá usado para problemas digestivos (dor de barriga, má digestão), dores de cabeça e febre.? Com o infuso prepara-se um chá que é usado para problemas digestivos (dor de barriga, má digestão). Com o infuso prepara-se um chá para combater inflamações (internamente ou externamente) e como tranqüilizante. Com o infuso prepara-se um chá para debelar a febre. Prepara-se um emplasto e aplica-se diretamente em queimaduras. Com o infuso prepara-se um xarope para combater a tosse. Com o infuso prepara-se um xarope para combater a tosse, a bronquite, fraqueza e debilidade. Usado contra picadas de cobras. Usado contra picadas de cobras. A folha é aquecida e colocada sobre locais doloridos. Com o infuso prepara-se um chá que é usado para problemas digestivos (dor de barriga, má digestão). Com o infuso prepara-se um chá que é usado para problemas digestivos (dor de barriga, má digestão), dores de cabeça, febre e pressão alta. Com o infuso prepara-se um xarope para combater a tosse. Para o reumatismo, as cascas são deixadas em repouso em uma garrafa com água por três dias. usadas topicamente para aliviar a dor de dente. Com as cascas do caule prepara-se uma infusão aplicada externamente para inflamações. Prepara-se um infuso que é utilizado banhando-se o corpo para aliviar alergias ou erupções cutâneas de outras origens. A tintura ou decocto é usado externamente contra inflamações e pancadas. Para aliviar a gastrite bebe-se um preparado feito com as cascas deixadas de repouso em água. Com o infuso prepara-se um chá que é usado para problemas digestivos (dor de barriga, má digestão). Com um decocto, acrescido de sal, prepara-se um xarope para combater a tosse. Com o infuso prepara-se um chá para problemas renais (inflamações e pedras nos rins). A tintura ou decocto é usado externamente contra inflamações. Com o infuso prepara-se um xarope para combater a tosse. Com o infuso prepara-se um chá para combater disenteria. Com o infuso prepara-se um chá para combater a febre. Prepara-se uma tintura em álcool para dor de cabeça. Prepara-se um decocto com o qual lava-se o cabelo para combater micoses. Com o infuso prepara-se um xarope para combater a tosse. Para a gripe é usado na forma de chá. Com o infuso prepara-se um xarope para combater a tosse. O infuso é usado na forma de chá para combater o reumatismo. A tintura ou decocto é usado externamente contra inflamações e pancadas, e como cicatrizante. O infuso é usado na forma de chá para combater inflamações gerais e afecções do fígado. As cascas são raspadas e deixadas em água. Bebe-se o líquido como cicatrizante. Para combater a tosse usa-se na forma de xarope. JUL 2002, VOL. 27 Nº 7 343

10 Rauvolfia serpentina (Apocynaceae; Balick e Cox, 1996). As plantas usadas como medicinais na comunidade podem ser organizadas em quatro grupos de acordo com a fonte de onde são obtidas: 1. plantas domesticadas cultivadas em jardins residenciais; 2. plantas de áreas perturbadas, margens de estradas, próximo às habitações; 3. plantas nativas toleradas ou promovidas na área das unidades produtivas; 4. plantas encontradas na vegetação natural. Essas fontes, com algumas modificações, também foram reconhecidas por Sequeira (1994). Apenas uma pequena proporção das plantas citadas (29,16%) são cultivadas em jardins domésticos, no entanto são recursos disponíveis apenas na estação chuvosa. Em contrapartida, são as plantas nativas das quais se utiliza a casca do caule, uma fonte de recursos disponíveis durante todo o ano. Menos importantes são as plantas efêmeras que crescem próximas às habitações ou que medram em áreas perturbadas, terrenos cultivados, cultivos abandonados ou em margens de estradas. Um fato curioso é o de não terem sido citadas plantas ou doenças com referências mágico-religiosas, já que muitas pesquisas documentaram o uso de plantas para combater doenças de conotações espirituais (Wilson e Mariam, 1979; Bhat et al., 1990; Bye, 1986; Sequeira, 1994). Um maior número de espécies são indicadas no tratamento das afecções respiratórias, seguido das inflamações em geral e as diversas formas de afecções intestinais (Figura 6). Geralmente as desordens intestinais ocupam lugar de destaque em muitos levantamentos etnobotânicos (Ankli et al., 1999), como uma categoria que concentra maior número de espécies ou de indicações. Na área estudada, as pessoas usam um conjunto maior de plantas para tratar problemas respiratórios, mas pouco diverso nas indicações (normalmente para tratar de tosse). Quanto à efetividade terapêutica das plantas documentadas, muitas já possuem informações farmacológicas que podem justificar o seu uso popular como: A. cearensis, A. occidentale, Lippia spp., Plectranthus spp., M. urundeuva, Ocimum spp., C. citratus, S. paniculatum e Z. joazeiro (Sousa et al., 1991; Matos, 1998; Albuquerque e Andrade, 1998). Plantas que fornecem madeira e forragem Não há dúvidas de que as florestas secas fornecem uma grande diversidade de recursos madeireiros, o que resulta na rápida desflorestação e na Figura 6. Distribuição das plantas usadas como medicinais segundo sistemas corporais ou propriedades farmacológicas atribuídas, em uma comunidade rural no município de Alagoinha, Pernambuco (Nordeste do Brasil). conversão de grandes áreas em propriedades para criação de animais. As espécies que fornecem madeiras para a comunidade estudada correspondem a 17,33% de todas as plantas documentadas. A madeira é comumente usada na fabricação de carvão ou estacas para construção de cercas na delimitação de propriedades ou de cercados para o controle de animais domésticos. Duas espécies muito apreciadas para essa finalidade são M. tenuiflora (Jurema-preta) e P. zehntneri (angico monjolo). Muito embora sejam usadas outras espécies, como A. colubrina var. cebil e S. brasiliensis, elas são consideradas madeiras fracas, facilmente suscetíveis ao ataque de cupins. A extração de recursos madeireiros a partir do pequeno percentual de espécies citadas, não parece ser expressiva à primeira vista. Uma das estratégias desenvolvidas pelas pessoas que habitam regiões semi-áridas foi o desenvolvimento e experimentação de plantas forrageiras para suprir as necessidades dos animais nos longos períodos de seca. Na área estudada basicamente duas espécies destacam-se, O. ficus-indica e P. juliflora. Esta última espécie fornece sombra e forragem e foi introduzida no Nordeste em meados do século passado. Hoje é uma planta amplamente disseminada na região, mas com a totalidade de suas potencialidades e limitações ainda desconhecidas pelas pessoas. Espécies de Amaranthus e C. flexuosa são de menor importância. Na verdade, os informantes tendem a considerar a maioria das plantas que crescem na estação chuvosa como alimento para animais, mas são poucas as que recebem atenção especial como forrageiras. Conclusões A presente pesquisa mostrou que a comunidade de Alagoinha tem uma dependência relativa dos recursos vegetais localmente disponíveis, especialmente de plantas medicinais. Os frutos e os caules indicam ser os órgãos mais utilizados na área. Outras partes só ocasionalmente são consumidas, como nos casos das sementes. A disponibilidade de alguns recursos está ligada a fatores temporais. Apenas uma pequena proporção de plantas é cultivada e o sucesso do seu cultivo depende das raras e ocasionais chuvas. O uso de recursos coletados de fruteiras é de grande importância para a economia de subsistência da comunidade. O fato das plantas usadas na área apresentarem usos distintos de outras comunidades revela possibilidades interessantes para indicar às pessoas da comunidade alguns dos meios e acesso à sua segurança alimentar e adequada assistência terapêutica com base nos recursos locais. Na comunidade existe uma grande tendência em substituir os produtos de coleta pelos cultivos, muito embora aqueles representem uma possibilidade de enriquecer a dieta. A comunidade padece de uma degradação do seu modo de vida e, como um todo, desconhece uma grande variedade de recursos silvestres que poderiam ser utilizados na alimentação e mesmo formas tradicionais, simples, de armazenar e manejar os recursos disponíveis, como no caso da O. ficus-indica. Na verdade, o uso e manejo adequado dessa espécie em cultivo revela-se muito promissor, e poderá fornecer a essas comunidades alternativas viáveis para a região. 344 JUL 2002, VOL. 27 Nº 7

11 Fica patente que, para o desenvolvimento da região, são necessárias algumas medidas: 1) Estudos que investiguem o uso tradicional de plantas comestíveis integrando-as em estudos fitoquímicos, nutricionais e de melhoramento; 2) difusão do conhecimento e do aproveitamento de plantas pouco conhecidas dentro da própria comunidade; 3) difusão de tecnologias simples e de técnicas que visem o manejo adequado das espécies já tradicionalmente utilizadas na comunidade. Entretanto, sem a organização dessas comunidades e de sua ativa participação durante todo o processo, todas as tentativas poderão ser infrutíferas. A efetividade terapêutica de muitas das plantas usadas para fins medicinais precisa ser avaliada para sua utilização em programas de assistência primária à saúde na região. Muitas das plantas registradas durante a pesquisa não têm uso regular pelas pessoas por várias razões, que vão desde a preferência por determinadas espécies até mesmo a disponibilidade temporal que determina as relações das pessoas com os recursos de uma região. Essas observações, aliadas aos dados específicos sobre os recursos vegetais da região, sua variabilidade, podem fundamentar iniciativas de conservação e manejo da caatinga. O reconhecimento e a melhor atenção para as formas locais de manejar e usar esses recursos são importantes para propósitos de conservação. Além do que os dados quantitativos revelaram-se extremamente úteis na identificação de recursos importantes. Um grande desafio não é mais provar a produtividade da caatinga, mas oferecer alternativas à desflorestação pelo corte de madeira e expansão da pecuária. AGRADECIMENTOS À comunidade estudada do município de Alagoinha, ao WWF e à USAID pelo suporte financeiro, à CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) pela bolsa de estudos concedida ao primeiro autor, a Fernando Valença, Cecília Almeida, Ana Carolina Silva, Fernanda Melo, Kátia Chisaki e Mirtes Guedes, pelo auxílio no trabalho de campo; e aos revisores anônimos pelas importantes sugestões. REFERÊNCIAS Albuquerque UP (1997) Etnobotânica: uma aproximação teórica e epistemológica. Revista Brasileira de Farmácia 78: Albuquerque UP (1999) La importancia de los estudios etnobiológicos para establecimiento de estrategias de manejo y conservación en las florestas tropicales. Biotemas 12: Albuquerque UP, Andrade LHC (1998) Etnobotánica del género Ocimum L. (Lamiaceae) en las comunidades afrobrasileñas. Anales del Jardín Botánico de Madrid 56: Amorozo MCM (1996) A abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. Em Di Stasi LC (Ed.) Plantas medicinais: arte e ciência. UNESP. São Paulo. pp Amorozo MCM, Gély AL (1988) Uso de plantas medicinais por caboclos do Baixo Amazonas, Barcarena, PA, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica 4: Ankli A, Sticher O, Heinrich M (1999) Medical ethnobotany of the Yucatec Maya: healers consensus as a quantitative criterion. Economic Botany 53: Balick MJ, Cox PA (1996) Plants, people and culture: the science of ethnobotany. Scientific American Library. New York. 228 pp. Barbera G, Carimi F, Inglese P (1992) Past and present role on the Indian-fig Prickly-pear (Opuntia ficus-indica (L.) Miller, Cactaceae) in the agriculture of Sicily. Economic Botany 46: Begossi A (1998) Extractive reserve in the Brazilian Amazon: an example to be followed in the Atlantic Forest? Ciência e Cultura 50: Begossi A, Leitão-Filho HF, Richerson PJ (1993) Plant uses in a Brazilian coastal fishing community (Búzios Island). J. Ethnobiol. 13: Benz BF, Cevallos J, Santana F, Rosales J, Graff M (2000) Losing Knowledge about plant use in the Sierra de Manantlan Biosphere Reserve, Mexico. Economic Botany 54: Bhat RB, Etejere EO, Oladivo VT (1990) Ethnobotanical studies from central Nigeria. Economic Botany 44: Bye RA (1986): Medicinal plants of the Sierra Madre: comparative study of Tarahumara and Mexican market plants. Economic Botany 40: Bye RA (1995) Ethnobotany of the Mexican tropical dry forests. Em Bullock SH, Mooney HA, Medina E (Eds.) Seasonally dry tropical forests. Cambridge University Press. New York. pp Caniago I, Siebert SF (1998) Medicinal plant ecology, knowledge and conservation in Kalimantan, Indonesia. Economic Botany 52: Casas A, Viveros JL, Caballero J (1994) Etnobotánica mixteca. Presencias. México. 366 pp. Castro EB, Tenorio MC, Cruells MG, Juaristi CM, Ollero HS (1992) México, gentes de maíz. Jardín Botánico de Córdoba. Córdoba. 40 pp. Dennis PA (1988) Herbal medicine among the Miskito of eastern Nicaragua. Economic Botany 42: Diegues AC (1994) O mito moderno da natureza intocada. NUPAUB. São Paulo. 163 pp. FIDEM (2001) Perfil Municipal. Fundação de Desenvolvimento Municipal. Recife. 3 pp. Figueiredo GM, Leitão-Filho HF, Begossi A (1993) Ethnobotany of Atlantic forest coastal communities: diversity of plant uses in Gamboa (Itacuruçá Island, Brazil). Human Ecol. 21: Frei B, Sticher O, Heinrich M (2000) Zapotec and Mixe use of tropical habitats for securing medicinal plants in México. Economic Botany 54: Friedman J, Yaniv Z, Dafni A, Palewitch D (1986) A preliminary classification of the healing potential of medicinal plants based on a rational analysis of an ethnopharmacological field survey among Bedouins in the Negev Desert, Israel. J. Ethnopharmacol. 16: Griz LMS (1996) Dispersão de sementes na caatinga de Pernambuco, Nordeste do Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife. 75 pp. Janzen DH (1997) Florestas tropicais secas: o mais ameaçado dos ecossistemas tropicais. Em Wilson EO (Ed.) Biodiversidade. Nova Fronteira. Rio de Janeiro. pp Mapes C, Caballero J, Epistia E, Bye RA (1996) Morphophysiological variation in some Mexican species of vegetable Amaranthus: evolutionary tendencies under domestication. Genetic Resources and Crop Evolution 43: Mapes C, Basurto F, Bye R (1997) Ethnobotany of quintonil: knowledge, use and management of edible greens Amaranthus spp. (Amaranthaceae) in the Sierra Norte of Puebla, Mexico. Economic Botany 51: Martin G (1995) Ethnobotany - a methods manual. Chapman Hall. London. 268 pp. Matos FJ (1998) Farmácias vivas. UFC. Fortaleza. 219 pp. Mauss M (1993) Manual de etnografia. Dom Quixote. Lisboa. 250 pp. Mutchnick PA, McCarthy BC (1997) An ethnobotanical analysis of the tree species common to the subtropical moist forests of the Petén, Guatemala. Economic Botany 51: Phillips O (1996) Some quantitative methods for analyzing ethnobotanical knowledge. Em Alexiades MN (Ed.) Selected guidelines for ethnobotanical research: a field manual. The New York Botanical Garden. New York. pp Phillips O, Gentry AH (1993a) The useful plants of Tambopata, Peru: I Statistical hypotheses tests with a new quantitative technique. Economic Botany 47: Phillips O, Gentry AH (1993b) The useful plants of Tambopata, Peru: II Additional hypotheses testing in quantitative ethnobotany. Economic Botany 47: Pires MGM (1990) Estudo taxonômico e área de ocorrência de Spondias tuberosa Arr. Câm. (umbuzeiro) no estado de Pernambuco, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural de Pernambuco. Recife. 291 pp. Rêgo JF (1999) Amazônia: do extrativismo ao neoextrativismo. Ciência Hoje 25: Rodal MJN, Sampaio EVSB, Figueiredo MA (1992) Manual sobre métodos de estudo florístico e fitossociológico: ecossistema caatinga. Sociedade Botânica do Brasil. São Paulo. 29 pp. JUL 2002, VOL. 27 Nº 7 345

12 Sales MF, Lima MJA (1985) Formas de uso da flora da caatinga pelo assentamento da microrregião de Soledade (PB). Anais da VIII Reunião Nordestina de Botânica. Recife: Sociedade Botânica do Brasil, Seccional de Pernambuco, Brasil. pp Salinas JLV, Fernández AC, Caballero J (1993) Las plantas y la alimentación entre los mixtecos de Guerrero. Em Leff E, Carabias J (Eds.) Cultura y manejo sustentable de los recursos naturales. Centro de Investigaciones Interdisciplinares en Humanidades, UNAM. México. pp Sampaio EVSB (1995) Overview of the Brazilian caatinga. Em Bullock SH, Mooney HA, Medina E (Eds.) Seasonally dry tropical forests. Cambridge University Press. New York. pp Sequeira V (1994) Medicinal plants and conservation in São Tomé. Biodiversity and Conservation 3: Silva VA (1997) Etnobotânica dos índios Xucuru com ênfase às espécies da Serra do Ororobá (Pesqueira-PE). Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. Recife. 75 pp. Sousa MP, Matos MEO, Matos FJA, Machado MIL, Craveiro AA (1991) Constituintes químicos ativos de plantas medicinais brasileiras. UFC. Fortaleza. 416 pp. Toledo VM, Batis AI, Becerra R, Martínez E, Ramos CH (1995) La selva util: etnobotánica cuantitativa de los grupos indígenas del trópico húmedo de México. Interciência 20: Vasques R, Gentry AH (1995) Use and misuse of forest-harvest fruits in the Iquitos area. Em Ehrenfeld D (Ed.) To preserve biodiversity. An overview: reading from conservation biology. Blackwell Science and The Society for Conservation Biology. Oxford. pp Wilson RT, Mariam WG (1979) Medicine and magic in Central Tigre: a contribution to the ethnobotany of the Ethiopian Plateau. Economic Botany 33: JUL 2002, VOL. 27 Nº 7

Conhecimento botânico tradicional e conservação em uma área de caatinga. 273

Conhecimento botânico tradicional e conservação em uma área de caatinga. 273 Conhecimento botânico tradicional e conservação em uma área de caatinga. 273 CONHECIMENTO O BOTÂNICO TRADICIONAL AL E CONSERVAÇÃ ÇÃO O EM UMA ÁREA DE CAATINGA NO ESTADO DE PERNAMB AMBUCO, NORDESTE DO BRASIL

Leia mais

FLORA DA REGIÃO DO SERTÃO NORDESTINO

FLORA DA REGIÃO DO SERTÃO NORDESTINO FLORA DA REGIÃO DO SERTÃO NORDESTINO Na região do sertão nordestino o clima é árido e semi-árido, e o que predomina é a caatinga, tanto na seca quanto no período de chuvas. Esse bioma se destaca pela biodiversidade,

Leia mais

DIVERSIDADE FITOGEOGRÁFICA DA CAATINGA EM ÁGUA BRANCA E DELMIRO GOUVEIA ALAGOAS

DIVERSIDADE FITOGEOGRÁFICA DA CAATINGA EM ÁGUA BRANCA E DELMIRO GOUVEIA ALAGOAS DIVERSIDADE FITOGEOGRÁFICA DA CAATINGA EM ÁGUA BRANCA E DELMIRO GOUVEIA ALAGOAS Jilyane Rouse Pauferro da Silva Especialista em Geografia: Análise Ambiental, Universidade Federal de Alagoas-UFAL jilyane_rouse@hotmail.com

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A VEGETAÇÃO NATIVA DO PARQUE ESTADUAL DO PICO DO JABRE, NA SERRA DO TEIXEIRA, PARAÍBA

UM ESTUDO SOBRE A VEGETAÇÃO NATIVA DO PARQUE ESTADUAL DO PICO DO JABRE, NA SERRA DO TEIXEIRA, PARAÍBA UM ESTUDO SOBRE A VEGETAÇÃO NATIVA DO PARQUE ESTADUAL DO PICO DO JABRE, NA SERRA DO TEIXEIRA, PARAÍBA 1 José Ozildo dos Santos; 1 Rosélia Maria de Sousa Santos; 2 Patrício Borges Maracajá RESUMO 1Centro

Leia mais

FORMAS DE PREPARAÇÕES E USO DAS PLANTAS MEDICINAIS

FORMAS DE PREPARAÇÕES E USO DAS PLANTAS MEDICINAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E PATOLOGIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HOMEOPÁTICAS E FITOTERÁPICAS FORMAS DE PREPARAÇÕES E USO DAS PLANTAS MEDICINAIS

Leia mais

A ORIGEM, EVOLUÇÃO E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO DO BIOMA CAATINGA. Luciano Paganucci de Queiroz Universidade Estadual de Feira de Santana - BA

A ORIGEM, EVOLUÇÃO E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO DO BIOMA CAATINGA. Luciano Paganucci de Queiroz Universidade Estadual de Feira de Santana - BA A ORIGEM, EVOLUÇÃO E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO DO BIOMA CAATINGA Luciano Paganucci de Queiroz Universidade Estadual de Feira de Santana - BA ESTRUTURA DA PALESTRA 1 - Caracterização do bioma e principais

Leia mais

Eixo Temático: Relações entre Educação, Ciência e Cultura

Eixo Temático: Relações entre Educação, Ciência e Cultura 48 Anais do Congresso Nordestino de Biólogos - Vol. 4: Congrebio 2014 Eixo Temático: Relações entre Educação, Ciência e Cultura ET-05-005 A ETNOBOTÂNICA DE PLANTAS MEDICINAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DE

Leia mais

Uso de plantas medicinais da família Lamiaceae por moradores da Vila Cantizani, Piraju, SP, Brasil

Uso de plantas medicinais da família Lamiaceae por moradores da Vila Cantizani, Piraju, SP, Brasil PN Uso de plantas medicinais da família Lamiaceae por moradores da Vila Cantizani, Piraju, SP, Brasil Cristina Batista de Lima 1 *, Marcela Aparecida Vaz Vieira 2, Tamiris Tonderys Villela 2, 1 Universidade

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO PRELIMINAR DA SERRA DA FORMIGA EM CAICÓ RN

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO PRELIMINAR DA SERRA DA FORMIGA EM CAICÓ RN LEVANTAMENTO FLORÍSTICO PRELIMINAR DA SERRA DA FORMIGA EM CAICÓ RN Resumo expandido - Proteção da Biodiversidade Neusiene Medeiros da Silva¹, (neusienegeo@yahoo.com), Manoel Cirício Pereira Neto¹, Ubirajara

Leia mais

Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest

Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest Contendas do Sincorá Floresta Nacional Bahia, BRASIL Plants of Contendas do Sincorá National Forest Lucas Cardoso Marinho & Filipe Ribeiro Sá Martins Lucas C. Marinho [lcmarinho@gmail.com] # 452 version

Leia mais

Conhecimento botânico medicinal sobre espécies vegetais nativas da caatinga e plantas espontâneas no agreste da Paraíba, Brasil

Conhecimento botânico medicinal sobre espécies vegetais nativas da caatinga e plantas espontâneas no agreste da Paraíba, Brasil Conhecimento botânico medicinal sobre espécies vegetais nativas da caatinga e plantas espontâneas no agreste da Paraíba, Brasil 685 CORDEIRO, J.M.P. 1 *; FÉLIX, L.P. 1 1 Universidade Federal da Paraíba,

Leia mais

Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA

Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA Ethnopharmacological studies in communities of Recôncavo da Bahia/BA SILVA, Diogo. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia,

Leia mais

Palavras-chave: Riqueza florística, ecossistemas ribeirinhos, região semiárida

Palavras-chave: Riqueza florística, ecossistemas ribeirinhos, região semiárida 1 ANÁLISE DO PERFIL FLORÍSTICO EM UM ECOSSISTEMA CILIAR NA CAATINGA: SUBSÍDIOS PARA A CONSERVAÇÃO E A SUSTENTABILIDADE DOS RECURSOS NATURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO Azenate Campos Gomes - Graduanda UFCG/CDSA/UATEC

Leia mais

Conhecimento e Uso da Vegetação Nativa da Caatinga em uma Comunidade Rural da Paraíba, Nordeste do Brasil

Conhecimento e Uso da Vegetação Nativa da Caatinga em uma Comunidade Rural da Paraíba, Nordeste do Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 34:5-37. Abril de 2014 5 Conhecimento e Uso da Vegetação Nativa da Caatinga em uma Comunidade Rural da Paraíba, Nordeste do Brasil Núbia da Silva 1, Reinaldo Farias

Leia mais

ANTÔNIO LUIZ DÓRIA NETO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DE UMA ÁREA DE CAATINGA EM PORTO DA FOLHA

ANTÔNIO LUIZ DÓRIA NETO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DE UMA ÁREA DE CAATINGA EM PORTO DA FOLHA ANTÔNIO LUIZ DÓRIA NETO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DE UMA ÁREA DE CAATINGA EM PORTO DA FOLHA Monografia apresentada ao Núcleo de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Sergipe, como requisito

Leia mais

ANALYSIS OF THE MANAGEMENT OF BIODIVERSITY IN ARBOREAL CAATINGA BEE IN SETTLEMENT PURPOSES RENASCER, SERTÃO OF CARIRI - PB

ANALYSIS OF THE MANAGEMENT OF BIODIVERSITY IN ARBOREAL CAATINGA BEE IN SETTLEMENT PURPOSES RENASCER, SERTÃO OF CARIRI - PB ANÁLISE DA BIODIVERSIDADE ARBÓREA EM MANEJO DA CAATINGA PARA FINS APÍCOLAS NO ASSENTAMENTO RENASCER, SERTÃO DO CARIRI - PB Nielsen Christianni Gomes da Silva 1 ; Fábio dos Santos Santiago 2 ; Gabrielle

Leia mais

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO

Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO Me. João Luiz da Silva Instituto Federal do Sertão Pernambucano - Campus Floresta. jlmacambira@hotmail.com A CAATINGA 1 INTRODUÇÃO A caatinga é um bioma que se concentra na região nordeste do Brasil. Ocupando

Leia mais

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Brito de Melo Trovão, Dilma Maria; Silva Costa, Silvokleyo da; Silva Barbosa, Aldeni;

Leia mais

Difusão do Uso de plantas Medicinais com Ação Antiparasitária em Escolas Públicas do Município de Patos, PB

Difusão do Uso de plantas Medicinais com Ação Antiparasitária em Escolas Públicas do Município de Patos, PB Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Difusão do Uso de plantas Medicinais com Ação Antiparasitária em Escolas Públicas do Município de Patos,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO.

CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NA CONCEPÇÃO DE DISCENTES, DE UMA ESCOLA LOCALIZADA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO. OLIVEIRA, Mayara Cecile Nascimento¹-UEPB SILVA, Renata Lima Machado¹-UEPB CARLOS, Angélica Cardoso

Leia mais

AÇAÍ AGROPECUÁRIA E SERVIÇOS LTDA

AÇAÍ AGROPECUÁRIA E SERVIÇOS LTDA COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO - CHESF DIRETORIA DE ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO - DE SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO - SPE DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE - DMA DIVISÃO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

Uso e diversidade de plantas medicinais da Caatinga na comunidade rural de Laginhas, município de Caicó, Rio Grande do Norte (nordeste do Brasil)

Uso e diversidade de plantas medicinais da Caatinga na comunidade rural de Laginhas, município de Caicó, Rio Grande do Norte (nordeste do Brasil) Uso e diversidade de plantas medicinais da Caatinga na comunidade rural de Laginhas, município de Caicó, Rio Grande do Norte (nordeste do Brasil) 31 ROQUE, A.A. 1 *; ROCHA, R.M. 2 ; LOIOLA, M.I.B. 1 1

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA POPULAÇÃO DE ARAGUAÍNA, TO

IDENTIFICAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA POPULAÇÃO DE ARAGUAÍNA, TO IDENTIFICAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA POPULAÇÃO DE ARAGUAÍNA, TO Rosely das Chagas Silva 1 ; Beatriz Cardoso Roriz 2 ; Claudia Scareli dos Santos 3 1 Aluna do Curso de Licenciatura em Biologia;

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

FLORISTIC AND PHYTOSOCIOLOGY COMPOSITION OF A CAATINGA FRAGMENT IN MONTEIRO, PB ABSTRACT

FLORISTIC AND PHYTOSOCIOLOGY COMPOSITION OF A CAATINGA FRAGMENT IN MONTEIRO, PB ABSTRACT COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLÓGICA DE UM FRAGMENTO DE CAATINGA EM MONTEIRO, PB L. R. Pereira Júnior¹; A. P. de Andrade 2 ; K. D. Araújo 3 ¹Centro de Ciências Universidade Federal do Ceará 2 Centro

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS EM UMA ÁREA RURAL NA REGIÃO DE RONDONÓPOLIS, MATO GROSSO

LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS EM UMA ÁREA RURAL NA REGIÃO DE RONDONÓPOLIS, MATO GROSSO LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS EM UMA ÁREA RURAL NA REGIÃO DE RONDONÓPOLIS, MATO GROSSO Mariane Duarte de Souza 1 Maria Corette Pasa 2 RESUMO: Este artigo buscou reunir informações etnobotânicas

Leia mais

Resumos do VII Congresso Brasileiro de Agroecologia Fortaleza/CE 12 a 16/12/2011

Resumos do VII Congresso Brasileiro de Agroecologia Fortaleza/CE 12 a 16/12/2011 11975 - Produção de Mudas Nativas e Frutíferas na Comunidade de Sussuí para Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas e Diversificação da Produção Alimentar da Comunidade. Production of Plants Natives

Leia mais

INTRODUÇÃO METODOLOGIA

INTRODUÇÃO METODOLOGIA Pesquisas agronômicas das plantas medicinais nativas regulamentadas pela ANVISA Lin Chau Ming, Gabriela Granghelli Gonçalves, Maria Izabela Ferreira Departamento de Horticultura, Faculdade de Ciências

Leia mais

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO Formações vegetais do globo AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO As Grandes Formações Vegetais da Superfície da Terra Tundra Vegetação

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e

A Mata Atlântica é uma formação vegetal brasileira. Acompanhava o litoral do país do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte (regiões meridional e Mata Atlântica A Mata Atlântica (floresta pluvial costeira) está situada entre o R.N e o R.S. É um dos hotspots (O conceito dos Hotspots, criado em 1988 pelo Dr. Norman Myers, estabeleceu 10 áreas críticas

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE DE CURRAL DO MEIO - CRATEÚS - CE

O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE DE CURRAL DO MEIO - CRATEÚS - CE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA COMUNIDADE DE CURRAL DO MEIO - CRATEÚS - CE Fábio Araújo Bezerra (Graduando), Ana Lúcia Rodrigues da Silva (PQ), Cléia Rocha de Sousa (PQ), Adervan Fernandes Sousa* (PQ).

Leia mais

Licenciatura em ciências biológicas. Botânica II. Verônica R. Albuquerque Eliane C. S. Fernandes

Licenciatura em ciências biológicas. Botânica II. Verônica R. Albuquerque Eliane C. S. Fernandes Licenciatura em ciências biológicas Botânica II Mª do Carmo da Silva Souza Verônica R. Albuquerque Eliane C. S. Fernandes Plantas medicinais da flora Andiroba Cavalinha Anador Sapucainha Catuaba Angelicó

Leia mais

LEVANTAMENTO QUANTITATIVO DA UTILIZAÇÃO DE ÁRVORES MEDICINAIS NAS CIDADES DE MARÍLIA, DUARTINA, ITÁPOLIS, PIRAJU E GARÇA (SP), EM ÁREA RURAL E URBANA.

LEVANTAMENTO QUANTITATIVO DA UTILIZAÇÃO DE ÁRVORES MEDICINAIS NAS CIDADES DE MARÍLIA, DUARTINA, ITÁPOLIS, PIRAJU E GARÇA (SP), EM ÁREA RURAL E URBANA. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL DE GARÇA/FAEF ANO VI, NÚMERO, 10, AGOSTO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

FLORA VASCULAR DE UMA ÁREA DE CAATINGA NO ESTADO DA PARAÍBA - NORDESTE DO BRASIL 1

FLORA VASCULAR DE UMA ÁREA DE CAATINGA NO ESTADO DA PARAÍBA - NORDESTE DO BRASIL 1 Universidade Federal Rural do Semiárido PróReitoria de Pesquisa e PósGraduação http://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/sistema ISSN 0100316X (impresso) ISSN 19832125 (online) FLORA VASCULAR DE UMA ÁREA

Leia mais

Atendimento as recomendações solicitas para UHE de Xingó

Atendimento as recomendações solicitas para UHE de Xingó Atendimento as recomendações solicitas para UHE de Xingó Atendendo a recomendação: Apresentar em até 90 dias, uma análise crítica dos trabalhos existentes sobre fauna e flora ocorrentes na região da UHE

Leia mais

Utilização de plantas nativas da região do Semiárido paraibano como forma de tratamento alternativo na Medicina Veterinária

Utilização de plantas nativas da região do Semiárido paraibano como forma de tratamento alternativo na Medicina Veterinária Utilização de plantas nativas da região do Semiárido paraibano como forma de tratamento alternativo na Medicina Veterinária Autor: Fábio José Targino Moreira da Silva Júnior¹ Instituição: Centro de Ciências

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Levantamento Florístico De Um Quintal Florestal No Norte De Minas

Levantamento Florístico De Um Quintal Florestal No Norte De Minas Levantamento Florístico De Um Quintal Florestal No Norte De Minas Alisson Farley Soares Durães (1) ;Jaciara Dias Macedo (2) ;Kelly Marianne Guimarães Pereira (3) ; Leticia Renata de Carvalho (4) (1) Estudante;

Leia mais

B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano

B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano Josilda de França Xavier 1; Maria José Santos 2 ; Maria da Conceição Jerônimo 3 1 Bióloga,

Leia mais

Levantamento florístico do componente arbustivo-arbóreo da vegetação ciliar na bacia do rio Taperoá, PB, Brasil

Levantamento florístico do componente arbustivo-arbóreo da vegetação ciliar na bacia do rio Taperoá, PB, Brasil Acta bot. bras. 19(3): 647-656. 2005 Levantamento florístico do componente arbustivo-arbóreo da vegetação ciliar na bacia do rio Taperoá, PB, Brasil Alecksandra Vieira de Lacerda 1,3, Nivaldo Nordi 2,

Leia mais

Unha-de-gato. Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel.

Unha-de-gato. Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel. Unha-de-gato Unha-de-gato Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) D.C. e Uncaria guianensis (Aubl.) J.F. Gmel. Elias Melo de Miranda Foram os indígenas peruanos que descobriram o uso medicinal da

Leia mais

ISSN 1808-9992 Julh, 2008 o. Levantamento Florístico da Reserva Legal do Projeto Salitre, Juazeiro-BA

ISSN 1808-9992 Julh, 2008 o. Levantamento Florístico da Reserva Legal do Projeto Salitre, Juazeiro-BA on line ISSN 1808-9992 Julh, 2008 o 209 Levantamento Florístico da Reserva Legal do Projeto Salitre, Juazeiro-BA ISSN 1808-9992 Julho, 2008 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Semi-Árido

Leia mais

APRENDENDO SOBRE A CAATINGA ATRAVÉS DO FUTEBOL E DE POEMAS: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS

APRENDENDO SOBRE A CAATINGA ATRAVÉS DO FUTEBOL E DE POEMAS: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS APRENDENDO SOBRE A CAATINGA ATRAVÉS DO FUTEBOL E DE POEMAS: CONTRIBUIÇÕES PARA O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM EM CIÊNCIAS Clélia de Almeida Agra Albuquerque Secretaria de Estado da Educação no Estado

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

OS VEGETAIS COM POTENCIAL FITOTERÁPICO DO COMPLEXO ALUÍZIO CAMPOS, CAMPINA GRANDE-PB

OS VEGETAIS COM POTENCIAL FITOTERÁPICO DO COMPLEXO ALUÍZIO CAMPOS, CAMPINA GRANDE-PB OS VEGETAIS COM POTENCIAL FITOTERÁPICO DO COMPLEXO ALUÍZIO CAMPOS, CAMPINA GRANDE-PB VEGETABLES WITH POTENTIAL HERBAL COMPLEX ALUÍZIO CAMPOS, CAMPINA GRANDE-PB Helder Neves de ALBUQUERQUE 1, Djalma José

Leia mais

Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA

Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA Levantamento Etnofarmacológico em Comunidades Rurais do Recôncavo da Bahia/BA Ethnopharmacological studies in communities of Recôncavo da Bahia/BA SILVA, Diogo. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia,

Leia mais

PRINCIPAIS BIOMAS BRASILEIROS

PRINCIPAIS BIOMAS BRASILEIROS PRINCIPAIS BIOMAS BRASILEIROS Biomas são grandes estruturas ecológicas com fisionomias distintas encontradas nos diferentes continentes, caracterizados principalmente pelos fatores climáticos (temperatura

Leia mais

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo

Manejo Sustentável da Caatinga. Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Manejo Sustentável da Caatinga Lucas Fonseca Menezes Oliveira Analista Eng. Agrônomo Fortaleza / CE 2015 Semiárido» Nordeste: 1,56 milhões de km²;» Semiárido: 982.563 km²;» Chuva concentrada em poucos

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro.

Eritrina-candelabro. Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Eritrina-candelabro (Erythrina speciosa Andrews) Altura (adulta): 3 a 5 m. Floração: de junho a setembro (planta sem folhas). Frutificação: frutos maduros em outubronovembro. Característica de floresta

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NA CIDADE DE ITAPETIM, PERNAMBUCO, BRASIL

LEVANTAMENTO DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NA CIDADE DE ITAPETIM, PERNAMBUCO, BRASIL 115 LEVANTAMENTO DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS NA CIDADE DE ITAPETIM, PERNAMBUCO, BRASIL Izabela Souza Lopes 1, José Evanaldo Rangel da Silva², Ivan de Almeida Machado 3, Coelho Edna Mariza Rangel da

Leia mais

Revista Homem, Espaço e Tempo set/out de 2009 ISSN 1982-3800

Revista Homem, Espaço e Tempo set/out de 2009 ISSN 1982-3800 LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE GURINHÉM PARAÍBA Maria Amélia Araújo Soares Amellyaaraujo@hoymail.com José Ricardo Pinto Braga Prof. Antonio Édie

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PIBEX 2013-2014 ANEXO 02 PROJETO

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Avaliação do uso de madeira como fonte energética em estabelecimentos comerciais no Município de Petrolina, PE

Avaliação do uso de madeira como fonte energética em estabelecimentos comerciais no Município de Petrolina, PE 25 Avaliação do uso de madeira como fonte energética em estabelecimentos comerciais... Avaliação do uso de madeira como fonte energética em estabelecimentos comerciais no Município de Petrolina, PE Evaluation

Leia mais

Transição Agroecológica: A Experiência da Família de Seu Caboclinho no Território da Borborema PB

Transição Agroecológica: A Experiência da Família de Seu Caboclinho no Território da Borborema PB Transição Agroecológica: A Experiência da Família de Seu Caboclinho no Território da Borborema PB MARINI, Fillipe S. Universidade Federal de Pernambuco - UFPB, email; fillipe@cca.ufpb.br; SOUZA, Manoel

Leia mais

LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA COMUNIDADE SOL NASCENTE, ALTA FLORESTA MT

LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA COMUNIDADE SOL NASCENTE, ALTA FLORESTA MT LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DE PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELA COMUNIDADE SOL NASCENTE, ALTA FLORESTA MT LAROCCA 1, Diene Gonçalves; BENEVENUTI 2, Angelita Silva; CRUZ 3, Patrícia; SIMIONI 1, Priscila

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELOS MORADORES DO SÍTIO DOIS IRMÃOS - NOVA OLÍMPIA-MT

LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELOS MORADORES DO SÍTIO DOIS IRMÃOS - NOVA OLÍMPIA-MT LEVANTAMENTO ETNOBOTÂNICO DAS PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS PELOS MORADORES DO SÍTIO DOIS IRMÃOS - NOVA OLÍMPIA-MT SILVA JUNIOR, Marcos Antônio da 1 ; NASCIMENTO, Valdemir Lino do 2 ; FERNANDES, Thiago

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

Áreas degradadas: métodos de recuperação no semi-árido brasileiro. Paulo César Fernandes Lima

Áreas degradadas: métodos de recuperação no semi-árido brasileiro. Paulo César Fernandes Lima Áreas degradadas: métodos de recuperação no semi-árido brasileiro. Paulo César Fernandes Lima Pesquisador da Embrapa Semi-Árido, C.P. 23, Petrolina-PE, 56302-970. pcflima@cpatsa.embrapa.br 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás

Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás Utilização e Formas de Aproveitamento de espécies do Cerrado no Município de Anápolis, Goiás SANTOS, Mariângela Sousa Rodrigues¹ ROSA, Patrícia Cristiane Lins e Freitas 1,3 MENEZES, Andréia Ribeiro Teles

Leia mais

Diversidade dos recursos vegetais na medicina tradicional da Guiné-Bissau

Diversidade dos recursos vegetais na medicina tradicional da Guiné-Bissau Workshop PLANTAS MEDICINAIS E PRÁTICAS FITOTERAPÊUTICAS NOS TRÓPICOS IICT/CCCM 29, 30 e 31 de Outubro Diversidade dos recursos vegetais na medicina tradicional da Guiné-Bissau Maria Adélia Diniz 1, Eurico

Leia mais

Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas

Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas 312 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas FITOSSOCIOLOGIA DO SUB-BOSQUE DE RESTINGA COMO

Leia mais

Frutos da Caatinga de Sergipe utilizados na alimentação humana

Frutos da Caatinga de Sergipe utilizados na alimentação humana SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br Frutos da Caatinga de Sergipe utilizados na alimentação humana T. C. Santos 1 ; J. E. N. Júnior 2 ; A. P. N. Prata 3 1 Departamento de Agronomia,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM RECURSOS GENÉTICOS VEGETAIS CARLOS ANDRE CIRQUEIRA QUEIROZ CARACTERIZAÇÃO DA VEGETAÇÃO CILIAR

Leia mais

IPEF n.47, p.62-65, mai.1994. FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO

IPEF n.47, p.62-65, mai.1994. FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO IPEF n.47, p.62-65, mai.1994 FENOLOGIA DE FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO EM POPULAÇÃO NATURAL DE AÇAIZEIRO (Euterpe oleracea Mart.) NO ESTUÁRIO AMAZÔNICO Mário Augusto Gonçalves Jardim (1) Paulo Yoshio Kageyama

Leia mais

Análise da degradação da caatinga no núcleo de desertificação do Seridó (RN/PB)

Análise da degradação da caatinga no núcleo de desertificação do Seridó (RN/PB) Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.13, (Suplemento), p.961 974, 2009 Campina Grande, PB, UAEA/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 041.08 25/02/2008 Aprovado em 22/04/2009 Análise

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES Ciências Biológicas IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES Autor(a): RICARDO DA SILVA RIBEIRO¹ Coautores(as): LUCIRENE RODRIGUES, ANDERSON ALEX SANDRO

Leia mais

O USO POPULAR DA CATAIA (Drymis brasilienesis) 1

O USO POPULAR DA CATAIA (Drymis brasilienesis) 1 II EVENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA Embrapa Florestas Colombo 09 a 11 de dezembro de 2003 051 O USO POPULAR DA CATAIA (Drymis brasilienesis) 1 Ana Carolina Mendes 1 Marcos Fernando Gluck Rachwal 2 RESUMO

Leia mais

Espécies da Caatinga como Alternativa para o Desenvolvimento de Novos Fitofármacos

Espécies da Caatinga como Alternativa para o Desenvolvimento de Novos Fitofármacos Floresta e Ambiente http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.024212 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Espécies da Caatinga como Alternativa para o Desenvolvimento de Novos Fitofármacos Lécio

Leia mais

Novembro /SN - Centro - 58175000 / Cuité-PB. email:pro.kleyton21@gmail.com.br

Novembro /SN - Centro - 58175000 / Cuité-PB. email:pro.kleyton21@gmail.com.br EDUCAÇÃO PARA A CONSERVAÇÃO DA CAATINGA: UMA EXPERIÊNCIA PRATICO-METODOLÓGICA JUNTO A ESTUDANTES DA ESCOLA ESTADUAL ORLANDO VENÂNCIO DOS SANTOS, CUITÉ-PB Helena Cabral dos Santos 1 ; Kleyton Samuel Lima

Leia mais

ANÁLISE QUANTITATIVA DE ESPÉCIES ARBÓREAS DA PRAÇA DOS CORREIOS, MUNICIPIO DE ITAPEVA SP

ANÁLISE QUANTITATIVA DE ESPÉCIES ARBÓREAS DA PRAÇA DOS CORREIOS, MUNICIPIO DE ITAPEVA SP ANÁLISE QUANTITATIVA DE ESPÉCIES ARBÓREAS DA PRAÇA DOS CORREIOS, MUNICIPIO DE ITAPEVA SP MUNHOZ JUNIOR, Cássio Acadêmico Eng. Florestal FAIT/AGEG DOMINGUES, Eduardo Almeida Acadêmico Eng. Florestal FAIT/AGEG

Leia mais

Projeto - Inventário Florestal de Minas Gerais Project - Forest Inventory of Minas Gerais

Projeto - Inventário Florestal de Minas Gerais Project - Forest Inventory of Minas Gerais Projeto - Inventário Florestal de Minas Gerais Project - Forest Inventory of Minas Gerais Livro Espécies Arbóreas da Flora Nativa Book Tree Species of the Native Flora Capítulo IV Espécies de ocorrência

Leia mais

Composição florística de um fragmento de caatinga do município de Itapetim, Pernambuco

Composição florística de um fragmento de caatinga do município de Itapetim, Pernambuco SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br Composição florística de um fragmento de caatinga do município de Itapetim, Pernambuco E. C. A. Silva 1 ; I. S. Lopes 1 ; J. L. Silva 1 1 Programa

Leia mais

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia Considerações Sobre a Gestão de Áreas Verdes Com Foco na Arborização de Sertânia - PE Edmaylson Jóia Leandro 1 Maria Betânia Moreira Amador 2 RESUMO Face a necessidade de implantação de espécies vegetais

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS GENÉTICOS DE PLANTAS MEDICINAIS EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA-PA

ESTRATÉGIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS GENÉTICOS DE PLANTAS MEDICINAIS EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA-PA ESTRATÉGIA PARA A CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS GENÉTICOS DE PLANTAS MEDICINAIS EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA-PA Iane Brito Tavares (1) Eng.ª Ambiental, M. Sc. Produção Vegetal/Professora do curso de Tecnologia

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO SOBRE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM DUAS CIDADES PARAIBANAS PERTENCENTES ÀS MESORREGIÕES DO SERTÃO E DO CURIMATAÚ OCIDENTAL

ESTUDO COMPARATIVO SOBRE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM DUAS CIDADES PARAIBANAS PERTENCENTES ÀS MESORREGIÕES DO SERTÃO E DO CURIMATAÚ OCIDENTAL ESTUDO COMPARATIVO SOBRE O USO DE PLANTAS MEDICINAIS EM DUAS CIDADES PARAIBANAS PERTENCENTES ÀS MESORREGIÕES DO SERTÃO E DO CURIMATAÚ OCIDENTAL Danielly da Silva Lucena 1. Clécio Maynard Batista da Fonsêca

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

Estudo do uso de plantas medicinais pela comunidade quilombola Senhor do Bonfim Areia-PB

Estudo do uso de plantas medicinais pela comunidade quilombola Senhor do Bonfim Areia-PB REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Suplemento Especial - Número 1-2º Semestre 2009 Estudo do uso de plantas medicinais pela comunidade quilombola Senhor do Bonfim Areia-PB RESUMO Giovana

Leia mais

RODRIGO LEONARDO COSTA DE OLIVEIRA PRIORIDADES DE CONSERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO EXTRATIVISMO DE PLANTAS MEDICINAIS DA CAATINGA

RODRIGO LEONARDO COSTA DE OLIVEIRA PRIORIDADES DE CONSERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO EXTRATIVISMO DE PLANTAS MEDICINAIS DA CAATINGA 1 RODRIGO LEONARDO COSTA DE OLIVEIRA PRIORIDADES DE CONSERVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DO EXTRATIVISMO DE PLANTAS MEDICINAIS DA CAATINGA Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Botânica, Departamento

Leia mais

ESTUDO ETNOBOTÂNICO DAS ESPÉCIES: AROEIRA

ESTUDO ETNOBOTÂNICO DAS ESPÉCIES: AROEIRA ESTUDO ETNOBOTÂNICO DAS ESPÉCIES: AROEIRA (Myracrodruon urundeuva) E PEQUI (Caryocar brasiliense) EM COMUNIDADES NO ENTORNO DO PARQUE EÓLICO DE CAETITÉ-BA Elane Silva de Souza 1 ; Juliane dos Santos Amorim

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

A PALINOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA APONTAR EVIDÊNCIAS DA OCUPAÇÕES HUMANAS NA ZONA DA MATA MINEIRA, MG, BRASIL

A PALINOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA APONTAR EVIDÊNCIAS DA OCUPAÇÕES HUMANAS NA ZONA DA MATA MINEIRA, MG, BRASIL A PALINOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA APONTAR EVIDÊNCIAS DA OCUPAÇÕES HUMANAS NA ZONA DA MATA MINEIRA, MG, BRASIL Shana Yuri Misumi 1 ; Marcia Aguiar de Barros 1 ; Robson Lucas Bartholomeu 1 ; Julio César

Leia mais

USO DO CONHECIMENTO LOCAL SOBRE PLANTAS MEDICINAIS EM TRÊS ÁREAS RURAIS DA RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO (RBCV)

USO DO CONHECIMENTO LOCAL SOBRE PLANTAS MEDICINAIS EM TRÊS ÁREAS RURAIS DA RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO (RBCV) USO DO CONHECIMENTO LOCAL SOBRE PLANTAS MEDICINAIS EM TRÊS ÁREAS RURAIS DA RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO (RBCV) Cruz, B. B. 1 ; Freitas, M. S. 1 ; Pinto, P. R. C. 1 ; Futemma,

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA)

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) BOM ESTUDO Profª Sueli Rocha CONTEÚDO: Os tipos de clima do continente Americano 01 Conceituar clima R: Clima é a seqüência

Leia mais

Um Quintal com Plantas Medicinais é uma Farmácia Viva na Porta de Casa

Um Quintal com Plantas Medicinais é uma Farmácia Viva na Porta de Casa Você sabe como deve fazer para coletar as plantas medicinais de forma correta? Veja a seguir alguns conselhos retirados da cartilha Plantas Medicinais, os remédios do Sertão (Dr. Celerino Carriconde do

Leia mais