PLATINE SPONSORS DE RESUMOS GOLD SPONSORS SILVER SPONSORS BRONZE SPONSORS SPONSORS ORGANIZAÇÃO ACREDITAÇÃO SECRETARIADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLATINE SPONSORS DE RESUMOS GOLD SPONSORS SILVER SPONSORS BRONZE SPONSORS SPONSORS ORGANIZAÇÃO ACREDITAÇÃO SECRETARIADO"

Transcrição

1 LIVRO DE RESUMOS ORGANIZAÇÃO ACREDITAÇÃO SECRETARIADO

2 ÁREA DE ENFERMAGEM T006 - COMUNICAÇÃO ORAL COMPETÊNCIA DE AUTOCUIDADO DA PESSOA À OSTOMIA INTESTINAL NA FASE PRÉ-OPERATÓRIA Carla Regina Rodrigues da Silva, Célia Santos e Maria Alice Brito Instituto Português de Oncologia do Porto FG, EPE Objetivo: Este estudo científico, desenvolvido no âmbito da investigação em enfermagem, teve como objetivo descrever a competência de autocuidado da pessoa que será submetida a cirurgia colo-retal com construção de uma ostomia intestinal, temporária ou definitiva, na fase pré-operatória, em contexto hospitalar. Material e métodos: Para conhecermos a competência de autocuidado da pessoa à ostomia intestinal na fase pré-operatória aplicámos o instrumento construído por Silva e colaboradores (2011) para a avaliação do desenvolvimento da competência de autocuidado da pessoa à ostomia intestinal, especificamente nos domínios que a compõem: conhecimento, autovigilância, interpretação, tomada de decisão, execução e negociação e utilização dos recursos de saúde. Os resultados apresentados derivam da utilização de dados obtidos pela aplicação prévia desse instrumento, sem que estivesse totalmente validado (só no seu conteúdo). Este instrumento foi aplicado a 50 sujeitos durante o ano de 2011, recolhidos por amostragem de conveniência, nos serviços de internamento de cirurgia de 3 hospitais da área do Porto. Foram elegíveis para participar no estudo pessoas internadas nesses 3 hospitais, propostas para cirurgia colo-retal eletiva, com construção provável de ostomia intestinal (temporária ou definitiva), com consentimento informado assinado, com idade igual ou superior a 18 anos e que aceitassem participar no estudo. Não foram integradas na amostra pessoas com defeito cognitivo e/ou com deterioração motora. A idade média dos participantes da amostra foi de 60.9 anos (DP=15.0), sendo que 88% (n=44) dos participantes possuíam escolaridade e 12% (n=6) eram iletrados. Os participantes com habilitações literárias tinham, em média, 5.9 anos de escolaridade (DP=4.0). Da amostra, 42% (n=21) dos participantes não participaram na consulta de enfermagem de Estomaterapia, em oposição aos 58% (n=29) que participaram. Para o tratamento dos dados criámos uma base de dados utilizando o programa informático Statistical Package for Social Sciences (SPSS) versão 19.0 para Windows e para a análise desses dados utilizamos testes estatísticos paramétricos. Resultados: A competência de autocuidado da pessoa à ostomia intestinal na fase pré-operatória cinge-se ao domínio do conhecimento. Dos participantes no estudo, 60% (n=30) demonstram saber parcialmente o que é uma ostomia intestinal e 38% (n=19) demonstram-no totalmente. Quanto à finalidade da ostomia, 48% (n=24) dos participantes sabem a finalidade da ostomia e 48% (n=24) sabem parcialmente. Da amostra, 96% (n=48) dos participantes não demonstram qualquer conhecimento sobre as características da ostomia, assim como 96% (n=48) dos participantes desconhecem os sinais de complicação. Os resultados indicam, ainda, que 48% (n=24) dos participantes não sabem quando trocar o saco e 52% (n=26) não sabem quando trocar a placa/penso da ostomia. Da amostra, 62% (n=31) dos participantes não demonstram conhecimento sobre os recursos existentes na comunidade, enquanto que todos os participantes reconhecem as suas necessidades na área do conhecimento sobre o cuidado à ostomia. No que se refere à média do conhecimento dos participantes e à sua relação com as variáveis sociodemográficas e clínicas, verificam-se diferenças estatisticamente significativas entre os participantes iletrados e os que têm habilitações literárias (t(48)=2.42; p=0.02). Existe, também, uma correlação baixa positiva significativa entre a idade dos participantes e a sua média de conhecimento (r(50)=0.29; N=50; p=0.04). Da mesma forma, verifica-se uma correlação moderada negativa bastante significativa entre a média do conhecimento dos participantes e os anos de escolaridade (r=-0.54; N=44; p=0.0001). Registam-se, ainda, diferenças estatisticamente significativas entre a média de conhecimento daqueles que participaram em consulta de enfermagem de Estomaterapia e aqueles que não participaram (t(48)=2.13; p=0.04). Conclusão: A competência de autocuidado apresentada pela pessoa na fase pré-operatória parece resumir-se ao domínio do conhecimento, ou seja, à esfera cognitiva da aprendizagem. Dos participantes no estudo, aqueles com mais idade, com habilitações literárias e, de entre estes, com mais anos de escolaridade, parecem demonstrar melhor desempenho no domínio do conhecimento da competência de autocuidado à ostomia intestinal. Concluímos, também, que aqueles que participam em consulta de enfermagem de Estomaterapia demonstram mais conhecimento, quando comparados com os que não participam. Torna-se fundamental conhecer a competência de autocuidado da pessoa à ostomia intestinal, no sentido de dar resposta às suas necessidades, contribuindo para a assistência de enfermagem a este grupo populacional, tendo por foco as respostas humanas às transições. Bibliografia SILVA, Carla Regina Rodrigues da [et al.] - Formulário, Desenvolvimento da competência de autocuidado da pessoa com ostomia de eliminação intestinal. In Desenvolvimento da competência de autocuidado da pessoa que vai ser submetida a ostomia de eliminação intestinal. Porto: Escola Superior de Enfermagem do Porto Dissertação de Mestrado. T007 - COMUNICAÇÃO ORAL INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DA COMPETÊNCIA DE AUTOCUIDADO DA PESSOA COM OSTOMIA INTESTINAL Carla Regina Rodrigues da Silva, Teresa Cardoso e Ana Gomes Instituto Português de Oncologia do Porto FG, EPE Objetivo Este estudo científico, desenvolvido no âmbito da investigação em enfermagem, teve como objetivo construir um instrumento de avaliação do desenvolvimento da competência de autocuidado da pessoa com ostomia de eliminação intestinal, temporária ou definitiva, com a finalidade de ser aplicado pelo enfermeiro e, assim, permitir avaliar o desenvolvimento da competência de autocuidado da pessoa à ostomia ao longo do seu processo de adaptação. Material e métodos Assente num estudo de natureza metodológica, a construção deste instrumento teve por base, essencialmente, os passos definidos por Hulley e colaboradores (2008) para a construção de instrumentos de medida. Numa fase inicial definimos os conceitos de competência e de autocuidado, assim como enumeramos as características passíveis de descrever a pessoa sob o ponto de vista sociodemográfico e clínico. Em paralelo, efetuamos pesquisa de instrumentos de medida publicados sobre temas similares ou conexos passando, posteriormente, à decomposição dos conceitos, identificando os indicadores afetos a cada um deles. Assim, a seleção de cada indicador e a sua redação na versão inicial resultou do cruzamento da nossa experiência profissional com a pesquisa bibliográfica subordinada ao tema. Encontrados os indicadores procedemos ao seu agrupamento, tendo emergido seis domínios da competência de autocuidado da pessoa à ostomia; nomeadamente o conhecimento, a autovigilância, a interpretação, a tomada de decisão, a execução e a negociação e utilização dos recursos de saúde. Terminada a redação dos indicadores e respetiva organização passamos a ler cuidadosamente o instrumento, tentando despistar frases confusas ou de difícil interpretação e confirmamos a adoção das mesmas definições do início ao fim do instrumento. Para medirmos os indicadores de cada um dos domínios da competência de autocuidado optámos por utilizar uma escala de avaliação simples, capaz de diferenciar o nível de competência que a pessoa demonstra no autocuidado à ostomia, pelas opções de resposta demonstra totalmente, demonstra parcialmente, não demonstra ou não se aplica. A pessoa demonstra totalmente um dado indicador quando cumpre todos os critérios definidores desse mesmo indicador. A pessoa demonstra parcialmente um dado indicador quando não cumpre todos os critérios mas cumpre pelo menos um. A seleção da opção não demonstra é feita quando a pessoa não cumpre qualquer um dos critérios definidores do indicador em causa, enquanto que a opção não se aplica deve ser assinalada em situações em que não é possível avaliar o indicador do domínio da competência porque este não pode ser atribuído ao caso particular da pessoa ostomizada/a aguardar ostomia ou porque não existem dados suficientes para a sua avaliação. Além do instrumento, elaboramos um manual do seu preenchimento, de forma a esclarecer e definir os critérios de preenchimento. Neste manual estão, primeiramente, as definições das variáveis sociodemográficas e clínicas com as indicações sobre os critérios de seleção e, numa segunda parte, são definidos os domínios da competência de autocuidado e respetivos indicadores, correspondendo a cada um, as suas características definidoras. Encontrado o esboço do instrumento, seguimos para a avaliação da sua validade interna, nomeadamente a sua validade de conteúdo, submetendo o instrumento à apreciação por um grupo de cinco peritos e especialistas na área de conhecimento do problema de investigação, nomeadamente nas áreas do autocuidado e das ostomias. Após a apreciação do instrumento pelo grupo de peritos, submetêmo-lo, também, à avaliação por parte de um professor de português. Encontrada a versão final do instrumento procedemos à realização do pré-teste, o qual foi aplicado a uma amostra de 15 pessoas. O processo de validação deste instrumento está concluído e encontra-se a aguardar avaliação, no contexto da defesa de uma tese de mestrado em Enfermagem Médico-cirurgica. Conclusão Dada a sua aplicabilidade clínica, este instrumento mostra-se como uma ferramenta útil para o enfermeiro, permitindo recolher, de forma sistematizada e continuada, dados acerca da pessoa com ostomia de eliminação intestinal (desde o período pré-operatório até ao contexto comunitário), contribuindo, assim, para o conhecimento das necessidades específicas em cuidados de enfermagem desse grupo populacional. Referência bibliográfica HULLEY, Stephen B. [et al.] - Delineando a Pesquisa Clínica, Uma abordagem epidemiológica. 3ªed. Porto Alegre: Armed, p. ISBN T016 - COMUNICAÇÃO ORAL DOR E CUIDADOS PALIATIVOS: A VIVÊNCIA DA ENFERMAGEM NO PROCESSO DE MORTE E MORRER DOS PACIENTES ONCOLÓGICOS O câncer é uma doença crônica e progressiva que causa dor física, sofrimento emocional e espiritual intensos. Essa patologia quando diagnosticada em fase avançada, diminui a chance de sobrevida do paciente. De acordo com as estatísticas do INCA (Instituto Nacional do Câncer Brasil), o câncer é a segunda causa de morte no Brasil. No homem, o maior índice de mortalidade ocorre pelo câncer de próstata, pulmão e intestino; e nas mulheres pela doença na mama, colo de útero e também intestino. Esta pesquisa teve como objetivo destacar conhecimentos necessários para que o profissional de enfermagem utilize dos cuidados paliativos para oferecer assistência aos pacientes oncológicos terminais. A revisão da literatura utilizada tem caráter descritivo exploratório, utilizando-se de livros, artigos científicos e manuais do Ministério da Saúde, e demonstra que os altos índices de morbimortalidade do câncer remete à necessidade da assistência de enfermagem em cuidados paliativos, já que o enfermeiro está ligado diretamente ao paciente, inclusive em sua fase terminal. Dentro desse contexto deve-se respeitar a sua autonomia e dignidade, tratando-o de forma holística e humanizada, ressaltando a importância na comunicação estabelecida entre enfermeiro, pacientes e familiares. A ênfase está no escutar mais do que falar, para ajudar o paciente a expressar seus sentimentos, compreendendo-o melhor. O enfermeiro deve aperfeiçoar suas habilidades técnico-científicas e na capacidade de percepção das necessidades do paciente terminal oncológico, de forma que consiga oferecer cuidados de enfermagem com qualidade. Silva (2004) destacou a importância e o direito do paciente com doença avançada e terminal, e da sua família, de morrer com dignidade, afirmando que cuidados paliativos é uma modalidade emergente de assistência no fim da vida, construídos dentro de um modelo de cuidados totais, ativos e integrais. A intenção de uma morte mais digna, menos sofrida e perto das pessoas queridas partiu inicialmente dos ingleses, na década de 60, e posteriormente estendeu-se ao restante da Europa e Estados Unidos, tornando oportuna a criação de um movimento de cuidados mais humanizado, integral, voltado especificamente para indivíduos com doenças crônicas, progressivas e sem possibilidade de tratamento curativo (SILVA, 2004). Os cuidados paliativos devem ser iniciados o mais precocemente possível junto a outras medidas para prolongar a vida, como quimioterapia e radioterapia, incluindo ainda investigações necessárias para melhor compreensão e controle dos sintomas. Não se pode privar o paciente dos recursos diagnósticos e terapêuticos que a medicina pode oferecer, devendo ser usados de forma hierarquizada, levando em consideração o custo e benefício. A aplicação precoce dos cuidados paliativos antecipa e previne os sintomas. É fundamental que o paciente seja o centro das atenções, tratado de forma holística e acompanhado pela sua família em todo o período de seu tratamento. Como o câncer é uma doença que pode levar ao óbito, os programas de cuidados paliativos têm sido reconhecidos como estratégias fundamentais para melhorar a qualidade de vida de pessoas com doenças que podem fazer com que elas vivenciem a fase terminal. O controle do sofrimento físico, emocional, espiritual e social é essencial nesta modalidade de cuidado, já que a pessoa que fica doente, desde o diagnóstico até o momento da morte, e sua família, durante o curso da doença até a fase do enlutamento, procura recursos para amenizar o sofrimento. Apesar dos cuidados paliativos estarem em construção suas estratégias a partir da prática é um desafio para as equipes de saúde. Assim, o propósito da assistência de enfermagem é encontrar no trabalho cotidiano, junto aos que recebem cuidados paliativos, um equilíbrio harmonioso entre a razão e a emoção. O enfermeiro é o profissional que está diretamente ligado ao paciente, tendo assim o compromisso e responsabilidade de ouvir e compreender melhor às necessidades de cada um, proporcionando-lhes apoio, compreensão e afetividade no momento de carência que possuem no enfrentamento da doença e consequentemente a caminho da terminalidade. Portanto, é imprescindível que sejam intensificadas as investigações sobre cuidados paliativos para pacientes com câncer, com o objetivo de fornecer subsídios que permitam viabilizar a introdução dessa prática nos serviços de saúde, principalmente como componente da assistência de enfermagem, conscientizando os gestores e produtores de políticas públicas sobre a importância desse serviço no planejamento das ações em saúde. T017 - COMUNICAÇÃO ORAL UM OLHAR DA ENFERMAGEM: A MULHER JOVEM E O CÂNCER DE MAMA, A VISÃO DO PROCESSO MORTE E MORRER Ao se considerar o câncer como um problema de saúde pública atual e a complexidade das atividades de enfermagem inerentes aos portadores de neoplasia, procurouse analisar a importância dos cuidados paliativos de enfermagem aos pacientes oncológicos, bem como relacioná-los à Teoria das Necessidades Humanas Básicas. O referido princípio se torna um guia teórico na realização das práticas de enfermagem, uma vez que oferece um suporte científico à sistematização da assistência de enfermagem, impactando diretamente na dimensão qualitativa do atendimento ao enfermo, com a popularmente chamada doença ruim. O profissional enfermeiro poderá ter conhecimento para levantar todas as necessidades biológicas, psicológicas e sociais decorrentes da doença, e ter mais capacidade de direcionar as suas atividades. Trata-se de um estudo de revisão integrativa, uma modalidade de estudo e análise de documentos científicos, a partir de buscas realizadas na Biblioteca Virtual em Saúde. Dessa forma, percebe-se a importância dos cuidados paliativos como meio de amenizar ou acabar com o desconforto do paciente. A forma encontrada para o desenvolvimento da pesquisa foi direcionada por entrevistas contemplando a questão norteadora, na qual foi elaborada pelos pesquisadores: Qual a sua percepção dos Cuidados paliativos relacionada a pacientes terminais? Os depoimentos dos sujeitos foram estruturados de acordo com cuidados paliativos em pacientes. Os discursos foram divididos em categorias que melhor se agrupassem e, posteriormente analisados. A partir da compreensão dos depoimentos dos sujeitos, foram identificadas cinco categorias: Percebendo a necessidade de humanizar o cuidar dos pacientes terminais; Presença da família: ligação no final da vida; Necessidades básicas do paciente terminal; Despreparo da equipe para lidar com o processo de finitude; Respeitar os limites do paciente: reanimar ou não reanimar. Admitir que apenas porque não há cura e que o paciente se encaminha para o fim da vida, não significa que não há mais o que fazer. Ao contrário, surgem inúmeras possibilidades a serem oferecidas ao paciente e sua família, como sua autonomia, suas escolhas e desejos. Nesse sentido, é cabível destacar que os profissionais de enfermagem inseridos no estudo evidenciaram a valorização da humanização dos cuidados paliativos e a concordância de que pacientes terminais devem permanecer junto à família recebendo tratamento adequado e conforto. A partir deste pôde-se compreender melhor os aspectos emocionais da equipe de enfermagem frente à terminalidade e o câncer, assuntos esses destacados como produtores de ansiedade e estresse. Vale insistir que não se deve subestimar ou mesmo ignorar as dimensões éticas, culturais, históricas e religiosas envolvidas na temática. Hoje em oncologia, a preocupação não é mais somente com a cura, mas, sim, com a qualidade de vida do paciente. 050 PROGRAMA 13º CONGRESSO NACIONAL DE ONCOLOGIA 13º CONGRESSO NACIONAL DE ONCOLOGIA PROGRAMA 051

3 ÁREA DE ENFERMAGEM T018 - COMUNICAÇÃO ORAL QUALIDADE DE VIDA: UM OLHAR SOBRE O CUIDAR DA ENFERMAGEM DE PACIENTES ONCOLÓGICOS PEDIATRICOS EM TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO Ao se considerar o câncer como um problema de saúde pública atual e a complexidade das atividades de enfermagem inerentes aos portadores de neoplasia, procurouse analisar a importância dos cuidados paliativos de enfermagem aos pacientes oncológicos, bem como relacioná-los à Teoria das Necessidades Humanas Básicas. O referido princípio se torna um guia teórico na realização das práticas de enfermagem, uma vez que oferece um suporte científico à sistematização da assistência de enfermagem, impactando diretamente na dimensão qualitativa do atendimento ao enfermo, com a popularmente chamada doença ruim. O profissional de saúde poderá ter conhecimento para levantar todas as necessidades biológicas, psicológicas e sociais decorrentes da doença, em especial o câncer, e ter mais capacidade de direcionar as suas atividades. Trata-se de um estudo de revisão integrativa, uma modalidade de estudo e análise de documentos científicos, a partir de buscas realizadas na Biblioteca Virtual em Saúde. Dessa forma, percebe-se a importância dos cuidados paliativos como meio de amenizar ou acabar com o desconforto do paciente. O cuidado paliativo tem como finalidade oferecer melhoria da qualidade de vida às crianças fora de possibilidades de cura atuais. Desenvolve-se através de ações de suporte, informação e conforto para a criança e sua família. Essa é uma tendência atual que ainda configura-se como um desafio para os serviços de saúde. Destaca-se a importância desta pesquisa em sistematizar as produções científicas nacionais na temática da assistência à saúde da criança com câncer, e apresentar suas características de natureza clínicoepidemiológica e sociocultural e de tendência curativa. T019 - COMUNICAÇÃO ORAL CUIDADOS PALIATIVOS À CRIANÇA ONCOLÓGICA: A ÓTICA DO CUIDAR EM ENFERMAGEM E A VISÃO FAMILIAR NO POCESSO MORTE/MORRER Atualmente discussões sobre o tema câncer vêm ganhando ênfase na sociedade principalmente, quando se trata das inovações e possibilidades de cura/tratamento. No entanto, a cura, por vezes, torna-se impossível, e a morte, consequentemente inevitável. Diante dessa realidade, focou-se o interesse de estudo no cuidado do enfermeiro quando este se depara com a situação de morte iminente, visto que a morte geralmente não faz parte de conversas do cotidiano. As crianças com distúrbios crônicos que desencadeiam o risco de morte sofrem impactos influenciados por diversos fatores, como a idade do desenvolvimento, a experiência com o diagnóstico e o papel e a reação dos pais. O objetivo deste é enfatizar o sofrimento psicológico dos familiares mais próximos a essa criança, os efeitos que esse sofrimento trás e as dificuldades enfrentadas pelo profissional enfermeiro no dia-a-dia com este paciente. Este se caracteriza por ser do tipo descritivo-exploratório em que se utiliza a abordagem qualitativa, visto que tal modalidade trabalha com um espaço mais profundo das relações, dos processos e dos fenômenos que não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis. Neste tema relatam-se como os enfermeiros se sentem frente à criança oncológica e seus familiares. Observa-se que esse sofrimento é constantemente vivenciado pelos profissionais que atuam nos cuidados à criança com câncer sob cuidados paliativos e sua família, visto que a morte envolve paradigmas e preconceito culturais negativos. O fracasso e a impotência frequentemente são relacionados aos profissionais, pois são preparados em sua formação para trazer a cura, e a morte não é vista como possibilidade para o cuidado. Acredita-se que ao lidar com a morte, o profissional sensibiliza-se com a situação da criança e sua família. Suas emoções e sentimentos emergem pelo fato de a morte, em nossa cultura, ser, para muitos, um momento de dor e profundo pesar. A proximidade da morte de uma criança é um momento de dor para família e para aqueles que convivem com ela, pois, frequentemente, a aceitação e a compreensão dessa situação da criança são difíceis e dolorosas, e, por mais que se estude sobre a morte, compreendê-la é difícil, pois é, muitas vezes, algo inexplicável e inaceitável, principalmente quando se trata de crianças. Assim, destaca-se a necessidade de um serviço de apoio psicológico contínuo ao profissional, pois estes tendem a sofrer e até se esgotar emocionalmente durante a jornada de trabalho. T072 - COMUNICAÇÃO ORAL CUIDADOS DE ENFERMAGEM - A RELAÇÃO QUE AJUDA? Ana Leonor Alves Ribeiro Escola Superior de Enfermagem do Porto O exercício profissional dos enfermeiros é indissociável do estabelecimento de interações. A relação que se estabelece resulta dos laços de confiança que se criam e da intencionalidade que orienta cada interação. Propõe-se uma reflexão acerca do «ser enfermeiro» da relação enfermeiro-cliente e a clarificação da natureza desta relação. Esta reflexão permite discutir o papel da relação terapêutica quanto a duas funções básicas: como facilitadora da intervenção do enfermeiro e como instrumento terapêutico em si mesmo. Tenta-se clarificar o conceito de relação de ajuda e as características de tal relação. Caracterizam-se também os elementos que participam na interação: cliente, enfermeiro e as etapas do processo de relação terapêutica. Por fim, apresentamos a partir de um cenário extraído da realidade dos cuidados num contexto hospitalar uma reflexão sobre um conjunto de intervenções cujo objetivo é ajudar as pessoas nos diversos desafios que a vida lhes coloca. Concluímos que manter uma comunicação terapêutica não é fácil. Existe um conjunto de fatores que intervêm neste processo relacional. Estes fatores são relativos ao cliente, ao enfermeiro e a própria interação estabelecida. Ainda assim, este é um desafio que os enfermeiros devem abraçar. Devem abraçar porque os enfermeiros estão numa posição privilegiada para intervir face ao sofrimento, ao luto, à dor, à falta de esperança e por isso, estes profissionais precisam saber precisam dominar o conhecimento e as capacidades para intervir utilizando-se como recurso, tentando compreender o mundo interior do outro, suas emoções e os significados que as experiências têm para ele. Por isso, a complexidade da nossa profissão Referências bibliográficas BERMEJO, José Carlos Inteligência emocional: La sabiduría del corazón en la salud y en la accíon social. 2ª edicion. Santander: Editorial Sal Terrae Santander, BERMEJO, José Carlos La relación de ayuda a la persona mayor. Cantabria: Editorial Sal Térrea, BRAGA, Gasparina; VANDENBERGHE, Luc Abrangência e função da relação terapêutica na terapia comportamental. Estudos de Psicologia, Campinas, 23 (3), Julho Setembro 2006, p CIBANAL, L. Técnicas de comunicación y relación de ayuda en ciencias de la salud. Madrid: Elsevier, Conselho Internacional dos Enfermeiros (ICN) Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem: versão 1.0. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros, HALL, E. -The hidden dimension. In R. P. Rawlins, K.C. Williams (Eds), Mental health nursing psychiatric nursing: A holistic approach (3rd ed.). St. Louis: Mosby, HALL, J. Packing for the journey: Safe closure of therapeutic relationships with abuse survivors. Journal of Psychosocial Nursing, 35(11), 1997, p HESBEEN, Walter Cuidar no hospital: Enquadrar os cuidados de enfermagem numa perspectiva de cuidar. Loures: Lusociência, HESBEEN, Walter Qualidade em Enfermagem. Loures: Lusociência, JOHNSON; BULECHEK, DOCHTERMAN; MAAS; MOORHEAD Nursing Diagnoses, Outcomes, and Interventions: NANDA, NOC, and NIC Linkages. USA: Mosby, LAZURE, Hélène Viver a relação de ajuda: abordagem teórica e prática de um critério de competência da enfermeira. Lisboa: Lusodidacta, MCCLOSKEY, Joanne; BULECHEK, Gloria Classificação das Inter- venções de Enfermagem (NIC). 3ª Edição. Porto Alegre: Artmed, OE (Ordem dos Enfermeiros) Conselho de Enfermagem Divulgar: Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais. Lisboa: OE, OE (Ordem dos Enfermeiros) Conselho de Enfermagem Padrões de Qualidade. Lisboa: OE, PAES SILVA, Maria Júlia Comunicação tem remédio: A comunicação nas relações interpessoais em saúde. 4ª Edição. São Paulo: Edições Loyola, Registered Nurses Association of Ontario - E-learning: Establishing therapeutic relationships. Toronto, Canada: Registered Nurses Association of Ontario, Registered Nurses Association of Ontario (RNAO) - Establishing Therapeutic Relationships. Nursing Best Practice Guideline Shaping the future of Nursing, July SUNDEEN, S.J., STUART, G.W., RANKIN, E.A., & COHEN, S.A. - Nurse-client interaction (4th ed). Toronto, Ontario: C. V. Mosby, T121 - COMUNICAÇÃO ORAL ALTERAÇÃO DO PADRÃO DA SEXUALIDADE NO DOENTE ONCOLÓGICO Elisabete Maria Sousa Valério IPO Porto Objectivos: -Compreender as questões dos doentes sobre sexualidade durante os tratamentos de quimioterapia; - Contextualizar as queixas dos doentes e permitir a comunicação; - Melhorar a informação ao doente, com as exigências deontológicas de ajuda. Resumo: Para a maioria das pessoas com cancro, a doença oncológica fomenta o desenvolvimento de consequências negativas na sua imagem corporal e por conseguinte na sua vida em sociedade. Os tratamentos de quimioterapia como observamos interferem com a qualidade de vida dos doentes. Esta modalidade terapêutica usada em todos os tipos de cancro, está directamente relacionada com a vivência da sexualidade das pessoas doentes. A sexualidade humana é uma coluna de sustentação importante na nossa vida, regida por aspectos físicos, psicológicos e socioculturais. A OMS define a sexualidade como uma energia que nos motiva em procurar amor, contacto, ternura e intimidade, que se integra no modo como nos sentimos, tocamos ou somos tocados, que influencia pensamentos, acções e interacções e por isso interfere também na nossa saúde física e mental. O estudo é classificado como descritivo do tipo qualitativo, foi realizada uma entrevista individualizada e semi-estruturada a quinze doentes em tratamento de quimioterapia. A amostra foi não probabilística, intencional e a questão do estudo em análise foi; em que medida a sexualidade da pessoa doente tem reflexos na sua qualidade de vida. Pretendemos apresentar as conclusões do estudo e quais as mudanças que o mesmo fomentou na nossa prática clínica de Enfermagem. Bibliografia: ANNOU, J.S. Behavourd treatment of sexual problem. Brief therapy, Edições Hagerstowon. London ALLEN GOMES, F. Paixão, Amor e Sexo. Ed. Dom Quixote,2004. CHANTAL, COUVREUR- LAINES. A qualidade de vida: artepara viver no Sec.XXI. Lusociência COLLIÉRE. M. F. cuidar a primeira arte da vida. 2ª edição. Lusociência T122 - COMUNICAÇÃO ORAL CIRURGIA CITORREDUTORA COM QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTEMICA: COMO GARANTIR A SEGURANÇA DO PACIENTE Fátima Micaelo, Manuela Pontes, Sílvia Ribeiro Bloco Operatório-IPO-PORTO É um procedimento normalmente prolongado e tecnicamente complexo que proporciona uma melhoria da Qualidade de Vida e da Taxa de Sobrevivência. O objetivo é a ressecção completa da doença macroscópica ou na sua impossibilidade não deixar depósitos peritoneais com espessura superior a 2,5mm. A técnica cirúrgica a ser usada visa a citoredução máxima e é chamada de Peritonectomia e não exclui a ressecção de órgãos associados como o baço, epiplon, vesicula, apêndice, segmentos de colon e outros. A utilização da hipertermia intraoperatória associada á quimioterapia prende-se com o facto de que o calor é mais tóxico para as células neoplásicas do que para as normais e que a hipertermia aumenta a penetração do quimioterápico nos tecidos sendo que, este sinergismo só acontece na face interna da superfície peritoneal.a quimioterapia intraperitoneal e a cirurgia de citoredução apresentam-se como novas armas terapêuticas. Os enfermeiros perioperatorios cuidam da pessoa que vai ser submetida a uma cirurgia tendo em conta a sua vulnerabilidade, integrando cuidados técnicos da cirurgia com cuidados humanos de respeito e dignidade pela pessoa, sempre com a máxima preocupação no controlo da infecção, na minimização do risco, na sua segurança e bem estar.um dos objectivos é promover e manter um elevado nível de cuidados de enfermagem ao doente. Há nove anos que foi instituido o dia 15 de Fevereiro como o dia europeu do enfermeiro perioperatório, este ano ao comemorar- se o dia definiu- se como tema :BE SAFE -BE SEEN -BE HEARD ou seja:promove A SEGURANÇA, TORNA-TE VISÍVEL, FAZ- TE OUVIR. Como sabemos os blocos operatórios são áreas complexas cujo o funcionamento obriga ao cumprimento de um númeroso leque de normas estabelecidas para salvaguardar em variados aspectos a segurança dos utentes e dos profissionais. Os riscos a que ambos estão expostos, biológicos, físicos ou químicos são em larga medida minimizados através de procedimentos correctos na prática profissional diária e da existência de condições obrigatórias de segurança. Por este motivo achamos pertinente fazer uma abordagem sobre este tema, segurança inserido nesta cirurgia que apresenta recomendações específicas a ter, como a exposição a agentes citotóxicos perfundidos e seus aerossois e particulas,associada á hipertermia; ao fumo cirúrgico;aos salpicos de líquido intra-abdominal para permitir uma melhoria da qualidade na prestação de cuidados; para haver uma promoção efectiva da segurança para profissionais e pacientes ao identificar falhas sistémicas,; para haver uma eficácia na utilização dos recursos e também para o desenvolvimento da capacidade de aprender com os erros. O sucesso final resulta, para além da técnica, numa equipa experiente motivada e estável (o cirurgião oncológico, o anestesista, os enfermeiros, o perfusionista,o intensivista) que intervém no peri-operatório ou seja uma definição clara das responsabilidades dos profissionais de saúde, uma melhor articulação interprofissional,a criação de guidelines e protocolos de atuação explícitos;levar à formação e desenvolvimento de competências. Por isso concluímos que o paciente tem o direito de ser cuidado por equipas completas de enfermeiros perioperatorios, profissionais especializados, que baseiam a prática clínica na evidência científica, capazes de tomar decisões assentes em princípios éticos, e que estabelecem uma comunicação eficaz na equipa multidisciplinar.(1) BIBLIOGRAFIA: (1) European Perioperative Nursing Day, AESOP - Associação dos enfermeiros de Sala de Operações Portugueses, Práticas recomendadas para bloco operatório,2 edição, Março J.Abreu, M.Serralva, M.Fernandes- Citoredução seguida de quimioperfusão intra peritoneal hipertémica no tratamento da doença peritoneal maligna:estudo de fase II com reduzida toxicidade e morbilidade, Revista Portuguesa de Cirurgia II Série N 4 Março 2008 pág gava VG, Balzan S. Cuidados perioperatórios em cirurgia citoredutora e quimioterapia hipertemica intraperitoneal, Revista Medicina, Cúria, V. 15, n.4, pág , Out. /Dez T123 - COMUNICAÇÃO ORAL THE INFLUENCE OF EDUCATION ON CANCER PAIN REDUCTION: A SYSTEMATIC REVIEW Paulo Marques (RN, PhD), Patrícia Gonçalves (RN); Elisabete Meira (RN). Aims: This literature review aims to assess the contribution of pain education in reducing cancer pain. Methods and sample: An electronic search of articles was performed in CINAHL and MEDLINE with Full Text, from 2003 to 2013, using the EBSCOhost motor search at 052 PROGRAMA 13º CONGRESSO NACIONAL DE ONCOLOGIA 13º CONGRESSO NACIONAL DE ONCOLOGIA PROGRAMA 053

4 the Porto Nursing School. The studies were selected obeying search limits find all my search terms, full text, adult, portuguese, english and french languages, Randomised Control Trials, in the range of time between 2003 and 2013 and based on the following inclusion criteria: articles whose participants are patients with cancer pain admitted to medical and surgical units or outpatient services, articles whose intervention includes education on pain and articles which report the implications of intervention in cancer pain intensity. Results: Five studies with a high level of evidence were included in the review. Four studies reported a reduction in pain intensity after intervention, three of them with statistically significant pain reduction. Conclusions: Education can be an important resource for the reduction of pain intensity, and can be implemented by different health professionals, particularly nurses. Its implementation is recommended for the reduction of this specific type of pain. Key words: Cancer; Neoplasms; Pain Management; Education; Nursing. REFERENCES Bennett, M.I., Bagnall, A.M., José Closs S., How effective are patient-based educational interventions in the management of cancer pain? Systematic review and meta-analysis. Pain 143(3), Broadfield, L., Banerjee, S., Jewers, H., Pollett, A.J., Simpson, J., Guidelines for the Management of Cancer-Related Pain in Adults. Supportive Care Cancer Site Team; Cancer Care Nova Scotia. Conselho de Enfermagem, Dor Guia orientador de boa prática. Ordem dos Enfermeiros, Lisboa. Direcção-Geral de Saúde [DGS], A dor como 5º sinal vital. Registo sistemático da intensidade da dor. DGS, Lisboa. Direcção-Geral de Saúde [DGS], Programa Nacional de Controlo da Dor. DGS, Lisboa. Ducci, A.J., Pimenta, C.A.M., Programas educativos e a dor oncológica. Revista Brasileira de Cancerologia; 49(3), Folhas, G., Oliveira, C., Rato, C., França, C., Ferreira, A.C., Massagem e Relaxamento Para Alívio da Dor Oncológica: Projecto «Bem-estar». Dor 15(1), Koller, A., Miaskowski, C., De Geest, S., Opitz, O., Spichiger, E., Results of a randomized controlled pilot study of a self-management intervention for cancer pain. European Journal of Oncology Nursing 17, Miaskowski, C., Dodd, M., West, C., Schumacher, K., Paul, S.M., Tripathy, D. et al Randomized Clinical Trial of the Effectiveness of a Self-Care Intervention to Improve Cancer Pain Management. Journal of Clinical Oncology 22(9), Peet E.H., Everdingen, M., Patijn, J., Schouten, H.C., Kleef, M., Courtens, A.M., Randomized Clinical Trial of an Intensive Nursing-based Pain Education Program for Cancer Outpatients Suffering from Pain. Support Care Cancer 17, Scottish Intercollegiate Guidelines Network, Control of Pain in Adults with Cancer A National Clinical Guideline. Scottish Intercollegiate Guidelines Network, Edinburgh. The British Pain Society, Recommended Guidelines For Pain Management Programs For Adults. The British Pain Society, London. The British Pain Society, Cancer Pain Management A perspective from the British Pain Society, supported by the Association for Palliative Medicine and the Royal College of General Practitioners. The British Pain Society, London. The Joanna Briggs Institute, Joanna Briggs Institute Reviewers Manual, 2011 edition. The Joanna Briggs Institute. Thomas, M.L., Elliott, J.E., Rao, S.M., Fahey, K.F., Paul, S.M., Miaskowski, C., A Randomized, Clinical Trial of Education or Motivational-Interviewing-Based Coaching Compared to Usual Care to Improve Cancer Pain Management. Oncology Nursing Forum 39(1), Yates, P., Edwards, E., Nash, R., Aranda, S., Purdie, D., Najman, J. [et al.], A randomized controlled trial of a nurse-administered educational intervention for improving cancer pain management in ambulatory settings. Patient Education and Counseling 53, Yildirim, Y.K., Cicek, F., Uyar, M., Effects of Pain Education Program on Pain Intensity, Pain Treatment Satisfaction, and Barriers in Turkish Cancer Patients. Pain Management Nursing 10(4), International Classification for Nursing Practice [ICNP] (2013 release). [Online] [Consulted March 2014]. Available online: <URL:http://www.icn.ch/images/stories/documents/pillars/Practice/icnp/translations/icnp-English translation. pdf> International Association for the Study of Pain [IASP], IASP Taxonomy, [Consulted on December 2013]. Available online: <URL: International Association for the Study of Pain [IASP]. Global Year Against Cancer Pain [Consulted on February 2014]. Available online: URL:http://www.iasp-pain.org/Advocacy/GYAP.aspx?ItemNumber= PROGRAMA 13º CONGRESSO NACIONAL DE ONCOLOGIA

5 COORGANIZADORES Sociedade Portuguesa de Senologia PLATINE SPONSORS GOLD SPONSORS SILVER SPONSORS BRONZE SPONSORS SPONSORS

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com

FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL. E-mail: julyanaweb@hotmail.com. E-mail: dalete.mota@gmail.com FADIGA EM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA EM RADIOTERAPIA CONVENCIONAL Julyana Cândido Bahia 1, Dálete Delalibera Corrêa de Faria Mota 2 1 Acadêmica da Faculdade de Enfermagem/ Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO

A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO A INTERVENÇÃO RIME COMO RECURSO PARA O BEM-ESTAR DE PACIENTES COM OSTOMIA EM PÓS- OPERATÓRIO MEDIATO Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro- Instituto do Câncer do Estado de São Paulo - São Paulo. Ana Catarina

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA III MESTRADO EM BIOÉTICA PROGRAMAS DE CUIDADOS CONTINUADOS: A DIGNIDADE HUMANA NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM Maria João Santos Rodrigues

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru/SP Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica Débora de Wylson F. G. Mattos

Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica Débora de Wylson F. G. Mattos Congresso Brasileiro de Nutrição Oncológica do INCA IV Jornada Internacional de Nutrição Oncológica III Jornada Luso-Brasileira em Nutrição Oncologica Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro)

Código Deontológico. (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) Código Deontológico (Inserido no Estatuto da OE republicado como anexo pela Lei n.º 111/2009 de 16 de Setembro) SECÇÃO II Do código deontológico do enfermeiro Artigo 78.º Princípios gerais 1 - As intervenções

Leia mais

Conheça suas opções:

Conheça suas opções: Conheça suas opções: Guia para pacientes com progressão de doenças graves Em Massachusetts, todos os pacientes com progressão de uma doença grave têm o direito legal de ser informados sobre o seu problema

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross

Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross Sofrimento Espiritual (NANDA) Definição Capacidade prejudicada de experimentar e integrar significado e objetivo a vida por meio

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para aposentadoria Entendendo a saúde na definição da Organização Mundial da Saúde:

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Elaboramos soluções de formação customizadas de acordo com as necessidades específicas dos clientes. Os nossos clientes são as empresas, organizações e instituições que pretendem

Leia mais

CAPACITAR O DOENTE ONCOLÓGICO COM DOENÇA AVANÇADA E/OU O CUIDADOR PARA A GESTÃO DA DOR EM DOMICÍLIO

CAPACITAR O DOENTE ONCOLÓGICO COM DOENÇA AVANÇADA E/OU O CUIDADOR PARA A GESTÃO DA DOR EM DOMICÍLIO CAPACITAR O DOENTE ONCOLÓGICO COM DOENÇA AVANÇADA E/OU O CUIDADOR PARA A GESTÃO DA DOR EM DOMICÍLIO Doutoranda: Isabel Correia Orientador: Professor Doutor Manuel Lopes PROBLEMÁTICA - A doença oncológica

Leia mais

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010 REGULAMENTO

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald

Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Trabalho voluntário na Casa Ronald McDonald Em junho deste ano, comecei um trabalho voluntário na instituição Casa Ronald McDonald, que tem como missão apoiar e humanizar o tratamento de crianças e adolescentes

Leia mais

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Açores 2015

ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Açores 2015 Apresentação Formação Médica Contínua ESCOLA DE MEDICINA FAMILIAR /Açores 2015 S. Miguel Lagoa 25 a 28 de junho de 2015 Local: Escola Secundária de Lagoa Horários: 5ª feira: Tarde: 14h00 20h30m 6ª feira

Leia mais

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo

PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam desejo PRINCÍPIOS Prevenção e o controle das doenças, especialmente as crônico-degenerativas estimulam o desejo de participação social direciona as ações para a estruturação de um processo construtivo para melhoria

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS 1 O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS THE KNOWLEDGE OF FAMILY HEALTH PROGRAM NURSES ABOUT PERFORMING CLINICAL BREAST EXAMINATIONS KÊNIA

Leia mais

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO OUTONOS DA VIDA Instituição sem fins lucrativos, candidata a IPSS da área da Saúde com interacção com a Segurança

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Do problema à aprendizagem: inovação pedagógica no ensino em enfermagem

Do problema à aprendizagem: inovação pedagógica no ensino em enfermagem Do problema à aprendizagem: inovação pedagógica no ensino em enfermagem Carla Nascimento (carla.nascimento@esel.pt) Deolinda Antunes da Luz Escola Superior de Enfermagem de Lisboa 300 estudantes do 2º

Leia mais

Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho

Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho Coimbra, Setembro de 2011 Solicitação para colaboração na preparação da Unidade Curricular Intervenção em Cuidados Continuados II - 4º

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE Arieli Rodrigues Nóbrega Videres¹- arieli.nobrega@hotmail.com Layz Dantas de Alencar²- layzalencar@gmail.com ¹ Professora mestre do curso

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

Transformando a pergunta de pesquisa em estratégia de busca. Elisabeth Biruel BIREME/OPAS/OMS

Transformando a pergunta de pesquisa em estratégia de busca. Elisabeth Biruel BIREME/OPAS/OMS Transformando a pergunta de pesquisa em estratégia de busca Elisabeth Biruel BIREME/OPAS/OMS Etapas da pesquisa!! Conhecimento prévio do assunto Observação da realidade Formulação da pergunta de pesquisa

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB Fernanda Laísy Pereira de Sousa Graduanda do curso de Enfermagem; Bolsista do Programa de Educação pelo Trabalho

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR MANUAL 1 E L A B O R A Ç Ã O HGWA: Fernanda Azevedo de Souza: Coordenação, UCE Adulto (UCE I e AVC Subagudo) e Cuidados Paliativos Isabelle de Freitas Luz - Clínica Pediátrica, UCE Pediátrica e PAD Pediátrico

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS 1 CURSO DE FORMAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS INTRODUÇÃO Os Cuidados de Saúde Primários (CSP), em Portugal, atravessam um momento de grande crescimento científico e afirmação como pilar essencial

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

Comissão Científica - Comunicações Livres/Pósteres

Comissão Científica - Comunicações Livres/Pósteres Comissão Científica - Comunicações Livres/Pósteres Nº ENTRADA TITULO DA COMUNICAÇÃO CLASSIFICAÇÃO 1 A Unidade de Cuidados na comunidade (UCC) na reconfiguração dos Cuidados de Saúde Primários em Portugal:

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais