Internacional. Ludotecas Toy Library Conference th -15 th. de Brinquedotecas. São Paulo - Brasil Brazil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Internacional. Ludotecas Toy Library Conference th -15 th. de Brinquedotecas. São Paulo - Brasil Brazil"

Transcrição

1 XII XII Congresso Congreso International Internacional de Brinquedotecas Ludotecas Toy Library Conference 11 october a 15 de 11 outubro octubre th -15 th São Paulo - Brasil Brazil

2 Anais do XII Congresso Internacional de Brinquedotecas Programa Resumos Oficinas Brinquedotecas: Uma visão internacional 11 a 15 de outubro São Paulo - Brasil

3 Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: uma visão internacional XII Congresso Internacional de Brinquedotecas Presidente: Vera Barros de Oliveira ( ) Comissão Científica Presidente: Edda Bomtempo Brasil ( ) Aidyl M. Q. Pérez-Ramos Brasil Ai-Na Khor Malásia Alice Lucot França Giorgio Bartolucci Itália Ilka Dias Bichara Brasil Luana Carramillo Going Brasil Maria Borja i Sole - Espanha Pat Atkinson UK Renate Fuchs Suíça Comissão Executiva Presidente: Nylse Helena S. Cunha ( ) Beatriz Picolo Gimenes Brasil Drauzio Viegas Brasil Maria Cecília Aflalo Brasil Marilena Flores Martins Brasil Marylande Peres G. Franco Brasil Tania Ramos Fortuna - Brasil Vera Melis Paolillo Brasil Vera Barros de Oliveira Edda Bomtempo Nylse Helena S. Cunha

4 Mapa do local do evento: Memorial da América Latina Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: Uma visão internacional

5 Conferência Inaugural Brinquedoteca: Uma Nova Postura Existencial Nylse Helena S. Cunha, Fundadora e Vice-Presidente da ABBri Nylse Helena da Silva Cunha é pedagoga, diretora do Instituto Indianópolis desde 1974, onde fundou a primeira Brinquedoteca Brasileira. Começou sua carreira na área de Educação Especial na Sociedade Pestalozzi, trabalhou com o Dr. Stanislau Krinsky e foi coordenadora do setor de Recursos Pedagógicos da APAE SP, onde criou a Brinquedoteca Terapêutica. Fundadora da Associação Brasileira de Brinquedotecas é membro da diretoria da ITLA International Association of Toy Libraries. Ministra cursos por todo o território nacional e, como conferencista internacional, já participou de congressos na Suécia, Bélgica, Itália, Canadá, Austrália, Espanha, Suíça, Coréia e África. I Conferência Magna O Diálogo da Arte com o Lúdico Presente nas Brinquedotecas Natália Pais - Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa/ Portugal ( ) Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: uma visão internacional Licenciada em Ciências Histórico-Filosóficas, pela Faculdade de Letras de Lisboa, Curso de Ciências Pedagógicas da Faculdade de Letras de Lisboa. Formada em vários cursos internacionais de Psicologia e Psicopedagogia de Expessão Artística, Ludica e Cultural, com estágios e intercâmbios. Ex-Coordenadora das actividades do Centro Artístico Infantil da Fundação Calouste Gulbenkian ( ). Consultora pedagógica da Câmara Municipal de Cascais e Supervisora do Serviço Cultural e Educativo do Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I, desde 2003, sócio fundadora do IAC, entre outras atividades profissionais de caráter nacional e internacional.

6 II Conferência Magna Pesquisas sobre Brinquedotecas: Resultados e Tendências Atuais Tizuko Morchida Kishimoto, Faculdade de Educação da USP ( ) Professora titular da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, atua no campo da educação infantil focalizando estudos sobre formação de professores, propostas pedagógicas, história e políticas públicas, museu e brinquedoteca, letramento e o brincar. Produz materiais pedagógicos destinados a professores e a comunidade em geral, para educação de crianças cegas (brailleviritual, lupa), organiza e mantém curso à distância para formar profissionais para atuar em brinquedotecas. Mantém grupo de pesquisa em rede internacional com Portugal, Itália e, França e contato com pesquisadores do International Toy Research Association. Presidente do II Encontro de Internacional de Pesquisadores sobre Brinquedotecas, Possui várias publicações sobre o Brincar, a Brinquedoteca e a Educação. III Conferência Magna Os Jogos: seus Ritmos, Regulações e Operações Lino de Macedo, Instituto de Psicologia da USP/ SP Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: uma visão internacional É graduado em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de São José do Rio Preto (1966), tem mestrado em Psicologia Social e Experimental pela Universidade de São Paulo (1970) e doutorado em Ciências Psicologia pela Universidade de São Paulo (1973). Atualmente é Professor Titular da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase na Teoria de Piaget, atuando principalmente nos seguintes temas: construtivismo, educação, jogos, avaliação e psicologia. Minhas pesquisas realizam-se, primeiro, como professor e orientador no Curso de Pós-graduação em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano, onde já orientei 60 teses e dissertações. Segundo, como coordenador do Laboratório de Psicopedagogia (LaPp), no contexto de oficinas de jogos para alunos e profissionais da Educação Básica. Em ambos os casos, duas hipóteses orientam nosso trabalho. A primeira é que os processos de desenvolvimento da criança e sua aprendizagem escolar expressam-se segundo a proposta construtivista de Piaget. A segunda é que os jogos, como o propomos, possibilitam observações e intervenções favoráveis ao desenvolvimento e à aprendizagem das crianças e adolescentes bem como de reflexão e aprofundamento do trabalho educacional de profissionais.

7 IV Conferência Magna As ludotecas na Espanha: Entre a continuação e a mudança. Sua aplicação na sociedade Maria Borja i Sole, Universidade de Barcelona/ Espanha ( ) Professora Emérita da Universitad de Barcelona, na Facultad de Formación del Profesorado. Promotora das ludotecas na Catalunha. Pesquisadora no âmbito da ludicidade e autora de 20 livros e mais de 40 artigos en revistas científicas e profissionalizantes. Desde 1979 ministra cursos e assessorias em universidades e instituições da España, Portugal, México e diversos países das Américas Central e do Sul. Atualmente é co-diretora do Máster Semipresencial e Intercontinental em Jogo e Ludicidade da Universidad de Barcelona. V Conferência Magna A ITLA, sua Trajetória, Conquistas e Desafios Cynthia Morrison, Presidente da ITLA/ South Africa ( ) Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: uma visão internacional Diplomada em Logopedics, atuou como fonoterapeuta em equipe multidisciplinar em vários centros para crianças com necessidades especiais e com problemas de aprendizagem. Fundou em 1993 a SA Toy & Leisure Libraries Association conhecida como Active Learning Libraries na África do Sul. É presidente da Associação Internacional de Brinquedotecas, ITLA, há três mandatos, autora do manual A Guide to Toys, Games and Activities for the Developing Child.

8 Mesa Redonda I Brinquedotecas no mundo Coordenação: Isilda Leonor da Silva Santos Marques Toy Library: History and Present Prospects Isilda Leonor da Silva Santos Marques; Renate Fuchs ) - Suíça /Portugal After Australia, Europe is the second smallest continent. Europe has about 740 million inhabitants which means the second biggest population after Asia. There are around 40 independent countries with many different languages. The different names for a toy library show this very well: Leisure Library Toy Library, Legeteket, Ludothek, Spielothek, Játéktár, Ludothèque, Jucarioteca, Ludoteca, Ludotecà. In 1959 the first Toy library was founded in Denmark The UNES- CO presents a plan to create toy libraries. From then on, toy libraries were founded in many countries Nowadays Europe has around 5500 toy libraries. In most of the countries toy libraries are open to everybody, to children and adults, to different groups and organisations. In some countries like Sweden, Denmark and Greece toy libraries are only dedicated to persons with special needs. Most of the countries have a national organisation. In most countries toys can be lent out for the use in families, schools etc. and users can play on site. All toy libraries organize different play activities during the year in order to create the awareness that play is very important for the development of children. Even if they are run in a very different way, the definition is the same for all of them: Toy Libraries provide resources for play, including toys, games, trained staff and dedicated space This definition is in addition of the definition of ITLA The Group of European Toy Libraries (ETL) During the 7th International Conference in 1996 in Zurich (Switzerland) a survey was made among the European participants of the conference. It was decided: to create an informal group in order to exchange information, to work together, to find common activities, to promote toy libraries. Since 1996 more than 20 countries have joined ETL and a European meeting is held every year in a different country, till now in Switzerland, France, Portugal, Great Britain, Italy, Austria, Romania, Greece, Spain, The Netherlands and Belgium. ETL is an informal group of national associations of toy libraries or similar organizations and is an active section of ITLA. What has been achieved Regular meeting with exchange of information, a common definition of a toy library, a common flyer, detailed information about the structure and the training possibilities of the toy libraries in the different countries, an active network among the European countries. Work in progress A documentation for toy libraries is actually on the agenda of the meetings. So far a paper with the following themes is in work: 1. Rational and legal framework, definition of a toy library 2. Competencies regarding management and strategy 3. Competencies for toy librarians (paid or not paid) The next step will be a charter of quality and/or standards. What is on the agenda for the future: To support all efforts to help to create the new profession toy librarian To allow exchange of personal between the different countries To work for more recognition of the toy libraries To promote the cultural value of play and games Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: Uma visão internacional

9 Toy library activities in Japan to support victims of the big disaster in March The Japanese National Council of Toy Libraries JNCTL: Noriko Minejima; Akiko Matsuyama ; Michi Matsubara; Junko Yamada The first toy library run by volunteers in Japan was started by Ms. Ruth Kobayashi in 1981 in Mitaka City, Tokyo. The Japanese National Council of Toy Libraries (JNCTL) was established in As of April 2011 the number of JNCTL membership is four hundred and fifty-one. On March 11th, 2011 a big earthquake and tsunami hit the east Japan. A lot of JNCTL members were also seriously affected by the disaster. Soon after the disaster JNCTL started the project to support them. On March 16th, JNCTL sent a letter to toy libraries all over Japan asking for donation to support toy libraries in the stricken area. As of the 4th July, 2,788,441 yen(approximately 35,000 U.S. dollars)has been donated. Two million yen (25,000 U.S. dollars) from the Japan Toy Library Foundation and ten thousand pounds from the British Toy Manufacture Association were also donated. Gradually we found out the reality. One toy library had been washed away completely by tsunami. Not only the building where the toy library had opened but also its director s house had gone. His parents are still missing. Other toy libraries were also damaged. The user s family member was killed or the buildings used as toy libraries had been broken. They don t know when they can start them again because of the safety of the buildings. A lot of people relating toy libraries had to live in the shelters due to their broken houses and damaged lifelines. The accident of The Fukushima Daiichi Power Plant worsened the situation. People in the area had to evacuate. It s very difficult for disabled children and their family to live in the shelter with others. JNCTL s Project to support the victims is consisted of two parts. First, we support our members so that they can start their new lives and we also support them so that they can start their toy libraries again. Second, we visit children in the disaster area with toys and play with them to give joy of play. We already held Mobile Toy Library about ten times by visiting the shelters and places where children were gathering. Furthermore we are planning to hold Toy Caravan, a big mobile toy library, in the end of July. We will visit the most devastated area by a big bus with a lot of toys and volunteers. Play is important for children who experienced trauma as a result of very big tragic natural disaster. Children need not only the necessities of life but also joy of play-laugh from bottom of their heart and communication with volunteers Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: Uma visão internacional

10 Mesa redonda II Coordenação: A. Swan SPICE: Play in English. A Child Centred Extracurricular Play Project Andrew Swan - Brazil ( ) SPICE is a private play based project, based in São Paulo, Brazil (a registered Brincoteca). The focus of SPICE is to offer play-based extra-curricular activities for children, primarily in the acquisition of English as a second language. In Brazilian urban centres the demand for private education is increasing, and unlike other parts of the World, schools, both public (in response to space limitations) and private (for increased business) offer either morning, or afternoon programmes. This has led to a demand for extra-curricular activities especially in the private sector. Out-of-school care is not traditionally common here. Parents regularly choose activities that are academically focused and adult led. SPICE aims to challenge this as both a business and a model of good practice. Using the play process we encourage and facilitate a range of child-centred, free play and cultural activities for children aged 3 to 12. The Indoor and outdoor space is a sustainable design in consultation with children and play professionals Toy libraries and schools: play and games in class in French-speaking Belgium. Situation and specificities. Michel Van Langendonckt - Belgium ( The goal of this communication is formulating hypotheses about the role and place given to play and games in the classes of the Belgian French Community (F.C). It is meant to compare the legal framework with the teaching practices.the study is based on the official texts and programmes and on the different elements of surveys made between 2004 and 2011 by toy-librarians in the F.C. and some Brussels teachers concerning the objectives, equipment, and coaching of games in class, at school and in toy libraries. This research was conducted under the care of the LuCI- FER*, recently built (2010), fruit of the collaboration between the pedagogical part of the Haute Ecole de Bruxelles (HEB), the Association of the F.C. toy libraries (LUDO) and the Laboratory of Research in mathematics and social sciences of the Université Libre de Bruxelles (ULB-Matsch). This research was also made with the cooperation of the toy library sector of the French-speaking Ministery of Culture of The Brussels Capital Region (COCOF). The freedom of initiative, organisation and teaching methods in the educational system is one of the founding pillars of the Belgian State. The official programme of the FC, which is notably remarkable about the importance given to games in kindergartens (Brougère, 1997,2005) actually concerns less than 10 % of the toddlers school population (likewise at primary school), mainly registered in free (40%) and subsidized official schools(50 % communes and provinces) (CRISP, 2003; F.C., 2010). This freedom in the Belgian schoolsystem widely explains why it is the most Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: Uma visão internacional non-egalitarian one among all the countries of the OCDE (Pisa surveys ), but on the other hand, it offers an interesting laboratory of innovating teaching techniques, and it is so diversified that it is hardly possible to make a synthesis of it. In this survey, a few examples of pilot studies of games in kindergartens (3-6), primary school (6-12) and secondary schools will be reviewed. According to the missions-decree (F.C., 1997), each of the countless school managements have to publish their educational and pedagogical project, and their lessons schedule. The FC checks their adequacy with the mastering of the competence bases which must be common at 12 and 18, end of school obligation in Belgium. Games seem not to take less importance in the French -speaking community than in Flanders but overall the bases and most programmes are shorter and less precise in the F.C. (Hirtt, 2008). The importance of games varies from central in the pedagogical and sometimes educational project for a limited number of children (registered in schools ruled by the F.C. or more often in small non- -confessional or private schools, believing in the new-school concept), to simple formal mention, which is too vague to be efficient (schools of Brussels City, and even more in free confessionnal and private schools). Moreover the place given to games diminishes drastically at primary school. The quality and frequency of the links between schools and toy libraries also varies, as well as the origin and goals of toy libraries. Globally, the

11 educational project comes ahead, before recreation except in socially and culturally heterogenous suburbs, where socialization and social integration prevail. The primary function of recreation ( pointlesness of games) mainly comes first in priviliged areas. Concretely, it means that game libraries are visited by priviliged kids and their families, but also by more and more adults and teachers on Wednesday and Saturday afternoons. According to their financial means and public support (space, staff), they go to schools or welcome a maximum of schoolgroups by appointment, mostly in the mornings; but one third of toylibraries can t afford it. In the FC, game libraries are recognized (culture and permanent education) rather than well-known or supported, excepted by the Brussels aggressive politics. Timid or unexisting at the start, spontaneous requests from schools have been developing lately, and paid private game libraries are emerging. Monogame-clubs (scrabble, chess) remain seldom requested. More than the programmes, the game items used show the contrasting situations according to the study level. At school (not in game libraries) boardgames and coached game activities appear earlier and earlier in kindergartens (3-4) to the detriment of other toys and free games. At primary school, and even more at secondary school, when games take place, the use of boardgames or role-playing remains anecdotic compared with teaching game support with quantifiable educational results. Finally, even when computing tools are available, multimedia games are considered as inadequate as well at school as for schoolgroups in game libraries, even where serious (still experimental) games are concerned. The officialisation of the teacher (Socrates oath, FC, 2002) and toy librarian s educational first duty, the approach through competences and multicultural tools (Missions decree, 1997 ; Van Lint, 2006 ), the mostly favorable programmes contrast with the timidity of most practices in the F.C. Broader surveys on a larger scale should confirm our conclusions about Brussels region : beyond the variety of situations, games in class seem to be more encouraged and recognized than practiced, because of a lack of financial means (time, space, tools), and the lack of training of teachers and game librarians ( masterisation of the studies being still to come in the FC) Social interaction in games. The D facet of the ESAR system revisited Michel Van Langendonckt - Belgium ( ) This communication or workshop is intended to define and illustrate the contours of a research, still in its early stages. Its purpose is to build a classification model of social interaction (SI) in games by successive inductions, the improvement of its operational character being undertaken by means of various investigations, interviews and experiments focused on games or more specific types. A socio-anthropology of the game includes the players and author of each game and presupposes an overall playing field, decompartmentalizing disciplines. The very few classifications leaving room for SI confirm the acknowledgement of the imperfection of any exclusively behavioral typology(pingaud, 1999). This research therefore proposes to complete the D facet (social activities)of the ESAR classification of game items (Garon, 1982; Filion 1985), in accordance with its structuralist psycho- -educational and library-science approaches. Our proposals for development notably include socio-mathematical approaches Parlebas and Deledicq (1974, 1978; Boutin, 1999), symbolic and historical ones, Lhote (1976, 1994), philosophical and projective ones, Duflo (1997; Pingaud 1999), anthropological and commercial ones, Mauss (1947; Deru 2005). Five factors likely to influence SI emerge: the number of players, the goal of the game, the differentiations of identity, the types of interactions provided by the rules, the types of interactions induced by the context of the game. Since 1982, Garon s ESAR system enriches the transition from solitary games to Parten s cooperative games, differentiating cooperation and competition. Socialization (GH Mead, 1934; Leckmann 1967 Sautot, 2005), social communication (Lipansky, 1992), holistic perspective (Mucchielli, 1986, 2009), the concept of identity (Doucet from Eriksson, 1987) must be enriched and suggests a distinction between cooperation and collaboration (Cayeli, 2001; Basque, 2003). An outline of a thesaurus of identity differentiations of players is being developed. The group psychology (Lewin, 1946) drew a distinction between SI involving two players, small groups (3 to 15) or large groups, and provides promising keys of analysis. A game defines a group of players and, possibly, sub-groups or teams with stronger identities than the primary group, and clearly different SI. Studies (Mead, 1936; Orlyck, 1979; Sheriff, 1979) confirmed the influence of the goal of the game on the players. It is also adviseable to sharpen the range of rule induced SI by interviewing authors and players. A first outline of I.S. in games will be given. Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: Uma visão internacional

12 Mesa Redonda III Formação do Brinquedista Coordenação: Ingrid Cadore Espaços de brincar/jogar: Organização de brinquedotecas e espaços lúdicos, projeto arquitetônico de ergodesigner e formação de ludoeducadores Maria do Carmo Monteiro Kobayashi - Brazil ( ) A mesa trás estudos referentes à organização, classificação e manutenção de espaços lúdicos (KOBAYASHI), o planejamento a execução e avaliação espacial representados por meio do projeto arquitetônico e de ergodesigner (CAVERSAN) e, finalmente, a formação de ludoeducadores em curso de educação à distância em diferentes estados do Brasil (MÔNACO), junto a UNESP - Faculdade de Ciências - Bauru SP; o LABRIMP (USP - FE - SP) e de uma ludibiblioteca em uma creche, assim como um projeto de formação continuada de ludoeducadores a distância, realizado na FE da USP A brinquedoteca como possibilidade de aproximação entre crianças e idosos Samantha Ribeiro Ultramari; Marcelo de Amorim Freitas; Elisabete Maria Batista de Souza Ferreira; Niled Dias Toniolo - Brazil ( ) Este trabalho é realizado pela Secretaria de Educação de Lorena/SP há 5 anos, e visa favorecer o desenvolvimento de crianças e idosos institucionalizados por meio da brincadeira. A principal atividade consiste em visita monitorada dos alunos às instituições, por meio de: 1- conhecimento dos moradores e do aspecto físico do Lar; 2- lanche comunitário entre crianças e idosos; 3- Roda de conversa entre psicóloga e alunos, possibilitando reflexões acerca de paradigmas atribuídos aos idosos institucionalizados; 4- atividade lúdica dirigida entre crianças e idosos. Observa-se o desenvolvimento cognitivo, motor, afetivo e social dos participantes, que estabelecem vínculo ao se ajudarem mutuamente durante as atividades lúdicas e questionamento dos alunos acerca do processo de institucionalização. Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: Uma visão internacional

13 Mesa Redonda IV Novos caminhos para as brinquedotecas Coordenação: Maria Borja i Solé PROGRAMA BRINQUEDOTECAS DE BAIRRO - Abrindo o Brincar em espaços de Direitos Virginia Rosalia Guardia; Lidia Beatriz Arrausi - Argentina ( ) Este trabalho propõe abordar a prática lúdica e sua vinculação com o desenvolvimento integral de meninos, meninas e adolescentes a partir da experiência do Programa Brinquedotecas de Bairros, desenvolvido pela Direção Geral da Infância e Adolescência, do Ministério de Desenvolvimento Social do Governo da Cidade de Buenos Aires, República Argentina. Interessa-nos neste trabalho desenvolver um dos eixos constitutivos do Programa e problematizar as concepções em relação à infância enquanto construto cultural instituído sócio-históricamente, sua capacidade de agência e a implicância metodológica; o brincar - enquanto matéria, estrutura e prática lúdica, os espaços institucionais territoriais, de uma prática multidisciplinar em sua gestão com o outro no marco de políticas públicas para e com a infância. O Programa começou a ser desenvolvido como tal dentro do âmbito do Governo da Cidade de Buenos Aires, a partir da promulgação da Lei 415/2000. O Programa Brinquedoteca de Bairro conta com 17 brinquedotecas distribuídas em distintos bairros da Cidade de Buenos Aires, que são freqüentadas regularmente por mais de 1000 meninos. Definimos brinquedotecas como espaços para brincar enquanto prática lúdica criativa, na qual se trabalha com os meninos através de experiências compartilhadas com suas famílias e a comunidade em atividades especiais. São espaços de brincadeiras para meninos e meninas entre 2 e 13 anos que participam de encontros de duas horas, de duas a quatro vezes por semana, em um contexto institucional e com uma equipe interdisciplinar de adultos. Brinquedotecas de Bairros é um programa governamental de caráter sócio-educacional, que tem como objetivo central contribuir para o desenvolvimento integral de meninas, meninos e adolescentes em uma abordagem particular da atividade lúdico criativa, no marco de um espaço significativo e de participação para eles e a comunidade; considerando o brincar, junto com os requerimentos básicos de nutrição, saúde, moradia e educação, como parte fundamental do desenvolvimento integral de meninos e meninas Modelo NAVES: uma estratégia de sustentabilidade e responsabilidade social empresarial Cindy Tatiana Carrero Torres; Nestor Daniel Sanchez Londoño - Colômbia ( ) O Modelo Naves se constituiu como um método aplicado em âmbito nacional, localizado nas diferentes regiões da Colômbia, com um sentido claramente estabelecido em termos de atendimento e formação de crianças, famílias, docentes, organizações sociais e comunitárias que trabalham com a infância; sua localização responde às necessidades e capacidade de sustentabilidade nos municípios, em conformidade com as administrações locais e a empresa privada, que assumem a responsabilidade de garantir aos meninos e as meninas este espaço para que, com o jogo, os brinquedos e com um ambiente lúdico, sejam desenvolvidos processos que favoreçam o desenvolvimento infantil no marco dos direitos legais. Há mais de uma década, quando surgiu a Corporação Dia da Infância - CDN- e na agenda do setor privado não constava o conceito de responsabilidade social, várias empresas pensaram em promover, a partir do lúdico, os direitos à infância. Hoje, 40 empresas, muitas delas fundadoras, estão à frente deste trabalho e querem demonstrar que o brincar é uma ferramenta fundamental para transmitir valores, conhecimentos e facilitar o desenvolvimento de crianças. Empresas como Microsoft, Nestlé, Petrobras, Mc Donald s, Kellog s, Cerrejón, Mattel, Procter & Gamble, Publicis da Colômbia, Pepe Danga e Chevron, entre outras, fazem suas contribuições para este modelo de Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: Uma visão internacional

14 atendimento de crianças por meio das brinquedotecas NAVES. É valioso e importante para o modelo NAVES que, depois de debates e desenvolvimentos com a RSE, grandes empresas locais e internacionais estejam firmes com suas contribuições para a sustentabilidade do modelo das brinquedotecas NAVES, já que as empresas encontram no modelo NAVES caminhos para cumprir com seus objetivos sociais em matéria de educação, saúde e meio ambiente. Nesta tarefa de demonstrar que o brincar é o alimento da alma, que busca promover os direitos da infância, obter a transformação social do brincar e formar os adultos para que entendam a importância de interagir em um plano lúdico com as crianças, o modelo NAVES, sob o qual operam as brinquedotecas da CDN, consta de espaços públicos gratuitos, nos quais pais e filhos têm a possibilidade de exercer seus direitos ao jogo, orientados por especialistas que aplicam os conceitos validados para tornar a tarefa mais efetiva. Atualmente existem 19 brinquedotecas NAVES da CDN em 15 estados do país, nas quais se beneficiam permanentemente crianças e adultos. Esta iniciativa é administrada mediante a articulação de ações entre a empresa privada, o Estado, por meio das prefeituras municipais e a Corporação Dia da Infância, que assume a tarefa de elaborar os esboços técnicos, administrativos e de gestão do programa, denominados então Brinquedotecas Naves. A sustentabilidade do programa se dá na medida em que os correspondentes da proteção integral da infância: comunidade, família, Estado, sociedade civil e empresa privada, contribuem cada vez mais, com o melhor de si, para exercer a verdadeira responsabilidade social As Brinquedotecas NAVES na Colômbia: uma experiência do brincar para a educação inicial na primeira infância desde a perspectiva do Atendimento Integral Cindy Tatiana Carrero Torres; Nestor Daniel Sanchez Londoño - Colômbia ( ) O Ministério da Educação Nacional da Colômbia formulou recentemente a Política Educacional para a Primeira Infância, que tem como objeto regular o atendimento integral às crianças menores de 5 anos. Dessa forma, esse atendimento é oferecido sob três modalidades: O ambiente Familiar, Ambiente Comunitário e o Ambiente Institucional. A Corporação Dia da Infância, em parceria com o Ministério de Educação Nacional, iniciou um modelo de atendimento a crianças em primeira infância nas Brinquedotecas do País desde o ano de 2008, como um projeto especial, permitindo uma proposta diferente de educação e cuidado de crianças em primeira infância no que se refere ao brincar e outras linguagens expressivas como literatura, música, pintura e dança. Poder expor um modelo diferencial em atendimento a meninos e meninas na primeira infância é resultado de um caminho percorrido na implementação da Metodologia NAVES (Meninos Aprendendo, Vivenciando, Experimentando, Socializando-se), em brinquedotecas de todo o país desde 1999 obteve um reconhecimento como uma excelente estratégia, que favorece o desenvolvimento de competências, fortalecimento do vínculo entre crianças e adultos e garantia de direitos e avanços sociais e de formações importantes para a infância. Menu principal Programa Resumos Oficinas Brinquedoteca: Uma visão internacional

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas

PSICOPEDAGOGIA. DISCIPLINA: Desenvolvimento Cognitivo, Afetivo e Motor: Abordagens Sócio Interacionistas PSICOPEDAGOGIA DISCIPLINA: Fundamentos da Psicopedagogia EMENTA: Introdução e fundamentos da Psicopedagogia. O objeto de estudo. Visão histórica e atual. Concepções que sustentam a Psicopedagogia. O papel

Leia mais

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO CENTRO UNIVERSITÁRIO FIEO Osasco 2009 MARLI DA COSTA RAMOS

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PINHO, Luis Marcelo Varoneli Graduando do curso de Pedagogia, da Faculdade de Ciências Humanas da Associação Cultural e Educacional de Garça,

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Os objetivos principais do programa

Os objetivos principais do programa O que é o GELP? O GELP é uma parceria de líderes e consultores de organizações de ordem mundial. Todos colaborando em uma comunidade global, com equipes de líderes educacionais importantes, que estão seriamente

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

Plano de Actividades Grupo de Apoio à Pediatria APCP

Plano de Actividades Grupo de Apoio à Pediatria APCP 1. REUNIÕES O Grupo de Apoio à Pediatria da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, desde o inicio da sua constituição, reúne presencialmente ou por Skype/ Email para que as decisões sejam de consenso.

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2

Curso de Pedagogia Ementário da Matriz Curricular 2010.2 1ª FASE 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL A Biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão neurológica nos processos básicos: os sentidos

Leia mais

Projetos e ações da IASLl International Association of School Librarianship Associação Internacional de Bibliotecas Escolares

Projetos e ações da IASLl International Association of School Librarianship Associação Internacional de Bibliotecas Escolares Projetos e ações da IASLl International Association of School Librarianship Associação Internacional de Bibliotecas Escolares Katharina B.L. Berg BIbliotecária Diretora Regional da IASL para América Latina

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 01. Capítulo 1: Fundamentação teórica... 06. 1.1 Origem e desenvolvimento da abordagem instrumental... 06

SUMÁRIO. Introdução... 01. Capítulo 1: Fundamentação teórica... 06. 1.1 Origem e desenvolvimento da abordagem instrumental... 06 vii Resumo Este estudo apresenta os resultados de uma análise de necessidades de uso da língua inglesa de estudantes de um curso universitário de Publicidade e Propaganda, bem como de profissionais dessa

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

apresenta presents ENCONTRO INTERNACIONAL DE OFICINAS E FORMADORES DE CINEMA DE ANIMAÇÃO 15 e 16 de Março 2013 Fundação Calouste Gulbenkian LISBOA

apresenta presents ENCONTRO INTERNACIONAL DE OFICINAS E FORMADORES DE CINEMA DE ANIMAÇÃO 15 e 16 de Março 2013 Fundação Calouste Gulbenkian LISBOA apresenta presents ENCONTRO INTERNACIONAL DE OFICINAS E FORMADORES DE CINEMA DE ANIMAÇÃO 15 e 16 de Março 2013 Fundação Calouste Gulbenkian LISBOA INTERNATIONAL MEETING OF WORKSHOPS AND TRAINERS OF ANIMATION

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES Com a crescente produção de conhecimento e ampliação das possibilidades de atuação profissional, o curso proporciona atividades extra curriculares

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor Missão Promover e realizar ações que contribuam para a melhoria da qualidade da educação pública e que fomentem o desenvolvimento social de comunidades de baixa renda. Visão Ser referência como fundação

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:33

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Currículo 07/02/2012 19:33 7//1 19:33 Centro de Ciências da Educação Curso: 9 Pedagogia (Noturno) Currículo: 11/ 1 CNA.157.-3 Biologia Humana Ementa: Natureza Biológica e Visão Sistêmica do Ser humano. Sistemas do corpo humano.

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1)

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) Odete Barros de ANDRADE (2) Nilce PIVA (2) ANDRADE, O. B. de & PIVA, N. Seminário sôbre supervisão em enfermagem. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 3(2): 233-241,

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA

USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA USO DE ANIMAIS E PLANTAS COMO INSTRUMENTO DE TRABALHO EM SALA DE AULA MORAIS, Luciane dos Santos Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva LAMARI, Luciano Brunelli Docente da Faculdade

Leia mais

RECRIANDO A RECREAÇÃO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

RECRIANDO A RECREAÇÃO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO RECRIANDO A RECREAÇÃO: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO Eliete do Carmo Garcia V. e Faria Professora da Faculdade Metodista Granbery e Rede Municipal de Juiz de Fora. Mestre em Ciência da Motricidade Humana

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Ana Teresa Dias Valente Marline Morais Conceição Vieira de Carvalho Ana Teresa Dias Valente Morais EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Dissertação de Mestrado em Intervenção

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA.

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE- GESTÃO HOSPITALAR KARLA MICHELLINE OLIVEIRA BOAVENTURA FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO

Leia mais

PROFESSOR DE ARTES: A POLÍTICA EDUCACIONAL EM VIÇOSA ARTS TEACHER : EDUCATIONAL POLICY IN VIÇOSA

PROFESSOR DE ARTES: A POLÍTICA EDUCACIONAL EM VIÇOSA ARTS TEACHER : EDUCATIONAL POLICY IN VIÇOSA PROFESSOR DE ARTES: A POLÍTICA EDUCACIONAL EM VIÇOSA Fernanda Ribeiro de Nardi Bastos (UFV) i Prof. Ms. Rosana Aparecida Pimenta (UFV) ii RESUMO: O presente trabalho foi desenvolvido no município de Viçosa,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais

Profª. Vera Maria Ramos de Vasconcellos Instituto de Psicologia - UFF

Profª. Vera Maria Ramos de Vasconcellos Instituto de Psicologia - UFF Suely de Almeida Batista Dessandre A educação moral possível: o conflito como estratégia para a autonomia Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

APLICAÇÃO DA RECREAÇÃO PARA CRIANÇAS DE ATÉ 12 ANOS

APLICAÇÃO DA RECREAÇÃO PARA CRIANÇAS DE ATÉ 12 ANOS APLICAÇÃO DA RECREAÇÃO PARA CRIANÇAS DE ATÉ 12 ANOS OLIVEIRA, Marcio Rodrigues de SOUZA, Larissa Caroline Kinor de LIMA, Juliane Fortes de SANTOS, Mariól Siqueira Docente do Curso de Educação Física da

Leia mais

PARFOR E AS INICIATIVAS DE FORM AÇÃO DE DOCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA

PARFOR E AS INICIATIVAS DE FORM AÇÃO DE DOCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA PARFOR E AS INICIATIVAS DE FORM AÇÃO DE DOCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA Franciela Mara Córdova Ransolin Resumo: A formação de professores é um tema relevante entre as políticas públicas posto que

Leia mais

OMEP/DOURADOS/BR/MS. Participou de 10 a 13 de junho de 2009 - Campo Grande- MS

OMEP/DOURADOS/BR/MS. Participou de 10 a 13 de junho de 2009 - Campo Grande- MS ATIVIDADES 2009 OMEP/DOURADOS/BR/MS. Participou de 10 a 13 de junho de 2009 - Campo Grande- MS 20º ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL E PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL CRIANÇA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES:

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE EDUCAÇÃO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DA DISCIPLINA: EDUCAÇÃO EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS: PESQUISA E PRÁTICA CODICRED: 142AU-04 EMENTA: Caracterização, organização e gestão dos espaços não-formais na promoção da aprendizagem

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

IMPLICAÇÕES DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE PARA A INCLUSÃO DIGITAL NA ESCOLA PÚBLICA

IMPLICAÇÕES DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE PARA A INCLUSÃO DIGITAL NA ESCOLA PÚBLICA IMPLICAÇÕES DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE PARA A INCLUSÃO DIGITAL NA ESCOLA PÚBLICA Adriana Richit, Bárbara Pasa, Valéria Lessa, Mauri Luís Tomkelski, André Schaeffer, Andriceli Richit, Angélica Rossi

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE: Avaliação dos Atores do Sistema de Garantia de Direitos participantes das Oficinas em São Paulo APRESENTAÇÃO A SaferNet Brasil é uma associação civil de direito privado, com

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

Compartilhando Energia Humana. Sharing Human Energy

Compartilhando Energia Humana. Sharing Human Energy Compartilhando Energia Humana Sharing Human Energy A Chevron Brasil tem como estratégia e valor um plano de investimento social voltado para o incentivo à qualificação profissional e ao empreendedorismo

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA OLIVEIRA, Linda marques de Acadêmica do curso de Pedagogia da ACEG/FAHU-Garça-SP E-MAIL: linda_faculdade@yahoo.com.br FILHO, Vanessa Cristiane de Souza Acadêmico

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

1.1. Cristina Nacif Alves

1.1. Cristina Nacif Alves 1.1. 1.1.1. Formação Graduação em Pedagogia, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, concluída em Junho de 1992 Especialização em Desenvolvimento e Aprendizagem da criança e do adolescente - Instituto

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

2.2 São considerados passíveis de concorrer aos recursos (brinquedoteca e capacitação) desta Chamada Pública, as instituições que:

2.2 São considerados passíveis de concorrer aos recursos (brinquedoteca e capacitação) desta Chamada Pública, as instituições que: 1. APRESENTAÇÃO 1.1 O projeto Recrear defende a importância do Brincar para o desenvolvimento infantil. Por meio da brincadeira, uma criança aprende e desenvolve seu corpo, suas habilidades sociais, de

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO

OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO OFICINAS CORPORAIS, JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS - UMA INTERVENÇÃO COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE RISCO SANTOS, Fernanda Costa 1 PEREIRA, Bruna Kely da Silva 2 CANEDO, Samara Rodrigues

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO 2011 CURSO RESPONSÁVEL PELO PROJETO

PROJETOS DE EXTENSÃO 2011 CURSO RESPONSÁVEL PELO PROJETO ATENÇÃO À CRIANÇA (S) DE EXECUÇÃO E FREQUÊNCIA Projeto Sorriso Visa proporcionar às crianças internas e usuárias do PSF do Crianças da Casa de Passagem e do PSF Santa Rita bairro Santa Rita o conhecimento

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010 Capítulo. Análisis del discurso matemático escolar CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 200 Marcelo Dias Pereira, Ruy César Pietropaolo

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL

ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL 1003 ENSINO COLABORATIVO: POSSIBILIDADES PARA INCLUSÃO ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL Cristina Angélica Aquino de Carvalho Mascaro Carla Fernanda Siqueira Vanessa Cabral Amanda Carlou Andrade Santos Fundação

Leia mais