Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Geografia. Marcela Maria Guimarães Godoy

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Geografia. Marcela Maria Guimarães Godoy"

Transcrição

1 Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Geografia Marcela Maria Guimarães Godoy MODELAGEM DA DINÂMICA DE OCUPAÇÃO DO SOLO NO BAIRRO SAVASSI, BELO HORIZONTE, BRASIL Minas Gerais - Brasil Outubro / 2004

2 i Marcela Maria Guimarães Godoy MODELAGEM DA DINÂMICA DE OCUPAÇÃO DO SOLO NO BAIRRO SAVASSI, BELO HORIZONTE, BRASIL Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais para obtenção do título de Mestre em Geografia Área de Concentração: Análise Ambiental Orientador: Prof.Dr. Britaldo Silveira Soares Filho Belo Horizonte Departamento de Geografia da UFMG 2004

3 ii FICHA CATALOGRÁFICA GODOY, Marcela Maria Guimarães Modelagem da Dinâmica de Ocupação do Solo no Bairro Savassi, Belo Horizonte, Brasil. Belo Horizonte, n. p. 84 Dissertação de Mestrado Geografia Ênfase: Análise Ambiental Universidade Federal de Minas Gerais. Departamento de Cartografia. 1. Geoprocessamento 2. Planejamento Urbano 3. Modelos Dinâmicos. Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Geociências. Departamento de Geografia

4 iii Aos meus pais, Messias e Maria Eugênia, pelo incentivo e apoio. A minha irmã, Carolina, pelo auxílio. Ao Júlio, pela compreensão e cumplicidade.

5 iv AGRADECIMENTOS A realização deste trabalho não seria completa sem o apoio de meus amigos, colegas de trabalho, familiares e mestres. Gostaria de agradecer em especial ao Prof. Britaldo por ter me proporcionado a oportunidade de desenvolver este estudo, bem como compartilhar os seus conhecimentos para o meu crescimento intelectual. Ao apoio incondicional da minha família, na compreensão nas horas de falta, nos períodos de dificuldade e nos fins de semana em frente ao computador para a elaboração deste estudo. Ao sempre apoio da Prodabel, no fornecimento das informações, sem as quais este estudo não poderia nem ser iniciado, através do Ângelo. À Beth, ao acreditar sempre na minha potencialidade e capacidade e pelo apoio nas horas de ausência em nossa empresa. Ao Julio, pelo apoio técnico e auxílio no trabalho em campo, tratamento das informações e incentivo. Finalmente, à Prof Ana Clara, que foi o passo inicial para as pesquisas na região da Savassi, por sempre estar pronta a dar conselhos e compartilhar sua sabedoria.

6 v SUMÁRIO DEDICATÓRIA iii AGRADECIMENTOS iv SUMÁRIO v LISTA DE FIGURAS viii LISTA DE TABELAS E GRÁFICOS xii RESUMO xiii ABSTRACT xiv INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO A CIDADE DE BELO HORIZONTE O BAIRRO SAVASSI DELIMITAÇÃO DO BAIRRO SAVASSI CONCEITUAÇÃO DE MODELOS MODELOS DINÂMICOS OS AUTÔMATOS CELULARES APLICAÇÃO DE MODELOS URBANOS 18

7 vi 3.1. MODELAGEM INTEGRADA DE SISTEMAS 19 SÓCIO AMBIENTAIS - O CASO DA ILHA DE SANTA LÚCIA 3.2. ANÁLISE DA DINÂMICA URBANA USO DO SOLO 22 CASO DE BAURU 3.3. SIMULADOR DO USO URBANO DO SOLO 23 PARA CIDADES EUROPÉIAS MURBANDY (MONITORING URBAN DYNAMICS) 3.4. PROJETO GIGALÓPOLIS LAND COVER CHANGES IN COASTAL ZONES 25 MODELO LACOAST PARA AS CIDADES EUROPÉIAS 3.6. CITYLIFE O SOFTWARE DINAMICA DESENVOLVIMENTO METODOLÓGICO UNIDADE ESPACIAL DADOS USO DO SOLO EM USO DO SOLO EM USO DO SOLO EM 2003/ COMPILAÇÃO E TRATAMENTO DOS 37 DADOS DOS USOS

8 vii MATRIZES DE TRANSIÇÃO PESOS DE EVIDÊNCIAS OPERAÇÃO DO MODELO RESULTADOS OBTIDOS ANÁLISE TEMPORAL ANÁLISE DE MUDANÇA NO USO DO SOLO ANÁLISE ESPACIAL ANÁLISE QUALITATIVA ANÁLISE QUANTITATIVA DOS 57 DETERMINANTES ESPACIAIS DAS MUDANÇAS ANÁLISE DE PESOS DE EVIDÊNCIA 58 DO MODELO OPERAÇÃO DO MODELO DE 64 SIMULAÇÃO CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 69 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 71 ANEXO 01 75

9 viii LISTA DE FIGURAS Figura 01 Fachada da Padaria Savassi 07 Fonte: 1940 Desirée Savassi Figura 02 Foto do Interior da Padaria Savassi, cujas mesas foram 07 Retiradas em 1946, para se tornar uma mercearia Fonte: 1940 Desconhecida Figura 03 Limite Oficial do Bairro da Savassi 09 Figura 04 Imagem de Satélite LandSat MSS para a área do 26 Rio-Antirio 1975 Fonte: Projeto LACOAST KTIMATOLOGIO S.A - Grécia Figura 05 Imagem de Satélite LandSat MSS para a área do 26 Rio-Antirio 1987 Fonte: Projeto LACOAST KTIMATOLOGIO S.A Grécia Figura 06 Mapa do Uso do Solo para a área do Rio-Antirio Fonte: Projeto LACOAST KTIMATOLOGIO S.A - Grécia Figura 07 Mapa do Uso do Solo para a área do Rio-Antirio Fonte: Projeto LACOAST KTIMATOLOGIO S.A - Grécia Figura 08 Arquitetura do software DINAMICA (Soares-Filho et al., 2003) 29 Figura 09 Módulos do DINAMICA utilizados (Soares-Filho et al., 2003) 30 Figura 10 O Bairro da Savassi 31 Figura 11 Delimitação da Área Geográfica de Estudo 32

10 ix Figura 12 Fluxograma do desenvolvimento metodológico 33 Da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Figura 13 Método de Georeferenciamento para Base de Parcelamento 34 Da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Figura 14 Exemplo de uma imagem capturada por scanner 35 para obtenção dos usos em 1985 Figura 15 Usos de 2003/2004 Registros Fotográficos 36 Figura 16 Metodologia de atribuição de usos na unidade de pesquisa 38 Figura 17 Pontos comuns com a classificação original em Figura 18 Pontos comuns com a classificação original em Figura 19 Pontos comuns com a classificação final padronizada 40 para todos os anos Figura 20 Sistema de Informações Geográficas 43 Figuras 21 e 22 Fórmulas para utilização e aplicação do método de 44 pesos de evidência Figura 23 Dados de Uso do Solo em Fonte: Pesquisa de Percurso Modificada Prodabel Figura 24 Dados de Uso do Solo em Fonte: Pesquisa de Percurso Modificada Prodabel Figura 25 Dados de Uso do Solo em 2003/ Fonte: Pesquisa em campo

11 x Figura 26 Coleção de Mapas de Mudança do Uso Comercial 55 Fonte: Prodabel Modificada e Pesquisa em Campo Figura 27 Coleção de Mapas de Mudança do Uso Residencial 56 Fonte: Prodabel Modificada e Pesquisa em Campo Figura 28 Coleção de Mapas de Mudança do Uso de Serviços 56 Fonte: Prodabel Modificada e Pesquisa em Campo Figura 29 Coleção de Mapas de Mudança do Uso Misto 57 de Comércio e Serviços Fonte: Prodabel Modificada e Pesquisa em Campo Figura 30 Simulação das mudanças para 2003/2004 utilizando o 65 Software DINAMICA Figura 31 Dados Originais coletados em campo para o uso de 2003/ Figura 32 Projeção das mudanças para 2003/2004 com os dados 65 modificados, utilizando o software DINAMICA Figura 33 Dados Originais coletados em campo para o uso de 2003/ Figura 34 Legenda padrão para os usos reais e simulados 66 Figura 35 Mapa comparativo entre o real e o projetado, utilizando 66 o método de comparação de células por células Figura 36 Mapa comparativo entre o real e o projetado, utilizando o 67 método de comparação fuzzy Figura 37 Simulação pra

12 xi Figura 38 Simulação pra Figura 39 Simulação pra

13 xii LISTA DE TABELAS E GRÁFICOS Tabela 01 Estrutura do banco de dados de Uso Consolidado 42 Tabela 02 Estrutura das tabelas utilizadas no Sistema de Informações 42 Geográficas Tabela 03 Dados de Uso do Solo em 1985, Fonte: Pesquisa de Percurso Prodabel e 2003/2004 Fonte: trabalho em campo Tabela 04 Matriz de Transição de 1985 a Tabela 05 Matriz de Transição de 1996 a 2003/ Tabela 06 Matriz de Transição por lote e por pixel 64 Gráfico 01 Dados de Uso do Solo em 1985, Fonte: Pesquisa de Percurso Modificada Prodabel e 2003/2004 Fonte: trabalho em campo Gráfico 02 Pesos de evidência dos usos em relação às variáveis de 58 controle

14 xiii RESUMO Este trabalho tem por objetivo desenvolver um modelo dinâmico espaço-temporal para análise das mudanças no uso e ocupação do solo de 1985 a A base conceitual para o desenvolvimento deste modelo foi técnica de autômatos celulares, através do software DINAMICA. A área de estudo selecionada foi o bairro da Savassi por representar uma importante referência comercial na cidade de Belo Horizonte e estar necessitando de parâmetros para o desenvolvimento e revitalização deste setor econômico. Os resultados obtidos foram animadores, representando a tendência do bairro como reflexo das mudanças históricas analisadas, certificando que a utilização dos modelos dinâmicos de mudanças podem ser uma boa ferramenta no auxílio de tomadas de decisão.

15 xiv ABSTRACT This work has as its objective the development of a dynamic spatial model to analyze the land use and occupation from 1985 to The conceptual basis for the development of this model was the technique of cellular automata, implemented in the software DINAMICA. The selected area of study was the Savassi neighborhood, for it represents an important commercial reference in the city of Belo Horizonte and for needing parameters for the development and revitalization of this economic sector. The results obtained have been quite satisfactory, representing the latest trends of Savassi as reflected by the historical analysis of its changes, confirming that the use of dynamic models of changes can be a good tool to support decision making.

16 1 INTRODUÇÃO O crescimento urbano é considerado como um processo, pois a cidade é um fenômeno vivo no qual os limites entre o econômico, o social e o político não param de se recompor em expansão e transformação permanente. A função principal da cidade é atender a necessidade básica do homem, ou seja, o trabalho, função urbana realizada através das atividades econômicas: comerciais, industriais e serviços. Estes segmentos econômicos determinam o dinamismo, crescimento e conformação do espaço urbano e orientam o cotidiano da cidade (Rabeno, sd). Para análise, desenvolvimento e planejamento da expansão do espaço urbano, baseado no estudo de influência dos segmentos econômicos, são necessárias representações dinâmicas das informações, pois estes parâmetros estão em constante mutação. Um grande desafio para os sistemas de geoinformação é o desenvolvimento de técnicas e metodologias que sejam capazes de representar adequadamente os fenômenos dinâmicos. Na Modelagem Dinâmica, de acordo com Burrough (1998), procura-se superar as limitações atuais da tecnologia de Geoprocessamento, fortemente baseada numa visão estática, ou seja, bidimensional do mundo. O objetivo dos modelos dinâmicos em sistemas de informações geográficas é realizar a simulação numérica de processos dependentes do tempo. Na definição deste autor: um modelo espacial dinâmico é uma representação matemática de um processo do mundo real em que uma localização na superfície terrestre muda em resposta a variações nas forças dirigidas. (Burrough, 1998) Tradicionalmente, os sistemas de informações geográficas são elaborados baseados em suposições pré-estabelecidas em relação à homogeneidade, uniformidade e universalidade das propriedades de seus componentes principais, ou seja, o espaço e as relações espaciais, o tempo e o modelo matemático, ou regras lógicas, que descrevem o fenômeno (Pedrosa e Câmara, 2002). Tendo em vista a necessidade da modelagem de processos dinâmicos em sistemas de informações geográficas com o nível necessário de realismo, foi preciso a flexibilização das suposições rígidas, de tal maneira que o sistema fosse capaz de representar, de acordo com Couclelis (1997):

17 2 O espaço como uma entidade não homogênea tanto nas suas propriedades quanto na sua estrutura; As vizinhanças como relações não estacionárias; As regras de transição como regras não universais; A variação do tempo como um processo regular ou irregular; O sistema como um ambiente aberto a influências externas. O sistema de autômatos celulares 1 seria uma das maneiras de representação dos processos dinâmicos. Este tipo de sistema foi escolhido por se tratar de um modelo dinâmico simples, utilizado para estudar sistemas complexos de comportamento em diversos campos da ciência, inclusive para o desenvolvimento urbano e planejamento regional. O objetivo geral deste projeto é desenvolver um modelo dinâmico espaço-temporal para análise das mudanças no uso e ocupação do solo de 1985 a 2003, utilizando conceitos e metodologias de autômatos celulares. A construção do espaço urbano envolve os processos de ocupação e parcelamento do solo, sendo que a cidade só se conforma e se realiza na medida em que o seu espaço é apropriado pela população, através do uso do solo (Rabeno, sd). As informações de uso do solo são necessárias para uma grande variedade de propósitos para tomadores de decisões. O uso do solo é um importante critério para seleção de áreas que necessitem de implementação de projetos, tais como expansão e planejamento do espaço urbano, planejamento econômico, dentre outros. A hipótese deste trabalho é que variáveis territoriais controlam as transições espaciais de uso do solo e a configuração espacial das mudanças ao longo de um período observado. Para tal, iremos utilizar duas análises iniciais: Estruturação da paisagem urbana em estados e transições; Modelo de descrição e quantificação da dinâmica intra-urbana Identificação das variáveis territoriais que controlam a mudança da paisagem urbana. 1 Nesta abordagem o espaço é representado através de um arranjo de células em que cada célula pode assumir diferentes estados ao longo do tempo. O tempo varia em intervalos discretos e o estado de todas as células muda simultaneamente em função de seu próprio estado, dos estados das demais células em sua vizinhança e de acordo com um conjunto específico de regras de transição (White e Engelen, 2000).

18 3 Como contribuição deste trabalho englobam a disponibilização de um sistema de apoio à decisão aplicado ao planejamento urbano e disponibilização de informações sobre os tipos de dados, métodos e tecnologias utilizadas no desenvolvimento do SIG Dinâmico. Para que os objetivos propostos sejam alcançados, as etapas de desenvolvimento deste trabalho, de maneira generalizada, são: A montagem de um sistema de informações geográficas (SIG) com dados multitemporais do uso e ocupação do solo; A análise da influência de variáveis selecionadas, marcos urbanos e arquitetônicos de influência na paisagem e influência do sistema viário no controle espacial da dinâmica de uso e ocupação do solo; A calibração do sistema de simulação da dinâmica das mudanças do uso e ocupação do solo visando à reprodução da dinâmica intra-urbana; Operação e validação do sistema. O instrumento de análise será a identificação dos principais vetores das mudanças, e com isto, permitir estabelecer sua tendência evolutiva e padrões de uso e ocupação do solo. Como contribuições deste trabalho podemos citar a identificação das variáveis mais importantes da dinâmica urbana, o desenvolvimento de um instrumento para auxílio e suporte no planejamento urbano para fins de simulações de cenários 2 prospectivos, no sentido de identificar problemas, ressaltando causas e consequências, sendo base para formulação de propostas para revitalização urbana da região de estudo, como forma de resgate da imagem do bairro perante a população de Belo Horizonte. As simulações de expansão urbana auxiliam, de maneira geral, as autoridades locais, tais como prefeitos, planejadores regionais, dentre outros, a fim de se estabelecer metas de investimentos em termos de equipamentos de infraestrutura social e técnica, tais como a expansão viária, o aumento do fornecimento de água, criação de novas linhas de ônibus, escolas, hospitais e 2 Cenários são condições de contorno ao modelo com o objetivo principal de projetar o futuro a partir de tendências históricas orientando, a partir de hoje, o planejamento e tomadas de decisões para atingir os objetivos traçados em função desse futuro.

19 4 centros de saúde, etc. Tomadores de decisão da esfera privada também podem se beneficiar dos dados de saída do modelo, desde companhias de transporte, telefones celulares e convencionais, TV a cabo e internet, e outros que tenham subsídios para definir prioridades como para onde e qual a intensidade do investimento. (Almeida et al., 2003). A estrutura formal deste texto contém 05 capítulos. Primeiramente apresentamos uma introdução na qual estão descritas as circunstâncias que levaram ao desenvolvimento do projeto e a caracterização da área de estudo, os objetivos da dissertação e as etapas necessárias para atingi-los, ou seja, o contexto geral do assunto. O capítulo I é intitulado Contextualização da Área de Estudo, no qual observamos a descrição da cidade de Belo Horizonte e uma breve contextualização e descrição histórica do Bairro da Savassi, o nosso foco de estudo. O capítulo II é intitulado Conceituação de Modelos, no qual observamos a realização de uma revisão bibliográfica da definição teórica generalizada de modelos, principal ferramenta a ser utilizada neste estudo, e da definição e aplicação dos autômatos celulares, que são os elementos da representação espacial dos modelos. O capítulo III é intitulado Aplicação de Modelos Urbanos, no qual observamos a realização de uma revisão bibliográfica da aplicação específica dos modelos utilizando os autômatos celulares nos estudos urbanos. Foi compilada a experiência de vários modelos já estudados e feita uma comparação das metodologias utilizadas. Através deste capítulo, foram baseados alguns procedimentos utilizados na metodologia de desenvolvimento deste trabalho. O capítulo IV é intitulado O Software Dinâmica, no qual apresentamos e descrevemos o software que será a ferramenta de elaboração do modelo dinâmico, objetivo principal deste estudo. O capítulo V é intitulado Desenvolvimento Metodológico", descrevendo materiais utilizados, etapas e o procedimento de trabalho para compilação das informações e elaboração do modelo de estudo.

20 5 Os resultados obtidos são analisados no capítulo VI, sendo identificados também os problemas encontrados em cada classe de uso do solo, matrizes de transição e valores resultantes das classificações realizadas. Finalizando, temos as conclusões e recomendações deste trabalho, referentes ao desenvolvimento da metodologia e as referências bibliográficas, ou seja, a relação das bibliografias utilizadas para o desenvolvimento dos estudos.

21 6 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO 1.1. A CIDADE DE BELO HORIZONTE A fundação da cidade de Belo Horizonte, em 1897, foi consequência da necessidade de uma capital de estado que equilibrasse as suas regiões e amenizasse os desníveis econômicos existentes na época, bem como uma representação do surgimento de uma nova era, uma vez que, com a Proclamação da República, a cidade de Ouro Preto passa a ser a simbologia da dominação colonial e do poder monárquico. Belo Horizonte nasceu planejada de acordo com a ordem positivista, consequência do desdobramento do Iluminismo em suas manifestações do final do século XIX. O seu projeto original propunha espaços de primeira categoria, com zonas urbanas compostas por um meticuloso traçado ortogonal de ruas, bem como avenidas amplas e arborizadas, planejadas para serem ocupadas imediatamente. Os espaços de segunda categoria possuíam zonas suburbanas (separadas das zonas urbanas pela avenida do Contorno) e zonas rurais (destinadas a se constituir como o cinturão verde da cidade), tendo padrões mais flexíveis de urbanização e servindo como futuras áreas de expansão da cidade. Contrariando as expectativas dos seus construtores, a cidade cresceu no sentido oposto, uma vez que a classe trabalhadora, excluída do espaço central, é quem de fato determinou a sua formação. O processo de formação suburbana e rural se deu de forma muito mais intensa. O centro permaneceu excessivamente vazio, do ponto de vista residencial. A zona rural transformou-se em uma extensão da zona urbana, deixando de cumprir o seu papel original (Monte-Mór et al., 1994). Uma das regiões de características mais marcantes da cidade de Belo Horizonte é a Centro-Sul, pois, ela era alvo de ocupação inicial e acabou cedendo lugar para a periferia, mudando por completo a sua imagem proposta inicialmente. Como parte da Região Centro-Sul, temos o bairro, definido atualmente como Savassi, para o qual será elaborado um estudo, do ponto de vista econômico, sobre seu desenvolvimento nos últimos 19 anos, cujas mudanças auxiliarão na proposição de medidas de revitalização urbana e resgate da imagem do bairro.

22 O BAIRRO SAVASSI Quando a praça 13 de maio (atual Diogo de Vasconcelos ou Praça da Savassi) foi inaugurada, nos primeiros anos da nova capital mineira, não se poderia prever, que a região se transformaria em um dos pontos mais conhecidos de Belo Horizonte. No ano de 1940, o comerciante Arthur Savassi, proprietário de uma fábrica de laticínios na Rua Goiás, resolveu inaugurar uma padaria na Praça 13 de maio, que logo ficou bastante conhecida em virtude dos seus apetitosos produtos. O pão da padaria Savassi estava tão conhecido que, aos poucos, o entorno do estabelecimento começou a ser conhecido pelo nome da padaria. Figura 01 Fachada da Padaria Savassi Fonte: 1940 Desirée Savassi Figura 02 Foto do interior da Padaria Savassi, cujas mesas foram retiradas em 1946, Para se tornar uma mercearia. Fonte: Desconhecida Na época dos anos 80, a Savassi ganhou alguns quarteirões fechados, o que criava um ponto de parada de gente de todas as idades, que procuravam uma paquera ou uma sombra para descansar. O trânsito se tornou cada vez mais tumultuado, mas isso não impedia a badalação noturna da região. Com o advento dos shoppings no início dos anos 80, houve uma atração das novas gerações, chegando a usar-se a expressão Geração Shopping. Além disso, com a má distribuição de renda e o consequente surgimento de assaltos, pivetes e menores de rua, tornou-se muito mais seguro e fácil parar tranquilamente num shopping center, com estacionamento grátis e fazer suas compras, sem a dificuldade do estacionamento proibido.

23 8 Houve então, um certo declínio do comércio da Savassi, com muitas lojas fechadas e placas de: Aluga-se, em grande quantidade. Já nos anos 90, a região ganhou o nome oficial de Savassi e uma área demarcada. A Savassi continua construindo sua história, agora no final do século, com a mesma efervescência cultural e noturna de sempre. Não faltam restaurantes, bares, boates, lanchonetes e tudo mais que rimar com diversão. O comércio continua jovem e moderno bem como seus freqüentadores que são o símbolo da vida diurna e noturna da região. Dentre as transformações sofridas pela região do bairro Funcionários até os dias de hoje, destacam-se as três mais significativas para a região. A primeira delas é a transformação de uma região do bairro e partes de outros bairros em Savassi, originário da Padaria Savassi. A segunda se refere à transformação de uma região estrita e caracteristicamente residencial em uma área de comércio intenso e lançador de moda e estilo. Além de zona comercial, o bairro se transformou também em local de concentração de bares e boates, assim como de restaurantes, cafés, cursinhos e lanchonetes; portanto, de vida social intensa durante o dia e à noite DELIMITAÇÃO DO BAIRRO SAVASSI Para melhor definição da área a ser estudada, primeiramente, foi necessário conhecer o limite definido oficialmente de delimitação do Bairro da Savassi. Em 14 de maio de 1991, foi decretada a Lei Nº 5872, pelo vereador José Lincoln Magalhães, oficializando a "Região da Savassi". LEI N quinta-feira, 14 de março de 1991 Estabelece a Região da Savassi, disciplina normas de posturas e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA REGIÃO DA SAVASSI Art. 1 - Passa a denominar-se Região da Savassi a área compreendida pela poligonal assim descrita:

24 9 Começa na Praça Tiradentes, formada pela confluência da Av. Brasil com Av. Afonso Pena, segue a Av. Brasil até a Praça da Liberdade incluindo toda esta praça, sobe pela rua da Bahia até a Av. do Contorno, desta até a esquina de Av. do Contorno com Av. Afonso Pena, na Praça Milton Campos. Da Praça Milton Campos segue pela Av. Afonso Pena, por esta até a esquina com Av. Brasil, voltando ao ponto inicial. Parágrafo único - Incluem-se na Região as edificações situadas nos dois lados das ruas, avenidas e praças que a delimitam. Art Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogando as disposições em contrário. Belo Horizonte, 14 de março de Eduardo Brandão de Azeredo Prefeito de Belo Horizonte Publicada no Minas Gerais de 15/03/91 Figura 03 Limite Oficial do Bairro da Savassi

25 10 2. CONCEITUAÇÃO DE MODELOS A modelagem é conhecida como sendo a arte de se construir modelos, referente ao processo de pesquisa que leva à geração do modelo, ou seja, a representação de um sistema. Este processo é desenvolvido através da definição de um conjunto de hipóteses ou predições, que poderão ser comparados com medidas do mundo real. O modelo somente é aceito, rejeitado ou modificado de alguma maneira, após a comparação entre o resultado gerado e o observado, para novamente ser testado (Soares-Filho, 1998). O sistema a ser representado neste estudo é o espaço-tempo. Para entendermos o princípio teórico dos modelos espaço-temporais é necessário entender a definição teórica de espaço e tempo. Espaço absoluto, também chamado Cartesiano ou Newtoniano, é um container de coisas e eventos, uma estrutura para localizar pontos, trajetórias e objetos. Espaço relativo, ou Leibnitziano, é o espaço constituído pelas relações espaciais entre coisas e eventos (Couclelis, 1997). Em Santos (1996), temos a referência entre a distinção entre espaço absoluto e espaço relativo como o espaço dos fixos e o espaço dos fluxos. Traduzindo estes conceitos de forma aproximada para a aplicação e desenvolvimento do nosso modelo dinâmico, para representações computacionais, seria a diferenciação entre as representações associadas a recobrimentos planares e representações associadas à conectividade (grafos). Em relação ao tempo, conceitualmente, pode-se representá-lo através de diferentes estruturas, definidas, principalmente, com base em três aspectos da representação temporal: granularidade, variação e ordem no tempo. Associado ao conceito de variação temporal discreta, existe o conceito de Chronos. Um chronon é a menor duração de tempo suportada por um sistema e pode variar em diferentes aplicações (Edelweiss e Oliveira, 1994).

26 11 A granularidade temporal de um sistema está diretamente relacionada com a duração de um chronon. As diferentes granularidades de um sistema temporal conduzem à definição de instante e intervalo de tempo. Com relação à variação temporal, duas possibilidades podem ser consideradas: tempo contínuo e discreto. Uma variável temporal contínua é usada em processos que demandam medidas de tempo com níveis arbitrários de precisão. Uma variável temporal discreta é usada quando o tempo é medido em certos pontos ou intervalos e a variação é descontínua entre estes pontos. A ordem temporal refere-se ao modo como o tempo flui (Pedrosa e Câmara, 2002). O objetivo dos modelos espaço-temporais é a simulação numérica de processos do mundo real em que os estados do modelo se modificam ao longo do tempo e em função de diversas condições de entrada. Os modelos de SIG Dinâmico descrevem a evolução de padrões espaciais de um sistema ao longo do tempo (Pedrosa e Câmara, 2002) De acordo com a discussão teórica de Lambin (1994), um modelo sempre deve responder a algumas questões, a saber: Quais as variáveis ambientais e culturais que contribuem para explicar um certo fenômeno, que processos ecológicos e sócio-econômicos existem por trás deste fenômeno? Qual a maneira de evolução de todo o processo? Onde ocorrem os fenômenos? As questões acima expostas são uma maneira simples de tentar identificar o Porque, Quando e Onde do modelo a ser desenvolvido, pois aquele que responder estas questões possuirá a capacidade de descrever de maneira quantitativa um fenômeno e prever a sua evolução, através da integração das escalas temporal e espacial. Um modelo é formado por pelo menos três elementos: variáveis, relacionamentos e processos. Na etapa de concepção de um modelo, de acordo com o objetivo a ser alcançado, há a possibilidade de se enfatizar algum dos elementos acima expostos. Nesta concepção, os modelos podem ser classificados em duas categorias principais: (Pedrosa e Câmara, 2002) Modelos Empíricos; Modelos de Sistemas.

27 12 Os modelos empíricos enfatizam as relações entre as variáveis do modelo, a partir da suposição de que estas relações observadas no passado continuarão a existir no futuro e são bastante conhecidos pela simplicidade dos modelos matemáticos empregados e pelo número reduzido de variáveis envolvidas. Estes modelos são eficientes em fazer predições, embora apresentem limitações em abordar a evolução espacial e identificar os aspectos causais de todo o sistema desenvolvido. Estes modelos são estruturados a partir de três componentes principais: Configuração Inicial através de um modelo dinâmico pode ser obtida por meio da utilização de dados históricos do fenômeno em estudo, ou seja, a partir de séries temporais; Função de Mudança Configuração de Saída Os modelos empíricos mais conhecidos são as cadeias de Markov, os modelos logísticos de difusão e os modelos de regressão. As Cadeias de Markov são modelos matemáticos utilizados para descrever processos estocásticos. Este modelo possui algumas vantagens, dentre elas, a simplicidade operacional e matemática juntas com a facilidade com que podem ser aplicadas a dados provenientes do Sensoriamento Remoto e implementadas em sistemas de informações geográficas e a não necessidade de grande quantidade de dados antigos para prever o futuro. (Pedrosa e Câmara, 2002). Através de uma equação matemática simples podemos representar o processo básico de Markov: Π (t +1) = P n. Π (t) Onde Π (t) é um vetor coluna, com n elementos representando a condição do sistema em um tempo t particular (...), Π (t + 1) é o vetor de ocupação dos n estados após o intervalo de tempo t+1 e P n é a matriz de probabilidades de transição (Soares-Filho, 1998). Os modelos logísticos de difusão são utilizados para descrever matematicamente os fenômenos em que as variáveis inicialmente apresentam variações em um ritmo lento, depois o ritmo de variações se intensifica, voltando a reduzir-se até que o nível de saturação seja atingido. Este modelo leva em conta as interações temporais entre as variáveis do sistema. Tais modelos enfatizam a velocidade do processo e permitem a inclusão de variáveis relacionadas às causas do fenômeno (Pedrosa e Câmara, 2002)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

GERAÇÃO DE VIAGENS. 1.Introdução

GERAÇÃO DE VIAGENS. 1.Introdução GERAÇÃO DE VIAGENS 1.Introdução Etapa de geração de viagens do processo de planejamento dos transportes está relacionada com a previsão dos tipos de viagens de pessoas ou veículos. Geralmente em zonas

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Apresentação Florianópolis Dezembro

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Análise Espacial 2 1 Distribuição Espacial A compreensão da distribuição

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS

Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS Análise dos Indicadores de Sustentabilidade na Cidade de Serafina Corrêa - RS Daniela Maroni (1) Denize Fabiani (2) Malu Durante (3) Tatiana Chiodi (4) (1) Aluna da Escola de Arquitetura e Urbanismo, IMED,

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Programa de Estudos e Pesquisas 2009

Programa de Estudos e Pesquisas 2009 Programa de Estudos e Pesquisas 2009 DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Ana Paula Vitali Janes Vescovi Rodrigo Lorena Redirecionamento Estratégico IJSN Missão "Prover conhecimento social, econômico e territorial

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação.

Palavras chave: Expansão Urbana;Sensoriamento Remoto; SIG e Supressão da vegetação. SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADOS NA ANÁLISE DA EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO SUDOESTE DA CIDADE DE MONTES CLAROS MG E A SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO NOS ANOS DE 2000 Á 2011 OLIVEIRA, Gustavo Henrique Gomes de

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010. Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade

CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010. Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade CONSULTA PÚBLICA Nº 008/2010 Revisão da Metodologia de Estabelecimento dos Limites dos Indicadores Coletivos de Continuidade Rio de Janeiro, 23 de Agosto de 2010 Apresentamos a seguir as nossas respostas

Leia mais

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis ESTIMAÇÃO DE POPULAÇÕES HUMANAS VIA IMAGENS DE SATÉLITE: COMPARANDO ABORDAGENS E MODELOS Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab

Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab Projeto de inovação do processo de monitoramento de safra da Conab Projeto elaborado por Lorenzo Seguini lorenzo_seguini@yahoo.it Projeto Diálogos Setoriais União Europeia - Brasil 1 Sumário 1. Introdução...3

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO

AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO 1 AVALIAÇÃO DE IMPACTO NA PRÁTICA GLOSSÁRIO Amostra aleatória. Também conhecida como amostra probabilística. A melhor maneira de evitar uma amostra enviesada ou não-representativa é selecionar uma amostra

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 08 a Aula INFORMAÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

O que é a estatística?

O que é a estatística? Elementos de Estatística Prof. Dr. Clécio da Silva Ferreira Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM

GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM GERENCIANDO UMA MICROEMPRESA COM O AUXÍLIO DA MATEMÁTICA E DO EXCEL: UM CONTEXTO DE MODELAGEM Fernanda Maura M. da Silva Lopes 1 Lorena Luquini de Barros Abreu 2 1 Universidade Salgado de Oliveira/ Juiz

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56 LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU OREDOGR(VWDGRGR56 6X]DQH5DQ]DQ 6LPRQH0&HUH]HU&ODRGRPLU$0DUWLQD]]R Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Departamento de

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros

5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros 5 Conclusão e Recomendações para Estudos Futuros Esta dissertação teve como objetivo contribuir para o estudo do lazer, com ênfase nas principais restrições que impedem crianças a realizarem suas atividades

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS ALÍCIA FERNANDINO RODRIGUES aliciarodrigues@terra.com.br Título: Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS GRUPO 1 : Planos Diretores e Sustentabilidade urbano-ambiental Planejamento Urbano

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a tecnologia vem se desenvolvendo cada vez mais rápido para suprir as necessidades da população.

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Dispositivo que de alguma maneira descreve o comportamento do sistema

Dispositivo que de alguma maneira descreve o comportamento do sistema Sistema: Conceito primitivo (intuitivo) Tentativas de definição: Agregação ou montagem de coisas, combinadas pelo homem ou pela natureza de modo a formar um todo unificado. Grupo de itens interdependente

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências.

Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005. Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. Lei Complementar Estadual do Maranhão nº 89, de 17 de novembro de 2005 Cria a Região Metropolitana do Sudoeste Maranhense, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO MARANHÃO, Faço saber a todos

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Simulação Transiente

Simulação Transiente Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho de Sistemas Professores: Paulo Maciel Ricardo Massa Alunos: Jackson Nunes Marco Eugênio Araújo Dezembro de 2014 1 Sumário O que é Simulação? Áreas de Aplicação

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL

ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL ESTRATÉGIAS DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA OPERACIONAL André Luis Trevisan Universidade Tecnológica Federal do Paraná andrelt@utfpr.edu.br Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris.

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Thiago Máximo É preciso pensar a mobilidade urbana, como um sistema. Muitas vezes a questão da circulação nas grades cidades é pensada apenas para sanar problemas

Leia mais

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP

Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Módulo 4. Construindo uma solução OLAP Objetivos Diferenciar as diversas formas de armazenamento Compreender o que é e como definir a porcentagem de agregação Conhecer a possibilidade da utilização de

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 8 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens Como são representados

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais