TREINO DE FORÇA EM CORREDORES DE FUNDO PARA A MELHORA NA ECONOMIA DE CORRIDA. STRENGTH TRAINNING IN RUNNERS FUND TO BETTER IN THE RUNNING ECONOMY.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINO DE FORÇA EM CORREDORES DE FUNDO PARA A MELHORA NA ECONOMIA DE CORRIDA. STRENGTH TRAINNING IN RUNNERS FUND TO BETTER IN THE RUNNING ECONOMY."

Transcrição

1 TREINO DE FORÇA EM CORREDORES DE FUNDO PARA A MELHORA NA ECONOMIA DE CORRIDA. STRENGTH TRAINNING IN RUNNERS FUND TO BETTER IN THE RUNNING ECONOMY. LEONARDO EMMANUEL DE MEDEIROS LIMA (1) ORIENTADOR: Dr. FRANCISCO NAVARRO (1,2) 1 Programa de Pós-graduação Lato-Sensu da Universidade Gama Filho Fisiologia do Exercício: Prescrição do Exercício. 2 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício. Rua Carlos Weber, 1564, ap. 11. Vl. Leopoldina São Paulo SP São Paulo, Turma 01093, Entrega no dia 18/12/2010

2 RESUMO Entre muitos determinantes de um bom resultado nas corridas de fundo o consumo máximo de oxigênio (VO2 máximo) é um destes aspectos. É a capacidade que os atletas têm de metabolizar energia de forma aeróbia num nível tão próximo quanto possível daquele valor (limiar anaeróbio) têm sido considerável. No entanto, uma releitura científica no campo do treinamento desportivo é a aplicabilidade de força na preparação do atleta em corrida de fundo têm mostrado que esta capacidade física passa a ser essencial na melhora de desempenho. Melhores tempos em provas e novos recordes sendo quebrados têm levado muitos treinadores a inserir dentro do campo da periodização o trabalho de força em seus atletas. O artigo mostra com conclusões teóricas e práticas que se o treinamento de força for aplicado de maneira lógica e racional nos corredores de fundo, os resultados serão positivos na melhora da economia de corrida e conseqüentemente na melhora do desempenho. Palavras-chave: Economia de Corrida, Força, Periodização e Treinamento Desportivo. ABSTRACT Among many key aspects of a good result in the racing fund the maximum oxygen consumption (VO2max) and the ability for athletes to have energy to metabolize aerobically at a level as close as possible to that value (anaerobic threshold) have been considered the most. However, a new cientific read in the field of sports training and strength workability of the athletes preparation has proved that physical fitness has become essential in improving performance. Best time to evidence and new records being broken has led many coaches to be inserted within the field of periodization of the work force to their athletes. The article demonstrates with theoretical and practical conclusions that if the strength training is applied in a logical and rational in distance runners, the results will be positive in improving running economy and thus in the improvement of the minutes per kilometer (min/km) driven. Keywords: Running Economy, Strength, Periodization and Sports Training.

3 INTRODUÇÃO Um dos aspectos determinantes de um bom resultado nas corridas de fundo é o consumo máximo de oxigênio (VO2 máximo). Isto é a capacidade que os atletas têm de metabolizar energia de forma aeróbia num nível tão próximo quanto possível daquele valor (limiar anaeróbio). Porém, a economia de corrida passa a ser revista como tão importante em corridas de resistência que Vancini e Lira (2005) chegam a afirmar que para dois atletas com níveis de VO2 máx. semelhantes, a economia de corrida passa a ser o melhor predito de desempenho e de sucesso esportivo, sendo considerada mais importante que o VO2 máx. O presente artigo apresenta a justificação de treinos de força para a melhora da economia de corrida de fundo, como fator fundamental na elaboração do treinamento para estes atletas, e enfatiza a importância de periodizar esta capacidade física para uma construção segura e eficiente no desempenho destes atletas. 1. METODOLOGIA O presente estudo é constituído de uma revisão bibliográfica não sistemática. A pesquisa foi baseada nas referências bibliográficas publicadas ao longo dos anos sobre o tema treinamento desportivo, força e economia de corrida. Para melhor compreensão do assunto foram introduzidos conceitos preliminares.

4 2. INFLUÊNCIA DA FORÇA NA CORRIDA 2.1. Força Força é definida como a capacidade de superar ou opor-se a uma resistência por meio da contração muscular (PLATONOV, 2004). A corrida de fundo, com todas as suas variáveis individuais e ambientais, exige respostas diversificadas da musculatura de forma a manter as exigências funcionais do exercício. De acordo com Platonov (2004), a força é uma capacidade motora condicional que se manifesta de maneira diferente em função da necessidade de ações presentes no gesto motor. Para as corridas de longa distância a capacidade de força está sempre interligada com outras capacidades motoras. A força é a condição fundamental que determina o nível de velocidade de deslocamento cíclico nas modalidades de resistência, e elemento primordial para o desempenho nas corridas de fundo. Sendo assim, o treinamento especial desta capacidade é fundamental na preparação esportiva do atleta. Um atleta de longas distâncias deverá assegurar o desenvolvimento dentro das suas possibilidades genéticas dos sistemas cardiovascular, respiratório e também muscular no processo de periodização. Porém, para que ocorram as adaptações positivas ao atleta, o treinamento deverá previamente construir uma base para os treinamentos especiais de força.

5 A variação dos meios e métodos de treinamento e a distribuição coerente e lógica das cargas de treino, conforme o planejamento e o avanço das etapas da preparação irão promover a elevação da capacidade metabólica e neuromuscular de maneira positiva e principalmente eficiente. Bompa (2001) sugere que esta elaboração sistemática de treinamento de força deverá ser composta por 4 fases: adaptação anatômica, hipertrofia, força máxima e a fase da conversão para potência/resistência Resistência de Força (RF) Entende-se por Resistência de Força (RF) a capacidade de manter um nível constante de força durante um tempo de uma atividade ou gesto desportivo (MANSO, 1999) e que esta pode ainda ser aeróbia e anaeróbia. Em corridas de longa distância se utiliza a resistência de força aeróbia onde os músculos resistem à fadiga com uma provisão suficiente de oxigênio (BARBANTI, 1997). A RF corresponde à capacidade muscular do atleta de resistir ao cansaço provocado por um número elevado de contrações (BARBANTI, 1997), fundamental para o desempenho em provas de média e longa distância. Alguns autores citam o termo força hipertrófica como componente da variável de resistência de força. Porém, é importante lembrar que hipertrofia muscular não é capacidade motora, mas sim uma resposta adaptativa morfológica.

6 Para Harre e Leopold (1987), o conceito de Resistência de Força define um pressuposto condicional da prestação determinado pela associação entre a força (máxima ou rápida) e a resistência. A primeira distinção que surge diz respeito à separação entre a Resistência Absoluta e a Resistência Relativa da Força. A primeira diz respeito ao valor médio absoluto do desenvolvimento repetido da força realizada, enquanto a segunda pode definir-se como a capacidade do atleta se opor à fadiga, referindo-se à diferença entre o máximo rendimento possível de força (sem diminuição devida à fadiga) e o valor médio de força desenvolvido durante o esforço. Também Siff & Verkhoshansky (2000) sugerem que a RF proporciona um nível alto de capacidade de trabalho especial, que é sobretudo típico dos desportos cíclicos nos quais se executam ações de grande potência. Dando claramente a entender que se referem a provas de velocidade resistente ou de meio-fundo curto, ou seja os 400m e 800m. Contudo esta combinação entre a força e a resistência parece não ser tarefa fácil, especialmente quando refere-se ao treino destas duas capacidades conjugadas, conhecido por Treino Concorrente (DOCHERTY & SPORER, 2000; LEVERITT, ABERNETHY, BARRY, & LOGAN, 1999; TANAKA & SWENSEN, 1998). Quando esta combinação refere-se ao tipo de treino que habitualmente é realizado por corredores de fundo é maioritariamente composta por trabalho relacionado com

7 a capacidade resistência. Não obstante, os benefícios do treino de força nestes corredores têm sido estudados e parecem não comprometer, e inclusive contribuem para a melhoria do rendimento nas corridas de meio-fundo e fundo (JUNG, 2003) Força Explosiva (FE) A FE é a capacidade muscular de vencer uma resistência na maior velocidade de contração possível (LETZELTER apud BARBANTI, 1997). Em provas de longa distância não se manifesta como fator determinante de desempenho, todavia seu treinamento está relacionado à melhoria da economia de corrida, sendo um parâmetro fundamental de desempenho aeróbia (HÄKKINEN, KRAEMER, 2004). De acordo com Antoniazzi et al (1999) uma melhora na economia de corrida permite ao atleta aumentar a eficiência biomecânica e reduzir o consumo de oxigênio para realizar os movimentos por mais tempo e em maiores distâncias a uma dada velocidade, podendo gerar elevação no desempenho atlético. A EC é tão importante em corridas de resistência que Vancini e Lira (2005) chegam a afirmar que para dois atletas com níveis de VO2 máx. semelhantes, a EC passa a ser o melhor predito de desempenho e de sucesso esportivo, sendo considerada mais importante que o VO2 máx.

8 2.4. Força Pliométrica (FPL) O termo pliometria já gera, segundo Verkhoshanski (1998), uma desvirtuação da proposta original, pois se refere somente à fase excêntrica ou de amortecimento, quando na verdade o método deveria ser centrado na transição rápida entre as fases de amortecimento e impulsão. A essência do método não está em saltar ou amortecer e sim em aproveitar de forma eficiente a energia cinética do contramovimento para impulsionar o movimento seguinte. Os exercícios pliométricos envolvem um tipo de treinamento que utiliza exercícios de saltos a fim de produzir uma sobrecarga de ação muscular do tipo isométrica, com grande tensão muscular, envolvendo o reflexo de estiramento nos músculos (BARBANTI, 1998). Os mesmos podem ser também definidos como aqueles que ativam o ciclo excêntrico-concêntrico, aumentando assim a potência elástica e mecânica (MOURA, MOURA, 2001) Força Máxima (FM) A Força Máxima, segundo Platonov (2004), é a maior força possível que o desportista é capaz de exercer em uma ação voluntária máxima (AVM). Sua inserção na periodização de atletas de resistência é fundamentada em dois postulados. Primeiro, o treinamento de FM é útil para reduzir a possibilidade de lesões ao longo do macrociclo. Segundo, ele também é útil para formar a base necessária ao

9 treinamento de Força Explosiva, ou seja, antes de executar um grande volume de trabalho para o desenvolvimento de FE o atleta deve atingir um nível considerável de FM. Caso contrário há um aumento da possibilidade de traumatismos e uma diminuição da eficácia do treinamento. 3. ESTUDOS SOBRE TREINO DA FORÇA COM CORREDORES DE FUNDO Verkhoshansky (1999), num estudo com meio-fundistas da seleção nacional russa, verificou que a aplicação de um programa específico concebido para o desenvolvimento da capacidade de manifestar força explosiva e capacidade reativa em condições de esgotamento levou os atletas do grupo experimental a melhorar suas referidas capacidades, o que por sua vez levou-os também a obter melhores resultados competitivos do que o grupo de controle, não obstante o menor volume de corrida realizado em treino. O estudo sugere que os atletas possam ter melhorado o rendimento à custa de um incremento de origem neuromuscular. Outros estudos também verificaram a melhoria da performance em corridas de fundo graças à aplicação de um programa de treino pliométrico e na relação de influenciar na função neuromuscular com uma melhor economia de corrida (SPURRS, MURPHY & WATSFORD, 2003; TURNER, OWINGS & SCHWANE, 2003). Outros, ainda, utilizaram programas de treino de força com cargas elevadas, tendo verificado que sem alteração do VO2 máx. se conseguiu uma melhoria do rendimento graças a um incremento da economia de corrida (JOHNSTON, QUINN, KERTZER, & VROMAN, 1997; MILLET, JAOUEN, BORRANI & CANDAU, 2002).

10 4. A ECONOMIA DE CORRIDA De acordo com Antoniazzi et al. (1999) uma melhora na Economia de Corrida permite ao atleta aumentar a eficiência biomecânica e reduzir o consumo de oxigênio para realizar os movimentos por mais tempo e em maiores distâncias a uma dada velocidade, podendo gerar elevação no desempenho atlético. A EC é habitualmente definida pela exigência energética que uma determinada velocidade de corrida submáxima apresenta (SAUNDERS, PYNE, TELFORD & HAWLEY, 2004). Quanto menor for o VO2 de um atleta a determinada velocidade, mais eficiente este será e conseqüentemente melhores as suas possibilidades de rendimento em eventos de resistência. A determinação da EC tem sido realizada em laboratório e mais recentemente também em testes de terreno (LUCIA et al., 2006; NUMMELA et al., 2006; PAAVOLAINEN, HAKKINEN, HAMALAINEN, NUMMELA & RUSKO, 1999). Um dos principais parâmetros onde uma intervenção neuromuscular pode ajudar corredores de fundo é a economia de movimento. Durante a corrida, até 60% da energia mecânica da passada anterior pode ser recuperada para a próxima passada, sendo necessário despender apenas os 40% restantes através de reações metabólicas (VERKHOSHANSKI, 1998; 1999). Deste modo, quanto mais energia se aproveitar das passadas precedentes, menor será o desgaste durante a corrida e, conseqüentemente, maior a desempenho.

11 Segundo Foster y Lucia (2007), a metodologia utilizada para a referida determinação consiste em realizar corridas progressivas com patamares de duração de 4 a 10 minutos (sendo estes suficientes para atingir um estado de equilíbrio fisiológico) e com uma intensidade inferior ao limiar ventilatório. A expressão da economia de corrida pode ser apresentada de diversas formas, sendo a mais habitual a interpolação ou extrapolação do VO2 consumido à velocidade de 4,47m/s, a qual corresponde a 3,44min/km (FOSTER & LUCIA, 2007). Em eventos de fundo, embora o consumo máximo de oxigênio (VO2 máx.) e a capacidade de manter uma elevada percentagem de VO2 máx. por um longo período de tempo sejam também aspectos determinantes (FOSTER y LUCIA, 2007), a EC parece ser um melhor preditor da performance (SAUNDERS et al., 2004). O treino de força com corredores, desde que bem conjugado com treino de resistência, pode favorecer a melhoria da EC e conseqüentemente da performance dos atletas. Estas melhorias podem ocorrer inclusive sem alteração dos parâmetros habitualmente associados ao treino de resistência nomeadamente o VO2 máx. Ainda que alguns estudos se tenham debruçado sobre os aspectos acima referidos (JUNG, 2003; NUMMELA et al., 2006; PAAVOLAINEN, HAKKINEN, HAMALAINEN, NUMMELA & RUSKO, 1999; SPURRS et al., 2003; TURNER et al., 2003), nestes trabalhos tem-se dado particular importância aos efeitos do treino pliométrico ou do treino de pesos mais clássico, pelo que julgamos pertinente conhecer outras formas

12 alternativas de combinação do treino de força conjugado com o trabalho habitual que os corredores de fundo realizam. Estamos a referirmo-nos nomeadamente ao treino de rampas, muito utilizado e pouco estudado, e ainda aos exercícios com cargas baixas movidas à máxima velocidade, incluindo saltos e que se chamam balísticos (KAWAMORI & HAFF, 2004; STONE et al., 2003). A combinação destes exercícios com o gesto da especialidade desportiva, neste caso a corrida a uma velocidade média ou elevada, tem sido proposta por diversos autores (COMETTI, 2001; DONATI, 1996; MIGUEL & REIS, 2004). CONSIDERAÇÕES FINAIS Segundo as pesquisas e argumentos citados, a interconexão de força e resistência de longa duração dentro de um contexto de elaboração de treinamento coerente irá promover uma melhora na economia de corrida. Os meios e métodos de treinamento de força para a melhora da economia de corrida, e conseqüentemente sua aplicação e adaptações, como as citadas por Bompa (2001), dentro do universo da periodização requerem mais estudos científicos e práticos dos mesmos. Portanto, para o trabalho de força com atleta de longa distância devemos considerar o nível do atleta na modalidade, experiência do atleta na variável da capacidade de força em treinos anteriores e planejamento lógico dentro da estruturação de treino.

13 Sendo assim, as adaptações na interação e integração da capacidade de força em conjunto com a capacidade aeróbia permitirão o alcance de um elevado nível de resistência à fadiga de longa duração, melhora na economia de corrida e prevenção de lesões.

14 REFERÊNCIAS BARBANTI, V. J. Teoria e prática do treinamento esportivo. 2ª ed. São Paulo: Edgard Blücher, BARBANTI, V. J. Treinamento esportivo: as capacidades motoras dos esportistas. São Paulo: Manole, p. BERG, K. (2003). Endurance training and performance in runners: Research limitations and unanswered questions. Sports Med, 33(1), BILLAT, V.; LEPRETRE, P. M.; HEUGAS, A. M.; LAURENCE, M. H.; SALIM, D. & KORALSZTEIN, J. P. (2003). Training and bioenergetic characteristics in elite male and female kenyan runners. Med Sci Sports Exerc, 35(2), ; discussion BILLAT, V. L.; DEMARLE, A.; SLAWINSKI, J.; PAIVA, M. & KORALSTEIN, J. P. (2001). Physical and training characteristics of top-class marathon runners. Med Sci Sports Exerc, 33(12), BOMPA, T. O.; HAFF, G. G. Periodization: Theory and Methodology of Training. 2 ed. Human Kinetics, p. BOMPA, T. O. A Periodização no Treinamento Esportivo. Tradução Dayse Batista. São Paulo: Manole, p. BOSCO, C. (2000). La fuerza muscular - aspectos metodologicos. Barcelona: Inde. COMETTI, G. (2001). Los metodos modernos de musculación. Barcelona: Paidotribo.

15 COSTA, A. (1996). Caracterização da corrida de 400 metros planos - identificação de algumas variáveis condicionantes do rendimento. FCDEF/UP, Porto. DOCHERTY, D. & SPORER, B. (2000). A proposed model for examining the interference phenomenon between concurrent aerobic and strength training. Sports Med, 30(6), DONATI, A. (1996). The association between the development of strength and speed. New studdies in Athletics, 11(2-3), FOSTER, C. & LUCIA, A. (2007). Running economy - the forgotten factor in elite performance. Sports Medicine, 37(4-5), HARRE, D. & LEOPOLD, W. (1987). La resistenza alla forza definizione della capacità di resistenza alla forza e principi fondamentali del suo allenamento (parte prima). Sds- Riv. Cult. Sportiva, VI (9), HENNESSY, L. & KILTY, J. (2001). Relationship of the stretch-shortening cycle to sprint performance in trained female athletes. J Strength Cond Res, 15(3), JOHNSTON, R., QUINN, T., KERTZER, R. & VROMAN, N. (1997). Strength training in female distance runners: Impact on running economy. Journal of strength and conditioning research, 11(4), JUNG, A. (2003). The impact of resistance training on distance running performance. Sports Medicine, 33(7), KAWAMORI, N. & HAFF, G. G. (2004). The optimal training load for the development of muscular power. J Strength Cond Res, 18(3),

16 EVERITT, M., ABERNETHY, P. J., BARRY, B. K. & LOGAN, P. A. (1999). Concurrent strength and endurance training. A review. Sports Med, 28(6), LUCIA, A., ESTEVE-LANAO, J. OLIVAN, J. GOMEZ-GALLEGO, F., SAN JUAN, A., SANTIAGO, C., et al. (2006). Physiological characteristics of the best eritrean runners - exceptional running economy. Applied Physiology Nutrition and Metabolism-physiologie Applique Nutrition et Metabolisme, 31(5), MANOU, V., KELLIS, S. & ARSENIOUS, P. (2000). Relationship between 100m sprinting performance and jumping ability. Paper presented at the 5th Annual Congress of ECSS, Jyväskylä. MCLAUGHLIN, J. E., KING, G. A., HOWLEY, E. T., BASSET, D. R., Jr., & AINSWORTH, B. E. (2001). Validation of the cosmed k4 b2 portable metabolic system. Int J Sports Med, 22(4), MANSO, J. M: La Fuerza. Ed.Gymnos, Madri, MERO, A., KOMI, P. V., RUSKO, H. & HIRVONEN, J. (1987). Neuromuscular and anaerobic performance of sprinters at maximal and supramaximal speed. Int J Sports Med, 8 Suppl 1, MIGUEL, P. & REIS, V. (2004). Speed strength endurance and 400m performance. New studdies in Athletics, 19(4), MIKKELSSON, L. O. (1996). How to train to become a top distance runner. New studdies in Athletics, 11(4),

17 MILLET, G. P., JAOUEN, B., BORRANI, F. & CANDAU, R. (2002). Effects of concurrent endurance and strength training on running economy and vo2 kinetics. Medicine And Science In Sports And Exercise, 34(8), NAVARRO, F. (1999). Metodologia del entrenamiento para el desarrollo de la resistencia. Madrid: COES/UAM. NOAKES, T. D. (2001). Lore of running (4th ed.). Champaign: Human Kinetics. NUMMELA, A., PAAVOLAINEN, L., SHARWOOD, K., LAMBERT, M., NOAKES, T. & RUSKO, H. (2006). Neuromuscular factors determining 5 km running performance and running economy in well-trained athletes. EUROPEAN JOURNAL OF APPLIED PHYSIOLOGY, 97(1), 1-8. NUMMELA, A., RUSKO, H. & MERO, A. (1994). Emg activities and ground reaction forces during fatigued and nonfatigued sprinting. Med Sci Sports Exerc, 26(5), NUMMELA, A. T., PAAVOLAINEN, L. M., SHARWOOD, K. A., LAMBERT, M. I., NOAKES, T. D. & RUSKO, H. K. (2006). Neuromuscular factors determining 5 km running performance and running economy in well-trained athletes. Eur J Appl Physiol, 97(1), 1-8. PAAVOLAINEN, L., HAKKINEN, K., HAMALAINEN, I., NUMMELA, A. & RUSKO, H. (1999). Explosive-strength training improves 5-km running time by improving running economy and muscle power. J Appl Physiol, 86(5),

18 PAAVOLAINEN, L., HAKKINEN, K., HAMALAINEN, I., NUMMELA, A. & RUSKO, H. (1999). Explosive-strength training improves 5-km running time by improving running economy and muscle power. Journal Of Applied Physiology, 86(5), PLATONOV, V. N. Tratado Geral de Treinamento Desportivo. São Paulo: Phorte Editora, p. RAHMANI, A., LOcATELLI, E. & LACOUR, J. R. (2004). Differences in morphology and force/velocity relationship between senegalese and italian sprinters. Eur J Appl Physiol, 91(4), SAUNDERS, P., PYNE, D., TELFORD, R. & HAWLEY, J. (2004). Factors affecting running economy in trained distance runners. SPORTS MEDICINE, 34(7), SAUNDERS, P., PYNE, D., TELFORD, R., PELTOLA, E., CUNNINGHAM, R. & HALEY, J. (2004). Nine weeks of plyometric training improves running economy in highly trained distance runners. MEDICINE AND SCIENCE IN SPORTS AND EXERCISE, 36(5), S254-S254. SAUNDERS, P., TELFORD, R., PYNE, D., PELTOLA, E., CUNNINGHAM, R., GORE, C. et al. (2006). Short-term plyometric training improves running economy in highly trained middle and long distance runners. JOURNAL OF STRENGTH AND CONDITIONING RESEARCH, 20(4), SAUNDER, P. U., PYNE, D. B., TELFORD, R. D. & HAWLEY, J. A. (2004). Factors affecting running economy in trained distance runners. Sports Medicine, 34(7), SIFF, M. & VERKHOSHANSKY, Y. (2000). Superentrenamiento. Barcelona: Paidotribo.

19 SPURRS, R. W., MURPHY, A. J. & WATSFORD, M. L. (2003). The effect of plyometric training on distance running performance. Eur J Appl Physiol, 89(1), 1-7. STONE, M. H., O'BRYANT, H. S., MCCOY, L., COGLIANESE, R., LEHMKUHL, M. & SCHILLING, B. (2003). Power and maximum strength relationships during performance of dynamic and static weighted jumps. J Strength Cond Res, 17(1), TANAKA, H. & SWENSEN, T. (1998). Impact of resistance training on endurance performance. A new form of cross-training? Sports Med, 25(3), THOMAS, J. & NELSON, J. (1996). Research methods in physical activity (3th ed.). Champaign: Human Kinetics. TURNER, A., OWINGS, M. & SCHWANE, J. (2003). Improvement in running economy after 6 weeks of plyometric training. JOURNAL OF STRENGTH AND CONDITIONING RESEARCH, 17(1), VANCINI, R. L., LIRA, C. A. B. Participação genética sobre o Desempenho atlético. Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício (CEFE), VERKHOSHANSKI, Y. (1999). Tudo sobre el método pliométrico, medios y metodos para la mejora de la fuerza explosiva.barcelona: Paidotribo. VERKHOSHANSKI, Y. Força: treinamento de potência muscular método de choque. Londrina: Centro de Informações Desportivas, VERKHOSHANSKI, Y. Treinamento desportivo. Porto Alegre: Artmed, 1999.

20 VITTORI, C. (1996). The european school in sprint trainning - the experience in italy. New studdies in Athletics, 11(2-3), ZINTL, F. (1991). Entrenamiento de la resistencia.barcelona: Martinez Roca.

Paulo Jorge Paixão Miguel

Paulo Jorge Paixão Miguel Paulo Jorge Paixão Miguel Escola Superior de Desporto de Rio Maior (Portugal) ppaixmiguel@esdrm.pt Comunicação apresentada no: II Simpósio TREINO E AVALIAÇÃO DA FORÇA E POTÊNCIA MUSCULAR MAIA 14 a 16 de

Leia mais

Paulo Jorge Paixão Miguel. Juan José González Badillo. Março de 2003. Escola Superior de Desporto de Rio Maior (Portugal)

Paulo Jorge Paixão Miguel. Juan José González Badillo. Março de 2003. Escola Superior de Desporto de Rio Maior (Portugal) Paulo Jorge Paixão Miguel Escola Superior de Desporto de Rio Maior (Portugal) Juan José González Badillo Centro Olímpico de Estudios Superiores (España) Março de 2003 (Corrigido em Setembro de 2004) (Publicado

Leia mais

TREINAMENTO PLIOMÉTRICO PARA CORREDORES

TREINAMENTO PLIOMÉTRICO PARA CORREDORES Fernanda Érica Lopes da Silva Villarinhos TREINAMENTO PLIOMÉTRICO PARA CORREDORES Belo Horizonte Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG 2011 Fernanda Érica Lopes da Silva

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA PARA CORREDORES DE

TREINAMENTO DE FORÇA PARA CORREDORES DE R EVISTA T REINAMENTO DESPORTIVO 79 TREINAMENTO DE FORÇA PARA CORREDORES DE 5.000m E 10.000m UM ESTUDO DE CASO Cleber da Silva Guilherme Escola de Educação Física e Esporte da USP Fernanda de Aragão e

Leia mais

CURSO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO

CURSO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO 1 CURSO TREINAMENTO PLIOMÉTRICO João Coutinho - 2011 2 PARTE I RESUMO DE CONCEITOS E ESTUDOS * Este material é um resumo dos artigos publicados : Nelio Alfano Moura & Tania Fernandes de Paula Moura ; New

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PARA CORREDORES DE RUA ESPECIALISTAS EM PROVAS DE DEZ

Leia mais

Phillipe Augusto Reis Oliveira

Phillipe Augusto Reis Oliveira Phillipe Augusto Reis Oliveira Correlação entre performance no salto vertical em plataforma de contato e o sprint em 30m em jogadores pré-infantis de elite do futebol brasileiro. Belo Horizonte Universidade

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA NO JUDÔ. Sérgio Ricardo de Souza Oliveira, Guilherme Artioli, Hélio Serassuelo Júnior, Antonio Carlos Simões

TREINAMENTO DE FORÇA NO JUDÔ. Sérgio Ricardo de Souza Oliveira, Guilherme Artioli, Hélio Serassuelo Júnior, Antonio Carlos Simões TREINAMENTO DE FORÇA NO JUDÔ Sérgio Ricardo de Souza Oliveira, Guilherme Artioli, Hélio Serassuelo Júnior, Antonio Carlos Simões Nas competições atuais, o alto nível do judô é resultado do desenvolvimento

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008

ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO 25/08/2008 ORIGENS DA PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO FÍSICO Anos 30: PIHKALA (Finlândia) Variações no trabalho - recuperação: dias, semanas, meses e anos de treinamento; Diminuição progressiva do volume de treinamento,

Leia mais

O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO: UMA REVISÃO

O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO: UMA REVISÃO Revista da Universidade Ibirapuera - - Universidade Ibirapuera São Paulo, v. 4, p. 22-31, jul/dez 2012 O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO: UMA REVISÃO Andrea Maculano Esteves¹, Marco Túlio de Melo¹, Daniel Alves

Leia mais

RODOLFO ANDRÉ DELLAGRANA RELAÇÃO DE ÍNDICES FISIOLÓGICOS E NEUROMUSCULARES COM O DESEMPENHO DE CORRIDA EM ADOLESCENTES FUNDISTAS

RODOLFO ANDRÉ DELLAGRANA RELAÇÃO DE ÍNDICES FISIOLÓGICOS E NEUROMUSCULARES COM O DESEMPENHO DE CORRIDA EM ADOLESCENTES FUNDISTAS RODOLFO ANDRÉ DELLAGRANA RELAÇÃO DE ÍNDICES FISIOLÓGICOS E NEUROMUSCULARES COM O DESEMPENHO DE CORRIDA EM ADOLESCENTES FUNDISTAS CURITIBA 2011 RODOLFO ANDRÉ DELLAGRANA RELAÇÃO DE ÍNDICES FISIOLÓGICOS E

Leia mais

ASPECTOS METODOLÓGICOS A SEREM LEVADOS EM CONTA NO TREINAMENTO DA FORÇA EM NATAÇÃO *

ASPECTOS METODOLÓGICOS A SEREM LEVADOS EM CONTA NO TREINAMENTO DA FORÇA EM NATAÇÃO * ASPECTOS METODOLÓGICOS A SEREM LEVADOS EM CONTA NO TREINAMENTO DA FORÇA EM NATAÇÃO * Emerson Ramirez Farto* José María Cancela Carral** RESUMO Entre as capacidades condicionais da natação, a força ocupa

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO ENTO DE FORÇA SOBRE A MELHORIA DA CADENCIA DE CICLISTAS DE SPEED

EFEITOS DO TREINAMENTO ENTO DE FORÇA SOBRE A MELHORIA DA CADENCIA DE CICLISTAS DE SPEED Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte 2007, 6 (3): 199-206 EFEITOS DO TREINAMENTO ENTO DE FORÇA SOBRE A MELHORIA DA CADENCIA DE CICLISTAS DE SPEED Rômulo Sangiorgi Medina Balga Fabiana Oliveira

Leia mais

VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL

VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL Revista Conexões v. 4, n. 2, 2006 47 VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL Mndo. João Nunes Ms. Eduardo Fantato Dr. Paulo Cesar Montagner Faculdade de Educação Física/UNICAMP Resumo O treinamento

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS

TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS DESTREINADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMPARAÇÃO DOS EFEITOS DA PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E LINEAR NA APTIDÃO FÍSICA DE INDIVÍDUOS

Leia mais

Brazilian Journal of Sports and Exercise Research, 2010, 1(2): 84-88

Brazilian Journal of Sports and Exercise Research, 2010, 1(2): 84-88 TESTE DE CINCO MINUTOS (T5) PREDIZ A VELOCIDADE PICO DE CORRIDA EM ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS FIVE MINUTES TEST (T5) PREDICTS THE PEAK RUNNING VELOCITY IN UNIVERSITARY STUDENTS Hugo Alexandre de Paula Santana

Leia mais

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz.

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz. ARTIGO ORIGINAL MENSURAÇÃO DA POTÊNCIA MUSCULAR EM JUDOCAS JUVENIS ATRAVÉS DO TESTE DE STERKOWICZ André Maia dos Santos André Ricardo N. Nascimento Carolina Groszewicz Brito Kelly Cristina Serafim Pós

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP RESUMO: Abordar o assunto treinamento de força no futebol, requer muito estudo e um olhar

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL.

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. 1 ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. Bernardino Sogabe Priante Aluno concluinte do CEDF/UEPA bernardinosogabepriante@yahoo.com.br Carlos Dorneles Professor Mestre orientador

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

TREINAMENTO FÍSICO DE ENDURANCE E DE FORÇA MÁXIMA: ADAPTAÇÕES CARDIOVASCULARES E RELAÇÕES COM A PERFORMANCE ESPORTIVA*

TREINAMENTO FÍSICO DE ENDURANCE E DE FORÇA MÁXIMA: ADAPTAÇÕES CARDIOVASCULARES E RELAÇÕES COM A PERFORMANCE ESPORTIVA* TREINAMENTO FÍSICO DE ENDURANCE E DE FORÇA MÁXIMA: ADAPTAÇÕES CARDIOVASCULARES E RELAÇÕES COM A PERFORMANCE ESPORTIVA* ANDERSON CAETANO PAULO Bacharel em Esporte da Escola de Educação Física e Esporte

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS REPETIDOS (RAST)

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS REPETIDOS (RAST) UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL MATHEUS SIQUEIRA ANDRADE INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS

Leia mais

A VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO NO BASQUETEBOL

A VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO NO BASQUETEBOL A VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO NO BASQUETEBOL ALEXANDRE MOREIRA Mestrando em ciências do esporte na Universidade Estadual de Campinas Unicamp E-mail: mv-cpfi@uol.com.br MARCEL DE SOUZA Técnico de basquetebol

Leia mais

Comparação de diferentes índices obtidos em testes de campo. campo para predição da performance aeróbia de curta duração no ciclismo

Comparação de diferentes índices obtidos em testes de campo. campo para predição da performance aeróbia de curta duração no ciclismo Comparação de diferentes índices obtidos em testes de campo para predição da performance aeróbia de curta duração no ciclismo Comparison of different indices obtained in track tests for aerobic performance

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011.

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. 1 ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. INTRODUÇÃO RAFAEL DAMASCENO OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa Viçosa MG- Brasil

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR RESUMO Daiane Grando 1 2 O propósito

Leia mais

Treinamento Concorrente

Treinamento Concorrente Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educação Física Fisioterapia e Terapia Ocupacional Especialização em Treinamento de Força e Musculação Treinamento Concorrente Aluno: Marcelo Vidigal Coscarelli

Leia mais

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS.

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. Leandro Mateus Pagoto Spigolon 1, João Paulo Borin 1, Gerson dos Santos Leite 1, Carlos Roberto Pereira Padovani 2, Carlos

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

Treinamento concorrente

Treinamento concorrente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEPARTAMENTO DE ESPORTES MARCELO VIDIGAL COSCARELLI Treinamento concorrente Trabalho apresentado ao Curso de Especialização em Treinamento

Leia mais

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 259 ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Rogers Figueiredo Claro 1, Aguinaldo

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA PERIODIZAÇÃO EM ESPORTES COLETIVOS: UMA REVISÃO CRÍTICA.

CARACTERÍSTICAS DA PERIODIZAÇÃO EM ESPORTES COLETIVOS: UMA REVISÃO CRÍTICA. Revista Hórus, volume 5, número 3 (Jul-Set), 2011. 46 CARACTERÍSTICAS DA PERIODIZAÇÃO EM ESPORTES COLETIVOS: UMA REVISÃO CRÍTICA. Marília Carla Paschoalino 1, Guilherme Fleury Fina Speretta 2 RESUMO A

Leia mais

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO.

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. THE EFFECTS OF STRENGTH TRAINING ON THE POWER AND THE SPEED IN ATHLETES OF FUTSAL OF

Leia mais

RESPOSTAS DOS TREINAMENTOS AERÓBICO E DE FORÇA NO VO 2 máx

RESPOSTAS DOS TREINAMENTOS AERÓBICO E DE FORÇA NO VO 2 máx ARTIGO ORIGINAL (ORIGINAL INVESTIGATION) RESPOSTAS DOS TREINAMENTOS AERÓBICO E DE FORÇA NO VO 2 máx AEROBIC AND STRENGTH TRAINING RESPONSES IN THE VO 2 max Sandro Fernandes da Silva 1,2,3, Cíntia Campolina

Leia mais

(Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 22-29. Ed. CEFD)

(Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 22-29. Ed. CEFD) (Artigo publicado na Revista Treino Desportivo, nº16, Dez 01, 2229. Ed. CEFD) Paulo Paixão Miguel Docente da Mestrando em Alto Rendimento Desportivo ramo Treino (conclusão da parte curricular) Centro Olímpico

Leia mais

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D.

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. INTRODUÇÃO A proposta deste artigo é apresentar um plano de treinamento dos sistemas de energia nas provas de natação. As informações serão apresentadas

Leia mais

Relevância do conhecimento científico na prática do treinamento físico

Relevância do conhecimento científico na prática do treinamento físico Relevância do conhecimento científico na prática do treinamento físico Valdir José BARBANTI* Valmor TRICOLI* Carlos UGRINOWITSCH* * Escola de Educação Física e Esporte da USP Introdução O ser humano na

Leia mais

Planeamento do Treino Desportivo

Planeamento do Treino Desportivo Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana Planeamento do Treino Desportivo Periodização de um Macrociclo para o Desenvolvimento da Força - Basquetebol (A nível Sénior) Ricardo Robalo

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisiologia do Exercício Trabalho de Conclusão de Curso REVISÃO DE LITERATURA: PERIODIZAÇÃO ONDULATÓRIA E GANHO DE FORÇA MUSCULAR Autor: Murilo de

Leia mais

Efeitos de diferentes intervalos de recuperação no número de repetições máximas

Efeitos de diferentes intervalos de recuperação no número de repetições máximas Revista Mineira de Ciências da Saúde Patos de Minas: UNIPAM, (1): 32-41, ano 1, n. 1, 2009 Efeitos de diferentes intervalos de recuperação no número de repetições máximas Cristiano Lino Monteiro de Barros

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA EM NATAÇÃO - UM ESTUDO ACERCA DA ROTINA DE TREINADORES DO NORDESTE

TREINAMENTO DE FORÇA EM NATAÇÃO - UM ESTUDO ACERCA DA ROTINA DE TREINADORES DO NORDESTE Recebido em: 31/8/2010 Emitido parece em: 20/9/2010 Artigo original TREINAMENTO DE FORÇA EM NATAÇÃO - UM ESTUDO ACERCA DA ROTINA DE TREINADORES DO NORDESTE Orranette Pereira Padilhas 1, Pablo Rebouças

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior FICHA DE UNIDADE CURRICULAR

Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 1 11-10-2010 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Licenciatura em Condição Física e Saúde no Desporto Unidade Curricular: Fitness IV Módulos: Módulos: Cardiofitness (CF); Hidroginástica (HG); Indoor Cycling

Leia mais

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA Eletroestimulação Profa. Andreza Caramori de Moraes Profa. Narion Coelho Prof. Paulo Angelo Martins O que é??? A eletroestimulação é um mecanismo que simula a passagem do impulso nervoso, levando o músculo

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

Aplicação do teste de Legêr para avaliação da capacidade aeróbia em atletas sub14 da Associação Portuguesa de Desportos.

Aplicação do teste de Legêr para avaliação da capacidade aeróbia em atletas sub14 da Associação Portuguesa de Desportos. Aplicação do teste de Legêr para avaliação da capacidade aeróbia em atletas sub14 da Associação Portuguesa de Desportos. Autor: Fabio Abenanti Nunes Co-Autor: Tiago Aquino Orientador: Cláudio Pavanelli

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE NO DESPORTO FITNESS IV

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE NO DESPORTO FITNESS IV INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE NO DESPORTO FITNESS IV PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR 2009/2010 1 UNIDADE CURRICULAR Fitness

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

PERFIL DOS PROFISSIONAIS DAS ASSESSORIAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS.

PERFIL DOS PROFISSIONAIS DAS ASSESSORIAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS. UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE EDUCAÇÃO FÍSICA CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA VICTOR HUGO NASCIMENTO FONTANA PERFIL DOS PROFISSIONAIS DAS ASSESSORIAS E MÉTODOS

Leia mais

TREINAMENTO EM CIRCUITO INDIVIDUALIZADO: UMA FORMA FISIOLÓGICA DE TRABALHO COM ATLETAS DE ALTO RENDIMENTO

TREINAMENTO EM CIRCUITO INDIVIDUALIZADO: UMA FORMA FISIOLÓGICA DE TRABALHO COM ATLETAS DE ALTO RENDIMENTO REVISÃO V. 3(3) 85-92, 1998 TREINAMENTO EM CIRCUITO INDIVIDUALIZADO: UMA FORMA FISIOLÓGICA DE TRABALHO COM ATLETAS DE ALTO RENDIMENTO Prof. Dr. Estélio H. M. Dantas Professor Titular da Universidade Castelo

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

VELOCIDADE CRÍTICA: ESTIMATIVA DE TRÊS MODELOS DE ANÁLISE

VELOCIDADE CRÍTICA: ESTIMATIVA DE TRÊS MODELOS DE ANÁLISE VELOCIDADE CRÍTICA: ESTIMATIVA DE TRÊS MODELOS DE ANÁLISE Andrigo Zaar, Ms. Departamento de Ciências do Desporto, Exercício e Saúde (DCDES). Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Portugal.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA 3 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA BREVE NOTA SOBRE TREINAMENTO FUNCIONAL: VISÃO GERAL, OBJETIVO E METODOLOGIA. Goiânia/ 2012

Leia mais

NATAÇÃO: PLANEJAMENTO DO TREINO FORA DE ÁGUA NUM MACROCICLO *

NATAÇÃO: PLANEJAMENTO DO TREINO FORA DE ÁGUA NUM MACROCICLO * NATAÇÃO: PLANEJAMENTO DO TREINO FORA DE ÁGUA NUM MACROCICLO * Ricardo Jorge da Costa Antunes ricardoantunes@bragatel.pt (Portugal) http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Año 10 - N

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POTÊNCIA ANAERÓBIA ANTES E APÓS O PERÍODO COMPETITIVO EM ATLETAS PROFISSIONAIS DE FUTEBOL

AVALIAÇÃO DA POTÊNCIA ANAERÓBIA ANTES E APÓS O PERÍODO COMPETITIVO EM ATLETAS PROFISSIONAIS DE FUTEBOL AVALIAÇÃO DA POTÊNCIA ANAERÓBIA ANTES E APÓS O PERÍODO COMPETITIVO EM ATLETAS PROFISSIONAIS DE FUTEBOL Diogo Henrique Constantino Coledam Douglas dos Santos Júlio Wilson dos Santos Resumo O objetivo deste

Leia mais

O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO MELHORA O DESEMPENHO DA SAÍDA DE BLOCO DE NADADORES

O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO MELHORA O DESEMPENHO DA SAÍDA DE BLOCO DE NADADORES 1 O TREINAMENTO PLIOMÉTRICO MELHORA O DESEMPENHO DA SAÍDA DE BLOCO DE NADADORES THE PLYOMETRIC TRAINING INCREMENTS THE SWIMMING STARTING PERFORMANCE DANILO S. BOCALINI RÉGIS M. P. ANDRADE PATRICIA T. UEZU

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO

MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO MÉTODOS DE TREINAMENTO FÍSICO A escolha do método de TF depende da qualidade física que vai ser trabalhada e da periodização do treinamento. Na fase básica, quando a ênfase é no volume, utiliza-se os métodos

Leia mais

Programas de Treinamento de Força para Escolares sem uso de Equipamentos

Programas de Treinamento de Força para Escolares sem uso de Equipamentos CIÊNCIA E CONHECIMENTO REVISTA ELETRÔNICA DA ULBRA SÃO JERÔNIMO VOL. 03, 2008, EDUCAÇÃO FÍSICA, A.1 1 Programas de Treinamento de Força para Escolares sem uso de Equipamentos Fernando Braga Rafael Abeche

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO A velocidade é um dos componentes mais importantes do desempenho esportivo. No entanto, ela não deve ser vista como uma capacidade isolada. A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE DESPORTOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA JULIANO DAL PUPO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE DESPORTOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA JULIANO DAL PUPO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE DESPORTOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA JULIANO DAL PUPO ÍNDICES FISIOLÓGICOS E NEUROMUSCULARES RELACIONADOS À PERFORMANCE DE VELOCISTAS

Leia mais

ALTERAÇÕES DA RESISTÊNCIA AERÓBIA EM JOVENS FUTEBOLISTAS EM UM PERÍODO DE 15 SEMANAS DE TREINAMENTO

ALTERAÇÕES DA RESISTÊNCIA AERÓBIA EM JOVENS FUTEBOLISTAS EM UM PERÍODO DE 15 SEMANAS DE TREINAMENTO ALTERAÇÕES DA RESISTÊNCIA AERÓBIA EM JOVENS FUTEBOLISTAS EM UM PERÍODO DE 15 SEMANAS DE TREINAMENTO CHANGES IN AEROBIC ENDURANCE OF YOUNG FOOTBALL PLAYERS IN A FIFTEEN-WEEK PERIOD TRAINING Juvenilson de

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO *

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * Heahter Sumulong. Você está procurando alcançar uma margem competitiva sobre seus oponentes? O desenvolvimento de uma musculatura central forte junto com um treinamento

Leia mais

Comportamento da freqüência cardíaca em duas funções específicas no jogo de vole...

Comportamento da freqüência cardíaca em duas funções específicas no jogo de vole... Página 1 de 5 Comportamento da freqüência cardíaca em duas funções específicas no jogo de voleibol Comportamiento de la frecuencia cardiaca en dos funciones específicas en el juego del voleibol *Docente

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos Classificação dos s de treino da Força Classificação dos s de Treino da Força Diversidade Terminológica Classificações com base na carga, modalidade desportiva, etc. T. Força = hipertrofia muscular Classificação

Leia mais

OS EFEITOS DO TREINAMENTO INTERVALADO E DO TREINAMENTO CONTÍNUO NA REDUÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM MULHERES ADULTAS

OS EFEITOS DO TREINAMENTO INTERVALADO E DO TREINAMENTO CONTÍNUO NA REDUÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM MULHERES ADULTAS 3 Artigo Original Pós graduação Lato-Senso em Fisiologia e Avaliação Morfofuncional - Universidade Gama Filho OS EFEITOS DO TREINAMENTO INTERVALADO E DO TREINAMENTO CONTÍNUO NA REDUÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL

Leia mais

Sistemática do Desporto I - Natação

Sistemática do Desporto I - Natação INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR LICENCIATURA EM TREINO DESPORTIVO PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Sistemática do Desporto I - Natação REGENTE: Equiparada a Profª.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Disciplina: EDUCAÇÃO

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1 Revista Hórus, volume 6, número 1 (Jan-Mar), 2012. 48 EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia

Leia mais

Musculação, treinamento funcional, crossfit e pilates: como escolher o seu exercício ideal?

Musculação, treinamento funcional, crossfit e pilates: como escolher o seu exercício ideal? Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Nader Alves dos Santos Ano Letivo - 2015 4º BIMESTRE Colégio da Polícia Militar de Goiás -NAS Aluno (a): Nº Faça o que se pede. MODALIDADES EM ALTA CONTEÚDO SIMULADO

Leia mais

TREINAMENTO DE POTÊNCIA MUSCULAR PARA MEMBROS INFERIORES: NÚMERO IDEAL DE REPETIÇÕES EM FUNÇÃO DA INTENSIDADE E DENSIDADE DA CARGA

TREINAMENTO DE POTÊNCIA MUSCULAR PARA MEMBROS INFERIORES: NÚMERO IDEAL DE REPETIÇÕES EM FUNÇÃO DA INTENSIDADE E DENSIDADE DA CARGA DOI: 10.4025/reveducfis.v21i2.6892 TREINAMENTO DE POTÊNCIA MUSCULAR PARA MEMBROS INFERIORES: NÚMERO IDEAL DE REPETIÇÕES EM FUNÇÃO DA INTENSIDADE E DENSIDADE DA CARGA LOWER LIMBS POWER TRAINING: IDEAL NUMBER

Leia mais

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1

A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 A SENSIBILIDADE: UM FATOR DETERMINANTE NO DESENVOLVIMENTO DA NATAÇÃO 1 Emerson Ramírez Farto * (Brasil) emersonframirez@terra. José María Cancela Carral ** (Espanha) chemacc@uvigo. http://www.efdeportes.com/

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação A DINÂMICA DA VELOCIDADE CÍCLICA DE JOVENS ATLETAS SUBMETIDOS AO TREINAMENTO PERIODIZADO

8º Congresso de Pós-Graduação A DINÂMICA DA VELOCIDADE CÍCLICA DE JOVENS ATLETAS SUBMETIDOS AO TREINAMENTO PERIODIZADO 8º Congresso de Pós-Graduação A DINÂMICA DA VELOCIDADE CÍCLICA DE JOVENS ATLETAS SUBMETIDOS AO TREINAMENTO PERIODIZADO Autor(es) MARIO LUIS DE ALMEIDA LEME Orientador(es) ÍDICO LUIZ PELLEGRINOTTI 1. Introdução

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO EM RUGBY EM CADEIRA DE RODAS EM ATLETAS DE ELITE COM LESÃO DA MEDULA ESPINHAL

EFEITOS DO TREINAMENTO EM RUGBY EM CADEIRA DE RODAS EM ATLETAS DE ELITE COM LESÃO DA MEDULA ESPINHAL EFEITOS DO TREINAMENTO EM RUGBY EM CADEIRA DE RODAS EM ATLETAS DE ELITE COM LESÃO DA MEDULA ESPINHAL Luis Felipe Castelli Correia de Campos -2-6 Luiz Gustavo Teixeira Fabrício dos Santos 2-6 Lucinar Jupir

Leia mais

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

PROPOSTA DE REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Capoeira Modalidade/Disciplina: Capoeira Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau II Componente Prática: 10 horas Componente Teórica: 38 horas Total de

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

Revista Andaluza de Medicina del Deporte ISSN: 1888-7546 ramd.ccd@juntadeandalucia.es Centro Andaluz de Medicina del Deporte España

Revista Andaluza de Medicina del Deporte ISSN: 1888-7546 ramd.ccd@juntadeandalucia.es Centro Andaluz de Medicina del Deporte España Revista Andaluza de Medicina del Deporte ISSN: 1888-7546 ramd.ccd@juntadeandalucia.es Centro Andaluz de Medicina del Deporte España Costa, V. P.; de Lucas, R. D.; Souza, K. M.; Guglielmo, L. G. A. Efeitos

Leia mais

A preparação física no atletismo nas provas de corridas

A preparação física no atletismo nas provas de corridas A preparação física no atletismo nas provas de corridas de meio fundo e de fundo na cidade de Curitiba, Paraná La preparación física del atletismo en las pruebas de carreras de medio fondo y de fondo en

Leia mais

Metodologia do Treinamento Físico

Metodologia do Treinamento Físico Metodologia do Treinamento Físico FLEXIBILIDADE DEFINIÇÃO: É definida como a capacidade física expressa pela maior amplitude possível do movimento voluntário de uma articulação, ou combinações de articulações

Leia mais

Comparação do desempenho em saltos verticais entre jogadores de futebol de diferentes posições da categoria infantil

Comparação do desempenho em saltos verticais entre jogadores de futebol de diferentes posições da categoria infantil ISSN: 1983-7194 Comparação do desempenho em saltos verticais entre jogadores de futebol de diferentes posições da categoria infantil Performance comparison in vertical jumps between soccer players different

Leia mais