O INSTRUTOR NUMA ESCOLA DE SURF A FORMAÇÃO NO NÍVEL DE INGRESSO NA CARREIRA DE TREINADOR DE SURF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O INSTRUTOR NUMA ESCOLA DE SURF A FORMAÇÃO NO NÍVEL DE INGRESSO NA CARREIRA DE TREINADOR DE SURF"

Transcrição

1 O INSTRUTOR NUMA ESCOLA DE SURF A FORMAÇÃO NO NÍVEL DE INGRESSO NA CARREIRA DE TREINADOR DE SURF João Brogueira, Julho 2006

2 :: O perfil do instrutor de surf em Portugal O perfil do instrutor de surf em Portugal (actualmente denominado treinador nível 0 e 1 ) está condicionado pelas políticas federativas nacionais e pelo hiato legal relativo ao ensino das modalidades de ar livre. A área de intervenção e as funções permitidas não são concordantes com os objectivos do curso de formação actual e respectivas competências formadas: : autonomia de exercer a prática de ensino do surf; : ser responsável técnico-pedagógico por uma Escola de surf, : treinar e orientar em competição nacional, : e ser responsável por um Centro de treino de surf. São apresentadas pistas para um programa de formação eficaz 2

3 1 :: Introdução O sport of surfing é culturalmente uma actividade de iniciação auto-didacta, individual, de tentativa e erro, a somewhat dangerous approach and sometimes fatal. 3

4 :: Iniciantes > necessidades específicas < Instrutores :: Os problemas encontrados pelo iniciante são: : desenvolvimento de técnicas deficientes, podendo levar a lesões ou padrões motores incorrectos. : desenvolvimento de atitudes de desrespeito para com os outros, pelo comportamento negligente, perigoso por ignorância de conhecimentos teóricopráticos: > sobre as condições naturais de prática ( surf-safety ), > das regras de segurança para com banhistas ( safety laws ), > das normas de organização entre praticantes na zona de surf ( surf etiquette ) (Atkins & Collins, 1990, p.3)(warshaw, 2005, p.xvi e 590)(Wilson, 1994, p.1, p.38) 4

5 :: Surf Pedagogia? O surf apresenta-se como um desporto com elevado potencial de expansão, mas onde não se tem reflectido muito ao nível da Pedagogia do Desporto, nomeadamente o seu tratamento com rigor científico e sistemático (Silva, 2000, p.3) 5

6 2:: Descrição dos problemas na formação de treinadores de surf 1: Iniciação auto-didacta 2: Desvalorização do papel do Treinador no treino nesta modalidade : Surfing only _ Surfing is one of the few sports where even professional-level riders choose not to train : ( surfing instructor desde 1910) 6

7 Problemas 3: Hiato na lei : Responsável técnico: Licenc E.F./ Desporto (?) : Impunidade na praia ( zona fora-da-lei ) 4: Efeito das políticas sobre o papel do monitor 5: Que necessidades de formação, na percepção dos monitores? : Disparidade nas formações, a mesma certificação 6: Formação insuficiente/ineficaz é geral na actividade profissional de treinador 7

8 "I know that most men, including those at ease with problems of the greatest complexity, can seldom accept even the simplest and most obvious truth if it be such as would oblige them to admit the falsity of conclusions which they have delighted in explaining to collegues, which they have proudly taught to others, and which they have woven, thread by thread, into the fabric of their lives." Leo Tolstoy 8

9 3:: QUEBRAR O CÍRCULO DO FRACASSO Para um programa de formação eficaz, provou-se que é necessário atender: às vivências desportivas dos formandos anteriores à formação, e também ao seu nível de partida quanto às competências desejadas. aos cuidados de definição clara do papel do formando (monitor, neste caso), de delimitação de funções, de definição de competências, de hierarquia dos módulos de formação, às próprias condições de acesso e avaliações iniciais, das avaliações em exercício, de acompanhamento e da prática pedagógica, não-dissociada das restantes matérias (Bart Crum, 1993) (Carreiro da Costa et al., 1996) (Olímpio Bento et al., 1999) 9

10 Problemas Crenças e valores dos formandos Estes aspectos culturais não poderá ser ignorado num plano de formação de treinadores, dado que os programas com maior impacte e eficácia educativa apresentam, entre outras características, uma grande atenção às crenças, valores e concepções que os estudantes perfilham (F. Carreiro da Costa et al., 1996, p.31) os alunos procuram sinais que justifiquem as suas práticas, suas "crenças, os valores e as atitudes", "o que frequentemente conseguem". Resultado: "Ineficácia em mudar as crenças, os valores e as atitudes que os estudantes trazem para os cursos de formação inicial 10

11 Problemas Concepções de ensino Quanto à mudança conceptual dos formandos, os formadores deverão saber quais são as concepções de ensino dos seus formandos para os ajudar a encontrar novas concepções de ensino inteligíveis, plausíveis e frutíferas e, se necessário, tomarem medidas para criar insatisfação com as concepções presentes dos seus formandos que conflituam com as perspectivas de formação (Bento et al., 1999, p.211) 11

12 Problemas A formação não pode reduzir-se a uma formação teórica à qual habitualmente se acrescenta um momento de prática pedagógica (Carreiro da Costa et al., 1996, p.12) 12

13 4:: Uma formação para o nível de ingresso na carreira de treinador de surf: o INSTRUTOR obrigações legais estrutura europeia de formação de treinadores análise dos currículos já existentes de várias federações (Australiana, Europeia, Francesa, Portuguesa) sistematização do sport of surfing 13

14 Perfil do instrutor de surf condições de ingresso (?) Estes monitores têm como condição de ingresso: : o 9º ano de escolaridade : provas de condição física (para natação de salvamento); : não é avaliada a prestação técnica : não é avaliado o conhecimento das condições naturais de prática; 14

15 Perfil do instrutor de surf duração da formação técnica (?) Formação técnico-pedagógica => cultura técnica partilhada Formações técnicas, de curta duração: não mudam as crenças 60h actual 300h: 85/368 CEE, Formação de Treinadores na Europa Comunitária 15

16 Cursos de Treinadores da Federação Portuguesa de Surf Nível 1 Matérias Total Anatomofisiologia Arbitragem Bases de treino Surf Bodyboard Técnicas de salvamento Perfil do Treinador Desenvolvimento do Jovem Praticante Higiene e 1º Socorros História e regulamentação Processo Ensino Aprendizagem Prática Pedagógica 60h Organização da actividade do treinador Curso de Treinadores da Federação Portuguesa de Surf Nível 2 Matéria Horas Total 72/ Anatomofisiologia 4 Metodologia do Treino 12 Organização Desportiva 2 Técnica de Surf 8 Técnica de Bodyboard 8 Técnicas de Salvamento 8 Técnica de Longboard 4 Pedagogia 4 História e Regulamentação3 Biomecânica 4 Nutrição e desporto 4 Psicologia no Desporto 4 JoãoBrogueira Prática 2006Pedagógica 8 Traumatologia 1 16

17 85/368 CEE, Formação de Treinadores na Europa Comunitária Conhecimento teóricos Capacidade prática Instrutor Nível I: Iniciação profissio nal Condições de acesso: escolaridade obrigatória; experiência prática na disciplina desportiva Corresponde à escolaridade obrigatória Não corresponde a uma qualificação completa A quantidade de conhecimentos teóricos é muito limitada A sua aquisição pode ser bastante rápida a quantidade de capacidades práticas é muito limitada execução de um trabalho relativamente simples (sem autonomia) Responsabilidade: orientação da prática desportiva infantil e juvenil Exercido por voluntários das associações desportivas (?) Domínios de actividade: - executar e avaliar o treino - tomar as medidas necessárias para Instrutor garantir em Escola a segurança de Surf e a saúde dos praticantes 17

18 Monitor Nível II: Formação profissio nal Agente desporti vo auxiliar Condições de acesso: 12º ano de escolaridade; experiência prática na disciplina desportiva; certificado do nível I; 1 ano de experiência como Instrutor, validado pelo Clube Qualificação completa para o exercício de uma actividade bem determinada, com a capacidade de utilizar os instrumentos e as técnicas que lhe reportam uma etapa no processo de formação do treinador Responsabilidade: orientação da prática desportiva infantil e juvenil. O primeiro e fundamental iniciador da formação da criança em todas as facetas básicas do processo educativo e da transmissão do saber humano (T. Lima, 1988, p.1) - saber ensinar as técnicas, as tácticas, as regras,... - saber praticar uma pedagogia desportiva concreta Exercido por voluntários das associações desportivas (?) Domínios de actividade: - executar e avaliar o treino - participar na identificação de talentos - aconselhar os desportistas durante a competição (simplificada) - tomar as medidas necessárias para garantir a segurança e a saúde dos praticantes - acompanhar a evolução dos conhecimentos trabalho de execução, que pode ser autónomo, dentro do limite das técnicas que lhe são inerentes (ensinar, dirigir e orientar as actividades concretas, destinadas aos escalões mais jovens, 8-14 anos) 18

19 Treinador Condições de acesso: certificado do nível II; 1 ano de experiência como Monitor, validado pelo Clube 300h Nível III: Formação técnica comple mentar Conhecimentos teóricos mais avançados que no nível II Responsabilidade: Competência: treino de um ou vários praticantes e coordenação de uma equipa de vários treinadores auxiliares (níveis I e II) Domínios de actividade: - planificar, executar e avaliar o treino - participar na identificação de talentos - aconselhar os desportistas durante a competição - tomar as medidas necessárias para garantir a segurança e a saúde dos praticantes - acompanhar a evolução dos conhecimentos 19

20 5:: Perfil de Formação O desporto institucionalizado hoje ostenta as máculas de um paradoxo, ao afastar-se da cultura, da formação, da educação, do humanismo (Olímpio Bento, 2001)

21 5:: #1: Área de intervenção profissional do instrutor de surf Definir este espaço é esclarecer o desempenho profissional que se tem em expectativa desenvolver. É a resposta a esta questão que permitirá esclarecer as finalidades e os alvos do curso de formação e, fundamentalmente, ajuizar da justeza dos conteúdos e estratégias de formação (Carreiro da Costa, 2006). PERFIL PROFISSIONAL: Conceito definido como a descrição das actividades, competências, atitudes e comportamentos necessários para o exercício das profissões ou ocupações na área do desporto (DL nº407/99 de 15 Out, art. 4º) Definição de perfil profissional do CEDEFOP (centro europeu para o desenvolvimento da formação profissional - Berlim): é a descrição do conjunto das actividades e das tarefas profissionais, bem como das competências para as desenvolver (85/368 CEE). 21

22 #1.1: Área de intervenção social e profissional O Instrutor de Surf é um agente desportivo auxiliar, inexperiente, que faz o seu ingresso na carreira de Treinador nas Escolas dos Clubes de Surf. Tem a responsabilidade de auxiliar o monitor no ensino do surf em classes na fase mais básica de iniciação. Intervém ao nível da Escola de Surf (Ensino), da comunidade (Segurança no Mar), do Clube de Surf (organização do desporto e de competições locais simplificadas). Não corresponde a uma qualificação completa: a quantidade de conhecimentos teóricos é muito limitada, a quantidade de capacidades práticas é muito limitada (85/368 CEE). The job of the level 0 coach will be to assist the level 1 coach in surfschool class ( ) a level 0 coach should never instruct unless a qualified level 1 coach is present and supervising (Watkins e Collins, 1990, p.3) 22

23 5:: #2: Funções e tarefas nas áreas do perfil profissional Monitor é um agente desportivo auxiliar com funções de dirigir, orientar e ensinar as actividades concretas de uma determinada modalidade desportiva ( ) destinadas aos escalões mais jovens (T. Lima, 1988, p.3). A formação do Instrutor prepara académica e profissionalmente para o desempenho das seguintes funções: : O primeiro objectivo do ensino em EF escolar é promover a aprendizagem. Assim, a formação de professores qualificados, altamente motivados para buscarem permanentemente a excelência na sua prática profissional, e que creiam que a sua principal função é promover a aprendizagem e ensinar os alunos a como aprender, deverá ser um dos propósitos da formação inicial (Carreiro da Costa, 1996, p.25) 23

24 FUNÇÕES Funções de desenvolvimento do processo de treino desportivo: A. Instrutor de surf no nível de prática de iniciação; B. Orientação de programas simplificados de condição física no âmbito do treino desportivo; Funções de garantia de segurança no mar C. Prevenção de acidentes no mar; Funções de animação desportiva D. Promoção e organização de competições desportivas adaptadas; Participação na formação de treinadores E. Gestão da Formação da Comunidade Educativa e da Autoformação Permanente 24

25 TAREFAS Instructors work almost exclusively on proficiency and board handling skills (Wilson, 1994, p.43).planeamento curricular;.intervenção e interacção pedagógica; Contribuir para a aprendizagem tecnomotora, sociomotora, cognitiva e reflexiva, afectiva dos alunos, proporcionando oportunidades para a alegria lúdica e para o esforço e a excitação desportivos (B. Crum, 1993, p ).avaliação da aprendizagem e do ensino; Promover, ajudar, orientar e responsabilizar-se pela aprendizagem dos seus alunos (Carreiro da Costa, 1996, p.32).estabelecer parâmetros e critérios de avaliação da prestação motora, aptidão física e da sua evolução.tomar as medidas necessárias para garantir a segurança e a saúde dos praticantes.concepção, implementação e avaliação de processos de animação sócio-educativa.desenvolvimento pessoal e profissional ao longo da vida. 25

26 5:: #3: Competências profissionais Estabelecer os alvos do curso: Competências Profissionais Conjunto dos conhecimentos: saber fazer, saber estar, e também o domínio das destrezas do ofício necessárias para o exercício da profissão; isto é: o conhecimento, as habilidades e as atitudes necessárias para garantir o trabalho e o papel do professor. Competências essenciais basic knowledge of aspects of the sport and how to teach it (...) correctly and safely (Wilson, 1994) O Instrutor possui uma formação inicial incidindo sobre competências básicas (A. Rosado, 2000, p.23) para a execução de um trabalho relativamente simples (85/368 CEE). Possui níveis mínimos de competências essenciais, certificados objectivamente. Não possui formação inicial suficiente para desenvolver todas as competências exigidas para o ensino do surf nos escalões de formação, nem de procurar o seu desenvolvimento máximo (A. Rosado, 2000, p.23). 26

27 #3: Competências profissionais Competências profissionais(contributo para a realização das funções e tarefas profissionais indicadas de A a E) ( 1) ABCD Conhecimento científico e pedagógico elementar, é capaz de responder às seguintes perguntas o que ensinar?, como ensinar?, e como gerir a progressão das aprendizagens?. (2) ABCD Reportório básico de habilidades técnicas de ensino (3) ABCDE Sabe utilizar as novas tecnologias (4) ABCDE Trabalha em equipa (5) ABCDE Competências profissionais características (6) D Participa na Gestão da Escola (6) E Analisa continuamente o seu ensino e o resultado do seu trabalho e promove as alterações necessárias (7) ABCDE Actua de acordo com princípios éticos e morais Necessidade da formação contínua A qualidade da formação deverá ser garantida pela formação contínua. 27

28 6:: VALIDAÇÃO Para justificar a validade deste processo de formação, face aos problemas específicos desta modalidade jovem, não olímpica, em que a investigação científica e a sistematização é rara e experimental: Foi analisado o percurso histórico do instrutor na cultura do surf, bem como dos meios de treino nesta modalidade, que tem uma tradição de surfing only (Warshaw, 2005, p.201; Taj Burrow, 2003; Paul Frediani, 2001); foram analisadas as percepções dos melhores praticantes portugueses sobre o assunto. Necessidade de estudo J. Simão e A. Rosado (1999, referido por Rosado, 2000, p.44) referem a necessidade de um estudo empírico em que procuraram estudar os factores essenciais da representação da profissão pelos treinadores para validação do perfil de competências e proceder a uma apreciação do valor relativo, da hierarquia ou importância atribuída a cada competência, em função da percepção pelos treinadores da sua importância profissional. Horas Segundo Jorge Vieira, da FPA, A qualidade não se mede pelo número de horas ministradas nos cursos. É, isso sim, fundamental uma adequação entre a teoria e a prática (Jornal Record, 1998, Dossier). Os programas com maior impacte e eficácia educativa apresentam como uma das características um ênfase particular aos conhecimentos e procedimentos práticos Homologação PERFIL DE FORMAÇÃO Conceito definido como o conjunto de elementos definidores da formação adequada a determinado perfil profissional, compreendendo os objectivos, a organização, a duração, os conteúdos e as competências a obter no final da formação na área do desporto (DL nº407/99 de 15 Out, art. 4º) Homologação dos cursos de formação (DL 407/99 de 15 Out, Art 15º): O CEFD, enquanto entidade certificadora, avalia os seguintes requisitos: Objectivos da formação; duração total; conteúdos programáticos; metodologias de formação; instalações e equipamentos; curricula dos formadores, quer a nível técnico quer a nível pedagógico; recursos pedagógicodidácticos; sistema de avaliação dos formandos; critérios de selecção dos formandos. 28

29 7:: CONCLUSÃO Para que este trabalho possa ser aplicado, para além da validação, necessita de: vontade política IDP cumprimento da Lei Bases Desporto: Escolas de surf necessitam de um responsável técnico licenciado em EF e Desporto cumprimento da lei quanto às horas formação e certificação treinadores mudança política federação quanto à autonomia dos instrutores, que impunemente exercem funções para as quais não têm competências reformulação completa da carreira de treinador, com reciclagem/prestação provas aptidão obrigatória formação contínua obrigatória controlo e fiscalização pelas autoridades_ polícia marítima Estabelecer padrões de qualidade profissional: à semelhança do que se faz na Austrália e em França, com o certificado de que a Escola tem monitores certificados e cumpre os padrões definidos Interesse das associações de consumidores (DECO) O Curso de Treinadores - Nível I ter uma carga horária de 100 horas, cujos conteúdos se distribuem segundo novo programa. 29

30 8:: BIBLIOGRAFIA (a consultar em pdf) Texto disponível em

31 ::Bibliog Formação de professores/ treinadores Á. Aranha, F. Carreiro da Costa, J. Raposo, J. Aranha, 2000, Conhecer a aprendizagem para melhorar o ensino, 8º Congresso de EF e CDesp dos Países de LP, p.153 Bart Crum, 1993, A crise da identidade da EF, Boletim SPEF, p.136 Carreiro da Costa, 1972, Dissertação de final de curso Carreiro da Costa, 1986, No clube também se aprende, Revista Horizonte, p.94 Carreiro da Costa et al., 1996, Formação de professores em Educação Física, p.17 Carreiro da Costa, 2006, Comunicação_ VI Mestrado Gestão da Formação Desportiva, FMH Carreiro da Costa, 2006, Apresentações_ O Processo de Bolonha e a revalorização da Formação Inicial em Educação Física_ VI Mestrado Gestão da Formação Desportiva, FMH CEFD, 2000, Inquérito aos treinadores portugueses G. Tobio, F. Carreiro da Costa, M. Valeiro, 2000, A formação de técnicos desportivos: o conhecimento didáctico do conteúdo no ensino de uma técnica desportiva do Andebol. A perspectiva dos treinadores, 8º Congresso de EF e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa, p.295 José Rodrigues, 2000, A Investigação da Competência pedagógica dos treinadores J. Olímpio Bento et al., 1999, Contextos da Pedagogia do Desporto Jornal Record, Dossier: Formação de treinadores, 24 Março 1998 Richard Magill, 1984, Aprendizagem Motora: conceitos e aplicações, p Teotónio Lima, 1988, O Papel do Monitor Desportivo, p.2 Teotónio Lima, 1989, O Perfil do Monitor_ in Manual do Monitor da DGD, p.2 31

32 ::Bibliog Formação específica de treinadores de surf Alan Watkins e Chris Collins, 1990, Australian Surfriders Association Coaches Manual Brian Lowdon ed.,1982, Competitive surfing: a dedicated approach, Mouvement Publications (Aust), p Colin Wilson, 1994, European Surfing Federation, Surfing Instructors Manual Level 1 Drew Kampion & Bruce Brown, 1998, Stoked: uma história da cultura do surf F. Moreira, 1999, Programa de Pedagogia do Desporto, Curso de P.E.B. Variante de EF, ESE Viana Castelo J. Varela, C. López, 2000, Iniciación ás práticas de esvaramento. Proposta dunha unidade didáctica sobre o bodyboard, 8º Congresso de EF e Ciênc Desp dos Países de LP, p.153 J. Swarbrooke et al, 2003, Turismo de Aventura: conceitos e estudos de casos, Ed. Campus, Brasil, p Manuel Rui Silva, 2000, Contributo para uma sistematização das habilidades básicas do surf_tese Mestrado Marco Correia, 2004, Concepções didácticas e metodológicas do ensino do surf - Tese de Mestrado, FMH Matt Warshaw, 2005, Encyclopedia of Surfing Paul Frediani, 2001, Surf flex Revista Surf Session, Fédération Française de Surf, Pour choisir une école de surf, 1998 R. Bravo & M. Pedreira, Revista Surf Portugal nº138, Jul 2004, O surf vai à escola, p.52-60) Taj Burrow, 2003, Book of hot surfing 32

33 ::Bibliog Textos do autor Investigação Educacional, E.S.E. de Setúbal, Junho 1994, Perfil e Motivação para a Prática Desportiva dos Jovens Praticantes de Bodyboard do Ericeira Surf Clube Março/Abril 1998, Horizonte - Revista de Educação Física e Desporto, Dossier central: Componentes Críticas das Habilidades Básicas do Surf e Bodyboard, pág I a VIII, Vol. XIV, nº 82 Jan/Fev 2002, Revista Desporto do CEFD, Breve história sobre Surf, pág 26-27, Vol. V, nº 1 Fevereiro 1996/ Junho 1996/ Maio 2003, Textos de Apoio à Acção Formação para Prof. de E.F. Ensino do Surf e Bodyboard na Escola, Técnica do Surf, Técnica do Bodyboard, Pedagogia e Didáctica do Surf, Metodologia do ensino do Surf, Metodologia do ensino do Bodyboard Fev. 1998/ Out 2000, Revista Surf Magazine, destacáveis centrais das ed. 45 a 57, 4 pág, exemplares: nº 45, ano 11, Maio/ Junho 1998: 1_ Take-off: Arranque na onda, 3 dicas fundamentais - os primeiros passos para começares a surfar nº 46, ano 11, Agosto/ Setembro 1998: 2_ Viragens: Noções de Biomecânica das Manobras actuais do Surf - o surf rail-to-rail nº 47, ano 11, Outubro/ Novembro de 1998: 3_ Trimming e Backside Trim nº 57, ano 13, Setembro/ Outubro 2000: 12_ Linhas de onda: Classificação das manobras 33

34 ::Bibliog Legislação e orientações 85/368 CEE, RPCD Rede Portuguesa de Ciências do Desporto, 1992_ Formação de Treinadores na Europa Comunitária: Estrutura Europeia dos cinco níveis de formação profissional, RECD LBSD, Lei de Bases do Sistema Desportivo, Lei n.º 1/90 de 13 de Janeiro Lei 1-90.pdf Rectificada nos termos da Rectificação publicada no DR, Iª s, n.º 64, de 17 de Março de 1990 Alterada pela Lei n.º 19/96, de 25 de Junho Revogada pela Lei n.º 30/2004, de 21 de Julho (Lei de Bases do Desporto) DL nº 350/91, de 19 Set (revogado pelo DL nº407/99 de 15 Out) DL nº407/99 de 15 Out, regime jurídico da formação desportiva no quadro da formação profissional inserida no mercado de emprego e regime de certificação profissional O Conselho da Europa e o Desporto para Todos, 1990, p.53 Congresso do Desporto (2006), Documento final, Estoril, 18 de Fevereiro de 2006, ficheiros_documentofinal.pdf 34

35 ::Bibliog Internet : : treinador+horas (páginas de Portugal, das várias Federações desportivas) : FPS_ "Regulamento de Funcionamento das Escolas e Centros de Treino de Surf" =6 : Capitania do Porto, Delegações Marítimas_ autorizações para a realização de eventos : IPJ_ Campos de Férias (Licenciamento e Alvarás) ccampoferias/licenciamento+de+campos+de+férias.htm 35

Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado:

Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado: Departamento de Educação Física F e Desporto SEMINÁRIO Educação Física e Desporto O Processo Bolonha, Estágios e Saídas Profissionais 26 de Junho de 2007 Os Cursos de Licenciatura e de Mestrado: Jorge

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

Curso Treinadores de Surfing Grau 1

Curso Treinadores de Surfing Grau 1 Curso Treinadores de Surfing Grau 1 I Âmbito No âmbito do Programa Nacional de Formação de Treinadores (PNFT), de acordo com o estipulado na Lei 40/2012 de 28 de Agosto, a Federação Portuguesa de Surf

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF. Fundação - 14 de Março de 1989

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF. Fundação - 14 de Março de 1989 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE SURF Fundação - 14 de Março de 1989 Ficha Atualização 31.08.2015 SEDE Cascais Surf Centre Praia de Carcavelos 2775-604 CASCAIS CONTATOS Telefone: (+351) 21 922 89 14 / 964 117 723

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Treinadores. Patinagem Artística Grau I

Regulamento dos Cursos de Treinadores. Patinagem Artística Grau I Regulamento dos Cursos de Treinadores Patinagem Artística Grau I 1. Organização A responsabilidade dos Cursos de Treinadores é da Federação de Patinagem de Portugal (FPP), através da Direcção Técnica Nacional

Leia mais

Impactos na qualidade formativa

Impactos na qualidade formativa Impactos na qualidade formativa Da acreditação à certificação (principais alterações) Simplificação do regime Certificação sem prazo de validade Acompanhamento regular das entidades Pedidos de certificação

Leia mais

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 1 O Voluntariado é uma resposta necessária à realidade das nossas sociedades e um reconhecido veículo de desenvolvimento

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo Apresentação O Coaching Desportivo perfila-se, cada vez mais, como uma actividade complementar ao desenvolvimento de competências pessoais

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL 2009

EDIÇÃO ESPECIAL 2009 EDIÇÃO ESPECIAL 2009 LIFE COACHING Curso Profissional de Formação de Coach Certificação Internacional em Coaching MORE E ECA (Para Reconhecimento pela ICI contactar-nos.) Entidade: MORE Institut, Ltd Actualmente

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 17-03 - 2012

Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 17-03 - 2012 Federação Nacional de Karaté Programa de Formação 2012-2015 Documentação Produzida http://prodesporto.idesporto.pt/ Etapas do Processo Referenciais de Formação Geral Referenciais de Formação Específica

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

Lingua Espanhola - Relações Laborais - Iniciação (Ufcd 5446) Novas Oportunidades para Desempregados

Lingua Espanhola - Relações Laborais - Iniciação (Ufcd 5446) Novas Oportunidades para Desempregados tel. 213 610 650 sede.lisboa@cequal.pt Lingua Espanhola - Relações Laborais - Iniciação (Ufcd 5446) DATA: 01,03,04,08,10,12,15,17,18,22,24,26,29 de Setembro; 03 de Outubro. DURAÇÃO: 50 horas. OBJECTIVOS:

Leia mais

Curriculum Vitae. 1. Informação pessoal. 2. Formação Académica. Júlia Maria Brito Lourenço Marcos Viçoso Ferreira. Telemóvel - 96 7060992

Curriculum Vitae. 1. Informação pessoal. 2. Formação Académica. Júlia Maria Brito Lourenço Marcos Viçoso Ferreira. Telemóvel - 96 7060992 Curriculum Vitae 1. Informação pessoal Júlia Maria Brito Lourenço Marcos Viçoso Ferreira Telemóvel - 96 7060992 Correios eletrónicos julia.ferreira@agr-tc.pt; jvferreira@ualg.pt; juliamf@sapo.pt Nacionalidade

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Apreciado pelo Conselho Pedagógico, em reunião realizada no dia 10 de Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Legislação de Referência - Portaria n. 230/2008

Leia mais

CONGRESSO DO DESPORTO Políticas Educativas e Sociais no Desporto Sessão de Encerramento 17 de Fevereiro Rui Petrucci - CNAPEF

CONGRESSO DO DESPORTO Políticas Educativas e Sociais no Desporto Sessão de Encerramento 17 de Fevereiro Rui Petrucci - CNAPEF Page 1 of 5 CONGRESSO DO DESPORTO Políticas Educativas e Sociais no Desporto Sessão de Encerramento 17 de Fevereiro Rui Petrucci - CNAPEF O CNAPEF não pode concordar com a redução desta temática ao Desporto

Leia mais

Preâmbulo Artigo 1.º Artigo 2.º Artigo 3.º Artigo 4.º Artigo 5.º

Preâmbulo Artigo 1.º Artigo 2.º Artigo 3.º Artigo 4.º Artigo 5.º A g r u p a m e n t o Ve r t i c a l d e E s c o l a s S a n t o s S i m õ e s 1 Preâmbulo 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos têm vindo a afirmar-se como um instrumento central das políticas

Leia mais

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário RELATÓRIO Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário Projecto de investigação/acção No âmbito da Portaria nº 350/2008,

Leia mais

ADAPTAÇÃO, RENDIMENTO E DESENVOLVIMENTO HUMANO GRUPO DE INVESTIGAÇÃO

ADAPTAÇÃO, RENDIMENTO E DESENVOLVIMENTO HUMANO GRUPO DE INVESTIGAÇÃO ADAPTAÇÃO, RENDIMENTO E GRUPO DE INVESTIGAÇÃO ?? Domínios de investigação 2 ADAPTAÇÃO HUMANA processos de avaliação cognitiva na adaptação a situações de stress? ADAPTAÇÃO HUMANA fatores psicológicos na

Leia mais

PROJECTO DE ACOMPANHAMENTO DE DESPORTO ESCOLAR

PROJECTO DE ACOMPANHAMENTO DE DESPORTO ESCOLAR UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA ESCOLA SECUNDÁRIA FERNANDO NAMORA Ano Letivo 2011/2011 PROJECTO DE ACOMPANHAMENTO DE DESPORTO ESCOLAR - Badminton - Orientadores: Mestre Hamilton

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

e - Learning > Introdução ao e-learning para Formadores 70 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 71 > Coordenação da Formação 72

e - Learning > Introdução ao e-learning para Formadores 70 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 71 > Coordenação da Formação 72 e - Learning > Introdução ao e-learning para Formadores 70 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 71 > Coordenação da Formação 72 > Avaliação na Formação 73 > Psicologia e Comportamento Criminoso 74

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

Formação (de treinadores) e investigação: factores de desenvolvimento em alta competição para o próximo ciclo olímpico

Formação (de treinadores) e investigação: factores de desenvolvimento em alta competição para o próximo ciclo olímpico Formação (de treinadores) e investigação: factores de desenvolvimento em alta competição para o próximo ciclo olímpico J. Paulo Vilas-Boas, Ph.D Professor Catedrático, Treinador Olímpico, VP da Federação

Leia mais

Parecer sobre Estratégia Nacional para a Promoção da Atividade Física, da Saúde e do Bem-estar.

Parecer sobre Estratégia Nacional para a Promoção da Atividade Física, da Saúde e do Bem-estar. Parecer sobre Estratégia Nacional para a Promoção da Atividade Física, da Saúde e do Bem-estar. Sociedade Portuguesa de Educação Física Conselho Nacional das Associações de Professores e Profissionais

Leia mais

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA

Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA Regulamento Cursos de Educação e Formação - EFA 1 Preâmbulo Artigo 1.º - Objeto e âmbito Artigo 2.º Modelo de formação Artigo 3.º - Modelo de formação Artigo 4.º - Posicionamento nos percursos de educação

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Mestrado em Psicologia do Desporto e Exercício; - Técnico de Coaching PNL; - Esteve no Futsal do SCP; - Esteve no CADE e trabalhou com um treinador e atleta no badminton. Paulo Teixeira - 34 anos Contacto

Leia mais

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho

IDERANÇA E GESTÃO. Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho L DE PESSOAS IDERANÇA E GESTÃO Desenvolver competências que permitam acompanhar, motivar, desenvolver e avaliar equipas de trabalho Coordenadores e Chefias Intermédias Adquirir técnicas de Liderança, de

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS INVESTIR HOJE NA FORMAÇÃO PARA ESTAR MAIS PREPARADO AMANHÃ. Associação para o Desenvolvimento de Peniche

FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS INVESTIR HOJE NA FORMAÇÃO PARA ESTAR MAIS PREPARADO AMANHÃ. Associação para o Desenvolvimento de Peniche FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS INVESTIR HOJE NA FORMAÇÃO PARA ESTAR MAIS PREPARADO AMANHÃ Associação para o Desenvolvimento de Peniche O que são as Formações Modulares Certificadas As Formações Modulares

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Federação Portuguesa de Futebol Curso de Treinadores de Futebol UEFA C Raízes/ Grau I Associação de Futebol da Guarda Regulamento do Curso 2015-2016 1.- ORGANIZAÇÃO A responsabilidade de organização dos

Leia mais

Chagas Cernawsky Marcia

Chagas Cernawsky Marcia Curriculum Vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Chagas Cernawsky Marcia Av. Cidade Zhuhai, Lote 168, 4ºB, 6000-077 Castelo Branco (Portugal) 926 032 788 marcia.cernawsky@gmail.com Skype marcia.cernawsky12 POSTO DE

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL 2009

EDIÇÃO ESPECIAL 2009 EDIÇÃO ESPECIAL 2009 BUSINESS COACHING Curso Profissional de Formação de Coach Certificação Internacional em Coaching MORE E ECA (Para Reconhecimento pela ICI contactar-nos.) Entidade: MORE Institut, Ltd

Leia mais

Regulamento 2010/2011. Cursos de Treinadores de Futebol. Distrital (Nível I)

Regulamento 2010/2011. Cursos de Treinadores de Futebol. Distrital (Nível I) Regulamento 2010/2011 Cursos de Treinadores de Futebol (Nível I) 1.- ORGANIZAÇÃO A responsabilidade dos Cursos de Treinadores é da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), através do seu (SF), a quem compete

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DO AlGARVE. CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA C -RAÍZES Grau I REGULAMENTO DO CURSO

ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DO AlGARVE. CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA C -RAÍZES Grau I REGULAMENTO DO CURSO ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DO AlGARVE CURSO DE TREINADORES DE FUTEBOL UEFA C -RAÍZES Grau I REGULAMENTO DO CURSO Novembro de 2014 / Junho de 2016 ÍNDICE 1. Organização 2. Data de Realização 3. Local de Funcionamento

Leia mais

Carga Formação Total de. Carga. horária Semanal. Tempos letivos

Carga Formação Total de. Carga. horária Semanal. Tempos letivos GERAL CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1. Matriz Curricular dos Cursos (Educação Física) 1º ano 2º ano Componentes de Carga Carga Formação Total

Leia mais

Nível Secundário e Nível 3 de Formação (S 3 ) Regimento Interno. Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A.

Nível Secundário e Nível 3 de Formação (S 3 ) Regimento Interno. Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A. Regimento Interno Curso de Educação e Formação de Adultos E.F.A. Artigo 1º Assiduidade 1. A assiduidade dos formandos dos cursos E.F.A. obedece ao estipulado no artigo 22.º, da Portaria 230/2008 de 7 de

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 20 Dezembro 2011. Jornada de Prevenção FDL

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 20 Dezembro 2011. Jornada de Prevenção FDL 20 Dezembro 2011 Jornada de Prevenção FDL Direcção de Serviços para a Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Divisão de Promoção e Avaliação de Programas e Estudos Divisão de Regulação de Entidades

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular ÉTICA, DEONTOLOGIA E LEGISLAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação

Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação Projecto de Formação para os Jovens Voluntários (2014) Orientações para as instituições de formação 1. Objectivo Estar em coordenação com o desenvolvimento dos trabalhos do Governo da RAEM para os jovens,

Leia mais

7. AVALIAÇÃO. 5º ao 9ºano Áreas Parâmetros % Aptidão Física 10% Conhecimentos

7. AVALIAÇÃO. 5º ao 9ºano Áreas Parâmetros % Aptidão Física 10% Conhecimentos 7. AVALIAÇÃO A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, expressas no projecto curricular de escola e no

Leia mais

FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA. Mestrado em Treino Desportivo

FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA. Mestrado em Treino Desportivo Programa de Disciplina Formação Desportiva FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA Mestrado em Treino Desportivo FORMAÇÃO DESPORTIVA Programa da Disciplina Prof. Dr. António Rosado Prof. Dr. Vítor Ferreira Ano

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular NUTRIÇÃO DE COMPORTAMENTO ALIMENTAR Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular NUTRIÇÃO DE COMPORTAMENTO ALIMENTAR Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular NUTRIÇÃO DE COMPORTAMENTO ALIMENTAR Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão das Organizações Desportivas 3.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

DGEstE - Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares DSRAl - Direção de Serviços da Região Algarve AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ENGº DUARTE PACHECO

DGEstE - Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares DSRAl - Direção de Serviços da Região Algarve AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ENGº DUARTE PACHECO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, expressas no projecto curricular de escola

Leia mais

Cursos de Treinadores de Futebol. UEFA C - Raízes / Grau I. Regulamento do curso 2013/201

Cursos de Treinadores de Futebol. UEFA C - Raízes / Grau I. Regulamento do curso 2013/201 Cursos de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Regulamento do curso 2013/201 /2015 1.- ORGANIZAÇÃO A responsabilidade de organização dos Cursos de Treinadores é da Federação Portuguesa de Futebol

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015

Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 Regulamento do Programa do Desporto Escolar 2014-2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DO DESPORTO ESCOLAR 2014-2015 ( a que se refere o Despacho nº9302/2014 de 17 de julho) 1. ÂMBITO O presente regulamento define

Leia mais

De Outubro de 2008 até a actualidade

De Outubro de 2008 até a actualidade CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome PAULA SUSANA MOREIRA DIAS DOS REIS Telefone 966 479 736; 936 855 646 Correio electrónico paulareis1@gmail.com Nacionalidade Portuguesa Data de nascimento 26-09-1980

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

Gestão da Formação. > Formação Pedagógica Inicial de Formadores 101. > Formação Pedagógica Contínua de Formadores 102

Gestão da Formação. > Formação Pedagógica Inicial de Formadores 101. > Formação Pedagógica Contínua de Formadores 102 > Formação Pedagógica Inicial de Formadores 101 > Formação Pedagógica Contínua de Formadores 102 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 103 > Avaliação da Formação 104 Gestão da Formação 99 Calendário

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Página 1 de 1 Oferta formativa 1. Escola Nacional de Bombeiros O Regulamento dos Cursos de Formação do Bombeiro, é o normativo legal que regulamenta os cursos de formação dos elementos do Quadro de Comando

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia Gaianima, E. M., Equipamentos Municipais Departamento do Desporto Escolar Escola Profissional de Gaia Academia de Xadrez de

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL WEST EUROPEAN VOLLEYBALL ZONAL ASSOCIATION WEVZA VOLLEYBALL COACHES SEMINAR

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL WEST EUROPEAN VOLLEYBALL ZONAL ASSOCIATION WEVZA VOLLEYBALL COACHES SEMINAR FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE VOLEIBOL WEST EUROPEAN VOLLEYBALL ZONAL ASSOCIATION WEVZA VOLLEYBALL COACHES SEMINAR 5, 6 E 7 DE JUNHO VALLADOLID (ESPANHA) PROPOSTA Tendo em conta a atribuição de 4 bolsas para

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Correio electrónico Telefone 96 6257803 Nacionalidade Portuguesa Data de nascimento 08/ 06/1976 EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores

CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO CURSO Formação Pedagógica Inicial de Formadores Homologado pelo IEFP com o código de curso C1840003 Presencial 90 horas (Conforme Portaria n.º 214/2011, de 30 de maio) DPJ.FOR.FPIF.01

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

Regulamento dos cursos

Regulamento dos cursos Cursos de Treinadores de Futsal UEFA C - Raízes/Grau I Regulamento dos cursos 2015 e seguintes 1.- ORGANIZAÇÃO A responsabilidade de organização dos Cursos de Treinadores é da Federação Portuguesa de Futebol

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

Diagnóstico das Necessidades de Formação

Diagnóstico das Necessidades de Formação Diagnóstico das Necessidades de Formação A AciNet Sistemas e Tecnologias de Informação é uma empresa de tecnologias de informação nas actividades de representação e comercialização de equipamentos informáticos,

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

Manual de Homologação dos Cursos de Formação

Manual de Homologação dos Cursos de Formação INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL Manual de Homologação dos Cursos de Formação Área Serviços Administrativos SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ÍNDICE INTRODUÇÃO 6 PARTE I HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. TAEKWONDO II 32 2. HISTÓRIA E FILOSOFIA DO TAEKWONDO 4 3. REGRAS DE ARBITRAGEM: COMBATES E POOMSAES 4 4. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe

PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe PROGRAMA DE PSICOLOGIA DESPORTIVA 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Psicologia Desportiva - 11ª Classe Formação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

ESPINHO 2009 CAMPUS DE ANDEBOL

ESPINHO 2009 CAMPUS DE ANDEBOL CAMPUS DE ANDEBOL ESPINHO 2009 A 1ª Edição do Campus de Andebol Espinho 2009, pretende contribuir para a formação integral dos jovens participantes, no âmbito desportivo, humano e educativo. Aliar o treino

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

Praznik Formação Monitores 2015

Praznik Formação Monitores 2015 Praznik Formação Monitores 2015 Índice: 1 Programa 1.1 Objectivos 1.2 A quem se destina 2 O Formando 2.1 Direitos e deveres 2.2 Assiduidade 2.3 Avaliação 3 Plano de Formação 3.1 Áreas de formação e formador

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO

FICHA TÉCNICA DO CURSO FICHA TÉCNICA DO CURSO AVALIAÇÃO DE BENS IMOBILIÁRIOS EDIÇÃO Nº01/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Avaliação de Bens Imobiliários. 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER No final da formação, os participantes deverão

Leia mais