o papel do associativismo profissional no quadro da proflsslonalizacao da gestae

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "o papel do associativismo profissional no quadro da proflsslonalizacao da gestae"

Transcrição

1 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos o papel do associativismo profissional no quadro da proflsslonalizacao da gestae de recursos humanos em Portugal Anton io Jose Almeida" Resumo Este texto procura contribuir para a compreensao do processo de profissionalizacao da gestae de recursos humanos em Portugal, atraves da discussao do papel desempenhado pela respectiva associacao profissional. Partindo fundamentalmente de dados estatisticos oficiais e da analise de conteudo de entrevistas realizadas a responsaveis pela associacao representativa do campo profissional da gestae de recursos humanos (APG) e a directores de recursos humanos, os resultados obtidos dao conta nao so de alguns mecanismos de representacao dos associados nos orgaos de direccao, mas tambem de algumas das contradicoes que atravessam a estrategia da Associacao na reivindicacao da exclusividade do mandato profissional. Palavras-chave: sociologia das profissoes, profissionalizacao, associacao profissional, gestae de recursos humanos Abstract This paper seeks to contribute to the understanding of the processo f professionalization of human resource management in Portugal, through the discussion ofthe role played by the peofessional Association. Based on official statistics and content analysis ofinterviews held to responsible for the association representing the professional field of human resource management (APG) and to human resource directors, the results show some mechanisms associated to the distribution of the management places inside the Association among there members. They also show some of the contradictions of the Association strategy in the claim for the exclusivity ofprofessional mandate. Key words: Sociology of professions, professionalization, professional association, human resource management * Instituto Politecnico de Setubal - ESCE. 377

2 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos Introducao Definidas par Freidson (1994: 33) como estruturas "independentes do Estado e do capital que organizam e administram a pratica de urn claro e demarcado corpo de conhecimentos e competencies, ou seja, de uma jurisdicao que os seus membros monopolizam", as associacoes profissionais nao constituiram ao longo dos tempos, no quadro da sociologia das profissoes, uma problematica central no estudo dos grupos profissionais (Halliday, 1987). Contudo, tern cada vez mais vindo a ser consideradas como uma dimensao relevante para 0 estudo dos processos de profissionalizacao e para a compreensao dos mecanismos de funcionamento interno dos grupos profissionais, como 0 demonstram alguns trabalhos recentes de que Portugal nao e excepcao (Freire, 2004). Tendo em conta esta problematica, propomo-nos com este texto, a partir de urn estudo de caso, discutir 0 papel do associativismo profissional no quadro do processo de profissionalizacao da gestae de recursos humanos em Portugal, em particular da Associacao Portuguesa de Gestores e Tecnicos de Recursos Humanos (APG). Os dados empiricos mobilizados para a nossa discussao resultam de dados estatisticos fomecidos pela Associacao, de urn inquerito por questionario aplicado a uma amostra de profissionais bern como de entrevistas semi-directivas realizadas a directores de recursos humanos e ao ex-presidente da Associacao, o texto estrutura-se em tres grandes pontos nos quais mobilizamos algumas das referencias teoricas relevantes para a discussao do papel e do funcionamento do associativismo profissional, explicitamos os procedimentos de pesquisa adoptados e, por ultimo, discutimos alguns dos resultados obtidos. 1. A problernatica do associativismo profissional A irnportancia das associacoes profissionais no quadro da sociologia das profissoes, nao tendo constituido, ao longo dos tempos, uma problematica central no estudo dos grupos profissionais (Halliday, 1987), tern vindo a ser considerada, cada vez mais, uma dimensao de analise relevante para 0 estudo dos processos de profissionalizacao e para a compreensao dos mecanismos de funcionamento intemo dos diferentes grupos, Definidas _por Freidson (1994: 33), como estruturas "independentes do Estado e do capital que organizam e administram a pratica de urn claro e demarcado corpo de conhecimentos e competencias, ou seja, de uma jurisdicao que os seus 378

3 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desafios etnplricos membros monopolizam", as associacoes profissionais apresentam-se como instancias de regulacao social e de promocao dos interesses dos seus associados. Apesar da subaltemidade das associacoes profissionais, enquanto dimensao de analise ao longo do processo de desenvolvimento da sociologia das profissoes, e possivel identificar 0 espaco que diferentes correntes te6ricas the tern vindo a reservar (Rodrigues, 2004). Dessas correntes teoricas gostariamos de destacar, pela sua centralidade (Rodrigues, 1999; Goncalves, 2007; Almeida 20 loa), as correntes funcionalista, interaccionista e neo-weberiana. Para as correntes funcionalistas, a criacao de uma associacao profissional nao so corresponde a uma das etapas necessarias ao processo de profissionalizacao, como a sua existencia se afigura essencial para sustentar a capacidade de auto-regulacao propria das profissoes, ao garantir a regulacao das praticas e das condicoes do exercicio profissional, por via dos c6digos de etica e dos mecamsmos disciplinares neles previstos. 0 seu papel enquanto instancia de intermediacao de interesses entre os individuos e 0 Estado, por urn lado, e enquanto garante da ordem moral atraves da partilha de valores compativeis com 0 caracter altruista das profissoes, par outro, sao elementos centrais na abordagem funcionalista. Ao centrar a sua analise nos conceitos de licenca e de mandato, as correntes interaccionistas atribuem as associacoes profissionais urn papel central na intermediacao de interesses entre 0 Estado e os profissionais e entre estes e 0 publico, tendo em vista a conquista e proteccao das licencas e dos mandatos, por via da construcao de uma retorica indutora do seu reconhecimento pela opiniao publica, em geral, e pelo Estado, em particular. Nesta optica, as associacoes assumem-se como players fundamentais na luta pela legitimacao simb6lica dos grupos profissionais, tendo em vista a obtencao de vantagens econ6micas e sociais. As correntes neo-weberianas, apesar de heterogeneas, partilham 0 pressuposto comum de que os grupos profissionais, atraves da sua accao colectiva, visam 0 estabelecimento de monopolios de mercado sobre determinadas areas de saber, tendo por objectivo a obtencao de vantagens economicas e sociais para 0 respectivo grupo. Neste quadro, as associacoes profissionais desempenham urn papel crucial na estruturacao ideol6gica do grupo e na luta pela outorga e manutencao, por parte do Estado, dos mecanismos de licenciamento, capazes de garantir quer a qualidade dos services prestados, por parte dos profissionais, atraves da institucionalizacao de 379

4 Trabalho, organizaciies e proflssiies: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos mecamsmos de regulacao, quer 0 services. Os trabalhos que se tern debrucado sobre 0 controlo do acesso a prestacao desses mesmos associativismo profissional tern reconhecido a multiplicidade de papeis que este desempenha. Segundo Freire (2004: 2), eles estao patentes: na regulacao economica do exercicio de certas actividades profissionais; nos impactos sociais que geram sobre a procura; nas influencias que exercem sobre as instituicoes de formacao; na accao sobre a construcao de identidades profissionais e, em certos casos, na consagracao de areas de jurisdicao atribuidas e garantidas pelo Estado. Contudo, a generalidade dos estudos empiricos tern vindo a incidir sobre aspectos parcelares do associativismo, nomeadamente, sobre 0 modelo de governacao e 0 seu processo de funcionamento intemo (Halliday, 1987; Freire, 2004), a sua funcao regulatoria e legitimadora da mudanca (Watkins, 1999; Greenwood, Suddabye Hunings, 2002) e a redefinicao do projecto profissional, em funcao das novas formas intemacionais de regulacao (Evetts, 1995; Evetts, 1999), faltando, por isso, uma abordagem integrada sobre os diferentes papeis do associativismo profissional. o modelo de governacao, 0 processo de funcionamento intemo e a forma como as associacoes profissionais se mobilizam politicamente sao algumas das dimensoes de analise que tern merecido mais atencao por parte dos sociologos. 0 trabalho pioneiro de Halliday (1987) eurn dos exemplos mais significativos dessa atencao que, ao estudar uma das maiores associacoes profissionais de advogados americana, a Chicago Bar Association (CBA), se interroga sobre qual 0 papel macro social desempenhado pelas associacoes profissionais. Halliday toma como ponto de partida para 0 seu estudo os resultados de algumas investigacoes realizadas e dos quais destaca: a procura do monopolio econ6mico; a perpetuacao da ideologia meritocratica que esta na base da ocultacao das desigualdades sociais que caracterizam as sociedades de capitalismo avancado, 0 que transforma as profissoes em agentes do poder e 0 tratamento diferenciado em funcao da origem social dos clientes. E com base nestas nocoes que 0 autor explora os mecanismos do processo de decisao no interior da associacao, para melhor compreender os interesses e os fins que the estao subjacentes. Partindo do pressuposto de que existe urn defice de congruencia entre que as associacoes profissionais fazem e aquilo que dizem que fazem, Halliday (1987: xv) defende que a opacidade da informacao veiculada pelas associacoes esta ao service de uma estrategia visa obter influencia: "muitas das mais importantes conquistas das 380

5 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos associacces profissionais nao sao publicitadas, mesmo entre os seus associados, precisamente pela mesma razao de que muita da diplomacia e conduzida fora do dominio publico". Para 0 autor, "a publicidade einimiga de certos tipos de influencia. 0 secretismo ea sua condicao de sucesso". E, precisamente, a partir deste pressuposto que Halliday realiza 0 seu estudo de caso intensivo tendo em vista comprcender os mecanismos que estao subjacentes ao funcionamento politico da CBA. Das conclusoes a que chega, algumas sao particularmente relevantes. A primeira remete para 0 modo como, ao nivel dos mecanismos de direccao, a CBA respondeu a passagem 'de uma organizacao de elite para uma organizacao de massas. Com esta passagem, a CBA viu aumentar a sua diversidade interna, ao mesmo tempo que desenvolveu uma estrategia que the permitiu uma limitada rotacao dos membros da direccao e 0 aumento do tempo dos mandatos. Simultaneamente, assegurou mecanismos de cooptacao e de auto-perpetuacao no recrutamento de novos lideres e obteve mais autonomia para a direccao, A segunda conclusao e a de que, para assegurar a sua autonomia, a direccao da CBA desenvolveu uma estrategia de reducao do numero de reivindicacoes feitas pelos seus membros, ao mesmo tempo que procurou controlar essas mesmas reivindicacoes, atraves da implementacao de tres tipos de mecanismos: a classificacao da natureza das reivindicacoes em politicas ou tecnicas, em funcao das circunstancias; a externalizacao do objecto de conflito, devolvendo-o aos associados, e so aceitando discuti-lo quando tivesse sido gerado urn consenso; e, por fim, a neutralizacao dos "dissidentes" antes que estes pudessem chegar a direccao. A ultima conclusao coloca em evidencia 0 desenvolvimento de mecanismos de interdependencia e de interpenetracao, quer a nivel individual quer organizacional, os quais se constituem num recurso estrategico para que a direccao pudesse alcancar mais facilmente os seus objectivos, por via da mobilizacao de uma rede de reciprocidades quer intemas quer externas. Estas conclusces mostram-nos, de forma inequivoca, que 0 controlo do poder organizacional surge como uma condicao para que as elites de uma dada profissao possam manter os seus privilegios e a hegemonia dos valores que defendem, 0 que faz com que, nas palavras de Halliday (1987: 334), "a direccao (da associacao) surja mais como 0 dono do que como 0 servidor dos associados". Para 0 autor torna-se, por isso, necessario desenvolver urn profissionalismo civico, capaz de colocar as interesses colectivos acima dos interesses particulares. 381

6 Trabulho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuals e desafios empiricos Q trabalho coordenado por Freire (2004a) sobre as associacoes profissionais portuguesas apresenta uma natureza diferente, ja que se trata de uma abordagem extensiva que, a partir de urn inquerito por questionario aos responsaveis das associacoes, pretende analisar a problematica da relacao entre as profissoes e a rnudanca social, por urn lado, e as profissoes e 0 seu associativismo, por outro. Do vasto conjunto de dados e analises efectuadas pela equipa de investigacao, interessa-nos destacar, sobretudo, a abordagem que e realizada em tomo da analise sociopolitica das associacoes (Freire, 2004b). Partindo do pressuposto de que as associacoes sao microssistemas de poder, 0 autoranalisa as estruturas e as dinamicas do seu funcionamento, bern como a natureza das associacoes e da sua accao, Comecando por afirmar que as associacoes, em Portugal, apresentam uma estrutura organizativa que copia 0 modelo do Estado modemo democratico, cabendo a assembleia geral 0 poder soberano, 0 autor conclui que as associacoes apresentam urn elevado indice de complexidade organizacional, nomeadamente no que conceme a existencia de orgaos intermedios entre 0 topo e a base, 0 que e mais 0 resultado de "preocupacoes de eficiencia na cobertura do territorio e no desempenho dos services prestados, do que por preocupacoes cidadiis de participacao dos associados na vida da organizacao" (Freire, ~004b: 233). Esta conclusao vern no mesmo sentido da leitura feita por Halliday sobre a participacao dos advogados americanos. Contudo, enquanto Halliday ve na criacao de estruturas intermedias uma forma das direccoes controlarem as reivindicacoes dos associ ados e de criacao de uma rede intema de interdependencias para melhor sustentar a sua base oligarquica, Freire ve nessa criacao uma forma de responder as solicitacoes de associados que se comportam como consumidores passivos de services, a que pretendem aceder, com 0 minimo de incomodo e ao mais baixo custo '. Qutros aspectos analisados por Freire sao as l6gicas de disputa e manutencao do poder por partedas direccoes. Neste particular, 0 autor constata que nao so e muito escassa a disputa eleitoral competitiva no interior das associacoes, mas tambem os lideres tern tendencia a perpetuar-se nos lugares. Perante este resultado, sao aventadas tres hipoteses explicativas (Freire, 2004b: 238): a primeira coloca na escassez de voluntaries e de competencias, a explicacao para esta perpetuacao do 'sacrificio' por parte de alguns; a segunda ve na excelencia das competencias do lider a razao pela qual 1 0 custo aqui erepresentado pelo valordas quotas a pagar pelos associados. 382

7 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposlciies conceptuais e desafios empiricos ele nao pode ser dispensado de prosseguir 0 seu trabalho; a terceira, mais consentanea com os resultados a que chegou Halliday, interpreta a perpetuacao no poder por parte dos dirigentes como 0 resultado dos interesses e aptidoes que estes adquirem, independentemente dos resultados da sua accao em prol do interesse geral dos associados. Na perspectiva do autor, esta tendencia oligarquica "podera contribuir para urn enfraquecimento da capacidade de mudanca da organizacao ou da sua aptidao it inovacao para responder aos desafios que 0 meio envolvente the podera colocar" (Freire, 2004: 238). Embora partindo de uma abordagem metodol6gica diferente e tendo por objecto realidades nacionais distintas, ambos os estudos chamam a atencao para a problematica das relacoes de poder no interior das associacoes profissionais e, consequentemente, para a existencia de mecanismos de reproducao social que, por via do controlo dos mecanismos de sucessao, procuram assegurar a continuidade de urn projecto profissional colectivo, definido em funcao dos valores e dos interesses das elites, bern como 0 sistema de distribuicao socialmente diferenciada das oportunidades profissionais e organizacionais. 2. Metodologia Partindo de uma abordagem qualitativa, 0 estudo realizado enquadra-se num trabalho mais vasto que temos vindo a desenvolver sobre a profissionalizacao da gestae de recursos humanos em Portugal. Tendo em conta esta problematica generica, propomo-nos com este texto, a partir de urn estudo de caso, discutir 0 papel e 0 funcionamento do associativismo profissional na area da gestae de recursos humanos tendo por objecto empirico a Associacao Portuguesa de Gestores e Tecnicos de Recursos Humanos (APG). as dados ernpiricos mobilizados para a nossa discussao resultam de dados estatisticos fomecidos pela Associacao e de resultados parciais de.urn inquerito por questionario aplicado a uma amostra de profissionais portugueses e de entrevistas semi-directivas realizadas a directores de recursos humanos e ao Presidente da Associacao, 383

8 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos 3. Resultados 3.1. Breve histnria da APC Fundada em 1964, a partir da iniciativa de urn grupo restrito de personalidades ligadas a Gestae de Pessoal dos grandes grupos econ6micos nacionais 2 instalados na regiao da Grande Lisboa, casos da CUF e da C. Santos, e das multinacionais com presenca em Portugal, casos da Shell, a associacao representativa dos profissionais de recursos humanos comecou por se designar de Associacao Portuguesa dos Directores e Chefes de Pessoal 3 (APDCP), por analogia com a sua congenere francesa" a qual funcionou como referencia inspiradora, dados os estreitos contactos entre membros de ambas as associacoes. As fortes Iigacoes internacionais de urn dos seus fundadores, permitiu aentao APDCP integrar, urn ana ap6s a sua fundacao, a EAPM 5, assumindo de imediato uma das vice-presidencies. Embora pretendesse adquirir capacidade de influencia e visibilidade publica, a sua fundacao parece estar associada anecessidade de quebrar 0 isolamento em que se encontrava a funcao pessoal e os seus profissionais, numa altura de grande transformacao da cintura industrial de Lisboa, nomeadamente em virtude da adesao de Portugal a EFTA: "cornecou-se assim para fomentar a inter-relacao e 0 conhecimento interpessoal, a troca de conhecimentos, de experiencias, de tecnicas, de ideias, para depois ter uma certa funcao de representacao de urn sector que n6s, na altura, ja pensavamos que viria a ser determinante..." (APG, 2004: 11). o perfil dos seus vinte fundadores e marcado por dois traces essenciais: 0.. primeiro e que sao apenas homens, 0 que contrasta com a realidade actual de forte feminizacao do campo profissional (cf. Cabral-Cardoso, 2004; Almeida, 2008), e 0 segundo eque pontificam os economistas e os empregados de escrit6rio com funcoes de chefes de pessoal/seccao. 2 Entre essas pcrsonalidades pontificava 0 mentor do grupo Duarte Caldeira, Director de Pessoal da CUF e Presidente da APG ao longo de varies mandatos, e que eapresentado em 2002 na capa do n" 4 da Revista Pessoal, revista institucional da APG, como 0 "Guru da familia Mello". 3 Quer a criacao quer a designacao da associacao reflecte de alguma forma a fase de desenvolvimento da GRH em Portugal que, de acordo com Brandao e Parente (1998), tera iniciado nesta altura a sua fase de maturidade atraves da passagem da fase da adrninistracao de pessoal para a gestae de pessoal. 4 A designacao da associacao francesa era a scguinte: Association Nationalle de Directeurs et Chefs de Personnel. 5 Trata-se da European Association for People Management fundada em 1962 pelas associacoes francesa, alema, sueca, suica e inglesa. 384

9 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos Quadro 1. Distribuicao dos fundadores da APG por profissao Profissao Freq. % Economist a 8 40 Empregado de escritorio - chefe de pessoal/seccao 7 35 Professor 2 10 Advogado I 5 Administrador comercial 1 5 Empregado bancario 1 5 Total Fonte: APG (2004) A evolucao politica, economica e social fez com que a associacao fosse sofrendo ajustamentos mais ou menos acentuados evidenciando-se uma enorme capacidade de adaptacao aos ventos dominantes em cada epoca, Exemplos dessa capacidade de adaptacao estao bern patentes nao so nas alteracoes que foram sendo feitas it sua designacao social, APGTRH e APG (cf. APG, 2004), mas tambem nos temas que deram forma aos seus Encontros anuais, orientados por logicas politico-ideologicas diferenciadas, conforme 0 clima politico que marcou cada momenta historico" (cf. APG, 2004; Neves e Goncalves, 2009). Quadro 2. Distribuieao dos membros por tipo de associado, segundo 0 sexo (2009) Sexo Tipo de socio Homens Mulheres Total Socios efectivos 419 '. 89,5% ,5% ,4% S6cios aderentes 42 9,0% 68 12,3% lid 10,8% Outros s6cios 7 1,5% 1 0,2% 8 0,8% Total Fonte: APG, dados nao publicados 6 Veja-se, pelo seu simbolismo, 0 tema do VII Encontro anual realizado em Novembro de 1974: "Reflexoes sobre a luta de classes e a gestae de pessoal nas empresas". 385

10 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos Do ponto de vista sociografico, e de destacar 0 facto de, dos 1021 associados actuais, mais de 54% dos seus membros serem do sexo feminino e de 88% serem socios efectivos. Note-se, no entanto, que estamos perante uma reduzida representatividade face ao potencial de cerca de profissionais existentes em Portugal, de acordo com as estatisticas oficiais do MTSS. Embora se trate de urn valor indicativo, tendo em conta os numeros enunciados, a taxa de representatividade da APG podera ser estimada em cerca de 30% Estruturas de direccao Apesar da forte feminizacao do grupo profissional, a analise da cornposicao sexual dos orgaos sociais da Associacao reflecte uma sub-representacao das mulheres e, quando presentes, tendem a ocupar cargos subaltemos. Se compararmos 0 numero de homens e mulheres envolvidos nos principais orgaos de direccao ao longo dos mandatos, durante a ultima decada, facilmente constatamos a sobre representacao dos homens. Neste periodo, a presenca masculina ascendeu a 76,6% enquanto a feminina se ficou pelos 23,4%. Contudo, 0 ana de 2004 representa 0 momento de ruptura de tendencia com uma presenca feminina mais acentuada, conduzindo a uma situacao de paridade quantitativa no ana de 2009, ana no qual, pela primeira vez na historia da Associacao, foi eleita uma mulher para Presidente da Direccao". 7 Trata-se do valor apurado, dados nao publicados, atraves dos Quadros de Pessoal do MTSS relativos ao ano de Apesar de mulher, 0 "marketing" que precedcu a sua candidatura apresentou-a como "a mulher guerreira" (capa da Revista Pcssoal, n 50) numa clara analogia com 0 estere6tipo de papel social e profissional masculino 0 que reflecte a 16gica patriarcal que caracteriza 0 campo profissional da gestae de. recursos humanos (Gilmore e Williams, 2003). 386

11 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos Quadro 3. Dlstrlbulcao dos membros dos orgaos socia is por mandato, segundo 0 sexo Manda tes Homens % Mulheres % Tolal % 2009/ / , , / ,6 II 32, / ,6 6 19, / ,7 2 6,3 32 ] / ,9 4 12; / ,4 5 15, / ,7 4 14, Total do periodo , , I 100 Fonte: APG (2004) e recolha propria Se tomarmos em conta a distribuicao da representacao masculina e feminina por tipo de orgao social e cargo, verifica-se que, com excepcao do ultimo mandato, os tres orgaos nacionais - Direccao, Mesa da Assembleia e Conselho Fiscal - sempre foram presididos por homens. Esta situacao corresponde a uma discriminacao vertical que tambem encontramos nos contextos de exercicio profissional (Carvalho e Cabral Cardoso, 2002; Carvalho, 2004). Mesmo ao nivel das vice-presidencias, poucos foram os mandatos em que tal cargo foi assegurado por uma mulher. Apesar da presidencia feminina da Direccao Nacional, constata-se que, no ultimo mandato, os homens assumiram uma especie de posicao de "senadores" ao preencherem os lugares da Mesa da Assembleia Geral, orgao no qual nao ha qualquer presenca feminina. Alias, a paridade quantitativa, pela primeira vez atingida no mandato em analise, acontece por via da sobre representacao feminina nos orgaos regionais e sectoriais, simbolicamente menos prestigiados, ja que nos orgaos nacionais se mantem a sobre representacao masculina. 387

12 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos Quadro 4. Composlcao dos Organs Sociais da APG segundo 0 sexo Orgaos Mesa da Grupo Grupo Nuc leo de Dircccao Assembleia Conselho Regional Regional Formad ores e Mandatos Nacional Geral Fiscal Centro/Sui Norte Coaches Presid- 1M Presid- IH Presid -IH Presid -IM Presid-IM Presid - IH Vice-Pres - IH Vice-Pres- IH Vice-Pres - 1M Vog~ is -4M+ IH Vogais-3M+2H Vogais-3H+2M Vogais-2H+ IM Secret-2H Secret-l H 2007/09 Presid- lh Presid- lh Presid - IH Presid - 1M Presid - 1M Presid -IM Vice-Pres - IH Vice-Pres- IH Vice-Pres - IH Vogais-3M+2H Vogais-4H+IM Vogais-3H+2M Vogais-3H+2M Secret-IH+IM Secret-1H+1M 2004/07 Presid- IH Presid- IH Presid-lH Presid-IH Presid-IH Presid-IM Vice-Pres -3H Vice-Pres- IH Vice-Pres - IH Vogais-2H+3M Vogais-3H+2M Vogais-3H+2M Vogais-4H+IM Secret-IH+IM Secret-IM 2001/04 Presid- IH Presid- IH Presid -IH Presid -IH Presid-IH Presid - IH Vice-Pres - 3H Vice-Pres- 1M Vice-Pres - 1H Vogais-3H+2M Vogais-4H+IM Vogais-IH+1M Vogais-5H Secret-IH+IM Secret-IH (2001/03) (2001/03) (2001/03) 1998/01 Presid- IH Presid- IH Presid-IH Presid -IH Presid-IH Presid - IH Vice-Pres - 3H Vice-Pres- IH Vice-Pres - )H Vogais-5H Vogais-4H+IM Vogais-3H Vogais-4H+1M Secret-2H Secret-IH (l988/00) (1998/00) (l998/00) 1995/98 Presid- 1H Presid- IH Presid - IH Presid- IH Presid - IH Presid- lh Vice-Pre s - 3H Vice-Pres- IH Vice-Pres - 1H Vogais-4H+1M Vogais-4H+IM Vogais-4H Vogais-4H+IM Secret-1H+IM Secret-IH (1995/97) (l995/97) (1995/97) 1992/95 Presid- IH Presid- IH Presid - IH Presid-IH Presid- 1H Presid -IH Vice-Pres - 3H Vice-Pres- 1M Vice-Pres - 1H Vogais-3H+2M Vogais-4H Vogais-3H+IM Vogais-5H Secret-lH+IM Secret-IH (1992/94) (1992/94) (1992/94) 1990/92 Presid- IH Presid- IH Presid - IH Presid-IH Presid - 1H Vice-Pres - 3H Vice-Pres- 1M Vice-Pres - IH Vogais-5H Vogais-3H+2M Vogais-4H+IM Secret-2H Secret-l H (1990/91) (1990/91) Fonte: APG (2004) e recolha pr6pria No caso dos grupos regionais - Norte e Centro/SuI - e sectoriais Fonnadores/Coaches - apesar da tradicao de presenca masculina, constata-se que, nos dois ultimos mandatos, as mulheres nao so tern assegurado as respectivas presidencias, excepcao feita ao Nucleo de Fonnadores/Coaches, como tendem a estar em maioria. Esta presenca maioritaria de mulheres em orgaos simbolicarnente subaltemos acaba par funcionar como barreira de contencao as aspiracoes femininas de acesso aos lugares de consagracao da elite profissional. A par da segregacao do acesso das mulheres aos lugares de poder, a analise da distribuicao dos cargos pelos socios reflecte uma tendencia oligarquica resultante da perpetuacao de uma elite restrita que tende a assegurar 0 controlo do poder seja pela renovacao sistematica de rnandatos, seja pela rotacao dos mesrnos associados entre orgaos (cf. APG, 2004). Alias, urn dos dados mais significativos da vida da Associacao e a reduzida competicao q~e tern caracterizado os process os eleitorais, habitualmente 388

13 Trabulho, organizaciies e profissiies: recomposlciies conceptuais e desafios empiricos disputados por listas unicas, situacao que, segundo urn seu Presidente, apenas nao se verificou em duas disputas eleitorais, ao longo de mais de 40 anos de vida associativa, Embora nao tenhamos dad os que nos pennitam identificar as razoes desta reduzida competicao eleitoral, as hipoteses enunciadas por Freire (2004b) adquirem relevancia, na medida em que nos ajudam a compreender algumas das criticas a que as direccoes sao sujeitas e de que 0 trecho seguinte eurn exemplo representativo: "Eu acho que poderia ser uma associacdo mais interventiva. Acho que tem algumas iniciativas engracadas, niio digo que ndo, tenho acesso a essas incitativas e tudo mais, mas acho que devia ser mais interventiva, acho que podia ser uma associaciio mais representativa dos projissionais dos recursos humanos. 1sto e a minha opiniiio, de quem esta de fora e VI? as coisas desta forma. Acho que podia ser uma associaciio talvez com mais auto-pujanca, digamos, para defender os interesses da area de recursos humanos, para prestar mais informaciio a todos os projissionais de recursos humanos, estar mais em cima de todos os projissionais e tambem em cima de todas as empresas" (Director de RH). Como ja tivemos oportunidade de discutir noutro texto (Almeida, 2008), a avaliacao que os directores de recursos humanos fazem do trabalho da Associacao nem sempre e 0 mais positivo. Neste sentido, a opiniao expressa pelos profissionais de.. recursos humanos, de que 0 trecho anterior e urn exemplo, reflecte, de certa forma, a incapacidade da Associacao em responder aos anseios de urn grupo profissional em acentuado crescimento quantitativo (Cabral-Cardoso, 2004; Almeida, 2008) ja que, como nos referiu outro director de recursos humanos, "ha qualquer coisa ali (na APG) que esta uma inercia... ". Urn dos exemplos mais paradigmaticos desta "inercia" ea discussao em tome dos mecanismos de regulacao profissional, traduzidos na reivindicacao do monopolio do exercicio profissional para os seus associados, atraves da institucionalizacao de urn modele de certificacao profissional. Tendo sido uma das questoes centrais numa das 389

14 Trabalho, organizaciies e proflssiies: recomposiciies conceptuais ~ desafios empiricos poucas disputas eleitorais que contou com a concorrencia entre duas listas ", a regulacao da profissao por via da certificacao profissional tern vindo a ser objecto de avancos e recuos. E que, apesar de ter sido divulgada, atraves da Revista Pessoal, uma proposta de modelo de certificacao voluntaria (Viana e Ceitil, 2006), assente num perfil de generalista estruturado em tres niveis hierarquicos e num perfil de especialista estruturado por areas funcionais, it sernelhanca do sistema ingles gerido pelo CIPD IO 0 qual e considerado pelos responsaveis da Associacao como "urn dos mais eficazes modelos de certificacao" (Marques, 2006: 3), essa proposta cam no esquecimento supostamente a favor de modelos que ora passam pelo Sistema Nacional de Qualificacoes, previsto pelo Decreto-Lei n 396/2007 e gerido pela ANQ - Agencia Nacional para a Qualificacao - ora se centram num pretenso modelo europeu que tern vindo a ser trabalhado no ambito da EAPM J I. As palavras de urn Presidente da Associacao'? sao a este proposito emblematicas das contradicoes que atravessam este campo. Se, por urn lado, refere que"...ha cerca de tres anos que estamos a trabalhar no ambito da Associacao Europeia (EAPM) a questao da certificacao...", reforcando essa opcao com a afirmacao de que "...nos nunca defendemos uma certificacao exclusivamente portuguesa, porque achavamos que nao fazia sentido", por outro lado, justifica uma mudanca de estrategia pelo facto de "...a partir dum certo momenta a gente percebeu que isto nunca mais adiantava, nao andava nem para tras nem para a frente. 0 que eque surgiu entao? Comecon a surgir uma ideia de que isso era possivel fazer ca atraves da via oficial, atraves da famosa Agencia N aci~nal de' Qualificacoes...,,13. Se no plano da certificacao pro fissional nao se verificam avances no terreno, 0 mesmo nao podemos dizer relativamente it procura da regulacao dos comportamentos individuais, por via dos codigos de etica, Neste plano, a APG chamou a si a iniciativa de propor aos associ ados urn Codigo de Etica, 0 qual foi aprovado no final de Contudo, como ja tivemos oportunidade de referir noutro contexto (Almeida, 2010b), os 9 Trala-se da eleicao relativa ao mandato de 2007/2009 em que se confrontaram, eleitoralmente, duas listas : uma de continuidade e outra de ruptura em que um dos principais pontos de clivagcm era a reivindicacao da "profissionalizacao" da gestae de recursos humanos. 10 Chartered Institute ofpersonnel and Development. II Veja-se a este proposito 0 estudo claborado par Brewster, Farndale e Ommeren (2000), sob encomenda da EAPM, intitulado "HR Competencies andprofessional Standards". 12 Estas palavras foram retiradas de uma entrevista semi-directiva que realizamos a um Prcsidentc da APG.. 13 Note-se que a ANQ s6 tem responsabilidades de certificacao para os niveis de ensino nao superior. 390

15 Trabulho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desaflos empiricos pressupostos em que assenta fazem com que ele se centre mais na vida da Associacao do que na Profissao, estando imbuido de uma etica utilitarista em detrimento de uma etica deontologica, para utilizar uma das tipologias propostas por Rowan e Zinaich (2003). Ao analisarmos a importancia que os profissionais de recursos humanos atribuem ao papel da APG relativamente a urn conjunto diversificado de indicadores, a promocao da etica entre os membros do grupo pro fissional assume urn papel de destaque, como podemos constatar no quadro abaixo, facto a que nao e certamente alheia aprovacao e divulgacao recente do C6digo de Etica. Quadro 5. Avalia~lio do papel da APG por parte dos profissionais de recursos humanos Desvio- Contribuicao da APG para: Media l4 padrao Disseminar novos conhccimentos na area da GRH 4,17 1,396 Promover a formacao continua dos profissionais de GRH 4,11 1,366 Prom over a etica profissiona1 entre os membros do grupo profissiona1 4,06 1,399 o reforco do prestigio social do grupo 3,78 1,367 o desenvo1vimento do campo profissional 3,77 1,303 o reforco da coesao do grupo pro fissional 3,62 1,351 Mobilizar 0 grupo profissional em tomo das suas iniciativas 3,50 1,292 Promover a imagem do grupo junto da opiniao publica 3,43 1,432 Defender os interesses do grupo profissional 3,39 1,365 Influenciar a orientacao das politicas publicas de emprego/forrnacao 3,14 1,387 Promover os interesses do grupo junto do Estado 2,99 1,309 Influenciar a producao de legislacao 1aboral 2,90 1,280 Fonte: Inquerito por questionario aos profissionais de RH A ordenacao dos indicadores relativos a avaliacao do papel da APG, por parte dos profissionais de recursos humanos, sejam eles filiados ou nao na Associacao, reflecte a centralidade da sua accao em tomo da oferta de accoes de formacao profissional, actividade fortemente reconhecida pelos profissionais, em detrimento de 14 Media calculada com base numa escala de Lickert de 5 pontos, em que 1 corresponde ao ponto inferior da escala e 5 ao ponto superior. 391

16 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos uma accao politica na promocao dos interesses do grupo profissional quer junto do Estado quer da opiniao publica em geral. Conclusao Ao analisarmos 0 papel e 0 funcionamento da APG, enquanto associacao representativa do campo profissional da gestae de recursos humanos em Portugal, ressaltam tres grandes consideracoes que se constituem em pistas de trabalho para 0 aprofundamento desta problematica em investigacoes futuras. A primeira consideracao remete-nos para a sua origem hist6rica, associada a personalidades ligadas aos interesses do grande capital industrial, nacional e estrangeiro, que se desenvolveu em Portugal durante a decada de sessenta. Tratou-se de urn pequeno grupo que, inconformado com 0 isolamento a que 0 mundo dos neg6cios estava sujeito em virtude do fechamento que caracterizou 0 Estado Novo, quis, por via do associativismo profissional e das portas que este abria e legitimava ao nivel das possibilidades de intercambio intemacional, modemizar a gestae de recursos humanos em Portugal. A segunda consideracao decorre da analise dos mecanismos de funcionamento e representacao intema cujos tracos marcantes sao a reduzida concorrencia eleitoral na disputa pe~os mandatos de direccao da associacao, a par de uma dominacao masculina de urn grupo profissional fortemente feminizado. Contudo, a avaliar pelo ultimo acto eleitoral, ha uma pressao "controlada" no sentido de, sem por em causa as elites dominantes, dar visibilidade politica as mulheres nos lugares de direccao. A terceira consideracao tern a ver com 0 projecto profissional colectivo protagonizado pela Associacao 0 qual se apresenta atravessado por urn conjunto de contradicoes decorrentes da hesitacao em promover accoes conducentes a urn maior fechamento pro fissional do grupo, de que a certificacao pro fissional e urn dos instrumentos potenciador, e da "incapacidade" em assumir urn papel activo na defesa dos interesses do grupo junto do Estado e da opiniao publica. Vistas como pistas de analise para trabalhos futuros, estas consideracoes reflectem urn conjunto de tracos relativamente ao funcionamento das estruturas de representacao colectiva do grupo pro fissional que nao sao especificas do caso portugues, ja que tambem noutros contextos nacionais parecem existir contradicoes que, apesar da elevada integracao associativa, se mostram dificeis de ultrapassar, em virtude da 392

17 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desaflos empiricos multiplicidade de concepcoes que atravessam a gestae de recursos humanos e de interesses em confronto. Referencias Bibllograflcas ALMEIDA (2008), "A profissionalizacao da gestae de recursos humanos: cornposicao sociografica de urn grupo profissional em construcao", Sisifo - Revista de Ciencias da Educaciio, n 6, pp ALMEIDA (2009), "0 born senso como cornpetencia politica dos profissionais de recursos humanos", comunicaciio apresentada ao X Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciencias Sociais, Braga, Universidade do Minho. ALMEIDA (201Oa), "Contributos da Sociologia para a compreensao dos processos de profissionalizacao", Revista Mediaciies, vol. 1(2), pp <http://mediacoes.ese.ips.pt> ALMEIDA (201Ob), "Etica e deontologia profissional no campo da gestae de recursos humanos", comunicaciio apresentada ao XVIII Coloquio Internacional da AFIRSE, Lisboa, Universidade de Lisboa. APG (2004), 40 anos de gestiio das pessoas em Portugal, Lisboa, APG. BRANDAo, Ana Maria e Cristina Parente (1998), "Configuracoes da funcao pessoal: as especificidades do caso portugues", Organizacoes e Trabalho, n 20, pp BREWSTER, Chris; Famdale, Elaine e Ommeren, Jos van (2000), HR Competencies and Professional Standards, Cranfield, University ofcranfield. CABRAL-CARDOSO, Carlos (2004), "The evolving Portuguese model of HRM", International Journal ofhuman Resource Management, 15 (6), pp CARVALHO, Teresa (2004), "A participacao das mulheres na gestae: 0 caso particular da Gestae de Recursos Humanos", IV Congresso Portugues de Sociologia. <http://www.aps.pt/cms/docs prv/docs/dpr462dd233668c4 I.PDF> CARVALHO, Teresa e Cabral-Cardoso, Carlos (2002), "Woman in Human Resource management: the Portuguese case", comunicaciio apresentada na Conferencia da EURAM, Estocolmo, policopiado. EVETTS, Julia (1995), "International Professional associations: the new context for Professional Project", Work, Employment & Society, vol. 9 (4), pp EVETTS, Julia (1999), "The European Federations: occupational regulation in European markets", The International Scope Review, vol. 1(3), pp

18 Trabalho, organizaciies e profissoes: recomposiciies conceptuais e desafios empiricos FREIDSON, Eliot (1994), Professionalism reborn: theory, prophecy and policy, Chicago, The University ofchicago Press/Polity Press. FREIRE, Joao (org) (2004), Associacbes Profissionais em Portugal, Oeiras, Celta Editora. GILMORE, Sarah e Williams, Steve (2003), "Constructing the HR Professional: a critical analysis ofthe Chartered Institute ofpersonnel and Development's 'professional project"', Critical Management Studies Conference. <www.mngt.waikato.ac.nz/ejrot> GONc;ALVES, Carlos Manuel (2007), Analise sociologica das profissiies: principais eixos de desenvolvimento. <http://ler.1etras.up.pt/uploads/ficheiros/5512.pdf> GREENWOOD, Royston; Suddaby, Roy e Hunings, C. R. (2002), "Theotizing change: the role of professional associations in the transformation of institutionalized fields", AcademyofManagement Journal, vol. 45(1), pp HALLIDAY, Terence C. (1987), Beyond Monopoly: Lawyers, State crises and professional empowerment, Chicago, The University ofchicago Press. MARQUES, Jorge (2006), "Urn modelo de certificacao RH", Revista Pessoal, n 50, pp.3-3. RODRIGUES, Maria de Lurdes (1997), Sociologia das Profissiies, Oeiras, Celta Editora. RODRIGUES, Maria de Lurdes (2004), "Entre 0 publico e 0 privado : associativismo profissional em Portugal", in Freire, Joao (org), Associaciies Profissionais em Portugal, Oeiras, Celta Editora. ROWAN, John e Zinaich Jr, Samuel (2003), Ethics for the professions, Belmont, Wadsworth/ Thomson. VIANA, Miguel Faro e Ceitil, Mario (2006), "A certificacao de competencias: quem vai certificar 0 que?", Revista Pessoal, n 50, pp WATKINS, Jeff (1999), "UK professional associations and continuing professional development: a new direction?", International Journal oflifelong Education, vol. 18(1), pp

19 Trabalho, organizaciies e profissiies: recomposiciies conceptuais e desaflos empirlcos Ana Paula Marques, Carlos Manuel Concalves e Luisa Veloso (coord.) TRABALHO, ORGANIZA<;OES E PROFISSOES: RECOMPOSI<;OES CONCEPTUAIS E DESAFIOS EMPIRICOS SEC<;AO TEMA.TICA TRABALHO, ORGANIZA<;OES E PROFISSOES ASSOCIA<;AO PORTUGUESA DE SOCIOLOGIA

20

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT)

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) Ética nos Negócios, Confiança e Redes de Valor (Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) 4º FÓRUM RSO E SUSTENTABILIDADE Estamos a construir REDES DE VALOR Centro de Congressos de Lisboa 21

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA

RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA RESULTADOS DO INQUÉRITO À COMUNIDADE GEOGRÁFICA A Associação Portuguesa de Geógrafos (APG) promoveu um inquérito online entre 5 de Novembro e 21 de Dezembro de 2009 com o objectivo de auscultar a comunidade

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável

Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável Estatuto da Agência Internacional da Energia Renovável As Partes deste Estatuto, desejando promover a difusão e a crescente utilização da energia renovável com vista ao desenvolvimento sustentável, inspiradas

Leia mais

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias Rui Franganito Resumo A importância da capacidade de do conhecimento

Leia mais

Programa de Candidatura Eleições da FPAMC 2012

Programa de Candidatura Eleições da FPAMC 2012 Programa de Candidatura Eleições da FPAMC 2012 O candidato a Presidente Paulo Araújo Fundador da Federação Portuguesa de Artes Marciais Chinesas - 1992 Cidadão português, nascido em Angola (uma das antigas

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Homologo. Homologo. Secretária de Estado da Igualdade /alter Lemos Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO

Leia mais

ESTUDO SOBRE O VOLUNTARIADO: CONTEXTOS E CONCLUSÕES

ESTUDO SOBRE O VOLUNTARIADO: CONTEXTOS E CONCLUSÕES ESTUDO SOBRE O VOLUNTARIADO: CONTEXTOS E CONCLUSÕES O Estudo sobre o Voluntariado teve como objectivo geral a realização de um diagnóstico sobre a situação actual do voluntariado em Portugal, em termos

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

O Financiamento das Federações: Estratégias de Inovação

O Financiamento das Federações: Estratégias de Inovação O Financiamento das Federações: Estratégias de Inovação Abel.Correia@fmh.utl.pt Marketing e Gestão do Desporto Faculdade de Motricidade Humana Congresso do Desporto Lisboa, 3 de Fevereiro de 2006 1 Porque

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

Relação Escola Família - Comunidade

Relação Escola Família - Comunidade Relação Escola Família - Comunidade Profª Manuela Matos (*) Cabe-me abordar o tema relação escola - família comunidade. Tentarei, para o efeito, mobilizar a minha experiência profissional (como educadora

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 13.REV1/2011 SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS, CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE APLICAÇÃO DAS DESPESAS ELEGÍVEIS E METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

3.6 Que globalização? As Organizações Internacionais como motor para a igualdade

3.6 Que globalização? As Organizações Internacionais como motor para a igualdade 3.6 Que globalização? As Organizações Internacionais como motor para a igualdade 3.6.1 As instâncias internacionais, a capacitação e a participação das organizações não governamentais É sabido que as mulheres

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Relações Públicas e Comunicação Empresarial Disciplina: Comunicação Corporativa 6ºSemestre Responsabilidade Social Empresarial Docente: Tiago Ramos Discente: Vanessa Gomes Rolim nº5682 Lisboa, 26 de Abril

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português

Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Análise Multidimensional da Evolução do Sistema de Saúde Português Objectivos: Construir participativamente e partilhar amplamente uma visão dos determinantes da evolução do sistema de saúde português,

Leia mais

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO ECONOMISTA Janeiro, 2006 Rua Marquês de Pombal, Nº 17 7200-389 Reguengos de Monsaraz Telemóvel: +351 964 895 518 jose.calixto@netcabo.pt C URRICULUM VITAE JOSÉ

Leia mais

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 12/09/2005 1 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS: A Pós-Graduação em Gestão Estratégica dos Recursos Humanos e Inovação tem como objectivo geral dotar os gestores,

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE 0 EXERCITO PORTUGUES E A TELE-MEDIA, INFORMATICA E SERVI<;OS, S.A. 1. Preambulo

PROTOCOLO ENTRE 0 EXERCITO PORTUGUES E A TELE-MEDIA, INFORMATICA E SERVI<;OS, S.A. 1. Preambulo PROTOCOLO ENTRE 0 EXERCITO PORTUGUES E A TELE-MEDIA, INFORMATICA E SERVI

Leia mais

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado Reino de Marrocos Ministério da Função Pública e Modernização da Administração Centro Africano de Formação e Resquisa em Administração para o Desenvolvimento Fundação para o Reforço de Capacidades em Africa

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

A implementação da formação organizacional numa cadeia hoteleira

A implementação da formação organizacional numa cadeia hoteleira A implementação da formação organizacional numa cadeia hoteleira Maria João Rosendo Oliveira Gomes 1, João Emanuel Gonçalves S. Costa 1 1 Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche, Instituto

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

TRABALHO, EMPRESAS E QUALIDADE DE VIDA. Maria das Dores Guerreiro, Eduardo Rodrigues e Ana Isabel Couto

TRABALHO, EMPRESAS E QUALIDADE DE VIDA. Maria das Dores Guerreiro, Eduardo Rodrigues e Ana Isabel Couto TRABALHO, EMPRESAS E QUALIDADE DE VIDA Maria das Dores Guerreiro, Eduardo Rodrigues e Ana Isabel Couto TRABALHO, EMPRESAS E QUALIDADE DE VIDA Estudos desenvolvidos nos últimos anos no domínio de investigação

Leia mais

PROGRAMA AVES. referencial genérico

PROGRAMA AVES. referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico PROGRAMA AVES referencial genérico 1. Introdução Tanto o debate sobre a eficácia dos sistemas educativos e das escolas como a larga controvérsia sobre a qualidade das

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009 Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 EMPRESAS E INOVAÇÃO Luísa Oliveira luisa.oliveira@iscte.pt Luísa Veloso

Leia mais

o ExERCITO PORTUGUES E A

o ExERCITO PORTUGUES E A PROTOCOLO ENTRE SERHOGARSYSTEM. o ExERCITO PORTUGUES E A 1. Preambulo A celebracao do presente protocolo tern como objectivo assegurar aos militares e civis que prestam servico no Exercito Portugues, e

Leia mais

Políticas industriais: o Estado ao serviço de quem?

Políticas industriais: o Estado ao serviço de quem? Le Monde diplomatique edição portuguesa, II Série, n.º 60 (Outubro) Políticas industriais: o Estado ao serviço de quem? Ricardo Paes Mamede Economista, co autor do blog Ladrões de Bicicletas (ladroesdebicicletas.blogspot.com)

Leia mais

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho.

Realização das Noites de Sociologia, encontro tertúlia subordinado a um tema, e que habitualmente se realiza em junho. Índice 1. Introdução... 3 2. Atividades científicas, de formação e divulgação....3 3. Publicações.. 3 4. Internet... 4 5. Secções Temáticas e Núcleos Regionais 4 6. Outras atividades....4 2 1. Introdução

Leia mais

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012 Human Resources Human Resources Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012, realizados pela Michael Page. O objectivo dos nossos Estudos de Remuneração

Leia mais

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO TMT N.º 1/2009 MAR/ABRIL 2009 NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO A informação divulgada pelas Instituições de Crédito relativamente aos produtos que estas oferecem tem sido

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro

Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro Decreto-Lei n.º 407/99 de 15 de Outubro Disposições gerais... 3 Objecto... 3 Âmbito de aplicação... 3 Excepções... 3 Conceitos... 3 Legislação aplicável... 4 Organização e gestão da formação desportiva...

Leia mais

O desenvolvimento de competências para a participação cívica e política. Isabel Romão

O desenvolvimento de competências para a participação cívica e política. Isabel Romão O desenvolvimento de competências para a participação cívica e política Isabel Romão Seminário Inaugural do Programa de Mentoring com vista ao fomento da participação cívica e política das jovens mulheres

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação 17 de Dezembro de 2004 Preâmbulo Sobre o lugar de onde se perspectiva

Leia mais

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA - CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI) E A A ELO - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

PROJECTO REDE EM PRÁTICA

PROJECTO REDE EM PRÁTICA PROJECTO REDE EM PRÁTICA O Programa Rede Social no Contexto Europeu e o Futuro da Política de Coesão Janeiro 2012 O Programa Rede Social no Contexto Europeu e o Futuro da Política de Coesão 1. O Programa

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO?

RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? RESPONSABILIDADE SOCIAL EM PORTUGAL REALIDADE OU FICÇÃO? O mundo sindical tem tido várias reacções a este conceito, nem sempre favoráveis, sendo certo que deve haver consciência de que uma certa medida

Leia mais

COACHING EM PORTUGAL 2009

COACHING EM PORTUGAL 2009 Alexandra Barosa-Pereira e Diana Vieira 16H30 APRESENTAÇÃO DO ESTUDO 18H00 COFFEE-END ORGANIZAÇÃO Licenciatura em Recursos Humanos ESEIG Núcleo de Investigação e Desenvolvimento em RH NID-RH ESEIG ABP

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

TAVARES, David Doutorado em Ciências da Educação Especialidade de Sociologia da Educação;,

TAVARES, David Doutorado em Ciências da Educação Especialidade de Sociologia da Educação;, ÁREA TEMÁTICA: Sociologia da Saúde O CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA E AS TENDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO DA SOCIOLOGIA DA SAÚDE EM PORTUGAL (COMUNICAÇÃO DE ABERTURA DA ÁREA TEMÁTICA DE SOCIOLOGIA DA SAÚDE) TAVARES,

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo]

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] 1. ENQUADRAMENTO Ao longo de 2009 consolidou-se em Portugal o reconhecimento de que

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010

Classes sociais. Ainda são importantes no comportamento do consumidor? Joana Miguel Ferreira Ramos dos Reis; nº 209479 17-10-2010 Universidade Técnica de Lisboa - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ciências da Comunicação Pesquisa de Marketing Docente Raquel Ribeiro Classes sociais Ainda são importantes no comportamento

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT

Instituto Politécnico de Setúbal. Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Ciências Empresariais Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT Floriano Manuel Graúdo Lagarto

Leia mais

Conferência Corporate Governance em Espanha e Portugal o que muda. Intervenção do Director Executivo da AEM, Abel Sequeira Ferreira

Conferência Corporate Governance em Espanha e Portugal o que muda. Intervenção do Director Executivo da AEM, Abel Sequeira Ferreira Conferência Corporate Governance em Espanha e Portugal o que muda organizada pela Católica-Lisbon School of Business & Economics com a colaboração da AEM - Associação de Empresas Emitentes de Valores Cotados

Leia mais

Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. R-1877/09 (A6)

Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. R-1877/09 (A6) Exm.º Senhor Secretário-Geral da FENPROF Rua Fialho de Almeida, 3 1070-128 LISBOA Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. R-1877/09 (A6) Assunto: Regime de autonomia, administração e gestão dos

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

RESPOSTA AO RELATÓRIO de

RESPOSTA AO RELATÓRIO de RESPOSTA AO RELATÓRIO de Comissão Externa de Avaliação Comissão D. Educação Subcomissão D.4.1 Educação de Infância + 1º Ciclo Do Curso de Licenciatura de Educação de Infância Da Escola Superior de Educação

Leia mais