Crise Econômica e Negociações Comerciais: Conjecturas sobre a Rodada Doha e Sistema Multilateral de Comércio *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Crise Econômica e Negociações Comerciais: Conjecturas sobre a Rodada Doha e Sistema Multilateral de Comércio *"

Transcrição

1 Crise Econômica e Negociações Comerciais: Conjecturas sobre a Rodada Doha e Sistema Multilateral de Comércio * Sebastião C. Velasco e Cruz ** Ao traçar o balanço da Rodada Tóquio do General Agreement on Tariffs and Trade (GATT; em português, Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio), Gilbert R. Winham (1986), autor de obra seminal sobre o tema, faz uma observação que nos convida a pensar. Desenrolada em meio a fortes turbulências econômicas e tensões internacionais agudas, a Rodada Tóquio produziu resultados e provocou sentimentos mistos. Por um lado, trouxe definitivamente para a agenda do GATT o tema das barreiras não tarifárias ao comércio (subsídios; valoração aduaneira; compras governamentais; padrões técnicos e sanitários; licenciamento de importações e restrições quantitativas), tendo criado, além disso, regras definidas para discipliná-las. Por outro, deu origem a um mecanismo fraco códigos de adesão voluntária desacompanhado de instrumentos efetivos para garantir a implementação das normas acordadas. Mudança extraordinária, para alguns; mudança tímida, no juízo de outros. No entender de Winham (1986), o fundamental está em outro lugar: para além da modéstia discutível de seus resultados diretos, a Rodada Tóquio foi um grande sucesso político. Com efeito, no contexto de uma crise grave, que tinha tudo para exacerbar as rivalidades entre os Estados Unidos e o seu desafiante europeu, pela segunda vez presente nas negociações do GATT como ente coletivo, a rodada chega a bom termo, e atenua os conflitos entre eles. E não por acaso: A ironia é que, enquanto a crise econômica tornou os anos 1970 um momento pouco propício para se negociar o comércio, a negociação comercial converteuos em um bom momento para se ter uma crise. As grandes transformações dos anos 1970 não foram tão danosas para o comércio internacional ou o sistema do GATT quanto poderiam ter sido, e a razão principal disso foi a existência da negociação da Rodada Tóquio. (WINHAM, 1986, p. 363, tradução minha). * Artigo produzido em maio de ** Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

2 Crise econômica e negociações comerciais: hoje, o velho par dá novamente o ar de sua graça. Mas, aceito o argumento de Winham, caberia perguntar: será que agora a combinação entre eles se revelará tão proveitosa? À primeira vista, as diferenças entre as duas situações aludidas parecem tão grandes que quase nos levam a descartar a hipótese, ou mesmo a comparação histórica que a justifica. Para começar, há a discrepância na seqüência dos eventos: a Rodada Tóquio foi aberta em 1973, ano em que a economia internacional sofreu o enorme abalo provocado pelo primeiro choque do petróleo, enquanto a crise financeira atual apanha a Rodada Doha em seu sexto ano, quando, pelo cronograma inicial, já deveria estar há muito concluída. Depois, há as enormes diferenças obscurecidas pela utilização de um único termo para designar fenômenos diversos. A crise passada veio na esteira de um choque de oferta, cujos efeitos foram amplificados pelas políticas restritivas adotadas por diferentes governos com o fim de evitar um repique inflacionário. A crise financeira que presenciamos agora foi detonada pela quebra da cadeia que liga direitos e obrigações contratuais em uma trama a tal ponto intrincada que se torna impossível a todos determinar o tamanho exato do prejuízo incorrido por cada agente envolvido nela. Iniciada no mercado de crédito hipotecário dos Estados Unidos, a crise rapidamente se propaga para outros mercados e outros países. Arrastando em seu movimento instituições de solidez tida como indiscutível, a crise obriga as autoridades monetárias a reduzir drasticamente os juros, a injetar enormes recursos para aumentar a liquidez da economia e a fazer intervenções muito pouco ortodoxas a fim de espantar o fantasma do colapso sistêmico. No momento em que este artigo é escrito, a operação de salvamento parece ter dado bons resultados, e um clima de relativa tranqüilidade volta a tomar conta dos mercados. Mas o impacto da crise sobre a economia real ainda está longe de ter se esgotado, e ninguém refletidamente pode afastar a possibilidade de novas turbulências no futuro. Duas situações muito diferentes, pois. Mas os elementos comuns entre elas são muitos, e não menos importantes.

3 O primeiro diz respeito ao acirramento dos conflitos geopolíticos no Oriente Médio. Em 1973, a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) de embargar a venda do petróleo aos Estados Unidos e a seus aliados foi tomada logo após a Guerra de Yom Kipur, na qual Israel impôs uma derrota humilhante aos países da Liga Árabe. A crise presente ocorre em um contexto internacional crispado pela doutrina da guerra ao terrorismo com sua tradução imediata: a operação punitiva no Afeganistão e os preparativos para a ocupação do Iraque e pelo conflito em torno do programa nuclear iraniano, que mantém aberta a hipótese de nova guerra, de proporções muito maiores e conseqüências ainda mais espantosas. O segundo elemento em comum entre a situação presente e a passada refere-se às pressões altistas no mercado do petróleo. Esse fator esteve presente na decisão da OPEP, organização cuja existência sem ele dificilmente seria concebível. Com efeito, entre 1965 e 1973, o crescimento acumulado do consumo mundial de energia foi de 43%, (4,6% ao ano), o que levou as grandes companhias de petróleo a explorar as reservas do Alasca e do mar do Norte, e induziu o governo dos Estados Unidos a encorajar a elevação do preço do petróleo do Oriente Médio para compensar os custos mais altos desses novos campos (CEPII, 1983, p ). E não se tratava apenas do preço do petróleo: os preços das commodities industriais (metais, fertilizantes) e dos alimentos ascendem acentuadamente no início dos anos 1970, movimento este que, no caso dos alimentos, foi reforçado pela ocorrência de condições climáticas desfavoráveis e pela decisão da União Soviética de importar grãos dos Estados Unidos. A disparada atual nos preços do petróleo e dos alimentos é assunto que está nas manchetes todos os dias. Não precisamos insistir neste ponto. Basta chamar atenção para a circunstância comum que aproxima os dois contextos considerados: o longo período de acelerado crescimento econômico, com a elevação da demanda por esses bens que ele acarreta. E para um aspecto extremamente perturbador que é específico à crise de nossos dias: o impacto da especulação financeira nos preços dos alimentos e outras mercadorias (MASTERS, 2008). A longa duração do ciclo de crescimento traz à cena o quarto elemento partilhado: a mudança nas relações de força na economia internacional. Na conjuntura que

4 desemboca na crise dos anos 1970, as manifestações mais visíveis desse fenômeno eram a ascensão da Europa e do Japão, e o declínio relativo da economia norte-americana. Em 1950, os Estados Unidos respondiam por mais de 27% do produto interno bruto (PIB) mundial em 1973, esta parcela havia caído para 22,1% (MADDISON, 2003, p. 261). Em 1960, esse país participava com cerca de 20% do comércio mundial, quota duas vezes maior do que a da Inglaterra, sua mais próxima concorrente em 1972, o volume de comércio dos Estados Unidos era apenas 20% superior ao da Alemanha, e ficava bem atrás do volume total de comércio da Comunidade Européia (WINHAM, 1986, p. 27 e ss). Essa troca de posições foi marcada por um fato altamente simbólico: em 1971, os Estados Unidos sofriam o seu primeiro déficit comercial no século. No ciclo econômico recente, o pólo dinâmico deslocou-se para os países classificados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) como emergentes e em desenvolvimento: de acordo com esta fonte, nos últimos cinco anos a China respondeu sozinha por um quarto do crescimento global; o grupo Brasil, China, Índia e Rússia, por quase a metade; e o conjunto das duas categorias mencionadas, por quase dois terços. O dinamismo dessas economias impacta fortemente o comércio internacional. Elas respondem hoje por mais de um terço do comércio mundial e por mais da metade do crescimento no volume das importações globais. E não é só isso: houve também uma mudança significativa no padrão do comércio dessas economias: hoje quase a metade de suas exportações está direcionada para países do mesmo universo, com o comércio intra-regional ganhando importância crescente, mormente na Ásia (IMF, 2008, p. 24). Um dos resultados mais notáveis de tal deslocamento é o acúmulo de reservas internacionais por esses países: perto de um trilhão de dólares, pela China; cerca de 800 bilhões pela Índia; e mais de três trilhões pelo conjunto deles. O papel desses recursos na sustentação da demanda agregada dos Estados Unidos é bem conhecido e foi visto sempre com bons olhos. Nova e algo inquietante para os exportadores tradicionais de capital é a canalização de parte deles para aquisição de toda espécie de ativos em carteiras administradas por fundos soberanos. Na Europa e nos Estados Unidos, essa tendência começa a despertar reações pouco simpáticas e muito pouco condizentes com o proclamado liberalismo desses países.

5 A última similitude a destacar diz respeito aos desequilíbrios financeiros que antecedem a eclosão da crise. No caso da mais antiga, a história é sabida: com a redução dos saldos comerciais, os estoques de ouro do Tesouro dos Estados Unidos foram minguando, em termos relativos e absolutos, tornando a tarefa de manter a regra de conversibilidade ouro-dólar, pedra angular do sistema de Bretton Woods, cada dia mais difícil. Em 1947, com mais de 22 bilhões de dólares sob a guarda do Tesouro, os Estados Unidos detinham cerca de 70% do estoque total de moeda ouro do mundo; em 1971, quando o governo norte-americano rompeu a regra da conversibilidade, este estoque estava reduzido a menos da metade (10,2 bilhões de dólares). Antes de chegar a esse ponto, o dólar norte-americano fora alvo da crítica insistente de governos europeus e de ataques especulativos de grandes investidores. Ainda houve uma tentativa de salvar o sistema, com o Acordo Smithsoniano de dezembro de Em vão. Depois de várias depreciações unilaterais, em 1973, o governo Nixon anunciava a decisão de permitir a livre flutuação do câmbio. Abria-se, assim, um período de desordem financeira que se prolongaria por mais de uma década. Trinta e cinco anos depois, os choques financeiros incluem-se também entre os antecedentes notáveis da crise. A série é longa e instrutiva: 1992: pressões sobre o marco nas circunstâncias excepcionais criadas pela unificação alemã e adoção de políticas defensivas pelo Bundesbank, que transferem a crise para a libra esterlina, levando à sua saída temporária do Sistema Monetário Europeu (SEABROOKE, 2001, p. 160 e ss); 1994/1995: crise Tequila, com a fuga precipitada do peso e a operação bilionária de resgate adotada em tempo recorde pelo governo dos Estados Unidos; 1997: crise no mercado imobiliário tailandês derruba o bath, arrasta a rupia indonésia, quebra a bolsa de Hong Kong e joga na lona o won coreano, deixando o país à mercê do doutores do dinheiro do FMI; 1998: especulação contra o rublo acua o governo russo, que reage decretando a moratória; neste mesmo ano, para evitar o mesmo desfecho, o Banco Central brasileiro produz brutal elevação da taxa básica dos juros e recebe generoso crédito do FMI para sustentar a cotação do real, que não consegue, porém, resistir, forçando o governo, em janeiro do ano seguinte, a mudar o regime de câmbio; 2001, Estados Unidos: para começar, estouro da bolha das empresas de internet,

6 inaugurando um período de recessão leve, mas relativamente prolongada; e, para fechar o ano à altura, escândalo da Enron desmontagem de esquema fraudulento envolvendo gigante do setor de infra-estrutura e uma das maiores firmas de auditoria do mundo; 2002/2003: colapso do peso e crise catastrófica da economia argentina. Crises em diferentes pontos do espaço e do tempo, cada uma delas com suas características próprias, mas com esse denominador comum: o predomínio da lógica da acumulação financeira em mercados frouxamente regulados. Em sua brevidade, esses paralelos sugerem uma consideração, que leva ao centro do argumento que estamos a traçar. Na década de 1970, à medida que o tempo passava e as políticas econômicas rotineiras produziam resultados frustrantes e inesperados, foi se tornando crescentemente claro que a crise envolvia muito mais do que desajustes momentâneos e choques externos. A crise tinha raízes profundas, e elas é que precisavam ser atacadas todos concordavam. Mas na identificação dos problemas e nas soluções propostas a discórdia imperava e se traduzia em conflitos ásperos. Na Inglaterra e nos Estados Unidos, esse período agônico vai se encerrar no início do decênio seguinte, com as vitórias políticas acumuladas pelos governos de Margareth Thatcher e Ronald Reagan. O processo de reestruturação econômica que ganhava fôlego, então, tinha duas faces: sob o manto de um discurso aguerrido de ruptura, ele envolvia mudanças mais ou menos drásticas em instituições e modelos de políticas domésticas; em outro plano, ele implicava uma ampla redefinição das regras que regiam as relações econômicas entre os países. Não podemos nos deter em sua caracterização: basta dizer que, entre os seus aspectos fundamentais, contam-se o processo movido contra os direitos sociais institucionalizados no Welfare State, o reforço em toda linha dos direitos de propriedade e a desregulamentação dos mercados financeiros. Ao se completar é uma maneira de dizer, pois ele não se completa nunca, esse processo havia dado uma outra cara ao capitalismo.

7 Haveria um paralelo, aqui também, entre as duas crises, a de ontem e a hodierna? Há quem exclua de saída essa possibilidade. As crises financeiras reza o argumento são ocorrências normais nesse tipo de capitalismo. Elas não o debilitam: pelo contrário, é por meio da crise que essa forma perversa de organização socioeconômica e política se reproduz e amplia o seu raio. Do outro lado do espectro político, vamos encontrar os ideólogos de plantão, a repetir uma vez mais e sempre que os problemas não estão no modelo seguido, mas na inconseqüência dos governantes, que o adotam apenas parcialmente, e dele se afastam à primeira oportunidade. Argumentos distintos, de conotações opostas. Mas, para uns e outros, o prognóstico é essencialmente o mesmo: o resultado da crise é o reforço da ordem vigente. Nem todos, porém, concordam com esta avaliação. Martin Wolf (2008), por exemplo, prestigioso articulista do Financial Times, viu na decisão do Federal Reserve de resgatar o banco de investimento Bear Stearns o reconhecimento explícito, pelo protagonista principal do capitalismo de livre mercado, de que essa era estava terminada. A questão da autoridade de Martin Wolf para fazer um julgamento tão forte não tem o menor interesse. Mas o argumento que ele usa em seu apoio é relevante. Vale a pena escutá-lo: Se os próprios Estados Unidos se afastam do modelo da desregulamentação financeira, esse fato vai ter amplas implicações globais. Até recentemente, era possível dizer aos chineses, aos indianos ou àqueles que sofreram crises financeiras significativas nas últimas duas décadas que havia um sistema financeiro ao mesmo tempo livre e robusto. Esse não é mais o caso. Será realmente difícil persuadir esses países de que as falhas de mercado que se manifestaram nos Estados Unidos e em outros países ricos não são uma advertência horrível. Se os EUA, com sua vasta experiência e todos os seus recursos, foram incapazes de evitar aquelas armadilhas, por que, eles hão de indagar, devemos acreditar que nos sairemos melhor? (WOLF, 2008, tradução do autor). O futuro é uma obra aberta, e não há como afirmar com segurança qual será a sua fisionomia. Mas o argumento de Wolf (2008) faz referência ao presente, e nesse passo nos dá um atalho para a hipótese com que se encerrará este artigo.

8 Dissemos há pouco que o processo de reestruturação econômica levado a cabo no final do século passado compreendia dois movimentos interligados: a mudança das políticas domésticas e a redefinição das normas que presidiam o relacionamento entre os países. No contexto produzido pela decisão do Federal Reserve de elevar brutalmente a taxa básica de juros nos Estados Unidos, em 1979, a tarefa de impor as novas disciplinas contou com a contribuição inestimável do Banco Mundial e do FMI, mas o fundamental do trabalho foi realizado nas negociações da Rodada Uruguai do GATT. É com o final dessa rodada e com a criação conseqüente da Organização Mundial do Comércio (OMC) que a idéia de uma mudança constitucional no sistema multilateral do comércio ganha substância e passa a ser levada a sério. 1 Se esta leitura estiver correta, a Rodada Tóquio deve ser encarada como um prelúdio. Algo parecido pode ser dito esta hipótese sugerida neste artigo da Rodada Doha: contemplada em uma perspectiva de longo prazo, ela deve ser vista como etapa preliminar de um processo de transição. Ao formulá-la, além dos elementos comparativos já avançados, levamos em conta os seguintes aspectos. 1) As dificuldades enfrentadas pelos Estados Unidos e demais países desenvolvidos no período de pré-negociação da rodada. O episódio emblemático aqui foi a reunião Ministerial de Seattle, em novembro de Ele ganhou projeção na mídia pela intervenção espetacular dos movimentos sociais e das organizações não governamentais que mobilizaram milhares de manifestantes em protesto contra aquele conclave, inscrevendo com isso, definitivamente, o movimento antiglobalização na pauta dos jornais em todo o mundo. Mas o fracasso da conferência não foi uma conseqüência dessa mobilização. Os interlocutores principais chegaram ao local do encontro sem terem previamente produzido o encontro indispensável de horizontes. Na ausência de consenso, e na atmosfera carregada da conferência, a impossibilidade de chegar a uma proposta satisfatória para as partes envolvidas (isto é, os Estados representados na Conferência) teve enorme repercussão e valeu como um sinal de que o jogo a partir de então seria mais emocionante.

9 Emoção não faltou à Conferência de Doha, na qual se deu o consenso necessário para a abertura da nova rodada de negociações sobre as regras do comércio internacional. Mas a origem dela estava em outro lugar. Com efeito, a Conferência de Doha realizou-se em 2001, dois meses depois dos atentados de 11 de setembro, quando o choque provocado por esse acontecimento ainda estava bem vivo e os Estados Unidos moviam a primeira das grandes campanhas de sua declarada guerra ao terrorismo. Nessas circunstâncias, a obtenção de um acordo que pudesse dar provas de unidade era imprescindível. Mas, mesmo assim, o consenso não foi alcançado facilmente: ele exigiu muitas e difíceis concessões, e um dos resultados delas foi a Agenda de Desenvolvimento, que desde então esteve associada à rodada, como sua marca de fantasia. 2) A ativação dos países em desenvolvimento e a efetividade surpreendente de sua intervenção. O divisor de águas nesse particular foi a quinta Conferência Ministerial da OMC, realizada em 2003, em Cancún, México. Como observaram prontamente os melhores analistas, a conferência de Cancún foi palco de uma movimentação inédita entre esses países, que lograram fortalecer suas respectivas posições negociadoras ao exibirem um nível notável de mobilização e ao se reforçarem mutuamente por intermédio de um conjunto muito diversificado de alianças (NARLIKAR; TUSSIE, 2003). Tais alianças se distinguiam pela seguinte particularidade: nenhuma delas estava centrada em um único tema. Pelo contrário, assumiam características de bloco coalizões relativamente estáveis que modulam suas agendas em função das ocorrências que marcam os processos de negociação nos quais estão envolvidas. Ademais, entre elas havia um considerável grau de interseção, em virtude da sobreposição freqüente dos múltiplos vínculos de boa parte de seus membros. Estava ressuscitada, assim, no sistema multilateral de comércio internacional, a clivagem Norte-Sul que parecia ter sido sepultada na Rodada Uruguai, na segunda metade da década de Não faltaram críticas à aliança antinatural do Brasil e da Índia, que associava países com interesses contraditórios no tema-chave da agricultura. Não faltaram, tampouco, os prognósticos sobre a dissolução rápida do grupo dos 20, por suas inconsistências próprias e pela ação dissolvente da diplomacia das grandes potências. Os críticos

10 mantêm, provavelmente, as suas reservas, mas as previsões céticas sobre a resistência do grupo revelaram-se falsas. Aqui também uma referência comparativa à Rodada Tóquio pode ser instrutiva. Nesta, a negociação seguia um padrão piramidal, na imagem usada por Winham (1986): as grandes potências fechavam acordos no alto, e depois estes eram gradualmente ampliados, com a inclusão de outros países na discussão (WINHAM, 1986, p ). Na Rodada Doha o padrão é totalmente distinto: os Estados Unidos e a União Européia tentam fechar entendimentos com os seus interlocutores em encontros fechados com o Brasil e a Índia, sob o olhar sumamente crítico de todos. 3) O encolhimento da agenda e a duração excessiva da Rodada. A redução da pauta da negociação deu-se já no processo de pré-negociação, que resultou em um documento no qual os temas de Cingapura (investimento, política de concorrência, compras governamentais e facilitação de comércio) compareciam como possíveis itens da agenda negociadora, dependendo da manifestação de consenso explícito dos participantes. Este, como sabemos, não se produziu, e a negociação ficou restrita aos acordos já existentes. Por outro lado, a resistência dos países ricos tem afastado qualquer progresso no sentido de alterar o acordo do Trade-Related Aspects of Intellectual Property Rights (TRIPS) para evitar a apropriação indébita de recursos genéticos e dar proteção aos saberes tradicionais, bem como em outros itens que poderiam dar substância à dita agenda do desenvolvimento. Prevista para se encerrar até dezembro de 2005, a rodada ainda se arrasta até hoje, e há algum tempo observadores mais avisados previam que ela não estaria concluída antes de 2009 (EVENETT, 2006). Como um processo de negociação tão longo e trabalhoso envolve custos não recuperáveis muito elevados, há poucas dúvidas de que ela será terminada um dia. Mas as expectativas a respeito dos seus resultados, que já se encontravam muito deflacionadas no início do ano corrente, ficaram ainda mais depois da promulgação, em maio, da nova lei agrícola dos Estados Unidos, com os generosos subsídios que ela consagra.

11 Nessa dupla condição pelo que trouxe de novo e pelo que deixou de realizar, a Rodada Doha será vista provavelmente pelo observador futuro como uma ponte, um lugar de passagem. A questão que não temos como responder é para onde ela conduz. Na opinião de alguns, a um regime novo, em que os acordos regionais e bilaterais de comércio se multiplicariam e a OMC funcionaria como mediadora, contribuindo para sua necessária harmonização. Nesta perspectiva, o telos continua sendo o mesmo: o livre-comércio (BALDWIN, 2006); muda apenas o caminho para alcançá-lo. Para outros e entre eles o autor deste artigo, a ponte deve levar a um regime mais flexível, em que a OMC estará mais aberta à voz dos países em desenvolvimento, e as normas em vigor ampliarão o espaço para a adoção de políticas nacionais que tenham em vista o atendimento das necessidades e a realização dos anseios de bem-estar de suas populações. O fato de que essas duas possibilidades estejam abertas realça a natureza política do problema que temos à frente. Referências Bibliográficas BALDWIN, Richard E. Multilateralising regionalism: spaghetti bowls as building blocs on the path to global free trade. The World Economy, v. 29, n. 11, p , CASS, Deborah Z. The constitutionalization of the World Trade Organization. Legitimacy, democracy, and community in the International Trading System. Oxford: Oxford University Press, CEPII. Économie mondiale: la montee des tensions. Rapport du CEPII, Paris, EVENETT, Simon J. The WTO Ministerial Conference in Hong Kong. What next? Journal of World Trade, v. 40, n. 2, p , 2006.

12 IMF. World Economic Outlook. Housing and the business cycle, abr Disponível em: <http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2008/01/index.htm>. Acesso em: 24 jul MADDISON, Angus. The world economy: historical statistics. Paris: OECD, MASTERS, Michael W. Testimony before the Committee on Homeland Security and Governmental Affairs, United States Senate, May, 20, NARLIKAR, Amrita; TUSSIE, Diana. Bargaining together in Cancun: developing countries and their evolving coalitions Disponível em: <http://www.crdi.ca/uploads/user-s/ tussie_et_al_g20.doc>. Acesso em: 24 jul SEABROOKE, Leonard. US power in international finance. The victory of dividends. New York: Palgrave MacMillan, WINHAM, Gilbert R. International trade and the Tokyo Round negotiation. Princeton: Princeton University Press, WOLF, Martin. The rescue of Bearn Stearns marks liberalisation s limit. Financial Times, 25 mar Nota 1 Para um tratamento aprofundado do debate sobre a questão, ver Cass (2005).

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio

Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral de comércio Especial Perfil Wesley Robert Pereira 08 de setembro de 2005 Histórico da OMC: construção e evolução do sistema multilateral

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA

Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA Marketing Prof. Marcelo Cruz O MARKETING E A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL Nas sombras de 1929: A crise financeira nos EUA I O Impasse Liberal (1929) Causas: Expansão descontrolada do crédito bancário; Especulação

Leia mais

OMC: estrutura institucional

OMC: estrutura institucional OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 OMC: estrutura institucional Especial Perfil Wesley Robert Pereira 06 de outubro de 2005 Enquanto o GATT foi apenas

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais

Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Bali e pós-bali: Tendências nas negociações comerciais Sandra Polónia Rios 20 de maio de 2014 Roteiro 1. Antecedentes 2. O Pacote de Bali: agricultura, questões de desenvolvimento e facilitação de comércio

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais

A Guerra de Moedas: Riscos para a América Latina e o Papel dos Bancos Centrais Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Declaração No. 23 Novembro 16, 2010 Lima, Peru A Guerra

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Economia Internacional

Economia Internacional Economia Internacional Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2011 1 Bibliografia Krugman, P. e Murice Obstfeld(2000), caps 13. Grabbe(1996), cap 1. Arranjos Monetários Internacionais Como evolui o sistema

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS

OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS OS BRICS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SERVIÇOS Ivan Tiago Machado Oliveira* 1 INTRODUÇÃO Abrangendo grupos de empresas que proveem infraestrutura econômica básica, infraestrutura financeira e social e

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial;

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; 1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; A Nova Ordem Econômica Mundial insere-se no período do Capitalismo Financeiro e a doutrina econômica vigente é o Neoliberalismo. Essa Nova Ordem caracteriza-se

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio

OMC reabre a Rodada de Doha. Análise Economia & Comércio OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de março de 2007 OMC reabre a Rodada de Doha Análise Economia & Comércio Celeste Cristina Machado Badaró 30 de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial

ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial ANO Os BRICS EUA União Europeia PIB 2013 (aproximadamente) US$ 19 trilhões

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio NOTAS ECONÔMICAS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 11 Número 2 12 de julho de 2010 www.cni.org.br Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio Brasil

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc Mercadante_ANEXOS.indd 225 10/4/2006 12:00:02 Mercadante_ANEXOS.indd 226 10/4/2006 12:00:02 QUADRO COMPARATIVO POLÍTICA EXTERNA Fortalecimento e expansão

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP O mercado de câmbio brasileiro, no primeiro bimestre de 2014 Grupo de Economia / Fundap O ano de 2014 começou com um clima bem agitado nos mercados financeiros internacionais, com o anúncio feito pelo

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar

As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar As Linhas de Swap Acentuam o Papel Global do Dólar Quando os mercados financeiros globais enfrentam dificuldades, os bancos centrais coordenam swaps de moedas para aliviar a tensão. Devido ao importante

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único

ECONOMIA INTERNACIONAL II. Paridade Poder de Compra. Teoria: um primeiro olhar. A Lei do Preço Único Teoria: um primeiro olhar ECONOMIA INTERNACIONAL II Paridade Poder de Compra Professor: André M. Cunha 1. Teoria da Paridade Poder de Compra (PPC) : a abordagem da paridade poder de compra (PPC) sugere

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Vulnerabilidade externa e crise econômica no Brasil Reinaldo Gonçalves 1

Vulnerabilidade externa e crise econômica no Brasil Reinaldo Gonçalves 1 Vulnerabilidade externa e crise econômica no Brasil Reinaldo Gonçalves 1 Introdução Na fase ascendente do ciclo econômico internacional (2003 até meados de 2008) a economia brasileira teve um desempenho

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade 28 r e v i s t a revenda construção entrevista_ed.indd 28 14/05/10 22:05 País rico e já estável era rricardo Amorim, economista formado

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Monetary Policy. Economic Outlook - IMF. Seminário em Política Econômica Puc-Rio

Monetary Policy. Economic Outlook - IMF. Seminário em Política Econômica Puc-Rio The Changing Housing Cycle and the Implications for Monetary Policy Third Chapter of the World Economic Outlook - IMF Seminário em Política Econômica Puc-Rio -Introdução -Desenvolvimento no Financiamento

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

School of Economics and Management

School of Economics and Management School of Economics and Management TECHNICAL UNIVERSITY OF LISBON Department of Economics Carlos Pestana Barros & Nicolas Peypoch Pedro Leão Consequências A Comparative Analysis de desequilíbrios of Productivity

Leia mais

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.

Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev. Apresentação de Teresa Ter-Minassian na conferencia IDEFF: Portugal 2011: Coming to the bottom or going to the bottom? Lisboa, Jan.31-Fev.1, 2011 Estrutura da apresentação Antecedentes Principais características

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Decreto Legislativo nº 155, de 2015 (nº 62, de 2015, na origem), de autoria da Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Sinergia com os EUA. Henrique Rezezinski¹. Ano: 2012

Sinergia com os EUA. Henrique Rezezinski¹. Ano: 2012 ¹ Ano: 2012 1 HENRIQUE REZEZINSKI é membro do Conselho Curador do CEBRI e presidente da Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro (Amcham-Rio). CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais +55

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

BIRD) aos dias de hoje

BIRD) aos dias de hoje OSi Sistema Financeiro i Internacional: do Pós-Guerra (Bretton Woods-FMI, BIRD) aos dias de hoje Paulo Roberto de Almeida Diplomata, professor Audiência i Pública Senado Federal Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL UM PEQUENO RELATO HISTÓRICO E UMA GRANDE CRISE

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL UM PEQUENO RELATO HISTÓRICO E UMA GRANDE CRISE FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL UM PEQUENO RELATO HISTÓRICO E UMA GRANDE CRISE Semí Cavalcante de Oliveira INTRODUÇÃO Em maio de 2011, o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), o francês

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal INFORMATIVO n.º 35 AGOSTO de 2015 Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal Depreciação do yuan traz incertezas adicionais à economia chinesa neste ano

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO

GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO MUDANDO DE MUNDO GLOBALIZAÇÃO E CONFLITOS NO NOVO SÉCULO 1 A GLOBALIZAÇÃO: ACTORES, & FLUXOS -UMA VISITA A PARTIR DO PACÍFICO José Manuel Félix Ribeiro 10 de Janeiro de 2012 Programa das Conferências 1O

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais