As Zonas - ATMOSFERAS EXPLOSIVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As Zonas - ATMOSFERAS EXPLOSIVAS"

Transcrição

1 As Zonas - ATMOSFERAS EXPLOSVAS UM POUCO DE HSTÓRA... A classificação em zonas foi utilizada para determinar o nível de segurança necessário para o material eléctrico instalado nas atmosferas explosivas gasosas (CE ). Após o sucesso desta abordagem, foi aplicada nas atmosferas explosivas poeirentas (CE-EN ). A nova edição da CE (2007) [EN (2009)] conduz à substituição progressiva de CE-EN e CE-EN pelas duas novas normas: CE-EN : Classificação das colocações, atmosferas explosivas gasosas CE-EN : Classificação das colocações, atmosferas explosivas poeirentas (grupos de poeiras/epl) A norma EN define a selecção e a construção das instalações elétricas. DEFNÇÃO DE UMA ZONA COM RSCO DE EXPLOSÃO O objectivo da classificação em zonas distintas tem dois objectivos (segundo ATEX 1999/92/CE): - especificar as categorias de material utilizadas nas zonas indicadas, certificando que estão adaptadas a gases, vapores ou névoas e/ou poeiras. - Classificar os espaços de risco em zonas com a finalidade de evitar as fontes de inflamação e para efectuar uma selecção correcta dos materiais eléctricos e não-elétricos. Estas zonas serão estabelecidas em função do tipo de ambiente explosivo gasoso ou poeirento. GRUPOS GÁS Grupo Grupo : Material destinado locais sujeitos a atmosferas para além das minas grisu. : Material destinado às minas grisu. Grupo Grupo (minas) Zona Categoria (ATEX 94/9/CE) Presença atmosferas explosivas zona 0 (1) 1 G Permanente, frequente ou durante longos períodos zona 1 2 G ntermitente em serviço normal (provável) zona 2 3 G Ocasional ou durante curtos períodos (nunca em serviço normal) M1 (1) M2 Presença (metano, poeiras) Risco de presença (metano, poeiras) GRUPOS POERAS [segundo a 5ª edição, CE , 2007 (EN , 2009) (2) ] Grupo : Material destinado a uma utilização em locais ond existe uma atmosfera de poeiras explosivas além das minas com grisu. Zona Categoria (ATEX 94/9/CE) Presença atmosferas explosivas zona 20 1 D (1) Permanente, frequente ou durante longos períodos (misturas ar/poeiras) Grupo zona 21 2 D ntermitente em serviço normal zona 22 3 D Ocasional ou durante curtos períodos A classificação de uma instalação está sob a responsabilidade do utilizador. Deve se tratar individualmente cada instalação para avaliar as diferenças existentes entre cada uma delas. O utilizador procede a um estudo separado entre as zonas com risco de explosão de gás ou vapores e as zonas com risco de explosão de poeiras. NVEÍS DE PROTEÇÃO DO MATERAL (EPL) Nas circunstâncias normais, o efeito destes níveis de protecção será manter a relação normal de protecção entre zona/material. Se, no entanto, o risco é considerado como particularmente grave, então o nível EPL exigido pela zona pode ser aumentado. Da mesma forma, se o risco é considerado como pequeno ou insignificante, o nível de protecção pode ser reduzido. O quadro seguinte mostra a relação tradicional entre nível de protecção e zonas/categorias (sem avaliação de risco complementar). Nível de protecção de material (EPL) Zona normal de aplicação Categoria (94/9/CE) Ga 0 (e 1 e 2) 1G Gb 1 (e 2) 2G Gc 2 3G Da 20 (e 21 e 22) 1D Db 21 (e 22) 2D Dc 22 3D Ma / Mb minas M1 / M2 (1) G = gás; D = poeiras; M = minas (2) CE inclusive (poeiras) 00129PT-2010/R01 V1000-4

2 As Zonas - ATMOSFERAS EXPLOSVAS A zona 0 zona 1 zona PT-2009/R01 B zona 21 Ciclone zona 22 zona 20 Filtro de mangas EXEMPLOS DE CLASSFCAÇÃO DE ZONAS Croquis A para uma atmosfera explosiva gasosa: Zona 0 Zona 1 Zona 2 Croquis B para uma atmosfera explosiva poeirenta: Zona 20 Zona 21 Zona 22 Os croquis A e B aqui ilustrados são apenas exemplos e não poderão, em caso algum, servir de modelo para uma instalação real, cuja responsabilidade do projecto cabe ao projectista, construtor ou operador. V1000-5

3 COMO É DENTFCADO UM MATERAL ELÉCTRCO PARA ATMOSFERAS EXPLOSVAS SEGUNDO ATEX, EN 50014, EN E EN ? Conformidade com as Directivas europeias, marcação CE. N do organismo notificado para a emissão de um certifi cado CE tipo. (Exemplo 0081 = LCE ) Marcação «Epsilon» x para um material eléctrico ou não eléctrico em atmosferas explosivas. Símbolo específico de protecção contra explosões: - Para material eléctrico [[EN (EN )] que responde a um ou vários modos de protecção objecto das Normas Europeias EN a EN Para material não eléctrico (EN ) e modos de protecção EN , 3, 4, 6 et 7, EN , EN dentificação Marcação - ATMOSFERAS EXPLOSVAS "d" : Revestimento anti-deflagrante EN "e" : Segurança aumentada EN "i" : Segurança intrínseca "ia""ib" EN "m" : Encapsulagem EN "n" : Não incendiária EN "o" : mersão em óleo EN "p" : Sobrepressão interna EN "q" : Enchimento pulverulento EN "c" : Segurança na construção EN : Poeiras EN MODOS DE PROTECÇÃO GRUPOS DE MATERAL CLASSES DE TEMPERATURA 0081 q 2 G 0081 q 2 GD EEx ia C T6 c T 85 C T q 2 D P65 T 135 C : minas : indústrias de superfície (ver página 10) Marcação segundo ATEX 94/9/CE EXEMPLOS DE MARCAÇÃO Categorias de aparelhos (G = gás...; D = poeiras) M1 M2 1 G ou 1 D 2 G ou 2 D 3 G ou 3 D Grau de protecç o (EN 60529) de resvestimento para uma dada classe de temperatura. Marcação complementar para um material eléctrico segundo EN Marcação complementar para um material não eléctrico segundo EN T NERS 03 ATEX0249X GD EEx ia C Tamb C CAT No / TYPE T C P LUCE FRANCE Atmosferas poeirentas T. amb. MEDUM CATALOGUE N 2GD c T T C Temperatura máxima de superfície bar SERAL No BP LUCE FRANCE YEAR PPE T.P.L 00129PT-2010/R01 V1000-6

4 dentificação Marcação - ATMOSFERAS EXPLOSVAS COMO É DENTFCADO UM MATERAL ELÉCTRCO PARA ATMOSFERAS EXPLOSVAS SEGUNDO ATEX, EN-CE , EN E EN ? Conformidade com as Directivas europeias, marcação CE. N do organismo notificado para a emissão de um certifi cado CE tipo. (Exemplo 0081 = LCE ) Marcação «Epsilon» x para um material eléctrico ou não eléctrico em atmosferas explosivas. : minas : industries de surface Catégories : 1 (zone 0) - 2 (zone 1) - 3 (zone 2) Mines : M1 M2 gaz : G Poussières : D Símbolo específico de protecção contra as explosões segundo EN / CE MODOS DE PROTECÇÃO Eléctrico, gás: "d" : Revestimento anti-deflagrante EN "e" : Segurança aumentada EN "i" : Segurança intrínseca EN (ia/ib/ic) "m" : Encapsulagem EN (ma/mb/mc) "n" : Não incendiária EN (na/..) Eléctrico, poeiras: "td" : Protecção por revestimento EN "md" : Encapsulagem EN (mad/mbd) "id" : Segurança intrínseca EN Não eléctrico: "c" : Segurança na construção EN q 2 G Ex d C T q 2 D Ex td A21 P67 T135 C 0081 q 2 D c T85 C T6 Ex d B Gb T6 Ex t C Db P67 T85 C 00129PT-2009/R01 2D Ex td A21 P65 2G Ex d B+H2 R LCE 01 ATEX 6050X 0081 ma ou ia = para zona 0 gás (D = Dusts) mb ou ib = para zona 1 gás (D = Dusts) A : Prefi xo acrescentado à zona (exemplo: 21 ) descrevendo o método de ensaio Degré de protection escolhido «A» (Revestimento estanque, (EN 60529) de l'enveloppe pour une classe de P6X) température donnée. Grupos de material (A, B, C, A, B, C) Marcação segundo En (materiais eléctricos gás) Marcação segundo En (materiais eléctricos poeiras) Marcação segundo En (materiais não eléctricos) Marcação segundo EN-CE (2007) inclui a EN ; EN-CE Atmosph /EN-CE res poussiéreuses Temperatura máxima de superfície Classes de temperatura Grau de protecção do revestimento (P) para as poeiras (EN 60529) Nível de protecção do material (EPL) V1000-7

5 Modo de Protecção - ATMOSFERAS EXPLOSVAS O QUE É UM MODO DE PROTECÇÃO PARA MATERAS ELÉCTRCOS EM ATMOSFERAS GASOSAS? É um conjunto de medidas de protecção a ser aplicadas ao material eléctrico de modo a evitar a inflamação do ambiente envolvente. Símbolo do modo Zonas de aplicação Definição Representação simplificada "d" "e" Modo de protecção em que as peças, que podem inflamar o ambiente explosivo, são fechadas num invólucro, que resiste à pressão desenvolvida numa explosão interna duma mistura explosiva, e que impede a transmissão da explosão, ao ambiente explosivo envolvente do invólucro. Medidas que são aplicadas, com o fim de evitar, com um coeficiente de segurança elevado, a possibilidade de temperaturas excessivas e a aparição de arcos ou faíscas no interior e sobre as partes externas do material eléctrico que não se produzem em funcionamento normal. "i" "ia" "ib" Modo de protecção, no qual nenhuma faísca nem qualquer efeito térmico, produzido nas condições de teste prescritas pela norma (funcionamento normal e condições de falha), é capaz de provocar a inflamação dum ambiente explosivo. U R L C "m" Modo de protecção no qual as peças que podem inflamar um ambiente explosivo, por faíscas ou por aquecimento, são encapsuladas numa resina suficientemente resistente às influências ambientais, de tal maneira que o ambiente explosivo não pode ser inflamado. "n" Modo de protecção aplicado a material eléctrico de modo a que, em funcionamento normal e em certas condições anormais específicas da presente norma, não possa inflamar o ambiente explosivo circundante. Há 5 categorias de materiais: sem produção de faíscas (na), produção de faíscas (nc), encapsulados de respiração limitada (nr), energia limitada (nl) e pressurização interna simplificada (np). "o" Modo de protecção no qual o material eléctrico está submerso em óleo. "p" Pressurização interna, mantida no ambiente envolvente, com um gás neutro de protecção. "q" Enchimento do invólucro por um material pulverulento. Modos de protecção propostos: - "d", "m", "em", "n" e "i" para uma vasta gama de electroválvulas/electrodistribuidores certificados; - "c" para distribuidores, válvulas de comando por pressão, cilindros e conjuntos de tratamento de ar certificados. Consulte a nossa selecção de produtos em: PT-2009/R01 V1000-8

6 Modo de Protecção - ATMOSFERAS EXPLOSVAS MODO DE PROTECÇÃO PARA MATERAS ELÉCTRCOS EM ATMOSFERAS POERAS (EN ) Para uma utilização nas zonas onde a poeira combustível pode ser apresentada em quantidades que possam conduzir a um risco de explosão ou risco de incêndio. EN = td ; EN = md ; EN = id Símbolo do modo Zonas de aplicação Definição Representação simplificada "td" Materiais eléctricos protegidos por revestimento e por limite da temperatura de superfície, e destinados a serem utilizados nos locais onde a presença de poeiras combustíveis pode atingir quantidades susceptíveis de originar risco de incêndio ou explosão. A protecção contra a inflamação é baseada no limite da temperatura máxima de superfície do revestimento e noutras superfícies que possam entrar em contacto com a poeira, e no limite da penetração de poeiras no revestimento, através do uso de revestimentos «estanque às poeiras» ou «protegidas contra as poeiras». A presente norma não é aplicável ao material eléctrico destinado a ser utilizado nas partes subterrâneas das minas nem nas partes das instalações de superfície dessas minas, nem tem em conta ameaças de grisu e/ou poeiras combustíveis. "md" mad mbd Materiais eléctricos protegidos por revestimento de tipo «md» e por limite da temperatura de superfície para utilizar em zonas de presença de poeiras combustíveis em quantidades que possam originar incêndio ou explosão. Tipo de protecção onde as peças susceptíveis de provocar inflamação de uma atmosfera por faíscas ou escape são colocadas num composto de modo a evitar a inflamação de uma camada ou nuvem de poeira em condições de instalação ou funcionamento PT-2009/R01 "id" MODO DE PROTECÇÃO PARA NÃO ELÉCTRCO EN = c "c" Consulte a nossa selecção de produtos em: Materiais de segurança intrínseca destinados a serem utilizados em ambientes com nuvens ou camadas de poeiras combustíveis, e materiais associados destinados a serem conectados a materiais de segurança intrínseca que entram em tais ambientes. Aplicável aos aparelhos eléctricos nos quais os próprios circuitos eléctricos são incapazes de causar uma explosão em ambientes com poeiras combustíveis. Esta norma estabelece requisitos de fabrico que foi aprovada como segura de modo a evitar quaisquer fontes de inflamação, tais como fricção ou faíscas. É aplicável ao aparelho onde o movimento ou fricção podem ocorrer (embraiagens, freios, rolamentos, molas...). U R L C V1000-9

7 Grupos e Classes - ATMOSFERAS EXPLOSVAS CLASSFCAÇÃO DOS GASES EM GRUPOS DE EXPLOSÃO Grupo : Material eléctrico destinado às minas com grisu (trabalhos subterrâneos das minas e nas instalações de superfície). Grupo : Material eléctrico destinado aos locais propícios a outros ambientes explosivos além das minas com grisu (indústrias de superfície). Para os modos de protecção «d» e «i», o grupo é subdividido em A, B, C. O equipamento marcado B é adequado para as aplicações que exijam materiais do grupo A, do mesmo modo que o C é adequado para os grupos A e B. Para o modo «d» a subdivisão é baseada no nsterstício Experimental Máximo de Segurança (EMS) e para o modo «i» na Corrente Mínima de nflamação (CM). Um material eléctrico B pode ser certificado para utilização com um gás do grupo C. Neste caso, a identificação é seguida da fórmula química ou do nome do gás (exemplo: Ex d B + H 2 segundo EN e EN ) O quadro abaixo indica os grupos aos quais algumas misturas gasosas pertencem. Grupos A B C Temperatura Classes de temperaturas Gás de inflamação (1) ( C) T1 T2 T3 T4 T5 T6 metano (grisu) acetona 540 ácido acético 485 amoníaco 630 etano 515 cloreto de metileno 556 metano 537 óxido de carbono 605 propano 470 n-butano 365 n-butil 370 n-hexano 240 acetaldeído 140 éter etílico 160 nitrato de etilo 90 etileno 425 óxido de etilo hidrogénio sulfurado 270 acetileno (C 2 H 2 ) 305 dissulfeto de carbono (CS 2 ) 102 hidrogénio (H 2) 560 (1) Temperatura duma superfície quente a partir da qual a inflamação da mistura gasosa pode ser produzida. A temperatura de inflamação da mistura gasosa deve sempre ser mais elevada do que a temperatura máxima da superfície. Na prática, é observada uma margem de segurança (10 a 20 %) entre a temperatura de inflamação e a temperatura de marcação. Para uma nuvem de poeiras a temperatura de ignição está geralmente compreendida entre os 300 e os 700 C. Para a poeira em repouso estes valores são bem mais inferiores, na ordem dos 150 a 350 C. A inflamação de uma pequena parte da nuvem pode provocar a ignição da explosão da nuvem na sua totalidade, pelo que estes valores devem ser seriamente tidos em conta na prevenção do risco. CLASSES DE TEMPERATURAS A classificação é baseada na temperatura máxima de superfície: é a temperatura mais elevada, do funcionamento normal nas condições mais desfavoráveis, por toda a parte ou toda a superfície dum material eléctrico susceptível de provocar uma inflamação no ambiente explosivo circundante. Grupo : temperatura 150 C ou 450 C segundo acumulação de poeiras de carbono no material Grupo : os aparelhos devem ser classificados e marcados, - de preferência com a classe de temperatura (classificação T), - definidos pela temperatura de superfície ou, - limitados aos gases ou poeiras combustíveis específicos para os quais estão previstos, se necessário (e, consequentemente marcados). Classes de temperatura temperatura máxima de superfície ( C) temperatura de inflamação (1) ( C) T1 450 > 450 T2 300 > 300 T3 200 > 200 T4 135 > 135 T5 100 > 100 T6 85 > 85 V PT-2009/R02

8 Grupos - ATMOSFERAS EXPLOSVAS CLASSFCAÇÃO DAS POERAS EM GRUPO DE EXPLOSÃO (segundo a 5ª edição, CE , 2007) Grupo : Material destinado a uma utilização em locair onde existe uma amosfera de poeiras explosivas, que não minas com grisu. Grupo está subdividido em A (poeiras combustíveis), B (poeiras não condutoras) e C (poeiras condutoras). Poeiras combustíveis: Partículas sólidas muito finas, de tamanho nominal na ordem de 500 µm ou menos, podem estar a pairar no ar, podem ser depositadas devido ao seu próprio peso e que podem queimar ou incendiarem-se no ar e são susceptíveis de formar misturas explosivas com o ar em condições de pressão atmosférica e de temperatura normais. Poeiras não condutoras: Poeiras combustíveis de resistividade eléctrica superior a 10 3 Ω.m Poeiras condutoras: Poeiras combustíveis de resistividade eléctrica igual ou inferior a 10 3 Ω.m Poeiras combustíveis Temperatura de inflamação (1) Temperatura de auto-inflamação ( C) em camada (1) ( C) amido alumínio algodão cereais magnésio soja enxofre tabaco (1) Para um tipo de poeiras identificado, a temperatura máxima de superfície deve ser conhecida e compatível (marcação aparelhos para zona 21). Para a prevenção de inflamação das atmosferas poeirentas, é necessário limitar a temperatura máxima de superfície. Não deve exceder: - 2/3 da temperatura de auto-inflamação da nuvem de poeiras considerada; - a temperatura de auto-inflamação de uma camada de poeiras de 5 mm de espessura inferior a 75 C PT-2009/R01 V

9 Certificação - ATMOSFERAS EXPLOSVAS QUEM ENTREGA O CERTFCADO DE CONFORMDADE E DE CONTROLO? Um dos organismos, ou Laboratórios de ensaio ATEX, certificados e indicados abaixo (lista não exaustiva). Os certificados de conformidade ATEX estabelecidos pelos organismos são reconhecidos por todos os estados membros da C.E.E.. O certificado ECEx baseado nas normas internacionais CE para os produtos colocados em atmosferas explosivas pode também ser fornecido por alguns dos organismos citados abaixo. País ATEX ECEx Logo Organismos notificados N 32 TÜV Technischer Überwachungs-Verein Nord CERT - Hannover 35 TÜV TÜV Anlagentechnik Unternehmensgruppe TÜV Rheinland/Berlin-Brandenburg - Köln 102 PTB Physikalisch-Technische Bundesanstalt - Braunschweig Alemanha 123 TÜV Technischer Überwachungs-Verein Product Service - München 158 DMT Deutsche Montan Technologie - Essen EXAM Dekra EXAM 637 BExU nstitut für Sicherheitstechnik - nstitut an der Technischen Universität - Bergakademie - Freiberg 820 ZELM EX Prüf-und Zertifizierungsstelle - Braunschweig Bélgica 26 AB Vinçotte nternational S.A. - Bruxelles Dinamarca 539 UL/DEMKO Danmarks Elektriske Materielkontrol - Herlev Espanha 163 LOM Laboratorio Oficial Jose Maria de Madariaga - Madrid Finlândia 537 VTT VTT ndustrial Systems (VTT Tuotteet ja Tuotanto) - VTT França 80 NERS nstitut National de l Environnement ndustriel et des Risques - Verneuil-en-Halatte 81 LCE Laboratoire Central des ndustries Electriques - Fontenay-aux-Roses Hungria BK Hungarian Approval Service for Ex-proof Electrical Equipment - Mikovuny tália 722 CES Centro Eletrotecnico Sperimentale taliano - Milano Luxemburgo 499 SNCH Société Nationale de Certification et d Homologation - Sandweiler Noruega 470 NEMKO NEMKO AS - Oslo 575 DNV DET Norsk Veritas Certification - Hovik Países-Baixos 344 KEMA KEMA Quality B.V. - Arnhem República Checa 1026 FTZU Fyzikáln technický zkušební ústav (Physical Technical Testing nstitute) - Radvanice Reino Unido 359 TS Testing and Certification LTD - Leatherhead 518 SRA Certification Service Sira Test & Certification Limited - Kent 600 EECS Electrical Equipment Certification Servicehealth and Safety Executive - Buxton 891 TRL Compliance Services LTD - Up Holland 1180 BASEEFA 2001 British Approval Service for Electrical Equipment in Flammable Atmospheres - Buxton Rússia MANO CCVE Certification Centre of explosion-proof and mine electrical equipment Eslovénia SQ Slovenian nstitute of Quality and Metrology - Ljubljana Suécia 402 SP Swedish National Testing and Research nstitute LTD - Boras Suíça 1258 SEV Swiss Electrotechnical Association - Fehraltorf Quais as implicações para o fabricante? - Atesta a conformidade do material fabricado; - Autoriza o fabricante a fornecer uma cópia do Certificado; - Permite ao Laboratório de ensaios, ao entregar o certificado, o acesso livre às unidades de produção. A marcação de um produto certificado deve especificar: - O nome do fabricante ou a sua marca comercial registada; - A designação do produto fornecido pelo fabricante; - A identificação do código de marcação (ex: Ex d C T4); - Nome ou sigla da autoridade de ensaios; - O número do certificado CE de tipo segundo ATEX 94/9/CE e/ou o número ECEx para uma certificação CE. V (2008) Quais as obrigações da pessoa que instala o equipamento? - Deve colocar em serviço produtos certificados para atmosferas explosivas nas condições previstas. - deve instalar em conformidade com cada uma das zonas definidas pelo utilizador. Quais as obrigações do utilizador? - É responsável pela certificação das zonas perigosas. - Deve assegurar todas as operações regulares de manutenção, assim como a segurança de instalação e do pessoal PT-2010/R01

10 Normas - ATMOSFERAS EXPLOSVAS 00129PT-2009/R02 AS NORMAS EUROPEAS As antigas normas para o material eléctrico (EN e seguintes) que foram produzidos a partir de Uma segunda ediç o revista foi editada em Para poder utilizar estas normas a comissão europeia estabeleceu a directiva 97/53/CE que permite o fornecimento dos certificados de conformidade em relação com a directiva 94/9/CE. As segundas edições das normas formam a base das terceiras edições. Qualquer alteração técnica fundamental é necessária para assegurar a conformidade às exigências essenciais de segurança dadas pela directiva. Outras normas: EN /2 e EN (CENELEC, poeiras); EN a 8 (aparelhos não eléctricas, CEN) A evolução das normas para o material eléctrico conduzida à adopção progressiva das normas CE como normas CENELEC. Estas normas são identificáveis pela numeração (série 60000, ex.: EN , classificação das zonas ATEX gás). TABELA DE CORRESPONDÊNCA NORMAS CENELEC E NORMAS NACONAS REGRAS GERAS Países membros Normas nacionais EN EN Alemanha DN EN DN EN Áustria ÖVE EN ÖVE/ÖNORM EN Bélgica NBN-EN NBN-EN Bulgária BDS EN BDS EN Chipre - CYS EN Croácia HRN EN HRN EN Dinamarca DS/EN DS/EN Espanha UNE EN UNE EN Estónia EVS-EN EVS-EN Finlândia SFS-EN SFS-EN França NF EN NF EN Grécia ELOT EN ELOT EN Hungria MSZ EN MSZ EN rlanda.s. EN S. EN slândia ST EN ST EN tália CE EN CE EN Letónia LVS EN LVS EN Lituânia LST EN LST EN Luxemburgo EN EN Malta MSA EN MSA EN Noruega NEK EN NEK EN Países-Baixos NEN-EN NEN-EN Países membros Normas nacionais EN EN Polónia PN-EN PN-EN Portugal EN EN Rep. Checa CSN EN CSN EN Roménia SR EN SR EN Reino-Unido BS EN BS EN Eslováquia STN EN STN EN Eslovénia SST EN SST EN Suécia SS EN SS-EN Suíça SN EN SN EN Países afiliados EN EN Albânia - S SH EN Bielorússia - - Bósnia Herzegovina - - srael - - Líbia - - Monténegro - - Sérvia - - Tunísia - - Túrquia - TS EN Ucrânia - - Rep. da Macedónia - - MODOS DE PROTECÇÃO modos «d» «e» «i» «m» «n» poeiras combustíveis «c» normas EN CENELEC/CEN EN EN EN EN (EN ) EN EN países membros normas nacionais Alemanha DN EN DN EN DN EN DN EN DN EN DN EN DN EN Áustria ÖVE/ÖNORM EN ÖVE/ÖNORM EN ÖVE EN ÖVE/ÖNORMEN ÖVE/ÖNORM EN ÖVE/ÖNORM EN ÖVE ÖNORM EN Bélgica NBN-EN NBN EN NBN EN NBN EN NBN EN NBN EN NBN-EN Bulgária BDS EN BDS EN BDS EN BDS EN BDS EN BDS EN BDS Chipre CYS EN CYS EN CYS EN Croácia HRN EN HRN EN HRN EN HRN EN HRN EN HRN EN HRN EN Dinamarca DS EN DS EN DS EN DS EN DS EN DS EN DS / EN Espanha UNE EN UNE EN UNE EN UNE EN UNE EN UNE EN UNE-EN Estónia EVS EN EVS EN EVS EN EVS EN EVS EN EVS- EN Finlândia SFS-EN SFS-EN SFS EN SFS-EN SFS-EN SFS EN SFS-EN França NF EN NF EN NF EN NF EN NF EN NF EN NF EN Grécia ELOT EN EN NF EN EN ELOT EN ELOT EN ELOT EN Hungria MSZ EN MSZ EN MSZ EN MSZ EN MSZ EN MSZ EN MSZ EN rlanda.s. EN S. EN S./ EN S. EN S. EN S./ EN S. EN slândia ST EN ST EN ST EN ST EN ST EN ST EN ST EN tália CE EN CE EN CE EN CE EN CE EN CE EN UN EN Lituânia LST EN LST EN LST EN LST EN LST EN LST EN LST EN Letónia LVS EN LVS EN LVS EN LVS EN LVS EN LVS EN LVS EN Luxemburgo EN EN EN EN EN EN EN Malta MSA EN MSA EN MSA EN MSA EN MSA EN MSA EN MSA EN Noruega NEK-EN NEK-EN NEK-EN NEK-EN NEK-EN NEK-EN NEK-EN Países-Baixos NEN-EN NEN-EN NEN-EN NEN-EN NEN-EN NEN-EN NEN-EN Polónia PN-EN PN-EN PN-EN PN-EN PN-EN PN-EN PN-EN Portugal EN EN EN EN EN EN EN Rep. Checa CSN EN CSN EN CSN EN CSN EN CSN EN CSN EN CSN EN Roménia SR EN SR EN SR EN SR EN SR EN SR EN SR EN Reino-Unido BS EN BS EN BS EN BS EN BS EN BS EN BS EN Eslováquia STN EN STN EN STN EN STN EN STN EN STN EN Eslovénia SST EN SST EN SST EN SST EN SST EN SST EN SST EN Suécia SS EN SS EN SS EN SS EN SS EN SS EN SS EN Suíça SN EN BS EN SN EN BS EN SN EN SN EN BS EN Países afiliados Bósnia Herzegovina BAS EN BAS EN Túrquia TS EN TS EN TS EN TS EN TS EN TS EN TS EN V

11 Normas nternacionais - Certificados / Produtos - ATMOSFERAS EXPLOSVAS TABELA DE CLASSFCAÇÃO DAS ZONAS AO NÍVEL MUNDAL Normas Zonas com risco de explosão CE CENELEC Zona 0 (gás, vapores) ou 20 (poeiras) permanente, frequente ou durante longos períodos Zona 1 (gás, vapores) ou 21 (poeiras) intermitente em serviço normal (provável) Zona 2 (gás, vapores) ou 22 (poeiras) ocasional ou durante curtos períodos (nunca em serviço normal) US NEC 505 Zona 0 Zona 1 Zona 2 NEC 500 Divisão 1 Divisão 2 OS MODOS DE PROTECÇÃO A NÍVEL MUNDAL Certificação aplicável Zona Modos de protecção UL FM CSA CE CENELEC 0 Segurança intrínseca, "ia" UL 2279, Pt.11 CSA-E79-11 CE EN (EN ) Classe, Div. 1 ANS/UL 913 FM 3610 CSA-157 Encapsulagem, "m" UL 2279, Pt.18 FM 3614 CSA-E79-18 CE EN (EN 50028) Revestimento antideflagrante "d" UL 2279, Pt.1 FM 3618 CSA-E79-1 CE EN (EN 50018) Segurança aumentada "e" UL 2279, Pt.7 FM 3619 CSA-E79-7 CE EN (EN 50019) 1 Segurança intrínseca, "ib" UL 2279, Pt.11 FM 3610 CSA-E79-11 CE EN (EN ) mersão em óleo "o" UL 2279, Pt.6 FM 3621 CSA-E79-6 CE EN Enchimento pulverulento "q" UL 2279, Pt.5 FM 3622 CSA-E79-5 CE EN Sobrepressão interna "p" UL 2279, Pt.2 FM 3620 CSA-E79-2 CE EN Não incendiário "N" UL 2279, Pt.15 FM 3611 CSA-E79-15 CE EN (EN ) 2 Sem faísca "na" UL 2279, Pt.15 CSA-E79-15 CE EN (EN ) Respiração restrita "nr" UL 2279, Pt.15 CSA-E79-15 CE EN (EN ) Hermeticamente fechada "nc" UL 2279, Pt.15 CSA-E79-15 CE EN (EN ) CERTFCADOS SELECÇÃO DOS PRODUTOS em "www.asconumatics.eu" SELECÇÃO DOS PRODUTOS EM "www.asconumatics.eu" 00129PT-2010/R01 V

12 Normas nternacionais - Certificados / Produtos - ATMOSFERAS EXPLOSVAS TABELA DE CLASSFCAÇÃO DAS ZONAS AO NÍVEL MUNDAL Normas Zonas com risco de explosão CE CENELEC Zona 0 (gases, vapores) ou 20 (poeiras) permanente, frequente ou durante longos períodos Zona 1 (gases, vapores) ou 21 (poeiras) intermitente em serviço normal (provável) Zona 2 (gases, vapores) ou 22 (poeiras) ocasional ou durante curtos períodos (nunca em serviço normal) US NEC 505 Zona 0 Zona 1 Zona 2 NEC 500 Divisão 1 Divisão 2 OS MODOS DE PROTECÇÃO AO NÍVEL MUNDAL Certificação aplicável Zona Modos de protecção UL FM CSA CE CENELEC 0 Segurança intrínseca, "ia" UL 2279, Pt.11 CSA-E79-11 CE EN (EN ) Classe, Div. 1 ANS/UL 913 FM 3610 CSA-157 Encapsulagem, "m" UL 2279, Pt.18 FM 3614 CSA-E79-18 CE EN (EN 50028) Revestimento antideflagrante "d" UL 2279, Pt.1 FM 3618 CSA-E79-1 CE EN (EN 50018) Segurança aumentada "e" UL 2279, Pt.7 FM 3619 CSA-E79-7 CE EN (EN 50019) 1 Segurança intrínseca, "ib" UL 2279, Pt.11 FM 3610 CSA-E79-11 CE EN (EN ) mers o em óleo "o" UL 2279, Pt.6 FM 3621 CSA-E79-6 CE EN Enchimento pulverulento "q" UL 2279, Pt.5 FM 3622 CSA-E79-5 CE EN Sobrepress o interna "p" UL 2279, Pt.2 FM 3620 CSA-E79-2 CE EN N o incendiário "N" UL 2279, Pt.15 FM 3611 CSA-E79-15 CE EN (EN ) 2 Sem faísca "na" UL 2279, Pt.15 CSA-E79-15 CE EN (EN ) Respiraç o restrita "nr" UL 2279, Pt.15 CSA-E79-15 CE EN (EN ) Hermeticamente fechada "nc" UL 2279, Pt.15 CSA-E79-15 CE EN (EN ) CERTFCADOS SELECÇÃO DOS PRODUTOS em "www.asconumatics.eu" 00129PT-2010/R01 SELECÇÃO DOS PRODUTOS EM "www.asconumatics.eu" V

Capítulo II Novos requisitos de EPL para seleção e marcação de equipamentos elétricos e de instrumentação para instalação em atmosferas explosivas

Capítulo II Novos requisitos de EPL para seleção e marcação de equipamentos elétricos e de instrumentação para instalação em atmosferas explosivas 46 O Setor Elétrico / Fevereiro de 2009 Instalações elétricas e de instrumentação para áreas classificadas Capítulo II Novos requisitos de para seleção e marcação de equipamentos elétricos e de instrumentação

Leia mais

Segurança das Instalações em Atmosferas Explosivas

Segurança das Instalações em Atmosferas Explosivas Segurança das Instalações em Atmosferas Explosivas Roberval Bulgarelli Petrobras Refinaria Presidente Bernardes de Cubatão Coordenador do Subcomitê SC-31 do Cobei 2 Temas abordados neste Minicurso Ex 1.

Leia mais

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Quando o assunto é área de risco o uso de produtos apropriados e a manutenção adequada são exigências obrigatórias para atender normas

Leia mais

Dados técnicos. necessário. Consumo de corrente Placa de medição não abrangida 3 ma Placa de medição abrangida

Dados técnicos. necessário. Consumo de corrente Placa de medição não abrangida 3 ma Placa de medição abrangida 0102 Designação para encomenda Características Para montagem na caixa Montagem directa em accionamentos normais Directivas europeias para máquinas cumpridas Certificado de verificação de modelos TÜV99

Leia mais

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013?

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Seminário Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Ordem Dos Engenheiros, 2012-09-27 O Subsistema da Normalização do SPQ (Sistema Português

Leia mais

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE Produto: Product/Producto Tipo / Modelo: Type Model/Tipo Modelo Solicitante: Applicant/Solicitante MEDIDOR DE VAZÃO ELETROMAGNÉTICO Optiflux 2000 F e Optiflux 4000 F CONAUT CONTROLES AUTOMÁTICOS LTDA.

Leia mais

Iluminação Facebook.com/RevistaPotência linkedin.com/company/revistapotencia Iluminação

Iluminação Facebook.com/RevistaPotência linkedin.com/company/revistapotencia Iluminação caderno atmosferas explosivas caderno atmosferas explosivas caderno atmosfe Facebook.com/RevistaPotência linkedin.com/company/revistapotencia caderno ex The correct specification and installation of lighting

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM ATMOSFERAS EXPLOSIVAS. Vitor Sued Mantecon

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM ATMOSFERAS EXPLOSIVAS. Vitor Sued Mantecon INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM ATMOSFERAS EXPLOSIVAS Vitor Sued Mantecon Resumo Este trabalho apresenta alguns aspectos que devem ser observados na instalação de equipamentos elétricos em locais onde existe

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda a Europa.

BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda a Europa. BMW Motorrad Após-Venda Serviços Móveis BMW Motorrad Após-Venda Pelo prazer de conduzir Serviços Móveis BMW Motorrad Mobile Care. BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE Produto: Product/Producto Tipo / Modelo: Type Model/Tipo Modelo Solicitante: Applicant/Solicitante MEDIDOR DE VAZÃO DE ÁREA VARIÁVEL E INDICADOR DE VAZÃO H250..././M40./../.../..-Ex- e M40./../.../..-Ex..

Leia mais

Instruções MI 018-429 Julho de 2014. Conversor de sinais de corrente para Pneumático E69F e Posicionador eletropneumático E69P

Instruções MI 018-429 Julho de 2014. Conversor de sinais de corrente para Pneumático E69F e Posicionador eletropneumático E69P Instruções MI 018-429 Julho de 2014 Conversor de sinais de corrente para Pneumático E69F e Posicionador eletropneumático E69P Informações de segurança Introdução O Conversor de sinal de corrente para

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

MINIGUIA DA EUROPA 2011 Comunicar com os Europeus Línguas Na Europa fala-se muitas línguas, cujas principais famílias são a germânica, a românica, a eslava, a báltica e a céltica. As instituições da União

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de (países ordenados por continente) Ásia Brunei 14 dias --- Camboja 30 dias c) --- Coreia do Sul 90 dias --- Filipinas 14 dias --- Indonésia

Leia mais

Requisitos de projeto, montagem, inspeção, manutenção e reparos de instalações e sistemas envolvendo equipamentos intrinsecamente seguros

Requisitos de projeto, montagem, inspeção, manutenção e reparos de instalações e sistemas envolvendo equipamentos intrinsecamente seguros Requisitos de projeto, montagem, inspeção, manutenção e reparos de instalações e sistemas envolvendo equipamentos intrinsecamente seguros Roberval Bulgarelli Consultor Técnico PETROBRAS Coordenador do

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Instrução MI 020-531 Janeiro de 2014

Instrução MI 020-531 Janeiro de 2014 Instrução MI 020-531 Janeiro de 2014 Modelo RTT30 Transmissor de temperatura I/A Series com protocolo Fieldbus HART ou FOUNDATION Informações sobre segurança Índice 1. RTT30, HART, ATEX/INMETRO II 1 G...

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Capítulo X. Histórico e atualizações das normas internacional e brasileira sobre instalações em atmosferas explosivas

Capítulo X. Histórico e atualizações das normas internacional e brasileira sobre instalações em atmosferas explosivas 34 Capítulo X Requisitos para projetos de instalações elétricas e de instrumentação em atmosferas explosivas contendo gases inflamáveis e poeiras combustíveis Por Roberval Bulgarelli* A simples aquisição

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

INDICADOR DO NÍVEL DO RADAR INSTRUÇÕES ESPECIAIS DE SEGURANÇA

INDICADOR DO NÍVEL DO RADAR INSTRUÇÕES ESPECIAIS DE SEGURANÇA Instruções de segurança especiais po INDICADOR DO NÍVEL DO RADAR INSTRUÇÕES ESPECIAIS DE SEGURANÇA Índice Informações da Directiva Europeia ATEX para o TankRadar Pro....................... 2 Marca ATEX

Leia mais

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão CHAVES DE FIM DE CURSO Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão Índice Importância das Normas Técnicas página 3 Produtos Especiais página 4 Chaves de Emergência Linha 500 página 5 Chaves de

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

Somos uma empresa portuguesa presente em mais de 65 países, nos 5 continentes.

Somos uma empresa portuguesa presente em mais de 65 países, nos 5 continentes. E F A C E C Transformadores de Distribuição Comportamento dos transformadores secos ao fogo DTEN 2010 1 O Grupo Efacec Somos uma empresa portuguesa presente em mais de 65 países, nos 5 continentes. Temos

Leia mais

Parte II Tipos de zonas e grupos, propriedades das substâncias inflamáveis e identificação das fontes de risco

Parte II Tipos de zonas e grupos, propriedades das substâncias inflamáveis e identificação das fontes de risco 38 Capítulo VII Requisitos para automação de projetos e para estudos de classificação de áreas (com atmosferas explosivas de gases inflamáveis e de poeiras combustíveis em maquetes eletrônicas utilizando

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Electroválvulas Tipo 3963

Electroválvulas Tipo 3963 Instruções de Montagem e Operação Electroválvulas Tipo 3963 Fig. 1 Geral A montagem, colocação em funcionamento e operação destes equipamentos só podem ser efectuadas por pessoal experimentado. São assumidos

Leia mais

Instruções de segurança VEGAFLEX FX61/62/65/66/67.CI****H**** VEGAFLEX FX63.CI***H**** AEX-12064-X

Instruções de segurança VEGAFLEX FX61/62/65/66/67.CI****H**** VEGAFLEX FX63.CI***H**** AEX-12064-X Instruções de segurança VEGAFLEX FX61/62/65/66/67.CI****H**** VEGAFLEX FX63.CI***H**** AEX-12064-X BR-Ex ia IIC T6 0044 38674 Índice 1 Validade 3 2 Geral 3 2.1 Instrumentos da zona 0 3 2.2 Instrumentos

Leia mais

C 76/30 Jornal Oficial da União Europeia 14.3.2014

C 76/30 Jornal Oficial da União Europeia 14.3.2014 C 76/30 Jornal Oficial da União Europeia 14.3.2014 Comunicação da Comissão no âmbito da execução da Directiva 94/9/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de março de 1994, relativa à aproximação

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade

Marcação máxima. Observar as informações na placa de características. II 1/2 G. Ex d + e/d IIC Ga/Gb I M 1. Ex d + e I Ma. Certificado Conformidade s relativas às instruções Ao trabalhar em zonas com risco de explosão, a segurança de pessoas e equipamentos depende do cumprimento dos regulamentos de segurança relevantes. As pessoas que são responsáveis

Leia mais

Terminador de barramento de campo

Terminador de barramento de campo Terminador de barramento de campo Manual de instruções Additional languages www.stahl-ex.com Índice 1 Informações Gerais...3 1.1 Fabricante...3 1.2 Informações relativas ao manual de instruções...3 1.3

Leia mais

Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T. Manual de Instruções 810769-01. P o r t u g u ê s

Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T. Manual de Instruções 810769-01. P o r t u g u ê s Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T P o r t u g u ê s Manual de Instruções 810769-01 Índice Pág. Informações Importantes Utilização... 3 Instruções de segurança... 3 Perigo... 3 Atenção...

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 23/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTA FINAL PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Guernsey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A

Leia mais

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE Produto: Product/Producto Tipo / Modelo: Type Model/Tipo Modelo Solicitante: Applicant/Solicitante Fabricante: Manufacturer/Fabricante CONVERSOR DE SINAL Optiflux IFC 300 F CONAUT CONTROLES AUTOMÁTICOS

Leia mais

Requisitos sobre competências pessoais para atividades com equipamentos e instalações em áreas classificadas contendo atmosferas explosivas

Requisitos sobre competências pessoais para atividades com equipamentos e instalações em áreas classificadas contendo atmosferas explosivas 52 Requisitos sobre competências pessoais para atividades com equipamentos e instalações em áreas classificadas contendo atmosferas explosivas Elaborado por Luiz Mauro Alves e Roberval Bulgarelli A certificação

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas anexo à Portaria Inmetro nº. 79 de 8 de maio de 200 Certificate issued in according

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2).

3. Substituiçã o de cartão. 4. Inibição do cartão. 2. Emissão do Cartão. Isento Isento -- -- 25,00 (4) Ver Nota (2). 3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 04-agosto-2015 3.1. Cartões de Crédito Designação do cartão Redes onde o cartão é aceite Barclays

Leia mais

n o 2 INTRODUÇÃO GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA

n o 2 INTRODUÇÃO GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA n o 2 Armazenamento e Manipulação de Inflamáveis GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA INTRODUÇÃO O campo dos produtos inflamáveis é amplo e diversificado, estando presente como matéria prima, produto intermediário,

Leia mais

CURSO MULTIPLICADORES NR-20

CURSO MULTIPLICADORES NR-20 CURSO MULTIPLICADORES NR-20 O CONTROLE DAS FONTES DE IGNIÇÃO Data: 28 de maio de 2014 Local: Uberlândia CREA-MG Realização: Prevenir/Fundacentro Apoio: Crea-MG/ Asseng José Possebon Em uma unidade de produção

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas anexo à Portaria Inmetro nº. 179 de 18 de maio de 21 Certificate issued in according

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

Dados técnicos. Polaridade de saída Intervalo seguro de comutação s a 0... 7 mm Dados característicos Condições de montagem B. 5 mm C.

Dados técnicos. Polaridade de saída Intervalo seguro de comutação s a 0... 7 mm Dados característicos Condições de montagem B. 5 mm C. 0102 Designação para encomenda Características 10 mm não nivelado forma plana Entalhe de montagem para agrupador de cabos Dados técnicos Dados gerais Função do elemento de comutação Contacto de trabalho

Leia mais

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA ECONÓMICA Documento de Inteligência Económica TEMA: Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro 1. Importância para as empresas em processo de internacionalização A ação

Leia mais

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Relatório A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a exclusão social

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA QUÍMICA E PETROQUÍMICA

TECNOLOGIAS PARA QUÍMICA E PETROQUÍMICA ALEMANHA Tel: +49 2802 49 0 Fax: +49 2802 49356 info@norgren.de AUSTRÁLIA Tel: +61 3 9213 0800 Fax: +61 3 9213 0890 enquiry@norgren.com.au ÁUSTRIA Tel: +43 22 36 63 520 Fax: +43 22 36 63 520 20 enquiry@at.norgren.com

Leia mais

ORGANIZAÇÃO PARA SEGURANÇA E COOPERAÇÃO NA EUROPA - OSCE

ORGANIZAÇÃO PARA SEGURANÇA E COOPERAÇÃO NA EUROPA - OSCE 1 ORGANIZAÇÃO PARA SEGURANÇA E COOPERAÇÃO NA EUROPA - OSCE INTRODUÇÃO 2 Prezados Ministros, Este material auxiliar foi pensado no intuito de situar cada nação que será representada em nosso comitê dentro

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco BPI, Sociedade

Leia mais

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 Caro Participante, Seja bem-vindo ao Programa de intercâmbio de estágio oferecido mundialmente pela IAESTE! Leia atentamente este manual. Ele contém todas as

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Jersey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A JT

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

Vodafone Negócios. Red é todas as coisas boas para o seu negócio. Sem preocupações, sem limites.

Vodafone Negócios. Red é todas as coisas boas para o seu negócio. Sem preocupações, sem limites. Vodafone Negócios Red é todas as coisas boas para o seu negócio Sem preocupações, sem limites. Vodafone Red Pro Chamadas e SMS para todas as redes Número fixo no telemóvel com funcionalidades One Net

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta

Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta Reformulação do Indicador 11 Gestão e Conservação da Floresta Ação de Formação Eco XXI 2015 Agência Portuguesa do Ambiente Alfragide/Amadora 23 de Fevereiro de 2015 FLORESTA Conservação da natureza e da

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÃO II Aula 53 - Áreas Classificadas para instalações

Leia mais

DK32 DK34. Medidor de vazão de área variável com acessórios elétricos. Categoria de equipamento II 2 G. Informações suplementares

DK32 DK34. Medidor de vazão de área variável com acessórios elétricos. Categoria de equipamento II 2 G. Informações suplementares DK32 DK34 Informações suplementares Medidor de vazão de área variável com acessórios elétricos Categoria de equipamento II 2 G KROHNE 07/2012 -- MA DK32 34-Ex-II2G-AD R02 INMETRO ÍNDICE DK32 DK34 1 Instruções

Leia mais

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA

TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC 60 TORRE LUMINOSA COMPACTA TLC-60 Torre Luminosa Compacta Desenvolvida para ser a melhor opção em custo/benefício, a Torre Luminosa Compacta - TLC-60 combina tecnologia e performance na medida ideal

Leia mais

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity

Certificado de Conformidade Ex Ex Certificate of Conformity Certificado emitido conforme requisitos da avaliação da conformidade de equipamentos elétricos para atmosferas explosivas anexo à Portaria Inmetro nº. 79 de 8 de maio de 200 Certificate issued in according

Leia mais

Tributação Internacional Junho 2014

Tributação Internacional Junho 2014 www.pwc.pt/tax Tributação Internacional Junho 2014 Perante a aldeia global em que vivemos, atuar apenas no mercado doméstico não é suficiente. De facto, a internacionalização é um requisito obrigatório

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27 43,27

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business Estrangeiro:

Leia mais

Informação ao Utente sobre Preço dos Medicamentos Situação Europeia

Informação ao Utente sobre Preço dos Medicamentos Situação Europeia que não requerem PVP na embalagem dos medicamentos Alemanha Informação sobre preços é fornecida às farmácias e seguradoras pelo IFA (Information Centre for Pharmaceutical Specialities). Identificação do

Leia mais

Instalação de Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) em Áreas Classificadas

Instalação de Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) em Áreas Classificadas 86 Instalação de Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) em Áreas Classificadas Por Sergio Roberto Santos e André Pinheiro Introdução Um Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas

Leia mais

Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360

Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360 www.vaisala.com Série de Transmissores Intrinsecamente Seguros de Umidade e Temperatura HMT360 série HMT360 é verdadeiramente flexível. Os clientes podem especificar a configuração do transmissor ao encomendar

Leia mais

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE

DET NORSKE VERITAS CERTIFICADO DE CONFORMIDADE Produto: Product/Producto Tipo / Modelo: Type Model/Tipo Modelo Solicitante: Applicant/Solicitante LUMINARIA FIXA PARA LAMPADAS FLUORESCENTES EXEL CORTEM S.p.A Via Aquileia 10, I-34070 Vilesse (Gorizia)

Leia mais

NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite

NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite Telemóvel Comunicações incluidas no pacote: Cada cartão tem 4.000 minutos ou SMS para redes fixas e móveis nacionais. : Depois de

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 Dezembro 2011 1- Introdução A metodologia do SRM estabelece que o modelo seja revisto no final de cada ano. As alterações resultantes

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) ( ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Classic Estrangeiro: Rede 28,85 28,85 19,23 19,23 Isenção

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra

NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra Telemóvel Comunicações incluidas no pacote: Cada cartão tem 4.000 minutos ou SMS para redes fixas e móveis nacionais. : Depois de atingir

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais