ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO APLICADA À ODONTOLOGIA CLÍNICA GERAL UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO APLICADA À ODONTOLOGIA CLÍNICA GERAL UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJ UBÁ Renata Apar ecida Ribeiro Custódio ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO APLICADA À ODONTOLOGIA CLÍNICA GERAL UM ESTUDO DE CASO Dissertação submetida ao Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Ciências em Engenharia de Produção Orientador: Prof. Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. Itajubá 2006

2 ii UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJ UBÁ Renata Apar ecida Ribeiro Custódio ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO APLICADA À ODONTOLOGIA CLÍNICA GERAL UM ESTUDO DE CASO Dissertação aprovada por banca examinadora em 22 de dezembro de 2006, conferindo à autora o título de Mestre em Ciências em Engenharia de Produção. Banca Examinadora: Examinador: Prof. José Geraldo Trani Brandão, Dr. Examinador: Prof. Carlos Henrique Pereira Melo, Dr. Orientador: Prof. Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. Itajubá 2006

3 iii Para Antônio Carlos, Ágata e Íris.

4 iv AGRADECIMENTOS Tenho muito a agradecer aos professores Luiz Gonzaga Mariano de Souza e Alaor José Borges de Campos, principalmente pelo apoio para meu ingresso nas ciências em engenharia. Ao prof. Carlos Eduardo Sanches da Silva, agradeço a todas as orientações e oportunidades de estágio docência tão importantes para minha formação como professora universitária. Agradeço ao prof. Carlos Henrique Pereira Mello pelas contribuições ao longo dos seminários apresentados. Agradecimento especial à Dra. Siomara Gonçalves Borges pela acolhida, confiança e apoio. Agradeço também à Marina, enquanto auxiliar extra bucal, pelo esforço em buscar soluções para facilitar o trabalho odontológico no caso estudado. Aos pacientes que a mim permitiram observar seus tratamentos odontológicos, meu muito obrigado. Aos representantes da Associação Brasileira de Odontologia (ABO), da Dabi Atlante, da Revista da Faculdade de Odontologia de Passo Fundo e aos professores Francisco Fialho e Gilsée Ivan Régis Filho pelo apoio bibliográfico. Aos meus pais, sempre na arquibancada. A minha irmã Isabel, engenheira e educadora, que me fortaleceu nos momentos de cansaço, mostrando me através de seu exemplo que apenas a dedicação pode levar a concretização dos trabalhos. Não posso deixar de agradecer a Angélica, que criou condições para que eu pudesse me ausentar de minha casa com tranqüilidade para realizar esta pesquisa. Meu muito obrigado aos amigos Bernadette, Felipe, Marco Aurélio, Mari, Guido, Tarcisa, Ivone, Thaís pelo apoio que sem a menor dúvida me deram condições para cumprir as várias etapas deste trabalho.

5 v Tudo começa com uma escolha.

6 vi RESUMO Esta dissertação se propôs a realizar a análise da atividade do cirurgião dentista a fim de construir um ponto de vista desta profissão. Para tanto foi aplicada a metodologia da Análise Ergonômica do Trabalho AET, por se tratar de um método de abordagem ascendente, que permite compreender como o trabalhador age e reage nas situações de trabalho. Foi escolhido um caso para estudo, onde o profissional se encontra bem próximo do perfil do cirurgião dentista brasileiro traçado pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas Sócio econômicas (Inbrape). Também foram identificadas as estratégias adotadas para fazer face aos constrangimentos da atividade. O estudo demonstrou haver uma inter relação entre as ações intra bucais e os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho DORT, mas também evidenciou um forte componente relacionado à organização do trabalho que compromete a produtividade e a qualidade de vida do cirurgião dentista. Por fim, foram feitas as recomendações ergonômicas para o caso e identificados os referenciais que nortearão o aperfeiçoamento e/ou desenvolvimento do assento odontológico. Palavras chave: ergonomia; AET; cirurgião dentista; odontologia.

7 vii ABSTRACT The purpose of this study is to analyze the activity of the surgeon dentist in order to construct a point of view of this profession. For in such way the methodology of the Analysis Work s Ergonomics AWE was applied, considering a method of ascending treatment that allows understanding as the worker acts and reacts in the work situations. A case for study was chosen for a professional that is close to the profile of the Brazilian surgeon dentist did by the Inbrape (Brazilian Institute of Social Economics Research). Also had been identified the strategies adopted to make face to the constraints of the activity. This study demonstrated having interrelations between the intra mouthed actions and the Work related Musculoskeletal Disorders WRMD s, but also evidenced a strong component related to the organization of the work that compromises the productivity and the quality of life of the surgeon dentist. Finally, the ergonomic recommendations for the case had been made and references was identified that will guide the improvement and/or development of the surgeondentist seat. Key words: ergonomics; AWE; surgeon dentist; dentistry.

8 viii LISTA DE FIGURAS Figura 1: Chaves de Garengeot, pelicano e fórceps. 8 Figura 2: Primeira cadeira odontológica. 9 Figura 3: Chaves de Garengeot. 10 Figura 4: Base multifatorial do DORT. 25 Figura 5: esquema gráfico ISO/FDI. 36 Figura 6: Zonas de alcance. 38 Figura 7: A tarefa. 41 Figura 8: Tarefa, atividade e trabalho. 41 Figura 9: Trena CASTO. 49 Figura 10: Goniômetro CARCI. 50 Figura 11: Metodologia AET. 50 Figura 12: Marcação de consulta. 54 Figura 13: Planta baixa do consultório. 55 Figura 14: Medidas do mocho. 56 Figura 15: Equipo com três pontas. 56 Figura 16: Pedal de acionamento do motor. 56 Figura 17: Armários. 57 Figura 18: Gaveteiro móvel. 57 Figura 19: Refletor. 57 Figura 20: Cadeira do paciente. 58 Figura 21: Cuspideira e sugador. 58 Figura 22: Fluxograma das 9 etapas prescritas para a execução da prótese fase moldagem definitiva. 59 Figura 23: Fluxograma das 19 etapas prescritas para a execução da restauração fotopolimerizadora. 60 Figura 24: Primeiro recorte na atividade. 62 Figura 25: Planta baixa do consultório. 63 Figura 26: Vista frontal dos armários alto e baixo sob o balcão. 64 Figura 27: Ação extra bucal. 66 Figura 28: Ação intra bucal. 66 Figura 29: Organização do trabalho. 67 Figura 30: Postura fixa na ação intra bucal. 68 Figura 31: Postura incorreta dos ombros. 69 Figura 32: Postura incorreta da cervical vertebral. 69 Figura 33: Postura incorreta da coluna cervical. 70 Figura 34: Apoio insuficiente dos pés. 70 Figura 35: Deslocamento da CD até o sugador. 75 Figura 36: Pegando material na geladeira 76 Figura 37: Pegando material no armário 76 Figura 38: Aplicação do esquema gráfico. 77 Figura 39: Plano horizontal 79 Figura 40: Compressão da parte inferior da coxa e angulação do joelho. 79 Figura 41: Mocho vista lateral. 80 Figura 42: Angulações da cadeira odontológica em estudo. 81 Figura 43: Ângulos necessários para relaxamento máximo segundo Lehmann. 81 Figura 44: Posição de acionamento do sugador. 82 Figura 45: Zonas de inclinação lateral e flexão do tronco. 83

9 ix LISTA DE QUADROS Quadro 1: A evolução da ergonomia 19 Quadro 2: Base multifatorial do DORT. 25 Quadro 3: Relação entre trabalho e as entidades nosológicas. 26 Quadro 4: Estudos pertinentes às condições biomecânicas em profissionais da área odontológica. 29 Quadro 5: Classificação dos movimentos do cirurgião dentista. 38 Quadro 6: Etapas da intervenção ergonômica. 43 Quadro 7: Observações sobre etapas restauração fotopolimerizada. 61 Quadro 8: Pré diagnóstico 65 Quadro 9: Posturas e patologias associadas. 84

10 x LISTA DE ABREVIATURAS ABO Associação Brasileira de Odontologia ABENO Associação Brasileira de Ensino Odontológico ACBO Academia Brasileira de Odontologia AET Análise Ergonômica do Trabalho ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CD Cirurgião dentista CFO Conselho Federal de Odontologia DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho FIO Federação Interestadual de Odontologia FNO Federação Nacional de Odontologia IEA International Ergonomic Association Inbrape Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas Sócio econômicas PT Posto de Trabalho PTO Posto de Trabalho Odontológico SELF Société d Ergonomie de Langue Française UDT Unidade Dental Tripartida

11 xi SUMÁRIO 1. Introdução Considerações iniciais Justificativa Objetivos Gerais e Específicos Objetivo Geral Objetivos Específicos Limitações Estrutura do Trabalho 3 2. Odontologia e Ergonomia Considerações iniciais Histórico da Odontologia Ergonomia A Ergonomia no Brasil Os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho do Cirurgião dentista Ergonomia e Odontologia O posto de trabalho odontológico Análise Ergonômica do Trabalho Considerações iniciais Objeto de estudo da AET Tarefa e atividade A construção da ação ergonômica Análise Ergonômica do Trabalho aplicada no estudo de caso Bases para uma abordagem metodológica Pressupostos Instrumentos de estudo O trajeto metodológico Apresentação do caso estudado A escolha do caso Análise da demanda Abordagem global Pré diagnóstico Observação sistemática Considerações finais Análise e diagnóstico Análise das observações A organização do trabalho O consultório odontológico As posturas Diagnóstico Recomendações e conclusões Recomendações Horários Agendamento Documentos 88

12 xii Materiais Trabalho a duas mãos Equipamentos e mobiliário Quanto à formação de novos profissionais Conclusões 91 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 94 ANEXO A 98 ANEXO B 99 ANEXO C 100

13 1 1. Introdução 1.1 Considerações iniciais O homem sofre os efeitos positivos e negativos do trabalho. No que toca aos efeitos negativos, estes devem ser analisados para que se possa adequar o trabalho ao homem. Esta dissertação se propõe a estudar o posto de trabalho do cirurgião dentista, CD, pois o odontólogo é sem dúvida uma das profissões liberais que se submete aos constrangimentos 1 posturais para a execução de seu trabalho (VILAGRA, 2002). Este profissional trabalha com um campo visual bastante restrito, a boca, e desenvolve seu trabalho em uma superfície pequena e de difícil acesso, a faceta de um dente. Para que seu trabalho se cumpra ele adota posturas fixas que o irão predispor a adquirir doenças osteomusculares (RASIA, 2004). Segundo Rasia (2004), as pesquisas realizadas até então com estes profissionais são reducionistas, pois se restringem ao envio de questionários aos CDs. Os estudos encontrados com o foco voltado para a análise da atividade ainda são incipientes. Deste modo este estudo visa construir um ponto de vista da atividade deste profissional fundamentado na análise do trabalho e, sobretudo na relação estabelecida entre as observações, verbalizações, entrevistas, análise de documentos e dados. Para tanto será utilizada a metodologia da Análise Ergonômica do Trabalho AET (GUÉRIN et al., 2001) por se tratar de método de investigação que possibilita ao pesquisador compreender o trabalho a partir da análise das atividades e das situações de trabalho, ou seja, confrontando o idealizado com o real e buscando estabelecer uma relação de fatos em situação de trabalho que esteja contribuindo para a ocorrência de efeitos negativos sobre a saúde. Neste estudo a AET tem um papel primordial de evidenciar as causas de desconforto sofridas pelo CD por analisar a estrutura do trabalho, as relações do indivíduo consigo mesmo, com outros sujeitos, os instrumentos e os objetos (JAMIL, 2004). Para este estudo foi selecionado um caso cujo profissional é do sexo feminino, com 22 anos de formada, sem auxiliar e que atua na clínica geral como liberal. Este perfil está bastante próximo do perfil traçado pela pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas Sócio econômicos (Inbrape) com 614 CDs, no ano de 2002, onde a maioria dos profissionais é do sexo feminino (57,5%), trabalha sem auxiliar (56,7%) e atua na clínica geral (76,7%). 1 A palavra constrangimento origina do latim constringere e significa apertado, aperto, compressão, coação, obrigatoriedade, restrição, cerceamento, injunções, etc. em ergonomia ela pode ter o mesmo significado mas aplicado ao trabalho humano.

14 2 Pretende se após este estudo ter as referências necessárias que evidenciarão a necessidade de se desenvolver e/ou aperfeiçoar instrumentos, equipamentos bem como uma nova proposta de organização do trabalho deste profissional de modo a melhorar sua qualidade de vida. 1.2 J ustificativa A busca por este tipo de pesquisa foi motivada pela necessidade sentida pela pesquisadora de aprofundar nos estudos dos fatores causadores dos problemas músculoesqueléticos enquanto trabalhava como fisioterapeuta em uma clínica de reabilitação e realizava inúmeros tratamentos de dentistas. Os poucos estudos na área fez com que este tema fosse de interesse acadêmico e adequado para uma dissertação. Segundo Michalak Turcotte (2000) os cirurgiões dentistas CDs apresentam dores músculo esqueléticas mais do que outros, enquanto que a prevalência de desconforto e dores músculo esqueléticas atinge um índice de 62% da população em geral, em CDs seu percentual atinge 93%. Esses profissionais estão sentindo a diminuição na produção de serviços e a necessidade de adquirir estratégias para se adaptarem ao trabalho devido aos sintomas que desenvolvem por causa dos Distúrbios Osteomusculares Relativos ao Trabalho DORTs. Também Kelsey (1982) e Letho (1990) encontraram em seus trabalhos uma maior freqüência de sintomas entre os CDs com relação à população em geral. Apesar de estudos sistemáticos que são feitos desde a década de 50 e são responsáveis pelas primeiras propostas de modificações no processo de trabalho dos dentistas, inclusive a mudança do trabalho da posição ortostática para a posição sentada, o conhecimento sobre esses problemas ainda é incipiente (BARRETO & FILHO, 2001). Desta forma, percebe se a necessidade de se fazer um estudo deste profissional para compreender como o trabalho é executado e porque o percentual é tão grande nesta população. Acredita se que um maior entendimento das estratégias adotadas pelo CDs dará orientações importantes para se atingir os objetivos deste trabalho.

15 3 1.3 Objetivos Gerais e Específicos Objetivo Geral Estudar o posto de trabalho do cirurgião dentista através da metodologia da Análise Ergonômica do Trabalho (AET), visando construir um ponto de vista da atividade desta profissão para a construção das recomendações ergonômicas Objetivos Específicos a) Obter as referências necessárias que evidenciarão a necessidade de se desenvolver e/ou aperfeiçoar instrumentos e/ou equipamentos que melhorem a qualidade de vida dos cirurgiões dentistas. b) Identificar as estratégias adotadas para reduzir os constrangimentos no trabalho; c) Fazer as recomendações ergonômicas necessárias para o caso estudado. 1.4 Limitações Por se tratar de um estudo de caso isolado não é possível generalizar os resultados, porém espera se encontrar os pontos chave comuns a todos os CDs. Neste trabalho o uso de recursos áudio visuais como meio de apoio à coleta de dados, ficou limitado devido à preocupação em se proteger a privacidade do paciente. 1.5 Estrutura do Trabalho O Capítulo 1 situa a dissertação através da relevância, justificativa, objetivos geral e específicos, limitações e apresenta a estrutura do trabalho. O Capítulo 2 destina se a revisão da literatura sendo dividido em quatro partes: a primeira discorre sobre o histórico da odontologia, como surgiu e se desenvolveu. Fica evidente que a profissão evoluiu muito tecnicamente, mas não da mesma forma em relação à posição de trabalho; a segunda parte destina se ao histórico da Ergonomia e da sua aplicação nas diversas áreas; a terceira parte se refere aos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho DORT no CD; a quarta parte trata da Odontologia e Ergonomia que visa descrever as contribuições ergonômicas no trabalho do CD; a quinta e última parte descreve o método Análise Ergonômica do Trabalho (AET), suas aplicações e adequações para este estudo.

16 4 O Capítulo 3 trata especificamente da aplicação da metodologia AET no estudo de caso selecionado. A discussão dos dados e informações encontrados durante a análise ergonômica e a elaboração do diagnóstico são abordados no capítulo 4. O Capítulo 5 traz as recomendações para o caso estudado, as conclusões, bem como as sugestões para trabalhos futuros baseados no conteúdo desta dissertação.

17 5 2. Odontologia e Ergonomia 2.1 Considerações iniciais Este capítulo descreve brevemente a evolução histórica da odontologia. Trata da evolução do instrumental e dos tratamentos utilizados, do trabalho empírico, da formação da profissão bem como das leis que foram estabelecidas para controle do exercício profissional. Traz também a contribuição da ergonomia na odontologia bem como relaciona os principais distúrbios osteomusculares a que o CD está predisposto. Refere se também à história da ergonomia bem como as contribuições desta última para a odontologia. Por fim, apresenta a metodologia da Análise Ergonômica do Trabalho AET. Acredita se que os conhecimentos atuais só adquirem seu exato valor quando vistos dentro de uma dimensão histórica. A história deve ser a explicação dos feitos para estabelecer as relações entre causa e efeito. Ela é ponto de partida para novas criações. 2.2 Histórico da Odontologia O texto a seguir apresenta de forma cronológica um histórico da odontologia desde a época dos Sumérios. Não se pretende explorar o assunto em profundidade e sim evidenciar os principais eventos que marcaram a odontologia ao longo do tempo (ADA, 2006) a.c. Um texto sumério descreve vermes do dente como a causa das cáries a.c. Primeira referência a uma pessoa identificada como praticante da arte dentária. Era o egípcio Hesy Re, frequentemente chamado de 1º. dentista a.c. Hipócrates e Aristóteles escreveram acerca da arte dentária incluindo a erupção padrão dos dentes, tratamentos de dentes cariados, extração dentária com fórceps e a utilização de arames para firmar dentes perdidos e maxilares fraturados. Para Souza (1917), poucos vestígios são encontrados da arte dentária antes de Hipócrates. Ele relata alguns estudos arqueológicos como de Boucher de Perthes que descobriu em Abbeville, na França, um maxilar humano, cujo terceiro molar apresentava extensa cárie. Também cita a reconstituição de ossos fósseis encontrados em uma gruta La Chapelle aux Saints França que revelou ser uma mandíbula de um idoso com unicamente dois caninos. Conclui se, portanto que antes da idade da pedra, dos metais os homens já conheciam os efeitos das cáries e que ou os dentes caíam ou eram extraídos. O mesmo autor

18 6 cita o papiro de Ebers, da civilização egípcia, como sendo um dos primeiros documentos da história da medicina e dá destaque onde se lêem algumas passagens referentes às dores de dentes, abscessos e gengivites. Provas fiéis de arte dentária são encontradas nas múmias do Egito: dentes ourificados e peças protéticas. Investigações realizadas sobre maxilares no período neolítico demonstram já atos cirúrgicos e extrações dentárias. O primeiro implante data do século VII a.c. ao ser identificado na Argélia um crânio feminino com uma falange implantada na região dos pré molares superiores (GÁRCIA & MÉNDEZ, 2002). 100 a.c. O romano Celsus escreveu, no seu importante compêndio de medicina, sobre a higiene oral, colocação de dentes perdidos, tratamentos para dores de dentes e fraturas dos maxilares d.c. Durante a Idade Média, na Europa, a medicina, a cirurgia e a odontologia eram praticadas pelos monges. 700 d.c. Um texto chinês sobre medicina menciona a utilização de pasta de prata como um tipo de amálgama Os Éditos Papais proibiram os monges de executar qualquer tipo de cirurgia, sangria ou extração dentária. Após os Éditos, os barbeiros tomaram o lugar dos monges visto que já costumavam ajudá los nas suas atividades cirúrgicas Surge, na França, uma corporação de barbeiros. Havia dois grupos de barbeiros: os que foram treinados e educados para fazer cirurgias complexas e os que executavam serviços rotineiros de barbear, sangria e extração dentária. Estes eram os cirurgiões barbeiros A Escola de Montpellier França começou a conferir títulos de doutores da faculdade de Medicina, os cirurgiões de Saint Côme e os cirurgiões barbeiros. Curiosamente existia uma superioridade dos médicos que não se abaixavam para operar. Os cirurgiões desprezavam as pequenas cirurgias, entre elas as dentárias que eram deferidas aos cirurgiõesbarbeiros (SOUZA, 1917) O termo dentista foi criado pelo cirurgião francês Guy Chauliac e apareceu em seu livro Chirugia Magna Uma série de decretos, na França, proíbe os cirurgiões barbeiros de praticarem todos os atos cirúrgicos excetuando sangria e extração dentária.

19 No Brasil, a odontologia passa a ser conhecida a partir da carta de Pero Vaz de Caminha que descreve os habitantes com bons rostos, o que pode indicar dentes sadios e bonitos. Crânios encontrados em Lagoa Santa (MG), em regiões litorâneas de São Paulo e do Paraná e observações dos primeiros colonizadores indicam que os índios tinham dentes bem implantados e com pouquíssimas cáries, mas acentuada abrasão, causada pela mastigação de alimentos duros. A tribo kuikuro, do norte do Mato Grosso, preenchia cavidades dentárias com resina de jatobá aquecida, que cauterizava a polpa e funcionava como uma obturação, depois de endurecida Foi publicado, na Alemanha, o primeiro livro dedicado unicamente à arte dentária. Escrito para barbeiros e cirurgiões que tratam a boca, o livro fala de higiene oral, extração dentária, brocagem de dentes e colocação de obturações em ouro Na época da criação das capitanias hereditárias, com a chegada das expedições colonizadoras e a formação dos primeiros núcleos de povoação, chegam ao Brasil mestres de ofício de diversas profissões. Eram artesãos entre os quais se incluíam os barbeiros que além de cortar e pentear os cabelos e barbear faziam curativos em muitos tipos de machucados e operações cirúrgicas pouco importantes. Por possuírem grande habilidade manual, passaram a cuidar da boca, fazendo extrações dentárias. O Regimento do Físico mor de Portugal, datado de 25 de fevereiro de 1521 regulou o ofício desses profissionais (ABO, 1998). Neste período existiam as extrações dentárias, com técnicas primitivas, instrumental impróprio, nenhuma forma de higiene e nenhum tipo de anestesia. A odontologia era praticada pelo barbeiro ou sangrador e suas técnicas eram passadas sem qualquer teoria a partir da oralidade e da vivência Em Paris é publicada por Ambroise Paré ( ) Cinq Livres de Chirurgie, que tratava das variadas cirurgias bucais e da odontologia em geral. Este enriqueceu o instrumental com a invenção das chaves de Garengot e do pelicano (tipo de fórceps primitivo com a extremidade semelhante ao bico de pelicano) (Figura 1). Suprimiu os métodos inumanos anteriores de tratar as feridas por meio de azeite quente e popularizou o uso das ligaduras vasculares para conter as hemorragias. Trabalhou na reimplantação dentária e foi o primeiro que utilizou a prótese na fissura palatina. Contribuiu em muito para melhoria das técnicas e para elevar o prestígio da profissão (GÁRCIA & MÉNDEZ, 2002).

20 8 Figura 1: Chaves de Garengeot, pelicano e fórceps. Fonte: Museu e biblioteca de Odontologia de São Paulo Séc. XVIII Surgem os primeiros vestígios de legislação brasileira, regularizando o exercício da arte de curar em todos os seus ramos. Com o paulatino enriquecimento do estado de Minas Gerais, incrementado com o início do ciclo do ouro, a Casa Real Portuguesa nomeia o primeiro cirurgião mor desse estado, regulamentando os práticos de toda metodologia dentária. A prática passava a contar agora com certo grau de organização, tanto que, nesse mesmo período, a Lei 17 de junho de 1782 cria a Real Junta de Proto Medicato, formada por sete deputados, médicos ou cirurgiões, para um período de três anos, para uma melhor fiscalização das colônias portuguesas. A essa junta caberia o exame e a expedição de cartas e licenciamento de todos aqueles que tirassem dentes. Durante a fase Pré cientificista historiadores destacam a Europa como o berço da prática odontológica, surgindo ali os primeiros escritos sobre essa ciência. Em 1728, na França, o médico Pierre Fauchard ( ), com seu livro: "Le Chirurgien Dentiste au Traité des Dents", revoluciona a odontologia, trazendo novos conhecimentos, criando técnicas e aparelhos, sendo justamente chamado de "Pai da Odontologia Moderna". Nas últimas décadas deste século, surgiu agitando o cenário político brasileiro, Joaquim José da Silva Xavier ( ), conhecido como Tiradentes, por exercer entre os seus múltiplos ofícios, o de dentista. Tiradentes possuía grande habilidade como operador e que não se limitava a isso, também esculpia, provavelmente em marfim ou osso de canela de boi, coroas artificiais para repor no lugar dos dentes ausentes. Entre os objetos encontrados em sua casa, em Vila Rica, havia cinco pratos de pó de pedra branca, dois frascos de vidro grandes, duas garrafas finas pequenas, uma peneira de seda e instrumental de dentista. Os

21 9 instrumentos fazem parte da reserva técnica do Museu Histórico Nacional (RJ): são dois fórceps, duas chaves de extração e uma espátula. É considerado o Patrono da Odontologia". Nessa época não existia o tratamento de canal, os dentes eram extraídos com alavancas rudimentares, as obturações eram de chumbo sobre os tecidos cariados e polpas afetadas. As próteses eram simples e amarradas com fios aos dentes que haviam sobrado. Dentaduras eram esculpidas em marfim ou osso. Dentes humanos ou de animais eram utilizados e retidos na boca por molas O inglês John Baker é o primeiro dentista, treinado sob o ponto de vista médico, a praticar a odontologia na América O francês Nicolas Dubois de Chemant recebe a patente para dentes de porcelana Foi construída a primeira cadeira (Figura 2) feita especificamente para o paciente, pelo dentista americano Josiah Flagg. Era portátil, de fácil montagem e acoplada a uma caixa com a qual era transportada ao lugar onde o paciente estava. Foi utilizada entre 1885 a Figura 2: Primeira cadeira odontológica. Fonte: Reprodução Catálogo Geral S. S. White de maio de 1800 Foi criado o Plano de Exames, que consistia em um aperfeiçoamento das formalidades e dos exames. É encontrado nesse ano em documentos do Reino o vocábulo dentista. Esse é o início da arte dentária como profissão autônoma no Brasil. Início de 1808 Fugindo das forças francesas, o príncipe regente D. João VI, sua corte e a elite portuguesa (15 mil pessoas) chegavam a Salvador, tornando se o Brasil, sede do reino. Houve um grande surto de progresso. No hospital de São José, na Bahia criou se a Escola de Cirurgia, graças à interferência do Dr. José Correa Picanço, físico e cirurgião mor, em nome da Real Junta do Proto Medicato, mas que em nada beneficiou os dentistas, pois não

22 10 só licenciou os profissionais da corte como expediu cartas legalizando 11 barbeiros de Salvador, todos negros, de baixa classe social, forros e até alguns escravos de poderosos senhores. Março de 1808 A família real chega ao Rio de Janeiro e o cirurgião mor iniciou o licenciamento dos profissionais da Corte, estendendo a fiscalização por todo reino. As autorizações eram semelhantes às expedidas aos barbeiros baianos. Igualmente a Bahia os barbeiros e sangradores eram normalmente escravos ou forros. Utilizavam "chaves de Garengeot" (Figura 3) enferrujadas e infectadas na extração de dentes dos escravos e dos brancos sem recursos financeiros com o auxílio de técnicas desorientadas, provocando traumatismos nos dentes, lábios, queixo, língua, tecidos da boca e com manobras intempestivas, tirando também dentes próximos aos que estavam sendo tratados. Figura 3: Chaves de Garengeot. Fonte: Museu de Petrópolis É criada no Rio de Janeiro a Escola Anatômica e Médica no Hospital Militar e da Marinha, no Rio de Janeiro, com um caráter eminentemente pragmático. Em 07 de outubro de 1809 é abolida a Real Junta do Proto Medicato, ficando todas as responsabilidades ao encargo do físico mór e do cirurgião mór, com a colaboração de seus delegados e subdelegados No Brasil, a primeira carta de dentista foi expedida em nome do português Pedro Martins de Moura, que dava o direito apenas de "tirar dentes" e não fazia referência a demais operações cirúrgicas ou protéticas. Neste mesmo ano, Sebastião Fernandes de Oliveira, natural da Vila de Vitória, Espírito Santo, foi o primeiro brasileiro a receber sua carta de autorização. As leis que regulamentavam o ensino da cirurgia (plano de estudos de cirurgia), aprovado pelo decreto de 1 de abril de 1813, não ajudavam a arte dentária. Os dentistas possuíam conhecimentos rudimentares, sem escolas, sem cursos. Nenhum pré requisito era exigido para obter a carta da profissão de tirar dentes, nem mesmo saber ler. A profissão se bipartia: as operações cirúrgicas tinham sua licença dependendo do cirurgião mor e, os

23 11 curativos nos dentes com licença dependendo do físico mor, ou seja, a parte médica da profissão José Correa Picanço, cirurgião mor, concedeu ao francês Doutor Eugênio Frederico Guertin, a primeira carta a um dentista mais evoluído, por ser diplomado pela Faculdade de Odontologia de Paris, para exercer sua profissão no Rio de Janeiro. Este recebeu permissão para extrair dentes, praticar todas as operações necessárias ao ramo, fazer curativos, etc. Este profissional atingiu elevado conceito, atendendo a maior parte da nobreza, inclusive D. Pedro II e familiares. Este verdadeiro dentista trouxe um progresso imensurável, principalmente referente à prótese. Colocava coroas metálicas, obturava dente com ouro ou chumbo, fazia limpeza nos dentes ou os extraia. Publicou em 1819 "Avisos tendentes à conservação dos dentes e sua substituição", sendo, ao que tudo indica a primeira obra de odontologia feita no Brasil. Em seguida outros dentistas franceses vieram trazendo o que havia de melhor na odontologia mundial. 30 de agosto de 1828 D Pedro I ( ) suprime o cargo de cirurgião mór, cujas funções passaram a serem exercidas pelas Câmaras Municipais e Justiças Ordinárias. O objetivo dessa mudança era descentralizar a concessão de licenças, mas esbarrava na falta de profissionais capacitados a examinar os candidatos em todos os lugares James Snell inventou a primeira cadeira dentária reclinável Foi publicado o American Journal of Dental Science, o primeiro jornal sobre dentária no mundo Horace Hayden e Chapin Harris fundaram a primeira escola de odontologia de todo o mundo: o Baltimore College of Dental Surgery. A partir de 1840 Os dentistas franceses foram aos poucos suplantados com a chegada de profissionais dos Estados Unidos, como Clintin Van Tuyl, o primeiro a utilizar clorofórmio, em casos excepcionais, para anestesia. Em 1849 publica seu livro: "Guia dos dentes são. Este guia era destinado ao grande público, porém foi aproveitado pelos dentistas da época, porque abrangia todos os assuntos odontológicos Foi fundada a American Society of Dental Surgeons.

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO APLICADA À ODONTOLOGIA CLÍNICA GERAL UM ESTUDO DE CASO

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO APLICADA À ODONTOLOGIA CLÍNICA GERAL UM ESTUDO DE CASO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJ UBÁ Renata Apar ecida Ribeiro Custódio ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO APLICADA À ODONTOLOGIA CLÍNICA GERAL UM ESTUDO DE CASO Dissertação submetida ao Programa de Pós Graduação

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA De acordo com dados da Ergonomics Research Society, Inglaterra, a Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) Regulamenta o exercício das profissões detécnico em Higiene Dental e de Atendente de Consultório Dentário. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação

Leia mais

UMA HISTÓRIA DA ODONTOLOGIA NO BRASIL

UMA HISTÓRIA DA ODONTOLOGIA NO BRASIL UMA HISTÓRIA DA ODONTOLOGIA NO BRASIL Wander Pereira 1 RESUMO autônomo da ciência. PALAVRAS-CHAVE: ABSTRACT: KEYWORDS: History. Dentistry. Education. 1 pro tempore da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

Câmara Municipal de Pinheiral

Câmara Municipal de Pinheiral LEI Nº 570, de 30 de dezembro de 2010. Altera e acrescenta dispositivos nas Tabelas I, II e IV da Lei nº 274, de 19 de fevereiro de 2004, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PINHEIRAL;

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER NOVO PROGRAMA [Revisto & Atualizado] CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER CURSO MODULAR DE FORMAÇÃO DE ASSISTENTES DENTÁRIOS 6.ª edição Início a 21 de novembro de 2015 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB)

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO CARGA HORÁRIA: 1.200 HORAS COM ESTÁGIO DURAÇÃO : 2 ANOS PERIODICIDADE: SEMANAL (2ª, 3ª E 4ª) HORÁRIO DAS AULAS: 19H AS 21H INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Projeto Dentista em casa

Projeto Dentista em casa Projeto Dentista em casa Oscip : 08071.001062/2010-97, publicado no diário oficial de 02 de março de 2010. Cnpj: 10.200.021/0001-04 SOS Dental Assistência Médica Odontologica SDAMO Consiste em levar à

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 2.891, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2002 Define o currículo do Curso de Graduação em Odontologia. O REITOR

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Graduação em Odontologia pelo Instituto Superior de Ciências, Letras e Artes de Três Corações - INCOR. Conclusão do curso: 1993

Graduação em Odontologia pelo Instituto Superior de Ciências, Letras e Artes de Três Corações - INCOR. Conclusão do curso: 1993 Graciene Mesquita Odontologia Estética G Formada em Odontologia pelo Instituto Superior de Ciências, Letras e Artes de Três Corações (INCOR) em dezembro de 1993, aos 21 anos de idade, a Dra. Graciene Mesquita

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011 Regulamenta a profissão de quiropraxista, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta lei regula a atividade do profissional de quiropraxia,

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 27 Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Simone Simões de Almeida Sganzerla Graduada em Educação Física Especialista em Gestão

Leia mais

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde Trabalho em Saúde Economia globalizada transforma o trabalho afeta os meios e as relações de trabalho substituindo trabalho individual trabalho

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Guia para um. Sorriso Saudável

Guia para um. Sorriso Saudável Guia para um Sorriso Saudável Fotos meramente ilustrativas. Seja bem-vindo ao serviço odontológico do Sesc Rio! 3 Serviços Nosso serviço está disponível em diversas Unidades Operacionais, exclusivamente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL

CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL CONTROLE MECÂNICO DO BIOFILME DENTAL PLACA DENTAL OU BACTERIANA = BIOFILME DENTAL BIOFILME pode ser definido como uma comunidade bacteriana, em uma matriz composta por polímeros extracelulares, aderidas

Leia mais

NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO

NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO 1. JUSTIFICATICAS Com a Globalização da Economia e a competitividade a cada dia mais presente no mercado

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de Ministrado no Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), em Belo Horizonte/MG, OS os cursos de formação de Oficiais Médicos, Dentistas e Farmacêuticos, tem a duração aproximada de 18 (dezoito)

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais 1 von 6 31.05.2010 10:06.: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 2.579, DE 6 DE MAIO DE 1998. Promulga o Acordo Básico de Cooperação Técnica, celebrado entre o Governo da República Federativa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Recuperação / Reabilitação SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

Curso de Graduação em Administração

Curso de Graduação em Administração Curso de Graduação em Administração O curso de Administração da ESPM forma excelentes profissionais há mais de uma década. Iniciado em 1990, formou sua primeira turma em 1994, quando o curso tinha cinco

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Bucal no Programa Saúde na Escola A avaliação e promoção de saúde bucal é ação essencial que integra o Componente I do Programa Saúde

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais

Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais Lustre sem graxa Engenharia de Produção Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais Falo sempre com a minha família que não

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO Nº 46, DE 2002

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO Nº 46, DE 2002 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA SUGESTÃO Nº 46, DE 2002 Dispõe sobre a criação de curso de Especialização de Odontologia do Trabalho e dá outras providências. Autor:Federação Nacional dos Odontologistas

Leia mais

Curso de Prótese e Oclusão

Curso de Prótese e Oclusão Curso de Prótese e Oclusão Dr. Marc Obrecht - Director Científico 10 módulos no Porto com 1 dos módulos em parceria com ESORIB & New York University Início: 6 de dezembro de 2014 Durante os módulos são

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Engenharia Biomédica. Profissão do Presente e do Futuro

Engenharia Biomédica. Profissão do Presente e do Futuro Engenharia Biomédica Profissão do Presente e do Futuro Formada por 7 campi Campus Barueri Campus Santana Campus Monte alegre Campus Ipiranga Campus Sorocaba Campus Marques de Paranaguá O que é engenharia?

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

www.estheticschool.eu

www.estheticschool.eu www.estheticschool.eu Informações e inscrições: Email: geral@estheticschool.eu Tel: 22 600 94 05 PROGRAMA DO CURSO Metalo-cerâmica e ceramo-cerâmica As relações clínica/laboratório Prof. Dr. Marc OBRECHT

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd Conselho Universitário - CONSUNI Câmara de Ensino Curso de Graduação em Odontologia da UNIPLAC Quadro de Equivalência para Fins de Aproveitamento de Estudos entre duas Estruturas Curriculares Modulares

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série 1 PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série Antonia Terra de Calazans Fernandes Mimoso do Sul - 02 a 05 de maio de 2000 Assistiu e ajudou na coordenação: Marísia Buitoni Caracterização do Grupo Estavam presentes

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos REDAÇÃO DE PATENTES Parte I - Revisão de Conceitos Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos

Leia mais

A ética do estudante de medicina e a ética do cotidiano

A ética do estudante de medicina e a ética do cotidiano A ética do estudante de medicina e a ética do cotidiano Prof. Dr. Ibiracy de Barros Camargo 26 de setembro de 2014 Ibiracy de Barros Camargo Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP Centro Universitário

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico:

Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial 4.1-Histórico: O Curso Superior de Tecnologia em Manutenção Industrial da Faculdade Sul Fluminense FASF, tendo como Entidade Mantenedora o Instituto

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS)

PRÉ-REQUISITOS (ESPECIFICAR CONTEÚDOS E, SE POSSÍVEL, DISCIPLINAS) 7.5. Disciplina Clínica Médica 4: Atenção Primária (Atual Medicina Geral de Adultos II (CLM006)) CÓDIGO DA DISCIPLINA ATUAL: CLM006 NOME ATUAL: Medicina Geral de Adultos II NOVO NOME: Clínica Médica 4:

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA

BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA BIOSSEGURANÇA NA VISÃO DO RECÉM INGRESSO NO CURSO DE ODONTOLOGIA Vanara Florêncio Passos * Thyciana Rodrigues Ribeiro * João Arruda Cajazeira Neto * Sérgio Lima Santiago ** PET Odontologia Universidade

Leia mais

A ADAPTAÇÃO SEMPRE OCORRE DO TRABALHO PARA O HOMEM E NÃO VICE-VERSA. ERGO = TRABALHO NOMOS = REGRAS, LEIS NATURAIS

A ADAPTAÇÃO SEMPRE OCORRE DO TRABALHO PARA O HOMEM E NÃO VICE-VERSA. ERGO = TRABALHO NOMOS = REGRAS, LEIS NATURAIS ERGONOMIA AULA 1: O O QUE ÉERGONOMIA DEFINIÇÃO ESTUDO DO RELACIONAMENTO ENTRE O HOMEM E SEU TRABALHO, EQUIPAMENTO E AMBIENTE, E APLICAÇÃO DOS CONHECIMENTOS DE ANATOMIA, FISIOLOGIA E PSICOLOGIA NA SOLUÇÃO

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Por isso, neste e-book, descrevemos 7 critérios importantes para você escolher o melhor serviço odontológico.

Por isso, neste e-book, descrevemos 7 critérios importantes para você escolher o melhor serviço odontológico. Todos nós precisamos das clínicas odontológicas seja para fazer uma restauração, limpeza, clareamento de dentes e outros serviços, que em determinados momentos pode ser até uma cirurgia. Já sabemos também

Leia mais