Concurso público para provimento de cargos de Dentista PSB. DATA: 31/01/2010 HORÁRIO: 08h às 12h DURAÇÃO: 4 horas NÚMERO DE QUESTÕES: 40

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Concurso público para provimento de cargos de Dentista PSB. DATA: 31/01/2010 HORÁRIO: 08h às 12h DURAÇÃO: 4 horas NÚMERO DE QUESTÕES: 40"

Transcrição

1 ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE REGENERAÇÃO CONCURSO PÚBLICO Nº. 01/2009 Concurso público para provimento de cargos de Dentista PSB DATA: 31/01/2010 HORÁRIO: 08h às 12h DURAÇÃO: 4 horas NÚMERO DE QUESTÕES: 40 LÍNGUA PORTUGUESA...10 CONHECIMENTOS ESPECÍFICO...20 CONHECIMENTOS GERAIS/ATUALIDADES...05 CONHECIMENTOS LOCAIS...05

2 PORTUGUÊS Texto: Trabalhar e sofrer (Lya Luft. Revista Veja, 20 de janeiro, 2010) O trabalho enobrece é uma dessas frases feitas que a gente repete sem refletir no que significam, feito reza automatizada. Outra é A quem Deus ama, ele faz sofrer, que fala de uma divindade cruel, fria, que não mereceria uma vela acesa sequer. Sinto muito: nem sempre trabalhar nos torna mais nobres, nem sempre a dor nos deixa mais justos, mais generosos. O tempo para contemplação da arte e da natureza, ou curtição dos afetos, por exemplo, deve enobrecer bem mais. Ser feliz, viver com alguma harmonia, há de nos tornar melhores do que a desgraça. A ilusão de que o trabalho e o sofrimento nos aperfeiçoam é uma ideia que deve ser reavaliada e certamente desmascarada. O trabalho tem de ser o primeiro dos nossos valores, nos ensinaram, colocando à nossa frente cartazes pintados que impedem que a gente enxergue além disso. Eu prefiro a velha dama esquecida num canto feito uma mala furada, que se chama ética. Palavra refinada para dizer o que está ao alcance de qualquer um de nós: decência. Prefiro, ao mito do trabalho como única salvação, e da dor como cursinho de aperfeiçoamento pessoal, a realidade possível dos amores e dos valores que nos tornariam mais humanos. Para que se trabalhe com mais força e ímpeto e se viva com mais esperança. O trabalho que dá valor ao ser humano e algum sentido à vida pode, por outro lado, deformar e destruir. O desprezo pela alegria e pelo lazer espalha-se entre muitos de nossos conceitos, e nos sentimos culpados se não estamos em atividade, na cultura do corre-corre e da competência pela competência, do poder pelo poder, por mais tolo que ele seja. Assim como o sofrimento pode nos tornar amargos e até emocionalmente estéreis, o trabalho pode aviltar, humilhar, explorar e solapar qualquer dignidade, roubar nosso tempo, saúde e possibilidade de crescimento. Na verdade, o que enobrece é a responsabilidade que os deveres, incluindo os de trabalho, trazem consigo. O que nos pode tornar mais bondosos e tolerantes, eventualmente, nasce do sofrimento suportado com dignidade, quem sabe com estoicismo. Mas um ser humano decente é resultado de muito mais que isso: de genética, da família, da sociedade em que está inserido, da sorte ou do azar, e de escolhas pessoais (essas a gente costuma esquecer: queixar-se é tão mais fácil). Servos de uma culpa generalizada,fabricamos caprichosamente cada elo do círculo infernal da nossa infelicidade e alienação. Essas frases feitas, das quais aqui citei só duas, podem parecer banais. Até rimos delas, quando alguém nos leva a refletir a respeito. Mas na verdade são instrumento de dominação de mentes: sofra e não se queixe, não se poupe, não se dê folga, mate-se trabalhando, seja humilde, seja pobre, sofrer é nosso destino, darás à luz com dor e todo o resto da tola e desumana lavagem cerebral de muitos séculos, que a gente em geral nem questiona mais. 01. O ponto de vista da autora expresso no texto é: a) Deus é uma divindade cruel, fria, que não merece a homenagem de uma vela acesa sequer. b) O trabalho, ao invés de valorizar o homem, anula-o. c) A ideia de que o trabalho e o sofrimento enobrecem o homem deve ser reavaliada. d) A ética e a decência são consequências do sofrimento. 02. Infere-se do texto, EXCETO: a) O trabalho e a responsabilidade são qualidades humanas impostas pelo sofrimento. b) A pessoa, que tem o trabalho, o poder e a competência como valores supremos, sente-se desconfortável em ambientes próprios para o usufruto do prazer. c) A alegria e o lazer estimulam, favoravelmente, o trabalho e o otimismo. d) O tempo para apreciar a natureza e a arte se impõe aos que anseiam por uma vida tranquila e feliz. 03. Com relação aos fatores de coerência textual é CORRETO afirmar que: a) A intertextualidade é o fator que se sobrepõe no texto Trabalhar e sofrer porque, quanto à forma e ao conteúdo é uma paródia da novela Viver a vida. b) A intertextualidade do texto refere-se ao modo específico de a autora ver o trabalho e o sofrimento sob a ótica da arte literária. c) A informatividade do texto é superficial porque não há relações entre a temática proposta e o seu desenvolvimento. d) As informações veiculadas no texto são suficientes e relevantes para a compreensão e apreciação da temática exposta. 04. Na frase, Outra é A quem Deus ama, ele faz sofrer (1º ) os termos sublinhados são respectivamente, quanto à coesão textual: a) Catafórico e anafórico, porque antecipam os vocábulos trabalho e Deus. b) Anafórico gramatical (pronome) e anafórico gramatical (pronome) que retomam os vocábulos frase e Deus. c) Conector e conector porque iniciam segmentos textuais indicando causalidade e implicação lógica. d) Conector porque inicia segmento textual e anafórico porque retoma frase. 05. Analise as afirmativas quanto ao tipo e ao gênero do texto Trabalhar e sofrer e, em seguida, assinale a alternativa que corresponde à análise feita. I. É narrativo porque se caracteriza pela sucessão cronológica de ações, e se situa em lugar e tempo definidos, sob a forma de uma paródia. 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE REGENERAÇÃO-PI

3 II. É argumentativo com passagens descritivas porque, ao tempo que discute uma ideia, retrata concretamente a realidade sob a forma de uma crônica jornalística. III. É argumentativo, porque se caracteriza pela presença de uma tese para um tema polêmico, apoiada em argumentos que visam convencer o alvo-público, veiculado sob a forma de artigo jornalístico. IV. É injuntivo, porque tem por objetivo a mudança de comportamento do leitor, veiculado sob a forma de editorial. a) Apenas II e III estão corretas. b) Apenas IV está correta. c) Apenas III está correta. d) Apenas I, II e IV estão corretas. 06. Assinale a frase que apresenta, sequencialmente, sinônimo e antônimo de estoicismo (4º ): a) A impassibilidade do reu diante da sentença agrediu a sensibilidade de muitos jurados. b) A impassibilidade do reu diante da sentença comoveu os jurados mais rígidos. c) Os jurados são sensíveis aos réus impassíveis. d) Os réus impassíveis desencadeiam a irritabilidade dos jurados. 07. A regência do verbo preferir em Prefiro, ao mito do trabalho como única salvação, e da dor como cursinho de aperfeiçoamento pessoal, a realidade possível dos amores... (2º ) é: a) Transitivo indireto, cujo complemento é ao mito do trabalho... b) Transitivo direto, cujo complemento é a realidade possível dos amores c) Transitivo direto e indireto, cujos complementos são a realidade possível e dos amores d) Intransitivo 08. A reescritura do período Assim como o sofrimento pode nos tornar amargos e até emocionalmente estéreis, o trabalho pode aviltar, humilhar, explorar e solapar qualquer dignidade, roubar nosso tempo, saúde e possibilidade de crescimento (4º ) está CORRETA quanto à significação e aos aspectos gramaticais na alternativa: a) O sofrimento e o trabalho pode tornar-nos aridos e improdutivos. b) Tanto a dor pode nos transformar em pessoas pesarosas e até insensíveis, quanto o labor aviltar e minar os direitos e deveres que se impõem ao cidadão. c) A dignidade humana é maculada pelo sofrimento, tanto quanto o trabalho dignifica às pessoas laboriosa. d) Sofrimento e trabalho constituem o homem, porque contribuem excencialmente por sua dignidade. 09. O suplemento de cultura de um jornal deu o seguinte título a um texto sobre a qualidade da produção de escritores na velhice: Escritores longevos apostam em novo foco ou no malhumor. A informação CORRETA sobre o título está na alternativa: a) A forma correta de grafar o título é Escritores longevos apostam em novo foco ou no mau humor. b) O erro do título encontra-se na grafia de malhumor. A correção é mau-humor. c) O título em destaque não apresenta erro, seja de grafia ou significado. d) O erro do título encontra-se na grafia e significado do vocábulo longevo. Graficamente, porque é escrito lonjevo, significando distância. 10. Na frase Aqueles são a parte da natureza. Estes, do trabalho. (Rui Barbosa, Oração aos moços) a) A vírgula está mal empregada porque não se separa o sujeito do predicado. b) A vírgula está marcando a omissão de um termo no período; no caso específico, caracterizando uma metáfora. c) A vírgula está bem empregada porque está separando um predicativo. d) A vírgula está marcando a omissão de termo no período; no caso específico, caracterizando uma elipse. CONHECIMENTO ESPECÍFICO 11. Segundo Leavell e Clark, os níveis de prevenção em saúde pública são: a) Prevenção primária, prevenção secundária, e prevenção terciária b) Prevenção secundária e ação social global. c) Reabilitação, diagnóstico precoce, educação e promoção em saúde d) Promoção de saúde, proteção específica, diagnóstico e tratamento precoce, limitação do dano e reabilitação 12. As etapas em que se pode impedir a progressão da doença são denominadas níveis de prevenção. A fluoração da água é uma prevenção primária que está no seguinte nível de prevenção: a) 1º nível de prevenção b) 2º nível de prevenção c) 3º nível de prevenção d) 4º nível de prevenção 13. Ao 2º e 3º níveis de prevenção, correspondem respectivamente: a) Proteção específica e diagnóstico precoce. b) Diagnóstico precoce e limitação do dano. c) Promoção de saúde e proteção específica. d) Limitação do dano e reabilitação. PREFEITURA MUNICIPAL DE REGENERAÇÃO-PI 3

4 14. Segundo o Ministério da Saúde, a educação em saúde é um dos pilares da: a) Assistência hospitalar b) Campanha de imunização c) Promoção de saúde d) Vigilância epidemiológica 15. Assinale a alternativa CORRETA em relação aos procedimentos preventivos: a) As fissuras oclusais escurecidas são resultado da ação de sucessivas desmineralizações. Essas áreas devem ser preservadas. b) Todo dente hígido deve ser selado. c) Qualquer mancha ou indício de descoloração do esmalte deve ser removido. d) Somente o esmalte hígido deve ser preservado e imediatamente selado. 16. O selamento de fóssulas e fissuras são indicados, preferencialmente, quando: a) Os dentes decíduos ou permanentes já estão em oclusão. b) Os dentes estão com sulcos profundos e cavitados. c) Os dentes permanentes semi-irrompidos estão com sulcos profundos. d) Os dentes permanentes e decíduos estão na cavidade oral há pelo menos três anos. 17. Entre os medicamentos abaixo, há um que possui ação analgésica e antipirética boa, mas possui baixa ação antiinflamatória. Indique-o: a) Aspirina b) Paracetamol c) Sulindac d) Fenilbutazona 18. Paciente do sexo feminino, com 17 anos de idade,queixa-se de mal estar, febre e dor espontânea e intensa na face.o diagnóstico foi de abscesso periapical agudo.sabendo-se que o paciente é alérgico à penicilina, a escolha medicamentosa CORRETA é: a) Clavulonato de potássio ou ampicilina b) Clavulonato de potássio ou amoxilina c) Eritromicina ou ampicilina d) Clindamicina ou Eritromicina 19. Em uma emergência endodôntica, quando há necessidade de terapia antibiótica, a droga de primeira escolha é: a) Clindamicina b) Tetraciclina c) Amoxilina d) Metronidazol 20. Na clínica endodôntica, são exemplos de situações de emergência que necessitam de intervenção imediata: a) Lesão periapical grande e cisto periodontal lateral. b) Pulpite aguda e abscesso crônico fistulado. c) Pulpite hiperplásica e lesão endopério crônica. d) Pulpite aguda serosa e pulpite aguda purulenta. 21. De acordo com a Classificação Atual das Doenças Gengivais, marque a alternativa relacionada a uma lesão gengival que NÃO é induzida pela placa bacteriana: a) Gengivoestomatite herpética b) Gengivite marginal crônica c) Gengivite gravídica d) Gengivite descamativa 22. Sobre a Reforma Sanitária no Brasil, é INCORRETO afirmar: a) A VIII Conferência Nacional de Saúde ocorreu no período de 17 a 21 de março de 1986, com os temas de saúde como direito, reforma do Sistema Nacional de Saúde e financiamento de saúde. b) A Carta de Ottawa foi publicada na primeira Conferência Internacional sobre Promoção de Saúde; ocorreu em novembro de 1986 e representou a consolidação do pensamento em saúde vigente na época. c) A declaração da Alma Ata, realizada em setembro de 1978, teve como meta Saúde para todos no ano d) Os princípios Doutrinários do SUS foram consolidados na lei orgânica da saúde 8080 de 19 de setembro de Quanto ao financiamento do Sistema Único de Saúde, é CORRETO dizer que: a) Depende da contribuição dos usuários. b) É de responsabilidade única do orçamento dos municípios. c) É de responsabilidade das três esferas do governo e cada uma deve assegurar o aporte regular de recursos ao respectivo fundo de saúde. d) Depende unicamente do orçamento dos estados. 24. Assinale a alternativa que aponta o sistema de informação que contém a base de dados relativa aos casos de doenças de notificação compulsória: a) SINASC b) SIAB c) SIM d) SINAN 25. O Programa Saúde da Família impressiona pelos resultados que alcança em vários municípios, através da: a) Assistência curativa feita através de uma equipe multiprofissional. b) Promoção de saúde, assistência básica e prevenção. 4 PREFEITURA MUNICIPAL DE REGENERAÇÃO-PI

5 c) Assistência à comunidade através da intersetorialidade das ações curativas. d) Demanda espontânea que procura o serviço. 26. Em relação à atenção básica em saúde é INCORRETO afirmar que: a) O investimento na atenção básica previne o adoecimento e o agravamento das doenças. b) Diminuem os gastos com procedimentos de média complexidade. c) Torna-se desnecessário o atendimento de alta complexidade. d) Diminui as filas nos hospitais de redes públicas e conveniadas com o SUS. 27. Assinale a alternativa que indica um fator local que deve ser removido durante a raspagem, alisamento e polimento dentários: a) Matéria Alba b) Excesso ou falta de material restaurador c) Cálculo Dentário d) Todas as alternativas acima. 28. O sistema de informação territorializado que coleta dados (cadastramento familiar, acompanhamento de grupos de risco e registro de atividades, procedimentos e notificações) que possibilitam a construção de indicadores populacionais referentes ao Programa Saúde da Família chama-se: a) SIAB b) SISVAN c) SINAN d) SINASC 29. Assinale a alternativa CORRETA, sobre a atividade que o Programa de Saúde da Família (PSF) desenvolve, dentro da hierarquia da rede do SUS: a) Atenção primária b) Atendimento odontológico c) Nível secundário d) Nível terciário 30. Em relação ao controle de infecção no ambiente clínico odontológico todas as afirmativas estão corretas, EXCETO: a) No ambiente odontológico todo paciente deve ser considerado potencialmente infectado, exceto na fase prodrômica da doença. b) Em caso de acidentes com material infectado pelo HIV e em acidentes com paciente desconhecido, o profissional deverá ser acompanhado por médico por um período de 6 meses. c) Para que a esterilização seja eficiente os instrumentais devem estar limpos, secos e embalados em invólucros permeáveis ao vapor e todos os pacotes devem ter indicadores químicos externos para indicar processamento do material. d) Os campos do paciente podem ser de polipropileno, papel impermeável ou tecido e deve cobrir o pescoço, tórax e abdômen, a fim de proteger as vestes da contaminação gerada durante os procedimentos. CONHECIMENTOS GERAIS ATUALIDADES 31. O desenvolvimento econômico é vital para os países mais pobres, mas o caminho a seguir não pode ser o mesmo adotado pelos países industrializados. Mesmo porque não seria possível. Caso as sociedades do Hemisfério Sul copiassem os padrões das sociedades do Norte, a quantidade de combustíveis fósseis consumida atualmente aumentaria 10 vezes, e a de recursos minerais, 200 vezes. Ao invés de aumentar os níveis de consumo dos países em desenvolvimento, é preciso reduzir os níveis observados nos países industrializados. A afirmativa acima faz parte de uma ampla discussão na temática do meio ambiente, ligada especificamente: a) Aos modelos de legislação socioambiental. b) Aos modelos de desenvolvimento dos países industrializados. c) Às etapas de redução de níveis de consumo dos países. d) Aos modelos de atividades produtivas que envolve o tratamento dado ao meio ambiente e sua relação com os consumidores. 32. No modo capitalista de produção da vida social, a classe capitalista detém os poderes político e econômico, determinando, assim, toda a vida social. Há que se considerar que numa sociedade capitalista democrática, alguns aspectos da vida social são decididos coletivamente, fundamentalmente aquelas decisões que não impliquem em mudanças substanciais no modo de produção.... A afirmativa acima está incompleta; dentre as frases abaixo, somente uma poderia completá-la: a)...porque a política é definidora de ações sociais na sociedade capitalista, produzindo suas conseqüências; b)...um modo de produção gerado pela própria política de ação e controle sobre as necessidades sociais; c)...modo este que dá origem a uma política de mediação entre as necessidades de valorização e acumulação do capital; d)...um modo de produção que se funda na desigualdade e na exploração da força de trabalho. 33. A economia brasileira, desde o abandono do II Plano Nacional de Desenvolvimento em 1976, está em ponto de bala. Faz parte de um reduzido grupo de economias, de países como a China e a Índia, que, recém saídos do estágio de desenvolvimento extensivo, mesmo num contexto de recessão e crise da economia mundial, tem um potencial de crescimento médio em torno de 5% ao ano, durante um período prolongado, da ordem de 10 a 20 anos. As afirmativas abaixo também dizem respeito à economia brasileira, EXCETO: PREFEITURA MUNICIPAL DE REGENERAÇÃO-PI 5

6 a) Viveu vários ciclos ao longo da História. Em cada ciclo um setor foi privilegiado em detrimento de outros. b) É uma economia aberta e inserida no processo de globalização. c) Teve como primeira atividade a extração de pedras preciosas e outras preciosidades. d) As áreas de agricultura, indústria e serviços são bem desenvolvidas e encontram-se em bom momento de expansão. 34. Dentre as afirmativas abaixo, assinale a alternativa que aponta CORRETAMENTE para o que se constitui no objetivo da Política: a) Estabelecer os princípios que se mostrem indispensáveis à realização de um governo, tanto mais perfeito quanto seja o desejo de conduzir o Estado ao cumprimento de suas precípuas finalidades, isto é, em melhor proveito dos governados. b) Mostrar o corpo de doutrinas, indispensáveis, ao controle desejado de um povo, dentro das quais devem ser estabelecidas as normas jurídicas necessárias ao bom funcionamento do Estado. c) Buscar, em suas realizações, o atendimento às necessidades sociais da população. d) Debater, no âmbito social, a política que responde, principalmente, aos interesses das classes políticas e econômicas. 35. O conjunto de práticas, ações e iniciativas capazes de tornar efetivo o princípio da função sócioambiental, seja no âmbito governamental, empresarial ou de entidades não governamentais, mediante a adoção, implementação e gestão de atividades sociais e ambientais, em benefício da comunidade, proporcionando a melhoria da qualidade de vida das pessoas e o desenvolvimento do ser humano, é feito por meio de: a) Ações preventivas, educativas,culturais, artísticas, esportivas e assistenciais, a defesa dos direitos humanos,do trabalho, do meio ambiente e da justiça social e o apoio ao combate à corrupção e ao suborno, dentre outras. b) Ações que refletem uma visão mais ampla da estratégia empresarial, contemplando todos os relacionamentos com a comunidade em que a sociedade atua, onde os administradores devem zelar pela perenidade das organizações (visão de longo prazo, sustentabilidade); portanto, devem incorporar considerações de ordem social e ambiental na definição dos negócios e operações. c) Ações de Estratégia de desenvolvimento da atividade econômica, em sintonia com as demandas e questões sociais e a utilização consciente dos recursos disponíveis no meio ambiente, buscando satisfazer as demandas do presente, porém comprometendo um pouco a possibilidade das gerações futuras de atenderem suas próprias necessidades. d) Ações de Estratégia de desenvolvimento da atividade cultural e econômica, em sintonia com as demais políticas e questões sociais sem a utilização dos recursos disponíveis no meio ambiente, buscando apenas a satisfação do consumidor e suas necessidades. CONHECIMENTO LOCAL 36. O município de Regeneração, atual denominação, foi elevado à categoria de distrito criado pela lei provincial nº 751, de 26/08/1871, foi denominado de: a) São Gonçalo do Amarante b) São Gonçalo da Regeneração c) São Gonçalo de Oeiras d) São Gonçalo Velho 37. O município de Regeneração está localizado na microrregião Médio Parnaíba Piauiense, e possui como limite a leste os municípios de Elesbão Veloso e Francinópolis, e a oeste o município de: a) Amarante b) Arraial c) Angical do Piauí d) Jardim do Mulato 38. De acordo com o IBGE, a estimativa da população de Regeneração para 2009 é de: a) b) c) d) A área da unidade territorial do município de Regeneração, segundo IBGE, é de: a) Km² b) Km² c) Km² d) Km² 40. Os festejos religiosos em louvor a São Gonçalo, em Regeneração, transcorrem entre os dias (MIRANDA, 2004; p. 221): a) 1º a 10 de janeiro b) 1º a 12 de janeiro c) 1º a 8 de janeiro d) 31 de dezembro a 10 de janeiro 6 PREFEITURA MUNICIPAL DE REGENERAÇÃO-PI

7 PREFEITURA MUNICIPAL DE REGENERAÇÃO-PI 7

8 8 PREFEITURA MUNICIPAL DE REGENERAÇÃO-PI

Concurso público para provimento de cargos de Enfermeiro. DATA: 31/01/2010 HORÁRIO: 08h às 12h DURAÇÃO: 4 horas NÚMERO DE QUESTÕES: 40

Concurso público para provimento de cargos de Enfermeiro. DATA: 31/01/2010 HORÁRIO: 08h às 12h DURAÇÃO: 4 horas NÚMERO DE QUESTÕES: 40 ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE REGENERAÇÃO CONCURSO PÚBLICO Nº. 01/2009 Concurso público para provimento de cargos de Enfermeiro DATA: 31/01/2010 HORÁRIO: 08h às 12h DURAÇÃO: 4 horas NÚMERO DE

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

Concurso público para provimento de cargos de Médico. DATA: 31/01/2010 HORÁRIO: 08h às 12h DURAÇÃO: 4 horas NÚMERO DE QUESTÕES: 40

Concurso público para provimento de cargos de Médico. DATA: 31/01/2010 HORÁRIO: 08h às 12h DURAÇÃO: 4 horas NÚMERO DE QUESTÕES: 40 ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE HUGO NAPOLEÃO CONCURSO PÚBLICO Nº. 01/2009 Concurso público para provimento de cargos de Médico DATA: 31/01/2010 HORÁRIO: 08h às 12h DURAÇÃO: 4 horas NÚMERO DE QUESTÕES:

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Promoção da Saúde: da prevenção de doenças à defesa da vida

Promoção da Saúde: da prevenção de doenças à defesa da vida Promoção da Saúde: da prevenção de doenças à defesa da vida Antônio Ivo de Carvalho Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca / FIOCRUZ Setembro de 2007 Promoção da saúde Novo paradigma de pensamento

Leia mais

União Geral de Trabalhadores. no decorrer deste ano, uma Campanha de Informação. dirigida a jovens alunos desta escola profissional.

União Geral de Trabalhadores. no decorrer deste ano, uma Campanha de Informação. dirigida a jovens alunos desta escola profissional. Número 1 abril 2014 União Geral de Trabalhadores NEWSLETTER Educação e Formação para a Prevenção Editorial Neste Número: A UGT União Geral de Trabalhadores - em parceria com a ACT Autoridade para as Condições

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010

COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL. Brasília maio 2010 COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO FEDERAL Brasília maio 2010 Audiência Pública: o avanço e o risco do consumo de crack no Brasil Francisco Cordeiro Coordenação de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

Problematização. Processo

Problematização. Processo Determinantes socioambientais em saúde bucal e estratégias de Promoção da Saúde 1 Problematização Serviços de saúde [e sua expressão humana, ou seja, os profissionais de saúde] não são potentes o suficiente

Leia mais

Modelos Assistenciais em Saúde

Modelos Assistenciais em Saúde 6 Modelos Assistenciais em Saúde Telma Terezinha Ribeiro da Silva Especialista em Gestão de Saúde A análise do desenvolvimento das políticas de saúde e das suas repercussões sobre modos de intervenção

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro);

Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); PLANO DE TRABALHO 2014 Sumário: 1. Saúde 1.1. Estratégia da Saúde da Família no território 2.1 (Rio de Janeiro); 1.2. Estratégia da Saúde da Família no território 3.1 (Rio de Janeiro); 1.3. Estratégia

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e

Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Programa de Apoio a Pacientes Oncológicos e Família Secretaria Municipal de Saúde CASC - Centro de Atenção a Saúde Coletiva Administração Municipal Horizontina RS Noroeste do Estado Distante 520 Km da

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO VIGILÂNCIA SOCIAL E A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO CONCEITUANDO... Vigilância Social : Produção e sistematização de informações territorializadas sobre

Leia mais

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO A III Conferência Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência acontece em um momento histórico dos Movimentos Sociais, uma vez que atingiu o quarto ano de ratificação

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Atualizado por Danusa em Nov/2007 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Para organizar um serviço local de atenção à saúde é necessário que o administrador, coordenador, gerente

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua ... Lei nº 8.742, conhecida como Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) art. 1º define a assistência social como um direito do cidadão e

Leia mais

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ESTADO DO PARÁ MUNICÍPIO DE CURUÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE CURUÁ - CONCURSO PÚBLICO - Edital N.º 001/2009 REALIZAÇÃO DA PROVA OBJETIVA: 23 de Agosto de 2009 NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório de Geografia Médica e Vigilância em Saúde Universidade Federal de Uberlândia - Brasil

Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório de Geografia Médica e Vigilância em Saúde Universidade Federal de Uberlândia - Brasil DIAGNÓSTICO DA SAÚDE AMBIENTAL PARA A CONSTRUÇÃO DE TERRITÓRIOS SAUDÁVEIS COM ESTRATÉGIAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO BAIRRO LAGOINHA, UBERLÂNDIA - BRASIL Prof. Dr. Samuel do Carmo Lima Coordenador do Laboratório

Leia mais

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES ÁREAS CONTAMINADAS : RISCOS À SAÚDE HUMANA Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas 3 e 4 de setembro de 2012, Porto Alegre RS NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES P R O M O Ç Ã O DETERMINANTES

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPETRADOS CONTRA A PROVA OBJETIVA E GABARITO PRELIMINAR

RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPETRADOS CONTRA A PROVA OBJETIVA E GABARITO PRELIMINAR A FAFIPA Fundação de Apoio a Fafipa, no uso de suas atribuições legais, TORNA PÚBLICO os pareceres dos recursos deferidos, de acordo com o subitem 14.10 do Edital de Abertura nº 02/2011 da Prefeitura Municipal

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

16/4/2010 ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO

16/4/2010 ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO EPIDEMIOLOGIA Parte 01 PROFa. MSc. MARISE RAMOS DE SOUZA EPIDEMIOLOGIA ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO Epidemiologia é portanto, o estudo de alguma coisa que aflige (afeta)

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES Projeto de Lei n 340/99 464 LEI N 4.864 DE 12 DE MARÇO DE 1999 Dispõe sobre a Política Municipal do Idoso, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES; FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes

humor : Como implantar um programa de qualidade de vida no trabalho no serviço público Profa. Dra. Ana Magnólia Mendes Universidade de Brasília -UnB Instituto de Psicologia - IP Departamento de Psicologia Social e do Trabalho - PST Só de Pensar em vir Trabalhar, jáj Fico de mau-humor humor : Como implantar um programa

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA

CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA CURSO DE BACHARELADO EM NUTRIÇÃO-FORMAÇÃO NUTRICIONISTA Coordenaçăo: Profª. MS. Mara Rosana dos Santos E-mail: nutricao@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 211 Ser Nutricionista É atuar em todas

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. O Ministério do Meio Ambiente, em junho de 2009, lançou campanha para o consumo consciente de sacolas plásticas, que já atingem, aproximadamente,

Leia mais

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia

Módulo 1 Questões Básicas da Economia. 1.1. Conceito de Economia Módulo 1 Questões Básicas da Economia 1.1. Conceito de Economia Todos nós temos uma série de necessidades. Precisamos comer, precisamos nos vestir, precisamos estudar, precisamos nos locomover, etc. Estas

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL Um novo setor/ator da sociedade Emergência da Sociedade Civil Organizada I fase Séculos XVIII e XIX Entidades Assistenciais tradicionais Confessionais Mandato

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

CONSEP - Consultoria e Estudos Pedagógicos LTDA. RESULTADO DOS RECURSOS CONTRA O GABARITO DA PROVA OBJETIVA DO CONCURSO DE BREJO DO PIAUÍ.

CONSEP - Consultoria e Estudos Pedagógicos LTDA. RESULTADO DOS RECURSOS CONTRA O GABARITO DA PROVA OBJETIVA DO CONCURSO DE BREJO DO PIAUÍ. RESULTADO DOS RECURSOS CONTRA O GABARITO DA PROVA OBJETIVA DO CONCURSO DE BREJO DO PIAUÍ. 1) Recursos Contra as Questões de Português Nível Fundamental para os cargos de: Motorista Categoria D, Motorista

Leia mais

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER

MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER MOVIMENTO CASCAVEL ROSA - NA LUTA CONTRA O CÂNCER Área Temática: Saúde Adriane de Castro Martinez Martins 1 (Coordenadora) Claudecir Delfino Verli 2 Aline Maria de Almeida Lara 3 Modalidade: Comunicação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013)

PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA. Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) PROGRAMAÇÃO DE DISCIPLINA Enfermagem em Saúde Coletiva da Criança e do Adolescente (1º Semestre / 2013) Coordenador: Prof ª Aurea Tamami Minagawa Toriyama Carga horária total: 60 horas 30 horas práticas

Leia mais