Ministério do Comércio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério do Comércio"

Transcrição

1 Ministério do Comércio Decreto nº / De de Sendo necessário salvaguardar e consolidar as conquistas já alcançadas, tendo em conta a Reforma e Modernização em curso, no Sector do Comércio no sentido de corrigir as debilidades actuais e possibilitar uma maior organização, aproximação, criação de sinergias e convergências de todos os tipos de comércio, garantindo se assim o alcance dos objectivos previstos na lei das Actividades Comerciais. Nos termos das disposições combinadas da alínea h) do artigo 110º e do artigo 113º, ambos da lei Constitucional, o Governo decreta o seguinte: Artigo 1º. É aprovado o regulamento sobre o licenciamento da actividade e organização do cadastro comercial, e de prestação de serviços mercantis, autorização do exercício de modalidades de promoção de venda, modalidades de venda, vendas especiais e de registo de operadores do comércio externo, anexo ao presente decreto e que dele faz parte integrante. Artigo 2º. É revogada toda a legislação que contrarie o disposto no presente decreto. Artigo 3º. As dúvidas e omissões suscitadas na interpretação e aplicação do presente decreto, serão resolvidas por Decreto do Conselho de Ministros. Artigo 4º. Este decreto entra em vigor na data da sua publicação. Visto e aprovado em Conselho de Ministros, em Luanda, aos de de.

2 SUMÁRIO FUNDAMENTAÇÃO...06 CAPITULO I: DISPOSIÇÕES GERAIS: Secção I Objecto e Âmbito de Aplicação: Artigo 1º Objecto...11 Artigo 2º Âmbito de Aplicação...12 Secção II Definição: Artigo 3º Definições...12 Secção III Actividades Comerciais: Artigo 4º Classificação...13 Artigo 5º Comércio a Grosso...13 Artigo 6º Comércio a Retalho...13 Artigo 7º Comércio Geral...14 Artigo 8º Comércio Precário...14 Artigo 9º Prestação de Serviços Mercantis...14 Artigo 10º Comércio Feirante...14 Artigo 11º Comércio Ambulante...14 Artigo 12º Comércio de Representação...15 Artigo 13º Exportação...15 Artigo 14º Importação...15 Secção IV Modalidades de Promoção de Venda: Artigo 15º Classificação...15 Artigo 16º Venda Multi nível...15 Artigo 17º Venda em Saldo...16 Artigo 18º Venda com Recompensa...16 Artigo 19º Venda em Liquidação...16 Secção V Modalidades de Venda: Artigo 20º Classificação...17 Artigo 21º Comércio a Grosso em Livre Serviço...17 Artigo 22º Comércio Electrónico...17 Artigo 23º Tele venda...17

3 Artigo 24º Certames Comerciais...18 Secção VI VENDAS ESPECIAIS: Artigo 25º Classificação...18 Artigo 26º Venda ao Domicílio...18 Artigo 27º Venda a Distância...18 Artigo 28º Venda Automática...19 Artigo 29º Venda Ocasional...19 Artigo 30º Venda de Promoção...19 Artigo 31º Venda Ambulante...19 Artigo 32º Venda em Leilão...19 Secção VI Competências: Artigo 33º Entidade Competente para o Licenciamento da Actividade Comercial e de Prestação de Serviços Mercantis...20 Artigo 34º Entidade competente para Autorização do Exercício de Modalidades de Promoção de Venda, Modalidades de Venda e Vendas Especiais...20 CAPÍTULO II: LICENCIAMENTO DA ACTIVIDADE COMERCIAL, MODALIDADES DE PROMOÇÃO DE VENDA, MODALIDADES DE VENDA, VENDAS ESPECIAIS, DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MERCANTIS E DE REGISTO DE OPERADORES DO COMÉRCIO EXTERNO: Secção VII Actividade Comercial e de Prestação de serviços Mercantis: Artigo 35º Licenciamento...21 Artigo 36º Documentos para o Exercício da Actividade Comercial...21 Artigo 37º Período de validade dos Documentos...22 Artigo 38º Âmbito Territorial...22 Artigo 39º Urbanismo Comercial...22 Artigo 40º Requisitos de Acesso para o Exercício da Actividade Comercial...23 Secção VIII Alvará Comercial: Artigo 41º Pessoa Singular Nacional...23 Artigo 42º Pessoa Colectiva Nacional...24 Artigo 43º Pessoa Singular e Colectiva Estrangeira...24

4 Artigo 44º Instrução do Processo...25 Artigo 45º Notificação do Requerente...25 Artigo 46º Vistoria as Infra estruturas...25 Artigo 47º Prazo de Emissão e Atribuição do Alvará Comercial...26 Artigo 48º Alterações Supervenientes...26 Artigo 49º Causas de Suspensão e Apreensão do Alvará Comercial.26 Artigo 50º Causas de cancelamento do Alvará Comercial...27 Artigo 51º Apreensão do Alvará Comercial...28 Artigo 52º Levantamento da Suspensão ou Cancelamento...28 Secção IX Comércio Precário: Artigo 53º Licença do Comércio Precário...28 Artigo 54º Encerramento temporário ou Definitivo...29 Artigo 55º Cancelamento da Licença do Comércio Precário...29 Artigo 56º Comunicação nos casos de Cancelamento da Licença...29 Artigo 57º Apreensão da Licença e Cessação da Actividades...30 Artigo 58º Devolução da Licença Cancelada...30 Secção X Comércio de Feirante: Artigo 59º Cartão de Feirante...30 Secção XI Comércio Ambulante: Artigo 60º Cartão de Comércio Ambulante...31 Secção XII Vendedor de Mercado Municipal: Artigo 61º Cartão de Vendedor de Mercado Municipal...31 Secção XIII Registo de Operadores do Comércio Externo: Artigo 62º Certificado do Exercício da Actividade Comercial Externa...32 Artigo 63º Cancelamento do Certificado...33 Secção XIV Autorização do Exercício de Modalidades de Promoção de Venda, Modalidades de Venda e Vendas Especiais Artigo 64º Comunicação e Autorização...33

5 Secção XV Cadastro Comercial: Artigo 65º Registo no Cadastro Comercial e de Prestação de Serviços Mercantis...34 CAPÍTULO III: FISCALIZAÇÃO, TAXAS, CONTRAVENÇÕES E PENALIZAÇÕES: Artigo 66º Competência para Fiscalização...35 Artigo 67º Taxas e Emolumentos...35 Artigo 68º Contravenções e Penalidades...35 Artigo 69º Pagamento de Multas...35 CAPÍTULO IV: DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS: Artigo 70º Prazos para Constituição de Novos Pedidos...36 Artigo 71º Processos Pendentes...36

6 REGULAMENTO SOBRE O LICENCIAMENTO DE ACTIVIDADE E DE ORGANIZAÇÃO DO CADASTRO COMERCIAL E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO MERCANTIS, AUTORIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS MODALIDADES DE PROMOÇÃO DE VENDA, MODALIDADE DE VENDA, VENDAS ESPECIAIS E REGISTO DE OPERADORES DO COMÉRCIO EXTERNO FUNDAMENTAÇÃO: No quadro da consolidação das conquistas alcançadas no domínio da liberalização do comércio, enquadramento e preenchimento do vazio legislativo para disciplinar as actuais e as novas formas do comércio, o presente diploma visa regular a transformação e o desenvolvimento das estruturas empresariais de comércio, de forma a assegurar a coexistência e equilíbrio dos diversos formatos comerciais e garantir a respectiva inserção espacial de acordo com critérios que salvaguardam uma perspectiva integrada e valorizadora do desenvolvimento da economia, da protecção do ambiente, do ordenamento do território e urbanismo comercial, a defesa da concorrência, dos direitos do consumidor e a qualidade de vida dos cidadãos. Neste sentido e perspectiva, o presente diploma estabelece regime, procedimentos, mecanismos e condições para: 1. O licenciamento da actividade e organização do cadastro comercial e de prestação de serviços mercantis, mediante emissão e atribuição da(o): a) Alvará Comercial, de âmbito nacional, permitindo a criação de filiais para pessoa Singular e Colectiva possuidora da capacidade civil, comercial e de infra estruturas de construção convencional ou definitiva, para exercício do comércio a grosso, a retalho e prestação de serviços mercantis, em todo o Território Nacional; b) Licença do Comércio Precário vulgo Cantina, atribuída a Pessoa Singular, possuidora de capacidade civil, comercial e de infra estruturas de construção convencional ou provisória, localizada nas zonas suburbanas e rurais, juntando para o efeito apenas fotocópia do Bilhete de identidade, cartão de Contribuinte, cartão de sanidade e duas fotografias tipo passe e sem prévia vistoria, e exercício de apenas o comércio a retalho;

7 c) Cartão de Feirante, Cartão de Comércio Ambulante e Cartão de Vendedor de Mercado Municipal Urbano e Rural: Os cartões atrás referenciados são atribuídos a Pessoa Singular com capacidade civil e comercial, mas sem possuir infra estruturas comerciais próprias, para o exercício apenas do comércio a retalho, devendo juntar a fotocópia do Bilhete de Identidade, Cartão de Contribuinte, Cartão de Sanidade e duas fotografias tipo passe. Realizam actos do comércio nas seguintes condições: Feirante: Cartão de Feirante, de âmbito Provincial, válido para o exercício da actividade comercial a retalho em certames comerciais ou feiras organizadas pelos órgãos competentes do Governo Provincial. Comércio Ambulante: Cartão de Comércio Ambulante, de âmbito Municipal e válido para o exercício do comércio a retalho em área ou localidade a indicar pelos órgãos competentes de Administração Municipal ou Comunal. Vendedor de Mercado: Cartão de Vendedor de Mercado Municipal Urbano e Rural, válido para o exercício do comércio a retalho apenas nas Bancas de Mercado Municipal Urbano ou Rural. 2. O Registo de Operadores do Comércio Externo: O Certificado do Registo de Operadores do Comércio Externo é atribuído a Importadores e Exportadores, mediante apresentação de fotocópia do Alvará Comercial grossista ou industrial e comprovativo de pagamento da última prestação de Imposto Industrial e é válido para o exercício da actividade comercial externa de importação e exportação de mercadorias. 3. A Autorização do Exercício de Modalidades de Promoção de Venda, Modalidades de Venda e Vendas Especiais: Mediante a comunicação prévia de Comerciantes grossistas, retalhista ou de prestação de serviços mercantis, obtenção junto dos órgãos licenciadores a devida autorização para o exercício de novas figuras do comércio em Angola.

8 4. A Depuração, Classificação e Gestão de Rede Comercial e de Prestação de Serviços Mercantis: No acto de atribuição dos documentos para o exercício da actividade comercial e de prestação de serviços mercantis, automaticamente registar se o estabelecimento, a actividade e o Comerciante no cadastro, mediante atribuição do respectivo Certificado. 5. Inserção de Agentes Económicos do Sector Informal na Rede Comercial Formal: Com a organização e facilidades em referência estão criadas as condições para absorção dos actuais agentes do Sector Informal do comércio que exercem actos comerciais de forma espontânea em locais impróprios sem condições higio sanitárias e técnico comerciais recomendáveis, para a economia formal, num exercício de transformação e transferência do comércio de rua, na rua, de esquina e de mercados paralelos para as novas infra estruturas comerciais em construção no País, nomeadamente plataformas de logística e de distribuição, rede de supermercados Nosso Super, rede de Mercados Municipais Urbanos, Suburbanas e Rurais, Rede Comercial de Proximidade e Feiras organizadas pelos órgãos competentes dos Governos Provinciais. No âmbito da desconcentração, descentralização, simplificação, desburocratização, modernização e uniformização de procedimentos, o diploma delimita as competências dos órgãos de licenciamento da actividade e organização do cadastro comercial e de prestação de serviços mercantis, em conformidade com a Lei nº 1/07 Das Actividades Comerciais: a) O Ministério do Comércio, através da Direcção Nacional do Comércio, licenciar médias e grandes superfícies comerciais, importação, exportação, comércio de representação e prestação de serviços mercantis de dimensão relevante; b) Os Governos Provinciais, através das Direcções Provinciais do Comércio, licenciar o comércio geral, comércio precário, prestação de serviços mercantis e minimercados; c) As Administrações Municipais, para licenciar o comércio Feirante, Comércio Ambulante e Vendedores de Mercados Municipais Urbano, Suburbano e Rural.

9 6. Desconcentração, descentralização, desburocratização e Modernização do processo de Licenciamento da Actividade e Organização do Cadastro Comercial e de Prestação de Serviços Mercantis: Considerando que a estratégia de desburocratização, simplificação e modernização do sistema de licenciamento da actividade comercial e de prestação de serviços mercantis assenta na automatização das rotinas de emissão e atribuição do Alvará Comercial e de outros documentos de licenciamento e organização do cadastro comercial. Uma vez que esta situação já é uma realidade e em consolidação permanente no órgão licenciador que integra a Estrutura Orgânica do Ministério do Comércio, onde o Alvará Comercial é emitido em menos de 24 horas desde que o processo primário esteja completo e devidamente instruído. Prevê se tão rápido quanto possível estender o Software e consequente informatização do sistema de licenciamento aos órgãos licenciadores da actividade comercial dos Governos Provinciais, através das seguintes iniciativas e soluções: a) Organização e funcionamento obrigatório do Sistema de Reclamações e Sugestões (Livro de Reclamações), nos órgãos licenciadores e nos estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços mercantis, para impor rigor, transparência e partilha do cidadão no combate a burocracia e defesa dos direitos do consumidor e da concorrência no mercado; b) Informatização do Sistema de Licenciamento da actividade comercial (SILAC), para modernização dos órgãos Licenciadores, com vista a emissão e atribuição do Alvará Comercial na hora em todo o território Nacional e por via electrónico, no sistema on line, através do site angola.net e portal do Ministério do Comércio; c) Informatização do Sistema de Gestão, Organização e Classificação do Cadastro Comercial (GECAD), para regular e disciplinar a distribuição geográfica e territorial dos estabelecimentos comerciais, tendo em atenção a mobilidade populacional, tráfego, impacte ambiental, valorização da função do comércio nas zonas urbanas e salvaguarda do Urbanismo Comercial. d) Informatização do Sistema Integrado de Gestão das Operações Comerciais Externas (GOCEX), que se traduz na coordenação, funcionamento e controlo da cadeia de entrada, saída e pagamento de mercadorias em on line, entre os Ministérios do Comércio, das Finanças, Banco Nacional de Angola e Transportes.

10 7. Aplicação da classificação das actividades económicas (CAE ANEXO I), Classes e Subclasses de Mercadorias (ANEXO II), Taxas e emolumentos pelos diversos serviços executados no âmbito do Licenciamento da Actividade e Organização do Cadastro Comercial e de Prestação de Serviços Mercantis (ANEXOS III e IV), do presente Regulamento. Os anexos em referência fazem parte integrante do presente Regulamento foram aprovados pelo Conselho de Ministros aquando da aprovação da Lei das Actividades Comerciais.

11 REGULAMENTO SOBRE O LICENCIAMENTO DE ACTIVIDADE E ORGANIZAÇÃO DO CADASTRO COMERCIAL E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MERCANTIS, AUTORIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DE MODALIDADES DE PROMOÇÃO DE VENDA, MODALIDADES DE VENDA, VENDAS ESPECIAIS E REGISTO DE OPERADORES DO COMÉRCIO EXTERNO. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO I OBJECTO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1.º (Objecto) 1. O presente regulamento tem por objecto estabelecer as condições e procedimentos para: a) O licenciamento da actividade e organização do cadastro comercial e de prestação de serviços mercantis; b) O registo de operadores do Comércio Externo; c) A autorização do exercício de modalidades de promoção de venda, modalidades de venda e vendas especiais. d) Depuração e classificação da rede comercial e de prestação de serviços mercantis. 2. A actividade comercial, modalidades de promoção de venda, modalidades de venda, vendas especiais e de prestação de serviços mercantis, reger se ão por diplomas próprios.

12 Artigo 2.º (Âmbito de Aplicação) O presente regulamento aplica se ao licenciamento da actividade comercial e de prestação de serviços mercantis, a autorização do exercício de modalidades de promoção de venda, modalidades de vendas, vendas especiais e ao registo de operadores do comércio externo. SECÇÃO II DEFINIÇÃO Artigo 3.º (Definições) Para efeitos do presente decreto, entende se por: a) Licenciamento da actividade comercial e de prestação de serviços mercantis sistema através do qual se autoriza a pessoa singular ou colectiva com capacidade civil e comercial o exercício da actividade; b) Actividade comercial actividade realizada profissionalmente com o objectivo de lucro, por pessoas singulares ou colectivas, nacionais ou estrangeiras que possuam capacidade civil, comercial para praticar actos de comércio; c) Modalidades de promoção de venda toda acção comercial que incorpora a oferta de incentivos a curto prazo, para o consumidor, de modo a conseguir um acto de compra rápida por parte deste, cujo objectivo principal é rapidez na transacção; d) Modalidades de venda toda acção comercial realizada entre o vendedor e o comprador na troca de um bem ou serviço por outro em diferentes formas, cujo objectivo principal é adoptar formas que pode assumir a transacção; e) Vendas especiais são vendas em promoção ou transacções comerciais em condições mais favoráveis que as habituais, com a finalidade de potenciar a venda de certos produtos ou a promoção de uma ou de varias actividades comerciais;

13 f) Estabelecimento comercial toda a instalação de carácter fixo e permanente, destinada ao exercício regular de actividades comerciais de forma continuada, em dias ou temporadas determinadas, assim como quaisquer outros recintos que, com a mesma finalidade recebam aquela classificação em virtude de disposições legais ou regulamentares; g) Cadastro comercial ficheiro com informações de identificação e caracterização dos comerciantes e seus estabelecimentos, sua localização, trabalhadores empregues, superfícies de vendas, actividades económicas e comerciais exercidas e outras informações. SECÇÃO III ACTIVIDADES COMERCIAIS Artigo 4.º (Classificação) As actividades comerciais classificam se em comércio a grosso, comércio a retalho, comércio geral, comércio precário, prestação de serviços mercantis, comércio feirante, comércio ambulante, comércio de representação, exportação e importação. Artigo 5.º (Comércio a Grosso) Comércio a grosso actividade comercial que consiste na aquisição de produtos aos importadores e/ou a produtores e na sua venda a grosso, realizando se em instalações adequadas à natureza dos produtos ou bens a comercializar, não efectuando venda ao público consumidor; Artigo 6.º (Comércio a Retalho) Comércio a retalho actividade comercial que consiste na aquisição de produtos do seu ramo de actividade e venda directa aos consumidores em estabelecimentos apropriados ou em lugares fixos e permanentes de mercado;

14 Artigo 7.º (Comércio Geral) Comércio geral exercício de actividade comercial a retalho sem obediência ao princípio de especialização; Artigo 8.º (Comércio Precário) Comércio precário exercício de actividade comercial a retalho em estabelecimentos de construção não convencional, nas zonas rurais ou suburbanas; Artigo 9.º (Prestação de Serviços Mercantis) Prestação de serviços mercantis actividade através da qual uma das partes se obriga a proporcionar a outra certo resultado do seu trabalho intelectual ou manual, mediante retribuição; Artigo 10.º (Comércio Feirante) Comércio feirante actividade comercial a retalho exercida de forma não sedentária, em mercados cobertos ou descobertos em instalações não fixas. Artigo 11.º (Comércio Ambulante) Comércio Ambulante actividade comercial a retalho exercida de forma não sedentária, por indivíduos que transportam as mercadorias e as vendem nos locais do seu trânsito, fora dos mercados urbanos ou municipais e em locais fixados pelas Administrações Municipais;

15 Artigo 12.º (Comércio de Representação) Comércio de Representação actividade que consiste na realização de actos de comércio mediante mandato, em nome de uma ou mais entidades nacionais ou estrangeiras, não efectuando vendas ao público consumidor; Artigo 13.º (Exportação) Exportação actividade comercial que consiste na venda ou colocação no estrangeiro de produtos nacionais ou nacionalizados; Artigo 14.º (Importação) Importação actividade comercial que consiste na aquisição de produtos no mercado externo destinados ao consumo interno ou a reexportação para serem comercializados no Território Nacional; SECÇÃO IV MODALIDADES DE PROMOÇÃO DE VENDA Artigo 15.º (Classificação) As modalidades de promoção de venda, classificam se em venda multinível, venda em saldo, venda com recompensa, venda em liquidação. Artigo 16.º (Venda Multi nível) Venda multi nível constitui uma forma especial de comércio em que um fabricante ou comerciante grossista vende os seus produtos ou serviços ao consumidor final através de uma rede de comerciantes ou agentes distribuidores independentes, mas coordenados dentro de uma mesma rede comercial, e cujos benefícios económicos obtêm se mediante uma única margem sobre o preço da venda ao público;

16 Artigo 17.º (Venda em Saldo) Venda em saldo toda a venda de bens a retalho em estabelecimentos comerciais praticada em fins de estação, tendo por objectivo a renovação das existências por escoamento acelerado com redução de preços Artigo 18.º (Venda com Recompensa) Venda com recompensa aquela em que o comerciante utiliza concursos, sorteios, ofertas, vales, prémios ou similares, vinculados à oferta, promoção ou venda de determinados artigos; Artigo 19.º (Venda em Liquidação) Venda em liquidação a venda de bens que, apresentando um carácter excepcional e sendo acompanhada ou precedida de anuncio público se destine ao escoamento acelerado com redução de preços da totalidade ou de parte das existências do estabelecimento resultante da ocorrência de um dos seguintes casos: Venda efectuada em cumprimento de uma decisão judicial; Cessação, total ou parcial da actividade comercial; Mudança de ramo; Trespasse ou cessão de exploração do estabelecimento comercial; Realização de obras que, pela sua natureza, impliquem a liquidação, total ou parcial das existências; Danos provocados, no todo ou em parte das existências, por motivos de força maior; Ocorrência de entraves importantes à actividade comercial.

17 SECÇÃO V MODALIDADES DE VENDA Artigo 20.º (Classificação) As modalidades de venda classificam se em comércio a grosso em livre serviço, comércio electrónico, tele venda e certames comerciais. Artigo 21.º (Comércio a Grosso em Livre Serviço) Comércio a grosso em livre serviço sistema de comércio a grosso, cujo método de venda se caracteriza por as mercadorias se encontrarem expostas e ao alcance dos clientes que, servindo se a si próprios, as levam à caixa para efectuar o pagamento; Artigo 22.º (Comércio Electrónico) Comércio electrónico É uma forma de comércio à distância, que utiliza como ferramenta principal os meios informáticos e tem como objectivo principal prestar um melhor serviço ao consumidor; Artigo 23.º (Tele venda) Tele venda toda a modalidade de venda realizada por canais televisivos, com vista ao fornecimento de produtos ou a prestação de serviços, incluindo bens, móveis, direitos e obrigações mediante obrigação;

18 Artigo 24.º (Certames Comerciais) Certames comerciais as manifestações de carácter comercial que tenham por objecto a exposição, difusão e promoção comercial de bens e ou serviços, facilitar a aproximação entre a oferta e a procura que conduza à realização de transacções comerciais e potenciar a transparência do mercado. Com prévia autorização da entidade competente em matéria de certames comerciais, podem levar se a cabo vendas directas durante a sua realização. SECÇÃO VI VENDAS ESPECIAIS Artigo 25.º (Classificação) As vendas especiais classificam se em venda ao domicílio, venda a distância, venda automática, venda ocasional, venda de promoção, venda ambulante e venda em leilão. Artigo 26.º (Venda ao Domicílio) Venda ao Domiciliária venda realizada profissionalmente mediante a visita do vendedor ou de seus empregados ou agentes levando os produtos ou serviços ao lugar designado pelo consumidor ou possível comprador; Artigo 27.º (Venda a Distância) Venda à distância aquela em que o vendedor efectua a oferta através de algum meio de comunicação, solicitando que os compradores formulem pedidos através do mesmo meio ou de outro qualquer, assim como, no geral, qualquer tipo de venda que não obrigue a reunião física de vendedor e comprador;

19 Artigo 28.º (Venda Automática) Venda automática forma de distribuição comercial retalhista na qual se põe à disposição do consumidor o produto ou serviço para que este o adquira mediante o accionamento de um mecanismo electrónico com prévio pagamento da sua importância. Artigo 29.º (Venda Ocasional) Venda ocasional aquela que se realiza por um período inferior a um mês, com ou sem leilão, em estabelecimento ou locais que não estejam destinados, com carácter permanente e habitual, a actividade comercial e que não constitua venda ambulante; Artigo 30.º (Venda de Promoção) Venda de promoção aquela que tem por finalidade dar a conhecer o novo produto ou artigo, ou conseguir o aumento de venda dos existentes, ou ainda desenvolvimento de um ou vários estabelecimentos, mediante a oferta de um artigo ou grupo de artigos homogéneos; Artigo 31.º (Venda Ambulante) Venda ambulante realizada por comerciantes, fora de um estabelecimento comercial permanente, de forma habitual, ocasional, periódica ou continuada, nos perímetros ou locais devidamente autorizados, em instalações comerciais desmontáveis ou transportáveis, incluindo rolotes. Artigo 32.º (Venda em Leilão) Venda em leilão consiste em propor, pública e irrevogavelmente, a venda de bem a favor de quem ofereça, mediante o sistema de lanços e dentro do prazo concedido para o efeito, o preço mais alto a partir de um mínimo inicialmente fixado ou mediante ofertas descendentes efectuadas no percurso do próprio ano.

20 SECÇÃO VII COMPETÊNCIAS Artigo 33.º (Entidade Competente para o Licenciamento da Actividade Comercial e de Prestação de serviços Mercantis) 1 O Ministério do Comércio, através da Direcção Nacional do Comércio é o órgão competente para licenciar supermercados, hipermercados, comércio grossista, prestação de serviços mercantis de dimensão relevante e registo de operadores do comércio externo (importação e exportação) e comércio de representação; 2 Os Governos Provinciais, através das Direcções Provinciais do Comércio, são órgãos competentes para licenciar o comércio geral, comércio precário, prestação de serviços mercantis e minimercados; 3 As Administrações Municipais são órgãos competentes para licenciar o comércio feirante, comércio ambulante, vendedores de Mercados Municipais urbano, suburbano e rural; Artigo 34.º (Entidade Competente para Autorização do Exercício de Modalidades de Promoção de Venda, Modalidades de Venda e Vendas Especiais) Os órgãos licenciadores da actividade comercial e de prestação de serviços mercantis, são competentes para autorização do exercício das modalidades de promoção de venda, modalidades de venda e vendas especiais, mediante comunicação prévia dos comerciantes.

21 CAPÍTULO II LICENCIAMENTO DA ACTIVIDADE COMERCIAL, MODALIDADES DE PROMOÇÃO DE VENDAS, MODALIDADES DE VENDAS, VENDAS ESPECIAIS E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MERCANTIS E REGISTO DE OPERADORES DO COMÉRCIO EXTERNO SECÇÃO VIII ACTIVIDADE COMERCIAL E DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO MERCANTIS Artigo 35.º (Licenciamento) 1. O licenciamento para o exercício da actividade comercial e de prestação de serviços mercantis é feito mediante atribuição de um alvará comercial, licença de comércio precário e cartão de feirante, ambulante, de vendedor de mercado e certificado de registo dos operadores do comércio externo; 2. O início ou alteração de actividade, mudança de localização e encerramento definitivo do estabelecimento, destinado ao exercício das actividades comerciais e de prestação de serviços mercantis previstas no artigo 4º, da lei das actividades Comerciais, carece de autorização do órgão licenciador; 3. No licenciamento do exercício da actividade comercial e de prestação de serviços mercantis ter se á em conta a especialização nas zonas urbanas em conformidade com a classificação das actividades económicas (CAE), classes e sub classes de mercadorias constantes nos anexos I e II do presente regulamento. Artigo 36.º (Documentos para o Exercício da Actividade Comercial) 1 O alvará comercial, o certificado para o registo dos operadores do comércio externo e outros documentos de licenciamento, habilita a pessoa singular ou colectiva ao exercício da actividade comercial, nos termos em que os pedidos tiverem sido autorizados. 2 Os modelos do alvará comercial, do certificado do registo dos operadores do comércio externo e outros documentos de licenciamento e formulários, impressos necessários ao cumprimento do que se dispõe neste diploma serão aprovados por Decreto Executivo do Ministro do Comércio.

22 Artigo 37.º (Período de Validade dos Documentos) O licenciamento para o exercício da actividade comercial e de prestação de serviços mercantis é feito mediante atribuição de um alvará comercial, licença de comércio precário, cartão de feirante, ambulante, de vendedor de mercado e certificado de registo dos operadores do comércio externo, tendo estes documentos validade de 5 anos. Artigo 38.º (Âmbito Territorial) 1 A autorização para o exercício da actividade comercial, de modalidades de promoção de venda, modalidades de venda, vendas especiais e de prestação de serviços mercantis é válida para todo território nacional; 2 Ao comerciante será atribuído um número de alvará comercial para o exercício da sua actividade em qualquer parte do território nacional; 3 Para o licenciamento das sucursais proceder se á ao averbamento, de acordo, com a localização do novo estabelecimento comercial; Artigo 39.º (Urbanismo Comercial) 1 O exercício da actividade comercial, pressupõe a existência de infra estrutura comercial, que deve obedecer aos condicionalismos de urbanismo comercial existentes nos planos de urbanização aprovados para a localidade em que se situem. 2 Na falta de regras de urbanismo comercial e de planos de urbanismo, a implementação de novas unidades comerciais, bem como a alteração ou alargamento das já existentes, o seu enquadramento será decidido mediante parecer fundamentado a emitir pelos órgãos da administração local.

23 Artigo 40.º (Requisitos de Acesso para o Exercício da Actividade Comercial) 1 Pode exercer a actividade comercial, toda a pessoa singular ou colectiva, nacional ou estrangeira, que reúna as seguintes condições: a) Ter capacidade civil e comercial, nos termos da legislação comercial; b) Possuir estabelecimento comercial na qualidade de proprietário ou arrendatário; c) Não estar inibido do exercício do comércio por falência ou insolvência; d) Não estar inibido do exercício do comércio por sentença penal transitada em julgado ou por decisão em processo de contra ordenação. 2 Para além do preenchimento dos requisitos exigidos no número anterior, as pessoas singulares ou colectivas estrangeiras com permanência e residência legal no País, devem observar o seguinte: a) Possuir estabelecimento de média e/ou grande superfície comercial; b) Empregar nos seus serviços mão de obra nacional nos termos da legislação laboral sobre a matéria e proporcionar formação técnico profissional. SECÇÃO IX ALVARÁ COMERCIAL Artigo 41.º (Pessoa Singular Nacional) O pedido de alvará comercial para comerciante em nome individual, nacional, é formulado em modelos próprios, dirigido à entidade licenciadora, reunidos os requisitos exigidos e instruído com os seguintes elementos: a) Possuir infra estrutura comercial de construção definitiva, na qualidade de proprietário ou arrendatário; b) Fotocópia do documento de arrecadação de receitas DAR, comprovando o pagamento do Imposto relativo ao início da actividade;

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo nº 75/00 de 10 de Novembro Convindo complementar e actualizar a legislação vigente aplicável ao processo de importação e exportação de mercadorias por forma a adequá

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro

Leia mais

Ministério das Finanças

Ministério das Finanças Ministério das Finanças Lei n 5/97 de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna se indispensável actualizar princípios e normas

Leia mais

Assim, ao abrigo do disposto no artigo 50.º do Decreto-Lei n.º 48547, de 27 de Agosto de 1968:

Assim, ao abrigo do disposto no artigo 50.º do Decreto-Lei n.º 48547, de 27 de Agosto de 1968: A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 936-A/99, de 22 de Outubro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 936-A/99 de 22 de Outubro

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE PROJETO REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do Decreto-lei n.º 204/2012, de 29 de Abril, conjugado com o nº 3 do artigo 16.º da Lei nº 75/2013,

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 196/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas as entidades exploradoras dos armazéns e das redes e ramais

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO /07 Havendo necessidade de se proceder a actualização da regulamentação da Lei nº.5/97 de Junho, relativamente às operações de mercadorias, em conformidade com o consignado

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO PROJECTO DE LEI DAS ACTIVIDADES COMERCIAIS Relatório Fundamentação 2 Preâmbulo da Lei 6 Capítulo I Disposições Gerais 7 Capítulo II Requisitos de Acesso para o exercício da Actividade

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ARRUMADOR DE AUTOMÓVEIS (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro de 2003, na 2ª Reunião da 5ª Sessão Ordinária

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE UMA LICENÇA DE TÁXI PARA A FREGUESIA DE REGO DA MURTA, COM ESTACIONAMENTO FIXO EM VENDA DOS OLIVAIS PROGRAMA DE CONCURSO Artigo 1.º OBJECTO E VALIDADE DO CONCURSO 1.

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA GEOLOGIA E MINAS CONSELHO CONSULTIVO DA ANIP LUANDA 05- ABRIL- 2013

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA GEOLOGIA E MINAS CONSELHO CONSULTIVO DA ANIP LUANDA 05- ABRIL- 2013 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA GEOLOGIA E MINAS CONSELHO CONSULTIVO DA ANIP LUANDA 05- ABRIL- 2013 PROCEDIMENTOS PARA A OUTORGA DE DIREITOS MINEIROS MSc LUÍS ANTÓNIO DIRECTOR NACIONAL DE LICENCIAMENTO

Leia mais

Ministério do Ambiente

Ministério do Ambiente Ministério do Ambiente Decreto nº 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei nº 5/98 de 19 Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das actividades que, pela sua

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio PROJECTO DE LEI NACIONAL DO COMÉRCIO Relatório Fundamentação... 03 Preâmbulo da Lei...... 08 Capítulo I: Disposições Gerais... 08 Capítulo II: Requisitos de Acesso para o exercício

Leia mais

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março

Decreto n.o 7/90. de 24 de Março Decreto n.o 7/90 de 24 de Março Os Decretos executivos n.ºs 5/80 e 57/84, de 1 de fevereio e de 16 de Agosto respectivamente, pretenderam estabelecer os princípios regulamentadores da actividade das Representações

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação MINUTA Entre: Contrato de Mandato de Alienação 1. [Firma da empresa notificante da Operação de Concentração], (doravante denominação abreviada da empresa ou Mandante ), com sede em [morada], com o n.º

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo)

Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013. Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Decreto-Lei n.º 255/99 de 7 de Julho- Versão27-08-2013 Texto consolidado com as alterações introduzidas pela Lei 5/2013 (texto sublinhado a amarelo) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1. O

Leia mais

Secretaria de Estado para o Ensino Superior

Secretaria de Estado para o Ensino Superior Secretaria de Estado para o Ensino Superior Decreto n.º 21/08 de 28 de Fevereiro Com a aprovação da Lei de Bases do Sistema de Educação, torna se necessário regulamentar a política de Acção Social no Ensino

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Lei n. 1/07 de 14 de Maio O sector do comércio Constitui um elemento fundamental na criação de uma estrutura económica moderna, devido a sua influência significativa na estruturação

Leia mais

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010)

Deliberação n.º 513/2010, de 24 de Fevereiro (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) (DR, 2.ª série, n.º 50, de 12 de Março de 2010) Define os requisitos de funcionamento dos postos farmacêuticos móveis (Revoga tacitamente o Anexo II, da Deliberação n.º 2473/2010, de 28 de Novembro) O

Leia mais

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O FOMENTO DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MAIO 2012 1. REGULAMENTO DAS MICRO,, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS A Lei n.º 30/11, publicada em Setembro, definiu o novo regime das Micro, Pequenas e Médias

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA 7860-207 Moura. Taxas e Licenças

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA 7860-207 Moura. Taxas e Licenças Taxas e Licenças Perguntas Frequentes Como posso pedir a carta de caçador? Como posso renovar a carta de caçador? Como posso pedir a 2ª via da carta de caçador? Como devo proceder ao registo de exploração

Leia mais

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual.

Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Área Temática Unidades de Micro-Produção de Electricidade A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou

Leia mais

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial

Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial Lei n 5/97, de 27 de Junho Lei Cambial PREÂMBULO Considerando que como consequência da reorganização do sistema financeiro, torna-se indispensável actualizar princípios e normas até ao momento vigentes

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE ALJEZUR APROVADO POR UNANIMIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 07/04/2014

REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE ALJEZUR APROVADO POR UNANIMIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 07/04/2014 APROVADO POR UNANIMIDADE JUNTA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 07/04/2014 APROVADO POR MAIORIA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE ALJEZUR 30/04/2014 REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS 2ª DIVISÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS DO TRIBUNAL DE CONTAS I FISCALZAÇÃO PREVENTIVA

REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS 2ª DIVISÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS DO TRIBUNAL DE CONTAS I FISCALZAÇÃO PREVENTIVA REPÚBLICA DE ANGOLA TRIBUNAL DE CONTAS 2ª DIVISÃO DOS SERVIÇOS TÉCNICOS DO TRIBUNAL DE CONTAS I FISCALZAÇÃO PREVENTIVA 1. LEGISLAÇÃO PERTINENTE: ORGÂNICA DO Tribunal de Contas (LEI Nº 5/96, de 12 de Abril)

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O novo regime jurídico dos espectáculos de natureza artística e não artística, tendo transferido

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO MUNICIPAL RESPEITANTE AO FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM RECINTOS ITINERANTES OU IMPROVISADOS E À REALIZAÇÃO ACIDENTAL DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA ARTÍSTICA

Leia mais

Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC

Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC República de Moçambique Ministério das Finanças Autoridade Tributária de Moçambique DIRECÇÃO GERAL DE IMPOSTOS Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC Maputo, Julho de 2013 INDICE Contextualização

Leia mais

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração

Alteração do tipo de actividade ou ramo de comércio. Mudança da pessoa ou entidade titular da exploração MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO, DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS, DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL E DA SAÚDE Declaração de Instalação,

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) A presente lei estabelece o controlo e fiscalização da produção, do comércio e da importação e exportação de sementes e mudas

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO VICENTE (REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA) REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE SÃO VICENTE

JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO VICENTE (REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA) REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE SÃO VICENTE JUNTA DE FREGUESIA DE SÃO VICENTE (REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA) REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES DIVERSAS DA FREGUESIA DE SÃO VICENTE Nota Justificativa Com a publicação da Lei n.º 75/2013, de

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL

REGULAMENTO MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS O Decreto-Lei nº 309/2002, de 16 de Dezembro, veio estabelecer uma nova regulamentação sobre a instalação

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara: 14/04/2003 Reunião da Assembleia: 29/04/2003 Publicado

Leia mais

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe

União das Freguesias de Real, Dume e Semelhe REGULAMENTO DE PUBLICIDADE DE NATUREZA COMERCIAL EM EQUIPAMENTOS DESPORTIVOS DE ÂMBITO LOCAL Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento rege-se pelo disposto no artigo 241º da Constituição

Leia mais

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro

Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro 8 de Outubro de 2015 Tax News Flash n.º 7/2015 Construir o futuro Aprovação do Regulamento do Procedimento para a Realização do Investimento Privado realizado ao abrigo da Lei do Investimento Privado em

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

Preâmbulo. CAPÍTULO I Disposições Gerais

Preâmbulo. CAPÍTULO I Disposições Gerais REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DAS ACTIVIDADES DIVERSAS PREVISTAS NO DECRETO-LEI N.º 264/2002, DE 25 DE NOVEMBRO E NO DECRETO-LEI N.º 310/2002, DE 18 DE DEZEMBRO Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 254/2002, de

Leia mais

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela

Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros Transportes em Táxi - do Município de Mirandela Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) O Decreto-Lei n.º 251/98,

Leia mais

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA A ACTIVIDADE DO TRANSPORTE EM TÁXI Capítulo I Disposição Gerais

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO PARA A EXPLORAÇÃO DE QUIOSQUES NA VIA PÚBLICA Artigo 1º Âmbito de aplicação O licenciamento e instalação dos quiosques para os fins a que se destinam regese pelas normas constantes deste Regulamento.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 17/98/M

Decreto-Lei n.º 17/98/M Decreto-Lei n.º 17/98/M de 4 de Maio A reprodução ilícita e em grande escala de programas de computador, fonogramas e videogramas, bem como o respectivo comércio, lesam de forma inaceitável os direitos

Leia mais

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro

Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro. Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Publicado no Diário da República n.º 22, I série, de 2 de Fevereiro Decreto Presidencial n.º 28/11 de 2 de Fevereiro Considerando que o Executivo tem vindo a atribuir maior importância à renovação do sistema

Leia mais

Área Temática Restauração e bebidas. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Procedimentos:

Área Temática Restauração e bebidas. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Procedimentos: Área Temática Restauração e bebidas A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou Denominação O Empresário

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

LIVRO X REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS. Nota Justificativa

LIVRO X REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS. Nota Justificativa LIVRO X REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS Nota Justificativa O Dec. Lei nº 315/95, de 28/11, e o Decreto Regulamentar nº 34/95,

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO

PROGRAMA DE CONCURSO PROGRAMA DE CONCURSO Cessão de Exploração da Loja N do Centro Comercial e de Artesanato de Penela 1 ENTIDADE PROMOTORA: Município de Penela, Praça do Município 3230-253 Penela, telefone 239560120, fax

Leia mais

Transporte de mercadorias

Transporte de mercadorias Transporte de mercadorias A portaria 161/2013 de 23 de Abril vem estabelecer novas regras para a comunicação dos dados de transporte que constam do Regime de Bens em Circulação. Esta entra em vigor desde

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 12/2009/M Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto -Lei

Leia mais

Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças

Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças 1 Preâmbulo A Lei nº 53 E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais, estabelecendo no Artigo 17º:» As taxas para as autarquias

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL

REGULAMENTO MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL REALIZAÇÃO DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA DESPORTIVA E DE DIVERTIMENTOS PÚBLICOS NAS VIAS, JARDINS E DEMAIS LUGARES PÚBLICOS AO AR LIVRE REALIZAÇÃO DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA DESPORTIVA

Leia mais

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março Publicado no Diário da República, I Série, nº 60, de 28 de Março AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março ASSUNTO: DEVERES GERAIS DE INFORMAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS FINANCEIROS Considerando a necessidade

Leia mais

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição

Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição Regime de qualificações nos domínios da construção urbana e do urbanismo Perguntas e respostas sobre a inscrição/renovação da inscrição 1. Quais as instruções a seguir pelos técnicos que pretendam exercer

Leia mais

Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º (Âmbito)

Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro. CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º (Âmbito) Regulamento da Lei do Investimento Estrangeiro CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito) O presente diploma regula a introdução no território nacional, de capitais, bens, de equipamento e outros,

Leia mais

Ministério do Comércio REGULAMENTO SOBRE ORGANIZAÇÃO, EXERCÍCIO E FUNCIONAMENTO DA ACTIVIDADE COMERCIAL A GROSSO

Ministério do Comércio REGULAMENTO SOBRE ORGANIZAÇÃO, EXERCÍCIO E FUNCIONAMENTO DA ACTIVIDADE COMERCIAL A GROSSO Ministério do Comércio REGULAMENTO SOBRE ORGANIZAÇÃO, EXERCÍCIO E FUNCIONAMENTO DA ACTIVIDADE COMERCIAL A GROSSO VERSÃO DE, 11 DE DEZEMBRO DE 2007 CONSELHO DE MINISTROS Decreto nº / De de Havendo a necessidade

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 40/08 de 2 de Julho Considerando que o desenvolvimento da Protecção Social Obrigatória deve corresponder, em certa medida, ao contexto económico e

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas

República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas República de Angola Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas CIRCULAR À TODAS AS ESTÂNCIAS ADUANEIRAS Nº /DESP/DTA/DNA/07 ASSUNTO: NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO TERMINAL DE VIATURAS DA MULTIPARQUES.

Leia mais

REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA

REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA REGIME LEGAL DE ENTRADA E PERMANÊNCIA DE ESTRANGEIROS EM ANGOLA Edição Online e Coordenação Técnica: Icep Portugal/Unidade Conhecimento de Mercado Elaboração: Delegação do Icep Portugal em Luanda Data:

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO O presente Regulamento surge na sequência da publicação

Leia mais

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia

Município de Gouveia. Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia Programa de apoio à criação de emprego no Concelho de Gouveia (Regulamento) Preâmbulo A promoção do desenvolvimento económico no Concelho de Gouveia está intimamente ligada à implementação de medidas de

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Estado Entidade Promotora Nova Rede Comercial Parceiro Estratégico (Assegura)

Leia mais

FUNCHAL CADASTRO COMERCIAL ÂMBITO

FUNCHAL CADASTRO COMERCIAL ÂMBITO O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CADASTRO COMERCIAL ÂMBITO O cadastro comercial

Leia mais

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Considerando que pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela sua Direcção dos serviços Técnicos, em conformidade com o disposto no n.º 1 do artigo 43.º,da lei

Leia mais

Área Temática COMÉRCIO. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Procedimentos:

Área Temática COMÉRCIO. A) Constituição Formal da Empresa. 1.Empresário em Nome Individual. Procedimentos: Área Temática COMÉRCIO A) Constituição Formal da Empresa 1.Empresário em Nome Individual Procedimentos: 1.º Passo Pedido de Certificado de Admissibilidade de Firma ou Denominação O Empresário em Nome Individual

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo PROCEDIMENTOS GERAIS PARA O REGISTO DE EMPRESAS EM PORTUGAL As sociedades estrangeiras podem praticar as suas actividades em Portugal através da constituição de uma representação permanente no território

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei nº. 315/95, de 28

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxi

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxi Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxi CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL A Lei de Imigração e Asilo N. 9/2003 de 15 de Outubro (LIA), veio definir

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Maio de 2011 REGIME JURÍDICO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO DECRETO-LEI N.º 61/2011, DE 6 DE MAIO I. INTRODUÇÃO A presente nota incide sobre as principais alterações introduzidas no regime

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS. DECRETO Nº 76/05 De 12 DE OUTUBRO

CONSELHO DE MINISTROS. DECRETO Nº 76/05 De 12 DE OUTUBRO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 76/05 De 12 DE OUTUBRO Considerando que a velhice é uma das modalidades fundamentais da protecção social obrigatória, conforme vem referido no artigo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13)

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) d) Livro de obra, com menção do termo de abertura; e) Plano de segurança e saúde. 2 Quando a emissão do alvará seja antecedida de deferimento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2005 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Dispõe sobre a desburocratização dos processos de constituição, funcionamento e baixa das microempresas e empresas de pequeno porte, nos

Leia mais

Regulamento Geral. das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada

Regulamento Geral. das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada Regulamento Geral das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada Capitulo I Dos Princípios Gerais Artigo 1º Lei Habilitante O presente Regulamento é elaborado e aprovado ao abrigo das competências conferidas

Leia mais

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que é atribuída pelo artigo 580 da Lei nº.

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas DECRETO-LEI N.º 234/2007, DE 19 DE JUNHO ( ENTROU EM VIGOR EM 19 DE JULHO DE 2007 ) 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES a) Ao nível das competências

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 223, de 24 de Dezembro AVISO N.º 14/2014 ASSUNTO: OPERAÇÕES DE CAPITAIS - Importação de capitais associados ao investimento privado externo A Lei n.º 20/11

Leia mais

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1

MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 MUNICÍPIO DE MACHICO REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO ZERO 1 Nota Justificativa A simplificação do exercício de atividades decorrente da publicação e entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 48/2011, de 1 de abril

Leia mais