PROVA OBJETIVA PARA SELEÇÃO DE FISCAIS PARA O CRO-PE INSTRUÇÕES GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA OBJETIVA PARA SELEÇÃO DE FISCAIS PARA O CRO-PE INSTRUÇÕES GERAIS"

Transcrição

1 CANDIDATO N PROVA OBJETIVA PARA SELEÇÃO DE FISCAIS PARA O CRO-PE INSTRUÇÕES GERAIS 1 - A prova objetiva terá duração de 4 (quatro) horas, devendo ser entregue dentro do prazo. Os ficais não receberão o caderno de provas após o término do tempo previsto para realização da prova; 2 - O candidato deverá se identificar apenas com o seu número de inscrição; 3 - Deverá ser assinalada, com caneta azul ou preta, apenas uma única alternativa para cada questão; 4 Assinale sua opção de resposta, apenas quando tiver certeza que é a escolha a ser feita, pois, existindo mais de um sinal identificador de resposta, mesmo que desproporcionais ou com qualquer sinal indicativo de qual alternativa é a indicada, a questão será considerada errada; 5 Conforme consta no edital, os fiscais não poderão tirar nenhuma dúvida sobre a prova. BOA SORTE

2 1. Ao realizar uma fiscalização no Centro Médico-Odontológico Candy Eloyse, você se depara com cinco Cirurgiões-Dentistas, sendo um deles recém-formado, e cinco ASBs trabalhando. Acerca desta situação, marque a assertiva verdadeira. a) Conforme sua competência funcional, você pedirá, de forma cordial, para ver as Carteiras de Identificação Profissional de todos os Cirurgiões-Dentistas, inclusive do recém-formado, para o qual terá o cuidado de verificar se não está vencida. b) Conforme sua competência funcional, você pedirá as ASBs que apresentem suas carteiras de trabalho CTPS para averiguar o tipo de contrato de trabalho estabelecido com aquele Centro Médico-Odontológico. c) Conforme sua competência funcional, você pedirá para ver as Carteiras de Identificação Profissional de todos os Cirurgiões-Dentistas, mas não das ASBs, pois estas não possuem obrigação de inscrição e registro no CRO e CFO, respectivamente. d) Conforme sua competência funcional, você solicitará ao assistente técnico daquele Centro que paralise momentaneamente os atendimentos daquele Centro, para que possa fazer a vistoria das salas, bem como verificação das carteiras de todos os Cirurgiões-Dentistas que estejam lá trabalhando. e) Conforme sua competência funcional, você, sendo informado da presença do recémformado, requer que o mesmo apresente toda a sua documentação (declaração de conclusão de curso, histórico escolar e comprovação de que deu entrada no seu diploma), sob pena de estar cometendo um ilícito administrativo. 2. Aknum Zuyllnp, Cirurgião-Dentista Indiano, veio visitar o Brasil durante o carnaval e adorou o País. Conhecendo várias pessoas, resolveu tentar a vida por aqui e começou a clinicar em um consultório da Região Metropolitana do Recife. Acerca desta situação, marque a assertiva correta. a) Ao receber a denúncia, você foi averiguar a sua veracidade. Chegando no consultório onde supostamente atendia, o encontrou em pleno exercício profissional. Sendo flagrado, você manda-o de volta ao seu país, de onde nunca deveria ter saído. b) Ao receber a denúncia, você foi averiguar a sua veracidade. Chegando no consultório onde supostamente atendia, o encontrou em pleno exercício profissional. Ele apresentou a sua carteira profissional indiana e você, satisfeito, continuou a fiscalizar os outros consultórios do prédio. c) Ao receber a denúncia, você foi averiguar a sua veracidade. Chegando no consultório onde supostamente atendia, o encontrou em pleno exercício profissional. Ao identificar que o

3 suposto profissional não possuía diploma revalidado no Brasil, e consequentemente, não tinha Carteira de Identidade Profissional com inscrição naquela jurisdição, autuou por exercício ilegal da Odontologia, na forma do Art.282, excedendo-lhes os limites. d) Ao receber a denúncia, você foi averiguar a sua veracidade. Chegando no consultório onde supostamente atendia, o encontrou em pleno exercício profissional. Ao identificar que o suposto profissional não possuía diploma revalidado no Brasil, e consequentemente, não tinha Carteira de Identidade Profissional com inscrição naquela jurisdição, ele estava cometendo o crime de exercício ilegal da Odontologia, na forma do Art.282, sem autorização legal. e) Ao receber a denúncia, você foi averiguar a sua veracidade. Chegando no consultório onde supostamente atendia, o encontrou em pleno exercício profissional. Ao identificar que o suposto profissional não possuía diploma revalidado no Brasil, e consequentemente, não tinha Carteira de Identidade Profissional com inscrição naquela jurisdição, autuou por exercício ilegal da Odontologia, na forma do Art.284, ilícito Administrativo. 3. Ao fiscalizar um Laboratório de Prótese Dentária, você encontra Denísio Constantino trabalhando em meio a alguns instrumentais e equipamentos típicos do exercício odontológico. Quanto a esta circunstancia, marque a alternativa verdadeira. a) Não há problema algum, pois não há como se provar a habitualidade do Técnico em Prótese Dentária Denísio Constantino, logo, é inocente de qualquer suposição. b) Segundo a Lei 6710/79 é vedado ao Técnico em Prótese Dentária manter na sua oficina, instrumentais e equipamentos específicos do exercício odontológico. Logo, você presume que o mesmo tem exercido ilegalmente a Odontologia. c) Segundo a Lei 6710/79 é vedado ao Técnico em Prótese Dentária manter na sua oficina, instrumentais e equipamentos específicos do exercício odontológico. Mas isso não quer dizer nada, na prática. d) Segundo a Lei 6710/79 é vedado ao Técnico em Prótese Dentária manter na sua oficina, instrumentais e equipamentos específicos do exercício odontológico. Logo, você presume que o mesmo tem cometido ilícito administrativo em face da Odontologia. e) Segundo a Lei 6710/79 é vedado ao Técnico em Prótese Dentária manter na sua oficina, instrumentais e equipamentos específicos do exercício odontológico. Logo, você presume que o mesmo deve trabalhar para alguma entidade intermediadora dos serviços odontológicos.

4 4. Gumercinto Lucimalio passou no concurso público para professor de Endodontia da Faculdade de Odontologia dos Montes Distantes. Mudando-se para lá, decidiu se dedicar unicamente ao magistério e não mais trabalhar em consultório. Por isso procurou o Conselho Regional de Odontologia para cancelar sua inscrição. Considerando o exporto, marque a alternativa correta. a) O Conselho Regional da Jurisdição onde irá exercer o magistério deverá aceitar seu requerimento, mas Gumercinto deverá assinar um termo de responsabilidade onde, sob pena da lei, deverá afirmar não possuir mais qualquer vinculo com o exercício profissional clínico. b) O Conselho Regional da Jurisdição onde irá exercer o magistério deverá aceitar seu requerimento, mas Gumercinto, caso resolva voltar a trabalhar clinicamente, deverá requerer a sua volta no prazo improrrogável de 90 dias consecutivos. c) O Conselho Regional da Jurisdição onde irá exercer o magistério não deverá aceitar seu requerimento, explicando-o que o mesmo está obrigado a inscrição e registro no Conselho, mesmo que unicamente no magistério, vez que o exercício do mesmo decorre de seu diploma de cirurgião-dentista. d) O Conselho Regional da Jurisdição onde irá exercer o magistério não deverá aceitar seu requerimento, explicando-o que o mesmo está obrigado a inscrição e registro no Conselho, vez que apenas os militares das forças armadas e auxiliares possuem a possibilidade de isenção destas obrigações legais. e) O Conselho Regional da Jurisdição onde irá exercer o magistério deverá aceitar seu requerimento, mas Gumercinto deverá provar que não irá atender na clínica da faculdade, sendo um professor unicamente teórico. 5. Você recebe uma denúncia de que na Boa Viagem Sorriso dos Deuses BVSD - quem faz as colagens e remoções dos braquetes, bem como a manutenção dos aparelhos ortodônticos dos pacientes são as ASBs e estagiários. Isso considerado, marque a alternativa correta. a) Faz parte da competência das TSBs, não das ASBs a realização da manutenção dos aparelhos ortodônticos, logo, as ASBs estão realizando exercício ilegal da profissão de Técnico em Saúde Bucal. b) As ASBs estão praticando ilícito administrativo e poderão responder por crime ético de reincidência e desobediência, caso continue com o mesmo comportamento irregular. c) Os estagiários, caso já tenho cursado algum aperfeiçoamento em Ortodontia, podem realizar a manutenção dos aparelhos ortodônticos, pois são quase profissionais formados.

5 d) Você deverá requerer aos responsáveis pela BVSD que apresentem o contrato denominado termo de compromisso daqueles estagiários. e) Você deverá verificar a que período da Faculdade de Odontologia pertencem aqueles estagiários, para refletir se já passaram pela disciplina Ortodontia, e, se for o caso, denunciálo por estelionato ético indireto. 6. Acerca da inscrição principal, está incorreto: a) Dá habilitação ao exercício permanente da atividade odontológica em todo o Brasil; b) Dá habilitação ao exercício eventual ou temporário da atividade odontológica em todo o Brasil; c) Permite o exercício eventual em Jurisdição diversa da que tenha sua inscrição, até o número de 03 (três) jurisdições, por período de 90 dias consecutivos, ou seja, 03 meses completos. d) Permite o exercício eventual em Jurisdição diversa da que tenha sua inscrição em prazo inferior a 90 dias consecutivos. e) Permite que possa ser trocadas por outro tipo de inscrição, desde que cumpridas as exigências da Resol.63/ De acordo com os dispositivos legais inerentes à Odontologia, não é considerada irregularidade: a) Clínicas e laboratórios de Prótese sem inscrição no CRO-PE. b) Inscrição Provisória vencida. c) Exercício ilícito das Profissões auxiliares. d) Acobertamento do exercício ilegal. e) Possuir mais de uma ASB por Cirurgião-Dentista. 8. Não é atribuição das ASBs: a) Aplicar flúor no paciente. b) Selecionar moldeiras para uso no paciente. c) Processar filmes radiográficos. d) Preparar modelos de gesso. e) Manipular materiais de uso odontológico.

6 9. Sobre o estágio realizado em Odontologia, marque a alternativa errada: a) Pode ser obrigatório ou não obrigatório. b) Quando em acordo com a Lei n.11788/2008, não acarreta vínculo empregatício. c) Profissionais liberais de nível superior, devidamente registrado nos seus Conselhos, podem oferecer estágio. d) Deve-se contratar em favor do estagiário, seguro de vida, sendo obrigatório nos casos de estágio em especialidades cirúrgicas. e) O concedente deve enviar a cada semestre, relatório a Instituição de Ensino Superior, relatório de atividades, com vista obrigatória do estagiário. 10. Em uma das suas visitas como fiscal, a uma clínica odontológica, você verificou que o Cirurgião-Dentista (CD) trabalhava em conjunto com o Técnico em Prótese Dentária, nos atendimentos ao paciente. O CD lhe explicou que sendo aquele profissional um Técnico em Prótese, e não CD, permitia que unicamente realizasse as moldagens e obtenção de modelos em gesso, verificando também a cor dos dentes no paciente. Neste sentido, marque a alternativa correta: a) O CD pode responder por exercício ilegal da profissão indireta, prevista no Código Penal Brasileiro. b) O CD demonstra ser bastante cauteloso e interdisciplinar, uma vez que trabalhando com esta parceria, seus atendimentos serão muito mais adequados. c) O CD e o Técnico em Prótese Dentária poderão responder por crime de formação de quadrilha e estelionato, previstos no Código Penal Brasileiro, com o agravante de serem profissionais de saúde, e atuarem em ambiente fechado, caracterizando, em algumas situações mais radicais, cárcere privado do paciente. d) O Técnico em Prótese Dentária não poderia estar trabalhando em contato direto com o paciente, mesmo na presença do CD, ainda que apenas realizando procedimentos os quais, possam dar a falsa impressão de que não atentariam quanto a sua competência. e) O Técnico em Prótese Dentária estava apenas estagiando no consultório do CD, e desta forma a irregularidade da situação desaparece.

7 11. Nos quadros da Clinica Sorriso Bonito, trabalham 03 (três) TSBs (Técnicos em Saúde Bucal). Ocorre que você recebeu denúncia anônima de que aqueles profissionais estavam atendendo pacientes sem a supervisão direta do Cirurgião-Dentista (CD). Neste diapasão, marque a alternativa correta: a) Os pacientes sabiam que aqueles profissionais eram TSBs, pois assim que entrava na sala, recebiam esta informação. Logo, como não estavam sendo enganados, não há que se entender irregularidade alguma. b) Os procedimentos realizados pelos TSBs não ofereciam risco algum aos pacientes, visto que a grande maioria deles estava relacionado com manutenção de aparelhos ortodônticos. c) O CD não estava ausente da Clínica em momento algum. Ocorre que para agilizar os atendimentos, o que ocorria era que ficava um TSB em cada consultório, e o CD no ultimo. Desta forma, está correto o exercício profissional. d) Caso fique provada a procedência da denúncia anônima, responderão CD e TSB por seus atos, ética e legalmente no seus devidos limites. e) Caso fique provada a procedência da denúncia anônima, não há o que se fazer até que o denunciante apareça e formalize sua denúncia. 12. Com base na Lei n.5081/66, marque a alternativa errada: a) O CD, quando na função de perito odontolegista, pode realizar perícia na cabeça e pescoço, em casos de necropsia. b) O CD, quando regularmente habilitado, pode atestar estados mórbidos e outros, desde que no setor de sua atividade. c) O CD, quando comprovadamente habilitado, pode empregar analgesia e hipnose. d) O CD, quando regularmente habilitado, pode proceder a realização de perícias cíveis e criminais, não sendo-lhe obrigatório ser especialista em Odontologia Legal. e) O CD, quando regularmente habilitado, pode ter aparelho de raios X e de fisioterapia para auxiliar seu diagnóstico e terapia instituída, respectivamente.

8 13. No que refere as previsões de infração ética "Exagerar em diagnóstico, prognóstico ou terapêutica", e Executar ou propor tratamento desnecessário ou para o qual não esteja capacitado estabelecidas no Código de Ética Odontológica, assinale a alternativa correta: a) São formas de charlatanismo, crime previsto pelo Art.283, do Código Penal Brasileiro. b) Além de infração ética, são também formas indiretas de exercício ilegal da profissão. c) Não há que se entender como uma técnica inadequada, quando utilizada em menores de idade, como forma de contenção para o atendimento dos mesmos. d) O Cirurgião-Dentista que pode configurar como sujeito ativo do crime de Charlatanismo, apenas como sujeito passivo. e) Para o CD ser charlatão, então ele teria primeiro que ser ilegal ou prático. 14. Quanto aos Atestados Odontológicos, é INCORRETO afirmar: a) Quando falsos, representam crime contra a fé pública. b) Há um modo correto de realizar o atestado odontológico, onde a CID não é item obrigatório. c) Quando a terapia realizada é indicada no bojo de sua redação, o atestado odontológico se faz incorreto em face da quebra de sigilo profissional. d) Quando falsos, o CD que os redigiu poderá responder por crime de falsidade ideológica, previsto no Código Penal Brasileiro. e) O CD pode atestar no máximo 05 dias. Mas do que isso, apenas o médico tem competência. 15. Seu cachorrinho Leo está com o diagnóstico de Palato alongado. A veterinária dele encaminho-o a um Odontoveterinário para tratamento. Você o acompanhou no dia agendado para a consulta e, vendo a semelhança dos procedimentos com humanos, vislumbrou nisto um promissor campo de atuação para a sua vida profissional, já que era Cirurgião-Dentista, recém saído da universidade. Neste sentido, marque a alternativa correta: a) Você apenas poderá montar consultório odontoveterinário caso faça parceria com um médico-veterinário. Assim, quando os casos forem mais complexos, e exigirem mais conhecimento animal, você não terá dificuldades, graças a presença do outro profissional. b) Caso você inicie os atendimentos odontológicos nos animais, estará cometendo contravenção penal.

9 c) Caso você inicie os atendimentos odontológicos nos animais, e algum animal o morda, não estará acobertado pela Secretaria de Saúde para receber os primeiros socorros oriundos da lesão corporal. Você sabia que tinha corria este risco. d) Caso você inicie os atendimentos odontológicos nos animais, estará cometendo o crime de exercício ilegal da medicina veterinária. e) Irregularidade no exercício profissional não ocorreria caso o CD não cobrasse pelo atendimento prestado. 16. Todas as seguintes afirmativas concernentes aos princípios básicos que regem o regulamento estabelecido pela portaria 453 de 01 de junho de 1998, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Portaria 453/98, da ANVISA), estão corretas, EXCETO: a) Justificação da prática e das exposições médicas individuais. b) Otimização da proteção radiológica. c) Controle operacional das entidades prestadoras de serviços que implicam na utilização de raios X diagnósticos. d) Prevenção de acidentes. e) existe apenas uma alternativa incorreta. 17. Quanto aos reservatórios de água usada no consultório, assinale a alternativa incorreta: a) Os reservatórios terão a superfície lisa, impermeável e resistente; b) Pode ser revestido de qualquer material que seja lavável; c) Deverão ter cobertura apropriada; d) Ser limpos no mínimo uma vez ao ano; e) A cobertura do reservatório deve ser mantida livre 18. Não será permitido na rede coletora de esgoto sanitário o lançamento de despejos que contenham, exceto: a) Gases tóxicos ou substâncias capazes de produzi-los; b) Substâncias inflamáveis ou que produzam gases inflamáveis; c) Resíduos ou materiais capazes de causar obstruções, incrustações ou danos às instalações de coleta, transporte e tratamento; d) Substâncias que possam interferir nos processos de tratamento; e) nenhuma das respostas.

10 19. Quanto a radiografia intra-oral: a) O aparelho deve ser instalado no consultório com dimensões suficientes para permitir à equipe manter-se à distância de, pelo menos 3m do cabeçote; b) O aparelho não pode ser instalado em uma sala exclusiva; c) Não é permitida a utilização de câmaras portáteis de revelação manual; d) O paciente deve usar protetor de tireóide e avental plumbíferos; e) NDR 20.Quanto ao dimensionamento do consultório: a) A área mínima do consultório individual é de 6 m2 b) Num consultório coletivo, a distância mínima entre as cadeiras é de 1 metro; c) A área mínima do consultório individual é de 9 m2 d) A Sala de espera deve ter área mínima de 2,0 m2 por pessoa; e) NDR 21. Em relação a estrutura física do consultório é correto afirmar: a) As lâmpadas devem ser preferencialmente incandescente; b) O número de tomadas deve ser suficiente para a quantidade de equipamentos elétricos; c) As instalações elétricas podem estar expostas desde que em local que não tenha circulação de pessoas; d) A ventilação natural não é importante; e) O piso pode ser de material poroso desde que seja limpo diariamente. 22. Nos cuidados com o instrumental, a sequencia correta seria: a) Limpeza,Imersão, Enxágue,Secagem. b) Imersão, limpeza, enxague, secagem. c) Empacotamento, Armazenamento, esterilização. d) Limpeza, empacotamento, Esterilização. e) Imersão, secagem, empacotamento.

11 23. De acordo com a RDC 50/02 a dimensão mínima das áreas de recepção e espera para pacientes é de: a) 1,2m por pessoa b) 1,3m por pessoa c) 1,4m por pessoa d) 1,5m por pessoa e) 1,6m por pessoa 24 Fazem parte das Medidas de precaução padrão, segundo a RDC 50/2002, EXCETO: a) Uso de EPIs; b) Lavar as mãos; c) Manipulação do material perfuro-cortante e descarte; d) Descontaminação de superficíes e) Uso de EPCs. 25. A inscrição provisória, para o Cirurgião-Dentista, tem validade de: a) 02 anos, contados da data da colação de grau; b) 02 anos, contados da data da solicitação pelo formando, do seu diploma em Odontologia; c) 03 anos, contados da data da colação de grau; d) 03 anos, contados da data da solicitação pelo formando, do seu diploma em Odontologia; e) não há prazo fixo de validade para inscrição provisória. 26. Podem fazer jus a inscrição principal, exceto: a) o estudante de Odontologia do ultimo ano, com estágio curricular reconhecido pelo Ministério de Educação e Conselho Federal de Odontologia; b) o cirurgião-dentista autônomo; c) o técnico em Prótese dentária; d) o cirurgião-dentista empregado; e) o cirurgião-dentista professor de curso odontológico.

12 27. Marque a assertiva CORRETA sobre a competência do Cirurgião-Dentista: a) Pode aplicar anestesia local e troncular; b) Pode empregar a analgesia e a hipnose, desde que comprovadamente habilitado, quando constituírem meios eficazes para o tratamento; c) Pode divulgar benefícios recebidos de clientes; d) proceder à perícia odontolegal em fôro civil e criminal; e) proceder à perícia odontolegal em fôro trabalhista e em sede administrativa; 28. Marque a assertiva INCORRETA: a) O Cirurgião-Dentista tem competência legal para prescrição de especialidades farmacêuticas. b) O Cirurgião-Dentista pode prescrever quaisquer especialidades farmacêuticas, desde que sejam indicadas em Odontologia. c) O Cirurgião-Dentista pode prescrever especialidades farmacêuticas indicadas em Odontologia, mas não para estados mórbidos odontológicos. d) O Cirurgião-Dentista pode aplicar apenas especialidades de uso interno e externo, indicadas em Odontologia. e) O Cirurgião-Dentista pode prescrever medicação de urgência no caso de acidentes graves, bem como aplicá-la, visto que tem competência legal para isso. 29. Leia com atenção e assinale a resposta CORRETA: I- O estudante de Odontologia que atua em clínica particular, pode responder pelo crime de Exercício Ilícito da Odontologia. II- O estudante de Odontologia, durante disciplina clínica em sua faculdade, pode até elaborar, mas não pode assinar atestado, pois ainda não tem competência legal para este procedimento. III- A Classificação Internacional de Doenças - CID é item obrigatório nos atestados odontológicos.

13 IV- A Classificação Internacional de Doenças - CID tem sido ferramenta complicadora para o Cirurgião-Dentista em casos de quebra de sigilo profissional. a) Todas as assertivas estão corretas b)todas as assertivas estão incorretas c) Estão corretas as assertivas I e II d) Estão corretas as assertivas III e IV e) Estão erradas as assertivas II e III 30. Marque a resposta CORRETA: Joana, Cirurgiã-Dentista recém-formada e inscrita no CROPE, passando férias de 15 dias na casa de sua prima Carla, que também é Cirurgiã-Dentista, em João Pessoa, resolve destinar alguns destes dias de férias para atendimento na clínica da prima, assinale a alternativa. a) Joana não pode fazer os atendimentos, pois como ela é recém-formada, apenas tem inscrição provisória no CROPE. Só com a inscrição definitiva ela poderá atuar em outra jurisdição. b) Joana pode fazer os atendimentos, mas primeiro terá que proceder a inscrição secundária no CROPB, onde irá atuar neste tempo. c) Joana não pode fazer os atendimentos, pois primeiro terá que proceder a inscrição temporária no CROPB, caso contrário estará exercendo ilicitamente a Odontologia nesta jurisdição. d) Joana pode fazer os atendimentos, pois não excedeu os três meses de atuação temporária em outra jurisdição no território nacional. e) Joana pode fazer os atendimentos, pois não excedeu os 90 dias de atuação temporária em outra jurisdição no território nacional.

14 31. Está obrigado os registro e inscrição no Conselho Federal e Regional respectivamente, exceto: a) o cirurgião-dentista no desempenho de sua atividade na condição de autônomo; b) o cirurgião-dentista no desempenho do magistério, quando o exercício decorra de seu diploma de cirurgião-dentista; c) o cirurgião-dentista no desempenho de cargo, função ou emprego público, civil ou militar, da administração direta ou indireta, de âmbito federal, estadual ou municipal, para cuja nomeação, designação, contratação, posse e exercício seja exigida ou necessária a condição de profissional da Odontologia; d) o estudante de Odontologia, do ultimo ano, com habilitação a estágio curricular e extracurricular, reconhecido pelo Conselho Federal de Odontologia; e) o cirurgião-dentista no desempenho de qualquer atividade, através de vínculo empregatício ou não, para cujo exercício seja indispensável a condição de cirurgião-dentista ou de graduado de nível superior, desde que, neste caso, somente possua aquela qualificação. 32. Quando o recém-formado, portador de inscrição provisória, se transferir, de modo permanente, para jurisdição de outro Conselho Regional, este poderá: a) conceder-lhe nova inscrição pelo prazo complementar ao da primeira, após o recolhimento da cédula provisória, a qual será devolvida ao Conselho Regional de origem, observadas as exigências para transferência. b) fazer constar no prontuário do profissional a observação de se tratar de inscrição temporária e o prazo de validade; c) proibir-lhe de exercer a sua atividade nesta nova Jurisdição, até que termine o tempo de sua validade na Jurisdição anterior; d) conceder-lhe inscrição secundária da provisória, pelo prazo complementar ao da primeira, observadas as exigências para transferência; e) fazer constar no prontuário do profissional a observação de que se trata de inscrição secundária especial, concedida por tempo limitado, sem quaisquer direitos eleitorais.

15 33. Joana é Cirurgiã-Dentista com inscrição principal na Paraíba. No entanto, uma vez por mês a mesma vem a Recife para participar do módulo do curso de especialização em Implantes, onde assiste às aulas teóricas, participa das aulas laboratoriais e também faz os atendimentos aos pacientes. Neste sentido, assinale a alternativa correta: a) Joana, todos os meses deverá avisar ao CROPE, que passará 03 dias atuando no módulo da especialização em implantes, até terminar o devido curso; b) Joana deverá proceder a inscrição secundária no CROPE; c) Joana deveria ter requisitado autorização do CROPE para se matricular na pós-graduação de jurisdição diferente da que possui inscrição principal; d) Joana deverá proceder a inscrição temporária no CROPE; e) Joana deverá comprovar que a pós-graduação em que está matriculada ocorre apenas 03 dias consecutivos por semana, não extrapolando aos 90 dias consecutivos estabelecidos pela Resolução 63/ São causas do exercício ilegal, no Brasil, exceto: a) má distribuição de profissionais; b) credulidade humana; c) ineficiência da fiscalização; d) mau ensino das universidades; e) Ignorância da população. 35. No que refere ao Cirurgião-Dentista, não é verdadeiro: a) caso realize procedimentos fora de sua competência em relação a medicina, pode ser processado por crime de exercício ilegal da mesma; b) pratica o crime de charlatanismo quando simula dificuldade de tratamento para justificar elevados honorários; c) pratica o crime de curandeirismo quando simula que recebeu dos céus todo o seu conhecimento profissional; d) pratica exercício ilegal da farmácia, quando manipula os medicamentos para uso terapêutico; e) não pratica o crime de exercício ilegal da veterinária, caso realize extração dentária de seu cachorro.

16 36. Aluízia Donato é Auxiliar em Saúde Bucal e trabalha com a CD Cleonil Gilberta, ortodontista, durante toda a semana. Cleonil, no entanto, também trabalha na Prefeitura e por isso, duas vezes por semana não realiza seus atendimentos no consultório. Para não prejudicar seus pacientes, marca nestes dias em que está trabalhando na Prefeitura para Aluízia fazer as manutenções mais simples dos aparelhos ortodônticos de seus pacientes, o que na verdade seria apenas apertar alguns fios. Aluízia também colabora com a demonstração de técnicas de escovação e aplica flúor nestes pacientes. Neste sentido, responda o correto: a) Aluizia está praticando exercício ilegal da Odontologia, previsto pelo Art.282, do Código Penal Brasileiro, na forma sem autorização legal ; b) Aluizia está praticando exercício ilegal da Odontologia, previsto pelo Art.282, do Código Penal Brasileiro, na forma excedendo-lhes os limites ; c) Aluizia está praticando exercício ilegal da Odontologia, previsto pelo Art.282, do Código Penal Brasileiro, na forma sem autorização legal e Cleonil está praticando o crime de exercício ilegal indireto, por estimular Aluízia a exceder os limites da profissão de ASB; d) Aluízia não está praticando ilícito algum, pois estas práticas estão previstas na Lei 11889/2008, como competência das Auxiliares em Saúde Bucal; e) Aluízia não está praticando ilícito algum, pois sendo funcionária de Cleonil, tem obrigação de obedece-la em todas as suas determinações profissionais, sendo a CD a responsável pelos resultados de seus atos. 37. Com relação a Hepatite, marque a alternativa correta: a) Não existe vacinação contra Hepatite C; b) O vírus da hepatite B é facilmente destruído e pouco resistente a esterilização; c) A imunização pela Hepatite B se dá por meio de duas doses da vacina, sendo segunda dose depois de 5 meses da primeira; d) A hepatite A tem seu maior contágio por meio do sangue contaminado; e) O contato acidental com secreções corporais não representa meio de transmissão da Hepatite B.

17 38. Com relação ao controle de infecção em Odontologia, é errado afirmar: a) A contaminação, na Clínica Odontológica, pode ocorrer de forma direta, indireta e à distância; b) A equipe de trabalho odontológica não é considerada via potencial de contaminação cruzada; c) Deve-se limitar a propagação de microorganismos no consultório odontológico; d) Tem como principal finalidade impedir que a própria equipe atue como vetor de propagação de infecções; e) Deve-se estabelecer medidas de segurança para o Cirurgião-Dentista e toda a sua equipe. 39. No que refere a higienização das mãos, marque a alternativa falsa: a) Deve-se lavar as mãos apenas quando em contato com paciente com pele íntegra; b) Deve-se lavar as mãos quando em contato com superfícies ambientais próximas ao paciente; c) Deve-se lavar as mãos depois de remover as luvas; d) Deve-se lavar as mãos após contato com material orgânico; e) Deve-se lavar as mãos antes calçar as luvas. 40. A estufa da CD Lucilda não está esquentando direito e ela perdeu o termômetro. Como não tem autoclave, tem muitos pacientes marcados e o técnico só poderá vir consertar a estufa em 02 dias, resolveu manter o atendimento. Neste sentido, marque a alternativa correta. a) Lucilda não agiu corretamente, pois deveria ter parado o atendimento até que resolvesse o problema com a esterilização; b) Lucilda não agiu corretamente, pois deveria ter pressionado o técnico a vir mais rápido consertar sua estufa; c) Lucilda não agiu corretamente, pois deveria ter sido mais cuidadosa em guardar o termômetro; d) Lucilda agiu corretamente, pois não poderia prejudicar o atendimento odontológico; e) Lucilda agiu corretamente, mas deveria aumentar o período de tempo na estufa, para ficar mais segura quanto a esterilização dos artigos na estufa.

18 41. Na comunicação e divulgação em Odontologia é obrigatório constar: a) O nome do profissional. b) o nome da profissão de Cirurgião-Dentista. c) o número de inscrição no CRO. d) todas relacionados nas alternativas anteriores. e) apenas o nome do profissional e o número de inscrição no CRO 42. Na comunicação poderão ainda constar, exceto: a) as especialidades nas quais esteja inscrito. b) os títulos de formação acadêmica stricto sesu e do magistério. c) logomarca e ou logotipo. d) a expressão clínico geral para os que sejam apenas graduados. e) as especializações que tenha realizado e sejam reconhecidas pelo MEC. 43. Caracteriza-se como concorrência desleal, exceto: a) aliciar pacientes. b) oferta de serviços gratuitos. c) utilizar a expressão popular. d) prestar atendimento de qualidade aos pacientes. e) anunciar preços de serviços. 44. Com relação aos honorários é incorreto afirmar que constitui infração ética: a) oferecer serviços gratuitos. b) oferecer seus serviços como premio desde que para fazer filantropia. c) cobrar os valores que considere justos, mesmo que estejam acima dos cobrados pela concorrência. d) cobrar por meio de procedimento mercantilista. e) dar gratificação por encaminhamento de pacientes. 45. Com relação aos honorários é incorreto afirmar que constitui infração ética a) submeter o paciente a custo inesperado em face das mudanças do plano de tratamento. b) usar cartão de desconto como forma de ter mais pacientes. c) receber remuneração adicional sempre que os custos repassados pelos convênios forem insuficientes para cobrir seus custos operacionais.

19 d) cobrar remuneração de paciente atendido na rede pública sempre que o mesmo tenha condição de pagar pelos procedimentos. e) formular seus honorários com base na condição social da comunidade em que trabalha. 46. As entidades com atuação no âmbito da Odontologia não cometem infração ética se a) anunciar especialidades sem os profissionais registrados no CRO. b) em suas promoções ofereceram serviços odontológicos de qualquer natureza. c) apregoar aleivosias em suas publicidades. d) não informar os pacientes sobre as condições de atendimento. e) mantiverem auditorias especializadas. 47. Assinale a alternativa correta a) o responsável técnico responde técnica e eticamente pelas infrações cometidas na pessoa jurídica que representa. b) o responsável técnico responde apenas pelas infrações éticas na pessoa jurídica que representa. c) o responsável técnico não responde pelas infrações cometidas pelo dono da pessoa jurídica que representa. d) o responsável técnico deve comunicar ao CFO, por escrito, as infrações éticas que ocorrem na pessoa jurídica que representa. e) a aplicação do código de ética é de responsabilidade de cada profissional da Odontologia que atue em pessoas jurídica, pois não recai sobre o responsável técnico as infraçcões que este não der causa. 48. Assinale a alternativa incorreta a) áreas de atuação são os procedimentos realizados pelos profissionais da Odontologia. b) nos laboratórios de prótese deverá ser afixado um cartaz fornecido pelo CRO informando sobre a proibição de atendimento aos pacientes. c) as pessoas jurídicas deverão ter uma relação dos seus profissionais, com suas respectivas qualificações, disponível ao público atendido. d)as pessoas jurídicas deverão fazer constar em seus anúncios o nome e número do responsável técnico, bem como o nome e o número da pessoa física. e) pode constar nas divulgações dos profissionais que os mesmo atendem em ambiente hospitalar e domiciliar.

20 49. É incorreto afirmar que o profissional inscrito, pode a) realizar palestras de cunho educativo em empresas. b) realizar palestras de cunho educativo em escolas. c) conceder entrevistas sobre aspectos relacionados a Odontologia como forma de esclarecimento a coletividade. d) conceder entrevistas e realizar palestras desde que não tenham cunho sensacionalista ou de autopromoção. e) todas as anteriores estão incorretas. 50. Constitui dever fundamental dos profissionais inscritos, exceto a) manter regularizadas suas obrigações financeira junto ao Conselho. b) manter atualizados seus dados cadastrais junto ao Conselho. c) exercer a profissão com atitudes que infundam respeito. d) diagnosticar, planejar e executar tratamentos com liberdade de convicção, nos limites de suas atribuições, observados o estado atual da ciência e sua dignidade profissional. e) zelar pela saúde e dignidade do paciente.

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação.

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Publicidade na Odontologia: como fazer Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Você sabia que nos anúncios, placas e impressos publicitários, por exemplo,

Leia mais

TESTES CÓDIGO DE ÉTICA ODONTOLÓGICA

TESTES CÓDIGO DE ÉTICA ODONTOLÓGICA TESTES CÓDIGO DE ÉTICA ODONTOLÓGICA Profa. Maria Valéria D. Akkaoui Cirurgiã Dentista Colaboradora na Comissão de Ética do CRO-SP de 2000 até a presente data. 1 1 - De acordo com a Lei Federal n.º 4.324,

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB)

CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) CURSO TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL (TSB) INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO CARGA HORÁRIA: 1.200 HORAS COM ESTÁGIO DURAÇÃO : 2 ANOS PERIODICIDADE: SEMANAL (2ª, 3ª E 4ª) HORÁRIO DAS AULAS: 19H AS 21H INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003 Regulamenta o exercício das profissões de Técnico em Saúde Bucal - TSB e de Auxiliar em Saúde Bucal ASB.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB

Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB Como obter resultados com a otimização dos consultórios com os TSB e ASB 6º SINPLO Simpósio Internacional de Planos Odontológicos Fabiana Car Pernomiam 2011 Ergonomia racionalizar o trabalho, possibilitar

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 16/3/2009, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério da Educação/Secretaria de Educação

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2.

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2. COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.140, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei n.º 1.573, de 2003, e n.º 2.489, de 2003) Regulamenta o exercício das profissões de Técnico em Higiene

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO

NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO NOVA PROFISSÃO NA ÁREA DE SAÚDE O MELHOR CURSO DE AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL DE BRASÍLIA INÍCIO: IMEDIATO 1. JUSTIFICATICAS Com a Globalização da Economia e a competitividade a cada dia mais presente no mercado

Leia mais

Conselho Federal de Fonoaudiologia www.fonoaudiologia.org.br

Conselho Federal de Fonoaudiologia www.fonoaudiologia.org.br Conselho Federal de Fonoaudiologia www.fonoaudiologia.org.br CÓDIGO DE ÉTICA DA FONOAUDIOLOGIA ( O Código de Ética foi aprovado pelo Resolução CFFa nº 305/2004 ) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Instrução Normativa sobre a divulgação da qualificação Primeira reunião do GT de Divulgação 07/02/2012 Quem divulgar? Todos

Leia mais

Sumário. Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Odontologia do Paraná

Sumário. Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Odontologia do Paraná Sumário A Importância da Responsabilidade Técnica... 1 1.. Quem pode assumir a função de Responsável Técnico?... 2 2.. Um TPD (Técnico em Prótese Dentária) pode ser responsável técnico por um estabelecimento

Leia mais

INSCRIÇÃO DE CLÍNICA, LABORATÓRIO DE PRÓTESE DENTÁRIA E ENTIDADES PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA ( EPAO) ( ) CLÍNICA ( ) MATRIZ

INSCRIÇÃO DE CLÍNICA, LABORATÓRIO DE PRÓTESE DENTÁRIA E ENTIDADES PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA ( EPAO) ( ) CLÍNICA ( ) MATRIZ INSCRIÇÃO DE CLÍNICA, LABORATÓRIO DE PRÓTESE DENTÁRIA E ENTIDADES PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA ( EPAO) ( ) CLÍNICA ( ) MATRIZ ( ) LABORATÓRIO ( ) FILIAL ( ) EPO (DENTAL) TIPO ( ) ISENTO ( )

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES ÍNDICE

GUIA DE ORIENTAÇÕES ÍNDICE GUIA DE ORIENTAÇÕES ÍNDICE O que é o CFO? O que é o CRO? Como e quando se inscrever no CRO? É portador do Diploma expedido pela Entidade de Ensino?O que providenciar? Deseja trabalhar como Cirurgião-dentista

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006.

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Página 1 de 6 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção

Leia mais

Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO

Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO Regulamento de Funcionamento da Clínica Odontológica, Pré-Clínica e Radiologia da FAPAC/ITPAC PORTO Porto Nacional TO 2015 Sumário: Introdução:... 3 Dos Objetivos:... 3 Do Horário de Funcionamento:...

Leia mais

ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA

ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA Data da vistoria: / / A CADASTRO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar.

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. 09/02/2006 Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. Os pacientes que recebem atendimento médico em casa têm agora um regulamento para esses serviços. A Anvisa publicou, nesta segunda-feira

Leia mais

Documentação Odontológica e a Relação. Luiz Roberto Capella

Documentação Odontológica e a Relação. Luiz Roberto Capella Relação Odontolegal com as Luiz Roberto Capella Documentação, conforme Novo Aurélio, dicionário da Língua Portuguesa, é o ato ou efeito de documentar. Conjunto de documentos destinado a esclarecer ou provar

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Anotações de aula Aline Portelinha 2015

Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Anotações de aula Aline Portelinha 2015 Aula 10 CONSELHOS DE MEDICINA Conselhos de Medicina O que são Constituem, em seu conjunto, uma autarquia federal, cada um deles dotado de autonomia administrativa

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ - SP

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ - SP PROTOCOLO Nº 1931/2014 - S.O.: 05/11/2014 Fls. 01/11 1) Indico a ALTERAÇÃO DA NOMENCLATURA DO CARGO DE AUXILIAR DE CONSULTÓRIO DENTAL (ACD) PARA AUXILIAR EM SAÚDE BUCAL (ASB), adequando à Lei Federal nº

Leia mais

ATESTADOS ODONTOLÓGICOS.

ATESTADOS ODONTOLÓGICOS. ATESTADOS ODONTOLÓGICOS. Daniel P.P. de Bragança, C.D. Especialista em Odontologia Legal - UNICAMP Mestrando em Odontologia Legal e Deontologia UNICAMP Servidor Cirurgião-Dentista da Prefeitura de Macaé/RJ

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça TABELA DE ODONTOLOGIA DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA INSTRUÇÕES DE FATURAMENTO 1. Deverão ser faturados ao STJ somente os tratamentos concluídos. 2. Quando a(s) perícia(s) for(em) obrigatória(s) para

Leia mais

MANUAL DE PUBLICIDADE

MANUAL DE PUBLICIDADE MANUAL DE PUBLICIDADE DO MÉDICO VETERINÁRIO Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Paraná Manual de Publicidade do Médico Veterinário 2015 www.crmv-pr.org.br MANUAL DE PUBLICIDADE DO MÉDICO

Leia mais

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde

A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde A Integração da Equipe de Saúde Bucal nos Serviços de Saúde Trabalho em Saúde Economia globalizada transforma o trabalho afeta os meios e as relações de trabalho substituindo trabalho individual trabalho

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 *****

Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 ***** Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 ***** Dispõe sobre o exercício profissional e os programas de pós-graduação no Brasil do médico estrangeiro e do médico

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 42, DE 20 DE MAIO DE 2003.

RESOLUÇÃO Nº 42, DE 20 DE MAIO DE 2003. RESOLUÇÃO Nº 42, DE 20 DE MAIO DE 2003. Revoga o Código de Ética Odontológica aprovado pela Resolução CFO-179/91 e aprova outro em substituição. O Presidente do Conselho Federal de Odontologia, no exercício

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 146/12

DELIBERAÇÃO Nº 146/12 DELIBERAÇÃO Nº 146/12 Dispõe sobre a Responsabilidade Técnica e o Exercício Profissional de Farmacêutico apto a atuar em Análises Clínicas e Postos de Coleta e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO Código de Ética aprovado pela Resolução do C.F.B.M. - /V 0002/84 DE i 6/08/84 - D. O. U. 27/08/84, e de conformidade com o Regimento Interno Art. 54, 55, 60 -

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO. Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência

GUIA DO CANDIDATO. Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência GUIA DO CANDIDATO Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência Norma ABNT NBR 15843 Ocupação Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência - Básico Instalador de Piso Laminados

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

CAMP-IMAGEM NUCLEAR S/C LTDA EXAME DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA EM MEDICINA NUCLEAR - 2015 EDITAL 01/2015

CAMP-IMAGEM NUCLEAR S/C LTDA EXAME DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA EM MEDICINA NUCLEAR - 2015 EDITAL 01/2015 CAMP-IMAGEM NUCLEAR S/C LTDA EXAME DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA EM MEDICINA NUCLEAR - 2015 EDITAL 01/2015 A Camp-Imagem Nuclear S/C LTDA torna pública a realização do Processo seletivo de candidatos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 1015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 1015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 Conceitua e estabelece condições para o funcionamento de estabelecimentos médicoveterinários de atendimento a pequenos animais e dá outras providências. O CONSELHO

Leia mais

GUia PRÁticO. VoLuME 2. PUBLiciDaDE ODONtOLÓGica. RELaciONaMENtO ético. PRONtUÁRiO

GUia PRÁticO. VoLuME 2. PUBLiciDaDE ODONtOLÓGica. RELaciONaMENtO ético. PRONtUÁRiO GUia PRÁticO VoLuME 2 PUBLiciDaDE ODONtOLÓGica RELaciONaMENtO ético PRONtUÁRiO Manter-se bem informado para gerenciar seu consultório ou clínica da melhor maneira possível é fundamental para o sucesso.

Leia mais

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição Manual de Reembolso 2ª edição Você sabia que quando não utiliza os serviços da rede credenciada do Agros, seja por estar fora da área de cobertura do plano de saúde ou por opção, pode solicitar o reembolso

Leia mais

Guia para um. Sorriso Saudável

Guia para um. Sorriso Saudável Guia para um Sorriso Saudável Fotos meramente ilustrativas. Seja bem-vindo ao serviço odontológico do Sesc Rio! 3 Serviços Nosso serviço está disponível em diversas Unidades Operacionais, exclusivamente

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS: TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM MAMOGRAFIA OBJETIVO DO MANUAL Este Manual

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DOS CURSOS TÉCNICO EM RADIOLOGIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM TOMOGRAFIA ESPECIALIZAÇÕES DE NÍVEL TÉCNICO EM MAMOGRAFIA 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA Código de Ética Odontológica (APROVADO PELA RESOLUÇÃO CFO-42, DE 20 DE MAIO DE 2003) O texto baseou-se no Relatório Final da III CONFERÊNCIA NACIONAL DE ÉTICA ODONTOLÓGICA

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 055/2013. PRCI nº 099.494 Tickets nº 282.274, 286.996, 290.861, 291.178, 293.283, 293.332, 293.370, 300.038, 307.

PARECER COREN-SP CT 055/2013. PRCI nº 099.494 Tickets nº 282.274, 286.996, 290.861, 291.178, 293.283, 293.332, 293.370, 300.038, 307. PARECER COREN-SP CT 055/2013 PRCI nº 099.494 Tickets nº 282.274, 286.996, 290.861, 291.178, 293.283, 293.332, 293.370, 300.038, 307.669 Ementa: Limpeza, desinfecção e esterilização de material odontológico:

Leia mais

Lattes com documentos comprobatórios relacionados ao currículo e fotocópias da cédula de identidade e do

Lattes com documentos comprobatórios relacionados ao currículo e fotocópias da cédula de identidade e do RESIDÊNCIA MÉDICA BOLSAS DO PROGRAMA PRÓ-RESIDÊNCIA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE EDITAL DO CONCURSO DE SELEÇÃO 2014 A Direção Geral das Faculdades Integradas Padre Albino (FIPA), conforme dispõe a legislação

Leia mais

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Nova Lei de Estágio (Lei nº 11.788/08) Lei

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2016. Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia - DayHORC

PROCESSO SELETIVO 2016. Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia - DayHORC PROCESSO SELETIVO 2016 Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia - DayHORC O DayHORC, através de sua Comissão do Programa de Treinamento Médico em Oftalmologia (CPTMO/DayHORC), no uso de suas atribuições,

Leia mais

Serviço odontológico. normas e orientações

Serviço odontológico. normas e orientações 1 Serviço odontológico normas e orientações 2 3 Seja bem-vindo ao Serviço Odontológico do Sesc! 4 Normas e Orientações do Serviço Odontológico As normas e orientações a seguir garantem um tratamento mais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE CARIDADE SANTA CASA DO RIO GRANDE EDITAL PROCESSO SELETIVO 2015

ASSOCIAÇÃO DE CARIDADE SANTA CASA DO RIO GRANDE EDITAL PROCESSO SELETIVO 2015 ASSOCIAÇÃO DE CARIDADE SANTA CASA DO RIO GRANDE EDITAL PROCESSO SELETIVO 2015 A Comissão de Residência Médica da Associação de Caridade Santa Casa do Rio Grande (ACSCRG) torna público para o conhecimento

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Orientação Normativa 07/2008, de 31 de outubro de 2008, retificada em 04 de novembro de 2008, em complemento à Lei nº 1.788/2008, de 26 de setembro de 2008,

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008.

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada

Leia mais

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 Dispõe sobre o exercício da Análise Clínico- Laboratorial. Art. 1º Os atuais portadores de diploma de Ciências Biológicas, modalidade médica, bem como os diplomados

Leia mais

Parecer 006/2015 CREFITO-4

Parecer 006/2015 CREFITO-4 Parecer 006/2015 CREFITO-4 ASSUNTO: Parecer do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região acerca do prontuário fisioterapêutico e/ou multidisciplinar do paciente e do direito

Leia mais

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Etimologia Termo Auditoria deriva: Palavra inglesa audit que significa examinar, corrigir, certificar. Do latim auditore O que ouve; ouvinte. Definição

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 92.790, DE 17 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a Lei nº 7.394, de 29 de outubro de 1985, que regula o exercício da profissão

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FÍSICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FÍSICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente Código contém os fundamentos éticos, obrigações, responsabilidades e requisitos que devem ser seguidos pelos Físicos Médicos no exercício

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 006/2009 Dispõe sobre as normatizações para o exercício do profissional Enfermeiro em relação à constituição e funcionamento das Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs).

Leia mais

Deontologia Médica. Deontologia Médica. Conceito

Deontologia Médica. Deontologia Médica. Conceito Medicina Legal Professor Sergio Simonsen Conceito A deontologia médica é a ciência que cuida dos deveres e dos direitos dos operadores do direito, bem como de seus fundamentos éticos e legais. Etimologicamente,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares

PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) CAPÍTULO I. Disposições Preliminares PROJETO DE LEI Nº, DE 2003 (Do Sr. Rubens Otoni) Regulamenta o exercício das profissões detécnico em Higiene Dental e de Atendente de Consultório Dentário. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. CLÍNICA ODONTOLÓGICA MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Este é um modelo básico de check list para nortear na elaboração

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

CAPÍTULO I e DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS

CAPÍTULO I e DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS CAPÍTULO I e DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O Código de Ética Odontológica regula os direitos e deveres dos profissionais, das entidades e das operadoras de planos de saúde, com inscrição nos Conselhos

Leia mais

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Estado do Ceará PREFEITURA MUNICIPAL DE CEDRO CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1. O paciente João compareceu ao consultório odontológico uma semana depois de realizar uma exodontia do segundo molar inferior esquerdo. Qual das alternativas abaixo contém os

Leia mais

Treinamento em Cardiologia 2014. do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE)

Treinamento em Cardiologia 2014. do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE) Treinamento em Cardiologia 2014 do Pesquisas de Gastroenterologia (IBEPEGE) Edital de Abertura de Inscrições O IBEPEGE Instituto Brasileiro de Estudo e Pesquisa em Gastroenterologia e outras Especialidades

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL Associação Brasileira de Quiropraxia Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de Quiropraxia, Novo Hamburgo, 01 de

Leia mais

ANÚNCIOS PROFISSIONAIS É OBRIGATÓRIO INCLUIR O NÚMERO DO CRM EM ANÚNCIOS

ANÚNCIOS PROFISSIONAIS É OBRIGATÓRIO INCLUIR O NÚMERO DO CRM EM ANÚNCIOS Destaques do Novo Código de Ética Médica 14/04/2010 ABANDONO DE PACIENTE O MÉDICO NÃO PODE ABANDONAR O PACIENTE É vedado ao médico abandonar paciente sob seus cuidados. ( Cap. 5, art. 36) 1º Ocorrendo

Leia mais

O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo seletivo.

O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo seletivo. DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE AUXILIAR ODONTOLÓGICO PARA AS UNIDADES DE CAMPINAS, CATANDUVA, JUNDIAÍ, PIRACICABA, SÃO JOSÉ DO RIO PRETO E SOROCABA O presente documento é uma divulgação

Leia mais

EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEURORRADIOLOGIA E CABEÇA E PESCOÇO 2014-2015

EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEURORRADIOLOGIA E CABEÇA E PESCOÇO 2014-2015 EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEURORRADIOLOGIA E CABEÇA E PESCOÇO 2014-2015 O Serviço de Diagnóstico por Imagem da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo ISCMSP faz saber que estarão

Leia mais

Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Diretor Geral: Damião Mendonça Vieira

Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Diretor Geral: Damião Mendonça Vieira Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Diretor Geral: Damião Mendonça Vieira CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 066/2013 CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM COMPLEMENTAÇÃO Objetivo do Curso: Complementação

Leia mais

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014

FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS APRIMORAMENTO EM ENDOSCOPIA DIGESTIVA ( Fellowship ) EDITAL DE SELEÇÃO PARA O ANO DE 2014 EDITAL N.º 13/2013-IEP/HCB A Fundação Pio XII, Hospital do Câncer

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA PARA ESTÁGIO MÉDICO DE OFTALMOLOGIA - 2015 EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES

SELEÇÃO PÚBLICA PARA ESTÁGIO MÉDICO DE OFTALMOLOGIA - 2015 EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES SELEÇÃO PÚBLICA PARA ESTÁGIO MÉDICO DE OFTALMOLOGIA - 2015 EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES A Congregação das Filhas de Nossa Senhora Stella Maris Hospital Stella Maris, torna público que no período de

Leia mais

Cremesp lança manual de ética para sites de medicina e saúde na Internet

Cremesp lança manual de ética para sites de medicina e saúde na Internet Cremesp lança manual de ética para sites de medicina e saúde na Internet Foi publicada nesta sexta-feira, dia 9 de março, no Diário Oficial do Estado, a Resolução nº 097/2001 do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

EDITAL CURSO DE APERFEIÇOAMENTO - 2013

EDITAL CURSO DE APERFEIÇOAMENTO - 2013 EDITAL CURSO DE APERFEIÇOAMENTO - 2013 O Servido de Diagnóstico por Imagem da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo ISCMSP faz saber que estarão abertas as inscrições para a realização do

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO VOLUNTÁRIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA (FAMETRO)

EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO VOLUNTÁRIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA (FAMETRO) EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO VOLUNTÁRIO NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE METROPOLITANA DA GRANDE FORTALEZA (FAMETRO) A Coordenação do curso de Direito e a Coordenação do Núcleo

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 1.015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 1.015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 1.015, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 Conceitua e estabelece condições para o funcionamento de estabelecimentos médicos veterinários de atendimento a pequenos

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ULTRASSONOGRAFIA 2015

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ULTRASSONOGRAFIA 2015 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ULTRASSONOGRAFIA 2015 O Instituto de Pesquisa e Ensino em Radiologia, Medicina Diagnóstica e Terapêutica - IPrad, torna público que realizará

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA

Leia mais

Resolução nº 333, de 3 de fevereiro de 2004.

Resolução nº 333, de 3 de fevereiro de 2004. CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS Resolução nº 333, de 3 de fevereiro de 2004. Dispõe sobre o Código de Ética Profissional dos Técnicos em Nutrição e Dietética e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

ADENDO DO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA Ano 2015

ADENDO DO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA Ano 2015 ADENDO DO EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA RESIDÊNCIA MÉDICA Ano 2015 Atenção: Recomenda-se a leitura atenta de todo o Edital antes de realizar a inscrição. A Comissão de Residência Médica - COREME

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DOS ESTADOS DE RONDÔNIA E ACRE -CRF-RO/AC

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DOS ESTADOS DE RONDÔNIA E ACRE -CRF-RO/AC Edital nº02/2008 DO PROCESSO SELETIVO 02/2008 CRF/RO-AC DE 07 DE NOVEMBRO DE 2008 ABERTURA. A Presidente do Conselho Regional de Farmácia dos Estados de Rondônia e Acre, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais