Informativo do GOA #5 Departamento de Física Centro de Ciências Exatas UFES Verão de 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informativo do GOA #5 Departamento de Física Centro de Ciências Exatas UFES Verão de 2010 www.cce.ufes.br/goa"

Transcrição

1 Informativo do GOA #5 Departamento de Física Centro de Ciências Exatas UFES Verão de E X P LO RA N D O A LUA Desde tempos imemoráveis a Lua acompanha o acredita-se que a Lua seja um pedaço de nosso planeta que foi Homem no seu dia-a-dia, principalmente nas suas escuras ejetado pelo impacto com um grande corpo durante a formação noites. O maior astro do céu noturno já iluminou muitos do Sistema Solar, tendo, portanto, a mesma idade dos seus romances, caçadas e fugas. Durante toda a sua história o objetos, cerca de 4,6 bilhões de anos. Esse tempo foi suficiente Homem olhou para cima e tentou perscrutar seus segredos, para que devido ao famoso efeito de maré, um dos hemisférios como suas fases, suas manchas (veja quadro), ou seu brilho da Lua permanecesse voltado para nosso planeta e o outro enigmático por entre as nuvens. ficasse permanentemente oculto, só sendo visto por um ser Em nossa época, porém, temos recursos para humano após ser fotografado por uma sonda soviética (Luna 3) compreender melhor alguns de seus mistérios... mistérios esses em Sendo assim, o tempo que a Lua leva para dar uma que nossos ancestrais jamais poderiam sequer imaginar. Ainda volta em torno de si mesma (rotação) é igual ao tempo que leva assim, muito temos a aprender com nossa parceira celeste. para circundar nosso planeta (translação). Recentemente a NASA (Agência Espacial dos Estados Quando dois corpos se atraem o 'efeito de maré' é Unidos) divulgou que duas sondas (Chandrayaan-1 da Índia e causado pela diferença da ação da gravidade sobre vários pontos LCROSS dos EUA) confirmaram a existência de água de um mesmo corpo, dependendo de sua composição, forma e congelada no Pólo Sul da Lua. Esse resultado já era esperado, movimento. Esse efeito pode ser percebido de várias maneiras, pois supõe-se que a água da Terra seja proveniente dos objetos como exemplo temos as 'marés oceânicas', que são resultado da celestes, como cometas, que colidiram com ela durante sua diferença da força aplicada pela Lua sobre as massas líquidas e formação. Objetos semelhantes também chocaram-se com a as partes sólidas da Terra em seus respectivos movimentos. Lua... porém, a água não permanecendo no estado líquido Existem planos para a instalação de bases lunares devido às temperaturas extremas de sua superfície, ou evaporou como ponto de apoio para missões mais distantes e também e escapou devido à sua atração gravitacional ser insuficiente projetos para a colonização (militar, científica e civil) da Lua. para manter uma atmosfera, ou congelou sob certas partes de De qualquer forma missões tendo como destino a Lua ainda são sua superfície. Os resultados das missões indicam a existência muito caras. Entretanto, com o passar dos anos, essas missões se de água em uma região maior tornam cada vez mais viáveis, Quando olhamos para a Lua vemos manchas que se esperava, porém em devido as crescentes pesquisas escuras contrastando com as partes brancas pequena concentração. Essa em tecnologias para a exploração brilhantes. Através dos séculos muitos água tem grande valor por espacial que vêm sendo imaginaram desenhos com essas manchas... facilitar a exploração da Lua, desenvolvida por várias agências e também por animar a de vários países. Portanto, procura por vida. Até agora ouviremos cada vez mais sobre a Alguns vêem nenhuma notícia a respeito de E você, o que Lua, que mesmo se afastando de facilmente vida na Lua foi divulgada nós está cada vez mais ao nosso vê na Lua? pelas agências que fizeram alcance. um coelho. sua exploração. Entretanto, por ser vizinha do único Para saber mais acesse: Outros vêem planeta com vida conhecido, A%20Conquista%20da%20Lua.htm poderá a Lua ser ainda palco São Jorge lutando dessa incrível descoberta. contra um temível Afastando-se de nós dragão! Imagem do topo: cerca de 4 cm por ano, Cena do filme "Moon", Sony Pictures

2 A S T R O N OVA S Quem lembra do Grande Colisor de Hádrons (LHC, sua sigla em inglês), aquele megaprojeto por vezes tachado de apocalíptico? Tem o formato circular, com comprimento de circunferência de 27km e está enterrado a mais de 100 metros abaixo da França e da Suíça. É o maior acelerador de partículas do mundo e a maior e mais cara máquina já construída pelo Homem: mais de 10 bilhoẽs de dólares! Parece muito? Porém, é muito menos do que só os EUA gastaram na querra do Iraque, cerca de 1 trilhão de dólares, ou o que o governo brasileiro gastou para salvar os bancos nos últimos anos. Após quase duas décadas em construção, iniciou seu funcionamento dia 10/09/2008, mas 9 dias depois ocorreu um incidente, o que demandou reparos que tomaram 14 meses! Finalmente, no dia 20 de Novembro de 2009, o LHC retomou seus experimentos e as partículas voltaram a ser aceleradas em seus túneis. Já no dia 30 o acelerador se tornou aquele a ter utilizado as energia mais altas num experimento de partículas, batendo o recorde do Tevatron da Fermilab e ultrapassando a marca de 1 TeV, chegando a 1,18 TeV. O que é um TeV? É 1 trilhão de elétrons Volt. 1 ev é a energia adquirida por uma partícula de carga, em módulo, igual à carga de um elétron, quando submetida a uma diferença de potencial de 1 Volt. Apesar do recorde, os feixes ainda não alcançaram as velocidades desejadas. Com cautela, verificando o comportamento do acelerador para evitar novos incidentes, a equipe empregará quantias cada vez maiores de energia até que os feixes de prótons cheguem a velocidades próximas à da luz, e então colidam, gerando várias partículas a serem observadas pelos grandes detectores. A previsão é que até o fim de 2010 as energias empregadas cheguem a 7 TeV! A maior expectativa quanto às possíveis descobertas do LHC dizem respeito a partícula denominada bóson de Higgs. De acordo com Modelo Padrão (que descreve as forças fundamentais fortes, fracas e eletromagnéticas menos a Foto: CERN Grande Colisor de Hádrons de Volta! Grande Colisor de Hádrons, as partículas são aceleradas no interior do túnel azul e cinza. gravitacional), esta é a única partícula prevista que ainda não foi detectada. O acelerador representa uma maneira de detectar a partícula de Higgs dentro do laboratório, mas, no fim de 2009, surgiu um novo método: a observação de picos de raios gama provenientes do aniquilamento de partículas de matéria escura no espaço. Modelos indicam que o aniquilamente de duas "WIMPs" (partículas massivas de interação fraca, na sigla em inglês), que ocorrem em choques, podem produzir bósons de Higgs, e com eles picos específicos de raios gama. A captação destes sinais aos telescópios e a comparação deles com os cálculos teóricos poderia então representar a detecção das tais partículas, e poderia ocorrer até mesmo antes do Grande Colisor de Hádrons. Será provada a existência do Bóson de Higgs? Nos resta acompanhar a observação paralela entre as colisões nas alturas celestes e as colisões nos subterrâneos europeus. Descobertos os Lugares Mais Gelados da Lua A mesma sonda que foi capaz de fotografar os restos missões Apolo na Lua, o Orbitador de Reconhecimento Lunar (LRO, em inglês) da Nasa, agora foi capaz de identificar os lugares mais gelados da Lua. Através do Diviner, instrumento acoplado na LRO com o objetivo de mapear a emissão termal da superfície lunar, foram possíveis fazer medições das grandes variações de temperatura da Lua. Enquanto o equador lunar chega a temperaturas de 127ºC, o interior de crateras nos polos podem chegar a 247 ºC (26 Kelvins). Temperatura tão baixa no Sistema Solar era esperado apenas em lugares mais distantes do que Plutão, devido a sua distância ao Sol. Foto:NASA/Goddard Space Flight Center/Arizona State University Uma das primeiras imagens obtidas pela sonda LRO, esta paisagem tem 1400 metros de lado. O motivo é que algumas crateras, pela sua profundidade e por se situarem nos polos lunares, nunca recebem a luz direta do Sol. E, diferente da Terra, a Lua não possui atmosfera e o calor não se propaga pela sua superfície, como acontece por aqui. Não existe uma estimativa muito precisa da quantidade de água, mas existe uma boa possibilidade que nessas crateras geladas exista água na forma de gelo. Graças a Chandrayaan-1, da Índia e LCROSS, sonda dos EUA que colidiu com uma cratera na Lua, a existência de agua em sua superfície já está confirmada. Essa descoberta ainda pode dizer muito quanto ao futuro da exploração lunar. 2

3 Durante a 1ª atividade pública no GOA, pudemos ver e fotografar meteoros da chuva Geminídeas Veja o calendário de atividades na página 6 Foto de um meteoro feita pela Equipe GOA. Essa foto foi publicada no Nó Nacional do AIA2009 (www.astronomia2009.org.br) e no sítio de divulgação da Nasa, o Space Weather (www.spaceweather.com). Chuva de meteoros é um evento em que um grupo de meteoros (popularmente conhecidos por "estrelas cadentes"), são observados irradiando de uma região do céu. Até a Idade Média eram fenômenos frequentemente apreciados - e as vezes até amedrontavam, os mais diversos povos do mundo. Com a Revolução Industrial e o aumento da luminosidade esta conexão com nossos antepassados quase não existe mais. Para resgatar esta conexão e não perdermos nossas heranças culturais, temos que nos deslocar para lugares distantes das cidades. No GOA, em Fundão, podemos desfrutar desse e de outros prazeres que são a contemplação do Céu e do Universo. Durante o final de semana 12 a 14 de Dezembro houve o máximo da chuva de meteoros, chamada Geminídeas. Um grupo do GOA, com um ônibus cedido pela UFES, foi até o Parque do Goiapaba-açu, em Fundão-ES, onde está sendo instalado um observatório astronômico remoto, a 815m de altitude, para observá-la. Como o previsto, o tempo no sábado estava ótimo, sem nuvens e com uma visibilidade jamais vista por nossa equipe naquela região. Para aquela noite programamos uma atividade pública de observação do céu até as 22h para os poucos curiosos que passaram pelo Parque. Logo no início da noite começamos a observar as "estrelas cadentes" que pareciam surgir da constelação do Gêmeos, daí a origem do nome da chuva de meteoros. Por quase todos lados que observávamos, víamos um risco cortando o céu hora mais intenso, hora menos e até alguns bólidos, meteoros mais brilhantes como uma bola de fogo que pode ser recuperado para estudos. Apontavámos nossas câmeras para vários lados, mas os meteoros surgiam de outros, como se as Lei de Murphy estivessem sendo aplicadas para nós, naquele momento. Mesmo assim, conseguimos capturar pela lente de uma Zenite, com filme ISO 400, o meteoro da foto acima. Estimamos que cada um conseguiu observar cerca de 50 meteoros durante a noite. Para os que acreditam em lendas, essa quantidade de "Estrelas cadentes" dariam para resolver quase todos problemas da vida. Já no domingo, quando era esperado o máximo do chuveiro, depois de um dia inteiro ensolarado, logo após o pôrdo-sol, para nossa decepção, as nuvens apareceram e permaneceu nublado durante toda noite. Foto do Observatório GOA feita no pico vizinho Equipe GOA fotografando astros no Observatório 7 Foto panorâmica do pico mais alto (vizinho ao GOA)

4 Monitoramento Via Satélite para Controle Climático Foto: SOHO, ESA e NASA Esperando Esperando o Máximo o Máximo Solar Solar Foto em ultra-violeta extremo da atividade solar de Finalmente o Sol começa a demonstrar sinais de atividade magnética. As manchas do novo ciclo 24 já tardavam a aparecer (vide capa do Observativo #4), mas quando chegou o fim de 2009 foram surgindo as tão esperadas perturbações magnéticas e com elas algumas manchas. As manchas, regiões mais escuras da superfície, podem ocorrer associadas a outros fenômenos solares: espículas, protuberâncias e erupções. Em 2009 foi confirmada definitivamente a existência de um quinto fenômeno sobre o qual só havia suspeitas, o chamado Tsunami Solar. Com nome fazendo referência ao catastrófico fenômeno que ocorre nos oceanos terrestres, elas são exatamente o que muitos estudiosos do Sol relutaram em acreditar: ondas gigantes que chegam a ter 100 mil km de altura (mais de 7 planetas Terra enfileirados) e velocidade de 1 milhão de km/h! Com surpresas como essa, vamos ver quem vai deixar de acompanhar os estudos sobre este belíssimo astro! visto que esses são responsáveis por 20% da emissão de gases do efeito estufa. A observação das florestas via satélite, principalmente as tropicais, desempenhará um papel essencial para que os países façam o próprio controle e monitoramento necessário. A Agencia Espacial Européia (ESA, sua sigla em inglês) através do programa de Monitoramento Global para o Ambiente e Segurança (GMES, sua sigla em inglês) já está cooperando com o controle via satélite das florestas do Camarões, Gabão e República do Congo. Segundo Gilberto Câmara, diretor do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), que esteve em Copenhague e é membro do CEOS, para um resultado mais efetivo, os dados obtidos dos satélites devem ser de livreacesso a população. AIA2009ose Encerra, Mas a Esperando Máximo Solar Astronomia Continua Finalizamos o ano de 2009 como um dos mais frutíferos para a Astronomia brasileira e mundial continua com todo o legado deixado pelo Ano Internacional da Astronomia 2009: novos observatórios (como o GOA), planetários fixo e móveis, museus, exposições, novos clubes, etc. Mas o legado mais importante, sem dúvida, foi a colaboração dos diversos grupos que criaram uma rede brasileira e mundial de Astronomia, unindo pesquisadores, universidades, observatórios, planetários, museus e astrônomos amadores. No ES e na UFES, especificamente, temos atividades constantes que podem ser levadas até sua escola ou grupo. Queremos usar a Astronomia para criar um elo que una o conhecimento humano e encurtar o abismo que fragmenta os diversos fenômenos científicos, criando realmente um ensino transdisciplinar. Iceberg Gigante se Desprende Encontrado iceberg gigante com 500m de comprimento a apenas 8 km da ilha de Macquarie, entre a Austrália e a Antártida. Leia mais no sítio do GOA. Foto: AP Photo Entre os dias 7 a 18 de dezembro de 2009 grande parte dos lideres mundiais se reuniram em Copenhague para debater sobre o futuro do clima no Planeta. O objetivo oficial era avaliar as mudanças climáticas ocorridas no passar dos últimos anos e estabelecer um novo acordo global entre os países para 2012, quando expira o primeiro tratado do protocolo de Kyoto. Na realidade os líderes querem salvar o capitalismo, que vive da usurpassão da Terra e dos povos. Uma das poucas discussões com resultados, foi do Comite de Observações da Terra por Satélite (CEOS, sua sigla em inglês) que estuda o papel das florestas nas mudanças climáticas. A política de redução dodesmatamento e da degradaçãodasflorestasforam estabelecidos como pontos centrais em qualquer acordo, 3 Fotomontagem comparando o iceberg gigante com um cruzeiro.

5 Enciclopédia Astronômica: Magnitude Magnitude é a escala de medida do brilho dos objetos celestes. É uma escala inversa: quanto mais brilhante o objeto, menor o valor da magnitude. O conceito de magnitude teve sua origem na Grécia antiga quando Hiparco (160 a.c a.c.) catalogou visualmente mais de 800 estrelas e associou a cada uma delas uma grandeza de acordo com seu brilho: as mais brilhantes eram as de 1ª grandeza e as menos brilhantes as de 6ª. À medida que se descobriu que o brilho que observamos de um objeto celeste não depende apenas de seu tamanho, mas também de sua distância e da natureza de sua luz, o termo grandeza foi substituído pelo termo magnitude. A utilização do telescópio, 17 séculos depois de Hiparco, revelou a existência de astros com brilho ainda mais fraco, só visíveis ao telescópio. Para estes astros Galileu estendeu a escala até 7. Com o avanço da Ciência e o aperfeiçoamento dos instrumentos utilizados, tornou-se crescente a necessidade de uma escala menos subjetiva, que não dependesse da acuidade visual do observador. Assim, no século XIX, o brilhos. O planeta Vênus, por exemplo, astrônomo Pogson, preservando as raízes pode chegar a uma magnitude visual de -5, históricas do conceito de Hiparco, observou a estrela mais brilhante do céu noturno, que a pecepção da vista humana é Sírius, tem magnitude -1,4, Vega por logarítimica. Assim, definição tem magnitude criou um modelo A magnitude visual do Sol é 0,0. Em locais muito matemático que utiliza favoráveis, o limite 27, da Lua Cheia 13 e os esta característica do visual ainda é 6, como brilhos mais fracos que o olho humano, definindo na classificação de Telescópio Espacial Hubble Hiparco. com exatidão o conceito consegue captar são de de magnitude. Esta Com a melhoria da magnitude visual 30, mais equação logarítmica sensibilidade dos de 10 bilhões de vezes a indica que um astro com dispositivos eletrônicos, magnitude 5x menor que capacidade do olho humano. é possível o cálculo de outro tem um brilho 100x magnitudes com maior. precisão de várias casas decimais, e não Atualmente a escala de magnitude apenas números inteiros. foi estendida a números negativos, que são Como as estrelas encontram-se a os menores valores e portanto os maiores diferentes distâncias, a magnitude aparente não mede seu verdadeiro brilho. A magnitude absoluta é a magnitude aparente, m, que um objeto teria se estivesse a uma distância padrão de 10 parsecs da Terra (32,6 anos-luz). Neste caso a nossa estrela teria uma magnitude 5, daí alguns dizerem desconectadamente que o Sol é uma estrela de quinta grandeza. CALENDÁRIO DO GOA Em Sábados alternados das 16h às 21h. Durandte os meses de Fevereiro e Março, entre em contato para conferir nossa programação. Com a chegada das férias e do verão, faremos alguns eventos para aproximar as pessoas da Natureza e, principalmente, da Astronomia, que é o objetivo principal do GOA. No dia 16 de janeiro, faremos nosso segundo atendimento no Parque, chamado Noite Astronômica. Serão mostrado vídeos astronômicos no centro de visitantes do Parque e, a partir do pôr-do-sol, observaremos o céu noturno através de telescópios. Essa atividade será realizada a cada duas semanas, de acordo com as possibilidades do tempo, é claro. Dia 30 de janeiro, durante a 3ª Noite Astronômica, o grande astro da noite será Marte, também conhecido como planeta vermelho, que aparecerá no céu, logo após o pôr-do-sol, proporcionando, junto com a nebulosa de Orion, uma bela observação. Como chegar? Seguindo pela rodovia que vai de Fundão para Santa Teresa, entrar no km 6, à direita, quando avista-se a silhueta ilustrada do mapa abaixo. A partir daí seguir as placas do Parque Goiapaba-açu, por mais 7,5 km de estrada vicinal. Te l e s c ó p i o n os B a i rro s O projeto Telescópio nos Bairros continua. Naturalmente durante o período de férias escolares a procura é menor, mas nada impede de marcar sua visita. Neste projeto levamos uma palestra temática de Astronomia e telescópios na sua escola ou bairro. Para agendar ligue Quem ainda não sabe os procedimentos, entre no sítio do goa e confire: A s t ro c i n e O Astrocine, um dos projetos promovidos pelo GOA, tem o intuito de divulgar a Astronomia com vídeos, palestras e debates. Para o ano de 2010, pretendemos mantê-lo nas quartas-feiras, às 19h. O melhor é que os participantes podem dar suas opiniões e também estão livres para indicar novos debates e filmes, aumentando a troca de conhecimento entre os bolsistas do GOA e os demais interessados em Astronomia. Seminário Em Maio de 2010 realizaremos na UFES um Seminário direcionado a professores, divulgadores e entusiastas da Astronomia. Teremos cursos, palestras e oficinas. Informações e inscrições na página do GOA. 6

6 Foto: Hubble, ESA & NASA C É U D A E S TA Ç Ã O Horár ios das fases da Lua de acordo com o horár io of icial de Brasília e a d a pt a d o s p a r a o f i m d o h o r á r i o d e ve r ã o. Efemérides Astronômicas Imagem composta da Grande Nebulosa de Órion. Agora o Observativo passa a ter 8 páginas e a ser por estação do ano, ou seja, trimestral e a grande nebulosa de Órion é o astro do Verão. No dia 2 de Janeiro teremos o periélio (máxima aproximação ao Sol) da Terra. Um dia depois temos o máximo da chuva Quadrantídeas, que será prejudicado pela Lua Cheia. Para quem tiver a oportunidade de encontrar um bom local para observação e com a Lua em uma posição menos desfavorável, poderá ver até 40 meteoros por hora. Teremos dia 15 de Janeiro, mesmo dia da Lua Nova, um eclipse solar anular, o maior desse milênio. Será visível na maior parte do Leste da África e Ásia. Em 29 de Janeiro o planeta vermelho, Marte, estará em oposição. Isso significa que neste dia estará mais próximo da Terra (99,3 milhões de km) em seu brilho máximo. Este é o melhor momento para ver e fotografar o planeta vermelho. No dia 20 de Março teremos o equinócio. Neste dia, cujo dia e a noite tem a mesma duração, começa o outono (Hemisfério Sul) e a primavera (no Hemisfério Norte). Saturno, o planeta dos anéis, estará em oposição no dia 22 de março. Neste dia estará visível a partir das 21h. Este é o melhor momento para ver e fotografar o planeta. Nesse ano, porém, seus anéis estarão quase de perfil, dificultando sua observação. Boas observações e céu limpo para todos. 4

7 s. re pe da liv ca r a a s ks ge am In e a rt o g r P Ca p r G I M o s m, m iu co llar e St a v p v t i p e r a j s to l a n e r l i n A rc etó da o me ha co or ri Te da lh ns re a a rr e a é te d u p a a c l í o la ra re ou pt çõ n n t ica e s te te a m zo o a qu bé di no e m ac p o a i el S o s. as l C A RTA C E L E S T E o sã e de s t m ei s oe ve sív u d Nu v i ã o l - S e ), i ç Su d M lu s. an N o e ao Gr e G a P ad d id as a M c c h e PN g e s an na ( lon da m e es e a 2 qu lhã nt os e n As a P g a m e m i a o u M s L Como usar a Carta Celeste Para boa parte do Brasil, esta carta representa a posição aproximada dos astros no céu nas seguintes datas: Início de Janeiro 00h00min Janeiro para Fevereiro 22h00min Fevereiro para Março 20h00min Final de Março 18h00min Para entender a carta, posicione-a sobre a cabeça e observe de baixo para cima, lendo as instruções no contorno. A linha azul (o Equador Celeste) representa o limite entre o Hemisferio Celeste Sul e o Hemisfério Celeste Norte, é a projeção da Linha do Equador terrestre no céu. Os nomes dos Astros estão com inicial maiúscula e os das CONSTELAÇÕES em caixa alta. As principais estrelas das contelações ocidentais visíveis nesta carta estão unidas por linhas. A "grande mancha azul" é a Via Láctea, a nossa galáxia, que infelizmente não conseguimos visualizar das cidades devido à poluição luminosa. 5

8 CRUZADAS ASTRONÔMICAS Horizontais: 7-Agência Espacial Européia (em inglês); 8-Cidade em que se localiza o GOA; 9-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais; 10-Planeta Vermelho; 12-Sistema que os líderes mundiais querem salvar durante o COP15; 14-Maior chuva de meteoros do mês de Dezembro, fotografada pelo GOA; 15-Sonda que colidiu com a Lua confirmando a presença de água em sua superfície; 16-Região mais escura e fria do Sol; 17-Nome das atividades públicas no GOA; Encontre as palavras nos textos deste Observativo e confira a resposta no sítio do GOA Verticais: 1-Estrutura geológica que, quando próxima aos pólos da Lua, possibilita a ocorrência de baixíssimas temperaturas; 2-A fórmula de magnitude de Pogson matematicamente é do tipo "..." ; 3-Boletim de divulgação da NASA com o qual o GOA contribuiu com uma foto; 4-Partícula que se espera detectar no LHC; 5-Chuva de meteoros cuja visualização foi prejudicada pela Lua Cheia no início de 2010; Há 13,8 bilhões de anos, segundos antes da criação do nosso Universo... 6-Ondas no Sol que chegam a ter 100 mil km de altura; 11-Escala que mede o brilho dos objetos celestes; 13-Nome dado à máxima aproximação entre a Terra e o Sol. Tudo certo. Vamos ligar o Grande Colisor de Hádrons e ver o que acontece! E rr a t a s! No Observativo Nº 4 apareceram os seguintes erros: Na carta celeste a galaxia M31 saiu duplicada, a certa é a que está na constelação de Andrômeda. O texto 1 Ano de GOA foi cortado nas versões impressas em papel reciclado. É possivel ler o texto na integra na versão em papel branco ou no site Re c e b a o Observativo! Cadastrese e receba em casa o Observativo: EXPEDIENTE Parceria Apoio Realização Equipe GOA: Bolsistas: Conrado Adverci, Karina Costa, Lívia Melina, Mário De Prá, Nikolai B. S. Neves, Rodrigo Hulle e Coordenação: Marcio Malacarne Colaboradores: Maikon B. de Araujo, Filipe Mecenas e Darlan Machado. Textos, projeto gráfico e diagramação: Equipe GOA e Colaboradores. Revisão: Sandro Ricardo de Sousa e Flávio Gimenes Alvarenga. Contato: (+55 27) Av. F. Ferrari, 514, Cep , Vitória ES. Este impresso foi criado usando ecofontes e programas livres: Ubuntu, Gimp, Stellarium, Scribus, Inkscape, OpenOffice, etc. Tiragem: 3000 cópias.

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA 1. A astronomia estuda tudo que está fora da Terra, como por exemplo, os planetas, as estrelas, os cometas, as galáxias, as constelações, os movimentos destes corpos, etc. Para observar estes corpos basta

Leia mais

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL Questão 1 a) (VALOR: 0,2 pts) Quais os planetas do Sistema Solar que têm sistema de anéis? R: Saturno, Júpiter,

Leia mais

EFEMÉRIDES DO MÊS DE AGOSTO DE 2014

EFEMÉRIDES DO MÊS DE AGOSTO DE 2014 EFEMÉRIDES DO MÊS DE AGOSTO DE 2014 POSIÇÃO GEOGRÁFICA: LATITUDE: -8.1º LONGITUDE: -34.9º LATITUDE: 8º 0 48.1 Sul LONGITUDE: 34º 51 3.4 Oeste CALENDÁRIO DO CÉU COM OS HORÁRIOS DE VISIBILIDADE DOS OBJETOS

Leia mais

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar

XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar XI OLIMPÍADA REGIONAL DE CIÊNCIAS-2009 O Sistema Solar Gabarito Primeira Fase Cruzadinha 3 6 1 V Ê N U S E 2 L U A 8 1 S N M 3 E S P E C T R O S C O P I A Q 2 R R U T E 4 É I 4 E C L Í P T I C A 7 N R

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES O que é a Astronomia? É a ciência que estuda o universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução. Histórico É a ciência mais antiga. Os registros

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 26/03/2011 Nota: Professora: Élida Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

15 O sistema solar e seus planetas

15 O sistema solar e seus planetas A U A UL LA Atenção O sistema solar e seus planetas Leia com atenção as notícias abaixo, que apareceram em jornais de diferentes épocas. ANO DE 1781 CIENTISTAS DESCOBREM NOVO PLANETA De há quase 2.000

Leia mais

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno,

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno, Tema: Sistema Solar Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a constituição do Sistema Solar, os movimentos dos astros, os fenômenos celestes e sua relação com o planeta Terra.

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Programa Institucional de Iniciação à docência (PIBID) Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor

Leia mais

EFEMÉRIDES DO MÊS DE OUTUBRO DE 2014

EFEMÉRIDES DO MÊS DE OUTUBRO DE 2014 EFEMÉRIDES DO MÊS DE OUTUBRO DE 2014 POSIÇÃO GEOGRÁFICA: LATITUDE: -8.1º LONGITUDE: -34.9º LATITUDE: 8º 0 48.1 Sul LONGITUDE: 34º 51 3.4 Oeste CALENDÁRIO DO CÉU COM OS HORÁRIOS DE VISIBILIDADE DOS OBJETOS

Leia mais

4ºano Turma Mista. Autora: Beatriz Rodrigues

4ºano Turma Mista. Autora: Beatriz Rodrigues 4ºano Turma Mista O ESPAÇO Autora: Beatriz Rodrigues O que é e como é o Espaço? Os seres humanos chamam Espaço a tudo o que está fora da superfície e atmosfera terrestre. A maioria dos peritos acredita

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA FASES DA LUA O ASPECTO DA LUA SE MODIFICA DIARIAMENTE. Mas isso se deve tão somente a posição relativa da Lua, Terra e Sol. A cada dia o Sol ilumina a Lua sob um ângulo diferente, à medida que ela se desloca

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

Sistema Solar. Sistema de Ensino CNEC. 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome:

Sistema Solar. Sistema de Ensino CNEC. 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Atividades de Ciências Nome: Sistema Solar 1 o Mercúrio 5 o Júpiter 2 o Vênus 6 o Saturno 3 o Terra 7 o Urano 4 o Marte 8 o Netuno Com certeza você já deve ter ouvido

Leia mais

UNIDADE 2: ASTRONOMIA

UNIDADE 2: ASTRONOMIA UNIDADE 2: ASTRONOMIA ARISTÓTELES (384-322 a.c.) Afirmou que a Terra era redonda devido à sombra esférica deixada por ela durante o eclipse lunar. ERATÓSTENES (273-194 a.c.) Mediu a circunferência da Terra

Leia mais

ASTROFOTOGRAFIA Concurso Nacional de Astrofotografias Apostila volume I

ASTROFOTOGRAFIA Concurso Nacional de Astrofotografias Apostila volume I ASTROFOTOGRAFIA Concurso Nacional de Astrofotografias Apostila volume I O princípio da astrofotografia O mundo da astrofotografia é muito divulgado e você provavelmente já fez parte dele. Se você já registrou

Leia mais

História... Esta Teoria permaneceu Oficial durante 13 Séculos!!

História... Esta Teoria permaneceu Oficial durante 13 Séculos!! Astronomia História... O modelo grego para explicar o movimento dos corpos celestes foi estabelecido no século IV a.c. Neste modelo a Terra estava no centro do universo e os outros planetas, Sol e Lua

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ Prova elaborada

Leia mais

CALENDÁRIO DO CÉU PARA O MÊS DE JUNHO DE 2014

CALENDÁRIO DO CÉU PARA O MÊS DE JUNHO DE 2014 CALENDÁRIO DO CÉU PARA O MÊS DE JUNHO DE 2014 POSIÇÃO GEOGRÁFICA: LATITUDE: -8.1º LONGITUDE: -34.9º LATITUDE: 8º 0 48.1 Sul LONGITUDE: 34º 51 3.4 Oeste CALENDÁRIO DO CÉU COM OS HORÁRIOS DE VISIBILIDADE

Leia mais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais Introdução à Astronomia Leis de Newton e Forças Gravitacionais Rogério Riffel Leis de Newton http://www.astro.ufrgs.br/bib/newton.htm Newton era adepto das ideias de Galileo. Galileo: Um corpo que se move,

Leia mais

Massa... 6 x 10 27 grm Gases principais... N2 (77%), O2 (21%) CO2 (95%), N2 (2.7%)

Massa... 6 x 10 27 grm Gases principais... N2 (77%), O2 (21%) CO2 (95%), N2 (2.7%) Período de translação... 365 dias (um ano) Período de rotação... 23 h 56 m 04 s (um dia) Massa... 6 x 10 27 grm Gases principais... N2 (77%), O2 (21%) 1.88 anos = 687 dias terrestres 24 h 37 m 22.6 s.

Leia mais

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL

EXOPLANETAS EIXO PRINCIPAL EXOPLANETAS Antes mesmo de eles serem detectados, poucos astrônomos duvidavam da existência de outros sistemas planetários além do Solar. Mas como detectar planetas fora do Sistema Solar? Às suas grandes

Leia mais

PAUTA DO DIA. Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação

PAUTA DO DIA. Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação PAUTA DO DIA Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação REVISÃO 1 Astronomia Ciência que estuda os astros e os fenômenos relacionados a eles. REVISÃO 1 Relaciona os fenômenos celestes aos fatos

Leia mais

Cap. 2: A evolução dos instrumentos astronômicos. Equipe de Ciências 8º Ano do Ensino Fundamental

Cap. 2: A evolução dos instrumentos astronômicos. Equipe de Ciências 8º Ano do Ensino Fundamental Cap. 2: A evolução dos instrumentos astronômicos Equipe de Ciências 8º Ano do Ensino Fundamental Instrumentos astronômicos antigos Relógio de Sol Instrumentos astronômicos antigos Relógio hidráulico Instrumentos

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira)

OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) OBA Conteúdos das Avaliações Data: 15/5/2015 (6ª feira) Constituição da Avaliação 5 perguntas de Astronomia; 3 perguntas de Astronáutica; 2 perguntas sobre Energia. Perguntas Práticas e/ou Observacionais

Leia mais

Novas Descobertas sobre o Sistema Solar

Novas Descobertas sobre o Sistema Solar FIS 2009 Explorando o Universo: dos Quarks aos Quasares Novas Descobertas sobre o Sistema Solar Jorge Ricardo Ducati Departamento de Astronomia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Planeta Terra:

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades Nesta página eu apenas traduzi podendo ter introduzido, retirado ou não alguns tópicos, inclusive nas simulações. A página original, que considero muito boa é: Autor: (C) Ángel Franco García O Sistema

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1) Número de

Leia mais

Astrofotografia com camera fixa

Astrofotografia com camera fixa Astrofotografia com camera fixa José Carlos Diniz - dinizfam@uninet.com.br Ao escrever sobre este tema pretendemos estimular o uso da astrofotografia, desmistificando e apresentando de forma simples e

Leia mais

A Terra em Realidade Aumentada

A Terra em Realidade Aumentada A Terra em Realidade Aumentada www.constellatius.com Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório A Terra em Realidade Aumentada Edmilson Souza Barreto Simone de Oliveira Tenório Livro com aplicação

Leia mais

Estudo para OBA Olimpíada Brasileira de Astronomia. Nível 1. 2º ano Água

Estudo para OBA Olimpíada Brasileira de Astronomia. Nível 1. 2º ano Água Estudo para OBA Olimpíada Brasileira de Astronomia Nível 1 2º ano Água Estrelas Cadentes Ana Beatriz e Giovanna 2º ano Água As Estrelas Cadentes na verdade são rochas. Estrelas cadentes não passam de um

Leia mais

Mecânica do Sistema Solar

Mecânica do Sistema Solar Mecânica do Sistema Solar IFSP Vicente Barros Mais informações em Click to edit Masterhttp://astro.if.ufrgs.br/index.htm subtitle style Curiosidades - Posição da ISS http://spotthestation.nasa.gov/ Nosso

Leia mais

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF

O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo. Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar, a Galáxia e o Universo Prof Miriani G. Pastoriza Dep de Astronomia, IF O Sistema Solar Matéria do Sis. Solar (%) Sol 99.85 Planetas 0.135 Cometas:0.01 Satélites Meteoróides Meio Interplanetario

Leia mais

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA Apresentado por Thays Barreto Março de 2014 TERRA TERRA Terceiro planeta do Sistema Solar, pela ordem de afastamento do Sol; Diâmetro equatorial: 12.756 Km; Diâmetro polar:

Leia mais

Ano/Semestre de Estudo. Componente Curricular: Duração da Aula: Modalidade de Ensino:

Ano/Semestre de Estudo. Componente Curricular: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: Org.: Claudio André - 1 TÍTULO: OBSERVANDO O CÉU Nível de Ensino: Ano/Semestre de Estudo Componente Curricular: Tema: Duração da Aula: Modalidade de Ensino: Ensino Fundamental / Séries Iniciais 3º Ano

Leia mais

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 O QUE VEMOS NO CÉU? Levantamento inicial. Delimitando o céu para o estudo da Astronomia

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 O QUE VEMOS NO CÉU? Levantamento inicial. Delimitando o céu para o estudo da Astronomia SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 O QUE VEMOS NO CÉU? Levantamento inicial Páginas 3-4 1. Esperam-se respostas como: Lua, estrelas, nuvens, Sol, pássaros, aviões, satélites etc. 2. Resposta pessoal. Caso os alunos

Leia mais

O Ensino da Astronomia

O Ensino da Astronomia O Ensino da Astronomia Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) indicam o estudo da Astronomia no 3o e 4o ciclos do Ensino Fundamental, na área de Ciências Naturais, no eixo temático "Terra e Universo"

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

Sistema Sol-Terra-Lua

Sistema Sol-Terra-Lua Sistema Sol-Terra-Lua Parte 1 As estações do ano Parte 2 As fases da Lua Parte 3 Eclipses Parte 4 - Marés 1 Parte 1 As estações do ano A latitudes medianas (como a nossa) há variações significativas de

Leia mais

Boa tarde a todos!! Sejam bem vindos a aula de Física!! Professor Luiz Fernando

Boa tarde a todos!! Sejam bem vindos a aula de Física!! Professor Luiz Fernando Boa tarde a todos!! Sejam bem vindos a aula de Física!! Professor Luiz Fernando Minha História Nome: Luiz Fernando Casado 24 anos Naturalidade: São José dos Campos Professor de Física e Matemática Formação:

Leia mais

EFEMÉRIDES DO MÊS DE ABRIL DE 2014

EFEMÉRIDES DO MÊS DE ABRIL DE 2014 EFEMÉRIDES DO MÊS DE ABRIL DE 2014 POSIÇÃO GEOGRÁFICA: LATITUDE: -8.1º LONGITUDE: -34.9º LATITUDE: 8º 0 48.1 Sul LONGITUDE: 34º 51 3.4 Oeste CALENDÁRIO DO CÉU COM OS HORÁRIOS DE VISIBILIDADE DOS OBJETOS

Leia mais

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 Nota de Astronomia: Nota de Astronáutica: Nota Final: Observação: A Nota Final é a soma das notas de Astronomia

Leia mais

Ciências da Natureza VOLUME 1 UNIDADE 1 E 2

Ciências da Natureza VOLUME 1 UNIDADE 1 E 2 EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ENSINO FUNDAMENTAL Ciências da Natureza VOLUME 1 UNIDADE 1 E 2 CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS 2015 1 SUMÁRIO Unidade 1 Origem do Universo... 03 Unidade

Leia mais

O Sistema Solar 11/12/2014. Unidade 2 O SISTEMA SOLAR. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar

O Sistema Solar 11/12/2014. Unidade 2 O SISTEMA SOLAR. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 2 O SISTEMA SOLAR O Sistema Solar 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar 2 1 Competências a desenvolver: Caracterização do

Leia mais

Sistema Solar: Planetas Externos. Emerson Penedo emersonpenedo42@gmail.com

Sistema Solar: Planetas Externos. Emerson Penedo emersonpenedo42@gmail.com Sistema Solar: Planetas Externos Emerson Penedo emersonpenedo42@gmail.com Planetas externos, planetas Jovianos ou ainda gigantes gasosos, são os planetas do Sistema Solar com órbitas mais externas que

Leia mais

Como as estrelas se formam?

Como as estrelas se formam? EAD - Astrofísica Geral 2013 Home Informações Gerais Cronograma do Curso Contato Inscrições Como as estrelas se formam? Nada no Universo existe para sempre, talvez nem mesmo o próprio Universo. Todas as

Leia mais

EVIDENCIANDO AS ÓRBITAS DAS LUAS GALILEANAS ATRAVÉS DA ASTROFOTOGRAFIA

EVIDENCIANDO AS ÓRBITAS DAS LUAS GALILEANAS ATRAVÉS DA ASTROFOTOGRAFIA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia São Paulo Campus Itapetininga EVIDENCIANDO AS ÓRBITAS DAS LUAS GALILEANAS ATRAVÉS DA ASTROFOTOGRAFIA Informações E astrofotografias Rodrigo Felipe Raffa

Leia mais

Universidade da Madeira. Sistema Solar. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 7 de dezembro de 2015. Image Credit: NASA/CXC/SAO

Universidade da Madeira. Sistema Solar. Grupo de Astronomia. Laurindo Sobrinho. 7 de dezembro de 2015. Image Credit: NASA/CXC/SAO Sistema Solar Laurindo Sobrinho 7 de dezembro de 2015 Image Credit: NASA/CXC/SAO 1 Planetas principais do Sistema Solar (são 8): Planetas rochosos (planetas interiores): Mercúrio Vénus Terra Marte Planetas

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS. Roteiro 1. Roteiro 2

DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS. Roteiro 1. Roteiro 2 DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS Roteiro 1 Indicação de faixa etária: para todos os públicos Sessão de Planetário: Pode ser escolhida qualquer uma das sessões disponíveis em nossa programação. Exposição: Será realizada

Leia mais

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar

A Terra um Planeta muito Especial: Formação do Sistema Solar A Lua (do latim Luna) é o único satélite natural da Terra, situando-se a uma distância de cerca de 384.405 km do nosso planeta. O feixe de luz, representado pela linha amarela, mostra o período que a luz

Leia mais

www.google.com.br/search?q=gabarito

www.google.com.br/search?q=gabarito COLEGIO MÓDULO ALUNO (A) série 6 ano PROFESSOR GABARITO DA REVISÃO DE GEOGRAFIA www.google.com.br/search?q=gabarito QUESTÃO 01. a) Espaço Geográfico RESPOSTA: representa aquele espaço construído ou produzido

Leia mais

Galileu e as primeiras descobertas com um telescópio. Guião para Stellarium

Galileu e as primeiras descobertas com um telescópio. Guião para Stellarium Galileu e as primeiras descobertas com um telescópio Guião para Stellarium Carlos Brás 14-11-2011 Galileu e as primeiras descobertas com um telescópio Esta é uma actividade com recurso ao Stellarium. Deve

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR POR QUE COISAS E PESSOAS TÊM PESO?

GUIA DO PROFESSOR POR QUE COISAS E PESSOAS TÊM PESO? GUIA DO PROFESSOR POR QUE COISAS E PESSOAS TÊM PESO? Introdução Caro Professor, acreditando no princípio de que qualquer atividade proposta pelo professor deveria, antes de tudo, ter como meta incentivar

Leia mais

Apostila de Atividades

Apostila de Atividades Apostila de Atividades IMAX A viagem pelo espaço continua aqui Transforme a sua sala de aula em uma divertida aventura pelo espaço. Assim que sua classe viver a experiência sem limites pelo universo com

Leia mais

UNIDADE 2 MOVIMENTOS NO SISTEMA SOLAR Texto 1 Notas de aula (M. F. Barroso)

UNIDADE 2 MOVIMENTOS NO SISTEMA SOLAR Texto 1 Notas de aula (M. F. Barroso) UNIDADE MOVIMENTOS NO SISTEMA SOLAR Texto 1 Notas de aula (M. F. Barroso) O Sistema Solar A observação do mundo ao nosso redor constitui uma das atividades mais antigas da humanidade. Os movimentos do

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL CRISTO REI GUARAPUAVA 2012

ESCOLA ESTADUAL CRISTO REI GUARAPUAVA 2012 ESCOLA ESTADUAL CRISTO REI GUARAPUAVA 2012 Olimpíadas Brasileira de Astronomia OBA Palestrante: Lohane Tech A CORRIDA ESPACIAL E A GUERRA FRIA EUA X URSS No ano de 1957, a URSS lança o foguete Sputnik

Leia mais

Antes é preciso explicar o que é um Meteoro?

Antes é preciso explicar o que é um Meteoro? 1 Você sabe o que é uma Chuva de Meteoros? Antes é preciso explicar o que é um Meteoro? É um pequeno corpo celeste que entra na atmosfera da Terra e queima completamente, ou não. Essa queima (combustão)

Leia mais

Para explicar o equilíbrio existente nesse conjunto organizado de astros a Astrofísica propôs:

Para explicar o equilíbrio existente nesse conjunto organizado de astros a Astrofísica propôs: O SISTEMA SOLAR Para entendermos o mecanismo do "SISTEMA TERRA" temos que ter noções básicas de um contexto mais amplo: o espaço cósmico, onde se processam, entre outros milhares, o "SISTEMA SOLAR". UNIVERSO

Leia mais

Planetas do Sistema Solar

Planetas do Sistema Solar Planetas do Sistema Solar Paulo Roberto - http://laboratoriodopaulo.blogspot.com A astronomia é uma experiência de humildade e formação de caráter. [Carl Sagan em O pálido ponto azul.] Planetas Internos

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Curso de Formação continuada em Astronomia Para professores de Educação Básica Prof. Dr. Tibério Borges Vale Projeto de Extensão O uso da Astronomia como elemento didático

Leia mais

Estações do Ano e Fases da Lua

Estações do Ano e Fases da Lua ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Estações do Ano e Fases da Lua Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Movimentos da Terra Quais são os movimentos da Terra? 1. Rotação 2. Revolução 3. Precessão

Leia mais

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Corpo de Criação e Desenvolvimento. Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2012

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Corpo de Criação e Desenvolvimento. Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2012 Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Corpo de Criação e Desenvolvimento Processo de Seleção para Olimpíadas Internacionais de 2012 Primeira Prova Nesta prova há 32 questões de diferentes níveis

Leia mais

LATITUDE, LONGITUDE E GPS

LATITUDE, LONGITUDE E GPS LATITUDE, LONGITUDE E GPS Anselmo Lazaro Branco* ENTENDA O QUE É LATITUDE, LONGITUDE, E COMO FUNCIONA UM APARELHO DE GPS. GPS O GPS é um aparelho digital de localização, que determinada a posição exata

Leia mais

SUMÁRIO VOLUME 1 CIÊNCIAS

SUMÁRIO VOLUME 1 CIÊNCIAS SUMÁRIO VOLUME 1 "Dentro de você existe um universo em permanente construção" Paulo Roberto Gaefte Capítulo 1 Astronomia 05 (Eclipses lunar e solar; Constelações; Relógio estelar; Relógio solar; Asteroides,

Leia mais

Maqueta do Sistema Solar

Maqueta do Sistema Solar Projecto Com a Cabeça na Lua OASA - Observatório Astronómico de Santana Açores Maqueta do Sistema Solar Fundamentos teóricos Já vimos que o Universo se encontra povoado por milhões de galáxias, estando

Leia mais

Uma vez que todos já conseguiram identificar no céu as constelações que estudamos até aqui, vamos viajar pelo nosso Sistema Solar.

Uma vez que todos já conseguiram identificar no céu as constelações que estudamos até aqui, vamos viajar pelo nosso Sistema Solar. Olá amiguinhos! Uma vez que todos já conseguiram identificar no céu as constelações que estudamos até aqui, vamos viajar pelo nosso Sistema Solar. Antes mesmo de existir o Sol, nesta mesma região existiam

Leia mais

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua Estudo do Meio Físico e Natural I Movimentos reais e aparentes dos astros J. L. G. Sobrinho Centro de Ciências Exactas e da Engenharia Universidade da Madeira A Lua e a Terra A Lua está a sempre visível

Leia mais

Estudo do grande colisor de hádrons

Estudo do grande colisor de hádrons Estudo do grande colisor de hádrons Felipe BERNARDO MARTINS 1 ; Mayler MARTINS 2 1 Estudante do Curso Técnico em Manutenção Automotiva. Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) campus Bambuí. Rod. Bambuí/Medeiros

Leia mais

1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece.

1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece. Atividade de Estudo - Ciências 5º ano Nome: 1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece. 2- Cite uma semelhança

Leia mais

Mariângela de Oliveira-Abans. MCT/Laboratório Nacional de Astrofísica

Mariângela de Oliveira-Abans. MCT/Laboratório Nacional de Astrofísica Mariângela de Oliveira-Abans MCT/Laboratório Nacional de Astrofísica J unho 2003 Árvores Que Estiveram Lá 31/01/1971: a nave Apollo 14 partiu em direção à Lua Os astronautas Shepard e Mitchell desceram

Leia mais

Considera-se que o Sistema Solar teve origem há cerca de 5 mil milhões de anos.

Considera-se que o Sistema Solar teve origem há cerca de 5 mil milhões de anos. 19 e 20 17/11/2011 Sumário Correção do TPC. Como se formou o Sistema Solar? Constituição do Sistema Solar. Os planetas do Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar. Outros

Leia mais

O Sol. Daniele Benicio dani_daniinperpetuum@hotmail.com

O Sol. Daniele Benicio dani_daniinperpetuum@hotmail.com O Sol Daniele Benicio dani_daniinperpetuum@hotmail.com Aula Anterior: Sistema Solar Terra, Lua e Sol Terra: estrutura, características, estações do ano Lua: estrutura, características, fases Eclipses Relação

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Formando: Igor Daniel Santos Saraiva Covilhã,

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 5 LUA E SUAS FASES. ECLIPSES. Lua. Fases da Lua. Sombra de um Corpo Extenso. Linha dos Nodos. Eclipses do Sol. Eclipses da Lua. Temporada de Eclipses. Saros. Recapitulando a aula anterior: Capítulo

Leia mais

Docente: Prof. Doutor Ricardo Cunha Teixeira Discentes: Carlos Silva Sara Teixeira Vera Pimentel

Docente: Prof. Doutor Ricardo Cunha Teixeira Discentes: Carlos Silva Sara Teixeira Vera Pimentel Docente: Prof. Doutor Ricardo Cunha Teixeira Discentes: Carlos Silva Sara Teixeira Vera Pimentel Sem a Matemática, não poderia haver Astronomia; sem os recursos maravilhosos da Astronomia, seria completamente

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula OS DIAS, AS NOITES E AS ESTAÇÕES DO ANO. Ensino Fundamental/Anos Iniciais. 2º Ano. Ciências. Vida e meio ambiente

TÍTULO: Plano de Aula OS DIAS, AS NOITES E AS ESTAÇÕES DO ANO. Ensino Fundamental/Anos Iniciais. 2º Ano. Ciências. Vida e meio ambiente Org.: Claudio André - 1 Autora: Maria Silva TÍTULO: OS DIAS, AS NOITES E AS ESTAÇÕES DO ANO Nível de Ensino: Ano/Semestre de Estudo Ensino Fundamental/Anos Iniciais 2º Ano Componente Curricular: Ciências

Leia mais

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos

Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos Universidade da Madeira Estudo do Meio Físico-Natural I Astronomia Problemas propostos J. L. G. Sobrinho 1,2 1 Centro de Ciências Exactas e da Engenharia, Universidade da Madeira 2 Grupo de Astronomia

Leia mais

I - colocam-se 100 g de água fria no interior do recipiente. Mede-se a temperatura de equilíbrio térmico de 10ºC.

I - colocam-se 100 g de água fria no interior do recipiente. Mede-se a temperatura de equilíbrio térmico de 10ºC. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE CAMPUS UNIVERSITÁRIO BAIRRO MARTELOS JUIZ DE FORA MG CEP 36.036-900 - TELEFAX: (3)10-3755 e-mail: vestibular@ufjf.edu.br PARÂMETROS DE CORREÇÃO VESTIBULAR /FÍSICA

Leia mais

METEOROLOGIA. Disciplina: Ciências Série: 5ª - 4º BIMESTRE Professor: Ivone Fonseca Assunto: Meteorologia e Astronomia

METEOROLOGIA. Disciplina: Ciências Série: 5ª - 4º BIMESTRE Professor: Ivone Fonseca Assunto: Meteorologia e Astronomia METEOROLOGIA Disciplina: Ciências Série: 5ª - 4º BIMESTRE Professor: Ivone Fonseca Assunto: Meteorologia e Astronomia A meteorologia (do grego meteoros, que significa elevado no ar, e logos, que significa

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) GABARITO NÍVEL 1 (Cada questão vale 1 ponto sendo que cada

Leia mais

Olha pro céu! (uma brevissima introdução à astronomia para crianças de todas as idades) Helder da Rocha

Olha pro céu! (uma brevissima introdução à astronomia para crianças de todas as idades) Helder da Rocha Pedra de Sto. Antônio (Fagundes, PB) e constelações de Sagitário e Coroa Austral 20o. Encontro para a Nova Consciência Campina Grande, PB, 2011 Olha pro céu! (uma brevissima introdução à astronomia para

Leia mais

Introdução à Astrofísica. As Leis de Kepler. eclipse.txt. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. As Leis de Kepler. eclipse.txt. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica As Leis de Kepler Rogemar A. Riffel Teoria heliocêntrica A Teoria Heliocêntrica conseguiu dar explicações mais simples e naturais para os fenômenos observados Movimento retrógrado

Leia mais

GABARITO. Questão 2) (1 ponto) (0,2 cada acerto) Escreva CERTO ou ERRADO na frente de cada frase.

GABARITO. Questão 2) (1 ponto) (0,2 cada acerto) Escreva CERTO ou ERRADO na frente de cada frase. XVI OBA GABARITO DA PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 o ao 9 o ano das escolas nas quais o ensino fundamental é de 9 anos ou alunos da 5 a à 8 a série das escolas nas quais o ensino fundamental ainda

Leia mais

* curiosidades: Terra e universo*

* curiosidades: Terra e universo* Museu de Topografia prof. Laureano ibrahim Chaffe Departamento De GeoDésia UFRGS Julho/2009 * curiosidades: Terra e universo* Texto original de: http://www.sabetudo.net/curiosidades_terra_e_universo.htm

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

Exercícios de Física Gravitação Universal

Exercícios de Física Gravitação Universal Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una.

ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una. ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una. Os povos primitivos já utilizavam símbolos representando os corpos celestes

Leia mais

Observações na antiguidade

Observações na antiguidade Júpiter Tunç Tezel (from The World at Night ) Observações na antiguidade Sendo um dos objectos mais brilhantes no céu à noite, Júpiter tem sido observado desde a antiguidade e esteve ligado às crenças

Leia mais

1a) Resposta: O aluno deveria ter pintado a bola maior de amarelo e a média de azul ou indicado a cor.

1a) Resposta: O aluno deveria ter pintado a bola maior de amarelo e a média de azul ou indicado a cor. Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) - Agência Espacial Brasileira (AEB) VIII Olimpíada Brasileira de Astronomia e de Astronáutica- 2005 Gabarito da Prova do nível 1 (para alunos da 1ª à 2ª série) Questão

Leia mais

XI CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA

XI CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA Plutão SAR - SOCIEDADE ASTRONÔMICA DO RECIFE XI CURSO DE INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA INTRODUÇÃO TEÓRICA E OBSERVACIONAL R 1 Introdução Este curso destina-se a todas as pessoas interessadas por observações

Leia mais

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 2 GABARITO OFICIAL

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 2 GABARITO OFICIAL I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 2 GABARITO OFICIAL Questão 1 a) (VALOR: 0,2 pts) Quais os planetas do Sistema Solar que têm sistema de anéis? R: Saturno, Júpiter,

Leia mais

Atividade: Uma Viagem pelo Céu Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP)

Atividade: Uma Viagem pelo Céu Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Autores: Laerte Sodré Jr., Raquel Y. Shida, Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Objetivo: Esta atividade, elaborada para o programa "Telescópios na Escola", é indicada para quem nunca observou antes com um telescópio

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA O UNIVERSO E O SISTEMA SOLAR

PROF. RICARDO TEIXEIRA O UNIVERSO E O SISTEMA SOLAR PROF. RICARDO TEIXEIRA O UNIVERSO E O SISTEMA SOLAR Teorias da origem do Universo O Universo É tudo que existe; é o conjunto formado pelos planetas, cometas, estrelas, galáxias, etc. Existem várias teorias

Leia mais