MARCELO NUNES DE OLIVEIRA DIAGNÓSTICO DE UMA FÍSTULA EXTRA-ORAL DECORRENTE DE UM ABSCESSO PERIAPICAL CRÔNICO: RELATO DE UM CASO CLÍNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARCELO NUNES DE OLIVEIRA DIAGNÓSTICO DE UMA FÍSTULA EXTRA-ORAL DECORRENTE DE UM ABSCESSO PERIAPICAL CRÔNICO: RELATO DE UM CASO CLÍNICO"

Transcrição

1 MARCELO NUNES DE OLIVEIRA DIAGNÓSTICO DE UMA FÍSTULA EXTRA-ORAL DECORRENTE DE UM ABSCESSO PERIAPICAL CRÔNICO: RELATO DE UM CASO CLÍNICO Santo André 2013

2 MARCELO NUNES DE OLIVEIRA DIAGNÓSTICO DE UMA FÍSTULA EXTRA-ORAL DECORRENTE DE UM ABSCESSO PERIAPICAL CRÔNICO: RELATO DE UM CASO CLÍNICO Monografia apresentada à Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas Regional Santo André, para obter o título de Especialista. Área de Concentração: Endodontia Orientador: Prof. Dr. Marcelo dos Santos Santo André 2013

3 AUTORIZO A REPRODUÇÃO E DIVULGAÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE TRABALHO, POR QUALQUER MEIO CONVENCIONAL OU ELETRÔNICO, PARA FINS DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE QUE CITADA A FONTE E COMUNICADO AO AUTOR A REFERÊNCIA DA CITAÇÃO. Santo André, / / Assinatura do Autor: do autor:

4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a Deus, aos meus pais, meus irmãos e à minha noiva Biane Iuliano, com amor, admiração e gratidão por sua compreensão, carinho, presença e incansável apoio ao longo do período de elaboração deste trabalho. Aos Professores da Disciplina de Endodontia da Associação Paulista de Cirurgióes- Dentistas Regional Santo André, pela amizade e convivência científica compartilhada. Aos colegas do Curso de Pós-Graduação em Endodontia, pela amizade e companheirismo.

5 AGRADECIMENTOS Ao Prof. Dr. Marcelo dos Santos, à Prof. Dra. Patrícia Ferrari e aos demais professores do curso de especialização em endodontia da APCD Regional Santo André pelas orientações e incentivo durante o período deste trabalho. Ao Dr. Felipe Beraldo de Oliveira pelo conhecimento compartilhado e pelo acompanhamento deste caso durante o período das aplicações do medicamento Traumeel-Heel.

6 Nunes O. Diagnóstico de uma Fístula extra-oral decorrente de um abscesso periapical crônico: Relato de um caso clínico [Monografia de Especialização]. Santo André: EAP-APCD Santo André; RESUMO O presente trabalho relata a história clínica de uma paciente de 40 anos de idade, que deu entrada ao consultório odontológico queixando-se de uma fístula extra-oral, a qual havia sido diagnosticada e tratada de forma equivocada por outros profissionais da área da saúde. O exame radiográfico mostrou uma área radiolúcida envolvendo as raízes mesiais do dente 37, e através do mapeamento desta fístula usando um cone de guta-percha e radiografia periapical, constatou-se que o trajeto fistuloso era de origem odontogênica. O tratamento proposto foi o endodôntico com trocas de medicação à base de hidróxido de cálcio p.a., o qual se mostrou eficaz durante o período do tratamento endodôntico, associado às aplicações do medicamento Traumeel-Heel, para acelerar a reparação tecidual causada pela fístula. A proservação foi necessária para acompanhar o reparo do tecido danificado decorrente desta patologia. Palavras-chave: Periodontite Apical; Abscesso Periapical: Fístula

7 Nunes O. Diagnosis of an Extraoral Fistula Caused by a Chronic Periapical Abscess: Clinical Report [Monografia de Especialização]. Santo André: EAP-APCD Santo André; ABSTRACT This present study relates a clinical history of a 40 years old patient that presented to the dental, complaining about an extraoral fistula that had been misdiagnosed by another heath professional, A radiographic exam showed a large radiolucense area involving the mesials roots of the 37 tooth. With a traced radiography was constacted the sinus track. The treatment proposed was the endodontic with intracanal medication of calcium hydroxide that turned to be very effective, and they were associated to Traumeel-Heel applications, in order to accelerate the tissue repair. The proservation was required to attend the repair of the damaged tissue due to this pathology. Keywords: Periapical Periodontitis, Periapical abscess; Fistula

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÂO RELATO DO CASO DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 26

9 8 1 INTRODUÇÂO As fístulas extra-orais necessitam de um diagnóstico diferencial, pois devido à sua localização e sintomatologia, sua etiologia não é relacionada inicialmente como sendo de origem dentária. Segundo Barrowman et al. (2007) algumas vezes o órgão dentário afetado pode ter sua aparência normal. O diagnóstico diferencial inclui lesões traumáticas, infecções bacterianas não odontogênicas e fúngicas, neoplasias, presença de corpo estranho, granuloma piogênico, tuberculose cutânea crônica e osteomielite, entre outros (KALASKAR; DAMLE 2006; PASTERNAK et al. 2009). É de extrema importância a comunicação entre Médico e Cirurgião-Dentista, para evitar que o paciente seja submetido a múltiplas biópsias, cirurgias plásticas e antibiótico-terapias, antes que seja formado um correto diagnóstico e o tratamento endodôntico seja realizado (CANTALORE et al. 2002, GUPTA; HASSELGREN 2003, MITTAL; GUPTA 2004, TIDWELL et al. 1997). Uma fístula é uma conexão entre um espaço patológico e uma cavidade de corpo anatômico ou superfície da pele. A mesma pode drenar intermitentemente ou continuamente, e pode ser intra-oral ou extra-oral, freqüentemente são localizadas no queixo ou na região sub-mentoniana, porém, raramente na região nasal (CALISKAN et al. 1995). Devido à drenagem de coleção purulenta, raramente apresentam sintomas dolorosos ou sinais de inchaço (BENDER; SELTZER 1961). Clinicamente pode ser notada a presença de uma lesão papular ou lesão nodular composta, e principalmente haverá presença de um tecido de granulação que identifica o local de drenagem intra e extra-bucal. Quando submetidos à palpação os tecidos que rodeiam a fístula revelam um cordão fibroso unido ao osso alveolar na região onde esta o dente suspeito (TIDWELL et al. 1997). O exame radiográfico apresenta uma área radiolúcida mais definida perifericamente, e o trajeto da fístula poderá ser identificado com o auxílio de um cone de guta-percha (GUIMARÃES 1989). O abscesso periapical crônico pode ser resultante da cronificação de um processo agudo, ou de uma infecção de baixa virulência drenando espontaneamente

10 9 para a cavidade bucal ou para a pele (GUIMARÃES 1989). Segundo CALISKAN et al. (1995), geralmente o abscesso esta associado com a penetração de irritantes vindo do canal radicular para dentro dos tecidos extra-radiculares, resultando na formação de pus. A acumulação de pus nesta área pode encontrar drenagem suficiente através de uma fístula e inflamação crônica. A disseminação deste pode dar-se através de várias vias. Pode propagar-se do osso cortical vestibular, seio maxilar e do tecido mole, estabelecendo assim, uma fístula ou trato de drenagem. Dependendo da localização original do abscesso e da via de menos resistência, a mesma situação pode ocorrer no palato ou até mesmo na pele (KRUGER 1984, REGEZI; SCIUBBA 1991). Existe a concordância entre muitos autores de que após a remoção da causa da infecção, e haver sido efetuado adequadamente o tratamento endodôntico, a fístula deverá cicatrizar sem necessidade de qualquer outro tipo de tratamento. A cicatrização da fistula ocorre por segunda intenção na maioria dos casos, e cirurgias plásticas podem ser necessárias após a completa regeneração dos tecidos (MITTAL; GUPTA 2004). ESTRELA; FIGUEIREDO (2001) indicam para casos de extensas rarefações ósseas que inicialmente o tratamento endodôntico não seja associado às cirurgias paraendodônticas, proservando-se por pelo menos dois anos. O Traumeel S injetável é um medicamento antiinflamatório freqüentemente usado em pacientes com lesões ósseas e musculares, onde estão presentes dor e inflamação (Schneider et al. 2005, BIRNESSER et al. 2004, SMITH et al. 2008, SPEED et al. 2003, CONFORTI 1997). O Traumeel é uma nova classe de medicamento utilizado para o tratamento dos processos inflamatórios. De fato, Traumeel não é um AINE clássico, mas um medicamento regulador da inflamação. Ele atua no processo de inflamação o qual tem como objetivo eliminar a carga tóxica e o dano e restabelecer a saúde mediante a mobilização local das células de defesa, com os medicamentos anti-homotóxicos intervimos modulando estes processos de controle através da estimulação ou inibição da secreção de mediadores por células ativas de defesa.

11 10 Este trabalho tem como objetivo abordar os diferentes métodos de diagnóstico e tratamentos de uma fístula extra-oral decorrente de um abscesso periapical crônico, juntamente com a apresentação de um caso clínico onde será definido o seu correto diagnóstico e tratamento desta fístula extra-oral.

12 11 2 RELATO DO CASO Paciente do sexo feminino, 35 anos de idade, deu entrada ao consultório queixando-se de uma espinha que havia surgido em seu rosto há aproximadamente 1 ano e não cicatrizava mesmo após ter realizado procedimentos estéticos convencionais e curativos locais. A paciente relatou que já havia sido realizado tratamento endodôntico em um dente, sendo o este o segundo molar inferior esquerdo, e coincidentemente a espinha havia aparecido logo após o término deste tratamento, porém, relatou não ter sentido dor em nenhuma fase do tratamento. Durante o exame clínico, na inspeção extra-oral, constatou-se a presença de uma fístula cutânea na região mentoniana que rotineiramente apresentava-se drenando material purulento (Fig. 1a, 1b, e 1c). Figura 1a Aspecto extra-oral durante o pré-operatório.

13 12 Figura 1b. Figura 1c. Aspecto da fistula extra-oral durante o pré-operatório. Na inspeção intra-oral observou-se que o dente 37, apresentava uma extensa destruição coronária e havia ausência do dente 36. Quando submetido ao teste térmico pelo frio com gás refrigerante, o dente 37 não apresentou resposta de vitalidade. Na radiografia periapical é possível observar a presença de uma periodontite apical nas raízes mésio-vesibular e mésio-lingual, e aumento do espaço pericementário na raiz distal (Fig. 2), devido ao insucesso provocado pelo tratamento endodôntico anterior, já que, não foram localizados os canais mesiais e o canal distal foi instrumentado e obturado somente até o terço médio. O diagnóstico clínico e radiográfico foi de um abscesso periapical crônico com fístula.

14 13 Figura 2. Radiografia pericapical inicial O tratamento foi iniciado ao remover o núcleo metálico que estava inserido no canal distal, também foi removido o material obturador presente no canal. Após a localização dos canais mesiais, foi realizada a drenagem da coleção purulenta via fístula e via canal, depois iniciamos a penetração desinfetante e o preparo químicocirúrgico, foi introduzida a medicação intra-canal à base de hidróxido de cálcio p.a. associada à solução anestésica, e selado com uma restauração provisória de IRM. (Fig. 3) Figura 3. Radiografia periapical após limpeza e intrumentação dos canais radiculares.

15 14 Quinze dias após o tratamento, foi realizada a troca da medicação intra-canal onde foi introduzido novamente hidróxido de cálcio p.a. com solução anestésica no interior dos canais radiculares. Nesta etapa do tratamento o quadro clínico da paciente apresentava uma melhora significativa, e o inchaço em volta da fístula havia diminuído consideravelmente. Não havia mais presença de secreção (Fig. 4a e 4b). Figura 4a. Aspecto extra-oral (Após 15 dias) Figura 4b.

16 15 5c). Após 30 dias foi realizada a obturação dos canais radiculares (Fig. 5a, 5b e Figura 5a. Aspecto clínico normal após a cicatrização da fistula. Figura 5b. Pequena cicatriz após o término do tratamento.

17 16 Figura 5c. Três semanas após a obturação dos canais radiculares, a paciente retornou queixando-se de dor no local onde estava a fístula e com a face levemente edemaciada. Foi realizada a punção no ponto de flutuação da fístula e drenagem do material purulento. Um cone de guta percha foi introduzido no local da drenagem para realizar o mapeamento desta fístula, e constatou-se que era proveniente da porção apical das raízes mesiais (Fig. 6a, 6b, 6c, 6d, 6e). Figura 6a. Face levemente edemaciada.

18 17 Figura 6b. Ponto de flutuação presente na fistula. Figura 6c. Drenagem da fistula.

19 18 Figura 6d. Mapeamento da fístula. Figura 6e. Radiografia periapical a fim de realizar o mapeamento da fístula com cone de guta percha. A paciente foi encaminhada a um cirurgião-dentista homotoxicologista para realização de 10 aplicações de Traumeel injetável, no intervalo de dois em dois dias, na região apical das raízes mesiais para promover a aceleração do processo de

20 19 reparação dos tecidos periapicais e cutâneos. Vinte dias após o término das aplicações a fístula apresentava-se completamente cicatrizada e a paciente não relatou nenhuma sintomatologia dolorosa. O controle clínico e radiográfico foi realizado nove meses após a conclusão do tratamento. Podemos observar uma diminuição das rarefações na radiografia periapical e apenas uma pequena cicatriz (Fig. 7a, 7b, 7c, 7d). Figura 7a. Controle realizado nove meses após o término do tratamento. Figura 7b. Controle realizado nove meses após o término do tratamento.

21 20 Figura 6c. Controle realizado nove meses após o término do tratamento. Figura 6d. Controle radiográfico realizado nove meses após o término do tratamento.

22 21 3 DISCUSSÃO A periodontite apical assintomática, descrita como abscesso periapical crônico, é caracterizada pela drenagem lenta e gradual, através de uma fístula, intraoral ou extra-oral, sem sintomatologia dolorosa e radiograficamente com a presença de rarefações ósseas na região periapical. O tratamento endodôntico convencional é indicado para solucionar este problema. (ESTRELA; FIGUEIREDO 2001, GUIMARÃES 1989, INGLE; TAINTOR 1989, KRUGER 1984). A evolução silenciosa desta patologia poderá produzir uma grande destruição óssea, manifestando-se como uma fístula extra-oral e confundindo a paciente quanto à sua correlação com os seus dentes, pondo em risco a perda do órgão dental. Uma vez que a fístula é diagnosticada, o tratamento geralmente é simples e efetivo, o qual consiste no tratamento dos condutos radiculares ou exodontia, dependendo do caso clínico (SHEEHAN et al. 2005, QASI et al. 2009, SLUTZKY et al. 2009). Não é necessário nenhum tratamento cirúrgico da fístula, tampouco administração de antibióticos se o paciente não apresentar febre ou algum patologia sistêmica importante (COHEN; ELIEZRI 1990, MITTAL; GUPTA 2004) De acordo com INGLE; TAINTOR (1989), usualmente o abscesso periapical na fase crônica não causa dor, permitindo por tanto, a evolução da destruição óssea. A paciente, cujo caso clínico é apresentado, não teve um correto diagnóstico inicial e foi submetida a procedimentos estéticos desnecessários e sem sucesso. ESTRELA; FIGUEIREDO (2001) indicam para áreas extensas de rarefação óssea, inicialmente o tratamento endodôntico não cirúrgico, proservando-se por pelo menos dois anos. Como neste caso as rarefações eram extensas, optou-se pela terapêutica clínica sem cirurgia periapical complementar. AZAMBUJA et al. (1998) afirma que a cirurgia paraendodôntica tem indicações bem precisas, ou seja, está indicada para casos em que tratamento

23 22 endodôntico se mostrou ineficiente em resolver problemas do periápice havendo manutenção de sintomatologia clínica (dor e fístula) e da área de rarefação óssea. Com esta afirmação são apresentados dois casos clínico-cirúrgicos em que foram realizadas cirurgias paraendodônticas com objetivo de auxiliar o tratamento endodôntico ou mais precisamente, proporcionar condições para que este pudesse ser finalizado. Isto faz notar que, para abranger a complexidade do sistema de canais radiculares, algumas vezes são necessárias ações multidisciplinares, irmanando, nestes casos, a cirurgia com a endodontia. O primeiro caso ilustra bem a afirmação de KUGA et al. (1992) onde a cirurgia paraendodôntica com obturação simultânea dos canais radiculares é um recurso importante a ser empregado e que tem indicação para casos em que a endodontia convencional apresenta prognóstico duvidoso, destacandose a ocorrência de exsudato persistente. Como contra-indicação ressalta a inacessibilidade cirúrgica ao ápice radicular. EL SWIAH; WALTER (1996) encontraram que a exsudação permanente corresponde a 2% das indicações das cirurgias paraendodônticas. A lesão apical foi curetada e seu diagnóstico histopatológico de cisto radicular confirmou a correta indicação cirúrgica. Como desvantagens KUGA et al. (1992) ressaltam o envolvimento de sangue e tecido ósseo, dificuldade de hemostasia, possiblidade de quebra na cadeia asséptica, acréscimo de etapas e do tempo cirúrgico. Para contrapor, recomendam o emprego de cimentos obturadores com pequeno tempo de presa. Com relação a estas desvantagens, acreditam que, se forem respeitados os tempos operatórios e as condições inerentes a realização de um procedimento cirúrgico, elas serão automaticamente minimizadas. O segundo caso apresentado tratou de impossibilidade de endodontia convencional pela existência de perfuração no terço médio da raiz. A literatura mostra (WEINE; BUSTAMENTE, 1998; KUGA et al,1992; DE DEUS 1992) que há indicação de cirurgia paraendodôntica para casos onde a perfuração ocorre no terço apical e desta forma é eliminada pela ressecção apical. Se, neste caso, fosse seguido este protocolo, a única opção terapêutica seria a exodôntica. Foi proposta uma variação na técnica cirúrgica convencional onde foi feita a obturação parietal com amálgama de prata no terço médios com acesso vestibular e distal. Para que a obturação parietal fosse possível sem ter sido obturado o canal previamente e sem indicação de realização obturação a céu aberto, foi necessária a simulação de

24 23 obturação do canal radicular (apenas cones de guta percha foram colocados dentro do canal, sem cimento e com a única finalidade de impedir a passagem de amálgama para o interior do conduto). Posteriormente estes cones foram removidos para então ter seguimento e finalização da endodontia. AZAMBUJA et al. (1998) apresentam caso onde a cirurgia paraendodôntica do tipo apicetomia foi associada a endodontia do dente 31 para resolver uma persistente fístula extra-oral, na região mentoniana, demonstrando situação em que a cirurgia foi imperativa para manutenção de elemento dentário. Pelo exposto, pode-se considerar que é objetivo geral da cirurgia paraendodôntica, ser alternativa para manutenção de elementos dentários após a endodontia convencional ter esgotado suas possibilidades. Trajetos fístulosos cutâneos na face e no pescoço podem apresentar um problema de diagnóstico, pois eles representam numerosas condições patológicas que vão desde uma periápicopatia comum a um abscesso como a fístula extra-oral e quando diagnosticados corretamente o tratamento endodôntico convencional deverá ser indicado (CHERRICK 1985, BHASKER; BERNIER 1959). Fístulas extra-orais de origem dentária são incomuns SPEAR et al. (1983) Estas podem ser ignoradas se o cirurgião-dentista não estiver ciente da possibilidade de tal foco de infecção. Fístulas extra-orais têm uma incidência mais freqüente em adultos, do que em crianças. Eles estão normalmente presentes na região do mento e bochecha (SPEAR et al. 1983, CIOFFI et al. 1986) e 80% dos casos registrados são associados com os dentes inferiores. Clinicamente a fístula se assemelha a uma pequena úlcera, mas sua aparência varia de acordo com a fase do abscesso periapical. Durante a fase ativa da fístula, o trajeto fístuloso é palpável e promove descargas pus. Soluções de contraste podem ser injetadas no interior do trajeto fístuloso segundo KILLEY et al. (1975) ou mesmo se o trajeto fístuloso permitir, pode-se inserir um cone de guta percha para efetuar o mapeamento da fístula. Uma radiografia periapical irá demonstrar claramente o trajeto e a extensão do trajeto fístuloso afirmam BENDER; SELTZER (1961). Uma vez que o abscesso periapical drenou grande parte de seu conteúdo, ele vai para uma fase de inatividade e a fístula pode eventualmente cicatrizar. Porém quando houver um novo acúmulo de pus na região do abscesso, o trajeto fístuloso

25 24 mais uma vez se tornará ativo e promoverá descargas de pus. Se o dente afetado tiver uma perda de sustentação óssea muito grande, pode optar-se pela remoção do mesmo. O tratamento é dirigido para a eliminação do foco de infecção. O dente afetado também poderá ser removido se estiver muito deteriorado. Na maioria dos casos, a fístula cicatriza espontaneamente, se a polpa infectada é removida, e os canais são corretamente tratados e preenchidos (CIOFFI et al. 1986). Em alguns casos a fístula poderá deixar uma pequena cicatriz. A cirurgia plástica deverá ser indicada somente em casos específicos. O debridamento do trajeto fistuloso é mais uma técnica na tentativa de eliminar o foco de infecção, e conseqüentemente, a fístula. MATORELLI et al. 2009, realizou este procedimento para remover a fístula e seu trajeto fistuloso decorrente de um cisto dentígero e obteve sucesso em seu resultado final, porém, este somente deverá ser realizado em casos extremos onde o percurso da fístula é grande demais e não há recidiva da lesão mesmo ao obter resultados negativos nos procedimentos de apicectomia e extração do órgão dentário. O debridamento irá promover a desinfecção do local através da remoção cirúrgica do foco infeccioso. O Traumeel S injetável é frequentemente usado em pacientes com lesões ósseas e musculares onde estão presentes dor e inflamação (Schneider et al. 2005, BIRNESSER et al. 2004, SMITH et al. 2008, SPEED et al. 2003, CONFORTI 1997). O efeito antiinflamatório é resultado da atividade de seus vários componentes que agem nas diferentes fases da resposta inflamatória. Estes componentes ajudam a reduzir a dor associada à inflamação e promovem uma reação antiinflamatória adequada onde irá acelerar a cicatrização dos tecidos afetados (HEINE; SCHMOLZ 2002, LUSSIGNOLI et al. 1999).

26 25 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS É de suma importância que o diagnóstico de uma fístula extra-oral seja feito corretamente para evitar que o paciente seja submetido a tratamentos inadequados, como cirurgias plásticas e antibiótico-terapias que, além de não solucionar o problema poderão agravar o quadro clínico do paciente. O tratamento endodôntico convencional com curativos à base de hidróxido de cálcio p.a. geralmente é eficaz para este tipo de patologia, mas devido à recidiva desta fístula optou-se por aplicações infiltrativas de Traumeel-Heel que se mostrou eficaz no auxilio da modulação inflamatória para assim acelerar o reparo dos tecidos periapicais e cutâneos sem que haja a necessidade de realizar um novo retratamento ou cirurgia paraendodôntica. O acompanhamento durante os próximos meses é necessário para acompanhar a reparação das periodontites apicais.

27 26 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Azambuja, TWF. Abscesso Crônico Associado à Fístula Extraoral: Revisão da Literatura e Apresentação de Caso Clínico e Cirúrgico. R. Fac. Odontol., Porto Alegre, v. 39, n.1, p. 9-13, jul Barrowman RA, Rahimi M, Evans MD, Chandu A, Parashos 1. P. Cutaneous sinus tracts of dental origin. Med J Aust. 2007; 186(5): Martorelli SBF, Bravo F, Martorelli FO, Medeiros ECP, Marinho EvS, Almeida AS. Dentigerous cyst Associated with Cutaneous Fistula - Case Report. Int J Dent, Recife, 8(4): , out./dez., Bhasker SN, Bernier SL.-Histogenesis of branchial cyst. Report of 468 cases. Am J Pathol 1959; 35: Bender IB & Seltzer S The oral fistula: its diagnosis and treatment. Oral Surg, Oral Med, Oral Path 14: Birnesser H, Oberbaum M, Klein P, Weiser M. The homeopathic preparation traumeel compared with NSAIDs for symptomatic treatment of epicondylitis. J Musculoskel Res. 2004;2/3: Caliskan MK, SEN BH & Ozinel MA Treatment of extraoral sinus tracts from traumatized teeth with apical periodontitis. Endod Traumatol, 11: Cantatore JL, Klein PA & Lieblich LM Cutaneous dental sinus tract, a common misdiagnosis: a case report and review of the literature. Cutis, 70: Cherrick HM.- pits, fistula and draining lesions. In: Wood NK, Goaz PW, eds. Differential Diagnosis of Oral Lesions. 3rd ed. St. Louis: CV Mosby, 1985:184.

28 Cioffi GA, Terezhalmy GT, Parlette HL.- Cutaneous draining sinus tract: An odontogenic etiology. J Am Acad Dermatol 1986;14: Cohen PR, Eliezri YD. Cutaneous odontogenic sinus simu3. lating a basal cell carcinoma: case report and literature review. Plastic Reconstr Surg. 1990; 86(1): Conforti A. Experimental studies on the anti-inflammatory activity of a homeopathic preparation. Biomedical Therapy 1997;15(1): De Deus, Q. D. Endodontia. 5.ed.Rio de Janeiro: Médica e Científica, El-Swiah, J. M.; Walker, R. T. Reasons for Apicetomies. A Retrospective Study. Endodont. Dent. Traumatol., Copenhagen, v.12, p , Estrela CE, Figueiredo JAP. Endodontia princípios biológicos e mecânicos. São Paulo: Artes Médicas; Guimarães J. Periapicopatias: dignóstico diferencial. Rev. da APCD., São Paulo v.43,n.5,p , set/out Gupta R & Hasselgren G Prevalence of Odontogenic Sinus Tracts in Patients Referred for Endodontic Therapy. J Endod, 29: Heine H, Schmolz M. Induction of the immunological bystander reaction by plant extracts. Biomed Ther. 1998;XVI: Inlgle JO, Taintor JF. Endodontia 3 ed. Rio de Janeiro. Editora Guanabara, 1989 p

29 Kalaskar RR & Damle SG Loss of permanent mandibular lateral incisor and canine tooth buds through extraoral sinus: report of a case. J Indian Soc Pedod Prev Dent, Killey HC, Seward GR, Kay LW.- An outline of oral surgery. Part 2, Bristol: John Wright & Sons Ltd, 1975: Kruger, G.O. Cirurgia bucal e maxilo-facial..ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 23. Kuga, M. C. et al. Cirurgia Paraendodôntica com Obturação Simultânea dos Canais Radiculares. R. Assoc. Paul. Cir. Dent., São Paulo, v. 46, n. 4, p , jul/ago, Lussignoli S, Bertani S, Metelmann H, Bellavite P, Conforti A. Effect of Traumeel S, a homeopathic formulation, on blood-induced inflammation in rats. Complement Ther Med. 1999;7: Mittal N & Gupta P Management of Extra oral Sinus Cases: A clinical dilemma. J Endod, 30: Pasternak-Junior B, Teixeira CS, Silva-Sousa YTC & Sousa-Neto MD Diagnosis and treatment of odontogenic cutaneous sinus tracts of endodontic origin: three cases studies. Int Endod J, 42: Qazi SS, Manzoor MA, Qureshi R, Arjumand B, Hussain SM, Afridi Z. Nonsurgical endodontic management of cutaneously draining odontogenic sinus. J ayub Med Coll Abbottabad Apr-Jun;18(2): Regezi J. A.;Sciubba J.J. Patologia bucal: correlações clínico-patológiccas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p.

30 Schneider C, Klein P, Stolt P, Oberbaum M. A homeopathic ointment preparation compared with 1% diclofenac gel for acute symptomatic treatment of tendinopathy. Explore. 2005;1: Sheehan DJ, Potter BJ, Davis LS. Cutaneous draining sinus tract of odontogenic origin:unusual presentation of challenging diagnosis. South Med J Feb;98(2): Slutzky-Goldberg I, Thesis I, Slutzky H & Heling I Quintessense Int, 40: Smith C, Kruger MJ, Smith RM, Myburgh KH. The inflammatory response to skeletal muscle injury: illuminating complexities. Sports Med. 2008;38: Spear KL, Sheridan PJ, Perry HO.- Sinus tracts to the chin and jaw of dental origin. J Am Acad Dermatol 1983;8: Speed CA. Injection therapies for soft-tissue disorders. Clin Rheumatol. 2003;17: Tidwell E, Jenkins JD & Ellis CD et al Cutaneous odontogenic sinus tract to the chin: a case report. Int Endod J, 30: Weine, F S.; Bustamante, M. A.Cirurgia Periapical. In: WEINE, F. S. Tratamento Endodôntico. 5. ed. São Paulo: Santos, Cap. 11, p

Periodontite apical assintomática relato de caso clínico. Assymptomatic apical periodontitis clinical report. Introdução. Revisão da literatura

Periodontite apical assintomática relato de caso clínico. Assymptomatic apical periodontitis clinical report. Introdução. Revisão da literatura Rev Inst Ciênc Saúde 2007; 25(4):463-8 Periodontite apical assintomática relato de caso clínico Assymptomatic apical periodontitis clinical report Abilio Albuquerque Maranhão de Moura* Harry Davidowicz**

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC FERREIRA, Jean Carlos Barbosa.*¹; MARQUES, Aline Silva¹; SILVA, Julio. Almeida² DECURCIO, Daniel Almeida²; ALENCAR, Ana Helena Gonçalves³;

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Disciplina: Patologia Oral Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Parte 2 Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2º Semestre - 2012 ALTERAÇÕES DA POLPA, DO PERIÁPICE E DO PERIODONTO PATOLOGIA

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Curso de Atualização Clínica para CD da Estratégia Saúde da Família. Urgências Pulpares. Fábio de Almeida Gomes Universidade de Fortaleza

Curso de Atualização Clínica para CD da Estratégia Saúde da Família. Urgências Pulpares. Fábio de Almeida Gomes Universidade de Fortaleza Curso de Atualização Clínica para CD da Estratégia Saúde da Família Urgências Pulpares Fábio de Almeida Gomes Universidade de Fortaleza Diagnóstico Anamnese Paciente deve ser motivado a relatar a história

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Tratamento endodôntico em Gato Doméstico (Felis Catus): Relato de caso Jaime Sardá Aramburú Junior 1, Cristiano Gomes 2, Ney Luis Pippi 3, Paulo

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

Código Estruturado. 79 81000138 Diagnóstico anatomopatológico em material de biópsia. 79 81000154 Diagnóstico anatomopatológico em peça cirúrgica na

Código Estruturado. 79 81000138 Diagnóstico anatomopatológico em material de biópsia. 79 81000154 Diagnóstico anatomopatológico em peça cirúrgica na TUSS Odontologia Código Procedimento US Código Estruturado Especialidade US DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO 01.01 CONSULTA ODONTOLÓGICA INICIAL 65 81000065 Consulta odontológica inicial 65 01.05 CONSULTA ODONTOLÓGICA

Leia mais

GRANULOMA PIOGÊNICO: RELATO DE CASO CLÍNICO PYOGENIC GRANULOMA: CASE REPORT

GRANULOMA PIOGÊNICO: RELATO DE CASO CLÍNICO PYOGENIC GRANULOMA: CASE REPORT 12 GRANULOMA PIOGÊNICO: RELATO DE CASO CLÍNICO PYOGENIC GRANULOMA: CASE REPORT RESUMO Sérgio Herrero MORAES 1 Gabriela F. MORAES 2 Júlia DURSKI 3 Flávio Luiz VIERO 4 Débora D. da Silva MEIRA 5 Maria Eugênia

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

Trans-surgical endodontic treatment: an option for special cases

Trans-surgical endodontic treatment: an option for special cases Tratamento endodôntico transcirúrgico: uma opção para casos especiais Trans-surgical endodontic treatment: an option for special cases Recebido em 10/09/2008 Aprovado em 12/12/2008 RESUMO Augusto César

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS DIAGNOSTICO ANATOMOPATOLOGICO EM MATERIAL DE BIOPSIA NA REGIAO BUCO-MAXILO- 81000138 FACIAL

EXAMES LABORATORIAIS DIAGNOSTICO ANATOMOPATOLOGICO EM MATERIAL DE BIOPSIA NA REGIAO BUCO-MAXILO- 81000138 FACIAL UNIODONTO PORTO ALEGRE Modalidade pré-pagamento sem coparticipação, ou seja, o contratante pagará apenas o valor da mensalidade e terá a sua disposição todos os beneficios previstos pela ANS. Atendimento

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

Cobertura do Plano Star

Cobertura do Plano Star Cobertura do Plano Star Diagnóstico Consulta inicial Exame histopatológico Condicionamento em odontologia. Urgência Curativo em caso de hemorragia bucal consiste na aplicação de hemostático e sutura no

Leia mais

Lucie Maura de Carvalho Corrá 1, Ana Flávia de Carvalho Corrá¹, Renata Amadei Nicolau 2, Iris Maria Frois 3

Lucie Maura de Carvalho Corrá 1, Ana Flávia de Carvalho Corrá¹, Renata Amadei Nicolau 2, Iris Maria Frois 3 DRENAGEM ABCESSO PERIAPICAL EXTRA-ORAL (RELATO DE CASO) Lucie Maura de Carvalho Corrá 1, Ana Flávia de Carvalho Corrá¹, Renata Amadei Nicolau 2, Iris Maria Frois 3 ¹ Graduanda do Curso de Odontologia,

Leia mais

AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA 82000050 Amputação radicular sem obturação retrógrada

AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA 82000050 Amputação radicular sem obturação retrógrada 85400017 Ajuste Oclusal por acréscimo AJUSTE OCLUSAL 85400025 Ajuste Oclusal por desgaste seletivo AJUSTE OCLUSAL 82000034 Alveoloplastia ALVEOLOPLASTIA Amputação radicular com obturação retrógrada AMPUTAÇÃO

Leia mais

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Plano Integral... TRATAMENTO AMBULATORIAL/DIAGNÓSTICO Consulta EMERGÊNCIA Colagem de fragmentos (consiste na recolocação de partes de dente que sofreu fratura,

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

TABELA DE REEMBOLSO. PRATA R$ Consulta Inicial: Exame clínico e plano de tratamento. R$ 11,40 Exame histopatológico R$ 50,00

TABELA DE REEMBOLSO. PRATA R$ Consulta Inicial: Exame clínico e plano de tratamento. R$ 11,40 Exame histopatológico R$ 50,00 TABELA DE REEMBOLSO PRATA R$ Consulta Inicial: Exame clínico e plano de tratamento. R$ 11,40 Exame histopatológico R$ 50,00 Urgência / Emergência Curativo em caso de hemorragia bucal R$ 37,80 Curativo

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

Cobertura RN 338 Lei 9656/98:

Cobertura RN 338 Lei 9656/98: Cobertura RN 338 Lei 9656/98: CÓDIGO PROCEDIMENTO Flex 30% GRUPO 87000032 CONDICIONAMENTO EM ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS R$ 7,62 CONSULTAS 81000030 CONSULTA ODONTOLÓGICA R$ 10,58

Leia mais

TABELA INTEGRAL DE PROCEDIMENTOS Plano Master

TABELA INTEGRAL DE PROCEDIMENTOS Plano Master TABELA INTEGRAL DE PROCEDIMENTOS Plano Master (ANEXO A - ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS EXIGIDOS PELA ANS)- Tabela Cliente CH = Coeficiente de Honorário Odontológico Valor do CH = R$ USO = Unidade

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil 1 DIAGNÓSTICO 1.1 Consulta Clínico 1.2 Consulta Especialista 1.3 Condicionamento em Odontologia para crianças

Leia mais

Manual do Cliente. Ao aderir o plano da OdontoGroup, você recebe o cartão de acesso para a sua identificação perante nossa rede credenciada.

Manual do Cliente. Ao aderir o plano da OdontoGroup, você recebe o cartão de acesso para a sua identificação perante nossa rede credenciada. Manual do Cliente IDENTIFICAÇÃO ODONTOGROUP Ao aderir o plano da OdontoGroup, você recebe o cartão de acesso para a sua identificação perante nossa rede credenciada. No seu cartão de acesso personalizado,

Leia mais

210 RX Periapical R$ 7,00 220 RX Bite-Wing (Interproximal) R$ 7,00 310 RX Oclusal R$ 14,00 300-490 - 3 URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS ODONTOLÓGICAS

210 RX Periapical R$ 7,00 220 RX Bite-Wing (Interproximal) R$ 7,00 310 RX Oclusal R$ 14,00 300-490 - 3 URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS ODONTOLÓGICAS 1 - DIAGNÓSTICO 100-490 110 Consulta Inicial (Exame Clínico e Orçamento) (VALID. 6 meses) R$ 45,00 120 Urgência odontológica R$ 45,00 130 Exame histopatológico*** (somente clínicas especializadas) ***

Leia mais

CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS REGIONAL CEO/ CISA

CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS REGIONAL CEO/ CISA CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS REGIONAL CEO/ CISA Versão I 2013 PROTOCOLO INTEGRADO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS CEO CISA/IJUI 1. ENDODONTIA 2. PERIODONTIA 3. CIRURGIA ORAL MENOR 4. PACIENTES

Leia mais

Incisão e Drenagem extra-oral de abscesso, hematoma e/ou flegmão da região buco-maxilo-facial

Incisão e Drenagem extra-oral de abscesso, hematoma e/ou flegmão da região buco-maxilo-facial CÓDIGO 81000049 81000057 82000468 Diagnóstico, Urgência-Emergência: Noturna, Sábado, Domingo ou Feriado (procedimento abaixo) Consulta odontológica de Urgência (Horário normal das 08:00 horas às 18:00

Leia mais

Rol Mínimo. Cobertura detalhada

Rol Mínimo. Cobertura detalhada Cirurgia Alveoloplastia Amputação radicular com obturação retrógrada Amputação radicular sem obturação retrógrada Apicetomia birradiculares com obturação retrógrada Apicetomia birradiculares sem obturação

Leia mais

Resumo ISSN 1983-5183. Rev. Odontol. Univ. Cid. São Paulo 2013; 25(2): 170-5, maio-ago

Resumo ISSN 1983-5183. Rev. Odontol. Univ. Cid. São Paulo 2013; 25(2): 170-5, maio-ago 2013; 25(2): 170-5, maio-ago TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE FEIXE CÔNICO COMO FERRAMENTA NA IDENTIFICAÇÃO DE CANAIS ATRÉSICOS EM ENDODONTIA: RELATO DE CASO Cone Beam Computed Tomography as a tool for the

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral PARTE. Curso: Odontologia 4º e 5º Períodos

Disciplina: Patologia Oral PARTE. Curso: Odontologia 4º e 5º Períodos Graduação em Odontologia Disciplina: Patologia Oral PATOLOGIA ÓSSEA { 4 a PARTE Curso: Odontologia 4º e 5º Períodos h t t p : / / l u c i n e i. w i k i s p a c e s. c o m Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição IV agosto de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TRATAMENTOS ENDODÔNTICOS REALIZADOS POR ALUNOS DE GRADUAÇÃO COM PROSERVAÇÃO DE SEIS MESES

AVALIAÇÃO DE TRATAMENTOS ENDODÔNTICOS REALIZADOS POR ALUNOS DE GRADUAÇÃO COM PROSERVAÇÃO DE SEIS MESES AVALIAÇÃO DE TRATAMENTOS ENDODÔNTICOS REALIZADOS POR ALUNOS DE GRADUAÇÃO COM PROSERVAÇÃO DE SEIS MESES Dhebora do Canto 1 ; Beatriz do Nascimento Hernandes 2 ; Fausto Rodrigo Victorino 3 RESUMO: Pode-se

Leia mais

ANEXO RN 211 ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS

ANEXO RN 211 ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS ROL DE ONTOLÓGICOS PROCEDIMENTO SUBGRUPO GRUPO CAPÍTULO AMB HCO HSO PAC D.UT ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL (COM DIRETRIZ DE AJUSTE OCLUSAL ALVEOLOPLASTIA AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA APICETOMIA

Leia mais

COBERTURA DE PLANOS PESSOA FÍSICA DENTALPAR MASTER I E MASTER IV

COBERTURA DE PLANOS PESSOA FÍSICA DENTALPAR MASTER I E MASTER IV COBERTURA DE PLANOS PESSOA FÍSICA DENTALPAR MASTER I E MASTER IV DIAGNÓSTICO exame inicial exame periódico perícia procedimento diagnóstico anatomopatológico exame histopatológico teste de fluxo salivar

Leia mais

Diagnóstico diferencial da sinusite de origem não odontogênica

Diagnóstico diferencial da sinusite de origem não odontogênica artigo original Diagnóstico diferencial da sinusite de origem não odontogênica José Burgos PONCE 1 Bruno Martini GUIMARÃES 2 Lidiane de Castro PINTO 3 Celso Kenji NISHIYAMA 3 Ana Lucia Pompeia Fraga de

Leia mais

Planilha1. Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região buco-maxilo-facial

Planilha1. Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região buco-maxilo-facial 81000421 Radiografia periapical CIRURGIA Planilha1 DIAGNÓSTICO 81000065 Consulta odontológica inicial 81000111 Diagnóstico anatomopatológico em citologia esfoliativa na região buco-maxilo-facial 81000138

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO RADIOGRÁFICA DAS LESÕES PERIAPICAIS

CLASSIFICAÇÃO RADIOGRÁFICA DAS LESÕES PERIAPICAIS GÉDYDA CRISTINA GONÇALVES DOS SANTOS REZENDE CLASSIFICAÇÃO RADIOGRÁFICA DAS LESÕES PERIAPICAIS Monografia apresentada ao curso de especialização em Imaginologia Dento- Maxilo-Facial das Faculdades Integradas

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Tabela de Honorários

Tabela de Honorários Tabela de Honorários CONSULTA Código Descrição do Procedimento Quantidade USO Dente/ Área RX Garantia Evento COBERTURA PLANO REGRAS TÉCNICAS 81000065 CONSULTA ODONTOLÓGICA INICIAL 40 - - 6 MESES TODOS

Leia mais

TUMORES OSSEOS EM CABEÇA E PESCOÇO

TUMORES OSSEOS EM CABEÇA E PESCOÇO CABEÇA E PECOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL WALTER CANTÍDIO Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço TUMORES OSSEOS EM Geamberg Macêdo Agosto - 2006 TUMORES ÓSSEOS BÊNIGNOS OSTEOMA CONDROMAS

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ENDODONTIA

ESPECIALIZAÇÃO EM ENDODONTIA Faculdade Presidente Antônio Carlos - FAPAC Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos ITPAC-PORTO Coordenação de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão - COPPEX Departamento de Odontologia ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

ANEXO I. Rol de Procedimentos Odontológicos

ANEXO I. Rol de Procedimentos Odontológicos ANEXO I Rol de Procedimentos Odontológicos Classificam-se como procedimentos de DIAGNÓSTICO: I Consulta inicial II Exame histopatológico Consiste em anamnese, preenchimento de ficha clínica odontolegal,

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição VIII março de 2015 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

Microlocalização de canais radiculares: relato clínico de um primeiro molar inferior com três canais mesiais

Microlocalização de canais radiculares: relato clínico de um primeiro molar inferior com três canais mesiais Microlocalização de canais radiculares: relato clínico de um primeiro molar inferior com três canais mesiais FÁBIO DUARTE DA COSTA AZNAR(UNINGÁ/BAURU-SP)¹ CELSO KENJI NISHIYAMA(UNINGÁ/BAURU-SP) 2 JOSÉ

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES

ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES Classificam-se como procedimentos de DIAGNÓSTICOS: I Consulta Inicial Consiste em anamnese, preenchimento de ficha clínica Odontolegal, diagnósticos das doenças

Leia mais

The Odontogenic Cyst in Children: Analysis of the Surgical Decompression in 2 Cases

The Odontogenic Cyst in Children: Analysis of the Surgical Decompression in 2 Cases Cistos odontogênicos em crianças: análise da descompressão cirúrgica em dois casos The Odontogenic Cyst in Children: Analysis of the Surgical Decompression in 2 Cases Recebido em 05/02/2008 Aprovado em

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

ANEXO I CÓD. C O N S U L T A I N I C I A L QUANT. VALOR. 110 Consulta inicial (exame clínico e plano de tratamento ) 100 22,00

ANEXO I CÓD. C O N S U L T A I N I C I A L QUANT. VALOR. 110 Consulta inicial (exame clínico e plano de tratamento ) 100 22,00 ANEXO I C O N S U L T A I N I C I A L 110 Consulta inicial (exame clínico e plano de tratamento ) 100 22,00 U R G Ê N C I A E E M E R G Ê N C I A 121 Curativo em caso de hemorragia bucal 175 38,50 122

Leia mais

OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL/RS

OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL/RS Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino On Line - Ano 4, Número 7, Janeiro/Junho, 2008. 1 OCORRÊNCIA E ETIOLOGIA DO TRAUMATISMO DENTAL EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014 11 3894 3030 papaizassociados.com.br 11 3894 3030 papaizassociados.com.br IMPORTÂNCIA DOS EXAMES RADIOGRÁFICOS

Leia mais

NOVA TABELA DE PROCEDIMENTOS - TUSS PROCEDIMENTOS PLANOS PESSOA JURÍDICA VALOR CÓDIGO DESCRIÇÃO ANEXO 1 ANEXO 2 B1 E E-UN EX JÚNIOR US DIAGNÓSTICO

NOVA TABELA DE PROCEDIMENTOS - TUSS PROCEDIMENTOS PLANOS PESSOA JURÍDICA VALOR CÓDIGO DESCRIÇÃO ANEXO 1 ANEXO 2 B1 E E-UN EX JÚNIOR US DIAGNÓSTICO NOVA TABELA DE PROCEDIMENTOS - TUSS PROCEDIMENTOS PLANOS PESSOA JURÍDICA VALOR CÓDIGO DESCRIÇÃO ANEXO 1 ANEXO 2 B1 E E-UN EX JÚNIOR US 81000030 CONSULTA ODONTOLÓGICA X X X X X X X 85 CONTROLE DE HEMORRAGIA

Leia mais

Controle de Hemorragia sem Aplicação de Agente Hemostático em região Buco-maxilo-facial 82000484 130

Controle de Hemorragia sem Aplicação de Agente Hemostático em região Buco-maxilo-facial 82000484 130 ANEXO I TABELA DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS AGEMED Baseado na Lei 9656 e RN 211 - Edição julho/2014 Terminologia Unificada da Saúde Suplementar (TUSS). NOMENCLATURA / PROCEDIMENTO CÓDIGO TUSS RAIO X

Leia mais

Tabela de Procedimentos Básicos UNIODONTO TABELA DE PROCEDIMENTOS COPARTICIPAÇÃO-III UNIODONTO-SC

Tabela de Procedimentos Básicos UNIODONTO TABELA DE PROCEDIMENTOS COPARTICIPAÇÃO-III UNIODONTO-SC Tabela de Procedimentos Básicos UNIODONTO TABELA DE PROCEDIMENTOS COPARTICIPAÇÃO-III UNIODONTO-SC Baseado na Lei 9656 e RN 211 - Edição outubro/2011 - Terminologia Unificada da Saúde Suplementar (TUSS).

Leia mais

CAROLINA ACCORSI CARTELLI CAROLINNE RODRIGUES

CAROLINA ACCORSI CARTELLI CAROLINNE RODRIGUES CAROLINA ACCORSI CARTELLI CAROLINNE RODRIGUES PREVALÊNCIA DA PERIODONTITE APICAL ASSINTOMÁTICA COM FÍSTULA E DO PROCESSO DE REPARO APÓS TRATAMENTO ENDODÔNTICO CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

ODONTOLOGIA ENDODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA ENDODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA ENDODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITOS: Diagnóstico por Imagem; Patologia Buco-Dental. 2. EMENTA: Durante o curso de Endodontia Pré-Clínica os alunos irão adquirir

Leia mais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais

Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Bibliografia e tópicos para a prova de seleção 2013 (Mestrado / Doutorado) Área de Biologia Craniofacial e Biomateriais Tópicos - Mestrado e Doutorado (prova teórica*) *O candidato poderá excluir um número

Leia mais

COBERTURA UNIMED ODONTO

COBERTURA UNIMED ODONTO COBERTURA UNIMED ODONTO ODONTOPEDIATRIA Consulta Odontológica SIM SIM SIM Condicionamento em Odontologia SIM SIM SIM Condicionamento em Odontologia para pacientes com necessidades especiais SIM SIM SIM

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

PLANO DE ENSINO - 1º/2014

PLANO DE ENSINO - 1º/2014 PLANO DE ENSINO - 1º/2014 1. IDENTIFICAÇÃO: Curso: Odontologia Disciplina: Endodontia Carga Horária: 60h/a Professora: Dra. Patrícia Alvarez Ruiz Spyere do Nascimento E-mail: patriciaruizspyere@hotmail.com

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Saúde bucal

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Saúde bucal CASO COMPLEXO 9 Família Lima : André Fonoff A abordagem adequada em urgências endodônticas compreende, além do diagnóstico, uma combinação de tratamento local definitivo e medicação sistêmica, quando esta

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso 43 44 7 47 8 9 Claudio Ferreira NóIA*de OlIveIRA**NóIA*** Rafael Ortega lopes****mazzonetto*****

Leia mais

Obturação dos Canais Radiculares

Obturação dos Canais Radiculares Obturação dos Canais Radiculares EML Rodrigo Del Monaco 2012 É o preenchimento tridimensional, completo e hermético do canal tanto no seu comprimento quanto na sua largura. FINALIDADE DA OBTURAÇÃO Preencher

Leia mais

LESÃO PERIFÉRICA DE CÉLULAS GIGANTES - RELATO DE CASO

LESÃO PERIFÉRICA DE CÉLULAS GIGANTES - RELATO DE CASO LESÃO PERIFÉRICA DE CÉLULAS GIGANTES - RELATO DE CASO Ana Lúcia Alvares Capelozza 1 Luís Antônio de Assis Taveira 2 Otávio Pagin 3 1 Professora Associada do Departamento de Estomatologia da FOB-USP 2 Professor

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2013-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2013-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Odontologia 2013-1 INCIDÊNCIA DE HIPERTROFIA DE CORNETOS NASAIS INFERIORES NUMA POPULAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

Reunião de casos clínicos

Reunião de casos clínicos Reunião de casos clínicos RM Dr Ênio Tadashi Setogutti Dr Gustavo Jardim Dalle Grave Março 2013 CASO CLINICO - 1 Paciente sexo feminino, 52 anos, HIV +, com dor intensa em região lombar, dificuldade para

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA. Augusto Majolo De Gasperi TRATAMENTO DE CISTOS INFLAMATÓRIOS ESTUDO DE CASOS

CURSO DE ODONTOLOGIA. Augusto Majolo De Gasperi TRATAMENTO DE CISTOS INFLAMATÓRIOS ESTUDO DE CASOS CURSO DE ODONTOLOGIA Augusto Majolo De Gasperi TRATAMENTO DE CISTOS INFLAMATÓRIOS ESTUDO DE CASOS Santa Cruz do Sul 2015 Augusto Majolo De Gasperi TRATAMENTO DE CISTOS INFLAMATÓRIOS ESTUDO DE CASOS Trabalho

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 K00 - Distúrbios do Desenvolvimento e da Erupção Dos Dentes K00.0 - Anodontia K00.1 - Dentes Supranumerários

Leia mais

Odontologia 2.004 à 2.007

Odontologia 2.004 à 2.007 Odontologia 2.004 à 2.007 Procedimentos após 10/99 à 12/07 2.004 2.005 2.006 2.007 TOTAL 0301101-PROCEDIMENTOS COLETIVOS (PACIENTE/MES) 3.161 5.145 434-8.740 0301102-ACAO COLETIVA ESCOVACAO DENTAL SUPERVISION

Leia mais

Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias

Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias Tabela proposta a sócios CCD- V.N.Gaia 01 CONSULTA Consulta de medicina dentária 10 Consulta para apresentação e discussão de plano de tratamento 10

Leia mais

HISTÓRICO. Röntgen (1895): descoberta dos raios X. Otto Walkhoff: radiografia dental. Kells (1899): Endodontia

HISTÓRICO. Röntgen (1895): descoberta dos raios X. Otto Walkhoff: radiografia dental. Kells (1899): Endodontia HISTÓRICO Röntgen (1895): descoberta dos raios X Otto Walkhoff: radiografia dental Kells (1899): Endodontia Dentro das especialidades da Odontologia, a Endodontia é aquela que mais se utiliza da radiologia,

Leia mais

PREFEITURA DE GOIANIA - IMAS ATUALIZADO EM : 02/08/2010 RELATORIO DE PROCEDIMENTOS ODONTOLOGICOS POR ESPECIALIDADE VALOR DO CH ODONTOLOGICO : R$ 0,22

PREFEITURA DE GOIANIA - IMAS ATUALIZADO EM : 02/08/2010 RELATORIO DE PROCEDIMENTOS ODONTOLOGICOS POR ESPECIALIDADE VALOR DO CH ODONTOLOGICO : R$ 0,22 PREFEITURA DE GOIANIA - IMAS ATUALIZADO EM : 02/08/2010 RELATORIO DE PROCEDIMENTOS ODONTOLOGICOS POR ESPECIALIDADE VALOR DO CH ODONTOLOGICO : R$ 0,22 ESPECIALIDADE : 001 - PRONTO SOCORRO CODIGO DESCRICAO

Leia mais

CONDUTA TERAPÊUTICA EM DENTE COM LESÃO REFRATÁRIA AO TRATAMENTO ENDODÔNTICO CONVENCIONAL E CIRÚRGICO CASO CLÍNICO

CONDUTA TERAPÊUTICA EM DENTE COM LESÃO REFRATÁRIA AO TRATAMENTO ENDODÔNTICO CONVENCIONAL E CIRÚRGICO CASO CLÍNICO CONDUTA TERAPÊUTICA EM DENTE COM LESÃO REFRATÁRIA AO TRATAMENTO ENDODÔNTICO CONVENCIONAL E CIRÚRGICO CASO CLÍNICO TERAPEUTHICAL PROCEDURE IN TEETH WITH REFRATARY LESION TO ENDODONTIC CONVENTIONAL AND CIRURGICAL

Leia mais

IJD ISSN:1806-1. Artigo Original / Original Article

IJD ISSN:1806-1. Artigo Original / Original Article Artigo Original / Original Article IJD ISSN:1806-1 Dor pós-operatória em tratamento endodôntico realizado em sessão única e múltipla Postoperative pain in endodontic treatment in one session or multiple

Leia mais

MANUAL DE ATENDIMENTO PARA BENEFICIÁRIOS COM FRANQUIA PLANO FÁCIL/AFFINITY

MANUAL DE ATENDIMENTO PARA BENEFICIÁRIOS COM FRANQUIA PLANO FÁCIL/AFFINITY FRANQUIA MANUAL DE ATENDIMENTO PARA BENEFICIÁRIOS COM FRANQUIA PLANO FÁCIL/AFFINITY A franquia é um valor pago pelos beneficiários do Plano Fácil/Affinity pelos serviços odontológicos, efetivamente utilizados.

Leia mais

www.dentaluni.com.br

www.dentaluni.com.br TUSS PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS SUPERIOR EMERGÊNCIA 82000468 Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região bucomaxilofacial coberto 82000484 Controle de hemorragia sem aplicação

Leia mais

Procedimento (Analitico)

Procedimento (Analitico) Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Procedimento (Analitico) 0414020014 - ALVEOLOTOMIA / ALVEOLECTOMIA

Leia mais

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 10 Especialidade: ENDODONTIA

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 10 Especialidade: ENDODONTIA Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 10 Grupo: 100-Diagnose - As consultas deverão ser faturadas em Guias de Atendimento - GA, separadamente dos demais procedimentos, que serão faturados

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS ODONTOLÓGICOS / TUSS - GOLDEN CROSS - REDE MASTER e PREFERENCIAL VALOR DE USO REDE MASTER e PREFERENCIAL : R$ 0,18

TABELA DE HONORÁRIOS ODONTOLÓGICOS / TUSS - GOLDEN CROSS - REDE MASTER e PREFERENCIAL VALOR DE USO REDE MASTER e PREFERENCIAL : R$ 0,18 DIAGNÓSTICO 17 800065 CONSULTA ODONTOLÓGICA INICIAL 0 17 800049 CONSULTA ODONTOLÓGICA DE URGÊNCIA 0 00 80120059 CONSULTA DE ESPECIALISTA EM ENDODONTIA 0 00 80120180 CONSULTA DE ESPECIALISTA EM ESTOMATOLOGIA

Leia mais

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina ODT 7121 - Cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial I Departamento

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Disciplina: Estomatologia METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Levantamentos Epidemiológicos Clássicos Exame Clínico Nível de Doença não detectada Exames Complementares

Leia mais

DE LESÃO PERIAPICAL: RELATO DE CASO REPAIR OF PERIAPICAL LESION: CASE REPORT

DE LESÃO PERIAPICAL: RELATO DE CASO REPAIR OF PERIAPICAL LESION: CASE REPORT Revista de Endodontia Pesquisa e Ensino on Line Ano 9 Numero 15 Janeiro/Junho, 2012 ISSN 1980-7473 - http://www.ufsm.br/endodontiaonline REPARO DE LESÃO PERIAPICAL: RELATO DE CASO REPAIR OF PERIAPICAL

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

Retratamento endodôntico de incisivo central inferior com ilha de dentina e portador de lesão periapical: relato de caso

Retratamento endodôntico de incisivo central inferior com ilha de dentina e portador de lesão periapical: relato de caso ISSN 1806-7727 Retratamento endodôntico de incisivo central inferior com ilha de dentina e portador de lesão periapical: relato de caso Endodontic retreatment of inferior central incisor with dentin island

Leia mais