ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA"

Transcrição

1 ANEXO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO PROTOCOLO N o RECEBIDO EM: / / No campo fármaco, deve-se informar o(s) nome(s) do(s) princípio(s) ativo(s) com suas respectivas Denominação Comum Brasileira (DCB) ou Denominação Comum Internacional (DCI). Lista das DCBs disponível em: 1. FINALIDADE Ensino Pesquisa Treinamento Início:.../.../... Término:.../.../ TÍTULO DO PROJETO/AULA PRÁTICA/TREINAMENTO Área do conhecimento: Lista das áreas do conhecimento disponível em:

2 3. RESPONSÁVEL Nome completo Instituição Unidade Departamento / Disciplina Experiência Prévia: Quanto tempo? Treinamento: Quanto tempo? Vínculo com a Instituição: Docente/Pesquisador Téc. Nível Sup. Jovem pesquisador/pesquisador visitante Telefone 4. COLABORADORES

3 Nome completo Instituição Nível acadêmico Experiência prévia (anos) Treinamento (especificar) Telefone Utilize esta tabela para o preenchimento de um colaborador. Copie, cole e preencha a tabela, quantas vezes forem necessárias, até que todos os colaboradores sejam contemplados. 5. RESUMO DO PROJETO/AULA 6. OBJETIVOS (na íntegra) 7. JUSTIFICATIVA 8. RELEVÂNCIA 9. MODELO ANIMAL Espécie (nome vulgar, se existir): Justificar o uso dos procedimentos e da espécie animal

4 9.1. PROCEDÊNCIA Biotério, fazenda, aviário, etc. Animal silvestre Número de protocolo SISBIO: Outra procedência? Qual? O animal é geneticamente modificado? Número de protocolo CTNBio: 9.2. TIPO E CARACTERÍSTICA Espécie Linhagem Idade Peso aprox. Quantidade M F M+F Anfíbio Ave Bovino Bubalino Cão Camundongo heterogênico Camundongo isogênico Camundongo Knockout Camundongo transgênico Caprino Chinchila Cobaia Coelhos Equídeo Espécie silvestre brasileira Espécie silvestre não-brasileira Gato Gerbil Hamster Ovino Peixe Primata não-humano

5 Rato heterogênico Rato isogênico Rato Knockout Rato transgênico Réptil Suíno Outra TOTAL: 9.3. MÉTODOS DE CAPTURA (somente em caso de uso de animais silvestres) 9.4. PLANEJAMENTO ESTATÍSTICO/DELINEAMENTO EXPERIMENTAL 9.5. GRAU DE INVASIVIDADE*: (1, 2, 3 ou 4) Os materiais biológicos destes exemplares serão usados em outros projetos? Quais? Se já aprovado pela CEUA, mencionar o número do protocolo CONDIÇÕES DE ALOJAMENTO E ALIMENTAÇÃO DOS ANIMAIS o o o o Alimentação Fonte de água Lotação - Número de animais/área Exaustão do ar: sim ou não Comentar obrigatoriamente sobre os itens acima e as demais condições que forem particulares à espécie

6 Local onde será mantido o animal: (biotério, fazenda, aviário, etc.). Ambiente de alojamento: Gaiola Jaula Baia Outros Número de animais por gaiola/galpão: Tipo de cama (maravalha, estrado ou outro): 10. PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS DO PROJETO/AULA ESTRESSE/DOR INTENCIONAL NOS ANIMAIS Curto Longo (Se sim, JUSTIFIQUE.) ESTRESSE: DOR: RESTRIÇÃO HÍDRICA/ALIMENTAR: OUTROS: USO DE FÁRMACOS ANESTÉSICOS

7 Fármaco Dose (UI ou mg/kg) Via de administração Utilize esta tabela para o preenchimento de um fármaco. Copie, cole e preencha a tabela, quantas vezes forem necessárias, até que todos os fármacos sejam contemplados. No campo fármaco, deve-se informar o(s) nome(s) do(s) princípio(s) ativo(s) com suas respectivas Denominação Comum Brasileira (DCB) ou Denominação Comum Internacional (DCI). (Em caso de não-uso, JUSTIFIQUE.) USO DE RELAXANTE MUSCULAR Fármaco Dose (UI ou mg/kg) Via de administração Utilize esta tabela para o preenchimento de um fármaco. Copie, cole e preencha a tabela, quantas vezes forem necessárias, até que todos os fármacos sejam contemplados. No campo fármaco, deve-se informar o(s) nome(s) do(s) princípio(s) ativo(s) com suas respectivas Denominação Comum Brasileira (DCB) ou Denominação Comum Internacional (DCI) USO DE FÁRMACOS ANALGÉSICOS

8 Justifique em caso negativo: Fármaco Dose (UI ou mg/kg) Via de administração Frequência Utilize esta tabela para o preenchimento de um fármaco. Copie, cole e preencha a tabela, quantas vezes forem necessárias, até que todos os fármacos sejam contemplados. No campo fármaco, deve-se informar o(s) nome(s) do(s) princípio(s) ativo(s) com suas respectivas Denominação Comum Brasileira (DCB) ou Denominação Comum Internacional (DCI) IMOBILIZAÇÃO DO ANIMAL Indique o tipo em caso positivo: CONDIÇÕES ALIMENTARES JEJUM: Duração em horas: RESTRIÇÃO HÍDRICA:

9 Duração em horas: CIRURGIA Única Múltipla Qual(is)? No mesmo ato cirúrgico ou em atos diferentes? PÓS-OPERATÓRIO OBSERVAÇÃO DA RECUPERAÇÃO Período de observação (em horas): USO DE ANALGESIA Justificar o NÃO-uso de analgesia pós-operatório, quando for o caso:

10 Fármaco Dose (UI ou mg/kg) Via de administração Frequência Duração Utilize esta tabela para o preenchimento de um fármaco. Copie, cole e preencha a tabela, quantas vezes forem necessárias, até que todos os fármacos sejam contemplados. No campo fármaco, deve-se informar o(s) nome(s) do(s) princípio(s) ativo(s) com suas respectivas Denominação Comum Brasileira (DCB) ou Denominação Comum Internacional (DCI) OUTROS CUIDADOS PÓS-OPERATÓRIOS Descrição: EXPOSIÇÃO / INOCULAÇÃO / ADMINISTRAÇÃO Fármaco/Outros Dose Via de administração Frequência No campo fármaco, deve-se informar o(s) nome(s) do(s) princípio(s) ativo(s) com suas respectivas Denominação Comum Brasileira (DCB) ou Denominação Comum Internacional (DCI). 11. EXTRAÇÃO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS

11 Material biológico Quantidade da amostra Frequência Método de coleta Utilize esta tabela para o preenchimento de um material biológico. Copie, cole e preencha a tabela, quantas vezes forem necessárias, até que todos os materiais sejam contemplados. 12. FINALIZAÇÃO MÉTODO DE INDUÇÃO DE MORTE Descrição Substância, dose, via Caso método restrito, justifique: DESTINO DOS ANIMAIS APÓS O EXPERIMENTO FORMA DE DESCARTE DA CARCAÇA 13. RESUMO DO PROCEDIMENTO (relatar todos os procedimentos com os animais)

12 14. TERMO DE RESPONSABILIDADE (LEIA CUIDADOSAMENTE ANTES DE ASSINAR) Eu, (nome do responsável), certifico que: a) li o disposto na Lei nº , de 8 de outubro de 2008, e nas demais normas aplicáveis à utilização de animais em ensino e/ou pesquisa, especialmente as Resoluções Normativas do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal CONCEA; b) este estudo não é desnecessariamente duplicativo, possuindo mérito científico e a equipe participante deste projeto/aula foi treinada e é competente para executar os procedimentos descritos neste protocolo; c) não existe método substitutivo que possa ser utilizado como uma alternativa ao projeto. Assinatura: Data: / / Encaminhar em 2 vias. A critério da CEUA, poderá ser solicitado o projeto, respeitando confidencialidade e conflito de interesses. Quando cabível, anexar o termo de consentimento livre e esclarecido do proprietário ou responsável pelo animal. 15. RESOLUÇÃO DA COMISSÃO A Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA, na sua reunião de / /, APROVOU os procedimentos éticos apresentados neste Protocolo. Assinatura: Coordenador da Comissão A Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA, na sua reunião de / /, emitiu o parecer em anexo e retorna o Protocolo para sua revisão. Assinatura:

13 Coordenador da Comissão * GRAU DE INVASIVIDADE (GI) - definições segundo o CONCEA GI1 = Experimentos que causam pouco ou nenhum desconforto ou estresse (ex.: observação e exame físico; administração oral, intravenosa, intraperitoneal, subcutânea, ou intramuscular de substâncias que não causem reações adversas perceptíveis; eutanásia por métodos aprovados após anestesia ou sedação; deprivação alimentar ou hídrica por períodos equivalentes à deprivação na natureza). GI2 = Experimentos que causam estresse, desconforto ou dor, de leve intensidade (ex.: procedimentos cirúrgicos menores, como biópsias, sob anestesia; períodos breves de contenção e imobilidade em animais conscientes; exposição a níveis não letais de compostos químicos que não causem reações adversas graves). GI3 = Experimentos que causam estresse, desconforto ou dor, de intensidade intermediária (ex.: procedimentos cirúrgicos invasivos conduzidos em animais anestesiados; imobilidade física por várias horas; indução de estresse por separação materna ou exposição a agressor; exposição a estímulos aversivos inescapáveis; exposição a choques localizados de intensidade leve; exposição a níveis de radiação e compostos químicos que provoquem prejuízo duradouro da função sensorial e motora; administração de agentes químicos por vias como a intracardíaca e intracerebral). GI4 = Experimentos que causam dor de alta intensidade (ex.: Indução de trauma a animais não sedados).

PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS

PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO PROTOCOLO N o RECEBIDO EM: / / 1. Finalidade: [ ] Ensino [ ] Pesquisa [ ] Treinamento 2. Data: Início / / Término / / 3. Docente/ Pesquisador Responsável:

Leia mais

CEUA-IMS-UFBA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS - CEUA

CEUA-IMS-UFBA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS - CEUA CEUA-IMS-UFBA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS - CEUA CAPITULO I - DO OBJETIVO Artigo 1º - A Comissão de Ética do Uso de Animais - CEUA, do IMS/CAT/UFBA é um colegiado interdisciplinar

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS . 0 ISSN 677-7042 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento SECRETARIA DO PRODUTOR RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES DECISÃO N o - 06, DE 26 DE OUTUBRO DE 205

Leia mais

PARA SUBMETER PROJETOS SIGA AS ETAPAS:

PARA SUBMETER PROJETOS SIGA AS ETAPAS: CEUA UNIFESP 2015 PARA SUBMETER PROJETOS SIGA AS ETAPAS: 1. Entre na página da CEUA Comissão de Ética no Uso de Animais (https://www.unifesp.br/reitoria/ceua/) passe o cursor sobre SUBMISSÃO DE PROJETOS

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS EM EXPERIMENTAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS EM EXPERIMENTAÇÃO UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS MANUAL DE UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS EM EXPERIMENTAÇÃO CEUA/ULBRA CANOAS 2015 SUMÁRIO Página Introdução 3 1. Normas

Leia mais

Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA- UVV)

Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA- UVV) FORMULÁRIO I FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E/OU PESQUISA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO PROTOCOLO N o RECEBIDO EM: / / respectivas

Leia mais

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Protocolo nº: (uso da CEUA) Data de Entrega / / (uso da CEUA) Título do Projeto Pesquisador-chefe Departamento Unidade Acadêmica - - - - -

Leia mais

Término Previsto: ---/---/-----

Término Previsto: ---/---/----- UNIVERSIDADE CAMILO CASTELO BRANCO CEUA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS PROTOCOLO N o. (Para uso exclusivo da CEUA) 1. FORMULÁRIO DE ENCAMINHAMENTO PARA PESQUISA ENVOLVENDO ANIMAIS Curso: Campus: Título

Leia mais

MANUAL DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E PESQUISA

MANUAL DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E PESQUISA MANUAL DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO E PESQUISA CEUA / SLMANDIC 2013 PREFÁCIO Existem normas nacionais e internacionais

Leia mais

INSTRUÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DOS PROTOCOLOS PARA USO DE ANIMAIS. Os seguintes tópicos devem ser considerados no preenchimento dos protocolos:

INSTRUÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DOS PROTOCOLOS PARA USO DE ANIMAIS. Os seguintes tópicos devem ser considerados no preenchimento dos protocolos: INSTRUÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DOS PROTOCOLOS PARA USO DE ANIMAIS 1. Informações Gerais Os seguintes tópicos devem ser considerados no preenchimento dos protocolos: Razão do uso. Adequação e disponibilidade

Leia mais

1. PRAZO Início:.../.../... Término:.../.../... 2. TÍTULO DO PROJETO

1. PRAZO Início:.../.../... Término:.../.../... 2. TÍTULO DO PROJETO FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM EXPERIMENTAÇÃO PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO PROTOCOLO Nº RECEBIDO EM: / / Denominação Comum Brasileira

Leia mais

ÉTICA NO USO DE ANIMAIS

ÉTICA NO USO DE ANIMAIS ÉTICA NO USO DE ANIMAIS Profª Cristiane Matté Departamento de Bioquímica Instituto de Ciências Básicas da Saúde Universidade Federal do Rio Grande do Sul Bioética Bioética é uma reflexão compartilhada,

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO - FIPA

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO - FIPA INSTRUÇÕES PARA ENVIO DE PROJETOS Senhor(a) Usuário(a): Para o envio de projetos que utilizam animais, o Requerimento e o Formulário deverão ser preenchidos e encaminhados com as assinaturas do pesquisador

Leia mais

1ª. Submissão 2ª. Submissão. Título do Projeto: Pesquisador (a): Orientador (a): Contato do pesquisador (a): Fones ( E-mail:

1ª. Submissão 2ª. Submissão. Título do Projeto: Pesquisador (a): Orientador (a): Contato do pesquisador (a): Fones ( E-mail: Protocolo nº Data de Entrega / / 1ª. Submissão 2ª. Submissão Título do Projeto: Pesquisador (a): Contato do pesquisador (a): Fones ( ) E-mail: - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Protocolo de Solicitação de Uso de animais em Projetos de Pesquisa/Extensão e Pós Graduação a Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) ANEXO I

Protocolo de Solicitação de Uso de animais em Projetos de Pesquisa/Extensão e Pós Graduação a Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) ANEXO I Protocolo de Solicitação de Uso de animais em Projetos de Pesquisa/Extensão e Pós Graduação a Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) ANEXO I 1. IDENTIFICAÇÃO Título : Nível de abrangência do projeto:

Leia mais

FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA O USO DE ANIMAIS EM ENSINO OU DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS DIDÁTICOS

FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA O USO DE ANIMAIS EM ENSINO OU DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS DIDÁTICOS USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO PROTOCOLO N o RECEBIDO EM: / / FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA O USO DE ANIMAIS EM ENSINO OU DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS DIDÁTICOS Protocolo para uso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA UnC 003/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA UnC 003/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA UnC 003/2011 Dispõe sobre a tramitação de projeto de pesquisa e procedimentos de ensino que envolva o uso de animais. O Reitor da Universidade do Contestado UnC, no uso de suas atribuições

Leia mais

ROTEIRO E ESCLARECIMENTOS PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA COM ANIMAIS A COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIFRA

ROTEIRO E ESCLARECIMENTOS PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA COM ANIMAIS A COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIFRA ROTEIRO E ESCLARECIMENTOS PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA COM ANIMAIS A COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIFRA Antes de preencher o formulário para submissão de projeto de pesquisa em animais,

Leia mais

Ciência em Animais de Laboratório

Ciência em Animais de Laboratório 02/10/2012 Ciência em Animais de Laboratório Marcel Frajblat Universidade Federal do Rio de Janeiro Ciência em Animais de Laboratório 1 I Educação, bioética, legislação e biossegurança em animais de laboratório:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA - UEFS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA - UEFS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA - UEFS PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS EM PESQUISA PROTOCOLO N 1. Título do Projeto

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ENCAMINHAMENTO DE PROJETO DE PESQUISA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ENCAMINHAMENTO DE PROJETO DE PESQUISA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ENCAMINHAMENTO DE PROJETO DE PESQUISA I. FORMA E CONTEÚDO DO PROJETO DE PESQUISA: O projeto de pesquisa deverá ser escrito em português e conter necessariamente os seguintes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1000, DE 11 DE MAIO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 1000, DE 11 DE MAIO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 1000, DE 11 DE MAIO DE 2012 Dispõe sobre procedimentos e métodos de eutanásia em animais e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA - CFMV -, no uso das atribuições

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

<!ID1060354-0> CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO Nº 879, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2008 Dispõe sobre o uso de animais no ensino e na pesquisa e regulamenta as Comissões de Ética no Uso de

Leia mais

ISEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/CNPq

ISEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/CNPq ISEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/CNPq FAMEMA Legislação Brasileira Para a Ética em Pesquisa Animal Prof. Dr. Haydée de Oliveira Moreira Rodrigues HISTÓRICO GERAL Claude Bernard (1813-1878) Cruelty

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 879, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 879, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 879, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2008 Dispõe sobre o uso de animais no ensino e na pesquisa e regulamenta as Comissões de Ética no Uso de Animais (CEUAs) no âmbito da Medicina Veterinária e da Zootecnia

Leia mais

UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS EM PROCEDIMENTOS DE ENSINO, PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO UNIMES

UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS EM PROCEDIMENTOS DE ENSINO, PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO UNIMES UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS EM PROCEDIMENTOS DE ENSINO, PROJETOS DE PESQUISA E EXTENSÃO UNIMES A questão não é: podem eles raciocinar? Ou então, podem eles falar?

Leia mais

Vias de administração

Vias de administração Vias de administração Parenteral Intravenosa: I.V. Intraperitoneal: I.P. Intramuscular: I.M. Subcutânea: SC Intradérmica: ID Infiltração Local Aplicação tópica Considerações Antes de tudo: Observação Treinamento

Leia mais

Boas Práticas no Manuseio de Animais de Laboratório: Cuidado com os Animais Experimentais

Boas Práticas no Manuseio de Animais de Laboratório: Cuidado com os Animais Experimentais Boas Práticas no Manuseio de Animais de Laboratório: Cuidado com os Animais Experimentais Marcella M. Terra Biomédica 2013 1 Pesquisa Pré-Cliníca - Importância Melhorar a Qualidade de Vida Buscar a cura

Leia mais

Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS. Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz:

Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS. Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz: Prof. André Silva Carissimi Faculdade de Veterinária - UFRGS Conceitos Básicos Anestesia: É o ato anestésico reversível que produz: - perda da consciência (narcose), - supressão da percepção dolorosa (analgesia)

Leia mais

2º. O mandato dos membros será de 3 (três) anos, admitindo-se uma recondução.

2º. O mandato dos membros será de 3 (três) anos, admitindo-se uma recondução. ASSOCIAÇÃO TERESINENSE DE ENSINO S/C LTDA ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 003/2015. Dispõe Sobre o Regulamento Interno da Comissão de Ética no Uso

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Nº 240 15/12/11 Seção 1 p. 39 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO

Leia mais

Veterinário. Caderno de Questões Prova Objetiva

Veterinário. Caderno de Questões Prova Objetiva Concurso Público Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Os hamsters são roedores de corpo robusto, cauda curta e perna curta. Dentre as características dos hamsters, uma apresenta grande destaque

Leia mais

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores;

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores; PESQUISAS COM ANIMAIS VERTEBRADOS As regras a seguir foram desenvolvidas baseadas em regulamentações internacionais para ajudar aos alunos pesquisadores a proteger o bem-estar de ambos, o animal pesquisado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 37-CONSUP/IFAM, de 17 de dezembro 2012.

RESOLUÇÃO Nº 37-CONSUP/IFAM, de 17 de dezembro 2012. RESOLUÇÃO Nº 37-CONSUP/IFAM, de 17 de dezembro 2012. Aprova a Regulamentação do Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas. O Reitor do

Leia mais

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS CEUA PROTOCOLO PARA PROJETO DE PESQUISA COM ANIMAIS IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS CEUA PROTOCOLO PARA PROJETO DE PESQUISA COM ANIMAIS IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO página 1 N o CEUA FACULDADE LUCIANO FEIJÃO CEUA... PROTOCOLO PARA PROJETO DE PESQUISA COM ANIMAIS Título do projeto: IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título em inglês (caso haja necessidade de certificado também

Leia mais

Regimento Interno COMISSÃO DE ÉTICA EM EXPERIMENTAÇÃO E BEM-ESTAR ANIMAL

Regimento Interno COMISSÃO DE ÉTICA EM EXPERIMENTAÇÃO E BEM-ESTAR ANIMAL Regimento Interno COMISSÃO DE ÉTICA EM EXPERIMENTAÇÃO E BEM-ESTAR ANIMAL Art. 1º [Ato de instituição da CEEBEA-Unimontes, com indicação da portaria da autoridade correspondente e eventual aprovação pelo

Leia mais

Art. 1º Instituir normas reguladoras de procedimentos relativos à eutanásia em animais.

Art. 1º Instituir normas reguladoras de procedimentos relativos à eutanásia em animais. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA RESOLUÇÃO N 1.000, DE 11 DE MAIO DE 2012 Dispõe sobre procedimentos e métodos de eutanásia em animais e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁ-

Leia mais

PROTOCOLO DE USO E CUIDADOS COM ANIMAIS

PROTOCOLO DE USO E CUIDADOS COM ANIMAIS 1 PROTOCOLO DE USO E CUIDADOS COM ANIMAIS Prezada O Comite de Ética do CCS já possui o parecer favorável para seu projeto de pesquisa que nos foi enviado para analise, o número de seu protocolo aprovado

Leia mais

Fátima Conceição-Silva & Celina Bessa EUTANÁSIA

Fátima Conceição-Silva & Celina Bessa EUTANÁSIA 37 CAPÍTULO 8 Fátima Conceição-Silva & Celina Bessa EUTANÁSIA PRINCÍPIOS GERAIS Eutanásia (eu=bom; thanatos= morte) é palavra origem grega que significa morte serena, sem sofrimento. É consirada a forma

Leia mais

GUIA DE VIAS DE ADMINISTRAÇÃO, MEDICAMENTOS E EUTANÁSIA PARA ANIMAIS EM EXPERIMENTAÇÃO

GUIA DE VIAS DE ADMINISTRAÇÃO, MEDICAMENTOS E EUTANÁSIA PARA ANIMAIS EM EXPERIMENTAÇÃO GUIA DE VIAS DE ADMINISTRAÇÃO, MEDICAMENTOS E EUTANÁSIA PARA ANIMAIS EM EXPERIMENTAÇÃO PROF. CARLA APARECIDA DE BARROS RESP. TÉCNICO BIOTÉRIOS-UNIFIL 2014 1) Vias e locais de administração de drogas Todos

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA 1 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA DIRETRIZ BRASILEIRA PARA O CUIDADO E A UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS PARA FINS CIENTÍFICOS E DIDÁTICOS

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL NO BRASIL 1. Silvio VALLE 2

MARCO REGULATÓRIO DA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL NO BRASIL 1. Silvio VALLE 2 56 MARCO REGULATÓRIO DA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL NO BRASIL 1 Silvio VALLE 2 O uso didático-científico de animais no ocidente está sujeito a leis, regulamentos e normas. O regime regulatório varia. As divergências

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA 1 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA DIRETRIZ BRASILEIRA PARA O CUIDADO E A UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS PARA FINS CIENTÍFICOS E DIDÁTICOS

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA

COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA COMISSÃO DE ÉTICA: USO DE ANIMAIS NO ENSINO E NA PESQUISA EM MEDICINA VETERINÁRIA ALBERTO NEVES COSTA, Méd. Vet., MSc., PhD CEBEA/CFMV albertoncosta@ul.com.br Histórico da Medicina Veterinária Exercício

Leia mais

FORMULÁRIO PARA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROJETO DE UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS PARA FINS CIENTÍFICOS

FORMULÁRIO PARA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROJETO DE UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS PARA FINS CIENTÍFICOS FORMULÁRIO PARA PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROJETO DE UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS PARA FINS CIENTÍFICOS Este formulário inclui sete secções: Secção 1: Detalhes administrativos sobre o projeto, pessoas e estabelecimentos

Leia mais

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS CEUA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS EM AULAS PRÁTICAS IDENTIFICAÇÃO

FACULDADE LUCIANO FEIJÃO COMISSÃO DE ÉTICA EM USO DE ANIMAIS CEUA PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS EM AULAS PRÁTICAS IDENTIFICAÇÃO Página 1 N o CEUA FACULDADE LUCIANO FEIJÃO CEUA IDENTIFICAÇÃO (deve ser submetido um protocolo para cada aula) Disciplina(s) e curso(s) em que esta aula será ministrada: Nível: PROFESSOR RESPONSÁVEL Nome:

Leia mais

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz.

Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Implantação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo do Ceca/Fiocruz. Objeto Desenvolver Projeto para a implementação de um Programa de Educação Continuada em Bioterismo no Cecal. Introdução:

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Campus Diadema

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Campus Diadema Normas para cuidado e manejo de animais de laboratório -roedores- utilizados para fins científicos no Biotério de experimentação animal da Universidade Federal de São Paulo, Campus de Diadema, Unidade

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

Resolução do Conselho Universitário n 004/07 (Processo FSA n 8932/07)

Resolução do Conselho Universitário n 004/07 (Processo FSA n 8932/07) Resolução do Conselho Universitário n 004/07 (Processo FSA n 8932/07) O Prof. Dr. Odair Bermelho, Reitor do Centro Universitário Fundação Santo André, no uso de suas atribuições estatutárias, e em atendimento

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CENTRAL DE LABORATÓRIOS BIOTÉRIO

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CENTRAL DE LABORATÓRIOS BIOTÉRIO NORMAS DO DE EXPERIMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO 1. CEUA: Todos os experimentos com animais devem ser submetidos previamente à aprovação da CEUA (Comissão de Ética no Uso de Animais). Somente após a aprovação

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 52 ISSN 1677-7042 CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o - 12, DE 20 DE SETEMBRO DE 2013 Baixa a Diretriz Brasileira para o Cuidado e a Utilização de Animais para

Leia mais

CRITÉRIOS PARA OS CURSOS DE CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO E FORMADORES

CRITÉRIOS PARA OS CURSOS DE CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO E FORMADORES CRITÉRIOS PARA OS CURSOS DE CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO E FORMADORES A. CURSOS PARA A CATEGORIA A DA FELASA (tratador de animais) (Pessoas que cuidam dos animais) Os cursos de ciência de animais

Leia mais

ESCOLHA E CUIDADOS COM ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO

ESCOLHA E CUIDADOS COM ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO ESCOLHA E CUIDADOS COM ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO Qual animal utilizar para experimentação? Cão de rua - homogeneizar amostra, procedência e raça, carga genética e microflora, idade(pelagem e peso), doenças

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 29/2009, DE 24 DE JUNHO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 29/2009, DE 24 DE JUNHO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 29/2009, DE 24 DE JUNHO DE 2009 Aprova o Regimento da Comissão de Ética no Uso de Animais na Universidade Regional de Blumenau, na forma do Anexo. O Reitor da Universidade Regional de Blumenau,

Leia mais

Do Objeto e suas finalidades 3. Da Composição 3. Das Atribuições 4. Do Funcionamento 5. Das Disposições gerais 7

Do Objeto e suas finalidades 3. Da Composição 3. Das Atribuições 4. Do Funcionamento 5. Das Disposições gerais 7 Do Objeto e suas finalidades 3 Da Composição 3 Das Atribuições 4 Do Funcionamento 5 Das Disposições gerais 7 Capítulo 1 DO OBJETO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA),

Leia mais

Curso de Ciências em Animais de Laboratório. Organismos Aquáticos

Curso de Ciências em Animais de Laboratório. Organismos Aquáticos PROGRAMA DETALHADO Curso de Ciências em Animais de Laboratório Organismos Aquáticos Curso delineado de acordo com as directivas da D. G. Veterinária e da FELASA para obtenção de creditação CATEGORIA B

Leia mais

RESOLUÇÃO CRMV-PA Nº008, de 11 de março de 2015

RESOLUÇÃO CRMV-PA Nº008, de 11 de março de 2015 RESOLUÇÃO CRMV-PA Nº008, de 11 de março de 2015 Normatiza os Procedimentos de Contracepção de Animais de companhia (Cães e Gatos, machos e fêmeas) em Programas de Educação em Saúde, Guarda Responsável

Leia mais

Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas Disciplina de Bioética. Ética aplicada à Pesquisa com Animais

Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas Disciplina de Bioética. Ética aplicada à Pesquisa com Animais Ética aplicada à Pesquisa com Animais Profa. Dra. Laís s Záu Z u Serpa de Araújo Pesquisa com Animais Toda experimentação com seres humanos deveria, obrigatoriamente, precedida da experimentação com animais.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 Regulamenta as atividades de pesquisa, produção, importação, liberação no ambiente e comercialização de clones de mamíferos, exceto humanos, peixes, anfíbios, répteis

Leia mais

PRINCÍPIOS INTERNACIONAIS PARA A PESQUISA BIOMÉDICA ENVOLVENDO ANIMAIS

PRINCÍPIOS INTERNACIONAIS PARA A PESQUISA BIOMÉDICA ENVOLVENDO ANIMAIS PRINCÍPIOS INTERNACIONAIS PARA A PESQUISA BIOMÉDICA ENVOLVENDO ANIMAIS ADAPTADO do International Guiding Principles for Biomedical Research Involving Animals (CIOMS) - Genebra, 1985. 1 - PRINCÍPIOS BÁSICOS

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA

REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA Res. Consun nº 104/10, de 15/12/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º DA NATUREZA A Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA da Universidade Metodista

Leia mais

Submissão de Projetos de Pesquisa

Submissão de Projetos de Pesquisa Submissão de Projetos de Pesquisa Versão 2.1 1 Versão Autor Data Descrição 1.0 Equipe suporte 13/10/2011 Criação do Plataforma Brasil documento 1.1 Equipe suporte Plataforma Brasil 1.2 Equipe suporte Plataforma

Leia mais

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 22/2015 Institui e regulamenta a Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). O Conselho Universitário (CONSUNI) da Universidade Federal do Sul

Leia mais

Submissão de Projetos de Pesquisa

Submissão de Projetos de Pesquisa Submissão de Projetos de Pesquisa Versão 2.0 1 Versão Autor Data Descrição 1.0 Equipe suporte 13/10/2011 Criação do Plataforma Brasil documento 1.1 Equipe suporte Plataforma Brasil 1.2 Equipe suporte Plataforma

Leia mais

ANEXO I. (Resolução Normativa Concea nº 27, de 23.10.2015)

ANEXO I. (Resolução Normativa Concea nº 27, de 23.10.2015) ANEXO I (Resolução Normativa Concea nº 27, de 23.10.2015) I - FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM EXPERIMENTAÇÃO PROTOCOLO PARA USO DE ANIMAIS USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO

Leia mais

FACULDADE DE COLIDER Curso :XXXXXXX, bacharelado.

FACULDADE DE COLIDER Curso :XXXXXXX, bacharelado. PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Protocolo nº / Fls Data: / / Funcionário: TÍTULO DO PROJETO: GESTOR (Coordenador/ Responsável pelo Projeto): INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE COLIDER - FACIDER CURSO: ÁREA: SUBÁREA:

Leia mais

ÉTICA E EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL. Eduardo Pompeu CAPPesq - FMUSP Comissão de Ética - COBEA epompeu@biot.fm.usp.br

ÉTICA E EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL. Eduardo Pompeu CAPPesq - FMUSP Comissão de Ética - COBEA epompeu@biot.fm.usp.br ÉTICA E EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL Eduardo Pompeu CAPPesq - FMUSP Comissão de Ética - COBEA epompeu@biot.fm.usp.br Pesquisas Científicas Progresso das Áreas Biológicas Experimentação Animal HISTÓRICO Código

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03 INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03 Assunto: definição dos formulários, fluxo de informações, testes laboratoriais e outros aspectos, a serem empregados para ingresso no Estado de Santa Catarina de ovinos,

Leia mais

FORMULÁRIO PARA LICENCIAMENTO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO/EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL (ao abrigo do disposto na Portaria nº1005/92, de 23 de Outubro)

FORMULÁRIO PARA LICENCIAMENTO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO/EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL (ao abrigo do disposto na Portaria nº1005/92, de 23 de Outubro) FORMULÁRIO PARA LICENCIAMENTO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO/EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL (ao abrigo do disposto na Portaria nº1005/92, de 23 de Outubro) PÁGINA 1 Identificação do organismo e pessoas envolvidas

Leia mais

NORMAS, REGULAMENTO E FORMULÁRIOS DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO (TG)

NORMAS, REGULAMENTO E FORMULÁRIOS DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO (TG) NORMAS, REGULAMENTO E FORMULÁRIOS DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO (TG) 2 SUMÁRIO I. OBJETIVOS DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO...03 II. COORDENADOR DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO...03 III. COMPONENTES DO TG...03 IV.ORIENTAÇÃO...03

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 713/2010 - CONSU, de 22 de dezembro de 2009.

RESOLUÇÃO Nº 713/2010 - CONSU, de 22 de dezembro de 2009. Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência Tecnologia e Educação Superior Universidade Estadual do Ceará UECE Secretaria dos Órgãos de Deliberação Coletiva - SODC RESOLUÇÃO Nº 713/2010 - CONSU, de

Leia mais

PAPEL NA CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO RIO EKATERINA AKIMOVNA BOTOVCHENCO RIVERA

PAPEL NA CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO RIO EKATERINA AKIMOVNA BOTOVCHENCO RIVERA O MÉDICO M VETERINÁRIO RIO E SEU PAPEL NA CIÊNCIA DE ANIMAIS DE LABORATÓRIO RIO EKATERINA AKIMOVNA BOTOVCHENCO RIVERA Referência principal Harmonizing Veterinary Training and Qualifications in Laboratory

Leia mais

Formulário Unificado Para Solicitação de Autorização Para Uso de Animais em Experimentação

Formulário Unificado Para Solicitação de Autorização Para Uso de Animais em Experimentação Formulário Unificado Para Solicitação de Autorização Para Uso de Animais em Experimentação USO EXCLUSIVO DA COMISSÃO PROTOCOLO N o RECEBIDO EM: / / Obs. Todos os campos devem ser preenchidos. Em caso de

Leia mais

Submissão de Projetos de Pesquisa

Submissão de Projetos de Pesquisa Submissão de Projetos de Pesquisa Versão 2.1 1 Versão Autor Data Descrição 1.0 Equipe suporte 13/10/2011 Criação do Plataforma Brasil documento 1.1 Equipe suporte Plataforma Brasil 1.2 Equipe suporte Plataforma

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1 o. O Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) do Instituto Federal Catarinense

Leia mais

NORMAS DE SUBMISSÃO DE ESTUDOS À COMISSÃO DE ÉTICA PARA A SAÚDE (CES) do CHLO OBJETIVO PROCESSO DE SUBMISSÃO

NORMAS DE SUBMISSÃO DE ESTUDOS À COMISSÃO DE ÉTICA PARA A SAÚDE (CES) do CHLO OBJETIVO PROCESSO DE SUBMISSÃO NORMAS DE SUBMISSÃO DE ESTUDOS À COMISSÃO DE ÉTICA PARA A SAÚDE (CES) do CHLO OBJETIVO Normalizar e agilizar a submissão de estudos clínicos, facilitar a sua análise pela CES e assegurar, sempre que possível,

Leia mais

Os métodos substitutivos ao uso de animais em experimentos científicos realizados em laboratórios do país

Os métodos substitutivos ao uso de animais em experimentos científicos realizados em laboratórios do país Os métodos substitutivos ao uso de animais em experimentos científicos realizados em laboratórios do país Base Legal do Concea Métodos Alternativos e Renama José Mauro Granjeiro, PhD Coordenador do CONCEA

Leia mais

Anestesia para eutanásia em equinos Aspectos éticos e técnicos

Anestesia para eutanásia em equinos Aspectos éticos e técnicos Anestesia para eutanásia em equinos Aspectos éticos e técnicos Prof. Dr. Fabrício O. Frazílio Anestesiologia e Emergência Veterinária FAMEZ-UFMS Resumo Estudos antigos e atuais em relação a eutanásia Aspectos

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CRONOGRAMA DE EXTENSÃO 2013

FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST COORDENAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO CRONOGRAMA DE EXTENSÃO 2013 FACULDADE SANTA TEREZINHA - CEST CURSO: DRENAGEM LINFÁTICA E CURATIVO EM PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA PLÁSTICA MINISTRANTE: Prof. Esp. Maria da Consolação Rios da Silva PÚBLICO ALVO: Alunos e Profissionais

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANÁLISE DE PROJETOS DE PESQUISA 1 Folha de Rosto http://portal2.saude.gov.br/sisnep/pesquisador - está folha de rosto deverá ser impressa em 3 vias; deverá ser assinada pelo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA FACULDADE EVANGÉLICA DO PARANÁ CEUAs - FEPAR SOCIEDADE EVANGÉLICA BENEFICENTE DE CURITIBA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA FACULDADE EVANGÉLICA DO PARANÁ CEUAs - FEPAR SOCIEDADE EVANGÉLICA BENEFICENTE DE CURITIBA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA FACULDADE EVANGÉLICA DO PARANÁ CEUAs - FEPAR SOCIEDADE EVANGÉLICA BENEFICENTE DE CURITIBA CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES Artigo 1.º

Leia mais

CEUA BIOXEN P&D EM MEDICINA VETERINÁRIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA NATUREZA E FINALIDADE

CEUA BIOXEN P&D EM MEDICINA VETERINÁRIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA NATUREZA E FINALIDADE CEUA BIOXEN P&D EM MEDICINA VETERINÁRIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. A CEUA Comissão de Ética no Uso de Animais é um órgão deliberativo e de assessoramento da Alta direção

Leia mais

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária.

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Todos os animais, domésticos, selvagens e de laboratório são beneficiados por substâncias testadas em animais. Graças

Leia mais

CAPÍTULO PRIMEIRO DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS DA NATUREZA

CAPÍTULO PRIMEIRO DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS DA NATUREZA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 19/07 Define e regulamenta o Comitê de Ética em Pesquisas CEP e dá outras providências. O Presidente do

Leia mais

Dor, Anestesia e Analgesia em Animais de Laboratório

Dor, Anestesia e Analgesia em Animais de Laboratório Dor, Anestesia e Analgesia em Animais de Laboratório Leonardo Toshio Oshio Médico Veterinário Centro de Biologia da Reprodução - CBR/UFJF Juiz de Fora, Minas Gerais Senciente adj. Aquele que é capaz de

Leia mais

ANÁLISE HISTOLÓGICA DE FERIDAS CUTÂNEAS EM RATOS E ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA EM CAMUNDONGOS TRATADOS COM ÓLEO DE COPAÍBA

ANÁLISE HISTOLÓGICA DE FERIDAS CUTÂNEAS EM RATOS E ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA EM CAMUNDONGOS TRATADOS COM ÓLEO DE COPAÍBA ANÁLISE HISTOLÓGICA DE FERIDAS CUTÂNEAS EM RATOS E ATIVIDADE ANTI-INFLAMATÓRIA EM CAMUNDONGOS TRATADOS COM ÓLEO DE COPAÍBA Ana Carolina Guidi 1 ; Gislaine Cardoso de Souza 2 ; Valéria do Amaral 3 RESUMO:

Leia mais

FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO OU DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS DIDÁTICOS

FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO OU DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS DIDÁTICOS FORMULÁRIO UNIFICADO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA USO DE ANIMAIS EM ENSINO OU DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS DIDÁTICOS 1. FINALIDADE Ensino Graduação Pós Graduação Desenvolvimento de recursos didáticos

Leia mais

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS

PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS PESQUISAS COM AGENTES BIOLÓGICOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS Projetos que utilizem microorganismos (bactérias, vírus, viróides, fungos, parasitas, etc.), tecnologias com DNA recombinante (rdna) ou tecidos,

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA PARA USO DE HUMANO PROTOCOLO DE PLANOS DE AULAS PARA USO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA PARA USO DE HUMANO PROTOCOLO DE PLANOS DE AULAS PARA USO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA PARA USO DE HUMANO PROTOCOLO DE PLANOS DE AULAS PARA USO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS Data de entrada: No. Protocolo: Nível de abrangência do projeto: ( ) TC ( ) Iniciação Científica

Leia mais

Inscrição para o PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PEQUENAS EMPRESAS

Inscrição para o PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PEQUENAS EMPRESAS 4 13 Proc: PROTOCOLO Inscrição para o PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PEQUENAS EMPRESAS FASE I FASE II SOLICITANTE (Pesquisador responsável ou Coordenador da Equipe - não omita nem abrevie nomes) CÓDIGO

Leia mais

ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL

ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL ATUALIZAÇAO ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL Ekaterina Akimovna Botovschenko Riveral RESUMO j A experimentação animal envolve um comportamento ético por parte dos cientistas, que devem estar cientes dos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 (Do Sr. RICARDO IZAR)

PROJETO DE LEI Nº DE 2011 (Do Sr. RICARDO IZAR) PROJETO DE LEI Nº DE 2011 (Do Sr. RICARDO IZAR) O Congresso Nacional decreta: Regulamenta o direito à informação quanto ao uso de animais vivos na obtenção de produtos e substâncias. Art. 1º Esta lei regulamenta

Leia mais

Roteiro para elaboração de Projetos de Pesquisa - CEP/UBM -

Roteiro para elaboração de Projetos de Pesquisa - CEP/UBM - Roteiro para elaboração de Projetos de Pesquisa - CEP/UBM - BARRA MANSA - RJ 2010 1 APRESENTAÇÃO Toda pesquisa que envolva seres humanos e que seja realizada sob responsabilidade de pesquisadores do Centro

Leia mais

Técnicas anestésicas

Técnicas anestésicas Técnicas anestésicas A anestesia deve ser realizada, em animais de laboratório, sempre que o procedimento implique em dor ou desconforto dos animais. Não são necessários anestésicos, analgésicos ou tranqüilizantes

Leia mais

Raiva. Replicação no citoplasma - corpúsculo de inclusão

Raiva. Replicação no citoplasma - corpúsculo de inclusão Família Rhabdoviridae forma de bala 70 x 170 nm -RNA envelope Proteina G Ac neutralizantes Proteína N grupo Vírus fixo/rua Perfil G-N= Origem do vírus Raiva Raiva Raiva Replicação no citoplasma - corpúsculo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA. PRÉ-REQUISITO e/ou CO-REQUISITO (CR)

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA. PRÉ-REQUISITO e/ou CO-REQUISITO (CR) MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ZOOTECNIA Quadro 1- Matriz curricular do curso de zootecnia DISCIPLINA 1º Período Introdução à Zootecnia Nenhum 24 08 32 NC OB Exercício da Profissão de Zootecnista Nenhum

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1892 30.03.2010

RESOLUÇÃO Nº 1892 30.03.2010 RESOLUÇÃO Nº 1892 30.03.2010 Dispõe sobre recomendações dos procedimentos de contracepção em cães e gatos em mutirões de esterilização cirúrgica com a finalidade de controle da reprodução. O Conselho Regional

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais