Dados da obra. FERREIRA, Neudson Nicasio. Um conto atrasado de dia dos namorados. Barra do Corda: Colégio de Literatos, 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dados da obra. FERREIRA, Neudson Nicasio. Um conto atrasado de dia dos namorados. Barra do Corda: Colégio de Literatos, 2015"

Transcrição

1

2 Dados da obra FERREIRA, Neudson Nicasio. Um conto atrasado de dia dos namorados. Barra do Corda: Colégio de Literatos, 2015 Autor: Neudson Nicasio Categoria: Conto Site da obra: Foto da capa: Folha de outono no fundo branco Petr Kratochvil do site Edição: 1ª edição (ainda não revisado)

3 Prefácio Bem, já faz um tempo que não escrevo um conto, então esse aqui é resultado de um sério processo de readaptação que espero que tenha dado certo. Muita coisa me inspirou a escrever esse conto, embora eu tenha tornado as coisas um pouco mais complicadas no enredo. A grande questão é que, dias atrás, me perguntaram se eu acreditava em histórias perfeitas e essa é a minha resposta parcial. Talvez eu mude ou não de ideia, mas até lá, essa é a minha concepção. Enfim, tenha uma ótima leitura e segue meu pedido de desculpas caso a história não acabe tão bem quanto esperas Sumário Era uma vez...pág. 04 Até que um dia...pág.07 Felizes para sempre...pág. 11 Continuação da felicidade...pág. 15 Acabou?...pág À detentora das minhas melhores memórias, dedico este conto... 25/07/2015

4 Era uma vez Muitas coisas aconteciam durante aquela noite de junho. Motivadas quem sabe, pelo fato de ser dia dos namorados e pelo ar de romance que essa data carrega. Um perfume doce que encanta alguns e provoca um certo enjoo para outros que por consequência do destino, ainda não tiveram a oportunidade de encontrar sua alma gêmea. A lua, embora ofuscasse as estrelas, começava a surgir do horizonte e a ser objeto de deleite dos casais apaixonados da praça que estavam aproveitando ao máximo cada segundo. O primeiro dos personagens desta narrativa não se encontra aqui, nesta praça. Nem fazendo declarações de amor para a sua namorada, e para piorar, nem com sua namorada... Naquele dia 12 estava marcado uma festa na casa na casa de Augusto, ou como era chamado pelos amigos: Guto. Os pais do jovem haviam viajado e o concedido a responsabilidade de cuidar da casa e manter tudo em ordem, mas não bastasse a própria vocação de Augusto para se desviar do pedido, contava ainda a influência dos quatro amigos: Pedro, Fabiano, Diego e Renato. Ambos estavam na faculdade de engenharia civil, mas dificilmente compareciam ou estudavam, porque achavam-se livres, intocáveis e imortais, que tinham por obrigação aproveitar tudo o que o mundo tinha a oferecer-lhes. Até aquela altura do campeonato, já tinham feito todas as irresponsabilidades possíveis de se imaginar para a adolescência, exceto cometer um crime. Pena que as coisas não ficariam assim por muito tempo. Naquele mesmo dia 12, Tâmara vivia uma situação crítica. Tanto preocupou-se com o namorado que acabou deixando a prova de Estatística em segundo plano. Sentia então vontade de sair correndo daquela sala a qualquer momento, sem pensar no que fazer depois, apenas fugir. Parecia que no papel, estava a aprender grego com um pouco de física, e previa muitos problemas caso outra nota ruim fosse parar em seu histórico. Restava então contar com sua amiga e colega da cadeira ao lado, Maria Clara, para que pudesse salvar sua vida acadêmica. Foram tantas as vezes que as duas se ajudaram, que uma a mais ou a menos, embora a situação fosse crítica, não causava qualquer oscilação de amizade. Uma vez com as respostas, restava torcer para que as aulas seguintes passassem rápido, o namorado a esperava do lado de fora da faculdade para aproveitarem o restante da noite. A festa começou então por volta das 8 da noite, tendo uma música eletrônica no volume máximo, um alto consumo de bebidas alcoólicas, um bando de pessoas que naquele estilo de vida mal passariam dos 35 anos de idade, além de uma liberdade desregrada. Cada integrante do grupo de amigos estava dedicadamente ocupado com uma importante tarefa para com seus princípios. Um assaltava todas as refeições da geladeira do anfitrião, outro já

5 devia estar pela quinquagésima lata de cerveja, o restante ia dessas ações até outras tão ou mais degradantes do que essas que acabo de citar. Diego, por exemplo, estava no quarto dos pais de Augusto, lá pelas 22 horas, prestes a conseguir a oportunidade que tanto esperara de Raíssa. Seus dedos já estavam na alça do sutiã da moça, quando os amigos empurraram a porta do quarto de uma vez para dar a notícia: - Diego cara, se liga! O Norberto tá lá fora te desafiando para um pega. - Poxa! disse ele como quem perdesse a paciência Não dava pra dizer que eu tava ocupado, caramba! - Pode ir Diguinho falou a jovem Eu fico te esperando aqui. - Se a Fani souber o que tu tá aprontando aqui em cima... - falou Augusto. - Até parece que chumbo trocado dói. - disse recolocando a camisa vamos logo, detonar com aquele mané! Eram 7 e meia da noite quando o professor pediu que os alunos guardassem todos os materiais que não fossem utilizados na realização da prova, e aproximava-se das 9 quando o último dos alunos entregou sua avaliação. A turma finalmente estava dispensada para um breve intervalo, ao qual Tâmara usou para agradecer a amiga: - Mais uma vez você salvou a minha vida miguxa... - disse ela. - Amiga é pra essas coisas disse sorrindo. - E ai, o que o Henrique te comprou de presente? - Não sei, mas ele já está fazendo mistério a um bom tempo, mal posso esperar... E o seu? - Me esperando do lado de fora, e eu estou num pé e noutro para pular esse muro. Só que agora eu fiquei curiosa por ti. Será que ele vai te pedir em casamento? - Tomara, desde que começamos a sair que eu sonho com isso... E a conversa continuou, sobre expectativas, realidades, fofocas, até retornarem a sala de aula, onde uma outra disciplina tão chata quanto a primeira às aguardavam. Diego e Norberto não se davam bem, isso porque ambos eram competitivos ao extremo um com o outro. A quem ganhasse os desafios restava a glória e o respeito dos amigos, ao perdedor restava a vergonha e a proposta de uma revanche que era sempre aceita, formando um ciclo conflitual infinito. A questão era que o desafiado estava com a vantagem e o desafiante ressentido de sua última derrota. Não é preciso citar o passado dos dois, apenas dizer que tinham nos olhos a mesma expressão de dois lobos antes de lutar pela liderança da alcateia. - Tem gente hoje implorando pra apanhar exclamou Diego ao ver o rival recostado no carro e eu tou morrendo de vontade de dar uma surra em alguém...

6 - Falar muito zombou o outro Típico de quem não faz nada. Vai acabar comendo poeira depois da incrementada que eu dei no motor. - Nem que tivesse um turbo, essa carroça ia me alcançar. - entrou no carro - Vamos logo que eu estou com pressa! Os dois então posicionaram-se no meio da rua. Quase todos os que estavam na festa foram para fora, prestigiar a competição. Os motores roncavam alto, fazendo o público ir ao delírio na mais completa euforia. Diego estava confiante, embora as sete latas de cerveja houvessem lhe concedido tanto um ego irritante de alguém que pensa ser a pessoa mais incrível do mundo, quanto uma visão vertiginosa da realidade que piorava a cada segundo. Em resumo, os estilhaços de uma garrafa de bebida jogada ao chão foi o tiro de partida, seguido do canto dos pneus e de uma estrada incerta que se fazia adiante. Quando o professor dispensou a turma, Maria Clara começou a sentir-se apreensiva pelo encontro com Henrique. Pensou em falar com Tâmara, mas essa deu a desculpa de estar com dor de cabeça para sair uns 20 minutos antes do fim da aula e encontrar o parceiro que a aguardava. Casamento, essa era a ideia que pairava sobre a cabeça da jovem. Se a amiga estivesse certa, seria quase um sonho realizado, afinal, Maria Clara amava Henrique mais que tudo no mundo. Aquele era o homem para o qual ela decidira não somente se entregar por inteira, como também constituir uma família. Depois que passou dos portões da faculdade, encontrou o casal ainda entre beijos e abraços. Tâmara então convidou ela e alguns outros amigos para comerem uma pizza em algum lugar que por ventura estivesse aberto. A princípio a jovem recusou o convite, mas depois da insistência do grupo ela acabou cedendo. Poucos passos depois, seu celular acabou tocando. Era ninguém menos que seu namorado, os amigos sugeriram e ela acabou convidando-o também para a confraternização. Henrique disse que os aguardaria no local. E o grupo seguiu, entre conversas e brincadeiras e um estranho calafrio que atravessou a espinha de Tâmara, dando lhe uma certa vontade de chorar... Como Diego já esperava, o carro de Norberto estava bem atrás do seu. Começava a deixar de ser uma competição e se tornava apenas diversão, ele contra o relógio. Pisava forte no acelerador e ria consigo mesmo da velocidade em que se encontrava, embora vez ou outra sentisse o carro fazendo um leve zigue-zague que o acordava de volta a realidade. A vitória estava certa, mas ao invés de ir mais devagar e concentrar-se em ficar na rua, acabou acelerando ainda mais, pisando no freio apenas em uma curva um pouco fechada que ficava próxima ao prédio da faculdade. Quando encontrou-se mais a frente, pisou rapidamente no freio para que o carro derrapasse e favorecesse a realização de outra curva fechada. O movimento fez com que o jovem sentisse que o cérebro estivesse solto dentro da cabeça e isso

7 acabou fazendo com que ele não percebesse quase nada do que estava a acontecer. Apenas viu as luzes do painel girando, o som dos pneus arrastando no asfalto, uma pancada seguida de um vulto luminoso por causa dos faróis e por fim um monte de gritos estridentes e desesperados. Conseguiu sair do veículo tendo de se apoiar no mesmo porque mal se segurava em pé. A última visão lúcida daquela noite foi um monte de pessoas ao redor de uma outra que estava caída na rua, com um leve filete de sangue que saia dos lábios e com os olhos fechados. Não teve oportunidade de ver se era ou não um rosto conhecido, quanto menos de ter consciência do que acabara de fazer. Sentiu que a gravidade começava a ficar mais forte e desabou no chão, apagando no mesmo instante. Boa parte do que conversaram no percurso até a pizzaria, era referente a prova que foi aplicada a bem pouco tempo atrás. Obviamente aquele era o momento em que todos sabiam das respostas que deveriam ter dado, mas não resistiram ao grito do nervosismo. Todos estavam preocupados com o desempenho, exceto Maria Clara. Era uma excelente aluna sob todos os aspectos, quer fosse na inteligência, quanto na frequência e pontualidade, um verdadeiro exemplo a ser seguido. Não que essa houvesse gabaritado a prova, mas tinha a plena confiança de que conseguiria uma nota razoavelmente boa. Entretanto havia uma pequena fissura na calçada, que fez com que a jovem tropeçasse e deixasse cair o celular. Um dos amigos que lá estavam, acabou falando que aquilo era um mau-presságio, mas como não eram supersticiosos, resolveram conceber a opinião como uma espécie de piada. Enquanto apanhava os pedaços, pediu aos amigos que continuassem andando, alegando que logo os alcançaria. Por fim, eles cruzaram a rua e lá a esperaram, porque ainda não havia encontrado a bateria do aparelho. Tudo pareceu retornar a seu devido lugar quando Maria Clara se recompôs e correu em direção aos amigos. Era uma noite sem quaisquer tráfego de veículos, e isso possivelmente contribuiu para que ela não olhasse para os lados antes de atravessar a rua. Havia um barulho ao longe, como um ronco de um motor, tinha também uma luz fraca na parede de algumas lojas a frente, provocadas certamente por um farol de algum carro distante. Quando os pés da jovem tocaram a faixa de pedestres, foram quase que instantaneamente arrebatados pela frente de um veículo que vinha em alta velocidade. Dai em diante, tudo o que ocorreu foi um barulho pouco estranho de se ouvir, como se alguém esfarelasse uma folha seca em um tom extremamente alto e um clarão ofuscante, seguido de uma escuridão profunda e sobrenaturalmente silenciosa... Foi em um 12 de junho de um ano impreciso que os caminhos de Diego e Maria Clara cruzaram-se pela primeira vez...

8 Até que um dia O sono de Diego durou uma noite e a metade de um dia. Devia ser quase uma da tarde quando tentou levantar-se da cama, mas uma dor de cabeça fez com que ele voltasse a cair sobre a mesma. Claro que depois de uma farra igual aquela, não se poderia esperar uma leve ressaca. Aquela era devastadora. Foi direto para a cozinha, com os olhos cerrados e se escorando nas paredes tal qual um morto-vivo. Procurou algo que tivesse mais semelhança com o café-da-manhã, mas tudo o que encontrou foi o almoço já preparado. Esforçando-se um pouco mais, foi até a sala, onde seus pais discutiam um assunto de extrema importância. - Finalmente esse irresponsável acordou! - brandou seu pai num tom irritado Como é que você faz uma estupidez dessa meu filho?! - O que eu fiz? - perguntou o jovem confuso e atordoado com a gritaria Mas o que foi que eu fiz? - Você enche a cara, pega o volante de um carro, sai por ai correndo mais que sabe-se lá o que, atropela uma pessoa e vem com essa de que não se lembra?! - Calma amor falou a mãe que se esforçava para conter os ânimos. Diego tentou reconstituir as memórias da noite passada, mas essas tentativas apenas traziam mais imagens desconexas e pontadas na cabeça. Questionou quem devia ser a vítima e se estava tudo bem com ela. O pai apenas pediu que ele fosse se aprontar, pois teriam de ir tanto a delegacia, para assinar um termo de responsabilidade, quanto para o hospital, ver como estava o estado da jovem. Uma vez que acertou suas contas com a lei, seguiu de carro com o pai para o segundo compromisso. Parecia preocupado. Não com a lei, não com a opinião dos pais ou ainda com a pessoa que quase perdera a vida por sua culpa. - Pai perguntou ele o carro sofreu muito estrago? - Amassou um pouco o capô e o para-choque dianteiro. Sabe-se Deus como aquela moça escapou... - Vai custar uma nota arrumar tudo isso. - Você não vai gastar um único centavo nesse carro porque assim que sair do mecânico ele já vai para a casa de outra pessoa. - Como assim, o senhor vendeu meu carro?! - perguntou revoltado. - E de onde você iria tirar dinheiro para custear os gastos da pessoa que você atropelou? Ela agora é sua responsabilidade e em tudo o que ela ou a família dela precisar, você vai ajudar! - Que saco! - Você procurou isso. E vamos rezar para ela não ter mais nenhuma complicação porque o estado dela é bastante crítico.

9 Diego não conseguiu se conformar. Aquele carro era tudo para ele, a ferramenta que fazia toda a sua liberdade ter algum sentido e mantinha sua posição no grupo de amigos. Além do que, foram vários fins de semana trabalhando naquele carro para personalizá-lo. Dedicação essa que não devia valer menos que uma fortuna. Uma vez que chegaram ao hospital, o pai tomou a frente para tratar dos tramites médicos para com a família da jovem, além de pedir desculpas pela irresponsabilidade do filho. Obrigou também a se desculpar, mas seu pedido acabou não sendo sincero e o perdão não fora concedido. O ressentimento de alguém quase ter tirado a vida de uma pessoa inocente em um ato totalmente impensável contribuía para que as coisas continuassem como estava. Não tardou muito para que o médico viesse a dar o triste prognóstico. Os pais da jovem, em especial a mãe, começaram a chorar. Embora tivessem de agradecer o fato dela ter escapado das mãos da morte, havia pago um preço muito alto por um crime que não cometera. Quando Henrique chegou e tomou conhecimento da situação foi até a recepção onde Diego estava sentado, colocou-o de pé segurando pela gola da camisa do jovem e deu-lhe um cruzado de direita que, embora não o tenha levado a nocaute, foi o bastante para tirar sangue do lábio inferior e piorar a dor de cabeça ainda decorrente da ressaca. - Levanta seu desgraçado! - brandou Henrique Você acabou com a vida dela seu infeliz! Anda, levanta! Os seguranças chegaram para conter os ânimos e em pouco tempo cada um voltou ao seu canto. E apesar de toda aquela confusão, Diego continuava sem entender a gravidade do que fizera. O sono de Maria Clara estendeu-se por três dias, sendo o primeiro o mais longo e profundo. Durante o tempo que passou inconsciente não teve sonhos ou pesadelos, apenas a mesma escuridão muda que não fazia sentido algum, como uma queda de energia elétrica que acontece repentinamente numa noite qualquer. Quando começou a despertar, teve seus pensamentos invadidos pela confusão de ter ido parar em um lugar estranho, sem fazer a menor ideia de como conseguira ter chegado ali. Sentia a boca seca por causa da sede, a agulha que perfurava sua veia, o curativo que estava nos arranhões e por fim, uma incapacidade de levantar-se, que ela julgou ser excesso de dor ou de cansaço. Quando a enfermeira foi trocar a bolsa de soro, notou que a moça estava acordada. Pôs-se então a avisar ao médico responsável para que fosse examiná-la o quanto antes. - E então, como a senhorita está se sentindo? - perguntou ele. - Meio dolorida falou ela o que houve? - Você foi atropelada por um jovem inconsequente que dirigia bêbado e em alta velocidade

10 enquanto atravessava a rua. Digamos que foi um acidente e tanto... - Quando eu vou ter alta? - Difícil informar, tivemos de operá-la às pressas ontem. Podemos dar alta dentro de uma semana, mas o tratamento e a fisioterapia terão de durar um tempo indeterminado. - Operação?! Fisioterapia? Doutor, pelo amor de Deus, me explica o que houve? - Com o impacto da batida, você fraturou as duas pernas e com o da queda, deslocou o a última vértebra da coluna. Conseguimos salvar suas pernas da amputação, mas tenho de ser realista: as chances de você voltar a andar novamente são relativamente baixas. Se tivesse as forças necessárias, Maria Clara certamente teria enlouquecido com gritos, socos e pontapés. Mas ela não tinha. Apenas levou as mão ao rosto tentando enxugar as lágrimas de tristeza e desespero e em seguida apalpou as pernas na esperança de um milagre repentino que a curasse, ou em última instância, a acordasse daquele que parecia ser o pior pesadelo de sua vida. Sentiu-as doerem, mas não conseguia movê-las, O médico ficou comovido, embora sua profissão o obrigasse a ser forte e a acostumar-se a nem sempre ser o portador de boas notícias. De todas as coisas que estavam a seu alcance, fez a mais adequada, chamou a família e os deixou compartilhar aquele triste momento, com abraços, lágrimas e a fé de que as coisas um dia, voltariam a ser como antes. Tâmara foi visitar a amiga no final daquela tarde. Desejou melhoras e disse que sentiria sua falta na faculdade e no dia a dia. No fim de noite, Henrique disponibilizou-se a ficar em seu leito, vingando o tempo que não puderam passar juntos no dia dos namorados. Durante o tempo que passaram na companhia um do outro, não disseram nada além de um oi na entrada e um tchau na saída. Apenas abraçaram-se enquanto refletiam até que ponto aquele pequeno incidente mudava os planos que tinham projetado para o futuro. Maria Clara esperou que o namorado saísse para que pudesse novamente desabar em pranto. Como aceitar que de um momento para o outro algo havia sido subtraído? E os olhos que não eram seus não continham um olhar de pena, revolta e tristeza, por ver que uma jovem tão cheia de vida, encontrava-se naquela situação, cheia de marcas, cicatrizes e sem poder correr ou pular ou demonstrar qualquer futura felicidade que poderia ter. Desde criança, Maria Clara sonhava em conhecer os grandes castelos da Europa. Andar por toda a extensão da Muralha da China e independente de onde fosse, correr pelo menos uma maratona. Fazia parte de seu espírito doce e aventureiro, livre como uma ave cuja qual teve a plumagem manchada pela sujeira da dor e da ira. Aquela ave de asas quebradas olhava tristemente para o céu. Enquanto as outras tinham medo de cair, ela tinha medo de não conseguir voltar a voar...

11 Dormiu pouco ou quase nada naquele que seria o quarto dia, mas acordou tão melhor quanto pode. O pai veio falar com ela a respeito de um assunto extremamente importante, embora temesse como a filha fosse reagir. O estranho é que ela não reagiu, e talvez não pudesse porque sua mente estava devidamente martirizada por todos os sonhos e planos que ela começava a assassinar secretamente. No final da conversa ela respirou fundo enquanto o pai foi chamar os visitantes. Pouco tempo depois, entravam no quarto um senhor, acompanhado do filho a quem ela dirigia seu pior olhar de raiva. Era a primeira vez que odiava uma pessoa com todas as suas forças. Diego aproveitou que estava no hospital para ali mesmo fazer um curativo. Pediu ao pai que o defendesse ou pelo menos o poupasse de um sermão, mas ambos os pedidos foram negados. Aquilo gerava apenas mais aborrecimento para o rapaz que não via a hora de que tudo voltasse a ser como antes, afinal, não era problema seu. Além do que, a garota ainda estava viva e por isso não acabou sendo um crime grave. Quando o pai voltou da conversa do médico, decidiram retornar para casa porque a jovem ainda passaria por uma cirurgia naquele mesmo dia. Naquela noite Diego resolveu ficar em casa. Tanto para esperar os ânimos esfriarem quanto porque os amigos não planejaram nada. As coisas só não ficaram com um maior nível de tédio porque Fani, sua namorada resolvera aparecer. - O que houve amor perguntou ela parece aborrecido... - É que por causa de uma louca que atravessou sem olhar a rua vou acabar ficando sem o meu carro. - Fiquei sabendo do acidente ontem. E pelo que fiquei sabendo foi bem feio... - Feio nada, ela só quebrou as pernas, ainda está viva e também pode voltar a andar com uma cirurgia ou coisa do tipo. - Tanto faz, vamos mudar de assunto, está afim de sair? - Não tou com cabeça para isso, mas o que você acha começou a abraçá-la de ficarmos aqui essa noite e assistir um filme... - Por mim tudo bem. Os dois então aconchegaram-se no sofá da sala, apagaram as luzes e começaram a assistir um filme de ação. O sono quase fez com que um dormisse no abraço do outro, isso até o celular de Fani tocar. Enquanto atendia o telefonema, mantinha-se distante de Diego até o momento em que teve de despedir-se alegando que a mãe ordenava sua volta imediata para casa. Sem carro, não tinha como ir deixá-la, então limitou-se a pagar um táxi. Só quando o veículo virou na esquina, o jovem pode lembrar-se de algo importante: a mãe de Fani estava

12 viajando. Tentou dizer a si mesmo que aquela ligação não importava, mas era péssimo em acreditar nas próprias mentiras. Sabia que era um outro homem que estava ligando para sua namorada, sabia o que aconteceria entre os dois quando se encontrassem e que aquela não era a primeira nem a última vez que isso acontecia. E que moral teria ele para repreendê-la, se no dia anterior, ao mesmo horário estava a despir uma outra mulher? Havia usado a famosa expressão de que chumbo trocado não doía, mas o fato de ser indolor não diminui sua fatalidade. Quis com todas as suas forças ter ficado com ódio ou raiva da traição da namorada, mas tudo o que pairava sobre sua cabeça eram nuvens de decepções que conturbavam ainda mais sua tempestade pessoal de aborrecimentos. Nos dias que se seguiram não fez quase nada. Não saiu, não estudou, não procurou por Fani. Sequer atendeu as ligações de Guto preocupado pela falta de notícias. Toda atividade diária resumia-se em olhar para o teto do quarto enquanto estava deitado na cama. Isso acabou despertando a preocupação da mãe do jovem, mas o pai acabou interpretando tudo aquilo como um capricho ou pirraça do filho, que ainda trazia consigo a indiferença pela venda do carro e pela própria situação em si, tanto de ser taxado de criminoso quanto de ter pego um soco que bem no fundo de sua dignidade estava anestesiado por uma culpa que não sentia. Não sabia até que ponto sua vida mudou, só tinha certeza de duas coisas: nada era como antes, e se assim fosse, que tudo voltasse a seu devido lugar o mais rápido possível. Quando o quinto dia do acidente amanheceu, Diego e o pai retornaram ao hospital. O jovem continuava de mal grado porque qualquer coisa seria mais interessante do que ficar em um hospital, esperando algo que estava fora do seu alcance. Em suma, não via sentido algum em fazer algo de modo tedioso que pudesse ser feito de uma forma mais interessante. Mas esperar na fila enquanto assistia a um programa na televisão da recepção fazia parte de seu castigo, que por avaliação do pai, ainda estava leve se comparado ao que fez. Depois de um certo tempo, com o aval do médico, seguiu para o leito onde a jovem estava. Enquanto caminhava, procurava uma forma de recuperar outro carro, ou pelo menos, dar um jeito de esquecer tudo aquilo e novamente tentar um encontro mais íntimo com Raíssa, para deixar Fani de lado. Logo, os pensamentos que o haviam deixado tão distante de si, desfaziam-se no momento em que ele entrava no quarto, um choque de realidade provocado pelo olhar frio e revoltado da paciente. Estava agora frente à jovem dos olhos de gelo.

13 Felizes para sempre Maria Clara recolheu-se a poucas palavras. Normalmente era do tipo de pessoa diplomata e que dificilmente recusava qualquer conversa, mas aquela era perfeitamente dispensável. O homem começou a sentir-se constrangido, e não podia tirar a razão da jovem. Saiu do quarto por um instante devido ao chamado do médico e pediu para que o filho o esperasse. O rapaz por sua vez, mal tirava os olhos do celular, parecia ter esquecido do mundo que o rodeava, mas ainda sentia os calafrios provocados pelo olhar de inquisição da paciente, tanto que em um certo ponto desviou a atenção do aparelho e arriscou um diálogo: - Oi. disse com a mesma expressão de quem queria dizer tchau. - Oi. - recrutou ela de forma hostil e irônica. O diálogo entre os dois poderia ser uma ponte para eventuais tréguas, mas o contexto fazia com que Diego fugisse a todo momento de encarar Maria Clara porque sentia algo estranho. Enquanto isso, ela continuava com o olhar objetivo não de quem queria julgar, mas sim de punir, fazer justiça com as próprias mãos. - Doendo muito? - arriscou novamente. A jovem apenas acenou com a cabeça dizendo que sim, sem desfazer o olhar fixo que agora começava a assustá-lo. Contudo, a indignação de Diego por ter perdido o carro era maior do que qualquer culpa que poderia ou não existir dentro do jovem. Tamanha era esse sentimento de estagnação, que não o conteve dentro de si. - Tudo beleza então falou com um tom sarcástico No final das contas foi só um susto. Espero que esteja feliz, por sua culpa acabei ficando sem o meu carro. Maria Clara poderia ter bravejado de ódio, dirigindo-lhe as mais impronunciáveis e degradantes ofensas que já foram ditas na face da terra. O medo e o desespero lhe concederam a rara inteligência dos conformados, que nunca aponta uma resposta clara, mas que possui um efeito devastador para com algumas questões. A verdade é que as palavras que saíram de sua boca teriam mais impacto do que qualquer degradação, porque no fundo, eram verdadeiras, sinceras e inquestionáveis pelas leis da retórica e da ironia: - Foi só um susto respirou um pouco e começou a ficar com os olhos marejados e um tom de choro Espero que esteja feliz porque eu estou viva, mas por sua culpa, perdi as minhas pernas retirou o lençol que a cobria da cintura para baixo. Diego preparou-se para contra-atacar. Entretanto, até a dialética do jovem rapaz teve de render-se para com aquela situação. Como ir contra um inimigo já vencido? Tentou refletir sobre o que sentia, analisando as possíveis explicações ou simplesmente procurando alguma outra preocupação em sua mente que o pudesse distrair daquele problema. A verdade é que

14 simplesmente não conseguiu falar, depois de ver as pernas da jovem ainda envolta nos curativos, além das lágrimas que lhe caiam pelo rosto. Começava então o desabrochar das flores de angústia no pensamento, que por sua vez tinham mais espinhos do que pétalas e em nada eram belas. Restou-o apenas sair atordoado porta afora, trombando com médicos, enfermeiras ou quem quer que cruzasse seu caminho. Quando deu por si, estava recostado no carro, com as mãos apoiando a cabeça e ausente dos chamados do pai: - Diego, o que aconteceu? - perguntou-o. - Vamos pra casa agora. - respondeu ainda meio atordoado. No quarto de hospital, o semblante de dor da moça começava a ceder espaço para o de cansaço. Já não doíam mais as pernas, os sonhos que se destruíram, quaisquer que fosse o futuro que lhe era reservado. Quantas coisas ela teria de vir a abrir mão? Como em um curto espaço de tempo teve seu sorriso mais alegre e suas lágrimas mais tristes? O que tornavam as coisas dolorosas era a esperança de que cedo ou tarde, tudo voltaria a ser como antes, mas era uma chama muito difícil de se manter acesa e aquele era apenas o início dos ventos da tormenta que a vida lhe reservava. Do momento em que saíra do hospital e retornara para casa, o jovem não disse uma única palavra. Trancou-se no quarto e procurou pensar em qualquer outra coisa que não fosse referente a jovem. Durante os próximos três dias que se seguiram, não falou com ninguém ou sequer fez menção de sair de casa, apenas se trancou dentro de um purgatório preparado pela sua consciência e ali ficaria até conseguir a absolvição pelo crime que cometera. Durante duas semanas o jovem começava a perder sua identidade. Não era mais o rapaz festivo e animado que vivia sorrindo e experimentando todas as loucuras do mundo. Estava preso dentro de um profundo e torturante silêncio. Aconteceu que dentro do período de reclusão de Diego, Maria Clara finalmente recebia alta médica, para que pudesse se recuperar em casa. Sua felicidade aparecia em um grau quase imperceptível, afinal, livrava-se da maca, mas era aguardada pela cadeira de rodas e as longas sessões de terapia para ajudar uma possível recuperação. Contudo, iria para um lugar familiar, que certamente lhe faria melhor do que aquele quarto que misturava os odores de tristezas e desinfetantes, santuário de suas memórias mais tristes até então. Os amigos de Diego acharam por bem intervir na situação. Até mesmo porque a própria mãe do jovem já pensara em encaminhar o filho para uma psicóloga ou coisa do tipo. Sob inúmeras recusas, acabou sendo levado a força por Guto para uma boate no meio da noite em um bairro de classe média da cidade. O lugar estava cheio e a música eletrônica no volume máximo, o que deixava-o ainda mais atordoado, porque achara na paz do quarto um

15 meio de equilibrar os conflitos de sentimentos e a tranquilidade de espírito, mas naquele ambiente, tudo refletia perfeitamente a batalha do lado de dentro de sua mente. - Toma isso falou Guto entregando-lhe uma bebida Vai te deixar mais animado. - Eu só quero ir pra casa cara. - falou Diego com um tom desanimado não tou com animo pra festa. - Deixa disso! Vem cá, a Raíssa está por aqui em algum lugar, tenho certeza que ela vai salvar a sua noite! - Sem essa, eu ainda tou de caso com a Fani, então melhor não procurar mais confusão. - Se eu te der dois bons motivos, você vem comigo? - Cara, eu já disse... - Vem ou não? - Tá legal, se me der dois bons motivos, eu vou! - Primeiro: acaso você pensou na Fani naquela noite em que estava na cama com a Raíssa? - Legal, qual o segundo? - disse o jovem depois de respirar fundo. - Olha para o camarote 17 da área vip. De todas as coisas mais estranhas nesse mundo, uma das mais frequentes e comuns, é a ação de quando se falar em uma pessoa ausente, ela simplesmente surgir do nada. Nesse caso, depois de tanto falarem o nome da jovem, eis que Diego percebeu a presença da namorada, no andar acima da boate, quase sem fôlego, nos braços de um homem que teria idade para ser seu pai, senão avô. Sendo assim, decidiu usar a última porção de bom senso para evitar uma confusão e tomando a bebida da mão do amigo, retornou aos mesmos hábitos de antes. - O velho Diego está de volta! - brandou o amigo ao vê-lo se dirigir em direção a Raíssa. Mas as cicatrizes do jovem ainda não haviam curado por completo. Tâmara decidiu passar aquela noite com a amiga. Para isso, saiu da faculdade direto para a casa de Maria Clara, onde haviam combinado de assistir a um filme que passaria na televisão. Quando chegou, viu que a amiga estava deitada na cama entregue à leitura de um livro que parecia ser interessante, mas que logo foi descartado para segundo plano. - Como está amiga? - perguntou Tâmara enquanto a abraçava. - Um pouco melhor respondeu ela com muito esforço, tentando se elevar um pouco mais e as novidades? - Só as mesmas fofocas de sempre disse sentando-se no canto da cama e você, quando vai estar pronta para um passeio no shopping? - Não sei. Daqui a uma semana começa a minha fisioterapia, mas andar mesmo. Não sei se

16 vou voltar a fazer isso algum dia... - O importante é ter fé! - Se não fosse por minha família, você e o Henrique, eu juro que não saberia o que fazer... - E quanto ao cara que te atropelou, foi preso? - Nem me fale nesse cretino. Acredita que não teve um pingo de remorso do que fez? Estava mais afetado por ter perdido o carro do que quase ter tirado a minha vida. - Esse cara é um perfeito mau caráter. As duas acharam por bem mudar de assunto, até mesmo porque o filme já havia iniciado. Era bom começar a voltar aos poucos a normalidade a partir de algumas atividades. Também era essencial para sua recuperação que todos demonstrassem estar ao seu lado, isso porque é preciso mais força para se levantar uma pessoa, do que para derrubá-la. Diego chegou em casa totalmente fora de si, devido ao efeito do álcool. Por sorte, seu pai estava em uma viagem de trabalho, caso contrário, seria outra enxurrada de repreensões e castigos. Embora não estivesse contente com aquilo, sua mãe mostrava-se mais conivente, já que via o filho recuperar o mesmo ânimo e energia que tinha antes que as coisas ficassem tão conturbadas. As imagens confusas o fizeram deitar na cama sem quaisquer preocupação ou remorso. Não sabia, mas tinha terminado com Fani, armado o maior escândalo com o acompanhante dela e por fim, ter vomitado no sapato de Raíssa depois de um longo e demorado namoro. Era bom estar de volta... Uma outra ressaca no dia seguinte, fez o jovem despertar ainda mais tarde. Comia agora toda a quantidade que recusava durante o tempo de reflexão, e já havia esquecido completamente da jovem que vira no hospital. Entre corridas ilegais, bebedeiras e outros fatores da vida desregrada que tinha antes, Diego se sentia com tanto poder quanto possuía tempos atrás. Até que uma tarde, semanas depois de sua primeira festa pós-tragédia, recebeu um telefonema que mudaria sua vida para sempre. Maria Clara tentava uma readaptação, mas era tudo muito difícil. Ainda estava fraca devido a internação médica recente, por isso, pouco se locomovia na cadeira de rodas sem que estivesse exausta de tanto esforço para com o braço. Contudo, havia Henrique para ampará-la, e ela começava a se sentir outra vez, com força para enfrentar todos os desafios do mundo, embora ainda fosse difícil suportar todos os olhares das pessoas, o passeio do casal pela praça naquela manhã foi de certa forma agradável. O sol tocava o terno rosto da moça, enquanto o vento balançava-lhe os cabelos. Escapou também um sorriso de felicidade que há muito tempo não se via. Só que as coisas não terminaram tão bem como ela achava.

17 Henrique apareceu na tarde anterior ao dia em que ela iniciaria as sessões de fisioterapia. Tinha um semblante triste no rosto, que nada mais era do que outro duro golpe na vida da jovem. Sentou-se na cama onde Maria Clara estava, e tentava olhar para todos os lugares possíveis que não o fossem os olhos dela. Era algo difícil, porque acima de tudo, era culpa da sua própria fraqueza: - O que foi amor falou a jovem inclinando-se para ele aconteceu alguma coisa? - A gente precisa conversar... - mencionou - Me conta, o que houve? - Eu achei que ia conseguir contornar a situação, que tudo daria certo, mas... - Mas o quê Henrique? - Quando eu te conheci, você era alegre, cheia de vida. Era a pessoa perfeita com quem eu queria passar o resto da vida... - Como assim era? - começou a ficar com os olhos cheios de lágrimas. - Eu não sei se vou conseguir levar isso adiante, isso é, do jeito que as coisas estão... - Você está querendo terminar?! - A situação não pode continuar assim Maria Clara, eu não consigo. - Você não consegue?! Acha que as coisas estão difíceis pra você?! Olha só pra mim Henrique, meu mundo está desmoronado diante dos meus olhos e é assim que você fica ao meu lado?! - Acredite Maria Clara, as coisas vão ser bem melhor assim... Me desculpe. - saiu do quarto. E em menos de um mês o mundo da jovem ruiu. Todos os seus sonhos haviam se convertido em um mar de cinzas que a afogava cada vez mais. Lágrimas depois, já não queria saber de se alimentar, deixando de lado todas as bandejas que lhe serviam. Fisioterapia era algo que passara a ser definitivamente um assunto fora de questão. A única coisa que a mantinha viva era um soro conectado ao seu braço, que jazia ali depois de lhe faltar força para removê-lo. Depois do episódio de tentar apressar a hora de sua partida cortando os pulsos com a lâmina de uma tesoura, a família viu-se obrigada a pedir ajuda a um psicólogo. O profissional, por sua vez, analisou bem o caso, mas não encontrou quaisquer esperanças de reverter o estado de Maria Clara sem o uso de remédios, e misturará-los com os medicamentos que já eram ministrados devido a operação poderia deixar as coisas em uma situação ainda mais crítica. Contudo, havia uma esperança. Se a situação da moça era resultado de um choque psicológico, talvez outro choque de igual intensidade pudesse fazê-la voltar ao normal. Dentre todas as possibilidades, a mãe de Maria Clara sugeriu que ligassem para a casa do jovem que

18 atropelou, já que muito provavelmente a raiva pudesse fazê-la acordar para um diálogo. O pai da jovem foi contrário à ideia no princípio, mas depois acabou vendo que não havia outro jeito. - Com licença, acaso é da residência do senhor Saraiva? - Essa sim falou Diego mas ele não está. - E o filho dele se encontra? - Sim, é ele. O que deseja? - Bem rapaz, eu sou o pai da jovem que você atropelou... - Olha senhor, já não tenho mais nada a ver com isso... - Como não?! Por sua causa ela está do jeito que está, e além disso é sua obrigação! - Se for dinheiro, já vou avisando que não tenho um tostão... - Escuta ela está muito mal, e se por acaso acontecer alguma coisa com ela, a culpa é sua seu moleque irresponsável, então trate de vir aqui o mais rápido possível senão eu vou ai te buscar à força, entendido! - desligou o telefone. E sua última esperança era o causador de toda aquela tragédia.

19 Continuação do fim Diego ficou extremamente irritado com aquele telefonema. Toda aquela confusão devia ser passado para ele, ainda mais no momento em que tudo, aos poucos, começava a voltar ao normal. Ficou inquieto por algumas horas, percorrendo inúmeras vezes os cômodos de sua casa, até que pediu o endereço para a mãe. Teve de fazer o percurso de ônibus, já que estava sem carro. Para piorar ainda mais, viu numa esquina seu rival Norberto, exibindo o carro para os amigos que um dia eram mais próximos do jovem. Durante toda a viagem, o rapaz se fazia uma única, porém persistente pergunta: por que ele? Por que não Norberto? Certamente ele iria encarar aquela situação de melhor modo que ele encarava. E ainda tinha de conviver com a irônica cartada do destino de torná-lo o único capaz de salvar a garota que arruinara sua vida social. Maria Clara morava em um bairro de classe média, numa casa de simples de dois andares. Ainda sim, o jovem bateu em duas portas por engano, até acertar a residência da moça. - É aqui que mora a Maria Clara? - perguntou para a senhora que abrira a porta. - É aqui sim respondeu a mulher acaso você não se lembra de mim no hospital? - Não muito bem. Ela está ai? - Está no quarto, desolada... Entre por favor... O jovem então entrou, avaliando desinteressadamente cada pequeno detalhe da casa. Sentou-se ao sofá enquanto ouvia tudo o que acontecera com a moça desde o tempo em que ela saíra do hospital. Observou também todas as fotos que exibiam toda uma história de vida, e a culpa que tinha adormecido, acordara como uma fera faminta que novamente, lhe corroía por dentro. Em meio a todas as coisas fúteis e irresponsáveis que revivera nos últimos dias, tinha essa oportunidade de sentir que fazia algo realmente útil, ainda que fosse para reparar um erro que ele próprio cometera. Encarava aquela como a última chance de conseguir salvar sua alma, mostrando que ainda resguardava algo de bom dentro do coração. Maria Clara assemelhava-se a um fantasma tanto no corpo, quanto na alma. Tinha a pele pálida pela falta de sol e um olhar lânguido, perdido no espaço-tempo que levava a um universo paralelo onde tudo havia dado certo. Costumam dizer que fantasmas são nada menos que pessoas cobrando dívidas pendentes, pelo menos nesse caso, a afirmativa era certa. Quando o jovem entrou pela porta, mais parecia ter sido atingido por um forte golpe no estômago, resultado quem sabe, dos pensamentos lançados pela moça assim que o avistou: - O que você está fazendo aqui? - perguntou ela. - Eu vim aqui pra tentar te ajudar... - falou.

20 - Você acabou com a minha vida. Nada do que você fizer vai mudar isso... - Não acha que isso é drama demais? - Eu estou presa numa cama, estou perdendo aula da faculdade, meu noivo terminou comigo e eu nem sei se algum dia vou voltar a andar. Me diz, acaso eu estou sendo dramática? - Desculpe. Mas isso não quer dizer que você possa ficar assim! Afinal, ainda existe chance de você caminhar de novo e de recuperar tudo o que perdeu. - Isso é o que todo mundo diz, só que eu sei a verdade... - A verdade é que amanhã eu vou passar aqui e te levar para a fisioterapia. Se acaso você não tem iniciativa para recuperar sua vida de volta, eu tenho para me livrar dessa culpa, então querendo ou não, você vai! A jovem então deu o assunto por encerrado, virando o rosto de lado e desligando-se da conversa. Diego percebera que se alterou um pouco, então decidiu ir embora antes que piorasse as coisas. Entretanto, antes de sair ouviu as últimas palavras que a jovem diria naquele dia, e que o levara a se sentir como um condenado a morte que aceita irrefutavelmente sua pena: - Nem que você morra, eu nunca vou conseguir perdoar você pelo que me fez... - disse Maria Clara em um tom frio e sinistro. O rapaz não olhou para trás, seguiu seu caminho. Aquele foi o golpe mais forte que já recebera na vida. Eram sete horas da manhã quando Diego tocou a campainha da casa de Maria Clara. Acabou dando de cara com o pai da jovem que saia para o trabalho e curioso, quis saber qual a justificativa da presença do jovem. Dadas as devidas explicações, restava acordar a moça que dormia angelicalmente. - Você aqui? - perguntou ela em meio a um bocejo. - Eu disse que vinha. - Não acreditei. Além do que, eu não vou para a fisioterapia. - Qual o nome da sua mãe? - Lara, por quê? - Ô dona Lara! - gritou da porta do quarto Sua filha tá pedindo para tomar um banho e se preparar que nós vamos sair! A mãe de Maria Clara acabou animando-se com a notícia, e o jovem usou essa empolgação para chantagear sentimentalmente a moça. Como previsto, a raiva que sentia de Diego acabou por despertá-la da letalergia a qual estava submersa, ainda que fosse de forma agressiva e hostil. Não teve coragem de acabar com o sorriso de esperança que sua mãe

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1 Direitos Reservados - Pg 1 Aviso aos que se acham malandros, ou que querem ser processados ou parar na cadeia. Este livro é registrado com todos os direitos reservados pela Biblioteca Nacional. A cópia,

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki

Page 1 of 7. Poética & Filosofia Cultural - Roberto Shinyashiki Page 1 of 7 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética & Filosofia

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO Ideia: Produção realizada a partir de um fato marcante e em algumas situações ocorre a mesclagem entre narrações e demonstrações de cenas. Personagens: A filha da doméstica

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Felipe Luis do Nascimento Rodrigues. O sobrevivente

Felipe Luis do Nascimento Rodrigues. O sobrevivente O sobrevivente Felipe Luis do Nascimento Rodrigues O sobrevivente São Paulo, 2011 Editor responsável Zeca Martins Projeto gráfico e diagramação Claudio Braghini Junior Controle editorial Manuela Oliveira

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br MUDANÇA DE IMAGEM Os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Isto porque eu não tinha a quem relatar o que me havia acontecido. Eu estava com medo de sair do meu corpo novamente, mas também não

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

Em Março de 2007 começa a história que mudou a minha vida para sempre.

Em Março de 2007 começa a história que mudou a minha vida para sempre. D.F., 25 anos, solteira, psicóloga, cancro da mama em 2007 Em Março de 2007 começa a história que mudou a minha vida para sempre. Certo dia senti uma dor suave da mama para a axila e na apalpação descobri

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

Poética & Filosofia Cultural - Chico Xavier & Dalai Lama

Poética & Filosofia Cultural - Chico Xavier & Dalai Lama Page 1 of 6 Tudo Bem! Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar

O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar O Que Os Homens Realmente Pensam E Não Tem Coragem De Falar Pedimos perdão pela sinceridade mas o manifesto vai mostrar que você foi totalmente iludida sobre o que um homem procura em uma mulher. E digo

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Depressão na Gravidez

Depressão na Gravidez De Depressão na Gravidez Um relato de uma mulher com Depressão na Gravidez O E-mail enviado por Gabriela, uma mulher que teve depressão durante a Gravidez e as respostas de apoio e ajudar à essa mulher.

Leia mais

ENTREVISTA MARCOS MARINO 33º COLOCADO AFRFB / 2012

ENTREVISTA MARCOS MARINO 33º COLOCADO AFRFB / 2012 ENTREVISTA MARCOS MARINO 33º COLOCADO AFRFB / 2012 Olá, amigos do Estratégia! Como diz meu amigo Sérgio Mendes, como é bom estar aqui! Hoje irei entrevistar o Marcos Marino, aluno do Estratégia Concursos

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

101 desculpas para dar aos clientes

101 desculpas para dar aos clientes 101 desculpas para dar aos clientes Crystiano C. Alves Pequeno DEDICATÓRIA Agradeço primeiramente à DEUS; minha mãe; meus irmãos e familiares; meu amor; meus amigos, em especial à Gleice Flora que sempre

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória

Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória Olá, o meu nome é Vanessa. Neste trabalho que vou desenvolver, tentarei contar para você, amigo leitor, um pouco da minha vida e de toda a trajetória que eu percorri até a entrada na Universidade Federal

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Como você pode se livrar da Depressão, Surpreenda-se! SUMÁRIO

Como você pode se livrar da Depressão, Surpreenda-se! SUMÁRIO 1 SUMÁRIO A História... 2 Vários pensamentos... 2 Ódio... 2 Pena de MIM... 3 Sem controle sobre a minha mente... 4 Tristeza Profunda... 4 Falta de compreensão... 5 A cura... 6 Basta este dia... 8 Um novo

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa?

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa? Antigamente, quando não tinha rádio a gente se reunia com os pais e irmãos ao redor do Oratório para rezar o terço, isso era feito todas as noites. Eu gostaria que agora a gente faça isso com os filhos,

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Charles é um ser totalmente atrasado em relação à sociedade em que vive. Veio do interior e fica admirado com a imensidão da cidade grande.

Charles é um ser totalmente atrasado em relação à sociedade em que vive. Veio do interior e fica admirado com a imensidão da cidade grande. TEMPOS MODERNOS UM FILME DE Jeander Cristian, baseado na obra original de Charlie Chaplin. Pessoas apressadas andam pela cidade grande Tempo é dinheiro! Pessoas acessam informações em tempo recorde na

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes.

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. I Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. Três vezes. A última foi no dia da execução. Eu não

Leia mais

Hoje é dia do trabalho. Quero parabenizar todos os trabalhadores do Brasil. Quero também parabenizar antecipadamente todas as mamães do Brasil!

Hoje é dia do trabalho. Quero parabenizar todos os trabalhadores do Brasil. Quero também parabenizar antecipadamente todas as mamães do Brasil! 1 Culto Mensal de Agradecimento 01 de maio de 2011 Revmo. Tetsuo Watanabe Bom dia a todos! Os senhores estão passando bem? Hoje é dia do trabalho. Quero parabenizar todos os trabalhadores do Brasil. E

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO

MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO MATERIAL DE APOIO OFICINA EVANGELISMO PESSOAL MIN. FILIPE ARAÚJO DO CONCEITO PARA PRATICA E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo.

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo. NILO Esta história que vou lhes contar é sobre paixões. A paixão acontece, não se sabe quando nem porquê, e não podemos escolher os protagonistas da história. Seria tão bom se mandássemos no coração! Mas

Leia mais

Poder Invisível Use sua mente a seu favor!

Poder Invisível Use sua mente a seu favor! Poder Invisível Use sua mente a seu favor! Lucyana Mutarelli Poder Invisível Use sua mente a seu favor! 1 Edição Abril de 2013 "Concentre-se naquilo que tem na sua vida e terá sempre mais. Concentre-se

Leia mais

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS COPYRIGHT MIKAEL SANTIAGO mikael@mvirtual.com.br RUA ITUVERAVA, 651/305 JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO - RJ (21)9879-4890 (21)3186-5801

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais