VINTE ANOS SEM QUINTANA EM HOMENAGEM AO DIA DAS MÃES, UM POEMA DO MESTRE QUINTANA. Florianópolis(SC) - Mar/ N Edições A ILHA - Ano XXXIII

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VINTE ANOS SEM QUINTANA EM HOMENAGEM AO DIA DAS MÃES, UM POEMA DO MESTRE QUINTANA. Florianópolis(SC) - Mar/2014 - N.128 - Edições A ILHA - Ano XXXIII"

Transcrição

1 Florianópolis(SC) - Mar/ N Edições A ILHA - Ano XXXIII EM HOMENAGEM AO DIA DAS MÃES, UM POEMA DO MESTRE QUINTANA VINTE ANOS SEM QUINTANA Ainda nesta edição: - DULCE RODRIGUES: LITERATURA PORTUGUESA PARA O MUNDO - «GERAÇÃO DO DESERTO» - 50 ANOS - BBB E A EDUCAÇÃO BRASILEIRA

2 CIDADE HUMANIZADA Por Norma Bruno - Florianópolis, SC Há exatamente um ano, ao lançar um novo livro, decidi decorar o salão do Museu Histórico, no Palácio Cruz e Sousa, com árvores, em vez de flores. João Antônio, meu primeiro neto, chegaria em alguns meses e, como bem sabemos, criança combina com árvore. Comprei, então, duas belas arvorezinhas de cerca de setenta centímetros, uma ameixeira e uma jabuticabeira que, após o evento, seriam plantadas num terreno baldio que existe ao lado do meu prédio para acompanhar o crescimento do João Antônio. A ameixeira foi replantada, mas a jabuticabeira instalou-se num cantinho especial da minha varanda e não quis mais sair de lá. Assim seja! Quando o menino nasceu, enterrei o seu umbigo no vaso, junto à jabuticabeira, repetindo o gesto da minha bisavó. Com cuidado, carinho e boa adubação, as duas arvorezinhas estão crescendo faceiras e viçosas! Hoje, amanheci o dia com um vozerio no terreno ao lado e um entra e sai de caminhão. Eram operários descarregando maquinários e ferramentas para instalar uma "academia ao ar livre" como tantas que vêm sendo implantadas nas praças e terrenos baldios da nossa cidade, como parte do esforço da atual gestão para torná-la mais humana e amigável. A instalação atende uma reivindicação da vizinhança e já estava programada. Pedi que tivessem cuidado, pois um carro de apoio estava estacionado a meio metro de distância da arvorezinha. Passei o dia em alerta, preocupada com o entra e sai do caminhão que despejava areia e brita. Num dado momento, fui ao quarto me arrumar, precisava sair e, ao retornar à varanda, o susto: a ameixeira havia simplesmente desaparecido. Em seu lugar havia uma montanha de areia. Foi de propósito! Desci, indignada, apontando tamanha insensatez! Os caras se espalhando, tipo "não é 2 comigo!", então vi um sujeito com jeitão de chefe e parti pra cima. Perguntei se era o responsável - imagina se era! Ele nem me olhou, minimizou o erro dizendo que aquilo não ia estragar a árvore. Como não? Com o peso, a arvorezinha pendeu para o lado, totalmente coberta de poeira. Prometeu que tirariam a areia imediatamente. Realmente, enquanto conversávamos, um deles começou a escavar. Eram quinze horas e eu segui para o meu compromisso, pois estava atrasada. Voltei às dezenove e trinta. A pequena árvore continua soterrada. Humanizar a cidade não depende apenas do prefeito, nem de seus assessores. Ou se torna tarefa de cada um de nós ou nada feito!

3 A ILHA SUPLEMENTO LITERÁRIO Esta edição do Suplemento Literário A ILHA, de número 128, antecede a comemoração de mais um aniversário tanto da revista quanto do Grupo Literário A ILHA, que acontece em junho deste ano. Para junho, além da edição especial do Suplemento, pretendemos lançar um livro que talvez pudéssemos chamar de antologia, mas que trará biobibliografia, fortuna crítica e amostra da obra de autores catarinenses contemporâneos que passaram pelo Grupo A ILHA ou ainda estão nele. São trinta e quatro anos de divulgação da literatura catarinense e brasileira pelos quatro cantos do mundo, pois além de circular na versão impressa, esta revista está no nosso portal PROSA, POESIA & CIA., com a versão impressa em pdf, em Começamos bem o ano, com uma edição repleta de prosa e de poesia.poetas e prosadores brasileiros e portugueses e até de outros países estão aqui. Matérias sobre o aniversário da morte de Quintana, sobre o Salão Internacional do Livro de Genebra, Feira do Livro de Gotemburgo, na Suécia, Feira do Livro de Joinville e Feira do Livro de São José. O Suplemento Literário A ILHA continua a mudar a sua aparência, sua apresentação e esta edição traz mais alguns detalhes novos, como os textos em prosa em três colunas, para facilitar a leitura. Esperamos que o leitor esteja gostando da s novidades. Aguardamos a opinião de todos,pois devemos inaugurar uma seção de cartas. Boa leitura. O editor Visite o Portal PROSA, POESIA & CIA. do Grupo Literário A ILHA, na Internet, em 3

4 BÚDICA Júlio de Queiroz Florianópolis, SC Por pequeno, muros não lhe cerceiam a grandeza multiverde. No riachinho cimentado a água escorrega entre seixos. No pontilhão faz-de-conta, admiro a tenacidade do capim Se pavoneia a bananeira com seus cachos carmesins. Olho para o longo atrás cujas dores teceram esta solidão aquietada. Nem temo nem me apresso para os poucos passos que ainda tenho que caminhar. Talvez um pouco de curiosidade Quanto à bagagem que irá comigo. Calado, canto. Pronta Firme Atenta Como sentinela SENTINELA Apolônia Gastaldi - Ibirama, SC Pronto para entrar Está o ser estranho Funesto Fantasma definido como solidão A esperança monta guarda Na porta do meu coração Ele pulsa compassado Sem sobressalto Confiante Em tão boa ação Lá fora À espreita de um cochilo Guardo meu coração com sentinela E tudo Mas meu sangue jorra Como um furacão Não confie A passagem é curta E o amor não se guarda Na mão 4

5 PORQUE ESCREVO A MÃO Por Celestino Sachet - Florianópolis, SC Não sei porque escrevo. Ou, talvez, saiba e não consigo deixar por escrito. Vamos por partes. É pegar o pião lá, longe, bem longe, ainda no tempo da calça curta, na roça de Nova Veneza, local onde nasci, no quase extremo Sul de Santa Catarina, aos pés da Serra Geral, cujo trânsito para cima e para baixo só no lombo de mulas. Como eu tinha uma cabeça avantajada, quase desproporcional em relação ao corpo - testa grossa -, dizia o dialeto vêneto lá de casa, meus pais concluíram que eu deveria ser inteligente. E tinha que estudar fora do ninho quando terminasse o curso primário. Lembro-me que nessa escola de primeiras letras eu era bamba e tirava boas notas (quase sempre um dez, cá entre nós). Um coleguinha, também em dialeto, me dizia que eu tirava "dez" como se fosse água. Corria um riozinho ao lado da escola e a gente não entrava nele. Era proibido. Além do dez, eu caprichava na letra. Numa exposição de fim de ano onde os alunos expunham trabalhos e desenhos, a professora colocou minha prova final. Fiquei muito prosa. Afinal, minha letra estava bem bonitinha. Eu também caprichava em falar alto e bem pronunciado. Em consequência, deitava falação em qualquer solenidade, como na chegada do inspetor escolar, aniversário da escola, da professora, de um feriado solene como o Sete de Setembro e o Dez de Novembro, dia do Estado Novo de Getúlio Vargas. Um episódio interessante. Íamos descalços para a escola e nem sempre pés e pernas estavam lá muito asseados. Ainda me lembro da professora passando álcool no joelho, para não escandalizar a autoridade que estivesse me ouvindo. Quando vim estudar no Colégio Catarinense, aqui em Florianópolis, em 1945, comecei a escrever artigos para "O Colegial". Como não havia máquina de escrever, tinha que utilizar escrita manual para a redação editar o texto. O fato adoçava meu ego e meus escritos. E me desafiavam a escrever, a escrever. Lá pelos vinte anos, ainda interno no Catarinense, e sem máquina de escrever, comecei a publicar em jornais da Capital, entre eles O Estado e o Diário da Manhã. Este, aos domingos, colocava no alto da primeira página o 5 meu "A semana internacional". Só que tinha que assinar Itamaraty Leão. Todos os artigos, escritos a mão e bem legíveis: exigência do editor. Ah! Um detalhe que me escapou, ali em cima, quando falei dos meus anos de ensino fundamental: nos discursos de calça-curta, o texto era produzido pela professora. Mas eu o copiava, tudo bem redondinho para não me atrapalhar na hora da leitura. Hoje, ainda, passados tantos anos, a primeira redação de meus escritos e de meus livros é feita à mão. É que a palavra, para mim, é barro, que preciso dar corpo e alma ou, melhor, forma e conteúdo. Escrevo e risco; risco e escrevo, até que a palavra, olhando com carinho, me diga: - Chega de mexer comigo! Não vê que estou bonita? E estou dizendo aquilo que tu querias dizer!

6 LUA MULHER Karine Alves Ribeiro Gaspar, SC Nua, ela paira no negror celeste. Olha-nos com olhar lascivo. Tremor dos sensuais sentidos. Esparge em nós, homens o que há de mais bonito. Adentra-nos como um anjo prateado. Brinca com os nossos sonhos blindados. Transforma o frio da zero hora, em fervores de rouxinol. É ela, a mulher, Lua absoluta de nossos universos. Brancura de mãos hábeis de harpista. Dedilha as cordas destes equilibristas que desabam do bambo viver, direto ao chão, sem rede. Caso neguem-nos esse verde 6 que ilumina o nosso ser. Lua, brilhante, grande e cheia Traz-nos a mágica poção dos deuses, vem nos cobrir de amores lampejar nossos dissabores. Nuvens em gotas de flores cairão da noite mais fresca. Molharão os "terrões" mais brutos, para receber seus encantos absolutos de mulher. Lua dos poetas Amante, mãe e irmã, Mulher, insigne da natureza. Nossa fonte de vida e beleza, nosso píncaro de amor. (Dia Internacional da Mulher)

7 GERAÇÃO DO DESERTO - 50 ANOS Por Enéas Athanázio - Baln. Camboriú, SC Publicado em primeira edição no ano de 1964, pela Editora Civilização Brasileira, do Rio de Janeiro, "Geração do Deserto", de autoria de Guido WilmarSassi, está completando 50 anos. Segundo a crítica, o livro não despertou na época o interesse que mereceria, talvez pela circunstância negativa de ter surgido num ano turbulento em que se implantava o regime autoritário no país e a tensão social reinante era grave. Aos poucos, porém, a obra se impôs, mereceu diversas edições, tem sido objeto de inúmeros estudos e foi adaptada para o cinema pelo cineasta Sylvio Back, em 1971, com o título de "A Guerra dos Pelados." O tempo fez justiça e compensou a frieza com que o livro foi recebido. "Geração do Deserto" é um romance histórico, o primeiro que surgiu sobre o Contestado, e que abriu os caminhos para as produções posteriores. Ainda que seja obra de ficção, os eventos e personagens mais significativos são reais, contracenando no mesmo plano com outros que foram criados pela fértil imaginação do ficcionista. Escrito em linguagem clara e direta, o romance descreve em linhas gerais tudo que aconteceu de importante durante o conflito que teve início em 1912 e perdurou até 1916, com passagens épicas mescladas com outras românticas, a pura violência e o amor verdadeiro. Transparece uma evidente simpatia do autor pelos seres anônimos, personagens sem história e sem importância, envolvidos pela guerra brutal que os cerca e orienta suas vidas por caminhos nem sempre desejados. Sabe pintá-los com ternura e emoção. O romance foi dividido com habilidade em quatro partes, cada uma delas focalizando os momentos decisivos da guerra. Assim, a primeira diz respeito a Irani, onde se feriu o encontro das tropas oficiais com os revoltosos co- 7 mandados pelo monge José Maria, ocasião em que tanto este como o coronel João Gualberto, comandante da força repressora, pereceram, fato surpreendente e que imprimiu ao conflito rumos totalmente inesperados. O combate fatídico aconteceu a 22 de outubro de 1912, embora os relatos registrem que o monge tudo fez para evitá-lo, iniciando-se aí a guerra até então esboçada. José Maria, o monge guerreiro, seria na verdade Miguel Lucena de Boaventura, desertor da Força Pública do Paraná, e que residia no distrito de Espinilho, no município de Campos Novos, onde se notabilizara como "remedieiro" de múltiplos recursos. Era um homem baixote e corpulento, retaco, de pernas e braços curtos, mas infundia respeito e admiração, sendo seguido sem pestanejar pelos fanáticos. As partes seguintes dizem respeito a Taquaruçu, Caraguatá e Santa Maria. Entre esses redutos e outros menores decorriam as incessantes hostilidades, cobrin-

8 do enorme extensão territorial. Os jagunços, conhecedores do terreno, praticavam uma guerra móvel, espécie de guerrilha, em que a surpresa das tocaias desnorteava o inimigo. Atiravam de cima das árvores, nos desfiladeiros estreitos, nos carreiros fundos, escondidos pelo mato e as baixas eram numerosas. Estimulados pela crença no retorno de José Maria, continuador do monge João Maria, os fanáticos lutavam como feras. Em suas almas toscas se misturavam o misticismo, as crenças e as superstições, o ódio aos paranaenses invasores, aos "americanos" (aí entendidos os funcionários da Lumber e das empresas colonizadoras) e aos "peludos" em geral e crepitava a esperança de um mundo melhor em que pudessem viver em paz nas suas terras sem que fossem incomodados pela Companhia Lumber e pela estrada de ferro. Mas a Guerra Santa, como todas as demais guerras, acabou em imensa tragédia. Corre então a notícia da rendição dos revoltosos. "Confirmada a notícia - escreveu o romancista, - a rendição aceita, começam a chegar as primeiras levas de jagunços. Gente aleijada, semimortos de fome, disenteria, tifo e varíola; a maioria velhos, mulheres e crianças. Pelo acampamento desfilou aquele ror de trôpegos, macilentos e esfomeados - o saldo de quatro anos de guerra" (p. 152). Mortos ou aprisionados os líderes, o movimento se extinguiu mas os acontecimentos marcaram para sempre a alma do sofrido povo da região. E Guido WilmarSassi, neste romance seminal, registrou como ninguém os percalços do maior movimento de insurgência civil da história nacional. MÃE Mário Quintana Mãe... São três letras apenas As desse nome bendito: Também o Céu tem três letras... E nelas cabe o infinito. Para louvar nossa mãe, Todo o bem que se disse Nunca há de ser tão grande Como o bem que ela nos quer... Palavra tão pequenina, Bem sabem os lábios meus Que és do tamanho do Céu E apenas menor que Deus! 8 RENASCIMENTO Luiz Carlos Amorim Florianópolis, SC Há um raio de luz nascendo no horizonte. Há um fio de esperança apontando o futuro. Há um resto de fé se multiplicando. É a vida ressurgindo, É a Páscoa do renascimento, do encontro da paz, da busca do amor, a comunhão com Deus

9 O BBB E A EDUCAÇÃO BRASILEIRA Por Luiz Carlos Amorim - Florianópolis, SC A pior coisa do início de ano é o tal de Big Brother Brasil. Só o fato de haver uma nova edição dessa coisa sofrível que chamam de reality show, já é um retrocesso. São mais de dez edições, atestando que, realmente, uma boa parte dos brasileiros faz questão de se revelar um povo subdesenvolvido, praticamente sem cultura nenhuma, ao absorver um programa de tão baixa qualidade. Felizmente há quem saiba escolher e opte por um programa não tão ruim da televisão, ou pela leitura de um livro, um bom filme, boa música, uma boa peça de teatro. Em outros países, a moda até passou, mas no Brasil, não. Há até quem assine um canal de TV paga que mostra a "atividade" na casa vinte e quatro por dia. E são milhares de assinantes. O tal Big Brother não tem nenhum ponto positivo e a cada edição fica pior. As piores qualidades dos participantes do "show" são valorizadas, para dar mais "ibope". Vale tudo: baixaria, mau caráter de uns e outros, até sexo. Numa das últimas edições, no entanto, não foi apenas sexo: um dos moradores da casa teria estuprado uma moradora, embaixo do edredom. Virou escândalo nacional e acabou exacerbando a curiosidade e até aqueles que não viam o malfadado programa, acabaram dando uma "espiada". O brasileiro precisa analisar melhor o que anda consumindo, precisa escolher melhor o seu tipo de lazer. Há que saber escolher o que ver na TV, há que se ler um bom livro, de vez em quando, estudar mais, fazer cursos para se encaixar melhor no mercado de trabalho e melhorar a renda. Precisamos gerenciar melhor o nosso tempo. Precisamos elevar o nosso nível de cultura. E não venham, por favor, me dizer que "não podemos fazer tudo isso porque somos pobres". Sempre podemos aprender mais. Precisamos, mais que tudo, que a qualidade da educação brasileira seja resgatada, para que coisas como esse BBB não seja mais sucesso em nosso país. Ainda bem que há quem abomine o tal BBB e sempre há a esperança de que esta seja a última edição. Que a cultura vença! EXPEDIENTE Suplemento Literário A ILHA - Edição Março/ Ano 33 Edições A ILHA - Grupo Literário A ILHA - Contato: lc.amorim.ig.com.br A ILHA na Internet: portal PROSA, POESIA & CIA. 9

10 O NÓ Marcos Antonio Meira São José, SC Desfeito o nó O contrato se perde Algo se altera Em mim Em nós Saio (quase) inteiro Saio outro Pronto Para... Um retrato em P & B Retardo: Um momento Um movimento Um dilema Um sim - talvez - através Atravesso A vidraça Oco - leitoso - janela - pro além O corpo Sangra E o sangue já não é mais teu Uma lágrima arranha o corpo E turva a visão Cego vagueio O tato Era eu Eras tu Não nos reinventamos? De cada lado (uma dor) E o vento leve E o vento leva O vento... Nuvens - brancas - nuvens Os passos no azul Pra longe - pra bem longe O que era Eu - Tu O que fica Eu - Só O que fica Só - Tu E uma saudade renasce Em cada primavera (tanto tempo!) EU Aracely Braz S.Francisco do Sul, SC Está escuro, muito escuro! Meus pés flutuam, minhas mãos acenam. Sigo num doce embalo sem dimensão nem lei. Só flutuo. Meu compasso é de acalento e paz. Não vejo passado, sou presente, viajante para um futuro que se aproxima e oferta um raio de luz. A luz fica mais forte, muito forte, muita luz, o raiar de um mundo novo, o mundo em que cheguei. Nasci. O AMOR ErnaPidner Ipatinga, MG À procura do amor Andei por terras distantes Em minha imaginação. Num deserto causticante Pés descalços, no caminho Um oásis de ternura. Prendi a respiração! Não era alí o lugar Em que o haveria de encontrar... O amor é muito mais Que uma simples ternura Levando a criatura A sublime bem querer, Nem somenos é paixão Pairando avassaladora Em alcovas sensuais... Amor é aurora de luz Lastro de ouro mais puro Das jazidas da emoção, Diamante lapidado Nos reveses da existência, Rocha de cristal sem falhas Visão cósmica centrada No canto alegre da cigarra Botão de rosa entreaberto noite estrelada, Sol ardente. O amor é simplesmente Sonata em dó maior; Canção de muito valor Na orquestra do Criador! Visite o Blog CRÔNCIA DO DIA, em Arte, cultura, litertura. Sempre um novo texto 10

11 DE VOLTA PARA CASA Por Wilson Gelbcke - Joinville, SC Na casa do grande fazendeiro, a fumaça branca saindo da chaminé anunciava um novo dia de trabalho. No entanto, aquele seria um dia diferente. Havia angústia em cada coração daquela gente agrupada no lado de fora. Lavradores e peões, mulheres e crianças, após uma noite de vigília pelo que pudesse acontecer ao neto do grande fazendeiro, esperavam por notícias. A porta da frente foi finalmente aberta e a avó de Pedro apareceu. Entre lágrimas e sorrisos, sem esconder a emoção, anunciou: - Pedro acordou! Pedro acordou! Meu neto está bem, graças ao bom Deus. Foi um só grito de alegria, entre vivas e urras. Os sinos do rancho passaram a repicar em todo o vale, como acontecia nos dias de festas. - Estás escutando, Pedro? - disse o avô, ao lado da cama. - Os sinos repicam por ti. Cabeça enfaixada e apoiada no travesseiro de paina, Pedro olhava em sua volta. Além do avô, ali estava também o lenhador Anacleto. - Foi Anacleto quem me trouxe, não foi, vovô? O avô balançou a cabeça e sorriu, maliciosamente. - Anacleto e suas histórias. Disse ter enfrentado mil duendes para te salvar. - Não eram tantos - retrucou o lenhador, devolvendo o sorriso. - Tens levado a sério histórias que venho te contando sobre Mitologia - continuou o avô. - Enquanto deliravas, repetias nomes mitológicos como Pênia e Poros... - Pênia e Poros! - exclamou Pedro. - Conte-me sobre eles, vovô. - Agora não, que precisas descansar. - Por favor, vovô. É muito importante. O avô levantou-se, foi até a estante e pegou um dos livros sobre mitologia. Folheou algumas páginas, voltou a sentar-se ao lado da cama e começou a ler em voz calma e macia: 11 - No Olimpo, os imortais banqueteavam-se em regozijo ao nascimento de Afrodite, a Vênus deusa do amor. Tudo era festa e alegria, onde o néctar abundante corria pelas taças douradas. Já no final do festim, surge à porta a figura andrajosa da esquálida Pênia, a Pobreza a mendigar as sobras do banquete. Ela se dirigia à mesa quando deslumbrou a figura de Poros, o Recurso. Embriagado pelo excesso de néctar, Poros caminha para o jardim de Zeus, onde se deita e cai em sono profundo. A Pobreza, que vivia à cata de recursos, cautelosamente, deita-se junto a Poros e abraça-o. Despertao e concebe o filho desejado: Eros! - Eros? - indagou Pedro, esforçando-se por levantar a cabeça. - Não é ele o Amor? O avô sorriu e tomos as mãos de Pedro entre as suas. - Pobreza e Recurso geram o Amor. - Bom Deus - exclamou Pedro, não contendo a alegria. - O País da Miopia está salvo! - Do que estás falando, Pedro? - Oh, não se preocupe, vovô. Apenas um sonho. Um sonho maravilhoso sobre um país tão... Tão diferente do

12 nosso. - Bem pesado era o galho da sapucaia que te atingiu a cabeça. - Bordões são feitos do mais duro ipê - retrucou Anacleto. - Histórias - disse o avô, sorrindo. - Tuas férias chegaram ao fim. Logo voltarás à cidade, aos teus pais e aos estudos. Espero tê-lo de volta no próximo ano. Terás então, treze anos. Já não haverá nessa cabecinha tantas fantasias, tantos sonhos e tantos duendes na floresta. Deixarás de pensar como criança e, certamente, começarás a te interessar pelos problemas dos adultos. Só então verás como eles são confusos, atrapalhados e tão míopes quando desnudos. - Nada que bons óculos não resolvam, vovô. O avô olhou para Pedro, levantou-se e recolocou o livro na estante. Sorriu, cheio de indagações. - Lá se vão oitenta nos, querido neto. A cada dia que passa, uma nova surpresa ou um novo desafio se me apresenta - disse o avô, mostrando a Pedro uma moeda de ouro. - Há milênios, os homens estão sempre a questionar: O que é a Verdade? Onde está a Justiça? Poucos estão preparados para jogar seus juramentos na Fonte da Sinceridade. A propósito, Pedro, como podes me explicar essa moeda tão antiga em teu bolso? (Capítulo final de Esses Duendes tão Míopes ) UM VENTO PERDIDO Rosângela Borges - México Era um vento encantado. Desses que caminham por ruas, por mares e telhados. Um vento sem asas, sem pés, sem nada. Desses quelevam poeira, destinos e risadas. Era um vento apaixonado. Dessesque trazem qualquer cantoria, uma chuva, uma agonia! Um vento armado, louco, gelado. Desses que lembram beijos, cabelose abraços. Era um vento perdido. Desses que assobiam salsa, rock, valsa! Um vento qualquer, Um vento mal-me-quer Um vento inimigo. Desses sem par, sem perdão, 12 sem razão. Era um vento desafinado. Um vento feliz. Sem casa, sem praça, sem raiz. Um vento jovem, corajoso, Sem sonhos, sem ilusão, Um vento de imitação! Era um vento vagabundo, Um vento cantor, Solto no mundo! Um vento descabelado, estacionado. Um vento bendito, perdido, desbotado. Um vento sem boca,desbocado! Um vento devagar, a divagar, Um vento poeta, de alma inquieta Um vento coitado, sem sorte, sem azar, Que tudo o que queria Dessa soprada vida, Era fazer outras coisas Além de respirar!

13 RELEITURAS Por Célia Biscaia Veiga - Joinville, SC Tenho o hábito de reler livros. Às vezes sou criticada por isso: "podia estar lendo um outro livro", "qual a graça de ler algo que você já sabe como vai terminar", "não faz nem um ano que você leu, nem dá pra dizer que é pra ter uma opinião diferente como se fosse um livro lido na adolescência", e por aí vai... Mas eu não me importo. Tem livro que reli umas dez vezes e que sempre me emocionam ou me fazem rir tanto quanto o fizeram na primeira vez que li, ou às vezes até mais, justamente por saber comovai terminar. Não é qualquer livro, naturalmente, são aqueles que, de alguma forma tocam o meu íntimo e sempre "me dizem" algo que estou precisando no momento. Sendo uma leitora compulsiva, geralmente leio dois ou três livros ao mesmo tempo: um livro de estudo, que requer reflexão, um de literatura que esteja lendo pela primeira vez, e outro que estou relendo. A escolha pelo livro que vou reler geralmente tem relação com o meu estado de espírito: se estou triste, com vontade de chorar mas não estou conseguindo, vou pegar um livro que vai me fazer debulhar lágrimas antecipadas já antes de chegar ao final dramático. Se estou ansiosa e sei que a ansiedade vai durar um bom tempo, quando estou esperando um fato ocorrer, começo a ler alguma coleção para ter vários livros em sequencia para aplacar a ansiedade. Se quero rir, já sei também quais os livros que me farão gargalhar à simples chegada do personagem que será o mais engraçado, antes mesmo de começar a graça. Nem por isso deixo de ler novos livros, pois anovidade também é maravilhosa, e alguns desses novos livros irão também ficar na minha lista para releitura posterior. Costumo classificar os livros em quatro grupos: aqueles que chamam você, que você só para de ler se tem outra coisa inadiável, mas enquanto não está lendo está pensando em como vai continuar, e são esses que passam para a minha lista de futuras releituras; aqueles que prendem sua atenção enquanto você está lendo, mas se parar você esquece dele até poder pegá-lo novamente, esses geralmente leio uma vez só; aqueles que se arrastam e você só continua lendo para ver se vai melhorar, 13 também lidos só uma vez; e finalmente aqueles que você começa a ler e descobre que tem muitas outras coisas mais interessantes para fazer do que perder seu tempo lendo-o, esses nem são lidos até o final. Essa classificação atende ao meu gosto pessoal e não a modismos, best-sellers, autores consagrados. Não descarto nenhum tipo de livro desde que se enquadre nos meus três primeiros grupos. Muitas vezes um autor desconhecido passa para a minha lista de releitura enquanto um autor consagrado se enquadra no último grupo. E à medida que vou lendo novos livros, mais livros vão fazendo parte dos livros que eu vou reler, mesmo recebendo críticas das pessoas mais chegadas. Cada louca com a sua mania...

14 ECO 2 Harry Wiese Ibirama - SC Ouço o murmúrio dos matagais, Sopro da ventania comportada. O enlevo exposto aos ventos Traz dos pássaros escondidos os cantos. O que tem a dizer a música da selva? Decifro suas insígnias insculpidas nas ondas do além E não entendo a mensagem codificada. Então, curvo-me diante da magnificência natural E torno-me ébrio de amor e sábio de esperança. Ainda hei de entender a grã-essência da selva Com seus desígnios e tendências fugais. O que está além Que venha sempre com o murmúrio do vento! REVISÃO DE TEXTOS Não deixe seu texto ser publicado com erros. Faço revisão e copy desk. Livros, revistas, jornais, TCCs, etc. FEIRA DO LIVRO DE GOTEMBURGO NA SUÉCIA Depois de Frankfurt em 2013 e Bolonha em 2014, o Brasil será destaque em mais uma feira de livros na Europa: a literatura brasileira será o tema da Feira Internacional do Livro de Gotemburgo, na Suécia, em O Brasil será homenageado neste grande evento, este ano, na Suécia. Nosso país será o foco das atenções. O país estará presentes na Feira do Livro de Gotemburgo, na Suécia, de 25 a 28 de setembro de 2014 tendo como prioridade divulgar o autor brasileiro, sua obra e nossa cultura. As coordenadoras do STAND BRASIL MÁGICO, Caroline Axelsson e Jô Ramos, convidam os autores brasileiros para participarem desta grande festa. O stand levará autores de língua portuguesa com livros em português e/ou traduzidos para outras línguas. Revisões conforme a reforma ortográfica recente Consulte nossos preços. Contato: 14

15 Dulce Rodrigues é autora premiada na Europa e nos Estados Unidos. Dulce Rodrigues escreveu seis livros infanto-juvenis e dois livros de viagem. Fala seis línguas vivas e é tradutora dos seus próprios livros. Natural de Lisboa, cidade que a viu crescer e onde fez um curso universitário em Letras e Literaturas, viu-se atribuir mais tarde uma bolsa de estudos pelo Goethe-Institut na Alemanha e uma outra para um curso cientifico com a Open University no Reino Unido, o que a levou a viver em vários países da Europa. Depois de uma carreira profissional como tradutora de inglês e alemão junto das Forças Militares Norte-Americanas na Alemanha, e como funcionária internacional da OTAN, organização de que se encontra aposentada, divide agora o seu tempo entre as viagens de afecto e de recreio e os livros - como leitora e como autora, sobretudo para crianças, para as quais criou também o projecto (em quatro línguas). É apaixonada por História, em especial a riquíssima História de Portugal, de que tem feito tema das suas conferências e de artigos publicados em jornais e revistas. Gosta também de jardinagem, fotografia, arte, música e animais. Visite-a em DULCE RODRIGUES: SUCESSO LITERÁRIO PELO MUNDO Há sempre umprimeiro momento para tudo o que fazemos na vida, e gostaria de partilhar convosco como tudo se conjugou para que eu escrevesse o meu primeiro livro infanto-juvenil. Estávamos em Janeiro de 1999, eu tinha ido buscar o meu cão Barry que ficara no canil durante as nossas férias de Natal a Portugal e, nessa altura, veio-me à ideia escrever um livro infantil contando estórias de alguns dos meus animais de companhia ao longo dos anos. Surgiu assim "L'Aventure de Barry", e tudo começou em 2000, pouco tempo depois da publicação desse meu primeiro livro para crianças, quando tomei conhecimento com o Service du Livre Luxembourgeois. Esta entidade cultural belga encarrega-se, desde essa altura, da distribuição e venda de todos os meus livros infanto-juvenis, em francês e português na Bélgica, recentemente também em inglês. Ao longo destes anos, tantas coisas aconteceram, tantos outros li- 15

16 vros publicados! E através desse percurso, quantas belas amizades se foram forjando! Seria longa a lista de todos esses belos acontecimentos da minha carreira de escritora, por isso, começarei por mencionar os salões ou feiras do livro ou mesas-redondas e fóruns onde tenho estado presente, em alguns casos por mais do que uma ocasião: Alemanha (Saarbruecken, Frankfurt/ Main), Bélgica (Bruxelas, Musson, Bastogne, Athus, Namur, Paliseul, Ligny, Arlon, Aubange, Libramont, Virton), França (Paris, Thionville, Longwy, Oloron), Luxemburgo (Luxembourg-ville, Kirchberg, Walferdange), Portugal (Lisboa). Suíça (Genebra) E, como não podia deixar de ser, nas actividades que mais alegria me proporcionam estão as visitas a bibliotecas e, sobretudo, às escolas: Longwy e Oloron, em França; Bruxelas, Arlon, Weyler e St. Hubert, na Bélgica; Luxembourgville, Esch-sur-Alzette, Wiltz e escola europeia, no Luxemburgo; Saarbruecken, na Alemanha; Tismana, na Roménia; Bombaim, na Índia; Carcavelos e Santarém, em Portugal. Quanto a prêmios literários, embora não sejam dos mais prestigiosos do mundo, têm sido um reconhecimento gratificando e carinhoso do meu trabalho: Troféu euopeu, primeiros e segundos prémios e menções honrosas atribuídos pelo Centre Européen pour la Promotion des Arts et des Lettres, em França (2003 e 2013). Terceiro prémio atribuído pelo Cercle International d'expression Littéraire et Artistique (2004). Menção honrosa atribuída no Hollywood Book Festival (2013). Menção honrosa atribuída no London Book Festival (2014). E porque a História é também uma das minhas paixões, em especial a riquíssima História de Portugal, tive o prazer de ser convidada para dar conferências no Luxemburgo, na Bélgica, na França e em Portugal, tendo os temas sido até agora: "Les Découvertes Maritimes Portugaises", "Camões, Prince des Poètes", "Le Cheval lusitanien, fils du Vent", "A União Europeia", "Éthiopie - Sur les traces de l'héritage portugais au pays du Prêtre Jean". Dulce é representante do Grupo Literário A ILHA na Bélgica. 16 BOLINHAS DE SABÃO Maria de Fátima B. Michels Laguna, SC Quão leves são! E bem coloridas faço trezentas já num minuto! Mas pelo espaço, elas se vão... E se houver brisa da bem suave, até viajam um bocadinho mas tais bolhinhas são como eu: Deixam de ser... bem ligeirinho Tudo é igual aqui no mundo a uma bolhinha bem delicada Não se demore Não se distraia apenas olhe e se permita Seja bem leve e compreenda: Ser bolhinha? é nossa lida! E estar humano, é tão ligeiro Nosso destino? Ser meteoro! É tão depressa que a gente brilha É num repente, que a gente finda. E por ser tão breve esta nossa vida, use seu tempo só pra me olhar dizendo sempre que me assoprar Linda! linda! Ela é tão liiiinnnnda!

17 ANTES DE TUDO Jacqueline Aisenman Genebra, Suiça Antes tarde bem tarde, ou mesmo nunca, por favor... Porque hoje estou ocupada em refazer tudo o que em mim se desfez tentando ser o que jamais seria... Se não tivesse perdido tanto tempo, tanto sangue e água, sentada numa estrada que não tinha retorno. Jacqueline é editora e coordenador do Varal do Brasil, que divulga escritores da língua portuguesa desde Genebra. ARTES DO SACI Clarice Villalc Campinas, SP Sacisperto quis chamar uma chuva criadeira - ficou dando cambalhotas e plantando bananeira pra acordar o deus Tupã, chover hoje e amanhã, reviver a cachoeira! 17

18 CARTA A UM MENINO DO IRAQUE Teresinka Pereira Estados Unidos Os doces de Páscoa que te oferecem os soldados estrangeiros contém um perigoso veneno de propaganda de guerra. São como as contas brilhantes que os cristãos ofereciam aos indígenas, enquanto lhes roubavam o ouro e as terras. Não comas dessa oferenda de Páscoa, nem chores por essa ferida que te fizeram ao estalar milhares de bombas sobre a tua casa, sobre a tua mãe. Não comas esse caramelo porque por ele talvez estejas tomando em comunhão a carne de teu pai, torturado e morto em prisão, acusado de terrorista pela culpa de ser homem e porque se determinou a proteger-te. VARAL ANTOLÓGICO Basilina Pereira A finalidade de um varal é encontrar seu espaço sob o sol, onde ele possa colher a luz dourada da vida, para reparti-la com aqueles, que por qualquer motivo, estejam envoltos em sombras. Assim tem sido o Varal do Brasil nesses quatro anos de existência: capta a luz que emana do íntimo dos poetas e escritores, plantados em qualquer lugar onde reine a paz e a alegria, e estende na cordilheira dos sonhos, para que a poesia possa voar cada vez mais alto e chegar o mais longe possível. Como um rio que nasce pequeno e segue amealhando acréscimos, assim tem sido o Varal: tem Jackeline Aisenman na direção, com seu carisma, simpatia e competência vem agregando muitos talentos e suas conquistas têm sido motivo de orgulho e alegria para todos os que dele participam, uma prova incontestável de que a cultura atravessa fronteiras e aproxima aqueles que comungam do mesmo sentimento. Não comas as mentiras do invasor que diz estar matando teu povo no Iraque para defender a sua família nos Estados Unidos. Abre os teus olhos e levanta a cabeça: não te enganes com os falsos coelhinhos da Páscoa. 18

19 Hoje, de novo, saí em busca do passado. Subi a pequena encosta que leva à Igreja Luterana segurando na mão o coração tremeluzente de densa saudade. Estivera lá em cima diversas vezes nas últimas décadas - afinal, sempre alguém se casa, ou morre, ou se batiza, e há os túmulos dos antepassados - mas sempre subi com os olhos e o coração fechados para a emoção, sempre passei de raspão, sem querer olhar, sem querer lembrar - mas hoje fui lá especialmente para ver. Fiz os cálculos: mais ou menos aqui se estacionava o carro. Ali embaixo era pasto, e quando chovia muito, ficava tudo inundado, e depois vinha o sol e naquela água parada se refletia o azul do céu e as nuvens vogando livres... E veio a lembrança da liberdade ali, lugar onde ninguém passava em dia de trabalho, abrigo certo e perfeito para quem estava tão, mas tão, mas tão apaixonado quanto nós. Era como se a ternura e o carinho não tivessem ido embora e pairassem por ali, em girândolas coloridas, e até agora, tarde da noite, ainda estou em dúvida se as girândolas estavam ou se foi só produto da minha imaginação. REVIVENDO - II Por Urda Alice Klueger - Blumenau, SC Desviando um pouquinho o olhar, tinha sido o campo de futebol, Palmeiras Esporte Clube, e entre uma coisa e outra, a rua estreita e tortuosa, a única que havia então. Tudo mudou; a rua se multiplicou em diversas pistas lotadas de carros em movimento, e já não há campo de futebol nem nada é mais como foi: a paisagem está suja de uma imensidade de prédios e prediozinhos, um deles de vidros tão espelhados que parece que nem existe, e a gente só o descobre porque espelha aquela paisagem borrada que parece ter nascido do sonho de um pintor louco. Tudo mudou mesmo: coisas como grandes supermer- 19 cados enchem a base do morro, e a encosta, que tivera elegante fileira de azaleias que juntos vimos florir por toda uma primavera, agora está coalhada por aqueles arbustos e outras coisas, como moitas de taquaras. Mais uma vez olhei para as árvores: qual delas estivera ali naquela época, qual nascera depois, haveria testemunhas dos tempos que amor tão grande ali vinha se abrigar à sombra da igreja? Uma placa indicou-me duas palmeiras que ali estavam desde o século XIX - portanto, havia testemunhos

20 vivos daqueles tempos tão maravilhosos que até parece que foram só de sonho... Indagava-me que outras plantas de então estariam ainda vivas, e então apareceu o zelador do local e conversei com ele, que sabia com exatidão que aquela árvore tinha 27 anos e coisas assim - pude tirar uma medida de quem ali estivera naquele tempo do nosso tempo e, enquanto conversava com o zelador, cumprimentava silenciosamente as velhas testemunhas Não lembro mais quando ela o trouxe para casa. Foi numa das suas tantas crises existenciais, com direito a choro convulsivo, mania de perseguição, enxurradas de cerveja e quilos de cigarros nos cinzeiros. - Preciso dele - pediu, num sussurro, olhos inchados e mãos trêmulas. Mamãe deixou. Aliás, mamãe sempre entrava bonito na dela. E começou uma nova e quase pacífica coabitação na família. Saíam para passear na maior felicidade e ela mesma preparava a comida dele, para não dar trabalho a ninguém. De manhã, ele ia para a cama dela e ficavam de costas um para o outro, brincando de se empurrar para ver daqueles momentos que pensava que estavam perdidos lá no passado. Foi então... Como então, o sino das seis da tarde começou a tocar, o mesmo sino lá das lonjuras do tempo, aquele sino que anunciava seu carro subindo outro morro para me buscar no serviço, aquele sino que ouvíamos ali... Eu mal podia crer que aquele sino ainda existia e continuava tocando, e cada badalada dele batia na minha alma como uma flecha, e de novo era primavera, as azaleias estavam floridas e você usava aquela camisa de tergal branco e eu podia me abrigar, de novo, junto ao seu peito, e sentir seu aroma bom de limpeza e de Pinho Campos do Jordão, do qual guardo um frasco faz mais de quarenta anos... Então, chorei, mesmo que o zelador achasse estranho. O amor é assim... Não há como explicar... TAL E QUAL Por Mary Bastian - Joinville, SC quem conquistava mais espaço. Ela o beijava e ele olhava de olho comprido. - Não sei o que seria de mim sem você - ela costumava dizer e ele apoiava a cabeça no colo dela. - Estão ficando cada vez mais parecidos - zombava a empregada, e minha irmã olhava para ela com desprezo: - O que te falta é alguém para amar - retrucava e saía da cozinha. Mas era verdade e a empregada foi a única com coragem de dizer. Ela estava obcecada pelo bem-estar dele. Não admitia que ninguém fosse indiferente, muito menos desagradável com a criatura que estava cada vez mais abusada, mas minha irmã achava que todo mun- 20 do deveria amá-lo como ela o amava e não permitia interferências na relação. Nós já nem ligávamos para tanta esquisitice e dávamos graças por ela andar tão sossegada. Até que um dia chegou uma visita com um menino terrível, mal educado, mexendo em tudo que via. Minha irmã e sua paixão estavam bem juntinhos, sentados no sofá, seu lugar cativo, quando o guri resolveu que ali era o melhor lugar da casa e deu um empurrão na criatura, no melhor estilo "dá o fora". Não deu tempo para nada: corremos todos para segurar o cachorro para que não avançasse na criança, quando ouvimos minha irmã rosnar, latir e dar uma dentada na perna do guri.

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor!

LIÇÕES DE VIDA. Minha mãe Uma mulher fascinante Guerreira incessante Gerou sete filhos Em tentativa pujante De vencer as dificuldades com amor! LIÇÕES DE VIDA Regilene Rodrigues Fui uma menina sem riquezas materiais Filha de pai alcoólatra e mãe guerreira. Do meu pai não sei quase nada, Algumas tristezas pela ignorância e covardia Que o venciam

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org WEBSITES: Serviço de Voluntariado Europeu: http://www.sve.pt http://www.facebook.com/l.php?u=http%3a%2f%2fwww.sve.pt%2f&h=z

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR

O PATINHO QUE NÃO QUERIA APRENDER A VOAR Numa bela manhã, nasceram seis lindos patinhos que encheram de encanto seus pais. Eram amarelinhos e fofinhos. Um dos patinhos recebeu o nome de Taco. Mamãe e papai estavam muito felizes com seus filhotes.

Leia mais

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado POESIAS Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado A flor amiga O ser mais belo e culto Emoções e corações Sentimentos envolvidos Melhor amiga e amada O seu sorriso brilha como o sol Os seus

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015

1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 1º Domingo de Agosto Primeiros Passos 02/08/2015 JESUS ESTÁ COMIGO QUANDO SOU DESAFIADO A CRESCER! OBJETIVO - Saber que sempre que são desafiados a crescer ou assumir responsabilidades, Jesus está com

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda)

eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda) eunice arruda - poesias alguns (poemas selecionados de eunice arruda) propósito Viver pouco mas viver muito Ser todo o pensamento Toda a esperança Toda a alegria ou angústia mas ser Nunca morrer enquanto

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa)

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) HINÁRIO O SIGNO DO TEU ESTUDO Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) Chico Corrente 1 www.hinarios.org 2 01 O SIGNO DO TEU ESTUDO Marcha O signo do teu estudo Estou aqui para te dizer

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Uma história de amor. Elisa Tiegs Gnewuch

Uma história de amor. Elisa Tiegs Gnewuch Uma história de amor Elisa Tiegs Gnewuch Capa TSA - sobre arquivo livre do banco de imagens Morguille (morguefile.com) Todos os direitos desta obra são exclusivos da autora. As mais lindas palavras de

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público Pedro, Tiago, João no barquinho Os três no barquinho no mar da Galiléia Jogaram a rede Mas não pegaram nada Tentaram outra vez E nada

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

A MISSÃO DE CADA SIGNO

A MISSÃO DE CADA SIGNO A MISSÃO DE CADA SIGNO...E então, naquela manha Deus compareceu ante suas doze crianças e em cada uma delas plantou a semente da vida humana. Uma por uma, cada criança deu um passo à frente para receber

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada?

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada? Levante-se o réu. 6 ...capítulo um Fiquei de pé. Por um momento vi Glória de novo, sentada no banco no píer. A bala acabara de atingir a sua cabeça, de lado, o sangue ainda nem tinha começado a escorrer.

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

Meu pássaro de papel

Meu pássaro de papel ALUNO (A): ANO: 3º TURMA: (A) (C) PROFESSOR (A): VALOR DA AVALIAÇÃO: 40 pontos DATA: CENTRO EDUCACIONAL SAGRADA FAMÍLIA 22 / 08 / 2013 TRIMESTRE: 2º NOTA: COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO

COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Harmonia no lar Duas regras infalíveis na santa escola do bem Quem não estuda não sabe, quem não trabalha não tem A alegria de uma casa tem esse preço em comum

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana HINOS DE DESPACHO Tema 2012: Flora Brasileira Estrela D Alva www.hinarios.org 1 2 01 O DAIME É O DAIME O é o Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana O é o O professor dos professores

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais