Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "http://www.clickciencia.ufscar.br/portal/edicao25/colunis..."

Transcrição

1 1 of 5 01/28/ :42 AM editorial artigos reportagens entrevistas resenhas colunistas pergunte sobre ciência Uma música um tema Escolha uma edição quem somos links podcasting fale conosco seu aqui

2 2 of 5 01/28/ :42 AM buscar edição 25 home colunistas Sueli Viegas colunistas Entrelaçamento Científico Adilson de Oliveira Márcia Tait Roberto L. Baronas A Astronomia exerce uma atração especial sobre as pessoas. Uma mistura de curiosidade, beleza, mistério, atualmente intensificada pelas inúmeras fotos obtidas por diferentes telescópios, terrestres ou espaciais, e divulgadas pelos meios de comunicação. Subjacente a tudo isso, a pergunta: Mas para que serve? Osvaldo Oliveira Jr. Alexandra Bujokas Para respondê-la, o melhor é contar uma história que ilustra como o conhecimento segue por trilhas desconhecidas, reúne fatos e dados, propõe teorias, faz previsões, entrelaça diferentes áreas e chega a aplicações que podem auxiliar as pessoas, resolver situações e mesmo salvar vidas. A ideia de que a matéria é constituída por corpúsculos que se combinam formando as diferentes substâncias data da Antiguidade. Demócrito (450 a.c.) deu a essa porção indivisível de matéria o nome de átomo. O grande avanço científico na compreensão do conceito de átomo ocorreu no século XVIII, com o desenvolvimento da Química pelo francês A. Lavoisier e, cerca de 80 anos mais tarde, com a apresentação da primeira tabela periódica dos elementos químicos pelo russo Mendeleyev ( ). Por outro lado, no domínio da Física do século XIX, o progresso veio com a observação do botânico escocês R. Brown. Usando um microscópio, ele notou que grãos de poeira flutuando na água tinham um movimento aleatório. Usando a ideia de que esse fenômeno era causado pelo movimento térmico das moléculas de água, Einstein analisou matematicamente o problema em Seus resultados foram testados e confirmados pelo francês J. Perrin. Sueli Viegas São Paulo, SP, Brazil Sueli Viegas, professora titular do Departamento de Astronomia da USP, é doutora em Astrofísica pela Universidade de Paris. Foi chefe do Departamento de Astronomia, assessora do CNPq e da Capes, pesquisadora visitante em várias universidades no exterior, representante brasileira na Rede Latino-americana de Astronomia, coordenadora do Núcleo de Excelência Galáxias: Formação, Evolução e Atividade e do Núcleo de Pesquisa em Astrofísica da USP. Em 2005, foi agraciada com o prêmio Pesquisador Emérito do CNPq. Após sua aposentadoria, tem se dedicado à popularização da astronomia. Leonor Assad Sueli Viegas Cantinho do Teó Enquanto isso, o escocês J. C. Maxwell propunha sua teoria do eletromagnetismo, demonstrando que eletricidade, magnetismo e luz são manifestações de um mesmo fenômeno: o campo eletromagnético. No findar daquele século, o inglês J. J. Thomson, numa experiência com um tubo de raios catódicos*, descobriu o elétron, partícula sub-atômica de carga negativa e baixa massa. Com isso, abriu o caminho para a Física moderna. Entendendo os átomos Após sua descoberta, Thomson propôs que um átomo seria constituído por um mar de partículas positivas massivas (prótons) no qual se distribuíam os elétrons com massa cerca de vezes menor. O teste para esse modelo de átomo veio alguns anos depois, no início do século XX, quando o britânico E. Rutherford propôs uma experiência usando o que na época era chamado de raios alfa (núcleos de hélio, cuja carga é positiva) para bombardear uma folha de ouro e observar se eram desviados da trajetória inicial. Se o modelo de Thomson

3 3 of 5 01/28/ :42 AM estivesse correto, as partículas positivas do átomo causariam apenas um pequeno desvio dos raios alfa. No entanto, o resultado surpreendeu, revelando que uma fração daqueles raios eram defletidos com ângulos de até 180 graus. Ou nas palavras do próprio Rutherford: "Foi o evento mais incrível da minha vida. Foi quase tão incrível quanto lançar um explosivo numa folha de papel e recebê-lo de volta". Era necessário rever o modelo atômico de Thomson. Neste ano de 2011 se comemora os 100 anos do "átomo de Rutherford", quando o cientista surpreso propôs um novo modelo atômico, para explicar os resultados incríveis. Ele sugeriu que, ao contrário do modelo de Thomson, os prótons se concentram numa região muito pequena e os elétrons se distribuem numa região bem maior, como os planetas ao redor do Sol. É importante lembrar que o movimento dos planetas ao redor do Sol é regido pelo campo gravitacional, enquanto o dos elétrons ao redor do núcleo é governado pelo campo eletromagnético. A dimensão da região onde orbitam os elétrons é cerca de vezes maior que a do núcleo. É como ter um grão de sal no centro de uma esfera de 100 metros. Como partículas de mesma carga elétrica se repelem, ao atravessar a folha de ouro as partículas alfa se desviam muito da trajetória inicial apenas quando passam muito próximo do núcleo do átomo, explicando os resultados obtidos na experiência. No ano seguinte, o físico dinamarquês N. Bohr foi à Inglaterra para trabalhar com Rutherford. Estava interessado em entender porque átomos de um elemento químico quando iluminados por uma fonte de luz respondiam emitindo luz de comprimento de onda bem definido que apareciam como linhas no espectro da radiação**. O átomo de Rutherford poderia explicar o fenômeno, mas seria instável porque os elétrons, partículas com carga elétrica, perdem energia quando em movimento ao redor do núcleo, e deveriam acabar "caindo" no núcleo. Bohr interpretou a estabilidade dos átomos como uma prova da existência de órbitas estacionárias. Segundo sua teoria, ao serem iluminados, os átomos de um dado elemento se excitavam, isto é, os elétrons absorviam energia e pulavam da órbita mais baixa para outra mais afastada do núcleo e de maior energia. Entretanto, a tendência do elétron seria de voltar ao nível mais baixo de energia. Para isso, deveria saltar para órbitas cada vez mais baixas até chegar à mais próxima do núcleo, de menor energia. Em cada salto emitiria uma energia característica igual à diferença de energia das duas órbitas, característica de uma linha espectral. Ele aplicou sua teoria para o elemento mais simples o hidrogênio: um próton ao redor do qual circula um elétron. Calculou o comprimento de onda da energia emitida nos diferentes saltos. A diferença entre seus valores e os observados no laboratório foi de apenas 1%. O número de elétrons do átomo do elemento químico determina as propriedades desse elemento, os níveis de energia e seu espectro de linhas. Seu trabalho constituiu a base para a teoria quântica. Hoje, as regras para os saltos são bem conhecidas. Nem todos os saltos são possíveis, há transições proibidas. Do micro ao macro E qual a ligação de tudo isso com astronomia? A energia

4 4 of 5 01/28/ :42 AM absorvida por um elétron para passar para um nível mais alto, assim como a energia emitida para passar a um nível mais baixo, pode ser detectada nas estrelas e nebulosas que habitam as galáxias. Graças aos telescópios e aos detetores sensíveis em diferentes comprimentos de onda, é possível medir a intensidade do espectro contínuo, de linhas de emissão e de absorção dos corpos celestes. Para isso o detetor deve ter um prisma de vidro que separa a luz emitida pela fonte nos diferentes comprimentos de onda, e com resolução suficiente para separar as diferentes linhas, esquematizado na figura ao lado. Nuvens de gás quentes existem nas regiões de formação estelar, onde estrelas massivas aquecem o gás a cerca que dez mil graus, e mostram seu brilho colorido devido às linhas de emissão. Estrelas como o Sol, quando em fase mais evoluída, perdem suas camadas mais externas, e revelam-se ao gás perdido como uma fonte de luz de alta temperatura que o aquece e o transforma em lindas nebulosas planetárias. Já em núcleos de galáxias, pelas artimanhas do buraco negro supermassivo que lá se esconde, há gás a temperaturas muito mais altas (cerca de um milhão de graus), dominado por íons com poucos elétrons. O resultado é emissão de raios X e ultravioleta na forma de contínuo e de linhas de emissão. Por outro lado, até chegar à Terra, os fótons do contínuo gerado no centro das galáxias atravessam enormes nuvens frias que jazem entre as galáxias onde são absorvidos e deixam sua assinatura na forma de linhas de absorção. Detetores adequados permitem também estudar essas regiões, que lembram a composição química primordial de hidrogênio e hélio. Entretanto, para chegar aos resultados há um passo intermediário importante. Nas nuvens de gás iluminadas por uma fonte de luz, os fótons atingem os átomos da nuvem e arrancam elétrons. O gás passa de uma mistura de átomos neutros a uma mistura de elétrons livres e de núcleos atômicos ligados a um número menor de elétrons, os íons, cuja carga elétrica é positiva. Essa situação oferece mais um desafio, pois as linhas espectrais dependem do número de elétrons associados ao núcleo de cada elemento. Por exemplo, um átomo de oxigênio tem 8 elétrons, mas nessas regiões citadas acima, encontram-se íons de O com um ou vários elétrons a menos. Cada configuração dessas apresenta um conjunto característico de linhas espectrais. Tanto a identificação quanto o cálculo de intensidade das linhas dependem, portanto, da quantidade de cada íon de cada elemento presente no gás. A Astronomia depende muito dos astrônomos que têm se dedicado a fornecer dados atômicos cada vez mais precisos que permitem identificar as linhas, calcular as condições físicas reinantes nessas regiões e obter quanto de cada elemento químico está presente em cada um desses corpos celestes com o menor erro possível. Esses resultados que fornecem a abundância de cada elemento químico presente nas estrelas, nas nebulosas, nos núcleos de galáxias, e nuvens intergalácticas permite estudar e entender a evolução química das galáxias e do Universo e entender como e

5 5 of 5 01/28/ :42 AM por quê estamos por aqui. A roda do conhecimento Recentemente, dois cientistas que pesquisam na área que engloba Astronomia e Física Atômica, S. Nahar e A. Pradham, usaram seu conhecimento para propor uma nova arma contra o câncer, usando o chamado efeito Auger. Esse efeito ocorre em átomos com um grande número de elétrons, como os de ouro ou de platina. Quando um fóton de alta energia (raios X) arranca um dos elétrons de uma camada mais interna do átomo, os elétrons restantes se rearranjam e acabam expelindo mais um elétron. Ao contrário do primeiro, que engoliu um foton energético, este tem uma energia bem mais baixa e menos letal para o corpo humano. A ideia é endereçar ao tumor nanopartículas de ouro ou platina para lá se alojarem. Em seguida, bombardear com raios X de energia precisa para produzir grande quantidade de elétrons de baixa energia, que atacam e destroem as células cancerosas. Atualmente, platina já é parte de medicamento usado em quimioterapia. Pode ser que no futuro o uso de platina permita associar os dois tipos de tratamento de um modo muito mais eficaz e com um menor número de efeitos secundários. Cem anos se passaram desde a descoberta do átomo, muito trabalho teórico e experimental foi desenvolvido em Física Atômica e Astronomia antes de se fechar o círculo que leva da ciência básica à ciência aplicada. Um entrelaçamento que leva ao desenvolvimento tecnológico melhorando a vida das pessoas, enriquecendo o País e gerando verbas necessárias para manter a roda em movimento através de financiamento para a ciência básica. Esta, por sua vez, vive dos desafios e da curiosidade dos cientistas muito bem descrito por Niels Bohr: "Que maravilha enfrentar um paradoxo. Agora há esperança de progredir nesse assunto." * tubo de raio catódicos - tubo de vidro onde uma corrente elétrica passa no vácuo entre dois eletrodos. Semelhante aos tubos usados em aparelhos de televisão antigos. ** vide "Uma Sinfonia de Cores" UFSCar - Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luís (SP-310), Km 235, São Carlos-SP, CEP: Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução dos textos deste site, desde que citada a fonte. Site melhor visualizado em 1024 x 768px. Créditos: DMTI e Gorham Design

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas.

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Durante algum tempo a curiosidade do que era constituída a matéria parecia ser impossível de ser desvendada. Até que em 450 a.c. o filósofo grego Leucipo de Mileto afirmava

Leia mais

Átomo e Modelos Atô t m ô ic i o c s o

Átomo e Modelos Atô t m ô ic i o c s o Átomo e Modelos Atômicos Demócrito (Sec. V a.c.) defendeu a idéia de que a matéria era composta por pequeníssimas partículas. Átomo Demócrito (460 370 A.C.) Modelo baseado apenas na intuição e na lógica.

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 Teoria atômica básica e leis ponderais Evolução dos modelos atômicos Modelo atômico atual 1 Módulo 2 Números quânticos; Distribuição eletrônica Paramagnetismo,

Leia mais

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito MODELOS ATÔMICOS 478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito - A matéria após sofrer várias subdivisões, chegaria a uma partícula indivisível a que chamaram de átomo. - ÁTOMO a = sem tomos = divisão - Esta

Leia mais

Estão corretos: a) apenas I, II e V. b) apenas I, III e IV. c) apenas II, III e V. d) I, II, III, IV e V. e) apenas I, II, III, IV.

Estão corretos: a) apenas I, II e V. b) apenas I, III e IV. c) apenas II, III e V. d) I, II, III, IV e V. e) apenas I, II, III, IV. 1. (Ufpr 2014) As teorias atômicas vêm se desenvolvendo ao longo da história. Até o início do século XIX, não se tinha um modelo claro da constituição da matéria. De lá até a atualidade, a ideia de como

Leia mais

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I

Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I Exercícios Sobre Atomística - Início dos modelos atômicos I 01. (Cftmg) O filme Homem de Ferro 2 retrata a jornada de Tony Stark para substituir o metal paládio, que faz parte do reator de seu peito, por

Leia mais

Átomo e Modelos Atómicos

Átomo e Modelos Atómicos Átomo e Modelos Atómicos Demócrito (Sec. V a.c.) defendeu a ideia de que a matéria era composta por pequeníssimas partículas. Átomo Demócrito (460 370 A.C.) Modelo baseado apenas na intuição e na lógica.

Leia mais

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves

Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Material Extra: Modelos atômicos e atomística Química professor Cicero # Modelos Atômicos e atomística - Palavras chaves Evolução da ideia do átomo 1) Partícula maciça, indivisível e indestrutível; 2)

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.)

História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.) Prof.: Manzi História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.) Teoria sobre os 4 elementos: Terra, Fogo, água e ar Aristóteles ( 350 a.c.) Quando a matéria recebe a forma ela se organiza nos quatro elementos

Leia mais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais

Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais Capítulo 5 Distribuição de Energia e Linhas Espectrais As transições atômicas individuais (das quais falaremos mais adiante) são responsáveis pela produção de linhas espectrais. O alargamento das linhas

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo.

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo. Teoria Atômica Constituição da matéria Raízes históricas da composição da matéria Modelos atômicos Composição de um átomo Tabela periódica Raízes Históricas 6000 a.c.: descoberta do fogo 4000 a.c.: vidros,

Leia mais

Uma estrela-bebê de 10 mil anos

Uma estrela-bebê de 10 mil anos 1 Uma estrela-bebê de 10 mil anos Jane Gregorio-Hetem (IAG/USP) Email: jane@astro.iag.usp.br A versão original deste texto foi divulgada no CD-ROM da 48ª Reunião Anual da SBPC, na qual a conferência Estrelas

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1

ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 ENSINO FUNDAMENTAL - CIÊNCIAS 9ºANO- UNIDADE 3 - CAPÍTULO 1 questão 01. O que é Astrofísica? questão 02. O que são constelações? questão 03. Como era o calendário Lunar? questão 04. Qual era diferença

Leia mais

Exercícios de Revisão de Química 1º ano

Exercícios de Revisão de Química 1º ano Questão 01) Dentre as alternativas abaixo, indicar a que contém a afirmação correta. a) Dois átomos que possuem o mesmo número de nêutrons pertencem ao mesmo elemento químico. b) Dois átomos com o mesmo

Leia mais

1º trimestre Ciências Sala de estudos Data: Abril/2015 Ensino Fundamental 9º ano classe: Profª Elisete Nome: nº

1º trimestre Ciências Sala de estudos Data: Abril/2015 Ensino Fundamental 9º ano classe: Profª Elisete Nome: nº 1º trimestre Ciências Sala de estudos Data: Abril/2015 Ensino Fundamental 9º ano classe: Profª Elisete Nome: nº Valor: 10 Nota:.. Conteúdo: Atomística e MRU 1) Observe o trecho da história em quadrinhos

Leia mais

RESUMO 1 MODELOS ATÔMICOS

RESUMO 1 MODELOS ATÔMICOS RESUMO 1 MODELOS ATÔMICOS A constituição da matéria é motivo de muita curiosidade entre os povos antigos. Filósofos buscam há tempos a constituição dos materiais. Resultado dessa curiosidade implicou na

Leia mais

Evolução do modelo atómico

Evolução do modelo atómico Os neutrões só foram descobertos em 1932 por Chadwick. Evolução do modelo atómico Demócrito (400 a.c.) Enunciou a primeira ideia de átomo como sendo a partícula elementar que constitui toda a matéria.

Leia mais

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO COLÉGIO ESTADUAL RAINHA DA PAZ, ENSINO MÉDIO REPOSIÇÃO DAS AULAS DO DIA 02 e 03/07/2012 DAS 1 ª SÉRIES: A,B,C,D,E e F. Professor MSc. Elaine Sugauara Disciplina de Química ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO As ondas

Leia mais

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Adaptado de Professora: Miwa Yoshida www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Leucipo de Mileto ( 440 a.c.) & Demócrito (460 a.c. - 370 a.c. ) A ideia de dividirmos uma porção qualquer de matéria

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 2ºTeste Sumativo 1ºPeríodo Duração do Teste:60 minutos Data: 05 / 12 / 08 Prof. Dulce Godinho

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

O Átomo de BOHR. O Átomo de Bohr e o Espectro do Hidrogênio.

O Átomo de BOHR. O Átomo de Bohr e o Espectro do Hidrogênio. O Átomo de BOHR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Instituto de Física. Departamento de Física. Física do Século XXB (FIS1057). Prof. César Augusto Zen Vasconcellos. Lista 1 Tópicos. O Átomo de

Leia mais

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 INTRODUÇÃ ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula Estrelas: do nascimento à Seqüê üência Principal Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 De que são formadas as estrelas? Átomo: elemento básico b da matéria

Leia mais

Aóptica é um campo dentro da

Aóptica é um campo dentro da anderlei S. Bagnato Instituto de Física de São Carlos Universidade de São Paulo C.P. 369, CEP 13560-970 São Carlos - SP A ficção científica dos anos 60 explorou a arma de raios laser à exaustão. Hoje,

Leia mais

Juliana Cerqueira de Paiva. Modelos Atômicos Aula 2

Juliana Cerqueira de Paiva. Modelos Atômicos Aula 2 Juliana Cerqueira de Paiva Modelos Atômicos Aula 2 2 Modelo Atômico de Thomson Joseph John Thomson (1856 1940) Por volta de 1897, realizou experimentos estudando descargas elétricas em tubos semelhantes

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2014 Aluno(a): ou h = 4,14 10 15 ev s é a O ÁTOMO DE BOHR

LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2014 Aluno(a): ou h = 4,14 10 15 ev s é a O ÁTOMO DE BOHR LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2014 Aluno(a): Série: 3ª Turma: Disciplina: Física Professor: Hélio Código: INTRODUÇÃO À FÍSICA MODERNA Física Clássica: Física desenvolvida antes de 1900. Física Moderna:

Leia mais

Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar

Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar Elementos de Astronomia Formação estelar e Estágios finais da evolução estelar Rogemar A. Riffel Formação estelar - Estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Número de prótons: 54 2 Nome do elemento: BORO BERÍLIO HÉLIO Esta Os quantidade diferentes tipos de prótons de átomos recebe (elementos o nome químicos) de

Leia mais

A Via-Láctea. Prof. Fabricio Ferrari Unipampa. adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa

A Via-Láctea. Prof. Fabricio Ferrari Unipampa. adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa A Via-Láctea Prof. Fabricio Ferrari Unipampa adaptado da apresentação The Milky Way, Dr. Helen Bryce,University of Iowa Aparência da Via Láctea no céu noturno Imagem de todo o céu em luz visível Nossa

Leia mais

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta.

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta. Questão 1 Um estudante de física, com o intuito de testar algumas teorias sobre circuitos e indução eletromagnética, montou o circuito elétrico indicado na figura ao lado. O circuito é composto de quatro

Leia mais

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 14 (C. Oliveira & V.Jatenco-Pereira) Capítulo 14 O MEIO INTERESTELAR

Observatórios Virtuais Fundamentos de Astronomia Cap. 14 (C. Oliveira & V.Jatenco-Pereira) Capítulo 14 O MEIO INTERESTELAR 150 Capítulo 14 O MEIO INTERESTELAR Nós dedicaremos esse capítulo ao estudo do meio entre as estrelas ou meio interestelar, usualmente rico em gás, poeira e outros materiais, sendo um local prolífico para

Leia mais

3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS. Aline Lamenha

3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS. Aline Lamenha 3.2. ORBITAIS E NÚMEROS QUÂNTICOS 3.3. CONFIGURAÇÕES ELETRÔNICAS Aline Lamenha OBJETIVOS Referir os contributos de vários cientistas e das suas propostas de modelo atómico, para a criação do modelo atómico

Leia mais

Química A Intensivo V. 1

Química A Intensivo V. 1 1 Química A Intensivo V. 1 Exercícios 01) 10 01. Incorreta. O modelo atômico de Dalton não prevê a existência de elétrons. 02. Correta. Segundo Dalton, os átomos eram indestrutíveis e, durante uma reação

Leia mais

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O SOL E O SISTEMA SOLAR SE ENCONTRA NA VIA-LÁCTEA SIMPLES GRAUM DE AREIA ENTRE AS INCONTAVEIS GALÁXIAS DO UNIVERSO VISÍVEL

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

Evolução do Modelo Atómico

Evolução do Modelo Atómico Evolução do Modelo Atómico Desde a antiguidade que os homens se preocupavam em saber de que é que as «coisas» são feitas. No entanto, existiam perspectivas diversas sobre o assunto, a mais conhecida das

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes

Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes Aula 3 ORIGEM DA TEORIA QUÂNTICA META Apresentar a origem da mecânica quântica e suas conseqüências. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: a. a hipótese quântica de Max Planck e sua aplicação

Leia mais

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS. Rui Jorge Agostinho MÓDULO CAOAL VME

CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS. Rui Jorge Agostinho MÓDULO CAOAL VME CURSO AVANÇADO EM ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA DO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA VIDA E MORTE DAS ESTRELAS MÓDULO CAOAL VME Rui Jorge Agostinho Outubro de 2013 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso..............................

Leia mais

MODELO ATÔMICO DE RUTHERFORD-BOHR

MODELO ATÔMICO DE RUTHERFORD-BOHR MODELO ATÔMICO DE RUTHERFORD-BOHR Portal de Estudos em Química (PEQ) - www.profpc.com.br Página 1 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (UFU-MG) As afirmativas abaixo descrevem estudos sobre modelos atômicos, realizados

Leia mais

São Mateus ES, Novembro de 1998 SUMÁRIO. I Introdução. II Desenvolvimento. 2.1 Leis da reações químicas. III Conclusão.

São Mateus ES, Novembro de 1998 SUMÁRIO. I Introdução. II Desenvolvimento. 2.1 Leis da reações químicas. III Conclusão. São Mateus ES, Novembro de 1998 SUMÁRIO I Introdução II Desenvolvimento 2.1 Leis da reações químicas III Conclusão IV Bibliografia I Introdução Tentar-se-à mostrar nesta obra uma pesquisa sobre a Lei das

Leia mais

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir.

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir. 1.A obra Molhe Espiral (acima) faz lembrar o modelo atômico planetário, proposto por Ernest Rutherford (Fig. 1). Esse modelo satisfaz as observações experimentais de desvio de partículas alfa ao bombardearem

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades Resoluções das atividades Sumário Aula 1 Evolução dos modelos atômicos: da alquimia ao modelo atômico de Thomson... 1 Aula 2 Evolução dos modelos atômicos: de Rutherford ao modelo atômico de Sommerfeld...

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES

INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES INTRODUÇÃO À ASTRONOMIA SANDRO FERNANDES O que é a Astronomia? É a ciência que estuda o universo, numa tentativa de perceber a sua estrutura e evolução. Histórico É a ciência mais antiga. Os registros

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES BLOCO IX - O MODELO ATÔMICO DE BOHR Nesse bloco, após ver os espectros das lâmpadas e perceberem as diferenças entre eles, sistematizamos os espectros contínuo e discreto e propomos a explicação semi-clássica

Leia mais

Ricardo Avelino Gomes 1

Ricardo Avelino Gomes 1 artigos Olhando o céu do fundo de um poço Ricardo Avelino Gomes 1 No início havia um múon que atravessou toda a atmosfera e chegou na superfície da Terra. Na viagem, desafiou e desdenhou a mecânica de

Leia mais

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas

INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Formando: Igor Daniel Santos Saraiva Covilhã,

Leia mais

PROF: Alex LISTA 1 DATA: 27/02/2011 Lista de Atomística (Vários vestibulares)

PROF: Alex LISTA 1 DATA: 27/02/2011 Lista de Atomística (Vários vestibulares) NOME: PROF: Alex LISTA 1 DATA: 27/02/2011 Lista de Atomística (Vários vestibulares) ATOMÍSTICA 1. (Pucmg 2007) Assinale a afirmativa que descreve ADEQUADAMENTE a teoria atômica de Dalton. Toda matéria

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso a alguns conceitos que fazem parte da física óptica. Refletiu sobre o conceito de luz, seus efeitos, de que forma ela está relacionada à nossa visão e

Leia mais

ESTRUTURA ATÔMICA OS PRIMEIROS MODELOS ATÔMICOS

ESTRUTURA ATÔMICA OS PRIMEIROS MODELOS ATÔMICOS 1 ESTRUTURA ATÔMICA OS PRIMEIROS MODELOS ATÔMICOS Alguns filosófo da Grécia Antiga já admitiam que toda e qualquer matéria seria formada por minúsculas partículas indivisíveis, que foram denominadas átomos

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais

ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS

ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS ESTRUTURA DOS MATERIAIS CERÂMICOS Os sólidos são caracterizados por uma associação muito próxima de átomos, em geral representados por esferas rígidas, em contato uns com os outros e mantidos juntos por

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2010 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS Programa de Disciplina Nome: Química Geral EQ Código: IQG 115 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4 Pré-Requisito

Leia mais

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros

Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros Astronomia fora do visível Beatriz García, Ricardo Moreno, Rosa M. Ros União Astronómica Internacional Universidade Tecnológica Nacional, Argentina Colégio Retamar de Madrid, Espanha Universidade Politécnica

Leia mais

Evolução Estelar e A Via-Láctea

Evolução Estelar e A Via-Láctea Introdução à Astronomia Evolução Estelar e A Via-Láctea Rogério Riffel http://astro.if.ufrgs.br Formação estelar - Estrelas se formam dentro de concentrações relativamente densas de gás e poeira interestelar

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: ALBERT EINSTEIN

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: ALBERT EINSTEIN Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 4 MMXV grupo B ALBERT EINSTEIN Imagens de supernova podem ajudar a testar teoria de Einstein

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

Lista de exercícios 04 Modelos atômicos incluindo Böhr - Revisão

Lista de exercícios 04 Modelos atômicos incluindo Böhr - Revisão Lista de exercícios 04 Modelos atômicos incluindo Böhr - Revisão Observação teórica - Os postulados de Böhr A partir das suas descobertas científicas, Niels Böhr propôs cinco postulados: 1 o.) Um átomo

Leia mais

História... Esta Teoria permaneceu Oficial durante 13 Séculos!!

História... Esta Teoria permaneceu Oficial durante 13 Séculos!! Astronomia História... O modelo grego para explicar o movimento dos corpos celestes foi estabelecido no século IV a.c. Neste modelo a Terra estava no centro do universo e os outros planetas, Sol e Lua

Leia mais

Aluno(a): Instituição de Ensino: Município: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO

Aluno(a): Instituição de Ensino: Município: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DAS QUESTÕES É OBRIGATÓRIO IX Olimpíada Capixaba de Química 2011 Prova do Grupo I 1 a série do ensino médio Fase 01 Aluno(a): Instituição de Ensino: Município: Coordenador da Instituição de Ensino: ATENÇÃO: O DESENVOLVIMENTO TEÓRICO

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Propriedades Corpusculares da Radiação First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Vamos examinar dois processos importantes nos quais a radiação interage com a matéria: Efeito fotoelétrico Efeito

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

INTRODUÇÃO À MECÂNICA QUÂNTICA E A FÍSICA NUCLEAR

INTRODUÇÃO À MECÂNICA QUÂNTICA E A FÍSICA NUCLEAR INTRODUÇÃO À MECÂNICA QUÂNTICA E A FÍSICA NUCLEAR Prof.: Giovane Irribarem de Mello Uniforte pré vestibular - 1870 A Ampola de Crookes e os Misteriosos Raios Catódicos (William Crookes Físico Inglês) -

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

A FÍSICA ONTEM E HOJE

A FÍSICA ONTEM E HOJE A FÍSICA ONTEM E HOJE 3a. Edição PIBID Física CHUVEIROS RADIOATIVOS! Edição Bimestral: Agosto de 2013 DESSE BANHO NINGUÉM ESCAPA! [PÁG. 3] O MISTÉRIO DO COSMOS Como se deu a descoberta da radiação ultra

Leia mais

A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza p. 1/29

A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza p. 1/29 A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza Victor O. Rivelles Instituto de Física Universidade de São Paulo rivelles@fma.if.usp.br http://www.fma.if.usp.br/ rivelles/ Simpósio Nacional de

Leia mais

uma divisão da História da Química

uma divisão da História da Química 1. Introdução: Conceitos e cálculos fundamentais 1 uma divisão da História da Química 1. Protoquímica desde a descoberta do fogo até o início da era cristã 2. Alquimia ~ entre o início da era cristã até

Leia mais

Radiações Radiação corpuscular Radiação eletromagnética

Radiações Radiação corpuscular Radiação eletromagnética Radiações Quando se fala em radiação, as pessoas geralmente associam esta palavra com algo perigoso. O que elas não sabem é que estamos expostos diariamente à radiação. Radiação nada mais é do que a emissão

Leia mais

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm)

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm) Ultravioleta e Visível ~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js Se, c = λ υ, então: E fóton = h c λ Espectro Contínuo microwave Luz Visível Comprimento

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007)

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007) FQA 10º Ano Unidade 1 Química Espectro de Absorção Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica/espectroseletromagneticos-estrutura-atomo.htm Adaptado de (Corrêa 2007) 1 Carlos Corrêa Fernando Basto Noémia

Leia mais

Evolução Estelar II. Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar

Evolução Estelar II. Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar Evolução Estelar II Um resumo do processo de estrutura e evolução estelar 1 Por quê as estrelas evoluem (mudam de um estado para outro)? Geração de energia Fusão requer combustível, que é esgotado durante

Leia mais

Começando pelo começo

Começando pelo começo Começando pelo começo Introdução Esta é a primeira aula do seu curso sobre materiais para a indústria mecânica. E sabe por onde vamos começar? Pelo começo, naturalmente! E onde está esse começo? Está no

Leia mais

Astrofotografia do sistema solar e objetos de fundo de céu

Astrofotografia do sistema solar e objetos de fundo de céu Astrofotografia do sistema solar e objetos de fundo de céu Jackson Rodrigues ALVES¹, Fabiana Almeida PINTO¹, Kamyla Espíndola Gibram REIS 2, Mayler MARTINS³ ¹Estudante de Licenciatura em Física, Bolsista

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO MODELOS ATÔMICOS EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (FMTM-MG) De acordo com o modelo atômico proposto por Rutherford, os átomos são constituídos por um núcleo de carga elétrica positiva, que concentra quase toda

Leia mais

Radiação Solar e Vento Solar

Radiação Solar e Vento Solar INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais CMC-213-3 Modelagem de Sensores e Atuadores em Controle de Atitude e Órbita Radiação Solar e Vento Solar Professor: Mário César Ricci Aluno: Delfim Pinto

Leia mais

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 5 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 14 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron ARNOLD SOMMERFELD MODELO ATÔMICO DE ARNOLD SOMMERFELD - 1916 Ao pesquisar o átomo, Sommerfeld concluiu que os elétrons de um mesmo nível, ocupam órbitas de trajetórias diferentes

Leia mais

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA Questão 1 O molibdênio metálico tem de absorver radiação com frequência mínima de 1,09 x 10 15 s -1 antes que ele emita um elétron de sua superfície via efeito fotoelétrico.

Leia mais

Química. Química 3 SUMÁRIO. e Pré-vestibular

Química. Química 3 SUMÁRIO. e Pré-vestibular Química SUMÁRIO Química 1 MÓDULO 1 Estrutura da matéria - Atomística... 3 Estrutura da matéria: modelos atômicos, Z, A, isótopos e íons Estrutura da matéria: A eletrosfera MÓDULO 2 Classificação periódica

Leia mais

Questão 01) Os átomos isótopos 2x+6 X 54 e 3x-4 Y 56 têm número atômico: a) 26. b) 27. c) 28. d) 54. e) 56. Gab: A. Questão 02)

Questão 01) Os átomos isótopos 2x+6 X 54 e 3x-4 Y 56 têm número atômico: a) 26. b) 27. c) 28. d) 54. e) 56. Gab: A. Questão 02) Questão 01) Os átomos isótopos 2x+6 X 54 e 3x-4 Y 56 têm número atômico: a) 26 b) 27 c) 28 d) 54 e) 56 Gab: A Questão 02) Uma certa variedade atômica do estrôncio, cujo número atômico é 38, tem número

Leia mais

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb

Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade e Lei de Coulomb Introdução à Eletricidade Eletricidade é uma palavra derivada do grego élektron, que significa âmbar. Resina vegetal fossilizada Ao ser atritado com um pedaço

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

A Via Láctea Curso de Extensão Universitária Astronomia: Uma Visão Geral 12 a 17 de janeiro de 2004 Histórico Sec. XVII Galileu: descobriu que a Via-Láctea consistia de uma coleção de estrelas. Sec. XVIII/XIX

Leia mais

Lista de exercícios 01 Início dos Modelos Atômicos Série 1

Lista de exercícios 01 Início dos Modelos Atômicos Série 1 Lista de exercícios 01 Início dos Modelos Atômicos Série 1 01. (Cftmg) O filme Homem de Ferro 2 retrata a jornada de Tony Stark para substituir o metal paládio, que faz parte do reator de seu peito, por

Leia mais

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1 Física Quântica Caex 005 Questão 1 Se as partículas listadas abaixo têm todas a mesma energia cinética, qual delas tem o menor comprimento de onda? a) elétron b) partícula α c) nêutron d) próton Questão

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Curso de Formação continuada em Astronomia Para professores de Educação Básica Prof. Dr. Tibério Borges Vale Projeto de Extensão O uso da Astronomia como elemento didático

Leia mais

CAMPO MAGNÉTICO. Definição de B

CAMPO MAGNÉTICO. Definição de B Em 1822, durante uma aula experimental, o professor de física dinamarquês Hans Christian Oersted descobriu que uma corrente elétrica passando por um fio deslocava a agulha de uma bússola que estava por

Leia mais