PLANO DE AÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA BACIA DO USO DA TERRA E USO DO CERRADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE AÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA BACIA DO USO DA TERRA E USO DO CERRADO"

Transcrição

1 13 PLANO DE AÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA BACIA DO síntese executiva USO DA TERRA E USO DO CERRADO

2 ANÁLISE MULTITEMPORAL DE USO DA TERRA MACRORREGIÃO DE DESENVOLVIMENTO DO CERRADO ANOS

3

4 Sumário Introdução Macrorregião de desenvolvimento do cerrado Características fisiográficas, hidroclimáticas e naturais Uso da terra na macrorregião de desenvolvimento do cerrado resultados Uso da terra nos anos 2001 e Uso da terra no Estado do Piauí Uso da terra no Estado do Maranhão Uso da terra nas áreas dos territórios de desenvolvimento resultados Uso da terra no Território Tabuleiros do Alto Parnaíba Uso da terra no Território Chapada das Mangabeiras Uso da terra no Território Vale dos Rios Piauí e Itaueiras Cenário da conservação da diversidade biológica na área do estado do Piauí incluída na macrorregião de desenvolvimento do cerrado Unidades de Conservação existentes na Macrorregião no Estado do Piauí Oportunidade para conservação da diversidade biológica na Macrorregião do Cerrado no Estado do Piauí Áreas identificadas pela representação do IBAMA no Piauí para criação de UCs para a Macrorregião Estratégias para a conservação da diversidade biológica na Macrorregião do Cerrado Conclusões Predominância da cultura de soja Relevância da agricultura mecanizada Expansão da agropecuária Avanço da agricultura irrigada Desmatamento e problemas ambientais Recomendações Atualização do mapeamento do uso da terra na Macrorregião de Desenvolvimento do Cerrado na Bacia do Parnaíba Mapeamento pedológico em nível de reconhecimento da região de cultivo de soja na Bacia do Parnaíba Atualização da cartografia básica na escala de 1: de parte da Macrorregião do Cerrado da Bacia do Parnaíba, correspondente aos municípios com atividades de agricultura mecanizada Referências Bibliografia consultada 85

5 8. Autores Direção e coordenação da CODEVASF Equipe de elaboração do PLANAP Anexos 91 Anexo 1 Informação básica Cartas topográficas Imagens de satélite 93 Anexo 2 Atividades realizadas Definição dos parâmetros cartográficos Legenda Vegetação de caatinga Vegetação de cerrado Vegetação de transição: cerrado e caatinga Vegetação de mata ciliar Solo exposto Atividade agropecuária Agricultura mecanizada Agricultura irrigada Área urbanizada Corpo d água Verificação e ajuste da base cartográfica Tratamento e classificação das imagens de satélite Sistema Landsat/ETM e TM Correção geométrica, georreferenciamento e ortorretificação Composições coloridas Classificação supervisionada das imagens Confecção do mapeamento digital final Trabalhos de campo Primeira saída de campo Segunda saída de campo 106 Anexo 3 Estratégias e ações para a conservação da biodiversidade na Macrorregião de Desenvolvimento do Cerrado do Vale do Parnaíba Introdução Estratégias e ações Eixos norteadores das estratégias Estratégias e ações 109 Lista de figuras 1. Bacia do Rio Parnaíba: estados e municípios Bacia do Rio Parnaíba: aglomerados de municípios Bacia do Rio Parnaíba: Territórios de Desenvolvimento Bacia do Rio Parnaíba: Macrorregiões de Desenvolvimento Localização da área de estudo Mapa da fisiografia da Macrorregião 25

6 7. Mapa geológico da Macrorregião Mapa da hidrografia da Macrorregião Mapa de solos da Macrorregião Mapa de vegetação da Macrorregião Mapa da população da Macrorregião Mapa da renda per capita abaixo de R$ 37,75 da Macrorregião Divisão municipal com a sede dos principais municípios indicada Áreas dos Estados do Piauí e do Maranhão na Macrorregião Áreas dos Territórios de Desenvolvimento na Macrorregião Distribuição espacial dos usos da terra na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra no Piauí na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra no Piauí na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra no Maranhão na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra no Maranhão na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra no Território Tabuleiros do Alto Parnaíba na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra no Território Tabuleiros do Alto Parnaíba na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra no Território Chapada das Mangabeiras na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra no Território Chapada das Mangabeiras na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra no Território Vale dos Rios Piauí e Itaueiras,na Macrorregião em Distribuição espacial dos usos da terra no Território Vale dos Rios Piauí e Itaueiras, na Macrorregião, em Unidades de Conservação na Macrorregião em Processo de obtenção de uma composição colorida Área definida pela Conservação Internacional como um dos hotspots mundiais cerrado Brasileiro Unidades de Conservação na Macrorregião em Lista de quadros 1. Área da Bacia do Rio Parnaíba Crescimento % da soja no Brasil safras e Características fisiográficas, hidroclimáticas e naturais Características socioeconômicas e de infra-estrutura Municípios do Estado do Piauí que fazem parte da Macrorregião de Desenvolvimento do Cerrado Municípios do Estado do Maranhão que fazem parte da Macrorregião de Desenvolvimento do Cerrado Uso da terra na Macrorregião de Desenvolvimento do Cerrado para os anos de 2001 e 2003* Uso da terra para o Piauí para os anos 2001 e Uso da terra para o Maranhão para os anos 2001 e Áreas dos Territórios na Macrorregião do Cerrado Áreas dos Territórios dos Estados do Piauí e do Maranhão Uso da terra para os Tabuleiros do Alto Parnaíba para os anos 2001 e Uso da terra para a Chapada das Mangabeiras para os anos 2001 e Uso da terra para o Vale dos Rios Piauí e Itaueiras para os anos 2001 e Área e porcentagem relativa de ocupação por tipo de uso em Grupos e categorias de UCs de acordo com o SNUC Unidades de Conservação, total ou parcialmente, localizadas na Macrorregião Eixos norteadores, estratégias e ações para a conservação da diversidade biológica na Macrorregião Composição de custo para execução do mapeamento do uso da terra da Macrorregião 80

7 20. Composição de custo para execução do mapeamento pedológico da região de cultivo de soja na Bacia do Parnaíba Composição de custo para execução da cartografia básica na Macrorregião* Imagens de satélite utilizadas com as respectivas datas de obtenção Descrição das bandas dos satélites Landsat 5 (2003) e Landsat 7 (2001) Classes definidas para a legenda Unidades de Conservação total ou parcialmente localizadas na Macrorregião 109 Lista de fotos Vista panorâmica de propriedade rural-pi 20 Delta do rio Parnaíba-PI 38 Pecuária 52 Barragem em Piripiri-PI 54 Vista do rio Parnaíba-PI 66 Predio da Prefeitura de Benedito Leite-MA 72 Plantio de soja 74 Campo em pousio 78 Pacuária 84 Sede da empresa Bunge 88 Campo em pousio 92

8 Siglas e abreviaturas API Atenção à Pessoa Idosa ACS Agente Comunitário de Saúde APAE Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais ADENE Agência de Desenvolvimento do Nordeste AG Aglomerado AGESPISA Águas e Esgotos do Piauí S. A. AGDE Agência de Desenvolvimento Rural AIDS Síndrome da Imunodeficiência Adquirida BASA Banco da Amazônia BB Banco do Brasil BIRD Banco Interamericano de Reconstrução e Desenvolvimento BNB Banco do Nordeste do Brasil BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BPC Benefício de Prestação Continuada CAD ÚNICO Cadastro Único CAIC Centro de Apoio Integrado à Criança CAIXA Caixa Econômica Federal CAPS Centro de Assistência Psicossocial CDL Câmara dos Dirigentes Lojistas CEFET Centro de Ensino Federal e Tecnológico CINPRA-COCAIS Consórcio Intermunicipal de Produção e Abastecimento CEPISA Companhia de Eletrificação do Piauí S. A. CEPRO Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí CODEVASF Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba COOAVE Cooperativa de Avicultores do Piauí COMVAP Companhia do Vale do Parnaíba COOMEPI Cooperativa Apícola do Médio Parnaíba Piauiense CPRM Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais DAP Declaração de Aptidão DLIS Desenvolvimento Local Integrado e Sustentável DER Departamento de Estradas e Rodagem DNER Departamento Nacional de Estradas e Rodagem DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transporte DNOCS Departamento Nacional de Obras Contra a Seca DST Doenças Sexualmente Transmissíveis EJA Educação de Jovens e Adultos EMATER Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária ETE Estação de Tratamento de Esgoto FAMCC Federação das Associações de Moradores e Conselhos Comunitários FAMEPI Federação das Associações de Moradores do Estado do Piauí FETAEMA Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Maranhão FETAG Federação dos Trabalhadores na Agricultura FRIGOTIL Frigorífico de Timon Ltda. FRUTAN Frutas do Nordeste do Brasil S. A. FUMAC Fundo Municipal de Apoio Comunitário FUNACI Fundação Padre Dante Civiero FUNASA Fundação Nacional de Saúde FUNDEF Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério GECOSA Grupo Gervásio Costa S. A. HA Hectare IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ICCO Interchurch Organisation for Development Cooperation IDH Índice de Desenvolvimento Humano INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INTERPI Instituto de Terras do Piauí ISO International Standart Organization ITOG Investimento, Tecnologia, Organização e Gestão MDA Ministério do Desenvolvimento Agrário

9 MEC MMA MME MST NEAD NOVAFAPI LSPA OEA ONG PAC PACS PCPR PDDE PETI PRODART PNAT PNAE PRONAF PSF SAMU SDR SDT SEBRAE SEDUC SEMAR SENAI SENAC SENAR SEPLAN SIASUS SIAB SINASC SISAGUA SINTE SISVAN SUS STTR UFPI UEMA UESPI USAV UTI UTT ZEE Ministério da Educação e Cultura Ministério do Meio Ambiente Ministério das Minas e Energia Movimento dos Sem-Terra Núcleo de Educação a Distância Nova Faculdade do Piauí Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Organização dos Estados Americanos Organização Não Governamental Programa de Apoio à Criança Programa de Agentes Comunitários de Saúde Programa de Combate à Pobreza Rural Programa Dinheiro Direto na Escola Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Programa de Desenvolvimento do Artesanato Programa Nacional de Transporte Escolar Programa Nacional de Alimentação Escolar Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar Programa de Saúde da Família Serviço de Atendimento Médico de Urgência Secretaria de Desenvolvimento Rural Secretaria de Desenvolvimento dos Trabalhadores Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Secretaria Estadual de Educação Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Secretaria Estadual de Planejamento Serviço de Informação da Atenção Básica do SUS Serviço de Informação da Atenção Básica Sistema de Informações de Nascidos Vivos Sistema de Apoio ao Gerenciamento de Usuário de Água Sindicato dos Trabalhadores de Educação Serviço de Informação de Vigilância Alimentar e Nutricional Sistema Único de Saúde Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Universidade Federal do Piauí Universidade Estadual do Maranhão Universidade Estadual do Piauí Unidade de Sanidade Animal e Vegetal Unidade de Terapia Intensiva Unidade de Transferência de Tecnologia Zoneamento Ecológico-Econômico

10 Equipe Técnica Amália Rodrigues de Almeida SEDUC-PI Ana Amélia Bastos Guimarães CODEVASF SEDE Ana Maria Barata CODEVASF SEDE Andréa Simone dos S. Sousa SEPLAN-PI Anísio Ferreira Lima Neto Prestador de Serviço Aristóteles Fernandes de Melo CODEVASF SEDE Carlos Henrique da Silva Marques CODEVASF SEDE Dalgoberto Coelho de Araújo ADENE Elder Barros Gama Vieira CODEVASF SEDE Eliete Marreiros SEPLAN-PI Elson Antônio Fernandes CODEVASF SEDE Evandro Cardoso IICA/SEPLAN-PI Francisco das Chagas Ferreira SEPLAN-PI Francisco Fernandes de Assis EMATER-PI Gilma Maria Nunes Ferreira SEPLAN-PI Hélio Nunes Alencar SEPLAN-PI Hilda Maria Miranda Pereira Colaboradora Janaína Barros Siqueira Mendes CEPES Joanete Silva Pereira Colaboradora João Heliodoro Barros de Oliveira CODEVASF 7 a SR José Irapuan Brandão Mendes Colaborador Juraci Vieira Gutierres Colaboradora Liz Elizabeth de C. Meireles SEPLAN-PI Luiz Almir Lebre Cavalcanti CODEVASF SEDE Marcos Matos de Vasconcelos SEMAR-PI Maria do Socorro Nascimento SEPLAN-PI Maria do Socorro Vasconcelos Ribeiro CODEVASF 7 a SR Maria do Socorro Vilar ADENE Maria Francisca Teresa Lima ADENE Maria Lúcia Holanda Gurjão SDLR-CE Maria Valdenete P.Nogueira CODEVASF SEDE Miguel Farinasso CODEVASF SEDE Noêmia Gualberto de Souza CODEVASF SEDE Paulo Afonso Silva CODEVASF SEDE Raimundo Ulisses de Oliveira Filho Prefeitura de Teresina Raimuniza Frota SEPLAN-PI Risomar Maria Garcia Fernandes EMATER-PI Robert Costa Mascarenhas CEPES Ronaldo Fernandes Pereira CODEVASF 4 a SR Rosa Maria de Melo Lima CEPES Rosany Coelho Ferreira Pernambuco Nogueira CODEVASF SEDE Sandra Alves dos Santos Colaboradora Sônia Maria Fernandes de Sousa SEPLAN-PI Tadeu Marcos Forte Leite CODEVASF SEDE Tânia Maria Sabino de Matos Brito SDLR-CE Teresinha de Jesus Alves Aguiar SEMAR-PI Teresinha Frota de carvalho SEPLAN-PI Vamberto Barbosa Braz CODEVASF 7 a SR Vera Lúcia Batista da Silva Assunção ADENE Victor Uchoa Ferreira da Silva ADENE Vilma Carvalho Amorim CEPES EQUIPES DE APOIO Ana Maria Faturi CODEVASF SEDE Alexandre Leopoldo Curado CODEVASF SEDE Edson Viana Barros CODEVASF SEDE Eliane Pimenta Santos CODEVASF SEDE Gilmar Mendes de Moura Estagiário Ivone da Silva Barbosa IICA/SEPLAN João Constantino Ferraz Codevasf 7ª SR João Quaresma Ferreira SEPLAN-PI Joniel Jonny da Cunha Lopes Contrato Joilson José Rodrigues da Silva Codevasf 7ª SR Leiane Viana Leal Estagiária Maria do Monte Serrate Cunha CEPRO-PI Maria Isabel Macedo Bacelar SEPLAN-PI Maria Rosa de Oliveira CODEVASF SEDE Raniere Ibiapina Martins Codevasf 7ª SR Instituições Parceiras ABC/MRE Banco do Nordeste do Brasil BNB Brasil Eco-Diesel Ltda. Câmara Setorial da Ovinocaprinocultura Câmara Setorial de Apicultura CEPES CINPRA-COCAIS CONSAD Consórcio ZEE BRASIL CPRM Delta Cooperativa EMATER-PI Embrapa Meio-Norte FACOV Federação de Ovinocaprinocultura do Piauí IBAMA IBGE INPE Lili Doces Ltda. Longá Indústria de Alimentos MDA/SDT MMA Movimento de Mulheres Quebradeiras de Coco PCPR-PI Prefeituras dos Municípios da Bacia do Parnaíba PRODARTE SDR/MI SDR/PRONAF-PI SEBRAE SEDUC-PI SEMAR-PI SFA-PI SIH/MI UFPI/CAT UFPI/CCA

11 Mapa de localização da Bacia do Parnaíba América do Sul

12 Introdução Em 6 de janeiro de 2000, a Lei no ampliou a área de atuação da CODEVASF, incluindo os Territórios dos Estados do Piauí e do Maranhão pertencentes à Bacia Hidrográfica do Rio Parnaíba, passando a empresa a se denominar Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba. A lei estabelece que a empresa deve elaborar, em colaboração com os demais órgãos públicos federais, estaduais ou municipais que atuam na área, planos de desenvolvimento integrado da bacia hidrográfica do rio Parnaíba, indicando os programas e os projetos prioritários, com relação às atividades que a própria lei prevê. Nesse contexto, foi criado o Plano de Ação para o Desenvolvimento Integrado da Bacia do Rio Parnaíba (PLANAP), composto de: Inventário dos diagnósticos e dos estudos técnicos realizados por diferentes instituições atuantes na bacia que possam auxiliar o processo de planejamento de seu desenvolvimento sustentável. Plano de curto prazo, visando definir estratégias para que as iniciativas de desenvolvimento parcialmente implantadas, sem orientação e apoio bem definidos, possam ser concluídas de maneira que as comunidades envolvidas possam ter perspectivas de desenvolvimento futuro. Plano de desenvolvimento com ações de médio e longo prazos, incluindo a elaboração do Macrozoneamento Ecológico-Econômico (MZEE). O MZEE é um instrumento de diagnóstico e planejamento que contribuirá para a melhoria dos padrões de eficiência, eficácia e desempenho das ações de governo, em parceria com o setor privado, na promoção do desenvolvimento sustentável. O PLANAP é uma ação integrada que reflete a vontade política dos órgãos federais, regionais, estaduais e municipais e das organizações da sociedade civil interessadas. A Lei de Recursos Hídricos n o 9.433/97 estabelece em seus fundamentos que os planos estratégicos que envolvem recursos hídricos devem ter a Bacia Hidrográfica como área de abrangência, de modo que o PLANAP abrange toda a Bacia Hidrográfica do Rio Parnaíba, incluindo a região pertencente ao Estado do Ceará, apesar de esta não estar incluída na área de atuação da CODEVASF. Dessa forma, o PLANAP envolve também a região geográfica que compreende os 20 municípios do Ceará, além dos 221 municípios do Piauí (mais de 90% do estado) e 36 municípios do Maranhão. A área total da Bacia do Parnaíba é de ,9 km², distribuídos conforme o Quadro 1 e apresentado na Figura 1.

13 12 PLANAP Plano de Ação para o Desenvolvimento Integrado da Bacia do Parnaíba Quadro 1. Área da Bacia do Rio Parnaíba Estado Área na bacia em km² % em cada estado Área total do estado em km² % do estado incluída na bacia Piauí ,0 75, ,3 Maranhão ,6 19, ,9 Ceará ,9 4, ,8

14 Chapada das Mangabeiras 46ºW 43ºW 40ºW São Luís OCEANO ATLÂNTICO 3ºS Pará Parnaíba Granja 13 Caxias Coelho Neto Timon Brejo Esperantina Teresina Rio Longa Barras Campo Maior Buriti dos Lopes Piripiri Pedro II Viçosa do Ceará Tianguá São Benedito Crateús Ceará TD13 Uso da terra e uso do cerrado Rio Poti São Miguel do Tapuio Rio Poti 6ºS Regeneração Serra Grande Maranhão Barão de Grajaú Valença do Piauí Rio Canindé Floriano Represa Boa Esperança Oeiras Picos 9ºS Balsas Serra do Penitente Alto Parnaíba Rio das Balsas Rio Parnaíba Santa Filomena Gilbués Rio Uruçuí Preto Serra do Uruçui Bom Jesus Uruçuí Alvorada do Gurguéia Rio Gurguéia Serra das Confusões Guaribas Rio Itaueiras Caracol Bahia Rio Piauí Serra da Capivara São Raimundo Nonato PIAUÍ São João do Piauí Rio Canindé Simplício Mendes Rio Itaim Chapada do Araripe Paulistana Pernambuco Curimatã Tocantins Corrente 11ºS DIVISÃO ESTADUAL E MUNICIPAL BACIA DO RIO PARNAÍBA Capitais Divisão Estadual Paraná Cidades > ou = hab. Piauí Outras Cidades Maranhão Limite Estadual Limite da Bacia Rios Ceará Divisão Municipal O N L Fonte: IBGE - editado pela CODEVASF (2004) PLANAP - CODEVASF / OEA 2005 Escala Gráfica: km S Figura 1. Bacia do Rio Parnaíba: estados e municípios

15 14 PLANAP Plano de Ação para o Desenvolvimento Integrado da Bacia do Parnaíba Segundo o modelo de planejamento proposto pelo governo do Piauí, a bacia foi dividida em Aglomerados, Territórios e Macrorregiões. Os Aglomerados são regiões constituídas por dois ou mais municípios contíguos que possuem uma identidade, geralmente socioeconômica, que justifica sua adoção como unidade mínima de planejamento. Foram definidos 32 Aglomerados na bacia (Figura 2). Os Aglomerados contíguos com uma identidade como características e aspirações idênticas constituem os Territórios, denominados de acordo com a região geográfica mais significativa em sua área. Foram assim definidos 11 Territórios na Bacia do Parnaíba (Figura 3). Os Territórios estão agrupados em quatro Macrorregiões da Bacia e que formam sua primeira divisão, baseadas nas características físicas, nas potencialidades de produção e na dinâmica de desenvolvimento. As Macrorregiões, assim definidas, são: Cerrado, Semi-Árido, Meio-Norte e Litoral (Figura 4). A abrangência da área de cada Macrorregião está assim resumida: A Macrorregião do Cerrado abrange a região que vai da nascente do rio Parnaíba até a cidade de Floriano, no Estado do Piauí, incluindo as Sub-Bacias Balsas, Uruçuí-Preto, Gurguéia e Mucaitá, na região de Itaueiras. A Macrorregião do Semi-Árido localiza-se no centro da Bacia do Parnaíba, em sua parte Sudeste. Na região sobressaem os rios Guaribas, Canindé e Oeiras. A Macrorregião do Meio-Norte abrange parte das Bacias do Poti e do Longá. É o epicentro da Bacia do Parnaíba, com as cidades de Teresina e Piripiri no Piauí, Crateús no Ceará e Caxias no Maranhão. É estratégica no que se refere ao escoamento da produção e ao deslocamento para os centros mais desenvolvidos do país. A Macrorregião do Litoral localiza-se na região da foz do Parnaíba. Seus limites incluem no Piauí os municípios de Murici dos Portelas, Caxingó, Caraúbas do Piauí, Cocal e Cocal dos Alves; no Maranhão, Tutóia, Água Doce do Maranhão e Araioses; e no Ceará, Granja e Viçosa do Ceará. Cada uma dessas Macrorregiões será objeto de um trabalho de caracterização de seu uso e ocupação da terra, visando mapear as classes mais relevantes de cada caso. A Macrorregião de Desenvolvimento do Cerrado, no Maranhão e no Piauí, tem sido alvo de ocupação, de maneira crescente, nos últimos anos, pela expansão da agricultura mecanizada, altamente tecnificada, com a cultura da soja como a mais importante. A atividade é tão significativa que vem transformando totalmente a dinâmica social e econômica da região. Estatísticas elaboradas pela CONAB relativas ao crescimento do plantio da soja no Brasil, para as safras e , mostram o Piauí em segundo lugar em crescimento da produção e em primeiro lugar em produtividade quando comparado com o restante do país, conforme Quadro 2.

16 Chapada das Mangabeiras 46ºW 43ºW 40ºW São Luís OCEANO ATLÂNTICO 3ºS Pará Caxias AG30 Coelho Neto Timon AG27 Brejo AG7 Teresina AG1 AG3 Esperantina Rio Longa Barras AG5 Campo Maior Parnaíba AG2 Buriti dos Lopes AG4 Piripiri Pedro II AG6 AG28 Viçosa do Ceará Tianguá AG29 Granja São Benedito Crateús Ceará 15 TD13 Uso da terra e uso do cerrado AG8 Rio Poti São Miguel do Tapuio Rio Poti 6ºS AG9 Regeneração AG10 9ºS Balsas Serra do Penitente Alto Parnaíba Rio das Balsas AG32 Rio Parnaíba Santa Filomena Maranhão Gilbués Rio Uruçuí Preto Serra do Uruçui AG31 AG22 AG23 Bom Jesus Uruçuí AG24 Represa Boa Esperança Alvorada do Gurguéia Rio Gurguéia Serra das Confusões AG19 AG18 Guaribas Barão de Grajaú Piauí Rio Itaueiras Caracol Bahia AG21 Floriano Serra da Capivara São Raimundo Nonato Rio Canindé Rio Piauí Oeiras AG15 AG20 AG16 São João do Piauí Valença do Piauí Rio Canindé Simplício Mendes AG17 Rio AG12 Itaim AG11 Picos AG14 AG26 AG13 Paulistana Serra Grande Chapada do Araripe Pernambuco AG25 Curimatã Tocantins Corrente 11ºS AGLOMERADOS DE MUNICÍPIOS BACIA DO RIO PARNAÍBA Capitais Cidades > ou = hab. Outras Cidades Limite Estadual Limite da Bacia Rios Macrorregiões (MR) Aglomerados MR1 AG1 AG2 MR2 AG27 AG28 AG29 AG3 AG30 AG4 AG5 AG6 AG7 AG8 AG9 MR3 AG10 AG11 AG12 AG13 AG14 AG15 AG16 AG17 AG18 AG26 MR4 AG19 AG20 AG21 AG22 AG23 AG24 AG25 AG31 AG32 Paraná N O L Fonte: CODEVASF - (2004) PLANAP - CODEVASF / OEA 2005 Escala Gráfica: km S Figura 2. Bacia do Rio Parnaíba: aglomerados de municípios

17 46ºW 43ºW 40ºW São Luís OCEANO ATLÂNTICO 16 3ºS Pará Parnaíba TD1 Granja PLANAP Plano de Ação para o Desenvolvimento Integrado da Bacia do Parnaíba 6ºS 9ºS Chapada das Mangabeiras Balsas Serra do Penitente Alto Parnaíba Rio das Balsas Rio Parnaíba Santa Filomena Maranhão Gilbués Rio Uruçuí Preto Serra do Uruçui TD11 Uruçuí TD10 Bom Jesus Represa Boa Esperança Alvorada do Gurguéia Rio Gurguéia Serra das Confusões Caxias Guaribas Coelho Neto Barão de Grajaú Piauí Rio Itaueiras Caracol Bahia Timon Brejo TD4 Esperantina Teresina Regeneração Floriano TD9 Serra da Capivara São Raimundo Nonato Rio Poti Rio Canindé Rio Piauí TD8 Oeiras Barras TD7 Rio Longa Campo Maior São João do Piauí Buriti dos Lopes TD2 Piripiri Valença do Piauí Rio Canindé Simplício Mendes Rio Itaim Pedro II Picos São Miguel do Tapuio TD5 Viçosa do Ceará Tianguá TD3 TD6 Paulistana São Benedito Rio Poti Serra Grande Crateús Ceará Chapada do Araripe Pernambuco Curimatã Tocantins Corrente 11ºS TERRITÓRIOS DE DESENVOLVIMENTO BACIA DO RIO PARNAÍBA Capitais Cidades > ou = hab. Outras Cidades Limite Estadual Limite da Bacia Rios Territórios de Desenvolvimento MR1 TD1 - Planície Litorânea MR2 TD2 - Cocais TD3 - Carnaubais TD4 - Entre Rios MR3 TD5 - Vale do Sambito TD6 - Vale do Rio Guaribas TD7 - Vale do Rio Canindé TD8 - Serra da Capivara MR4 TD9 - Vale dos Rios Piauí e Itaueiras TD10 - Tabuleiros do Alto Parnaíba TD11 - Chapada das Mangabeiras Paraná O N L Fonte: CODEVASF - (2004) PLANAP - CODEVASF / OEA 2005 Escala Gráfica: km S Figura 3. Bacia do Rio Parnaíba: Territórios de Desenvolvimento

18 Chapada das Mangabeiras 46ºW 43ºW 40ºW São Luís OCEANO ATLÂNTICO 3ºS Pará Parnaíba MR 1 Granja 17 Caxias Coelho Neto Timon Brejo Esperantina Teresina Rio Longa Barras Campo Maior Buriti dos Lopes Piripiri Pedro II MR 2 Viçosa do Ceará Tianguá São Benedito Crateús Ceará TD13 Uso da terra e uso do cerrado Rio Poti São Miguel do Tapuio Rio Poti 6ºS Regeneração Serra Grande Maranhão Barão de Grajaú Valença do Piauí MR 3 Rio Canindé Floriano Represa Boa Esperança Oeiras Picos 9ºS Balsas Serra do Penitente Alto Parnaíba Rio das Balsas Rio Parnaíba Santa Filomena Gilbués Rio Uruçuí Preto Serra do Uruçui Bom Jesus Uruçuí MR 4 Alvorada do Gurguéia Rio Gurguéia Serra das Confusões Guaribas Piauí Rio Itaueiras Caracol Bahia Rio Piauí Serra da Capivara São Raimundo Nonato São João do Piauí Rio Canindé Simplício Mendes Rio Itaim Chapada do Araripe Paulistana Pernambuco Curimatã Tocantins Corrente 11ºS MACRORREGIÕES DE DESENVOLVIMENTO BACIA DO RIO PARNAÍBA Capitais Macrorregiões Paraná Cidades > ou = hab. MR1 - Litoral Outras Cidades MR2 - Meio - Norte Limite Estadual Limite da Bacia Rios MR3 - Semi - Árido MR4 - Cerrado O N L Fonte: CODEVASF (2004) PLANAP - CODEVASF / OEA 2005 Escala Gráfica: km S Figura 4. Bacia do Rio Parnaíba: Macrorregiões de Desenvolvimento

19 18 PLANAP Plano de Ação para o Desenvolvimento Integrado da Bacia do Parnaíba Quadro 2. Crescimento % da soja no Brasil safras e Ranking Área plantada (%) Produção (%) Produtividade (%) 1º PA - 435,0 PA - 505,5 PI - 152,4 2º RR - 128,6 PI - 238,3 AM - 76,8 3º AM - 90,9 AM - 237,5 RS - 55,3 4º TO - 38,7 RR - 166,7 SC - 27,5 5º PI - 34,0 TO - 41,4 PR - 23,4 Esta situação, devido do interesse da CODEVASF no desenvolvimento sustentável da bacia, levou a empresa no âmbito do PLANAP a promover o estudo visando à análise multitemporal do uso da terra na Macrorregião. O estudo envolveu a Macrorregião de Desenvolvimento do Cerrado, com recorte para os Estados do Piauí e do Maranhão e para os Territórios de Desenvolvimento componentes da Macrorregião: Tabuleiros do Alto Parnaíba, Chapada das Mangabeiras e Vale dos Rios Piauí e Itaueiras. O trabalho realizado indica as formas de ocupação e uso do Território, reflete os modos de organização social e será subsídio para o Macrozoneamento Ecológico-Econômico (MZEE) da região. Os quantitativos obtidos no estudo referem-se às áreas inseridas na Bacia do Rio Parnaíba, embora os mapas permitam visualizar a área de abrangência do PLANAP, que inclui os limites dos municípios nele inseridos, mesmo quando ultrapassem aqueles da bacia. O presente relatório, em versão digital, está dividido em seis capítulos e dois anexos. O Capítulo 1 apresenta as principais características fisiográficas, hidroclimáticas, naturais, socioeconômicas e de infra-estrutura da Macrorregião de Desenvolvimento do Cerrado. O Capítulo 2 trata dos resultados do levantamento do uso da terra na Macrorregião como um todo e nos Estados do Piauí e do Maranhão. O Capítulo 3 apresenta os resultados obtidos nos Territórios incluídos na Macrorregião. O Capítulo 4 define estratégias e ações para a conservação da diversidade biológica e indica as novas Unidades de Conservação. O Capítulo 5 trata das conclusões, e o Capítulo 6 das recomendações propostas. A bibliografia consultada e os atores contatados e participantes são apresentados no Capítulo 7. O Anexo 1 apresenta a informação básica disponível; o Anexo 2, a metodologia aplicada e as atividades realizadas; e o Anexo 3, a proposta de implementação de estratégias para conservação da diversidade biológica na Macrorregião definidas no Capítulo 4. Como atividade complementar está sendo construído um banco de dados georreferenciado que reúne as informações disponíveis e aquelas que estão sendo produzidas, incluindo um tratamento nos dados levantados, para serem adequadamente utilizadas no PLANAP.

20 1 MACRORREGIÃO DE DESENVOLVIMENTO DO cerrado

21 Vista panorâmica de propriedade rural-pi

22 foto: Paulo Laborne 1.1. Características fisiográficas, hidroclimáticas e naturais A Macrorregião de Desenvolvimento do Cerrado da Bacia do Parnaíba (Figura 5) ocupa uma área de km 2, na porção mais meridional da bacia, e abrange os Estados do Piauí e do Maranhão. Com uma área equivalente a 35% da Bacia do Parnaíba, corresponde à maior dentre as quatro Macrorregiões. As principais características fisiográficas, hidroclimáticas e naturais da Macrorregião de Desenvolvimento do Cerrado estão apresentadas no Quadro TD13 Uso da terra e uso do cerrado

UF Município Micro-Região Classificação Tipo

UF Município Micro-Região Classificação Tipo PI Acauã Alto Médio Canindé Baixa Renda Dinâmica PI Agricolândia Médio Parnaíba Piauiense Baixa Renda Estagnada PI Água Branca Médio Parnaíba Piauiense Baixa Renda Estagnada PI Alagoinha do Piauí Pio IX

Leia mais

Renda per capita (R$) - Agosto/2012

Renda per capita (R$) - Agosto/2012 Renda per capita (R$) - Agosto/2012 ACAUÃ 199,35 AGRICOLÂNDIA 245,68 ÁGUA BRANCA 335,63 ALAGOINHA DO PIAUÍ 222,87 ALEGRETE DO PIAUÍ 268,12 ALTO LONGÁ 272,28 ALTOS 314,48 ALVORADA DO GURGUÉIA 203,23 AMARANTE

Leia mais

Cidades e Vilas do Brasil

Cidades e Vilas do Brasil 1 gg mm ss gg mm ss UF Nome do Município Cat Lat Long PI Acauã Cidade -08 12 54 41 04 54 PI Agricolândia Cidade -05 47 56 42 40 08 PI Água Branca Cidade -05 53 32 42 38 10 PI Alagoinha do Piauí Cidade

Leia mais

Tarifas para telefones fixos no estado do Piauí

Tarifas para telefones fixos no estado do Piauí Acaua - PI R$ 0,12 Agricolandia - PI R$ 0,12 Agua Branca - PI R$ 0,12 Alagoinha do Piaui - PI R$ 0,12 Alegrete do Piaui - PI R$ 0,12 Alto Longa - PI R$ 0,12 Altos - PI R$ 0,12 Alvorada do Gurgueia - PI

Leia mais

CÓDIGOS DO PIAUÍ. Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001

CÓDIGOS DO PIAUÍ. Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001 CÓDIGOS DO Fonte: Anexo da resolução 263 de 08/06/2001 UF MUNICÍPIO CÓDIGO DE ÁREA PI ACAUÃ 89 PI AGRICOLÂNDIA 86 PI ÁGUA BRANCA 86 PI ALAGOINHA DO 89 PI ALEGRETE DO 89 PI ALTO LONGÁ 86 PI ALTOS 86 PI

Leia mais

PIAUÍ CIDADE UF DDD TELEFONE FIXO TELEFONE CELULAR

PIAUÍ CIDADE UF DDD TELEFONE FIXO TELEFONE CELULAR AUÍ Acauã Agricolândia Água Branca Alagoinha do Piauí Alegrete do Piauí Alto Longá Altos Alvorada do Gurguéia Amarante Angical do Piauí Anísio de Abreu Antônio Almeida Aroazes Aroeiras do Itaim Arraial

Leia mais

ELEITORADO PIAUÍ 2014

ELEITORADO PIAUÍ 2014 ELEITORADO PIAUÍ 2014 MUNICÍPIO QT % ACAUÃ 5.369 0,229 AGRICOLÂNDIA 4.843 0,206 ÁGUA BRANCA 13.123 0,559 ALAGOINHA DO PIAUÍ 6.178 0,263 ALEGRETE DO PIAUÍ 4.391 0,187 ALTO LONGÁ 11.708 0,499 ALTOS 30.415

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

Relação dos municípios beneficiados com a entrega de retroescavadeiras Relação dos municípios beneficiados com a entrega de motoniveladoras

Relação dos municípios beneficiados com a entrega de retroescavadeiras Relação dos municípios beneficiados com a entrega de motoniveladoras Relação dos municípios beneficiados com a entrega de retroescavadeiras Baixa Grande do Ribeiro Barreiras do Piauí Gilbués Guadalupe Lagoinha do Piauí Landri Sales Porto Alegre do Piauí Ribeiro Gonçalves

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

ANEXO V ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ANEXO V ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia de Gás do Estado do Piauí GASPISA Empresa de Gestão de Recursos do Estado do Piauí S/A EMGERPI Companhia

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

desmatamento acentuado que ocorre no Estado, principalmente nas nascentes e nas margens dos rios.

desmatamento acentuado que ocorre no Estado, principalmente nas nascentes e nas margens dos rios. O Estado do Piauí Situado entre 2º 44' 49" e 10º 55' 05" de latitude sul e entre 40º 22' 12" e 45º 59' 42" de longitude oeste, o Estado do Piauí limita-se com os Estados do Ceará e Pernambuco a leste,

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO RURAL

DESENVOLVIMENTO RURAL Território de Identidade Bacia do Rio Grande Perfil Sintético SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Rui Costa Governador do Estado da Bahia João Leão Vice-Governador do Estado da Bahia Jerônimo Rodrigues

Leia mais

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE

SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES. Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE SIMPÓSIO POLO GESSEIRO DO ARARIPE: POTENCIALIDADES, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Recife 12 a 14 de agosto de 2014 Salão Nobre da UFRPE O Território do Sertão do Araripe é formado por 10 municípios: Araripina,

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

22ª Região - Piauí. CEP: 64.001-490 Teresina/PI Tel: (86) 2106-9412 / Fax: (86)2106-9463 e-mail: 1vtt@trt22.gov.br Código atribuído pelo TRT: 001

22ª Região - Piauí. CEP: 64.001-490 Teresina/PI Tel: (86) 2106-9412 / Fax: (86)2106-9463 e-mail: 1vtt@trt22.gov.br Código atribuído pelo TRT: 001 22ª Região - Piauí CENTRAL DE DISTRIBUIÇÃO DAS VARAS DO TRABALHO DE TERESINA Teresina, Alto Longá, Altos, Barro Duro, Beneditinos, Buriti dos Montes, Castelo do Piauí, Coivaras, Curralinhos, Demerval Lobão,

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

ENCONTROS ESTADUAIS - REDE DE ANCORAGEM TRILHAS QUADRO RESUMO SEMANA DE 28 DE MAIO A 01 DE JUNHO ESTADOS QTD TÉCNICOS DAS SECRETARIAS PARTICIPANTES

ENCONTROS ESTADUAIS - REDE DE ANCORAGEM TRILHAS QUADRO RESUMO SEMANA DE 28 DE MAIO A 01 DE JUNHO ESTADOS QTD TÉCNICOS DAS SECRETARIAS PARTICIPANTES ENCONTROS ESTADUAIS - REDE DE ANCORAGEM TRILHAS QUADRO RESUMO SEMANA DE 28 DE MAIO A 01 DE JUNHO ESTADOS QTD TÉCNICOS DAS SECRETARIAS PARTICIPANTES PARTICIPANTES QTD MUNICÍPIOS PARTICIPANTES LOCAL DO EVENTO

Leia mais

piauí 7º Balanço janeiro a abril de 2009

piauí 7º Balanço janeiro a abril de 2009 piauí 7º Balanço janeiro a abril de 2009 Pavimentação - BR-135 Barragem e Adutora Marruá Construção de Unidades Habitacionais Teresina Apresentação Você tem em mãos mais uma edição dos cadernos estaduais

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento Ações de Prevenção e Controle do Desmatamento no Brasil: Amazônia, Cerrado e Caatinga Brasília, setembro

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Diretrizes Ambientais. Luciene Ferreira Pedrosa

Diretrizes Ambientais. Luciene Ferreira Pedrosa Diretrizes Ambientais Luciene Ferreira Pedrosa Base Legal Resolução CNPE nº 08/03 Diretrizes para a realização de licitações de blocos exploratórios Art. 2º. A Agência Nacional do Petróleo - ANP deverá,

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

A VERDADE SOBRE AS MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL

A VERDADE SOBRE AS MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL A VERDADE SOBRE AS MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL Por Tibério Leonardo Guitton e João Carlos de Petribú Dé Carli Filho * * aluno do curso de Direito Ambiental formado em Engenharia Agronômica. 1 A VERDADE

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

P R O J E T O ALVORADA

P R O J E T O ALVORADA P R O J E T O ALVORADA O Projeto Alvorada foi idealizado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso para reduzir as desigualdades regionais e elevar a qualidade de vida das populações mais carentes do País.

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA

O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA O GEOPROCESSAMENTO APLICADO A AGRICULTURA: IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS PARA O CULTIVO DE COCO IRRIGADO NO MUNICÍPIO DE RODELAS - BAHIA Roneíse de Jesus Lima¹, Diêgo Pereira Costa², Raphaela Santana Melo Araujo³,

Leia mais

SISAR/PI SISTEMA INTEGRADO DE SANEAMENTO RURAL DO PIAUÍ

SISAR/PI SISTEMA INTEGRADO DE SANEAMENTO RURAL DO PIAUÍ SISAR/PI SISTEMA INTEGRADO DE SANEAMENTO RURAL DO PIAUÍ SISAR/PI: Qualidade de Gestão no Saneamento Rural PANORAMA ADMINISTRATIVO, FINANCEIRO, TÉCNICO E SOCIAL Facilitador: Nasioseno Pedro de Brito Presidente

Leia mais

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL

PERFIL BÁSICO MUNICIPAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) PERFIL BÁSICO MUNICIPAL MARCO Fortaleza-CE 2008 Apresentação O Instituto

Leia mais

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral

Apresentação. Flávio Ataliba Flexa Daltro Barreto. Diretor Geral Apresentação O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) disponibiliza para o Governo e a sociedade o Perfil Básico Municipal 2011. As informações contidas no Perfil Básico Municipal,

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 10.605,76 237.237

Leia mais

UF Município Micro-Região Classificação Tipo

UF Município Micro-Região Classificação Tipo MA Açailândia Imperatriz Média Renda Inferior Estagnada MA Afonso Cunha Coelho Neto Baixa Renda Estagnada MA Água Doce do Maranhão Baixo Parnaíba Maranhense Baixa Renda Estagnada MA Alcântara Litoral Ocidental

Leia mais

Redistribuição da Complementação da União (CRÉDITOS)

Redistribuição da Complementação da União (CRÉDITOS) PI ACAUA 7.739,10 PI AGRICOLANDIA 4.943,22 PI AGUA BRANCA 13.013,79 PI ALAGOINHA DO PIAUI 7.759,93 PI ALEGRETE DO PIAUI 6.649,90 PI ALTO LONGA 11.703,72 PI ALTOS 36.211,57 PI ALVORADA DO GURGUEIA 6.641,33

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Po por Ana_Cotta ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Alcance territorial da legislação ambiental e a consolidação do uso agropecuário de

Leia mais

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira Hidrografia no Brasil Luciano Teixeira Hidrografia Brasil Características da Hidrografia Brasileira Pobre em lagos Drenagem Exorréica Predomínio de foz em estuário Predomínio de rios de planaltos Bacias

Leia mais

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002)

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Data do Início: 01/01/2008 Data do Término: 31/12/2011 Valor: R$ 21.000.000,00 Objetivo: Desenvolvimento

Leia mais

Total de homens Total de mulheres

Total de homens Total de mulheres Nome do população população 2100055 Açailândia 88.320 52.093 51.920 78.241 25.772 104.013 2100105 Afonso Cunha 4.680 3.001 2.956 3.272 2.685 5.957 2100154 Água Doce do Maranhão 9.703 6.026 5.564 3.124

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

PRODUTIVIDADE E CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA: LIMITES E DESAFIOS EVARISTO DE MIRANDA

PRODUTIVIDADE E CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA: LIMITES E DESAFIOS EVARISTO DE MIRANDA PRODUTIVIDADE E CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA: LIMITES E DESAFIOS EVARISTO DE MIRANDA 1990 2000 Luís Eduardo Magalhães 2010 2015 LUIZ EDUARDO MAGALHÃES - BA DELIMITAÇÃO TERRITORIAL DO MATOPIBA 31 microrregiões

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico Hidrografia Relevo oceânico Bacias hidrográficas no mundo BACIA HIDROGRÁFICA: Corresponde à área de captação de água superficial e subsuperficial para um canal principal e seus afluentes; portanto, é uma

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA N o, DE DE DE 2015 Homologa o resultado da Revisão do Plano de Universalização Rural da Companhia Energética do Maranhão CEMAR e dá outras

Leia mais

SEMINÁRIO Curso: Geografia Disciplina: Hidrogeográfia Professor: Felipe Brasil 4 Período / UNESA Bacia Hidrográfica Rio São Francisco 2 semestre de 2011 Graduandos: Alexandre Graciniano Mª de Lourdes 1

Leia mais

PIAUÍ EM NÚMEROS. 9ª Edição

PIAUÍ EM NÚMEROS. 9ª Edição PIAUÍ EM NÚMEROS 9ª Edição Ficha Catalográfica F981p Fundação CEPRO Piauí em números 9.ed. Teresina, 2012. 1. Situação socioeconômica Piauí. I Título. CDU 31:33 (812.2) GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ Wilson

Leia mais

INSCRIÇÕES HOMOLOGADAS E DATA DAS ENTREVISTAS

INSCRIÇÕES HOMOLOGADAS E DATA DAS ENTREVISTAS INSCRIÇÕES HOMOLOGADAS E DATA DAS S 1ª GERÊNCIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO - PARNAÍBA 00204 080500-9 Alcione Amorim Costa Filho 15/02/2011 09:00 09:20 01 00267 051243-5 Maria do Rosário Carvalho de Araujo 15/02/2011

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 21.1 Conteúdo Região Sudeste 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

CAP. 21 REGIÃO NORDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 21 REGIÃO NORDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 21 REGIÃO NORDESTE Prof. Clésio Farrapo 1 CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DAS SUB-REGIÕES DO NE A Região Nordeste é formada por nove estados: Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco

Leia mais

Projeto. Nota Técnica 05. Caracterização, Análise e Sugestões para Adensamento das Políticas de Apoio a APLs Implementadas nos Estados.

Projeto. Nota Técnica 05. Caracterização, Análise e Sugestões para Adensamento das Políticas de Apoio a APLs Implementadas nos Estados. 0 Projeto Análise do Mapeamento e das Políticas para Arranjos Produtivos Locais no Norte, Nordeste e Mato Grosso e dos Impactos dos Grandes Projetos Federais no Nordeste Nota Técnica 05 Caracterização,

Leia mais

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL

CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMAS E FORMAÇÕES VEGETAIS DO BRASIL CLIMA BRASILEIRO O extenso território brasileiro, a diversidade de formas de relevo, a altitude e dinâmica das correntes e massas de ar, possibilitam uma grande diversidade

Leia mais

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS Agência de Fomento e Desenvolvimento do Estado do Piauí S.A PIAUÍ FOMENTO Águas e Esgotos do Piauí S/A AGESPISA Companhia Administradora da Zona de Processamento

Leia mais

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Maranhão PERÍODO:

Módulo introdutório de Formação dos Orientadores de Estudo INSTITUIÇÃO RESPONSÁVEL: Universidade Federal do Maranhão PERÍODO: Módulo introdutório de dos Orientadores de Estudo 2100055 ACAILANDIA MUNICIPAL 2100105 AFONSO CUNHA MUNICIPAL 2100154 AGUA DOCE DO MARANHAO MUNICIPAL 2100204 ALCANTARA MUNICIPAL 2100303 ALDEIAS ALTAS MUNICIPAL

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

Caderno de Resultados População Negra 2011 abril/2015

Caderno de Resultados População Negra 2011 abril/2015 Caderno de Resultados População Negra 2011 abril/2015 Superação da pobreza da população negra junho/2011 a abril/2015 maio de 2015 NOTA As informações desta publicação são provenientes do Ministério do

Leia mais

BR-135 Divisa PI-BA Monte Alegre. Caninde do Sao Francisco PI. UHE Estreito PI

BR-135 Divisa PI-BA Monte Alegre. Caninde do Sao Francisco PI. UHE Estreito PI PIAUÍ ANOS BR-135 Divisa PI-BA Monte Alegre Caninde do Sao Francisco PI UHE Estreito PI BR-135 PI Apresentação A parceria do Governo Federal com os Estados e os Municípios brasileiros, um dos pilares do

Leia mais

Complexo regional do Nordeste

Complexo regional do Nordeste Antônio Cruz/ Abr Luiz C. Ribeiro/ Shutterstock gary yim/ Shutterstock Valter Campanato/ ABr Complexo regional do Nordeste Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, MA. Sertão de Pai Pedro, MG. O norte

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado

Definição. Unidade Territorial com características naturais bem. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado Definição Compreende-se como sendo uma Unidade Territorial com características naturais bem marcantes e que o individualizam. Por essa razão, muitas vezes o termo é usado como sinônimo para identificar

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2)

AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2) Saneamento Ambiental na periferia da cidade de Santana do Cariri/CE Brasil AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2) INSTITUIÇÃO(ÕES): (1) Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Zoneamento Ecológico-econômico da Região Nordeste

Zoneamento Ecológico-econômico da Região Nordeste Programa 0512 ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO Objetivo Promover o zoneamento ecológico-econômico de regiões selecionadas, como forma de consolidar o processo de ocupação e desenvolvimento, de forma sustentável.

Leia mais

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica

Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Monitoramento dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica Realização: Patrocínio: Execução Técnica: PRIMEIRO MAPEAMENTO DA MATA ATLÂNTICA SOS Mata Atlântica INPE e IBAMA Escala: 1:1.000.000 CONCLUÍDO:

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Mesa Redonda 4: Regionalização para o Desenvolvimento do Maranhão

Mesa Redonda 4: Regionalização para o Desenvolvimento do Maranhão Seminário Nacional O PLANO MAIS IDH E O DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MARANHÃO Mesa Redonda 4: Regionalização para o Desenvolvimento do Maranhão Felipe de Holanda - IMESC/SEPLAN MA Stop Way Hotel, São

Leia mais