TRABALHO DE PESQUISA CIENTÍFICA EMPREGO DE VARIEDADES NO CONTROLE DA MOSCA-BRANCA NO TOMATEIRO NA REGIÃO DO CARIRI CEARENSE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHO DE PESQUISA CIENTÍFICA EMPREGO DE VARIEDADES NO CONTROLE DA MOSCA-BRANCA NO TOMATEIRO NA REGIÃO DO CARIRI CEARENSE"

Transcrição

1 ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE CRATO COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO E PESQUISA TRABALHO DE PESQUISA CIENTÍFICA EMPREGO DE VARIEDADES NO CONTROLE DA MOSCA-BRANCA NO TOMATEIRO NA REGIÃO DO CARIRI CEARENSE COMITÊ DE PESQUISA PROF. DR. ANTÔNIO NUSTENIL DE LIMA ALUNOS DA DISCIPLINA DE HORTICULTURA Crato, 2006

2 SUMÁRIO 1- JUSTIFICATIVA INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA IMPORTÂNCIA ECONÔMICA DO TOMATEIRO CARACTERIZAÇÃO E IMPORTÃNCIA DA MOSCA-BRANCA MÉTODOS DE CONTROLE DA MOSCA-BRANCA OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO ORÇAMENTO

3 1- JUSTIFICATIVA Tendo em vista que a região do Cariri cearense tem tradição em cultivar tomate para suprir a demanda local com relação ao consumo desta hortaliça, tendo em vista o uso indiscriminado, abusivo e muitas vezes até desnecessário de agrotóxico comprometendo a saúde humana, e tendo em vista as informações deficitárias com relação a utilização correta e emprego de material de proteção individual quanto a aplicação de produtos químicos na cultura de tomate, se faz necessário que a Escola Agrotécnica Federal de Crato através do setor de produção e pesquisa desenvolva nas suas dependências um experimento que venha a selecionar entre as principais variedades de tomate amplamente cultivadas na região do cariri, a que melhor resista ao ataque da mosca-branca sem comprometer a sua produtividade. Esta informação, dentro do processo de transferência de tecnologia será de grande importância para o tomaticultor que minimizará seu custo de produção devido a redução do uso de agrotóxico, como também para o educando que será envolvido nesta pesquisa e se constituirá em grande difusor desta informação como um agente multiplicador. 3

4 2- INTRODUÇÃO O tomateiro é uma cultura das mais cultivadas do mundo. Sua produção mundial supera 70 milhões de toneladas/ano, sendo considerada uma hortaliça das mais importantes, não só em termos de produção como também em valor econômico. No Brasil, cultivam-se anualmente 58 mil hectares de tomateiro com uma produção média anual de aproximadamente 3,4 milhões de toneladas (IBGE, 2004). Além do aspecto econômico, o cultivo do tomateiro é uma atividade de grande importância social como fonte geradora de empregos tanto na área rural como na urbana. No Ceará, o cultivo em 2004 (IBGE) foi de 1,8 mil hectares, com uma produção de 101 mil toneladas. A produção de tomate é dificultada em virtude do grande número de pragas que atacam essa cultura. Entre elas, a mosca-branca (Bemisia tabaci) que se tornou um problema mais sério desde a última década depois que um biótipo novo (B) foi descoberto no Estado de São Paulo (Lourenção & Nagai, 1994). Esse biótipo, altamente agressivo, causa mais danos que o biótipo A anteriormente identificado, apresentando fecundidade mais alta, uma maior quantidade de plantas hospedeiras, e resistência facilmente adquirida para inseticidas (Costa & Brown, 1990; PrabhaKer et al., 1998). Conhecer o local de postura escolhido pelo inseto na planta, bem como os folíolos preferidos para oviposição, é de fundamental importância 4

5 em programas de manejo integrado de pragas, principalmente, quando se pretende alcançar qualidade na amostragem. Nesse sentido, inúmeros estudos têm mostrado que folhas mais novas são preferidas para alimentação e oviposição de mosca-branca (Ohnesorge et al., 1980; Peña et al., 1993; Simmons, 1994), e que a postura é preferivelmente realizada na face inferior das mesmas (Simmons, 1994; Chu et al., 1995), entretanto, algumas características morfológicas das superfícies das folhas podem afetar esta preferência (Berlinger, 1986). Existem diversos métodos de controle para a mosca-branca, desde o biológico até o químico; entretanto, Oliveira & Silva (1997) alertaram para o perigo do uso indiscriminado de produtos químicos, que podem induzir a um aumento desordenado na população da praga. Devido ao baixo custo e a melhor preservação do meio ambiente, o uso de genótipos resistentes constitui-se numa tática altamente desejável no controle desses insetos (Rossetto, 1989; Lara, 1991). O uso freqüente e inadequado do controle químico promove o desenvolvimento da resistência em população de mosca-branca (Butler et al., 1993). Portanto a adoção de métodos alternativos de controle possibilitará a redução da população de mosca-branca mantendo-a em níveis de equilíbrio abaixo do nível de dano econômico. Entre estes métodos, a utilização de variedades resistentes contribui consideravelmente com o programa de manejo integrado de pragas. 5

6 A cultura do tomateiro é atacada por inúmeras pragas e doenças, cujo controle químico representa 30% do custo de produção (Melo & Marques, 2000). Em relação às pragas, a mosca-branca (Bemisia spp) vem sendo considerada uma das mais importantes para a cultura, não somente pelo dano direto causado pelo inseto, mas pelo fato de ser vetor de geminiviroses (doenças causadas por vírus do grupo geminivírus). As geminiviroses têm causado grandes prejuízos para os produtores de tomates para mesa, como também para processamento industrial (Ferreira & Ávidos, 1998). A mosca-branca, uma das principais pragas do tomateiro no Brasil, tem sido controlada normalmente através de aplicações sucessivas de inseticidas, o que é indesejável tanto por motivos econômicos quanto ambientais, já que as aplicações sucessivas afetam os inimigos naturais e aumentam a possibilidade de desenvolvimento de populações da praga resistente aos inseticidas, além da contaminação do homem e do ambiente. Esses problemas podem ser minimizados com métodos alternativos de controle, como por exemplo a utilização de variedades resistentes, que se constitui numa alternativa socialmente justa, economicamente viável e ecologicamente correta, uma vez que reduz consideravelmente o uso de pesticidas. 6

7 3- REVISÃO DE LITERATURA 3.1- IMPORTÂNCIA ECONÔMICA DO TOMATEIRO O tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill.), é uma hortaliça originária da América do Sul, tendo sido levada para a América Central por índios pré-históricos e, no século XV, para outras partes do mundo, por viajantes europeus (Miranda et al., 2001). Segundo Minami & Haag (1989), o tomate foi introduzido no Brasil pela colônia italiana na virada do século XX. Dentre as hortaliças, o tomateiro é considerado de grande importância econômica no mundo (FAO, 1998), estando o Brasil em oitavo lugar na produção mundial e em sétimo no processamento (Camargo Filho, 2001). Segundo Della Vecchia & Koch (2000), o tomate Carmen, denominado longa vida, representa cerca de 70% do mercado atual, em função da maior flexibilidade que oferece ao produtor na hora da colheita, menor perda nas operações de preparo, transporte e comercialização. Porém, Castro (2000), ao avaliar o sabor, verificou que a cultivar Santa Clara alcançou valores mais elevados que a cultivar Carmen em testes sensoriais. O tomateiro é uma importante hortaliça, não só em termos de produção como também em valor econômico, por ser uma das mais consumidas e industrializadas (Tomate, 1997). Dentre os principais estados 7

8 produtores, destacam-se Goiás, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Espírito Santo (Agrianual, 2001) CARACTERIZAÇÃO E IMPORTÃNCIA DA MOSCA-BRANCA A mosca-branca Bemisia spp, é um homóptero da família Aleyrodidae. O ciclo de vida deste inseto compreende três fases: ovo; ninfa com 4 estádios, e a fase adulta. Os adultos são pequenos insetos (cerca de 2-3 mm de comprimento) que sugam a seiva das plantas. Apresentam coloração esbranquiçada e se localizam na página inferior das folhas apresentando atividades mais intensas nas primeiras horas do dia. Os ovos são colocados na página inferior das folhas mais novas e ficam presos por um pedúnculo, imperceptível a olho nu. Cada fêmea é capaz de ovipositar entre 150 a 200 ovos-ninfa. As ninfas apresentam coloração amarela e passam por diversos estádios denominados instares. A ninfa de 1 instar é móvel, ou seja, apresenta pernas e é capaz de se mover na folha ou na planta. Já a partir do 2 instar, as ninfas perdem as pernas e são imóveis, permanecendo dessa forma até a emergência do adulto. No total, as ninfas passam por quatro instares. A partir do 3 instar, as ninfas são facilmente visíveis. A mosca-branca Bemisia tabaci (Gennadius) biótipo B (= Bemisia argentifollii, Bellows & Perring) pode ser encontrada nas regiões subtropicais e temperadas, tendo mais de 500 espécies de plantas 8

9 hospedeiras, primariamente herbáceas, anuais, muitas dessas de importância econômica (Brown, 1992). A mosca-branca, tanto na fase imatura como adulta, suga a seiva do floema das plantas hospedeiras, podendo causar danos diretos e indiretos, além de transmitir viroses. Atualmente, é considerado um grupo importantíssimo em âmbito mundial, veiculando mais de 40 fitovírus diferentes sendo as únicas transmissoras de geminivírus (Brown & Bird, 1992). B. tabaci, hoje é considerada um complexo (Brown et al., 1995), com amplo espectro de hospedeiros, multiplicando-se em mais de 500 espécies de planta, pertencendo a 74 famílias botânicas (Greathead, 1986). Dependendo da cultura, época e nível da infestação, entre outros fatores, os prejuízos causados por esse inseto podem variar entre 20 a 100% (Brown & Bird, 1992). Em vários países, os danos que esse inseto causa têm freqüentemente atingido 100% de perdas, além de gerar índices de desemprego superiores a 30% no campo e colapso na produção agrícola de várias culturas (Ferreira & Ávidos, 1998). Nos EUA, desde os anos 80, a mosca-branca foi responsável por severos danos em berinjela, pepino, melão, tomate, feijão e batata (Costa et al., 1993), sendo que as perdas foram estimadas em meio bilhão de dólares (Perring et al., 1993). No Brasil, embora os principais relatos da mosca-branca datem do ano 1923 (Bondar, citado por Haji et al., 1997), o primeiro registro 9

10 oficial ocorreu na cultura do algodão em 1968, e em soja, algodão e feijão no Norte do Paraná e na região de Ourinhos (SP) em 1972/1973 (Costa et al., 1973). Daquela constatação até o final da década de oitenta, não se observavam novas infestações dessa mosca-branca sob registro. Todavia, a partir de 1991, verificaram-se aumentos consideráveis nas populações de B. tabaci em plantas de interesse econômico bem como a ocorrência de desordem fisiológica nos municípios paulistas de Paulinia, Holambra, Jaguariúna e Artur Nogueira (Lourenção et al., 1999). A espécie causadora de desordens fisiológicas em tomate foi descrita como biótipo B (=Bemisia argentifolli). Sendo assim, esse foi o primeiro registro de B. tabaci biótipo B do Brasil (França et al., 1996). Vários são os fatores que contribuem para queda da produtividade do tomateiro, e B. tabaci biótipo B, teve grande impacto econômico desde os primeiros relatos até o momento, estimando-se perdas superiores a US$ 10 bilhões em todo mundo (Lourenção & Nagai, 1994). Em tomateiro, além do dano direto causado pela sucção da seiva das plantas por ninfas e adultos, o inseto também é vetor de um complexo de 17 espécies de geminivírus, sendo este problema o principal fator limitante da cultura em várias regiões produtoras. O dano direito é causado pela sucção da seiva e ação toxicogênica, além da liberação de secreções açucaradas favorecendo o desenvolvimento de fumagina, e indireto, pela transmissão de vírus, 10

11 principalmente os pertencentes ao grupo geminivírus. A mosca-branca vetora de vírus se alimenta do floema das plantas, extraindo aminoácidos e carboidratos necessários a sua sobrevivência MÉTODOS DE CONTROLE DA MOSCA-BRANCA A mosca-branca tem sido controlada, normalmente, através de aplicações múltiplas de inseticidas, o que é indesejável tanto por motivo econômico quanto ambiental, já que as aplicações sucessivas afetam os inimigos naturais e aumentam a possibilidade de desenvolvimento de populações de pragas resistentes aos inseticidas. Esses problemas podem ser minimizados utilizando métodos de controles alternativos como, por exemplo, o emprego de variedades de plantas resistentes ao inseto, inseticidas alternativos e uma adubação bastante equilibrada que supra a planta nas suas necessidades nutricionais possibilitando a mesma sobreviver com a presença da praga. A resistência de plantas a uma espécie de inseto é relativa. Assim um material genético pode comportar-se como resistente ou suscetível, dependendo do ensaio e das condições ambientais (Lara, 1991). As plantas apresentam diversos mecanismos de proteção a insetos, como os tricomas, responsável pela proteção das folhas e caules, de grande importância para o gênero Lycopersicon (Chatzivasileiadis & Sabelis, 1997). 11

12 4- OBJETIVO Selecionar entre seis variedades de tomateiro mais exploradas na região do cariri cearense a que apresenta menos preferência para oviposição da mosca-branca biótipo B, em condições de casa de Vegetação. 12

13 5- MATERIAIS E MÉTODOS O experimento será conduzido em casa de vegetação do Setor de Agricultura da Escola Agrotécnica Federal de Crato - Ceará, onde serão utilizadas seis variedades de tomateiros escolhidas entre as mais cultivadas na região do Cariri cearense. As sementes serão semeadas em bandejas de isopor de 120 células e transplantadas aos 25 dias após germinadas para baldes plásticos contendo 10 litros de terra vegetal. Serão utilizados 15 baldes com duas plantas para cada variedade. A população de mosca-branca utilizada no experimento será proveniente de criação mantida em plantas de couve, algodão e feijão, em vasos, na mesma casa de vegetação. Essas plantas serão colocadas próximas as mudas de tomateiros para que ocorra a infestação. Serão feitas três contagens do número de ninfas do quarto instar de mosca-branca, aos 15, 30 e 45 dias após o transplantio. A contagem será feita na parte abaxial dos folíolos da terceira folha, com auxilio de lupa manual, com aumento de 10 vezes. Serão utilizadas 15 repetições para cada tratamento dispostos em delineamento estatístico inteiramente casualizado em esquema fatorial 6x3 (seis variedades e três épocas de contagem do número de ninfas). 13

14 6- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AGRIANUAL. São Paulo; FNP, BERLINGER, M.J. Host Plant Resistance to Bemisia tabaci. Agriculture Ecosystem Environment, v. 17, p , BROWN, J.K.; D.R. FROLICH; R.C. ROSELL. The sweetpotato or silverleaf whiteflies: biotypes of Bemisia tabaci or a species complex? Annual Review of Entomology, Stanford, v. 40, p , BROWN, J.K.; J. BIRD. Whitefly-transmitted geminiviruses and associated disorders in the Americas and Caribbean Basin. Plant Disease, St. Paul, v. 76, p , BUTLER JR., G.D.; HENNEBERRY, T.J.; STANSLY, P.A.; SCHUSTER, D.J. Insecticidual effects of selected soaps and detergents on the sweet potato whitefly (Homoptera: Aleyrodidae). Florida Entomologist, Flórida, v.76, p , CAMARGO FILHO, W.P. Perspectivas dos mercados de tomate para indústria e mesa. Informações Econômicas, São Paulo, v. 31, n. 5, p ,

15 CASTRO, L.R. Influência de aspectos de classificação, embalagem e refrigeração na conservação pós-colheita de tomate "Santa Clara" e "Carmem". 159 p. Dissertação (Mestrado) Universidade de Campinas, Campinas, CHATZIVASILEIADIS, E.A.; SABELIS, M.W. Toxicity of methyl ketones from tomato trichomes to Tetranychus urticae koch. Experimentalis et. Applicata Acarology, Amsterdam, v. 21, p , CHU, C.; T.J. HENNEBERRY; A.C. COHEN. Bemisia argentifolii (Homoptera, Aleyrodiae): host preference and factors affecting ovoposition and feeding site prefernce. Environmental Entomology, Lanham. v. 24, p , COSTA, A.S.; COSTA, C.L.; SAUER, H.F.G. Surto de mosca-branca em culturas do Paraná e São Paulo. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, São Paulo, v. 2, p , COSTA, H.S.; BROWN, J.K. Variability in biological characteristics, isozyme patterns and virus transmission among populations of Bemisia tabaci in Arizona. Phytopathology, Arizona, v.80, p.888,

16 COSTA, HS.; BROWN, J.K.; SIVASUPRAMANIAM, S.; BIRD, J. Regional distribution, insecticide resistance, and reciprocal crosses between the `A' and `B' biotypes of Bemisia tabaci. Insect Science and Application, Moreno Valley, v. 14, p , DELLA VECCHIA, P.T.; KOCH, P.S. Tomates longa vida: o que são, como foram desenvolvidos? Horticultura Brasileira, Brasília, v. 18, n. 1, p. 3-4, FAO. Economic Research Service. Whashington, (FAO. Production year books, 50). FERREIRA, L.T.; M.F.D. ÁVIDOS. Mosca-branca: Presença indesejável no Brasil. BioTecnologia Ciência & Desenvolvimento, Brasília, v. 4, p , FRANÇA, F.H.; VILLAS BÔAS, G.L.; BRANCO, M.C. Ocorrência de Bemisia argentifolii Bellows & Perring (Homoptera: Aleyrodidae) no Distrito Federal. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Brasília, v. 25, p ,

17 GREATHEAD, A.H. Host plants. In M.J.W. Cock (ed.), Bemisia tabaci - a literature survey on the cotton whitefly with an annotated bibliography, Silwood Park, Ascot, FAO/CAB, p. HAJI, F.N.P.; LIMA, M.F.; ALENCAR, J.A. de. Mosca-branca no Brasil. In: Anais, 7º Taller Latino-Americano y del Caribe sobre moscas blancas y geminivirus, Santo Domingo, Republica Dominicana. p.5-7, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Pesquisa Mensal de Previsão e Acompanhamento das Safras Agrícolas no Ano Civil, Rio de Janeiro v.17, p. 58, LARA, F.M. Princípios de resistência de plantas a insetos. 2 ed., São Paulo: Ícone, p , LOURENÇÃO, A.L.; NAGAI, H.. Surtos populacionais de Bemisia tabaci, no estado de São Paulo. Bragantia, Campinas, v. 53, p , LOURENÇÃO, A.L.; YUKI, V.A.; ALVES, S.B.. Epizootia de Aschersonia cf. goldiana em Bemisia tabaci (Homoptera: Aleyrodidae) 17

18 Biótipo B no estado de São Paulo. Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Londrina, v. 28, p , MELO, W. J.; MARQUES, M.O. Potencial do lodo de esgoto como fonte de nutriente para as plantas. In: Impacto ambiental do uso do lodo de esgoto. Jaguariúna, SP : EMBRAPA. p , MINAMI, K; HAAG, H. P. O tomateiro. 2 ed. Campinas: Fundação Cargill, n. 219, p.27-34, MIRANDA, M.A.C.; LOURENÇÃO, A.L.; ALVES, S.B. Ocorrência epizoótica de Verticillium lecanii em Bemisia tabaci biótipo B (Hemiptera: Aleyrodidae) no estado do Maranhão. Neotropical Entomology, São Luiz, v. 30, p , OHNESORGE, B.; SHARAF, N.; ALLAWI, Y T.. Population studies on the tobacco whitefly Bemisia tabaci Genn. (Homoptera: Aleyrodidae) during the winter season: I. Spatial distribution on some host plants. Z. Angew. Journal of Applical Entomology, Lanham, v. 90, p ,

19 OLIVEIRA, M.R.V.; SILVA, O. L. R.: Prevenção e controle da moscabranca, Bemisia argentifolii (Hemiptera: Aleyrodidae). Brasília: Ministério da Agricultura e Abastecimento, Departamento de Defesa e Inspeção Vegetal. 16p. (Alerta Fitossanitário 1) PEÑA, R.C.; ITURRIAGA, L.; MUJICA, A.M.; MONTENEGRO, G. Análisis micromorfológico de polen de Sophora (Papilionaceae). Hipótesis filogenética sobre el origen de la Sección Edwardsia. Gayana Botanic, Chile, v. 50, n. 2, p PERRING, T.M.; COOPER, A.D.; RODRIGUES, R.J.; FARRAR, C.A. & BELLOWS JR, T.S.. Identification of a whitefly species by genomic and behavioral studies. Science, Washington, DC, v. 259, p PRABHAKER, N.; TOSCANO, N.C.; HENNEBERRY, T.J. Evaluation of insecticide rotations and mixtures as resistance management strategies for Bemisia argentifolii (Homoptera:Aleyrodidae). Journal of Economic Entomology, College Park, v.91, p , ROSSETTO, C.J.; TISSELI F, O.; CIONE, J.; GALLO, P.B.; RAZERA, L.F.; TEIXEIRA, J.P.F. & BORTOLETTO, N.. Soja IAC-100`, Agronômico, Campinas, v. 41, p. 2,

20 SIMMONS, C.R.. The physiology and molecular biology of plant 1,3-beta- D-glucanases and 1,3;1,4-beta-D-glucanases. Critical Reviews in Plant Sciences, Tennessee, v. 13, p , TOMATE. Uso racional de defensivos aumenta a lucratividade. Cooperativa Informe Agropecuária, v. 11, p

21 7- CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO Projeto de Pesquisa 001 Uso de variedades no controle de mosca-branca em tomateiro. Ano 2006 Atividades Março Abril Maio Junho Julho Agosto Construção da casa de Vegetação X Implantação do Projeto X 1 Leitura da fase larval da mosca-branca X 2 Leitura X 3 Leitura X Tabulação dos Dados X X X Análise dos Dados X Discussão dos Resultados X Divulgação X Encaminhamento para Publicação X

22 8- ORÇAMENTO Projeto de Pesquisa 001 Uso de variedades no controle de mosca-branca em tomateiro. Ano 2006 N de Ordem Discriminação Unidade Quantidade Valor Unitário Valor Total 01 Casa de Vegetação Unidade , ,00 02 Baldes Plásticos Unidade 90 5,00 450,00 03 Sementes Grama 10 6,00 60,00 04 Lupa de bolso Unidade 02 30,00 60,00 05 Computador + Impressora Unidade , ,00 06 Visitas Técnicas Unidade , ,00 07 Diárias Unidade , ,00 Total ,00 22

MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII. Zuleide A. Ramiro

MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII. Zuleide A. Ramiro MANEJO INTEGRADO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA ARGENTIFOLII Zuleide A. Ramiro Instituto Biológico, Centro Experimental Central do Instituto Biológico, CP 70, CEP 13001-970, Campinas, SP, Brasil. E-mail: zramiro@uol.com.br

Leia mais

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE)

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) B.C. Martins 1 ; F.S. Rocha 1,4 ; L.A. Ferreira 1,4 ; J.C.M.R. Silva 1,4 ; R.R. Guimarães

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO

CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO Iul Brinner Expedito de SOUSA 1 ; Antonio Augusto Rocha ATHAYDE 2 ; Vanessa ANDALÓ 2 ; Gabriel Avelar LAGE 1 ; Guilherme Ebelem Guimarães Moreira MALUF 1

Leia mais

Sistema de alerta para verificação da localização da mosca-branca e vírus associados no Brasil

Sistema de alerta para verificação da localização da mosca-branca e vírus associados no Brasil Sistema de alerta para verificação da localização da mosca-branca e vírus associados no Brasil Marcelo Gonçalves Narciso 1, Eliane Dias Quintela 1 1 Embrapa Arroz e Feijão, Goiânia, Goiás, Brasil, Marcelo.narciso@embrapa.br,

Leia mais

ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA

ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA Área: Fitossanidade ATRATIVIDADE DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI PARA ALIMENTAÇÃO DE MOSCA-BRANCA Márcia Patrícia Paula Nascimento 1 ; Laysa Luna de Moura Carvalho 2 ; Paulo Henrique Soares da Silva 3. 1

Leia mais

Presença indesejável no Brasil

Presença indesejável no Brasil Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura

Leia mais

Resistência de Genótipos de Tomateiro à Mosca-Branca Bemisia tabaci (Gennadius) Biótipo B (Hemiptera: Aleyrodidae)

Resistência de Genótipos de Tomateiro à Mosca-Branca Bemisia tabaci (Gennadius) Biótipo B (Hemiptera: Aleyrodidae) May-June 2005 435 CROP PROTECTION Resistência de Genótipos de Tomateiro à Mosca-Branca Bemisia tabaci (Gennadius) Biótipo B (Hemiptera: Aleyrodidae) EDSON L.L. BALDIN, JOSÉ D. VENDRAMIM 2 E ANDRÉ L. LOURENÇÃO

Leia mais

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011

INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 INSETOS CAUSADORES DA PEGAJOSIDADE NO ALGODOEIRO PRODUÇÃO DE HONEYDEW POR INSETOS E SUAS RELAÇÕES COM A PEGAJOSIDADE

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA PARA A MOSCA-BRANCA

SISTEMA DE ALERTA PARA A MOSCA-BRANCA SISTEMA DE ALERTA PARA A MOSCA-BRANCA Narciso, M.G. (1) ; Quintela, E.D. (1) ; Barbosa, F.R. (1) ; Del Peloso, M.J. (1) marcelo.narciso@embrapa.br (1) Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa,

Leia mais

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Plantas cultivadas em sistema de aquaponia Alface Cebolinha

Leia mais

CONTROLE QUÍMICO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA TABACI (GENNADIUS, 1889) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) NA CULTURA DO FEIJOEIRO

CONTROLE QUÍMICO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA TABACI (GENNADIUS, 1889) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) NA CULTURA DO FEIJOEIRO 3 CONTROLE QUÍMICO DA MOSCA-BRANCA BEMISIA TABACI (GENNADIUS, 1889) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) NA CULTURA DO FEIJOEIRO J.R. Scarpellini¹, Z.A. Ramiro², R.I.R. Lara¹, J.C.C. Santos¹ ¹Unidade de

Leia mais

Vinícius Soares Sturza 1 ; Cátia Camera 2 ; Carla Daniele Sausen 3 ; Sônia Thereza Bastos Dequech 4

Vinícius Soares Sturza 1 ; Cátia Camera 2 ; Carla Daniele Sausen 3 ; Sônia Thereza Bastos Dequech 4 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 DANOS, POSTURAS E ÍNDICE DE PARASITISMO DE Spodoptera frugiperda (J.E. SMITH) (LEP.: NOCTUIDAE), RELACIONADOS AOS ESTÁDIOS

Leia mais

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro

VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG- campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro Potencial da Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) no controle da Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) (Lepidoptera: Noctuidae). Willian Sabino RODRIGUES¹; Gabriel de Castro JACQUES²;

Leia mais

Comunicado 123 Técnico

Comunicado 123 Técnico Comunicado 123 Técnico ISSN 9192-0099 Brasília, DF Maio, 2005 Biologia de Allograpta exotica (Wiedemann ), Toxomerus lacrymosus (Bigot) (Diptera: Syrphidae) e de Nephaspis hydra Gordon (Coleoptera: Coccinellidae),

Leia mais

Atualização sobre mosca branca e helicoverpa. Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão, Brasília, 12/06/2013

Atualização sobre mosca branca e helicoverpa. Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão, Brasília, 12/06/2013 Atualização sobre mosca branca e helicoverpa Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Feijão, Brasília, 12/06/2013 Sumário Mosca branca (Bemisia tabaci)» Informações e slides fornecidos pela Dra.

Leia mais

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual Ferrugem (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual A primeira citação de Puccinia kuehnii como agente causador de Ferrugem na cultura da Cana-de-Açúcar data de 1890. Todavia, somente no final da

Leia mais

Aspectos gerais da Traça do tomateiro (Tuta absoluta )

Aspectos gerais da Traça do tomateiro (Tuta absoluta ) Aspectos gerais da Traça do tomateiro (Tuta absoluta ) Anderson Mendes ARAUJO¹; Roberta FONSECA²; Luciano Donizete GONÇALVES³; Alisson Geraldo PINTO 4. 1.Estudante de Agronomia bolsista do Programa Institucional

Leia mais

Descrição e manejo integrado da mosca-branca (Bemisia spp.) transmissora de geminivirus em culturas econômicas

Descrição e manejo integrado da mosca-branca (Bemisia spp.) transmissora de geminivirus em culturas econômicas Descrição e manejo integrado da mosca-branca (Bemisia spp.) transmissora de geminivirus em culturas econômicas 1 1 José Teotônio de Lacerda e Rêmulo Araújo Carvalho 1 Empresa estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo UNIPAC Curso de Agronomia Manejo Fitossanitário na Cana-de-açúcar Insetos-Pragas GRANDES CULTURAS I - Cultura da Cana-de-açúcar Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo Introdução Os danos causados

Leia mais

RESISTÊNCIA DE MELOEIRO A BEMISIA TABACI BIÓTIPO B ( 1 )

RESISTÊNCIA DE MELOEIRO A BEMISIA TABACI BIÓTIPO B ( 1 ) 1025 RESISTÊNCIA DE MELOEIRO A BEMISIA TABACI BIÓTIPO B ( 1 ) SÉRGIO ALEXANDRE MOTTOLA PEREIRA COELHO ( 2,4 ); ANDRÉ LUIZ LOURENÇÃO ( 2* ); ARLETE MARCHI TAVARES DE MELO ( 2 ); ELIANA APARECIDA SCHAMMASS

Leia mais

TÍTULO: REPELÊNCIA DO PULGÃO (BREVICORYNE BRASSICAE L.) EM COUVE (BRASSICA OLERACEA L.VAR. ACEPHALA) UTILIZANDO DIFERENTES COBERTURAS

TÍTULO: REPELÊNCIA DO PULGÃO (BREVICORYNE BRASSICAE L.) EM COUVE (BRASSICA OLERACEA L.VAR. ACEPHALA) UTILIZANDO DIFERENTES COBERTURAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: REPELÊNCIA DO PULGÃO (BREVICORYNE BRASSICAE L.) EM COUVE (BRASSICA OLERACEA L.VAR. ACEPHALA)

Leia mais

Manejo da Mosca-Branca na Cultura do Tomate

Manejo da Mosca-Branca na Cultura do Tomate ISSN 1808-9976 Manejo da Mosca-Branca na Cultura do Tomate 81 Introdução Em 1991, com a constatação das raças ou biótipos A e B entre populações da mosca-branca Bemisia tabaci (Brown et al., 1995a), estudos

Leia mais

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas Controle Biológico Postura no coleto Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br Posturas nas folhas Proteção Ambiental: Controle Biológico Agrotóxicos Produtividade x Saúde do Trabalhador Rural Fonte:

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1. COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.166, de 2007) Institui incentivo fiscal para o controle biológico de pragas

Leia mais

Uso de extrato de nim no controle das pragas na cultura do tomate. Use of neem extract in the control of pests on tomato crop

Uso de extrato de nim no controle das pragas na cultura do tomate. Use of neem extract in the control of pests on tomato crop Uso de extrato de nim no controle das pragas na cultura do tomate Daniel Ardengue Gon 1, Luciana Cláudia Toscano 2, Gabriela Christal Catalani 3 e Pamella Mingotti Dias 4 1 Graduando em Agronomia, Universidade

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR

Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR ROMEU SUZUKI ENGENHEIRO AGRONOMO UNIDADE MUNICIPAL DE MARILÂNDIA DO SUL Janeiro 2005 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Justificativa 3 4. Métodos

Leia mais

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO

ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL EM CULTIVO DE MILHO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESPÉCIES DE TRICOGRAMATÍDEOS EM POSTURAS DE Spodoptera frugiperda (LEP.: NOCTUIDAE) E FLUTUAÇÃO POPULACIONAL

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO DA LAGARTA-DA-SOJA (Anticarsia gemmatalis) POR Baculovirus anticarsia

CONTROLE BIOLÓGICO DA LAGARTA-DA-SOJA (Anticarsia gemmatalis) POR Baculovirus anticarsia CONTROLE BIOLÓGICO DA LAGARTA-DA-SOJA (Anticarsia gemmatalis) POR Baculovirus anticarsia SAVIO, Guilherme Montenegro 1 1 Acadêmico do curso de Agronomia da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS DA CANA- DE AÇÚCAR NA PRÁTICA Resumo Bruno Pereira Santos 1 ; Profa. Dra. Ana Maria Guidelli Thuler 2 1, 2 Universidade de Uberaba bruno pereira santos 1, bpereiira955@gmail.com

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos.

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. No mercado competitivo de hoje, há uma consciência crescente dos severos danos causados aos produtos agrícolas por pragas e insetos. Como resultado,

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS.

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. O QUE É IMPORTANTE VOCÊ SABER SOBRE AGROTÓXICOS, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. O que são os AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, pesticidas, produtos fitossanitários, defensivos agrícolas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 BIOFERTILIZANTE ORGÂNICO NO CONTROLE DE PRAGAS EM BRÁSSICAS Vinícius Dias de OLIVEIRA 1 ; Luciano Donizete GONÇALVES 2 1 Estudante de Agronomia-Bolsista de Iniciação Científica (PIBIC) FAPEMIG. Instituto

Leia mais

70 Circular. Técnica. Manejo Integrado da Mosca-Branca (Bemisia tabaci biótipo B) em Sistema de Produção Integrada de Tomate Indústria (PITI)

70 Circular. Técnica. Manejo Integrado da Mosca-Branca (Bemisia tabaci biótipo B) em Sistema de Produção Integrada de Tomate Indústria (PITI) ISSN 1415-3033 0 Circular Técnica Manejo Integrado da Mosca-Branca (Bemisia tabaci biótipo B) em Sistema de Produção Integrada de Tomate Indústria (PITI) Foto: Geni Litvin Villas Bôas Brasília, DF Novembro,

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 IDENTIFICAÇÃO DO IRRIGANTE Nome do Produtor: Nome da Propriedade: Endereço da Lavoura: CEP: Município: Estado:

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE HORTALIÇAS EM AMBIENTES PROTEGIDOS

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE HORTALIÇAS EM AMBIENTES PROTEGIDOS 1 DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL DE HORTALIÇAS EM AMBIENTES PROTEGIDOS Rumy Goto 1 ; Rerison Catarino da Hora 2 ; Renato Braga 3 Carlos Gilberto Raetano 4 1 Profa. Livre Docente/Adjunta

Leia mais

A lagarta Helicoverpa armigera

A lagarta Helicoverpa armigera A lagarta Helicoverpa armigera Na última safra, um ataque severo de lagartas do Gênero Helicoverpa foi observado nas lavouras de algodão, soja e milho na região Norte. Inicialmente, várias suposições foram

Leia mais

& ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $""4

& ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $4 ! "#$""$% & ' ( ( ) * +,-./ & 0* * 0 * 12-3 $""4 1. INTRODUÇÃO As vespinhas pertencentes ao gênero Trichogramma são insetos diminutos (tamanho médio entre 0,2 a 1,5 mm) pertencentes à ordem Hymenoptera

Leia mais

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL.

CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. CONTROLE DE Sitophilus oryzae EM ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE CENTEIO COM SUBPRODUTOS DO PROCESSAMENTO DO XISTO, NO PARANÁ, BRASIL. PAIXÃO, M.F. Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR, mferpaixao@hotmail.com;

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO A Estatística Experimental tem por objetivo o estudo dos experimentos, incluindo o planejamento, execução, análise dos dados e interpretação

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

DISSERTAÇÃO. RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS DE BATATA (Solanum spp.) A Bemisia tabaci BIÓTIPO B MÁRCIA SANTOS SILVA

DISSERTAÇÃO. RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS DE BATATA (Solanum spp.) A Bemisia tabaci BIÓTIPO B MÁRCIA SANTOS SILVA DISSERTAÇÃO RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS DE BATATA (Solanum spp.) A Bemisia tabaci BIÓTIPO B MÁRCIA SANTOS SILVA Campinas, SP 2007 INSTITUTO AGRONÔMICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL E SUB-TROPICAL

Leia mais

USO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO NO TRATAMENTO DE SEMENTE DO ALGODOEIRO COM DIFERENTES MATERIAIS EM PRIMAVERA DO LESTE- MT

USO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO NO TRATAMENTO DE SEMENTE DO ALGODOEIRO COM DIFERENTES MATERIAIS EM PRIMAVERA DO LESTE- MT USO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO NO TRATAMENTO DE SEMENTE DO ALGODOEIRO COM DIFERENTES MATERIAIS EM PRIMAVERA DO LESTE- MT Edson R. de Andrade Junior (Pequisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br) Resumo O

Leia mais

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Área: Genética e Melhoramento RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Sonia Maria Botelho 1 ; João Elias Lopes Rodrigues 2 ; Raimundo Nonato Teixeira

Leia mais

Principais vírus transmitidos pela Bemisia tabaci para solanáceas. Profª Renate Krause Sakate UNESP-Botucatu

Principais vírus transmitidos pela Bemisia tabaci para solanáceas. Profª Renate Krause Sakate UNESP-Botucatu Principais vírus transmitidos pela Bemisia tabaci para solanáceas Profª Renate Krause Sakate UNESP-Botucatu Bemisia tabaci é praga e vetora de diferentes vírus Bemisia tabaci 1500 espécies de mosca branca

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

ALGODÃO AGROECOLÓGICO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011

ALGODÃO AGROECOLÓGICO. Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 ALGODÃO AGROECOLÓGICO Carlos Alberto Domingues da Silva 2011 ALGODÃO AGROECOLÓGICO ESPÉCIES CULTIVADAS E SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO BRASIL IMPORTÂNCIA DO ALGODOEIRO PARA A REGIÃO SEMIÁRIDA PORQUE CULTIVAR

Leia mais

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo

Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo Jardel Peron Waquim Engenheiro Agrônomo São os organismos que tiveram inseridos em seu código genético, genes estranhos de qualquer outro ser vivo Isolar o gene desejado, retirando-o da molécula de DNA

Leia mais

MONITORAMENTO DE PRAGAS NA CULTURA DA UVA

MONITORAMENTO DE PRAGAS NA CULTURA DA UVA Semi-Árido Meio Ambiente CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Documentos da Embrapa Semi-Árido ISSN 1516-1633 Nº 162 MONITORAMENTO DE PRAGAS NA CULTURA DA UVA Copyright Ó

Leia mais

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos CONSEA Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

Produtividade de tomate, cv. Débora Pto, em função de adubação organomineral via foliar e gotejamento.

Produtividade de tomate, cv. Débora Pto, em função de adubação organomineral via foliar e gotejamento. CONVÊNIOS CNPq/UFU & FAPEMIG/UFU Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA COMISSÃO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2008 UFU 30 anos Produtividade

Leia mais

Novos problemas de pragas

Novos problemas de pragas Novos problemas de pragas Pragas da parte aérea José Ednilson Miranda Embrapa Algodão Núcleo do Cerrado Sistema de Produção Novos problemas de pragas Cochonilha do algodoeiro Phenacoccus solenopsis Fotos:

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Efeito da iluminação noturna na prevenção de injúrias causadas por Neoleucinodes elegantalis (Broca-pequena-do-tomateiro) Francisco Vagner Pereira de SOUZA¹; Silvério Augusto de PAULA²; Paulino da Cunha

Leia mais

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27

Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Anita de Souza Dias Gutierrez Engenheira agrônoma Centro de Qualidade em Horticultura hortiescolha@ceagesp.gov.br 11 36433890/ 27 Centro de Qualidade em Horticultura CEAGESP Construção e adoção de ferramentas

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Controle de mosca-branca com extratos vegetais, em tomateiro cultivado em casa-de-vegetação

Controle de mosca-branca com extratos vegetais, em tomateiro cultivado em casa-de-vegetação BALDIN ELL; SOUZA DR; SOUZA ES; BENEDUZZI RA. 2007. Controle de mosca-branca com extratos vegetais, em tomateiro cultivado em casa-devegetação. Horticultura Brasileira 25: 602-606. Controle de mosca-branca

Leia mais

UMA VISÃO GERAL SOBRE O CULTIVO DE HORTALIÇAS O BAIRRO AMORIM A CIDADE DE ZÉ DOCA-MA

UMA VISÃO GERAL SOBRE O CULTIVO DE HORTALIÇAS O BAIRRO AMORIM A CIDADE DE ZÉ DOCA-MA UMA VISÃO GERAL SOBRE O CULTIVO DE HORTALIÇAS O BAIRRO AMORIM A CIDADE DE ZÉ DOCA-MA Davina Camelo Chaves (1); Liane Caroline Sousa ascimento (2); Darleila Damasceno Costa (3); Jakeline de Oliveira de

Leia mais

José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq

José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq José Roberto Postali Parra Depto. Entomologia e Acarologia USP/Esalq O Brasil é líder na Agricultura Tropical, com uma tecnologia própria Área (ha) 450.000 400.000 350.000 300.000 Área usada Área agricultável

Leia mais

Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS

Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS Imidacloprid 700WG Inseticida de tripla ação: sistêmico, de contato e ingestão Galeão é um inseticida sistêmico, do grupo dos neonicotinóides que

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria.

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria. Página 1389 GENÓTIPOS DE ALGODÃO DE FIBRAS LONGAS NO SEMIÁRIDO DO VALE DO IUIU, SUDOESTE DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Osório Lima Vasconcelos

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS Intituição: Embrapa Cerrados / Centro de Pesquisa Agropecuária do Projeto: IV Reunião Técnica de Pesquisas em Maracujazeiro Responsável:

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos

Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos DEDETIZAÇÃO Carlos Massaru Watanabe/ Marcos Gennaro Engenheiros Agrônomos TRATAMENTO DOMISSANITARIO: MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS Carlos Massaru Watanabe Engenheiro Agrônomo Pragas Interesse Agrícola Interesse

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2008 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 230 Integração da Avaliação de Danos Causados

Leia mais

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Controle biológico de pragas Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Processo Produtivo Agrícola Tecnologia Plantas Daninhas Manejo físico do solo

Leia mais

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG

Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Avaliação de linhagens de alface tipo americana no município de Bambui-MG Luiz Fernando Ghetti PEREIRA ¹ ; Raul Magalhães FERRAZ¹; Raiy Magalhães FERRAZ²; Luciano Donizete GONÇALVES³ 1 Estudante de Agronomia.

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal.

Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Curva de Produção de Mandioquinha-Salsa Sob Manejo Orgânico em Unidade Produtiva do Distrito Federal. Nuno R. Madeira 1 ; Francisco V. Resende 1 ; Dejoel B. Lima 1 ; Hugo C. Grillo 1 1 Embrapa Hortaliças,

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

MARCELO FIALHO DE MOURA. PLANO DE AMOSTRAGEM CONVENCIONAL DA MOSCA-BRANCA Bemisia tabaci (GENN.) (HOMOPTERA: ALEYRODIDAE) NA CULTURA DO PEPINO

MARCELO FIALHO DE MOURA. PLANO DE AMOSTRAGEM CONVENCIONAL DA MOSCA-BRANCA Bemisia tabaci (GENN.) (HOMOPTERA: ALEYRODIDAE) NA CULTURA DO PEPINO MARCELO FIALHO DE MOURA PLANO DE AMOSTRAGEM CONVENCIONAL DA MOSCA-BRANCA Bemisia tabaci (GENN.) (HOMOPTERA: ALEYRODIDAE) NA CULTURA DO PEPINO VIÇOSA MINAS GERAIS BRASIL 2001 MARCELO FIALHO DE MOURA PLANO

Leia mais

Influência do Esterco Bovino e N-uréia no Crescimento e na Infestação Por Mosca-Branca em Berinjela.

Influência do Esterco Bovino e N-uréia no Crescimento e na Infestação Por Mosca-Branca em Berinjela. Influência do Esterco Bovino e N-uréia no Crescimento e na Infestação Por Mosca-Branca em Berinjela. Marinice Oliveira Cardoso 1 ; Walter Esfrain Pereira 1 ; Jacinto de Luna Batista 1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes Manejo de pragas Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes O que é uma praga? *Inseto que cause danos diretos (ex. lagarta que se alimente das folhas de couve) O que é uma praga? * Inseto que cause danos

Leia mais

O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010

O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010 O que são vírus Parte 2 Publicado em 07 de Março de 2010 No artigo O que são vírus Parte 1 (www.aeal.com.br na seção artigos técnicos) os vírus foram apresentados resumidamente sobre suas principais características,

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO Autor 1 Renata Fernandes de Matos Autor 2 Edilza Maria Felipe Vásquez Autor 3 Leonardo Lenin Marquez de Brito

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 10 A 17 DE MARÇO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 10 A 17 DE MARÇO DE 2014 ANO III / Nº 78 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 10 A 17 DE MARÇO DE 2014 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Semana com muitas precipitações na

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE Suse Alves Ribeiro¹, Jildemar Oliveira dos Santos Júnior¹, Adriano da Silva Almeida² ¹ Alunos do Curso de Agronomia da UESPI de Corrente.

Leia mais

221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA

221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer RESUMO 221 - PÊSSEGOS CV. GRANADA PRODUZIDOS SOB AMBIENTE PROTEGIDO EM SISTEMA DE CONVERSÃO DA PRODUÇÃO CONVENCIONAL PARA A ORGÂNICA Enilton Fick Coutinho

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

PRINCIPAIS PRAGAS E SUGESTÃO DE CONTROLE ALTERNATIVO

PRINCIPAIS PRAGAS E SUGESTÃO DE CONTROLE ALTERNATIVO PRINCIPAIS PRAGAS E SUGESTÃO DE CONTROLE ALTERNATIVO NESTA LIÇÃO SERÁ ABORDADO Quais os métodos utilizados na agricultura orgânica para controle de pragas e doenças. Quais os defensivos alternativos e

Leia mais