DOENÇAS DA PUPUNHEIRA NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOENÇAS DA PUPUNHEIRA NO BRASIL"

Transcrição

1 DOENÇAS DA PUPUNHEIRA NO BRASIL Edna Dora Martins Newman Luz 1 José Luiz Bezerra 2 ( 1 Ceplac/Cepec/Sefit, Cx. Postal 07, , Itabuna-BA; 2 UESC/DCAA, Campus Soane Nazaré, Ilhéus-BA) Introdução: A pupunheira (Bactris gasipaes Kunth) tem como provável centro de origem o sopé dos Andes desde a Bolívia até o Panamá (CLEMENT, 2000), porém, a espécie hoje conhecida é resultante do processo de domesticação pelos ameríndios a partir do período pré-colombiano. No Brasil, é encontrada em toda a bacia Amazônica e os povos indígenas brasileiros também deram a sua contribuição tanto na disseminação do seu plantio, com suas migrações pela região, como no processo de sua domesticação e utilização de seus frutos na culinária amazônica. Sendo uma palmeira rústica e adaptada à região amazônica, e, sempre plantada em baixa densidade, entre outras espécies da floresta, em função de sua domesticação ter se processado por tribos nômades, lá, no seu habitat, ela sofre menos o ataque de pragas e doenças. No entanto, quando plantada em condições de mono-cultivo, tornou-se suscetível a vários patógenos (JÖHR, 1999). Em função das suas excelentes características, a pupunheira tem-se destacado como um dos cultivos mais promissores para regiões de clima tropical úmido, requerendo temperaturas acima de 22 C e uma pluviosidade bem distribuída ao longo do ano. Essa é uma das principais razões pelas quais se considera a região Sul da Bahia como uma das mais privilegiadas no Brasil para o cultivo comercial da pupunheira, sem o uso de irrigação (GOMES, 1996). A produção de palmito de pupunheira cultivada tem contribuído para reduzir a pressão sobre as espécies nativas ameaçadas pelo extrativismo predatório (GUERREIRO, 2002). No sul da Bahia o interesse pelo cultivo da pupunheira aumentou com a crise da lavoura cacaueira decorrente do advento da vassoura-de-bruxa, motivando os produtores a buscar novas alternativas para diversificar sua atividade agrícola, com ênfase em cultivos precoces, rentáveis e com mercado em expansão. Mais de 600 empresas rurais na Bahia diversificaram suas atividades agrícolas com o cultivo da pupunheira para produção de palmito, com uma área cultivada estimada em 4500 ha, com mais de 3000 ha em produção.

2 Com a sua expansão, o cultivo da pupunheira começou a apresentar a incidência de diversas pragas, destacando-se a podridão-do-estipe, doença causada por Phytophthora palmivora (Butler) Butler. São aqui mencionadas algumas das doenças já registradas no Brasil, sendo discutida a sua etiologia, disseminação e sugeridas medidas de controle para as mesmas. Podridão do estipe da pupunheira - Phytophthora palmivora (Butler) Butler Pode ser também conhecida como podridão do broto ou podridão do colo da pupunheira. Plantas infectadas exibem, inicialmente, amarelecimento da folha bandeira, seguido do amarelecimento e seca das demais folhas. A base do estipe apresenta lesão com uma coloração pardo-escura e ao efetuar cortes transversais e longitudinais observa-se o escurecimento dos tecidos internos. Com a evolução dos sintomas ocorre a podridão generalizada do estipe e a morte das plantas (BENCHIMOL et al., 2001; SANTOS et al., 2004). A enfermidade já foi relatada nos Estados do Pará, Tocantins, Goiás, Pernambuco, Bahia, São Paulo, Paraná e Santa Catarina (SANTOS e LUZ, 2007). Segundo Benchimol et al., (2001), perdas de 30% de mudas enviveiradas, e 10% de plantas adultas foram relatados no Pará e 15% em Mogi-Mirim, no Vale do Ribeira em São Paulo (PIZZINATO et al., 2002). Na Bahia, a podridão-do-estipe tem causado problemas sérios em decorrência da morte de plantas em viveiros e no campo (PARADA, acesso 2009). Em viveiro de uma propriedade agrícola no sudeste do estado aproximadamente 90% das mudas foram dizimadas pelo ataque de P. palmivora (SANTOS e LUZ, 2007). Phytophthora palmivora, o agente causal da podridão-do-estipe da pupunheira, é amplamente distribuído em áreas tropicais e subtropicais do mundo, infectando várias plantas economicamente importantes, como, Cocos nucifera L., Hevea brasiliense Muel. Arg., Theobroma cacao L., Carica papaya L., Piper nigrum L., além de diversas espécies do gênero Citrus, várias plantas ornamentais e fruteiras. Pertence ao reino Straminipila, filo Oomycota, classe Oomycetes, ordem Pythiales e família Pythicaceae, é uma espécie heterotálica, só formando oogônio, anterídio e oósporos quando pareada com talos de tipos morfologicamente compatíveis. Produz esporangióforos delgados, simples ou pouco ramificados, com esporângios papilados, caducos, com pedicelos curtos (> 5µm), ovóides a limoniformes medindo entre 36,8 x 18,4 µm. Os zoósporos

3 biflagelados, produzidos no interior dos esporângios, são os principais responsáveis pelas infecções. Clamidósporos, sempre presentes na espécie, são os esporos de resistência e podem permanecer viáveis no solo ou em restos de culturas hospedeiras por vários meses (LUZ e MATSUOKA, 2001; PAIM, 2005). Normalmente, em ambientes saturados de umidade, é que os esporângios são produzidos e os zoósporos liberados em presença de água livre. Sendo assim, fatores ambientais, tais como umidade e temperatura, são de importância primordial para a ocorrência da podridãodo-estipe, que, segundo BECHIMOL et al. (2001), é mais freqüente em locais úmidos, condição que também favorece o desenvolvimento do hospedeiro, principalmente quando predominam temperaturas em torno de o C, comuns na Bahia nos meses de maio a setembro. Chuva e vento são os principais fatores de disseminação da doença. Os respingos de chuva são importantes na liberação dos esporângios de P. palmivora tanto da superfície dos tecidos infectados quanto do solo sendo então dispersos pelo vento. Períodos de 24 horas ou mais de saturação do solo favorecem a infecção. Plantas mais jovens parecem ser mais suscetíveis ao patógeno. Santos et al. (2004) relataram a ocorrência da doença em Paranaguá, Paraná, em plantios com idades entre seis e 12 meses; Tavares et al. (1998) na região do submédio São Francisco, Pernambuco, em plantas com cerca de um ano de idade; Pizzinato et al. (2002) em plantas adultas com dois anos de idade em São Paulo e Benchimol et al (1998), em mudas e plantas adultas no Estado do Pará. Todos os autores são unânimes ao mencionar a maior severidade da doença em áreas mais úmidas sendo ou não o plantio irrigado. Na amazônica a doença ocorre de forma endêmica, porém, no sul da Bahia, podem ocorrer epidemias, principalmente em viveiros. Cuidados especiais devem ser dispensados na formação dos viveiros com sementes selecionadas e pré-germinadas em condições o mais livre de contaminação possível, utilizando para a irrigação água de boa procedência, tendo sido ajustada previamente a quantidade a ser utilizada diariamente, para que não seja ultrapassada a capacidade de campo. O substrato a ser utilizado deve ser adequado para as necessidades nutricionais da pupunheira e esterilizado, assim como o solo a ser misturado ao mesmo, na proporção recomendada por especialistas em solos e nutrição das plantas. Não utilizar solo onde tenham sido cultivadas outras plantas que são hospedeiras de P. palmivora como o cacaueiro, a seringueira e o mamoeiro para evitar possíveis infecções (PIMENTA NETO et al., 2009). Facilitar a aeração entre plantas, o que não é possível quando se tem alta

4 densidade de plantas no viveiro, causando retenção de umidade ou secamente rápido de algumas plantas, condições que favorecem o aparecimento da doença e a sua disseminação. Proporcionar uma adubação adequada sempre ajuda a manter as plantas menos suscetíveis ao ataque de patógenos em geral. Após o plantio no campo evitar ferimentos nas plantas, pois estes são portas abertas a infecção por qualquer patógeno. Embora P. palmivora não necessite especificamente deles para causar infecção, a sua presença acelera o processo infeccioso e a morte das plantas (VAZ, 2010). O controle de pragas, especialmente insetos perfuradores e sugadores deve ser feito rigorosamente. Evitar plantar em áreas de baixada sujeitas a inundação ou retenção de umidade o que facilita o ataque do patógeno. No caso do aparecimento de plantas com sintomas da podridão-do-estipe, toda a touceira deve ser removida e aplicada cal virgem no local, evitando replantar em menos de um ano. OUTRAS DOENÇAS DA PUPUNHEIRA Além das enfermidades causadas à pupunheira por espécies de Phytophthora que são pseudomicetos do Reino Straminipila e Filo Oomycota (na moderna concepção dos taxonomistas), existem patógenos do Reino Fungi que causam danos a esta planta, porém menos importantes que os infligidos pelo gênero Phythophthora. As doenças fúngicas que ocorrem com maior freqüência na região cacaueira do sudeste baiano são: a antracnose, provocada por Colletotrichum gloesporioides; as manchas foliares, causadas por Dreschlera incurvata, Phomopsis sp. e Curvularia spp.; a podridão mole do palmito, atribuida a Fusarium sp.; e a necrose da espata jovem induzida por Lasiodiplodia theobromae. Antracnose Colletotrichum gloesporioides Penz Afeta as folhas das plantas mais jovens, caracterizando-se por manchas necróticas, de coloração castanha a negra e sinais concêntricos (acérvulos) com massas de conídios alaranjados (em condições de alta umidade). Em plantas com um a três anos, pode causar secamento e queda das folhas novas. Como medidas profiláticas de controle recomenda-se propiciar condições adequadas de irrigação e adubação e, nos viveiros, remover as folhas ou plantas doentes e queimar.

5 Alguns autores recomendam o uso de fungicidas. Manchas foliares espécies de Curvularia, Phomopsis e Dreschlera. Doença conhecida por helminthosporiose devido ao emprego equivocado do nome Helminthosporium para um dos agentes da enfermidade. Os sintomas são lesões claras elíticas a alongadas nas folhas as quais coalescem causam queima foliar. Prejudica o desenvolvimento da plantas e é favorecida por condições de umidade excessiva. É mais séria em condições de viveiro. A identificação dos agentes causais exige exame laboratorial. Existem fungicidas eficazes, porém sem registro para a cultura. Podridão do palmito Fusarium spp. A podridão da medula causada por Fusarium pode ser semelhante aquelas causadas pela bacteria Erwinia chrysanthemi ou pelo Oomycota Phytophthora palmivora só sendo possível distingui-las através de pesquisa microscópica. A bactéria E. chrisanthemi não tem relato no Sudeste da Bahia. A incidência de Fusarium em pupunheira na Bahia ainda é controversa. Seus sintomas seriam: podridão do palmito na base da planta, clorose, murchamento e seca das folhas. No lado interno da bainha das folhas pode se observar o micélio do patógeno o qual é disseminado pela chuva, pelo vento e por insetos. Como medida de controle da podridão da medula, causada por Fusarium, recomendase: propiciar condições de irrigação e adubação adequadas; remover as plantas doentes; e combater os insetos capazes de veicular o patógeno. Necrose da espata jovem Lasiodiplodia theobromae Pat. Enfermidade relatada no município de Una BA e referida na literatura para Costa Rica. É considerada como de menor expressão no Sudeste baiano, não exigindo práticas de controle. De modo geral para evitar doenças nos plantios de pupunheira o produtor deve adquirir sementes de fonte segura, tratadas, e com certificação fitossanitária. As mudas devem ser levadas ao campo quando estiverem bem desenvolvidas e livres de

6 sintomas de doenças e o solo deve estar bem preparado para o plantio. As condições climáticas devem estar favoráveis ao pegamento das mudas na época em que o plantio for feito. Literatura Consultada BENCHIMOL, R. L., ALBUQUERQUE, F. C., MULLER, C. H., Podridão da base do estipe da pupunheira, causada por Phytophthora palmivora. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 23, n. 2, p. 184, BENCHIMOL, R. L., ALBUQUERQUE, F. C., POLTRONIERI, L.S., TRINDADE, D. R., MULLER, C. H. Podridão-do-estipe da pupunheira. In: LUZ, E. D. M. N., SANTOS, A. F., MATSUOKA, K., BEZERRA, J. L. (Ed.). Doenças causadas por Phytophthora no Brasil. Campinas: Livraria e Editora Rural Ltda., Cap. 22, p CLEMENT, C. R. Pupunha (Bactris gasipaes Kunth, Palmae) Serie Frutas Nativas, Jaboticabal: Funep, 48p, GASPAROTTO, L; GARCIA, M. Aspectos fitossanitários no cultivo da pupunheira: situação atual e riscos futuros. In: Seminário do Agronegócio palmito de pupunha na Amazônia, Porto Velho. Anais. Porto Velho: EMBRAPA-CPAF Rondônia, p (EMBRAPA-CPAF RONDONIA. Documentos, 41). GOMES, F. P. Exigências nutricionais da Pupunheira (Bactris gasipaes H.B.K.) em solos representativos do sudoeste da Bahia Dissertação (Mestrado em Biologia Botânica). Universidade Federal da Bahia, Salvador, GUERREIRO, L. F. Palmito de Pupunha. Desenbahia: Agencia de Fomento do Estado da Bahia, Bahia, JÖHR, J. Estadisticas del mercado interno de Brasil, In: MORA-URPI,J.; GAINZA- ECHVERRÌA, J. (eds). Palmito de Pejibaye (Bactris gasipaes Kunth): Su cultivo e industrializacion. San Jose: Editorial de la Universidad de Costa Rica, p LUZ, E. D. M. N.; MATSUOKA, K. Phytophthora: Fungo protista ou Chromista? In: LUZ, E. D. M. N.: SANTOS, A. F. dos; MATSUOKA, K.; BEZERRA, J. L. (Ed.), Doenças causadas por Phytophthora no Brasil. Campinas: [s.n], p PAIM, M. C. A. Diversidade Genetica, Taxonomia e Patogenicidade de Phytophthora citrophthora e P. palmivora p. Dissertação (Mestrado em Genetica e Biologia Molecular). Universidade Estadual Santa Cruz, Ilhéus, PARADA, M. G. C. S, Agronegócio palmito de pupunha no Estado da Bahia Disponivel em: pdf. Acesso em 20 de jun PEREIRA, A.B.; BEZERRA, J.L. (1994). Necrose da espata da pupunheira causada por Lasiodiplodia theobromae na Bahia, Brasil. Agrotrópica v.6, n.2, p.61-63, 1994.

7 PIMENTA NETO, A. A.; SANTOS, M. V. O. dos; PAIM, M. C. A.; LUZ, E. D. M. N. Há possibilidade de infecção cruzada entre isolados de culturas hospedeiras de Phytophthora palmivora na Bahia. Tropical Plant Pathology v. 34. p PIZZINATTO, M.A., BOVI, M.L.A., FEICHTENBERG, E. & SPIERING, S.H. Ocorrência da podridão do estipe em pupunheira,causada por Phytophthora palmivora, no estado de São Paulo. Summa Phytopathologica 28: SANTOS, F. A.; LUZ, E. D. M. N.; FINATO, P. D.; TESSMANN, D. J.;VIDA, J. B. Primeiro relato da podridao-do-estipe da pupunheira, causada por Phytophthora palmivora, no estado do Paraná. Fitopatologia Brasileira. v. 29, n. (6), p SANTOS, A F. dos; LUZ, E. D. M. N. Doenças emergentes causadas por Phytophthora no Brasil. Fitopatologia Brasileira, v.32, ago, Suplemento. p.s41-s43. SANTOS, A. F dos; TESMANN, D. J.; VIDA, J. B.; NUNES, W. M. C. As doenças da pupunheira (Bactris gasipaes Kunth): Antracnose e Podridão da Medula. Comunicado Técnico 63, TAVARES, S. C. C. de H., NASCIMENTO, A. R., LIMA, J. A. S., MENEZES, W. A., CRUZ, S. C. da. Doenças da pupunha em áreas irrigadas na região do submédio São Francisco. Fitopatologia Brasileira, Brasília, v. 23, suplemento, p.286, VAZ, A.B. Caracterização da interação Phytophthora palmivora x pupunheira quanto à patogênese, histopatologia e controle biológico p. Dissertação. (Mestrado em Produção Vegetal). Universidade Estadual de Santa Cruz. Ilhéus

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri)

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) ALERTA QUARENTENÁRIO MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) O agronegócio do cacau é um dos mais importantes para o Brasil por envolver cerca de 50.300 famílias, responsáveis pela geração de 500.000

Leia mais

Germinação e viabilidade de sementes de pupunha em diferentes ambientes e tipos de embalagens

Germinação e viabilidade de sementes de pupunha em diferentes ambientes e tipos de embalagens Germinação e viabilidade de sementes de pupunha em diferentes ambientes e tipos de embalagens Maria das Graças Conceição Parada Costa Silva 1, José Roberto Vieira da Melo 2 1 Engª Agrônoma, MSc, Centro

Leia mais

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea INSTITUTO RIO GRANDENSE DO ARROZ ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DO ARROZ EQUIPE MELHORAMENTO GENÉTICO IMPORTÂNCIA DA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO NO RS... PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO Eng. Agr..

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

Comunicado78 Técnico. Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira. Importância. ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF

Comunicado78 Técnico. Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira. Importância. ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF Comunicado78 Técnico ISSN 1414-9850 Novembro, 2010 Brasília, DF Foto: Carlos A. Lopes Requeima: doença destrutiva e comum ao tomateiro e à batateira Ailton Reis 1 Importância A requeima é a doença mais

Leia mais

DOENÇAS FÚNGICAS EM PALMEIRAS ORNAMENTAIS. O.M.R. Russomanno, P.C. Kruppa, L.N. Coutinho

DOENÇAS FÚNGICAS EM PALMEIRAS ORNAMENTAIS. O.M.R. Russomanno, P.C. Kruppa, L.N. Coutinho Doenças DIVULGAÇÃO fúngicas em palmeiras TÉCNICA ornamentais. 9 DOENÇAS FÚNGICAS EM PALMEIRAS ORNAMENTAIS O.M.R. Russomanno, P.C. Kruppa, L.N. Coutinho Instituto Biológico, Centro de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

Sítio: Maurício Magnagno- Rod. Br 262 x Afonso Cláudio-ES São Bento - Domingos Martins-ES

Sítio: Maurício Magnagno- Rod. Br 262 x Afonso Cláudio-ES São Bento - Domingos Martins-ES Sítio: Maurício Magnagno- Rod. Br 262 x Afonso Cláudio-ES São Bento - Domingos Martins-ES HISTÓRICO ntre as várias potencialidades naturais do Estado do Espírito Santo, destaca-se o cultivo de palmáceas,

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS Cibele Mantovani 2013 Sumário Introdução 2 Podridão Negra Pythium ultimum 3 Murcha ou Podridão de raiz e pseudobulbo Fusarium oxysporium 5 Antracnose Colletotrichum

Leia mais

Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto

Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto Espécies de Mycosphaerella e sua importância para eucalipto Msc. Martha Maria Passador Novembro/2010 16ª Reunião Técnica do PROTEF Doenças em eucalipto Doenças foliares Mancha de micosferela Mycosphaerella

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manfred Willy Müller Fisiologia Vegetal, Ph.D.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manfred Willy Müller Fisiologia Vegetal, Ph.D. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manfred Willy Müller Fisiologia Vegetal, Ph.D. Pesquisas em andamento na Ceplac Manfred Willy Müller Eng. Agro. Ph.D. Centro de Pesquisas do Cacau GENÉTICA

Leia mais

CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS

CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS ÍNDICE Carlos Alberto Lopes Embrapa Hortaliças INTRODUÇÃO... 1 DOENÇAS... 2 1. Tombamento...2 2. Murcha-de-fitóftora (Requeima, Podridão-de-fitóftora, Pé-preto)...2

Leia mais

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti Doenças e Pragas da Videira Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti 1-INTRODUÇÃO DOENÇAS PARASITÁRIAS: Fungos, Bactérias, Vírus, Nematóides, etc. DOENÇAS NÃO PARASITÁRIAS: Resulta das condições

Leia mais

Palmitos da flora brasileira

Palmitos da flora brasileira Valéria A. Modolo Palmitos da flora brasileira 1 IAC, CP 28, 13001-970, Campinas-SP, E-mail: vamodolo@iac.sp.gov.br Introdução O palmito, produto considerado hortaliça não convencional, pode ser obtido

Leia mais

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho

Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Principais Doenças Fúngicas Na Cultura do Alho Marco Antônio Lucini Engenheiro Agrônomo Curitibanos, setembro de 2009. PRINCIPAIS DOENÇAS FÚNGICAS NA CULTURA DO ALHO Marco Antônio Lucini 1 O Brasil é um

Leia mais

DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa

DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa DOENÇAS DA ALFACE Lactuca sativa Anotações de aula Profa. Marli F.S. Papa Vídeo Hidroponia: controle de doenças e pragas da alface 1. Quais as medidas que podem ser adotadas preventivamente para o controle

Leia mais

Situação atual e perspectivas do cultivo de palmeiras para produção de palmito de alta qualidade

Situação atual e perspectivas do cultivo de palmeiras para produção de palmito de alta qualidade Situação atual e perspectivas do cultivo de palmeiras para produção de palmito de alta qualidade Valéria Aparecida Modolo; Lilian Cristina Anefalos; Maria Luiza Sant Anna Tucci IAC/APTA Centro de Horticultura.

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

Ações de Controle de Pragas do Cacaueiro

Ações de Controle de Pragas do Cacaueiro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Sanidade Vegetal Ações de Controle de Pragas do Cacaueiro O cacau no Brasil: sua importância Programa

Leia mais

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo

Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Diagnose de doenças não parasitárias em trigo Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Coelho Germano Equipe de fitopatologia da OR Melhoramento de Sementes Ltda 1. Introdução. A diagnose (determinação

Leia mais

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO

CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO CICLO DE RELAÇÕES PATÓGENO x HOSPEDEIRO DISSEMINAÇÃO Liberação Dispersão Deposição (Inoculação) SOBREVIVÊNCIA ciclo secundário ciclo primário PENETRAÇÃO INFECÇÃO Estabelecimento das relações parasitárias

Leia mais

Apresentação. Leonardo Humberto Silva e Castro Ernane Miranda Lemes Rafael Tadeu de Assis

Apresentação. Leonardo Humberto Silva e Castro Ernane Miranda Lemes Rafael Tadeu de Assis Apresentação O agronegócio brasileiro tem passado por profundas modificações, as quais aumentaram a competitividade de seus produtos e subprodutos na economia interna e externa. Neste contexto, a soja

Leia mais

Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença

Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença Ferrugem da folha do trigo - Ciclo da doença Erlei Melo Reis 1 Sandra Zoldan 1 Anderson Luiz Durante Danelli 2 Vânia Bianchin 3 ( 1 ) OR Melhoramento de Sementes Ltda, Passo Fundo, RS ( 2 ) Universidade

Leia mais

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia Catálogo Soja 2013 Cultivares de Soja Marca Pionee r Mesorregião MT-RO Diversidade genética e qualidade A DuPont Pioneer, com mais de 85 anos de melhoramento, é

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual Ferrugem (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual A primeira citação de Puccinia kuehnii como agente causador de Ferrugem na cultura da Cana-de-Açúcar data de 1890. Todavia, somente no final da

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com.

VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com. VII WORKSHOP GTACC (Bebedouro/SP) Eng.Agr. MSc. MÁRCIO AUGUSTO SOARES NOVA AMÉRICA S/A CITRUS marcio.soares@novamerica.com.br (14) 3332-3388 Localização NOVA AMÉRICA S/A CITRUS (Fazenda Guacho) Nº plantas:

Leia mais

FUNGOS FITOPATOGÊNICOS CHYTRÍDEOS. Chytrídeos - Organismos pertencentes ao Domínio Eukarya, Superreino

FUNGOS FITOPATOGÊNICOS CHYTRÍDEOS. Chytrídeos - Organismos pertencentes ao Domínio Eukarya, Superreino UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENTOMOLOGIA E FITOPATOLOGIA ÁREA DE FITOPATOLOGIA IB 237 (PATOLOGIA FLORESTAL) Atualizado em 05/04/2015 Prof. Associado,

Leia mais

TRATAMENTO QUÍMICO DE SEMENTES DE PUPUNHEIRA (Bactris gasipaes):efeitos NA SANIDADE, GERMINAÇÃOE VIGOR

TRATAMENTO QUÍMICO DE SEMENTES DE PUPUNHEIRA (Bactris gasipaes):efeitos NA SANIDADE, GERMINAÇÃOE VIGOR TRATAMENTO QUÍMICO DE SEMENTES DE PUPUNHEIRA (Bactris gasipaes):efeitos NA SANIDADE, GERMINAÇÃOE VIGOR Maria A. PIZZINATTO 1*, Marilene L.A. BOVI 2*, Jaciro SOAVE 1*, Sandra H. SPIERING 2, Cibele S. BINOTTI

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 29 de 2014 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

A BANANA IMPORTÂNCIA SÓCIO-ECONÔMICA

A BANANA IMPORTÂNCIA SÓCIO-ECONÔMICA A BANANA A BANANA IMPORTÂNCIA SÓCIO-ECONÔMICA É uma das frutas mais importantes do mundo, tanto no que se refere à produção quanto à comercialização. Para muitos países, além de ser um alimento complementar

Leia mais

Senhoras e Senhores Deputados, Acho de suma importância, Senhor Presidente, fazer um

Senhoras e Senhores Deputados, Acho de suma importância, Senhor Presidente, fazer um DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO GERALDO RESENDE (PPS/MS), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM 17/03/2005 Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, Acho de suma importância, Senhor Presidente,

Leia mais

Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil

Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Manejo de Doenças em Pimentas no Brasil Ailton Reis (ailton@cnph.embrapa.br) Alice Maria Quezado Duval (alice@cnph.embrapa.br)

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 IDENTIFICAÇÃO DO IRRIGANTE Nome do Produtor: Nome da Propriedade: Endereço da Lavoura: CEP: Município: Estado:

Leia mais

MíLDiO DO TOMATEiRO. Tomada de decisão. Medidas culturais PRAGAS E DOENÇAS. Luta química. (MONT.) DE bary

MíLDiO DO TOMATEiRO. Tomada de decisão. Medidas culturais PRAGAS E DOENÇAS. Luta química. (MONT.) DE bary Tomada de decisão Tratar quando aparecerem os primeiros sintomas e sempre que se verificarem as condições favoráveis ao desenvolvimento da doença: Humidade relativa elevada, superior a 50%; Temperaturas

Leia mais

MONITORAMENTO DE DOENÇAS NA CULTURA DA MANGUEIRA

MONITORAMENTO DE DOENÇAS NA CULTURA DA MANGUEIRA Semi-Árido Meio Ambiente CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Documentos da Embrapa Semi-Árido ISSN 1516-1633 Nº 158 MONITORAMENTO DE DOENÇAS NA CULTURA DA MANGUEIRA Copyright

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99 ISSN 004-564 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 6, km 5,6 - Trecho Dourados-Caarapó Caixa Postal 66 79804-970 Dourados

Leia mais

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 Muda : papel fundamental na obtenção de uma planta bem formada e SADIA Qualidade sanitária das mudas:

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DO CULTIVO DE PALMITO PUPUNHA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO/BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL DO CULTIVO DE PALMITO PUPUNHA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO/BRASIL SITUAÇÃO ATUAL DO CULTIVO DE PALMITO PUPUNHA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO/BRASIL César Pereira Teixeira Júlio César Almeida Paiva INDICE: 1. INTRODUÇÃO 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROGRAMA PALMITO - PROPALM 4. PROJETOS

Leia mais

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho Prof. Fernanda Basso Métodos de diagnóstico Diagnose Visual Diagnose Foliar Diagnose visual Consiste em se

Leia mais

Questão Resposta Argumentação

Questão Resposta Argumentação Questão Resposta Argumentação "Pequena propriedade" tem diversas interpretações. E de acordo com o Novo Código Florestal (Lei Lei 12.651, de 25 de maio de 2012 e Lei 11.326, de 24 de julho de 2006), associa-se

Leia mais

DOENÇAS DO CAFEEIRO COM ENFASE EM MANCHA DE PHOMA E MANCHA AUREOLADA

DOENÇAS DO CAFEEIRO COM ENFASE EM MANCHA DE PHOMA E MANCHA AUREOLADA DOENÇAS DO CAFEEIRO COM ENFASE EM MANCHA DE PHOMA E MANCHA AUREOLADA Rui Pereira Leite Jr. ruileite@iapar.br INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ http://www.iapar.br PRINCIPAIS ESPÉCIES DE CAFEEIRO CULTIVADAS

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS DOENÇAS EM FLORES

IMPORTÂNCIA DAS DOENÇAS EM FLORES Manejo Integrado de Doenças em Ornamentais Prof. Dr. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues Material cedido pela Embrapa Semiárido Dr. Daniel Terao - Pesquisador - Fitopatologia IMPORTÂNCIA DAS DOENÇAS EM FLORES

Leia mais

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil

Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Desafios das Novas Fronteiras Florestais do Brasil 1º Congresso Florestal do Tocantins Novembro 2010 Situação florestal do Brasil IBGE

Leia mais

Circular. Técnica. Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle. Autores. Introdução. 1. Doença causada por bactéria ISSN 1415-3033

Circular. Técnica. Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle. Autores. Introdução. 1. Doença causada por bactéria ISSN 1415-3033 ISSN 1415-3033 Circular Técnica 96 Principais doenças do morangueiro no Brasil e seu controle Brasília, DF Dezembro, 2011 Autores Ailton Reis ailton@cnph.embrapa.br Eng. Agr., D. Sc. Embrapa Hortaliças

Leia mais

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS Daniel Vieira Silva Roteiro: Breve introdução. Controles básicos recomendados para todas as culturas. Medidas profiláticas. (rotação de culturas, destruição

Leia mais

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS 1. FERRUGEM 1 SINTOMAS. folhas:. sup. superior:. manchas angulares, amarelas, pequenas. sup. inferior:. pústulas arredondadas, recobertas de massa pulverulenta

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apenas os estados de

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADE PIBIC/ PIBIC-Jr) FORMULÁRIO Nº 1 FICHA DE INSCRIÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADE PIBIC/ PIBIC-Jr) FORMULÁRIO Nº 1 FICHA DE INSCRIÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADE PIBIC/ PIBIC-Jr) FORMULÁRIO Nº 1 FICHA DE INSCRIÇÃO EDITAL N 001/2015/DPI/PPGI/IFAM/IC Nº de Inscrição: 1.

Leia mais

Doenças do Milho Safrinha

Doenças do Milho Safrinha 07 José Fernando Jurca Grigolli 1 André Luis Faleiros Lourenção 2 Introdução O plantio do milho safrinha nos primeiros meses do ano representa uma opção para o incremento na renda dos agricultores, mas

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 20 DE ABRIL A 17 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 112 1 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Na Região de Chapadão do Sul,

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00

Curso de Produção de Mudas Nativas. 9:30 a 11:00 Curso de Produção de Mudas Nativas 9:30 a 11:00 Solano Martins Aquino Diretor Presidente e fundador do Instituto Brasileiro de Florestas, biólogo, pesquisador e produtor de mudas florestais. Desenvolve

Leia mais

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas

Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Relação entre o Silício e as Doenças de Plantas Prof. Fabrício Ávila Rodrigues Universidade Federal de Viçosa - Departamento de Fitopatologia Laboratório rio da Interação Planta-Pat Patógeno fabricio@ufv.br

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Banana. Cultivares e Práticas de Cultivo

Banana. Cultivares e Práticas de Cultivo Banana Cultivares e Práticas de Cultivo Comercialização de Banana CEASA Minas Contagem 2011 (toneladas) 70.000,00 63.600,00 60.000,00 55.630,00 50.000,00 40.000,00 30.000,00 20.000,00 10.000,00 0,00

Leia mais

RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS S1 DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) À MANCHA-PARDA, QUEIMA DAS FOLHAS E MANCHA-BRANCA

RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS S1 DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) À MANCHA-PARDA, QUEIMA DAS FOLHAS E MANCHA-BRANCA RESISTÊNCIA DE GENÓTIPOS S1 DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) À MANCHA-PARDA, QUEIMA DAS FOLHAS E MANCHA-BRANCA Saulo Alves Santos de Oliveira 1, Juan Paulo Xavier de Freitas 2, Fabiana Ferraz Aud

Leia mais

Silêncio. O silêncio do campo

Silêncio. O silêncio do campo Silêncio O silêncio do campo OS DADOS PODEM SER COMPROVADOS PELAS FOTOS QUE MOSTRAM QUE INFELISMENTE ESSA É A OS DADOS PODEM SER COMPROVADOS PELAS FOTOS QUE MOSTRAM QUE INFELISMENTE ESSA É A MOGNO AFRICANO

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO ESTADO DE SÃO PAULO Safra 2013/2014 Christina Dudienas IAC/APTA DOENÇAS Ferrugem comum Manchas Foliares Phaeophaeria Diplódia Ferrugem Comum Puccinia sorghi

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

SAF no Estado do Amazonas - Brasil. Acácia Neves - INCRA

SAF no Estado do Amazonas - Brasil. Acácia Neves - INCRA SAF no Estado do Amazonas - Brasil Acácia Neves - INCRA Sistemas Agroflorestais no Estado do Amazonas - Brasil SAF mais ocorrentes 1. Quintais (Várzea e Terra Firme) - Alta diversidade de espécies, em

Leia mais

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94 Foto 1. Deficiência de nitrogênio: clorose nos folíolos das folhas mais velhas com posterior necrose e queda. Foto 2. À esquerda, planta com nutrição normal; à direita, planta deficiente em nitrogênio.

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

LIVRO TEXTO CONCEITOS EM FITOPATOLOGIA REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS 1. INTRODUÇÃO FITOPATOLOGIA: DEFINIÇÃO

LIVRO TEXTO CONCEITOS EM FITOPATOLOGIA REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS 1. INTRODUÇÃO FITOPATOLOGIA: DEFINIÇÃO REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS LIVRO TEXTO REFERÊNCIAS PARA CONSULTAS CONCEITOS EM FITOPATOLOGIA 1. INTRODUÇÃO FITOPATOLOGIA: DEFINIÇÃO Phyton = planta Pathos = doença Logos = estudo 2. CONCEITO DE DOENÇA

Leia mais

VIABILIDADE FINANCEIRA DA CULTURA DA PUPUNHEIRA PARA A PRODUÇÃO DE PALMITO NA REGIÃO SUL DA BAHIA

VIABILIDADE FINANCEIRA DA CULTURA DA PUPUNHEIRA PARA A PRODUÇÃO DE PALMITO NA REGIÃO SUL DA BAHIA VIABILIDADE FINANCEIRA DA CULTURA DA PUPUNHEIRA PARA A PRODUÇÃO DE PALMITO NA REGIÃO SUL DA BAHIA ANTONIO CARLOS DE ARAÚJO 1 ; MARIA DAS GRAÇAS CONCEIÇÃO PARADA COSTA SILVA 2 ; LEONARDO VENTURA DE ARAUJO

Leia mais

www.revistacultivar.com.br

www.revistacultivar.com.br www.revistacultivar.com.br Soja Maio 2015 03 Plano estratégico Na batalha travada a cada safra pelos produtores de soja contra a ferrugem asiática e outras doenças que afetam a cultura, contar com tecnologia,

Leia mais

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO

CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO CAMPO DE PROVA DA FUNDAÇÃO CHAPADÃO TECNOAGRO Rodovia BR 060, km 11 - Condominio Rural Fundação Chapadão Casas 4, 5 e 6 - Caixa postal 39 - CEP 79.560-000 Chapadão do Sul, MS - www fundacaochapadao.com.br

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

1Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - CCTA, UFCG/ Campus de Pombal - PB. roseliasousasantos@hotmail.com

1Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar - CCTA, UFCG/ Campus de Pombal - PB. roseliasousasantos@hotmail.com CARACTERIZAÇÃO MORFOTINTORIAL DE COLLETOTRICHUM SPP. CAUSADOR DE ANTRACNOSE EM FRUTOS DE FIGO CULTIVADOS EXPERIMENTALMENTE NO PERÍMETRO IRRIGADO DE SÃO GONÇALO, SOUSA-PB 1 Damião Junior Gomes; 1 Rosélia

Leia mais

A mancha-amarela-da-folha do trigo - ciclo da doença

A mancha-amarela-da-folha do trigo - ciclo da doença A mancha-amarela-da-folha do trigo - ciclo da doença Erlei Melo Reis 1 Sandra Zodan 1 Anderson Luiz Durante Danelli 2 Rosane Baldiga Tonin 2 ( 1 ) OR Melhoramento de Sementes Ltda, Passo Fundo, RS ( 2

Leia mais

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015

Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 Boletim Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 37 de 2015 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

SELEÇÃO DE MATERIAL GENÉTICO DE CAJUEIRO RESISTENTE À ANTRACNOSE. Larissa Machado da Silva 1 ; Mônica Trindade Abreu de Gusmão²; Selma Toyoko Ohashi³.

SELEÇÃO DE MATERIAL GENÉTICO DE CAJUEIRO RESISTENTE À ANTRACNOSE. Larissa Machado da Silva 1 ; Mônica Trindade Abreu de Gusmão²; Selma Toyoko Ohashi³. nais do 8º Seminário nual de Iniciação Científica e 2º Seminário de Pesquisa da UFR. SELEÇÃO DE MTERIL GENÉTICO DE CJUEIRO RESISTENTE À NTRCNOSE. Larissa Machado da Silva ; Mônica Trindade breu de Gusmão²;

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS Profª Fernanda Basso FATORES CLIMÁTICOS IMPORTANTES Temperatura Precipitação Luminosidade Crescimento e

Leia mais

CULTIVO DA PUPUNHEIRA Maria das Graças C. Parada Costa Silva 1

CULTIVO DA PUPUNHEIRA Maria das Graças C. Parada Costa Silva 1 CULTIVO DA PUPUNHEIRA Maria das Graças C. Parada Costa Silva 1 1. INTRODUÇÃO A busca por melhoria de qualidade de vida quer seja através do consumo de alimentos saudáveis ou no requerimento de um meio

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho

Controle biológico de pragas. Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Controle biológico de pragas Seminário Internacional de Manejo de Pragas da Cana de Açúcar Artur Ferreira Mendonça Filho Processo Produtivo Agrícola Tecnologia Plantas Daninhas Manejo físico do solo

Leia mais

Impacto potencial das mudanças climáticas sobre as doenças do mamoeiro no Brasil

Impacto potencial das mudanças climáticas sobre as doenças do mamoeiro no Brasil Capítulo 14 Impacto potencial das mudanças climáticas sobre as doenças do mamoeiro no Brasil Antonio Alberto Rocha Oliveira Hermes Peixoto Santos Filho Eduardo Chumbinho de Andrade Paulo Ernesto Meissner

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

II Simpósio de Mecanização. na Cultura do Cacau

II Simpósio de Mecanização. na Cultura do Cacau PRODECAU BRASIL - MAPA - CEPLAC II Simpósio de Mecanização na Cultura do Cacau Instalação de: 12 fábricas de chocolate; 12 usinas de beneficiamento de borracha; 325 unidades de extração de óleo de pequeno

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PATOGENICIDADE DE Colletotrichum gloeosporioides PENZ, AGENTE ETIOLÓGICO DA MANCHA-MANTEIGOSA, EM HIPOCÓTILOS DE CULTIVARES DE CAFEEIROS HEBE PEREZ DE CARVALHO 1, MATHEUS BORNELLI DE CASTRO 2 ; ANA PAULA

Leia mais

Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados

Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados Ilheus, Setembro de 2011 I Simpósio Brasileiro da Pupunheira Embriogênese somática em pupunha como estratégia para a multiplicação massal de genótipos selecionados Dr. Douglas A. Steinmacher Introdução

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO

CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO CARACTERIZAÇÃO DO MOSAICO DOURADO DO TOMATEIRO Iul Brinner Expedito de SOUSA 1 ; Antonio Augusto Rocha ATHAYDE 2 ; Vanessa ANDALÓ 2 ; Gabriel Avelar LAGE 1 ; Guilherme Ebelem Guimarães Moreira MALUF 1

Leia mais