Você sabe qual é a como hábito cuidar de todas as outras?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Você sabe qual é a como hábito cuidar de todas as outras?"

Transcrição

1 O BIÓLOGO Revista do Conselho Regional de Biologia 1ª Região (SP, MT, MS) Ano I-Nº 03 Jul/Ago/Set 2007 CRBio-01 espécie Você sabe qual é a que tem como hábito cuidar de todas as outras? Classificação Ordem: Primates Família: Hominidae Espécie: Homo sapiens Profissão: Biólogo Características Habitat Natural: Terra Local de Trabalho: onde há vida Hábitos: cuidar do meio ambiente e da saúde, desenvolver a biotecnologia e praticar a educação. Ferramentas: dedicação, pesquisa e trabalho. Homenagem dos Conselhos de Biologia à espécie profissional que mais se dedica a cuidar da biodiversidade na Terra! Parabéns a todos os Biólogos pelo seu dia! No dia 3 de Setembro é comemorado o Dia do Biólogo. A atuação desse profissional ultrapassa o cuidado com o meio ambiente, sendo responsável por avanços diversos que contribuem diretamente para a melhoria da qualidade de vida na Terra. São 28 anos de profissão regulamentada, período rico em desafios e conquistas que expressam a importância do Biólogo na vida de todos os ecossistemas e espécies do planeta! Para conhecer mais sobre a profissão visite o site: 3 de setembro CFBio CRBio-01 CRBio-02 CONSELHO REGIONAL DE BIOLOGIA 4ª REGIÃO CRBO6 - Conselho Regional de Biologia - 6ª Região CRBio-7

2 O BIÓLOGO Revista do Conselho Regional de Biologia 1ª Região (SP, MT, MS) AnoI-Nº 03Jul/Ago/Set 2007 Conselho Regional de Biologia 1ª Região-São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (CRBio-01) Rua Manoel da Nóbrega, Conjuntos 121 e 122 CEP São Paulo - SP Tel: (0xx11) Fax: (0xx11) Home page: Delegacia Regional de Mato Grosso, CRBio-01 Av. Fernando Correa da Costa, s/nº - Instituto de Biociências Campus da UFMT - Coxipó, Cuiabá, MT - CEP Tel.: (65) Wlademir João Tadei Presidente Eliézer José Marques Secretário Diretoria: Conselheiros Mandato ( ) Luiz Eloy Pereira Vice-Presidente Edison Kubo Tesoureiro Efetivos: Wlademir João Tadei; Edison Kubo; Eliézer José Marques; Murilo Damato; Mário Borges da Rocha; Maria Teresa de Paiva Azevedo; Luiz Eloy Pereira; Maria Saleti Ferraz Dias Ferreira; Rosana Filomena Vazoller; Giuseppe Puorto. Suplentes: Adauto Ivo Milanez; Sandra Farto Botelho Trufem; Ângela Maria Zanon; Eliana Maria Beluzzo Dessen; Marlene Boccatto; Sarah Arana; Edison de Souza; Normandes Matos da Silva; Regina Célia Mingroni Netto; Osmar Malaspina. Revista do Conselho Regional de Biologia (CRBio-01) AnoI-Nº03-Jul/Ago/Set 2007 Responsável: Comissão de Comunicação e Imprensa do CRBio-01 Editora: Maria Eugenia Ferro Rivera (MTb ) Periodicidade: trimestral Tiragem: exemplares Editoração Eletrônica: Mauro Teles Fotolito, impressão e acabamento: Rettec Artes Gráficas Fone: (11) Os artigos assinados são de exclusiva responsabilidade de seus autores e podem não refletir a opinião desta entidade. O CRBio-01 não responde pela qualidade dos cursos divulgados. A publicação destes visa apenas dar conhecimento aos profissionais das opções disponíveis no mercado. 2 Jul-Ago-Set/2007 Jan-Fev-Mar/2007 CRBio-01 O BIÓLOGO CRBio-01 ÍNDICE ÍNDICE Editorial A reformatação dos Encontros de Biólogos; a criação da Delegacia Regional de MS; e a questão das Análises Clínicas Aconteceu Homenagem à Dra. Berta Lange de Morretes no IB/USP; Inaugurado orquidário da UFMT; 2º Fórum Paulista de Jornalismo Ambiental; Prédio da FSP/ USP é tombado Na Mídia Notícias interessantes relacionadas às Ciências Biológicas e Educação veiculadas na mídia Entrevista A bióloga Ana Paula Lourenço fala sobre o seu trabalho dentro de uma clínica de Medicina Ortomolecular Publicações Lançamentos de livros de interesse às Ciências Biológicas Agenda Divulgação dos eventos científicos que acontecerão no Brasil e no exterior Destaque Saiba como uma empresa de controle de pragas urbanas conseguiu aliar a prestação de serviço com a produção de trabalhos científicos Em Foco O Prof. Dr. Euclides Matheucci Junior escreve sobre o Biólogo e o DNA Forense Comissões A composição das comissões permanentes e técnicas do CRBio-01 Nota de Esclarecimento Os Presidentes dos Conselhos Regionais de Biologia assinam nota de esclarecimento sobre a questão dos biólogos atuando em Análises Clínicas Coluna do CFBio De Brasília, o Conselho Federal de Biologia divulga notícias e informações importantes para os biólogos Resolução CFBio publica a Resolução n.º 115, de 12/05/2007, que dispõe sobre inscrição, registro, cancelamento e licença de pessoas jurídicas e a concessão de TRT Ponto de Vista Lagoas marginais: áreas prioritárias para conservação, artigo assinado pelo biólogo Renato Braz de Araujo

3 EDITORIAL CAROS BIÓLOGOS: Desde o nosso último contato vários acontecimentos ocorreram afetando o desenvolvimento das atividades desse Conselho. Inicialmente, comunicamos que na sessão plenária de 15 de junho do corrente foi aprovada a reformatação dos Encontros de Biólogos do CRBio-01 que agora passarão a ser bianuais. O próximo encontro será realizado em As razões para tais mudanças incluem o grande envolvimento da área administrativa em detrimento das atividades constantes da missão institucional. Está previsto também, o direcionamento dos objetivos do evento para os profissionais biólogos. Esta medida estava em discussão desde a diretoria anterior. Na sessão plenária de 10 de agosto, próximo passado, foi aprovada a criação da Delegacia Regional de Mato Grosso do Sul, na cidade de Campo Grande. As medidas visando sua instalação estão sendo ultimadas, tendo sido inclusive adquiridas sedes próprias para essa Delegacia Regional e a de Mato Grosso, em Cuiabá. As escrituras foram assinadas recentemente. Outro assunto que mereceu a atenção deste Conselho foi o posicionamento do órgão diante da circulação de notícias mencionando a impossibilidade da atuação do profissional Biólogo na área de Análises Clínicas. Reunidos, no dia 3 de agosto, na sede deste CRBio-01, os presidentes dos Conselhos Regionais de Biologia e suas respectivas assessorias jurídicas, colocam a situação nos devidos termos, técnica, jurídica e administrativamente. Demonstram claramente a habilitação do Biólogo para atuar na área de Análises Clínicas. O texto completo encontra-se neste número da revista, sob o título Análises Clínicas Nota de Esclarecimento. Lembramos que no próximo dia 3 de setembro estaremos comemorando 28 anos de regulamentação da profissão de Biólogo. O caminho já percorrido mostra que muito já foi conquistado, mas restam ainda metas a serem atingidas. Até a próxima. A Diretoria do CRBio-01 Antes de Emitir a 1ª ART Consulte o CRBio-01! LEMBRE-SE QUE O TRT DEVE SER RENOVADO ANUALMENTE! Mudou de Endereço? Mantenha o seu endereço atualizado. Informe a Secretaria do CRBio-01 quando mudar de endereço, ou quando houver alteração de telefone, CEP ou . Toda a Legislação do Biólogo está dispónivel no site do CRBio-01: O BIÓLOGO CRBio-01 Jul-Ago-Set/2007 3

4 ACONTECEU (Foto: Nilza Guirado) Dra. Berta Lange de Morretes recebe homenagem do Instituto de Biociências da USP Dra. Berta Lange de Morretes Ao completar 90 anos de idade no dia 28 de junho de 2007, a bióloga Dra. Berta Lange de Morretes foi homenageada pelo Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, onde há 66 anos integra o quadro de docentes, ministrando disciplinas dos cursos de graduação e pós-graduação no Departamento de Botânica. Na cerimônia também estiveram presentes entre os amigos, alunos, docentes e funcionários, o Vice-presidente do CRBio-01, Dr. Luiz Eloy Pereira; o Conselheiro e ex-presidente do CRBio-01, Dr. Adauto Ivo Milanez; a ex-presidente do CRBio-01, Dra. Olga Yano e a Presidente do CFBio, Dra. Noemy Yamaguishi Tomita. Em seu pronunciamento, Dr. João Stenghel Morgante, Diretor do Instituto de Biociências e ex-vice-presidente do CRBio-01, lembrou a trajetória da emérita bióloga, iniciada em 1938, quando ingressou na quinta turma do então, Curso de Ciências Naturais da USP. No mesmo ano em que concluiu a sua graduação, 1941, foi contratada para exercer o cargo de Assistente Adjunta na Cadeira de Botânica da FFCL-USP. Dr. João Morgante destacou as principais etapas da carreira da Dra. Berta dentro da Universidade: Doutorado em 1948 sob a orientação do Prof. Felix Rawistecher, quando estudou o Ciclo evolutivo do fungo Pilacrella delectans, tese que foi publicada em1949 no Boletim de Botânica nº. 7; entre foi Bolsista da Fundação Rockfeller na Universidade da Califórnia (Davis); em 1980 prestou Concurso para Professora Livre- Docente, nas disciplinas Anatomia Vegetal e Anatomia de Plantas Superiores; em 1982, prestou Concurso para Professora Adjunta; e em 1985 para Professora Titular junto ao Departamento de Botânica. Ao completar 70 anos, atingiu a Aposentadoria Compulsória, porém nesses últimos 20 anos, a Professora Berta não interpretou sua aposentadoria como uma expulsória, pois como já me referi, continua suas atividades acadêmicas no IB com assiduidade e entusiasmo. Nesta data, apresento em nome do Instituto de Biociências cumprimentos e agradecimento pelo tudo que fez para o ensino de Botânica. A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) inaugurou no dia 03 de agosto, o Orquidário, que faz parte do Jardim de Biodiversidade do Herbário Central. O ato foi realizado na estufa nova do Orquidário, instalada atrás do CCBS II - bloco de Biociências (IB). O evento teve a presença do reitor Paulo Speller e do pró-reitor de Pesquisa Paulo Teixeira. O Projeto de reestruturação foi elaborado por Hélida Bruno Nogueira Borges e Adarilda Petini Benelli e concentrou-se na recuperação da coleção já existente e incorporação de novos exemplares representativos da flora nativa, oriundos de trabalhos em diversas regiões de Mato Grosso. A coordenadora geral foi a professora Miramy Macedo, curadora do Herbário da UFMT, vinculado à pró-reitoria de Pesquisa (PROPEQ). O pró-reitor Paulo Teixeira destaca que este é mais um avanço em um espaço fundamental para a pesquisa e preservação. Um dos trabalhos de relevância resultante dos esforços do projeto foi a descoberta e descrição de uma espécie nova de Orchidaceae Alatiglossum culuenense Docha Neto & Benelli, diz a bióloga Adarilda Petini Benelli. Ela é responsável pela descoberta dessa orquídea, às margens do rio Culuene, ao sul do Parque Nacional do Xingu, em Mato Grosso, identificada pelo biólogo do Projeto Orchidstudium, Américo Docha Neto. Ela executou toda a parte técnica da recuperação das amostras do orquidário com a participação de diversos colaboradores e de estagiários da UFMT e de outras instituições de ensino. O projeto tem a parceria da Atiaga Energia S/A, mantenedora do projeto Conservação da Flora Epífita das PCH S Paranatinga I E II, Garganta da Jararaca e Canoa Quebrada``. Fonte: ASCOM/UFMT, 02/08/2007 (Foto: ASCOM/UFMT) 4 Jul-Ago-Set/2007 CRBio-01 O BIÓLOGO

5 ACONTECEU 2º Fórum Paulista de Jornalismo Ambiental Promovido pelo Instituto Envolverde, o 2º Fórum Paulista de Jornalismo Ambiental aconteceu no dia 19 de maio, na cidade de São Paulo. Tendo como tema As novas pautas da sustentabilidade, o evento teve a participação de importantes profissionais da mídia, de empresas e de entidades ligadas ao meio ambiente, entre eles: Heródoto Barbero, da Rádio CBN e TV Cultura; André Trigueiro, da Globo News e professor universitário; Ana Ligia Scachetti, gerente de comunicação da SOS Mata Atlântica; Gabriela Vuolo, assessora do Greenpeace; Aron Belinky, secretário executivo da Eco Press, Lisa Gunn, gerente de informação do IDEC (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor); e Consuelo Sanches, assessora da Tetra Pak. Os participantes discutiram questões como a importância da evolução da cobertura do meio ambiente pela mídia, a questão urbana envolvendo o saneamento e a poluição, a relação das empresas com a imprensa na Da esquerda para direita: André Trigueiro, Ana Ligia Scachetti, Adalberto Wodianer Marcondes, Inês Berloffa e Luciano Martins Costa divulgação de pautas ambientais, os impactos do consumo no ambiente e as novas pautas e a mídias ambientais. (Foto: Marco Carvalho) O CRBio-01 esteve presente nesse importante Fórum através da sua assessoria de imprensa. Prédio da Faculdade de Saúde Pública da USP é tombado (Foto: Adilson Manoel Godoy) Prédio da Faculdade de Saúde Pública da USP Durante sua Sessão Ordinária do dia 23 de abril, o Colegiado do CONDEPHAT - Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico de Estado de São Paulo, aprovou o tombamento do Quadrilátero da Saúde que inclui a edificação da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, envolvendo o prédio principal do Centro de Saúde Escola Geraldo de Paula Souza, primeiro Centro de Saúde do Brasil. Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional- FSP/USP, 27/06/2007 O BIÓLOGO CRBio-01 Jul-Ago-Set/2007 5

6 NA MÍDIA Programa Biota chega à maioridade Representantes da FAPESP e das três universidades públicas paulistas assinaram no dia 02 de agosto, na sede da Fundação, um acordo de cooperação acadêmica para a institucionalização do Instituto Virtual da Biodiversidade. O convênio estabelece que as universidades farão a manutenção dos sistemas de informação ambiental criados pelo Biota-FAPESP, dando ao programa um caráter permanente. Assinaram o documento Carlos Vogt, presidente da FAPESP, e os reitores Suely Vilela, da Universidade de São Paulo (USP), José Tadeu Jorge, da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), e Marcos Macari, da Universidade Estadual Paulista (UNESP). A institucionalização é um atestado da maioridade do programa. Trata-se de um paradigma importante como referência e que dará continuidade a todo o esforço de investimento e capacitação feito até agora. Essa nova engenharia dá ao programa a continuidade institucional de que ele precisa, disse Vogt. (Foto: M.E.Rivera) O programa continuará funcionando da mesma forma, com os projetos sendo financiados pela FAPESP. A diferença é que a parte administrativa será incorporada pelas universidades, disse Ricardo Ribeiro Rodrigues, coordenador do Biota, à Agência FAPESP. De acordo com Rodrigues, o objetivo do acordo é perenizar o programa. Hoje, a administração do Biota-FAPESP depende de uma comissão de pesquisadores que atua de forma avulsa, sem vínculo institucional. Não há uma estrutura permanente para eventos, publicações ou atualização do banco de dados. Para a manutenção de cada uma dessas atividades é preciso solicitar recursos isoladamente, explicou. Desde que foi criado, em 1999, o Biota-FAPESP possibilitou a descrição de mais de 500 espécies de plantas e animais. De acordo com Carlos Alfredo Joly, professor do Departamento de Botânica da UNICAMP e ex-coordenador do programa, a FAPESP investiu em média US$ 2,5 milhões por ano no programa, que incluiu o apoio a 75 projetos de pesquisa, 150 mestrados e 40 doutorados e gerou 500 artigos e 170 periódicos, 16 livros e dois Atlas. O Biota reuniu um grande conjunto de ferramentas que é precioso para a comunidade científica, mas que tem uma complexa rotina de manutenção diária. Há dois anos discutimos esse processo de institucionalização e há cerca de três meses definimos o arranjo que será feito, disse Joly. Segundo ele, com a institucionalização, as universidades darão contrapartida a parte do investimento feito pela FAPESP durante os oito anos de existência do programa. A avaliação é que a institucionalização exigirá US$ 4 milhões, nos próximos oito anos, para salários de secretaria e analistas de sistemas, reforma de infra-estrutura para armazenar bancos de dados e outras despesas. O valor será dividido proporcionalmente entre as universidades com referência ao que elas receberam nestes oito anos, disse Joly. Fonte: Agência FAPESP, 03/08/2007 Produção científica de universidades cresce 200% O crescimento da produção científica do Brasil nas últimas décadas já está consagrado. Em 30 anos, o número de trabalhos publicados por pesquisadores brasileiros aumentou exponencialmente de 0,3% para quase 2% de todo o conhecimento científico mundial. Uma nova avaliação caso a caso do desempenho das principais instituições de pesquisa do País, entretanto, revela números surpreendentes sobre esse crescimento. Entre as 15 universidades com maior produção científica no momento, 11 cresceram mais de 200% em relação a dez anos atrás ( ), segundo os dados mais recentes da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), obtidos com exclusividade pelo Estado. As seis primeiras colocadas - USP, UNICAMP, UFRJ, UNESP, UFRGS e UFMG - mantêm suas posições no ranking desde 1996, com aumento significativo no número de trabalhos publicados. A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) é a de maior destaque no grupo, com aumento de 258%. A Universidade de São Paulo (USP) também triplicou sua produção no período (aumento de 200%), sustentando posição isolada como maior instituição produtora de conhecimento do País. Duas universidades menores deram saltos espantosos no período. A Universidade Federal de Viçosa (UFV) aumentou sua produção científica em 640% e a Universidade Federal do Ceará (UFC), em 410%. A área do conhecimento com maior número de publicações no Brasil hoje é a medicina. Uma das instituições que mais contribuiu para isso foi a Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), cuja produção científica aumentou 379% em dez anos. Fonte: O Estado de São Paulo, 01/08/ Jul-Ago-Set/2007 CRBio-01 O BIÓLOGO

7 NA MÍDIA Programa de Biodiversidade chega ao Mato Grosso O Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio/Amazônia Oriental) assinou mais um acordo de cooperação técnico-científica para a instalação de um novo Núcleo Regional, dessa vez, no Estado do Mato Grosso. O Núcleo Regional da Amazônia Meridional (NURAM), nome dado ao novo núcleo, ficará sob a coordenação da Dra. Célia Regina Araújo Soares, da Universidade do Estado do Mato Grosso (UNEMAT), e é o terceiro núcleo do PPBio/Amazônia Oriental. A base de pesquisa onde serão realizados os trabalhos do PPBIo será o Parque Nacional do Juruena, uma área com 1,9 milhões de hectares (o terceiro maior parna do país), onde podem ser encontradas fauna e flora de transição entre a floresta amazônica e o cerrado. O acordo de cooperação foi assinado pelo Coordenador Adjunto do PPBio e vice-diretor do Museu Paraense Emílio Goeldi - MPEG, Dr. Nilson Gabas Jr., que representou também o Ministério da Ciência e Tecnologia, pelos doutores Francisco Tarquinioi Daltro, Secretário de Estado de Ciência e Tecnologia (SECITEC); Antônio Carlos Camacho, presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (FAPEMAT), e Taisir Mahmudo Karim, reitor da UNEMAT. A assinatura do acordo de cooperação foi presenciada por diversas autoridades do Estado do Mato Grosso e contou também com a presença da coordenadora do Componente de Inventários do PPBIo, Dra. Marlucia Martins, e da coordenadora do Núcleo do Mato Grosso, Dra. Célia Araújo. Segundo o Dr. Nilson Gabas Jr., a criação de mais um núcleo demonstra um crescimento exponencial tanto das atividades, como dos interessados em participar do PPBio, que é um programa muito bem pensado tanto da parte de inventários como de coleções, explica. Gabas Jr. antecipa que o Programa já estuda a implantação de novos núcleos, possivelmente em Tocantins e Santarém. A região de Santarém é estratégica e seria muito produtiva ao PPBio. Lá, por exemplo, há uma torre do Experimento de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (Large Scale Biosphere-Atmosphere Experiment in Amazonia, LBA), um núcleo de estudos da Agência de Desenvolvimento da Amazônia (ADA) e, em breve, um escritório do Instituto Butantan, um centro de pesquisa de Biologia e Biomedicina, de São Paulo, finaliza Gabas. Para saber mais sobre o PPBio acesse: Fonte: Fernanda Engelhard, da Assessoria de Comunicação do PPBio Amazônia Oriental/Serviço de Comunicação do MPEG, 28/06/2007 Especialistas condenam excesso de profissões regulamentadas O ministro do tribunal Superior do Trabalho (TST) Ives Gandra da Silva Martins Filho, o secretário-geral da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) secção Distrito Federal, Luiz Eduardo Sá Roriz, e o coordenador de registros profissionais do Ministério do Trabalho, Francisco Gomes, são contrários à proliferação de regulamentação de profissões. Todos eles se manifestaram contra a avalanche de pedidos e projetos nesse sentido durante audiência pública para debater 19 propostas sobre o tema que tramitam na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). Francisco Gomes disse que há, no Ministério do Trabalho, profissões catalogadas, das quais 84 são regulamentadas. Para Gomes, existem muitas propostas esdrúxulas de regulamentação de profissões e o Ministério tem dado pareceres contrários à esses pedidos. Essa é a orientação do Ministério do Trabalho. Buscamos trabalhar para a inclusão na classificação brasileira de ocupações e o reconhecimento para que a categoria existente possa lutar pelos seus direitos e se organizar, declarou Gomes. Ives Gandra observou que a multiplicação de profissões é um caminho difícil de ser adotado hoje e apontou problemas que acabam ocorrendo, tais como reserva de mercado, corporativismo, criação de sindicatos diversos e esfacelamento de áreas profissionais. Sá Roriz também criticou o excesso de pedidos de regulamentação, afirmando que, para tais solicitações, é preciso ser o mais restrito possível. Para ele, a estratificação das profissões e o excesso de regulamentação não são o caminho para a modernidade, pois a tendência mundial é justamente a inversa. A audiência foi realizada por sugestão dos senadores Cícero Lucena (PSDB-PB), Rosalba Ciarlini (DEM-RN) e Patrícia Saboya (PSB-CE), presidente da Comissão de Assuntos Sociais. Fonte: Jornal do Senado, 23 a 29/04/2007 Olimpíadas de Ciências receberão R$ 1 milhão do CNPq O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/ MCT) destinará R$ 1 milhão para apoio à realização de Olimpíadas de Ciências. A submissão de propostas já está aberta por meio do edital MCT/CNPq n.º 12/2007 e pode ser feita até 14 de setembro próximo. Podem apresentar propostas pesquisadores vinculados a instituições de ensino superior ou a institutos e centros de pesquisa e desenvolvimento, públicos ou privados. A divulgação dos resultados está prevista para o dia 01 de outubro. O apoio às Olimpíadas faz parte do Programa de Educação em Ciência e Tecnologia e objetiva a melhoria dos ensinos fundamental e médio e a identificação de jovens talentosos que podem ser estimulados a seguir a carreira de pesquisador. Fonte: Assessoria de Comunicação do CNPq, 07/08/2007 Inscrições abertas para o Prêmio Von Martius de Sustentabilidade 2007 Com um novo posicionamento e agora em formato itinerante, o Prêmio Von Martius de Sustentabilidade, um dos mais importantes da área, está com inscrições abertas. Os interessados devem entrar em contato com a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha, promotora do Prêmio, pelo site:http://www.premiovonmartius. com.br. O prazo para inscrever os trabalhos vai até o dia 30 de setembro e a cerimônia de entrega aos vencedores será realizada em 7 de novembro, no Rio de Janeiro. Fonte: Agência Envolverde, 08/08/2007 ERRATA O crédito da foto do Instituto Butantan, publicada na página 06, da edição n.º 02 da Revista O Biólogo, é de Giuseppe Puorto. O BIÓLOGO CRBio-01 Jul-Ago-Set/2007 7

8 ENTREVISTA O Biólogo e a Medicina Ortomolecular Considerada uma ciência médica recente, a Medicina Ortomolecular aos poucos vai ganhando espaço como tratamento preventivo e curativo de diversas doenças. Mas afinal, o que é Medicina Ortomolecular e como um biólogo pode atuar nessa área? Em linhas gerais, a Medicina Ortomolecular (orto=certo, moléculas certas) busca combater os radicais livres do organismo, através do uso de vitaminas, minerais e/ou aminoácidos, restabelecendo o seu equilíbrio bioquímico. É preciso entender o que são radicais livres: o organismo utiliza cerca de 98 a 99% do oxigênio consumido para produzir energia, o que sobra (1 a 2%) forma as espécies reativas tóxicas de oxigênio, os chamados radicais livres. Estresse, fumo, poluição, alimentação inadequada, exposição solar prolongada, entre outras são condições que levam a formação dos radicais livres no corpo, que em excesso desequilibram as moléculas, conseqüentemente danificam as células, podendo desencadear enfermidades como: hipertensão, câncer, fibromialgia, depressão, obesidade, artrite, artrose, Alzheimer, Parkinson, e esclerose múltipla. Entrevistamos a bióloga Ana Paula Lourenço que há um ano e meio integra a equipe multidisciplinar da Clínica Anna Aslan de Medicina Ortomolecular em São Paulo. Logo após formar-se em Ciências Biológicas na PUCCAMP, Ana Paula fez um curso de especialização em reprodução humana assistida no Instituto Sapientiae, em São Paulo. Em seguida, atuou como residente no Centro de Reprodução Humana do Hospital Pérola Bygton, em São Paulo. Em busca de um emprego, a bióloga acabou ingressando na clínica na qual hoje desempenha importante função, sendo a responsável por uma das etapas de avaliação do paciente: análise de avaliação morfológica do sangue em microscópio Bradford. A Bióloga e o microscópio de última geração Na clínica, Ana Paula conta que na primeira consulta o paciente passa por uma série de avaliações feitas pelo corpo clínico, que além dela, bióloga, fazem parte: uma nutricionista, uma médica especialista em clínica médica com prática em medicina ortomolecular e um médico geriatra ortomolecular. A primeira etapa de avaliação cabe a ela, bióloga, e envolve o uso do super microscópio Bradford de Projeção Variável. Esse microscópio, considerado de última geração, foi desenvolvido pelo Dr. Robert Bradford do Instituto American Biologics, na Califórnia, Estados Unidos, possui uma alta resolução, podendo aumentar em até 12 mil vezes a amostra de sangue coletada, sem uso de óleo de imersão ou qualquer corante. Para trabalhar com o microscópio, Ana Paula fez um treinamento intensivo. Ela descreve como é feito o exame: Coleto duas gotas de sangue do dedo mínimo da mão direita do paciente. São analisadas uma lâmina com o sangue fresco e outra com o sangue coagulado. Com essas gotas vejo o que está acontecendo com o paciente, vejo a movimentação celular das células brancas e vermelhas. Ela destaca que a alta resolução do microscópio permite a análise extremamente minuciosa, podendo ser detectadas até 85 tipos de morfologias, incluindo também fungos, bactérias, vírus, microplasmas e leveduras. Também são verificados os radicais livres, o estresse oxidativo, o estado celular nutricional, disfunção metabólica, processos degenerativos celulares, deficiências, toxicidades e patologias. A bióloga Ana Paula Lourenço Junto com o paciente, Ana Paula explica detalhadamente na tela o que está sendo visto no microscópio. Ela comenta que ao se identificar como bióloga alguns pacientes ainda se espantam. Entretanto, à medida que vai conversando e explicando o que está sendo mostrado no microscópio, ganha a sua confiança. Fico uma hora com cada paciente explicando tudo e eles vibram com aquilo, quando voltam eles querem comparar com o primeiro exame. Isso é positivo. Ao atender o paciente, a bióloga ressalta a importância de usar uma linguagem acessível e também cuidado para chegar até ele, pois não podemos esquecer que vamos tratar seres humanos, então é preciso ter carinho e respeito. Após essa avaliação, o paciente faz consultas com a nutricionista, com a médica em prática ortomolecular e com o médico geriatra ortomolecular. Com as análises e laudos é estabelecido um tratamento personalizado. Ana Paula afirma: A intenção da medicina ortomolecular é primeiro suplementar o organismo para ele funcionar corretamente. A medicação tradicional também pode ser usada, mas é preciso primeiro suplementar o corpo. A bióloga deixa claro que o tratamento, o tipo de suplementação e os eventuais medicamentos são receitados pelos médicos da clínica. (Foto: M.E.Rivera) 8 Jul-Ago-Set/2007 CRBio-01 O BIÓLOGO

9 ENTREVISTA A contribuição do biólogo Segundo Ana Paula, dentro da medicina ortomolecular o biólogo é um profissional bem aceito e visto como um integrante fundamental dentro da área. Aqui as pessoas são mais abertas, sabem que cada um tem a sua importância e que deve fazer a sua parte. Tanto que estudo muito a minha área, vou atrás, estou sempre em contato com a equipe do Dr. Bradford, e troco idéias com os médicos da clínica geral. Nos congressos médicos que participa, a bióloga conta que é muito procurada para dar informações a respeito do seu trabalho com o microscópio Bradford. Neste ano ela participou do congresso internacional de medicina ortomolecular e radicais livres, realizado em junho em São Paulo. É preciso sempre buscar o aprimoramento. São poucos profissionais que trabalham com esse microscópio específi co, então não podemos perder tempo, pois a área está crescendo muito. Ana Paula comenta que a grande satisfação da sua carreira é poder ver o resultado imediato do seu trabalho, ao observar a melhora dos pacientes, e sentir a profissão de biólogo mais valorizada e conquistando espaços em novas áreas. Exemplo de análise de avaliação morfológica do sangue em microscópio Bradford. O OBIÓLOGO BIÓLOGO CRBio-01 CRBio-01 Jul-Ago-Set/2007 9

10 PUBLICAÇÕES CD-ROM: HOLOS ENVIRONMENT VOL.06, N.º 01, 2006 A revista eletrônica Holos Environment, órgão de divulgação científica do Centro de Estudos Ambientais (CEA-UNESP) Campus de Rio Claro, lançou o vol. 06, n.º 01, A revista, cujo padrão eletrônico é autoexecutável em ambiente Windows, tem por objetivo publicar trabalhos científicos originais, referentes à área de meio ambiente, focalizando as diferentes abordagens da visão ecológica, apresentados sob a forma de artigos (redigidos em português, inglês ou espanhol), short communications (somente em inglês) e book reviews. As publicações também estão disponíveis no site: sempre com acesso simultâneo ao lançamento do CD-ROM. Tel./Fax: (19) ANUNCIE NA REVISTA O BIÓLOGO Solicite nossa tabela de formatos e valores através do PEIXES DE ÁGUA DOCE DA MATA ATLÂNTICA / Freshwater Fishes of Mata Atlântica Autores: Naércio A. Menezes, Stanley H. Weitzman, Osvaldo T. Oyakawa, Flávio C. T. de Lima, Ricardo M. C. Castro e Marilyn J. Weitzman Edição: Museu de Zoologia/USP, Conservação Internacional, FAPESP e CNPq Uma iniciativa do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, com apoio da Conservação Internacional, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a obra traz, pela primeira vez, uma lista preliminar das espécies de peixes que ocorrem no bioma. Apresenta, para cada uma, dados sobre localidade, distribuição, estado sistemático, sinônimos, ecologia, estado de conservação, além de um grande conjunto de imagens. A listagem inclui 309 espécies, sendo 267 endêmicas da Mata Atlântica e 49 oficialmente ameaçadas em diversas categorias. Preço: R$ 90,00 Livraria Conceito (11) À SOMBRA DAS ÁRVORES: Transdisciplinaridade e educação ambiental em atividades extraclasse Autores: Rita Mendonça e Zysman Neiman Editora: Chronos Destinado à educadores e profissionais do turismo educacional, do ecoturismo e da área ambiental em geral, este livro busca revelar o imenso potencial educativo que as atividades extraclasse identificadas como estudos do meio apresentam. A partir da análise de diversas correntes e práticas pedagógicas, Rita Mendonça e Zysman Neiman, experientes profissionais da área, destacam a riqueza de caminhos que tais atividades desvendam como estratégia para a transdisciplinaridade e para o estímulo à reflexão sobre questões essenciais que devem nortear as nossas ações sobre o mundo. Através de uma série de questões envolvendo as características dos locais visitados, a programação estabelecida, os objetivos traçados, as técnicas de condução dos grupos e o perfil da equipe responsável, entre outras, os autores desenham, adicionalmente, um roteiro para a elaboração de programas de estudos do meio. Preço: R$35,00 + despesas de envio À venda no Instituto Physis e Instituto Romã através dos s: e 10 Jul-Ago-Set/2007 CRBio-01 O BIÓLOGO

11 AGENDA 16º CONGRESSO BRASILEIRO DE FLORICULTURA E PLANTAS ORNAMENTAIS 3º CONGRESSO BRASILEIRO DE TECIDOS DE PLANTAS 1º SIMPÓSIO DE PLANTAS ORNAMENTAIS NATIVAS Realização: Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais e a Associação Brasileira de Cultura de Tecidos de Plantas e Universidade Federal de Goiás Data: 10 a 15 de setembro de 2007 Local: Centro de Convenções de Goiânia (GO) Informações: (62) I SEMINÁRIO CATARINENSE DE BIOTECNOLOGIA E BIONEGÓCIOS Realização: Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC/Videira Data: 19 a 21 de setembro de 2007 Local: UNOESC, Videira (SC) Informações: unoesc1/scbb2007 VIII CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL Realização: Sociedade de Ecologia do Brasil e Departamento de Ecologia IB/USP Data: 23 a 28 de setembro de 2007 Local: Caxambu (MG) Informações: SIMPÓSIO INTERNACIONAL EM IMUNOLOGIA DAS DOENÇAS TROPICAIS Realização: Instituto Lauro de Souza Lima Data: 27 e 28 de setembro de 2007 Local: Obeid Plaza Hotel, Bauru (SP) Informações: VII ENCONTRO DO INSTITUTO ADOLFO LUTZ Realização: Instituto Adolfo Lutz Data: 01 a 04 de outubro de 2007 Local: Centro de Convenções Rebouças, São Paulo (SP) Informações: XI ENCONTRO NACIONAL DE EDITORES CIENTÍFICOS Realização: Associação Brasileira de Editores Científicos Data: 02 a 06 de outubro de 2007 Local: Ouro Preto (MG) Informações: II WORKSHOP - FENOLOGIA COMO FERRAMENTA PARA CONSERVAÇÃO E MANEJO DE RECURSOS VEGETAIS ARBÓREOS Realização: Embrapa Florestas Data: 02 a 05 de outubro de 2007 Local: Hotel Deville, Curitiba (PR) Informações: (41) / detalfen07.htm VIII JORNADA PAULISTA DE PLANTAS MEDICINAIS Realização: Instituto Biológico Data: 23 a 25 de outubro de 2007 Local: Instituto Biológico, São Paulo (SP) Informações: (11) IV ENCONTRO SOBRE APLICAÇÕES AMBIENTAIS DE PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS Realização: Instituto de Química/USP, DEQ-EP/ USP e CEPEMA/USP Data: 29 a 31 de outubro de 2007 Local: CEPEMA/USP, Cubatão (SP) Informações: I BIOLOGICAL EVOLUTION WORKSHOP Realização: Programa de Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular /UFRGS Data: 05 a 07 de novembro de 2007 Local: UFRGS, Porto Alegre (RS) Informações: XX REUNIÃO ANUAL DO INSTITUTO BIOLÓGICO Realização: Instituto Biológico de São Paulo Data: 05 a 09 de novembro de 2007 Local: Instituto Biológico, São Paulo (SP) Informações: III SEMINÁRIO BRASILEIRO SOBRE ÁREAS PROTEGIDAS E INCLUSÃO SOCIAL Realização: Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Florestais da UFRJ Data: 11 a 14 de novembro de 2007 Local: Parque Nacional da Serra dos Órgãos, Teresópolis (RJ) Informações: 9º ENCONTRO NACIONAL SOBRE GESTÃO EMPRESARIAL E MEIO AMBIENTE Realização: FEA/USP e Centro de Estudos de Administração e do Meio Ambiente/FGV Data: 19 a 21 de novembro de 2007 Local: Curitiba (PR) Informações: 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE CONTROLE DE CÂNCER Realização: Instituto Nacional de Câncer (INCA) Data: 25 a 28 de novembro de 2007 Local: Rio de Janeiro (RJ) Informações: XVIII SIMPÓSIO DE MIRMECOLOGIA Realização: Instituto Biológico de São Paulo Data: 25 a 29 de novembro de 2007 Local: Instituto Biológico, São Paulo (SP) Informações: (11) º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE DESASTRES NATURAIS E TECNOLÓGICOS Realização: Associação Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental (ABGE) Data: 09 a 13 de dezembro de 2007 Local: Santos (SP) Informações: I SIMPÓSIO SOBRE BIOMA CERRADO Realização:CBCN Data: 05 a 07 de novembro de 2007 Local: Brasília (DF) Informações: (31) º CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA Realização: Instituto de Botânica de São Paulo Data: 28 de outubro a 02 de novembro de 2007 Local: Centro de Exposições Imigrantes, São Paulo (SP) Informações: VIII CURSO LATINO AMERICANO DE BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO E MANEJO DA VIDA SILVESTRE Realização: IPÊ e CBBC Período: 06 de novembro a 12 de dezembro de 2007 Local: Nazaré Paulista e Teodoro Sampaio (SP) Informações: (11) XXV ENCONTRO ANUAL DE ETOLOGIA Realização: UNESP - SJRP Data: 14 a 17 de novembro de 2007 Local: UNESP de São José do Rio Preto (SP) Informações: eae2007 ou O BIÓLOGO CRBio-01 Jul-Ago-Set/

12 DESTAQUE Empresa de Controle de Pragas Urbanas Conjuga Serviço e Pesquisa Científica Ao ser procurado por um condomínio de alto padrão que estava tendo problemas de ocorrências de escorpiões, André Luis Fernandes, biólogo e dono há 13 anos da empresa de controle de pragas urbanas, a TECPRAG Tecnologia e Controle de Pragas Urbanas, em Campinas (SP), conseguiu conciliar a prestação de serviços com um valioso estudo, que gerou cinco trabalhos científicos apresentados em congressos. Nesta entrevista, André Luís conta como aconteceu essa interface entre empresa e pesquisa. Também participa da conversa, Vivian Jaskiw Szilagyi, estudante do 3º ano de Ciências Biológicas da PUCCAMP, que integra a equipe e é uma das autoras dos trabalhos. Na primeira visita ao cliente, André Luís percebeu que teria que ir mais fundo na questão das infestações de escorpiões, pois o número de ocorrências era elevado e crescente. Havia casos de até 28 escorpiões aparecem no interior de uma mesma casa. Ressaltando que se tratava de um local com edificações acabadas, sem acúmulo de entulho, áreas paisagísticas em constante manutenção, enfim, condições que aparentemente não justificavam o aparecimento de escorpiões. Considerado um animal peçonhento, o escorpião pode causar acidentes graves, pois a sua picada libera um veneno tóxico para o homem. Assim, é imprescindível um controle correto. Ele relata: Quando fui fazer o primeiro levantamento, notei a necessidade de antes de tudo fazer um estudo de campo, pois como prestador de serviço não bastava simplesmente aplicar o inseticida a esmo. A empresa elaborou um plano de trabalho que envolvia um projeto de estudo minucioso sobre o problema e apresentou ao cliente. Aí está o fato inédito: uma empresa de controle de pragas urbanas convencer o cliente a comprar um trabalho de pesquisa, e com base no relatório gerado, que direcionaria o tratamento futuro, selar um contrato de dois anos para prestação de serviço de controle de pragas. André Luis Fernandes e Vivian Szilagyi Um dos motivos também que justificou a realização dessa pesquisa, segundo o biólogo, foi a falta de dados na literatura brasileira sobre a biologia dos escorpiões em ambientes urbanos. Dados como a distribuição espacial, período de deslocamento, comportamento, e principalmente ecologia na área urbana, destaca Vivian. Tínhamos que entender o problema nas residências para depois gerar o plano de trabalho, e então, propor um contrato de controle de pragas urbanas, justifica André Luís. O projeto de estudo O projeto de estudo proposto teve uma primeira análise para determinar a dimensão do problema, que consistia num mapeamento das casas e locais onde apareceram os escorpiões. As casas que registraram ocorrências foram visitadas pela equipe da TECPRAG. No início estavam previstas 56 casas, no final foram atendidas 152, numa área de 270,3 hectares. André Luís relata: Íamos às casas, nos identificávamos, e preenchíamos uma ficha com uma série de perguntas: quantos animais apareceram, onde foram vistos, se o cômodo tinha ralo ou não, etc. Os pontos das aparições eram marcados com o GPS. Vivian complementa: Quando possível coletávamos os animais que os moradores haviam guardado. A etapa seguinte era o atendimento técnico, que envolvia a busca ativa por escorpiões na parte externa das casas e nos seus arredores: A equipe munida com luvas e pinças longas, removia pedras, vasculhava a vegetação, verificava os quadros de energia elétrica, rastelava as áreas em volta das casas, e então aplicava o inseticida, explica André Luís. Em certos casos, foi preciso fazer uma nova aplicação, pois aconteceram novas ocorrências em casas já atendidas. O reforço do inseticida era feito numa dose triplicada seguindo a orientação do fabricante. Ao final de 10 meses, abrangendo uma grande área tratada com inseticida, houve um declínio acentuado de registros de novas ocorrências. Esse é um dado importante porque ao contrário dos dados existentes na literatura que dizem que inseticida não mata escorpião, conseguimos mostrar que desde o início do nosso trabalho, que o número de escorpiões foi diminuindo e no final de 10 meses, a área tratada teve um índice muito baixo de ocorrência e se manteve até maio desse ano. Isso prova que o trabalho de aplicação se bem executado, com critérios e honestidade faz o resultado aparecer, diz André Luís. O comentário é reforçado por Vivian: Conseguimos perceber a resposta positiva, porque quando fomos coletar os dados nas casas dos condôminos, perguntávamos sobre todas as ocorrências. Através desse histórico montamos gráficos de 2003 a 2006, e então, percebemos que no período anterior ao nosso trabalho, havia um aparecimento crescente da população de escorpiões nas residências ano a ano. Quando entramos com o tratamento, percebemos que realmente o produto fez diferença, pois a quantidade de escorpiões diminuiu. o trabalho de aplicação se bem executado, com critérios e honestidade faz o resultado aparecer 12 Jul-Ago-Set/2007 CRBio-01 O BIÓLOGO

13 DESTAQUE A aplicação correta do inseticida diminuiu o índice de ocorrências de escorpiões (Fotos: TECPRAG) Vivian diz que o escorpião amarelo encontrado no Estado de São Paulo é originário de Minas Gerais: É um animal que invadiu o Estado e vem tomando conta de vários locais, inclusive competindo com as outras espécies de escorpiões como o escorpião marrom (T. bahiensis) que ocorre naturalmente no Estado de São Paulo e fazendo com que as espécies de escorpiões autóctones declinem, aumentando sua população. André Luís, explica que o escorpião marrom (T. bahiensis) apresenta machos e fêmeas e que ocorre a corte antes do acasalamento. E ressalta que em algumas espécies que não ocorrem no Brasil mesmo havendo machos, as fêmeas podem recorrer à partenogênese mostrando a capacidade de reprodução dos escorpiões (ver fotos abaixo). A dinâmica das duas espécies de escorpiões encontradas Através dos levantamentos verificou-se a infestação de duas espécies de escorpiões: Tityus serrulatus, conhecido também como escorpião amarelo, e Tityus bahiensis, o escorpião marrom. Foi possível também conhecer mais sobre a dinâmica das duas espécies: Durante a busca ativa feita nas áreas de preservação permanente, encontramos o escorpião marrom, e nas áreas antropizadas, com atividade humana, deparamos em sua maioria com o escorpião amarelo, mostrando que este está muito mais próximo do ambiente alterado pelo homem, afirma André Luís. Entretanto, Vivian ressalta que o escorpião marrom também foi observado nas áreas próximas às edificações: As duas espécies estão distribuídas amplamente por todo o condomínio, porém a proporção entre os tipos de áreas é discrepante. Nas áreas onde há vegetação preservada, existe a predominância da espécie marrom, e nos locais onde há edificações, o número de escorpiões amarelos é muito maior. André Luís frisa que o escorpião amarelo é um animal que está muito bem adaptado ao ambiente urbano, e que possui mecanismos que permitem a sua locomoção por tubulações, e redes de esgoto e de água pluvial, que servem como abrigo contra as intempéries, além de se alimentarem das baratas que ali também se encontram. Também lembra que a reprodução dessa espécie (T. serrulatus) é feita por partenogênese, ou seja, a fêmea não precisa do macho para a fecundação. Dessa forma, essa espécie poupa a energia que seria usada no acasalamento, e dissemina-se por todo o ambiente. Gerenciamento Integrado de Pragas Após a entrega do relatório final ao cliente, a TECPRAG apresentou uma palestra à gerência do condomínio na qual explanou sobre os dados coletados e resultados obtidos. A partir desse momento, gerou-se uma proposta de manejo integrado que chamamos aqui na empresa de GIP - Gerenciamento Integrado de Pragas. A proposta incluía: manter o atendimento periódico nas casas que já tinham sido atendidas, pois provou-se que estavam inseridas em zona de risco, e estender a pesquisa e o atendimento para o restante do condomínio, afirma André Luís. Paralelamente, também foi incluído o controle de baratas de esgoto (Periplaneta spp), fonte de alimento para o escorpião. O biólogo explica que o atendimento contratado compreende aplicações periódicas de inseticida nas Tityus serrulatus Tityus bahiensis Ambos Tityus serrulatus (escorpião amarelo); Tityus bahiensis (escorpião marrom) e mapa de distribuição das duas espécies no Estado de São Paulo O BIÓLOGO CRBio-01 Jul-Ago-Set/

14 DESTAQUE casas e áreas perimetrais, e abertura e vistoria nas quase três mil tampas das redes de esgoto, água pluvial e elétrica. As tampas abertas em que escorpiões foram encontrados também estão sendo marcadas com GPS, acrescenta. A importância da logística Além do embasamento científico, foi fundamental para o sucesso da realização deste trabalho, o planejamento logístico da empresa. André Luís comenta: É importante relatar que não foi e não está sendo fácil executar esse serviço, num condomínio de alto padrão, que abrange uma área de 270,3 hectares, 54 quilômetros de ruas internas, lotes e aproximadamente casas construídas. Nossa empresa sempre prestou pelo tratamento técnico, nosso trabalho sempre tem uma visão muito técnica. Então, o nosso planejamento logístico, que incluiu o treinamento dos nossos funcionários de como desenvolver o serviço, mostra a seriedade da empresa, e a confiança de que o cliente está comprando um trabalho que será bem executado. Além disso, conseguimos gerar trabalhos científicos e apresentá-los para o corpo de cientistas do Brasil e do exterior. Reafirmamos o nosso compromisso com a missão da empresa que é o controle de pragas no ambiente urbano. conseguimos gerar trabalhos científicos e apresentá-los para o corpo de cientistas do Brasil e do exterior A ligação com a comunidade científi ca: contribuições valiosas Para embasar cientificamente o relatório final, Vivian pesquisou e percebeu que faltavam dados: Principalmente sobre essas espécies do Brasil. O que está disponível são trabalhos sobre a epidemiologia, mas poucos sobre ecologia. Vimos que dentro dos focos que abordamos nesse trabalho, realmente existe pouca literatura, inclusive internacional. No Brasil, assim como em outros países, o escorpionismo é um problema crescente, com o agravante de ser uma praga peçonhenta. É uma pena que não haja tanto uma abordagem científica, que é o que buscamos neste projeto. André Luís conta que verificaram que os dados coletados neste trabalho eram valiosas informações, e que se transformadas em trabalhos científicos, a comunidade científica também poderia beneficiar-se. Assim, Vivian entrou em contato com pesquisadores da França, Inglaterra, Colômbia, Israel, Estados Unidos e Japão. Num desses contatos, conheceu o pesquisador Prof. Wilson Lourenço, diretor do Museu de História Natural da França, em Paris, especialista em escorpiões. Ele foi muito receptivo a nos auxiliar. Falou que o trabalho era interessante, que valia a pena enviar para um congresso e publicar. Vivian conta que fez um curso sobre bioestatística na Fundação Mata de Santa Genebra, em Campinas - SP, cujo ministrante era o biólogo, Prof. Julio César Voltolini, da Universidade de Taubaté. Ela diz: Comentei com ele sobre o trabalho, por ser doutor em ecologia terrestre, interessou-se e analisou conosco os dados. André Luís observa que foi muito importante o auxílio do Prof. Voltolini: A estatística indica o quanto os dados coletados são significantes cientificamente. Conseguimos então, inserir no primeiro relatório para o cliente a base científica do problema e inclusive fazer projeções da expansão da espécie se não fosse feito o controle químico através do gerenciamento integrado de pragas. Outra contribuição importante foi do médico veterinário Cláudio Luiz Castagna que trabalha na Vigilância em Saúde do distrito sudoeste da Prefeitura de Campinas (SP), que também ajudou na análise dos dados. A equipe que conseguimos reunir para trabalhar em cima dos dados, mostrou credibilidade para o cliente e a certeza de que o trabalho foi muito bem feito. O atendimento técnico envolve a abertura e vistoria de quase 3 mil tampas das redes de esgoto, água pluvial e elétrica. É feita a marcação com GPS nas tampas onde são encontrados escorpiões. No Brasil, assim como em outros países, o escorpionismo é um problema crescente, com o agravante de ser uma praga peçonhenta 14 Jul-Ago-Set/2007 CRBio-01 O BIÓLOGO

15 ESPECIAL DESTAQUE Os trabalhos científi cos O projeto de estudo iniciado em janeiro de 2006 e finalizado em outubro de 2006, gerou cinco resumos, sendo que quatro deles foram apresentados em forma de painel no 17th International Congresso of Arachnology que ocorre em São Pedro (SP), no período de 05 a 10 de agosto. São eles: Abundância de escorpiões jovens e adultos Tityus serrulatus e Tityus bahiensis (Scorpiones, Buthidae) em uma área urbana, Sudeste do Brasil. Associação entre umidade, pluviosidade, temperatura e abundancia de escorpiões Tityus serrulatus e Tityus bahiensis (Scorpiones, Buthidae) em uma área urbana, Sudeste do Brasil. Preferência de habitat de Tityus serrulatus e Tityus bahiensis (Scorpiones, Buthidae) em uma área urbana, Sudeste do Brasil. Investigação de padrões de distribuição espacial de juvenis e adultos de Tityus serrulatus e Tityus bahiensis (Scorpiones, Buthidae) em uma área urbana, Sudeste do Brasil. O quinto resumo foi aceito no VIII Congresso de Ecologia do Brasil que será em Caxambu (MG) dias 23 a 28 de setembro de 2007: Distribuição espacial de indivíduos adultos e juvenis de escorpiões Tityus serrulatus e Tityus bahiensis (Buthidae) em ambiente urbano, Campinas, SP. Vivian conta que os resumos poderão ser publicados no fim do ano, na revista The Journal of Arachnology, que será uma edição especial para os participantes do 17th International Congresso of Arachnology. O Biólogo e o controle de pragas urbanas A futura bióloga Vivian comenta a sua participação nesse trabalho: Quando iniciei meu curso de Biologia, não havia notado a área de controle de pragas urbanas como um campo de atuação para o biólogo. Quando veio a oportunidade de integrar a equipe, achei ótimo porque adoro a zoologia e a pesquisa, ir em busca de referências bibliográficas, de entrar em contato com os pesquisadores e poder colaborar. Ela diz que agora tem uma nova visão sobre o controle químico, que antes via como algo somente negativo, que agredia o meio ambiente: Sendo feito um trabalho de bom senso, dentro dos parâmetros recomendados, com métodos corretos o controle químico em áreas urbanas auxilia na diminuição de uma determinada praga, contribuindo com o bem-estar sanitário da população e causando o mínimo de impacto possível. Na opinião de André Luís, existem muitos trabalhos para serem feitos por biólogos no ambiente urbano. O biólogo deve-se colocar no mercado como profissional competente, ainda mais agora com as questões ecológicas do planeta. Ele acha também importante mostrar para a sociedade que através de um trabalho sério é possível fazer uma ligação entre uma empresa de controle de pragas urbanas e a comunidade científica. Há profissionais empenhados e capazes de realizar um trabalho conjunto com os pesquisadores, que estão desenvolvendo trabalhos fantásticos nas mais diversas áreas da Biologia. Quanto ao mercado do controle de pragas urbanas, ele adverte que os serviços não estão sendo bem vendidos. Essa é uma questão comercial: as empresas não estão sabendo vender o trabalho de controle de pragas devidamente no valor merecido de mercado. André Luís faz questão de frisar que sempre acreditou na Biologia e na missão do biólogo: Respeito muito a minha profissão, e este foi um trabalho que me deixa muito contente em poder apresentar e divulgar para os biólogos. Estudei em escolas públicas desde criança até o colegial, acredito que meu trabalho como biólogo no controle de pragas urbanas e sobretudo a coleta e divulgação desses cinco trabalhos científicos são uma maneira de eu devolver ao Estado e à sociedade a possibilidade de eu ter estudado gratuitamente no passado. (Fotos: TECPRAG) Há profissionais empenhados e capazes de realizar um trabalho conjunto com os pesquisadores, que estão desenvolvendo trabalhos fantásticos nas mais diversas áreas da Biologia Busca ativa por escorpiões na parte externa das casas e nos seus arredores O BIÓLOGO CRBio-01 Jul-Ago-Set/

16 EM FOCO Há cerca de 100 anos foram identificados os primeiros polimorfismos de grupo sangüíneo ABO que seriam utilizados para identificação forense. Atualmente, polimorfismos no DNA genômico e mitocondrial permitem a identificação precisa de indivíduos a partir de evidências mínimas de tecidos biológicos. A sociedade sempre foi permeada por crimes de todos os tipos e as técnicas de investigação são cada vez mais elaboradas. No jargão do direito, a prova científica é considerada a rainha das provas. Evidências subjetivas e depoimentos ainda são importantes para concluir um processo. Entretanto, uma prova científica quando bem elaborada é irrefutável. Uma comprovação científica que associe ou não, o suspeito ao crime torna a decisão judicial mais precisa. 16 Jul-Ago-Set/2007 CRBio-01 O BIÓLOGO O BIÓLOGO E O DNA FORENSE Euclides Matheucci Junior Equipe científica da DNA Consult Genética e Biotecnologia SS Ltda. Da direita para esquerda: Dra. Daniella Debenedetti Tambasco, Bióloga Maria Fernanda Chiari, Dr. Euclides Matheucci Junior, Dra. Adriana Medaglia, estudantes de biologia Bruno Garcia Rocha e Evandro Luis Prieto. A utilização de amostras biológicas para a identificação de evidências em cenas de crimes já é utilizada há mais de 60 anos através de tipagem sangüínea. Entretanto, a quantidade e preservação da evidência bem como a sensibilidade da metodologia em diferenciar indivíduos torna a tipagem sangüínea pouco eficiente. Em 1985 o pesquisador britânico Alec John Jeffreys utilizou, pela primeira vez, técnicas moleculares para solucionar um crime. Em 21 de novembro de 1983, Lynda Mann, de 15 anos de idade foi estuprada e assassinada. Em 31 de julho de 1986, outra garota de 15 anos, Dawn Ashworth, foi vítima do mesmo tipo de crime. Utilizando as técnicas disponíveis na época, pesquisadores forenses concluíram que o criminoso possuía o sangue do tipo A. Além disso, concluíram através de análises enzimáticas que o sêmen encontrado nas vítimas de ambos os crimes era semelhante, porém de um tipo comum, presente em 10% dos homens. Alec J. Jeffreys havia identificado polimorfismos presentes no DNA capazes de diferenciar indivíduos e decidiu utilizar a nova técnica para identificar o suspeito dos crimes. Os crimes ocorreram na vila de Narborough, em Leicestershire, na região central da Inglaterra. Jeffreys utilizou a tecnologia do RFLP (Restriction Fragment Length Polymorphism) para comparar as amostras de DNA extraídas do sêmen encontrado nas vítimas, com amostras de DNA coletadas dos homens que viviam naquela vila. Assim, foi possível identificar o criminoso, um homem chamado Colin Pitchfork, que confessou os crimes e foi sentenciado à prisão perpétua em 23 de janeiro de 1988, graças às análises de DNA. Desde então, as tecnologias para identificação individual vêm sendo aprimoradas. Em 1985 Alec J. Jeffreys utilizou marcadores denominados minissatélites para resolver o crime. Para esta tecnologia são necessários microgramas (10-6 g) de DNA em bom estado. Atualmente, podemos trabalhar com DNA parcialmente degradado, com quantidades da ordem de fentogramas (10-12 g). A possibilidade de analisar quantidades de DNA tão ínfimas, da ordem de fentogramas, foi graças a uma tecnologia denominada PCR (Polymerase Chain Reaction) surgida em meados dos anos 80. A tecnologia do PCR é baseada na amplificação exponencial de seqüências específicas de DNA. Paralelamente ao desenvolvimento do PCR, foram identificados marcadores moleculares, no genoma humano, denominados microssatélites ou STRs (Short Tandem Repeats). Os STRs são repetições in tandem (seriais) de seqüências de nucleotídeos, sendo as repetições de tetranucleotídeos as mais utilizadas em análises de identificação humana. Com o seqüenciamento do genoma humano foi possível identificar milhares de STRs espalhados por todo o genoma. Estas estruturas ocorrem em posições específicas nos cromossomos, sendo que variam de um indivíduo para outro no número de repetições. Por exemplo, o STR D16S539 está localizado no cromossomo 16, na posição 16q24.1 e o tetranucleotídeo que se repete é 5 GATA 3. O STR D16S539 possui 21 diferentes alelos, ou seja, 21 tipos de repetições diferentes. Assim, um determinado indivíduo heterozigoto possui dois alelos diferentes no sistema STR D16S539: Alelo 5 (com cinco repetições de 5 GATA 3 : 5 GATA GATA GATA GATA GATA 3 ) e alelo 11 (com onze repetições de 5 GATA 3 : 5 GATA GATA GATA GATA GATA GATA GATA GATA GATA GATA GATA 3 ). Este indivíduo heterozigoto recebeu um alelo do pai e o outro da mãe. Para a realização de uma análise de identificação individual ou de investigação de paternidade são utilizados rotineiramente pelo menos 15 sistemas de STR mais um marcador sexual. Um exemplo de marcadores utilizados rotineiramente em laboratórios de todo o mundo são: Penta E, D18S51, D21S11, TH01, D3S1358, FGA, TPOX, D8S1179, vwa, Amelogenina, Penta D, CSF1PO, D16S539, D7S820, D13S317 e D5S818.

17 ESPECIAL EM FOCO Desde que cada alelo de um sistema de STR possui uma determinada freqüência na população, é estatisticamente possível identificar vínculos de paternidade bem como identificação individual com probabilidades a partir de 99,99%. Por exemplo, vamos analisar o indivíduo acima descrito como tendo os alelos 5 e 11 do STR D16S539. Em uma população brasileira, a freqüência dos alelos 5 e 11 é de 0,001 e de 0,282, respectivamente. Isto significa que, estatisticamente, para a população estudada, em cada 100 indivíduos analisados poderemos encontrar 1 indivíduo com o alelo 5 e 28,2 indivíduos com o alelo 11. Ou seja, o alelo 5 é mais raro do que o alelo 11. Bancos de dados forenses, com identificação individual baseada na análise de STRs, foram criados em diferentes países para facilitar a identificação de evidências em cenas de crimes. Nos Estados Unidos foi criado formalmente em 1994 um banco de dados denominado CODIS (Combined DNA Index System). O CODIS é de responsabilidade do FBI e contém a identificação individual de indivíduos condenados por crimes (índice de criminosos condenados) e também de evidências coletadas em cenas de crimes (índice forense). Em 2005, o CODIS possuía cerca de índices forenses e 2,8 milhões de índice de criminosos condenados. No Reino Unido, um banco de dados forense denominado NDNAD (National Criminal Intelligence DNA Database) possuía em 2005, 3,4 milhões de indivíduos cadastrados. Estes bancos de dados forenses possuem um papel fundamental na elucidação de crimes. É importante esclarecer que a maioria dos crimes é cometida por pessoas que já foram condenadas por outros crimes. Desta forma, quando uma cena de crime é analisada e evidências biológicas são coletadas, o DNA destas evidências é analisado e o resultado é comparado com os perfis de DNA cadastrado no banco de dados. Caso seja encontrado um perfil de DNA compatível, imediatamente é possível fazer a ligação do indivíduo cadastrado no banco de dados com a cena do crime. Centenas de casos de estupro e homicídio já foram resolvidos baseados nestes bancos de dados. No Brasil não existe este tipo de banco de dados. A utilização de técnicas de análise de DNA em casos forenses em Operação do seqüenciador automático de DNA modelo Megabace (Amersham Biosciences) pelo Dr. Euclides Matheucci Junior e Bruno Garcia Rocha, respectivamente, em pé e sentado. Este equipamento é utilizado na genotipagem automatizada das amostras de DNA. Sua capacidade de processamento é de cerca de 96 amostras a cada 1 hora e 20 minutos. nosso país está apenas iniciando, porém é uma atividade com rápido crescimento. A importância da análise de amostras forenses baseadas em técnicas de DNA é evidenciada pela iniciativa da Secretaria Nacional de Segurança Pública (SE- NASP), ligada ao Ministério da Justiça, em criar em cada estado da federação brasileira um laboratório para análise de DNA e ainda providenciar o treinamento de técnicos. É fundamental o trabalho do Biólogo frente aos laboratórios forenses de análise de DNA. Devo mencionar que os currículos dos cursos de Ciências Biológicas são os que fornecem a melhor base para o profissional que trabalha com análises de DNA. Os Biólogos, invariavelmente, possuem boa formação em genética, bioquímica, microbiologia e ainda forte base em biologia molecular. Um exemplo da importância da atividade do Biólogo frente a laboratórios de análise forense do DNA é a liderança exercida pela Bióloga Alessandra Simões Bassini, responsável pelo Núcleo de Perícias Laboratoriais do IMESC (Instituto de Medicina Social e de Criminologia do Estado de São Paulo), autarquia ligada à Secretaria Estadual da Justiça e da Defesa da Cidadania. O IMESC realiza análises de DNA para estabelecimento de vínculo genético a pedido da Justiça do Estado de São Paulo. Graças à modernização implantada pela Bióloga Alessandra Simões Bassini, em 2006 o IMESC expediu laudos de investigação de paternidade. Contamos com um parque tecnológico instalado, bem como com profissionais habilitados para realização das mais complicadas perícias forenses utilizando análises do DNA. As valiosas análises de DNA empregadas para a identificação das vítimas dos recentes desastres aéreos no país, demonstram a ótima formação de nossos profissionais. Além dos laboratórios públicos, laboratórios privados têm se dedicado à pesquisa e desenvolvimento de tecnologias empregadas na identificação individual e análises de paternidade. Em São Carlos (SP), conhecida como a Capital da Tecnologia, a DNA Consult Genética e Biotecnologia SS Ltda. trabalha há 12 anos com identificação individual e paternidade em casos cíveis e criminais. Contando com o apoio da FAPESP em diversos projetos PIPE (Programa de Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas), a empresa utiliza tecnologia de ponta para solucionar casos rotineiros de investigação de paternidade, bem como com casos de reconstituição de genoma e exumações. Além disso, a empresa atua fortemente na área forense, tendo resolvido vários crimes de estupros, (Fotos: DNA Consult) O BIÓLOGO CRBio-01 Jul-Ago-Set/

18 EM FOCO homicídios e crimes ambientais utilizando ferramentas de análise do DNA. A aproximação da DNA Consult junto às autoridades da Justiça e da Polícia, bem como com os demais operadores do Direito é de fundamental importância para a realização das análises forenses. A atuação do Biólogo na área forense depende de uma adaptação do jargão biológico para uma linguagem usual, que pode ser clara e plenamente entendida. A construção de uma prova forense depende de vários aspectos: a coleta, armazenamento e transporte das evidências; a documentação da cadeia de custódia das evidências; o rigor científico das análises; e finalmente, a precisão e clareza do laudo. O Biólogo responsável pelas análises de DNA Forense deve estar atento para todos os estes aspectos, fazendo valer o juramento do Biólogo: JURO, PELA MINHA FÉ E PELA MINHA HONRA E DE ACORDO COM OS PRINCÍPIOS ÉTICOS DO BIÓLOGO, EXERCER AS MINHAS ATIVIDADES PROFIS- SIONAIS COM HONESTIDADE, EM DEFESA DA VIDA, ESTIMULANDO O DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E HUMANÍSTICO Ligar um suspeito à arma utilizada em um homicídio. Houve um homicídio onde a arma usada no crime foi jogada em um matagal pelo criminoso. A Polícia encontrou a arma e tinha três suspeitos da autoria do crime. A arma foi trazida ao laboratório para a coleta de evidências, porém estava bastante oxidada. Como a DNA Consult conta com uma equipe experiente, a arma foi desmontada e no interior de uma das placas de madeira que compõe o cabo da arma foi encontrado um material. O material poderia ser ferrugem, tinta ou sangue e foi identificado como sendo sangue. O DNA foi então isolado e analisado. Quando comparado com o perfil do DNA dos suspeitos foi possível concluir que a amostra de sangue, encontrada na parte de dentro do cabo da arma, era a mesma de um dos suspeitos, com uma probabilidade de 99, %. Mais tarde, o suspeito indiciado confessou que dois anos atrás ele havia se machucado ao limpar a arma e não sabia que seu sangue teria escorrido para dentro do cabo. A prova científica levou á condenação do criminoso; Em casos de estupro é possível extrair o DNA de amostras do sêmen a partir de esfregaço vaginal da vítima ou de manchas deixadas em vestes; Em um caso recente de homicídio por atropelamento não houve testemunhas. Porém, a polícia encontrou um veículo com suspeita de envolvimento no crime. O dono do veículo negou o crime, entretanto amostras coletadas na parte de baixo do automóvel tiveram o DNA analisado e comparado com o DNA da vítima. Concluímos que as amostras de tecidos biológicos coletados no automóvel pertenciam à vítima, com uma probabilidade de 99, %. Recentemente, uma equipe da UFS- Car estabeleceu uma tecnologia capaz de identificar carne de capivara a partir do DNA (Braz. J. Biol Feb;67(1):189-90). Utilizando esta metodologia foi possível analisar diversas amostras de carne apreendidas em diferentes ocasiões, pela Polícia Ambiental de São Carlos, Ribeirão Preto e outras cidades da região. A identificação das amostras como sendo carne de capivara, revela crime ambiental e desmente os caçadores que diziam tratar-se de carne bovina. A área de análises forenses de DNA está em franco crescimento no país e o profissional Biólogo possui capacidade para ocupar este novo nicho de trabalho. É evidente que para atuar em um laboratório de análises forenses de DNA, privado ou público, é necessária especialização e experiência, porém reafirmo que o Biólogo é o profissional melhor capacitado para tal tipo de trabalho. COM JUSTIÇA E PAZ. A evolução tecnológica permite a análise de evidências forenses, mesmo que parcialmente degradadas e/ou antigas. Posso citar alguns exemplos de casos resolvidos em meu laboratório, sendo que existem ainda muitos outros exemplos: Estabelecimento de vínculo genético a partir de evidências extraídas de canudo plástico. Neste caso dois canudos de plástico usados para tomar suco foram coletados em uma lanchonete em Recife-PE e enviados ao laboratório. Foi possível extrair o DNA de células dos lábios aderidas ao canudo, e realizar a análise de STRs; Coleta de DNA em evidência de assassinato. Este revólver Taurus, calibre 0,38 foi utilizado em um homicídio. Após minucioso exame foi possível coletar amostra de sangue coagulado presente no interior do cabo da arma. A análise de DNA da evidência foi comparada com amostras de DNA dos suspeitos do crime e o criminoso identifi cado. 18 Jul-Ago-Set/2007 CRBio-01 O BIÓLOGO

19 COMISSÕES Durante a 121ª Sessão Plenária do CRBio-01, realizada no dia 15 de junho de 2007 foi aprovada a indicação dos integrantes das Comissões Permanentes e Comissões Técnicas para o período (Portaria CRBio-01 nº4 à nº12, de 20 de junho de 2007) Comissões Permanentes do CRBio-01 Comissão de Ética Profissional - Maria Teresa de Paiva Azevedo - Mário Borges da Rocha - Giuseppe Puorto - Eliana Maria Beluzzo Dessen - Sandra Farto Botelho Trufem Comissão de Formação e Aperfeiçoamento Profissional - Murilo Damato - Rosana Filomena Vazoller - Regina Célia Mingroni Netto - Maria Saleti Ferraz Dias Ferreira - Marlene Boccatto Comissão de Tomada de Contas - Adauto Ivo Milanez - Maria Tereza de Paiva Azevedo - Marlene Boccatto Comissão de Licitação - Luiz Eloy Pereira - Eliana Maria Belluzzo Dessen - Edison de Souza - Edison Kubo - Sueli de Oliveira Bonafé Santos Comissão de Legislação e Normas - Ângela Maria Zanon - Normandes Matos da Silva - Sarah Arana - Eliézer José Marques - Osmar Malaspina Comissão de Orientação e Fiscalização do Exercício Profissional - Eliézer José Marques - Eliana Maria Belluzzo Dessen - Edison de Souza - Sarah Arana Comissões Técnicas do CRBio-01 Comissão de Saúde - Regina Célia Mingroni Netto - Marlene Boccatto - Airton Viriato de Freitas - Ana Paula de Arruda Geraldes Kataoka - Rute Andrade Comissão de Meio Ambiente - Murilo Damato - Rosana Filomena Vazoller - Maria do Carmo Carvalho - Elizabete Aparecida Lopes - Mariana de Melo Rocha Comissão de Comunicação e Imprensa - Adauto Ivo Milanez - Sandra Farto Botelho Trufem - Giuseppe Puorto - Maria Eugenia Ferro Rivera Análises Clínicas - Nota de Esclarecimento 1 - As notícias veiculadas por alguns meios de comunicação acerca da impossibilidade de atuação do profissional Biólogo na área das Análises Clínicas não condizem com a realidade sendo, pois, infundadas e inverídicas. 2 Inexiste ação judicial transitada em julgado que vede a atuação do Biólogo na área das Análises Clínicas, muito pelo contrario, a sentença do processo nº que tramitou perante a 6ª Vara Federal da Seção Judiciária de Pernambuco, e já transitada em julgado desde agosto de 1995, assim garante:...retrata a lide, a se ver, a disputa pelo mercado de trabalho, ou seja, pelo espaço profi ssional, que é um sub-espaço vital e, se não tem contornos ecológicos, tem-nos, induvidosamente, econômicos. A biologia, como estudo da vida, é a ciência mater cujos ramos científicos - Histologia, Citologia, Genética, Anatomia, Antropologia, Taxonomia, Fisiologia, Geratologia, Botânica, Zoologia, Ecologia, etc. - bem como os respectivos sub-ramos, são aplicados, ora, exclusivamente; ora, concorrentemente, por técnicos diversos, como naturalistas, biólogos, ou biomédicos, médicos veterinários, botânicos, zootecnistas, segundo as suas especializações técnico universitárias e de acordo com as normatizações profissionais respectivas. Nada impede que técnicos de áreas afins concorram salutarmente em determinados campos às suas capacitações profissionais, como veterinários e zootecnistas, médicos e enfermeiros, agrônomos e botânicos, etc.. Há uma zona gris entre profissões distintas, que em vez de ficar centrifugamente desguarnecidas, deve ser centripetamente preenchida por tais profissionais, e assim, ao invés de excluírem, concorrerem para suprir a carência social. Aliás, o próprio Autor reconhece a existência de outros profissionais universitários, que não biomédicos, com capacidade de análise clínica, tais como farmacêutico e o próprio médico, afigurando-se, assim, a pretensão de exclusão dos biólogos, em uma birra umbelical, posto serem estes profissionais, histórica e curricularmente, muito mais ligados às suas atividades... Ademais, quer pela portaria revogada, baixada pelo Réu, quer pela Resolução revogadora, do Conselho Federal de Biologia, os biólogos e naturalistas para fazerem jus à habilitação em análises clínicas necessitam comprovar terem cursado em nível de graduação, ou pós-graduação, as matérias específicas de tal especialidade, enumeradas nos diplomas referidos. Ora, as próprias universidades permitem a graduados matricularem-se em cursos da mesma área com abatimento dos créditos de cadeiras já cursadas. Seria, pois, incoerente que o profissional biólogo que, além de ter cursado as cadeiras comuns, tenha também cursado as matérias específicas, seja tolhido no exercício da profissão para a qual se capacitou, apenas devido à denominação do seu curso. Em suma, tanto o biólogo, quanto o biomédico, concorrem com igual capacitação para elaboração de análises clínico-laboratoriais, ainda que a competência para a fiscalização do trabalho profissional esteja afeta a conselhos profissionais diversos, cabendo, no primeiro caso, ao Réu e, no segundo, ao Autor.(GRIFO NOSSO) 3 Desta forma, o profissional Biólogo está legalmente habilitado a atuar na área das Análises Clínicas de acordo com a Resolução nº 12/1993 do Egrégio Conselho Federal de Biologia em consonância com o poder regulamentar a ele atribuído pelo disposto no inciso II do artigo 10 da Lei nº 6.684/79 c/c o artigo 1º da Lei nº 7.017/83 e ainda do inciso III do artigo 11 do Decreto nº /83. São Paulo, 03 de agosto de PRESIDENTES DOS CONSELHOS REGIONAIS DE BIOLOGIA O BIÓLOGO CRBio-01 Jul-Ago-Set/

20 CFBio CFBio DIVULGA ELEIÇÃO DO CFBio (Mandato outubro 2007 outubro 2011) 1 AVISO DE REGISTRO DE CHAPA: A Comissão Eleitoral do CFBio, instituída pela Portaria CFBio nº 062/2007, de 15 de maio de 2007, e de acordo com a Resolução n.º 112, de 11 de maio de 2007, publicada no DOU de , a qual deu publicidade externa à Instrução Eleitoral que Regulamenta o Processo de Eleição e a Posse dos Conselheiros Federais para o mandato do quadriênio outubro de 2007 a outubro de 2011, torna público a quem possa interessar, que foi inscrita e deferida uma Chapa denominada VALORIZAÇÃO, sob o número 01, para concorrer às Eleições do Conselho Federal de Biologia CFBio no dia 25 de setembro de 2007, com a seguinte composição membros Efetivos: Celso Luis Marino CRBio 10611/01- D; Ermelinda Maria De Lamonica Freire CRBio 01233/01-D; Elizeu Fagundes de Carvalho CRBio 12914/02-D; Sidney José da Silva Grippi CRBio 7339/02-D; Inga Ludmila Veitenheimer Mendes CRBio 3455/03-D; Maria do Carmo Brandão Teixeira CRBio 00381/04-D; Jorge Portella Bezerra CRBio 03711/05-D; Pedro Henrique de Barros Falcão CRBio 19161/05-D; Marcelo Garcia CR- Bio 10137/06-D e Lídia Maria da Fonseca Maróstica CRBio 08073/07-D membros Suplentes: Catarina Satie Takahashi CRBio 01778/01-D; Jefferson Ribeiro da Silva CRBio 02451/04-D; Ulisses Rodrigues Dias CRBio 7967/02-D; Alessandro Trazzi Pinto CRBio 21590/02-D; Vera Lúcia Maróstica Callegaro CRBio 02394/03-D; Herbert Otto Roger Schubart CRBio 02446/04-D; Lectícia Scardino Scott Faria CRBio 03848/05-D; Dilma Bezerra Fernandes de Oliveira CRBio 11157/05-D; Luiz Marcelo Lima Pinheiro CRBio 30361/06-D e Yedo Alquini CRBio 05076/07-D. (Fonte: Diário Oficial da União, Seção 3, pág. 91, de ). 2 CURRICULUM RESUMIDO DOS CANDIDATOS: Celso Luis Marino formado pela UNESP Botucatu/SP em 1983 com Doutorado em Genética Molecular de Plantas, pela UNESP/Texas A&M University USA. Professor Assistente Doutor do Departamento de Genética do IB-UNESP-Botucatu/SP desde 1989, atuando como docente responsável por disciplinas de graduação e orientador junto ao programa de pós-graduação em Genética; Ermelinda Maria De Lamonica Freire Licenciada em História Natural, UFMT, Cuiabá-MT, 1975/1. Mestre em Ciências Biológicas, INPA/ FUA, Manaus-AM, fev/1979. Doutora em Ciências Biológicas, USP, São Paulo-SP, fev/1986. Aposentada UFMT, Atualmente, leciona no UNI- VAG Centro Universitário. Especialista em taxonomia de microalgas; Elizeu Fagundes de Carvalho Graduado em Ciências Biológicas pela UERJ (1977). Mestrado (1981) e Doutorado (1989) em Ciências Biológicas pela UFRJ. Docente da UERJ desde Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Biologia (1991 a 1995) e Diretor do Instituto de Biologia da UERJ (1996 a 2000). Coordena o Laboratório de Diagnósticos por DNA da UERJ desde a sua criação em 1997, atuando nas áreas de genética de populações, investigação criminal e de vínculos genéticos; Sidney José da Silva Grippi possui título de especialista em Planejamento e Gerenciamento Ambiental pelo CRBio-02; especialização no Instituto Tecnológico Ambiental Mapfre, Madrid/Espanha. Pós-Graduado em Engenharia do Meio Ambiente pela UERJ e em Perícia e Auditoria Ambiental pela Universidade Estácio de Sá. Possui mais de dez anos de experiência com gestão e controles ambientais na indústria. Inga Ludmila Veitenheimer Mendes Bacharel e Licenciada em História Natural pela PU- CRS. Mestrado em Doenças Parasitárias/UFRGS, Doutorado em Ciências/UFRGS. Ex-Conselheira, Vice-Presidente e Presidente CRBio-03. Aposentada como pesquisadora MCN/FZB; professora, orientadora (IC, M.Sc. e Dr.) e coordenadora curso de Biologia UFRGS. Atual colaboradora convidada UFRGS e Avaliadora Cursos de Biologia pelo UNEP/MEC; Maria do Carmo Brandão Teixeira Bacharel e Licenciada em História Natural, pela UFMG (1973). Mestre em Fisiologia Vegetal pela UFV (1979). Foi Conselheira do CRBio-04 e, posteriormente, Presidente nas gestões e , pesquisadora da Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais CETEC ( ) e bolsista do CNPq ( ). Atualmente é consultora do convênio UNESCO/IEF e membro da COFEP do CRBio-04; Jorge Portella Bezerra Bacharel em Ciências Biológicas em 1985 pela UFPE e Mestre em Genética (1992) pela UFRJ. É professor de Genética da UFAL, concursado desde Foi Conselheiro Efetivo do CRBio-05 ( ) e seu Presidente no biênio É Conselheiro Efetivo do CFBio, gestão , onde exerce o cargo de Coordenador da Comissão de Tomada de Contas; Pedro Henrique de Barros Falcão Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal Rural de Pernambuco, Mestre em Ciências pelo Instituto Oswaldo Cruz / FIOCRUZ-RJ. Professor Assistente da Universidade de Pernambuco, Campus Garanhuns, onde atualmente exerce a função de Diretor com mandato até junho de 2009, Conselheiro do CRBio-05 desde 2000, onde foi da CTC e está no terceiro mandato de Presidente; Marcelo Garcia Bacharel em Ciências Biológicas pela UNESP de São José do Rio Preto em Tem Mestrado em Biologia de Água Doce e Pesca interior pelo INPA em Manaus. Atua no ensino superior em zoologia de vertebrados e pesquisa em ecologia e taxonomia de peixes de água doce. Desde 2000 trabalha como analista ambiental do Instituto de proteção Ambiental do Estado do Amazonas, em Manaus; Lídia Maria da Fonseca Maróstica Bióloga responsável pelo Setor de Unidades de Conservação, Parques e Jardins da Prefeitura Municipal de Maringá por 15 anos; Diretora Técnica da Secretaria de Meio Ambiente e Agricultura do município de Maringá desde 1985 e Secretária Interina desta Secretaria por duas vezes, Láurea Profissional Mérito em Biologia em 1998 pelo CRBio-03. Professora convidada do CESUMAR e UNIVALE; Catarina Satie Takahashi Docente da FFCL, de Ribeirão Preto, USP. Doutorado (1972), livre docência (1980) e titular (1990) pela USP/RP. Tem estágio nos USA, Japão, Portugal, Holanda e Suíça. Orientou inúmeros IC, 23 teses de doutorado e 25 dissertações de mestrado, todos na área de genética, mutagênese. Atuou no CRBio- 01, , no CNPq, CAPES, SESU/MEC, SBPC, SBG, ALAMCTA; Jefferson Ribeiro da Silva Graduado em Ciências Biológicas pela PUC-Minas em 1976, atua em gerenciamento e administração de projetos de inventário, monitoramento, manejo, criação, translocação e reintrodução de espécies da fauna e gerenciamento de Unidades de Conservação na CEMIG desde Foi Vice-Presidente da ABBIO/MG ( ) e Conselheiro Efetivo do CRBio-04 ( ). É atualmente Conselheiro Efetivo do CFBio; Ulisses Rodrigues Dias Graduado em Ciências Biológicas, especialista em Citopatologia (CRBio-02, 1993). Tem pós-graduação Lato Senso em Biologia Geral (1986) e Mestrado (2006) pela Universidade Severino Sombra. Prof. Titular de Biofísica e Patologia, supervisor de estágio em Análises Clínicas e Coordenador do Curso de Ciências Biológicas Universidade Severino Sombra e TRT do Laboratório Dr. Ulisses Anatomia Patológica e Citopatologia; Alessandro Trazzi Pinto Esp. em Ecologia e Recursos Naturais e Mestre em Engenharia Ambiental pela UFES. Auditor Líder de Sistema de Gestão Ambiental ISO Sócio- Proprietário e Diretor Técnico da Divisão de Meio Ambiente do CTA Centro de Tecnologia em Aqüicultura e Meio Ambiente. Delegado do CRBio- 2ª Região ES; Vera Lúcia Maróstica Callegaro Bacharel e Licenciada em História Natural. Mestre em Botânica Sistemática e Doutora em Ciências. Técnica Superiora Pesquisadora da Fundação Zoobotânica do RS. Foi Diretora Executiva do Museu de Ciências Naturais da Fundação Zoobotânica do RS, Secretária de Estado do Meio Ambiente do RS, Presidente do Sindicato dos Biólogos do RS e Conselheira Presidente do CRBio-03. É Conselheira Secretária do CFBio; Herbert Otto Roger Schubart Bacharel e Licenciado em História Natural pela Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil (1965). Doutor em Ciências Naturais, área de Zoologia, pela Universidade de Kiel, Alemanha (1971). É Pesquisador U-III do MCT. Foi Pesquisador do Dept. Ecologia ( ) e Diretor-Geral do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA ( ). Coordenou o Programa de ZEE do Território Nacional (SAE-PR, ). É Vice-Presidente do CFBio; Lectícia Scardino Scott Faria Bacharel e Licenciada em História Natural, pela Faculdade Católica de Filosofia da Bahia (1964) tem curso de especialização em Ciências Biológicas pelo ICECC (1963). Treinamento para Professores pelo IBCCC e pela National Science Foundation (1965). Foi professora adjunto-4 da UFBA e Conselheira do CRBio-05. Atualmente é Profa. Titular de Botânica Sistemática na Universidade Católica do Salvador; Dilma Bezerra Fernandes de Oliveira Mestre em Oceanografia Biológica 20 Jul-Ago-Set/2007 CRBio-01 O BIÓLOGO

Os Sons do Pantanal Um Projeto de Monitoramento Acústico Automatizado da Biodiversidade

Os Sons do Pantanal Um Projeto de Monitoramento Acústico Automatizado da Biodiversidade Em Foco Os Sons do Pantanal Um Projeto de Monitoramento Acústico Automatizado da Biodiversidade Karl-L. Schuchmann, Marinêz Isaac Marques, Olaf Jahn, Todor Ganchev, Josiel Maimone de Figueiredo Foto: C.

Leia mais

MEC/CAPES. Portal de Periódicos

MEC/CAPES. Portal de Periódicos MEC/CAPES Portal de Periódicos A CAPES e a formação de recursos de alto nível no Brasil Criada em 1951, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) é uma agência vinculada ao

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

Envolver. Edição V Ano II Outubro de 2012. Um caso. de sucesso

Envolver. Edição V Ano II Outubro de 2012. Um caso. de sucesso Envolver Edição V Ano II Outubro de 2012 Um caso de sucesso 1 editorial primeiras letras O ano de 2012 vai chegando ao fim com boas notícias para Pedro Leopoldo. As várias ações de investimento social

Leia mais

Eleições para representantes discentes da pós-graduação da FSP-USP (2015-2016).

Eleições para representantes discentes da pós-graduação da FSP-USP (2015-2016). Eleições para representantes discentes da pós-graduação da FSP-USP (2015-2016). 1. Candidatos (chapa) para a Congregação Carolina Rogel + Suely Aparecida Kfouri Sakaguti Carolina Rogel Fonoaudióloga, atualmente

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO 1 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO Este formulário de cunho confidencial, deve ser preenchido pelo supervisor de estágio e enviado, em envelope lacrado, ao SETOR DE ESTÁGIOS DA FEIS - FACULDADE

Leia mais

C T & I PARA A AMAZÔNIA LEGAL

C T & I PARA A AMAZÔNIA LEGAL C T & I PARA A AMAZÔNIA LEGAL David C. Oren Coordenador de Biodiversidade Coordenação Geral de Gestão de Ecossistemas e Biodiversidade - CGEB Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisas e Desenvolvimento

Leia mais

Portal PPBio Amazônia na Internet Relatório da versão 1.1 do Portal do PPBio Debora Drucker, Ana Carolina Pimenta, Ian Lawrence, Responsáveis

Portal PPBio Amazônia na Internet Relatório da versão 1.1 do Portal do PPBio Debora Drucker, Ana Carolina Pimenta, Ian Lawrence, Responsáveis Projeto Título Autoria e Portal PPBio Amazônia na Internet Relatório da versão 1.1 do Portal do PPBio Debora Drucker, Ana Carolina Pimenta, Ian Lawrence, Responsáveis Objetivos Público alvo Nome do arquivo

Leia mais

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO ORÇAMENTÁRIA JOSÉ TADEU JORGE REITOR UNICAMP 26/08/2015 - ALESP 1 PRIMEIROS ANOS -CAMPUS CAMPINAS 2 MARÇO 2014 -CAMPUS CAMPINAS 3 HOJE -CAMPUS CAMPINAS UNIVERSIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

Relatório de Atuação do CEAF em 2007

Relatório de Atuação do CEAF em 2007 Relatório de Atuação do CEAF em 2007 Introdução O CEAF é o órgão auxiliar do Ministério Público responsável pela educação institucional. Através do desenvolvimento de projetos educacionais que atendam

Leia mais

Sistema CFBio/CRBios e a Criação. de Novos Regionais

Sistema CFBio/CRBios e a Criação. de Novos Regionais Sistema CFBio/CRBios e a Criação de Novos Regionais Novo Regional do Planalto Central: Plano estratégico para criação Lei 6684 de 03 de Setembro de 1979 Art. 10 - Compete ao Conselho Federal: IV - organizar,

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão

Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão SET 2014 A SET (Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão) é a principal associação de profissionais que trabalham com tecnologias e sistemas operacionais

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

- PROJETO CUIDADOR IPC (INSTITUTO PAULISTA DE CANCEROLOGIA)

- PROJETO CUIDADOR IPC (INSTITUTO PAULISTA DE CANCEROLOGIA) - PROJETO CUIDADOR IPC (INSTITUTO PAULISTA DE CANCEROLOGIA) Vera Anita Bifulco ministrou a aula: Quem é o cuidador? Quem cuida do cuidador? Cuidados paliativos no Projeto Cuidador, em 02 de Junho de 2009,

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

fazem bem e dão lucro

fazem bem e dão lucro Melhores práticas de fazem bem e dão lucro Banco Real dá exemplo na área ambiental e ganha reconhecimento internacional Reunidos em Londres, em junho deste ano, economistas e jornalistas especializados

Leia mais

São Paulo, 17 de junho de 2009

São Paulo, 17 de junho de 2009 São Paulo, 17 de junho de 2009 VIII SEMINÁRIO ORGANIZADO PELO COMITÊ DE SAÚDE Tema: "Ambiente de Inovação em Saúde no Brasil" Nos conhecendo... Davi Sales - Engenheiro Eletrônico experiência em interação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

Observatório do Turismo

Observatório do Turismo USUS 2012 Observatório do Turismo Cidade de São Paulo Brasil Turismo no Mundo 9,0% Representatividade no PIB Mundial em 2011 US$ 6,3 TRILHÕES Movimentação Financeira em 2011 980 MILHÕES Viagens no Mundo,

Leia mais

CARTILHA DO INGRESSANTE U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E C A M P I N A S

CARTILHA DO INGRESSANTE U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E C A M P I N A S CARTILHA DO INGRESSANTE U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E C A M P I N A S Bem-vindo a U N I V E R S I D A D E E S TA INTRODUÇÃO Prezado Servidor, Estamos felizes em tê-lo conosco, pois a partir

Leia mais

ONG ALTO ASTRAL REEDUCAÇÃO AMBIENTAL PROJETO ECOMÓVEL

ONG ALTO ASTRAL REEDUCAÇÃO AMBIENTAL PROJETO ECOMÓVEL A ONG ALTO ASTRAL 1. Nome do projeto de responsabilidade social. A Astral Saúde Ambiental, maior empresa de controle de pragas urbanas da América Latina, líder no mercado nacional com mais de 5.500 contratos

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

Antônio Carlos Bento Ribeiro

Antônio Carlos Bento Ribeiro Antônio Carlos Bento Ribeiro Acredito que a Academia pode e deve participar do processo de renovação do Direito do Trabalho no Brasil. Centrada essencialmente nas transformações que têm afetado o mundo

Leia mais

Guia da Assessoria de Imprensa UNIFESP. Departamento de Comunicação Institucional. São Paulo 2012

Guia da Assessoria de Imprensa UNIFESP. Departamento de Comunicação Institucional. São Paulo 2012 Guia da Assessoria de Imprensa UNIFESP Departamento de Comunicação Institucional São Paulo 2012 Reitor Prof. Dr. Walter Manna Albertoni Vice-Reitor Prof. Dr. Ricardo Luiz Smith Chefe de Gabinete Prof.

Leia mais

ÍNDICE - 01/05/2007 O Globo... 2 Ciência...2 O Estado de S.Paulo... 3 Vida&...3 Anvisa fumo Jornal de Brasília... 4 Cidades...4

ÍNDICE - 01/05/2007 O Globo... 2 Ciência...2 O Estado de S.Paulo... 3 Vida&...3 Anvisa fumo Jornal de Brasília... 4 Cidades...4 ÍNDICE - O Globo...2 Ciência...2 EURECA...2 O Estado de S.Paulo...3 Vida&...3 Anvisa prorroga consulta sobre fumo...3 Jornal de Brasília...4 Cidades...4 GDF quer acabar com a fila da cirurgia em 18 meses...4

Leia mais

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER II ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SOCIEDADE BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SBPJor FACULDADE DE COMUNICAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 26 E 27 DE NOVEMBRO DE 2004 SALVADOR

Leia mais

CONCURSO FOTOGRÁFICO: PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DOS VEADEIROS: ENCANTOS DO CERRADO

CONCURSO FOTOGRÁFICO: PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DOS VEADEIROS: ENCANTOS DO CERRADO CONCURSO FOTOGRÁFICO: PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DOS VEADEIROS: ENCANTOS DO CERRADO 1: APRESENTAÇÃO: O PNCV está localizado no Cerrado Goiano, no coração da Chapada dos Veadeiros. Suas belezas naturais

Leia mais

Documento de Trabalho n 111. Relatório do Censo da Educação Superior, ano 2012.

Documento de Trabalho n 111. Relatório do Censo da Educação Superior, ano 2012. Documento de Trabalho n 111 Relatório do Censo da Educação Superior, ano 2012. Autores Gabriela dos Santos Mayall gmayall@candidomendes.edu.br Julia Vogel de Albrecht julia.vogel.albrecht@gmail.com Rio

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social A Assessoria de Comunicação Social (ASCOM) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG é uma unidade de apoio e assessoramento da Instituição, diretamente ligada ao Gabinete da Reitoria, que dentre suas

Leia mais

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE

COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE COMUNIDADE ACADÊMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSERIDA NA MOBILIZAÇÃO CONTRA DENGUE MACHADO, Luana Pequeno Vasconcelos¹; SOUSA, Bruna Katiele de Paula²; VALADÃO, Danilo Ferreira³; SIQUEIRA, João

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Curso de Ciências Biológicas Diretora: Profª. Dra. Lourdes Maria Abdu El-moor Loureiro Assessores: Profª. Dra. Melina Guimarães Profª. Dra. Luciana de Mendonça Galvão Agosto

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 12/2012 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 1) Área de Conhecimento:

Leia mais

Servidores contam como ganharam qualidade de vida trabalhando remotamente

Servidores contam como ganharam qualidade de vida trabalhando remotamente 1 de 5 22/01/2015 08:01 49 usuários online Área Restrita Ações Filie-se Contato Pesquisar... Institucional Ações Notícias Vídeos Mural de Permutas Convênios TRT's Espaço C NOTÍCIAS: Ações Parlamentar Convênios

Leia mais

PESSOAL PONTO APRESENTAÇÃO

PESSOAL PONTO APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO PONTO PESSOAL A PONTO PESSOAL É A PRIMEIRA AGÊNCIA E REVISTA DIGITAL DE MARKETING PESSOAL DO BRASIL QUE TRABALHA ESTRATÉGIAS PARA DIFERENCIAR PESSOAS NO MEIO PROFISSIONAL. 2010-2015 MARKETING

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES DE BIOLOGIA QUE ATUAM NAS ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE ANÁPOLIS/GOIÁS Jaqueline Souza Lacerda 1,4 ; Eude de Sousa Campos 2,4 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Valéria Flores Peres UF: RS ASSUNTO: Solicita posicionamento do Conselho Nacional de Educação para revalidação do

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS A Fundace Fundação para Pesquisa do Desenvolvimento da Administração, Contabilidade e Economia, fundação de apoio formada pelos professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade FEA/

Leia mais

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão;

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; RESOLUÇÃO CEPE/CA Nº 189/2007 Aprova o Regulamento do Programa de Residência em Medicina Veterinária, da Universidade Estadual de Londrina. contidos no processo nº 13270/2006; CONSIDERANDO os pronunciamentos

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 075-MA

FICHA PROJETO - nº 075-MA FICHA PROJETO - nº 075-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM BIODIVERSIDADE DA SERRA DOS ÓRGÃOS: UMA ALIANÇA ENTRE EDUCAÇÃO, TURISMO E CONSERVAÇÃO. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil... 2 Brasília...2 Folha de S.Paulo... 4 Ciência/ MEDICINA...4 Zero Hora (RS)... 6 Coluna...6

ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil... 2 Brasília...2 Folha de S.Paulo... 4 Ciência/ MEDICINA...4 Zero Hora (RS)... 6 Coluna...6 ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil...2 Brasília...2 Campanha tenta evitar surto de hantavirose...2 Folha de S.Paulo...4 Ciência/ MEDICINA...4 Pesquisadora dá uma palestra hoje em Salvador...4 Zero Hora

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

2009, um ano de grandes realizações e conquistas

2009, um ano de grandes realizações e conquistas 2009, um ano de grandes realizações e conquistas 2009 foi um ano de grandes realizações e conquistas para o Serviço Social da Indústria (SESI), entidade que integra o Sistema Federação das Indústrias no

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA e POLÍTICA RURAL. REQUERIMENTO Nº 2003 (Do Deputado Waldemir Moka)

COMISSÃO DE AGRICULTURA e POLÍTICA RURAL. REQUERIMENTO Nº 2003 (Do Deputado Waldemir Moka) COMISSÃO DE AGRICULTURA e POLÍTICA RURAL REQUERIMENTO Nº 2003 (Do Deputado Waldemir Moka) Requeiro, nos termos regimentais, seja realizado o Seminário INOVAÇÕES BIOTECNOLÓGICAS NA AGRICULTURA, dividido

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS

RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS RELATÓRIO TÉCNICO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS Intituição: Embrapa Cerrados / Centro de Pesquisa Agropecuária do Projeto: IV Reunião Técnica de Pesquisas em Maracujazeiro Responsável:

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

Simpósios. 2) Integrando a história natural com ecologia, evolução e conservação de anfíbios e répteis.

Simpósios. 2) Integrando a história natural com ecologia, evolução e conservação de anfíbios e répteis. Simpósios Nove simpósios irão tratar de assuntos atuais, envolvendo pesquisadores brasileiros e estrangeiros. As conferências deverão compor a temática do evento, priorizando a integração de disciplinas

Leia mais

InfoBIO. Apoio. Nessa Edição. Conteúdo: Fabiana Vasconcelos. Design e diagramação: Talyta Nogueira

InfoBIO. Apoio. Nessa Edição. Conteúdo: Fabiana Vasconcelos. Design e diagramação: Talyta Nogueira Abr. 2014 InfoBIO InfoBIO Nessa Edição Conteúdo: Fabiana Vasconcelos Design e diagramação: Talyta Nogueira Site e Contato: http://fatea.br/fatea/biologia/ biologia@fatea.br Apoio Índice 3 Dia Mundial do

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ROTEIRO PARA OS DOCUMENTÁRIOS DO PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA BACIA DO RIO GRAVATAI

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ROTEIRO PARA OS DOCUMENTÁRIOS DO PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA BACIA DO RIO GRAVATAI ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ROTEIRO PARA OS DOCUMENTÁRIOS DO PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA BACIA DO RIO GRAVATAI TRÊS DOCUMENTÁRIOS DEVERÃO SER PRODUZIDOS: 1. Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí 2. Temáticas

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Novembro de 2013 Conrerp 4ª Região Mandato 2013-2016 Este documento visa direcionar as ações do Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas da 4ª Região, para o mandato

Leia mais

Para inscrever o projeto ambiental de sua organização no 23º Prêmio Expressão de Ecologia, basta seguir as orientações deste regulamento.

Para inscrever o projeto ambiental de sua organização no 23º Prêmio Expressão de Ecologia, basta seguir as orientações deste regulamento. REGULAMENTO Apresentação Reconhecido pelo Ministério do Meio Ambiente, o Prêmio Expressão de Ecologia é realizado anualmente pela Editora Expressão desde 1993, um ano após a Rio 92, a conferência da ONU

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 13 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital 029/2010 Popularização da Ciência Educação Científica - financiamento de projetos institucionais de educação científica que propiciem a difusão e

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Conversando sobre Museu. >> Saiba mais e faça sua inscrição

Conversando sobre Museu. >> Saiba mais e faça sua inscrição Conversando sobre Museu Edição Nº 4 Florianópolis, 02 de maio de 2012 O ciclo de discussão Conversando sobre Museu, uma iniciativa do Sistema Estadual de Museus (SEM/SC), da Fundação Catarinense de Cultura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - RÍO CLARO (BRASIL) Luiz Marcelo de Carvalho - Rosa Maria Feiteiro Cavalari Apresentação da institução A UNESP foi criada em 1976, pela Lei Estadual n.º 952, de 30.01.76,

Leia mais

ÍNDICE. Sumário. Apoios. Media Partners. Dados Gerais. Conferência. Expositores. Visitantes. Campanha de Marketing. Mídia Espontânea.

ÍNDICE. Sumário. Apoios. Media Partners. Dados Gerais. Conferência. Expositores. Visitantes. Campanha de Marketing. Mídia Espontânea. ÍNDICE Sumário Apoios Media Partners Dados Gerais Conferência Expositores Visitantes Campanha de Marketing Mídia Espontânea Imagens 2 Sumário O Evento A 7ª Edição da BRASIL OFFSHORE - Feira e Conferência

Leia mais

Relatório de Gestão Setorial 2010

Relatório de Gestão Setorial 2010 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial 2010 Cruz das Almas BA 2010 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES Período: Janeiro

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Edição Nº 15 Florianópolis, 10 de outubro de 2012. SEM/SC: mudanças no cronograma do Programa de Capacitação Museológica

Edição Nº 15 Florianópolis, 10 de outubro de 2012. SEM/SC: mudanças no cronograma do Programa de Capacitação Museológica SEM/SC: mudanças no cronograma do Programa de Capacitação Museológica A Fundação Catarinense de Cultura (FCC), por meio do Sistema Estadual de Museus (SEM/SC), comunica mudanças nas datas e alguns locais

Leia mais

Percepção Pública da Ciência e Tecnologia no Brasil. Resultados da enquete de 2010. Ministério da Ciência e Tecnologia

Percepção Pública da Ciência e Tecnologia no Brasil. Resultados da enquete de 2010. Ministério da Ciência e Tecnologia Percepção Pública da Ciência e Tecnologia no Brasil Resultados da enquete de 2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Informações Gerais Pesquisa nacional promovida pelo Ministério da Ciência e Tecnologia,

Leia mais

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária

CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária CFMV Conselho Federal de Medicina Veterinária Zoot. Adeilton Ricardo da Silva Conselheiro Efetivo Professor da FIMCA e UNIRON Agência IDARON adeiltonricardo@ibest.com.br Sistema CFMV/CRMV: É uma Autarquia

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - LICENCIATURA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente:

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo

Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Mapa do Ensino Superior no Estado de São Paulo Índice Palavra do Presidente 5 Panorama do Ensino Superior - Brasil 6 / Evolução 7 por Estado / Número de IES 8 Pirâmides Etárias - Presenciais e de EAD

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL A IMPORTÂNCIA DAS EXCURSÕES COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA UMA EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Fábio Martinho da Silva (1); Maria Janoelma França Gomes (2); Nahum Isaque dos S. Cavalcante (3); Rafael Trindade

Leia mais

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Conteúdo DISPOSIÇÕES GERAIS 3 APOIO AO APRIMORAMENTO DE RECURSOS HUMANOS 4 Participação em congressos e eventos científicos

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

O que é a Programação? Justificativa:

O que é a Programação? Justificativa: O que é a Programação? A Programação consiste de temas a serem abordados a cada mês com caráter de evento (pequeno, médio ou de grande porte) com duração média de até 2 semanas/mês. Mesmo com cada mês

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Terça-feira, 23.08.11

Terça-feira, 23.08.11 Terça-feira, 23.08.11 Veja os destaques de hoje: 1. Governador em exercício participa da reunião de renovação do Programa Bolsa Universitária 2. Programa Lavoura Comunitária 3. ONU lança campanha O Planeta

Leia mais

ROSA MARIA WEBER CANDIOTA DA ROSA

ROSA MARIA WEBER CANDIOTA DA ROSA ROSA MARIA WEBER CANDIOTA DA ROSA Ministra do Supremo Tribunal Federal, empossada em 19 de dezembro de 2011. Nascida em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em 02 de outubro de 1948. Filha do médico José Júlio

Leia mais

MUSEU DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE LONDRINA

MUSEU DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE LONDRINA MUSEU DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE LONDRINA Histórico O Museu de Ciência e Tecnologia de Londrina (MCTL) é um Órgão Suplementar da Universidade Estadual de Londrina, em fase de regularização administrativa,

Leia mais

PESSOAL PONTO MIDIAKIT

PESSOAL PONTO MIDIAKIT MIDIAKIT PONTO PESSOAL A PONTO PESSOAL É A PRIMEIRA AGÊNCIA DE MARKETING PESSOAL DO BRASIL QUE TRABALHA ESTRATÉGIAS DA MARCA PESSOAL PARA DIFERENCIAR PESSOAS NO MEIO PROFISSIONAL. 1 MARKETING PESSOAL É

Leia mais

CONCURSO FOTOGRÁFICO: PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DOS VEADEIROS: ENCANTOS DO CERRADO

CONCURSO FOTOGRÁFICO: PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DOS VEADEIROS: ENCANTOS DO CERRADO CONCURSO FOTOGRÁFICO: PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DOS VEADEIROS: ENCANTOS DO CERRADO 1: APRESENTAÇÃO: O PNCV está localizado no Cerrado Goiano, no coração da Chapada dos Veadeiros. Suas belezas naturais

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

KIT MÍDIA 2014. Toda Lua Cheia Nas bancas, por assinatura ou onde você desejar. www.revistaecologico.com.br

KIT MÍDIA 2014. Toda Lua Cheia Nas bancas, por assinatura ou onde você desejar. www.revistaecologico.com.br 2014 INCLUA SEU ANÚNCIO NA MAIS JORNALÍSTICA, RESPEITADA E DESEJADA PUBLICAÇÃO BRASILEIRA SOBRE SUSTENTABILIDADE, O TEMA QUE DESAFIA A HUMANIDADE E PODE SIGNIFICAR A SALVAÇÃO DO PLANETA. Toda Lua Cheia

Leia mais

Resíduos na USP: do Programa USP Recicla aos desafios de um sistema de gestão e gerenciamento integrado de Resíduos no Campus da Capital.

Resíduos na USP: do Programa USP Recicla aos desafios de um sistema de gestão e gerenciamento integrado de Resíduos no Campus da Capital. Resíduos na USP: do Programa USP Recicla aos desafios de um sistema de gestão e gerenciamento integrado de Resíduos no Campus da Capital. Fóruns Permanentes Meio Ambiente e Sociedade Gestão Ambiental em

Leia mais

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA

O LABORATÓRIO DE PESQUISA DA UNICARIOCA Ingressar em um emprego mediante concurso público é ambição para muitas pessoas, isso se deve ao fato de que o salário oferecido, a estabilidade, os benefícios na maioria dos cargos é bastante superior

Leia mais

Instruções de Uso. 1 - Imprima 3 cópias da petição, pois 2 ficarão no protocolo e 1 será devolvida com o nº do processo e data da audiência;

Instruções de Uso. 1 - Imprima 3 cópias da petição, pois 2 ficarão no protocolo e 1 será devolvida com o nº do processo e data da audiência; Instruções de Uso Depois de finalizada a petição inicial, você deverá seguir os seguintes passos: 1 - Imprima 3 cópias da petição, pois 2 ficarão no protocolo e 1 será devolvida com o nº do processo e

Leia mais

A relação dos projetos aprovados, indeferidos e não pré-qualificados éa seguinte:

A relação dos projetos aprovados, indeferidos e não pré-qualificados éa seguinte: CT-INFRA - Fundo de Infra-Estrutura RESULTADO DO EDITAL 03/2001 CT-INFRA O Comitê Gestor do CT-INFRA, em reunião realizada em 03 de junho de 2002, tomando como base a avaliação de mérito do Comitê Assessor,

Leia mais

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa.

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. A Fran Press está de cara nova, mantendo a sua reconhecida identidade estratégica. Nos tempos atuais

Leia mais

O Amarelinho mantém liderança

O Amarelinho mantém liderança Mídia Kit O CAMPEÃO DAS BANCAS! O melhor jornal de empregos mídia exclusiva Empregos, estágios, cursos e concursos Páginas 6, 7 e 8 perfil do leitor Instituto define quem é o leitor do Amarelinho Página

Leia mais

INFORME UVV-ES Nº34 28/10-03/11 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

INFORME UVV-ES Nº34 28/10-03/11 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional HOSPITAL VETERINÁRIO RECEBE NOVOS EQUIPAMENTOS E REFORMAS Obras são necessárias devido ao aumento de

Leia mais

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL 15 setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria Executiva

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

Introdução. Boa leitura. Juan Lozano - Centro Cultural da Espanha O Centro cultural da Espanha (AECID)

Introdução. Boa leitura. Juan Lozano - Centro Cultural da Espanha O Centro cultural da Espanha (AECID) Introdução Em três de março, na ONG Ação Educativa, o Centro Cultural da Espanha, em parceria com a Rede Kultafro, realizou o quarto AFROLAB, workshop livre que visa orientar formas de tornar um empreendimento

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais