Reunião Técnica para Elaboração do Plano de Pesquisa e Desenvolvimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reunião Técnica para Elaboração do Plano de Pesquisa e Desenvolvimento"

Transcrição

1 Reunião Técnica para Elaboração do Plano de Pesquisa e Desenvolvimento PPD IPEF 2020 PPD IPEF 2020 Campinas, 21 e

2 EQUIPE COORDENAÇÃO Robert Cardoso Sartório Aracruz COLABORADORES Alex G. B. Medeiros Cenibra Bianca Vique Fernandes V & M Carlos André Gaspar dos Santos Veracel Edival Zauza Suzano Edmilson Bitti Loureiro Aracruz Ernesto Norio Takahashi VCP José Eduardo Petrilli Mendes Duratex Reginaldo G. Mafia Aracruz

3 METODOLOGIA 1. Levantamento de linhas de pesquisa prioritárias (Visão ã das Empresas) ) a. Material base encaminhado aos colaboradores b. Contribuição recebida dos colaboradores 2. Agrupamento das principais idéias e sugestões 3. Seleção das linhas tecnológicas e produtos prioritários Critérios: Interesse e Exequibilidade 4. Proposta final para o PPD IPEF Desdobramento em Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento (Etapa à ser conduzida pelo IPEF / PROTEF)

4 RESUMO FOCO PRAGAS & DOENÇAS INCÊNDIOS FLORESTAIS PLANTAS DANINHAS PROTEÇÃO FLORESTAL GERAL LINHAS TECNOLÓGICAS Modelos de Gestão de Riscos de Pragas e Doenças Mudanças climáticas e a ocorrência de P&D Controle alternativo de pragas e doenças Controle químico de pragas e doenças Manejo de formigas cortadeiras Manejo de cupins Prevenção e combate a incêndios florestais Gestão de risco e detecção de incêndios florestais Controle de plantas daninhas Sistema de monitoramento e de tomada de decisão Integração de sistemas de monitoramento Difusão tecnológica e parcerias estratégicas Biotecnologia aplicadaà proteçãoflorestal PRODUTOS ESPERADOS JUSTIFICATIVAS

5 PRINCIPAIS DIRECIONADORES Buscar soluções práticas por meio de projetos cooperativos de pesquisa e de desenvolvimento, racionalizando recursos e otimizando o uso de agrotóxicos, sob o conceito de silvicultura de precisão. Desenvolver, implementar e integrar sistemas de monitoramento e de controle, respeitando as particularidades locais, os aspectos técnicos, econômicos,socioambientaisedecertificação,adiversidadedepragas, doenças, ervas e situações ambientais existentes. Potencializar sinergias humanas e tecnológicas entre instituições de reconhecida competência técnica e científica. Buscar o financiamento de projetos junto aos órgãos e institutos nacionaise i internacionaisi i deapoio à pesquisa científica. Desenvolver atividades de difusão tecnológica, incluindo treinamento e troca deexperiências i entre empresas, como forma demelhoriacontínua da proteção florestal.

6 FOCO I : PRAGAS & DOENÇAS LINHA I Modelos de Gestão de Riscos de Pragas e Doenças PRODUTOS ESPERADOS: Gestão de risco de pragas e doenças de forma integrada entre as empresas, com elaboração de sistema de alerta e de avisos quarentenários para pragas e doenças (A1 e A2) Base de dados disponibilizado sobre as potenciais pragas e doenças florestais Técnicos das empresas florestais capacitados em análise de risco JUSTIFICATIVAS: A falta de um sistema integrado de gestão de risco para o setor florestal, as recentes ocorrências e os danos causados nos plantios e viveiros florestais são os principais motivadores para esse desenvolvimento. O conhecimento prévio auxilia o desenvolvimento de estratégias de controle podendo, até mesmo, impedir o estabelecimento dessas P&D no país. Introdução de novas pragas e adaptação de pragas recém introduzidas no país para diferentes espécies de eucalipto e dispersão para novas áreas.

7 Glycaspis brimblecombei TEMA: PROTEÇÃO FLORESTAL Gonipterus scutellatus Leptocybe invasa Thraumatocoris peregrinus Epichrysocharis burwelii Ralstonia solanacearum Quambalaria eucalypti Xanthomonas axonopodis Ceratocystis fimbriata

8 FOCO I : PRAGAS & DOENÇAS LINHA II Mudanças climáticas e a ocorrência de P&D PRODUTOS ESPERADOS: Potenciais impactos fitossanitários sobre os plantios associados às mudanças climáticas, considerando d ociclo il devida dos agentes daninhos e suas interrelações Valoração das potenciais perdas e avaliação das dificuldades de controle JUSTIFICATIVAS: Há expectativa de alterações na importância relativa das pragas e doenças em um futuro próximo devido às mudanças climáticas. Os impactos podem variar, dependendo do problema fitossanitário A análise prévia dos possíveis efeitos das mudanças climáticas sobre as pragas e doenças das florestas plantadas é fundamental para a adoção de estratégias e medidas mitigadoras visando evitar perdas de produção As mudanças climáticas podem resultar em alteração na eficiência dos métodos de controle

9 FOCO I : PRAGAS & DOENÇAS LINHA III Controle Alternativo de Pragas e Doenças PRODUTOS ESPERADOS: Prospecção sobre os agentes naturais de controle para as principais pragas e doenças florestais Tecnologia disponibilizada para a produção e aplicação operacional de agentes de controle biológico (inclui manuais técnicos e treinamento) Desenvolvimento de métodos físicos, semioquímicos i e mecânicos economicamente viáveis e aplicáveis em escala operacional Parcerias com instituições internacionais JUSTIFICATIVAS: Escassez de métodos alternativos de controle Necessidade de redução do consumo de agrotóxicos, considerando as exigências crescentes de certificadoras e de diferentes partes interessadas Rápida disseminação e adaptação das pragas recém introduzidas d Importação de agentes biológicos e adaptação de alternativas de controle

10 FOCO I : PRAGAS & DOENÇAS LINHA IV Controle químico de pragas e doenças PRODUTOS ESPERADOS: Tecnologia e novos princípios ativos disponibilizados Contribuir para o registro de produtos de interesse do setor florestal Disponibilizar de forma rápida recomendações de controle para as pragas recém introduzidas no país JUSTIFICATIVAS: Necessidade de alternativas de formulações e princípios ativos de baixa toxicidade, registrados Equipamentos "adaptados" de outras culturas não tem atingido os objetivos da área florestal, principalmente quanto à localização de alvo e uniformidade de aplicação O histórico de introdução, de dispersão e de perdas causadas por novas pragas no país

11 TEMA: PROTEÇÃO FLORESTAL Percevejo Bronzeado P j B d Vespa da Galha P ilíd d C h Psilídeo de Concha Lagartas Desfolhadoras Ci Crisomelídeos líd Buprestídeos

12 FOCO I : PRAGAS & DOENÇAS LINHA V Manejo de formigas cortadeiras PRODUTOS ESPERADOS: Novos princípios ativos e alternativas aos químicos Melhoria da qualidade das iscas formicidas (higroscopicidade) Novas ferramentas de avaliação de dano aplicáveis operacionalmente JUSTIFICATIVAS: As formigas cortadeiras tdi são as principais i i pragas das florestas plantadas no país devido a sua área de ocorrência, constância e danos que causam A mais de uma década não se tem gerado alternativas no controle de formigas cortadeiras, principalmente quanto aos PAs e métodos alternativos Restrições de controle com iscas formicidas em condições de alta umidade Análise de dano empírica e de baixa precisão

13 FOCO I : PRAGAS & DOENÇAS LINHA VI Manejo de cupins PRODUTOS ESPERADOS: Obtenção de novos princípios p ativos e alternativas aos químicos Sistema de avaliação e de tomada de decisão quanto a necessidade de controle JUSTIFICATIVAS: Custo elevado do controle preventivo e a toxicidade dos PAs disponibilizados até o momento O controle químico é, atualmente, a única forma técnica e operacional de controle deste grupo de pragas Alto custo envolvido com as práticas de monitoramento disponíveis. Baixa praticidade, precisão e aplicabilidade operacional

14 FOCO II: INCÊNDIOS FLORESTAIS LINHA I Prevenção e combate a incêndios florestais PRODUTOS ESPERADOS: Alternativas de produtos para combate aos incêndios florestais Alternativas de equipamentos para abertura de aceiros e combate aos incêndios Novas tecnologias para omanejoecontenção dosincêndios d florestais JUSTIFICATIVAS: Necessidade de reduzir os custos operacionais e as perdas causadas Pouca disponibilidade de produtos e baixo conhecimento sobre eficiência e tecnologia de aplicação, nas condições brasileiras Pouca agilidade e eficiência operacional dos equipamentos tradicionais Equipamentos não específico para o combate aos incêndios florestais

15 FOCO II : INCÊNDIOS FLORESTAIS

16 FOCO II: INCÊNDIOS FLORESTAIS LINHA II Gestão de risco e detecção de incêndios florestais PRODUTOS ESPERADOS: Desenvolvimentodenovosconceitosnomapeamentodeáreaseépocasde risco de incêndios, incluindo i modelagem dl para estudo dos ft fatores clima, material combustível e agente antrópico Sistema alternativo para detecção 24 horas e para dimensionamento dos recursos necessários para combate JUSTIFICATIVAS: Modelos atuais baseados em índices de baixa acertividade, considerando os incêndios criminosos Necessidade de dimensionamento e alocação das equipes de combate de forma otimizada para redução dos custos operacionais e perdas de madeira Aumento do risco de incêndios em função do aumento da base e conectividade florestal, u e to do sco de cê d os e u ção do au e to da base e co ect dade o esta, das mudanças climáticas globais e pressões sociais

17 FOCO II: INCÊNDIOS FLORESTAIS VANT Satélite Rastreamento "on line" Câmeras de vídeo

18 FOCO III: PLANTAS DANINHAS LINHA I Controle de plantas daninhas PRODUTOS ESPERADOS: Disponibilizar novas tecnologias para o controle de plantas daninhas Avaliar novos PAs, incluindo produtos seletivos e de maior efeito residual, bem como estudo de adjuvantes e de mistura de herbicidas, com registro para o setor florestal Estudar novos produtos, métodos e desenvolver equipamentos específicos para o controle de brotações do eucalipto JUSTIFICATIVAS: Redução de custos e necessidade de maximizar a eficiência das operações, incluindo a melhoria da transposição e translocação dos herbicidas Risco de seleção de espécies tolerantes e dificuldade de controle de folhas largas Alto custo e baixa eficiência de equipamentos "adaptados" de outras culturas, considerando as particularidades desta operação Principal agrotóxico utilizado pelo setor florestal e a oportunidade de avaliar outras alternativas tecnológicas (ex: controle biológico e eletrocussão)

19 FOCO III: PLANTAS DANINHAS LINHA VI Sistema de monitoramento e de tomada de decisão PRODUTOS ESPERADOS: Desenvolvimento de sistemas de monitoramento de plantas daninhas Sistema especialista simplificado para recomendação de manejo de matocompetição, considerando a necessidade de controle, a eficiência dos métodos e o custo das operações JUSTIFICATIVAS: Garantir a produtividade esperada, considerando a intervenção no momento mais adequado, otimizando custos e melhorando a eficiência de controle Rd Reduzir subjetividade id d na tomada de decisão quanto ao manejo de plantas daninhas Facilitar a gestão do manejo de plantas daninhas

20 FOCO IV : PROTEÇÃO FLORESTAL GERAL LINHA I Integração de sistemas de monitoramento PRODUTO ESPERADO: Modelo eficaz de detecção, caracterização e tomada de decisão, considerando anecessidade d de avaliar as diferentes ocorrências e a possibilidade d de integrar os projetos florestais das empresas JUSTIFICATIVAS: Necessidade de reduzir custos com as atividades de monitoramento e minimizar as perdas econômicas em função das diferentes ocorrências Disponibilidade de novas tecnologias de monitoramento que necessitam de avaliação paraascondições as florestais (satélite, infra vermelho, VANT, etc.) Necessidade de monitorar grandes áreas e as recentes introduções/dispersões de novas pragas e doenças

21 SISTEMAS DE MONITORAMENTO

22 FOCO IV : PROTEÇÃO FLORESTAL GERAL LINHA II Difusão tecnológica e parcerias estratégicas sobre proteção florestal PRODUTOS ESPERADOS: Divulgação e troca de experiência de projetos de pesquisapré competitivos entre as diferentes instituições e empresas florestais Estabelecimento sabeec e ode parcerias as com instituições uções nacionais a e internacionais aco as de pesquisa JUSTIFICATIVAS: Redução de custos e do tempo de desenvolvimento de novas tecnologias em proteção florestal Necessidade de importação de inimigos naturais ou de outros agentes de biocontrole para o manejo na proteção florestal Facilitar o intercâmbio de informações e de produtos

23 FOCO IV : PROTEÇÃO FLORESTAL GERAL LINHA III Biotecnologia aplicada à proteção florestal PRODUTOS ESPERADOS: Antenagem tecnológica quanto à aplicabilidade de diferentes biotecnologias no controle de pragas, doenças e de plantas daninhas Conhecimento da variabilidade genética de populações de pragas e patógenos para melhor direcionamento de projetos de seleção de clones resistentes, priorizando os agentes de maior dificuldade de controle Seleção de genes de resistência e estudos com OGM JUSTIFICATIVAS: Necessidade d de melhor direcionamento i de etapas do melhoramento genético tradicional Oportunidade de ganhos expressivos com o uso de OGM e outras técnicas de biotecnologia

24 PRIORIZAÇÃO DAS LINHAS TECNOLÓGICAS E DOS PRODUTOS ESPERADOS

25 METODOLOGIA LINHAS TECNOLÓGICAS LT PRODUTOS ESPERADOS Interesse IMP > 6 <= 9 A > 3 <= 6 M > 0 <= 3 B ES > 6 <= 9 A > 3 <= 6 M > 0 <= 3 B Impacto Variáveis Efeito Suporte Média Produto Linha. Tec. Exequibilidade PS > 6 <= 9 A > 3 <= 6 M > 0 <= 3 B CT > 6 <= 9 B > 3 <= 6 M > 0 <= 3 A Variáveis Prob. de sucesso Custo Produto Média Linha. Tec. Modelos de Gestão de Riscos de Pragas e Doenças 1 Gestão de risco de pragas e doenças de forma integrada entre as 1 empresas, com elaboração de sistema de alerta e de avisos quarentenários para pragas e doenças (A1 e A2) 7 7 7, ,4 2 Base de dados disponibilizado 6,9 1 sobre as potenciais pragas e doenças 6 7 6, ,6 florestais 6,8 1 3 Técnicos das empresas florestais capacitados em análise de risco 7 7 7, ,3 IMPACTO: Grau de inovação, necessidade/interesse, impactos positivos em retorno do investiento e/ou meio ambiente EFEITO SUPORTE : A relação de impacto de cada produto sobre os demais produtos ou linhas tecnológicas PROB.SUCESSO : É o grau de facilidade em obter o produto esperado. Deve considerar a disponbilidade de recursos técnicos e a agenda IPEF CUSTO : Nível de demanda de recursos financeiros, recursos humanos especializados e o potencial de financiamentos (quanto menor demanda, melhor a pontuação)

26 PRIORIZAÇÃO DAS LINHAS TECNOLÓGICAS dade Exequibili o Alto Baixo Médi LINHAS TECNOLÓGICAS PRIORIDADE Baixo Médio Alto Interesse Modelos de Gestão de Riscos de Pragas e Doenças Mudanças climáticas e a ocorrência de P&D Controle Alternativo de Pragas e Doenças Controle químico de pragas e doenças Manejo de formigas cortadeiras Manejo de cupins Prevenção e combate a incêndios florestais Gestão de risco e detecção de incêndios florestais Controle de plantas daninhas Sistema de monitoramento e de tomada de decisão Integração de sistemas de monitoramento Difusão tecnológica e parcerias estratégicas Biotecnologia aplicada à proteção florestal

27 PRIORIZAÇÃO DOS PRODUTOS idade Exequibil io Alto Baix xo Méd FOCO I: PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS PRIORIDADE PRODUTOS Baixo Médio Alto Interesse 1 Gestão de riscos integrado 2 Base de dados potenciais pragas e doenças 3 Técnicos capacitados 1 Impactos fitossanitários das mudanças climáticas 2 Valoração das perdas potenciais 1 Prospecção agentes naturais de controle 2 Tecnologia de produçào e aplicação inimigos naturais 3 Métodos físicos, químicos, semioquímicos 4 Parcerias com instituições internacionais 1 Tecnologia e novos princípios 2 Registro de produtos 3 Recomendação de controle pragas novas 1 Novos princípios e alternativas de controle 2 Mlh Melhoria da qualidade d das iscas formicidas id 3 Novas ferramentas de avaliação de danos 1 Novos PAs e alternativas aos químicos 2 Sistema de avaliação e tomada de decisão

28 PRIORIZAÇÃO DOS PRODUTOS FOCO II : INCÊNDIOS FLORESTAIS PRIORIDADE PRODUTOS Exequibilid dade Alto Baixo Médio 1 Alternativas de produtos para combate aos incêndios 2 Alternativas para aceiros e combate 3 Alternativas para manejo e contenção dos incêndios 1 Novos conceitos no mapeamento e áreas de risco 2 Sistema alternativopara detecção 24 horas Baixo Médio Alto Interesse

29 PRIORIZAÇÃO DOS PRODUTOS FOCO III : PLANTAS DANINHAS PRIORIDADE PRODUTOS Exequibilid dade ixo Médio Alto Bai 1 Novas tecnologias para o controle de plantas daninhas 2 Avaliar novos PAs e adjuvantes 3 Prod, métodos e equip p/ contr da brotação 1 Sistemas de monitoramento de plantas daninhas 2 Sistema especialista p/ manejo da mato competição Baixo Médio Alto Interesse

30 PRIORIZAÇÃO DOS PRODUTOS FOCO IV : PROTEÇÃO FLORESTAL GERAL PRIORIDADE PRODUTOS ilidade Exequibi o Alto Baixo Médi 1 Modelo integrado eficaz de monitoramento 1 Divulg e troca de experiência de proj pré competitivos 2 Parcerias cominstituições nacionais e internacionais 1 Antenagem tecnológica em biotecnologia 2 Variab genética de populações pragas e patógenos 3 Genes de resistência e estudos com OGM Baixo Médio Alto Interesse

31 AGRADECEMOS A ATENÇÃO! Encontro equipe na Suzano - BA Alex G. B. Medeiros Cenibra Bianca Vique Fernandes V & M Florestal Carlos André Gaspar dos Santos Veracel Edival Zauza Suzano Edmilson Bitti Loureiro Aracruz Ernesto Norio Takahashi VCP José Eduardo Petrilli Mendes Duratex Reginaldo G. Mafia Aracruz Robert Cardoso Sartório Aracruz

32

Manejo Integrado de Pragas Florestais Eucalipto como Estudo de caso. José Eduardo Petrilli Mendes FIBRIA

Manejo Integrado de Pragas Florestais Eucalipto como Estudo de caso. José Eduardo Petrilli Mendes FIBRIA Manejo Integrado de Pragas Florestais Eucalipto como Estudo de caso José Eduardo Petrilli Mendes FIBRIA Roteiro - Breve apresentação da Fibria - ÁreacomflorestasplantadasnoMS - Importância das pragas para

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto

Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto Manejo Integrado de Pragas do Eucalipto Sanidade Florestal e a busca pela sustentabilidade da produção. Pesq. Everton P. Soliman Sanidade Florestal - Tecnologia Edival VIII Simpósio Sobre Técncias de Plantio

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS

INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS FLORESTAIS PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO A SERVIÇO DO SETOR FLORESTAL MODELO DE INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA desde 1968 Empresas Associadas Acesita Energética

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS unesp MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS Prof. Dr. Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu 1. INTRODUÇÃO As plantações florestais brasileiras ocupam área de 5,7 milhões de ha, representando

Leia mais

Controle de pragas - formigas

Controle de pragas - formigas Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Engenharia Florestal Tratos e Métodos Silviculturais Controle de pragas - formigas Eng. Ftal. Dr. Prof. Eleandro José Brun Dois Vizinhos

Leia mais

Forest Stewardship Council FSC Brasil

Forest Stewardship Council FSC Brasil São Paulo, 19 de dezembro de 2014. Edital de convocação Candidatura para Grupo Consultivo Nacional de Manejo Integrado de Pragas (GCNMIP) O Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil, é uma organização

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Atualizado em outubro de 2015 Apresentação do Plano de Manejo O Plano de Manejo da Vallourec unidade Florestal documenta os processos produtivos e dá suporte

Leia mais

SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN

SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN SISTEMA MONITORADO DE CONTROLE DE FORMIGAS CORTADEIRAS NA MANNESMANN Morais, E.J. de 1 Oliveira, A.C. de 1 Barcelos, J.A.V. 1 Cruz, J.E. da 1 Os novos tempos de recursos escassos e elevada competitividade

Leia mais

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Programa úmero de Ações 8 1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Objetivo Indicador(es) Incrementar a base de conhecimentos científicos e tecnológicos

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015

RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 RESUMO PÚBLICO PLANO DE MANEJO FLORESTAL - 2015 Página2 Página3 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Madepar Indústria e Comércio de Madeiras LTDA certificou suas florestas de acordo com os Princípios e Critérios

Leia mais

Resumo do Plano de Manejo Integrado

Resumo do Plano de Manejo Integrado Resumo do Plano de Manejo Integrado INTRODUÇÃO Este é um Resumo Público do Plano de Manejo Integrado, documento que sintetiza os programas, ações e procedimentos adotados pelo Produtor Florestal Integrado

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF -

PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - PROGRAMA DE PROTEÇÃO FLORESTAL - PROTEF / IPEF - ALERTA PROTEF PERCEVEJO BRONZEADO DO EUCALIPTO (Thaumastocoris peregrinus) (HEMIPTERA: THAUMASTOCORIDAE): AMEAÇA ÀS FLORESTAS DE EUCALIPTO BRASILEIRAS Prof.

Leia mais

CENIBRA IMPLANTA MODERNO SISTEMA DE ERP PARA GESTÃO DO PROCESSO FLORESTAL

CENIBRA IMPLANTA MODERNO SISTEMA DE ERP PARA GESTÃO DO PROCESSO FLORESTAL CENIBRA IMPLANTA MODERNO SISTEMA DE ERP PARA GESTÃO DO PROCESSO FLORESTAL Perfil A CENIBRA foi fundada em 1973 e está localizada no leste de Minas Gerais. A empresa é o resultado do espírito empreendedor

Leia mais

MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO 9º Seminário de Atualização em Eucaliptocultura MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO Profa. Luciana Duque Silva Depto. Ciências Florestais ESALQ/USP 1 FATORES QUE INFLUEM NA ESCOLHA

Leia mais

VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL

VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL VALLOUREC UNIDADE FLORESTAL A EMPRESA Fundada em 1969, o objetivo principal da Vallourec unidade Florestal é o plantio de florestas de eucalipto para, a partir delas, produzir o carvão vegetal, um dos

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

EM FLORESTAS PLANTADAS

EM FLORESTAS PLANTADAS Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM FLORESTAS PLANTADAS Rudolf Woch 1 1. INTRODUÇÃO Segundo a Abraf, em seu anuário 2013, com dados referentes a 2012, na

Leia mais

4.8 PROGRAMA DE MANEJO FLORESTAL E DE RECUPERAÇÃO DE AMBIENTES DEGRADADOS

4.8 PROGRAMA DE MANEJO FLORESTAL E DE RECUPERAÇÃO DE AMBIENTES DEGRADADOS 4.8 PROGRAMA DE MANEJO FLORESTAL E DE RECUPERAÇÃO DE AMBIENTES DEGRADADOS Objetivo Geral O Programa de Manejo Florestal e de recuperação de ambientes degradados tem por objetivo promover a utilização sustentável

Leia mais

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais.

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. Parceria PúblicoP blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. João Cancio de Andrade Araújo Superintendente Florestal ASIFLOR BRASÍLIA MARÇO/2010 ASSOCIAÇÃO DAS SIDERÚRGICAS

Leia mais

FuturaGene Visão Geral

FuturaGene Visão Geral FuturaGene Visão Geral Agenda Apresentação Institucional Introdução Porque a Biotecnologia Nosso negócio Resumo 2 Introdução Líder brasileiro em biotecnologia florestal Setor atraente; expectativas da

Leia mais

BASF Cana Crescer a cada desafio

BASF Cana Crescer a cada desafio BASF Cana Crescer a cada desafio Pag. 1 Pag. 2 Soluções integradas por todo o ciclo da cana-de-açúcar. Pag. 3 Cada dia nos desafia a crescer. Pag. 4 Buscar oportunidades para produzir mais, melhor e com

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Apresentação do Plano de Manejo O Plano de Manejo Florestal da Vallourec unidade Florestal caracteriza todos os processos produtivos e dá suporte ao planejamento

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil

Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil Ações para o monitoramento e controle de Thaumastocoris peregrinus no Brasil Leonardo R. Barbosa Laboratório de Entomologia Florestal Embrapa Florestas SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PRAGAS QUERENTERNARIAS

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

AGOSTO 2015 ABNT - NBR 14789

AGOSTO 2015 ABNT - NBR 14789 AGOSTO 2015 ABNT - NBR 14789 Resumo Público Manejo Florestal TTG Brasil Investimentos Florestais Ltda Apresentação A TTG Brasil Investimentos Florestais Ltda, empresa de administração de propriedades florestais,

Leia mais

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS Avaliação e diagnóstico da gestão organizacional Proposta Núcleo Técnico da Rede QPC Compromisso com a Excelência 7ª EDIÇÃO 250 pontos Rede de Qualidade, Produtividade

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE

USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE Manutenção de Florestas e Manejo Integrado de Pragas USO DE TECNOLOGIA DE PRECISÃO NA SILVICULTURA DA SUZANO PAPEL E CELULOSE Lindenberg Rodrigues Perpétuo 1 Tecnólogo em Gestão da Agropecuária, Especializado

Leia mais

Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico

Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico Tecnologia em Silvicultura Anderson Piacezzi, MSc Consultor Técnico Engº Florestal UFV Mestre em Genética e Melhoramento Florestal UFV Especialista Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas - UFLA Novembro/2013

Leia mais

Engenheiros Agrônomos e Florestais, Biólogos, profissionais de nível superior da área de Fitossanidade.

Engenheiros Agrônomos e Florestais, Biólogos, profissionais de nível superior da área de Fitossanidade. OBJETIVO O curso de MBA-IAC em Fitossanidade objetiva reunir conhecimentos sobre Fitossanidade, segurança na agricultura, gestão de pessoas e comunicação, com abordagem teórica e prática. O curso trará

Leia mais

RESUMO PÚBLICO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL VALE DO JEQUITINHONHA

RESUMO PÚBLICO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL VALE DO JEQUITINHONHA RESUMO PÚBLICO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL VALE DO JEQUITINHONHA AGOSTO 2013 Apresentação A TTG Brasil Investimentos Florestais Ltda, empresa de administração de propriedades florestais focada na América

Leia mais

GEF. Global Environment Facility. Apresentação de Propostas de Projeto para o Programa do Fundo Global para o Meio Ambiente

GEF. Global Environment Facility. Apresentação de Propostas de Projeto para o Programa do Fundo Global para o Meio Ambiente GEF Global Environment Facility Apresentação de Propostas de Projeto para o Programa do Fundo Global para o Meio Ambiente Ministério da Ciência e Tecnologia Eduardo Campos Ministro da Ciência e Tecnologia

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

A HIBRIDAÇÃO NO MELHORAMENTO DA RESISTÊNCIA A FATORES ABIÓTICOS EM Eucalyptus. Teotônio Francisco de Assis Assistech Ltda assisteo@terra.com.

A HIBRIDAÇÃO NO MELHORAMENTO DA RESISTÊNCIA A FATORES ABIÓTICOS EM Eucalyptus. Teotônio Francisco de Assis Assistech Ltda assisteo@terra.com. A HIBRIDAÇÃO NO MELHORAMENTO DA RESISTÊNCIA A FATORES ABIÓTICOS EM Eucalyptus Teotônio Francisco de Assis Assistech Ltda assisteo@terra.com.br PRODUTIVIDADE FLORESTAL N Í V E I S D E P R O D U Ç ÃO POTENCIAL

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional

Vitor Pinheiro Mercado Florestal. Apresentação Institucional Vitor Pinheiro Mercado Florestal Apresentação Institucional Croqui do Viveiro Principal do IBF Casa de Sombra Galpão de Semeio Casa Irrigação Casa de Germinação Alojamento Escritório e área de expedição

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota

Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota S ÉRIE TÉCNICA IPEF v. 11, n. 0, p. 5-1, mai., 1997 Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota Hélder Bolognani Andrade; Vanderlei Benedetti José Carlos Madaschi;

Leia mais

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 DESAFIOS FITOSSANITÁRIOS NO MANEJO DE LAVOURAS WORKSHOP APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS - FBA Engº Agrº EZELINO CARVALHO INTRODUÇÃO O objetivo desta apresentação é dialogar sobre os problemas fitossanitários

Leia mais

Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais

Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais IV Workshop em Melhoramento Florestal IPEF Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais Edson Seizo Mori FCA / UNESP Campus de Botucatu Introdução e Histórico A cultura dos eucalyptus no Brasil

Leia mais

Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária Situação Atual e Propostas para a Indução de Melhorias Através da Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária Situação Atual e Propostas para a Indução de Melhorias Através da Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica para Defesa Agropecuária Situação Atual e Propostas para a Indução de Melhorias Através da Inovação Tecnológica E V A L D O F E R R E I R A V I L E L A E V A L D O V I L E L A @ G

Leia mais

CTC Centro de Tecnologia Canavieira

CTC Centro de Tecnologia Canavieira Título da Apresentação CTC Centro de Tecnologia Canavieira Autor Divulgação Livre CTC Centro de Tecnologia Canavieira 148 associadas 131 usinas e/ou destilarias 17 assoc. fornecedores de cana 214,5 milhões

Leia mais

PROJETO ASSET LIGHT. Preparando a empresa para um novo ciclo de crescimento São Paulo 18 de Novembro de 2013

PROJETO ASSET LIGHT. Preparando a empresa para um novo ciclo de crescimento São Paulo 18 de Novembro de 2013 PROJETO ASSET LIGHT Preparando a empresa para um novo ciclo de crescimento São Paulo 18 de Novembro de 2013 Desde a sua criação, a Fibria tem seguido uma estratégia focada na geração de valor EXCELÊNCIA

Leia mais

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura Camila Soares Braga Assessora Técnica Bem estar humano F ood F resh water F uel F iber A gente não

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas

Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas Eduardo R. Martini -Setembro 2011 Tendências Globais Crescimento Populacional População (bilhões) Crescimento da Renda Calorias de proteína animal (kcal) Crescimento

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

A Suzano e o Fomento na Bahia

A Suzano e o Fomento na Bahia A Suzano e o Fomento na Bahia Como é a atuação da Suzano na região? Fundada há 85 anos, a Suzano começou a produzir papel em 1940 e celulose em 1950 sempre abastecendo o mercado brasileiro e os de diversos

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos.

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. No mercado competitivo de hoje, há uma consciência crescente dos severos danos causados aos produtos agrícolas por pragas e insetos. Como resultado,

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa em três setores do Brasil:

Sustentabilidade Corporativa em três setores do Brasil: Sustentabilidade Corporativa em três setores do Brasil: Energia Elétrica Alimentos e Bebidas Papel e Celulose Apresentação de alguns casos F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L

Leia mais

AGOSTO 2013 ABNT - NBR 14789

AGOSTO 2013 ABNT - NBR 14789 AGOSTO 2013 ABNT - NBR 14789 Resumo Público Manejo Florestal TTG Brasil Investimentos Florestais Ltda Apresentação A TTG Brasil Investimentos Florestais Ltda, empresa de administração de propriedades florestais

Leia mais

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Painel Pararelo II Desenvolvimento Florestal do Alto Minho: Principais prioridades 2014-2020 Estratégia Territorial de Valorização

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manfred Willy Müller Fisiologia Vegetal, Ph.D.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manfred Willy Müller Fisiologia Vegetal, Ph.D. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manfred Willy Müller Fisiologia Vegetal, Ph.D. Pesquisas em andamento na Ceplac Manfred Willy Müller Eng. Agro. Ph.D. Centro de Pesquisas do Cacau GENÉTICA

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL. Braulio Dias DCBio/MMA

Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL. Braulio Dias DCBio/MMA Estratégia Nacional de Biodiversidade BRASIL Braulio Dias DCBio/MMA 1. Realização de estudos estratégicos; 2. Definição de áreas e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade brasileira; 3.

Leia mais

A inovação. como estratégia. Rio de Janeiro Novembro 2009

A inovação. como estratégia. Rio de Janeiro Novembro 2009 A inovação como estratégia Rio de Janeiro Novembro 2009 O que é inovação? Inovação é a criação de produtos, serviços ou novos modelos de negócios que sejam relevantes, que produzam impactos na sociedade

Leia mais

CONTROLE INFORMATIZADO DO MONITORAMENTO DE PRAGAS DE Eucalyptus spp. POR CARTÃO AMARELO EM HORTOS FLORESTAIS

CONTROLE INFORMATIZADO DO MONITORAMENTO DE PRAGAS DE Eucalyptus spp. POR CARTÃO AMARELO EM HORTOS FLORESTAIS CONTROLE INFORMATIZADO DO MONITORAMENTO DE PRAGAS DE Eucalyptus spp. POR CARTÃO AMARELO EM HORTOS FLORESTAIS DEBORA F. LAZARIN 1 ; SHARLA B. VIDAL 2 ; LUIZ A.N. SÁ 3 ; MARIA C.P.Y PESSOA 4 N 12404 RESUMO

Leia mais

Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração

Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração Método Monitoramento PRMC Apoio : OBJETIVOS DO PROJETO ORIGINAL Identificar indicadores estruturais de sucesso de reflorestamentos para restauração

Leia mais

Mas que negócio é esse de resistência de insetos?

Mas que negócio é esse de resistência de insetos? O milho Bt é obtido por meio da transformação genética de plantas de milho com genes da bactéria Bacillus thuringiensis, os quais promovem a expressão de proteínas com ação inseticida. Um trabalho que

Leia mais

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Dispõe sobre as normas de classificação dos experimentos com vegetais geneticamente modificados quanto aos níveis de risco e de contenção. A COMISSÃO TÉCNICA

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes

Manejo de pragas. Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes Manejo de pragas Engª. Agrª. MSc. Caroline Pinheiro Reyes O que é uma praga? *Inseto que cause danos diretos (ex. lagarta que se alimente das folhas de couve) O que é uma praga? * Inseto que cause danos

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC)

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) ÍNDICE 1. Gestão da Propriedade...03 2. Gestão Ambiental...04 3. Material Propagativo (Sementes, mudas e estacas)...05 4. Localização e Implantação de Cafezais...06

Leia mais

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09

O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09 O Gerenciamento de Áreas Contaminadas e as Obrigações dos Estados Frente à Resolução CONAMA 420/09 Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas ABES-RS Porto Alegre, 03 de Setembro de

Leia mais

Resumo Público Manejo Florestal TTG Brasil Investimentos Florestais Ltda

Resumo Público Manejo Florestal TTG Brasil Investimentos Florestais Ltda Resumo Público Manejo Florestal TTG Brasil Investimentos Florestais Ltda Apresentação A TTG Brasil Investimentos Florestais Ltda, empresa de administração de propriedades florestais focada na América Latina,

Leia mais

Legislações para Solos

Legislações para Solos Legislações para Solos Biotecnologia Ambiental Prof. Denize Dias de Carvalho Solo e Água Subterrânea O solo pode atuar como um filtro (capacidade de autodepuração desse tipo de corpo receptor); Essa capacidade

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

INFORMAÇÕES CONECTADAS

INFORMAÇÕES CONECTADAS INFORMAÇÕES CONECTADAS Soluções de Negócios para o Setor de Serviços Públicos Primavera Project Portfolio Management Solutions ORACLE É A EMPRESA Alcance excelência operacional com fortes soluções de gerenciamento

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS E MONITORAMENTO DE RESULTADOS EM ÁREAS DE CANA-DE-AÇÚCAR

LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS E MONITORAMENTO DE RESULTADOS EM ÁREAS DE CANA-DE-AÇÚCAR LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS E MONITORAMENTO DE RESULTADOS EM ÁREAS DE CANA-DE-AÇÚCAR Consultoria e Projetos Agrícolas Ltda. Marcos A. Kuva, Eng. Agrônomo, Dr. Sede administrativa Rua Nicolino Filardi,

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011

Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011 Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011 289ª Reunião Ordinária do Plenário do CONSEMA Dispõe sobre a elaboração e a atualização de lista de espécies exóticas com potencial de bioinvasão no Estado

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA. Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA. Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE À VESPA-DA-MADEIRA Susete do Rocio Chiarello Penteado Edson Tadeu Iede Wilson Reis Filho Introdução de Pragas Florestais no Brasil Globalização Turismo Internacional Fronteiras

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS

MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS SIMPOSIO SOBRE PRAGAS FLORESTAIS Montes Claros/MG MONITORAMENTO DE FORMIGAS CORTADEIRAS Alberto Jorge Laranjeiro Eng. Florestal, Dr. Equilíbrio Proteção Florestal HISTÓRICO DA EQUILÍBRIO PROTEÇÃO FLORESTAL

Leia mais

INFLUÊNCIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE DOENÇAS: FERRUGEM DO EUCALIPTO NO BRASIL. Engº Agrônomo, M. Sc. Willian Bucker Moraes

INFLUÊNCIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE DOENÇAS: FERRUGEM DO EUCALIPTO NO BRASIL. Engº Agrônomo, M. Sc. Willian Bucker Moraes UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA - UNESP FACULDADE DE CIENCIAS AGRONOMICAS DEPARTAMENTO DE DEFESA FITOSSANITÁRIA INFLUÊNCIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE DOENÇAS: FERRUGEM

Leia mais

Moção do Consórcio Antiferrugem sobre o futuro do controle de doenças da soja no Brasil

Moção do Consórcio Antiferrugem sobre o futuro do controle de doenças da soja no Brasil Moção do Consórcio Antiferrugem sobre o futuro do controle de doenças da soja no Brasil Em reunião de apresentação e discussão dos resultados dos ensaios cooperativos de controle de doenças da soja, da

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 IDENTIFICAÇÃO DO IRRIGANTE Nome do Produtor: Nome da Propriedade: Endereço da Lavoura: CEP: Município: Estado:

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínio Temático CI Competitividade e Internacionalização Prioridades de investimento: 11.2 Aprovado

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana:

Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Curso Sustentabilidade e Saúde Humana: Ações individuais para melhorias em todo o planeta Nosso maior desafio neste século é pegar uma idéia que parece abstrata desenvolvimento sustentável e torná-la uma

Leia mais