PRODUÇÃO INTEGRADA DE GOIABA GRADE DE AGROQUÍMICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO INTEGRADA DE GOIABA GRADE DE AGROQUÍMICOS"

Transcrição

1 PRODUÇÃO INTEGRADA DE GOIABA GRADE DE AGROQUÍMICOS 2004

2 GRADE DE AGROQUÍMICOS Para possibilitar a implantação da Produção Integrada de Goiaba é necessário que os produtores disponham de meios mínimos para controlar quimicamente as pragas que ocorrem na cultura, mesmo para uso em última estância. Em razão das graves deficiências que ocorrem em culturas como a goiaba, onde a maioria das pragas mais importantes não conta com produtos registrados para o seu controle, não é possível estabelecer no momento, uma lista de produtos químicos, especialmente os agrotóxicos, que atendam plenamente às necessidades da produção e dos objetivos da Produção Integrada. Só sendo os pleitos de uso emergencial realizados junto à Comissão Técnica de Agrotóxicos, cuja documentação estão anexadas, sejam plenamente atendidas, poderá ser estabelecida uma Grade de Agroquimicos.

3 ATUAL GRADE DE AGROQUÍMICOS FERRUGEM Puccinia psidii Produto p. a. G. químico formulação CT Amb. registrante Observação Agrinose Oxicloreto de cobre Inorgânico WP IV - Agripec Cobox WP IV III Basf Cupravit Azul WP IV IV Bayer Fungitol Azul WP IV III Griffin Fungitol Verde WP IV III Griffin Hokko Cupra 500 WP IV III Hokko Propose WP IV III Hokko Ramexane 850 PM WP IV - Sipcam Reconil WP IV III Syngenta Recop Sulfato de cobre Microsal Não utilizar em frutos com tamanho superiores a 1,5 cm de diâmetro. Fazer no máximo 3 aplicações por ciclo. WP IV - Syngenta Sulfato de cobre Inorgânico SG IV III Microsal Não utilizar em frutos com tamanho superiores a 1,5 cm de diâmetro. Fazer no máximo 3 aplicações por ciclo. Condor 200 SC Bromuconazole Triazol Sistêmico Constant Tebuconazole Triazol EC III II Bayer Elite Sistêmico EC III II Bayer Folicur 200 CE EC III II Bayer Folicur PM WP III III Bayer Triade EC III II Bayer SC III I Aventis Aplicar no máximo 2 vezes por ciclo. Alternar com fungicidas de contacto. Formulação WP, usar dose de 50 g p.c./100l. Fazer no máximo 2 aplicações por ciclo. Alternar com fungicida de contacto. BACTERIOSE Erwinia psidii

4 ANTRACNOSE Colletotrichum gloeosporioides Agrinose Oxicloreto de cobre Inorgânico WP IV - Agripec Cupravit Azul BR WP IV IV Bayer Fungitol Azul WP IV III Griffin Fungitol Verde WP IV III Griffin Proponose WP IV III Hokko Reconil WP IV III Syngenta Recop WP IV - Syngenta Não aplicar em frutos com tamanho superior a 1,5 cm de diâmetro. Fazer no máximo 3 aplicações por ciclo. VERRUGOSE Elsione pitangae PISILIDEO Triozoida sp BESOURO AMARELO Costalimaita ferruginea MOSCA-DAS-FRUTAS Anastrepha fraterculus Dipterex trichlorphon organofosforado SL II - Bayer Utilizar como isca envenenada, com 240 ml pc ml de hidrolisado de proteína por 100 l de água. Intervalo de segurança de 7 dias. Lebaycid 500 fenthion organofosforado EC II II Bayer Intervalo de segurança de 21 dias. Lebaycid EC fenthion organofosforado EW II II Bayer Intervalo de segurança de 21 dias

5 PERCEVEJOS Monalonium spp., Leptoglossus stigma, Holhymenia clavigera GORGULHO Conotrachelus psidii COCHONILHAS Ceroplastes spp., Pseudococcus sp. ÁCAROS Polyphagolasonemus latus Thiovit Sandoz enxofre inorgânico WP IV IV Syngenta Produto recomendado para o controle de ácaro branco. O uso de produtos a base de óleos, em pré ou pós o uso deste produto requer cuidados especiais. LAGARTAS Megalopyge lanata Lebaycid 500 fenthion organofosforado EC II II Bayer Lebaycid EC fenthion organofosforado EW II II Bayer produtos recomendados para o controle de Megalophge lanata. TRIPES Selenothrips rubrocinctus Lebaycid 500 fenthion organofosforado EC II II Bayer Aplicar até o estádio fenológico 3. Lebaycid EC fenthion organofosforado EW II II Bayer Aplicar até o estádio fenológico 3.

6 APRIMORAMENTO DA GRADE DE AGROTÓXICOS DAS CULTURAS DE BANANA, CAQUI, FIGO, GOIABA, MANGA E MARACUJÁ PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS COODENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL - CATI INSTITUTO BIOLÓGICO SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO -CNPq ESTADO DE SÃO PAULO, ABRIL DE 2004

7 APRIMORAMENTO DA GRADE DE AGROTÓXICOS DAS CULTURAS DE BANANA, CAQUI, FIGO, GOIABA, MANGA E MARACUJÁ. Este documento, preparado sob os auspícios dos projetos de Produção Integrada de Banana, Caqui, Figo, Goiaba, Manga e Maracujá no Estado de São Paulo, consubstancia uma proposta de uso emergencial de defensivos para essas culturas, com o objetivo de possibilitar o controle químico e biológico das suas principais pragas e doenças, dentro do que dispõe a legislação brasileira. Tendo em vista sua competência para tanto, esta proposta está sendo submetida à apreciação do Comitê Técnico para Agrotóxicos CTA, órgão colegiado composto por representantes do MAPA, do IBAMA e da ANVISA. O Problema A legislação brasileira confere às empresas produtoras ou distribuidoras de agrotóxicos a exclusividade no pleito de registro do uso de produtos destinados ao controle de pragas em culturas específicas. Tendo em vista o elevado custo deste registro, ou das conseqüentes inclusões de uso, certas culturas, pelo pequeno potencial de mercado que representam, não dispõem produtos registrados para o controle químico de suas pragas. Isto acontece porque elas geralmente estão implantadas em pequenas propriedades, sendo conduzidas por pequenos produtores rurais, chamados agricultores familiares, sem grande capacidade de negociação, quer com as empresas produtoras de agrotóxicos, quer com os órgãos públicos responsáveis pela concessão destas licenças. Note-se que os produtos registrados para uso nas culturas de citros (laranja e lima ácida) e uva, integrantes do Programa de Produção Integrada de Frutas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA, têm uma grade de agrotóxicos registrados que atende satisfatoriamente suas necessidades, por ocuparem uma expressiva área cultivada e, em conseqüência disto, representarem bons mercados consumidores para as empresas produtoras de insumos. As Conseqüências do Problema Levantamentos sistemáticos realizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, mostram que as amostras contendo resíduos de agrotóxicos acima dos limites considerados aceitáveis pelos organismos internacionais que tratam do assunto provêm, em sua quase totalidade, de culturas que não dispõem de agrotóxicos registrados em número e qualidade suficientes para o controle eficiente de suas pragas. Em virtude disto, o produtor rural fica sem orientação apropriada para realizar o controle químico correto, tanto em termos de produtos a serem empregados como da forma mais adequada de aplicá-los, geralmente baseando-se em informações de vizinhos ou de vendedores sem qualificação técnica,para decidir sobre que produto aplicar e como faze-lo.

8 As Conseqüências Administrativas Fica, assim, evidente, que os esforços que atualmente são realizados no sentido de monitorar os níveis de resíduos tóxicos nos produtos agrícolas, darão escassos resultados, enquanto o produtor rural não dispuser de produtos apropriados para realizar o controle químico das pragas que atacam suas culturas. Em outras palavras, a ocorrência de resíduos de agrotóxicos não registrados ou de teores elevados de defensivos registrados, em produtos agrícolas, tem como causa fundamental e primária a falta de uma grade de agrotóxicos apropriada para uso na cultura, e enquanto este problema não for sanado, outras medidas se tornam meramente formais, sem resultados práticos significativos. As Conseqüências Legais A legislação brasileira, por alijar os produtores rurais e o próprio Poder Público do pleito de autorização de uso de agroquímicos nas culturas exploradas no País, cria uma situação no mínimo esdrúxula: de um lado inviabiliza a produção de certos alimentos, por não permitir o controle adequado de suas pragas mais importantes, enquanto de outro estimula a sua produção, através de programas especiais de incentivo à produção e à melhoria da qualidade. As Conseqüências Morais Ao deixar a solicitação de autorização do uso de agrotóxicos na agricultura brasileira exclusivamente nas mãos da indústria produtora, sem qualquer limitação ou compromisso desta para com a produção agrícola global do País, a legislação brasileira induz o agricultor a se tornar um contraventor, por obriga-lo a lançar mão de um subterfúgio qualquer para controlar as pragas que comprometem o sucesso de sua lavoura, utilizando, por falta de opção, produtos largamente empregados em outras culturas mas que não têm autorização legal para uso na espécie que produz. As Conseqüências Sócio-econômicas Como estas culturas são, em sua maior parte, feitas em pequenas propriedades por agricultores familiares, com o emprego de grande quantidade de mão-de-obra, a maior parte da qual qualificada e, por isso mesmo, melhor remunerada, a não solução do problema apontado poderá causar o desinteresse de boa parte destes produtores continuarem com a atividade, o que resultaria no agravamento da já precária situação social reinante no País. Além da substancial redução no número de empregos diretos resultante da eventual diminuição na área cultivada, deve-se considerar também as implicações econômicas que envolvem toda a cadeia produtiva e que vão desde o emprego de insumos e serviços produzidos antes do plantio, como mudas provenientes de viveiristas especializados ou os serviços de preparo e conservação do solo, feitos por máquinas, bem como os requeridos após a colheita dos frutos, como embalagens, beneficiamento, transporte e processamento industrial da produção. As Conseqüências Operacionais As Normas Técnicas Gerais da Produção Integrada de Frutas no Brasil, aprovadas pela Instrução Normativa n 0 20, de 27 de setembro de 2001, do Ministro de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apesar de priorizar a utilização de métodos naturais, biológicos ou biotecnológicos para o controle das pragas em culturas conduzidas neste sistema de produção, aceita o emprego de pesticidas de síntese

9 desde que seja levada em consideração a eficiência, seletividade, risco de surgimento de resistência, persistência, toxicidade, resíduos em frutos e impacto ao meio ambiente dos produtos indicados e desde que estes estejam regularmente registrados para uso na cultura, na forma da legislação vigente. Na medida em que não se disponha de produtos registrados com características que atendam as especificações acima fica difícil a implantação de um modelo de produção integrada, mas a não existência de produtos registrados que viabilizem o controle químico ou biológico das pragas da cultura impede a proposta de produção integrada dessa espécie frutífera. O Histórico Visando viabilizar o uso correto e legal de agrotóxicos nas culturas que são objeto de programas especiais do Governo Federal, como é o caso da Produção Integrada de Banana, Caqui, Figo, Goiaba, Manga e Maracujá, foi realizada reunião no CEASA de Campinas, no dia 11 de novembro último. Essa reunião, que foi organizada e coordenada pelo Grupo de Desenvolvimento Rural GDR - da Prefeitura Municipal de Campinas, contou com a participação de produtores rurais, técnicos dos órgãos oficiais federais, estaduais e municipais ligados ao assunto, empresas produtoras de agrotóxicos e suas entidades representativas e representantes do MAPA e da ANVISA. O Acordo Nessa reunião ficou acordado entre os participantes que os interessados apresentariam ao Comitê Técnico para Agrotóxicos CTA - um documento solicitando o uso emergencial de agrotóxicos que permita o controle químico das principais pragas dessas culturas, com base em documentação que comprove sua eficácia agronômica, tanto nacional como produzida no exterior. Desse documento deve fazer parte compromisso da empresa detentora da marca do produto solicitar a devida autorização de uso em prazo considerado adequado. Os Resultados Os coordenadores estaduais desses programas de produção integrada de frutas entraram em contato com as principais empresas produtoras ou distribuidoras de agrotóxicos, convidando-as para, em uma entrevista individual, definirem os produtos com condições de serem utilizados em cada uma destas culturas. As empresas convidadas foram a Basf, Bayer, Dow, Du Pont, Hokko, Ihara, Monsanto, Sipcam e Syngenta. Destas, a Sipcam não participou nem dos contatos iniciais, enquanto o representante da Dow manifestou a falta de interesse da empresa em participar do processo pelo pequeno retorno financeiro que estas inclusões representam. Nestas entrevistas ficou definido que os testes de eficácia agronômica que embasarão os pedidos de registro serão conduzidos pelos respectivos programas de produção integrada de frutas, ficando as análises de resíduos por conta das empresas detentoras das respectivas marcas comerciais. Em que pesem os esforços realizados por parte dos produtores e dos órgãos de pesquisa e extensão, inclusive se dispondo a realizar os testes de eficiência agronômica necessários, poucas foram as empresas que se dispuseram a participar do processo. A Bayer, Du Pont, Hokko e Ihara manifestaram-se formalmente de acordo com a proposta a seguir descrita, conforme documentação anexa. A Monsanto

10 manifestou a sua intenção de não participar, enquanto a Syngenta pediu maior prazo para estudar o assunto. A Proposta Como resultado, a proposta ora submetida à consideração do Comitê Técnico para Agrotóxicos CTA - fica distante do que os técnicos ligados aos órgãos públicos de ensino, pesquisa e extensão participantes do processo consideram apropriada. Atende ela, porém, aos interesses mais imediatos dos produtores dessas frutas, que podem, assim, desenvolver suas atividades dentro dos princípios legais vigentes no País, pois ela serve, se plenamente atendida, para viabilizar o controle químico das pragas dessas culturas, com os seguintes resultados positivos: a) Haverá, a curto prazo, uma sensível redução na ocorrência de resíduos tóxicos indesejáveis em frutas como banana, caqui, figo, goiaba, manga e maracujá e em seus subprodutos, beneficiando assim a sociedade brasileira em geral e possibilitando a sua exportação, especialmente para países da Comunidade Econômica Européia; b) Evitará o uso indevido de agrotóxicos nas culturas de banana, caqui, figo, goiaba, manga e maracujá, consideradas essenciais para a sobrevivência das populações urbanas que dependem dessas frutas para sua alimentação; c) Viabilizará a continuidade dos programas oficiais desenvolvidos pelo MAPA, CNPq e Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, como é o caso da Produção Integrada de Frutas; O Documento O presente documento está dividido em seções, cada uma delas referente a uma dessas culturas e composto das seguintes partes: 1. INTRODUÇÃO, em que são apresentados dados sobre; a) a área cultivada, o volume produzido e o valor da produção; b) os mercados visados por essa produção; c) uma estimativa dos empregos diretos e indiretos criados e mantidos por essa produção; d) o tamanho médio das propriedades que se dedicam a essa cultura. 2. PROBLEMAS FITOSSANITÁRIOS, assim dividida: a) as principais pragas da cultura; b) os produtos registrados; c) a carência de produtos registrados para o controle químico destas pragas; d) o uso indevido de defensivos agrícolas. 3. PROPOSTA DE AGROTÓXICOS PARA USO EMERGENCIAL NA CULTURA, dividida em três partes: a) produtos que representam inclusão de alvo; b) produtos que representam inclusão de cultura; c) revalidação do registro de defensivos recentemente cancelados e sem substitutos.

11 4. ANEXOS, composto das seguintes partes: a) documentação certificando a eficácia agronômica do produto, que pode constar de trabalhos científicos, indicação de uso autorizado em outros países; recomendação de uso por entidade oficial estrangeira qualificada; uso corriqueiro entre nós ou declaração de eficiência assinada por pesquisador de entidade pública oficial brasileira; b) abaixo assinado de produtores ou técnicos ligados à cultura ou carta de entidade de classe de produtores rurais, solicitando o deferimento do pleito; Considerações Finais Os coordenadores dos programas de produção integrada dessas espécies frutíferas no Estado de São Paulo e o coordenador geral do preparo deste documento esperam que esta proposta seja o início de uma relação mais formal e estável com o CTA, com o objetivo de se encontrar uma solução definitiva para este problema, que preocupa técnicos e produtores. Para isso, colocam-se à disposição de Vossas Senhorias para os esclarecimentos, debates ou providências que se fizerem necessários. Atenciosamente Campinas, 6 de abril de Seguem-se as assinaturas de: Clovis de Toledo Piza Junior Coordenador deste Documento Fone (19) Luiz Antonio de Campos Penteado Coordenador do Projeto PIF Banana Fone (13) , ramais 224 e Renato Alves Pereira Coordenador do Projeto PIF Caqui Fone (11) José Augusto Maiorano Coordenador do Projeto PIF Figo Fone (19)

12 Ryosuke Kavati Coordenador do Projeto PIF Goiaba Fone (19) Vera Lucia Palla Coordenadora do Projeto PIF Manga Fone (16) Domingos de Azevedo Oliveira Coordenador do Projeto PIF Maracujá Fone (19) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Conselho Nacional Científico e Tecnológico CNPq PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS

13 PIF GOIABA/SP USO EMERGENCIAL DE AGROTÓXICOS PARA A CULTURA DA GOIABA ABRIL DE 2004

14 USO DE AGROTÓXICOS NA CULTURA DA GOIABEIRA 1. Introdução A goiabeira Psidium guajava L. - espécie pertencente à família Myrtaceae, é cultivada em toda zona tropical e subtropical do mundo, sendo os maiores produtores mundiais desta fruta, segundo PEREIRA & NATCHIGAL (2003), a Índia, Paquistão, Brasil, Egito, Venezuela, Estados Unidos, África do Sul, México, Austrália e o Quênia. No Brasil, a cultura da goiaba ocupava uma área de hectares em 2002, com uma produção de toneladas de frutas (AGRIANUAL, 2004), gerando um valor de produção da ordem de R$ 198 milhões (PIEDADE NETO, 2003). Estes números indicam o envolvimento direto de cerca de trabalhadores rurais na sua produção, além de outros empregos indiretos nas demais atividades da cadeia produtiva de goiaba. Em São Paulo, o maior estado produtor da fruta, são cultivados hectares em 2030 propriedades rurais (LUPA 1995), basicamente em pequenas propriedades. Do total da produção brasileira de goiaba, segundo PIEDADE NETO (2003), 54% se destinam ao processamento industrial, principalmente para a fabricação de doces e sucos. O pré-processamento da fruta, realizado por inúmeras agroindústrias, que consiste na fabricação da polpa ou purê, matéria prima para produção de inúmeros produtos mais elaborados como a goiabada e sucos, registraram uma produção, em 2000, de cerca de toneladas de polpa, das quais cerca de 1% é exportado, principalmente para Porto Rico, Estados Unidos, Portugal e Paraguai (ROZANE et al., 2003). O consumo interno de produtos derivados de goiaba apresenta um crescimento anual próximo a 10%. Os demais 46% da produção brasileira, ou seja, cerca de toneladas de goiaba, são destinados ao mercado de frutas frescas, para consumo ao natural, principalmente nos grandes centros urbanos. A exportação de goiaba, especialmente para os países da Comunidade Européia, atingiu o ápice nos anos 80, quando foram exportados volumes superiores a 400 toneladas anualmente, a partir de quando essas remessas se estabilizaram em patamares bem mais baixos. Assim, em 2002 a exportação de fruta fresca, proveniente principalmente da produção paulista, foi de 250 toneladas, gerando uma receita de US$150 mil. Com o desenvolvimento de novas formas de utilização da polpa de goiaba, como é o caso do Guatchup e do molho pronto, há uma expectativa de crescimento bastante acentuado da área cultivada, nos próximos anos. 2. Os problemas fitossanitários na cultura de goiabeira As condições de clima dos locais onde se cultiva a goiaba no mundo favorecem a ocorrência de pragas, doenças e plantas daninhas, que quando não são bem manejadas, podem provocar sérios prejuízos aos produtores. Até a alguns anos, todas as pesquisas oficiais e privadas trabalharam no sentido de promover o controle químico destas pragas, seguindo uma tendência mundial que caracterizou o período após Segunda Guerra Mundial. Mesmo neste período, no entanto, culturas como a de goiaba, cuja área plantada é pouco extensa, não foram devidamente contempladas com o registro de produtos químicos em número suficiente para viabilizar o seu cultivo comercial. Por outro lado, os métodos mais modernos de

15 manejo destas pragas, que se enquadrem nos novos conceitos da produção agrícola, não estão devidamente desenvolvidas a ponto de prescindir do controle químico. No Brasil, inúmeras são as pragas que ocorrem na cultura e é pequena a relação de produtos químicos com uso autorizado para a goiaba. Agravando esta situação, a legislação vigente que regulamenta o uso destes produtos, limita mais ainda os métodos de controle mais conhecido e empregado no País, uma vez que os produtos são registrados para o combate de uma praga específica. O Quadro 1 apresenta uma lista de pragas e doenças que atacam a cultura da goiaba no País e o número produtos registrados com uso autorizado para cada uma delas, segundo o Sistema de Informações sobre Agrotóxicos, elaborado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. QUADRO 1 Pragas Que Atacam a Goiabeira e os Produtos Registrados Para Seu Controle Químico. Nº Pragas Número de Produtos Registrados 01 Anastrepha fraterculus 3 02 Botryosphaeria dothidea 0 03 Ceratitis capitata 4 04 Ceroplastes floridensis 0 05 Ceroplastes juneirensis 0 06 Citheronia laocoon 0 07 Colletotrichum gloeosporioides 8 08 Conatrachelus psidii 0 09 Costalimaita ferruginea 0 10 Dothiorella dominicana 0 11 Erwinia psidii 0 12 Helicotylenchus dihystera 0 13 Holymeria clavigera 0 14 Leptoglossus stigma 0 15 Megalopyge lanata 2 16 Meloidogyne incógnita 0 17 Mimallo amilia 1 18 Phyllosticta guajavae 0 19 Phytophthora spp Polyphagolasonemus latus 1 21 Puccinia psidii Pyrrhopyge charybdis 0 23 Rhizoctonia solana 0 24 Selenothrips rubrocinctus 0 25 Sphaceloma psidii 6 26 Timocratica albella 0 27 Trachyderes thoracicus 0 28 Triozoida sp. 0 Por outro lado, um levantamento feito entre os meses de agosto e outubro de 2002, em cerca de 8% de produtores de goiaba no Estado de São Paulo, indicou que as pragas de ocorrência mais freqüente nas lavouras paulistas são as relacionadas no

16 Quadro 2, 11 das quais constam do Quadro 1 mas cinco delas - o fungo Elsinoe pitangae, a cochonilha Pseudococcus sp., os percevejos Monalonium spp. e mais duas espécies de lagartas ainda não identificadas - não são ainda relacionadas como pragas da cultura. QUADRO2 Os Principais Problemas Fitossanitários da Produção de Goiaba no Estado de São Paulo, por Ordem de Importância, e Situação Atual Quanto ao Controle Químico. Ordem Pragas Agentes Produtos Regsitrados 01 Ferrugem Puccinia psidii Psilídeo Triozoida sp Besouro-amarelo Costalimaita ferruginea 0 04 Mosca-das-frutas Anastrepha fraterculus 3 05 Bacteriose Erwinia psidii 0 06 Percevejos Monalonium spp. Leptoglossus stigma Holhymenia clavigera Gorgulho Conotrachelus psidii 0 08 Antracnose Colletotrichum gloeosporioides 8 09 Cochonilhas Ceroplastes spp. Pseudococcus sp Ácaros Polyphagolasonemus latus 1 11 Lagartas 2 espécies não identificadas que 0 atacam o ponteiro e as frutas 12 Verrugose Elsinoe pitangae 0 A simples análise dos dados do Quadro 2 indica a gravidade do problema enfrentado pelos produtores brasileiros de goiaba, uma vez que das 10 pragas de ocorrência mais freqüente em pomares paulistas, apenas três delas têm métodos de controle legalmente estabelecidos. Esta situação se torna mais grave ainda quando comparada com a existente em outros países que competem com o Brasil no mercado internacional, como é o caso da Malásia, onde os produtores tem à sua disposição 91 fungicidas (32 princípios ativos), 103 inseticidas e acaricidas (17 princípios ativos), 17 moluscocidas (2 princípios ativos), 12 nematicidas (3 princípios ativos) e 25 herbicidas (6 princípios ativos), todos registrados e com uso autorizados em goiaba, segundo KWEE & CHONG (1990). Esta situação se reflete nos levantamentos de resíduos de agrotóxicos presentes nos alimentos consumidos pela população brasileira, que indicam que no período de 1978 a 1995, de um total de 217 amostras de goiaba coletadas junto aos comerciantes, apenas 1,84% continha resíduos de agrotóxicos acima do limite máximo permitido; contudo, 16,6% delas apresentavam resíduos de produtos não permitidos para uso na cultura (MOREIRA et al., 2003). Estes mesmos autores citam o relatório do Projeto Terra Viva (1996), desenvolvido na região de Piedade e Valinhos no Estado de São Paulo, onde foi constatada a média de 14,5 e 33,5 pulverizações por ano com inseticidas e fungicidas com uso não autorizado na cultura, respectivamente.

17 3. Uso emergencial Em função da situação acima exposta, faz-se necessária a autorização de uso de produtos que possam viabilizar o cultivo comercial da goiaba, pelo menos até que novas tecnologias de controle ou manejo das pragas sejam desenvolvidas no País. Dessa forma, após consultas aos produtores, técnicos que atuam diretamente ligados à cultura e representantes das Empresas detentoras das marcas citadas, elaborou-se a seguinte proposta para obtenção de autorização para uso emergencial de agrotóxicos na cultura da goiaba: 3.a. Inclusão de novos alvos para produtos já registrados na cultura da goiaba. No Quadro 3, Anexo 1, são relacionados os produtos já registrados para a cultura da goiaba com eficiência no controle de outras pragas nas mesmas doses e utilizados em estágio fenológico anterior em relação ao uso atualmente autorizado. RIBEIRO e colaboradores (1985), em estudos iniciais para o controle de uma grave doença que ocorriam em pomares da região de Campinas-SP, provocada por uma bactéria Erwinia psidii recomendam a proteção dos ferimentos provocados pela poda com Calda Sulfocálcica e a proteção das brotações novas através da aplicação quinzenal de produtos a base de cobre, citando como exemplo o oxicloreto de cobre com 50% de cobre metálico, na dose de 200 g pc/100 l de água. Em 1992, GONZAGA NETO & SOARES, continuam recomendando aplicações de produtos cúpricos do início da brotação até os frutos atingirem 3 cm de diâmetro, para o controle eficiente desta doença. MOSSLER & NESHEIM (2003) afirmam que todos os fungicidas registrados para uso em goiaba na Florida, são cúpricos, na forma de hidróxido, sulfato e óxidos. Os mesmos autores citam a eficácia dos fungicidas do grupo das estrobilulina no controle de diversas doenças que ocorrem naquelas condições. SOUZA e colaboradores (2003) recomendam pulverizações a cada sete a dez dias, em cobertura total, com fenthion 500 CE ou triclorfon 500 SC, nas doses de 100 e 300 ml/100 l de água, respectivamente, para o controle do gorgulho. E, os mesmos produtos e nas mesmas doses, em aplicação noturna para o controle do besouro amarelo. 3.b. Inclusão da cultura de goiaba na bula de produtos com registro para uso em outras cul turas hortícolas. No Quadro 4, Anexo 2, consta a relação de pragas de importância econômica da cultura de goiaba, no Estado de São Paulo, que não dispõe atualmente de nenhum produto químico para efetuar o seu controle e contra as quais se solicita autorização para uso de produtos registrados em outras culturas hortícolas. BARBOSA e colaboradores (1999), comprovaram a eficácia do imidacloprid e lambdacyhalothrin no controle do psilídeo, em Petrolina-PE. Em 2001, BARBOSA e colaboradores, verificaram a eficácia do imidacloprid em duas formulações, betacyflutrin, thiacloprid e imidacloprid no controle desta mesma praga e o impacto na população de insetos benéficos. Em 2002, BARBOSA e colaboradores, comprovaram a eficácia de diversas formulações de thiamethoxan, no controle da principal praga de

18 ocorrência no Brasil. SOUZA e colaboradores (2003), recomendam o imidacloprid 70 GrDA, na dose de 30 g /100 l de água, para o controle de psilídeos. SOUZA e colaboradores (2003) recomendam ainda inseticidas do grupo dos neonicotinóides (tiametoxan, imidacloprid) para o controle de outras pragas da goiabeira. Produtos a base de Bacillus thuringiensis, são recomendados por diversos autores para o controle de diversas espécies de lagartas que ocorrem na goiabeira ( SOUZA et al., 2003; PEÑA & JOHNSON, 1998) e registrado para uso em goiaba na Florida (MOSSLER & NEISHEIN, 2003). Produtos a base de tiofanato metílico, é recomendado na Malásia, para o controle de diversas doenças da goiabeira (KWEE & CHONG, 1990) Os produtos a base de acefato e metidationa são tradicionalmente utilizada na cultura para o combate de insetos sugadores como as cochonilhas e psilídeo. 3.c. Revalidação da autorização de uso de produtos que já eram registrados para a cultura da goiaba e que foram recentemente cancelados. No Quadro 5, Anexo 3, consta a relação de produtos que eram registrados para o controle de determinadas pragas na cultura da goiaba e que foram retiradas recentemente, sem que nenhum outro produto apresente características semelhantes e que possam substituir os excluídos. O mancozeb, quando em pré-mistura com oxicloreto de cobre, sempre foi uma das poucas alternativas para o controle eficaz de diversas bacterioses que ocorrem na produção de frutas. Especificamente na cultura da goiabeira, o produto sempre foi amplamente utilizado, não só no controle da bacteriose, mas também contra diversas doenças fúngicas. O fenitrothion por ter sido, por muito tempo, o único produto registrado para o controle da Costalimaita ferruginea em goiabeira, sempre foi amplamente utilizado e com eficiente controle da praga. 3.d. Produtos com registros pendentes. No Quadro 6, Anexo 3, consta a relação de produtos cujos pedidos de registro já foram encaminhados aos órgãos competentes, solicitando-se urgência na sua tramitação, para que possam ser utilizados pelos produtores a curto prazo. 4. Bibliografia consultada AGRIANUAL 2004 ANUÁRIO DA AGRICULTURA BRASILEIRA. FNP, São Paulo, 2003: BARBOSA, F.R.; SANTOS, A. P. dos ; HAJI, A. T.; MOREIRA, W. A.; HAJI, F.N.P.; ALENCAR, J.A. de Eficiência e seletividade do imidacloprid e lambdacyhalothrin no controle do psilídeo (Triozoida sp.), em goiabeira. Ver. Bras. De Fruticultura, v. 21, n. 3, p , Jaboticabal, BARBOSA, F.R.; SOUZA, E.A. de; SIQUEIRA, K.M.M. de; MOREIRA, W.A.; ALENCAR, J.A.de; HAJI, F.N.P. Eficiência e seletividade dos inseticidas no controle da Triozoida sp. Em goiabeira. Ver. Ecotoxicolog. e Meio Ambiente, v.11, p , Curitiba, 2001.

19 BARBOSA, F.R.; FERREIRA, R.G.; KIILL, L.H.; SOUZA, E.A. de; MOREIRA, W.A.; ALENCAR, J.A. de; HAJI, F.N.P. Estudo do nível de dano, plantas invasoras hospedeiras e controle do psilídeo da goiabeira (Triozoida sp.). Anais XIX Congresso Brasileiro de Entomologia, Manaus, KWEE, L.T.; CHONG, K.K. Guava in Malaysia Production, Pest and Diseases. Kuala Lumpur, 1990: MOREIRA, R.N.A.G.; FREITAS, G.B.; TRIVELLATO, M.P.; PINHEIRO, S.S.C. Normas para certificação e cultivo orgânico da goiabeira. In: ROZANE, D.E.; COUTO, F.A. D`A. Cultura da goiabeira Tecnologia e Mercado. Viçosa, 2003: MOSSLER, M.A.; NESHEIM, O. N. Florida crop / Pest Management profile: Guava and Wax Jambu. Cooperative Extension Service, University of Florida, PEÑA, J.; JOHNSON, F.- Insect management in Guava. Cooperative Extension Service, University of Florida, PEREIRA, F.M.; NATCHTIGAL, J.C. Melhoramento da goiabeira. In: ROZANE, D.E.; COUTO, F.A. D A. Cultura da goiabeira Tecnologia e Mercado. Viçosa, 2003: PIEDADE NETO, A. Goiaba vermelha, fonte de riqueza à saúde, ao trabalho e às Nações. In: ROZANE, D.E.; COUTO, F.A. D`A. Cultura da goiabeira Tecnologia e Mercado. Viçosa, 2003: SOUZA, J.C. de; HAGA, A.; SOUZA, M. de A. Pragas da goiabeira. EPAMIG, Boletim Técnico nº 71, Belo Horizonte, 2003:60p.

20 ANEXO 1 QUADRO 3 Inclusão De Novos Alvos Em Produtos Registrados Para Uso Na Cultura Da Goiaba. Nº Praga Agente Produtos i.a. p.c. Registrad o para Dose Clase Tox. Amb. Carência Empresa detentora 01 bacteriose Erwinia psidii ox. cobre RECONIL ferrugem 400g/100l IV III 7 Syngenta 02 bacteriose ox. cobre RECOP ferrugem 200g/100l IV III 7 Syngenta 03 bacteriose sulf. cobre SULFATO DE ferrugem 400- IV III 7 Microsal COBRE MICROSAL 500g/100l 04 bacteriose hidr. cobre KOCIDE ferrugem* Du Pont 05 verrugose Elsione pitangae tebuconazol FOLICUR 200 CE ferrugem 75 III II 20 Bayer ml/100l 06 antracnose Colletotrichum cizoxistrobina AMISTAR* ferrugem* IV III Syngenta gloeosporioides 07 Besouro Costalimaita ferruginea triclorfon DIPTEREX 500 mosca / 300 II III 7 Bayer amarelo lagartas ml/100l 08 Gorgulho Conotrachelus psidii triclorfon DIPTEREX 500 mosca/lagartas 300 ml II III 7 Bayer 09 Percevejos Leptoglossus stigma Monalonium sp. Holhymenia clavigera triclorfon DIPTEREX 500 mosca/lagartas 300 ml II III 7 Bayer 10 Besouro amarelo Costalimaita ferruginea fention LEBAYCID 5OO tripes e mosca 100 ml/100l 11 Gorgulho Conatrachelus psidii fention LEBAYCID 500 tripes e mosca 100 ml/100l 12 Percevejos Leptoglossus stigma fention LEBAYCID 500 tripes e mosca 100 Holhymenia sp. ml/100l Monalonium sp. II II 21 Bayer II II 21 Bayer II II 21 Bayer * KOCIDE WDG / AMISTAR Ver Quadro 6.

Manejo Integrado de Pragas

Manejo Integrado de Pragas Manejo Integrado de Pragas CATI / Campinas-SP 11/11/2011 Miguel Francisco de Souza Filho Pesquisador Científico Instituto Biológico - APTA Caixa Postal 70 CEP 13012-970 / Campinas - SP e-mail: miguelf@biologico.sp.gov.br

Leia mais

Grade de Agroquímicos

Grade de Agroquímicos Produção Integrada de Manga PI Manga Grade de Agroquímicos Fungicidas, inseticidas, acaricidas e agroquímicos de uso geral registrado no MAPA para uso na cultura da Manga. Os fungicidas, inseticidas, acaricidas

Leia mais

GRADE DE AGROTÓXICOS PARA A CULTURA DO MELÃO

GRADE DE AGROTÓXICOS PARA A CULTURA DO MELÃO GRADE DE AGROTÓXICOS PARA A CULTURA DO MELÃO Nome Técnico Marca Comercial Classe Grupo Químico Classif. Tox. Amb. g/100 l água Dosagem ml/100 l água Interv. de Enxofre Thiovit Sandoz Acaricida Inorgânico

Leia mais

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade Tecnologia de Aplicação Introdução Cultivo de plantas graníferas (culturas anuais) na safra 2014/15: Área de 57,21 milhões de ha

Leia mais

A CULTURA DA GOIABEIRA

A CULTURA DA GOIABEIRA Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz A CULTURA DA GOIABEIRA Prof. Angelo Pedro Jacomino Centro de Origem região tropical da América: sul do México até sul do Brasil

Leia mais

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Reginaldo Minaré A produção agrícola ocupa posição de destaque na comunidade brasileira, produz, de fato, os alimentos necessários à população

Leia mais

A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil

A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico José Antonio Alberto da Silva Pesquisador Científico APTA-Colina Coordenador da PIC no Estado de

Leia mais

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2

INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA. Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 INVESTIMENTO E RETORNO NA FRUTICULTURA Prof. Dr. Ricardo Antonio Ayub 1 e Mariane Gioppo 2 1 Universidade Estadual de Ponta Grossa - Professor Doutor Associado Departamento de Fitotecnia e Fitossanidade

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS

PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS PLANO DE AÇÃO PARA EXECUÇÃO DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MAPA x ABRAS Rosilene Ferreira Souto Luzia Souza Setembro 2014 Parceria Institucional com foco na rastreabilidade Acordo de Cooperação entre

Leia mais

Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial. Recife, 04 de dezembro de 2008

Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial. Recife, 04 de dezembro de 2008 Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial Recife, 04 de dezembro de 2008 Lei 7.802/1989 artigo 3º Agrotóxicos só poderão ser produzidos, importados, exportados, manipulados comercializados

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS.

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. O QUE É IMPORTANTE VOCÊ SABER SOBRE AGROTÓXICOS, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. O que são os AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, pesticidas, produtos fitossanitários, defensivos agrícolas

Leia mais

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16

CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 CADASTRO E PLANO DE TRABALHO SIMPLIFICADO ANTECIPAÇÃO DO VAZIO SANITÁRIO DA SOJA - SAFRA 2015/16 IDENTIFICAÇÃO DO IRRIGANTE Nome do Produtor: Nome da Propriedade: Endereço da Lavoura: CEP: Município: Estado:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, o SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROL DE CALIDAD EN LOS ALIMENTOS-RESIDUOS DE PESTICIDAS EN SAN PABLO - BRASIL

PROGRAMA DE CONTROL DE CALIDAD EN LOS ALIMENTOS-RESIDUOS DE PESTICIDAS EN SAN PABLO - BRASIL Buenos Aires/2009 PROGRAMA DE CONTROL DE CALIDAD EN LOS ALIMENTOS-RESIDUOS DE PESTICIDAS EN SAN PABLO - BRASIL Laboratório de Resíduos de Pesticidas/IB/APTA Legislação de Pesticidas Brasil - Fluxograma

Leia mais

Agrotóxicos: Avaliação da Eficiência Agronômica e seus benefícios para a agricultura

Agrotóxicos: Avaliação da Eficiência Agronômica e seus benefícios para a agricultura Agrotóxicos: Avaliação da Eficiência Agronômica e seus benefícios para a agricultura REUNIÃO OPAS Rio de Janeiro Dezembro de 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. BRASIL LEGISLAÇÃO

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

48º Congresso Brasileiro de Olericultura

48º Congresso Brasileiro de Olericultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 48º Congresso Brasileiro de Olericultura Lei dos agrotóxicos e implicações em minor crops Dr. Débora Maria Rodrigues Cruz Maringá, 29 de julho de 2008

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS

A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS A FORÇA DO COMPRADOR E AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS A produção de frutas e hortaliças para exportação obedece procedimentos estabelecidos pelos diferentes sistemas de certificação determinados pelo comprador,

Leia mais

Pesquisa, Consultoria e Treinamento Agrícola Ltda. Soluções para Manejo de Pragas, Plantas Daninhas, Biotecnologia Aplicada e Monitoramento Ambiental

Pesquisa, Consultoria e Treinamento Agrícola Ltda. Soluções para Manejo de Pragas, Plantas Daninhas, Biotecnologia Aplicada e Monitoramento Ambiental Pesquisa, Consultoria e Treinamento Agrícola Ltda. Soluções para Manejo de Pragas, Plantas Daninhas, Biotecnologia Aplicada e Monitoramento Ambiental Estações Experimentais de Pesquisa EEGJaboticabal EEGUberlândia

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA CURSO DE GRADUACAO EM AGRONOMIA. CULTURA DA GOIABEIRA/ANO 2015 Aparecida C. Boliani.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA CURSO DE GRADUACAO EM AGRONOMIA. CULTURA DA GOIABEIRA/ANO 2015 Aparecida C. Boliani. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA 1 CURSO DE GRADUACAO EM AGRONOMIA CULTURA DA GOIABEIRA/ANO 2015 Aparecida C. Boliani. 1. INTRODUÇÃO Centro de origem área entre México, Colômbia,

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

ANVISA DETERMINA A RETIRADA PROGRAMADA DO INGREDIENTE ATIVO METAMIDOFÓS

ANVISA DETERMINA A RETIRADA PROGRAMADA DO INGREDIENTE ATIVO METAMIDOFÓS Circular n 009/2.011 São Paulo, 17 de Janeiro de 2.011 ANVISA DETERMINA A RETIRADA PROGRAMADA DO INGREDIENTE ATIVO METAMIDOFÓS Prezado Associado: A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

ESTRATÉGIAS E MANEJO ALTERNATIVO DE CONTROLE DE PRAGAS APLICADOS A AGRICULTURA FAMILIAR

ESTRATÉGIAS E MANEJO ALTERNATIVO DE CONTROLE DE PRAGAS APLICADOS A AGRICULTURA FAMILIAR INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISA, ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL CENTRO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL CENTRO SERRANO ESTRATÉGIAS E MANEJO ALTERNATIVO DE CONTROLE DE PRAGAS APLICADOS A AGRICULTURA

Leia mais

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização:

Ações de manejo da. Helicoverpa armigera. Realização: Ações de manejo da Helicoverpa armigera Realização: Quem é a praga? A Helicoverpa armigera é uma praga exótica, polífaga, que se alimenta de várias culturas agrícolas e plantas daninhas. Na fase de larva

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas

Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Manejo Integrado de Pragas de Grandes Culturas Marcelo C. Picanço Prof. de Entomologia Universidade Federal de Viçosa Telefone: (31)38994009 E-mail: picanco@ufv.br Situação do Controle de Pragas de Grandes

Leia mais

SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL

SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL SITUAÇÃO DO MERCADO DE AGROTÓXICOS NO MUNDO E NO BRASIL - Fontes oficiais de diversos estudos realizados por: BNDES, FIESP, SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, DIEESE E ANVISA CAMPANHA NACIONAL

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1. COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.062, DE 2007 (apenso o PL nº 1.166, de 2007) Institui incentivo fiscal para o controle biológico de pragas

Leia mais

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Seminário Legislação de Agrotóxicos, Receituário Agronomico, Comercialização e Uso - Aspectos Técnicos e Legais Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Engº Agrº Júlio Sérgio

Leia mais

O manejo da resistência de pragas a inseticidas depende de todos nós: Adote esta idéia!

O manejo da resistência de pragas a inseticidas depende de todos nós: Adote esta idéia! O manejo da resistência de pragas a inseticidas depende de todos nós: Adote esta idéia! Manejo da Resistência de Pragas a Inseticidas: Considere essa Alternativa A produção vegetal atual está anos-luz

Leia mais

Palavras-chave: Agricultura Familiar, Fruticultura, Assistência Técnica, Metodologia Participativa, Agroecologia.

Palavras-chave: Agricultura Familiar, Fruticultura, Assistência Técnica, Metodologia Participativa, Agroecologia. Experiências de Assessoramento a Fruticultores da Região de Itaberaí GO, realizado pelo Grupo de Ensino, pesquisa e Assistência à Agricultores Familiares. RIBEIRO, Gessyane Guimarães¹; HAROLD, Carlos Alexandre

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Conselho Nacional Científico e Tecnológico CNPq PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS PIF CAQUI/SP

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Conselho Nacional Científico e Tecnológico CNPq PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS PIF CAQUI/SP Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Conselho Nacional Científico e Tecnológico CNPq PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS PIF CAQUI/SP GRADE DE AGROQUÍMICOS USO EMERGENCIAL DE AGROQUÍMICOS

Leia mais

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Mamão PI-Mamão. Nº de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Nome do Produtor/Empresa: Município: Estado: CEP:

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Mamão PI-Mamão. Nº de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Nome do Produtor/Empresa: Município: Estado: CEP: Produção Integrada de Mamão PI-Mamão CADERNO DE CAMPO Nº de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Nome do Produtor/Empresa: Endereço: Município: Estado: CEP: Telefone: Fax: E-mail: Home-Page: CP: Responsável

Leia mais

A lagarta acabou com o meu feijão!

A lagarta acabou com o meu feijão! A lagarta acabou com o meu feijão! A UU L AL A Os brasileiros gostam muito de um bom prato de arroz e feijão. Quando vamos ao supermercado e compramos um pacote de feijão pronto para ser cozido, não imaginamos

Leia mais

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual Ferrugem (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual A primeira citação de Puccinia kuehnii como agente causador de Ferrugem na cultura da Cana-de-Açúcar data de 1890. Todavia, somente no final da

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. ANO II / Nº56 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. Uma safra inteira se passou desde o início dos trabalhos do Programa Fitossanitário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR

Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR Manejo Integrado de Pragas GASTAR CERTO E GANHAR ROMEU SUZUKI ENGENHEIRO AGRONOMO UNIDADE MUNICIPAL DE MARILÂNDIA DO SUL Janeiro 2005 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Justificativa 3 4. Métodos

Leia mais

MANEJO E MONITORAMENTO DE MOSCAS-DAS-FRUTAS. Adalton Raga & Miguel Francisco de Souza Filho

MANEJO E MONITORAMENTO DE MOSCAS-DAS-FRUTAS. Adalton Raga & Miguel Francisco de Souza Filho MANEJO E MONITORAMENTO DE MOSCAS-DAS-FRUTAS Adalton Raga & Miguel Francisco de Souza Filho Instituto Biológico, Centro Experimental Central do Instituto Biológico, CP 70, CEP 13001-970, Campinas, SP, Brasil.

Leia mais

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO

Fundação Mokiti Okada M.O.A Centro de Pesquisa Mokiti Okada - CPMO Fundação Mokiti Okada M.O.A Mokiti Okada - CPMO CADEIA PRODUTIVA DA AGRICULTURA ORGÂNICA Audiência Pública da Comissão de Agricultura e Reforma Agrária CRA Senado Federal Novembro 2008 1 Mokiti Okada CPMO

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Site: www.aenda.org.br Email: aenda@aenda.org.br

Site: www.aenda.org.br Email: aenda@aenda.org.br INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 11, DE 30 DE JUNHO DE 2015 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

BASF Cana Crescer a cada desafio

BASF Cana Crescer a cada desafio BASF Cana Crescer a cada desafio Pag. 1 Pag. 2 Soluções integradas por todo o ciclo da cana-de-açúcar. Pag. 3 Cada dia nos desafia a crescer. Pag. 4 Buscar oportunidades para produzir mais, melhor e com

Leia mais

http://www.infobibos.com/artigos/pragasmanga/pragas.htm

http://www.infobibos.com/artigos/pragasmanga/pragas.htm 1/6 Pragas da mangueira Formigas cortadeiras Atta spp, saúvas Acromyrmex spp, quemquéns por Carlos Jorge Rossetto As formigas cortadeiras são limitantes para formação do pomar de manga. Devem ser combatidas

Leia mais

Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos EAEA/UFG nataliaagronegocio@gmail.com

Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos EAEA/UFG nataliaagronegocio@gmail.com Segurança Alimentar e Agricultura Familiar: Análise do Programa da Gestão Integrada da Alimentação Escolar no Município de Goiânia-Go a Partir da Lei 11947/2009 Natalia Ferreira BARBOSA 1 Prof.º Dr. Luiz

Leia mais

Informações tecnológicas, manejo adotado pelos produtores e sugestões de medidas para o controle das pragas da goiabeira 2013(E)

Informações tecnológicas, manejo adotado pelos produtores e sugestões de medidas para o controle das pragas da goiabeira 2013(E) 63 INFORMAÇÕES TECNOLÓGICAS, MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS ADOTADO PELOS PRODUTORES E SUGESTÕES DE MEDIDAS PARA O CONTROLE DE PRAGAS DA GOIABEIRA (Psidium guajava) MAURICIO DOMINGUEZ NASSER 1 FLÁVIA APARECIDA

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Eng. Agr. M.Sc. Waldemar Sanchez. Projetos Bayer para Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI)

Eng. Agr. M.Sc. Waldemar Sanchez. Projetos Bayer para Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI) Eng. Agr. M.Sc. Waldemar Sanchez Projetos Bayer para Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente (CSFI) Agenda Produtos / Culturas / Alvos Projetos Bayer: Investimentos & Prazos Bayer CropScience Visão

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 10 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil

Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico. Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico Panorama e Desafios do Controle Biológico no Brasil Categorias do Controle Biológico e MIP Micro biológico Nutrição Vegetal Semio químicos Controle

Leia mais

O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL

O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL O VENENO ESTA NA MESA: MODELO DE ALIMENTAÇÃO, AGRICULTURA E SAÚDE NO BRASIL Marilia Carla de Mello Gaia 1 Qual a primeira coisa que nos vem à cabeça quando nos deparamos com as lindas frutas e legumes

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM POMAR FRUTÍCOLA NO MUNICÍPIO DE URUPEMA, SC

QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM POMAR FRUTÍCOLA NO MUNICÍPIO DE URUPEMA, SC QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM POMAR FRUTÍCOLA NO MUNICÍPIO DE URUPEMA, SC Área Temática: Tecnologia e Produção Roberto Akitoshi Komatsu (Coordenador da ação de extensão) Roberto Akitoshi Komatsu 1, Pedro

Leia mais

Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS

Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS Imidacloprid 700WG Inseticida de tripla ação: sistêmico, de contato e ingestão Galeão é um inseticida sistêmico, do grupo dos neonicotinóides que

Leia mais

Presença indesejável no Brasil

Presença indesejável no Brasil Presença indesejável no Brasil Lucas Tadeu Ferreira e Maria Fernanda Diniz Avidos mosca-branca (Bemisia argentifolii) é uma velha conhecida da comunidade científica. Os problemas que causa à agricultura

Leia mais

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014

ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 ORIENTAÇÕES SOBRE ROTULAGEM Resolução SESA nº 748/2014 Expediente: Textos: Elisangeles Souza e Marcos Andersen Revisão: Elisangeles Souza, Maria Silvia

Leia mais

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO

SOCIOECONÔMICOS 10 2 ASPECTOS INTRODUÇÃO PRODUÇÃO E CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO 10 2 ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS Loiva Maria Ribeiro de Mello INTRODUÇÃO A maçã é a fruta de clima temperado mais importante comercializada como fruta fresca, tanto no contexto internacional quanto no nacional.

Leia mais

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF

SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF PRODUZINDO COM SEGURANÇA O Seguro da Agricultura Familiar - SEAF foi criado pelo Governo Federal para que o produtor possa desenvolver sua lavoura com segurança, atendendo

Leia mais

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos

Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Tecnologia de aplicação de Agrotóxicos Engº. Agrº. M. Sc. Aldemir Chaim Laboratório de Tecnologia de Aplicação de Agrotóxicos Embrapa Meio Ambiente História da aplicação de defensivos Equipamento de aplicação

Leia mais

A INDÚSTRIA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS

A INDÚSTRIA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS A INDÚSTRIA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS INOVAÇÃO E CONTRIBUIÇÕES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Edivandro Seron Associação Nacional Defesa Vegetal ANDEF VIII Reunião da Câmara Setorial de Oleaginosas e Biodiesel

Leia mais

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de

Goiaba. Para a Indústria no Espírito Santo. Pólo de Goiaba Para a Indústria no Espírito Santo Pólo de Pólo de Goiaba para a Indústria no Espírito Santo A Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aqüicultura e Pesca (Seag), preocupada em alavancar,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007

EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 EVOLUÇÃO DO CONSUMO DE AGROTOXICOS NO BRASIL 2003-2007 Resumo com base em dados publicados pela Andef- Associação Nacional das Empresas de Defensivos Agrícolas (ORGANIZADOS pelo Diretor executivo da ANDEF

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

EXPECTATIVA E UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS NA CULTURA DA MANGA

EXPECTATIVA E UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS NA CULTURA DA MANGA Expectativa e Utilização de Produtos na Cultura da Manga EXPECTATIVA E UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS NA CULTURA DA MANGA João Jorge Dezem 1 1. INTRODUÇÃO A mangueira - Mangifera indica, L. Dicotyledonae, Anacardiaceae

Leia mais

AGROTÓXICOS E SAÚDE. Yamira Rodrigues - CCC Coletivo de Comunicação da Campanha

AGROTÓXICOS E SAÚDE. Yamira Rodrigues - CCC Coletivo de Comunicação da Campanha AGROTÓXICOS E SAÚDE Yamira Rodrigues - CCC Coletivo de Comunicação da Campanha Uma das matérias mais comentadas na nossa página no facebook foi com relação às amostras de alimentos com resíduos de agrotóxicos.

Leia mais

Controle e Manejo de Pragas e Doenças da Maçã 2014. Mancha da Gala. Yoshinori Katsurayama José Itamar da Silva Boneti

Controle e Manejo de Pragas e Doenças da Maçã 2014. Mancha da Gala. Yoshinori Katsurayama José Itamar da Silva Boneti Controle e Manejo de Pragas e Doenças da Maçã 214 Mancha da Gala Yoshinori Katsurayama José Itamar da Silva Boneti Fito Desenvolvimento e Produção Ltda. Vacaria, 15 de agosto de 214 Previsão meteorológica

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil): Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil): Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil): Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Coordenador de Produção Integrada da Cadeia Agrícola Secretaria

Leia mais

Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento

Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento Nadia Regina Rodrigues Universidade Estadual de Campinas Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA) Divisão de Análises

Leia mais

II Encontro sobre culturas de suporte fitossanitário insuficiente (CSFI) Brasília, 06 novembro 2012 Aline Popin

II Encontro sobre culturas de suporte fitossanitário insuficiente (CSFI) Brasília, 06 novembro 2012 Aline Popin II Encontro sobre culturas de suporte fitossanitário insuficiente (CSFI) Brasília, 06 novembro 2012 Aline Popin Quem somos e o que fazemos A Syngenta é uma das empresas líderes globais com mais de 25.000

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 9 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO RESUMO AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO CONTROLE PREVENTIVO DAS PRAGAS INICIAIS DO FUMO Dionisio Link 1 Rodolpho Saenger Leal 2 RESUMO A avaliação econômica do controle preventivo das pragas iniciais da cultura do fumo

Leia mais

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí

Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Levantamento de pragas na cultura da laranja do pomar do IFMG- campus Bambuí Luan Cruvinel Miranda (1) ; Mateus Murilo Rosa (1) ; Ricardo Monteiro Corrêa (2) (1) Estudante de Agronomia. Instituto Federal

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T

PÓL Ó O L O DE E UVA V DE E ME M S E A E E VI V N I HO NO O ES E T S A T DO DO ES E P S ÍR Í IT I O O SAN A TO T PÓLO DE UVA DE MESA E VINHO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pólo de Uva de Mesa e Vinho no Estado do Espírito Santo IMPORTÂNCIA ECONÔMICA E SOCIAL IMPORTÂNCIA ECONÔMICA SOCIAL Transformar o Estado do Espírito

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas

Controle Biológico. Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br. Postura no coleto. Posturas nas folhas Controle Biológico Postura no coleto Ivan Cruz, entomologista ivan.cruz@.embrapa.br Posturas nas folhas Proteção Ambiental: Controle Biológico Agrotóxicos Produtividade x Saúde do Trabalhador Rural Fonte:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n.º 175/COGPA/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Brasília, 2 de setembro de 2003. Referência: Ofício nº 4548/2001/SDE/GAB, de 26 de outubro de 2001. Assunto:

Leia mais

P ROTEÇÃO E A ÇÃO DE P ROFUNDIDADE EM TODAS AS FASES DA CULTURA

P ROTEÇÃO E A ÇÃO DE P ROFUNDIDADE EM TODAS AS FASES DA CULTURA P ROTEÇÃO E A ÇÃO DE P ROFUNDIDADE EM TODAS AS FASES DA CULTURA Fungicida com ação de profundidade tem nome e sobrenome: Cimox WP Helm Cimox WP Helm é um fungicida composto por 80g de Cymoxanil e 640g

Leia mais

Forest Stewardship Council FSC Brasil

Forest Stewardship Council FSC Brasil São Paulo, 19 de dezembro de 2014. Edital de convocação Candidatura para Grupo Consultivo Nacional de Manejo Integrado de Pragas (GCNMIP) O Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil, é uma organização

Leia mais

Frutas Tropicais: Levantamento das Exportações Brasileiras

Frutas Tropicais: Levantamento das Exportações Brasileiras Frutas Tropicais: Levantamento das Exportações Brasileiras MÁRCIO VINICIUS SCHEIBLER Curso de Administração habilitação em Comércio Exterior marcio.scheibler@faculdadedomalberto.com.br FLAVI FERREIRA LISBOA

Leia mais

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções.

1.1 - Incluir a caracterização do inciso IX se e for oriunda da agricultura familiar deverá, visando corrigir distorções. Assunto: Sugestões da Petrobras Biocombustível para alteração da minuta da Portaria do Selo Combustível Social, fornecida pelo MDA em reunião com representantes das empresas produtoras de Biodiesel e disponibilizada

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Fruticultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 2012 PANORAMA MUNDIAL A produção mundial de frutas se caracteriza pela grande diversidade de espécies cultivadas, e constituí-se em grande

Leia mais

Título da. Apresentação

Título da. Apresentação SITUAÇÃO ATUAL DO SISTEMA DE PRODUÇÃO INTEGRADA PI-BRASIL Título da Coordenação de Produção Integrada da Cadeia Agrícola Apresentação Luzia Maria Souza Gisele Ventura Garcia Grilli Brasília-DF Setembro-2014

Leia mais

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013

Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 Márcio Santos Diretor Estratégia & Produtos Brasilia/DF, 08/08/2013 A Evolução do Mercado de Soja no Brasil Avanços da genética, mais e melhores opções de insumos (sementes, máquinas, fertilizantes e defensivos)

Leia mais

Uso de agrotóxicos, seus efeitos para a saúde e o ambiente e o uso de outras alternativas

Uso de agrotóxicos, seus efeitos para a saúde e o ambiente e o uso de outras alternativas Uso de agrotóxicos, seus efeitos para a saúde e o ambiente e o uso de outras alternativas Maria Irani Fernandes Moreira 1 e José Robério de Sousa Almeida 2 1 Aluna da Faculdade de Filosofia Dom Aureliano

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL

IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL ATUALMENTE O BRASIL É O 1º CONSUMIDOR MUNDIAL DE AGROTÓXICOS E A BAHIA OCUPA O 7º LUGAR ENTRE OS ESTADOS DA FEDERAÇÃO IMPACTOS DOS AGROTÓXICOS NA SAÚDE DA POPULAÇÃO E SAÚDE AMBIENTAL Vamos conhecer mais

Leia mais

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Discurso pronunciado pelo Deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), na Sessão de 23/05/2006. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Acompanhando os grandes

Leia mais