AGRICULTURA URBANA E PERI-URBANA EM CAMPINAS: subsídios para políticas públicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGRICULTURA URBANA E PERI-URBANA EM CAMPINAS: subsídios para políticas públicas"

Transcrição

1 AGRICULTURA URBANA E PERI-URBANA EM CAMPINAS: subsídios para políticas públicas Juliana Arruda CPF Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Agrícola R: Mac Hardy, 178, B. Jd Nª Srª Auxiliadora. Campinas-SP CEP Nilson Antonio Modesto Arraes CPF Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Agrícola R: Proença, 557, aptº 24, B. Bosque. Campinas-SP CEP Instituições e Organizações na Agricultura Apresentação oral com debatedor Trabalho baseado em dissertação de mestrado em andamento 1

2 AGRICULTURA URBANA E PERI-URBANA EM CAMPINAS: subsídios para políticas públicas 1 Resumo A presente pesquisa está em andamento e trata da obtenção e análise de informações para subsidiar ações de políticas públicas, mais precisamente em relação à temática da agricultura urbana e peri-urbana (AUP). O objetivo desta dissertação é identificar as características dos produtores e dos sistemas de agricultura urbana e peri-urbana, as quais acontecem formalmente (ONG s, instituições ou órgãos governamentais). Ou não (sem a intervenção ou estímulo de um agente externo), para subsidiar programas de promoção da AUP. O projeto está focado nas hortas comunitárias, as quais, são uma entre várias modalidades de cultivo relacionadas à AUP. Serão estudadas 4 hortas comunitárias do município de Campinas, com aproximadamente 70 famílias envolvidas. Destas, 2 fazem parte do Programa de Hortas Comunitárias da prefeitura e localizam-se nos bairros Parque Itajaí e Santa Liliza, 1 é subsidiada pela ONG Plantando Paz na Terra no bairro Vila Brandina e 1 é mantida em funcionamento por uma associação de moradores no bairro Real Parque. Espera-se com esta dissertação gerar informações referentes às características e à qualidade dos solos e da água utilizados nas hortas; e levantar a natureza das demandas dos horticultores urbanos. PALAVRAS-CHAVE: Agricultura urbana, Políticas públicas, Desenvolvimento Social. 1 Este trabalho está sendo realizado com o apoio financeiro da CAPES e do FAEPEX/Unicamp 2

3 AGRICULTURA URBANA E PERI-URBANA EM CAMPINAS: subsídios para políticas públicas 1. INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA A agricultura urbana contemporânea reafirma-se como um fator permanente nos processos de desenvolvimento sustentável das pessoas e da sociedade. As cidades recebem grandes migrações de famílias e pessoas oriundas do meio rural sem ter as condições apropriadas para satisfazer as suas necessidades básicas. Assim, pode-se afirmar que os centros urbanos não respondem a suas necessidades sócio-culturais e de qualidade de vida. Inconvenientemente as cidades e os seus sistemas econômicos não conseguem absorver esta mão-de-obra que, quase sempre, só conhece o trabalho agrícola. A qualidade de vida urbana inclui níveis de subsistência biológica, busca de oportunidades sociais de desenvolvimento e de realização cultural. Uma vez estabelecidas de maneira traumática nas cidades, as famílias antes rurais sofrem um processo de erosão de seus saberes e de transformação de costumes alimentares (BELTRAN,1994). As sucessivas revoluções industriais e o crescente e intenso processo de urbanização do Planeta geraram a separação funcional do campo e da cidade e provocaram a exclusão social rural. Neste processo histórico, a maioria das famílias que migraram das zonas rurais perdeu a relação com a natureza. No entanto, nos países em desenvolvimento, os vegetais e os animais continuaram a ser produzidos ou criados nas áreas urbanas (UNDP, 1996). A Agricultura Urbana e Peri-urbana (AUP) vêm ganhando destaque no cenário nacional e mundial e já começa a ser introduzida na agenda política de diversas cidades. De acordo com MADALENO (2001), este não é um fenômeno novo nas cidades e atualmente está sendo considerado cada vez mais como parte integral da gestão urbana, sendo uma estratégia para a diminuição da pobreza, geração de renda e empregos e o manejo ambiental. No entanto, dados sobre este tipo de agricultura ainda são escassos; o que dificulta sua implementação. Atualmente existem alguns grupos e instituições produzindo informações sobre o assunto, entre eles o Union Nation Development Program 2 -UNDP (1996) e The Urban Agriculture Network 3 -TUAN (1999), documentando práticas de AUP em mais de 20 países da Ásia, África e América Latina. Tabela 1. Estimativa global do nível de atividade da agrícola urbana contemporânea, baseada em dados de 1993 (SMIT, 1996). População mundial engajada na atividade 800 milhões Fazendeiros produzindo e comercializando no mundo 200 milhões Empregos* mundiais gerados na produção e processamento 150 milhões Dados Significância global Participantes: 15% a 70% de famílias (famílias urbanas) Cerca de um terço de famílias urbanas Produção: 10% a 90% do consumo (vegetais, ovos, Cerca de um terço do consumo peixe) Terra usada: 20% a 60% de área urbana (terra com uso Acima de um terço das regiões agrícola) urbanas * Atual emprego ou atividades não equivalentes 2 Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. 3 Rede de Agricultura Urbana. 3

4 Em relação à tabela acima, os dados referentes ao número de participantes, à produção e à terra usada possuem uma grande variação por levarem em consideração experiências de regiões diferentes, assim, em alguns locais a agricultura urbana tem significância maior do que em outros. Apesar dos dados apresentados acima, em muitos locais este tipo de agricultura não é incorporado aos processos de gestão urbana e até é proibido. Isso se deve à falta de informações sobre o que é a AUP e como ela pode ser inserida no planejamento urbano, levando em conta as características locais e dados que possam subsidiar a formulação de políticas públicas específicas a esta atividade. A agricultura urbana é realizada em pequenas áreas dentro de uma cidade, ou nas suas imediações (peri-urbana), destinada à produção de cultivos para utilização e consumo próprio ou para a venda em pequena e média escala em mercados locais. Difere em alguns aspectos da agricultura tradicional rural, em relação à restrita área disponível; à escassez de conhecimentos técnicos por parte dos envolvidos e, freqüentemente, não há dedicação exclusiva dos produtores urbanos (ROESE, 2004). As atividades da AUP podem ocupar as áreas dos vazios urbanos, mas são marginais frente à construção de moradias. Por este motivo é preciso deixar claro quais objetivos se quer alcançar quando iniciada esta atividade. Segundo BAKKER et al. (2000), as intervenções municipais devem estar vinculadas a objetivos de desenvolvimento específicos. Como por exemplo, assegurar a alimentação de populações carentes, gerar emprego e renda, promover a reciclagem de materiais, entre outros. A AU é uma resposta às crises econômicas e tem impactos positivos para a manutenção familiar, renda complementar, emprego, desenvolvimento da economia local, estímulo a micro-empresas relacionadas com insumos, transformação e comercialização de produtos (DRESCHER, 2001). A agricultura urbana assume diversos formatos e dentre eles destacam-se as hortas comunitárias. As hortas comunitárias inserem-se na modalidade de cultivo horticultura, as hortas podem ser cultivadas individualmente (hortas domésticas), nas escolas (hortas escolares), coletivamente (hortas comunitárias) e comercialmente. Cada uma destas formas de cultivar relaciona-se a objetivos específicos, no entanto, neste trabalho, iremos abordar apenas as hortas comunitárias. As hortas comunitárias normalmente são mantidas por um grupo de pessoas da mesma comunidade. Este modelo de cultivo de verduras e legumes também é conhecido como horta coletiva. Em geral, as hortas comunitárias são instaladas em áreas urbanas ociosas (públicas e particulares), usadas para o cultivo de hortaliças, plantas medicinais, produção de mudas, leguminosas, frutas e outros alimentos e sua produção abastece famílias que moram perto destes terrenos. As hortas comunitárias surgem de um processo comunitário, que define as atividades que serão desenvolvidas na horta. A gestão das hortas comunitárias incorpora a participação ativa da comunidade, responsável pela administração e manejo das mesmas, e, eventualmente, com o acompanhamento técnico e fiscalização do poder público. No Brasil existem vários projetos de hortas comunitárias para complementar a alimentação e auxiliar na educação ambiental de famílias carentes. Um deles, que anualmente beneficia cerca de 30 mil pessoas, é o programa: "Hortas Comunitárias" de São Paulo, que tem contribuído para a diminuição da exclusão social por meio da organização comunitária e do cooperativismo (PROGRAMA FOME ZERO, 2003). Em Campinas/SP, em 2004, a administração municipal iniciou a implementação de um Programa de Hortas Comunitárias. Este programa buscou estimular e dar apoio à criação de novas hortas comunitárias no município. No entanto, o programa não foi precedido de 4

5 um diagnóstico da agricultura urbana já praticada e de suas necessidades. Buscando subsidiar a inversão na direção da formulação da política de origem governamental para uma origem a partir das demandas sociais, este trabalho busca diagnosticar as hortas comunitárias presentes no município e suas demandas ao poder público. Diante deste desafio surgiram questionamentos específicos na medida que era preciso estudar o sistema de horticultura urbana e ao mesmo tempo, buscar uma ferramenta de que considerasse as diversas naturezas dos dados levantados (qualitativos, quantitativos, primários e secundários). O primeiro questionamento diz respeito à procura de uma metodologia adequada para estudar um conjunto de dados muito variados com enfoque nas seguintes dimensões de sustentabilidade: sócio-cultural, econômica, técnico-agronômica, ecológico-ambiental e político-institucional, que foram escolhidas a luz do referencial teórico. O segundo é referente à dificuldade de conceituar as áreas em urbanas e peri-urbanas. O terceiro está relacionado à forma como os horticultores urbanos de Campinas têm implementado a AUP, quais estratégias têm sido utilizadas, quais limitações possuem, qual é o perfil destes produtores e de que forma o poder público poderia auxiliá-los. 2. OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Gerar informações sobre a agricultura urbana e peri-urbana com enfoque nas hortas comunitárias do município de Campinas, com vistas a subsidiar a formulação de políticas públicas. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Identificar as características sócio-culturais, econômicas e o envolvimento políticoinstitucional dos produtores urbanos das hortas comunitárias; Identificar as demandas dos horticultores urbanos. Identificar as características ecológico-ambientais e técnico-agronômicas desses sistemas de produção; 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA AGRICULTURA URBANA, AGRICULTURA RURAL E PERI-URBANA A diferenciação entre a agricultura urbana e agricultura rural basicamente relacionam-se ao espaço em que elas ocorrem, ou seja, a agricultura urbana ocorre dentro do perímetro urbano, definido em lei municipal, e a agricultura rural ocorre externamente ao perímetro urbano. Em relação ao conceito de agricultura peri-urbana ainda há uma indefinição, uma vez que tanto esta agricultura pode ser relacionada ao espaço urbano não consolidado, como ao espaço rural próximo a áreas urbanas. Os autores ADAM (1999) e MOUGEOT (2000) além de relacionarem as agriculturas urbana e peri-urbana com a sua localização utilizam ainda, para a sua diferenciação, os tipos de atividade econômica; tipos de áreas onde ela é praticada; sua escala e sistema de produção; as categorias e subcategorias de produtos (alimentícios e não alimentícios); e a destinação dos produtos, inclusive sua comercialização. Na Tabela 2 abaixo, estão descritas algumas características principais que diferenciam a agricultura rural das agriculturas urbana e peri-urbana. 5

6 Tabela 2. Comparação entre a agricultura rural e urbana/peri-urbana, baseada em CAMPILAN et al. (2002) e TERRILE et al. (2000). Características Agricultura rural Agricultura urbana/peri-urbana Tipo de exploração agrícola A agricultura como forma de vida Convencional, normalmente extensiva Agricultura é o principal modo de vida, participam de tempo integral Diferente da convencional, móvel e transitória; parcialmente sobre a terra ou sem a posse da terra, normalmente intensiva A agricultura é freqüentemente uma atividade secundária, envolvidos parcialmente Identidade do agricultor Perfil da comunidade Ponto de vista dos participantes a respeito da importância da agricultura Contexto político, social, econômico e cultural Uso da terra Usualmente já nascem agricultores A maioria dos membros da comunidade participa na agricultura Geralmente a apóiam Mais homogêneo Geralmente estável para agricultura Principiantes, agricultores de tempo parcial, em parte migrantes de zonas rurais, gente dedicada por passa-tempo A porcentagem de membros da comunidade que participa na agricultura é muito variável Pontos de vistas diversos Mais heterogêneo Competem no uso da terra (agrícola e nãoagrícola) Calendário de cultivos Segundo a estação Cultivos todo o ano Segurança da disponibilidade de terra para cultivar Terrenos onde se produz Relativamente alta Próprios, de extensão média a grandes Relativamente baixa Custo de mão de obra Relativamente baixo Relativamente alto Baldios, cedidos ou domicílio próprio Acesso mercados/insumos a Geralmente longe dos mercados Perto dos mercados, favorável para cultivos/produtos perecíveis Destino dos produtos Para exportação Autoconsumo ou regional Disponibilidade de serviços de investigação e extensão Apoio político Bastante prováveis Alta prioridade na agenda política Intervenção municipal Baixa ou nula Alta Pouco prováveis Misto, com freqüência políticas vagas ou inexistentes Apesar da existência de várias diferenças e limitações a cada tipo de agricultura, alguns pontos são necessariamente importantes para ambas, como o incentivo de pesquisas para o seu melhor desenvolvimento, o investimento governamental em qualificação dos produtores, profissionais da área e os cuidados sanitários na produção e processamento. Tanto para a prática da AUP, como na agricultura rural, são necessários muitos cuidados, principalmente em relação à água utilizada, à fonte de adubação, os resíduos gerados (no 6

7 caso de serem feitas aplicações de herbicidas e pesticidas) e a qualidade do alimento produzido. Em relação a estes cuidados, já existe muito material bibliográfico disponível (EDWARDS, 2001; FUREDY, 2001; GAYNOR, 2002; LOCK e ZEEUW, 2002; PEDERSON e ROBERTSON, 2002), apontando riscos que a AUP pode oferecer à saúde e ao meio ambiente se realizada de maneira inadequada. Os principais riscos da prática inadequada da AUP podem estar relacionados: aos resíduos orgânicos, às águas servidas, aos vetores e propagadores de doenças, à contaminação por agroquímicos, à contaminação por metais pesados, as zoonoses e aos inerentes à atividade. Apesar dos riscos citados acima, existem muitas finalidades que podem ser dinamizadas com a prática da agricultura urbana e diversas vantagens podem ser obtidas através dela. Segundo ROESE (2004, p.1-2) são elas: reciclagem de lixo; utilização racional de espaços; formação de microclimas e manutenção da biodiversidade; escoamento de águas das chuvas e diminuição da temperatura; valor estético; e atividade ocupacional. Em relação especificamente às vantagens da prática da agricultura urbana nos sistemas de hortas comunitárias podem ser citadas: Desenvolvimento social - aliada à educação ambiental e à recreação, ocorre melhoria da qualidade de vida e prevenção ao estresse, além da formação de lideranças e trocas de experiências; valoriza a produção local de alimentos e outras plantas úteis, como medicinais e ornamentais, fortalecendo a cultura popular e criando oportunidades para o associativismo; Educação ambiental - todas as pessoas envolvidas com a produção e com o consumo das plantas oriundas da atividade de agricultura urbana passam a deter maior conhecimento sobre o meio ambiente, aumentando a consciência da conservação ambiental; Segurança alimentar - favorece o controle total de todas as fases de produção, eliminando o risco de se consumir ou manter contato com plantas que possuam resíduos de defensivos agrícolas; Recreação e Lazer - a agricultura urbana pode ser usada como atividade recreativa/lúdica sendo recomendada para desenvolver o espírito de equipes; Farmácia caseira - prevenção e combate a doenças através da utilização e aproveitamento de princípios medicinais; Diminuição da pobreza - através da produção de alimentos para consumo próprio ou comunitário (em associações, escolas, etc.), e eventual receita da venda dos excedentes; Renda - possibilidade de produção para o autoconsumo e venda do excedente em escala comercial, especializada ou diversificada, tornando-se uma opção para a geração de renda. AUP E DESENVOLVIMENTO SOCIAL As políticas de AUP devem ter claros seus objetivos específicos. Sendo assim, as ações devem especificar em que áreas normativas serão integradas e com qual finalidade. Neste sentido, BAKKER et al. (2000) relaciona cinco áreas: política de uso do solo urbano; segurança alimentar urbana; política de saúde; política ambiental e política de desenvolvimento social. Dentro de cada uma destas áreas são apontados elementos que podem promover a sustentabilidade da AU e que devem ser redefinidos de acordo com a realidade local. Como exemplo o acesso aos recursos de terra e água através de eliminação de restrições legais. Outro exemplo é o acesso dos agricultores urbanos a estudos sobre agricultura, à 7

8 assistência técnica e aos serviços de crédito. Mais um exemplo é a adequação das atividades de AUP ao zoneamento urbano. As políticas de desenvolvimento social estão diretamente relacionadas à organização na agricultura urbana, pois com a implementação deste tipo de política há um aumento da coesão social e união entre as pessoas nos bairros. As terras abandonadas e degradadas podem ser transformadas em hortas comunitárias ou divididas em pequenas hortas familiares, e contribuir para aumentar a auto-estima e a segurança nos bairros mais carentes. No Brasil, a agricultura urbana é promovida pelas autoridades locais para facilitar a integração social dos migrantes recém chegados na trama socioeconômica da cidade, dando-lhes acesso a terrenos municipais, a linhas de crédito e a assessoria técnica (BAKKER et al., 2000). Medidas de política pública podem estimular ainda mais esse desenvolvimento social dentro das comunidades através da agricultura urbana, por exemplo, estimulando a inclusão da agricultura urbana nos projetos de regeneração de bairros que vinculem a produção de alimentos com atividades educativas e de desenvolvimento comunitário, permitindo a posse comunitária da terra e facilitando sistemas locais de intercâmbio que ponham os produtores em contato direto com os consumidores locais. No entanto, o que fica mais evidente em relação a AUP é a importância atribuída aos processos de gestão local mais democráticos ao facilitar e fortalecer o diálogo entre a administração municipal e os setores da sociedade civil para a definição e implementação de projetos, programas e políticas municipais deste tipo de agricultura (DUBBELING e SANTANDREU, 2003). BASES METODOLÓGICAS PARA ANÁLISE DE AUP A análise da AUP normalmente serve como ponto de partida para programas e projetos de apoio à agricultura urbana como forma de intervenção para melhorar a renda, a nutrição familiar, as condições sociais e ambientais e o bem estar das pessoas. Os métodos para a realização desta análise dependem de diversos fatores, e o primordial é saber o que se deseja fazer com esta análise. Para gerar informação para o desenho de um projeto de desenvolvimento é importante ter em vista alguns pontos que ajudam a direcionar a escolha do método e conseqüentemente ajudam a especificar a metodologia da forma mais clara possível. Para tanto serão esclarecidos alguns pontos a seguir. Abordagem conceitual A abordagem utilizada nesta dissertação é a de Meio de Vida Sustentável, a qual ajuda a contextualizar as interações entre diferentes dimensões da vida das pessoas e ajuda a revelar a complexidade da pobreza e dos modos de sustento urbano. Serve para a análise dos meios multifacetados de vida urbana e também para situações de pobreza e vulnerabilidade. Pone a las personas incluyendo a mujeres y niños en el centro del análisis, y explora el acceso y el control sobre otros diferentes tipos de capitales, incluyendo los capitales humanos y sociales, así como los capitales naturales, financieros y físicos (MARTIN et al., 2004, p.2). A análise da sustentabilidade do sistema segundo MÜLLER (1996) envolve o produtor e suas relações com o ambiente e a sociedade em que está inserido. Para traçar esta análise são utilizadas cinco dimensões, baseadas na união do referencial teórico de DAROLT (2000), DUQUE (2003), MARTIN et al. (2004) e SACHS (1993). São elas: 1) Dimensão sócio-cultural; 2) Dimensão econômica; 3) Dimensão ecológica-ambiental; 4) Dimensão política-institucional; e 5) Dimensão técnica-agronômica. 8

9 1) Dimensão sócio-cultural: caracterização sócio-econômica da família, indicadores de qualidade de vida, organização social, migração, trajetória familiar na agricultura e qualificação da atividade (CURAÇA, 2002; DAROLT, 2000; GENOVEZ et al., 2001; PROJETO PANTANAL, 2003). No caso da AUP há ainda um outro ponto que deve ser incorporado ao levantamento da dimensão sócio-cultural que é a questão de gênero. Muitos pesquisadores que trabalham com a AUP afirmam que grande parte das experiências coletivas nas cidades da América Latina e Caribe têm sido iniciadas ou têm contado com uma ampla participação de mulheres. Porém é inegável que mulheres e homens possuem diferenças na maneira de ser, agir e pensar, em relação à família, ao trabalho, à comunidade e à expressão social (HOVORKA, 2001; PALACIOS, 2005). 2) Dimensão econômica: despesas gerais, receita bruta, mão-de-obra familiar e contratada, bens patrimoniais e tempo na atividade agrícola ((BOURQUE, 2001; CURAÇA, 2002; DAROLT, 2000; DUQUE, 2003; MOUSTIER, 2001; VÁSQUEZ e VILLALBA, 2003). 3) Dimensão ecológica-ambiental: área de preservação, práticas de manejo conservacionistas, reciclagem de resíduos, integração das atividades, diversificação do sistema e nível de degradação da unidade de produção urbana (ALBÁN et al., 2001; BRAGA e FREITAS, 2002; DAROLT, 2000). Segundo BRAGA e FREITAS (2002) um dos maiores problemas que afetam aqueles que precisam compor indicadores ambientais é a carência de informações sistemáticas em relação ao meio ambiente e outro é compatibilizar dados de diferentes fontes, produzidos a partir de escalas distintas, com cobertura e distribuição espacial e temporal diversas. Estes autores discutem a necessidade de se buscar formas alternativas e aproximadas para atribuir dados faltantes e construir indicadores e variáveis adequados e representativos de informações inexistentes. 4) Dimensão política-institucional: políticas públicas para o setor, assistência técnica, formas de difusão de tecnologia e associativismo (CURAÇA, 2002; DAROLT, 2000; DUQUE, 2003). A dimensão política-institucional deve ser levada em consideração, assim como os impactos gerados pela AUP na planificação urbana e nos projetos que envolvam grupos vulneráveis, pois estes podem ser promovidos por governos locais e/ou nacionais (ZEEUW et al., 2001). 5) Dimensão técnica-agronômica: uso do solo, principais culturas, técnicas de preparo do solo, adubação, controle de pragas, doenças e invasoras, manejo e produtividade do sistema, e finalidade da produção (ALBÁN et al., 2001; CURAÇA, 2002; DAROLT, 2000; DUQUE, 2003). Sobre a produção agrícola, são descritas características e locais de produção, o tipo de cultivos, as criações, a mão-de-obra, o tipo de tecnologia e insumos, as dificuldades para a atividade agrícola e também as projeções (ALBÁN et al., 2001). Enfoque participativo Por meio da leitura da bibliografia a cerca do tema, observa-se que em relação ao diagnóstico de AUP é muito freqüente o uso do enfoque participativo. Este tipo de enfoque já é bastante conhecido, sendo reconhecida a sua vantagem de promover a participação e empoderamento das comunidades locais, o que facilita a implantação de programas e projetos, a relação entre vizinhos, as atividades culturais e ambientais, diminuindo os problemas de integração entre a intervenção externa e a necessidade local. Nesta dissertação será adotado o enfoque participativo com as técnicas do Diagnóstico Visual Rápido (DVR) por permitir a realização de diagnósticos em AUP de forma rápida e 9

10 barata, incorporando os grupos ou comunidades locais tanto no processo de diagnóstico como no trabalho de intervenção posterior a este. A aplicação do DVR supõe criar um processo participativo de construção de conhecimento "de abaixo para cima", que aposta no desenvolvimento de processos instituídos de base local (SANTANDREU, 2002). O método usa uma variedade de técnicas como parte de seu processo participativo de desenvolvimento e análise de conhecimento. Suas etapas (formulação, execução e avaliação) combinam trabalho de campo e pesquisa acadêmica. A incorporação dos grupos e comunidades locais ao processo de formulação, execução, avaliação e gestão, permitem valorizar os saberes populares e gerar novos conhecimentos. Por outro lado, com o desenvolvimento de uma prática participativa, é possível avançar na construção de uma governabilidade inclusiva, que incorpore a perspectiva de gênero e de idade, e a dimensão ambiental aos processos de gestão urbana (SANTANDREU, 2002). 4. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO DE ESTUDO O objeto de estudo desta dissertação são as hortas comunitárias do município de Campinas. O mapa abaixo foi extraído de SEPLAMA EPC (2005), acrescentando-se a localização das hortas comunitárias e respectivos bairros em que estão inseridas. A numeração apresentada no mapa representa as macrozonas definidas no PLANO DIRETOR DE CAMPINAS (2003). Figura 1. Localização das hortas comunitárias em Campinas. LEGENDA Real Parque Vila Brandina Jardim Liliza Parque Itajaí As macrozonas diretamente relacionadas com as hortas comunitárias a serem estudadas são: 10

11 MACROZONA 3 - Área de Urbanização Controlada Norte - AUC-N, que segundo o PLANO DIRETOR DE CAMPINAS (2003) é uma área que apresenta dinâmicas distintas de urbanização, as quais necessitam ser orientadas e controladas para evitar processo de ocupação desordenado; MACROZONA 4 - Área de Urbanização Consolidada ACON, que segundo o PLANO DIRETOR DE CAMPINAS (2003) é a área urbana mais intensamente ocupada, onde se fazem necessárias: a otimização e racionalização da infra-estrutura existente, através do controle do adensamento, notadamente nas áreas que já apresentam problemas de saturação; o incentivo à mescla de atividades e à consolidação de subcentros; e atividades geradoras de empregos fora da área central. MACROZONA 5 - Área de Recuperação Urbana AREC, que segundo o PLANO DIRETOR DE CAMPINAS (2003), compreende a zona oeste do município a apresenta-se intensamente degradada do ponto de vista ambiental, concentrando população de baixa renda, com carência de infra-estrutura, equipamentos urbanos e atividades terciárias. Necessita de definição de políticas que priorizem investimentos públicos visando sua requalificação urbana. O Programa de Hortas Comunitárias do município de Campinas O Programa de Hortas Comunitárias criado em 1997 CAMPINAS (2003a) tinha como objetivos principais: aproveitar mão-de-obra desempregada; proporcionar terapia ocupacional para portadores de deficiência e homens e mulheres da terceira idade; aproveitar áreas devolutas; e manter terrenos limpos e utilizados. A implantação das hortas comunitárias poderia se dar: em áreas públicas municipais; em áreas declaradas de utilidade pública e ainda não utilizadas; em terrenos ou glebas particulares; ou em faixas de servidão de passagem aérea da CPFL. Este programa foi regulamentado em 2003, CAMPINAS (2003b) havendo a definição das políticas públicas de gestão, assessoramento, orientação e aprovação da necessária distribuição de água, sementes e outros implementos agrícolas com recursos oriundos de convênios firmados pela municipalidade, pré-ordenados à implantação de políticas de abastecimento e segurança alimentar. Para tanto foram considerados os seguintes aspectos: A necessidade de aproveitar a mão-de-obra desempregada da cidade, com especial atenção para idosos (art. 230, CF) e deficientes (art. 23, II, CF); para que se mantenham limpas e utilizadas áreas ociosas ou não-aproveitadas, como logradouros e praças não afetadas ao uso comum do povo e demais bens dominicais; A prioridade do programa Fome Zero, imposto como meta nacional pelo governo federal e já implementado em Campinas, com projetos locais de atendimento às necessidades nutricionais da população de baixa renda em quantidade e qualidade adequadas; A criação do GDR - Grupo de Desenvolvimento Rural Sustentável e Segurança Alimentar, vinculado ao gabinete da prefeita e sediado na CEASA/Campinas, com a finalidade de desenvolver programas municipais ligados ao planejamento da agricultura sustentável e à segurança alimentar, de modo a integrar as atividades agro-alimentares na vida da Cidade; A criação da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho - SMDET, legalmente constituída para a implementação de programas de geração de emprego e renda, e tendo especialmente atribuição para desenvolver parcerias entre o Poder Público Municipal e as entidades da sociedade civil, tendo em vista ações comuns de valorização da região e a busca de melhorias do quadro econômico e social do Município. 11

12 Desde o início da sua implementação em 2004, o programa abrangeu 40 famílias, agrupadas em duas hortas. Campinas conta ainda com outras duas hortas organizadas e implementadas pela sociedade civil que também serão objeto de estudo. 5. METODOLOGIA FASE EXPLORATÓRIA A fase exploratória aconteceu entre os meses de dezembro de 2004 e março de 2005, através do contato com as instituições que atuam na cidade de Campinas (IAC, GDR, CATI, ONG s), com os responsáveis pelas 14 administrações regionais da cidade, com as subprefeituras, com as instituições religiosas e outras associações e pessoas que desenvolvessem algum tipo de AUP. Estes contatos foram realizados na forma de conversas informais para obter informações de locais e pessoas que pudessem estar participando de atividades relacionadas a AUP. Todos os envolvidos nesta fase foram chamados informantes chaves, haja vista que são eles os atores que participam efetivamente do contexto da AUP na cidade e através deles é que se pôde delimitar mais substancialmente a área estudada. Por meio destes contatos pôde-se identificar as 4 hortas comunitárias, objeto deste estudo. PESQUISA DE CAMPO Apresentação da proposta de pesquisa à coordenação das hortas comunitárias; Realização de entrevista apoiada por formulário (Apêndice A) aos produtores urbanos das hortas comunitárias, buscando identificar as características sócio-culturais, econômicas e o envolvimento político-institucional, como também identificar suas demandas; Realização de entrevista apoiada por formulário (Apêndice A) aos produtores urbanos das hortas comunitárias, buscando identificar as características ecológicoambientais e técnico-agronômicas dos sistemas de produção. Apresentação dos resultados das entrevistas à coordenação das hortas e identificação e priorização de demandas ao poder público. 6. RESULTADOS ESPERADOS Em relação à identificação das características sócio-culturais, econômicas e o envolvimento político-institucional dos produtores urbanos das hortas comunitárias pretende-se gerar tipologias ou grupos com características semelhantes, assim subsidiar programas e políticas públicas direcionadas à necessidade de cada um dos grupos. Em relação à identificação das características ecológico-ambientais e técnico-agronômicas desses sistemas de produção pretende-se gerar informações referentes à diversidade de fauna e flora, às características e a qualidade dos solos e da água utilizados na horta, assim elaborar material didático específico sobre cada um destes tópicos e promover oficinas educativas. Em relação à identificação das demandas dos horticultores urbanos pretende-se levantar a natureza destas demandas; 12

13 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADAM, M. G. Definitions and boundaries of the periurban interface patterns in the patchwork. Paper presented at IBSRAM International Workshop on Urban and Peri Urban Agriculture, Accra, Aug., ALBÁN, K.; DUBBELING, M.; SARVAN, E.; SOSA, K. Diagnóstico situacional de agricultura urbana y seguridad alimentaria en el barrio El Panecillo (aproximación conceptual y metodológica). In: Proyecto de Agricultura Urbana y Seguridad Alimentaria en el Barrio El Panecillo de Quito. Quito: PGU/Distrito Metropolitano de Quito, feb ARRAES, N. A. M. Organização rural dos agricultores familiares em Campinas. Relatório Final (Projeto FAEP/UNICAMP) Faculdade de Engenharia Agrícola, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, BAKKER, N.; DUBBELÍNG, M.; GÜNDEL, S.; SABEL-KOSCHELLA, U.; ZEEUW, H. Growing Cities, Growing Food, Urban Agriculture on the Policy Agenda. Alemanha: DSE, BELTRAN, J. Hacia un imaginario de desarrollo sostenible. En: A la búsqueda de ciudades sostenibles. Seminario especializado. Memorias. II Encuentro Internacional Habitat-Colombia. Pereira de septiembre, Editorial Guadalupe Ltda. Bogotá. 369 p BOURQUE, M. Agricultura urbana en la Habana. Revista de Agricultura Urbana. [S.l.], n.1, p , BRAGA, T. M.; FREITAS, A. P. G. Índice de sustentabilidade local: uma avaliação da sustentabilidade dos municípios do entorno do Parque Estadual do Rio Doce (MG). In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 13, 2002, Ouro Preto. Anais... Ouro Preto: [s.n.], CAMPILAN, D.; DRECHSEL, P.; JÖCKER, D. Métodos de monitoreo y evaluación y su adaptación a la agricultura urbana y periurbana. Disponível em: <www.ruaf.org/conference/methods/papers/au_metodos_topico5_monitoreo_evaluacion_e s.doc>. Acesso em: 29 abr CAMPINAS (SP). Lei nº 9.549, 10 de dezembro de Cria o programa de horta comunitária na prefeitura municipal de Campinas. Diário Oficial do Município, Campinas, SP, 11 dez. 1997, p. 01. Disponível em: <www.campinas.sp.gov.br/bibjuri/lei9549.htm>. Acesso em: 13 set Decreto nº , de 11 de abril de Regulamenta programa de hortas comunitárias de Campinas. Diário Oficial do Município, Campinas, SP, 12 abr. 2003, p. 04. Disponível em: <www.campinas.sp.gov.br/bibjuri/dec14288.htm>. Acesso em: 13 set COAG/FAO. Urban and periurban agriculture. COAG/99/10. Presented at 15th Session of the COAG, FAO, Rome, p , jan CURAÇÁ (BA). Agricultura urbana e alimentação das cidades da América Latina e Caribe. Projeto Diagnóstico da agricultura urbana em Curaçá. Prefeitura Municipal. Curaçá: PGU/CNUAH/HABITAT/ONU, p. Disponível em: <www.pgualc.org/es/data/files/download/pdf/curaca.pdf>. Acesso em: 15 out DAROLT, M. R. As dimensões da sustentabilidade: Um estudo da agricultura orgânica na região metropolitana de Curitiba, Paraná. 290 p. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) Curso de Pós-graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento, Universidade Federal do Paraná e Université Paris X Nanterre, Curitiba, DRESCHER, A.W. Seguridad alimentaria urbana, una respuesta a la crisis? Revista de Agricultura Urbana. [S.l.], n.1, p. 8-10,

14 DUBBELING, M.; SANTANDREU, A. Orientações para a formulação de políticas municipais para a agricultura urbana. Agricultura urbana: motor para o desenvolvimento local sustentável. 1ª ed. Canadá: CIID/IPES/PGUALC, n.1, fev., DUQUE, F. A. G. Impactos de la agricultura urbana. In: Curso Regional de Investigación-Acción y Gestión de la Agricultura Urbana. Módulo1: La Agricultura Urbana, caracterización, impactos y dinâmica. Sesión 3. Disponível em: <www.pgualc.org/es/data/files/download/pdf/cidsesion3.pdf>. Acesso em: 10 nov EDWARDS, P. Asuntos de salud pública en la acuicultura alimentada con aguas residuales. Revista Agricultura Urbana. [S.l.], v. 1, n. 3, p , jan., FUREDY, C. Redução dos riscos para a saúde ocasionados pelo uso do lixo orgânico urbano. Revista Agricultura Urbana. [S.l.], n. 3, p , nov., GAYNOR, A. Contaminación del suelo con pesticidas estudio de caso de Perth Australia Occidental. Revista Agricultura Urbana. [S.l.], v. 1, n. 3, p , jan., GENOVEZ, P. C.; MONTEIRO, A. M. V.; CÂMARA, G. Diagnóstico das áreas de exclusão/inclusão social através de Sistema de Informação Geográfica na área urbana de São José dos Campos - SP. São José dos Campos: INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, HOVORKA, A. J. Consideraciones de Género para la Investigación en Agricultura Urbana. Revista Agricultura Urbana. [S.l.], n. 5, dez., LOCK, K. ZEEUW, H. Mitigación de los riesgos para la salud asociados con la agricultura urbana y periurbana. Revista Agricultura Urbana. [S.l.], v. 1, n. 3, p. 68, jan., MADALENO, I. M. Agricultura urbana em Presidente Prudente. Revista Geonotas. Maringá, v. 5, n. 3, Jul/Ago/Set MARTIN, A.; OUDWATER, N.; GÜNDEL, S. Metodologías para el análisis situacional en la agricultura urbana. Livelihoods and Institutions Group, Natural Resources Institute, University of Greenwich. Documentos de discussão. In: Conferência eletrônica 4-16 de fevereiro, Disponível em: <http://www.ruaf.org/conferences_fr.html>. Acesso em: 12 nov MOUGEOT, L. J. A. Urban agriculture: definition, presence, potentials and risks. In: Bakker et al. (eds). Growing Cities, Growing Food, Urban Agriculture on the Policy Agenda, p. 1-42, MOUSTIER, P. Evaluando el Impacto Socioeconómico. Revista Agricultura Urbana. [S.l.], n.5, dez., MÜLLER, S. Cómo medir la sostenibilidad: una propuesta para el area de la agricultura y los recursos naturales. Serie Documentos de discussión sobre agricultura sostenible y recursos naturales. San José: IICA-GTZ, p. PALACIOS, P. Por qué y cómo incorporar la perspectiva de género en los procesos participativos de AU. In: Curso Regional de Investigación-Acción y Gestión de la Agricultura Urbana. Módulo 3: Investigación e intervención en Agricultura Urbana. Seción 2. Disponível em: < Acesso em: 26 jan PEDERSON, R. M.; ROBERTSON, A. Las políticas alimentarias son esenciales para ciudades saludables. Revista Agricultura Urbana. [S.l.], v.1, n. 3, p. 9-11, jan., PLANO DIRETOR DE CAMPINAS. Lei complementar nº 004, de 17 de janeiro de Dispõe sobre o plano diretor do município de Campinas. Diário Oficial do Município, Campinas, SP, 18 jan. 1996, p Disponível em: <www.campinas.sp.gov.br/bibjuri/leic 004.htm>. Acesso em: 13 set

15 PROGRAMA FOME ZERO. Hortas comunitárias melhoram qualidade de vida em SP. Disponível em: <www.fomezero.org.br>. Acesso em: 22 set PROJETO PANTANAL. Diagnóstico sócio-econômico da Bacia do Alto Rio Paraguai. UFMT/NERU/ICHS/Universität Tübingen. Disponível em: <www.unituebingen.de/egwinfo/pantanal/diag_pt.html#konzept>. Acesso em: 29 nov ROESE, A. D. Agricultura urbana: uma apresentação. Disponível em: <www.agriculturaurbana.org.br/dinnys%20sobre%20au.htm>. Acesso em: 24 set SACHS, I. Estratégias de transição para o século XXI desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel/Fundap, SANTANDREU, A. El diagnostico visual rápido: una metodología rapida, de bajo costo y participativa de diagnostico en agricultura urbana. Revista Agricultura Urbana. [S.l.], n. 5, out SEPLAMA EPC. Macrozonas do Plano Diretor de Disponível em: <www.campinas.sp.gov.br/seplan/projetos/planodiretor2004/portelem05.htm>. Acesso em: 21 fev SMIT, J. Cities feeding people: report 18 Urban agriculture, progress and prospect: Ottawa: International Development Research Centre, TERRILE, R.; MARIANI, S.; DUBBELING, M. Análisis de Políticas Públicas de Agricultura Urbana en Camilo Aldao (Argentina) en el Marco de un Desarrollo Local Sustentable. Agricultura Urbana y Alimentación de las Ciudades de América Latina y el Caribe: PROGRAMA DE GESTION URBANA PGU ALC/HABITAT PNUD IDRCCFPIPES, TUAN. Agricultura urbana e segurança alimentar: instalem os vossos campos na cidade. Esporo. [S.l.], n.31, p. 1-2, jun, UNDP. Urban Agriculture: food, jobs and sustainable cities. United Nations Development Programme. New York: Publication Series for Habitat II, v. 1, VÁSQUEZ, T.; VILLALBA, M. Microcrédito e investimento para a agricultura urbana. Orientações para a formulação de políticas municipais para a agricultura urbana. 1ª ed. Canadá: CIID/IPES/PGUALC, n. 4, fev, ZEEUW, H.; GÜNDEL, S.; WAIBEL, H. La integración de la agricultura en las políticas urbanas. Revista Agricultura Urbana. [S.l.], v. 1, n.1, p ,

16 APÊNDICE A - Questionário para entrevista com os produtores urbanos UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP Programa de Pós - graduação em Engenharia Agrícola Pesquisa em Agricultura Urbana e Peri-urbana em Campinas I - IDENTIFICAÇÃO DO ENTREVISTADO/ LOCALIZAÇÃO DA PROPRIEDADE (Croqui Verso) 1-Nome entrevistado 2-Endereço: 3- A. R.: 4-Membro Ligado: Ao PHC Não ( ) Sim ( ) outra org.( )Qual: 5- Entrevistador: 6- Data: 7- Questionário nº: II INDICADORES SÓCIO-CULTURAIS 2.1. IDENTIFICAÇÃO DA FAMÍLIA NOME Identificação (1) Sexo (2) Idade Local de nascimento Estado Civil (3) Escolaridade s/ escol. 1º Grau 2º Grau 3º Grau Cidade Est. País Até 4ª 5ª a 8 a I C I C I C I C Origem Étnica (4) Códigos: (1) 1-marido/pai; 2-esposa/mãe; 3- filho(a); 4-genro/nora; 5-neto(a); 7- outros; (2) M masculino; F feminino; (3) SO - solteiro; C - casado; V - viúvo; AM - amigado; SE separado; (4) C - caboclo; I - taliano; A - alemão; PO - polonês; PR - português, E - espanhol, U - ucraino; N - negro; O - outro; 2.2. CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA Moradia (1) Água (2) Esgoto (3) Lixo Org. (4) Lixo Comum (4) Energia (5) Equipamentos (6) Veículos (7) Informações gerais Principais fontes (8) (1) 1-boa; 2-razoável; 3-ruim (2) 1-rede pública; 2-poço; 3-poço artesiano; 4-fonte; 5-outro (3) 1- fossa séptica; 2-fossa seca; 3-fossa negra; 4-fossa aérea; 5- outro (4) 1- recicla; 2-queima; 3-joga em terreno/rio; 4-enterra; 5-coleta pública; 6-outro (5) 1- elétrica; 2-bateria; 3-querosene; 4-vela; 5-outro (6) 1-fogão a gás; 2-fogão a lenha; 3-geladeira; 4-freezer; 5-batedeira/liquidificador; 6-televisão; 7-rádio; 8-aparelho de som; 9-computador;10-telefone; 11-outros (7) 1-carro de passeio; 2-veículo de transporte de mercadorias; 3-bicicleta; 4-carroça; 5- cavalo, 6-outros (8) 1- rádio; 2-televisão; 3-jornal; 4-igreja ; 5-outros 16

17 2.2.1 Descritores Econômicos Gerais Anos de AUP Anos nesta propried. O que fazia antes? * Usa Micro- Crédito s=sim n=não Mão-de-obra (n. pessoas)** Familiar Contratada**** >14 anos < 14 anos > 14 anos < 14 anos n tempo sex meses esc. n tempo sex meses esc. n tempo sex meses esc. n tempo sex meses esc. * 1=agric.; 2=comércio ; 3=serviços ** ti = tempo integral; tp = tempo parcial; m= masc.; f= femin.; escolaridade= n de anos ****Colocar meses do ano, ex: (dez; jan-mar) Aspectos Gerais 1- O senhor (a) tem dificuldades de encontrar insumos na região? Sim Não Não sabe Qual (is)? 2- O senhor (a) tem tido lucro com a horta? 4- Gostaria que seus filhos permanecessem trabalhando na agricultura? 5- Assinale os três principais problemas de ordem econômica que dificultam o desenvolvimento da horta: ( ) Falta de recursos do produtor ( ) Preços baixos p/ venda ( ) Altos investimentos iniciais ( ) Elevação dos custos de produção ( ) Falta de mercado ( ) Falta de mão-de-obra qualificada ( ) Dificuldade de planejar e administrar ( ) outros 2.3. ORGANIZAÇÃO SOCIAL Acesso a serviços formais (assinalar com x ) ESCOLA MÉDICO DENTISTA TRANSPORTE Local Qualidade do serviço Comunidade Sede do município Outra cidade boa razoável ruim Serviços informais relativos à saúde Há parteira na região* A família já usou o serviço* Há curandeiros ou benzedeiras na região* A família consulta estes serviços* A família usa ervas medicinais* Liste as mais usadas Para que serve Com quem aprendeu a usar Quais as principais doenças da família *1- sim; 2- não, 3- não sabe Participação comunitária Há na localidade associações (sindicato, produtores, moradores, etc)? Qual e com que propósito? O sr. ou alguém da família participa? Se sim: exerce alguma função? Qual? Se não, porquê? Seus vizinhos participam? (1) A vizinhança é na maioria: (2) (1) 1-sim; 2-não; 3-não sabe (2) 1-parentes, 2-conhecidos; 3-desconhecidos 17

18 Lazer Qual é o dia de descanso da família? Qual as 2 principais atividades destes dias? Existem festas na região? Qual a família participa? (igreja, de produtos, etc) A família tira férias anuais? Em qual período do ano? Saem todos ou alguém fica? A família hospeda parentes, amigos em férias? De onde vem? 2.4. MIGRAÇÃO Trajetór Local ia Município UF Nasc. 1ª 2ª 3ª (1) 1-área rural, 2-área urbana Área rural Área urbana Período (a/m) Ocupação principal do chefe Motivo da migração Local que prefere morar (1) 2.5. TRAJETÓRIA FAMILIAR NA AGRICULTURA Tem antepassados que trabalhavam na agricultura * Quem era agricultor (1) Tem algum antepassado que veio de fora do país * Quem era, de onde veio e quando veio Em que município este antepassado se instalou * 1-sim; 2-não; 3- não sabe (1) 1-bisavô; 2-avô; 3-pai; 4-outro 2.6. QUALIFICAÇÃO DA ATIVIDADE Como o sr(a) se denomina: agricultor pequeno agricultor produtor rural pequeno empresário trabalhador rural outro O que é necessário para fazer agricultura na cidade (assinale as três principais opções) a) ter nascido no campo / ter família numerosa para o trabalho b) gostar de trabalhar na terra c) saber planejar e organizar a produção d) conhecer e saber trabalhar a terra e) saber comercializar a produção / ter mercado garantido para os produtos f) saber reconhecer os sinais ( da natureza) do clima, da mudança de lua, para fazer o plantio, a colheita, a limpeza, etc / g) ter tecnologia apropriada para o trabalho do campo h) ter capital e acesso a crédito para investir na propriedade i) receber assistência técnica para o trabalho j) ter uma área disponível e com espaço suficiente O que a atividade agrícola deve garantir para o produtor (assinale duas) a) o sustento da família b) direito ao uso do terreno c) a aquisição de bens necessários para a produção d) dar lucro e) assegurar pelo menos o alimento da família f) Outro Se o sr. tivesse recursos hoje no que investiria (Resposta Multipla = R.M. / assinalar 3 principais) a) na produção orgânica b) na aquisição de terras c) na moradia (ampliação, melhoria, reformas) d) na aquisição de bens domésticos 18

19 e) na aquisição de veículo de passeio f) ajudaria os filhos g) iria para um bairro melhor h) viajaria de férias i) outro Se o sr. pudesse decidir o futuro dos seus filhos, o que desejaria para eles a) que permanecessem estudando até a faculdade b) que eles tivessem emprego fixo c) que fossem embora para uma cidade melhor d) outro Quando seus filhos falam do futuro o que eles desejam a) estudar b) ir embora para uma cidade melhor c) morar na cidade com emprego fixo d) ter casa própria e) outro 2.7. GÊNERO * Quanto tempo cada membro investe nas tarefas que desenvolve? Quem se ocupa de garantir a rega? Quem prepara os solos? Quem processa os dejetos orgânicos e os converte em adubo? Quem recebe e quem controla os lucros por comercialização dos produtos? Quem é e quem não é reconhecido social o economicamente por este trabalho? * Para todas as respostas: 1- homem; 2- mulher; 3- ambos III INDICADORES ECONÔMICOS 3.1. Despesas Gerais (Ano ou mês) Discriminação % do total R$ Custo Fixo Pgto. Aluguel/arrendamentos INCRA Sindicato/Associação Custo Variável M. Obra Contratada Gastos c/ insumos (sementes, adubos, agrotóxicos, trat. animais) Aluguel de máquinas e equipamentos Despesas c/ transporte Água, Luz, Telefone Outros (embalagens/comercializ.) Gastos com família (Saúde, educação, transporte, alimentação, vestuário, lazer, outros) Valor Total (R$) 3.2. Receita Bruta (Ano ou mês)) Discriminação Produção agrícola total Venda de animais Aluguel de terras/imóveis/máquinas Venda de mão-de-obra Aposentadoria Comércio Outros (poupança/ renda terceiros) Valor Total (R$) % do total R$ Comercialização * *1=Sacolões; 2=Supermercados; 3=Feira verde; 4=Venda direta; 5=Atravessador; 6=CEASA; 7=Outros 19

20 IV - INDICADORES TÉCNICO-AGR0NÔMICOS CULTURA / ESPÉCIE ÁREA SEMENTE PREPARO SOLO ADUBAÇÃO PRAGAS E DOENÇAS PLANTAS DANINHAS MANEJO PRODUÇÃO a= anual p= perene m 2 1=própria 2=compra o= org. c= conv. 1=araçao (m=manual; ta=t.animal; tm=máquina) 2=enx. rotat. 3=covas 4=queima 0=outros TIPO o= orgânica n=mineral natural q= química m= mista FONTE c-compra p-própria QUANT. GERAL Kg/ha ou Kg/m 2 P= prod. Perm. Q= químicos M= mistos X= outros H= herbic. C= rotação/alelo M= mecân. (ma= arranque manual; ca=capinal;ta=t.animal;tm= máq.) X= outros V= var. resist. R= rotação C = consórcio, plant. companheiras; AV= ad.verde ou cobertura morta E= estufa I = irrigação; X=outros Kg Maço Cabeças Caixas Finalidade da Produção (%) = ( ) autoconsumo familiar ( ) autoconsumo e venda ( ) Vendas ( )animais ( )outros 4.1. USO DO SOLO Olericulrura Área (ha) Orgânica Lavoura Convencional Pastagem Infra-estrut. Não agric. Outros Total** **pr= própria; ar= arrendada; pa= parceria; co= comunitária; in= invadida; po= posse 4.2. PECUÁRIA Criações C= comprada P= próprios Número (Qtidade) Alimentação P=própria; c1=compr.; 0=orgân. ; c2=conv. Tratamentos n = remédios naturais; q = prod. químicos; x = outros Manejo L=livre; c=conf. S=semi-conf. R=past.rotat. Produção Kg/mês/ano Finalidade (%) a=autoconsumo.; V=vendas; T=Tração P=poup.; E=esterco; X=outros ASPECTOS GERAIS 1 - Assinale os três principais problemas relacionados com a prática agronômica que dificultam o desenvolvimento da AUP: ( ) Falta de experiência com agricultura ( ) Controle de pragas e doenças ( ) Dificuldade de obter insumos ( ) Falta de recursos para obtenção de terra ( ) Falta de máquinas e equipamentos ( ) Dificuldade em relação a programação de produção ( ) Falta de informação e conhecimento técnico ( ) outros 2 - Cite 3 aspectos técnicos mais importantes para serem resolvidos pela pesquisa em agricultura urbana e peri-urbana? ( ) Estudo de variedades adaptadas ( ) Manejo da matéria orgânica e fertilidade do solo ( ) Controle de pragas e doenças ( ) Métodos alternativos eficientes para tratamento doenças e pragas em animais ( ) Controle de ervas ( ) Manejo de resíduos 20

Agricultura Urbana: Potencialidades e Desafios em Lavras-MG 1

Agricultura Urbana: Potencialidades e Desafios em Lavras-MG 1 Agricultura Urbana: Potencialidades e Desafios em Lavras-MG 1 Daniela Andrade, 3º módulo de Agronomia/UFLA, danielagirl2@hotmail.com; Priscila Gomes de Araújo, Mestranda PPGAD/UFLA, priscila2210@hotmail.com;

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa

Os fundos de confiança como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa Os "fundos de confiança" como mecanismo de financiamento para a agricultura urbana participativa César Jaramillo Avila - aurbana@quito.gov.ec Coordenador do Programa Municipal de Agricultura Urbana da

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Sete Lagoas e o resgate da cidadania. Prefeitura ativa. Cidade viva.

Sete Lagoas e o resgate da cidadania. Prefeitura ativa. Cidade viva. Sete Lagoas e o resgate da cidadania Prefeitura ativa. Cidade viva. APRESENTAÇÃO A Prefeitura Municipal de Sete Lagoas, Minas Gerais, está desenvolvendo uma ação abrangente de resgate da cidadania, que

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETO TÉCNICO SOCIAL APT MUNICÍPIO SANTANA DA BOA VISTA

ANÁLISE DE PROJETO TÉCNICO SOCIAL APT MUNICÍPIO SANTANA DA BOA VISTA TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 ANÁLISE DE PROJETO

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO)

DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL. (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) DIÁLOGOS SOBRE O DIREITO HUMANO À ALIMENTAÇÃO NO BRASIL (Pesquisa qualitativa -- RESUMO) Realização: Ibase, com apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) Objetivos da Pesquisa: Os Diálogos sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ.

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. Amanda

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que:

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: Tenham competência técnica e tecnológica em sua área de atuação; Sejam capazes de se inserir no

Leia mais

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L

I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L I MPACTO AMBI ENTAL DA I RRI GAÇÃO NO BRASI L Salassier Bernardo, Ph.D. UENF Este trabalho aborda aspectos do impacto ambiental da irrigação, considerando seus efeitos sobre modificação do meio ambiente,

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Judith Kaspersma - RUAF Foto: Kranjac-Berisavljevic - dreno principal na cidade de Tamale, Gana Entre 24

Leia mais

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE PROFESSORES DAS UNIDADES DE ENSINO NA ELABORAÇÃO DE PROGRAMAS FORMAIS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

QUALIFICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE PROFESSORES DAS UNIDADES DE ENSINO NA ELABORAÇÃO DE PROGRAMAS FORMAIS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUALIFICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DE PROFESSORES DAS UNIDADES DE ENSINO NA ELABORAÇÃO DE PROGRAMAS FORMAIS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MOHAMED HABIB* & GIOVANNA FAGUNDES** * Professor Titular, IB, UNICAMP ** Aluna

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água

I B OP E Opinião. O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A visão dos brasileiros O que o brasileiro pensa e faz em relação à conservação e uso da água Dezembro, 2006 METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco Feagri/UNICAMP Fórum: Combate à Pobreza e Segurança Alimentar

Leia mais

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal PLANO DE CURSO Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR II Encontro Nacional de Experiências Inovadoras em Alimentação Escolar 50 ANOS Sr. José Tubino Representante da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli)

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) 1 REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo sugerindo à Agência Nacional de Águas que determine às empresas concessionárias deste serviço a divulgação em suas

Leia mais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Facinor- Faculdade

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul Termos de Referência: ESPECIALISTA EM SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS (01 Consultor/a): CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família

Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família Naturalidade Data de nascimento Telefone Endereço Nome do cônjuge ou companheiro Naturalidade Data de nascimento

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

Redução da Pobreza no Brasil

Redução da Pobreza no Brasil Conferencia Business Future of the Americas 2006 Câmara Americana de Comércio Redução da Pobreza no Brasil Resultados Recentes e o Papel do BNDES Demian Fiocca Presidente do BNDES Rio de Janeiro, 5 de

Leia mais

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba

Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Propostas para o Plano Diretor de Curitiba Revisão de 2014 Andressa Mendes Fernanda Castelhano Rafaela Scheiffer As propostas contidas nesta cartilha foram resultados de intervenções urbanas e processos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2015 Disciplina a profissão de Agroecólogo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º É requisito mínimo para o exercício da função profissional de Agroecólogo a comprovação

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

Programa de Estudos e Pesquisas 2009

Programa de Estudos e Pesquisas 2009 Programa de Estudos e Pesquisas 2009 DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Ana Paula Vitali Janes Vescovi Rodrigo Lorena Redirecionamento Estratégico IJSN Missão "Prover conhecimento social, econômico e territorial

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007.

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. Cria o Fundo Municipal de Microcrédito e Apoio à Economia Solidaria-FUMAES e Institui o Conselho Gestor do FUMAES e da outras providências.

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Seminário Trabalho Social em Programas

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta

EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Meta e Estratégias. Meta EDUCAÇÃO AMBIENTAL Meta e Estratégias Meta Universalizar a educação socioambiental em todos os níveis e modalidades de ensino, como uma prática inter, multi e transdisciplinar, contínua e permanente nos

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

5 Objetivos Principais

5 Objetivos Principais A Rainforest Business School Escola de Negócios Sustentáveis de Floresta Tropical Instituto de Estudos Avançados Universidade de São Paulo (USP) Programa de Pesquisa Amazônia em Transformação (AmazonIEA)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social

SEMINÁRIOS TEMÁTICOS. Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social SEMINÁRIOS TEMÁTICOS Mesa 1: Produção Habitacional : programas de financiamento da habitação de interesse social Maria do Carmo Avesani Diretora do Departamento de Produção Habitacional Secretaria Nacional

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA. Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA Águas no Brasil: A Visão dos Brasileiros O que o brasileiro pensa sobre a conservação e o uso da água no Brasil METODOLOGIA OBJETIVO Levantar informações para subsidiar o planejamento

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais