A Economia Mineradora (Século XVIII) O Processo de Independência. 1 A Economia Mineradora do Século XVIII. 2 As Reformas Pombalinas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Economia Mineradora (Século XVIII) O Processo de Independência. 1 A Economia Mineradora do Século XVIII. 2 As Reformas Pombalinas"

Transcrição

1 Aula 13 e 14 A Economia Mineradora (Século XVIII) 1 A Economia Mineradora do Século XVIII Setor As Reformas Pombalinas 3

2 Objetivo da aula Analisar a crise do Antigo Sistema Colonial e a desagregação do Antigo Regime. Situar o caso brasileiro, analisando o declínio colonial e a luta pela autonomia.

3 1.1 Consequências da Mineração Surto demográfico Crescimento do trabalho livre Crescimento do comércio interno Formação do mercado consumidor interno Mobilidade social Crescimento da camada média urbana 1 A Atividade Mineradora do Século XVIII

4 1.1 Consequências da Mineração Penetração territorial Estradas Mudança do eixo econômico Nordeste Sudeste 1 A Atividade Mineradora do Século XVIII

5 1.1 Consequências da Mineração Desenvolvimento cultural Choques de interesses Metrópole x Colônia Barroco Influência externa Revolução Industrial Tratado de Methuen A Atividade Mineradora do Século XVIII

6 1 A Atividade Mineradora do Século XVIII

7 1 A Atividade Mineradora do Século XVIII

8 2.1 As Reformas Pombalinas Marques de Pombal 1º Ministro de D. José I (1750 a 1777) Objetivos Eficiência administrativa Progresso econômico Fortalecer o Estado Absolutista 2 As Reformas Pombalinas

9 Medidas 2.1 As Reformas Pombalinas Criação de Cias de Comércio (norte/nordeste) Combate ao contrabando do ouro e diamantes Maior arrecadação de impostos (Derrama) Monopólio da Coroa sobre a exploração de diamantes Proibição da escravidão indígena 1759 Expulsão dos jesuítas 1759 Retomada das capitanias hereditárias 1763 Transferência da Capital de Salvador para o Rio de Janeiro Ocupação militar e povoamento (Norte, Nordeste, e Sul) 2 As Reformas Pombalinas

10 Contexto 3.1 O Declínio Colonial no Brasil Restauração do Trono Português (1640) Alianças com Inglaterra, França e Holanda (desastroso) Política Colonial Menor autonomia e maior controle Medidas Criação do Conselho Ultramarino (1642) Criação de Companhias de Comércio Aumento da fiscalização Monopólio Limitações às Câmaras Municipais Juiz de Fora 3

11 3

12 3.2 As Revoltas Nativistas Características Sem propostas de independência Contrárias a aspectos pontuais do Pacto Colonial Elitistas Localistas (caráter regional) 3

13 3.3 Principais Revoltas Aclamação de Amador Bueno (SP ) Causa: Fim do comércio com a região do Rio da Prata Consequências Amador Bueno Aclamado rei de São Paulo Recusa o título Sai às ruas dando vivas a D. João IV. 3

14 3.3 Principais Revoltas Revolta de Beckman (MA ) Líderes Manuel e Tomás Beckman Causas Latifundiários X Jesuítas Criação da Companhia de Comércio do Maranhão. Resultados Líderes enforcados. Jesuítas retornam ao Maranhão. Cia. de Comércio perde o monopólio 3

15 3.3 Principais Revoltas Guerra dos Emboabas (MG ) Bandeirantes X Emboabas*. Causa: Exploração aurífera Consequências: Criação Capitania de São Paulo e Minas de Ouro Descoberta de ouro em GO e MT 3

16 3.3 Principais Revoltas Guerra dos Mascates (PE 1710) Olinda X Recife* Causas Dívidas dos senhores de engenho Autonomia de Recife Consequência Recife confirma sua autonomia Parte das dívidas são perdoadas 3

17 3.3 Principais Revoltas Revolta de Vila Rica (MG 1720) Filipe dos Santos Líder Causa Estabelecimento de Casas de Fundição Resultado Filipe dos Santos é enforcado e esquartejado. 3

18 Exercício p. 241 (UFBA Adaptada) Assinale as proposições corretas, some os números a elas associados e marque no espaço apropriado. E o pior é que a maior parte do ouro, que se tira das minas, passa em pó e em moedas para os reinos estranhos... Salvo o que se gasta em cordões, arrecadas e outros brincos, dos quais se veem hoje carregadas as mulatas de mau viver... ANTONIL, André João apud MENDES JR., v. 1, p A análise do texto e os conhecimentos sobre o processo de colonização da América ibérica possibilitam afirmar:

19 (01) Os reinos estranhos que mais receberam ouro extraído do Brasil foram a Holanda e a França, cujas relações mercantis com Portugal lhes asseguravam direitos sobre esse produto. (02) O jesuíta, autor do texto, deixa transparecer o forte preconceito racial e social que pesava sobre a mulher não branca na sociedade colonial brasileira. (04) Portugal, consciente da importância das minas do Brasil para a sua política mercantilista, criou as Casas de Fundição para evitar a circulação de ouro em pó. (08) O grande afluxo de população para a região mineradora contribuiu para o povoamento de áreas até então desconhecidas, resultando num conflito conhecido como Guerra dos Emboabas. (16) Ao desembarcar no atual território brasileiro, o colonizador português encontrou algumas populações nativas dedicadas predominantemente à extração de metais preciosos, que foi estimulada pela metrópole com o objetivo de atender aos interesses mercantilistas. (32) O desenvolvimento da mineração no Brasil favoreceu o crescimento de uma camada social intermediária, que se instalou principalmente nos centros urbanos da zona aurífera. (64) A produção agrícola e a exploração mineradora no Brasil colonial apresentaram como característica comum o fato de favorecer a estagnação do mercado interno, em decorrência do controle exercido pela metrópole sobre suas produções.

20 Até a próxima aula!!!

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

BRASIL PORTUGUÊS PERÍODO PRÉ COLONIAL PERÍODO COLONIAL PROF. DE HISTÓRIA TÁCIUS FERNANDES BLOG:

BRASIL PORTUGUÊS PERÍODO PRÉ COLONIAL PERÍODO COLONIAL PROF. DE HISTÓRIA TÁCIUS FERNANDES BLOG: BRASIL PORTUGUÊS PERÍODO PRÉ COLONIAL PERÍODO COLONIAL 1. ESPANHA X PORTUGAL A BULA INTER COETERA ASSINADO EM 1493. LINHA IMAGINÁRIA A 100 LÉGUAS A OESTE DE CABO VERDE. LESTE: PORTUGAL. OESTE: ESPANHA.

Leia mais

BRASIL COLÔNIA (1500 1822) AS REVOLTAS COLONIAIS 1 - REVOLTAS NATIVISTAS: Séculos XVII e XVIII (início). Sem propostas de independência. Elitistas.

BRASIL COLÔNIA (1500 1822) AS REVOLTAS COLONIAIS 1 - REVOLTAS NATIVISTAS: Séculos XVII e XVIII (início). Sem propostas de independência. Elitistas. 1 - REVOLTAS NATIVISTAS: Séculos XVII e XVIII (início). Sem propostas de independência. Elitistas. Localistas (caráter regional). Contrárias a aspectos pontuais do Pacto Coloniais. Revolta de Beckman (MA

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL * Três etapas: 1) Revoltas Nativistas 2) Revoltas Emancipacionistas 3) Período Joanino Família Real no Brasil (1808-1822)

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

REVOLUÇÃO AMERICANA

REVOLUÇÃO AMERICANA REVOLUÇÃO AMERICANA 1776-1781 CONTEXTO Crise do Antigo Regime na América. Expansão dos ideais Iluministas. Liberalismo político e econômico. Crítica ao Sistema Colonial Consolidação do Estado Burguês na

Leia mais

REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 7 ANO

REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 7 ANO REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 7 ANO 1) Uns dedicam-se particularmente ao serviço de Deus; outros garantem pelas armas a defesa do Estado; outros ainda a alimentá-lo e a mantê-lo pelos exercícios da paz.

Leia mais

Revoltas Nativistas e Anticoloniais. Prof. Alan Carlos Ghedini

Revoltas Nativistas e Anticoloniais. Prof. Alan Carlos Ghedini Revoltas Nativistas e Anticoloniais Prof. Alan Carlos Ghedini Fatores iniciais para as revoltas Descontentamentos com o governo metropolitano Choque entre os interesses dos colonos e da Coroa Pressão do

Leia mais

Disciplina: Geografia. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso

Disciplina: Geografia. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso COLÉGIO LA SALLE BRASILIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Período:

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

quarta-feira, 4 de maio de 2011 A CRISE DO ANTIGO REGIME O ILUMINISMO

quarta-feira, 4 de maio de 2011 A CRISE DO ANTIGO REGIME O ILUMINISMO A CRISE DO ANTIGO REGIME Definição: movimento filosófico, intelectual e científico que contrariou as bases do Antigo Regime; Quando: século XVIII; Onde? ING (início), FRA (auge); Quem? O iluminismo representou

Leia mais

Movimento bandeirante (séc XVII):

Movimento bandeirante (séc XVII): 1. O CICLO DO OURO Século XVIII. MG, MT, GO Movimento bandeirante (séc XVII): Bandos armados que percorriam o interior do país em busca de riquezas. Origem: São Vicente (São Paulo). Tipos de bandeiras

Leia mais

MÓDULO 01 O BRASIL PRÉ-COLONIAL ( 1500-1530 ) PROFESSOR IASBECK /

MÓDULO 01 O BRASIL PRÉ-COLONIAL ( 1500-1530 ) PROFESSOR IASBECK / MÓDULO 01 O BRASIL PRÉ-COLONIAL ( 1500-1530 ) PROFESSOR IASBECK / Período que antecedeu a colonização. Interesse português:índias. Características: - extração predatória do pau-brasil. - mão de obra indígena

Leia mais

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, 06 / 05/ 2016 PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES DISCIPLINA: GEOGRAFIA SÉRIE:8º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

Expedição 5. A Região Sudeste do Brasil. Geografia Profª Bruna Andrade 7º ano

Expedição 5. A Região Sudeste do Brasil. Geografia Profª Bruna Andrade 7º ano Expedição 5. A Região Sudeste do Brasil Geografia Profª Bruna Andrade 7º ano Introdução. Desde o século XVIII é a principal região econômica do Brasil, a que mais atraiu população de outras regiões do

Leia mais

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral.

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral. Expansão Territorial Norte (Vale Amazônico): Drogas do Sertão / Missões Nordeste: Cana-de-açúcar Sertão Nordestino Litoral Sul Pecuária Fortes de defesa Pau-Brasil Missões Jesuíticas Pecuária Tratados

Leia mais

O ciclo da mineração e a sociedade mineradora. Prof.ª. Maria Auxiliadora

O ciclo da mineração e a sociedade mineradora. Prof.ª. Maria Auxiliadora O ciclo da mineração e a sociedade mineradora Prof.ª. Maria Auxiliadora Fatores que impulsionaram a mineração 1. Meados do séc. XVII - crise na lavoura açucareira (devido a produção holandesa nas Antilhas)

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

Questões de vestibulares Mineração no Brasil colonial. O que você, aluno, poderá aprender com esta atividade:

Questões de vestibulares Mineração no Brasil colonial. O que você, aluno, poderá aprender com esta atividade: Questões de vestibulares Mineração no Brasil colonial O que você, aluno, poderá aprender com esta atividade: Identificar os impactos internos e externos da Mineração Colonial; Analisar as principais vantagens

Leia mais

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento).

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). HB. Expansão territorial da colônia. Expansão territorial Bandeirantes. 1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). Mão-de-obra indígena.

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

O Desenvolvimento do sistema socioeconômico. As fases do capitalismo

O Desenvolvimento do sistema socioeconômico. As fases do capitalismo O Desenvolvimento do sistema socioeconômico capitalista As fases do capitalismo As fases do capitalismo Dois eventos marcaram o fim do socialismo pelo mundo: Queda do Muro de Berlim (1989); Desmembramento

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO

IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO Resultado da 2ª Revolução Industrial CONTEXTO: 2ª Revolução Industrial; Necessidade de novos mercados; Nacionalismo; Produção de armas; O CAPITALISMO MONOPOLISTA Setor industrial

Leia mais

Bandeirismo(séc XVII):

Bandeirismo(séc XVII): 1. O CICLO DO OURO Século XVIII. MG, MT, GO Bandeirismo(séc XVII): percorriam o interior do país em busca de riquezas. Origem: São Paulo Tipos apresamento sertanismo de contrato busca de metais preciosos.

Leia mais

Segunda Revolução Industrial. Um mundo cheio de mudanças

Segunda Revolução Industrial. Um mundo cheio de mudanças Segunda Revolução Industrial Um mundo cheio de mudanças Nas relações humanas da contemporaneidade, a informação circula com muita rapidez. A globalização envolve diferentes esferas sociais tais como a

Leia mais

O descobrimento do Brasil

O descobrimento do Brasil Europa: renascimento cultural Brasil... Pindorama... Ilha de Vera Cruz... Terra de Santa Cruz... A Europa estava num processo de transformação que tinha se iniciado no século XIV. Este processo de transformação

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.1 Conteúdos Aspectos gerais dos

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 8º Turma: Data: Nota: Professora: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Questões Brasil Colonial

Questões Brasil Colonial Questões Brasil Colonial (Ufpel 2008) "No decorrer do período colonial no Brasil os interesses entre metropolitanos e colonos foram se ampliando. O descontentamento se agravou quando, a 1º de abril de

Leia mais

A REGIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL Parte III. Referências ( Livros): BibliEx e PNLD

A REGIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL Parte III. Referências ( Livros): BibliEx e PNLD A REGIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO MUNDIAL Parte III Referências ( Livros): BibliEx e PNLD DIFERENTES MODOS DE VER O MUNDO Regionalização do Mundo (outro critério) Critério utilizado Econômico A regionalização

Leia mais

América Central e do Sul

América Central e do Sul América Central e do Sul Insular Ístmica Coralígeo Vulcanismo Tropical Equatorial Tectonismo Cuba Anos 60 e 70: Investimentos soviéticos Melhora no padrão de vida Economia: agricultura Cana Dependência

Leia mais

A Expansão Territorial (Séculos XVII e XVIII) A Economia Mineradora (Século XVIII) 1 A Expansão Oficial. 2 Os Tratados de Limites

A Expansão Territorial (Séculos XVII e XVIII) A Economia Mineradora (Século XVIII) 1 A Expansão Oficial. 2 Os Tratados de Limites Aula 11 e 12 A Expansão Territorial (Séculos XVII e XVIII) 1 A Expansão Oficial Setor 1601 2 Os Tratados de Limites 3 A Economia Mineradora do Século XVIII ealvespr@gmail.com Objetivo da aula Estudar a

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

Apostila de História 24 Revoltas Coloniais

Apostila de História 24 Revoltas Coloniais Apostila de História 24 Revoltas Coloniais 1.0 Contexto Histórico Reforço do pacto colonial: Encarecimento dos produtos vindos da Europa (importados); Barateamento dos produtos locais (exportados). Iluminismo:

Leia mais

AMAZONIA SÉC. XVIII. Prof. Tácius Fernandes

AMAZONIA SÉC. XVIII. Prof. Tácius Fernandes AMAZONIA SÉC. XVIII Prof. Tácius Fernandes PORTUGAL NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XVIII Durante o reinado de D. João V (1706-1750), Portugal desenvolveu uma imagem melancólica em relação ao resto da Europa.

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

O desenvolvimento rural brasileiro cenário atual e desafios. Movimento dos Pequenos Agricultores MPA. Raul Ristow Krauser

O desenvolvimento rural brasileiro cenário atual e desafios. Movimento dos Pequenos Agricultores MPA. Raul Ristow Krauser O desenvolvimento rural brasileiro cenário atual e desafios Movimento dos Pequenos Agricultores MPA Raul Ristow Krauser www.mpabrasil.org.br MUNDO EM CRISE Crise Alimentar: 1 Bilhão de pessoas famintas

Leia mais

C A N A D Á. CANADÁ DIVISÃO POLÍTICA E REGIONAL O país é dividido em 10 províncias e 3 territórios, sendo o de NUNAVUT O mais recente

C A N A D Á. CANADÁ DIVISÃO POLÍTICA E REGIONAL O país é dividido em 10 províncias e 3 territórios, sendo o de NUNAVUT O mais recente C A N A D Á CANADÁ DIVISÃO POLÍTICA E REGIONAL O país é dividido em 10 províncias e 3 territórios, sendo o de NUNAVUT O mais recente 1 GRUPOS ÉTNICOS DO CANADÁ BRITÂNICOS (ingleses, escoceses, irlandeses)

Leia mais

1- ENTRADAS E BANDEIRAS ENTRADAS

1- ENTRADAS E BANDEIRAS ENTRADAS 1- ENTRADAS E BANDEIRAS ENTRADAS (sec. 16 e 17) expedições militares, organizadas e financiadas pela Coroa Portuguesa a fim de procurar ouro no interior. BANDEIRAS (sec. 17) expedições financiadas por

Leia mais

PNE: construindo redes, elaborando cenários. Daniel Cara Coordenador Geral Campanha Nacional pelo Direito à Educação

PNE: construindo redes, elaborando cenários. Daniel Cara Coordenador Geral Campanha Nacional pelo Direito à Educação PNE: construindo redes, elaborando cenários. Daniel Cara Coordenador Geral Campanha Nacional pelo Direito à Educação Desafio real do PNE Colaborar com o desenvolvimento social, ambiental e econômico. PNE

Leia mais

Migração. João Vechio Laurent Alphonse Rafael Silva

Migração. João Vechio Laurent Alphonse Rafael Silva Migração João Vechio 076761 Laurent Alphonse - 094876 Rafael Silva 095831 Agenda Histórico Incongruência Comparativa Reflexão Econômica Fluxos Migratórios no Mundo: 2006 Fluxos Migratórios para o Brasil

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia. Lista de atividades 6º ano

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia. Lista de atividades 6º ano 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 6º ano Apostila 1 Tempo histórico, periodização da História, ocupação da América. Apostila 2 Egito, Mesopotâmia,

Leia mais

Órgãos de desenvolvimento regional: Nordeste: SUDENE (1959); Norte: SUDAM (1966); Centro-Oeste: SUDECO (1967); Sul: SUDESUL (1967).

Órgãos de desenvolvimento regional: Nordeste: SUDENE (1959); Norte: SUDAM (1966); Centro-Oeste: SUDECO (1967); Sul: SUDESUL (1967). Prof. Clésio Revolução de 1930 implementação das indústrias de base e fortalecimento das indústrias de bens de consumo (Sudeste); Governo JK (1956-1961) concentração espacial da indústria no Sudeste

Leia mais

Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria. Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo. Filipe Miguel Botelho 2012/2013

Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria. Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo. Filipe Miguel Botelho 2012/2013 Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria Geografia 8º ano Planificação a longo prazo Filipe Miguel Botelho 0/03 Planificação a longo prazo 8º ano - Geografia º Período Aulas º Período Aulas 3º Período

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

Reabertura da Serra Pelada otimismo, confrontos, assassinatos e denuncias por Simone Helen Drumond de Carvalho

Reabertura da Serra Pelada otimismo, confrontos, assassinatos e denuncias por Simone Helen Drumond de Carvalho Nando Oliveira formado em Técnico em Segurança e Medicina do Trabalho pergunta para Simone no Café História Serra Pelada no próximo ano será reaberta de forma mecanizada por capital estrangeiro. O que

Leia mais

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA Portugal é por tradição um país de migrações, dado que apesar do incremento da imigração, os portugueses continuam a emigrar... CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA A motivação económica, que se traduz pela

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: História Série: 2º - Ensino Médio Professora: Amanda Rezende História Atividades para Estudos Autônomos Data: 23 / 5 / 2016 Aluno(a): Nº.: Turma:

Leia mais

INVENTÁRIO DO FUNDO CÂMARA MUNICIPAL DE OURO PRETO PROVÍNCIA

INVENTÁRIO DO FUNDO CÂMARA MUNICIPAL DE OURO PRETO PROVÍNCIA GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO CÂMARA MUNICIPAL DE OURO PRETO PROVÍNCIA Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes

Leia mais

ANUALIZAÇÃO 2015/2016

ANUALIZAÇÃO 2015/2016 ESCOLA EB 3,3/S DE VILA FLOR HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º ANO ANUALIZAÇÃO 2015/2016 OBJETIVOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO GESTÃO LETIVA (POR PERÍODO) - Conhecer a sociedade portuguesa no século XVIII -

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral.

Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos de recuperação semestral. Nome: Nº: Ano: 8º Ensino Fundamental Disciplina: História Data: / / Prof: Teonila L. S. Maia Nota: Roteiro de Recuperação 2ª etapa Caro aluno, Estes são os conteúdos e sugestões de atividades para os estudos

Leia mais

O Barroco Colonial e o Mosteiro de São Bento no Rio de Janeiro

O Barroco Colonial e o Mosteiro de São Bento no Rio de Janeiro O Barroco Colonial e o Mosteiro de São Bento no Rio de Janeiro Roberto Hofmann, São Bento, Rio de Janeiro, 23 de Junho 2002 O Barroco Colonial Principais intenções dos colonizadores portugueses: Tomar

Leia mais

Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio. Plano de Trabalho Docente PTD 2014

Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio. Plano de Trabalho Docente PTD 2014 Colégio Estadual João Ferreira Neves Ensino Fundamental e Médio Plano de Trabalho Docente PTD 2014 Professora: Marcela Szymanski Disciplina: História Série: 7º B, E 1º Trimestre. Conteúdo Estruturante

Leia mais

Estrutura e Dinâmica do Sistema Colonial

Estrutura e Dinâmica do Sistema Colonial ESTUDO DIRIGIDO HISTÓRIA 8 ANO Caro aluno, Durante esse semestre estamos estudando o período medieval e moderno. É importante que você compreenda as diferenças entre esses dois tempos históricos, sendo

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO IMPERIALISMO

IDADE CONTEMPORÂNEA IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO IMPERIALISMO IMPERIALISMO Definição: domínio de vastas áreas do planeta por parte de nações industrializadas (ING, FRA, HOL, BEL, ALE, ITA, JAP, EUA, RUS). Onde? África e Ásia (Neocolonialismo) e América (Imperialismo).

Leia mais

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês 1. (Enem) O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

HISTÓRIA 8 ANO PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA PROF.ª ISABEL SARAIVA ENSINO FUNDAMENTAL

HISTÓRIA 8 ANO PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA PROF.ª ISABEL SARAIVA ENSINO FUNDAMENTAL HISTÓRIA 8 ANO PROF.ª ISABEL SARAIVA ENSINO FUNDAMENTAL PROF. ARTÊMISON MONTANHO DA SILVA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 15.1 Conteúdos

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado Victor Mendes

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado Victor Mendes REQUERIMENTO (Do Sr. Victor Mendes) Requer o envio de Indicação ao Ministro Chefe da Secretaria da Aviação Civil da Presidência da República SAC-PR, solicitando que determine à Agência Nacional de Aviação

Leia mais

DEZ MOTIVOS PARA ESTUDAR NO CES-CL

DEZ MOTIVOS PARA ESTUDAR NO CES-CL NOTÍCIAS DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CONSELHEIRO LAFAIETE CES-CL DEZ MOTIVOS PARA ESTUDAR NO CES-CL Vista dos Prédios do Centro de Ensino Superior de Cons. Lafaiete. 1) Cursos Reconhecidos pelo MEC.

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO

IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO IMPERIALISMO E NEOCOLONIALISMO Resultado da 2ª Revolução Industrial 1. CONTEXTO: 2ª Revolução Industrial; Necessidade de novos mercados; Nacionalismo; Produção de armas; Capitalismo Monopolista: Setor

Leia mais

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa.

Não é possível pensar em sociedade separada do espaço que ocupa. O ESPAÇO GEOGRÁFICO As sociedades humanas desenvolvem, durante sua história, modos próprios de vida. Estes decorreram da combinação de formas de subsistência material - com culturas diversas -, de diferentes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Da Sra. Iara Bernardi) Institui o Dia Nacional do Tropeiro, a ser comemorado no último domingo do mês de maio. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Fica instituído o Dia Nacional

Leia mais

BRASIL COLÔNIA (1500 1822)

BRASIL COLÔNIA (1500 1822) 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura. Agroexportação. Latifúndio. Escravismo. Pacto Colonial (monopólio de comércio

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2,3 DE CORROIOS FICHA SUMATIVA A Primeira Guerra Mundial Nome: N.º Turma: 9.º C Ano Lectivo 2010/2011 Professor: Nota: Enc.

ESCOLA BÁSICA 2,3 DE CORROIOS FICHA SUMATIVA A Primeira Guerra Mundial Nome: N.º Turma: 9.º C Ano Lectivo 2010/2011 Professor: Nota: Enc. FICHA SUMATIVA A Primeira Guerra Mundial Nome: N.º Turma: 9.º C Ano Lectivo 2010/2011 Professor: Nota: Enc. Educação: I. SITUAR NO TEMPO 1. ORDENA os acontecimentos cronologicamente, colocando as letras

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA 7º ano Teste de Avaliação nº 4 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Turma: 7º B Nº: Avaliação:

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD

COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD Professor (a):rosi Magda Guimarães Disciplina:Geografia Ano:2015 Bimestre: 2º ano A 1º bimestre ESTRUTURANTES: :

Leia mais

Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea

Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Júlio César Roma Técnico de Planejamento e Pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO (PAC), criado pelo Decreto 6.025/2007 que define a estrutura formal da sua gestão. PAC medidas de estímulo

Leia mais

BRASIL IMPÉRIO. Primeiro e Segundo Reinados. Prof. Rodrigo Toledo

BRASIL IMPÉRIO. Primeiro e Segundo Reinados. Prof. Rodrigo Toledo BRASIL IMPÉRIO Primeiro e Segundo Reinados Prof. Rodrigo Toledo PRIMEIRO REINADO Definição O primeiro Reinado do Brasil é o nome dado ao período em que D. Pedro I governou o Brasil como Imperador, entre

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR - TD 2 FASE ESPECÍFICA - HISTÓRIA GERAL II - TURNO: NOITE PROFESSORA: JÉSSICA DE SOUSA - AULA DIA 09/07/2014

PRÉ-VESTIBULAR - TD 2 FASE ESPECÍFICA - HISTÓRIA GERAL II - TURNO: NOITE PROFESSORA: JÉSSICA DE SOUSA - AULA DIA 09/07/2014 PRÉ-VESTIBULAR - TD 2 FASE ESPECÍFICA - HISTÓRIA GERAL II - TURNO: NOITE PROFESSORA: JÉSSICA DE SOUSA - AULA DIA 09/07/2014 1- A expressão Revolução Industrial tem sido utilizada para designar um conjunto

Leia mais

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL Começou com a disseminação de idéias iluministas Conjurações mineira e baiana. 1ª tentativa de separação: Conjuração Mineira.

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII)

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) 1) Período Pré-Colonial Trinta anos sem projeto de colonização (1500-1530) Interesses voltados para o comércio com o Oriente Desapontamento quanto às potenciais

Leia mais

Colônia e metrópole, uma relação em crise

Colônia e metrópole, uma relação em crise A U A UL LA MÓDULO 3 Colônia e metrópole, uma relação em crise Abertura O fato de ser alferes influiu para transformar-me em conspirador, levado a tanto que fui pelas injustiças que sofri, preterido sempre

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS EXPANSÃO MARÍTIMA Prof. Fernando

LISTA DE EXERCÍCIOS EXPANSÃO MARÍTIMA Prof. Fernando 1. (Fuvest) Observe o mapa e explique: a) Por que não estão representados todos os continentes? b) Quais os conhecimentos necessários na época, final do século 15, para se confeccionar um mapa com essas

Leia mais

Legislação brasileira anti-preconceito anti-racismo: contextualização histórica Ementa: Objetivo:

Legislação brasileira anti-preconceito anti-racismo: contextualização histórica Ementa: Objetivo: DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUACÃO EM RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS DISCIPLINA: Legislação brasileira anti-preconceito e anti-racismo: contextualização histórica PROFESSOR(ES): Alvaro

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

Período Joanino Quando o Brasil virou capital do Império Português

Período Joanino Quando o Brasil virou capital do Império Português Período Joanino Quando o Brasil virou capital do Império Português Napoleão e Portugal 1804 Napoleão dominava a Europa, sendo coroado Imperador 1806 Bonaparte, decreta o Bloqueio Continental O objetivo:

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

Rita Martins de Sousa APHES/ GHES- ISEG- UL

Rita Martins de Sousa APHES/ GHES- ISEG- UL Rita Martins de Sousa APHES/ GHES- ISEG- UL Tema: Inovações contabilísticas na esfera pública. Objetivo: conhecer a forma como o Estado elabora o controlo sobre si próprio. Problemática: relacionar a contabilidade

Leia mais

Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria. Geografia 9º ano. Planificação longo prazo. Filipe Miguel Botelho 2012/2013

Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria. Geografia 9º ano. Planificação longo prazo. Filipe Miguel Botelho 2012/2013 Colégio de Nossa Senhora de Fátima - Leiria Geografia 9º ano Planificação longo prazo Filipe Miguel Botelho 0/0 TEMA C POPULAÇÃO E POVOAMENTO 6. Áreas de fixação humana Planificação a longo prazo 9º ano

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: EVOLUÇÃO E FINANCIAMENTO

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: EVOLUÇÃO E FINANCIAMENTO Aula EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: EVOLUÇÃO E FINANCIAMENTO META Situar histórica e contextualmente toda a movimentação política e intelectual para a elaboração de instrumentos legais que regulam e regularam

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais