PLATAFORMA SIRIS: SIMULADOR COMPUTACIONAL INTEGRADO PARA CONCEPÇÃO, ANÁLISE E VALIDAÇÃO DE REDES INTELIGENTES DE MÉDIA TENSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLATAFORMA SIRIS: SIMULADOR COMPUTACIONAL INTEGRADO PARA CONCEPÇÃO, ANÁLISE E VALIDAÇÃO DE REDES INTELIGENTES DE MÉDIA TENSÃO"

Transcrição

1 PLATAFORMA SIRIS: SIMULADOR COMPUTACIONAL INTEGRADO PARA CONCEPÇÃO, ANÁLISE E VALIDAÇÃO DE REDES INTELIGENTES DE MÉDIA TENSÃO A.L. BETTIOL * A. CARNIATO L.F.N. PASSOS NEO DOMINO NEO DOMINO NEO DOMINO Brasil Brasil Brasil N. PENNER J.A. CORTINA R. CALEFI JR. NEO DOMINO NEO DOMINO NEO DOMINO Brasil Brasil Brasil C.V.N. ALBUQUERQUE R.Z. HOMMA F.H. MOLINA UFF CELESC DISTRIBUIÇÃO CELESC DISTRIBUIÇÃO Brasil Brasil Brasil Resumo O projeto de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), código ANEEL /2013, atualmente em execução pela empresa NEO DOMINO para a CELESC DISTRIBUIÇÃO S.A, está desenvolvendo uma plataforma computacional voltada à simulação numérica das etapas de planejamento, análise, validação e implantação de Redes Elétricas Inteligentes (REI) em sistemas de distribuição de média tensão, considerando também os aspectos técnicos associados aos sistemas de comunicação disponíveis na empresa de distribuição. O simulador, baseado na plataforma aberta GridLab-D, é composto por diversos módulos para estudo da interação entre os diversos fenômenos elétricos e o comportamento do mercado de energia em diferentes cenários de consumo e sazonalidades, possibilitando a realização de estudos preliminares de viabilidade técnica, econômica e eficiência operacional para posterior implementação dos resultados em projetos reais. Palavras chave: Smart Grids, Redes Inteligentes, Simulação de Sistemas Elétricos. 1.1 INTRODUÇÃO A definição do conceito de Rede Elétrica Inteligente (REI) é ainda bastante difusa dentro do setor elétrico nacional e internacional. De acordo com [1], as REIs devem ser vistas como uma convergência tecnológica, como pode ser observado na figura 1. Em outras palavras, a adequada implantação de uma REI implica no completo conhecimento das cargas envolvidas (tipos, montantes e modos de controle), do processo de automação (tanto da operação quanto do sistema de medição), da infraestrutura de telecomunicações envolvida (tecnologias e confiabilidade dos enlaces) e da tecnologia da informação.

2 Figura 1 O conceito de REI visto como uma convergência tecnológica, adaptado de [1]. No projeto de P&D em desenvolvimento, os aspectos relacionados à operação de REI não são abordados, pois o enfoque principal é o desenvolvimento e/ou integração de ferramentas de simulação com o intuito de auxiliar no projeto e validação de uma REI, tanto no projeto de novas redes como no projeto da ampliação e modernização das já existentes. O simulador proposto auxiliará os engenheiros da CELESC nas fases de projeto e validação da rede elétrica e de determinação dos requisitos técnico-financeiros associados à definição dos sistemas de automação e da infraestrutura de telecomunicações necessários ao adequado funcionamento das REIs. 1.2 REQUISITOS DOS SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO PARA REI As REIs requerem comunicação bidirecional e possuem especificidades relacionadas ao tempo de atraso, largura de banda, frequência de atualização, confiabilidade, segurança e tempo de resposta distintos em cada aplicação nos seus diversos domínios de abrangência [4]. A segurança deve prover robustez para se evitar eventuais ataques cibernéticos e proporcionar estabilidade e confiabilidade à comunicação das REI. Segundo [2], a exigência de confiabilidade deve estar entre 99 e 99,99%. A tabela 1 mostra os requisitos de comunicação para cada aplicação típica em REIs. Tabela 1 Requisitos de comunicação para aplicações em REIs Tipo de Aplicação Banda (kbps) Latência Recursos Energéticos Distribuídos Renováveis 9, ms - 2s Veículos Elétricos Fornecimento s Veículos Elétricos Carga 9,6-56 2s - 5min Automação da Distribuição 9, ms Gestão da Distribuição 9, ms - 2s Gestão de Falhas 56 2s Automação de Subestações 9, ms Sistemas de Acompanhamento de Sobrecarga de Linha de 9, ms - 200ms Transmissão Gestão de Energia Residencial 9, ms - 2s Sistema de Conhecimento Situacional em Longa Distância ms - 200ms Gestão de Resposta à Demanda (por nó) 500ms-~min Gestão de Dados de Medição 56 2s AMI (por nó) 2s Neste projeto de P&D, é dada ênfase aos meios de comunicação por rede de telefonia celular e rede mesh padrão Zigbee. 2

3 1.3 PLATAFORMAS COMPUTACIONAIS PARA SIMULAÇÃO DE REDES ELÉTRICAS A simulação numérica é uma das principais ferramentas utilizadas no planejamento, operação e controle de sistemas de energia elétrica. No que se refere à simulação de REIs, nenhum sistema de simulação existente no mercado pode modelar o comportamento integrado dos sistemas combinados de energia elétrica, comunicações e dispositivos de supervisão e controle, o qual baseia-se na comunicação para monitorizar e controlar uma REI. Por ser um conceito ainda bastante recente, não há registros na literatura de nenhum simulador de REI que possibilite aprofundar os estudos de interação de máquinas eletromecânicas, sistemas de comunicação e algoritmos de controle. Na verdade, não existem simuladores de REI disponíveis no mercado, dentro do contexto de desenvolvimento do projeto de P&D em execução na CELESC. No entanto, existem diversas ferramentas de simulação de fenômenos elétricos e também de outras variáveis associadas ao comportamento elétrico do sistema de distribuição, que fazem parte das tarefas disponibilizadas pela plataforma computacional em desenvolvimento. Algumas das ferramentas e linguagens computacionais a serem integradas à plataforma em desenvolvimento no projeto de P&D são apresentadas abaixo, de forma simplificada GRIDAB-D GridLab-D TM é o primeiro de uma nova geração de simuladores para REIs desenvolvido pelo Department of Energy at Pacific Northwest National Laboratory dos Estados Unidos em colaboração com indústrias e universidades, aplicado a Sistemas de Distribuição de Energia Elétrica (SDEE). O GridLab-D incorpora as mais avançadas técnicas de modelagem, com algoritmos de alto desempenho para a modelagem final, juntamente com modelos de distribuição de energia automatizada e ferramentas de integração entre programas de análise de sistemas de potência. Os recursos mais importantes do GridLab-D TM incluem: (i) Extensão quase estacionária para a solução de séries temporais; (ii) Modelos de dispositivos e equipamentos, modelos de consumo, todos implementados usando a simulação baseada em agentes; (iii) Modelos de fontes de energia distribuída, incluindo dispositivos de corte de carga e geração distribuída; (iv) Ferramentas de modelagem para mercado em varejo, incluindo ferramentas para simulação de contrato e operação, modelos de controle SCADA (Supervisory Control and Data Acquisition) e tecnologias de medição; (v) Conexão para os programas Matlab TM, MySQL TM, Microsoft TM Excel TM e Access TM e arquivo de texto, bem como para o programa de modelagem de sistemas de distribuição SynerGEE; e (vi) Capacidade de execução em máquinas com multiprocessamento. O GridLab-D foi desenvolvido como uma ferramenta que permite avaliar as tecnologias disponíveis para o projeto e implantação das REIs. Historicamente, a incapacidade de se modelar, de forma adequada e integrada, as tecnologias de REIs tem sido identificada como uma significativa barreira à adoção destes sistemas pelas concessionárias de distribuição. Assim, o GridLab-D é uma tentativa de se resolver este problema. Com o GridLAB-D é possível se estudar o comportamento do sistema de distribuição com variação de poucos segundos a décadas, simulando-se a interação entre fenômenos físicos e comportamentos de mercado e de consumo. Os resultados incluem estatísticas do sistema, tais como: métricas de confiabilidade (por exemplo CAIDI, SAIDI e SAIFI) e métricas de negócios, tais como: rentabilidade, taxas de retorno e de custos [3] MATPOWER O Matpower é uma biblioteca que pode ser executada utilizando-se os programas MATLAB (versão comercial) e OCTAVE (versão open source). A biblioteca é destinada à análise de fluxo de potência e otimização de fluxo de potência (ou seja, fluxo de potência ótimo). Para sua utilização, é necessário gerar-se um arquivo de entrada que define o modelo a ser simulado PSL/DMS Ferramenta computacional de suporte ao planejamento e à operação de sistemas de distribuição. O software possui diversas ferramentas de simulação como fluxo de potência, análise da inserção de fontes de geração distribuída, alocação de bancos de capacitores e reguladores de tensão, entre outras. 3

4 1.3.4 MODELICA É uma linguagem de programação voltada à descrição de sistemas dinâmicos. É utilizada principalmente em sistemas híbridos, isto é, um sistema que envolve elementos elétricos, mecânicos, térmicos, químicos, entre outros. As cargas especiais (como veículos elétricos, sistemas de cogeração, geradores eólicos, células solares, baterias e inversores) são mais facilmente modelados nesta linguagem de programação. Há diversos aplicativos que simulam os modelos escritos em Modelica. Há ferramentas comerciais como o software Dymola, da Dassault, System Modeler, da Wolfram Research, entre outros. Há também softwares livres, como o Openmodelica (www.openmodelica.org), JModelica (www.jmodelica.org), Coselica, que é um pacote que roda sobre SCICOS, assim como o conhecido Matlab/Simulink, que também importa modelos escritos em Modelica. 1.4 PLATAFORMA SIRIS (SIMULADOR DE REDES INTELIGENTES) Um dos objetivos do projeto é desenvolver uma ferramenta computacional que integre diversas ferramentas de simulação existentes, de forma mais transparente e amigável possível ao usuário final. Uma premissa adotada é a que as ferramentas de simulação são de alta exigência computacional. Como são diversas ferramentas de simulação, a instalação de todos os pacotes na máquina do usuário é mais complexa. Outro fator fundamental é que os resultados devem ser compartilhados e corretamente armazenados em um único banco de dados. A partir destas restrições, optou-se por estabelecer um único servidor para todas estas aplicações, sendo que o usuário final instala na sua máquina apenas a IHM (Interface Homem-Máquina). Portanto, esta IHM deve ser definida de tal forma a atender aos requisitos de todos os simuladores disponíveis e, ao mesmo, ser amigável ao usuário final Escopo da Plataforma SIRIS É uma plataforma computacional (ver logotipo na figura 1) para simular a implantação virtual e progressiva de componentes de automação em REIs em sistemas de Média Tensão, possibilitando estudos preliminares de viabilidade técnica, econômica e eficiência operacional para posterior implementação dos resultados em projetos reais. Figura 1 Logotipo Plataforma SIRIS O simulador incorpora avançadas técnicas de programação e algoritmos de alto desempenho na modelagem da operação em regime permanente das REIs em diferentes escalas de tempo, juntamente com ferramentas de integração entre tradicionais programas de análise de sistemas de potência. Desta forma, é possível estudar-se o comportamento das REIs em várias escalas de tempo, sendo possível a simulação da interação entre os diversos fenômenos elétricos e o comportamento do mercado de energia, para diferentes cenários de consumo e sazonalidades. Adicionalmente, poder-se-á realizar ensaios virtuais de automação no modelo da REI 4

5 real, sem instalação física dos componentes de automação, para avaliar o impacto de melhoria da eficiência operacional do sistema frente aos custos de implantação destes componentes. As inovações integradas ao simulador computacional são: (i) Simulação das diversas tecnologias de comunicação usadas pelas concessionárias na automação das RI, considerando modelagem tridimensional do terreno, aspectos de direcionalidade e nível de atenuação do sinal de recepção/envio; (ii) Simulação integrada de algoritmos de fluxo de potência desequilibrado, análise de curto-circuito, esquemas de proteção/manobra, alocação ótima de componentes de automação, sistemas de geração e armazenamento distribuído, estações de carregamento de veículos elétricos e medidores inteligentes; (iii) Montagem de arquivos históricos de defeitos nas REIs, permitindo a efetiva determinação da contribuição de cada componente de proteção/manobra nos índices globais de continuidade; e (iv) Simulação dos hábitos de consumo e montante de carga até o nível do consumidor final, visando otimizar sua carga horária e resposta às novas formas de tarifação e modalidades de suprimento Definição do IHM Principalmente no caso do planejamento do sistema de telecomunicação utilizando-se rádio-frequência, foi necessário o uso de sistema com georreferenciamento, pois a alocação dos equipamentos depende da geografia da região em análise. Por outro lado, os simuladores também utilizam informações georreferenciadas associadas à topologia da rede elétrica e às características construtivas dos elementos da rede. Para esta finalidade, uma ferramenta do tipo GIS (Geographic Information System) é utilizada como ferramenta única de entrada de dados de georreferenciamento. Existem diversos servidores de mapas disponíveis, como o GoogleMaps e o Openstreetmap. Ambos são excelentes plataformas, mas possuem a desvantagem de exigir a conexão via internet com os servidores. Diversas ferramentas GIS utilizam mapas para utilização off-line, ou seja, sem conexão com a internet, em um formato conhecido como Shape (.shp). Este formato é utilizado tanto por ferramentas comerciais quanto de código aberto, permitindo, inclusive, o intercâmbio de mapas entre elas. Desta forma, a ferramenta GIS (www.qgis.org) foi a ferramenta escolhida para a manipulação de dados georreferenciados. De código livre e aberto, ela permite a utilização de todos os provedores de mapas disponíveis, tais como GoogleMaps, Openstreetmap, Yahoo, entre outros. Além disso, além de ser uma ferramenta de visualização de mapas, é também uma IDE, ou seja, uma plataforma de desenvolvimento. A interface pode ser adaptada através de plug-ins escritos em linguagem Python, sendo que as camadas podem ser criadas de acordo com a aplicação do usuário. A figura 2 mostra uma tela da Plataforma SIRIS construída através desta ferramenta. Figura 2 Ferramenta QGIS O QGIS possui ainda um servidor Fast CGI, o qual permite que a aplicação possa ser acessada via navegador de internet. Para esta finalidade, é utilizada uma biblioteca javascript chamada Lizmap. A figura 3 mostra uma tela da Plataforma SIRIS construída através desta ferramenta. 5

6 Figura 3 Lizmap O QGIS, neste projeto, é uma ferramenta de interface com o usuário para a configuração da rede elétrica e para executar diversos tipos de simulação. Cada simulador é definido por um plugin. As figuras na sequência mostram a simulação de fluxo de potência para um alimentador. O fluxo de potência é executado pela ferramenta Gridlab-D. Os resultados são apresentados de forma numérica, ou seja, ao lado de cada nó aparecem os valores de tensão e corrente por fase do circuito, e também de forma pictórica. As tensões são representadas por um mapa de calor onde a cor verde significa que a tensão está dentro dos limites adequados. As correntes são representadas por uma linha cor de vinho cuja largura é proporcional à intensidade da corrente. Cada trecho do alimentador tem a ligação representada por uma linha com largura proporcional à capacidade de corrente dos cabos no trecho. Desta forma, pode-se ter uma idéia se o trecho está sofrendo sobrecarga ou não. A última figura mostra os fasores de corrente em chaves e fusíveis, de tal forma que se pode ter uma idéia do desequilíbrio no circuito. A representação pictórica tem a função de simplificar, para o engenheiro, a análise dos resultados, focalizando-se a análise nos pontos com problema. Figura 4 Janela de Simulção onde são escolhidos os parâmetros 6

7 Figura 5 Resultado da simulação gerada pelo Gridlab-D Figura 6 Mapa de calor correspondente aos níveis de tensão nos nós Figura 7 Simulação das correntes no alimentador 7

8 Figura 8 Simulação das correntes existentes nas chaves e fusíveis 1.5 CONCLUSÃO O artigo mostra alguns aspectos conceituais do desenvolvimento da Plataforma SIRIS (SImulador de Redes InteligenteS). A plataforma é destinada à simulação numérica integrada das etapas de planejamento, análise, validação e implantação de Redes Elétricas Inteligentes em empresas de distribuição, mas considera também as características dos sistemas de comunicação disponíveis na empresa (tecnologias, enlaces, visibilidades, etc.) e o perfil e sazonalidade do mercado de energia. O simulador, baseado na integração de diferentes plataformas computacionais como o GridLab-D, é composto por diversos módulos responsáveis pela interação entre os diversos fenômenos elétricos e o comportamento do mercado de energia em diferentes cenários de consumo e sazonalidades, possibilitando a realização de estudos preliminares de viabilidade técnica, econômica e eficiência operacional para posterior implementação dos resultados em projetos reais. 1.6 AGRADECIMENTOS Os autores gostariam de agradecer o apoio financeiro e técnico da CELESC DISTRIBUIÇÃO S.A. disponibilizados à NEO DOMINO por meio do projeto de P&D ANEEL / REFERÊNCIAS [1] KAGAN, N. et al. Redes Elétricas Inteligentes no Brasil: Análise de Custos e Benefícios de um Plano Nacional de Implantação. 1ª Ed., Rio de Janeiro, [2] V. C. Gungor, D. Sahin, T. Kocak, S. Ergut, C. Buccella, C. Cecati, and G. P. Hancke, A survey on smart grid potential applications and communication requirements, IEEE Transactions on Industrial Informatics, vol. 9, no. 1, pp , [3] D. P. Chassin, K. Schneider, C. Gerkensmeyer, GridLAB-D: An Open-source Power Systems Modeling and Simulation Environment, Transmission and Distribution Conference and Exposition IEEE/PES, Chicago, [4] V. C. Gungor, D. Sahin, T. Kocak, S. Ergut, C. Buccella, C. Cecati, and G. P. Hancke, "Smart grid technologies: Communication technologies and standards," IEEE Transactions on Industrial Informatics, vol. 7, no. 4, pp ,

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica.

Estudo do Impacto de Geradores. Distribuídos em Redes de Distribuição de. Energia Elétrica. Estudo do Impacto de Geradores Distribuídos em Redes de Distribuição de Energia Elétrica. Oliveira, F. B. R. 1 Cardoso, J. B. 2 Resumo: Os Sistemas Elétricos de Potência se estabelecem como unidades de

Leia mais

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids IEEE Workshop SMART GRID - Trends & Best Practices Smart Grid no Contexto da Geração e Distribuição 18/10/2013 NAPREI Núcleo de Pesquisas em Redes Elétricas Inteligentes enerq Centro de Estudos em Regulação

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil IEEE Workshop SMART GRID Trends & Best Practices Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Salvador,

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES *

PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES * PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES * Rosemar Aquino de Rezende JUNIOR 1 ; Laura Vitória Rezende DIAS 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET

Leia mais

O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid. Brasil & Austrália

O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid. Brasil & Austrália O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid HERING, Ricardo (1), BOARDMAN, Eathan (2) AREVA T&D de Energia Ltda. ULPH, Ian IRU Consulting Pty. Ltd.

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

LAGF. Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli

LAGF. Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli LAGF Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli Setembro/2013 Agenda Smart Utilities & Smart Network Gestão integrada da Rede Conclusão Smart Utilities - Vetores da Governança Visão, Direção

Leia mais

SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Bolsista do PET EEEC/UFG engenheiralaura1@hotmail.com.

SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Bolsista do PET EEEC/UFG engenheiralaura1@hotmail.com. SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Rosemar Aquino de Rezende JUNIOR 1 ; Laura Vitória Rezende Dias 2 ; Getúlio Antero de Deus JÚNIOR 3 Grupo PET EEEC (Conexões de Saberes) /UFG

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 1 1 3 2 1 3 3 4 1 4 4 1 5 5 3 6 5 3 7 5 3 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 avaliação inicial do "Desenvolvimento de Sistema Integrado de Geração de

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior Smart Energy Energias Inteligentes Álvaro Dias Júnior 8 de maio de 2014, Curitiba Cenário Econômico Brasileiro A importância do Brasil tanto na área econômica quanto política, tem aumentado nos últimos

Leia mais

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO Guilherme Sebastião da Silva, Cassiano Rech Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Projetos InovCityEDP Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Agenda Soluções Smart Grid implantadas na EDP Projeto InovCity Aparecida Projeto InovCity ES Desafios para o Setor Elétrico Barreiras à serem vencidas

Leia mais

Título do trabalho. Geração Distribuída e Smart Grids. Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL

Título do trabalho. Geração Distribuída e Smart Grids. Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL CEPEL Encontro Ibero-americano sobre Desenvolvimento Sustentável Título do trabalho Geração Distribuída e Smart Grids Autor/apresentador Raul B Sollero Área

Leia mais

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CEATEC PUC-CAMPINAS ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO Motivação O setor elétrico brasileiro tem experimentado a partir da implantação do novo modelo setorial,

Leia mais

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd.

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil CLOVIS SIMOES Thomas Mach Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. simoes@spinengenharia.com.br

Leia mais

Informação integrada versus aumento de eficiência

Informação integrada versus aumento de eficiência 30 Capítulo IX Informação integrada versus aumento de eficiência Por Sérgio Yoshio Fujii* Este trabalho tem como objetivo a descrição de formas de integração de todos os dados operacionais e corporativos,

Leia mais

Autor. O que você vai encontrar no manual

Autor. O que você vai encontrar no manual O que você vai encontrar no manual 1. Conceitos Fundamentais 2. Como identificar o recurso solar local 3. Como fazer o levantamento do consumo 4. Como escolher o módulo fotovoltaico 5. Produção de energia

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM MÓDULO DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ACOPLADO A UM SOFTWARE SCADA

IMPLEMENTAÇÃO DE UM MÓDULO DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ACOPLADO A UM SOFTWARE SCADA IMPLEMENTAÇÃO DE UM MÓDULO DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA ACOPLADO A UM SOFTWARE SCADA Clovis Simões e José Aurélio Porto simoes@spinengenharia.com.br Spin Engenharia de Automação Ltda. Ariovaldo V. Garcia

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

Smart Planner: Uma Ferramenta de Planejamento para Smart Grids

Smart Planner: Uma Ferramenta de Planejamento para Smart Grids Smart Planner: Uma Ferramenta de Planejamento para Smart Grids Guilherme Rolim, Célio Vinicius Neves de Albuquerque, Igor Monteiro Moraes 1 Laboratório MídiaCom, PGC-TCC Instituto de Computação - Universidade

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

6 Redes Elétricas Inteligentes

6 Redes Elétricas Inteligentes 6 Redes Elétricas Inteligentes Neste item, serão apresentadas pesquisas desenvolvidas em programas da Coppe/UFRJ sobre a temática redes elétricas inteligentes. Alguns resultados parciais desta linha temática

Leia mais

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 AES ELETROPAULO Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São

Leia mais

Simulação em tempo real via Hardware-in-the-Loop (HIL) em rede elétrica altamente dinâmica. Murilo Almeida - Typhoon HIL, Inc

Simulação em tempo real via Hardware-in-the-Loop (HIL) em rede elétrica altamente dinâmica. Murilo Almeida - Typhoon HIL, Inc Simulação em tempo real via Hardware-in-the-Loop (HIL) em rede elétrica altamente dinâmica. Murilo Almeida - Typhoon HIL, Inc A rede elétrica está se tornando altamente dinâmica. A Eletrônica de Potência

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Companhia Energética de Minas Gerais Universidade Federal de Juiz de Fora

Companhia Energética de Minas Gerais Universidade Federal de Juiz de Fora XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil Antonio Angelo Missiaggia Picorone Moises V. Ribeiro Companhia Energética de Minas Gerais

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Quem é a Zaruc? Empresa que atua desde 2008 no desenvolvimento de projetos tecnológicos inovadores oferecendo soluções

Leia mais

Sistema de Monitoração Remota do Volume de Combustível em Tanques de Postos de Abastecimento

Sistema de Monitoração Remota do Volume de Combustível em Tanques de Postos de Abastecimento Sistema de Monitoração Remota do Volume de Combustível em Tanques de Postos de Abastecimento Douglas Weissmann douglaswe@bol.com.br UNITAU Francisco Carlos Parquet Bizarria bizarriafcpb@iae.cta.br UNITAU

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CTS DE REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a história e a evolução

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Celesc Distribuição S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Nota Técnica nº 025/2014

Leia mais

Planejamento da Expansão de Sistemas de Distribuição com Geração Distribuída

Planejamento da Expansão de Sistemas de Distribuição com Geração Distribuída 1 Planejamento da Expansão de Sistemas de Distribuição com Geração Distribuída F. H. Pereyra Zamora, A. P. Cunha, J. C. Guaraldo, H. Kagan, M. R. Gouvêa e E. Vicentini Resumo Este artigo descreve os principais

Leia mais

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com Aula 02 Conceitos básicos elipse INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com 1. Introdução O Elipse E3 trabalha totalmente orientado para a operação

Leia mais

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010 Redes Inteligentes Como passo inicial do Conceito Smart Grid Belo Horizonte - 11/08/2010 A Rede Elétrica ONS Mercado De Energia NOSSO FOCO Geração Geração renovável Armazenamento Rede de Distribuição Negócio

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho Computação Gráfica Introdução Profª Alessandra Martins Coelho março/2013 Introdução Computação gráfica (CG) é a utilização de computadores para gerar imagens (GUHA, 2013). Nos dias atuais, para não se

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Computação em Grid e em Nuvem

Computação em Grid e em Nuvem Computação em Grid e em Nuvem Computação em Nuvem Molos 1 Definição Um grid computacional é uma coleção recursos computacionais e comunicação utilizados para execução aplicações Usuário vê o grid como

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP INOVA ENERGIA Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP Elementos de Articulação INOVA ENERGIA: Elementos da Proposta Fontes de Recursos Linhas Temáticas Subvenção, Crédito

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil RENATO OLIVEIRA GUIMARÃES Empresa Energética do Mato Grosso do Sul S.A. ANTONIO DE PADUA

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

Proposta de Arquitetura para Auxiliar a Avaliação de Circuitos Elétricos de Veículos Automotores

Proposta de Arquitetura para Auxiliar a Avaliação de Circuitos Elétricos de Veículos Automotores 1 Proposta de Arquitetura para Auxiliar a Avaliação de Circuitos Elétricos de Veículos Automotores Francisco Carlos Parquet Bizarria 1,2 José Walter Parquet Bizarria 1 Michele Bazana de ouza 1 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é 70 NORMAS ABNT APLICÁVEIS AOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA DISCUTIDAS EM CONSULTA NACIONAL Por Jeferson Marcondes e Marcos Aurélio Ribeiro AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto

Robson Paoli Clóvis Simões José Aurélio SB Porto GRUPO V ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E COMUNICAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA (GPC) PROJETO CEB A INTEGRAÇÃO COMPLETA ENTRE COS, EMS, DMS, REDE CORPORATIVA, CORs, SUBESTAÇÕES E CHAVES DE POSTE Robson

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ELETROTÉCNICA ANA CARLA CORDEIRO MICHEL ADOLPHO SLEDER ROSS IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO

Leia mais

Action₀EMS Power System Simulator

Action₀EMS Power System Simulator SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀EMS Power System Simulator Descrição Funcional 00101.01 Action₀EMS

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE

UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE UM LABORATÓRIO WEB PARA ENSINO ORIENTADO A AUTOMAÇÃO E CONTROLE Cleonilson Protásio de Souza 1 e José Tarcísio Costa Filho 2 Universidade Federal do Maranhão 1 Departamento de Engenharia de Eletricidade

Leia mais

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos

Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Desenvolvimento de uma interface extratora de dados genérica e inserção automática de dados em Sistemas de Informação Geográficos Caroline Julliê de Freitas RIBEIRO¹, Vantuil José de OLIVEIRA NETO¹, Gabriel

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

Plataforma sinap t&d. Geração Distribuída. Análise de Redes Proteção Despacho Confiabilidade Manobras de Redes

Plataforma sinap t&d. Geração Distribuída. Análise de Redes Proteção Despacho Confiabilidade Manobras de Redes Agradecimentos Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica regulado pela ANEEL e consta dos Anais do VI Congresso de Inovação

Leia mais

Action₀OMS Outage Management System Descrição Funcional

Action₀OMS Outage Management System Descrição Funcional SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀OMS Outage Management System Descrição Funcional 00100.01 Action₀OMS

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Marcus Vinicius Cruz Xavier Rascunho do trabalho de conclusão de curso Título

Leia mais

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como:

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: X SIMPASE Temário TEMA 1 Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: - Implantação, operação e manutenção de sistemas de automação

Leia mais

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ENSINO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS: DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS EÓLICOS E FOTOVOLTAICOS Jorge A. Villar Alé (1) ; Vicente André Paludo (2) Pedro André Marozzin

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

UTILIZANDO O LABVIEW EM UMA EXPERIÊNCIA DE MINI SISTEMA DE ENERGIA POSSIBILITANDO ACESSO REMOTO.

UTILIZANDO O LABVIEW EM UMA EXPERIÊNCIA DE MINI SISTEMA DE ENERGIA POSSIBILITANDO ACESSO REMOTO. UTILIZANDO O LABVIEW EM UMA EXPERIÊNCIA DE MINI SISTEMA DE ENERGIA POSSIBILITANDO ACESSO REMOTO. Vinícius José Santos Lopes vinicius.lopes@poli.usp.br Departamento de Eng. de Energia e Automação Elétricas

Leia mais

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions

Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Radiocrafts Embedded Wireless Solutions Módulos sem fio para Smart Metering Por Peder Martin Evjen, M.Sc.E.E., Managing Director, Radiocrafts AS A tendência em AMR e Smart Metering é utilizar tecnologia

Leia mais

FERRAMENTA COMPUTACIONAL APLICADA À MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ELETRICIDADE

FERRAMENTA COMPUTACIONAL APLICADA À MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ELETRICIDADE FERRAMENTA COMPUTACIONAL APLICADA À MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ELETRICIDADE REGINALDO S. DOS ANJOS*, RUTH P. S. LEÃO*, RAIMUNDO F. SAMPAIO*, GIOVANNI C. BARROSO, OTACÍLIO M. ALMEIDA *Departamento de Engenharia

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

Capítulo VIII. Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid. Smart grids Redes Inteligentes

Capítulo VIII. Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid. Smart grids Redes Inteligentes 40 Apoio Smart grids Redes Inteligentes Capítulo VIII Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid Por Flavio Roberto Antonio* As distribuidoras possuem uma necessidade de modernização não

Leia mais

Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java

Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java Anderson P. Colvero 1, Guilherme P. Silva 1, Humberto B. Poetini 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores

Leia mais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais Proposta de Trabalho

Leia mais

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS 1 Impactos da Suportabilidade de Geradores Síncronos Distribuídos a Afundamentos de Tensão na Proteção de Sobrecorrente e Anti-ilhamento Rafael S. Silva, Fernanda C. L. Trindade, Walmir Freitas Resumo--Este

Leia mais

BEM-VINDO AO CONFERENCENEWS. Sistemas de Automação e Supervisão Predial - conceito ainda inovador na operação de condomínios residenciais

BEM-VINDO AO CONFERENCENEWS. Sistemas de Automação e Supervisão Predial - conceito ainda inovador na operação de condomínios residenciais BEM-VINDO AO CONFERENCENEWS Sistemas de Automação e Supervisão Predial - conceito ainda inovador na operação de condomínios residenciais Por: José Roberto Muratori Teste de som: Reunião Gerenciar minhas

Leia mais

Ambiente de simulação para eletrônica de potência e sistemas de controle

Ambiente de simulação para eletrônica de potência e sistemas de controle UNIVERSIDADES Ambiente de simulação para eletrônica de potência e sistemas de controle O software preferido dos pesquisadores em eletrônica de potência. Alta velocidade de simulação, com algoritmo otimizado

Leia mais

Área de concessão. 24 municípios incluindo a Capital. Abrangência: 4,526 km2 e 10% do consumo de energia do país. 6,7 milhões de unidades consumidoras

Área de concessão. 24 municípios incluindo a Capital. Abrangência: 4,526 km2 e 10% do consumo de energia do país. 6,7 milhões de unidades consumidoras Redes Inteligentes Área de concessão 24 municípios incluindo a Capital Abrangência: 4,526 km2 e 10% do consumo de energia do país 6,7 milhões de unidades consumidoras 8% da população do Brasil (aprox.

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Smart Grid - Redes Inteligentes Anderson D. Carvalho, Helionay F. Rocha, Jeiza P. Bittencourt, Jéssica M. Ribeiro, Luiz F. Rocha, Wellerson C. Leite, Vinicius M. Pacheco. Centro Universitário

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais

Sistema Web para Supervisão e Predição de Frequência no contexto de Smart Grids

Sistema Web para Supervisão e Predição de Frequência no contexto de Smart Grids 1 Sistema Web para Supervisão e Predição de Frequência no contexto de Smart Grids L. E. Silva, J. C. Miranda, U. Chemin Netto, D. V. Coury, M. Oleskovicz Resumo -- O presente artigo relata o desenvolvimento

Leia mais