UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Administração Superior Valéria Heloísa Kemp Reitor Sérgio Augusto Araújo da Gama Cerqueira Vice-reitor José Tarcísio Assunção Pró-reitoria de Administração Marcelo Pereira de Andrade Pró-reitoria de Ensino de Graduação André Luiz Mota Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Paulo Henrique Caetano Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários Dimas José de Rezende Pró-reitoria de Assuntos Estudantis Cláudio Sérgio Teixeira de Souza Pró-reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Adriana Amorim da Silva Pró-reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas 2

3 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO Marcio Falcão Santos Barroso Pró Reitor Adjunto de Ensino de Graduação Eduardo Bento Pereira Engenheiro Eletricista Departamento de Engenharia Elétrica Leonardo Adolpho Rodrigues da Silva Engenheiro Eletricista Departamento das Engenharias de Telecomunicações e Mecatrônica Kassílio José Guedes Físico Departamento de Ciências Exatas e Biológicas Daniela de Carvalho Lopes Cientista da Computação Departamento de Ciências Agrárias Leandro Mendes de Souza Engenheiro Eletricista Departamento de Ciências Exatas e Biológicas Engenharia de Controle e Automação UFSJ CSL 3

4 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO E HISTÓRICO BASE LEGAL OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos PERFIL DO CURSO COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PERFIL DO EGRESSO OFERECIMENTO Grau Acadêmico Bacharelado Modalidade e turno Titulação Regime curricular e prazos de integralização Número de vagas e periodicidade Carga horária total horas Equivalência hora-aula FORMAS DE ACESSO ATIVIDADES DO CURSO MATRIZ CURRICULAR Interface com a pesquisa Interface com a Extensão ESTRUTURA CURRICULAR Disciplinas obrigatórias Disciplinas optativas Matriz de organização curricular FLUXOGRAMA GERAL TRABALHOS ACADÊMICOS Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Trabalho de Síntese e Integração do Conhecimento (TSIC) Estágio supervisionado obrigatório Recursos Humanos e Encargos didáticos Encargos didáticos do Departamento de Ciências Exatas e Biológicas - DECEB Corpo técnico e administrativo necessário INFRAESTRUTURA Campus Sete Lagoas Áreas experimentais Fazenda experimental Área experimental Estação experimental Irrigada Laboratórios específicos necessários para o Curso de Engenharia de Controle e Automação Laboratório de Física Laboratório de Informática Industrial Laboratório Máquinas e Acionamentos Elétricos Laboratório de Controle de Processos

5 Laboratório de Automação Laboratório de Sistemas Digitais Laboratório de Circuitos Elétricos Laboratório de Integração de Conhecimento Escritório de Integração de Conhecimento Sala de Videoconferência Laboratório de Informática Geral Estimativa de infraestrutura e custo para implantação dos laboratórios de Engenharia de Controle e Automação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PPC ESTRATÉGIAS E SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Metodologia de ensino Metodologia de avaliação CONDIÇÕES DE OFERTA E DE CADASTRO DO CURSO PARA A DICON ANEXO I EMENTÁRIO

6 1 APRESENTAÇÃO E HISTÓRICO No presente Projeto Pedagógico do Curso (PPC) do curso de Engenharia de Controle e Automação são apresentados a justificativa para a criação do curso na UFSJ no Campus Sete Lagoas, os seus objetivos, a estrutura curricular (currículo), a matriz curricular, o ementário das unidades curriculares, as normas de funcionamento do curso, o modelo de gestão do PPC, os recursos humanos e a infraestrutura requeridas para o seu funcionamento, o número de vagas oferecidas, o sistema de avaliação do PPC, o perfil desejado do egresso - incluindo competências e habilidades e as estratégias e sistema de avaliação do processo de ensino e aprendizagem. No último decênio do século passado, verificou-se uma expansão vigorosa do setor educacional privado. Na primeira década do século XXI, observam-se duas fases de expansão das instituições federais de ensino superior (IFES). Em primeiro lugar, ocorre um movimento de interiorização da oferta de vagas públicas, com a criação de novas IFES e implantação de novos campi; em seguida, teve início um movimento de ampliação da oferta de vagas nas instituições já consolidadas. No ano de 2007, iniciou-se o Programa de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais Brasileiras do MEC que induziu as IFES a realizarem reestruturações da arquitetura acadêmica a fim de melhorar o processo formativo na graduação. Naquele momento, propostas mais amplas de arquitetura curricular em nível de graduação começaram a entrar na agenda de debates sobre a reforma acadêmica da educação superior brasileira. A recente ampliação da oferta de vagas nas formações de graduação abriu oportunidades para uma mudança expressiva do perfil estudantil e as ampliações não apenas aumentaram quantitativamente o acesso à universidade em relação a épocas imediatamente anteriores. Resultante de vários fatores, como oferta de vagas em cursos presenciais noturnos, implantação de políticas de ações afirmativas, novas formas de ingresso e aumento da oferta de vagas na modalidade semipresencial ou à distância, o perfil estudantil sofreu uma mudança qualitativa que impactou sensivelmente as demandas de formações de graduação, a estrutura curricular, as práticas educativas e de avaliação, assim como os processos deliberativos no interior das universidades. Desde o final do século passado observa-se uma verdadeira revolução nos processos de produção e circulação do conhecimento. Ao contrário de outras épocas, a nova ecologia 6

7 cognitiva digital é marcada por uma capacidade sempre crescente de observação, processamento de dados e conversão do conhecimento em tecnologias capazes de alterar recorrentemente a visão de mundo predominante em uma mesma geração. 2 BASE LEGAL O Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de Controle e Automação da UFSJ foi estruturado com base na legislação e normatização vigentes: Resolução CNE/CES N 11, de 11 de março de 2002; Parecer CNE/CES N 2 de 18 de junho de 2007; Resolução CONFEA nº 218, de 29 de junho de 1973 Resolução UFSJ/CONEP N 27, de 11 de setembro de OBJETIVOS 3.1 Objetivo Geral O curso de graduação em Engenharia de Controle e Automação da Universidade Federal de São João del-rei, Campus Sete Lagoas, tem como objetivo geral formar engenheiros com sólido preparo científico e tecnológico na área de Elétrica, Mecânica, Computação, Controle e Automação. Os egressos devem ter capacidade de absorver e desenvolver novas tecnologias. Devem atuar, criativamente, na identificação e resolução de problemas de engenharia, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, na perspectiva ética e humanística, visando a atendimento às demandas da sociedade. O curso tem como característica marcante a multidisciplinaridade entre fundamentos científicos, tecnologias e processos. Desta maneira, o curso notadamente multidisciplinar, reafirma seu projeto pedagógico baseado em quatro princípios básicos: formação sólida em fundamentos científicos de física, matemática e informática; formação sólida, conceitual e tecnológica, em mecânica, elétrica, eletrônica, controle e automação de processos; formação complementar em processos; e formação metodológica em engenharia. 3.2 Objetivos Específicos Formar cidadãos-profissionais com visão holística da realidade, com capacidade de compreensão ampla dos problemas, relacionando-os as suas dimensões técnicas, políticas, econômicas, sociais, ambientais, culturais e éticas. 7

8 Formar profissionais com capacidade de diagnosticar problemas ambientais, identificando os diversos aspectos que o compõem (econômicos, ambientais, sociais, culturais, técnicos, políticos e éticos). Formar cidadãos-profissionais com competências críticas e criativas no desenvolvimento e uso da ciência e da tecnologia com vistas à produtividade agrícola e industrial sustentável e ambientalmente responsável. Formar cidadãos e profissionais com competências em planejamento, desenvolvimento e avaliação de processos científicos e técnicos relacionadas ao desenvolvimento sustentável e edificadas em princípios éticos e humanísticos. Socializar a ciência e a tecnologia para segmentos populacionais da região, mediante o desenvolvimento de programas, projetos, cursos e prestação de serviços, estendendo a ação formativa aos espaços mais amplos da sociedade urbana e rural. 4 PERFIL DO CURSO Sete Lagoas foi pontuada pelo IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, como uma das 100 cidades com maior desenvolvimento industrial, considerando o produto interno bruto (PIB), no Brasil, referente ao ano de A pesquisa revelou ainda, que a soma dos PIBs dos 100 maiores municípios industriais brasileiros chegou a R$ 443,5 bilhões, valor superior ao PIB de países latino-americanos como Chile, Bolívia, Peru ou Uruguai. O desenvolvimento industrial vivenciado em Sete Lagoas ficou em 83º lugar, com um PIB industrial de R$ 1,77 bilhão. O valor adicionado pela indústria setelagoana superou outros municípios da lista como Juiz de Fora - MG e Ponta Grossa - PR. O PIB industrial setelagoano foi superior até ao de algumas capitais como Teresina - PI e Cuiabá - MT. Com a previsão de instalação de novas indústrias e ampliação das já instaladas, espera-se o aumento do PIB. Dessa forma, Sete Lagoas ganhará muitas posições e, para isso, a prefeitura projeta investimentos no setor produtivo do município. Neste contexto, surge um imenso mercado para o Engenheiro de Controle e Automação nos mais variados segmentos da economia para atuar em empresas que desenvolvem projetos e construções de sistemas automatizados; em indústrias de equipamentos de Controle e Automação; em autarquias do setor - desenvolvendo atividades técnico-administrativas, na organização, coordenação, planejamento, execução, operação e manutenção de equipamentos 8

9 e sistemas automáticos. Ainda poderá atuar em atividades de consultoria, treinamento técnico e desenvolvimento de sistemas. Para esses segmentos da economia, o engenheiro a ser formado pelo CSL-UFSJ encontra possibilidades de inserção no mercado de trabalho nos setores: automobilístico, industrial, siderúrgico, de automação agropecuária, de produção de sistemas de Controle e Automação e de desenvolvimento de software industriais. As perspectivas apontam que as demandas por serviços de automação tendem a crescer, já que a presença do engenheiro nesta especialidade é fundamental para que as empresas e indústrias se tornem mais produtivas, com custos reduzidos. Dentre as principais empresas situadas em Sete Lagoas, tem-se a Fiat Iveco, inaugurada em 2000, a fábrica de caminhões da Iveco em Sete Lagoas é a mais moderna do país. Exemplo mundial de eficiência, pelo seu alto nível de flexibilidade produtiva, demandou investimentos de R$ 570 milhões. A unidade responde pela fabricação de caminhões Iveco leves, semipesados, pesados e micro-ônibus, além de comerciais leves da marca Fiat, sendo a sua capacidade produtiva de 70 mil veículos por ano. A fábrica situa-se numa área de 2,35 milhões de metros quadrados, dos quais ocupa, atualmente, 600 mil metros quadrados. A produção automobilista encontra-se intimamente relacionada com o curso de Engenharia de Controle e Automação, sobretudo na área de modelagem e controle de processos, redes de computadores, sistemas especialistas, automação da linha de montagem, processos de pintura, dentre outros. A franca expansão da AMBEV em Sete Lagoas também é um dos pontos que fortalece a criação do curso de Engenharia de Controle e Automação, visto que seus processos de produção necessitam de elevado nível de automação. O investimento na quarta expansão da companhia na cidade ultrapassou R$ 250 milhões. Com o aporte de recursos, a fábrica recebeu o total de R$ 540 milhões desde 2008, quando foi inaugurada. A unidade recebeu uma nova área para produzir cerveja, o que vai dobrar a capacidade da fábrica, passando de 4,7 milhões de hectolitros para 9,3 milhões hectolitros de cerveja por ano. O investimento implanta duas novas linhas: sendo uma de garrafas, com capacidade para 60 mil garrafas por hora, e outra de latas, com capacidade de 120 mil latas por hora. Com a ampliação concluída, serão gerados cerca de 120 novos empregos diretos, além das vagas que foram criadas durante o período das obras civis e de montagem. 9

10 São vislumbrados também, projetos em parceria com a EMBRAPA, na área de automação agroindustrial e de agricultura de precisão. O Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo foi implantado em 1976, aproveitando a infraestrutura existente do então Instituto de Pesquisa e Experimentação Agropecuária do Centro-Oeste (IPEACO). Está localizado no km 65 da Rodovia MG 424, que liga Belo Horizonte a Sete Lagoas, distando 12 Km desta. Ocupa uma área de 1.932,80 há e das edificações existentes, na sede, m2 são utilizados como escritórios, m2 como residências e m2 como laboratórios. Diversos galpões, num total de m2, são utilizados como garagem, oficinas, depósitos, abrigos de bombas de irrigação, microdestilaria e outros. As casas de vegetação ocupam 950 m2, 472 m2 são destinados a auditório e salas de reuniões e m2 estão cedidos em comodato (Associação dos Empregados, restaurante, escola de 1 grau). Merece destaque a infraestrutura de irrigação, com 212,5 ha irrigados por aspersão (74 ha por pivôs e o restante em aspersão convencional) e 40 ha por inundação, na sede, além de 48,4 ha irrigados no Campo Experimental do Gorutuba, sendo 27,9 ha por aspersão convencional, 14,0 ha por sulco e 6,5 ha por inundação. O Centro dispõe de modernos laboratórios nas áreas de Solos e Nutrição de Plantas, Fisiologia Vegetal, Biologia Molecular, Cultura de Tecidos, Entomologia, Fitopatologia, Análise de Sementes, Microbiologia e Agrometeorologia. Conta ainda com um centro de processamento de dados, uma pequena gráfica e uma ilha de edição de vídeo. Neste ano, completou-se uma década da presença da Pepsico em Sete Lagoas. Em 2013, serão completados 60 anos da Pepsico no Brasil. A fábrica de Sete Lagoas é a terceira mais importante do grupo em volume de produção. Existe expectativa de investimentos de US$ 50 milhões na planta industrial de Sete Lagoas. Isso, certamente, vai dobrar a capacidade de produção da fábrica. Os processos de produção envolvem acionamentos elétricos, sistemas automáticos e supervisórios, competências de engenheiros de Controle e Automação. A fábrica de Cimentos Brennand já encontra-se em operação na Cidade de Sete Lagoas, produzindo o Cimento Nacional. O empreendimento é composto por jazidas para a exploração de calcário e argila, principais matérias-primas do cimento, e uma unidade industrial para produção, estabelecida às margens da BR 040. Tanto o processo de mineração quanto a fábrica estão sendo equipados com máquinas de última geração e baixo consumo energético. Para garantir a padronização e homogeneidade do produto, o Analisador de Nêutrons online, único no Brasil, assegura a análise química constante da matéria-prima, com controle em tempo real. 10

11 Destaque também para o forno de última geração, que assegura um processo mais eficiente, um melhor desempenho de produto e economia de energia. Toda a linha de produção envolve processos que são competências do engenheiro de Controle e Automação, como a modelagem e controle de processos para garantir a melhor eficiência e qualidade da produção do cimento. Além das diversas metalúrgicas e siderúrgicas instaladas na cidade, destacam-se também empresas como a Companhia de Fiação de Tecido Cedro Cachoeira Têxtil, a Felt Elétrica e a Itambé. Todas estas empresas possuem um elevado potencial de produção e processos que necessitam de equipamentos elétricos e eletrônicos relacionados ao de Controle e Automação de processos. Contam também com modernos sensores que necessitam de supervisão de profissionais da Engenharia de Controle e Automação. Portanto, o curso de Engenharia de Controle e Automação insere-se na realidade da cidade de Sete Lagoas, pois área de engenharia é uma das responsáveis pelo desenvolvimento tecnológico, pela qualidade do meio ambiente e pela eficiência e produtividade da indústria de qualquer cidade, em que o conhecimento passa a ser o maior bem do setor produtivo, quesito indispensável ao desenvolvimento social e econômico. O curso de Engenharia de Controle e Automação se apresenta como um curso com ênfase industrial, especificamente no projeto de sistemas de controles automáticos para indústrias diversas, e possibilita o concluinte a construir os conhecimentos relacionados com automação de sistemas de manufatura, atendendo às empresas de transformação que trabalham com operações mecanizadas e sequenciais (indústria aeroespacial, automobilística, de açúcar, alimentícias e mobília), além daqueles necessários para atender a demanda de sistemas automáticos nas empresas de produção (indústria de álcool, petróleo, petroquímica, celulose, cimento, siderurgia e nuclear). O Engenheiro de Controle e Automação tem espaço de trabalho em toda e qualquer empresa. Desde a produção de insumos básicos aos mais complexos, é absolutamente necessário manter, o mais uniforme possível, tanto as características do ambiente (pressão, temperatura, ph e outros) quanto aquelas do produto (espessura, forma, cor, volume, peso, dentre outros). Isto se obtém com mais eficiência por meio do controle automático dos processos. Este profissional também tem espaço em indústrias que buscam melhoria de processos e maior produtividade por meio da implementação de processos automáticos que maximizam a produção industrial, mantendo ou ainda aumentando a qualidade do produto final, como a agroindústria. As empresas que oferecem oportunidades de trabalho para este profissional são variadas e, dentre outras, destacam-se 11

12 aquelas que podem ser clientes em potencial das técnicas de Controle e Automação, bem como aquelas que fornecem os serviços de Controle e Automação, integração de sistemas e as que vendem e desenvolvem equipamentos para automação. Além do que, devido ao perfil abrangente do profissional e à diversidade de aplicação da automação, o egresso poderá tornarse um empresário, desenvolvendo e gerenciando seu próprio negócio. Outro campo de atuação do Engenheiro de Controle e Automação encontra-se nas áreas científicas e de desenvolvimento tecnológico, incluindo a área de controle de processos industriais: novas estruturas computacionais para controle de fabricação de aço, fabricação de autopeças e outros produtos; controle de tratamento de minérios, de destilação de petróleo, de voo em aeronaves, de suspensão e de motores de automóveis. No contexto brasileiro, a justificativa para a criação de um novo curso de engenharia relacionado às tecnologias deve-se ao déficit de engenheiros no país. O Brasil tem hoje cerca de 600 mil engenheiros registrados nos conselhos Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea) e Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea). Isto equivale a seis profissionais para cada mil trabalhadores. Nos Estados Unidos e no Japão, essa proporção é de 25 para cada grupo de mil pessoas economicamente ativas. Dados do sistema da federação das indústrias mostram que do total de cursos oferecidos no país por instituições públicas e privadas, 76% são para áreas de humanas e sociais, e 8,8% são para engenharias. A preocupação com a queda no número de engenheiros que se formam todo ano nas universidades, fez com que, a partir de 2006, não só os governos como setores importantes da área empresarial mobilizassem esforços na tentativa de atenuar esse quadro. Dessa forma, a criação de novos cursos de engenharia no CSL contribui para o aumento do número de engenheiros no país. 5 COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Durante o primeiro ciclo (Bacharelado em Ciências e Tecnologia), o aluno de Engenharia de Controle e Automação adquirirá as seguintes competências e habilidades: Reconhecer a área das Ciências e Tecnologia como produto histórico e cultural, suas relações com outras áreas de saber e de fazer e com as instâncias sociais; Conceber a produção da ciência e da tecnologia como um bem a serviço da humanidade para melhoria da qualidade de vida de todos; 12

13 Aplicar conhecimentos matemáticos, científicos e tecnológicos para a solução de problemas na área de Ciências e Tecnologia; Conduzir ou interpretar experimentos na área de Ciências e Tecnologias; Planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos de pesquisa na área de sua formação; Identificar, formular e apontar possíveis soluções para os problemas da área, através de raciocínio interdisciplinar; Elaborar argumentos lógicos baseados em princípios e leis fundamentais para expressar ideias e conceitos científicos; Dominar as técnicas de fazer sínteses, resumos, relatórios, artigos e outras elaborações teóricas específicas da área; Dominar os princípios e leis fundamentais e as teorias que compõem as áreas clássica e moderna das ciências; Avaliar criticamente o impacto social e a viabilidade econômica das iniciativas na área de Ciências e Tecnologia. Dominar e utilizar tecnologias e metodologias reconhecidas na área das ciências; Fazer a articulação entre teoria e prática; Trabalhar em grupo e em equipes multidisciplinares, gerenciando projetos, coordenando equipes e pessoas em qualquer área que venha a se inserir profissionalmente; Atuar acadêmica e profissionalmente dentro de uma ética, que inclua a responsabilidade social e a compreensão crítica da ciência e tecnologia como fenômeno histórico e cultural; Comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica; Realizar pesquisa bibliográfica, identificar, localizar e referenciar fontes, segundo as normas da ABNT; Utilizar de forma eficaz e responsável a tecnologia e os equipamentos disponíveis nos laboratórios de Ciências e Tecnologia. Desenvolver a capacidade de aprendizagem em grande grupo, característica do BCT, respeitando as conveniências e regras para o bom aproveitamento da aprendizagem; 13

14 Ser aprendiz autônomo e à distância; Orientar-se no seu percurso acadêmico, realizando as escolhas que lhe sejam convenientes; Compreender que a dinâmica da sociedade de informação assim como os avanços tecnológicos exigem a necessidade de formação continuada e atualização constante. Durante todo o curso, (primeiro e segundo ciclo), o Engenheiro De controle e automação deverá incorporar as competências e habilidades usuais do profissional de Engenharia, a saber: aplicar percepção espacial, raciocínio lógico e conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais na resolução de problemas de engenharia; projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados, avaliando criticamente ordens de grandeza e significância de resultados numéricos; desenvolver e aplicar modelos matemáticos e físicos a partir de informações sistematizadas e fazer análises críticas dos modelos empregados no estudo das questões de engenharia; conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos; planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia; identificar, formular e resolver problemas de engenharia; desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas; supervisionar e avaliar criticamente a operação e manutenção de sistemas e processos; comunicar-se eficiente e sinteticamente nas formas escrita, oral e gráfica; atuar em equipes multidisciplinares; compreender e aplicar a ética e responsabilidades profissionais; avaliar o impacto das atividades de engenharia no contexto social e ambiental, avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia e assumir a postura de permanente busca de atualização profissional. Quanto às competências profissionais específicas, o Engenheiro De controle e automação a ser formado pela UFSJ deve ser capaz de fornecer respostas às necessidades da engenharia que podem ser atendidas com o auxílio de mecanismos e sistemas mecatrônicos. Segundo o CONFEA Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, o campo 14

15 de atuação profissional do Engenheiro de controle e automação engloba os seguintes tópicos, subdivididos em quatro setores: i. Controle e automação: concepção, projeto, implantação, operação e manutenção de métodos de Controle e Automação com base em sistemas contínuos e discretos; concepção, projeto, implantação, operação e manutenção de processos mecatrônicos para controle; instalações, equipamentos, dispositivos e componentes mecânicos, elétricos, eletrônicos, magnéticos e ópticos da Engenharia de Controle e Automação; ii. Informática Industrial: concepção, projeto, implantação, operação e manutenção de sistemas de manufatura moderna orientada por FMS (Flexible Manufacturing System) e pelo sistema CIM (Computer Integrated Manufacturing); integração inteligente entre processos de projeto e de manufatura; comunicação segura, rápida e confiável entre sistemas computacionais; concepção e projeto de produtos com base na utilização de equipamentos de comando numérico; automação, controle e monitoração de máquinas e produtos de operação autônoma; iii. Engenharia de Sistemas e Produtos: planejamento, programação, gerenciamento, controle da produção e desenvolvimento de produtos, sistemas, métodos e processos computacionais da Engenharia de Controle e Automação; analisar ciclo de vida de produtos; concepção, projeto, implantação, operação e manutenção de sistemas, processos e produtos complexos; 6 PERFIL DO EGRESSO O perfil do egresso do curso de Engenharia de Controle e Automação proposto atende ao que dispõe o artigo 3º da Resolução CNE/CES 11, de 11 de março de 2002 e a Resolução 2/2007. O Curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formando 15

16 egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade. A Resolução CNE/CES 11, de 11 de março de 2002, no artigo 4º determina que a formação do engenheiro tenha por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades gerais: I - aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à engenharia; II - projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados; III - conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos; IV - planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia; V - identificar, formular e resolver problemas de engenharia; VI - desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas; VI - supervisionar a operação e a manutenção de sistemas; VII - avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas; VIII - comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica; IX - atuar em equipes multiunidade curriculares; X - compreender e aplicar a ética e responsabilidades profissionais; XI - avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental; XII - avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia; XIII - assumir a postura de permanente busca de atualização profissional. A estrutura curricular ora proposta, juntamente com as unidades curriculares que versam sobre conteúdos básicos, específicos e profissionalizantes, formarão profissionais de Engenharia de Controle e Automação que atenderão o disposto na legislação vigente. O Engenheiro de Controle e Automação com título obtido pela UFSJ, Campus Sete Lagoas, terá uma formação geral sólida dentro de uma concepção generalista. Deverá estar apto a trabalhar em empresas de pesquisa, desenvolvimento e manutenção. Estando, portanto, preparado para se inserir no mercado de trabalho da mesorregião de Sete Lagoas. 16

17 7 OFERECIMENTO O Curso de Engenharia de Controle e Automação será oferecido no Campus Universitário de Sete Lagoas (CSL), situado na Rodovia MG 424 Km 47 - Caixa Postal, 56, CEP , em Sete Lagoas MG. 7.1 Grau Acadêmico Bacharelado 7.2 Modalidade e turno O Curso de Engenharia de Controle e Automação será oferecido na modalidade de educação presencial, em turno integral, nos períodos manhã e tarde. Em acordo com a legislação vigente, até 20% da carga horária total do curso poderá ser de unidades curriculares (UCs) ofertadas na modalidade de ensino a distância. 7.3 Titulação Ao profissional formado pelo Curso de Engenharia de Controle e Automação da UFSJ será conferido o título de Bacharel em Engenharia de Controle e Automação, estabelecido nas Diretrizes Curriculares Nacionais por meio da CNE/CES N 11, de 11 de março de Regime curricular e prazos de integralização O regime curricular do Curso de Engenharia de Controle e Automação é em progressão linear, em que a integralização da formação do acadêmico ocorrerá em um único percurso curricular. O prazo mínimo e padrão para a integralização curricular, respectivamente, é de 5 anos (10 semestres). Já o prazo máximo para a integralização curricular é de 7,5 anos (15 semestres). 7.5 Número de vagas e periodicidade O Curso de Engenharia de Controle e Automação oferta 40 vagas anuais, distribuídas em duas entradas semestrais com 20 vagas cada. 7.6 Carga horária total horas 7.7 Equivalência hora-aula A hora-aula aplicada nas unidades curriculares teóricas e práticas no curso de Engenharia de Controle e Automação tem duração de 55 minutos. As atividades complementares, o estágio supervisionado e os trabalhos acadêmicos são computados em horas (60 minutos). 17

18 A carga horária total do curso é composta por: 3250 horas de disciplinas, 100 horas de atividades complementares, 160 horas de estágio supervisionado, 144 horas de Trabalho de Conclusão de Curso e 108 horas de Síntese e Integração de Conhecimento, perfazendo horas. 8 FORMAS DE ACESSO O acesso ao curso é pelo Sistema de Seleção Unificado do Ministério da Educação (SISU) e/ou pelos demais processos seletivos vigentes na UFSJ. 9 ATIVIDADES DO CURSO As atividades complementares são denominadas as atividades acadêmicas, científicas e culturais (simpósios, congressos, conferências, palestras, cursos, oficinas, projetos de pesquisa e extensão, entre outras) desenvolvidas pelos discentes ao longo do curso de Engenharia de Controle e Automação, que perfazem o total de 100 horas. Estas atividades têm como objetivo fortalecer e enriquecer o processo de formação do discente, com especial atenção para a integração do ensino, pesquisa e extensão. As atividades complementares são obrigatórias para conclusão do curso e serão avaliadas pelo Colegiado de Curso, que também é o responsável por sua normatização. 10 MATRIZ CURRICULAR A organização da matriz curricular do Curso de Engenharia de Controle e Automação, segue a Resolução CNE/CES 11, DE 11 DE MARÇO DE 2002, subdividida em núcleos: Conteúdo Básico, Conteúdo Profissional Essencial e Conteúdo Profissional Específico. O conteúdo curricular também observa a lei de 10 de março de 2008, que estabelece o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena, que está comtemplado em disciplinas deste currículo. Em acordo com a acordo com a Lei 9.795/ Art. 10º - 1º as disciplinas elencadas nas áreas de conservação da natureza estão abordando em suas ementas temas relacionados a educação ambiental. A vivência experimental na área de atuação é um ponto importante para a formação do aluno de engenharia, neste sentido, no currículo do curso são previstas unidades curriculares de 18

19 laboratórios específicas para a formação de um Engenheiro de Controle e Automação, bem como as outras unidades curriculares experimentais presentes no ciclo de conteúdos básicos do curso. Além disso, o contato do aluno com o ambiente profissional acontece também na unidade curricular de Estágio Supervisionado, que é obrigatória, bem como no Trabalho de Conclusão de Curso. Na estrutura curricular também estão previstas unidades curriculares optativas, que além de ser um aprofundamento de tópicos já contemplados nas unidades curriculares obrigatórias, garantem uma maior flexibilidade da estrutura curricular, favorecendo o protagonismo estudantil. Trabalhos de integralização curricular também serão obrigatórios durante o curso. Serão dois trabalhos de síntese de integração do conhecimento, nos quais o aluno utilizará o conteúdo aprendido nas disciplinas para resolver problemas de engenharia. Quadro 1 - Disciplinas do núcleo básico (32,2%). DISCIPLINAS Período Tipo (T-P) CHA Desenho auxiliado por computador 1º OBR T 36 Laboratório de desenho 1º OBR P 18 Cálculo I 1º OBR T 90 Química Geral 1º OBR T 36 Laboratório de Química Geral 1º OBR P 18 Geometria Analítica e Álgebra Linear 1º OBR T 72 Algoritmos e Estrutura de Dados I 1º OBR T 36 Laboratório de Algoritmos e Estrutura de Dados I 1º OBR P 36 Cálculo II 2º OBR T 72 Ciência e Tecnologia dos Materiais 2º OBR T 36 Física I: Mecânica 2º OBR T 72 Laboratório de Física I 2º OBR P 18 Comunicação e Expressão 2º OBR T 36 Administração 2º OBR T 36 Física II: Eletromagnetismo 3º OBR T 72 Laboratório de Física II 3º OBR P 18 Metodologia Científica e Tecnologia 3º OBR T 36 19

20 Fundamentos de Termodinâmica 3º OBR T 54 Laboratório de Termodinâmica 3º OBR P 18 Meio Ambiente e Energias Renováveis 3º OBR T 36 Equações Diferenciais Ordinárias 4º OBR T 72 Fundamentos de Óptica 4º OBR T 36 Laboratório de óptica 4º OBR P 18 Economia Geral 4º OBR T 26 Fenômenos de Transportes 4º OBR T 54 Psicologia Aplicada ao Trabalho 4º OBR T 18 Mecânica dos Sólidos 5º OBR T 36 Relações Ciência, Tecnologia e Sociedade 9º OBR T 36 O núcleo de conteúdo profissional essenciais abriga os conteúdos que envolvem o saber da identidade do profissional de engenheira de controle e automação, apresentado no Quadro 2. Quadro 2 - Disciplinas do núcleo ESSENCIAL (25%). DISCIPLINAS Período Tipo (T-P) CHA Algoritmos e Estrutura de Dados II 2º OBR T 36 Laboratório de Algoritmos e Estrutura de Dados II 2º OBR P 36 Qualidade de Energia 3º OBR T 54 Programação Orientada a Objetos I 3º OBR T 72 Circuitos I 4º OBR T 36 Laboratório de Circuitos I 4º OBR P 18 Eletrônica Analógica 4º OBR T 54 Laboratório de Eletrônica I 4º OBR P 18 Circuitos II 5º OBR T 36 Laboratório de Circuitos II 5º OBR P 18 Eletrônica Digital 5º OBR T 54 Laboratório de Eletrônica Digital 5º OBR P 18 Sistemas de Aquisição de Dados 5º OBR T 72 Hidráulica e Pneumática 5º OBR T 36 20

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br

ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR Leonardo Bonato Félix leobonato@ufv.br 216 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Eletricista ATUAÇÃO O curso de Engenharia Elétrica da UFV oferece a seus estudantes

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru Projeto Pedagógico e Estrutura Curricular Missão do Curso de Engenharia Elétrica da FE/Unesp/Bauru A formação continuada de Engenheiros

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 50/2014-CONSUNIV Aprova ad referendum a reformulação do Projeto Pedagógico do

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 50/2014-CONSUNIV Aprova ad referendum a reformulação do Projeto Pedagógico do UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 50/2014-CONSUNIV Aprova ad referendum a reformulação do Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de, Bacharelado, de oferta regular

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.

Currículos dos Cursos do CCE UFV ENGENHARIA ELÉTRICA. COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv. 132 ENGENHARIA ELÉTRICA COORDENADOR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Carlos Magno Fernandes cmagno@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 133 ATUAÇÃO O curso de Elétrica da UFV propõe oferecer a seus estudantes

Leia mais

Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Introdução à Engenharia de Controle e Automação Introdução à Engenharia de Controle e Automação O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DA FACIT Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 75/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de do Centro

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais;

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 34/2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Química Industrial, Bacharelado,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br 222 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da UFV visa fornecer a seus estudantes

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã)

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã) MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Primeiro Semestre (Manhã) Cálculo I 90 h Básico - Experimental I 90 h Básico - Geometria Analítica 36 h Básico - Introdução à Engenharia de Controle

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 42/73

Faculdade Figueiredo Costa 42/73 42/73 CAPITULO VIII GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA AS ATRIBUIÇÕES, ÁREAS DE ATUAÇÃO E O MERCADO DE TRABALHO Engenharia Elétrica é o ramo da engenharia que estuda a energia elétrica, suas propriedades

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

SALA DE REUNIÕES DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, em Manaus, 19 de março de 2013. JOSÉ ALDEMIR DE OLIVEIRA Presidente

SALA DE REUNIÕES DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, em Manaus, 19 de março de 2013. JOSÉ ALDEMIR DE OLIVEIRA Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N.º 18/2013 - CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de Controle e Automação, bacharelado, oferecido em Manaus e

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 96/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia de Energias

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2013 163. FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2013 163. FÍSICA Licenciatura. COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 163 FÍSICA Licenciatura COORDENADOR Orlando Pinheiro da Fonseca Rodrigues ofonseca@ufv.br 164 Currículos dos Cursos UFV Licenciatura (Integral) ATUAÇÃO O curso de graduação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1

Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 Aprovado no CONGRAD: 10.08.10 Vigência: ingressos a partir de 2011/1 CÓD. 207 - CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Noite - Currículo nº 06 CÓD. 2509 - CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Manhã e Noite - Currículo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40

BCT001 Inserção na Vida Universitária 40 0 40. BCT002 Leitura e Produção de Texto 1 40 0 40 ESTRUTURA CURRICULAR DOS CURSOS O desenho curricular do curso de Engenharia de Energias segue as Diretrizes Gerais da UNILAB, as quais preveem os seguintes Núcleos de Formação nos cursos de graduação:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 2111 011 966 São Luís - Maranhão

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 2111 011 966 São Luís - Maranhão UNIVERSIDADE FEDERAL D MARANHÃ Fundação Instituída nos termos da Lei 5.152 de 2111 011 966 RESLUÇÁ No 8-CNSEPE, de 29 de agosto de 2006 Aprova Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia - Modalidade: Elétrica.

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Matriz curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Produção da UFERSA a partir de 2011.2. (Adequada à Matriz curricular do Curso de Bacharelado em Ciência e Tecnologia) Período Disciplinas Obrigatórias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CAMPUS Bambuí

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CAMPUS Bambuí 45 APÊNDICE B - MATRIZ CURRICULAR 1º Período Sigla Disciplina CHT 1 CHP 2 CH Total Pré-requisitos AED1 Algoritmos e Estruturas de Dados I 40 40 80 - CALC1 Cálculo I 80-80 - FC Fundamentos da Computação

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 187 Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais previstas

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 092/07-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá ENGENHARIA CIVIL Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA CIVIL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DO TURNO NOTURNO PARA TURMAS A PARTIR DE JULHO DE 2013 Curso de Bacharelado em Engenharia Elétrica Vagas no Vestibular: 40 (quarenta) regime semestral

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99

RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 RESOLUÇÃO CONSEPE 47/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MODALIDADE MECÂNICA, COM ÊNFASE EM AUTOMOBILÍSTICA, DO CÂMPUS DE ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

Prof. Dr. Reinaldo Gonçalves Nogueira Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Diretor

Prof. Dr. Reinaldo Gonçalves Nogueira Escola de Engenharia Elétrica, Mecânica e de Computação Diretor À PROGRAD: Prof.ª Sandramara Matias Chaves Goiânia, 22 de Novembro de 2013 Em reunião no dia 22 de Novembro de 2013, o Conselho Diretor da EMC, aprovou a alteração do Anexo 1 da Resolução CEPEC 765/2005,

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Administração Superior Valéria Heloísa Kemp Reitora Sérgio Augusto

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

1º Fórum Latino-Americano de Engenharia. UNILA Foz do Iguaçu

1º Fórum Latino-Americano de Engenharia. UNILA Foz do Iguaçu 1º Fórum Latino-Americano de Engenharia UNILA Foz do Iguaçu 1º Fórum Latino-Americano de Engenharia UNILA Foz do Iguaçu Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Paulo Smith Schneider

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 147/2012, que altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional Missão do Curso A função primordial do Engenheiro Agrônomo consiste em promover a integração do homem com a terra através da planta e do animal, com empreendimentos de interesse social e humano, no trato

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ 1 semestre de 2015 DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO Reitoria Entidade Mantenedora Profª Tânia Cristina Bassani Cecilio Mestrado: Educação

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013

CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 CURSOS TÉCNICOS 1º SEMESTRE/2013 NOVEMBRO/2012 1) CURSOS OFERTADOS: Automação Industrial Eletrônica Eletrotécnica* Informática Informática para Internet* Mecânica* Química* Segurança do Trabalho* * Cursos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL - UERGS RESOLUÇÃO CONEPE nº 007/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL - UERGS RESOLUÇÃO CONEPE nº 007/2013 RESOLUÇÃO CONEPE nº 007/2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de Computação e dá outras providências. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Estadual do Rio Grande

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

1ª ETAPA - TURMA E e F

1ª ETAPA - TURMA E e F Atualizado em: 20/05/2013 1/7 CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PF 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PF 3 ÉTICA E CIDADANIA I PF 3 FÍSICA GERAL I PF 3 GEOMETRIA ANALITICA E VETORES PF 3 COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Relatório de Equivalências entre Disciplinas

Relatório de Equivalências entre Disciplinas UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Relatório de Equivalências entre Disciplinas Colegiado do de Engenharia Elétrica Abril de 2011 1. INTRODUÇÃO O presente documento refere-se ao estudo de equivalências

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO SOBRE O CURSO Com a revolução tecnológica, não é só o mundo que muda, mas a área de tecnologia também. O Engenheiro de Computação é um profissional fundamental para que essa evolução

Leia mais

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br

ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL. COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL COORDENADOR Antônio Teixeira de Matos atmatos@ufv.br 70 Currículos dos Cursos do CCA UFV Engenheiro Agrícola e Ambiental ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrícola e Ambiental

Leia mais

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO Mercados dinâmicos demandam profissionais com formação completa e abrangente, aptos a liderarem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Enfermagem, modalidade bacharelado,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Serviço

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS Aprovado no CONGRAD de: 24.09.2013 Retificado no CONGRAD de: 13.05.2014 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/1 CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 CÓD.

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE)

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE) Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Núcleo Docente Estruturante (NDE) 20/05/2015 Agenda 1 2 3 4 5 6 Introdução e Motivação Resultados da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Projeto. Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e. Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da

Projeto. Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e. Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da Projeto Proposta de novo texto para o termo Engenharia de Controle e ( pt ) Automação na Wikipédia Autoria: Estudantes do primeiro período do curso de Eng Ctrl Aut da ( 2009 UFLA (II Professores: Roberto

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-479/2012,

Leia mais

2º Física I Retirar o pré-requisito Geometria Analítica 2º Física I Experimental

2º Física I Retirar o pré-requisito Geometria Analítica 2º Física I Experimental MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN N 005, DE 07 ABRIL DE 2014. Aprova as adequações em disciplinas da matriz

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 235, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme

Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Coordenadora do Curso: Profa. Maria de Jesus de Britto Leite Dzelme IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ

CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ FACULDADE NETWORK CATÁLOGO DE CURSO DA FACULDADE NETWORK CAMPUS II - SUMARÉ 2 semestre de 2013 DIRIGENTES DA INSTITUIÇÃO Reitoria Entidade Mantenedora Profª Tânia Cristina Bassani Cecilio Mestrado: Educação

Leia mais

3ª ETAPA - TURMAS Y DIAS 24/09/12 25/09/12 26/09/12 27/09/12 28/09/12 01/10/12 02/10/12 03/10/12 04/10/12 05/10/12

3ª ETAPA - TURMAS Y DIAS 24/09/12 25/09/12 26/09/12 27/09/12 28/09/12 01/10/12 02/10/12 03/10/12 04/10/12 05/10/12 1ª ETAPA - TURMA E CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I PAIE 3 CIÊNCIAS DO AMBIENTE PAIE 3 ÉTICA E CIDADANIA I PAIE 3 FÍSICA GERAL I PAIE 3 GEOMETR ANALITICA E VETORES PAIE 3 COMPUTAÇÃO, ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO

Leia mais