PROTEÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COM USO DA NORMA IEC61850

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTEÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COM USO DA NORMA IEC61850"

Transcrição

1

2 PROTEÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES COM USO DA NORMA IEC61850 Felipe Lotte de Sá Magalhães Bruno Alberto Calado Silva Esp. Paulo Rogério Pinheiro Nazareth RESUMO - Este artigo aborda a proteção, controle e automação de subestações com o uso da norma IEC Esta norma visa não somente definir a forma de comunicação entre os Intelligent Electronic Device (IED), mas requisitos que garantam que o sistema opere de forma uniforme. Ela propõe a interoperabilidade entre os equipamentos, independente do fabricante, e também defini um sistema que seja capaz de acompanhar os desenvolvimentos tecnológicos. Palavra-chave: IEC61850, proteção, controle, automação e Intelligent Electronic Device (IED). 1 INTRODUÇÃO Este artigo visa apresentar os principais conceitos e recursos oriundos da norma IEC61850, visto que atualmente os sistemas de proteção, controle e automação de subestações e usinas estão sendo implementados utilizando tais recursos visando a melhor performance e confiabilidade do sistema. Atualmente no Brasil percebe-se que os sistemas estão sendo construídos, ou mesmo modernizados os que utilizam os métodos convencionais de proteção e controle, usando a norma, porém ainda não em sua plenitude. É notado o uso já bem difundido de mensagens MMS (Manufacturing Message Specification) para troca de informações entre os níveis de bay e estação, e mensagens (Generic Object Oriented Substation Event) para troca de informações entre os IEDs no nível de bay, contudo, existe uma grande tendência na aplicação do barramento de processo, a médio e longo prazo. Graduando em engenharia elétrica pelo CES-CL, técnico especializado em sistema de proteção, controle e automação na SIEMENS, membro do comitê de estudos B5 (Proteção e Automação) no CIGRE e também coordenador de projetos do CREA JR. Graduando em engenharia elétrica pelo CES-CL, técnico especializado em sistema de proteção, controle e automação na SIEMENS. Especialista em Engenharia Elétrica e Professor do curso de engenharia elétrica do CES-CL.

3 2 REFERENCIAL TEÓRICO A possibilidade de construir SAS repousa sobre o forte desenvolvimento tecnológico de grande escala dos circuitos integrados, que conduziram à atual disponibilidade dos avançados, rápidos e poderosos microprocessadores. O resultado foi uma evolução dos equipamentos secundários das subestações, a partir de dispositivos eletromecânicos para dispositivos digitais. Este, por sua vez fornece a possibilidade de implementação do SAS usando vários dispositivos eletrônicos inteligentes (IEDs) para realizar as funções necessárias (proteção local e remoto de monitoramento e controle, etc.). Como consequência, surgiu a necessidade de comunicação eficiente entre os IEDs, especialmente para um protocolo padrão. Até agora, os protocolos de comunicação proprietários específicos desenvolvidos por cada fabricante têm sido utilizados, exigindo conversores de protocolo complicados e dispendiosos quando utilizado a partir de IEDs de diferentes fornecedores. (Traduzido da IEC p.9) A FIG. 1 mostra os diversos protocolos de comunicação utilizados em uma subestação para que os equipamentos se comuniquem, sem o padrão da norma IEC As soluções eram baseadas em protocolos proprietários e que tornavam muito complexos os sistemas quando se necessitava realizar a comunicação entre equipamentos de fabricantes diferentes. FIGURA 1- Protocolos de comunicação em uma subestação antes na norma IEC61850 Fonte: Dos Santos, Luis Fabiano., Pereira Maurício., Uma Abordagem Prática Do IEC61850 Para Automação, Proteção E Controle De Subestações, 2007 p. 3 Em 1994 foi criado um grupo de estudo denominado TC-57 onde foi proposta a padronização da comunicação em sistemas de automação de subestações. Dentro das propostas estavam algumas como a elaboração de um padrão na arquitetura funcional, estrutura de comunicação e requisitos gerais. Criação de padrões para comunicação dentro de unidades em uma subestação, e também dentro e entre níveis de processamento dentro das unidades. O objetivo da norma é especificar requisitos que garantam a interoperabilidade entre os IEDs mesmo sendo de diferentes fornecedores. Um padrão que suporte diferentes filosofias e permita uma livre alocação de funções, e que tenha longa estabilidade. Propõe um padrão a prova de futuro, tendo que ser capaz de seguir o progresso da comunicação tecnológica e estar envolvido com as necessidades do sistema. Com essa ideia foi proposto o modelo da FIG. 2 que é a base para a norma IEC61850.

4 FIGURA 2 Modelo de interface de um sistema de automação subestações Fonte: IEC Ed.1 p.13 Neste modelo os dispositivos de um sistema de automação de subestação (SAS) podem ser fisicamente instalados em níveis funcionais diferentes. Os significados das interfaces são como se segue: 1: troca de dados de proteção entre os níveis de bay e estação. 2: troca de dados de proteção entre os níveis de bay e proteção remoto (além do escopo desta norma). 3: intercâmbio de dados em nível de bay. 4: troca de dados instantânea dos transformadores de corrente e tensão (TC e TP) entre os níveis de processo e de bay. 5: troca de dados de controle entre os níveis de processo e bay. 6: troca de dados de controle entre os níveis de bay e estação. 7: troca de dados entre subestação e local de trabalho de um engenheiro remoto. 8: troca direta de dados entre os bays, especialmente para funções rápidas, como intertravamento e intertrip. 9: troca de dados no nível de estação. 10: troca de dados de controle entre a subestação (dispositivos) e um centro de controle remoto(além do escopo desta norma). No nível de processo estão os equipamentos que possuem entradas e saídas, sensores e atuadores inteligentes, no nível de bay estão os equipamentos de proteção controle e monitoramento e no nível de estação, estão os computadores com o sistema supervisório, as bases de dados, os operadores, as interfaces remotas de comunicação, etc. A norma foi divida em vários capítulos conforme o QUADRO 1. Parte 1 Parte 2 QUADRO 1 - Estrutura e conteúdo da norma IEC61850 Aspectos do Sistema Introdução e Overview Glossário

5 Parte 3 Parte 4 Parte 5 Parte 6 Requisitos Gerais Gerenciamento de Projeto e Sistema Requisitos de Comunicação para Funções e DeviceModels Configuração Descrição da Configuração da Linguagem, relacionados aos IEDs, para Comunicação em Subestações. Serviços de Comunicações Abstratos Parte 7-1 Princípios e Modelos Parte 7-2 Abstract Communication Services (ACSI) Modo dos Dados Parte 7-3 Data Classes comuns Parte 7-4 Compatibilidade dos Logical Node Classes e Data Classes Parte 8-1 Mapeamento para MMS e para ISO/IEC Mapeamento para a Rede de Comunicação real (SCSM) Parte 9-1 Sampled Values sobre Serial Unidirectional Multidrop Point-to-Point link Parte 9-2 Sampled values sobre ISO Testando Parte 10 Teste de Conformidade Fonte: IEC p Modelagem de dados A parte IEC prevê que para ocorrer troca de informações no SAS todos os dispositivos dentro de uma subestação devem ser modelados, pois desta forma estas informações podem ser trocadas com outros dispositivos. A FIG. 3 ilustra o conceito da forma como a norma aborda os modelos de informação. FIGURA 3 - Conceito do modelamento Fonte: IEC p.17 É utilizado o conceito de virtualização, onde cada dispositivo de uma subestação é modelado como um Logical Node (LN) dentro do IED, e é definido como sendo a menor parte de uma função que troca dados. Cada dispositivo em campo como, por exemplo, um disjuntor, uma chave seccionadora, um transformador de corrente (TC), um transformador de tensão (TP) se

6 torna um LN dentro de um IED. Contudo a agrupamento de vários LN formam os Logical Device (LD) que são implementados dentro de um IED. Os LNs possuem uma série de dados denominados Data Objects (DO) que na verdade representam as informações funcionais bem definidas do equipamento modelado, como por exemplo, o status e a posição. E cada DO possui uma série de atributos. A FIG. 4 ilustra a hierarquia de dados proposta pela norma, que devem seguir uma semântica também definida. No exemplo da FIG. 3 podemos observar que o disjuntor será modelado como um LN denominado XCBR1, e que por sua vez neste LN existem dois DOs que são relacionadas a algumas informações importantes do disjuntor como a posição e o modo de operação. Também podemos observar que um conjunto de LNs estão agrupados dentro de LD e que o LD esta inserido dentro de um IED. FIGURA 4- Hierarquia dos dados Fonte: Duarte, Alexandre Bitencourt., Fundamentos da Série De Normas IEC e sua Aplicação nas Subestações, 2002, p.24 A IEC definiu alguns grupos de LNs mais comuns, e alguns deles estão apresentados no QUADRO 2. QUADRO 2 - Principais Logical Nodes Fonte: Adaptado da IEC p.18 Com base em suas características funcionais, um nó lógico contém uma lista de dados (por exemplo, posição) e atributos de dados dedicados. Os dados têm uma estrutura e uma semântica bem definida (o que significa, no contexto de sistemas de automação para serviço público de energia ou, por exemplo, mais especificamente, dos sistemas de automação de subestação). As informações representadas pelos dados e seus atributos são trocadas pelos serviços de acordo com regras bem definidas, e ao desempenho solicitado como descrito na IEC Os serviços são executados por um concreto e específico meio de comunicação (SCSM, por exemplo, através de MMS, TCP / IP e Ethernet, entre outros). (Traduzido da IEC p.17-18)

7 Os diversos LNs podem estar alocados dentro de um único IED ou mesmo em IEDs diferentes. A livre alocação de LNs para os equipamentos é baseada na livre alocação das funções nos equipamentos e permite uma otimização dos sistemas de hoje e de amanhã. A FIG. 5 mostra alguns exemplos de alocação dos Logical Nodes dentro de um IED. FIGURA 5 Exemplo de alocação de Logical Devices Fonte: IEC p. 31 No exemplo 1 da FIG. 5 tanto o LN PTOC (referente a proteção de sobrecorrente temporizada), quanto o LN PDIS (referente a proteção de distância) quanto o LN PTRC (condicionamento de TRIP) como o LN XCBR (referente ao disjuntor) estão em um único IED. No exemplo 2 as funções de proteção e TRIP estão dentro de um único IED, porém as funções do disjuntor estão alocadas em outro, e para que elas funcionem em conjunto devem se comunicar através de uma rede de comunicação. Já no exemplo 3 podemos observar que cada proteção esta alocada em um IED diferente do outro, e o disjuntor também esta alocado em outro, e eles se comunicam entre si através de uma rede de comunicação. 2.2 Princípios de comunicação Os principais serviços de comunicação são divididos pelos critérios de tempo, podendo ser definidos como de tempo crítico ou não. Os serviços de comunicação previsto na norma como sendo de tempo critico são as mensagens (Generic Object Oriented Substation Event) e os Sampled Value (SV). Já as mensagens que não são de tempo crítico são serviços client-server, e utilizam o protocolo MMS (Manufacturing Message Specification). As mensagens efetuam a comunicação horizontal, ou seja, entre os IEDs no nível de bay, já as mensagens MMS efetuam a comunicação vertical, levando informações dos equipamentos do nível de bay para os equipamentos do nível de estação. A FIG. 6 ilustra a comunicação horizontal e vertical dentro de um SAS.

8 FIGURA 6 Comunicação vertical e horizontal Fonte: Apostila do curso IEC61850 da SIEMENS MMS (Manufacturing Message Specification) As mensagens MMS são serviços tipo client-server e utilizam as 7 camadas do modelo de referência ISO/OSI, tornando a informação muito confiável pois os telegramas são validados em baixo nível nas camadas inferiores o ISO/OSI. Porém, devido à utilização dos mecanismos de confirmação de recebimento o tempo gasto para a troca de informação não é adequado para comunicações de tempo crítico, contudo é muito adequado para aplicações onde o tempo de resposta não seja crucial como a comunicação com o sistema supervisório (Generic Object Oriented Substation Event) Segundo Duarte (2012) a mensagem utiliza um mecanismo de comunicação conhecido por publisher-subscriber, onde o IED emissor (editor) insere (publica) mensagens na rede. Devido ao seu critério de tempo crítico (com tempos de transmissão em torno de 5ms), elas trabalham somente nas duas camadas inferiores do modelo de referência ISO/OSI, não possuem confirmação de recebimento e são do tipo multicast, ou seja, todos os subscriber conectados a rede recebem a mensagem, porém somente o subscriber filtra e processa a informação. Porém, apesar de não ter confirmação, um mecanismo especial de repetição garante a apropriada confiabilidade da transmissão sem a perda dessa informação, conforme mostrado na FIG. 7. FIGURA 7 - Mecanismos da mensagem Fonte: IEC p. 93

9 2.2.3 SV (Sampled Value) As mensagens Sampled Value (SV) trafegam no barramento de processo e tem um alto requisito de tempo, pois neles trafegam os sinais analógicos como corrente e tensão, e para conseguir os requisitos de tempo (sincronismos em torno de 1µs) e ter alta velocidade, o SV roda sobre a camada de enlace do modelo de referencia OSI. Em se tratando de proteção, cada ciclo da tensão e/ou corrente é muito importante para a correta atuação da proteção, considerando um sistema em 60Hz, um ciclo esta em torno de 16,66ms. Imagine agora se durante a transmissão dos valores analógicos ocorra falha na transmissão dos SVs, o que poderia acontecer com a proteção? Com isso para a implementação do barramento de processo a topologia de rede deve ser a mais confiável possível, e contudo, o uso do protocolo RSTP se torna inviável nas redes de automação de subestação visto que existe um tempo de latência entre a falha da rede e a recomposição. Contudo o uso dos protocolos HSR e PRP, ou o escalonamento dos dois, se torna uma opção para o uso em barramentos de processo bastante interessante e seguro. Outro requisito fundamental no barramento de processos é o sincronismo de tempo, pois os valores precisam ser bem sincronizados para comparação das ondas senoidais ou para o cálculo dos fasores. Há duas formas de implementar o barramento de processo: utilizando as merging units (MU) onde os dados analógicos vindo dos transformadores de instrumento convencionais são convertidos em SVs, ou utilizando transformadores de instrumentos (TCs e TPs) ópticos que já possuam uma saída digitalizada. FIGURA 8 - Mergint Unit (MU) and sampled value Fonte: IEC p.93

10 2.3 Aplicações Intertravamento de Bay Esta aplicação tem como objetivo realizar o intertravamento entre os disjuntores de um determinado sistema, utilizando os recursos da norma IEC61850, como a comunicação horizontal (troca de mensagens entre os IEDs). Na FIG. 9 todos os três IEDs (IED-A, IED-B e IED-C) estão interligados em rede e trocam as informações de status dos respectivos disjuntores de cada bays através das mensagens. Desta forma, por exemplo, o IED-A responsável pela proteção do bay C01 consegue saber o status dos equipamentos do vão C02, trocando informações com o IED-B responsável por este vão, sem a necessidade de cabos elétricos que interliguem o IED-A aos equipamentos do bay C02. IED-A IED-B IED-C FIGURA 9- Intertravamento de Bay Fonte: Adaptado da Apostila Siemens Efficient Energy Automation with the IEC Standard Application Examples p Transferência Automática de Linhas de Transmissão e mudança adaptativa de grupo de ajustes de proteção. Esta aplicação tem o objetivo de realizar a transferência automática de linhas de transmissão, onde em caso de uma falta na linha que está alimentando a subestação, a alimentação é transferida para a outra linha, onde todas as trocas de dados serão utilizando os recursos da norma IEC Em condições normais o disjuntor da barra DJ52.C permanece aberto e os disjuntores das entradas fechados, e cada linha alimenta as cargas que estão conectadas à sua respectiva barra. Cada IED coleta informações e controla somente o vão ao qual estão designados: estados de disjuntor e seccionadora, medições, alarmes, proteções, comandos etc.

11 FIGURA 10 - Transferência automática de linhas Fonte: Apostila do curso IEC61850 da SIEMENS No caso de abertura pela função ANSI 27 (subtensão) de qualquer entrada de alimentação, o IED desta entrada envia a sinalização de disjuntor aberto para o IED-C da barra, através de mensagem. FIGURA 11 - Transferência automática de linhas Fonte: Apostila do curso IEC61850 da SIEMENS O IED-C (interligação de barras), após receber o comando vindo do IED-B faz a verificação de sincronismo entre duas barras e fecha o disjuntor da barra DJ52.C, alimentando as cargas que eram energizadas pela entrada agora desligada. Contudo o IED-C sinaliza ao IED-A que o disjuntor DJ52.C está fechado, e com isso, devido a nova configuração sistema (entrada A alimentando duas barras, ou seja, mais cargas), o IED-A efetua a troca do grupo de ajustes de proteção para manter a seletividade entre os IEDs A e C.

12 FIGURA 12 - Transferência automática de linhas Fonte:Apostila do curso IEC61850 da SIEMENS Este sistema se mostra bastante eficiente, visto que há uma grande redução de tempo de restabelecimento da subestação, e também na questão da implementação com a IEC 61850, há um número menor de pontos passíveis de defeitos e manutenção, do que no modo convencional (conexões elétricas) Proteção contra Falha de Disjuntor A função de proteção de falha de disjuntor (ANSI 50BF) verifica a resposta do mesmo na ocorrência de um comando de abertura (TRIP) vindo do relé. Caso o disjuntor não responda adequadamente, ou seja, não efetue a abertura dos polos (interrompendo a falta) em um intervalo de tempo pré-determinado o relé emite um sinal de TRIP para o relé a montante. IED-A IED-B IED-C IED-D FIGURA 13 - Proteção contra falha de disjuntor Fonte:Adaptado de SIEMENS, SIPROTEC Relé de Proteção Multifunção com Controle Local 7SJ62/63/64, V4.6, C53000-G1179-C147-1 p. 262

13 No exemplo da FIG. 13 o IED-D percebe uma falha em seu respectivo disjuntor, e envia uma mensagem para o IED-A, IEDB e IDC-C para que eles efetuem o desligamento de seus respectivos disjuntores eliminando assim falha Proteção por Seletividade Lógica A seletividade lógica é formada por relés de proteção associados a cabos de comunicação ou fios pilotos que transmitem informações a outros equipamentos de proteção. Assim sendo, na ocorrência de um curto-circuito o relé mais a jusante efetua o bloqueio das proteções dos relés a montante deste para inibir a operação das mesmas. No exemplo mostrado na FIG. 14, em uma ocorrência de curto-circuito no ponto 2, o IED-C entra em pickup pela proteção ANSI 50, e envia um sinal de bloqueio por mensagem para o IED-A a montante para ele inibir sua operação. Desta forma se consegue diminuir bastante os tempos de atuação da proteção em comparação com a seletividade convencional. É importante frisar que este exemplo aborda somente a aplicação da norma IEC61850 no esquema de seletividade lógica, que não consiste somente no envio do bloqueio, outros aspectos como os ajustes das proteções bem como as proteções de backup devem ser avaliadas. IED-A IED-B IED-C FIGURA 14 - Proteção por seletividade lógica Fonte: Adaptado de SIEMENS, SIPROTEC Relé de Proteção Multifunção com Controle Local 7SJ62/63/64, V4.6, C53000-G1179-C147-1 p. 78

14 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS A padronização proposta pela norma IEC61850 vem trazer a interoperabilidade entre equipamentos de diversos fabricantes, fato que em outros tempos se tornava muito complexo devido ao uso de soluções proprietárias. Com o uso dos recursos da norma IEC61850 os sistemas de proteção, controle e automação de subestações, principalmente no que se diz respeito à troca de informações entre relés (agora segundo a norma chamados de IED), sofreram uma forte evolução, visto que não é necessário o uso de cabos de cobre para se efetuar a troca de dados entre eles, e em um futuro bem próximo até mesmo a troca de informações com os transformadores de instrumento (TCs e TPs) vai se tornar uma realidade com a aplicação dos barramentos de processos e a troca de mensagens Sampled Value, que se torna um grande campo de pesquisa e desenvolvimento. Os avanços conseguidos com a aplicação da norma são muitos se comparados com os sistemas de proteção convencionais, podendo citar um deles a drástica redução dos cabos de cobre comumente utilizados nas subestações. Vale ressaltar também a mudança do perfil profissional com a aplicação da norma IEC61850, visto que antigamente o profissional da área de proteção e controle trabalhava com equipamentos dedicados a funções de proteção do sistema elétrico, e hoje em dia, com a aplicação cada vez mais maciça da norma IEC61850, os equipamentos além de proteção fazem medição, controle, podem processar complexas lógicas e além de tudo se comunicam em rede, e consequentemente com isso, o profissional desta área atualmente, além de ter o domínio do sistema elétrico, ainda deve conhecer muito sobre sistemas digitais, redes e protocolos de comunicação. REFERÊNCIAS Apostila curso IEC61850, ministrado pela Siemens, em Jundiaí-SP, em Dos Santos, Luis Fabiano. Pereira Maurício., Uma Abordagem Prática Do IEC61850 Para Automação, Proteção E Controle De Subestações, 2007 Duarte, Alexandre Bitencourt., Fundamentos da Série De Normas IEC e sua Aplicação nas Subestações, International Electrotechnical Commission. IEC Todas as partes ed.1. Alemanha, International Electrotechnical Commission. IEC Todas as partes ed.2. Alemanha, Manual da Siemens, Efficient Energy Automation with the IEC Standard Application Examples. Alemanha, SIEMENS, SIPROTEC Relé de Proteção Multifunção com Controle Local 7SJ62/63/64, V4.6, C53000-G1179-C Alemanha, 2013

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850 56 Capítulo VII Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850 Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A construção de subestações é uma atividade que

Leia mais

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil

Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850. Brasil Redes Convergentes no Cenário da IEC-61850 O. J. M. da MOTTA e C.A. CORDEIRO FURNAS M. G. CASTELLO BRANCO* e C. H. R. de OLIVEIRA CPqD Brasil RESUMO Neste trabalho, os autores propõem uma abordagem dos

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Diretrizes para Ensaios de Interoperabilidade e Testes Funcionais em Relés Multifuncionais Baseados

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE

A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - PR A EVOLUÇÃO DOS ESQUEMAS DE PROTEÇÃO COM A ADOÇÃO DA NORMA IEC 61850 E O ADVENTO DA INTEROPERABILIDADE Paulo Sergio

Leia mais

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

IX Seminário Técnico de Proteção e Controle. 1 o a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 o a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil Testes de Performance em IED s através de ensaios utilizando mensagens GOOSE (IEC61850) Paulo Sérgio

Leia mais

UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO IEC61850 PARA AUTOMAÇÃO, PROTEÇÃO E CONTROLE DE SUBESTAÇÕES BRASIL

UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO IEC61850 PARA AUTOMAÇÃO, PROTEÇÃO E CONTROLE DE SUBESTAÇÕES BRASIL UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO IEC61850 PARA AUTOMAÇÃO, PROTEÇÃO E CONTROLE DE SUBESTAÇÕES LUIS FABIANO DOS SANTOS * ABB LTDA. MAURÍCIO PEREIRA ABB LTDA. BRASIL RESUMO Este artigo aborda a nova Norma IEC61850

Leia mais

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo PDI Preparação para Dissertação

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES ALEXANDRE BITENCOURT DUARTE FUNDAMENTOS DA SÉRIE DE NORMAS IEC 61850 E SUA APLICAÇÃO NAS

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850

Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 1 Teste de IEDs Baseados na IEC 61850 M. E. de C. Paulino, Member, IEEE Abstract - A integração de IEDs multifuncionais em subestações complexas requer desenvolvimento de um protocolo padrão que reúna

Leia mais

Benefícios da utilização da Norma IEC 61850 para coleta de oscilografias

Benefícios da utilização da Norma IEC 61850 para coleta de oscilografias XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - PR Benefícios da utilização da Norma IEC 61850 para coleta de oscilografias Alexandre Fernandes Onça Siemens Vinicius

Leia mais

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO SK, SÉRGIO KIMURA ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO O trabalho tem a finalidade de compartilhar a experiência da ELEKTRO com a utilização da norma IEC61850 implantada atualmente em 18(dezoito)

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Paulo Sergio Pereira Junior Conprove Engenharia Ltda. Paulo Sergio Pereira Conprove

Leia mais

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições

Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Análise de uma rede Smart Grid usando a norma IEC 61850 e dados de medições Fernando Petenel e Cristiano Panazio Resumo Este artigo apresenta uma análise de uma rede Smart Grid baseada na norma IEC 61850

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Aumento da Confiabilidade de Esquemas de Proteção e Controle em IEC 61850 com o uso de Message Quality

Aumento da Confiabilidade de Esquemas de Proteção e Controle em IEC 61850 com o uso de Message Quality umento da Confiabilidade de Esquemas de Proteção e Controle em IEC 61850 com o uso de Message Quality Douglas Oliveira - SEL Geraldo Rocha - SEL Paulo Franco - SEL Introdução Norma IEC 61850 Estabelece

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMA DE POTÊNCIA

Leia mais

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação Cigré/Brasil CE B5 Proteção e Automação Seminário Interno de Preparação para o Colóquio do SC B5 2009 Paper 109 Intelligent Electronic Device Remote Test Architecture Solution Using a Test Unit Rio de

Leia mais

XII STPC SEMINÁRIO TÉCNICO DE PROTEÇÃO E CONTROLE

XII STPC SEMINÁRIO TÉCNICO DE PROTEÇÃO E CONTROLE XII STPC SEMINÁRIO TÉCNICO DE PROTEÇÃO E CONTROLE ST XXX 16 a 19 de novembro de 2014 Rio de Janeiro - RJ ANÁLISE DO DESEMPENHO DA PROTEÇÃO IMPLEMENTADA VIA BARRAMENTO DE PROCESSO (IEC 61850-9-2) QUANDO

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DIGITAIS DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO BASEADOS EM IEDS OPERANDO COM O PROTOCOLO IEC 61850.

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DIGITAIS DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO BASEADOS EM IEDS OPERANDO COM O PROTOCOLO IEC 61850. SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DE SISTEMAS DIGITAIS DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO BASEADOS EM IEDS OPERANDO COM O PROTOCOLO IEC 61850. Roberval Bulgarelli Eduardo César Senger Francisco Antônio Reis Filho Petrobras /

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 Allan Cascaes Pereira*; David Cáceres Jorge Miguel O. Filho; R. Pellizzoni José Roberto G. Correia Brasil EUA

Leia mais

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia

Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia 56 Apoio Automação de subestações Capítulo XI Estações de acesso remoto de engenharia Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) O desenvolvimento das facilidades de comunicação

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. COMO CRIAR UM ELEMENTO DE DETECÇÃO DE ARCO VOLTAICO RÁPIDO E SELETIVO, UTILIZANDO ELEMENTOS DE SOBRECORRENTE E INTENSIDADE LUMINOSA Eduardo Zanirato / Geraldo Rocha Resumo - O guia apresenta a lógica para

Leia mais

Aumento da confiabilidade de esquemas de proteção e controle em IEC 61850 com o uso de Message Quality

Aumento da confiabilidade de esquemas de proteção e controle em IEC 61850 com o uso de Message Quality 1 umento da confiabilidade de esquemas de proteção e controle em IEC 61850 com o uso de Message Quality Paulo Franco, Carlos Oliveira e Geraldo Rocha - Schweitzer Engineering Laboratories, Inc. Sumário

Leia mais

Autores: Luis Fabiano dos Santos, Odair Tolardo, Anderson S. Nogueira

Autores: Luis Fabiano dos Santos, Odair Tolardo, Anderson S. Nogueira Esquema de Rejeição de Cargas Inteligente com Funcionalidade Distribuída Utilizando Recursos da Norma IEC61850 Autores: Luis Fabiano dos Santos, Odair Tolardo, Anderson S. Nogueira Apresentado por: Maurício

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

Uso de Mensagens Analógicas GOOSE para Controle de Tapes em Transformadores Operando em Paralelo. Brasil, Suécia

Uso de Mensagens Analógicas GOOSE para Controle de Tapes em Transformadores Operando em Paralelo. Brasil, Suécia Uso de Mensagens Analógicas GOOSE para Controle de Tapes em Transformadores Operando em Paralelo Luis Fabiano dos Santos* ABB Zoran Gajic ABB Brasil, Suécia RESUMO A introdução da Norma IEC61850 para automação

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES O caminho percorrido pelas subestações de energia elétrica até alcançar as modernas instalações de hoje. 1 Cem anos não são nada se comparados com o tempo em que o homem vem vagando

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil

XI Seminário Técnico de Proteção e Controle 18 a 21 de novembro de 2012 Florianópolis Santa Catarina Brasil Topologias de rede ethernet tipo anel para grandes sistemas elétricos baseados na norma IEC61850 Paulo Antunes Souza Jr Newton de Carvalho Fernandez Gilberto Morgado Siemens I&C SG EA Baumier Siemens I&C

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA DOMINAR E INTERAGIR COM SISTEMAS DE PROTEÇÃO, AUTOMAÇÃO E CONTROLE CONFORMES COM A NORMA IEC 61850

UMA SOLUÇÃO PARA DOMINAR E INTERAGIR COM SISTEMAS DE PROTEÇÃO, AUTOMAÇÃO E CONTROLE CONFORMES COM A NORMA IEC 61850 UMA SOLUÇÃO PARA DOMINAR E INTERAGIR COM SISTEMAS DE PROTEÇÃO, AUTOMAÇÃO E CONTROLE CONFORMES COM A NORMA IEC 61850 Paulo Sergio Pereira Junior, Cristiano Martins Moreira- Conprove Tecnologia e Pesquisa

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS DE

Leia mais

Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD

Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD 1 XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Simulador de IEDs utilizando arquivos ICD/SCD Juliana Adabo Atizani Siemens LTDA. Brasil Paulo Roberto Antunes de

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008 Cigré/Brasil CE B5 Proteção e Automação Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008 Rio de Janeiro, 26-27 de junho de 2008 Dados do Artigo Número B5-106 Título Autoria Processo de comunicação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL 1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração 5. Finalidade: A finalidade deste esquema é evitar que

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA Carlos Francisco dos Santos e Souza Coordenador csouza@cteep.com.br Edson Luiz Giuntini Técnico Sênior de Subestações egiuntini@cteep.com.br

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP PROCESSO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS TERMO DE REFERÊNCIA 005/2011 - DOP AQUISIÇÃO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES; RELÉS MULTIFUNCIONAIS

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 01 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

XXI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XXI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XXI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 23 a 26 de Outubro de 2011 Florianópolis - SC GRUPO - V GRUPO DE ESTUDO PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM

Leia mais

Metodologia de Modelagem CPN Aplicada a Análise de Desempenho de Sistemas de Comunicação baseados na Norma IEC 61850

Metodologia de Modelagem CPN Aplicada a Análise de Desempenho de Sistemas de Comunicação baseados na Norma IEC 61850 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Metodologia de Modelagem CPN Aplicada a Análise de Desempenho de Sistemas de Comunicação baseados na Norma IEC 61850 Pedro

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

MODELO DE ARQUITETURA BASE PARA IMPLEMENTAÇÃO DE APLICAÇÕES BASEADAS NA IEC-61850

MODELO DE ARQUITETURA BASE PARA IMPLEMENTAÇÃO DE APLICAÇÕES BASEADAS NA IEC-61850 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - UTFPR DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE MARCELO PECENIN MODELO DE ARQUITETURA BASE PARA IMPLEMENTAÇÃO DE APLICAÇÕES

Leia mais

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Revisão 03 12/2014 NORMA ND.62 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 3 Rede AS-I Actuador - Sensor - Interface Capítulo 3 Histórico A rede AS-Interface

Leia mais

IEC 61850 HardFiber Process Bus BRICK

IEC 61850 HardFiber Process Bus BRICK Digital Energy IEC 61850 HardFiber Process Bus BRICK Licinio Ribeiro de Miranda GE Digital Energy Engenheiro de Aplicações América Latina GE Digital Energy GE Energy The The GE GE Smart Smart Grid Grid

Leia mais

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 56 Capítulo IV Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) As atuais soluções de automação de subestações um relé de proteção 99,9945%

Leia mais

Redes Industriais ModBus RTU

Redes Industriais ModBus RTU Padrão EIA RS-232 O padrão RS (Recommended Standart) é uma padronização de interface para comunicação de dados criada nos anos 60 por um comitê da Electronic Industries Association (EIA). O equipamento

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007 SISTEMA DE CHAVEAMENTO AUTOMÁTICO PARA RÁPIDA ENERGIZAÇÃO DE FASE RESERVA EM BANCOS DE TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS Fernando G. A. de Amorim* Nelson P. Ram os** * Treetech Sistem as Digitais Ltda. ** Furnas

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

Estudo de Caso: Projeto e Implementação do Protocolo IEC 61850 de Diversos Fabricantes em La Venta II, CFE

Estudo de Caso: Projeto e Implementação do Protocolo IEC 61850 de Diversos Fabricantes em La Venta II, CFE Estudo de Caso: Projeto e Implementação do Protocolo IEC 61850 de Diversos Fabricantes em La Venta II, CFE Julian Alzate e Dave Dolezilek, Schweitzer Engineering Laboratories, Inc. Resumo: Usando o conhecimento

Leia mais

SYNCHROTACT 5. Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas

SYNCHROTACT 5. Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas SYNCHROTACT 5 Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas Aplicação SYNCHROTACT 5 é a quinta geração dos equipamentos para sincronização produzidos pela ABB Switzerland

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN

II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN UMA PROPOSTA DE MELHORIA DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DO CIRCUITO DE CORRENTE CONTINUA DE SUBESTAÇÕES FRANCISCO JOSÉ BORGES DE

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Capítulo V. Protocolos seriais para automação. Automação de subestações. 64 O Setor Elétrico / Maio de 2010. Protocolos de comunicação

Capítulo V. Protocolos seriais para automação. Automação de subestações. 64 O Setor Elétrico / Maio de 2010. Protocolos de comunicação 64 Capítulo V Protocolos seriais para automação Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) Na automação de subestações, as informações são adquiridas no processo elétrico por meio

Leia mais

Autor: Luis Fabiano; Apresentação: Pedro Lollato, Substation Automation Systems Aplicação da norma IEC61850 na indústria

Autor: Luis Fabiano; Apresentação: Pedro Lollato, Substation Automation Systems Aplicação da norma IEC61850 na indústria Autor: Luis Fabiano; Apresentação: Pedro Lollato, Substation Automation Systems Aplicação da norma IEC61850 na indústria 0 de outubro de 2009 Slide 1 IEC61850: Livre alocação de funções Controle do bay

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

DOS SANTOS FRANCO /FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SANTANA

DOS SANTOS FRANCO /FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SANTANA COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER Rocilda José Nogueira Santana Engenheiro de Analise da Manutenção Divisão de Gestão da Manutenção São Paulo CTEEP-Brasil

Leia mais

Natalia C. Fernandes (UFF), Yona Lopes (UFF), Flávio G. Calhau (Petrobrás/UNIFACS), Carlos A. Malcher (UFF) e Joberto S. B.

Natalia C. Fernandes (UFF), Yona Lopes (UFF), Flávio G. Calhau (Petrobrás/UNIFACS), Carlos A. Malcher (UFF) e Joberto S. B. Natalia C. Fernandes (UFF), Yona Lopes (UFF), Flávio G. Calhau (Petrobrás/UNIFACS), Carlos A. Malcher (UFF) e Joberto S. B. Martins (UNIFACS) Apresentação: Natalia Fernandes e Yona Lopes Agenda Geral Sistema

Leia mais

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2

CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 25 CAPÍTULO 4 PROTOCOLOS INDUSTRIAIS PARTE 2 O Protocolo PROFIBUS O PROFIBUS (acrônimo de Process Field Bus) é o segundo tipo mais popular de sistema de comunicação em rede Fieldbus, ficando atrás somente

Leia mais

1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil

1 a 5 de Junho de 2008. Belo Horizonte Minas Gerais Brasil IX Seminário Técnico de Proteção e Controle 1 a 5 de Junho de 2008 Belo Horizonte Minas Gerais Brasil A Importância dos Testes Funcionais e de Interoperabilidade para a Integração de Sistemas de Proteção

Leia mais

Evolução de Protocolos de Comunicação

Evolução de Protocolos de Comunicação Evolução de Protocolos de Comunicação Sérgio Yoshio Fujii sergio.fujii@areva-td.com Ethan Boardman ethan.boardman@areva-td.com Agenda do Mini-Curso Evolução de protocolos de comunicação: Protocolos proprietários

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Capítulo IV. Desenvolvimento de metodologias para a operação de sistemas subterrâneos de distribuição com primários ligados em anel fechado

Capítulo IV. Desenvolvimento de metodologias para a operação de sistemas subterrâneos de distribuição com primários ligados em anel fechado 44 Capítulo IV Desenvolvimento de metodologias para a operação de sistemas subterrâneos de distribuição com primários ligados em anel fechado Por Ermínio César Belverdere, Antônio Paulo da Cunha, Plácido

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

NOVO SISTEMA DIGITAL DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO DE SISTEMA ELÉTRICO DE

NOVO SISTEMA DIGITAL DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO DE SISTEMA ELÉTRICO DE NOVO SISTEMA DIGITAL DE PROTEÇÃO E AUTOMAÇÃO DE SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO DE UMA REFINARIA DE PETRÓLEO BASEADO EM E EM PROTOCOLO IEC 61850 Eng. ROBERVAL BULGARELLI - PETROBRAS - RPBC - REFINARIA

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches

Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches Esquema de Rejeição de Cargas Flexível e de Alta Velocidade Usando Crosspoint Switches Will Allen e Tony Lee, Schweitzer Engineering Laboratories Resumo Os sistemas de rejeição de cargas industriais devem

Leia mais

HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus )

HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus ) HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus ) Disciplina: Redes de Alta Velocidade Jean Willian de Moraes 782 Odemil Camargo 971 PAUTA DA APRESENTAÇÃO Evolução dos

Leia mais

UTR Hadron Solução Completa para Supervisão de Energia

UTR Hadron Solução Completa para Supervisão de Energia UTR Hadron Solução Completa para Supervisão de Energia Objetivo do Workshop Demonstrar aos participantes como a funcionalidade e as vantagens da Série Hadron agregam valor ao processo produtivo, através

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO

ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO ASPECTOS RELEVANTES PARA DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE E SEGURANÇA DE EVENTOS EM EQUIPAMENTOS DE SUPERVISÃO E PROTEÇÃO Ricardo Camilo Zampieri Técnico Senior de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção

Leia mais

XII STPC SEMINÁRIO TÉCNICO DE PROTEÇÃO E CONTROLE APLICAÇÕES PRÁTICAS DE SNMP EM REDES IEC 61850 BRENO JÁCOMO DE FREITAS SIEMENS LTDA.

XII STPC SEMINÁRIO TÉCNICO DE PROTEÇÃO E CONTROLE APLICAÇÕES PRÁTICAS DE SNMP EM REDES IEC 61850 BRENO JÁCOMO DE FREITAS SIEMENS LTDA. XII STPC SEMINÁRIO TÉCNICO DE PROTEÇÃO E CONTROLE 16 a 19 de novembro de 2014 Rio de Janeiro - RJ APLICAÇÕES PRÁTICAS DE SNMP EM REDES IEC 61850 BRENO JÁCOMO DE FREITAS SIEMENS LTDA. RESUMO Com o crescente

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais