A Contribuição das Redes Sociais para a Disseminação do Conhecimento e Apoio à Inovação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Contribuição das Redes Sociais para a Disseminação do Conhecimento e Apoio à Inovação"

Transcrição

1 A Contribuição das Redes Sociais para a Disseminação do Conhecimento e Apoio à Inovação Daniela M. Cartoni Nanci Gardim Sergio O. Caballero Felipe O. Martinelli - Marco A. Silveira Resumo Com o avanço e consolidação da Web 2.0, a utilização de ferramentas colaborativas firma-se como uma tendência que tem influenciado tanto a difusão de inovações quanto a propagação do conhecimento, com destaque para as redes sociais. Estas ganham importância devido ao seu caráter dinâmico e de interdependência dos relacionamentos, que propiciam o compartilhamento de informações e a construção de conhecimentos essenciais para o desenvolvimento da inovação, reconhecimento entre os pares e estabelecimento de contato entre seus usuários. Partindo da hipótese de que as redes sociais atuam complementarmente às ações formais para transferência de tecnologia tanto as desenvolvidas por ICTs (Institutos de Ciência e Tecnologia) quanto as desenvolvidas por empresas que investem em pesquisa e desenvolvimento, este estudo tem como objetivo identificar e descrever as potencialidades de algumas das principais redes sociais utilizadas no Brasil (Orkut, Linked In e Twitter) como estruturas informais que ajudam a geração de conhecimento e a difusão da inovação. 1. Introdução Com o avanço e consolidação da Web 2.0 1, a utilização de ferramentas colaborativas com destaque, para as redes sociais virtuais firmou-se como uma tendência, que imprime novas características à maneira como as pessoas compreendem e vivenciam temas distintos. Nos últimos anos, diferentes países protagonizaram acontecimentos 2 que revelam a permeabilidade e o potencial de articulação das variadas redes sociais virtuais. Além de mostrarem o quanto podem ser abrangentes através de mobilizações homéricas em prol de causas únicas as redes sociais virtuais põem em evidência novas interações entre indivíduos e grupos, e novas perspectivas para a propagação do conhecimento e da inovação. O capital humano técnico e científico inclui não apenas as doações educacionais formais geralmente englobadas em conceitos de capital humano tradicionais, mas também as habilidades, know-how, conhecimento tácito e conhecimento experimental incorporados em cientistas individuais (Bozeman, 2000). Nessa perspectiva, diferentes autores (Vasconcelos e Campos, 2010; Tomaél, Alcará e Di Chiara, 2005) afirmam que as redes sociais informais são fontes importantes para a promoção da atividade inovativa. Tais redes mantêm canais e fluxos de informação no qual a confiabilidade e respeito entre os agentes os aproximam e os levam ao compartilhamento do conhecimento detido por eles. Conforme ressaltam Nonaka e Takeuchi (1997), as redes sociais informais são importantes por permitir a circulação do conhecimento que por sua vez precisa ser transformado, desenvolvido e trabalhado pelas organizações; caso contrário, ele será apenas um aglomerado de informações sem relevância. 1 Diante dos princípios que norteiam a Web 2.0 apontados por O'Reilly (2005) destacam-se: utilizar a web como plataforma; mudança do usuário com o meio (o usuário deixa de ser meramente um leitor para interagir com o conteúdo e com outros usuários); geração de conteúdo, com base no conceito de conhecimento colaborativo; constante melhoria dos serviços disponíveis com atualizações e complementos, sem existir uma versão final do produto. Dentro deste contexto de web 2.0, é que estão situadas as redes sociais. 2 Dentre os casos de maior impacto podemos destacar: a campanha presidencial entre Barack Obama, que apoiado por um intenso movimento na internet, com informações minuto a minuto via Twitter, conseguiu reunir em 2008, uma das maiores marcas de comparecimento da história nas eleições americanas; a rápida mobilização da sociedade brasileira diante da catástrofe causada pelas grandes chuvas no Estado de Santa Catarina/Brasil em novembro de 2008, que evidenciou a velocidade e eficácia das mensagens postadas nas redes sociais, especialmente Orkut e Twitter (Recuero, 2009).

2 Partindo da hipótese de que as redes sociais atuam complementarmente às ações formais para transferência de tecnologia como as desenvolvidas tanto por ICTs (Institutos de Ciência e Tecnologia) quanto por empresas que investem em pesquisa e desenvolvimento, este estudo tem como objetivo identificar e descrever as potencialidades de algumas das principais redes sociais virtuais utilizadas no Brasil (Orkut, Facebook, LinkedIn e Twitter) como estruturas informais que contribuem para a geração de conhecimento e difusão da inovação. A motivação para esse estudo é parte de um projeto de maior abrangência, voltado para o desenvolvimento e implantação de um portal corporativo diferenciado 3 de um grupo de pesquisa, chamado GAIA (Grupo de Apoio à Inovação e Aprendizagem em Sistemas Organizacionais) 4. O portal apoiado pelo CNPq e em andamento no Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI), em Campinas/SP/Brasil é focado na gestão do capital intelectual para sustentabilidade de sistemas organizacionais, e visa integrar não apenas dados, mas também os diferentes atores responsáveis pela inovação no país; a saber, instituições de ensino/pesquisa (públicas e privadas), empresas, Governo e agentes multiplicadores diversos (como professores universitários e gestores empreendedores). Entender melhor como funcionam as redes sociais virtuais na promoção da inovação, ajudará na construção de um plano de comunicação adequado para viabilizar a interação do referido portal junto a essas redes. Além disso, a prospecção de pontos-chaves (temas e/ou processos) que podem ser mais explorados no interior dessas redes sociais colaboram com o planejamento de novas ações, demandas e oportunidades para a disseminação do conhecimento científico, tanto acumulado pelo nosso grupo, o GAIA-CTI, quanto por nossas instituições parceiras. Como ressalta Araújo (1979), através de canais informais a informação sobre determinado projeto pode ser disseminada antes mesmo que ele haja iniciado. Essa disseminação, segundo a autora, em geral é realizada por meio da rede de comunicação informal na qual o pesquisador está inserido. Diante desse contexto, trazemos no segundo item desse artigo algumas asserções sobre a relação entre inovação tecnológica e as redes sociais informais de comunicação para, na seqüência, alinharmos algumas percepções sobre o conceito de redes sociais virtuais (informais) e as principais teorias que permeiam as análises sobre o tema. Embora o estudo não seja conclusivo, apresentaremos como as principais redes sociais brasileiras Orkut, LinkedIn, Facebook e Twitter tratam a promoção da inovação. Diante disso será verificado a proposição levantada de que as redes sociais, baseadas na relação de interdependência entre os atores, se configuram como um instrumento relevante para o compartilhamento de conhecimentos específicos e para a geração de inovação tecnológica. 3 Os portais corporativos vêm ampliando ao longo do tempo suas funções no âmbito institucional, englobando e apresentando os setores, produtos e serviços de uma organização, tanto para seus clientes quanto para seu público interno. Contudo, esta visão tem se mostrado muito limitada quando pensamos em portais corporativos voltados para a efetiva geração de conhecimento e promoção da inovação. O termo corporativo sugere, em sua essência, ações predominantemente direcionadas aos interesses de uma única instituição em si, a dona do portal. Contudo, o uso da visão tradicional para a implementação de um ambiente que visa potencializar ações inovadoras corrobora para a segmentação da informação e escassez de atividades cooperativas dentro do sistema de C&T&I nacional, onde a palavra-chave deve ser integração. A proposta do portal que está em desenvolvimento visa ultrapassar esses entraves, adotando um posicionamento mais democrático e interativo entre atores diversos 4 O GAIA (Grupo de Apoio à Inovação e Aprendizagem em Sistemas Organizacionais) é um grupo multidisciplinar de pesquisas aplicadas, que integra geração de conhecimento com resultados práticos. Tem como foco a aprendizagem organizacional que dá sustentabilidade à inovação e ao desenvolvimento socioeconômico de empresas. Com base no CTI (Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer) órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia, localizado em Campinas-SP, o GAIA é aberto à participação de instituições e profissionais de diferentes áreas.

3 2. Inovação Tecnológica e Redes Informais de Comunicação O papel do capital humano na transferência de tecnologia está se tornando mais amplamente reconhecido 5, permitindo um olhar diferenciado sobre as várias formas e meios pelos quais a transferência de conhecimento se desenvolve (Bozeman, 2000). Em geral, as redes sociais informais 6 como as que se formam espontaneamente nas relações cotidianas, mediadas ou não por Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) são mais flexíveis e menos deterministas do que as redes organizacionais e interorganizacionais, que são sempre sujeitas a diferentes graus de formalização. Nesse contexto, para a transferência de informações técnicas relevantes, os contatos pessoais se destacam como sendo aqueles pelos quais a tecnologia é mais eficazmente transferida (Araújo, 1979). As redes sociais informais afetam, mais incisivamente, a extensão com que o indivíduo aprende e internaliza as regras que envolvem o contexto social e organizacional. O que é de fato novo é a maneira como as redes e/ou relações informais estão sendo estabelecidas, ou seja, quais padrões de comunicação são vigentes. Os trabalhos que privilegiam a análise das redes informais intraorganizacionais tais como os de Cross e Prusak (2002) e Silva (2003) têm em comum a visão de que as redes informais são ferramentas invisíveis e poderosas para os gestores da inovação. Nessa perspectiva, entende-se que o conhecimento é inerente às pessoas, mas sua transmissão decorre da aplicação de mecanismos para compartilhamento aqui é possível destacar as redes sociais quando aplicadas à Gestão do Conhecimento. Os canais e/ou redes sociais informais mostram-se muito eficientes na perspectiva da interação direta entre a fonte e os usuários da informação. Possibilitam os pesquisadores descobrirem mais rapidamente se estão tratando dos mesmos problemas e se os assuntos abordados são de interesse mútuo permitem aos pesquisadores também, uma especulação mais livre sobre a pesquisa que estão realizando, os caminhos mais produtivos e seus respectivos sucessos e fracassos (Garvey e Griffth, 1967) A diferença em orientação, e as subseqüentes diferenças da natureza dos produtos entre os perfis de profissionais, em geral, têm implicações para os interessados no fornecimento de informação para qualquer das atividades. No entanto, o fator mais relevante quando se observa a comunicação tecno-científica veiculada pelos canais e/ou redes sociais informais é o tempo de disseminação da informação, que na maioria das vezes se inicia antes mesmo do início do projeto (Araújo, 1979). Com a disseminação das TICs, a velocidade para a troca de informações (formais e informais) aumentou vertiginosamente, mas não alterou o cenário já estabelecido. As relações informais ainda disseminam o conhecimento mais rapidamente que as redes formais 7. A internet, sendo uma rede de redes com serviços de correio eletrônico, comunidades de práticas (como fóruns, wikis, blogs e redes sociais), facilita a interação entre pesquisadores e profissionais de 5 Araújo e Freire (1996) destacam que as redes e canais de comunicação formais, em especial periódicos, monografias e bases de dados foram sempre privilegiados para a construção do conhecimento científico. Para a atividade científica, os poucos canais informais considerados eram aqueles representados por congressos, seminários e eventos similares, a partir dos quais são publicados anais. 6 A rede social formal é uma série de ligações ou laços prescritos entre posições sociais formais ou padronizadas, em geral, para a comunidade científica elas se estabelecem por meio da publicação de monografias e periódicos. Em contraposição, as estruturas sociais informais não são explicitadas ou prescritas pelas organizações e baseiam-se em interações que dependem dos atributos pessoais dos participantes, que fazem escolhas voluntárias. 7 A internet assume tanto características de fonte informal quanto formal, pois também traz conteúdos organizados e estruturados como são as bases de dados e documentos publicados, que estão disponíveis através de serviços de compartilhamento ou transferência de arquivos (Araújo e Freire, 1996; e Vital, 2006)

4 diversas áreas da Ciência e Tecnologia. Os canais informais possuem grande relevância para o desenvolvimento de trabalhos com maior valor agregado à informação, pois se revelam úteis tanto para a tomada de decisão, quanto para criação de estratégias decorrentes de informações ainda não publicadas. Martins (et al, 2009) enfatizam que as redes sociais constituem o elemento-chave para transformar os recursos individuais em recursos organizacionais. Embora os canais e fontes informais se encontrem desestruturados e desorganizados no ambiente online, diferentes autores entre eles: Rizova (2006), Vital (2006) entendem que eles são fontes primárias de informação, em especial, para empresas dinâmicas e intensivas em tecnologia; que tem como um de seus maiores ativos o conhecimento de suas equipes de pesquisadores (e seu consecutivo aprimoramento). 3. Conceituando Redes Sociais Uma das características mais marcantes da sociedade da informação é a busca por indivíduos com espectro de competências amplo e variado, que constrói tanto a reputação de forma individualizada como a partir de suas habilidades em interagir nas redes (CASTELLS, 1999). É neste sentido que as competências associam-se à atuação em ambientes dinâmicos, a partir da construção de relacionamentos com base em processos abstratos, assim como tomar decisões, trabalhar em grupo e adaptar-se a horizontes ampliados de espaço e tempo, rompendo com elementos tradicionais como distância e sincronicidade (LÉVY, 1998). Neste contexto, a configuração em rede - já peculiar ao ser humano como forma de promover o agrupamento com seus semelhantes e agregar pessoas ou grupos com interesses e valores compartilhados - assume novas características e relevância social. As redes extrapolam os limites dos relacionamentos pessoais e se estendem no aspecto organizacional ou institucional, podendo também ser apropriadas pelas organizações como canal de apoio à busca e geração de inovação. Como explica Marteleto (2001, p. 81) que, (...) mesmo nascendo em uma esfera informal de relações sociais, os efeitos das redes podem ser percebidos fora de seu espaço, as interações com o Estado, a sociedade ou outras instituições representativas. O conceito de redes pressupõe agrupamentos e, conseqüentemente, representa fenômenos coletivos. Não se vinculam necessariamente a uma comunidade geográfica ou hierárquica, mas em geral apresentam estrutura não-linear, descentralização, auto-organização e base em relações cooperativas horizontais (BARNES, 1987; TOMAEL, 2005). De acordo com Hanneman (2004), a idéia básica de uma rede é simples: um conjunto de atores (ou nós, pontos ou agentes) entre os quais existem vínculos (ou relações). A compreensão sobre seu funcionamento tem como eixo central as interações entre os atores, não privilegiando análises isoladas a partir do perfil do indivíduo, mas sim suas relações com o contexto. [...] A posição de cada indivíduo na rede depende do capital social e informacional que consiga agregar para si próprio e para o conjunto. (MARTELETO e SILVA, 2004, pg 42). As redes podem variar em seu alcance, tamanho e heterogeneidade. Quanto maior for a rede social, mais heterogêneas são as características sociais dos membros da rede e maior a complexidade de sua estrutura (TOMAEL, 2005). Segundo Aguiar (2006), uma rede social é formada por dois elementos principais: a estrutura e a dinâmica. A estrutura refere-se aos componentes da rede, que é constituída por atores e grupos de atores, através do compartilhamento de informações e construção do conhecimento.

5 Estes são representados por nós que fazem parte de um sistema maior de interação e laços sociais. Atuam de forma direta na criação de comunidades, que compõem os chamados clusters ou cliques, a partir da construção de papéis que estabelecerão as ligações entre os atores. Outro elemento é a dinâmica, ou seja, a forma como ocorrem as relações através da rede, caracterizada pelo padrão e ritmo do fluxo de informação das conexões entre os atores, grau de participação dos integrantes da rede (freqüência e qualidade com que se comunicam) e os efeitos dessa participação nos demais membros e no desenvolvimento da rede. A partir da análise destes elementos é possível mapear como a rede social está configurada e compreender seu impacto para os processos e instituições em que atua. Segundo Barabási (2003), o entendimento das redes é vital não só para atividades rotineiras, mas também nos negócios e na ciência. Identificar como a disseminação do conhecimento permeia nosso ambiente acadêmico é uma forma de contribuir para que as relações já existentes sejam expandidas, que novas sejam criadas e que se pense na formação de uma rede estruturada, para o desenvolvimento do conhecimento comum. 3.1 Principais Teorias Sobre Redes Sociais A pesquisa e teorias sobre redes sociais possuem escopo bastante amplo. As teorizações desenvolveram-se em estágios distintos, a partir de conceito originados das Ciências Sociais e posteriormente integrados aos trabalhos oriundos da Teoria dos Grafos (VIANA, 2004). Nos últimos anos, o conceito de rede tem sido observado com maior atenção, especialmente no que tange à sua aplicação aos sistemas complexos e no espaço virtual, embora sua abordagem não seja novidade 8. Segundo Aguiar (2006), a trajetória dos estudos sobre redes sociais no cenário acadêmico internacional pode ser dividida em quatro fases fundamentais: a) período entre os anos 1930 e 1970 no âmbito da Psicologia Social 9 e da Antropologia e Sociologia 10, marcadamente com influência dos pensadores estruturalistas e funcionalistas. Há predomínio das análises sociométricas das organizações sociais, a busca por identificação de padrões de vínculos interpessoais em contextos sociais específicos e a investigação das estruturas de relações em grupo; 8 Um dos antecedentes mais citados está nos trabalhos do matemático e geômetra Leonhard Eüler que deram origem à chamada Teoria dos Grafos, no século XVIII (BARABÁSI, 2003). No entanto, o estudo sistemático das redes sociais aparece apenas na década de 30, quando Jacob Moreno iniciou os trabalhos que deram origem à abordagem sociométrica e, conjuntamente, à abordagem estrutural (RECUERO, 2009) 9 Destacaram-se os trabalhos de Jacob Moreno (Sociometria), Kurt Lewin (Teoria de Campo), Fritz Heider (Teoria da Atribuição) e Cartwright e Harary (Teoria dos Grafos), com pesquisas sobre estrutura grupal e troca de informações. A idéia predominante era que os objetos não são percebidos independentemente dos modelos mentais, mas constituídos por eles. 10 Os antropólogos e sociólogos da Universidade de Harvard estudaram o antropólogo social inglês Radcliffe-Brown. Estes estudos enfatizam a importância de relações interpessoais informais em sistemas e estruturas sociais, que são decompostos em redes nos subgrupos que as constituem. Nos anos 20, destacam-se Elton Mayo e W. Lloyd Warner; nos anos 40, George Homans e sua estrutura teórica para explicar o comportamento grupal com base na sociometria e, posteriormente durante os anos 50 e 60, análises estruturais matematicamente orientadas, com destaque para os trabalhos de Harrison White e Granovetter nos anos 70. Na universidade inglesa de Manchester, uma linha de pesquisa desenvolvia os estudos associando matemática à teoria social. São notórios os trabalhos de Max Gluckman, John Barnes, Elizabeth Bott, Siegfried Nadel e Clyde Mitchell (VIANA, 2004).

6 b) período entre os anos 1970 e 1990, com o desenvolvimento da Análise de Redes Sociais (Social Network Analysis) 11 não apenas como uma especialidade de pesquisa nas Ciências Sociais, mas com apoio de programas de computador e aplicação da linguagem matemática no desenvolvimento de metodologias altamente técnicas e quantitativas; c) a emergência de pesquisas multidisciplinares motivadas pelo aumento da complexidade das relações sociais e pelas comunicações mediadas por computador, a partir de meados dos anos 1980, em que as metáforas de rede são retomadas como base para análise de fluxos de informação através das interações entre pessoas, grupos humanos e organizações, sob forte influência da teoria dos sistemas; d) e a fase atual, em que a análise de redes sociais se sofistica com o apoio de variadas técnicas e ferramentas computacionais mais acessíveis. As análises sobre o ciberespaço tratam das diferenças entre variados grupos e seus impactos nos indivíduos, no contexto de uma macroestrutura globalizada de redes interpessoais, comunitárias e organizacionais conectadas à Internet. Atualmente, é inegável que as redes sociais cresceram vertiginosamente na criação de redes de relacionamento, impulsionadas pela utilização de softwares com interface amigáveis e integração de recursos da tecnologia da informação que permitem convidar amigos, conhecidos, clientes, fornecedores e outras pessoas da rede de contatos pessoal e profissional. Podem ser utilizadas tanto para agregar pessoas com interesses específicos, seja para ou relacionamento social ou atuação no âmbito acadêmico e científico. São, enfim, são ambientes que possibilitam a formação de grupos de interesses que interagem por meio de relacionamentos comuns. Para este artigo, em particular, serão analisadas as redes sociais virtuais e seus impactos para o compartilhamento de informações e como apoio na construção de conhecimentos essenciais para o processo de inovação. 3.2 Confiança e Reputação em Redes Sociais Virtuais Ao tratarmos de redes sociais na internet, devem ser considerados para análise a estrutura das conexões e os tipos de vínculos entre os atores 12. No aspecto relacionado ao compartilhamento de informação, considera-se que, além do possível altruísmo dos indivíduos por gostarem de dividir o que sabem, há o interesse primordial na reciprocidade (obtenção de informação gerada pelo grupo) e confiança. Da mesma forma, a construção do conhecimento só terá resultados se implicar um processo de aprendizagem, pois o simples acesso à informação não modifica a realidade (TOMAÉL, ALCARÁ e DI CHIARA, 2005). 11 A Análise das Redes Sociais (em inglês, Social Networking Analysis) pressupõe uma análise de tendência para o papel social do indivíduo ou grupo em um determinado contexto, onde os movimentos e contatos não são aleatórios, mas parte de um processo dinâmico. Na análise de redes sociais são observados os atores, seus papéis e ligações. Fundamenta-se na observação que os atores sociais são interdependentes e que as conexões entre eles possuem importantes conseqüências para cada indivíduo (FREEMAN, 1996). Esta metodologia integra elementos da Teoria dos Grafos, que permitem analisar a rede por meio de matrizes, diagramas ou imagens gráficas. Dentre as medidas disponíveis, encontra-se a densidade da rede, o coeficiente médio de aglomeração e a distância média. Neste caso, a centralidade ou proximidade permitem determinar o quanto o nó que representa o ator está próximo de todos os demais nós ou atores da rede mapeada, tendo a sua base como a distância geodésica - que é o menor caminho entre dois nós, aplicada a grafos orientados (Wasserman e Faust, 2004). 12 Há diferentes formas de participação em redes sociais virtuais. Na Internet, por exemplo, é possível assinar uma lista de discussão, ou seja, participar de um grupo social sem interagir diretamente com seus membros, mas unicamente usufruindo das informações que circulam. Também é possível interagir com um grupo de blogueiros através dos comentários e, com eles, formar uma rede social (RECUERO, 2003).

7 Um conceito relacionado às redes sociais que tem obtido espaço na literatura organizacional é o de capital social 13, sendo positivamente relacionado à disseminação do conhecimento e geração de inovações. O termo refere-se a um tipo de capital que pode gerar vantagem competitiva para os indivíduos ou grupos conectados a determinadas redes, ou seja, estejam melhor relacionados devido à participação e acesso às informações (MARTINS et al, 2009). Segundo Recuero (2009), o tipo de conexão na rede social influencia o processo de difusão de informação, que pode estar baseado tanto na interação social mútua, com um pertencimento relacional, ou na interação social reativa, com um pertencimento associativo baseado unicamente na posição de membro da rede. Em outras palavras, a autora explicita que as interações sociais constituídas na internet podem basear-se tanto na apropriação da tecnologia pelos atores como nos laços interativos 14. A interação social mútua em redes virtuais baseia-se nas trocas entre o grupo e ao pertencimento relacional caracterizado pelo sentir-se parte, através das trocas comunicacionais. Como exemplo, temos as comunidades que surgem através de blogs, onde é preciso trocar comentários e criar laços para que se receba apoio e capital social. Este tipo de interação tem custo alto de manutenção, já que os atores sociais precisam investir em trocas de mensagens, assim como o tempo gasto em conversas no MSN, discussões em fóruns temáticos ou publicação de tweets. Por tais características, as conexões são mais fechadas, com atuação baseada na confiança e suporte social. Já na interação social reativa, o pertencimento é baseado na identificação do ator com o assunto tratado no grupo, mais do que na interação social que se estabelece naquele espaço. Este tipo de laço implica em um baixo custo de manutenção para o ator, onde basta se associar e todos os valores da rede estão imediatamente acessíveis. Essa associação, no entanto, é motivada por um processo de identificação entre usuário e grupo, ou seja, a construção da identidade e autodefinição no espaço virtual 15 vincula-se a esta adesão como mecanismo de criação de empatia na conquista de novos amigos. É o que acontece, por exemplo, com as comunidades do Orkut, onde mais do que interagir, os atores filiam-se ao grupo para mostrar determinado interesse ou idéia comum em seu perfil, resultando em um pertencimento associativo, cujos laços não se desgastam, como é o caso, por exemplo, de muitas comunidades que possuem centenas de usuários e pouquíssima interação (RECUERO, 2005). Essas redes baseadas na interação reativa apresentam laços mais fracos entre os atores. Pelo baixo custo de pertencer a esses grupos, percebe-se, também, que é possível que um mesmo ator faça parte de diversas redes. Como não necessitam de investimento na sua manutenção, podem ser sustentadas até que uma das partes decida pelo fim da conexão (SOUZA, 2010). 13 O capital social não deve ser confundido com o capital humano, nem com infra-estrutura. O capital humano engloba as habilidades e conhecimentos dos indivíduos que, em conjunto com outras características pessoais e o esforço despendido, aumentam as possibilidades de produção e de bem-estar pessoal, social e econômico (MARTELETO e SILVA, 2004, p. 43) 14 Segundo Granovetter (1973), os laços sociais podem ser fracos ou fortes, uma classificação que também pode ser aplicada àqueles mediada por computador. Os laços fortes seriam aqueles caracterizados pelo grande investimento de tempo, pela criação de intimidade, de confiança e de reciprocidade. Os laços fracos, ao contrário, possuem menor quantidade desses elementos, caracterizando, relações menos profundas, não traduzindo proximidade ou intimidade, e apenas relações esparsas, com muitas trocas sociais. 15 Como destaca Donath (1999), a compreensão das interações sociais mediadas por computador relaciona-se com o fato de as redes e sistemas de comunicação permitirem a criação de perfis individualizados no ciberespaço. Essa personalização é um elemento essencial para a construção da identidade, pois os perfis permitem aos atores reconhecerem-se como indivíduos e interagirem, já que a internet passa a funcionar como um espaço de sociabilidade.

8 No aspecto da circulação do capital social nas redes, há diferenças evidentes. No caso da prevalência de interação mútua, por serem constituídas por laços são mais fortes, são menores e possuem um núcleo bem definido, onde a reciprocidade é mais evidente. Essas redes são mantidas pelo interesse dos atores em fazer amigos e fomentar laços, o que leva à maior qualidade de capital social relacional em circulação (RECUERO, 2009). Por outro lado, no caso das redes centradas na interação reativa, o pertencimento baseia-se na identificação, seja quanto ao assunto, construção de identidade, demonstração de gostos e preferências (BERTOLINI e BRAVO, 2004). A inserção permite usufruir da informação divulgada aos membros, o que traz maior ênfase ao capital social informacional, pois a informação tem valor para a formação da reputação ou para a primazia na divulgação junto a uma determinada comunidade interativa. Essa diferenciação é essencial na medida em que permite compreender que as redes sociais não são todas iguais e que suas diferenças estruturais interferem diretamente na difusão de informação através de suas conexões. 4. Redes Sociais Virtuais Brasileiras e a Promoção da Inovação Método e análise dos dados Partindo da questão de pesquisa que é analisar a contribuição das redes sociais para a disseminação do conhecimento e apoio à inovação, consideramos em nosso estudo as seguintes redes: Facebook, LinkedIn, Orkut e Twitter. A escolha destas justifica-se pelo fato de serem as redes sociais mais populares no país, tanto em termos de número de participantes, como em quantidade de acessos. De acordo com o site Alexa, que mede o tráfego de acesso a páginas da internet, este é o ranking geral de acessos a sites no Brasil: 1º Google Brasil, 2º Google, 3º Facebook, 7º Orkut Brasil, 14º Twitter, 26º LinkedIn. No Brasil o Orkut, que costumava ser a rede social líder 16, perdeu o posto para o Facebook no início deste ano de 2011 (ALEXA, 2011). Considerando o relatório 2009 Business Social Media Benchmarking Study (HANNA,2009) baseado em pesquisa realizada nos Estados Unidos com profissionais da área de negócios, em média as empresas possuem perfis em três redes sociais as redes sociais em que o maior número de empresas possui perfis (entre respondentes) são: Facebook: 80%, Twitter: 56%, Grupos no LinkedIn: 39%, Orkut: não listado (possuí pouca relevância nos Estados Unidos). A partir deste cenário, considerou-se inicialmente que isso poderia se repetir no cenário brasileiro. No entanto, como a intenção era entender como as redes sociais estavam contribuindo com o intercâmbio de informações técnico-científicas especificamente, e não simplesmente com a promoção do marketing institucional, optamos por iniciar a pesquisa buscando palavras e/ou expressões-chaves para a temática da inovação dentro das redes 17. Com o recorte voltado especificamente aos grupos brasileiros existentes nas redes sociais Facebook, Twitter, Linked In e Orkut, as palavras e termos chaves selecionados para a busca 16 Utilizando o Google Trends (2011), é possível notar que o Orkut apresenta uma tendência de declínio no número de acessos a partir de 2007 ao contrário do LinkedIn e Facebook que apresentam ascensão quanto ao número de acessos desde 2010 e do Twitter, com o número de acessos crescendo desde A hipótese inicial foi de que, se as empresas têm o trabalho de criar e manter um perfil institucional ativo, também pudessem participar e/ou promover, de alguma forma, a troca de conhecimentos técnico-científicos em comunidades ou grupos específicos; cujos temas de interesse seriam identificados em nosso processo de busca.

9 foram: Inovação; Tecnologia; Inovação Tecnológica; Transferência de Tecnologia; Patentes; Propriedade Intelectual; Instituto de Pesquisa; Centro de Pesquisa; Pesquisa; P&D; R&D e Pesquisa e Desenvolvimento. Entendendo que estes são temas/expressões bastante recorrentes entre pesquisadores e gestores da inovação, o objetivo foi o levantamento inicial sobre o número de comunidades e/ou grupos de discussão que abordavam assuntos relacionados às atividades inovativas (ver Quadro 1). Quadro 1: Redes Sociais e Freqüência de Palavras Chave Relacionadas a Inovação Twitter Facebook LinkedIn Orkut Tweets18 Grupos em Grupos em Comunidade em 29/5/ /5/2011 em 14/5/ /5/2011 Inovação >=1000 Tecnologia >=1000 >=1000 Inovação Tecnológica Transferência de Tecnologia Patentes >=1000 Propriedade Intelectual Institutos e Centros de Pesquisa Instituto de pesquisa Centro de pesquisa Pesquisa >=1000 >=1000 P&D >=1000 R&D >=1000 Pesquisa e Desenvolvimento Fonte: Elaborado pelos próprios autores, Algumas dificuldades de ordem prática foram encontradas durante a pesquisa. Uma delas foi o surgimento de termos inviáveis ou pouco precisos para serem aplicados a uma pesquisa quantitativa pelos seguintes motivos: a) Quantidade de resultados A rede social que possibilitou acesso a um sistema de busca adequado aos objetivos desta pesquisa foi o LinkedIn. Ao se utilizar um termo para pesquisa, é mostrado o total de grupos relacionados ao termo, independente da quantidade de grupos existente. O Orkut também mostra o número total de grupos em sua interface, porém com a limitação de 1000 resultados, indicando que existe um número de resultados superior a este. Já o sistema de busca do Facebook, mostra apenas 10 resultados, sem indicar qual seria o total. Para se visualizar mais resultados, é necessário que se pressione um botão e mais 10 resultados são mostrados. O Twitter também não mostra o total, sendo necessário navegar até o rodapé da página para que 18 Mensagens de texto do Twitter.

10 sejam exibidos mais resultados 19. Além disso, dentro do Twitter, por ser uma rede em que as mensagens são publicadas pelos usuários de modo muito dinâmico, termos mais populares, como tecnologia, mostravam 10 novos resultados por minuto. b) Filtragem de resultados Existe uma necessidade de filtrar os resultados mostrados, devido à polissemia que alguns termos têm, ou outros contextos em que podem ser empregados. Pode-se citar tecnologia e pesquisa, os quais mostraram muitos resultados dentro do Twitter, Orkut e Facebook que não possuem relação com os temas do presente estudo. Citamos como exemplos: no Orkut são encontradas comunidades como Sou viciado em Tecnologia e Só faço pesquisa na Wikipédia. Outros termos como P&D e R&D mostraram diversas comunidades e Tweets que possuem a sigla P&D com outros significados variados. Por exemplo, no Orkut, P&D, dentre os 46 resultados obtidos, apenas 7 se referem de fato à expressão pesquisa e desenvolvimento. Após a verificação das restrições impostas pelos problemas acima descritos e, considerando que o LinkedIn possui um foco declarado no âmbito profissional 20, apresentando melhores ferramentas de busca e organização, foi definido que a pesquisa mais aprofundada sobre os usuários se restringiria apenas aos grupos existentes nesta rede social. Por ser o termo que se identifica melhor com o propósito da pesquisa, a palavra Inovação foi escolhida para a realização de buscas nos grupos. A partir destas definições, os 3 grupos com maior número de associados e resultados de busca (para a palavra Inovação) foram selecionados para análise. Foram denominados grupos A, B e C e, optamos por comparar a um grupo de controle D 21 (ver Quadro 2). Quadro 2: Tema, quantidade de membros e foco dos grupos pesquisados Grupo Tema Membros Foco A Rede de Design e Gestão de Inovação - Brasil 943 Design e Inovação B Inovação para a Sustentabilidade 375 Design e Inovação C Comunidade da Inovação 356 Inovação D PMI São Paulo 5737 Gerenciamento de Projetos Fonte: Elaborado pelos próprios autores, As mensagens trocadas publicamente dentro dos 4 grupos pelo período de um mês (25/04/2011 a 25/05/2011) foram analisadas e divididas em 4 categorias: *Categoria 1: Propostas de Soluções Tecnológicas; *Categoria 2: Divulgação de Congressos e Eventos; *Categoria 3: Pedidos de Orientação ou Questionamentos Técnicos; *Categoria 4: Outros (anúncios de empresas, questões não diretamente relacionadas a Inovação ou Projetos). O resultado da classificação das mensagens é apresentado no Quadro 3: 19 Em particular para o caso do Twitter, foi utilizada, simultaneamente com a ferramenta de busca do próprio site, a ferramenta de busca Socialmention (Socialmention.com), que possui um contador de resultados. No entanto, o contador do Socialmention se mostrou não confiável, pois se limitou a exibir 100 resultados para algumas buscas que no sistema de buscas próprio Twitter, indicavam mais de 100 resultados. 20 Também Vasconcelos e Campos (2010) observaram a mesma situação, pois em sua pesquisa sobre marketing em redes sociais, em especial em Portugal, que incluía Orkut, Twitter, LinkedIn e Facebook entre outras redes sociais, o LinkedIn era a única rede social profissional existente e que possibilitava um mapeamento mais consistente. 21 Decidiu-se pela criação de um grupo de controle para efeitos comparativos. A opção pelo grupo de gerenciamento de projetos foi baseada na maturidade do grupo formado por profissionais experientes que fazem parte de uma organização que é reconhecida como referencia mundial em gerenciamento de projetos, o Project Management Institute (PMI).

11 Quadro 3: Classificação de mensagens das redes sociais pesquisadas Propostas de Soluções Tecnológicas Divulgação de Congressos e Eventos Pedidos de Orientação ou Questionamentos Técnicos Outros A 12,0% 48,0% 12,0% 28,0% B 28,1% 22,0% 3,7% 46,3% C 8,3% 8,3% 5,6% 77,8% D 6,3% 6,3% 81,3% 6,3% Fonte: Elaborado pelos próprios autores, Nota-se que nos grupos A, B e C existe maior ênfase para a Divulgação de Congressos/Eventos ou Outros (anúncios de empresas, questões não diretamente relacionadas a Inovação ou Projetos). No grupo de controle D, a ênfase está nos pedidos de orientação, relacionados à carreira, motivação de equipes, estimativa de custo de projeto, dentre outros. Para filtragem dos resultados, foi criado um indicador de eficiência entre Pedidos de Orientação ou Questionamentos Técnicos e os Pedidos de Orientação ou Questionamentos Técnicos Respondidos, desta forma geramos um medidor: Eficiência da Resposta (ER) = (questionamentos respondidos / questionamentos feitos) 22. Na comparação com o grupo de Projeto D, constata-se uma diferença significativa tanto na quantidade de questionamentos realizados quanto na Eficiência da Resposta (ER) dos pedidos de orientação ou questionamentos técnicos feitos entre os grupos de Inovação A, B e C, conforme a Quadro 4. Os membros do grupo de Projeto D parecem dar maior ênfase à necessidade de criação da reputação perante o grupo profissional, interagindo tanto com perguntas quanto com respostas. Já os membros dos grupos A, B e C o fazem em menor escala, notando-se mais a participação de empresas buscando estabelecer um posicionamento de destaque dentro destes grupos. No decorrer da pesquisa surgiu outra dificuldade de ordem prática: um questionário não estruturado seria utilizado para traçar um perfil dos usuários destes grupos em uma análise qualitativa. Porém, devido ao baixo índice de resposta aos questionários, foram descartados pela falta de representatividade estatística. Grupos Quadro 4: Eficiência da Resposta aos Questionamentos feitos nos Grupos Questionamentos Realizados Questionamentos Respondidos Eficiência da Resposta (ER) A ,7% B ,3% 22 O critério utilizado para a contagem dos questionamentos respondidos foi unicamente a existência de uma resposta não tendo sido realizada uma qualificação das mesmas.

12 C ,0% D ,6% Fonte: Elaborado pelos próprios autores, Uma possível explicação para este comportamento pode ser encontrada na literatura, conforme destacado por Recuero (2004) na análise dos vínculos estabelecidos nas redes e a reciprocidade quanto ao capital social (Marteleto e Silva, 2004). Os grupos A, B e C enquadram-se como redes de interação social reativa, caracterizando-se pela baixa circulação de capital social e baixa reciprocidade nos processos comunicacionais, o que pode ser ilustrado com o baixo volume de perguntas e respostas. Os membros parecem participar apenas ter acesso às informações ou para definir sua identidade no grupo, seja pelos assuntos da comunidade ou criação de um perfil associado à determinada atuação ou preferências. Como forma de se estabelecer um perfil mínimo dos participantes dos grupos, foram utilizados os dados disponibilizados pelos próprios participantes no campo perfil de usuário do LinkedIn, referente ao setor de atuação profissional. Observou-se, então, que em todos os grupos existe um grande percentual de participantes que não informaram o setor de atuação profissional do qual fazem parte: Grupo A: 45,49%, Grupo B: 51,47%, Grupo C: 49,72% e Grupo D 35,05%. O Quadro 5 apresenta os três setores que mais participam em cada um dos grupos: Quadro 5: Participação nos Grupos Estudados por Setor de Atuação Profissional SETOR Grupo A Grupo B Grupo C Grupo D Design 14,7% 3,7% 0 0 Consultoria de gerenciamento 9,8% 11,7% 8,7% 4,6% Tecnologia da informação e serviços 8,1% 2,7% 11,5% 32,0% Serviços ambientais 0,0% 13,1% 0 0 Marketing e publicidade 5,9% 4,3% 8,2% 0 Gestão de organização sem fins 0 4,3% 0,0% 0 lucrativos Telecomunicações 2,7% 0 2,0% 6,5% Softwares 0 0 3,1% 5,7% Fonte: Elaborado pelos próprios autores, Pode-se observar que os grupos são formados por profissionais diretamente ligados com a área de interesse de cada grupo. Como exemplo pode-se citar o grupo A (Rede de Design e Gestão de Inovação), onde a maior parte de associados pertence ao setor e estão em atividade na área de Design, assim como o Grupo B (Inovação para a Sustentabilidade), onde a maior parte de associados pertence ao setor de Serviços Ambientais. O setor de Consultoria em Gerenciamento apareceu com um dos três mais importantes em todos os grupos relacionados à Inovação, os profissionais que trabalham neste setor parecem ser os que mais investem na criação de capital social, de forma a que possam criar vantagens competitivas por participarem destes grupos (MARTINS ET AL, 2009). No grupo de Projeto (D) o setor com maior participação é o de Tecnologia da Informação e serviços.

13 É possível afirmar que existem oportunidades de mudança na qualidade de aspectos relacionais dentro dos grupos de Inovação A, B e C analisados neste estudo quando comparados com o grupo de controle Projetos D. Poderíamos citar o aumento da interação social mútua pelo aumento das discussões nos grupos com o conseqüente aumento de circulação do capital social nestes grupos. Conforme observado anteriormente uma grande parte dos associados aos grupos A, B, C e D não informam seu setor industrial, porém pode-se perceber que mesmo neste quesito o grupo de Projeto D apresenta um desempenho superior em relação aos grupos A, B e C desta pesquisa. Esta postura parece também refletir um investimento no capital social e informacional (MARTELETO e SILVA, 2004, pg 42) maior no grupo de Projeto D do que nos grupos de Inovação A, B e C. Observa-se que há espaço para avanços no uso das redes sociais para a disseminação de conhecimento e inovação, pois os grupos de Inovação considerados ainda são, em geral, utilizados para divulgação de eventos e notícias. Há pouca utilização para questionamentos e baixo retorno dos questionamentos em oposição ao grupo de Projeto, onde os membros se concentram mais nos questionamentos e possui um maior índice de eficiência nas respostas. Deste modo, os grupos de Inovação A, B e C possuem uma interação reativa onde o maior capital social é a informação (BERTOLINI e BRAVO, 2004) ao contrário do grupo de Projeto D onde o capital social parece ser tanto a informação quanto a interação mútua (RECUERO, 2009). 6. Considerações Finais A literatura nos mostra que canais informais de comunicação são utilizados amplamente por pesquisadores tanto acadêmicos quanto de institutos de pesquisa e de organizações privadas para o intercâmbio e compartilhamento de informações técnico-científicas. Com o advento da internet e as possibilidades interativas decorrentes dos aplicativos da WEB 2.0, relações que antes dependiam da concentração de pessoas num mesmo espaço, puderam romper as fronteiras geográficas. Dentre as diferentes formas de comunicação mediadas por computador, as redes sociais tem se mostrado eficiente para a mobilização de indivíduos ligados a assuntos diversos. Contudo, no que diz respeito especificamente à promoção da inovação algumas considerações sobre as redes sociais brasileiras se fazem necessárias. Embora os resultados da pesquisa apresentada neste trabalho ainda sejam parciais e não conclusivos, observamos que o apoio à difusão da inovação dentro das redes sociais Twitter, Facebook e Orkut está pautado basicamente sobre a divulgação dos eventos institucionais na área. Para o compartilhamento de informações técnico-científicas, no entanto, estas redes sociais não mostraram maturidade ou aprofundamento nas conexões entre os atores para troca profícua de conhecimento. No caso do LinkedIn, observa-se um potencial a ser desenvolvido no intercâmbio de informações técnicas, muito maior que nas outras redes pesquisadas. A propensão para o apoio à inovação de maneira mais intensiva deve-se ao fato ser fundamentada nos perfis profissionais de seus integrantes. A busca por interesses específicos nas redes de relacionamento privilegiam a desenvolvimento (e/ou reforço) de uma reputação em determinada área do conhecimento e/ou entre seus pares.

14 Outro fator que corrobora para o potencial do LinkedIn no fomento à inovação é o fato de circular nesta rede maior capital social informacional, enquanto o Twitter é meramente informativo e as redes como Orkut e Facebook contemplam basicamente o capital social relacional (vínculos pessoais e amizade, sem grande interatividade para discussão de inovação ou temas profissionais a ela relacionados). Foi observado em um grupo que congrega profissionais de gerenciamento de projeto a troca intensiva de conhecimentos técnicos específicos, o que demonstra a capacidade da rede para ser utilizado como ferramenta também para a difusão da inovação. Diante disso, a hipótese de que as redes sociais atuam complementarmente às ações formais para transferência de tecnologia deve ser vista como um potencial a ser explorado, de modo a propiciarem uma difusão efetiva do conhecimento em temas relacionados à inovação. 7. Referências AGUIAR, S. Redes sociais e tecnologias digitais de informação e comunicação no Brasil ( ). Relatório final de pesquisa. NUPEF Rits - Núcleo de Pesquisas, Estudos e Formação da Rede de Informações para o Terceiro Setor, ALEXA. Disponível em: < Acesso em: 21 de junho de ARAÚJO, V. M. R. H. Estudo dos canais informais de comunicação técnica: seu papel na transferência de tecnologia e na inovação tecnológica. Ci. Inf. Rio de janeiro, v. 8, n. 2, p , ARAÚJO, V. M. R. H.; FREIRE, I. M. A rede internet como canal de comunicação, na perspectiva da ciência da informação. TransInformação. v. 8, nº 2, pag , maio/agosto, Disponível em: < >. BARABÁSI, A.L. Linked: How Everything Is Connected to Everything Else and What It Means. Plume Publishing, BERTOLINI, S.; BRAVO, G. Social Capital, a Multidimensional Concept. Disponível em: <http://www.ex.ac.uk/shipss/politics/research/socialcapital/other/bertolini.pdf>. BOZEMAN. B. Technology transfer and public policy: a review of research and theory. School of Public Policy, Georgia Tech, Atlanta, GA USA. Elsevier Science B.V HANNA, B Business Social Media Benchmarking Study. Media, CASTELLS, M. A. Sociedade em rede. 4 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, CROSS, R.; PRUSAK, L.; PARKER, A. Where work happens: the care and feeding of informal networks in organizations. Cambridge: IKO, Disponível em: <www- 304.ibm.com/jct03001c/services/learning/solutions/pdfs/iko_wwh.pdf>. DONATH, J. S. Identity and Deception in the Virtual Community. In: KOLLOCK Peter. e Marc Smith. (org.). Communities in Cyberspace. Routledge. New York, FREEMAN, L. C. Some antecedents of social network analysis. Connections, v. 19, n. 1, p , 1996.

15 GARVEY, W. D.; GRIFFITH, B. C. Scientific communication in social system. Science, 157, p , setembro, Disponível em: <http://www.sciencemag.org/content/157/3792/1011.full.pdf >. Google Trends Disponível em: <http://www.google.com/trends> Acesso em: 21 de junho de GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, Chicago, v. 78, n. 6, p , maio, Disponível em: <http://ejournals.ebsco.com/direct.asp?articleid=4c8eb6fb89418ff97088>. HANNEMAN, R. A. Introducción a los métodos del análisis de redes sociales. Revista Redes, Disponível em: < LÉVY, P. A inteligência coletiva. São Paulo: Loyola, MARTELETO, R. M. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferências da informação. Ciência da Informação. Brasília, v. 30, n. 1, p , jan./abr., Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=s &lng=pt&nrm=iso&tlng=pt >. Acesso em: 15 de maio de MARTELETO, R. M.; SILVA, Antonio Braz de Oliveira e. Redes e Capital Social: o enfoque da informação para o desenvolvimento local. Ciência da Informação, v. 33, n. 3, Disponível em: <http://revista.ibict.br/index.php/ciinf/article/view/518>. MARTINS, G. J. T.; QUINCOZES, E. R. F.; PEREIRA, M. F.; FIALHO, F. A. P. A contribuição das redes sociais para o desenvolvimento de projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (P, D&I): o caso da Embrapa Clima Temperado. Trabalho apresentado no SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Disponível em: <www.aedb.br/seget/artigos09/290_artigo.pdf>. NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, O REILLY, T. What Is Web 2.0: design patterns and business models for the next generation of software. O Reilly Media, Disponível em: <http://oreilly.com/web2/archive/what-isweb-20.html>. Acesso em: 21 de junho de RECUERO, R. Redes sociais na internet. Coleção Cibercultura. Porto Alegre: Sulina, RECUERO, R.C. Considerações sobre a Difusão de Informações em Redes Sociais na Internet Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sul2007/resumos/r pdf>. ROSA, C. Aplicação da análise de rede social no processo de difusão do conhecimento de tecnologia da informação nas organizações. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Modelagem Computacional) CEPPEV, Salvador: SILVA, M. C. M. Redes sociais intra-organizacionais informais e gestão. Dissertação (Mestrado em Administração). NPGA, UFBA, Salvador: SOUZA, L. Redes sociais como proposta para amplificar a criação do conhecimento em organizações inovadoras. Dissertação (Mestrado) PPCGI. UFPR, Curitiba: TOMAÉL, M. I.; ALCARÁ, A. R.; DI CHARA, I. G. Das redes sociais à inovação. Revista Ciência da informação. Brasília, vol. 34, nº.2. mai/ago p

16 TOMAÉL, M. I. Redes de Conhecimento: O Compartilhamento da Informação e do Conhecimento em Consórcio de Exportação do Setor Moveleiro. 289 p. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) Escola de Ciência da Informação. UFMG, Belo Horizonte: VASCONCELOS, V.; CAMPOS, P. Distributed Informal Information Systems for Innovation: An Empirical Study of the Role of Social Networks. Centeris 2010 Proceedings, Part II, CCIS 110, Springer; October 22, VIANA, M. Redes sociais informais e compartilhamento de significados sobre mudança organizacional: estudo numa empresa petroquímica da Bahia. Dissertação (Mestrado em Psicologia) UFBA, Salvador: VITAL, L.P. Fontes e canais de informação utilizados no desenvolvimento de sistemas em empresa de base tecnológica. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina. Florianópolis, v.11, n.2, p , ago./dez., Disponível em: <http://revista.acbsc.org.br/index.php/racb/article/viewarticle/480/613> WASSERMAN, S; FAUST, K. Social network analysis: methods and applications. New York: Cambridge University Press, 1994.

A disseminação do conhecimento técnico-científico nas redes sociais como apoio à inovação

A disseminação do conhecimento técnico-científico nas redes sociais como apoio à inovação A disseminação do conhecimento técnico-científico nas redes sociais como apoio à inovação Daniela Maria Cartoni 1 RESUMO: Este estudo avalia a contribuição das redes sociais virtuais para a disseminação

Leia mais

Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais. São Leopoldo RS maio 2011

Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais. São Leopoldo RS maio 2011 1 Uma reflexão sobre os processos de mediação em um fórum de discussão a partir da análise de redes sociais São Leopoldo RS maio 2011 Patrícia B. Scherer Bassani Feevale patriciab@feevale.br Setor Educacional:

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Cleidson de Souza DI - UFPA cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles (Wasserman and Faust 1994,

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i a l n o M u n d o W e b 2. 0

W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i a l n o M u n d o W e b 2. 0 Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

Network and Economic Life

Network and Economic Life Network and Economic Life Powell and Smith Doerr, 1994 Antonio Gilberto Marchesini Doutorado DEP INTRODUÇÃO Antropólogos e sociólogos desde bem antes já buscavam compreender como os indivíduos são ligados

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira

Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede. Caroline Brito de Oliveira Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento: possíveis aplicações em uma rede Caroline Brito de Oliveira Rio de Janeiro, 25 de novembro de 2012 Gestão da Informação e Gestão do Conhecimento Gestão da

Leia mais

Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS IMESB NÚCLEO DE ETENSÃO E PESQUISA (NUPES) Identificação da Faculdade: IMESB Titulo do projeto: O USO DAS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE MARKETING DE VAREJO E INSTITUCIONAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método. Prof: Edgar Reyes Junior

Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método. Prof: Edgar Reyes Junior Universidade de Brasilia - UnB Análisis de Redes Sociais: Teoría e Método Prof: Edgar Reyes Junior edreyes@unb.br Ementa Conceitos, teóricos e teorías; Principais medidas de redes sociais; Exemplos de

Leia mais

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1

Resenha. Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO 1 Resenha As redes sociais na internet: instrumentos de colaboração e de produção de conhecimento (Redes Sociais na Internet. Raquel Recuero. Porto Alegre: Sulina, 2009) Fernanda Gabriela Gadelha ROMERO

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA

PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Congresso de Métodos Numéricos em Engenharia 2015 Lisboa, 29 de Junho a 2 de Julho, 2015 APMTAC, Portugal, 2015 PLATAFORMA DE REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA DE ENSINO A DISTÂNCIA Thiago M. R. Dias 1, Elton

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Curitiba PR Maio 2010 Roberto F. Bentes SISTEMA FIEP SENAI roberto.bentes@fiepr.org.br Silvana Martinski SISTEMA FIEP

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL

REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL PÔSTER REDE COLABORATIVA DOS PESQUISADORES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA NO BRASIL Jane Coelho Danuello, Jesús Pascual Mena-Chalco, Ely Francina Tannuri Oliveira Resumo: Esta pesquisa

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA Paula Junqueira 7º CONGRESSO RIO DE EDUCAÇÃO CONSTRUINDO A SUA MARCA A marca é o ativo mais importante, independente do tamanho de sua empresa. As mídias sociais são

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL

MUSEU DA COMPUTAÇÃO DA UEPG: O QUE É O MUSEU VIRTUAL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO

MARKETING EM REDES SOCIAIS RESUMO MARKETING EM REDES SOCIAIS Bruna Karine Ribeiro Simão Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus Nova Andradina bruna_simao@hotmail.com Rodrigo Silva Duran Instituto Federal de Mato Grosso do Sul Campus

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini

SI- Sistemas de Informação. Professora: Mariana A. Fuini SI- Sistemas de Informação Professora: Mariana A. Fuini INTRODUÇÃO A informação é tudo na administração de uma organização. Mas para uma boa informação é necessário existir um conjunto de características

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento 8º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade 02/07/2006 Dr. José Cláudio C. Terra Slide 1 Era do Conhecimento Linha de Montagem Linha de Montagem? Slide 2 Era do

Leia mais

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ 1 AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ Autor(es) e instituição: Prof. Ms. Érica Pereira Neto Prof. Ms. Márcio Cabral da Silva

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

Ciência Tecnologia - Inovação

Ciência Tecnologia - Inovação Ciência Tecnologia - Inovação Tecnologias da informação A Tecnologia da Informação assumiu nos últimos anos um papel imprescindível no contexto das Instituições de Ensino Superior. agilidade flexibilidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO

PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO PROJETO FEDERAÇÃO LUSÓFONA DE BIBLIOTECAS DIGITAIS EM CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO Ferreira, S. M. S.P. 1 Universidade de São Paulo, Escola de Comunicações de Artes Weitzel, S. R. 2 Universidade Federal do

Leia mais