Ruy Duarte de Carvalho: antropologia e ficção na representação do mundo Chaves, Rita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ruy Duarte de Carvalho: antropologia e ficção na representação do mundo Chaves, Rita"

Transcrição

1 Ruy Duarte de Carvalho: antropologia e ficção na representação do mundo Chaves, Rita A vantagem do artista, o seu luxo, assim como seu tormento e sua responsabilidade, é a de que não há limites para o que ele quiser tentar como executante não há limites para seus possíveis experimentos, esforços, descobertas, conquistas. Henry James Uma das características mais constantemente apontadas na literatura angolana é precisamente a sua capacidade de conversar com a história, conversa muitas vezes direta, carecendo em muitos casos daquele espaço de mediação que permite que a linguagem ilumine de maneira mais eficiente a realidade dos tempos. Ao optar por um enfoque em bruto, pautado por uma compreensível urgência de informar, a escrita literária vive o risco de renunciar perigosamente a sua capacidade de oferecer muitas leituras do mundo. Essa vinculação tão nua entre o trabalho artístico e o desejo de explicitar um compromisso com a realidade circundante não excluindo um outro gênero literário, tende a privilegiar a narrativa uma vez que o poema, pela natureza de sua linguagem freqüentemente empenhada na busca de uma certa autonomia em relação ao mundo que lhe serve de referência, parece melhor protegido das tentações de mergulhar de maneira desabrida no desvendamento do cotidiano.ainda que atravessada pela poesia do coração, a narrativa, mais especificamente o romance, como prosa de circunstância - para lembrar de duas belas expressões de Hegel em Os diferentes gêneros poéticos (s/d, p.190) revela-se mais permeável ao cenário sócio-cultural que é o fundamento de sua matéria. Entretanto, porque menos compromissado com padrões estabelecidos, o romance, se por um lado abre-se mais facilmente às pressões do universo em que o autor está inserido e do qual vai procurar tratar páginas afora, por outro lado revela-se capaz de dar corpo a uma sábia mistura em que se condensam a necessidade de documentar e o desejo de criar. Nessa potencialidade própria do gênero reside a noção de generosidade que Roland Barthes reconhece em sua estrutura e assim resume: O romance ama o mundo porque ele o abarca e abraça. Há uma generosidade do romance (que não é negada pela sociologia goldmaniana, em sua linguagem), uma efusão não sentimental porque mediatizada (pensar em Guerra e paz) ( 2005, p. 29) Em síntese, articular produtivamente a dimensão do real com a dose de fantasia adequada ao jogo das revelações é um procedimento que está na estruturação do romance como gênero literário. Se combinarmos o termo fantasia com invenção no domínio da linguagem, podemos chegar a uma espécie de equação que medula o trabalho de escritores destacados nos mais variados sistemas literários. No terreno da literatura angolana, por exemplo, podemos pensar em Ruy Duarte de Carvalho e nos modos diversos de abordar os problemas que estão no seu horizonte de preocupação, como homem, como cidadão, como intelectual, como artista. Suas últimas narrativas (Vou lá visitar pastores, Os papéis do inglês, Actas da Maianga e As paisagens propícias), sem abrir mão do testemunho de um tempo - o seu no país que vive - abrigam e potencializam uma concepção própria da arte de representar o mundo no trabalho literário. Entre essas quatro narrativas, que guardam entre si fundas diferenças, há pontos de aproximação, como a presença de um discurso mesclado, elaborado sobre a atenuação das fronteiras entre os gêneros que o escritor pode cultivar. Diante delas, o leitor

2 experimenta um sentimento afim, que é uma certa perplexidade nascida da dificuldade de distinguir na tipologia convencional a modalidade literária que tem diante dos olhos. E essa é uma sensação que não se desfaz, pois a complexidade estrutural de cada texto reforça a nossa hesitação, muito embora nos vá, ao mesmo tempo, conduzir a algumas convicções. A primeira delas é a qualidade da escrita. Temperada pelo domínio de quem conhece o ofício, a linguagem de Ruy Duarte de Carvalho é densa, singularizada pela recusa a certos facilitarismos tão a gosto do mercado. Não vamos encontrar ali nem a repetição de fórmulas poéticas conhecidas nem o esforço de inovações que, ao atingir um determinado grau de voracidade, pode se voltar contra a própria obra e afastar o leitor. A segunda convicção a que o contato com a obra nos leva está ligada à possibilidade de se verificar que essa mesclagem de modalidades narrativas não é apenas um compromisso programático, mas reflete uma concepção de leitura do mundo centrada em olhares que se movem para exprimir de múltiplas maneiras o que é captado. Podemos dizer que explorando as potencialidades do romance, o autor angolano oferece-nos uma narrativa que, ao aproximar de modo inequívoco ensaio e ficção, inscreve-se como um terceiro gênero, na expressão do já citado Roland Barthes referindo-se a Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust. Em se tratando de Ruy Duarte de Carvalho, seu próprio trajeto sugere pistas para interpretação de algumas marcas inscritas em sua obra. Poeta, ficcionista, cineasta e antropólogo, ele é desses homens para os quais a multiplicidade de instrumentos não significa superficialidade de gesto. Em cada atividade, a linha do rigor é decisiva e assegura a força de um trabalho que requer sempre novas análises. Não é raro, inclusive, vê-lo em confronto com processos marcantes em sua atuação, procurando explicitar algumas idéias a respeito de sua atividade no campo da poesia, do cinema e da antropologia, como podemos ver em A Câmara, a escrita e a coisa dita... É o que encontramos, por exemplo, no texto intitulado Poesia, cinema e antropologia, três pólos de um exercício em ação, apresentado em forma de palestra em algumas universidades italianas em Partindo do rendimento que pode extrair dos jogos entre o som e o sentido, graças aos quais, segundo suas declarações, a palavra se autonomiza e supera os limites do referencial, Ruy Duarte, passando pelo caráter ritualizante do cinema, expõe o seu roteiro na direção de um universo cultural balizado por parâmetros que reclamam a sua atenção e, de certo modo, a sua intervenção: Sou cidadão e agente social num país em que a grande maioria da população se move e se reconhece num quadro conceptual, ou cultural, se quiserem, a que só tem acesso por duas vias. Ou pela via da enculturação, isto é de uma aprendizagem integrada enquanto sujeito desse mesmo quadro, o que não é evidentemente o meu caso, ou pela via de uma aprendizagem que recorra aos instrumentos do conhecimento que possibilita a sua apreensão. Ora esses instrumentos são os da antropologia. (1997, p.113) Tal processo de aprendizagem, que é, claramente, uma via para se aproximar do universo que fez seu, pode ser encarado como um elemento constitutivo da sua inserção no país. Natural no terreno da antropologia, a noção de desempenho será trazida para as outras práticas e, com a radicalidade que caracteriza seus resultados, o trabalho de Ruy Duarte de Carvalho vai procurar remover o visto e/ou esperado e caminhar na direção nem sempre cômoda da ruptura, com reflexos visíveis na estruturação de seu discurso sobre Angola, sobre os angolanos, sobre si próprio e sobre o Outro, em suas mais variadas materializações. Os sentidos da ruptura atravessam essa obra literária, na qual se combinam influxos vindos dos mais diferentes campos. A dimensão de movimento que está na base da

3 linguagem cinematográfica, a energia conferida ao espaço que o cinema também costuma cultivar e o sentido da viagem, que é fundamental na experiência etnográfica, inscrevem-se na sua produção, ganhando maior ênfase nos quatro livros acima indicados. Leitor arguto, Ruy Duarte traz para os seus textos a voz de outros que, nomeados ou não, vêm integrar o seu produtivo diálogo com tradições culturais muito significativas no processo de sua formação, como angolano, como escritor, como antropólogo, como cineasta, como cidadão de um mundo que precisa investir contra certos sectarismos. Nesse sentido, comunga com o Clifford Gertz de O mundo em pedaços : O que precisamos, ao que parece, não é de idéias grandiosas nem do abandono completo das idéias sintetizadoras. Precisamos é de modos de pensar que sejam receptivos às particularidades, às individualidades, às estranhezas, descontinuidades, contrastes e singularidades, receptivos ao que Charles Taylor chamou de diversidade profunda, uma pluralidade de maneiras de fazer parte e de ser, e que devam extrair deles dela um sentimento de vinculação, uma vinculação que não é abrangente nem uniforme, primordial nem imutável, mas que, apesar disso, é real. (2001, p. 196) Em sua prosa, assim como em sua poesia, há um foco sobre as particularidades, as estranhezas, as descontinuidades, espelhando-se na escrita alguns desgovernos da contemporaneidade, definida por outro poeta, o brasileiro Carlos Drummond de Andrade, como tempo de partidos/ tempo de homens partidos (1973,p. 82). A consciência desse estilhaçamento do mundo percorre todas as suas narrativas, sedimentando a crença de que é preciso conjugar as partes para melhor compor o conhecimento que é sempre parcial, portanto sempre sujeito a novos aportes. Daí a presença da viagem que adquire nesse quadro uma função primordial. Como é comum no universo da antropologia, a viagem pode ser mais que a oportunidade de contato, do desembarque em um outro mundo. Basta lembrar seu papel no percurso de Lévi-Strauss e de Michel Leiris, entre tantos outros. Um paralelo entre Tristes trópicos e L Afrique fântome permite compreender a relevância do ato de viajar na formação desses dois etnógrafos franceses cuja obra repercute muito positivamente na produção de Ruy Duarte de Carvalho. De acordo com Fernanda Peixoto: A riqueza do cotejo das duas narrativas reside também na possibilidade de compreensão do processo de formação do etnólogo na França dos anos 30, quando se realizam as primeiras grandes pesquisas de campo. O caminho seguido por ambos, sem formação básica em etnologia, foi a viagem. Ela representou o instrumento necessário para a formação dos profissionais, que na mesma época iniciavam-se no ofício, em campos diferentes: no americanismo, no caso de Lévi-Strauss, no africanismo, no de Leiris. ( 1992, p. ) Na trajetória de Ruy Duarte de Carvalho o trabalho de campo propriamente dito não antecede a busca da antropologia como instrumento de interpretação das realidades que pretende compreender, todavia não podemos afastar de seu itinerário a experiência dos deslocamentos por Angola, seguindo roteiros inusitados no quadro da vida no país. Se o doutorado em antropologia foi feito em Paris, cidade, aliás, a que estão indiscutivelmente vinculados Lévi-Strauss e Leiris, o caminho para a etnografia foi preparado pela poesia e pelo cinema. Talvez por isso, em seus textos o ato de viajar também esteja tão diretamente ligado ao ato de conhecer e se torne central na própria elaboração da narrativa, como demonstra muito especialmente Vou lá visitar pastores. A viagem como elemento constitutivo do saber que se acumula interfere na construção da

4 escrita de que tal saber não pode ser separado. Em nenhum dos textos. Tanto em Os papéis do inglês como em As paisagens propícias, duas narrativas tonalizadas pela melodia da ficção, a errância é nota dominante. Temos um narrador em primeira pessoa que circula pelo sul de Angola e não só. A marca do movimento abre ambos os textos: Saí sozinho, logo que cheguei, para fotografar pedras à volta do acampamento, no regresso atravessei uma linha de água em sítio errado e desfiz o rumo (...) quer dizer, perdi-me. (...) Andei às voltas por me julgar bastante em terreno alheio. (2000, p. 13) Partimos então no jipe, o Paulino e eu, a caminho de Opuho, na Namíbia, pela fronteira de Namacunde, Sta. Clara... Essa foi a primeira viagem... A que estou a fazer agora é a segunda. (2005, p.11) Em Vou lá visitar pastores, a idéia manifesta-se já no título, metaforizada na visita a uma terra distante, muito bem sugerida pelo advérbio lá. E são muitas as viagens aí contempladas. Na verdade, o gesto narrativo é despoletado pela viagem falhada do Filipe, o amigo jornalista que vive em Londres. O combinado era que partissem juntos para os terrenos já muito palmilhados pelo autor em suas pesquisas etnográficas. Todavia o Filipe se atrasa e o tempo interdita a espera.para preparar a viagem do amigo, que, entretanto, ainda pode aparecer, ficam gravadas umas cassetes que vão orientar o percurso do novo visitante. Da transcrição dessas cassetes nasce o texto. Levando em conta que no decurso de toda viagem a bagagem carregada pelo viajante se transforma no contato com os mundos que se cruzam, o narrador faz questão de prevenir: Vais viver situações novas e uma conveniente disponibilidade poderá colocar-te, se o permitires, não só perante o desconhecido que a prática dos outros te há-de revelar mas também face àquele que a tua experiência e a tua sensibilidade vierem a colocar à consciência que é a tua, tributária ela mesma dos tempos e das idades que te tiver sido dado cumprir. (1999, p. 103) Ouvir as cassetes ou ler a sua transcrição conduz a outra forma de viagem. Aquela que se faz pelas palavras, percorrendo, sob a orientação de quem já conhece o espaço, o universo do Outro. Sem dúvida, é o mundo do Outro, esse dos pastores os quais o autor pretende dar a conhecer. Ao leitor do roteiro que o amigo não pôde seguir abrem-se muitas possibilidades de compreender e reorganizar o conjunto de sensações que a experiência comporta. Rigoroso em sua proposta, o narrador estende-se por um somatório de dados que oferecem uma descrição detalhada do quadro em que vem investindo sua atenção há tantos anos. As rondas, como ele muitas vezes refere, teriam começado em 1992, porém o fim da transcrição das cassetes gravadas em 1997 ocorre em 6 de maio de 1998, como está assinalado no fim de seu texto. No decurso desse tempo, sua memória acumulou referências e possibilita um registro de informações que vão da geografia física da região aos resultados das pesquisas a respeito dos kuvales. As questões relativas à mobilidade, à endogamia grupal, à noção de propriedade plural, a laços de parentesco, à relevância do boi na estruturação daquela sociedade, às possibilidades de sobrevivência de quem vive à margem, aos impasses que o contato com outras formas de estar no mundo impuseram estão no texto tratados seriamente pelo autor. Mas não é só daquelas áreas afeitas ao universo etnográfico que ele nos fala. Outros conhecimentos e expectativas de outra natureza são partilhados com os leitores. Os recursos que a literatura disponibiliza são, então, acionados. A metalinguagem, a força imagética da linguagem, as símiles e outras figuras de linguagem quebram a

5 expectativa de um discurso monolítico para dar lugar a uma abordagem orientada pela polifonia, que traz para o interior da narrativa questões que a investigação não esgota, dúvidas de quem, a despeito do rigor e do cuidado empenhados, sabe das limitações que o próprio olhar comporta diante da inesgotabilidade do assunto. Nesse aspecto, os laços de parentesco entre a antropologia e a literatura se apertam: ambos falam do Outro, ambos procuram ter em conta a alteridade. Ao cultivar intencionalmente essa ligação, Ruy Duarte de Carvalho oferece-nos um texto claramente empenhado em romper com limitações, num exercício investigativo de que não podemos afastar a tentativa de se compreender na dinâmica que examina. São significativas as passagens em que o olhar do narrador dirige-se também a si próprio, atualizando um processo de auto-reflexão alimentado neste diálogo com o Outro. Para isso concorrem procedimentos articulados aos efeitos da mobilidade temporal e espacial, o conceito da viagem como rito iniciático, o caráter autobiográfico e a estrutura dialógica. Tais marcas, identificadas por Mohamadou Kane como expressões da sobrevivência da oralidade nos romance moderno, não deixam de ser freqüentes no texto etnográfico a partir dos anos 20. Desse modo, a obra de Ruy, se, nos acompanha nas travessias que o desejo de compreender Angola nos impõe (tal como teria ocorrido com o Filipe) não deixa de nos conduzir também a outras discussões: o papel do antropólogo como ator das pesquisas que desenvolve, a constituição da etnografia como um discurso dialógico, as relações entre antropologia e literatura que ganharam novos contornos a partir dos anos 20. Tendo como referências Lév-Strauss, Michel Leiris, Clifford Gertz, Ruth Benedict, Gregory Bateson, Roland Barthes, sem dispensar a experiência de Darcy Ribeiro e a sedução de Jorge Luis Borges, o autor angolano desempenha o seu papel de produtor de um texto que requer de quem o lê uma atitude também produtiva. São várias as leituras que propõe, completando-se todas na relação viva com o leitor, ou melhor, com os leitores, pois é na diversidade do contato que a palavra pode reafirmar a sua legitimidade. Desse modo, refinando a ligação entre a ficção e o ensaio, entre a ciência e a arte, entre o documento e a poética, Ruy Duarte de Carvalho trabalha para a demissão da chamada autoridade etnográfica, confirmando a argumentação de James Clifford para quem : É intrínseco à ruptura da autoridade monológica que as etnografias não mais se dirijam a um único tipo geral de leitor. A multiplicação das leituras possíveis reflete o fato de que a consciência etnográfica não pode mais ser considerada como monopólio de certas culturas e classes sociais no Ocidente. (2002, p. 57) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE, Carlos Drummond de. Reunião. Rio de Jnaeiro: José Olympio, BARTHES, Roland. A preparação do romance. São Paulo: Martins fontes, CARVALHO, Ruy Duarte de. A câmara, a escrita e a coisa dita... Luanda: INALD, Actas da Maianga. Lisboa, Cotovia, As paisagens propícias. Lisboa, Cotovia, Os papéis do inglês. Lisboa, Cotovia, Vou lá visitar pastores. Rio de Janeiro: Gryphus, CLIFFORD, James. A experiência etnográfica antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, GERTZ, Clifford. O mundo em pedaços: cultura e política no fim do século. In Nova

6 luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, HATOUN, Milton. Laços de parentesco. In PEIXOTO, Fernanda., PONTES, Heloísa, e SCHWARCZ, Lília (org.). Antropologias, histórias, experiências. Belo Horizonte: Editora da UFMG, HEGEL. Estética.v.7. Lisboa: Guimarães, s/d. JAMES, Henry. A arte da ficção. São Paulo: Imaginário, PEIXOTO, Fernanda. O nativo e o narrativo os Trópicos de Lévi-Strauss e a África de Michel Leiris In Novos Estudos n. 33. São Paulo: CEBRAP, Dados sobre os livros do Ruy Duarte de Carvalho CARVALHO, Ruy Duarte de. A câmara, a escrita e a coisa dita... Luanda: INALD, pp. Depósito legal 1451/96. Actas da Maianga. Lisboa, Cotovia, As paisagens propícias. Lisboa, Cotovia, pp. ISBN Os papéis do inglês. Lisboa, Cotovia, pp. ISBN Vou lá visitar pastores. Rio de Janeiro: Gryphus, pp - ISBN X

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1

Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 Estratégias atuais para a mudança na graduação das profissões da saúde Laura C.M. Feuerwerker 1 A mudança na graduação das profissões da saúde segue sendo um tema fundamental para todos aqueles preocupados

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores

Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores Temas geradores Todo processo de ensino-aprendizagem carece de um ponto de partida, algo que serve para desencadear a ação educativa. Os profissionais educadores têm à sua disposição algumas estratégias

Leia mais

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail. MATEMÁTICA E ENEM Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.com Luzia Aparecida de Souza UFMS luzia.souza@ufms.br Resumo Este

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento A existência de núcleos citadinos não é um fenômeno contemporâneo. Na verdade, esses núcleos começaram a surgir

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

Proposta N o 83 Dezembro/Fevereiro de 1999/00

Proposta N o 83 Dezembro/Fevereiro de 1999/00 Avaliação: face escolar da exclusão social? Maria Teresa Esteban* * Doutora em Educação. Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense e Pesquisadora do grupo Alfabetização dos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

Horizontes Artísticos da Lusitânia

Horizontes Artísticos da Lusitânia Carta de Intenções do 1º Encontharte Encontros de História da Arte da Antiguidade 2012 11 de Abril, Lisboa 12 de Abril, Tróia de Setúbal. Horizontes Artísticos da Lusitânia O olhar não se esgota Justino

Leia mais

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas

Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Comunicação em jogo: a relação entre as mudanças organizacionais e as atividades lúdicas Tainah Schuindt Ferrari Veras Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Bauru/SP e-mail: tainah.veras@gmail.com

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA ANDRÉ ANTÔNIO MAGGI SACOLA MÁGICA E LATA LITERÁRIA Claudia

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: a escolha do tema. Delimitação, justificativa e reflexões a cerca do tema.

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Relatório de atividades desenvolvidas - FSM 2005 Marcelo Daniliauskas Atividades desenvolvidas antes

Leia mais

Onde bate hoje o coração da paz?

Onde bate hoje o coração da paz? Homilia de Ano Novo 2008 Onde bate hoje o coração da paz? António Marto Catedral de Leiria 1 de Janeiro de 2008 Paz do coração e paz civil: a bênção da paz Na porta de entrada deste novo ano de 2008, que

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO

O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO O TREM DA SISTEMATIZAÇÃO (idéias construídas coletivamente nos grupos do CFES-SUL) A ESTAÇÃO Trata-se do ponto de partida do processo de sistematização. Neste momento é importante considerar os elementos

Leia mais

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Luísa Kiefer...a nossa experiência diária parece mostrar que nos constituímos como seres que se deslocam pela vida, com a única certeza da

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DE MALINOWSKI PARA A PESQUISA DE CAMPO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

REFLEXÕES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DE MALINOWSKI PARA A PESQUISA DE CAMPO EM CIÊNCIAS SOCIAIS REFLEXÕES ACERCA DAS CONTRIBUIÇÕES DE MALINOWSKI PARA A PESQUISA DE CAMPO EM CIÊNCIAS SOCIAIS Marlon Leal RODRIGUES NEAD/UEMS/UFMS/UNICAMP Antonio Carlos Santana de SOUZA NEC/UEMS Escrever acerca de Malinowski,

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

Publicações sobre as Literaturas Africanas de Língua Portuguesa editadas no Brasil: NARRATIVA, POESIA E ESTUDOS CRÍTICOS.

Publicações sobre as Literaturas Africanas de Língua Portuguesa editadas no Brasil: NARRATIVA, POESIA E ESTUDOS CRÍTICOS. Publicações sobre as Literaturas Africanas de Língua Portuguesa editadas no Brasil: NARRATIVA, POESIA E ESTUDOS CRÍTICOS. Obs: Lista organizada por Maria Nazareth Soares Fonseca (PUC Minas) com a colaboração

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA França, A., & Brazão, P. (2009). Não escolarizem a Expressão Dramática! - uma reflexão sobre a vivência desta forma de expressão enquanto actividade autêntica. In L. Rodrigues, & P. Brazão (org), Políticas

Leia mais

Linguística Aplicada ao ensino de Língua Portuguesa: a oralidade em sala de aula (Juliana Carvalho) A Linguística Aplicada (LA) nasceu há mais ou menos 60 anos, como uma disciplina voltada para o ensino

Leia mais

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando

Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Por uma prática educativa centrada na pessoa do educando Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente participei, no Programa de Mestrado em Educação, da Universidade do Estado da Bahia --- UNEB, Campus de Salvador,

Leia mais

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I:

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I: Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Unidade I: 0 Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Olá Alunos, Na unidade anterior conhecemos e discutimos um pouco a respeito

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99. Luiz Carlos Bresser Pereira

DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99. Luiz Carlos Bresser Pereira DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99 Luiz Carlos Bresser Pereira Quando o Presidente Fernando Henrique Cardoso me disse que o mais importante a ser realizado no Ministério da

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais