PRÉ-REQUISITOS PARA O CÁLCULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÉ-REQUISITOS PARA O CÁLCULO"

Transcrição

1 Veremos qui um breve revisão de oneitos de álgebr neessários pr o estudo do Cálulo. É bom lembrr que voê não pode prender Cálulo sem esses pré-requisitos, priniplmente álgebr, que podemos onsiderr omo lingugem do Cálulo. Frções Abr qulquer livro de Cálulo e, provvelmente, irá deprr-se om um frção não tem omo fugir dels. Ms, pr trblhr om els é neessário que voê onheç lgums regrs que iremos presentr seguir. Regr n o 1 A primeir regr é simples, ms muito importnte, pois pree o tempo todo no estudo do Cálulo: O denomindor de um frção NUNCA pode ser igul zero = ms 5 0 é inde inido. Regr n o : O reíproo de um número ou expressão é seu inverso multiplitivo isso signifi que o produto de lgum ois om seu reíproo é igul 1. - o reíproo de 5 4 é o reíproo de 7 é o reíproo de x 1 é 1 x 1

2 Regr n o 3: Multiplição de Frções A dição de números reis é bem mis fáil do que multiplição, ms no so de frções multiplição é que é mis fáil. Assim, pr multiplir dus frções, bst multiplir os numerdores e, em seguid, os denomindores = = = e b b = d d Regr n o 4: Divisão de Frções Aprendemos que pr dividir um frção pel outr, é neessário inverter segund frção e, em seguid, fzer multiplição = = = 3 (simplifir expressão) Observe que simplifição poderi ter sido feit ntes de multiplir // = = / 1 Regr n o 5: Adição e Subtrção de Frções Aprendemos que pr diionr dus frções, om o mesmo denomindor, bst mnter o denomindor e somr os vlores dos numerdores. 5 ± 5 7 ± = = Agor, pr trblhr om vriáveis, o proedimento é o mesmo, omo podemos ver no exemplo bixo: b ± b ± =

3 As vriáveis omportm-se extmente omo números n dição e subtrção de frções. Assim, qundo tiver que trblhr om vriáveis em um problem qulquer, pergunte-se omo voê o resolveri se, o invés de vriáveis, existissem números no problem. Então, resolv o problem om vriáveis d mesm mneir. Como exemplo, suponh que voê preise resolver o seguinte problem: b ± d ( 0 ed 0) Nesse so, não seri possível resolver o problem, omo no exemplo nterior, pois o denomindor ds frções não é o mesmo. Pense então, omo resolver o problem om números o invés de vriáveis, ou sej, omo lulr som ± 4? 3 5 Pr fzer isso, primeirmente é neessário enontrr o menor denomindor omum (mínimo múltiplo omum) e onverter s frções pr, em seguid, efetur som omo visto nteriormente. O mínimo múltiplo omum entre 3 e 5 é 15 e, portnto, temos que: ± 4 3 ± = ± = + = ± = Agor, voê já está pronto pr resolver o problem iniil ± b. Nesse problem, voê tem um no d lugr do, um no lugr do 3, um b no lugr do 4 e um d no lugr do 5. Assim, repetindo os mesmos pssos seguidos pr lulr som ± 4 voê terá solução pr o problem iniil, ou sej, lulr 3 5 som ± b. d Assim, temos que: Observe que: b d± b ± = d d

4 Regr n o 6: Simplifição de Frções Pr finlizr lguns problems de Cálulo, s vezes é neessário lguns proessos lgébrios dentre os quis dest-se o nelmento. Nesse so, tenh ertez de que voê sbe omo nelr e qundo é que pode fzer isso. Como Cnelr? n frção 4 3 x y ( x 0) x z existem xs que podem ser neldos do numerdor e denomindor (desde que o vlor de x sej diferente de zero), resultndo n frção simplifid 3. x y z Se voê esrever por extenso os xs o invés de usr expoentes, poderá ver lrmente omo isso funion: 4 3 x y x x x x y y y = x z x x z z Agor bst nelr dois xs do numerdor e denomindor: x/ x/ x x y y y x/ x/ z z o que deix voê om 3 x x y y y x y ou. z z z (voê tmbém poderi ter utilizdo regr d potenição num divisão: onserve bse e subtri os expoentes) Um expressão é lgum ois do tipo 3 v w 3 ou xy ou sej, não possui o sinl de igul (se tiver um sinl de igul, então é um equção). As expressões omportm-se extmente iguis s vriáveis. n expressão substituído por ( xy p) terímos ( ) ( ) 4 3. xy p y xy p z 4 3 x y x z se d x é

5 Nesse so, d mesm mneir que nteriormente, poderímos nelr dus ds expressões( xy p) do numerdor e do denomindor obtendo omo resultdo: Qundo Cnelr? ( ) 3 xy p y z. Agor que sbe omo nelr, é igulmente importnte sber qundo voê pode nelr em um frção. o nelmento é permitido em um frção do tipo: ( ) ( + ) 4 b z ( xy p) 3 3 b xy p y d em que o numerdor e o denomindor é formdo por números, vriáveis e expressões unidos pel multiplição (observe que os sinis de dição e subtrção estão dentro de prênteses n multiplição). Nesse so, voê pode nelr um, três bs, e um expressão( xy p) obtendo o resultdo: Agor, no so d frção 3 ( ) ( + ) xy p y d bz não é permitido o nelmento, pois o sinl de dição n frente do x quebr sequêni d multiplição no numerdor. Módulo ou Vlor Absoluto Apens pr motivr definição de módulo, vmos onsiderr o número e su representção n ret, ou sej, P é o ponto de oordend. Vmos indir distâni de P à origem O por. Então, temos que =. Considere gor o ponto Q que represent o número - n ret, ou sej, Q é o ponto de oordend -. Observe que su distâni à origem O tmbém é e é indid por. Então, temos que =.

6 De mneir gerl, se u é um número rel, distâni do ponto que o represent té origem será indido por u e denomindo de módulo ou vlor bsoluto de u. Assim, 5 = 5, 5 = 5, 0 = 0. Resumindo: u u se u 0 = u se u < 0 Um erro bstnte omum, que se omete qundo trblhmos om o módulo de um expressão, é o seguinte: x se x 0 x = (que está inorreto) x + se x < 0 esqueendo-se que n definição de módulo de u tem-se: ou sej, se u= x então Potêni Pr voê trblhr om o Cálulo, é neessário que onheç lgums regrs de potenição. 0 = 1 pr todo 0 1 x 1 = e = x y y ( ) ( ) x x y = = e = = x (Voê pode utilizr ess regr pr onverter um problem, que envolve riz, em um problem mis fáil envolvendo potêni) x y x+ y = = e =

7 3 Não podemos somr om porque vriável não tem mesm potêni. Voê pode somr ou subtrir termos pens qundo prte vriável de d termo é mesm x yz + 5x yz = 7x yz 7 5 x x y ; ; 5 7 y = = = = = (qui voê subtri s potênis) ( 5 ) 5 10 e x ( ) y xy = = = (qui voê multipli s potênis) ( b) 3 b e ( ) x x x x = b = b (qui voê distribui s potênis pr d um ds vriáveis) 3 3 x x e = 3 = x b b b b (qui voê distribui s potênis pr d um ds vriáveis) ( ) + b + b Neste so voê não deve distribuir potêni. Ao invés, fç o seguinte: ( ) ( )( ) + b = + b + b = + b+ b+ b = + b+ b Observe o que ontee se voê, erronemente, utilizr iguldde ( ) + b = + b om números: ( ) 4+ 3 = 7 = = 16+ 9= 5 Rdiição Rízes, em espeil s rízes qudrds, preem o tempo todo no Cálulo. Então, sber omo els trblhm e onheer relção entre rízes e potênis é fundmentl. Qulquer riz pode ser onvertid em um potêni, omo por exemplo, x = x, x = x, x = x.

8 Proprieddes 4= pois = 4 e 16= 4 pois 4 = 16 Apesr de existirem dois números ujos qudrdos vlem 16 (4 e -4) pens o número positivo é que reebe o nome de riz qudrd de 16. Ou sej, 4 é riz qudrd de x = x, x = x, x = x... e ssim por dinte Considere os seguinte problems: ) Determine um número ujo qudrdo é igul 36. b) Determine riz qudrd de 36. Espero que estej lro que se trt de dois problems distintos, om soluções distints. Enqunto o onjunto-solução do problem ) é {-6,6}, o onjunto-solução do problem b) é {6} x = x, x = x... e ssim por dinte 0= 0 e 1= 1 (ms isso voê já sbi, erto?) Voê não pode ter um número negtivo sobre um riz qudrd ou qulquer outr riz ujo índie é um número pr pelo menos não no onjunto dos reis n n x y = x y, x y = x y, x y = nx y 3 x x x x x x =, = 3, = n ( y 0) y 3 y n y y y y n e m n mn x = x = x x = x ( ) m n m n x = x É muito omum utilizr iguldde Ms CUIDADO porque isso é FALSO, ou sej, x + y x+ y. x + y = x+ y omo se el fosse verddeir.

9 Simplifindo Rízes As dus últims oiss que iremos flr sobre rízes é: 1 ) Como simplifir rízes do tipo 400 ou 1600? 500 = 100 5= 100 5= = esrev omo um produto de ftores primos = irule d pr de números = pr d pr iruldo, oloque um número pr for d riz = simplifique ) Por onvenção, não deixmos um riz no denomindor de um frção. no so d frção 5 fzemos o seguinte: = = Logrítmos Um logritmo é pens um mneir diferente de expressr um relção exponenil entre números. Por exemplo, 3 = 9 log 9= (lê-se log n bse 3 de 9 é igul ) 3 Esss dus equções dizem extmente mesm ois, pens estão esrits de mneir diferente. 1) A bse de um logritmo log b pode ser qulquer número mior do que zero e diferente de 1( > 0 e 1). Voê onsegue explir o por que? ) Por onvenção, se bse de um logrítmo for igul 10, então voê não preis esrevê-l, ou sej, log100= signifi que log10 100=. 3) O logritmo de um número n bse e (e,7 onheid omo onstnte de Euler) é esrito ln o invés de log e, ou sej, ln 5 signifi log 5. e

10 Proprieddes log 1= 0 log = 1 ( ) log b = log b+ log b log log b log = log b = log b log logb b= log É muito omum onfundir log nterior só é válid no so de log b om ( log ) b. Ou sej, b. Lembre-se que propriedde 3 3 ( ) ( ) ( ) ( ) log 5 = log 15= 3= 3 log 5 ms log 5 = 1 = 1 3 log 5 = 3 (ess propriedde é bstnte útil qundo tiver que lulr o logritmo de um número qulquer, utilizndo um luldor) log b = b Ftorção Ftorr um expressão lgébri signifi esrevê-l n form de um produto de expressões mis simples. No Cálulo, não são rrs s vezes em que voê preisrá ser pz de ftorr expressões lgébris do tipo: 5xy+ 10yz ou x+ y+ bx+ by A seguir veremos lguns sos de ftorção, que drá voê ondições de ftorr grnde prte ds expressões lgébris om que se deprr no estudo do Cálulo. Csos de Ftorção 1) Ftor Comum A expressão lgébri x y + 10x y + 15x y z ontém o ftor omum olodo em evidêni, ou sej, podemos esrever: ( + + ) 3 5x y xy y 3x z que é form ftord d expressão dd. 3 5x y e, portnto, ele pode ser

11 ) Agrupmento A expressão lgébri ( x y bx by) simples fzendo o seguinte: ( x y) ( bx by) pode ser esrit n form de um produto de expressões mis Agrupr os termos de modo que em d grupo hj um ftor omum. ( x y) b( x y) Color em evidêni o ftor omum de d grupo. ( x y) ( b) + + Color o ftor omum (x + y) em evidêni. obtendo ssim, form ftord d expressão dd. 3) Diferenç de Qudrdos Sber omo ftorr diferenç de qudrdos é essenil: ( b ) ( b )( b ) Sempre que puder reesrever um expressão lgébri n form = + (*) [ ] [ ] voê pode utilizr equção (*) pr obter su form ftord. ( x) ( ) 9x 16= 3 4 Portnto, onsiderndo = 3x e b= 4n equção (*), obtemos form ftord d expressão dd, ou sej, ( ) ( ) ( )( ) 9x 16= 3x 4 = 3x+ 4 3x 4 Um diferenç de qudrdos, ( b ), qudrdos, ( +b ),NÃO pode ser ftord. pode ser ftord, ms um som de 4) Trinômio Qudrdo Perfeito ± b+b Um trinômio é qudrdo perfeito qundo: dois de seus termos são qudrdos perfeitos ( e b ). o outro termo é igul o dobro do produto ds rízes dos qudrdos perfeitos ( b ).

12 ( ) ( ) ( ) x + 6x+ 9= x + x 3+ 3 = x+ 3 ( ) ( ) ( ) 4x 4x+ 1= x x 1+ 1 = x 1 5) Trinômio do segundo gru x + Sx+ P Devemos prourr dois números e b que tenhm som S = + b e produto P = b de mneir que: ( )( ) x + Sx+ P= x+ x+ b ( )( ) x + 5x+ 6= x+ x+ 3 ( )( ) x + x 8= x+ 4 x 6) Som e Diferenç de ubos ( 3 + b 3 ) = ( + b )( b + b ) ( 3 -b 3 ) = ( -b )( +b + b ) Trblhndo om Equções Qudrátis Um equção qudráti é um equção n inógnit x, que pode ser olod n form onde, b e são números reis, om 0. x + bx+ = 0, Voê pode resolver equções qudrátis de três modos diferentes: Modo 1: Ftorção Pr resolver equção x 5x= 6 fzemos o seguinte: x 5x 6= 0 pssmos todos os termos pr o ldo esquerdo deixndo um dos ldos igul zero ( x )( x ) = 0 ftormos o primeiro membro d equção ( x ) ( x ) 6 = 0 e + 1 = 0 igulmos d ftor zero e resolvemos Então, ess equção present dus soluções: x= 6 e x= 1.

13 Modo : A fórmul qudráti Nesse so, solução ou soluções de um equção qudráti, qudráti: x + bx+ = 0, são dds pel fórmul b± b 4 x= Modo 3: Completndo o qudrdo Completr o qudrdo envolve rir um trinômio qudrdo perfeito que voê poderá usr pr resolver um equção qudráti. pr resolver equção proedemos d seguinte mneir: 3x = 4x+ 7, utilizndo o método de ompletr qudrdos, 3x 4x= 7 oloque os termos que ontém x e x de um ldo e onstnte do outro x 8x= 9 divid mbos os ldos pelo oefiiente de x x 8x+ 16= pegue metde do oefiiente de x, eleve o qudrdo e diione o resultdo nos dois ldos d iguldde (metde de -8 é -4 e (-4) = 16) ( x 4) = 5 ftore o ldo esquerdo (observe que o ftor sempre ontém o número enontrdo no psso 3 [ -4 neste exemplo]) ( x ) 4 = 5 x 4=± 5 extri riz qudrd de mbos os ldos, lembrndo de olor o sinl de ± no ldo direito d iguldde. x= 4± 5 x= 9 ou x= 1 Resolv

14 Não omet os seguintes erros! 1. Confundir --x om -(-x) - -5 = 5 ms -(-5) = 5. Confundir ( ) -x om -x ( ) 3 = 9 ms - 3 = 9 3. Esrever -( +b) omo -+b ( ) ( ) x+ 1 x+ x+ 1 x+ 4. Conluir que se x< então x < Nesse so, devemos tomr bstnte uiddo, pois onlusão im só é válid se > Esrever ( ) x+ omo x + b b 6. Confundir om ( ) ( ) = 5 ms 5 = 5 = 5 7. Esrever oiss omo 1 > x > 3, omo sendo equivlente x < 1 ou x > 3 resolvendo desiguldde x 1 >, obtemos omo solução: x 1< 1 ou x 1> 1 x< 0 ou x> Aí, lguém resolve dr um respost urt, e esreve 0> x>. 8. Cnelr um prel do numerdor om um do denomindor, em um frção. s simplifições seguir ESTÃO INCORRETAS:

15 5x+ 5x/ + = = 5 + x x/ x + 5x+ x/ + 5x+ 5x+ = = x + x+ 1 x/ + x+ 1 x+ 1 Ou sej, pr nelr lgum ois do numerdor om lgum ois do denomindor, eles devem preer omo ftores, e não omo prels.

VALOR E PREÇO DE PRODUÇÃO * (A transformação dos valores em preços de produção) Reinaldo A. Carcanholo **

VALOR E PREÇO DE PRODUÇÃO * (A transformação dos valores em preços de produção) Reinaldo A. Carcanholo ** VALOR E PREÇO DE PRODUÇÃO * (A trnsformção dos vlores em preços de produção) Reinldo A. Crnholo ** 1. VALOR E PREÇO DE MERCADO Num rtigo de ríti à teori eonômi mrxist, Böhm-Bwerk sustent que teori do vlor

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE. Faculdade de Ciências TRABALHO DE LICENCIATURA. Tema:

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE. Faculdade de Ciências TRABALHO DE LICENCIATURA. Tema: UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Fculdde de Ciêncis DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA TRABALHO DE LICENCIATURA Tem: Csos Integráveis de Equções Diferenciis Funcionis Autor: Tâni Joquin Tomás Estudnte

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliminr 7 de setembro de ots de ul de ísic 6. ORÇ D TRITO... TRITO... TR TS IJOS... 3 O TRITO O MIROSÓIO... 4 UM ÓRMUL R ORÇ D TRITO... 5 SI O XISTIR ROZMITO... 5 MOVIMTO IRULR UIORM - ORÇ TRÍT...

Leia mais

Nesta publicação e no seu conjunto de potência, as palavras Perigo, Advertência, Cuidado e Aviso (acompanhadas

Nesta publicação e no seu conjunto de potência, as palavras Perigo, Advertência, Cuidado e Aviso (acompanhadas Bem-vindo! Voê esolheu um dos melhores onjuntos de potêni mrítimos disponíveis. Ele inorpor vários reursos projetdos pr ssegurr filidde de operção e durilidde. Com mnutenção e os uiddos dequdos, voê proveitrá

Leia mais

70 Quantos litros de água cabem em um cubo de aresta 8 dm? 71 Determine o volume de um cubo cuja diagonal é D 5 2 3 m.

70 Quantos litros de água cabem em um cubo de aresta 8 dm? 71 Determine o volume de um cubo cuja diagonal é D 5 2 3 m. p. 70 Quntos litros de águ cbem em um cubo de rest 8 dm? 8 dm,, 7 etermine o volume de um cubo cuj digonl é m. m m 8 m 8 m 7 Um piscin tem s seguintes dimensões: m de lrgur, 7 m de comprimento e m de profundidde.

Leia mais

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3 POLINÔMIOS 1. (Ueg 01) A divisão do polinômio a) x b) x + c) x 6 d) x + 6 x x 5x 6 por x 1 x é igual a:. (Espcex (Aman) 01) Os polinômios A(x) e B(x) são tais que A x B x x x x 1. Sabendo-se que 1 é raiz

Leia mais

É assim que se faz PLANEJAMENTO DE OBRAS. Novos métodos e ferramentas de controle de obras ajudam empresas a melhorar a performance

É assim que se faz PLANEJAMENTO DE OBRAS. Novos métodos e ferramentas de controle de obras ajudam empresas a melhorar a performance PLANEJAMENTO DE OBRAS É ssim que se fz SÉRGIO COLOTTO Novos métodos e ferrments de controle de obrs judm empress melhorr performnce Reportgem Mriuz Rodrigues 38 Construção Mercdo n o 12 julho 2002 O plnejmento

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

Criptografia fragilidades? GRIS-2011-A-003

Criptografia fragilidades? GRIS-2011-A-003 Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação Grupo de Resposta a Incidentes de Segurança Rio de Janeiro, RJ - Brasil Criptografia O que é, porque

Leia mais

Existe, mas não sei exibir!

Existe, mas não sei exibir! Existe, mas não sei exibir! Você já teve aquela sensação do tipo ei, isso deve existir, mas não sei exibir um exemplo quando resolvia algum problema? O fato é que alguns problemas existenciais são resolvidos

Leia mais

AV2 - MA 12-2012. (a) De quantos modos diferentes posso empilhá-los de modo que todos os CDs de rock fiquem juntos?

AV2 - MA 12-2012. (a) De quantos modos diferentes posso empilhá-los de modo que todos os CDs de rock fiquem juntos? Questão 1. Num porta-cds, cabem 10 CDs colocados um sobre o outro, formando uma pilha vertical. Tenho 3 CDs de MPB, 5 de rock e 2 de música clássica. (a) De quantos modos diferentes posso empilhá-los de

Leia mais

3 A Iteratividade. 3.1 Automatizando as Células do Excel

3 A Iteratividade. 3.1 Automatizando as Células do Excel 3 A Iteratividade 3. Automatizando as Células do Excel Até o momento a única forma de mostrar ao usuário o resultado da programação era o uso do MsgBox. Essa caixa de saída é uma forma muito próxima do

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Lista de Exercícios 4: Soluções Sequências e Indução Matemática

Lista de Exercícios 4: Soluções Sequências e Indução Matemática UFMG/ICEx/DCC DCC Matemática Discreta Lista de Exercícios : Soluções Sequências e Indução Matemática Ciências Exatas & Engenharias o Semestre de 05 O conjunto dos números racionais Q é enumerável, ou seja,

Leia mais

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a

x 1 f(x) f(a) f (a) = lim x a Capítulo 27 Regras de L Hôpital 27. Formas indeterminadas Suponha que desejamos traçar o gráfico da função F () = 2. Embora F não esteja definida em =, para traçar o seu gráfico precisamos conhecer o comportamento

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

Cálculo Algébrico Simbólico nas nossas escolas: alguns axiomas e exemplos

Cálculo Algébrico Simbólico nas nossas escolas: alguns axiomas e exemplos Cálculo Algébrico Simbólico nas nossas escolas: alguns axiomas e exemplos John F. Mahoney A crescente divulgação dos sistemas de computação algébrica, que actualmente já se encontram disponíveis em alguns

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA DISCIPLINA: FÍSICA - Professor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) AULAS 82, 83 e 84

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DE CURITIBA DISCIPLINA: FÍSICA - Professor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) AULAS 82, 83 e 84 DISCIPLINA: FÍSICA - Professor: Ronald Wykrota (wykrota@uol.com.br) AULAS 82, 83 e 84 ELETRICIDADE: É a parte da Física que estuda os fenômenos que ocorrem com as Cargas Elétricas. É dividida didaticamente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ELETRIZAÇÃO. Eletricidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ELETRIZAÇÃO. Eletricidade UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA ELETRIZAÇÃO Eletricidade ELETROSTÁTICA Carga elétrica Força elétrica Campo elétrico Trabalho e potencial elétrico Capacitância eletrostática ELETRODINÂMICA Corrente

Leia mais

Conjuntos. Lisboa, Março de 2004

Conjuntos. Lisboa, Março de 2004 Conjuntos Grupo de Matemática da Universidade Técnica de Lisboa: António St. Aubyn, Maria Carlos Figueiredo, Luís de Loura, Luísa Ribeiro, Francisco Viegas Lisboa, Março de 2004 O documento presente foi

Leia mais

O ar está pesado. Terra. massa é muito pequena, mas, como existem muitas delas, o peso de todas juntas é considerável.

O ar está pesado. Terra. massa é muito pequena, mas, como existem muitas delas, o peso de todas juntas é considerável. A UU L AL A O ar está pesado Fim de semana, Gaspar vai à praia. Ele mora numa cidade distante do mar, não só distante, como também mais alta do que o mar: é preciso descer a serra. Num momento, durante

Leia mais

Apontamentos de ÁLGEBRA II. Jorge Picado

Apontamentos de ÁLGEBRA II. Jorge Picado Apontamentos de ÁLGEBRA II Jorge Picado Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2006 Índice Introdução 1 1 Anéis e corpos 3 Exercícios 17 2 Anéis de polinómios 23 Apêndice 1 Apontamentos para

Leia mais

Aula 17 Continuidade Uniforme

Aula 17 Continuidade Uniforme Continuidade Uniforme Aula 17 Continuidade Uniforme MÓDULO 2 - AULA 17 Metas da aula: Discutir o conceito de função uniformemente contínua, estabelecer o Teorema da Continuidade Uniforme e o Teorema da

Leia mais

UElementos de Lógica Matemática e Teoria dos Conjuntos. Jaime Campos Ferreira

UElementos de Lógica Matemática e Teoria dos Conjuntos. Jaime Campos Ferreira Α Uma reedição revista pelo autor dos capítulos iniciais das Lições de Análise Real Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico Outubro de 2001 UElementos de Lógica Matemática e Teoria dos Conjuntos

Leia mais

[4] 2) Discuta o artigo desta semana de forma detalhada o suficiente para que o leitor de seu resumo tenha um bom entendimento do artigo.

[4] 2) Discuta o artigo desta semana de forma detalhada o suficiente para que o leitor de seu resumo tenha um bom entendimento do artigo. [1,0] 1) Discuta diferentes estratégias para a seleção do melhor modelo de regressão linear múltipla. Dentre as estratégias para a seleção de modelos é recomendado seguir os seguintes passos: especificar

Leia mais

A sua saúde. o seu bem-estar

A sua saúde. o seu bem-estar A su súde e o seu em-estr Doenç Renl e Qulidde de Vid (KDQOL-SF 1.3) O presente estudo pretende ser como olh pr su súde. Ests informções dr-nos-ão conhecer form como se sente e qul su cpcidde pr desempenhr

Leia mais

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Curitiba Gerência de Ensino e Pesquisa Departamento Acadêmico de Matemática CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Prof AULA 0 - FUNÇÕES.

Leia mais

Objetivas 2012. Qual dos números abaixo é o mais próximo de 0,7? A) 1/2 B) 2/3 C) 3/4 D) 4/5 E) 5/7 *

Objetivas 2012. Qual dos números abaixo é o mais próximo de 0,7? A) 1/2 B) 2/3 C) 3/4 D) 4/5 E) 5/7 * Objetivas 01 1 Qual dos números abaixo é o mais próximo de 0,7? A) 1/ B) /3 C) 3/4 D) 4/5 E) 5/7 * Considere três números, a, b e c. A média aritmética entre a e b é 17 e a média aritmética entre a, b

Leia mais

PROGRESSÕES 1. PROGRESSÃO ARITMÉTICA

PROGRESSÕES 1. PROGRESSÃO ARITMÉTICA PROGRESSÕES 1. PROGRESSÃO ARITMÉTICA Vamos considerar as seqüências numéricas a) (, 4, 6, 8, 10, 1). Veja que a partir do º termo a diferença entre cada termo e o seu antecessor, é constante: a - a 1 =

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. EXPERIMENTO ALEATÓRIO 3. ESPAÇO AMOSTRAL

1. INTRODUÇÃO 2. EXPERIMENTO ALEATÓRIO 3. ESPAÇO AMOSTRAL PROBABILIDADE 1. INTRODUÇÃO Embora o cálculo das probabilidades pertença ao campo da Matemática, sua inclusão aqui se justifica pelo fato da maioria dos fenômenos de que trata a Estatística ser de natureza

Leia mais