O PLANEJAMENTO DA VISITA DE VENDAS. terra.com.br

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PLANEJAMENTO DA VISITA DE VENDAS. e-mail: Washington.tarzan@ terra.com.br"

Transcrição

1 O PLANEJAMENTO DA VISITA DE VENDAS LUIS FERNANDO ZULIETTI Doutor em Ciências Sociais- PUC-SP ( IBTA-SJC/SP) WASHINGTON RODRIGUES Especialista em administração de marketing- FAAP- SJC terra.com.br RESUMO A época do improviso em marketing, do vendedor interessado apenas em garimpar negócios já passou. Atualmente, o profissional de vendas só pode ser considerado como tal se souber planejar suas ações. O roteiro de visitas deve ser planejado para não se perderem oportunidades de venda. Ao administrar seu território de atendimento, o vendedor deverá saber cuidar de seu tesouro tão bem quanto zela pelo bem-estar de sua família. Interpretando as tendências do mercado, o vendedor deverá realizar seu próprio plano de vendas para atender às expectativas dos clientes atuais e potenciais. Dividindo o território por tipo de cliente ou por potencial de compra dos clientes em termos de volume de compras, será possível conhecer melhor as possibilidades de negócio para cada segmento específico e, portanto, planejar melhor as estratégias de vendas. Nenhum planejamento, para ter sucesso, poderá prescindir de uma correta análise da atuação da concorrência e da identificação dos clientes mais importantes através da chamada curva ABC dos clientes. Uma vez classificados os clientes existentes e potenciais em cada segmento de mercado do território de atendimento de vendas, o passo seguinte é a elaboração do planejamento da pré-visita. Palavras chave: CLIENTE POTENCIAL, ANÁLISE DE MERCADO, SEGMENTO DE MERCADO, PLANEJAMENTO DA VISITA.

2 ABSTRACT The time of improvisation in marketing, when the seller was only interested in mining business, has gone. Nowadays, the sales professional can only be considered as such if he knows how to plan his actions. The itinerary of visits should be planned in order not to lose opportunities for sale. In managing his service territory, the seller should know how to take care of his treasure as well as he sees to the welfare of his family. Interpreting the market trends, the seller should conduct his own sales plan to meet the expectations of current and potential customers. Dividing the area by type of customer or potential customer according to purchase volume, it will be possible to better know the possibilities of business for each particular segment, and therefore better plan sales strategies. No planning, to be successful, can lack a correct analysis of the performance of the competition, or lack identifying the most important customers, through the so-called customer ABC curve. Once the existing and potential customers are classified in each sales service territory market segment, the next step is the pre-trip planning. Keywords: POTENTIAL CUSTOMER, MARKET ANALYSIS, MARKET SEGMENT, PLANNING THE VISIT. INTRODUÇÃO As visitas de vendas devem ser planejadas porque interferem diretamente nos resultados do negócio e na qualidade do relacionamento com o cliente. Quando se fala em visitas, a grande falha é exatamente o não-planejamento. O planejamento é a melhor forma de concentrar os esforços de qualquer profissional. Nunca deve-se sair sem rumo por aí. Dentre as ações que definem o bom aproveitamento do plano e até o futuro da empresa diz respeito à identificação clara dos segmentos de mercado que se pretende atender, as estratégias de diferenciação que serão aplicadas para atrair e fidelizar o segmento de mercado escolhido e o posicionamento que a empresa pretende no mercado. As estratégias de segmentação, diferenciação e posicionamento são criticas e se forem equivocadas conduzirão ao desperdício de recursos e possivelmente ao insucesso do plano. De que

3 vale a empresa desenvolver excelentes produtos e oferecê-los aos clientes errados? Ou preparam uma campanha promocional e usar mídias que não atingem o público alvo correto? Usar canais de distribuição incoerentes ou estratégias de preços e qualidade que possam confundir os clientes? Assim, para evitar esses erros, é extremamente importante que os profissionais realizem boas análises internas e externas, para então definir suas estratégias de marketing, que sejam coerentes com o segmento e posicionamento que se deseja alcançar. À primeira vista pode parecer que fazer um plano será um trabalho sem fim, um desperdício de recursos ou que a empresa não tem capacidade para tal. Ou ainda, que ele ficará engavetado como todos aqueles outros anteriormente planejados. 1. O Planejamento da visita de vendas Segundo Kotler (1998) esta é uma das mais importantes tarefas no planejamento das vendas de um campeão. Basicamente, a missão de um vendedor, semelhantemente a do marketing, é o de conquistar e manter clientes. Ou seja, o vendedor divide-se em captar, reter e gerir a sua atual carteira, bem como com perseverança em conquistar ou prospectar novos clientes. Para fazer isso com eficiência, com produtividade, ele precisa planejar a sua agenda, dividindo o seu tempo entre essas três tarefas elementares: captar, reter e prospectar clientes. Existem várias maneiras ou metodologias que podem ser aplicadas nesse planejamento. Conforme Las Casas (1997) dependendo do tipo de negócio ou do tipo de produto, o vendedor deverá concentrar mais o seu esforço na manutenção ou então na prospecção. Se você vende produtos de compra contínua ou de alta reposição, alimentos para supermercados, por exemplo, 60 a 70% do seu tempo deverá ser tomado em dar assistência e assessoria aos seus atuais clientes. Verificar o estoque atual, produtos em falta ou em excesso, a forma como o produto está sendo apresentado na loja, se existe ou não ações de trade marketing, visual merchandising adequado, que iniciativas os concorrentes estão tomando com aquele cliente e que possam comprometer o desenvolvimento e o crescimento da relação comercial com ele. Se assim for, deve-se iniciar o planejamento das visitas em função dos atuais clientes. À proporção que o vendedor for preenchendo sua agenda (70% do tempo), poderá inserir os

4 prospectos em potencial que tem listado e que se encontram na mesma região dos clientes que irá visitar (Idem.). É importar lembrar que deve-se abrir também uma ficha de vistas para esse prospecto, para registrar todas essas visitas, sejam elas bem sucedidas ou não. Se o caso do vendedor for o oposto, ou seja, o tempo dedicado à prospecção ou abertura de novos clientes tem que ser maior, pois o tipo de produto não tem uma alta freqüência de recompra (imóveis ou carros, por exemplo), da mesma forma, o vendedor campeão irá definir 60, 70 ou 80% de seu tempo para prospectar novos clientes, e o restante do tempo será dedicado a manter os atuais clientes, com o propósito de solidificar o relacionamento, ou buscar novas vendas com o próprio cliente ou por meio de indicações feitas por este (LAS CASAS, 1997, p.58). Para Las Casas (1997) outro aspecto importante no planejamento de visitas é que deve-se também deve definir e registrar na ficha do cliente a freqüência que deve-se manter um contato e visitá-lo o que em resumo afunila para um programa de relacionamento com o cliente (CRM Costumer Relationship Management) para que a empresa, possa gerir e reter o cliente. Para Lãs Casas (1997, p.59) em função dos critérios de volume de compra, tipo de negócio, produto comercializado e grau de importância que o cliente representa para a atividade do vendedor, é imprescindível estabelecer quantas visitas deverão ser realizadas e qual a frequência: por semana, mês ou ano. Em certos tipos de negócios o vendedor deve estar no cliente, (não necessariamente falando com ele, às vezes só visitando a loja ou a empresa), pelo menos a cada dois dias. Em outros (veículos, por exemplo) a freqüência de recompra é em média de dois anos. Isso também não significa dizer que o vendedor não possa visitar ou contactar o cliente antes disso (Idem.). Absolutamente, novos produtos podem estar sendo lançados e devem ser oferecidos, familiares ou conhecidos do cliente podem se interessar pela compra do mesmo produto que ele adquiriu ou, ainda, datas importantes para o cliente estão sendo comemoradas (seu aniversário, o de sua esposa e filhos, ou o aniversário da empresa, por exemplo). Nesses casos, é sempre bom que o vendedor esteja se fazendo notar. Afinal, quem não é visto não é lembrado, já nos ensina o dito popular. Mas, para garantir isso, o melhor é planejar suas visitas. Isso exige disciplina e organização, elementos fundamentais para quem busca a excelência em vendas.

5 1.1 A importância da visita aos clientes Para Shiozawa (1993) visitas são absolutamente essenciais para conhecer mais profundamente os clientes atuais e em perspectiva, e obter dados, identificar situações e detectar sinais de perigo que só podem ser observados in loco, e que, às vezes, podem justificar números dos demonstrativos financeiros, ou mesmo antecipar possíveis problemas (alta estocagem, layout problemático, pessoal ocioso, equipamentos parados e motivação insuficiente). Também são fundamentais para compreender cada vez melhor os riscos de crédito e estabelecer entre o cliente e o credor uma atmosfera de confiança mútua que possibilite um relacionamento duradouro e lucrativo, além de vender produtos e identificar oportunidades de novos negócios (Idem.). Segundo Shiozawa (1993, p. 77) obviamente que, para um esforço de visitas ter sucesso, deverá ser freqüente, sistemático, organizado e bem dirigido ao alvo: Freqüente - Para identificar continuamente todos os estágios e acontecimentos que afetam a situação de crédito do cliente. A freqüência será determinada pelo nível de relacionamento que se pretende obter, pelo grau de risco que o cliente apresenta e pelo volume de crédito concedido. Sistemático - Não é uma visita ou visitas esporádicas que permitirão alcançar os objetivos. Às vezes, é necessário acompanhar de forma próxima o cliente ou desenvolver estratégias graduais de abordagem, visando aos novos negócios. Organizado - É necessário identificar exatamente o que se quer saber e estar preparado para responder eventuais perguntas do cliente sobre produtos, serviços, negócios, economia em geral, dentre outros assuntos. Bem dirigido Normalmente, serão várias pessoas, em áreas diferentes (contabilidade, cobrança, exportação, etc.), que darão informações parciais que, sintetizadas e consolidadas, servirão de base para um relatório completo, que possibilite conclusões e definições sobre a estratégia de ação com aquele cliente.

6 É importante no momento de planejar a venda, sentir o cliente. Há muitas situações onde as empresas estabelecem que alguns clientes devem ser visitados quinzenalmente, porém em muitas situações o comprador ou o tomador de decisão, vive uma dinâmica bem diferente do vendedor ou executivo de contas e essa disparidade entre os dois lados, muitas vezes são prejudicados por uma burocracia que a empresa impõe ao vendedor e que muitas vezes ao invés de ajudar atrapalha. Essa freqüência deve ser muito bem analisada, pois há situações em que a empresa pode exagerar na freqüência das visitas e acabar levando ao efeito reverso ao esperado. Uma visita é uma reunião entre duas ou mais pessoas, representando, de um lado, o credor, e de outro, um cliente atual ou alvo para o futuro. A visita deve ser realizada nas instalações do cliente. (é de extrema importância que pelo menos uma vez, durante a relação, o cliente também visite as instalações da empresa de onde ele comprará. Nesta visita novos negócios podem surgir e principalmente, o cliente solidifica a relação e a acreditação na marca com a qual ele trabalha ou trabalhará.) O importante é que ela seja feita com alguém que participe ou influencie no processo de decisão do cliente, ou que forneça informações sobre crédito e negócios referentes àquele cliente (SHIOZAWA, 1993). Visitas bem planejadas podem revelar aspectos subestimados pela análise tradicional. A visita coloca o analista de crédito em melhor posição para tomar uma decisão acertada. A visita ao cliente é insubstituível. É uma oportunidade única de obter uma imagem real do nível de atividade das empresas, em seus aspectos quantitativo e qualitativo, bem como avaliar a sua força e eficiência. Um profissional de crédito pode usá-la para aumentar seus conhecimentos sobre o processo de geração de caixa do cliente e acertar com ele algumas das chaves do cumprimento de pagamentos. Segundo Kotler (1998) os objetivos da visita são sempre dois: acompanhar a evolução da situação econômico-financeira, mercadológica, administrativa e gerencial da empresa e pesquisar novas oportunidades de negócios. Assim, se um cliente atual ou em perspectiva for visitado três ou quatro vezes durante um determinado período de tempo, o analista de crédito terá abordado, nos respectivos relatórios, possivelmente cerca de 60% à 70% dos dados e informações necessárias para elaborar um bom parecer. Uma visita deve ser previamente preparada, e os analistas de crédito devem procurar se munir do maior número de informações sobre as possibilidades de negócios, bem como definir claramente os objetivos. Isso evita demonstrar despreparo ou desconhecimento frente ao representante do cliente, o que poderia tornar a visita dispersiva e improdutiva. É preciso lembrar que, frente ao cliente, o analista de crédito representa e vende a imagem do credor.

7 As informações deverão ser abordadas no relatório de visitas e constantemente atualizadas, materializando o acompanhamento das alterações ocorridas ou que possam vir a impactar os pontoschaves de avaliação, quando isto ocorrer (KOTLER, 1998). A norma fundamental para as visitas é estar sempre preparado. Deve-se estudar o cliente antes e iniciar a reunião com as perguntas brandas e genéricas. As questões mais difíceis têm de ser reservadas para quando o cliente estiver cômodo e relaxado. As perguntas difíceis precisam ser efetuadas no momento adequado. Conforme Kotler (1998, p. 62) os tópicos à serem observados nas visitas são: - instalações: situação física e capacidade produtiva/capacidade de vendas; - fluxo de pessoas; - fluxo de materiais; - estoques: quantidade, localização, qualidade, organização, valor; - funcionários: quantidade, qualidade, grau de satisfação, conversas; - preços praticados em relação ao mercado; - logística de distribuição; - sistema de crédito e cobrança; - estrutura administrativa; - informatização; - assuntos informais; - política de investimentos; - avaliação da linha sucessória; - espaços físicos ociosos; - produção ociosa; - parecer final da visita; - nota final da visita de crédito;

8 - assinatura de quem fez a visita. 1.2 Como administrar o território de vendas Segundo Cobra (1994, p. 164), o plano de visitas do vendedor deve objetivar uma maior penetração no mercado visando a aproveitar toda a sua potencialidade. Para definir a sua estratégia de atuação dentro do seu território de vendas, o vendedor deve realizar o seu próprio plano de marketing, levando em conta, para isso, a identificação dos seguintes passos: Definição dos principais setores onde o mercado possa ser explorado existentes em seu território de vendas; Levantamento de todos os possíveis clientes potenciais existentes em seu território; Avaliação do custo efetivo para atingir os clientes potenciais; Quantificação dos principais clientes existentes na área e das fontes de pesquisa para levantar suas necessidades. Determinação do tempo que cada cliente potencial requer para se tornar um cliente efetivo; Avaliação da sazonalidade dos negócios em seu território. Cobra (1994, p. 164), ainda enfatiza que uma vez identificado o ambiente de negócios em seu território, o vendedor estará ou não apto a planejar mercadologicamente seu método de atuação. Exemplos como o da empresa multinacional Parker Hannifin, além do plano de visitas dos vendedores, a Parker Hannifin possui como estratégia de atendimento uma ferramenta de marketing denominada de Parker Road Show. Programa criado para apresentar e promover os produtos e a tecnologia Parker em âmbito nacional. A intenção do projeto da Parker Hannifin é: Promover a linha de produtos; Apresentar em âmbito nacional a força de venda aos clientes Estreitar o relacionamento com os clientes diretos e da rede de distribuidores Parker; Fixação da marca no mercado; Alavancagem das vendas diretas e de seus distribuidores. 2. Segmentos de mercado

9 Para Cobra (1994, p. 164), há duas maneiras tradicionais de se administrar um território de vendas: uma geográfica e a outra é por segmento de mercado. Ou seja, o vendedor deve identificar todos os clientes atuais e potenciais dentro de uma área geográfica, ou identificá-los por agrupamentos em segmentos de mercado. O agrupamento por segmento de mercado é uma forma de dividir seus clientes em grupos, seja por tipo de negócio do cliente, seja por potencial de compra dos clientes. Para Falzetta (1998) em marketing, o conceito de Segmentação de Mercado significa identificar, num mercado heterogêneo, grupos homogêneos com características semelhantes. Essa identificação é realizada segundo critérios estabelecidos pelo profissional de marketing e ou pesquisa. Os critérios ou, na linguagem mercadológica, as bases mais comuns de segmentação são: Geográficas (região, estado, cidade, vizinhança); Demográficas e Socioeconômicas (sexo, idade, estado civil, escolaridade, renda, grupo étnico, profissão); Benefícios procurados (procura de benefícios específicos no produto, satisfação de necessidades); Comportamentais (comportamento de consumo, grau de uso do produto, lealdade à marca); Psicográficas (valores, atitudes). Já para Ferreira (1999) é importante ressaltar que raramente uma Segmentação de Mercado é realizada segundo um só criterio. Geralmente ela é resultado da combinação de várias características. O conceito de segmentação - aparentemente simples, visto sob a ótica dos Blocos Lógicos - pode tornar-se bastante complexo na medida em que aumentam as características a serem analisadas. Quanto mais variáveis forem utilizadas para a segmentação, mais complexa ela se torna.

10 Os Blocos Lógicos e a Segmentação do Mercado Como um exemplo da exposição anterior, podemos afirmar que uma criança só começará a classificar os Blocos Lógicos de acordo com outros critérios além das cores quando perceber que ela pode também classificá-los de acordo com seu formato, ou com sua espessura, ou com seu tamanho, ou, ainda, de acordo com uma combinação entre seus atributos. Quanto mais combinações realizar, mais complexa a classificação/ segmentação. Segundo Machado (2004) no caso dos Blocos Lógicos, quanto mais atributos forem selecionados para a classificação, maior será a quantidade de grupos formados, menor será a quantidade de peças em cada grupo e maior será a semelhança/homogeneidade entre as peças de um determinado grupo. Para ficar claro, vejamos alguns exemplos. Comecemos pelo exemplo citado anteriormente: o agrupamento por cores. Como há somente três cores distintas no conjunto de Blocos Lógicos, é possível formar três grupos e cada um deles terá dezesseis peças da mesma cor: grupo um (com dezesseis peças vermelhas), grupo dois (com dezesseis peças azuis) e grupo três (com dezesseis peças amarelas). A diferença "interna" das características das peças de cada grupo começa a diminuir uma vez que as peças de um determinado grupo são, neste caso, apenas diferentes com relação a cor e espessura. Nota-se que, neste simples exemplo, há quinze critérios de segmentação possíveis - efeito das combinações das características/atributos das peças. Essas segmentações resultam desde dois grupos com vinte e quatro peças cada até quarenta e oito grupos com uma peça cada. E o mais importante: qualquer que seja o critério escolhido, sempre haverá, em cada grupo, semelhanças e diferenças com os demais grupos. Não há uma peça totalmente igual a outra nem totalmente diferente de outra; haverá, sempre, algum aspecto em comum. O critério de agrupamento é que as separou das outras peças, mas ele não anulou suas características. Tanto que uma mesma peça (com suas características inalteradas) pode pertencer a um grupo em um determinado momento e a outro grupo em outro momento - dependendo do critério de agrupamento (Idem). Como analisar o mercado Para Cobra (1994, p. 164), para dividir o território de vendas por segmento de mercado é preciso realizar uma análise prévia do mercado, para se identificar todos os possíveis usos dos produtos do vendedor em cada mercado específico.

11 Com base nessas informações, o vendedor pode planejar as suas visitas de vendas de forma a otimizar o esforço de vendas, para cada específico segmento de mercado. Uma outra vantagem da análise de vendas, enfatiza Cobra (1994, p. 165), é permitir a determinação do potencial de mercado para cada segmento. Definindo o perfil você já consegue segmentar. Como analisar a concorrência Antes de planejar cada visita a um cliente, é importante que o vendedor saiba como está atuando os seus concorrentes, mas muito cuidado com isso, para que o vendedor não fique sem um padrão, sem um modelo de visita e vive somente em função de o que a concorrência está fazendo. É importante que se desenhe um padrão de visitas, onde se conheça a concorrência a título de poder sim, se contrapor a um ataque do cliente. É lógico, se a partir de um padrão já existente, você visita um cliente e sabe que o seu concorrente, que atende esse cliente, trabalha com outras formas, você já vai prevenido para anular ou minimizar as ações da concorrência, pois tentar também só anular o concorrente, levará o vendedor a uma infinita tentativa de invalidar a concorrência, principalmente se o mercado for agressivo e competitivo como o automobilístico, por exemplo. Conhecendo os principais concorrentes em termos de volume de vendas, reputação, preço, qualidade, serviços ao cliente, participação de mercado, crescimento e estabilidade financeira, fica mais fácil para o vendedor estabelecer uma programação de visitas para neutralizar essas ações (Cobra 1994, p. 165). O autor enfatiza que para cada segmento de mercado existem diferentes valorizações acerca de produtos ofertados e de serviços esperados Dessa maneira, o trabalho do vendedor deve ser direcionado para, em cada visita, obter o melhor resultado possível frente à concorrência. 3. COMO ANALISAR O CLIENTE 3.1 Analizando o cliente

12 Cobra (1994, p. 165) afirma que a análise de clientes é o caminho para obter bons resultados de um território de vendas e permitir ao vendedor poder dedicar mais tempo aos clientes mais importantes, estabelecendo prioridades de visitas. A partir da identificação dos clientes mais importantes, o objetivo da visita pode tornar-se mais adequado ao trabalho do vendedor. Ou seja, o vendedor precisa conhecer as necessidades de cada cliente e sua potencialidade de compra. Pela lei de Pareto, a também chamada lei 80/20, apenas 20% dos clientes são, em geral, responsáveis por 80% do faturamento da empresa e 80% dos clientes restantes respondem por apenas 20% das vendas (Idem.). Dedicar tempo e recursos aos clientes mais importantes exige uma análise prévia do potencial de compras de cada cliente, bem como do cálculo de tempo de visita a esses clientes, com base na análise da margem de rentabilidade de cada cliente. Utilizando mais uma vez o exemplo da empresa Parker Hannifin, sempre posteriormente ao evento do Parker Road Show, sua equipe de vendas faz a segmentação dos clientes que visitaram o evento com potencial de negocios e montam o planejamento de vendas. 3.2 Classificação de Clientes Cobra (1194, p. 165) enfatiza que, a partir da curva ABC de clientes, é possível classificar cada cliente de acordo com o seu potencial de compras. Assim, os clientes A podem ser classificados como mais importantes, os clientes B como medianamente importantes e os clientes C como os menos importantes. Feita a classificação, é possível determinar a freqüência da visita a cada cliente. Assim, por exemplo, os clientes A poderiam receber uma visita semanal, ou seja, quatro visitas por mês; os clientes B receberiam duas visitas por mês e os clientes C apenas uma visita por mês. Uma vez realizada a classificação de cliente, o vendedor deve identificar os clientes potenciais mais importantes à serem prospectados através de um sistema criativo de prospecção de clientes. Isso varia de vendedor para vendedor (Idem.).

13 3.3 Satisfação dos Clientes Para Kotler (1998) o conceito de satisfação é o sentimento de prazer ou de desapontamento resultante da comparação do desempenho esperado pelo produto ou resultado em relação às expectativas da pessoa. Segundo este conceito, a satisfação está ligada diretamente à percepção do cliente em relação às expectativas criadas por ele, se o retorno oferecido pelo serviço prestado for menor que o esperado ele estará insatisfeito, se for o esperado, estará satisfeito e se exceder suas expectativas, estará altamente satisfeito. Os consumidores criam suas expectativas através de experiências anteriores, experiências de compras anteriores de amigos e até mesmo de informações e promessas de empresas e concorrentes. Se a empresa cria expectativas elevadas, há possibilidade de não se conseguir atender estas expectativas, criando assim um cliente insatisfeito (Kotler, 1998). Com base em Kotler (1998), pode-se entender que parte da satisfação do cliente está relacionado no chamado Marketing de Relacionamento onde é praticado a construção de relacionamento de satisfação a longo prazo com seus consumidores, para reter sua preferência. Já para Las Casas (1997) as empresas adotaram a prática de satisfazer seus clientes devido à concorrência acirrada encontrada em certos mercados e também o crescimento de consumidores mais exigentes e que procuram maior atenção por parte dos empresas. Porém se percebe que muitas empresas dizem estar dando atenção aos seus clientes, mas na prática sabe-se que são poucas que realmente aplicam uma orientação verdadeira. Muitos alegam que a dificuldade de implantação desta filosofia é o elemento humano, o lado pessoal de qualquer técnica administrativa, se esbarra em fatores culturais. 3.4 Como analisar a satisfação do Cliente Uma maneira de analisar a satisfação é através de um questionário. A empresa deve adaptar as perguntas conforme a necessidade da satisfação, a aplicação do questionário deve ser feita de forma periódica no qual o assunto abordado pode ser bastante variável (Las Casas, 1997).

14 Algumas preocupações para analisar a satisfação do cliente de acordo com Kotler (1998), as empresas precisam entender que as expectativas de cada consumidor são diferentes umas das outras, com isso é necessário entender os seus clientes, e compreender que eles podem estar satisfeitos ou não no momento em que preenchem o questionário, mas em outras situações serem totalmente diferentes. Porém além dos questionários as visitas também podem gerar informações e sentimentos sobre o cliente, que o papel (questionário) não levará! Uma outra preocupação do vendedor deve ser quanto a disponibilidade e o compromisso do cliente em responder questionários. 3.5 O sucesso da visita de venda Segundo Las Casas (1997, p.87) para alcançar o sucesso na visita de vendas, é necessário seguir algumas dicas, simples, embora extremamente importantes: # Identifique os clientes em potencial. Identifique aqueles com maior possibilidade de se tornarem. E para qualificá-los, procure o máximo de informações sobre o cliente em potencial. Conheça-o bastante a fim de adequar sua oferta às necessidades dele. # Defina os objetivos de sua visita de vendas. Se você pensa que o objeto de uma visita de vendas é unicamente vender o produto, está enganado. Outros objetivos podem ser vislumbrados e nem sempre a venda se dá a partir de uma única visita. # Planeje sua estratégia de persuasão.

15 Las Casas (1997) faz alguns questionamentos para encontrar a resposta correta: quais mecanismos específicos de persuasão você irá utilizar? Adotará uma postura baseada em poder? Ou em credibilidade? Ou, ainda, no estilo de venda? Os formatos de uma visita de vendas podem variar, indo desde os muito formais e estruturados, em que o vendedor repete um discurso memorizado, aos não-estruturados, nos quais vai incluindo informações sobre o produto em uma conversa informal com o cliente. Planeje o formato que você utilizará. Quer sua apresentação seja estruturada ou nãoestruturada, o conteúdo deve demonstrar como seu produto pode beneficiar o cliente. Isso significa que você deve chegar em sua visita de vendas com total conhecimento de seu produto e dos produtos de seus concorrentes. Não acredite que um bom planejamento seja suficiente para uma visita de vendas eficaz. Exercite o planejado, faça testes. Depois disso, verifique qual a melhor data para se encontrar com o cliente. # Faça perguntas e enfatize os benefícios e não as características. Las Casas (1997) ainda enfatiza que diversas informações sobre o cliente ainda podem ser conseguidas na própria visita de vendas. Ouça, ouça e ouça. Com muita atenção. As características de um produto por si só não vendem um produto. É preciso que o cliente saiba quais benefícios ele obterá a partir destas características. # Esteja preparado para as objeções. fácil. Elas aparecerão e você terá de enfrentá-las. Se você se preparou anteriormente, fica mais # Preste atenção aos sinais do cliente, e em caso positivo, feche a venda. Se por um lado você deve tomar cuidado com sua comunicação não-verbal, por outro, fique atento para os sinais transmitidos pelo cliente. Eles podem indicar se a visita deve continuar ou não,

16 se está na hora do fechamento, etc. Existem vários tipos de fechamento de uma venda. Identifique rapidamente o mais adequado para a situação. E não fuja. # Lembre-se de prometer apenas o que pode cumprir. Se prometeu, cumpra. A venda não acaba com a "venda". Você terá que cumprir todas as promessas feitas ao longo da visita. Assim, prometa o que pode cumprir. Garanta que tudo que foi prometido ao cliente seja cumprido. Você é o intermediário entre ele e sua empresa. (ou área) # Não misture seus problemas pessoais com os problemas do cliente. Para o cliente não interessa seus problemas pessoais ou os problemas de sua empresa (ou área). Resolva os dele. # Faça follow-up em quantidade adequada. Não se esqueça de seu cliente. Nem o procure todo dia. # Assuma o problema do cliente como se fosse seu. Não passe o problema do cliente para outra área. Assuma sua responsabilidade. # Agradeça a comunicação do cliente. Segundo Las Casas (1997) muitos vendedores se esquecem de agradecer a oportunidade que lhes é oferecida a partir de um contato pós-venda. Mostre ao cliente a importância deste contato. E agradeça-o.

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno O Guia do Relacionamento para o corretor moderno Introdução 3 O que é marketing de relacionamento 6 Como montar uma estratégia de relacionamento 9 Crie canais de relacionamento com o cliente 16 A importância

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Aprenda a vender VOCÊ, suas IDEIAS, PRODUTOS e SERVIÇOS

Aprenda a vender VOCÊ, suas IDEIAS, PRODUTOS e SERVIÇOS WORKSHOP COACHING APLICADO PARA O DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS - Comunicação, Marketing, Negociação e Vendas para Empresários, Vendedores e Profissionais Liberais Aprenda a vender VOCÊ, suas IDEIAS, PRODUTOS

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução.

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Pesquisa de Mercado O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto decorre um modelo genérico de decisão,

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

Pesquisas quantitativas etapas iniciais

Pesquisas quantitativas etapas iniciais A U L A 5 Pesquisas quantitativas etapas iniciais Metas da aula Apresentar as condições para realização de pesquisas quantitativas; estabelecer os procedimentos que norteiam as pesquisas de mercado com

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

2 Karla Santiago Silva

2 Karla Santiago Silva Marketing:Administrando Desafios e Gerando Necessidades Karla Santiago Silva Índice 1 Marketing e A Nova Ordem de Mercado 1 2 Marketing, gerador de necessidades 3 3 Mas afinal de contas qual é o papel

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE Tópicos a serem apresentados: O que é? Para que serve? Objetivos do Curso. Conteúdo Programático. Empresa As Pessoas O Produto O serviço Atendimento Competitividade Tipos de Clientes

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução Segmentação de mercado é o processo de dividir mercados em grupos de consumidores potenciais com necessidades e/ou características semelhantes e que provavelmente exibirão

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Combinar peças de mala direta criativas, concisas e sistemáticas com telefonemas, como um meio de formular uma estratégia de exploração e qualificação de prospects (clientes potenciais) mais eficaz

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CRM estratégico criamos uma série de 05 artigos 100

CRM estratégico criamos uma série de 05 artigos 100 Sabemos que muitas empresas enfrentam sérios problemas na administração de suas carteiras e no relacionamento com seus clientes e que apesar de conhecerem os problemas e até saberem que uma iniciativa

Leia mais

DVD TRAINING WORKSHOP

DVD TRAINING WORKSHOP DVD TRAINING WORKSHOP BOX - NEGOCIANDO PARA GANHAR Estilo: Negociação Formato: 5 DVD s com aproximadamente 150 min de duração Investimento: R$399,00 + frete Principais tópicos: Como ouvir melhor tudo pode

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS CAUÊ SAMUEL SCHIMIDT 1 FERNANDO GRANADIER 1 Resumo O mercado atual está cada vez mais competitivo e para sobreviver nesse meio, é necessário

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/ Dando continuidade a nossa série de artigos dos 100 motivos para implantar um CRM, chegamos a nossa quinta parte, porém como ainda faltam 32 motivos resolvemos liberar a quinta parte em duas etapas para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt*

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Quando falamos de captação de recursos para uma organização, podemos estar falando em captação de dinheiro, de materiais, de produtos,

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Inovação & Criatividade

Inovação & Criatividade PORTFÓLIO DE TREINAMENTOS O cursos, treinamentos e palestras da KaminskiAvalca Consultoria Empresarial possuem índice de satisfação superior a 95%. Realizados de forma dinâmica e prática, buscam utilizar

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Profa. Reane Franco Goulart

Profa. Reane Franco Goulart Sistemas CRM Profa. Reane Franco Goulart Tópicos Definição do CRM O CRM surgiu quando? Empresa sem foco no CRM e com foco no CRM ParaqueCRM é utilizado? CRM não é tecnologia, CRM é conceito! CRM - Customer

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Teste. Hirata Consultores & Associados Ltda.

Teste. Hirata Consultores & Associados Ltda. Teste Página 2 % Especialista Barganhador Confrontador Provedor Articulador Sonhador MIN 47,04 37,00 23,02 46,15 27,05 18,24 AUTO 15,49 0,40 25,58 73,78 99,00 82,34 MÁX 79,07 54,9 52,91 75,53 52,57 46,59

Leia mais

O Antídoto para o Manual do Comprador Marc Burbridge e Sérgio Costa

O Antídoto para o Manual do Comprador Marc Burbridge e Sérgio Costa O para o Manual do Comprador Marc Burbridge e Sérgio Costa Recebemos uma cópia do chamado Manual do Comprador e concluímos que precisávamos apresentar o antídoto, conforme indicado abaixo. Dica 1. Nunca

Leia mais

Marketing e Comunicação Cláudio Pessanha

Marketing e Comunicação Cláudio Pessanha Marketing e Comunicação Cláudio Pessanha Vamos Discutir... Um produto fala? Mesmo sendo esse produto um chinelo? Leiam o texto abaixo e falem comigo. Um produto tem o poder de falar por si só? E de que

Leia mais

Venda Consultiva Uma nova visão sobre a venda de seguros!

Venda Consultiva Uma nova visão sobre a venda de seguros! Venda Consultiva Uma nova visão sobre a venda de seguros! Palestra - 2009 Prof.: Rodrigo Maia Rodrigo Maia Publicitário, pós graduado em gestão e recursos humanos. Dez anos de experiência no mercado de

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Para construir marcas com resultado, vá direto ao ponto.

Para construir marcas com resultado, vá direto ao ponto. Para construir marcas com resultado, vá direto ao ponto. Nas próximas páginas, você vai acompanhar a campanha de valorização do marketing direto que mostra como essa disciplina permite estabelecer um relacionamento

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais