Instituto Politécnico de Setúbal. O Conhecimento como Paixão. A Engenharia como Profissão!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Politécnico de Setúbal. O Conhecimento como Paixão. A Engenharia como Profissão!"

Transcrição

1 O Conhecimento como Paixão A Engenharia como Profissão!

2 Cursos de Engenharia Cursos de Tecnologia Engenharia do Ambiente Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação Engenharia Electrotécnica e de Computadores Conservação e Restauro Tecnologia e Gestão Industrial Engenharia Informática Engenharia Mecânica Engenharia Biomédica

3 Nome do Curso: Conservação e Restauro Grau conferente: Licenciatura Duração: 3 anos

4 Objectivos: Formar profissionais com conhecimento e compreensão aprofundados dos materiais que constituem os bens culturais, dos processos tecnológicos envolvidos no seu processamento, bem como dos fenómenos conducentes à degradação do património. Desenvolvimento de competências que permitam uma visão do património no seu contexto históricocultural e artístico. Este enquadramento facultará competências e uma postura profissional no correcto diagnóstico de estados de degradação de bens culturais, na aplicação de métodos e técnicas de exame e análise a objectos culturais, e no desenvolvimento de acções de conservação preventiva, de conservação curativa e de restauro.

5 Competências: Integrar equipas de projecto de inventariação e salvaguarda do património cultural Integrar equipas de projecto de conservação e restauro de bens culturais móveis Diagnosticar estados de degradação de bens culturais Colaborar em acções de conservação preventiva, de conservação curativa e de restauro Realizar peritagens e avaliação de bens culturais Integrar projectos de divulgação, sensibilização e promoção cultural.

6 Áreas de Actividade: Saídas Profissionais: Autarquias Organismos tutelares do património Serviços de inventariação de bens culturais móveis Gabinetes de estudos integrados de Conservação de Monumentos Laboratórios de conservação e restauro Empresas especializadas em conservação e restauro Empresas de divulgação e promoção cultural Comissões de bens culturais da Igreja Equipas pluridisciplinares em projectos de conservação

7 Organização Curricular: 1º Ciclo que confere o grau de licenciado Organização semestral Em média com 5 unidades curriculares por semestre 3 anos de formação Grande percentagem de aulas laboratoriais Estágio em ambiente profissional no último semestre do curso

8 ECT S: 30 ECTS por semestre 60 ECTS por ano 180 ECTS em 3 anos de licenciatura

9 ECT S por área científica: Área Científica Conservação e Restauro Controlo e Processos/Química e Ambiente Mecânica de Meios Sólidos Arte Matemática Instrumentação e Medida Informática Tecnologia e Organização Industrial Ciências Empresariais e Comunicação Créditos 47,0 37,0 32,0 24,0 13,0 7,0 6,0 5,5 8,5 TOTAL 180

10 Metodologia pedagógica: Pretende-se promover o contacto precoce dos alunos com temas de Conservação e Restauro, por forma a motivá-los desde o início para a aquisição de competências. Estão previstas, em várias unidades curriculares, a realização de visitas de estudo e de seminários. O envolvimento de duas escolas do IPS na preparação e leccionação deste curso permitirá conferir aos alunos uma visão alargada e abrangente das temáticas abordadas, bem como o intercâmbio e a análise de diferentes pontos de vista de experiências e de saberes. A partir do 3º semestre os alunos terão maioritariamente unidades curriculares aplicadas à conservação e restauro de diferentes tipos de bens culturais móveis, tendo estas unidades curriculares uma forte componente laboratorial e de estudo de casos em ambiente de trabalho real. No último semestre do curso os alunos realizarão um estágio curricular em ambiente empresarial.

11 Cursos de referência: Universidade Técnica de Munique e a Universidade de Camerino A organização do plano de estudos da Universidade Técnica de Munique e da Universidade de Camerino é semestral e de duração inferior a 5 anos. Nestas instituições as unidades curriculares da área de Ciência e Tecnologia (Química e Materiais) são intercaladas com as da área de Arte, tal como no curso proposto. De forma análoga também as unidades curriculares da área de Conservação e Restauro são preferencialmente leccionadas nos últimos semestres do curso.

12 Plano Curricular: 1º Semestre Análise Matemática I Introdução à Conservação de Bens Culturais Química I Técnicas de Laboratório e Segurança História dos Materiais 3º Semestre Desenho Técnico Introdução aos Materiais História de Arte I Materiais Cerâmicos e Vidro Química-Física 5º Semestre Técnicas de Exame e Análise II Engenharia Inversa Aplicada à Conservação e Restauro Conservação e Restauro de Extractos Pictóricos Conservação e Restauro de Metais Economia e Arte 2º Semestre Desenho Artístico Introdução à História de Arte e Arqueologia Informática Conservação Preventiva Probabilidades e Estatística 4º Semestre Técnicas de Exame e Análise I Biodegradação História de Arte II Polímeros em Conservação e Restauro Química Aplicada 6º Semestre Conservação e Restauro de Materiais Cerâmicos e Vidro Conservação e Restauro de Suportes Audiovisuais Conservação e Restauro de Materiais de Origem Biológica Estágio

13 Outros itens: O curso é leccionado em colaboração com o Museu de Setúbal, a fim de facultar a aquisição de competências em ambiente real por parte dos estudantes na prática de conservação e restauro.

14 Concurso Nacional Vias de acesso: 12º ano + Prova(s) de Ingresso Concurso Prova(s) de Nacional: Ingresso: Geometria Descritiva ou História das Artes Visuais ou Física-Química Concurso Especial Local para + 23 anos Avaliação dos candidatos: -Análise de Currículo (50%) - Prova de Conhecimentos (30%) - Motivação (20%)

15 Cursos de Especialização Tecnológica (CET s): Vias de acesso: Acesso directo às Licenciaturas Cursos em todas as áreas de formação Certificação e Diploma: * Certificado de aptidão profissional de nível IV * Diploma de Especialização Tecnológica (DET)

16 Cursos de Especialização Tecnológica (CET s): Vias de acesso: O que é o CET ESTSetúbal/IPS? Uma Formação Pós-Secundária não superior, com a duração de 1500 horas (1 ano lectivo incluindo estágio) que permite aprofundar conhecimentos científicos e tecnológicos no domínio da formação profissional de base, desenvolver competências para o exercício profissional qualificado e permitir a continuidade do percurso formativo através do ingresso nas Licenciaturas da ESTSetúbal/IPS. Público-alvo: * Alunos que concluíram o 12º ano; * Alunos que possuem nível III em área afim ao CET (cursos profissionais e tecnológicos) * Titulares de um CET ou de um grau/diploma de Ensino Superior (requalificação profissional) * Maiores de 23 anos

Mestrado Integrado em Engenharia Física

Mestrado Integrado em Engenharia Física DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 1 Mestrado Integrado em Engenharia Física Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 1 DGES

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL QUEM SOMOS? QUEM SOMOS? INSTITUIÇÃO PÚBLICA QUEM SOMOS? ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO QUEM SOMOS? 12 CET + 29 LICENCIATURAS + 24 MESTRADOS QUEM SOMOS? MAIS DE 6000 ESTUDANTES

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Instituto Politécnico de Setúbal www.estsetubal.ips.pt Vias de Acesso às Licenciaturas da ESTSetúbal/IPS 12º Ano + Prova(s) de Ingresso Concurso Nacional Preferências:

Leia mais

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Engenharia Electrotécnica e de Computadores Área de Especialização em Energias Renováveis e Sistemas de Potência Edição 2007/2008 Enquadramento Especialização de Energias Renováveis e Sistemas

Leia mais

Produção Aeronáutica

Produção Aeronáutica Curso Técnico Superior Profissional Curso Técnico Superior Profissional Produção Aeronáutica 2016/2017 www.ips.pt facebook.com/instituto.politecnico.setubal CTeSP o que são? Cursos Técnicos Superiores

Leia mais

Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica. Edital 2013/2014

Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica. Edital 2013/2014 Pós-graduação Tecnologia Aeronáutica Edital 2013/2014 Setúbal, dezembro de 2012 ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS O curso de Pós-Graduação em Tecnologia Aeronáutica (PGTA) é uma realização da Escola Superior

Leia mais

Oferta Formativa Ensino Secundário

Oferta Formativa Ensino Secundário Oferta Formativa 2012017 Ensino Secundário Que caminho seguir Cursos gerais Cursos profissionais INTERESSES APTIDÕES EMPREGABILIDDAE O teu futuro profissional começa agora Faz uma escolha ponderada e consciente

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA ALIMENTAR, BIOTECNOLOGIA E NUTRIÇÃO 1. Introdução PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2012 Ao abrigo dos Estatutos da Escola Superior Agrária de Santarém (ESAS) (DR N.º 125 (II Série)

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE INSTITUTO POLITÉCNICO DE

Leia mais

Sistema Educativo de Portugal

Sistema Educativo de Portugal Departamento de Ciências da Educação Curso de 1.º Ciclo em Ciências da Educação Unidade Curricular: Educação Comparada Ano lectivo - 2009/2010 2.ºAno 1.º Semestre Sistema Educativo de Portugal Investigação

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL QUEM SOMOS? QUEM SOMOS? INSTITUIÇÃO PÚBLICA QUEM SOMOS? ENSINO SUPERIOR POLITÉCNICO QUEM SOMOS? 12 CET + 29 LICENCIATURAS + 24 MESTRADOS QUEM SOMOS? MAIS DE 6000 ESTUDANTES

Leia mais

Jornadas de Higiene e Segurança no Trabalho. Azores Safe. Ribeira Grande 13 e 14 de outubro de 2016

Jornadas de Higiene e Segurança no Trabalho. Azores Safe. Ribeira Grande 13 e 14 de outubro de 2016 Jornadas de Higiene e Segurança no Trabalho Azores Safe 2016 Ribeira Grande 13 e 14 de outubro de 2016 A formação superior Carlos Gomes de Oliveira ENGENHARIA é: a prática da aplicação segura e económica

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS)

PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) PROGRAMA INTEGRADO DE FORMAÇÃO AVANÇADA EM TURISMO (2º E 3º CICLOS) MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES TURÍSTICAS (2º CICLO) MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DOS DESTINOS TURÍSTICOS (2º CICLO) DOUTORAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Nuno Borges Carvalho Programa Doutoral em Engenharia Electrotécnica 1.

Leia mais

Regulamento Geral de Exames

Regulamento Geral de Exames Versão: 01 Data: 14/07/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-07 Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos Científicos das Escolas do IPB GPGQ Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA Ano lectivo 2008/2009 DEPARTAMENTO Engenharia Mecânica/Electrónica, Telecomunicações e Informática CURSO Mestrado em Engenharia de Automação Industrial

Leia mais

Mestrado Segurança e Higiene no Trabalho Edição 2007/2008

Mestrado Segurança e Higiene no Trabalho Edição 2007/2008 Mestrado Segurança e Higiene no Trabalho Edição 2007/2008 Enquadramento e Objectivos O Mestrado em Segurança e Higiene no Trabalho é uma realização conjunta da Escola Superior de Tecnologia de Setúbal

Leia mais

MEEC. Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores. Índice. MEEC Edição 2008/09 Instituto Superior de Engenharia do Porto

MEEC. Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores. Índice. MEEC Edição 2008/09 Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores O Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores destina-se a complementar a formação de profissionais habilitados com o grau de Licenciado, fornecendo

Leia mais

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM Tecnologia, Ciência e Segurança Alimentar Artigo 1º Concessão

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologias

Faculdade de Ciências e Tecnologias Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Duração: 5 anos Grau: Mestrado Coordenador: Maria de Graça Martinho Objectivos: A Engenharia

Leia mais

NCE/15/00108 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00108 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00108 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição )

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (Edição ) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (Edição 2010-2012) Nos termos dos Decretos-Lei nº /2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

NCE/14/01991 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01991 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01991 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Aveiro A.1.a.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM Regulamento da PGDEEC 0 Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES (PDEEC) Departamento de Engenharia

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA

PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA PROPOSTA DE CRIAÇA O DE UM CURSO DE FORMAÇA O NA A REA DE EDUCAÇA O CONTI NUA DIPLOMA DE FORMAÇA O AVANÇADA NOME DO CURSO Português: Formação Avançada em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química

Leia mais

Ano Preparatório para Ingresso nos Cursos da ESTSetúbal/IPS REGULAMENTO

Ano Preparatório para Ingresso nos Cursos da ESTSetúbal/IPS REGULAMENTO Ano Preparatório para Ingresso nos Cursos da ESTSetúbal/IPS REGULAMENTO INTRODUÇÃO O Curso Ano Preparatório para Ingresso nos Cursos da ESTSetúbal/IPS 2006/07 regese pelo presente Regulamento, sendo condição

Leia mais

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro IFRJ Campus Paracambi MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

Leia mais

Sistema Educativo Português 2011/2012

Sistema Educativo Português 2011/2012 Sistema Educativo Português 011/01 Objectivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades e valores profissionais) Auto Conhecimento; Explorar o Mundo das Profissões; Explorar as oportunidades

Leia mais

Resultados-Chave Relatório de Bolonha do ISCTE-IUL (2010/2011)

Resultados-Chave Relatório de Bolonha do ISCTE-IUL (2010/2011) Resultados-Chave Relatório de Bolonha do ISCTE-IUL (2010/2011) 1. O relatório sobre o grau de concretização do processo de Bolonha no Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) relativo ao ano lectivo

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Licenciatura em Engenharia e Gestão do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Responsável: Professor Doutor Rui Bento Elias Objectivos: Na sequência da adequação dos cursos

Leia mais

Despacho VRT/RVC-04/2016

Despacho VRT/RVC-04/2016 Despacho VRT/RVC-04/2016 Considerando o disposto no artigo 37.º dos Estatutos da Universidade do Minho, aprovados pelo despacho normativo n.º 61/2008, publicado no Diário da República, n.º 236, de 5 de

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 20 de Novembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues

Reitoria. Universidade do Minho, 20 de Novembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues Reitoria despacho RT-100/2007 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Integrado Conducente à Obtenção do Grau de Mestre em Engenharia

Leia mais

Júri dos Concursos Especiais de Acesso ao Ensino Superior Ano lectivo 2011 / 2012 Licenciatura em Engenharia Mecânica

Júri dos Concursos Especiais de Acesso ao Ensino Superior Ano lectivo 2011 / 2012 Licenciatura em Engenharia Mecânica Júri dos Concursos Especiais de Acesso ao Ensino Superior Ano lectivo 2011 / 2012 ACTA Nº 5 Aos dez dias do mês de Setembro do ano dois mil e onze, reuniu-se o Júri dos Concursos Especiais de Acesso ao

Leia mais

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01956 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico Do Porto A.1.a.

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO LICENCIATURA EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL ( LEGI ) 1 A UNIVERSIDADE A Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO Licenciatura em Engenharia Ambiental e de Gestão de Desastres ( LEBA-GD ) 1 A UNIVERSIDADE

Leia mais

2. São igualmente fixados: Universidade do Minho, 5 de Setembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues

2. São igualmente fixados: Universidade do Minho, 5 de Setembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues Divisão Académica despacho RT/C-211/2006 A Resolução SU-3/06, de 13 de Março, aprovou a adequação do Curso de Licenciatura em Engenharia BIológica, agora designado por Mestrado em Engenharia Biológica.

Leia mais

FORMULÁRIO. Mestrado Integrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais

FORMULÁRIO. Mestrado Integrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais FORMULÁRIO 1. Estabelecimento de ensino: 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.): 3. Curso: 4. Grau ou diploma: Mestre 5. Área científica predominante do curso: Engenharia de Materiais.

Leia mais

1.7. Número de unidades curriculares em que participou no segundo semestre de 2006/2007:

1.7. Número de unidades curriculares em que participou no segundo semestre de 2006/2007: INQUÉRITO AOS DOCENTES SOBRE CONDIÇÕES E ACTIVIDADES DE ENSINO/APRENDIZAGEM ANO LECTIVO 2006/2007-2º SEMESTRE 1.1. Categoria e Vínculo Doutorado Convidado Tempo Integral Doutorado Convidado Tempo Parcial

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO. Cursos Profissionais

ENSINO SECUNDÁRIO. Cursos Profissionais ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Científico Humanísticos Cursos do Ensino Artístico Especializado Cursos Profissionais Cursos com Planos Próprios Cursos de Aprendizagem (IEFP) Ensino Superior CET Cursos de Especialização

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA CONCOMITANTE/SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO 2010

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA CONCOMITANTE/SUBSEQUENTE AO ENSINO MÉDIO 2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico PROET Direção de Ensino Campus Rio de Janeiro MATRIZ

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA

CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA Currículo Novo 200901 Reconhecido pela Portaria Ministerial Nº 1.193, de 08/04/2005 Duração: 3.720 h - 248 créditos, acrescidas de 120 horas de atividades complementares

Leia mais

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha 20-03-2014 1 O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Maria José Cunha 20-03-2014 2 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MISSÃO Formar profissionais

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Administração e Gestão de Empresas (LAGE) Maputo, Julho

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO SETÚBAL Escolas Superiores EDUCAÇÃO TECNOLOGIA CIÊNCIAS EMPRESARIAIS BARREIRO SAÚDE SERVIÇOS ACÇÃO SOCIAL

INSTITUTO POLITÉCNICO SETÚBAL Escolas Superiores EDUCAÇÃO TECNOLOGIA CIÊNCIAS EMPRESARIAIS BARREIRO SAÚDE SERVIÇOS ACÇÃO SOCIAL INSTITUTO POLITÉCNICO SETÚBAL Escolas Superiores EDUCAÇÃO TECNOLOGIA SETÚBAL CIÊNCIAS EMPRESARIAIS TECNOLOGIA BARREIRO SAÚDE SERVIÇOS ACÇÃO SOCIAL MOVIMENTOS ASSOCIATIVOS Apresentação A Escola Superior

Leia mais

ACEF/1415/16537 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1415/16537 Relatório preliminar da CAE ACEF/1415/16537 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Cespu - Cooperativa De Ensino Superior Politécnico

Leia mais

Sessão de Esclarecimento para Pais e Encarregados/as de Educação dos/as Alunos/as do 9º ano

Sessão de Esclarecimento para Pais e Encarregados/as de Educação dos/as Alunos/as do 9º ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CORONADO E CASTRO, TROFA Sessão de Esclarecimento para Pais e Encarregados/as de Educação dos/as Alunos/as do 9º ano Ano letivo 2014/2015 OFERTAS EDUCATIVAS APÓS O 9º ANO Cursos

Leia mais

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 20 BOLSAS DE DOUTORAMENTO PROGRAMA DOUTORAL EM BIOLOGIA E ECOLOGIA DAS ALTERAÇÕES GLOBAIS

CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 20 BOLSAS DE DOUTORAMENTO PROGRAMA DOUTORAL EM BIOLOGIA E ECOLOGIA DAS ALTERAÇÕES GLOBAIS CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE 20 BOLSAS DE DOUTORAMENTO PROGRAMA DOUTORAL EM BIOLOGIA E ECOLOGIA DAS ALTERAÇÕES GLOBAIS Em Fevereiro de 2011, têm início as actividades lectivas do primeiro doutoramento em

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

Mestrado em. ECONOMIA e GESTÃO INTERNACIONAL

Mestrado em. ECONOMIA e GESTÃO INTERNACIONAL Mestrado em ECONOMIA e GESTÃO INTERNACIONAL ANO LECTIVO 2011/2012 6. a EDIÇÃO Rui Henrique Alves (Vogal) Maria do Rosário Moreira (Vogal) Rosa Forte (Directora) Ana Paula Africano (Vogal) Raquel Meneses

Leia mais

Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC)

Universidade de Coimbra. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC) Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Química (DEQ / FCTUC) Dia Aberto à Inovação e Transferência de Tecnologia DEQ, 4 de Abril de 2006 Licenciatura em Engenharia

Leia mais

LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO

LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO LICENCIATURA EM DESIGN DE COMUNICAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

Aprendizagem Baseada em Projectos A experiência de Águeda

Aprendizagem Baseada em Projectos A experiência de Águeda Aprendizagem Baseada em Projectos A experiência de Águeda Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Universidade de Aveiro José Manuel Oliveira Nesta apresentação, vamos... apresentar sucintamente

Leia mais

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA

Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Tabela I ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Possíveis Saídas Profissionais: As engenheiras e os engenheiros electrotécnicos podem exercer a sua actividade profissional em: a) projecto de instalações eléctricas,

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA

CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA CURSO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA Currículo Novo 2009/01 Reconhecido pela Portaria Ministerial Nº 1.193, de 08/04/2005. Duração: 3.720 h - 248 créditos, acrescidas de 120 horas de atividades complementares

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 2012

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 2012 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico PROET Direção de Ensino Campus Volta Redonda MATRIZ

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO 1 OBJECTIVOS Os cursos profissionais são uma modalidade de ensino que pretende desenvolver competências pessoais e profissionais específicas para o exercício de uma profissão a partir de uma preparação

Leia mais

OFERTA FORMATIVA 2012/2013

OFERTA FORMATIVA 2012/2013 OFERTA FORMATIVA 2012/2013 ENSINO SUPERIOR MUNDO DO TRABALHO Cursos Científico - -Humanísticos Cursos Tecnológicos Cursos Artísticos Especializados Cursos Profissionais Cursos de Educação e Formação ENSINO

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO. (José David Gomes JustIno)

GABINETE DO MINISTRO. (José David Gomes JustIno) GABINETE DO MINISTRO Despacho nº / 2004 (2ª série) Considerando a necessidade de assegurar a possibilidade de recursos humanos docentes para leccionarem a disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos.

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos. PEDIDOS DE EQUIPARAÇÃO OU EQUIVALÊNCIA AOS NOVOS PLANOS DE ESTUDO E TÍTULOS ACADÉMICOS EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS RELIGIOSAS 1. Cursos Básicos de Teologia O Mapa em anexo ao Despacho Normativo n.º 6-A/90,

Leia mais

NCE/11/01336 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01336 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01336 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal A.1.a.

Leia mais

Oferta Educativa no Ensino Secundário. Que opções tenho para o secundário?

Oferta Educativa no Ensino Secundário. Que opções tenho para o secundário? Oferta Educativa no Ensino Secundário Que opções tenho para o secundário? Ela bora do por Lisboa fev 2014 Índice 1 Que tipo de cursos existem?... 3 A. Cursos Científico-humanísticos... 3 Curso de Ciências

Leia mais

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A PROPOSTA DE ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA CURRICULAR PARA 2011 CURSO: ENGENHARIA DE MATERIAIS (88201)

INFORMAÇÕES SOBRE A PROPOSTA DE ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA CURRICULAR PARA 2011 CURSO: ENGENHARIA DE MATERIAIS (88201) INFORMAÇÕES SOBRE A PROPOSTA DE ALTERAÇÕES NA ESTRUTURA CURRICULAR PARA 2011 CURSO: ENGENHARIA DE MATERIAIS (88201) (Válida para ingressantes a partir de 2005) A) REGULARIZAÇÃO DE DISCIPLINA OBRIGATÓRIA

Leia mais

NCE/10/00691 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00691 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00691 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO LICENCIATURA EM ENGENHARIA E GESTAO DE CONSTRUÇÃO CIVIL ( LEGCC ) 1 A UNIVERSIDADE

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE INSTITUTO POLITÉCNICO DE

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011. Perfis Médios por Curso Escola Superior de Tecnologia de Abrantes

Ano Lectivo 2010/2011. Perfis Médios por Curso Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Ano Lectivo 2010/2011 Perfis Médios por Curso Escola Superior de Tecnologia de Abrantes Julho de 2011 Índice Licenciatura em Comunicação Social... 2 Licenciatura em Engenharia Mecânica... 3 Licenciatura

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA DE MATERIAIS Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no

Leia mais

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Mestrado em Matemática e Aplicações

Mestrado em Matemática e Aplicações Mestrado em Matemática e Aplicações Edição 2015/2016 No ano letivo 2015-16 funcionará no Departamento de Matemática da Universidade de Aveiro uma nova edição do Mestrado em Matemática e Aplicações. O Mestrado

Leia mais

9º Ano Concluído. E agora?

9º Ano Concluído. E agora? 9º Ano Concluído E agora? Ensino Secundário Cursos científicos humanísticos Cursos profissionais Cursos científicos humanísticos Prosseguimentos estudos para o ensino superior Cursos Profissionais Vida

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO. Serviços Académicos. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2016/2017

ORDEM DE SERVIÇO. Serviços Académicos. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2016/2017 DE: Direcção PARA: Serviços Académicos DATA: 14-04-2016 N.º: 2016003 Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2016/2017 Por deliberação da Direcção da CEU-Cooperativa de

Leia mais

9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014

9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014 9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014 Percursos possíveis para o ensino secundário O Cursos científico-humanísticos Vocacionados para o prosseguimento

Leia mais

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS CURSO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS Língua Estrangeira (I/II/III) Matemática A Física e Química A Biologia e Geologia Biologia/ Física/ Química/ Geologia a) Psicologia B/ Língua Estrangeira (I/II/III)* b)

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial

Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial Mestrado Integrado em Engenharia e Gestão Industrial Ana Camanho FEUP, 14 de março de 2016 Sumário Médias de entrada e numerus clausus Objetivo geral do curso Estrutura do curso Parcerias estratégicas

Leia mais

do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012

do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012 REGULAMENTO do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012 De acordo com o disposto no Decreto-Lei n.º 274/2006, de 24 de

Leia mais

LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE REDES DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO EQUIVALÊNCIAS ENTRE PLANOS CURRICULARES. Plano Curricular

LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE REDES DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO EQUIVALÊNCIAS ENTRE PLANOS CURRICULARES. Plano Curricular LICENCIATURA EM ENGENHARIA DE REDES DE COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO EQUIVALÊNCIAS ENTRE PLANOS CURRICULARES Plano Curricular de 2005-2006 ECTS Plano Curricular ECTS LERCI LERC / MERC (Bolonha) Análise Matemática

Leia mais

1. Designação do Curso: [CET em ; Licenciatura em ; Curso de Especialização em ; Curso de Especialização Pós-Graduada em ; Curso de Mestrado em ]

1. Designação do Curso: [CET em ; Licenciatura em ; Curso de Especialização em ; Curso de Especialização Pós-Graduada em ; Curso de Mestrado em ] 1. Designação do Curso: [CET em ; Licenciatura em ; Curso de Especialização em ; Curso de Especialização Pós-Graduada em ; Curso de Mestrado em ] Curso de Especialização Pós-Graduada em Instalações Eléctricas

Leia mais

ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS)

ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS) ESTUDOS GERAIS Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º e 3.º ANOS) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois minors,

Leia mais

FAHOR - FACULDADE HORIZONTINA

FAHOR - FACULDADE HORIZONTINA Ciências Econômicas - 1º Semestre de 2017 - Noturno EC2014 0096 - Economia Industrial 0094 - Economia Internacional II 0094 - Economia Internacional II 0093 - Econometria 0093 - Econometria 0097 - Trabalho

Leia mais

Matriz Curricular do Curso de Engenharia de Controle e Automação

Matriz Curricular do Curso de Engenharia de Controle e Automação Matriz Curricular do Curso de Engenharia de Controle e Automação ECA 01 Introdução à Engenharia de Controle e Automação PRIMEIRO SEMESTRE 15-15 1 - LET 01 Metodologia Científica 30-30 2 - FSC 01 Física

Leia mais

V jornadas de avaliação

V jornadas de avaliação jornadas avaliação e Acreditação 14 Março Director Curso: Paula Prata Departamento Informática (DI) Departamento Informática (DI): Quem somos Trabalho senvolvido Objectivos para o futuro Licenciatura em

Leia mais

Mestrado em Matemática e Aplicações

Mestrado em Matemática e Aplicações estrado em atemática e Aplicações Edição 2012/2013 Direção de Curso Isabel Pereira (Diretora) isabel.pereira@ua.pt e Agostinho Agra (Vice-Diretor) aagra@ua.pt Apresentação O estrado em atemática e Aplicações

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso

Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Instituto Politécnico de Bragança Relatório de concretização do Processo de Bolonha: indicadores de progresso Relatórios #1 - #4, 2008-2011 1979 Criação do sistema de Ensino Superior Politécnico em Portugal

Leia mais

Estrutura curricular e plano de estudos

Estrutura curricular e plano de estudos Estrutura curricular e plano de estudos 1. Estabelecimento de ensino: Universidade de Coimbra 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.): Faculdade de Ciências e Tecnologia 3. Curso: Arquitectura

Leia mais

Instituto Superior Politécnico Tocoísta

Instituto Superior Politécnico Tocoísta Instituto Superior Politécnico Tocoísta 5 FLAYERS PUBLICITÁRIO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA ANO ACADÉMICO 207 LUANDA DEZEMBRO - 206 Av. Pedro de Castro Van-Dúnem Loy- Complexo Missionário

Leia mais

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS OFERTA FORMATIVA NÍVEL SECUNDÁRIO CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Os Cursos Científicos- Humanísticos destinam -se a jovens com o 9º ano de escolaridade ou equivalente que desejam prosseguir estudos 2 CURSO

Leia mais

Curso aprovado pela Direção-Geral do Ensino Superior. Candidaturas abertas (portal do IPT) Perfil Profissional

Curso aprovado pela Direção-Geral do Ensino Superior. Candidaturas abertas (portal do IPT) Perfil Profissional Curso aprovado pela Direção-Geral do Ensino Superior Candidaturas abertas (portal do IPT) Perfil Profissional Operar e supervisionar as operações ligadas à produção e controlo de qualidade dos alimentos,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) Objectivos Como definido no Decreto-Lei nº 74/2006, o grau de doutor é conferido aos que demonstrem: Capacidade de compreensão sistemática

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Música de Lisboa Licenciatura em Música - Unidade Curricular: Projecto

Instituto Politécnico de Lisboa - Escola Superior de Música de Lisboa Licenciatura em Música - Unidade Curricular: Projecto FICHA DE PROJECTO 1. DADOS (autor do projeto, orientador do projeto e coordenador do curso) Título do Projecto Identificação do autor do projecto e responsável pelo relatório Estudante Nº Nome Variante

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN

UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN UNIVERSIDADE DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE ARTE E DESIGN REGULAMENTO DA TRANSIÇÃO CURRICULAR ENTRE O CURSO DE LICENCIATURA EM DESIGN / PROJECTAÇÃO (Publicado no Diário da República II Série, nº159 1 de Julho

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Didática das Ciências Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa maio de

Leia mais

Licenciatura em Química. Departamento de Química, Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

Licenciatura em Química. Departamento de Química, Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Licenciatura em Química Departamento de Química, Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra A tabela 1 apresenta o plano de estudos da Licenciatura em Química. Na tabela 2 encontra-se o

Leia mais

} Diário da República, 2.ª série N.º 47 9 de Março de 2010

} Diário da República, 2.ª série N.º 47 9 de Março de 2010 10560 Diário da República, 2.ª série N.º 47 9 de Março de 2010 Regulamento n.º 208/2010 A Universidade Nova de Lisboa (UNL), através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), ao abrigo dos artigos

Leia mais