FOI ASSIM... vim meter!. Nada me desjnava a esta vida de marinheiro! Nascido e criado num monte nas profundezas do Alentejo, de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOI ASSIM... vim meter!. Nada me desjnava a esta vida de marinheiro! Nascido e criado num monte nas profundezas do Alentejo, de"

Transcrição

1 FOI ASSIM... Parada da Escola Naval. Dia 19 de Outubro de Sou um dos mancebos da Nouvelle- Vague do curso Nuno Tristão que hoje se apresentam ao serviço da Marinha. O grupo de paisanos em que me integro, assim que chega, é imediatamente cercado por uma majlha de masjns fardados de azul, botões amarelos, bivaques de âncora. Um deles, ar de predador, mal encarado, rosna- me: - Você não tem vergonha de aparecer aqui com essa fajota ridícula?. Outro, arrogante, interroga: - O mancebo sabe o meu nome?. Mancebo! Quem, eu? Não, não sei. Não sou de cá, não conheço ninguém e ainda não percebi como aqui cheguei. Confundido, angusjado, penso comigo: - Onde eu me vim meter!. Nada me desjnava a esta vida de marinheiro! Nascido e criado num monte nas profundezas do Alentejo, de geração de agricultores sem memória de a alguém ter ocorrido andar no mar, nada predispunha a que me encontrasse hoje nesta situação inverosímil, rodeado de gente preparada para me tratar mal. Como foi possível ter vindo aqui parar? interrogo- me. Atenho- me na busca de um senjdo para as circunstâncias que, contra a lógica, conduziram a este desjno. Sei que trago comigo um esjgma, uma espécie de pecado original. Gerado no campo, nunca consegui senjr o apelo da terra. Para o lavrador não basta pisá- la. Há que percebê- la, fundir- se nela. Não me foi concedido, como à minha gente, o dom, o insjnto natural, para me unir ao solo úbere na concepção da obra da natureza. Franzino e ensimesmado, fui um contemplajvo, sempre a pensar noutra coisa. Este é diferente... dizia o meu pai. Tinha razão. Nos anos quarenta a Quinta de S. Pedro era um mundo. Um mundo fechado, quase auto- suficiente, isolado no meio da planície alentejana. Muitos hectares. Muitos animais. E, claro, muitas pessoas. Máquinas e electricidade não havia. Vida dura. A lavoura era quase primijva. Trabalho braçal, ao rigor do tempo, do nascer ao pôr do sol. A Quinta propriamente dita, a villae da grande herdade, um casarão imenso. Em volta do átrio romano encadeava- se um labirinto de casões onde se alojavam pessoas e animais. Havia muitos jovens. Os adolescentes começavam a dar ajuda nos vários trabalhos, as raparigas a cuidar dos de colo. Escola não exisja. Os da minha idade ou mais novos, de bibes sempre sujos, às vezes rotos e descalços, ranhosos, cabelos cortados rente para evitar piolhos, formavam um bando inseparável que passava o dia em correrias e brincadeiras. Um misto de natureza bruta e de encantamento - foi neste ambiente que passei a minha infância. Chorei lágrimas de sangue quando me disseram que Jnha que deixar a Quinta, que ir para a Escola, para Beja, na minha ideia um síjo longínquo e desconhecido. Foi o começo do desterro. Posto ao cuidado do professor Joaquim Roque, trintão afável, etnólogo, excelente pedagogo, Jve como companheiro de carteira as nossas vidas iriam cruzar- se mais vezes - o João Lobo de Oliveira. Ali fiz a 1ª e 2ª classes. Depois os meus pais decidiram internar- me dois anos no colégio do Dr. Charrua, em Évora, onde completei o que então se chamava a Instrução Primária. Quando voltei, o paraíso estava definijvamente perdido. Nunca mais lá fui. O meu pai Jnha entretanto comprado uma herdade noutro síjo, e foi aqui que a nossa vida passou a estar centrada. (A Quinta de S. Pedro, hoje, é espanhola. Um jovem agricultor

2 sevilhano fez- se seu dono com dinheiro à vista, e cobriu- a de olival. Todo o trabalho é feito por dois homens e muitas máquinas. ) Liceu de Beja, anos cinquenta. Ambiente provinciano, professores esclerosados, aprendizagem pela carjlha. As aulas, uma estopada. Naquele tempo era natural sofrer estoicamente, sem revoltas, a autoridade dos mestres e dos ascendentes em geral. Das matérias escolares, Jnha uma ideia, a suficiente para ir passando. Mas vagueava por outro mundo, longe daquilo tudo. Cedo aprendi, com colegas mais velhos, a dedilhar a guitarra portuguesa, que passou a ser objecto de culto diário. Influenciado pela banda desenhada, de que me Jnha tornado um consumidor compulsivo (ainda hoje sou), entrejve- me, durante os anos que por lá passei, a desenhar nas aulas tudo o que ia acontecendo. Ditos e respostas, episódios cómicos ou dramájcos, eu registava em bonecos. Ao fim de anos de prájca desenvolvi grande destreza. Ninguém, nem eu próprio, levava a sério esta habilidade. Mais tarde, apaixonei- me pelo cinema, consegui arranjar uma Kodak Brownie 8 mm e desatei a fazer filmes a preto- e- branco de tudo o que mexia. Quando, terminado o 5º ano, houve que optar, que escolher a alínea, achava- me naturalmente talhado para seguir o curso de Arquitectura, para o qual só ia quem Jnha jeito para o desenho. Quando comuniquei ao meu pai o que intentava, rematou, definijvo: - Os arquitectos? Esses, ou são maricas ou liberjnos.... Ele reconhecia em mim alguma propensão, não para as artes - achava que a música, os filmes, e os meus bonecos não passavam de extravagâncias, que por vezes o diverjam - mas para a boémia, e receava que à solta em Lisboa, nas Belas Artes, viesse a refinar tais insjntos. Ideia reforçada pelo facto de um dia, grande escândalo na casa, eu ter optado por gastar na compra de uma guitarra portuguesa o dinheiro que ele me desjnara para uma espingarda de caça. (Foi bom negócio. Ainda hoje é minha fiel companheira. Com o tempo a sua voz amadureceu, tomou corpo, sem perder o Jmbre cristalino que me seduziu). O curso de Arquitectura foi às malvas (mas os genes ficaram: dois dos meus filhos, gémeos, são licenciados pela Escola Superior de Belas Artes, um em pintura, o outro em escultura). Não Jve ninguém que achasse valor nas minhas apjdões, que me aconselhasse sobre o futuro. Escolhi a alínea f), que dava para as Engenharias; Agronomia o curso mais óbvio - fora de causa. InsJtuto Superior Técnico - um sepulcro! Casarão frio, pesado, medonho. Anfiteatros gigantescos a abarrotar de estudantes disputando a empurrão os lugares sentados. Professores distantes, indiferentes, abstractos, enchendo de fórmulas incompreensíveis enormes quadros de ardósia. Eu não estava preparado para aquilo, era um perfeito estranho. Um estranho, ainda por cima, ignorante. Por alojamento, um quarto minúsculo, casa- de- banho no fim do corredor, um banho por semana, alugado à D. Selene, matrona de sobrancelhas a lápis, boca em cereja escarlate, o Jpo acabado de patroa reformada. Três peças de mobília, velhas e feias. Um caniche sodomita, degenerado, várias vezes apanhado a ser acomejdo por detrás pelos vira- latas pulguentos do bairro. A filha, flausina plajnada, jovenzinha já com uma rodagem digna dum Paris- Dakar, ajradota, a esvoaçar à minha volta, pronta a ser emprenhada. Comida intragável, feita de restos, que nem os meus rafeiros lhe pegariam. Lisboa de ruas tristes, cheias de gente incógnita, sorumbájca, mal enfarroupada. A tertúlia dos alentejanos reunida à noite no Café Império. Conversas, bilharadas e, uma vez por mês, a surjda ao Bairro Alto, às meninas (às de vinte paus, que a mesada era curta). Abominei desde logo este ambiente. Sonhava todo o tempo com o Alentejo. Campo aberto, planície florida, a família, os meus cães, a comida simples apaladada com ervas. Comecei a andar

3 tristonho, desmojvado, sem o menor interesse em me integrar na sociedade lisboeta, tão diferente daquela outra alegre e protectora de onde provinha. Estava a marcar passo. SenJa- me perdido na vida. Qualquer dia iria malhar com os costados na tropa. Depois, em África. A políjca não me dizia nada. O meu patriojsmo apenas se exacerbava uma vez por ano, por alturas da Páscoa, quando Portugal defrontava a Espanha nas finais do Campeonato do Mundo de Hóquei em PaJns. Não Jnha profissão, não sabia fazer nada que produzisse valor. O que me preocupava era arranjar uma ferramenta de trabalho que soubesse manejar bem. Mas onde? No Técnico, impossível, tudo aquilo era teoria, uma coisa esotérica, impenetrável. Voltar para casa? Viver às sopas do meu velho, na agricultura? Nunca. Foi neste estado de espírito, desmorecido, que uma tarde encontrei na Baixa, por acaso, o meu bom e sempre lembrado amigo (a sua alma descanse em paz) Raul Trincalhetas Janes Semedo, então jovem Primeiro- tenente, que muito amava a Marinha. Contei- lhe o que senja. Ele era o meu ídolo. Fora pela sua mão que anos atrás eu entrara como caloiro no Liceu. Agora, incenjvava- me a concorrer à Escola Naval. Descrevia- me a carreira militar como uma vida de homens, feita de valores sãos, a camaradagem, o profissionalismo, o serviço ao País; a instrução, com um pendor mais prájco do que teórico - só se sabe o que se sabe fazer - agradar- me- ia concerteza; e os navios, uma invenção fabulosa dos homens, uma casa flutuante cheia de surpresas. Finalmente havia alguém que me dizia algo de válido, me apontava um caminho, me animava. Sem grande esperança - a moral andava um bocado por baixo - tentei a minha sorte. E agora, sem saber como, aqui estou eu, integrado num grupo de paisanos, cercado no meio da Parada por uma corja de senhores guarda- marinhas ávidos de sangue. Cheio de dúvidas. Terei feito a opção correcta? Será esta uma vida para mim? Para a Nova Vaga não foram fáceis as primeiras semanas de Escola. As fardas estavam a ser costuradas. Vínhamos na vedeta da manhã, assisvamos às aulas, almoçávamos, mais aulas, á tarde voltávamos para Lisboa. Tarefa árdua foi, por falta de estabilidade e de método, recuperar as matérias já dadas nas aulas. Aqui ficou ditada a triste sina de alguns, que não conseguiram e chumbaram. Na Escola, a vesjmenta à civil tornava- nos alvos conspícuos, atraía os algozes como o mel atrai as moscas. SenJa- me um corpo estranho, completamente fora do meio. Conhecia apenas três camaradas. João Lobo de Oliveira, o meu grande suporte nesses dias tristes. Éramos amigos desde a Escola Primária. Depois vivemos uns anos distanciados, ele em Lisboa, no Colégio Militar. Reencontrámo- nos no Técnico, e agora na Escola Naval. O Finta estava habituado ao internato e à disciplina. Vivia com à- vontade e até com gozo esta nova condição. Todos os dias inventava piadas e mojvos para nos fazer rir. Fomos sempre amigos. Paz à sua alma; o Saltão - neto do Dr. Raposo, um velho professor muito esjmado na cidade de Beja - que já estava na Escola desde o ano anterior. Foi um conselheiro inesjmável nesse tempo diwcil. Morreu cedo. Que repouse em descanso; e o Tenório Diogo, o Paquito das férias no Algarve com espanholas à mistura. Esse era agora o companheiro de deambulações nocturnas pelas ruas escusas de Lisboa, terminadas na Márcia Condessa, onde uma aspirante a fadista - hoje arjsta consagrada, em fim de carreira - lhe mandava pestanadas voluptuosas que causavam forte dôr- de- corno ao seu apoderado, um Jpo de meia- idade (nós considerava- mo- lo velho ) comerciante na Baixa, baixote, bochechudo, careca atravessada por uma ridícula madeixa puxada desde a pajlha esquerda, cachucho de ouro no dedo, fuzilando- nos de longe com olhares assassinos. Assim que o fardamento ficou pronto o NT entrou em regime de internato e a vida começou a normalizar. Quando pela primeira vez exibi a minha nova plumagem nas ruas de Beja fiz um sucesso. Os amigos congratulavam- se,

4 os conhecidos olhavam- me de outra maneira, os rivais morriam de inveja. Estava a subir na escala social. Executei com brio várias passagens pela frente de certas janelas onde sabia estarem olhos femininos a espreitar atrás de corjnas rendadas. A M..., filha de grandes lajfundiários - hoje muljavó, arqueação bem redonda, a família estabelecida com sucesso no negócio do vinho - pressionou a direcção da Sociedade Bejense, dito o Clube dos Ricos, para que no Carnaval eu fosse convidado a ir ao Baile do Palito, um acontecimento social de grande presvgio. O convite chegou. E o meu velho atacou mais uma vez: - Atão dantes nunca eras convidado para isso e agora já és só porque mudaste de fato?. O meu pai Jnha destas coisas, e também por isso o amei. Envergonhado, crista em baixo, não fui dançar, claro. Nunca entrei nesse Clube, aliás. A Escola montou- nos dormitório no Gonçalo Velho. Jantar às cinco da tarde e a formatura em fato de treino a descer serpenteando à vontade para a Praça do Comando da Base, comandada por um guarda- marinha. No navio, cheiros e ruídos desconhecidos. Maca às costas, à procura do síjo menos mau para a desferrar. Depois, a desbunda. Marinho, o diestro da Moita, demonstra como se executa com rigor o passe de peito clássico. Marcelino imita o sermão do Frei Papias, um número altamente hilariante. Lupi risca o ar num passe de rockn roll acrobájco, mirabolante. Manuel Pinto Machado, rebelde, exorta o curso ao mojm contra a praxe. O Sarmento, dedo no ar, qual profeta, anuncia:- É a matééééria!!!.. Lucas Soares pendurado num vau, forjfica com flexões os seus músculos de carregador de pianos ( Allen dixit ). Vieira Coelho retoca a pôpa à Elvis (hoje cuida com o mesmo zelo uma calva à samurai, talhada geometricamente). Troca de piadas, beatas fumadas no convés, grupos de conversa. Novas palavras a despontar : cocha, granel, volta ao serviço, etc. Começam a aparecer as alcunhas. O desconforto não existe, ninguém reivindica melhores condições de bem- estar, um conceito desconhecido. Éramos novos, apenas a vida interessava. Foi aqui que começámos a conhecer- nos mutuamente, a cimentar o espírito de curso. E nas salas de estudo, também. Gélidas, nesse inverno. O Vacas de Carvalho, alentejano friorento, empoleirado, rabo sentado em cima do aquecedor, a cabecear com sono, mal segurando o livro na mão. E vnhamos as aulas, claro. Momento mágico, sempre aguardado com expectajva, aquele em que o Comandante Conceição Silva, astrónomo e matemájco genial, interrompia a exposição, alçava da perna, assentava o pé no tampo da secretária e, com o cigarro na boca, nas calmas, apertava o cordão do sapato. Debaixo da calça do uniforme de serviço surgia então em todo o seu esplendor, meio palmo de calça de pijama, flanela às riscas azuis. A sala rejubilava em silêncio. Tenente Bandeira Duarte desvenda- nos a intrincada ciência dos nós de marinheiro. E o Bicho da Fruta? - Barradas, mostra a arma aos senhores cadetes.... Que personagens notáveis! Segundo ano. Todos ameaçados de ser escorraçados para o Santo André porque alguns se entretêm a prajcar sevícias wsicas e morais sobre os cadetes do 1º ano (as Instruções Especiais, que junto, emijdas pelo Comando são uma peça histórica a emoldurar). Fazem- se negociações de basjdores e um simulacro de julgamento público dos mancebos, encenado no Ginásio, evita a catástrofe. Mas há casjgos pesados para os carrascos. Somados outros antecedentes, o curso ganha a fama de irreverente que o acompanharia até ao fim. Brilham grandes atletas Soares da Fonseca, Aires MarJns, Bessa Pacheco, Santos Leitão, Camilo Alves, Gonçalves Cardoso, Tavares da Silva, Vasco Lupi, Hipólito Caroço, Santos Heitor, Barbosa Alves, Colaço Cancela, Magalhães Cruzeiro no remo, andebol, atlejsmo, futebol, basquetebol, vela, raguebi, voleibol, etc. Comandante Ferreira Monteiro ( C.C. ) lança o terror. Marcelino é um dos penitentes com presença assídua em palco (mais tarde, na maturidade, revela- se um génio informájco). Comandante Teixeira da Mota, historiador emérito mas soporífero

5 comunicador, anestesia o auditório. Elói, bivaque enterrado na cabeça, gola do blusão puxada até às orelhas, estendido ao comprido no chão da úljma fila, dorme o sono dos justos. Noémio Marques espreme- se, transpira, tenta explicar o mistério dos gradientes, rotacionais e laplacianos. A turma está narcojzada. Uns coçam a cabeça, outros fecham os olhos perdidos de sono, muitos olham abstractamente para o ar. Noémio pára, apercebe- se que ninguém apanha nada do que ele está a dizer. Cadete Pinho de Almeida, talvez possa dar- me uma ajuda... - pede. O Penico levanta- se, vai ao quadro e desvenda em breves e simples palavras o enigma que oprimia o lente. Toda a gente entende, acha até fácil. Fica definijvamente consolidado o respeito pela inteligência do Chefe do Curso. Quando embarcámos na Sagres, para a viagem de instrução, somos recebidos de- pé- atrás : - Cuidado com estes gajos, são presumíveis delinquentes.... Mau tempo na Biscaia, o Vinte e o Sessenta e Nove executam prodígios de equilíbrio nas gáveas, a caçar as velas debaixo de temporal. San SebasJan. A marabunta ataca na Messe do Exército Espanhol, em minutos limpa as mesas repletas de comida. Chico no, Júlio.... Na despedida, gladíolos só para alguns. Américo mio... te amo. Um mês de mar até Cabo- Verde. Mau tempo. Coberta em polvorosa fujam, malta!!! - somos perseguidos por armários malucos, descomandados. São Vicente, Baía das Gatas. Bate- papo na Escola Primária. Carteiras encostadas às paredes. Nádegas redondas, florestas púbicas extensas, negras, densas, ancas a rebolar, coxas cheias, cor chocolate, a baterem- se, a separarem- se com vácuo..bha..bha...bha... Voltas em redondo no Largo do Coreto. Mornas e coladeiras. Corpos unidos, pés ritmados levantam uma enorme nuvem de pó. O Leão. O Serradas. As primeiras Minoltas, os gravadores NaJonal. Faduncho. O Barbosa Alves: - Chinelas da Mouraria, não há outras como elas, baquetas em harmonia, tamborilando as vielas. E eu, na guitarra,...plim, plim, plim. O Serrano, violão em ritmo de bossa nova: - Se você disser que eu desafino, amor, saiba que isso em mim provoca imensa dor... (Querido Amigo, o que eu chorei quando tu, estendido inconsciente (?) na cama de hospital onde agonizavas, me chamaste a J com um leve sinal do dedo indicador, e por longo tempo Jve nas minhas as tuas mãos geladas e pensei que podia dar- te calor, fazer- te viver). Seguimos para os Açores. Capelinhos, Faial, Pico. Bifes excelentes, vinho morangueiro, ananases, óleo de baleia rançoso, e paisagem de uma beleza de estarrecer. Volta ao mar, no regresso a casa. Ilha da Madeira aos primeiros alvores, um presépio panorâmico, neve na montanha, espectáculo deslumbrante. Garotas cooperantes, eles não. Inquérito: Quem foi o sacana que mijou nas esterlícias do Engenheiro Vitória?. Chegamos a Lisboa. Fim da viagem maravilhosa, do primeiro grande contacto com o mar. Recomeçam as aulas na Escola. Terceiro ano. Na véspera de parjrmos para as férias da Páscoa, o sótão organiza uma orgia pantagruélica, feita com os acepipes e bebidas que uns quantos guardavam para as falhas. Zé Cortes enfrasca- se e entra- lhe o diabo no corpo. Desata a bater em toda a gente. Ainda hoje me pergunto como é que, no estado em que estava, o pé dele chegou ao meu ombro. O Zé Heitor, nas suas mãos, parece uma mosca a zunir por cima. A Marinha Brasileira visita a Escola Naval. No fim do almoço trava- se a tradicional batalha das laranjas. Uma delas passa a rasar a orelha esquerda do oficial de serviço que, sentado impávido na sua mesa num topo do refeitório, preside ao granel, e vai esborrachar- se na parede mesmo atrás dele. À noite, recepção de gala no Custódio de Melo. A cadeira do denjsta é posta ao serviço em acjvidades extra- médicas. Major Barreto chega à Escola e fixa como objecjvo transformar- nos instantaneamente em guerreiros destemidos. Missão impossível. No final, cara de frustração do homem! De fazer dó. Viagem de instrução no Bartolomeu Dias e... mais do mesmo: Açores, Cabo Verde, Madeira. A prájca do mar aumenta, conhecemos melhor o que é um navio de guerra operacional. Embarque final nas fragatas Corte Real e

6 Diogo Cão. Navios ainda no Mar- da- Palha e já o Gonçalves Pereira entra em estado letárgico, estendido no beliche, enjoado. Por contraste, mal se apanha em terra - é o primeiro a passar a prancha - ganha os insjntos predadores da fera. Terminámos o curso em beleza. Fizemos um grande baile nas instalações ainda inacabadas da nova ala (junto ementa da festa). O Lopes Laranjeira empenhou- se a fundo, foi o grande promotor deste final esplendoroso. Quinteto Académico. Twist e hully- gully. Strangers in the night. Pares agarradinhos e as namoradas a sonhar com casamentos a curto prazo. Depois, o Curso desintegrou- se. Destacámos com guia para as diversas unidades e cada um fez- se à vida. Eu fui para os navios e neles fiquei até meados de Para mim, o mar sempre foi a estrada. Estrada incómoda, muitas vezes. Gostei, muito, do navio, da plataforma com autonomia para se mover pelo mundo fora, habitada por uma comunidade com cultura feita de prájcas consolidadas de séculos. O conjunto dos equipamentos, das pessoas, dos locais que demandávamos a vida de bordo - foi o que me apaixonou. Fui feliz nos três navios que preencheram o meu tempo de mar: Vouga, Comandante João Belo e Almirante Lacerda. Tive sorte em andar embarcado com gente decente, de grande nível. Primeiro de todos, o que me ensinou o owcio: Francisco MarJns Gomes, de quem fui, com honra, segundo durante quatro anos. A nossa amizade mantém- se eterna. Três grandes Comandantes me marcaram : Henrique Alexandre da Fonseca (pai), Leonel Cardoso e Quelhas de Lima. Homens dignos, disciplinadores sem serem autoritários, mentes abertas que esjmulavam o diálogo. Ensinaram- me a estar na vida. Deles guardo uma respeitosa memória. E, claro, Jve o grato prazer de conviver com muitos camaradas, oficiais, sargentos e praças, com quem ainda mantenho cordiais relações. Voltei de África em meados de Fui colocado na Superintendência dos Serviços do Material. O ciclo do mar estava terminado. Não consegui adaptar- me ao trabalho rojneiro, de secretária, nem ao tédio da vida domésjca diária. Nesse tempo não havia, como hoje, psicólogos para acompanhar os traumas provocados pelas longas ausências da família e do País. SenJ- me enclausurado nas grossas paredes pombalinas da Nau- de- Pedra. Era- me - sempre foi - diwcil habitar Lisboa. Tentei pirar- me concorrendo a uma comissão em Macau, sem sucesso. Começada em Lourenço Marques, concluí dois anos depois a licenciatura em Economia, que me abriu outros horizontes. Estava na altura de mudar de ares. SenJa- me preparado técnica e psicologicamente para enfrentar os desafios da vida civil (que, ingenuamente, não imaginava serem tão diwceis como vim a constatar depois.) Por ironia do desjno, nos úljmos tempos de Marinha, a secretária ao meu lado era ocupada pelo João Lobo de Oliveira. Falámos muito. Estávamos ambos desmojvados, eu mais opjmista quanto ao futuro, ele completamente desiludido. Achava puro desperdício o tempo que passara na Marinha, um desencontro completo com a sua vocação, os livros, que amava devotadamente. Autoflagelava- se por senjr que agora era tarde para mudar de rumo. Lá o ia animando como podia, sabendo bem ser ele um caso gritante de desadaptação à vida militar. Era- me doloroso vê- lo, um Jpo de natureza folgazã, tão tristonho e deprimido. Morreu cedo. Paz à sua alma.

7 Em 1980, a meu pedido, passei à Reserva. Depois de umas pequenas oscilações, fiz agulha para o Grupo empresarial onde ainda hoje trabalho. Ao serviço deste, deambulei cinco anos pela Arábia Saudita. No regresso, dirigi empresas em Lisboa e Setúbal até que, em 1991, assentei arraiais em Sines para gerir um Terminal portuário onde ainda hoje me encontro. Dei as voltas que Jnha que dar e regressei às origens. Por aqui espero ficar. Vinte e sete anos depois de ter deixado a Marinha, foi Ela que veio ao meu encontro. O Chefe do Estado- Maior da Armada, Almirante Melo Gomes concedeu- me, e ele próprio me condecorou, no Dia da Marinha, com a Cruz Naval de 1ª classe, pelo reiterado apoio à Marinha ao longo de mais de uma década.... Tratou- se de um reconhecimento por actos que considero normais no âmbito das funções profissionais que desempenho enquanto civil. Mas foi grajficante, até por inesperada, a honra que entendeu prestar- me. Assim como agradáveis de ouvir as palavras que, no fim da cerimónia, o Vidal Abreu me dirigiu, com um abraço: - Salvador, a Marinha nunca se engana.... Pensei para comigo: - Não é verdade - e tu sabes melhor que ninguém - mas é simpájco que mo digas... Reduzindo todo este trajecto à expressão mais simples, direi que a Marinha me deu o que procurava quando andava perdido. Instruiu- me, dotou- me de capacidade técnica e social, de auto- confiança para sobreviver em qualquer meio. Mostrou- me o Mundo. Sobretudo, deu- me a oportunidade de fazer grandes amizades. Sem estar talhado de berço para o owcio, bendigo o tempo que passei nestas casas. Nada foi premeditado. Foi assim. As coisas aconteceram, simplesmente. Antonio Salvador Neves de Carvalho

8 ESCOLA NAVAL INSTRUÇÕES ESPECIAIS PARA A EDUCAÇAO MILITAR DOS CADETES DO CURSO DE "NUNO TRISTÃO" 1. É do conhecimento do Comando que alguns cadetes do curso de NUNO TRISTÃO (2º. ano e repetentes do 1º. ano) cononuam a praocar violências Rsicas e morais sobre os cadetes do 1º. ano, prejudicando- os na sua acovidade escolar e na formação do seu espírito militar. 2. O Comando tem a consciência de ter pacientemente usado de todos os meios suasórios possíveis no senodo de remediar a situação. Acredita ainda o Comando que a grande maioria dos cadetes reprovam inomamente a práoca de violências contra os camaradas mais modernos e que somente as praocam ou deixam praocar por falta de coragem para romper com uma pseudo- tradição que embora possa ter algumas raízes nos meios estudanos se afasta completamente das normas de convivência tradicionalmente usadas na Marinha de Guerra Portuguesa. 3. Preocupa especialmente o Comando o facto das violências serem normalmente praocadas em grupo ou a coberto da ameaça de acção coerciva em grupo, Orando ao ofendido toda a possibilidade de reacção viril, processo este que só pode conduzir ao estabelecimento na Escola Naval de um estado de espírito mais ou menos consciente de cobardia moral e Rsica. 4. Dadas as grandes responsabilidades que incumbem à Escola Naval na formação de Chefes, aos quais não há- de faltar nem o espírito de disciplina, nem a coragem moral para assumir as responsabilidades nem a coragem Rsica para lutar pelo que é justo, resolveu o Comando recorrer a meios extraordinários para rapidamente localizar e eliminar os elementos indesejáveis do curso "NUNO TRISTÃO e consolidar a educação militar dos restantes. 5. A paror do dia 26 de Novembro (inclusive) os cadetes do 2º ano e repetentes do 1º ano, ficarão sujeitos por tempo indeterminado a um regime militar rigoroso que compreenderá essencialmente o seguinte: a) Redução do número de licenças ordinárias e extraordinárias e aumento do número de horas de estudo obrigatório; b) Alojamento no navio deposito Santo André desde o fim das aulas na Escola Naval até ao inicio das aulas do dia seguinte; c) Horário especial regulando as acovidades a bordo do Santo André de modo a incluir exercícios de remo e subida aos mastros bem como trabalhos de baldeação e limpezas em zonas restritas do navio; d) Punição rigorosa de todas as faltas que traduzam carência de espírito militar.

9

10 Ementa

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz

Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz Quatro dias no mar alto a bordo da Caravela Vera Cruz Viagem de lançamento do veleiro WEST - 6-9 junho 2015 Projeto A ponte entre a escola e a Ciência Azul Ricardo Estevens, ES 2/3 Anselmo de Andrade,

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org WEBSITES: Serviço de Voluntariado Europeu: http://www.sve.pt http://www.facebook.com/l.php?u=http%3a%2f%2fwww.sve.pt%2f&h=z

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Entrevista a Carlos Amaral Dias É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Andreia Sanches 04/05/2014 O politicamente correcto implica pensar que a praxe é uma coisa horrível.

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel Elaboração Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude e Coordenadoria de Comunicação Social do Ministério Público do Estado de Santa Catarina. Contato Rua Bocaiúva, 1.750, 4º andar - Centro -

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

"Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa)

Os Emigrantes Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) "Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) Estava um dia lindo na rua. O sol brilhava como nunca brilhou, e, no cais, havia muitas pessoas As pessoas estavam tristes

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só

Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só Acorda, seu Zé Preguiça, hoje é domingo. Dia do Senhor. A sua mãe tá passando a roupa que você separou ontem, e o seu café já está pronto, só esperando a sua boa vontade. Felipe tentou voltar a dormir,

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

COLACIO. J SLIDES APRESENTA

COLACIO. J SLIDES APRESENTA COLACIO. J SLIDES APRESENTA A LIÇÃO RECEBIDO POR E-MAIL DESCONHEÇO A AUTORIA DO TEXTO: CASO VOCÊ CONHEÇA O AUTOR, ENTRE EM CONTATO QUE LHE DAREI OS DEVIDOS CRÉDITOS Éramos a única família no restaurante

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15 KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 28/10/15 A mentira não agrada a Deus Principio: Quando mentimos servimos o Diabo o Pai da mentira. Versículo: O caminho para vida é de quem guarda o ensino, mas o que abandona

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Ivo Barcelos Assumpção, nasci dia 13 do doze de 1954 em Rezende, Estado do Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu estudei engenharia química na UFRJ, entrei

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Protocolo da Entrevista a Maria

Protocolo da Entrevista a Maria Protocolo da Entrevista a Maria 1 O que lhe vou pedir é que me conte o que é que aconteceu de importante desde que acabou o curso até agora. Eu... ah!... em 94 fui fazer um estágio, que faz parte do segundo

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Narrador Era uma vez um livro de contos de fadas que vivia na biblioteca de uma escola. Chamava-se Sésamo e o e o seu maior desejo era conseguir contar todas as suas histórias até ao fim, porque já ninguém

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se A VOZ DAS COISAS Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se Marta, naquela noite, a sós na cama. Há as línguas que as pessoas falam: francês, alemão, espanhol, chinês, italiano. Para indicar a mesma

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens

Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens Rotary International Distrito 4570 Programa de Intercâmbio Internacional de Jovens Depoimentos de Intercambistas Brasileiros 2 Carolina Castro foi aos Estados Unidos em 2011 Programa Longa Duração O ano

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Genialidade, Fernando Pessoa

Genialidade, Fernando Pessoa Um homem de génio é produzido por um conjunto complexo de circunstâncias, começando pelas hereditárias, passando pelas do ambiente e acabando em episódios mínimos de sorte. Genialidade, Fernando Pessoa

Leia mais

Coyright 2013 by Autor: Felipe Lucena Capa: Yuri Santana Corrêa Diagramação: Yuri Santana Corrêa Revisão: Camila Gomes Os personagens desta obra são

Coyright 2013 by Autor: Felipe Lucena Capa: Yuri Santana Corrêa Diagramação: Yuri Santana Corrêa Revisão: Camila Gomes Os personagens desta obra são Coyright 2013 by Autor: Felipe Lucena Capa: Yuri Santana Corrêa Diagramação: Yuri Santana Corrêa Revisão: Camila Gomes Os personagens desta obra são reais. No entanto, seus nomes foram alterados pelo autor.

Leia mais

História: Vocês querem que eu continue contando a história do Natal? Maria e José seguiam para Belém,

História: Vocês querem que eu continue contando a história do Natal? Maria e José seguiam para Belém, Data: 13/12/2015 Texto Bíblico: Lucas 2:7; 8-20 e Mateus 2:1-12 Versículo para memorizar: Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu seu único Filho, para que todo aquele que Nele crê não morra,

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Meu pássaro de papel

Meu pássaro de papel ALUNO (A): ANO: 3º TURMA: (A) (C) PROFESSOR (A): VALOR DA AVALIAÇÃO: 40 pontos DATA: CENTRO EDUCACIONAL SAGRADA FAMÍLIA 22 / 08 / 2013 TRIMESTRE: 2º NOTA: COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA 1 Lição 0 Já nasceu de novo? (volte para a página 5) Perguntaram a John Wesley porque razão ele pregava várias vezes, acerca de devem nascer de novo. Ele respondeu, porque vocês devem nascer de novo! Já

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

SILAS, 8 ANOS, CURITIBA-PR

SILAS, 8 ANOS, CURITIBA-PR Pelo sétimo ano consecutivo, a Concessionária ECOVIA Caminho do Mar - traz para o Festival de Inverno da UFPR em Antonina as Oficinas de Robótica Sem Mistérios Um Desafio para Futuros Campeões. Nesta 23ª

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da

19º Plano de Aula. 1-Citação as Semana: 2-Meditação da Semana: 3-História da Semana: 4-Música da Semana: 5-Atividade Integrada da 19º Plano de Aula 1-Citação as Semana: Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. 2-Meditação da Semana: Ajudar o próximo 5 47 3-História da Semana: Uma lição a aprender 4-Música da Semana:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Programa transmitido em 26 de fevereiro

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais