A SEGURANÇA DO TRABALHO EM MINAS DE CARVÃO AGINDO NA PREVENÇÃO DA PNEUMOCONIOSE - REGIÃO CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SEGURANÇA DO TRABALHO EM MINAS DE CARVÃO AGINDO NA PREVENÇÃO DA PNEUMOCONIOSE - REGIÃO CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO ANTÉRO MAFRA JÚNIOR MÁRIO SÉRGIO MADEIRA A SEGURANÇA DO TRABALHO EM MINAS DE CARVÃO AGINDO NA PREVENÇÃO DA PNEUMOCONIOSE - REGIÃO CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA CRICIÚMA, JUNHO DE 2005

2 2 ANTÉRO MAFRA JÚNIOR MÁRIO SÉRGIO MADEIRA A SEGURANÇA DO TRABALHO EM MINAS DE CARVÃO AGINDO NA PREVENÇÃO DA PNEUMOCONIOSE - REGIÃO CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA Monografia apresentada à Diretoria de Pósgraduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, para a obtenção do título de especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho. Orientador: Profº. Msc. Casimiro Pereira Junior CRICIÚMA, JUNHO, 2005

3 3 ANTÉRO MAFRA JÚNIOR MÁRIO SÉRGIO MADEIRA A SEGURANÇA DO TRABALHO EM MINAS DE CARVÃO AGINDO NA PREVENÇÃO DA PNEUMOCONIOSE - REGIÃO CARBONÍFERA DE SANTA CATARINA Monografia apresentada à Diretoria de Pósgraduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, para a obtenção do título de especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho. Criciúma, 21 de Maio de BANCA EXAMINADORA: Prof. Msc. Casimiro Pereira Júnior - (UFSC) - Orientador Prof. Msc. Rafael Murilo Digiácomo - (UFSC) Prof. Msc. Marcelo Fontanella Webster - (UFSC)

4 4 AGRADECIMENTOS Agradecemos a todos os professores pela dedicação, e transferência de conhecimentos. Aos profissionais e empresas aqui citados. E nossos familiares, em especial as esposas e filhos que nos apoiaram em todos os momentos.

5 5 RESUMO A extração do carvão mineral é uma das principais atividades da região sul de Santa Catarina. A Região Carbonífera de Santa Catarina é composta de dez municípios, sendo responsável por quase 80% da produção nacional de carvão mineral. A extração ocorre em minas subterrâneas, onde são gerados poeira e gases, causando uma doença profissional, típica e comum entre os mineiros, a "Pneumoconiose dos mineiros de carvão". Neste trabalho apresentamos o histórico da extração do carvão, das técnicas utilizadas e dos riscos ocupacionais. Abordamos a pneumoconiose desde sua descrição na literatura médica, incidência e aspectos clínicos, até os dias atuais, número de casos, tarefas da mineração atual que ainda permite grande risco de exposição, as formas de controle utilizadas no Brasil, e, de maneira crítica, sua eficácia. Concluímos com sugestões para o controle da contaminação desta atividade produtiva, com o objetivo de contribuir para a melhora na qualidade da higiene e segurança do trabalho em ambientes de exploração do carvão mineral. Palavras chave: Pneumoconiose; Carvão Mineral; Região Carbonífera de Santa Catarina; Poeiras em minas de carvão; Segurança do trabalho em minas.

6 6 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Método Strip Mining Mina a Céu Aberto... Figura 2: Foto Mina Subterrânea... Figura 3: Processo de Beneficiamento do Carvão Mineral Figura 4: Carregadeira para operação em minas subterrâneas Bobcat. Mina semimecanizada... Figura 5: Monitoramento de Oxigênio e Gases... Figura 6: Airborne capture performance of four types of spray nozzles

7 7 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Descrição do ambiente de trabalho de acordo com a base técnica... Tabela 2: Relatório de ocorrência de pneumoconiose... Tabela 3: Continuação da tabela anterior Tabela 4: Número de empregados no setor da mineração de extração de carvão mineral... 37

8 8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BC Bronquite Crônica CBCA Companhia Brasileira de Carvão Araranguaense CID Código Internacional da Doença CO Monóxido de Carbono CSN Companhia Siderúrgica Nacional EPI Equipamentos de Proteção Individual FMP Fibrose Maciça Progressiva INSS Instituto Nacional de Seguro Social OIT - Organização Internacional do Trabalho PTC Pneumoconiose de Trabalhadores de Carvão SIECESC Sindicato da Industria de Extração de Carvão do Estado de SC

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Tema da Pesquisa: Pneumoconiose nos trabalhadores de minas de carvão Problema Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa Limitação FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O carvão mineral de Santa Catarina O processo de extração de carvão A extração do carvão a céu aberto A extração de carvão em subsolo O ambiente das minas A pneumoconiose dos trabalhadores de carvão Histórico Conceitos Incidência Prevalência

10 10 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Natureza Método Caracterização APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS Monitoramento da poeira em suspensão Ventilação Proposta para a prevenção da pneumoconiose Programa de proteção à saúde CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO 01 O CARVÃO MINERAL... ANEXO 02 - NORMA TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA INCAPACIDADE ANEXO 03 - FOTOGRAFIA DA VISITA A EMPRESA MINERADORA DE CARVÃO MINERAL... 72

11 11 1 INTRODUÇÃO 1.2 Tema da Pesquisa: Pneumoconiose nos trabalhadores de minas de carvão A região Sul de Santa Catarina apresenta uma atividade extremamente peculiar no cenário de produção nacional. Aqui se encontram as jazidas de carvão mineral, cuja extração foi atividade econômica pioneira na região, que proporcionou principalmente à cidade de Criciúma tornar-se destaque no cenário brasileiro. A mineração de carvão fixou na região uma categoria especial de trabalhador: o mineiro, cujo trabalho apresenta características que difere das ocupações dos demais operários, já que sua atividade no subsolo está longe de ser um ambiente natural de trabalho. Sua atuação é única, em razão do processo produtivo ser extremamente dinâmico, modificando a cada momento as frentes de trabalho e expondo os trabalhadores da mineração a situações novas. O ambiente das minas subterrâneas apresenta ventilação forçada, ausência de iluminação natural e inadequada iluminação artificial. O trabalho de extração de carvão se desenvolve em espaços restritos, sujeitos ao calor, à umidade, à poeira, aos gases, aos ruídos e vibrações. Apresenta evidencia elevado risco potencial de acidentes, quer pelos possíveis e freqüentes caimentos de tetos, quer pela viabilidade de incêndios, por explosões de gases e/ou poeiras. A mineração está incluída entre as atividades de maior insalubridade e periculosidade (grau de risco 04), pelo Ministério do Trabalho e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), resultado das características próprias do seu

12 12 processo atual de produção, podendo ocasionar graves danos à saúde do trabalhador, como por exemplo: Alta incidência de doenças respiratórias devido à liberação de dióxido de enxofre, monóxido de carbono (máquinas), e outros gases (explosivos). A antracosilicose - Pneumoconiose nos mineiros das minas de carvão. Asma ocupacional e bronquite industrial. A pneumoconiose é uma doença crônica, adquirida pela inalação de partículas sólidas, de origem mineral ou orgânica. Não tem cura e apresenta manifestações tardias, entre cinco e oito anos após a exposição às poeiras. Por se tratar de uma doença incurável, diante do diagnóstico, o trabalhador deve ser afastado da sua atividade, sendo remanejado para outra função. Somente na Região de Criciúma há atualmente mais de casos de pneumoconiose registrados. Destes, mais de 100 apresentam Fibrose Pulmonar Maciça, forma invalidante e fatal da doença. O tempo médio para o aparecimento da pneumoconiose depende da função do mineiro. Na função de furador de teto, com apenas cinco anos pode se desenvolver a doença. Estudos realizados pelos médicos, Albino José de Souza, Pneumologista, Valdir de Lucca, Radiologista e Sérgio Alice, Patologista, alertam para a importância da proteção respiratória, principalmente pela exposição excessiva do trabalhador em ambientes com o ar altamente contaminado das minas de Carvão. Na década de 80, a publicação destes trabalhos provocou a mudança no processo de mineração, com a introdução da água na frente de trabalho, o que mudou completamente o quadro de incidência da pneumoconiose na região carbonífera de Santa Catarina. Os capítulos da pesquisa versam sobre o carvão, o carvão na Região Carbonífera de Santa Catarina, o ambiente das minas de carvão; temas que se tornam relevantes para o estudo da pneumoconiose dos trabalhadores do carvão,

13 13 principal temática de estudo deste trabalho. 1.2 Problema Que procedimentos podem reduzir a incidência da pneumoconiose nos trabalhadores das minas de carvão? 1.3 Objetivos Objetivo geral Propor métodos preventivos para redução, e ou, eliminação do risco de aquisição da pneumoconiose nas minas subterrâneas de carvão Objetivos específicos Identificar as características e propriedades do carvão mineral. Caracterizar o ambiente cotidiano de trabalho nas minas subterrâneas de carvão da Região Sul de Santa Catarina. Pesquisar a incidência da pneumoconiose na população de trabalhadores das minas de carvão. Propor métodos para o controle da poeira gerada nas minas de carvão.

14 Justificativa A iniciativa de realizar este trabalho surgiu da vivência junto à extração do carvão mineral em nossa região. Esta atividade produtiva, junto com a riqueza trouxe degradação ambiental e danos irreparáveis a saúde dos trabalhadores das minas. A doença do trabalho mais relevante é a pneumoconiose dos trabalhadores do carvão, que ainda hoje se manifesta nos trabalhadores da mineração. Surgiu então ha necessidade de apresentar um estudo com dados atuais da doença e sugestões técnicas para melhorar as condições dos ambientes de trabalho nas minas da região carbonífera. 1.5 Limitação A pesquisa realizada neste trabalho foi baseada em estudos na Região Carbonífera de Santa Catarina, localizada na região sul do estado de Santa Catarina, que compreende dez municípios: Criciúma, Forquilhinha, Siderópolis, Treviso, Lauro Müller, Urussanga, Morro da Fumaça, Cocal do Sul, Içara e Nova Veneza. Realizamos visitas técnicas na Empresa COOPERMINAS, cooperativa de extração de carvão. A empresa, fundada em 1998, funciona como cooperativa dos funcionários do carvão mineral, a partir da falência da empresa CBCA (Companhia Brasileira de Carvão Araranguaense), localizada no município de Forquilhinha/SC.

15 15 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 O carvão mineral de Santa Catarina Em Santa Catarina, o início das atividades carboníferas aconteceu no final do Século XIX, realizadas por uma companhia britânica que construiu uma ferrovia e explorava as minas. Em 1885 foi inaugurado o primeiro trecho da ferrovia Dona Tereza Cristina, ligando Lauro Müller ao Porto de Laguna (anexo 01). Desde então o carvão catarinense vem sendo explorado e utilizado tanto pela siderurgia nacional, como para geração de energia termoelétrica, principalmente pela Usina Termoelétrica Jorge Lacerda, localizada em Capivari de Baixo-SC. A seguir descreveremos os dois processos de extração do carvão mineral, realizados na Região Carbonífera de Santa Catarina. 2.2 O processo de extração de carvão A extração do carvão a céu aberto A mineração a céu aberto é utilizada quando a camada localiza-se próxima da superfície, geralmente a menos de 30 metros de profundidade. Nesta forma de extração máquinas de grande porte rasgam o solo até alcançar o veio de carvão, havendo remoção de toda a cobertura rochosa e solo a ele sobreposto. A camada de carvão exposta é finalmente desagregada por perfuração e explosão.

16 16 Apesar de responsável por grande devastação do meio ambiente esta forma de mineração gera menos poeiras respiráveis do que a mineração de subsolo, conseqüentemente com menor risco de gerar pneumoconiose. Figura 1: Método Strip Mining Mina a Céu Aberto Fonte: Arquivo dos pesquisadores A extração de carvão em subsolo Conforme a forma de ser atingida a camada de carvão das minas de subsolo podem ser classificadas em minas de encosta, em plano inclinado ou poço vertical. Nas minas de encosta a camada de carvão encontra-se acessível pela escavação praticamente horizontal da galeria, a partir de elevação topográfica. Nas minas de plano inclinado à camada de carvão está em pequena profundidade, sendo alcançado pela perfuração de galeria com pequena inclinação. Para que seja atingida a camada de carvão profunda é necessária à

17 17 escavação de poço vertical. A partir deste a mineração faz-se no sentido horizontal. A extração de carvão pode ser feita de maneira manual, semimecanizada ou mecanizada. No processo manual a camada de carvão é perfurada por meio de ponteiras e picaretas, e fragmentada com uso de explosivos. Este material é separado manualmente e transportado em vagonetes. No processo semimecanizado a camada de carvão passa a ser perfurada com perfuratrizes a ar comprimido. A desagregação das rochas é obtida por explosão, o resultado sendo transportado por esteiras apropriadas. Na forma mecanizada, cada vez mais comum, os processos principais são executados por máquinas potentes. Num primeiro momento esta forma de mineração cursou com aumento da geração de poeiras respiráveis. Com a adoção de métodos mais efetivos de ventilação e principalmente pelo uso da água em toda a cadeia extrativa, as concentrações de poeira em suspensão dentro das minas foram bastante reduzidos. O método de mineração atualmente utilizado denomina-se câmaras e pilares, com etapas definidas e grupos de trabalhadores atuando consecutivamente. As galerias têm aproximadamente 6 metros de largura e altura compatível com a camada viável de carvão, mantendo-se entre elas pilares de aproximadamente 14 metros de diâmetro. Estes pilares sustentam todas as camadas geológicas que ficam acima do filão de carvão. Inicialmente as galerias devem ter seus tetos fixados para que sejam evitados desmoronamentos. Grandes máquinas perfuratrizes ou mineiros com perfuratrizes a ar comprimido fazem furos verticais por onde são introduzidos parafusos apropriados, fixados na sua extremidade inferior a pranchas de madeira ou metal que dão sustentação ao teto.

18 18 Buscando segurança estes parafusos são fixados em camadas de rochas com maior consistência, geralmente arenitos, rochas sedimentares ricas em sílica. Neste estágio são geradas poeiras com altas concentrações deste mineral, e os trabalhadores envolvidos nesta função, mais sujeitos ao desenvolvimento de pneumoconiose. Atualmente a perfuração do teto processa-se com a injeção de água pela própria sonda perfuratriz. Na época da extração não mecanizada o escoramento do teto era feito através de pilares de madeira, e, sem a furação do teto rico em sílica, havia menor exposição dos mineiros. Escorado o teto, inicia-se o corte da camada na frente da galeria. Após o corte e exposição da nova frente de trabalho são abertos orifícios horizontais onde são alojados os explosivos. Após a detonação da linha de frente, veículos especiais retiram o material desagregado, mistura de carvão e outras rochas sedimentares, como arenitos e siltitos, levando-os para correias transportadoras, por onde atingem a superfície. Em minas altamente mecanizadas despende-se aproximadamente 2 horas entre o início da perfuração do teto e a colocação do material extraído nas correias transportadoras. As feições geológicas das jazidas definem o traçados dos vários eixos, todos ligados ao principal. Os mineiros trabalhadores seguem a rota dos eixos e as galerias vão se alongando, num percurso de até 3 (três) ou 4 (quatro) Km 2 (VOLPATO, 1984) (Figura 2).

19 19 Figura 2: Foto Mina Subterrânea Fonte: Arquivo dos pesquisadores Várias galerias podem estar sendo mineradas concomitantemente. O carvão extraído das minas a céu aberto e subsolo, sofrem seu primeiro pré-beneficiamento nos lavadores das próprias carboníferas. Este processo é elaborado para retirar as impurezas, com um aproveitamento de 30% do material retirado (carvão pré-lavado), os 70% restantes são classificados como rejeitos piritosos (Figura 3). Estes rejeitos classificados como finos ou moinha, são recuperadas e enviadas as coquerias para a fabricação de coque. Figura 3: Processo de Beneficiamento do Carvão Mineral Fonte: Arquivo dos pesquisadores

20 O ambiente das minas A indústria do carvão não se assemelha às demais empresas. Difere-se delas já na forma de construção das unidades produtoras. As minas de carvão estendem-se enterradas a uma profundidade entre 50 a 200 metros; na superfície ficam os vestiários, algumas oficinas e escritórios. Essa indústria tem menos instalações e mais equipamentos móveis que, com seus operadores avançam pelas galerias que abrem o subsolo retirando o produto do meio da rocha, que é o carvão de pedra (BARAN, 1995). Na Região Carbonífera, o sistema de mineração é de câmaras e pilares, e há três tipos de minas: manual, semimecanizada e mecanizada. O processo de trabalho das minas, o acesso às galerias se faz através de poço, por elevadores ou do plano inclinado (BARAN, 1995). O conjunto de câmaras e pilares formam os painéis onde estão as várias frentes de trabalho. Os trabalhadores chegam às frentes a pé, fazendo um percurso de 1 a 4 Km, sendo que na maioria das mineradoras há meios de locomoção para o transporte dos mineiros. Os turnos são de seis horas com intervalos periódicos de quinze minutos para descanso e alimentação (VOLPATO, 1984). Quanto à operação realizada nas minas manuais, segundo (ALVES, 1996), a seqüência é a seguinte: 1 Escoramento do teto: realizado com prumos de madeiras (pés-direitos e travessões), pelo madeireiro e/ou trilheiro que também realiza o avanço dos trilhos. 2 Furação de frente: realizada pelo furador, com marteletes pneumáticos, são executados de 8 a 15 furos a cada frente. 3 Detonação ou desmonte: os detonadores carregam os furos com explosivos, processando-se a detonação em seqüência. É realizada uma detonação

21 21 em cada frente de trabalho por dia, em geral, no terceiro turno, quando os trabalhadores já se retiraram das frentes. 4 Limpeza das frentes ou paleação: realizada no primeiro turno depois de baixada a poeira do desmonte, pelos mineiros puxadores ou paleadores que, estão em dupla e munidos com o carvão desmontado. Cada paleador tem uma cota mínima estipulada pela empresa, em geral de 10 a 13 vagonetas com cerca de 500 Kg de capacidade cada, recebendo um adicional por vagoneta excedente. Como as galerias são baixas, esse trabalho é feito em posição encurvada. Após encher cada vagoneta, o mineiro empurra a mesma pelos trilhos, numa distância de 50 a 100 metros até a galeria-mestra, engatando-a no cabo sem-fim, de onde será tracionada até o virador na superfície. No cruzamento de duas galerias, existe uma chapa metálica, o chapão, sob o qual é colocada a vagoneta, permitindo a mudanças de direção da mesma. As galerias estreitas e baixas propiciam os acidentes por compressão durante essa manobra. Nas minas mecanizadas, ainda segundo (VOLPATO 1984), a seqüência de operação é a descrita a seguir: 1 Corte: o operador da máquina cortadeira inicia o processo de extração realizando um corte de 2 a 3 metros de profundidade por 5 metros de largura na base da camada de carvão. A cortadeira é uma máquina com avançamento mecânico de cerca de 3 metros de comprimento, onde se insere uma lança tipo moto serra. 2 Furação de frente: realizada pela perfuratriz mecânica operada por um trabalhador. 3 Detonação: realizada pelo blaster com espoletas, estopins e explosivos de forma seqüencial. 4 Carregamento e transporte: após o desmonte, a máquina Loader

22 22 recolhe o carvão com braços mecânicos e sistema de esteiras, e coloca no Shuttlecar, que o transporta até o alimentador da correia, ocorrendo aí à trituração primária do carvão: do alimentador, o carvão passa para a correia que transporta até a superfície; nestas etapas trabalham os operadores de máquinas e seus ajudantes, além dos serventes de subsolo. 5 Escoramento do teto: realizado pelo furador de teto e seu ajudante, com auxílio de marteletes pneumáticos; após perfurar o teto, colocam parafusos de ferro com blocos de madeira. É a operação de maior risco para o trabalhador, uma vez que a camada do teto é a que tem maior concentração de sílica em sua composição; também de maior risco de caimento de pedras do teto e desabamentos. As perfuratrizes com avanços mecânicos diminuem o risco de desabamentos, porem são pouco utilizadas. Esse ciclo de operações é realizado em meia hora, sendo repetido de 12 a 16 vezes por turno, em cada frente de trabalho. Volpato (1984) acrescenta que o ciclo de operações nas minas semimecanizadas é semelhante ao das minas mecanizadas, com exceção ao corte da camada inferior do carvão que não é realizado nas primeiras, a perfuração de frente que é realizada com martelete pneumático e a etapa de carregamento e transporte que é realizada por uma máquina, o bobcat. Os bobcats (figura 04) são pequenas máquinas carregadeiras, com motor elétrico ligado, que se locomovem em repetidas operações de vaivém, carregando e transportando o carvão das frentes até as calhas transportadoras nas galerias laterais.

23 23 Figura 4: Carregadeira para operação em minas subterrâneas Bobcat. Mina semimecanizada Fonte: Arquivo dos pesquisadores Das calhas, o carvão é transportado por esteiras até a correiatransportadora, localizada na galeria principal e daí para a superfície. No carregamento e transporte trabalham o operador de bobcats e o cabista. O operador de bobcat está exposto ao calor excessivo e trepidação do motor elétrico, gases e poeira, além de permanecer por seis horas em posição antiergonômica, principalmente os membros inferiores. O cabista controla o cabo do bobcats à meia distância entre a frente e a galeria lateral, estando exposto a poeiras, gases de detonação, caimento de pedras, choque elétrico e monotonia da atividade. Nas calhas e correias trabalham os serventes, os marreteiros e os comandos de correia, expostos a poeiras, deslocamento de pedras da correia e choque elétrico. Todos os trabalhadores estão expostos ao ruído (VOLPATO, 1984). Baran (1995), coloca que os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) utilizados são: botas, capacetes, abafadores e máscaras nos três tipos de mina; quanto à proteção coletiva é feita através do sistema de ventilação com exaustores e

24 24 umidificação das etapas que causam emissão de poeiras (furação de frente e de teto, carregamento e transporte). O controle da produtividade e do ritmo de trabalho é exercido pelos encarregados, chefe de seção e chefes de turnos. Em resumo, as diferenças fundamentais entre os três tipos de processo de trabalho são: a duração do ciclo de operações e o volume de carvão desmontado por turno, desaparecimento da figura do mineiro que realizava todo o processo de lavra substituído por operadores de máquinas e trabalhadores em funções de manutenção e serventes de subsolo; a concentração de atividades em conjuntos mecanizados com a operação simultânea de cada etapa em frentes de trabalho mais próximas uma das outras, caracterizando um processo tipo linha de montagem que expõe todos os trabalhadores, independentemente de sua função, aos riscos ambientais. Essas diferenças caracterizam a divisão do trabalho, a especialização e a desqualificação dos trabalhadores, a divisão das tarefas com a perda do domínio do processo e do ritmo do trabalho, forma de organização, essa determinada pela exigência do aumento da produtividade e introdução de novas tecnologias, a mecanização neste caso.

25 25 Tabela 1: Descrição do ambiente de trabalho de acordo com a base técnica FATOR MANUAL SEMIMECANIZADA MECANIZADA Suficiente (Extensão Insuficiente (lanternas e Insuficiente (idem a Iluminação elétrica) baterias nas frentes) semimecanizada) Temperatura Umidade Condições de solo Altura e largura das galerias Ruído Poeiras Instalações Elétricas Média a quente conforme a profundidade Conforme características (muita, moderada ou pouca) Descontinuidade no solo e parede, acúmulos de fragmentos de minérios e água Amena nas galerias quente nas frentes Idem mais umidificação das poeiras Idem Mais elevado do que as demais frentes devido às máquinas Idem mais umidificação das poeiras em maior grau Idem Estreitas e baixas Intermediária Mais amplo De impacto pela detonação intermitente das perfurações contínua dos exaustores Remoção de volume ROM menor, gerando menor quantidade de poeiras Fios pa iluminação, bombas d água e exaustores Gases Menor concentração próprios da rocha, explosivos das detonações, respiração humana Fonte: Baran (1995, p ). Idem, mas máquinas e correiastransportadoras Maior concentração proveniente das furações, detonações e remoção de grandes camadas de carvão por bobcats Fiação para iluminação, para comandos de correias, cabos de alta tensão, das bobcats e das bombas d água Maior concentração Intenso pelas máquinas de grande porte alimentadorquebrador Alta concentração de partículas nas frentes de trabalhos Fio para iluminação, máquinas locomotivas, AT, exaustores, centro de transformação Maior concentração das cargas de motores de combustão orgânica 2.4 A pneumoconiose dos trabalhadores de carvão Histórico No século XVI, já se descreviam as primeiras relações entre trabalho e

26 26 doença, mas apenas em 1700, foi que se chamou atenção para as doenças profissionais, quando o italiano Bernardino Ramazzini publicou o livro De Morbis Artificum Diatriba ( As Doenças dos Trabalhadores ). Nesta obra, ele descreveu, com extraordinária precisão para a época, uma série de doenças relacionadas com mais de 50 profissões diferentes. Diante disso, Ramazzini foi cognominado o Pai da Medicina do Trabalho, e as perguntas clássicas que o médico faz ao paciente na anammese clínica foi acrescentada mais uma: Qual a sua ocupação? (MARGOTTI, 1998). A pneumoconiose dos trabalhadores do carvão foi descrita na Inglaterra por Thompson em O número de casos de pneumoconiose aumentou muito com a eclosão da 1ª e 2ª Guerra Mundial, tornou-se um problema epidêmico principalmente no País de Gales e Inglaterra, razão pela qual em 1945 criou-se uma unidade de pesquisa das pneumoconioses (BARAN, 1995). Tais medidas resultaram em estudos, prevenção e queda significativa de prevalência da pneumoconiose dos trabalhadores de carvão. No Brasil, os primeiros relatos de pneumoconiose datam de 1943 nas minas de São Gerônimo e Butiá no Rio Grande do Sul. Na bacia carbonífera sul catarinense, o primeiro estudo foi de Manoel Moreira, do Departamento Nacional de Produção Mineral, Boletim nº 92, publicado em 1952, que relatou 01 caso de pneumoconiose. Em 1958, Raimundo Perez, radiologista de Criciúma, reuniu 11 casos de pneumoconiose. No período de 1969 a 1979, os médicos Albino José de Souza Filho, pneumologista; Valdir de Lucca, radiologista; e Sérgio Alice, patologista; fizeram um levantamento na população de mineiros e encontraram 536 casos de pneumoconiose e estudaram a prevalência, aspectos clínicos e classificação

27 27 radiológica e histopatológica nos casos de biópsia e necropsia, trabalho publicado no Jornal da Pneumologia em Os autores Souza Filho e Alice fizeram estudo de casos de fibrose maciça pulmonar progressiva, correspondendo a 6% de casos de pneumoconiose, da grande maioria dos trabalhadores das minas de carvão, publicado no Jornal de Pneumologia em dezembro de Souza Filho (1990) coloca que para os mineiros do mundo, as pneumoconioses em geral e a silicose em particular, constitui-se em um dos mais graves problemas de higiene do trabalho com que tem de lutar e talvez o mais difícil de resolver. Em Santa Catarina, a Pneumoconiose dos mineiros do carvão é uma combinação de Antracose e silicose, sendo a última a responsável pela patologia Conceitos Poeira: é a suspensão de partículas sólida no ar, gerada por ruptura mecânica de um sólido. As poeiras são geradas no manuseio de sólidos a granel, como grãos; na britagem ou moagem de minérios; na detonação para desmontes de rochas; no peneiramento de materiais orgânicos e inorgânicos; e outros. Normalmente, têm tamanho de 0,1 µm a 25 µm. A maior parte das poeiras em indústrias é formada por partículas de tamanho muito variado, prevalecendo, numericamente, as menores, embora sejam percebidas apenas as de maior tamanho. A visão humana normal pode ver partículas de poeira acima de 50 µm, entre 50 µm e 10 µm consegue-se perceber com um feixe luminoso intenso, e as menores que 10 µm, individualmente só podem ser vistas com auxílio de um

28 28 microscópio. Pneumoconiose: Pneumo pulmão; conis pó. Com este nome genérico são designados os estados patológicos produzidos pela retenção da poeira nos pulmões. As principais pneumoconioses asbestose, pneumoconiose dos mineiros de carvão e silicose ocorrem tipicamente após exposição contínua a concentrações de poeira que não são mais legalmente permitidas em muitos países desenvolvidos, inclusive os Estados Unidos. Silicose: é definida como uma enfermidade devida à respiração de ar contendo partículas de sílica livre (SiO 2 ), caracterizada por mudanças fibróticas generalizadas e desenvolvimento de uma nodulação invasiva e clinicamente por um decréscimo da capacidade respiratória e da expansão torácica, diminuição da capacidade para o trabalho, ausência de febre, aumento de suscetibilidade à tuberculose e imagem característica no Raio X (MARGOTTI, 1998). Antracosilicose ou Pneumoconiose de trabalhadores de carvão - Reação pulmonar, não neoplásica por mineral ou pós-orgânicos. O acúmulo da poeira de sílica livre e cristalina no pulmão provoca uma reação do organismo a essas partículas, e, como conseqüência, leva a uma fibrose pulmonar (como cicatrizes internas), a qual diminui a capacidade de trocas gasosas do pulmão (MARGOTTI, 1998). A exposição a poeiras de carvão mineral relaciona-se com a pneumoconiose de trabalhadores de carvão PTC (FLETCHER apud MENDES, 1995), fibrose maciça progressiva FMP (COCHRANE apud MENDES, 1995), bronquite crônica BC (HIGGINS e COLS., apud MENDES, 1995; TAE, WALKER & ATTFIELD apud MENDES, 1995) e enfisema pulmonar (RYDER e cols., apud MENDES, 1995; COCKCROFT e cols., apud MENDES, 1995). Estas entidades

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO Uma empilhadeira é uma máquina industrial utilizada para levantar e carregar materiais, normalmente através de garfos de metal que são inseridos por debaixo da carga. Geralmente,

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm

a) 290mm; 250mm; 200mm b) 400mm; 475mm; 350mm c) 250mm; 200mm; 330mm d) 250mm; 350mm; 200mm Engenheiro Civil 11) O quadroabaixo mostra o volume de precipitação de água da chuva no município, nos últimos sete meses. Com base nos valores apresentados, marque a opção que corresponde aos valores

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

1. GES 11: Produção de sais de níquel do metal níquel

1. GES 11: Produção de sais de níquel do metal níquel 1. GES 11: Ciclo de vida Título resumido livre Uso final DU (usuário à jusante) do metal níquel Produção de sais de níquel a serem usados na produção de catalisadores Título sistemático baseado no descritor

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS

REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS Carla Ferreira Vieira Martins Engenheira de Minas DNPM INTRODUÇÃO Os testes de carregamento

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA

CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA CONSTRUÇÃO CIVIL E A REDE ELÉTRICA O QUE É A COCEL? A COCEL leva energia elétrica a toda Campo Largo. É esta energia que permite que as fábricas, o comércio e todo o setor produtivo funcionem. É graças

Leia mais

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS Nos diversos ambientes, muitos deles existentes no subsolo, como galerias, esgotos, os porões nas edificações, tanques etc., pela natureza de seus projetos e finalidades,

Leia mais

OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS

OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS Luiz Henrique de Oliveira Bispo Bolsista de Inic. Científica, Eng. Química, UFRJ Salvador Luiz Matos de Almeida Orientador,

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5

Nome do produto: BIOCOMPOSTO BLF. Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 Data da última revisão: 22/06/07 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: Biocomposto BLF - Código interno de identificação do produto: 020 - Nome da empresa: Biotecma Biotecnologia

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

GABINETE Chapas de aço carbono SAE 1020 galvanizadas. Tratado quimicamente com fosfato de zinco, pintado com pó epóxi na cor bege, curada em estufa.

GABINETE Chapas de aço carbono SAE 1020 galvanizadas. Tratado quimicamente com fosfato de zinco, pintado com pó epóxi na cor bege, curada em estufa. As Cortinas de Ar TroCalor são destinadas a impedir a mistura de fluxos de ar ao isolar dois ambientes distintos através da formação de uma barreira de ar entre eles, mantendo ideais as condições de temperatura

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: HIGIENE OCUPACIONAL IV Aula 60 VENTILAÇÃO LOCAL EXAUSTORA Parte I da Aula 60

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO ACIDENTE DE TRABALHO Conselho Federal de Medicina (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

O leque de nossas possibilidades profissionais

O leque de nossas possibilidades profissionais O perfil da empresa O leque de nossas possibilidades profissionais Perfuração & Explosão Jens Weiss Ltda É uma empresa especializada em serviços de preparação e execução de explosão de todos os tipos.

Leia mais

Ventilação na Restauração

Ventilação na Restauração Ventilação na Restauração As deficiências na climatização e na exaustão de fumos dos Restaurantes são um problema frequente. Muitas vezes há deficiente extracção de fumos, com caudais de ar insuficientes,

Leia mais

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA Joel Henrique Rohr 1 Resumo: Uma das patologias existentes na construção civil são as infiltrações. Um dos pontos críticos das

Leia mais

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos

VENTILADORES INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores são equipamentos essenciais a determinados processos Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Como outras turbomáquinas, os ventiladores

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

ACIDENTES DO TRABALHO SMS

ACIDENTES DO TRABALHO SMS ACIDENTES DO TRABALHO SMS Acidente do trabalho CONCEITO LEGAL: De acordo com o Art. 19 da Lei 8.213/91: Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão

Leia mais

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO Sarah Ribeiro Guazzelli Taís Renata Câmara Rodrigo de Lemos Peroni André Cezar Zingano Gustavo Steffen Daniel Fontoura

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM) RESOLUÇÃO CFM nº 1488/1988 É responsabilidade do médico estabelecer a relação causal ou o nexo técnico entre a doença e o trabalho História clínica e ocupacional Exame

Leia mais

ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ

ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ Autores Antonio Mauro Lisboa Renó José Antonio Carneiro Saturnino Nunes Neto CESP Companhia Energética de São Paulo RESUMO A UHE Jupiá

Leia mais

OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*)

OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*) 38 PARTE IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO do RAP e do RAM (*) 1. INTRODUÇÃO A reciclagem das camadas do pavimento pode ser executada na pista, ou em usina central ou fixa. Os processos de obtenção dos materiais

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO TRATAMENTO ACÚSTICO DA COBERTURA METÁLICA DO GINÁSIO NILSON NELSON BRASÍLIA DF

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO TRATAMENTO ACÚSTICO DA COBERTURA METÁLICA DO GINÁSIO NILSON NELSON BRASÍLIA DF APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO TRATAMENTO ACÚSTICO DA COBERTURA METÁLICA DO GINÁSIO NILSON NELSON BRASÍLIA DF Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. José Renato Pandolfo Atividade

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

GERADOR EÓLICO 1 INTRODUÇÃO

GERADOR EÓLICO 1 INTRODUÇÃO FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto de Pesquisa da Primeira Série Série: Primeira Curso: Eletrotécnica Turma: 2123 Sala: 234 Início: 17 de junho de 2009 Entrega: 17 de julho

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR

Nome do produto: BIOAGLOPAR Data da última revisão: 09/02/2011 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar NCM: 3905.21.00 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.002 - Nome da empresa:

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS - 1 - RESUMO Em regiões de carregamento, principalmente pontos de carga de minérios, existe uma grande contaminação do lastro ferroviário. Esta

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 2: ESQUEMA GERAL DA TUBULAÇÃO TELEFÔNICA. RECOMENDAÇÕES A tubulação telefônica é dimensionada em função da quantidade de pontos telefônicos previsto para cada parte do edifício. Cada ponto telefônico

Leia mais

Rebaixamento do Lençol Freático

Rebaixamento do Lençol Freático Rebaixamento do Lençol Freático Índice 1. Rebaixamento por Poços 2. Bombas Submersas 3. Rebaixamento à Vácuo 4. Norma 5. Método construtivo 6. Equipe de trabalho 1. Rebaixamento Por Poços Rebaixamento

Leia mais

Proposta de melhoria de processo em uma fábrica de blocos de concreto

Proposta de melhoria de processo em uma fábrica de blocos de concreto VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Proposta de melhoria de processo em uma fábrica de blocos de concreto Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

Armazém Planear a construção

Armazém Planear a construção Planear a construção Surgem muitas vezes problemas associados às infra-estruturas dos armazéns, como por exemplo, a falta de espaço para as existências, para a movimentação nos corredores e áreas externas,

Leia mais

SUMÁRIO. 1 As máquinas possibilitam a construção 1. 4 Solos e rochas 94. 5 Equipamentos para compactação e estabilização do terreno 118

SUMÁRIO. 1 As máquinas possibilitam a construção 1. 4 Solos e rochas 94. 5 Equipamentos para compactação e estabilização do terreno 118 SUMÁRIO 1 As máquinas possibilitam a construção 1 Ser competitivo 1 A história dos equipamentos de construção 3 O setor da construção civil 10 Segurança 11 Os contratos de construção civil 13 O planejamento

Leia mais

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos Ar Condicionado As pessoas passam, porventura, até cerca de 90 % das suas vidas nos espaços confinados, seja nas suas residências, no trabalho, nos transportes ou mesmo em espaços comerciais. A questão

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

CATÁLOGO 2014. Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS

CATÁLOGO 2014. Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS CATÁLOGO 2014 Aquah Cisternas Verticais PLUVIAIS E POTÁVEIS CISTERNAS VERTICAIS Nossa linha de Cisternas Verticais foi desenvolvida para se adaptar às mais diversas estruturas e, atráves de vasos comunicantes,

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS. GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org.

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS. GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org. ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICA T PARA TRABALHOS NOTURNOS COM REDES ENERGIZADAS GUILHERME RACHELLE HERNASKI guilherme.hernaski@lactec.org.br VICTOR SALVINO BORGES victor.borges@lactec.org.br EDEMIR LUIZ

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

Operação Unitária de Centrifugação

Operação Unitária de Centrifugação UFPR Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Física Industrial Operação Unitária de Centrifugação Prof. Dr. Marco André Cardoso Centrifugação Operação unitária com a principal finalidade

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR CIMENFLEX Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP e-mail:

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Por que eu devo utilizar equipamentos de segurança e onde encontrá-los? Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram feitos para evitar

Leia mais

Ventilação em Espaços Confinados

Ventilação em Espaços Confinados Ventilação em Espaços Confinados Objetivo: Apresentar os conceitos básicos e soluções para ventilação de espaços confinados no contexto da norma regulamentadora NR-33. Palestrante: Eng o José Maurício

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS

GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS 25/09/2012 GESTÃO NO CANTEIRO DE OBRAS ENG O. LEONARDO MENDES LEAL DA PAIXÃO AGENDA Definição. Fase de Planejamento. FasesOperacionais. a) Fase de Implantação; b) Fase Funcional; c) Fase de Desmontagems

Leia mais