A SEGURANÇA DO TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SEGURANÇA DO TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA NA CONSTRUÇÃO CIVIL"

Transcrição

1 ISSN A SEGURANÇA DO TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Marisa Fasura de Amorim (UFF- Univ. Federal Fluminense) Ana Lúcia Torres Seroa da Motta (UFF- Univ. Federal Fluminense) Resumo A indústria da construção civil é um dos setores que mais cresce no país. Paralelamente a isso, é um dos setores que apresenta maior índice de acidentes de trabalho. Dentre as causas mais comuns, estão à falta de qualificação dos trabalhadoores, a alta rotatividade da mãose-obra e a falta de segurança no ambiente de trabalho. Perante este quadro, algumas empresas estão investindo na qualificação de seus profissionais. Este processo está ocorrendo principalmente devido à escassez de mão-de-obra no mercado e ao grande volume de obras que estão ocorrendo no país devido principalmente aos eventos que ocorrerão nos próximos anos como a Copa Mundial de Futebol que ocorrerá em 2014 e os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos que ocorrerão na cidade do Rio de Janeiro em Para que haja segurança nos ambientes de trabalho é necessário que haja treinamento e conscientização. Só com a união destas forças ocorrerá a mudança nos ambientes produtivos. Palavras-chaves: segurança, educação profissional, construção civil

2 Introdução A construção civil no Brasil está passando por uma fase de crescimento e valorização, principalmente devido ao advento da Copa Mundial de Futebol que ocorrerá em 2014 e os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos que ocorrerão na cidade do Rio de Janeiro em Novas tecnologias construtivas estão sendo empregadas e as preocupações com a sustentabilidade e a segurança do trabalho passaram a ser questões fundamentais dentro do processo produtivo. A Indústria da Construção Civil é um dos setores que mais geram emprego. Entretanto, devido à falta de qualificação de seus profissionais e o descaso de algumas empresas é também, um dos setores com o maior número de acidentes e doenças profissionais. Ao se trabalhar com prevenção orientando gestores e trabalhadores em questões relacionadas aos procedimentos corretos no processo produtivo, cria-se uma cultura de segurança. A qualidade de vida no ambiente de trabalho reduz drasticamente acidentes e doenças ocupacionais. 1. A Construção Civil no Brasil A construção civil no Brasil passou por um período onde a falta de investimentos no setor foi marcante. Devido aos baixos investimentos na área imobiliária, até o ano de 2003, o setor passou por um período de instabilidade. Com investimentos em obras de infraestrutura e em unidades habitacionais a partir de 2004 a construção civil começou a se recuperar lentamente. Entre os anos de 2004 e 2008 a taxa média de crescimento do Produto Interno Bruto PIB no Brasil foi de 4,8%. Entretanto, neste mesmo período, a taxa de crescimento da indústria da construção civil foi de 5,1%. Mudanças institucionais e a evolução do cenário macroeconômico ajudaram neste processo deixando para trás, um longo período de estagnação da área. Apesar da instabilidade mundial devido à crise financeira ocorrida em 2009, o Brasil cresceu economicamente com elevação do PIB setorial em 7,5%, representando o maior crescimento dos últimos 25 anos. Em termos gerais, no ano de 2010 a indústria extrativa mineral teve um crescimento de 15,7%, a construção civil 11,6% e a indústria de 2

3 transformação 9,7% proporcionando um crescimento total de 10,1% se comparado ao ano de Nos últimos cinco anos, a indústria de materiais para construção tem apresentado crescimento sustentável com taxa anual aproximada de 10 %. Com a desoneração de tributos, a partir de 2006, houve o aumento de crédito e ampliação dos prazos de financiamentos alavancando assim os investimentos. Não só investimentos relacionados à Copa do Mundo de Futebol de 2014 e os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro em 2016 estão impulsionando o crescimento da construção civil. O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o Programa de Sustentação do Investimento (PSI) estão impulsionando este processo que terá recursos do BNDES- Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social no valor de R$ 75 bilhões a serem implementados no setor de infraestrutura. 1.1 O desempenho da construção civil nos últimos anos Nos primeiros três trimestres de 2010 o Valor Adicionado Bruto (VAB) no setor da construção civil que representa o resultado da diferença entre o valor da produção e o valor do consumo, teve um crescimento de 13,6% em relação a igual período do ano anterior. Fatores como o aumento do crédito, queda nas taxas de juros e impostos, obras públicas de infraestrutura dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e a habitação com o Programa Minha Casa, Minha Vida auxiliaram neste processo. Lançado em março de 2010, o PAC 2 que compreende os anos de 2011 a 2014, tem como previsão de investimento, R$ 1,59 trilhão em obras de infraestrutura. Gráfico 1 - Taxa de Crescimento do PIB, VAB construção civil 3

4 Fonte: Banco de Dados da CBIC. Câmara Brasileira da Indústria da Construção. São Paulo, Disponível em:<http//www.cbcdados.com.br/home/> As regiões Norte e Nordeste impulsionaram o setor da construção civil principalmente devido as obras das usinas hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, em Rondônia e da Refinaria Abreu e Lima em Pernambuco. Como reflexo destes investimentos, houve a expansão do consumo de cimento nestas regiões que registraram um aumento de 28,4% e 22,23%, respectivamente, em relação ao ano de Num contexto geral, houve um aumento na produção de cimento de mais de 2 mil toneladas/mês em 2010 em relação ao ano anterior. No Brasil, este insumo básico do setor de construção civil, demonstrou um crescimento de 15,87% em 2010, totalizando toneladas. Tabela 1 - Consumo Nacional de Cimento por Região em toneladas Brasil- 2009/2010 Fonte: SNIC - Sindicato Nacional da Indústria de Cimento. Elaboração: DIEESE Disponível em: <http://dieese.org.br/esp/estpesq56construcaocivil.pdf> Os investimentos voltados à indústria da construção pesada, como obras de infraestrutura de transportes e logística, exploração do pré-sal, Copa do Mundo de Futebol de 2014 e Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016, esbarram em algumas situações ainda a serem resolvidas. Infraestrutura básica na área de energia, aeroportos, mobilidade urbana, readequação viária e saneamento necessitam ser ampliados. Governo e empresários do setor trabalham em conjunto para superarem dificuldades do segmento como a má gestão dos investimentos, a deficiente gestão dos canteiros de obras, a falta de qualificação profissional dos trabalhadores e a regulamentação ambiental. 1.2 A realidade da construção civil Em 2009, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio PNAD- IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o setor da construção possuía cerca de 4

5 6,9 milhões de trabalhadores. Deste total, 39,94% trabalhavam por conta própria e 23,11% não possuíam carteira de trabalho assinada, não tendo benefícios como auxílio-doença, pensão por morte, auxílio-acidente ou aposentadoria por invalidez. Esta informação reflete o alto índice de informalidade no setor. Postos de trabalho foram fechados em decorrência da crise. Entretanto, o estímulo ao setor resultou na recuperação e consequente evolução do emprego formal na área da construção civil. O setor gerou quase 12% de todos os postos de trabalho no Brasil, representando novos empregos no ano de 2010, índice de crescimento de 43,5% em relação a Tabela 2 - Saldo do emprego formal, por setor de atividade econômica - Brasil Fonte: MTE. Elaboração: DIEESE. Disponível em:<http://dieese.org.br/esp/estpesq56construcaocivil.pdf> A construção civil apesar de gerar um volume muito grande de empregos, apresenta alto índice de rotatividade da mão de obra devido à particularidade de seu processo produtivo. Segundo os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), no ano de 2010, 2,4 milhões de trabalhadores foram contratados e em contrapartida, 2,2 milhões de trabalhadores perderam seus empregos. Para minimizarem custos, os contratos de mão-de-obra são elaborados por períodos prédeterminados ou por empreitada, de acordo com a fase da obra. A busca das empresas por trabalhadores na faixa etária dos vinte e quatro anos, com qualificação gerou contratações com remunerações superiores a 1,32% na comparação entre os anos de 2009 e A construção civil vem superando as dificuldades dos últimos anos. Isto pode ser observado devido ao alto índice de desempenho apresentado no ano de Segundo o Sinduscon RJ (Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro), o 5

6 ano de 2011 não apresentou índices como esperados, entretanto atingiu patamares de maior equilíbrio e sustentabilidade, refletindo resultados positivos e crescimento das atividades. O Sinduscon-RJ identificou como razões para o crescimento do setor no ano de 2010: - maior oferta de crédito imobiliário favorecendo á redução da taxa de juros dos financiamentos e aumentando os prazos de pagamento - aumento do emprego formal - crescimento da renda familiar - estabilidade macroeconômica - mudanças no marco regulatório do mercado imobiliário (Lei /2004), resultando em maior segurança, transparência e agilidade - melhor previsibilidade da economia, tornando mais factíveis os negócios imobiliários. - obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) Fonte: Construção civil: Desempenho e Perspectivas. Câmara Brasileira da Indústria da Construção CBIC. Brasília, Disponível em:<http://www.cbic.org.br/sala-deimprensa/noticia/construcao-civil>. Entre os anos de 2004 e 2010 a construção civil cresceu 42,41%%, conforme dados apontados pelo Sinduscon-RJ, representando um acúmulo do PIB da construção de 5,18%. Nos primeiros nove meses de 2011 este mesmo índice teve um percentual de crescimento de 3,8% conforme dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em sua Pesquisa Mensal de Emprego (PME), executada entre os meses de janeiro a outubro de 2011, nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Porto Alegre e Salvador, o IBGE constatou que a da taxa de desemprego foi de 3,9%. Setores de insumos da construção civil também cresceram neste período. Dados do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC) mostraram que o consumo cresceu 8,43% no período compreendido entre janeiro a agosto de 2011 se comparado ao mesmo período de Já o consumo de vergalhão, teve um crescimento de 8,66% no período compreendido entre janeiro a setembro de 2011, segundo dados do Instituto Aço Brasil (IABr). A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat) registrou no período de janeiro a outubro de 2011 alta de 2,4%. O crédito imobiliário contribuiu sistematicamente para movimentar a cadeia produtiva do setor gerando renda, emprego e tributos. Os financiamentos imobiliários para aquisição e construção de imóveis com recursos da caderneta de poupança geraram entre janeiro e outubro de 2011, R$64,9 bilhões. Isto representa uma alta de 44,7% em relação a iguais meses 6

7 de Ou seja, enquanto que em 2010 foram financiados unidades, no mesmo período de 2011 foram financiados imóveis. O setor sabe que ter perspectivas positivas não é garantia de resultados. A infraestrutura inadequada contribui para que o crescimento sustentado ainda não seja efetivo. É necessário aumentar a produtividade e o processo de qualificação da mão de obra. A construção civil deve ajustar o processo de crescimento de acordo com as necessidades do País. Dificuldades relacionadas com a qualificação e a contratação de mão de obra, locação de máquinas e equipamentos e prazos para entrega dos materiais por parte dos fornecedores são algumas das situações a serem solucionadas. Para que a construção civil permaneça neste processo de crescimento a estabilidade macroeconômica deverá continuar a impulsionar as atividades do setor. 2. A Segurança do Trabalho na realidade da construção civil A construção civil é um dos setores da economia brasileira que direta ou indiretamente proporciona emprego a uma grande massa de trabalhadores. Entretanto é também, uma das áreas com maior número de acidentes. A retomada das obras de infraestrutura e a crescente evolução na construção imobiliária elevou no Brasil o número de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais, originados pelas más condições ambientais. Segundo o Ministério da Previdência Social em seu Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho (AEPS 2010), no ano de 2010 houve uma redução das notificações referente ao número de acidentes. Foram notificados acidentes de trabalho, enquanto que no ano de 2009 foram notificados acidentes. Os acidentes de trajeto tiveram um aumento de 5,11%. Já as mortes decorrentes de acidentes no ambiente de trabalho cresceram 11,4% em 2010 se comparado ao ano de A preocupação com a prevenção de acidentes deve ser um trabalho continuo. Dentro deste processo, a participação ativa de gestores e trabalhadores com procedimentos corretos no ambiente de trabalho são fundamentais. Este processo gera redução dos riscos ocupacionais. O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) aprovou através da Portaria 3214 de 08 de junho de 1978 as Normas Regulamentadoras-NR que consolidam as Leis do Trabalho, conforme Capítulo V, Título II, relativo à Segurança e Medicina do Trabalho da Constituição Brasileira. 7

8 A NR 18 refere-se especificamente as Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção. Foi elaborada para atender as atividades da construção civil que estão relacionadas no quadro da Classificação Nacional de Atividade Específica - CNAE. Em seu item 18.1, a norma estabelece como objetivo a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança dentro dos processos e condições do meio ambiente de trabalho. Apesar de que em estabelecimentos com 20 ou mais trabalhadores ser obrigatório à implementação do Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção PCMAT, observa-se que a efetiva atuação da segurança no ambiente de trabalho ainda deixa a desejar. Entre os problemas encontrados estão à mão-de-obra desqualificada, a falta de treinamento, a despreocupação com o ambiente de trabalho e a falta de compromisso por parte das empresas e empregados. Em agosto de 2012, um operário sofreu um grave acidente em seu ambiente de trabalho. Uma barra de ferro de 300 quilos atingiu sua cabeça penetrando pela parte alta do crânio e saindo entre os olhos, a um centímetro do olho direito. Foto 1 - Operário que teve cabeça perfurada por vergalhão em obra na Zona Sul do Rio Fonte: O trabalhador foi atingido por um pedaço de ferro que despencou do quinto andar do prédio em que trabalhava. Segundo os bombeiros, com a queda de uma altura de 15 metros, o vergalhão ganhou peso equivalente a 300 quilos ao atingi-lo. Após cortaram a barra, os bombeiros levaram a vítima ao hospital que para espanto de todos, chegou falando 8

9 normalmente. O trabalhador foi submetido a uma cirurgia de cinco horas e aparentemente não apresenta nenhum tipo de sequela. 2.1 A educação profissional A educação profissional nos dias de hoje, além de agregar valor na carreira do trabalhador, passou a ser uma exigência do mercado de trabalho. Devido à falta de tempo por parte de alguns trabalhadores e por muitas vezes as distâncias a serem percorridas entre trabalho, escola e residência, algumas empresas passaram a ministrar cursos profissionalizantes em seu ambiente de trabalho. A metodologia de ensino-aprendizado direcionada à educação profissional deve ter como ponto base o trabalho a ser desenvolvido, pois os educandos são de mundos distintos e possuem compreensões diversas. Nesta concepção, existe a necessidade de uma definição quanto à metodologia dos projetos a serem utilizados e trabalhados. O modelo de construção da aprendizagem baseado na abordagem orientada para a eficácia do processo, tem como objetivo principal o treino e o desenvolvimento de competências que, quando aplicado ao trabalho, melhora o desempenho nas questões funcionais e organizacionais. Em uma reportagem apresentada pelo Jornal Nacional (Rede Globo de Televisão) em 23/01/2012, o professor Jonah Rockoff da Universidade de Columbia, e outros dois colegas da Universidade de Harvard elaboraram uma pesquisa sobre a importância da capacitação. Eles acompanharam o desenvolvimento de 2,5 milhões de alunos durante 20 anos. Do total de educandos envolvidos na pesquisa, 85% utilizaram seu aprendizado em benefício próprio o que gerou benefícios diretos e renda à nação. Os 15% de estudantes que não se desenvolveram, geraram perdas financeiras irreparáveis principalmente ao educando e à sociedade. O pesquisador faz uma análise importante. Ele afirma que um sistema educacional profissional de qualidade, reverte-se em taxas menores de criminalidade, avanço econômico para o país e consequentes benefícios para toda a sociedade. Segundo o SESI, Serviço Social da Indústria, em seu relatório do Projeto SESI na Indústria da Construção Civil , a mão-de-obra deste setor apresenta um baixo nível de instrução e qualificação profissional. A maioria dos trabalhadores possui apenas o ensino fundamental completo com uma taxa de analfabetismo de 20%. Do total de trabalhadores, 72,0% nunca realizaram cursos e treinamentos específicos voltados à área da construção civil e muito menos da área de segurança do trabalho. Outro fator preocupante é o alto índice de 9

10 rotatividade no setor. A maioria dos trabalhadores permanece menos de um ano na empresa. Por não terem qualificação, 50,0% dos trabalhadores ganhavam menos de dois salários mínimos. Devido a esta situação e ao atraso tecnológico e cultural do setor, o Governo em 2000 lançou o Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H) na Construção Civil, destinado a profissionalizar a mão-de-obra, aumentar a produtividade e a competitividade. 2.2 Os riscos do ambiente de trabalho Mundialmente a atividade da indústria da construção civil é considerada perigosa, pois expõe os trabalhadores a variados riscos ocupacionais, com especificidades e intensidades que dependem diretamente do tipo da construção, da etapa da obra e da forma que a empresa conduz os programas e ações de segurança e saúde no trabalho. Os trabalhadores da indústria da construção civil normalmente são expostos a condições e atividades físicas intensas. Estas condições com o tempo acabam por ocasionar doenças ocupacionais que por muitas vezes levam o trabalhador a uma aposentadoria precoce. A fim de minimizar os riscos e cumprindo exigências legais, as empresas fornecem aos trabalhadores os EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) necessários ao processo produtivo. Entretanto, existe a necessidade de uma gestão direta quanto ao uso, treinamento e manutenção destes equipamentos junto aos trabalhadores. Na indústria da construção, os acidentes mais simples assim como as exposições menos intensas não são priorizados. As maiores preocupações estão diretamente relacionadas aos acidentes com trabalho em altura, soterramento e trabalho com eletricidade. A análise das características do trabalho e a atuação preventiva através da antecipação, reconhecimento dos riscos, avaliação e controle minimizam acidentes e doenças ocupacionais no canteiro de obra. A adoção e manutenção de regras, métodos e procedimentos voltados a garantir a segurança e saúde dos trabalhadores, ajudam a proteger não só as pessoas envolvidas, mas também o patrimônio da empresa e o entorno canteiro de obras. A Norma Regulamentadora NR 9 do Ministério do Trabalho e Emprego que trata do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, em seu item 9.1.5, define que: Para efeito desta NR, consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador. 10

11 Fonte: NR-9 (item 9.1.5) do MTE. Disponível em:< Segundo a Portaria nº 25 do MTE de 29 de dezembro de 1994, a classificação dos principais riscos ocupacionais, de acordo com sua natureza são os riscos físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes Riscos físicos São considerados riscos físicos as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como: ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não ionizantes, bem como o infrassom e o ultrassom. Destes o que atinge mais diretamente os trabalhadores da construção civil é o ruído que tem como consequência direta distúrbios relacionados ao sono, equilíbrio, alteração no sistema circulatório, digestório e reprodutor e problemas psicológicos e sociais. Na construção civil, a utilização de máquinas e equipamentos que possuem um nível de ruído acima do limite de tolerância pode ocasionar a Perda Auditiva Induzida por Ruído PAIR. Entre os equipamentos mais críticos podem ser citados a escavadeira, o bate-estaca, a serra circular, a furadeira, a lixadeira, a esmerilhadeira, a pistola finca-pino, o vibrador de imersão, a perfuratriz e a betoneira Agentes químicos São classificados como agentes químicos, as substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão. Na construção civil as poeiras resultantes de trabalhos com cal, cimento, gesso, varrição e corte de madeiras são intensas. As tintas e solventes depreendem vapores orgânicos assim como produtos corrosivos utilizados em limpeza da obra. Muitos destes agentes ocasionam lesões respiratórias nos trabalhadores ao longo de sua vida laboral. Outros como o cimento podem causar queimaduras na pele dos trabalhadores Risco biológico 11

12 Os riscos biológicos estão mais ligados à área da construção civil quando o trabalhador está mais ligado a serviços em tubulações de esgoto ou inexistem condições sanitárias adequadas. Atualmente, situações que envolvam água empoçada, recipientes sem tampa, entulhos e materiais mal organizados favorecem o desenvolvimento de vetores com o mosquito transmissor da dengue Agente ergonômico Apesar de não estarem contidas na relação de agentes de NR 9, as condições de trabalho influenciam diretamente o agente ergonômico. A organização do trabalho e fatores organizacionais relacionados ao ritmo de produção, e a distribuição de tarefas podem trazer sérios riscos ao trabalhador. Posturas inadequadas, exigência de força física intensa, transporte manual de carga e ritmo intenso de trabalho são fatores que levam ao adoecimento do trabalhador Agente acidente Os acidentes são ocasionados principalmente por processos inadequados. Um acidente ocorre devido a um somatório de erros e falhas dentro de um processo produtivo. Análises preliminares de risco- APR, executadas por profissionais qualificados deverão ocorrer. Levantamento das situações por meio da antecipação e reconhecimento dos riscos, avaliandoos e monitorando-os minimizaram acidentes dentro do ambiente de trabalho. Dentro deste contexto, máquinas, equipamentos e ferramentas devem ter manutenção preventiva, pois assegurarão a correta condição para uso. Arranjos físicos inadequados, instalações elétricas improvisadas, trabalhadores sem EPI s são condições que propiciam os acidentes. A falta de treinamento e conscientização quanto aos riscos existentes nos locais de trabalho ou mesmo treinamentos ineficazes são fatores a serem avaliados dentro do canteiro de obras. 3. A legislação O marco inicial nas relações de trabalho se deu em 1943, com o Presidente Getúlio Vargas que a promulgação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) que visava à regulamentação do trabalho. Dentre as benfeitorias geradas na ocasião, estão a carteira profissional, a regulamentação dos horários de trabalho, as férias remuneradas, a instituição 12

13 das Comissões Mistas nas Juntas de Conciliação e o estabelecimento das condições de trabalho para menores de dezoito anos. A legislação brasileira voltada à área da segurança do trabalho possui mais de trinta anos. Foi instituída por meio da Portaria de 8 de junho de 1978 que, aprovava as Normas Regulamentadoras tendo como base o Capítulo V, Título II da Consolidações das Leis do Trabalho, relativas a Segurança e Medicina do Trabalho. Na ocasião, existiam vinte e oito normas regulamentadores. Hoje, já são trinta e cinco normas abrangendo diversas áreas de trabalho. Entretanto, seu ponto base foi em 22 de dezembro de 1977 onde a Lei nº alterava a Consolidação das Leis do Trabalho. Seu objetivo base não era apenas evitar acidentes, mas também garantir melhores condições de trabalho, incluindo obrigatoriedades para as empresas e empregados. Devido à modernização dos processos produtivos e atendendo a necessidade de maior controle e cuidados com o ambiente laboral, algumas normas foram atualizadas. Outras encontram-se em processo de atualização. Esta demanda se faz necessária tendo em vista a dinâmica da realidade produtiva brasileira A segurança do trabalho A segurança no ambiente de trabalho depende diretamente das medidas e metodologia aplicadas no processo produtivo. Técnicas apropriadas devem ser adotadas para minimizar os acidentes, pois o objetivo maior é a prevenção de acidentes e a ocorrência de doenças ocupacionais. A integridade física do trabalhador e sua capacidade de trabalho devem ser preservadas. Os processos de produção nem sempre possuem mecanismos ou dispositivos que garantam total segurança ao trabalhador. A cultura de segurança também deverá estar voltada a vida pessoal do trabalhador. Fatores como qualidade e valorização do seu ambiente de trabalho ser considerados. As empresas devem oferecer ao trabalhador uma estrutura necessária para que seja possível desenvolver suas atividades laborais. Refeitórios, área de lazer, vestiários e uma educação seja ela profissionalizante ou básica trazem ao trabalhador perspectivas que revertem em um maior compromisso deste com a empresa em que trabalha. A cultura da segurança do trabalho deve ser fomentada em todos os níveis da empresa englobando desde o trabalhador braçal até a alta gerência, pois sem ela, não há ambiente livre de acidente de trabalho. O reconhecimento processo saúde-doença dos trabalhadores tem implicações éticas, técnicas e legais, que se reflete sobre a organização e as ações relativas à 13

14 saúde. Doenças comuns, aparentemente sem qualquer relação com o trabalho ou agravos específicos tem levado as autoridades a fazerem um estudo mais aprofundado sobre o assunto. Segundo o Ministério da Saúde em seu Manual Técnico sobre Doenças Relacionadas ao Trabalho, 2001, os agravos específicos estão incluídos na relação de doenças profissionais, para as quais se considera que o trabalho ou as condições em que ele é realizado constituem causa direta. Tabela 3 Classificação de doenças segundo sua relação com o trabalho Fonte: Ministério da Saúde do Brasil. Série A. Normas e Manuais Técnicos; n Brasília/DF, A partir de entrevista realizada com o paciente/trabalhador, poderá ser feita uma exploração das condições de exposição e fatores de risco a que se encontra nos ambientes de trabalho. Estas informações deverão ser complementadas com a ajuda de literatura técnica especializada, a observação do posto de trabalho e informações sobre a atividade exercidas. Segundo o Ministério da Saúde, Entre as principais dificuldades para o estabelecimento do nexo ou da relação trabalho-doença estão: - ausência ou imprecisão na identificação de fatores de risco e/ou situações a que o trabalhador está ou esteve exposto, potencialmente lesivas para sua saúde; - ausência ou imprecisão na caracterização do potencial de risco da exposição; - conhecimento insuficiente quanto aos efeitos para a saúde associados com a exposição em questão; - desconhecimento ou não-valorização de aspectos da história de exposição e da clínica, já descritos como associados ou sugestivos de doença ocupacional ou relacionada ao trabalho; - necessidade de métodos propedêuticos e abordagens por equipes multiprofissionais, nem sempre disponíveis nos serviços de saúde. Fonte: Ministério da Saúde do Brasil. Série A. Normas e Manuais Técnicos; n Brasília/DF,

15 Não se pode esquecer que a abordagem multiprofissional com relação ao estudo da saúde do trabalhador deve ser levada em consideração a responsabilidade do médico do trabalho que deverá estabelecer a relação causal ou nexo técnico entre a doença e o trabalho. Em novembro de 2009 o Ministério Público do Trabalho (MPT), lançou um programa de fiscalização da segurança no trabalho e da regularidade do funcionamento de empresas da construção civil. Segundo o coordenador do programa o procurador Alessandro Miranda, a fiscalização constatou irregularidades na maioria das empresas que trabalham com precariedade na proteção coletiva e individual dos trabalhadores. A falta de treinamento para as atividades na construção civil motivam a maioria das notificações. 4. A sustentabilidade na construção civil A reciclagem dos produtos gerados dentro do universo da construção civil tem levado empresas e trabalhadores valorizarem esta prática. Estudos mostram que empresas que possuem esta prática são valorizadas no mercado e em contrapartida observam que custos podem ser minimizados com a utilização de técnicas de reciclagem de produtos gerados nas construções. Entretanto, o processo pode ocasionar situações mais impactantes do que o próprio resíduo, como a quantidade de energia empregada ou os resíduos que esta possa gerar. Em seu artigo sobre o desenvolvimento sustentável e a reciclagem de resíduos na construção civil, Ângulo (2001), cita que dependendo de sua periculosidade e complexidade, estes rejeitos podem causar novos problemas, como a impossibilidade de serem reciclados, a falta de tecnologia para o seu tratamento, a falta de locais para dispô-lo e todo o custo que isto possa ocasionar. Um parâmetro que muitas vezes não é levado em conta é o risco que este resíduo pode gerar com relação à saúde dos trabalhadores ou usuários. Muitas vezes estes resíduos podem conter compostos orgânicos voláteis ou metais pesados que no processo de reciclagem apresentam riscos com relação aos seus componentes. Com isso, poderá ocorre que o público consumidor associe o produto reciclado a produto de baixa qualidade e de alto risco contaminante. 4.1 A reciclagem de resíduos da construção civil no Brasil No Brasil, a prática de reciclagem dos resíduos da construção civil ainda é pequena. Atualmente com advento da Copa das Confederações, Copa do Mundo de Futebol em 2016, a 15

16 exigência deste tipo de prática passou a ser exigida nos processos produtivos para a construção e reforma das arenas esportivas. No Estado de São Paulo, a mais de dez anos foi implementada uma Política Estadual de Resíduos Sólidos, aprovado pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente. Ficou estabelecido que deverá haver uma política sistemática de resíduos, incluindo ferramentas para minimização e reciclagem de resíduos. Em maio de 1999, o Estado de São Paulo promulgou a Lei nº10.311, que criou o Selo Verde. Este Selo é um certificado de qualidade ambiental, conferido pela CETESB. Ele executa programas de proteção e preservação do meio ambiente. Após a segunda guerra mundial, a Europa começou a fazer uso de resíduos de construção e demolição (RCD) como material de construção civil. Dependendo de fatores como da disponibilidade de recursos naturais, situação econômica e tecnológica do país e densidade populacional, hoje a reciclagem destes produtos pode chegar a 90%. Em Minas Gerais, o município de Belo Horizonte utiliza basicamente os resíduos de construção e demolição como base para pavimentação. Este processo teve início na década de noventa quando o município de São Paulo passou a utilizar o sistema de reciclagem do asfalto e dos agregados do concreto asfáltico. Entretanto, um dos maiores problemas é a variabilidade da composição o que ocasiona propriedades diferenciadas desses agregados reciclados. Outro fator importante a ser observado dentro deste processo, é a necessidade de qualificação de mão-de-obra para transformação deste resíduo, visto que alguns podem gerar resíduos tóxicos para os trabalhadores. Dentro desta qualificação, a informação com relação à segurança no ambiente de trabalho é de suma importância. 5. Conclusão Independentemente do processo produtivo e da matéria prima a ser utilizada, seja ela reciclada ou não, questões relacionadas à segurança do trabalho e a qualidade deste ambiente devem ser estudadas e verificadas constantemente. Existe a necessidade da qualificação constante da mão-de-obra deste setor, visto a alta rotatividade do setor e o baixo nível de instrução que a maioria destes profissionais possui. Qualidade no ambiente de trabalho significa maior índice de produção e menor índice de acidentes. A conscientização tem que ser de todos, trabalhadores e empregadores. Com a valorização da vida, as doenças ocupacionais e os acidentes de trabalho tenderão a se reduzir. Referências Bibliográficas 16

17 Aluno com bons professores ganha mais no mercado de trabalho no futuro. Portal G1. Globo. Rio de Janeiro, Disponível em: < Acesso em jun.2012 ÂNGULO, Sérgio Cibelli; ZORDAN, Sérgio Eduardo; JOHN, Wanderley Moacyr. Desenvolvimento sustentável e a reciclagem de resíduos na construção civil. Departamento de Engenharia de Construção Civil Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo, Disponível em:< Acesso em: 21 fev AMORIM, Marisa Rasura de. Os caminhos da educação profissional voltados para ao Técnico em Segurança do Trabalho. Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado como requisito parcial, para obtenção do título de Especialista em Docência para a Educação Profissional, ao Departamento de Pós-EaD. SENAC, Rio de Janeiro, jun Anuário Estatístico da Previdência Social. Ministério da Previdência Social, Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social DATAPREV. Brasília, 2010 Banco de Dados da CBIC. Câmara Brasileira da Indústria da Construção. São Paulo, Disponível em:< Acesso em 25 set Doenças Relacionadas ao Trabalho. Ministério da Saúde do Brasil. Série A. Normas e Manuais Técnicos; n Brasília/DF, Disponível em:< Acesso em: 25 mar Construção civil: Desempenho e Perspectivas. Câmara Brasileira da Indústria da Construção CBIC. Brasília, Disponível em:<http://www.cbic.org.br/sala-deimprensa/noticia/construcao-civil>. Acesso em: 29 set DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Estudo e Pesquisas. Estudo Setorial da Construção nº 56. abr Disponível em:<http://dieese.org.br/esp/estpesq56construcaocivil.pdf>. Acesso: 25 set LITTO, Fredric Michael. Contribuição da Associação Brasileira de Educação a Distância em continuidade à Carta aos Candidatos à Presidência, a ser apresentada à Equipe de Transição da Presidência da República Federativa do Brasil. Brasília,

18 Disponível em: <http://www2.abed.org.br/noticia.asp?noticia_id=459>). Acesso em: 25 set Manual de segurança e saúde no trabalho: Indústria da construção civil. SESI-SP São Paulo, 2008 Disponível em: <http://www.sesisp.org.br/home/2006/saude/images/download_manual_sst_construcao_ci vil.pdf<. Acesso em: 25 set Ministério Público do Trabalho fiscaliza segurança em empresas da construção civil. WorkCare Porto Alegre, Disponível em: < Acesso em: 14 agog MIRANDA, Rafael. Construção Civil Cenários e perspectivas. Indicador, Consultores Associados. Belo Horizonte, jan Disponível em: <www.indicadores.srv.br>, Acesso em: 11 nov Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego. Ministério do Trabalho e Emprego. Brasília, Disponível em:< Acesso em: 12 out Operário que teve cabeça perfurada por vergalhão se recupera bem. Portal G1.Globo. Rio de Janeiro, Disponível em <http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/08/operario-que-tevecabeca-perfurada-por-vergalhao-se-recupera-bem.html>. Acesso em ago Segurança do Trabalho na Construção Civil NR 18. Ministério do Trabalho e Emprego Gerência Regional de Caxias do Sul. Rio Grande do Sul, Disponível em: < tilhnr18.pdf>. Acesso em: 25 set VIEIRA, Ricardo Bezerra Cavalcanti. Metodologia da Pesquisa Científica. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense,

19 19

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Riscos no Ambiente de Trabalho no Setor de Construção Civil Elisabete Poiani Delboni HISTÓRICO DA CONSTRUÇÃO Construção

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 Norma Regulamentadora NR 9 Riscos ambientais Nova redação Programa de Prevenção de

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

A INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO. Fundação Getulio Vargas

A INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO. Fundação Getulio Vargas A INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO Fundação Getulio Vargas FGV Março 2015 A SONDAGEM ABCIC DESEMPENHO RECENTE DA CONSTRUÇÃO A Sondagem - Metodologia EMPRESAS A Sondagem - Metodologia Temas Pesquisados

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 352 Em movimento típico para o período, cresce a taxa de desemprego Nível de ocupação se reduz na Indústria

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL O arranjo produtivo dedicado aos resíduos sólidos é uma iniciativa inovadora de agentes produtivos locais como a Ascoles,

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO.

SESMT SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E EM MEDICINA DO TRABALHO. EMPRESA Conforme o Art. 157 da CLT - Consolidação das Leis Trabalhistas Cabe às empresas: Cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; Instruir os empregados, através de ordens

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

Agenda. Cenário da Indústria

Agenda. Cenário da Indústria Agenda Cenário da Indústria Retrato da Indústria Participação (%) Tributos (2009) PIB (2012) Salários (2012) 45 26,3 24,6 Emprego (2012) 24,6 51 Exportações (2012) Fonte: IBGE, RAIS/MTE, SECEX/MDIC, DECONTEC/FIESP;

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO. Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 277 266 DEZEMBRO DE 2007 Taxa de desemprego total diminui para 13,5% Comércio e Serviços sustentam crescimento da ocupação

Leia mais

REDES DE COOPERAÇÃO PARA MELHORIA DOS AMBIENTES E PREVENÇÃO DE AGRAVOS NOS CANTEIROS DE OBRAS

REDES DE COOPERAÇÃO PARA MELHORIA DOS AMBIENTES E PREVENÇÃO DE AGRAVOS NOS CANTEIROS DE OBRAS REDES DE COOPERAÇÃO PARA MELHORIA DOS AMBIENTES E PREVENÇÃO DE AGRAVOS NOS CANTEIROS DE OBRAS Ijuí 13/09/2012 José Enio Fontoura de Andrade Médico do Trabalho CEREST-Serra Deuteronômio 22.8 Quando edificares

Leia mais

Data de Vigência: Página 1 de 9

Data de Vigência: Página 1 de 9 Data de Vigência: Página 1 de 9 1- Objetivo: Realizar os exames admissionais, periódicos, demissionais e de retorno ao trabalho respeitando os critérios estabelecidos na NR 7. 2- Aplicação: Este procedimento

Leia mais

Curso de Especialização em ENFERMAGEM DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL

Curso de Especialização em ENFERMAGEM DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL Curso de Especialização em ENFERMAGEM DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Enfermagem e Saúde NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Enfermagem do Trabalho

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO DE 2009 DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO N o 292 N o 266 Desemprego cresce, mas indústria e serviços param de demitir Demissões no Comércio

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO

PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO PARA ENTENDER O PROGRAMA DE PROTEÇÃO AO EMPREGO 2 CSB - Central dos Sindicatos Brasileiros CUT - Central Única dos Trabalhadores Força Sindical NCST - Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT - União

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papeldo BNDES napromoçãodo desenvolvimento econômico e social do Brasil IV Fórum Internacional de comunicação e sustentabilidade Brasília, 26 de maio de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL SESI-BA MODELO DE ATUAÇÃO PARA O PROGRAMA DE BASE NACIONAL

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL SESI-BA MODELO DE ATUAÇÃO PARA O PROGRAMA DE BASE NACIONAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL SESI-BA MODELO DE ATUAÇÃO PARA O PROGRAMA DE BASE NACIONAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A Indústria da Construção Diagnóstico

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil

Presente ruim e futuro econômico desanimador para a construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 17 outubro de 2014 Organização:

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

INFORMATIVO ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL: DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

INFORMATIVO ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL: DESEMPENHO E PERSPECTIVAS 1 INFORMATIVO ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL: DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Banco de Dados Brasília - DF Dezembro/2011 2 Comentários gerais sobre o cenário econômico em 2011 Ambiente macroeconômico O ano se destacou

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº 08 APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER As informações da Pesquisa

Leia mais

NR-15 (Texto para Consulta Pública)

NR-15 (Texto para Consulta Pública) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

ACIDENTES DO TRABALHO SMS

ACIDENTES DO TRABALHO SMS ACIDENTES DO TRABALHO SMS Acidente do trabalho CONCEITO LEGAL: De acordo com o Art. 19 da Lei 8.213/91: Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Introdução A Engemix possui uma equipe de Engenheiros de Segurança e Meio Ambiente capacitada para dar todo subsídio técnico para implantação, operação e desmobilização

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO DOS TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL APLICANDO A NORMA REGULAMENTADORA 18 DO MTE

CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO DOS TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL APLICANDO A NORMA REGULAMENTADORA 18 DO MTE CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO DOS TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL APLICANDO A NORMA REGULAMENTADORA 18 DO MTE Carlos Luciano Sant Ana Vargas (UEPG) E-mail: caluvargas@uepg.br Ítalo Sérgio Grande (UEPG)

Leia mais

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração.

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Módulo 2 Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Elaboração do PPRA Para iniciarmos a elaboração do PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Leia mais

ipea O seguro-desemprego como resposta à crise no emprego: alcance e limites 1 INTRODUÇÃO

ipea O seguro-desemprego como resposta à crise no emprego: alcance e limites 1 INTRODUÇÃO O seguro-desemprego como resposta à crise no emprego: alcance e limites Brunu Amorim * Roberto Gonzalez * 1 INTRODUÇÃO Neste trabalho busca-se mostrar o alcance do programa do seguro-desemprego enquanto

Leia mais

Riscos à Saúde dos Trabalhadores na Operação Portuária. Antônio Carlos Garcia Júnior Pesquisador da Fundacentro antonio.garcia@fundacentro.gov.

Riscos à Saúde dos Trabalhadores na Operação Portuária. Antônio Carlos Garcia Júnior Pesquisador da Fundacentro antonio.garcia@fundacentro.gov. Riscos à Saúde dos Trabalhadores na Operação Portuária Antônio Carlos Garcia Júnior Pesquisador da Fundacentro antonio.garcia@fundacentro.gov.br Marco Teórico O campo de estudo da Saúde do Trabalhador

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão do Futuro

A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão do Futuro MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Secretaria de Políticas de Previdência Social Departamento de Políticas de Saúde e Segurança Ocupacional A Engenharia de Segurança nos Serviços Públicos e Privados Visão

Leia mais

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas

Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como Sonho Brasileiro.(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Na Crise - Esperança e Oportunidade. Desenvolvimento como "Sonho Brasileiro".(Desenvolvimento com Inclusão). Oportunidade para as Favelas Rio de Janeiro, 17 de setembro de 2009 Fórum Especial INAE Luciano

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES MUDANÇAS NA DEMOGRAFIA E DEMANDA HABITACIONAL: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ALESSANDRA D AVILA Diretora do Departamento de Urbanização de Assentamentos Precários Rio de Janeiro/RJ, 03 de Setembro de 2015 AVANÇOS

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008

Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978. Revogadas NR rurais em 15/04/2008 Ministério Trabalho e Emprego -CLT Aprovadas pela Portaria 3214 de 08/06/1978 36 NR (última( (19/04/2013 Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados) Revogadas

Leia mais

A SITUAÇÃO ECONÔMICA E AS PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL

A SITUAÇÃO ECONÔMICA E AS PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL A SITUAÇÃO ECONÔMICA E AS PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL SITUAÇÃO ECONÔMICA Em que pé nós estamos? Maturidade e crescimento Início da crise Bolha imobiliária Copa do Mundo Eleição

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nos últimos anos, a construção civil brasileira decolou. Com a Copa do Mundo e as Olímpiadas, estádios e equipamentos

Leia mais

Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho. SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011

Associação Nacional de Engenharia de Segurança do Trabalho. SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011 SINDUSCON - São Paulo 25 de julho de 2011 Ciclo de Debates ATUALIZAÇÃO DO CAPITULO V DA CLT Eng. Seg. Trab. Celso Atienza Eng. Seg. Trab. Elizabeth Spengler Cox de Moura Leite CLT CAPÍTULO V Das Condições

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda

Governador do Estado do Rio de Janeiro. Secretário de Estado de Trabalho e Renda Governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Secretário de Estado de Trabalho e Renda Sergio Zveiter Superintendência de Saúde, Segurança e Ambiente do Trabalho Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente A Copado Mundode 2014, as Olímpiadasde 2016 e os gargalos da nossa infraestrutura Diálogos Capitais Rio de Janeiro, 7 de dezembro de 2010 Luciano Coutinho Presidente A trajetória recente da economia brasileira

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral)

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade

Leia mais

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente - SEPesq Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente Micheli Gonçalves Zamarchi Arquiteta e Urbanista Centro Universitário Metodista - IPA arquiteta.mz@gmail.com

Leia mais

Segurança a e Saúde no Trabalho

Segurança a e Saúde no Trabalho Metodologia de inspeção nos locais de trabalho: Portaria No. 5 do DSST de 17/08/92 Portaria No. 25 da SSST de 29/12/1992 Etapas de planejamento 1o. Conhecer os trabalhos anteriores 2o. Levantar a Planta

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Nº 4 Outubro CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Em, a retomada do crescimento econômico em patamar superior ao verificado nos últimos anos

Leia mais

PROJETO: Fundição de Alumínio Redução do Risco a Saúde dos Trabalhadores e População Exposta

PROJETO: Fundição de Alumínio Redução do Risco a Saúde dos Trabalhadores e População Exposta Sistema Único de Saúde Ministério da Saúde Governo do Estado de Goiás Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância Sanitária e Ambiental Gerência de Desenvolvimento Técnico em Serviços

Leia mais

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes RISCO Consideram-se Risco de Trabalho todas as situações, reais ou potenciais, suscetíveis de a curto, médio ou longo prazo, causarem lesões aos trabalhadores ou à comunidade, em resultado do trabalho.

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi

NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR-7 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira OBJETO: Estabelece

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE CADERNOS REGIONAIS SUDESTE 2015 Apresentação Neste ano de 2015 se realiza o 12º CONCUT Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores -, momento de suma importância para não só eleger a nova direção

Leia mais

SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO. José Francisco Buda

SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO. José Francisco Buda SEGURANÇA E HIGIENE NO TRABALHO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO Engenheiro Civil e de Segurança no Trabalho Mestre pela UNICAMP Professor do CEFET-SP e da UNIFIAM-FAAM Interpretar as estações de tratamento

Leia mais

Denilson Cazuza dos Santos

Denilson Cazuza dos Santos LEGISLAÇÃO E NORMAS. SEGURANÇA E MEDICINA NO TRABALHO Denilson Cazuza dos Santos denilsoncazuza@terra.com.br NORMAS APLICAVEIS CF - Constituição Federal 88 Código Civil, art. 186 e 927 Código Penal ART.

Leia mais