Financiamento em Project Finance Fabio Kono

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Financiamento em Project Finance Fabio Kono"

Transcrição

1

2 Financiamento em Project Finance Fabio Kono

3 Agenda 1. A Lakeshore Partners 2. Project Finance em Conceito 3. Perguntas & Respostas

4 Agenda 1. A Lakeshore Partners 2. Project Finance em Conceito 3. Perguntas & Respostas

5 Quem Somos A Lakeshore Partners é uma firma independente de assessoria financeira com foco voltado para o setor de infraestrutura no Brasil. Sócios egressos do mercado financeiro (ABN AMRO/Santander), com extensa experiência em Finanças Estruturadas, Captação de Recursos e Fusões e Aquisições Profundo conhecimento das indústrias de Óleo & Gás, Energia, Renováveis, Logística, Saneamento e PPPs. Nossos valores corporativos, comprovados ao longo de nossas carreiras, são: Ética, Profissionalismo, Trabalho em Equipe, Excelência e Transparência. Filosofia de trabalho baseada em Relacionamentos de Longo Prazo, Serviço de Excelência e Satisfação dos Clientes.

6 Rankings Setoriais M&A Firmas Independentes (R$ m) 1 Project Finance Consolidado (R$ mil)² Empréstimo Ponte (R$ mil)² Lakeshore Inspire Santander Lakeshore BR Partners NMRothschild Lakeshore Santander Brasilpar Estáter BNP Paribas Standard 596 Advisia Investimentos Vinci CEF Creta 596 Virtus BR Rosenberg Partners Banco do Brasil Banco do Brasil 52 Fonte: ANBIMA e Lakeshore (1) Considerando o Empréstimo mezanino do FI-FGTS para Sete Brasil de R$ mil (2) Considera Empréstimos Ponte e Financiamentos de Longo Prazo

7 Principais Transações Sete Brasil Participações S.A. Sete Brasil Participações S.A. Sete Brasil Participações S.A. LLX Logística S.A. LLX Logística S.A. LLX Logística S.A. R$ Colocação de Debêntures Subordinadas junto ao FI-FGTS R$ Aumento de Capital do FI-FGTS para o FIP Sondas US$ Empréstimo-Ponte com estrutura de Capital Call R$ Aumento de Capital R$ Empréstimo-Ponte R$ Renovação de Empréstimo- Ponte por 3 anos do EIG Global Partners do EIG Global Partners Assessor da EIG Financeiro Global Partners Exclusivo do EIG Global Partners Companhia Energética Potiguar BTG Pactual Oil & Gás S.A. GranEnergia Sete Brasil Participações S.A. Sete Brasil Participações S.A. R$ Aquisição de 20% da Companhia Energética Potiguar pela Global Participações em Energia US$ Joint Venture de Offshore Supply Vessels entre o BTG Pactual e a Deep Sea Supply US$ Empréstimo Sênior na modalidade Project Finance para a UMS Cidade de Araruama US$ Empréstimo-Ponte Non-Recourse R$ Aumento de Capital do FIP Sondas do BTG Pactual

8 1. A Lakeshore Partners 2. Project Finance em Conceito 3. Perguntas & Respostas

9 Project Finance em Conceito Project Finance é um financiamento estruturado com base nos fluxos de caixa futuros de um projeto e no qual o pacote de garantias são os próprios ativos do projeto. Veículo Específico: o financiamento para SPE, isolando o projeto do risco de seus acionistas. Estrutura Financeira: credores buscam mitigar os diversos riscos do projeto através de diversos mecanismos financeiros e contratuais. Pacote de Garantias: ativos do próprio projeto e suas receitas futuras. Processo de Estruturação: aprovação de financiamentos nesta modalidade exige um processo de diligência detalhado, na qual aspectos técnicos, comerciais, legais e financeiros são endereçados.

10 Matriz de Riscos & Mitigantes Riscos Tecnologia Construção Mercado Operação & Performance Político Ambiental Financeiro Descrição Relacionado à tecnologia adotada não ser eficiente ou apresentar performance abaixo da estimada. Risco relacionado a erros de engenharia, sobrecustos, atraso ou não conclusão das obras. Risco relacionado à demanda pelos serviços ser inferior a projeção Risco relacionado às tarifas dos serviços não serem reajustadas conforme estabelecido em contrato Risco relacionado à inadimplência dos usuários/clientes da SPE Risco relacionado a sobrecustos, baixa performance e indisponibilidade do sistema devido a fatores operacionais Risco de perdas operacionais acima dos níveis projetados Risco relacionado a greves e acidentes de trabalho Risco relativo a descumprimento das cláusulas do contrato de concessão e de rescisão do mesmo Riscos de danos ao meio ambiente provocados pelo Projeto Risco de não obtenção de recursos de financiamentos para o Projeto Risco de Descasamento de Moedas e Índices de Inflação

11 Estrutura Contratual Típica Aportes de Capital Contratos de Financiamento Acionistas Bancos Comerciais Serviços de Água & Esgoto Clientes Residenciais Poder Concedente Contrato de Concessão / PPP SPE Concessionária Clientes Comerciais Clientes Industriais Agência Reguladora Fornecedores de Equipamentos Prestadores de Serviço Construtoras Contrato de Obras & Serviços

12 Completion Técnico Completion Financeiro Pre vs. Post Completion Greenfield vs. Brownfield: impacto direto na percepção de risco do negócio Completion Técnico nem sempre equivale ao Completion Financeiro Conclusão das Obras Entrega dos Sistemas Início da Operação Término do Ramp-up Geração Plena de Receitas Preenchimento das Contas Reservas Cumprimento do ICSD Mínimo Período de Implantação Ramp-up Operação Plena Elevados desembolsos de caixa durante o período de implantação com receita reduzida Crescimento da geração de caixa, com início do pagamento de principal e juros do financiamento Fluxo de dividendos mais robusto, com queda acelerada do nível de endividamento

13 Pacote de Garantias Típico ESA e/ou Aval Corporativo (Pre Completion) Alienação fiduciária das ações da SPE Alienação fiduciária dos equipamentos e ativos da SPE Cessão fiduciária das contas de liquidação Cessão fiduciária dos recebíveis de água e esgoto Cessão fiduciária dos direitos emergentes da concessão Cessão dos direitos dos principais contratos Conta reserva de O&M e de serviço da Dívida

14 Linha de Financiamento Montante Período de Elegibilidade Principais Fontes de Financiamento Saneamento Para Todos Até 95% dos itens financiáveis Até 4 anos de investimentos FGTS BNDES Debêntures (2) Carteira Administrada Até 90% dos itens financiáveis Até 3 anos de investimentos Prazo de Carência 48 meses 36 meses FINEM Até 70% do valor dos itens financiáveis Até 6 anos de investimentos 6 meses após início da operação Debêntures de Infraestrutura Usualmente 10%-30% do investimento Tipicamente, até 4 anos de investimentos Em geral, até 24 meses Prazo Total Até 24 anos Até 21 anos Até 15 anos Até 12 anos Indexação do Principal TR Taxa Referencial TR Taxa Referencial Não há Taxa de Juros 6,0 9,0% a.a. 6,0 9,0% a.a. TJLP + [4,98%] a.a. (1) 7,0-10,0% a.a. Sistema de Amortização Tabela Price Tabela Price SAC Customizada Periodicidade Mensal Mensal Mensal Semestral Conta Reserva 3 meses 3 meses 3 meses 6 meses IPCA (1) Remuneração Básica do BNDES de 0,9% + Taxa de Risco de Crédito de até 4,18% a.a. (2) Condições indicativas, sujeitas às condições de mercado

15 1. A Lakeshore Partners 2. Project Finance em Conceito 3. Perguntas & Respostas

16 Contato FABIO KONO Tel: Cel: Rua São Tomé, 86 19º andar Conj. 191 Vila Olímpia CEP: São Paulo - Brasil

17

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA

CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA CAIXA: POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO EM CONCESSÕES DE INFRAESTRUTURA 85º Encontro Nacional da Indústria da Construção Rogério de Paula Tavares Diretor Executivo de Infraestrutura e Saneamento Fortaleza/CE,

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis 05 de maio Agenda: A Área de Infraestrutura do BNDES Modalidades de Financiamento Linhas de financiamento a Projetos de Energia Elétrica Apoio ao setor

Leia mais

BNDES e o apoio a Hidrelétricas

BNDES e o apoio a Hidrelétricas BNDES e o apoio a Hidrelétricas Alexandre Siciliano Esposito Gerente de Estudos de Energia Elétrica Área de Infraestrutura Novembro 2011 O BNDES O BNDES na estrutura da União República Federativa do Brasil

Leia mais

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Ludmila Carvalho Colucci 06/04/2009 Foto: PCH Cotiporã 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas Operacionais Operações Estruturadas Foto:

Leia mais

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELECTRICIDADE E GÁS NATURAL Faculdade do Porto- Universidade do Porto INVESTIMENTOS, RISCOS E REGULAÇÃO PADRÃO DE FINANCIAMENTO - ENERGIAS RENOVÁVEIS Thereza Cristina Nogueira

Leia mais

X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana. Março/2014

X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana. Março/2014 X Seminário Nacional Metroferroviário: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana Março/2014 Características dos investimentos no setor Montante elevado de recursos Longo prazo de implantação Modicidade

Leia mais

Financiamento da infraestrutura nacional de transportes

Financiamento da infraestrutura nacional de transportes Financiamento da infraestrutura nacional de transportes Outubro de 2015 Estruturas tradicionais de Project Finance com recursos do BNDES Tradicionalmente, os recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Ranking ANBIMA de Financiamento de Projetos

Ranking ANBIMA de Financiamento de Projetos Ranking ANBIMA de Financiamento de Projetos Abril/2015 Modalidades de Ranking de Financiamento de Projetos 1. Modalidades de Ranking: 1.1. Assessor Financeiro de Leilão 1.2. Modalidades aplicáveis a Financiamentos

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7 O BNDES Indicadores do BNDES R$ bilhões Ativos Totais Carteira de Financiamentos Patrimônio Líquido Lucro Líquido Impostos e Taxas 2008 277,3 220,5 25,3 5,3 2,0 Jun/2009 309,0 230,3 24,7 0,7 0,9 Evolução

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013.

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013. O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs Campinas, 30 de Outubro de 2013. Evolução dos Desembolsos Hidrelétricas Térmicas Nuclear Energias Alternativas Distribuidoras Transmissoras Ferrovias Rodovias Portos,

Leia mais

Garantias em Project Finance Visão do Financiador. Rubens Takashi de Melo Tsubone takashi@bndes.gov.br

Garantias em Project Finance Visão do Financiador. Rubens Takashi de Melo Tsubone takashi@bndes.gov.br Garantias em Project Finance Visão do Financiador Rubens Takashi de Melo Tsubone takashi@bndes.gov.br 1º de março 2012 Project Finance: Conceitos Básicos Project Finance x Financiamento Corporativo Características

Leia mais

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização 81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Rio de Janeiro,

Leia mais

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP

O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP O FINANCIAMENTO E AS GARANTIAS EM PROJETOS DE PPP Outubro 2015 QUEM SOMOS E NOSSA EXPERIÊNCIA 9º maior escritório do Brasil Estamos entre os três melhores escritórios brasileiros na área de direito público,

Leia mais

Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008

Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008 Modelos de Financiamento do BNDES para Projetos de Geração de Energia e Condições de Acesso às Linhas Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Fusões e Aquisições. Fusões e aquisições movimentam R$ 43 bi no primeiro semestre. Destaque. Fusões e Aquisições

Fusões e Aquisições. Fusões e aquisições movimentam R$ 43 bi no primeiro semestre. Destaque. Fusões e Aquisições Fusões e Boletim Ano VIII Nº 9 Primeiro Semestre de 03 Fusões e aquisições movimentam R$ 3 bi no primeiro semestre Fusões e Anúncios Fusões,, OPAs e Reest. Societárias R$ bilhões N o º Semestre/ 3 3,0

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário

Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Seminário Nacional IV Brasil nos Trilhos Apoio do BNDES ao Setor Ferroviário Nelson Siffert Área de Infraestrutura Brasília -Agosto/2010 O BNDES Evolução dos Ativos 386,6 R$ bilhões 277 151 152 164 175

Leia mais

Concessões e Parcerias: Ampliação das Oportunidades de Negócios

Concessões e Parcerias: Ampliação das Oportunidades de Negócios Concessões e Parcerias: Ampliação das Oportunidades de Negócios André Dabus 15/09/2015 Agenda Breve apresentação AD; Financiabilidade, Riscos e Garantias no Segmento de Infraestrutura; Identificação e

Leia mais

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Laura Bedeschi Agosto/2015 Debêntures Adquiridas 2 BNDES Investidor Debêntures

Leia mais

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo

O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo O Brasil Plural é um Grupo Financeiro fundado em 2009 que possui escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova York. Nossos sócios possuem um amplo histórico de sucesso no mercado de capitais brasileiro

Leia mais

Gestão de Contratos de PPP. Bancabilidade, Financiamento e Garantias

Gestão de Contratos de PPP. Bancabilidade, Financiamento e Garantias Gestão de Contratos de PPP Bancabilidade, Financiamento e Garantias Roteiro da Apresentação Bloco 1 Alinhamento Conceitual Aspectos Legais dos Financiamentos Evolução da modelagem (BNB) Bloco 2 Riscos

Leia mais

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia

P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia P.P.P. PARCERIAS PÚBLICO PRIVADAS O porque das Parcerias Público Privadas Impossibilidade de obtenção de recursos públicos A crise da economia causada pelo endividamento público Limitação provocada pela

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS 28/10/2014 - IBCPF Conceito 1 Conceito Integração dos mercados imobiliário e de capitais, de modo a permitir a captação de recursos necessários para o desenvolvimento

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais

SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006. Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais SEMINÁRIO DE NEGÓCIOS NOS TRILHOS ENCONTREM 2006 Investimentos em Participações de Longo Prazo para Investidores Institucionais Carlos Alberto Rosa Coordenador de Participações 07/11/2006 FUNCEF Visão

Leia mais

SEMINÁRIO PPP SALVADOR BAHIA 2014

SEMINÁRIO PPP SALVADOR BAHIA 2014 SEMINÁRIO PPP SALVADOR BAHIA 2014 BF CAPITAL TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 1 A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida.

Leia mais

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA

EXAME FORUM INFRAESTRUTURA EXAME FORUM INFRAESTRUTURA O MERCADO DE CAPITAIS E O FINANCIAMENTO DA INFRAESTRUTURA Carlos A. Rocca 24092014 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC INDICE 1. Colocação do problema 2. A necessidade de um novo

Leia mais

Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria Público Privado -PPP

Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria Público Privado -PPP Operações Estruturadas sob o Conceito de Parceria -PPP Premissas: Modelos apresentados são meramente exemplificativos; Não há comprometimento do BB na concessão de crédito ou prestação de garantia; Trata-se

Leia mais

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 -

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 - Parceria P ú blico-privada PPP Novembro/2003 - Definição de Contrato de PPP Execução Clique de para obras, editar serviços os estilos e do atividades texto de mestre interesse Segundo público, cuja nível

Leia mais

Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP

Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP NOVO MECANISMO PARA COBERTURA FINANCEIRA DO PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO Apresentador: Sérgio Leite Santiago Gerente Comercial do Rio de Janeiro Sistema Nacional de Seguros Privados - SNSP Ministério da

Leia mais

Manual para Registro de Certificado de Recebíveis Imobiliários na ANBIMA

Manual para Registro de Certificado de Recebíveis Imobiliários na ANBIMA Manual para Registro de Certificado de Recebíveis Imobiliários na ANBIMA ANBIMA Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais VERSÃO 1.0 06/10/2014 INTRODUÇÃO O presente Manual

Leia mais

ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA ANEXO V-A DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS DA CONCESSIONÁRIA 1.1. Sem prejuízo da observância das demais regras constantes do EDITAL, o LICITANTE deverá apresentar, no PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE CONTRATOS DE CONCESSÕES E PPPS MARÇO 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR) OU TAXA

Leia mais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCHs. Belo Horizonte, 23 de abril de 2008

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCHs. Belo Horizonte, 23 de abril de 2008 Viabilizando Investimentos em PCHs Belo Horizonte, 23 de abril de 2008 Criação Instituído através do Decreto Estadual Nº 43.914 e lançado pela Cemig através de Chamada Pública. Objeto da Chamada: Convocação

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 NIRE: 33.3.0028401-0 (Companhia Aberta)

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 NIRE: 33.3.0028401-0 (Companhia Aberta) MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/000121 NIRE: 33.3.00284010 (Companhia Aberta) Proposta da Administração à Assembleia Geral Ordinária a ser realizada no dia 29 de abril de 2013, às 15 horas, conforme

Leia mais

O BRDE E O FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE ENERGIA. JULIANA SOUZA DALLASTRA Gerente de Planejamento Agência do Paraná

O BRDE E O FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE ENERGIA. JULIANA SOUZA DALLASTRA Gerente de Planejamento Agência do Paraná O BRDE E O FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE ENERGIA JULIANA SOUZA DALLASTRA Gerente de Planejamento Agência do Paraná O BRDE Região de atuação: MS - PR - SC - RS ü Criado em 1961 pelos governos do PR, SC e

Leia mais

FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA

FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA OBJETIVOS FDA Prover recursos para garantir riscos de crédito e viabilizar o acesso de micro e pequenas empresas a linhas de financiamento. ME COMPETITIVA Apoiar financeiramente

Leia mais

Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014

Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014 Perspectivas para o Setor Elétrico em 2014 BNDES - Escritórios Subsidiária BNDES PLC Londres (2009) Recife Brasília 2.857 empregados (Maio/14) São Paulo Rio de Janeiro Escritórios BNDES Uruguai Montevidéu

Leia mais

Desafios do mercado de FIDCs e Fundos de Infraestrutura

Desafios do mercado de FIDCs e Fundos de Infraestrutura Desafios do mercado de FIDCs e Fundos de Infraestrutura Ricardo Mizukawa São Paulo, 04/05/2013 FIDC Conceito Os FIDCs (Fundos de Investimento em Direitos Creditórios) mais conhecidos como Fundos de Recebíveis

Leia mais

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais)

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais) Fórum Nacional Eólico Carta dos Ventos Financiamento de Projetos José Maria Vilar Superintendente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) Natal, 19.06.2009 Nordeste do Brasil: Infraestrutura 12 portos marítimos

Leia mais

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor

Desenvolvendo a Governança Corporativa. Eduardo Rath Fingerl Diretor Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES Área de Mercado de Capitais BNDES Desenvolvendo a Governança Corporativa Eduardo Rath Fingerl Diretor 02/06/2006 www.bndes.gov.br 1 de 23 Atuação

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos

Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AVALIAÇÃO DE RISCO Empresas da Construção Civil/ Empresas de Médio e Grande Porte /Entidades Sem Fins Lucrativos INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS A ANÁLISE

Leia mais

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro DEBÊNTURES DE INFRAESTRUTURA - CONCEITO Debêntures: título de crédito, representativo de dívida da companhia emissora (art.

Leia mais

Glossário e Abreviações

Glossário e Abreviações Preparado pelo Município do Rio de Janeiro Rio de Janeiro Glossary Palavra Avaliação Cenário Base Licitante Modelo financeiro do licitante Projeto brownfield CAPEX Fluxo de Caixa Cash Sweep Mudança na

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m.

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. b r Fundado em 1997, FreitasLeite possui grande experiência

Leia mais

GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série

GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série GAIA SECURITIZADORA S.A 5ª Emissão de CRI 33º série ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DA EMISSORA...3 CARACTERÍSTICAS DOS CERTIFICADOS...3 DESTINAÇÃO DE RECURSOS...5 FUNDO RESERVA...5 ASSEMBLÉIAS DOS TITULARES DOS

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

Política Financeira do Grupo CCR

Política Financeira do Grupo CCR Aspectos Financeiros do Portfólio Atual Aspectos Financeiros do Portfólio Atual Política Financeira do Grupo CCR Gestão de Riscos Endividamento Atual Política Financeira do Grupo CCR Hedge Gestão do Caixa

Leia mais

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO

BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA DE SECURITIZAÇÃO 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários Séries: 95ª e 96ª Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2011 BRAZILIAN SECURITIES COMPANHIA

Leia mais

Fusões e Aquisições. Coletiva de Imprensa 2011 15/02/2012. Classificação da Informação: Pública

Fusões e Aquisições. Coletiva de Imprensa 2011 15/02/2012. Classificação da Informação: Pública Fusões e Aquisições Coletiva de Imprensa 2011 15/02/2012 Principais Características da Metodologia de Fusões e Aquisições 2 Fusões e Aquisições Metodologia A partir de 2010, os critérios da metodologia

Leia mais

Financiamento Projetos de Infra-estrutura: Financiamento Corporativo, Project Finance e Parcerias Público-Privadas (PPP)

Financiamento Projetos de Infra-estrutura: Financiamento Corporativo, Project Finance e Parcerias Público-Privadas (PPP) Lei nº 11.079, de 30.12.2004 Decreto nº 5.385, de 04.03.2005 Financiamento Projetos de Infra-estrutura: Financiamento Corporativo, Project Finance e Parcerias Público-Privadas (PPP) Luiz Ferreira Xavier

Leia mais

Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos

Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos Maio de 2014 Raphael Stein Raphael.stein@bndes.gov.br Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

IV Brasil nos Trilhos. Investimento. SUFES Superintendência Nacional de Fundos de Investimentos Especiais Agosto/2010

IV Brasil nos Trilhos. Investimento. SUFES Superintendência Nacional de Fundos de Investimentos Especiais Agosto/2010 IV Brasil nos Trilhos Investimento Agosto/2010 Atratividade e Expansão do País A economia brasileira apresenta um cenário de crescimento forte e estável Crescimento no longo do PIB Real (%) prazo, PIB

Leia mais

FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS

FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS CAIXA ECONÔMICA FEDERAL FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO IMÓVEL NA PLANTA ALOCAÇÃO DE RECURSOS Modalidades IMÓVEL NA PLANTA Produção de empreendimentos habitacionais Financiamento direto às pessoas físicas Organizadas

Leia mais

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Data de Publicação: 23 de fevereiro de 2010 Comunicado à Imprensa Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Ratings em Fevereiro de 2010 Instrumento Rating Atual Rating Inicial

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

A Companhia de Concessões Rodoviárias Concluiu a Aquisição da Renovias Concessionária S/A.

A Companhia de Concessões Rodoviárias Concluiu a Aquisição da Renovias Concessionária S/A. A Companhia de Concessões Rodoviárias Concluiu a Aquisição da Renovias Concessionária S/A. As informações financeiras e operacionais abaixo, exceto onde indicado em contrário, referem-se a prática contábil

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas do Mercado de Capitais DELIBERAÇÃO Nº 05

Conselho de Regulação e Melhores Práticas do Mercado de Capitais DELIBERAÇÃO Nº 05 Conselho de Regulação e Melhores Práticas do Mercado de Capitais DELIBERAÇÃO Nº 05 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas do Mercado de Capitais, no exercício das atribuições a ele conferidas pelo

Leia mais

FIDC Fornecedores Petrobras Industrial e Serviços

FIDC Fornecedores Petrobras Industrial e Serviços FIDC Fornecedores Petrobras Industrial e Serviços ATENÇÃO: LEIA O PROSPECTO ANTES DE ACEITAR A OFERTA, ESPECIALMENTE A SEÇÃO FATORES DE RISCO 1 ª Série de Emissão do FIDC R$ 72.500.000 Estruturação, Distribuição,

Leia mais

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida CORREÇÃO MONETÁRIA 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida Roteiro 2 Roteiro 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução 1. Em maio de 2008, João emprestou R$ 20.000,00 a Pedro, à taxa de juros compostos

Leia mais

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações

Luiz Fernando Rolla. Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Luiz Fernando Rolla Diretor de Finanças, Relações com Investidores e Controle de Participações Nossa base de acionistas assegura liquidez América do Norte Canadá Estados Unidos México Europa Luxemburgo

Leia mais

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO

A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO A NECESSIDADE DE UM NOVO MODELO DE FINANCIAMENTO DE INFRAESTRUTURA BM&F BOVESPA 30/01/2015 CEMEC Centro de Estudos do IBMEC Carlos A. Rocca INDICE 1. Investimentos crescimento em infraestrutura e retomada

Leia mais

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento

2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento 2ª Conferência Latinoamericana de Saneamento PAINEL 6: Financiamento para Gestão Sustentável dos Serviços Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Foz do Iguaçu,

Leia mais

Infraestrutura no Brasil

Infraestrutura no Brasil www.pwc.com.br Infraestrutura no Brasil Como agregar valor e gerenciar a complexidade de ativos de capital, programas ou portfólios de médio a grande porte (greenfield ou brownfield). O contexto de infraestrutura

Leia mais

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Data de Publicação: 14 de outubro de 2009 Relatório de Monitoramento Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Ratings em Outubro de 2009 Instrumento Rating Atual Rating Inicial

Leia mais

A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos

A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos A Experiência do BNDES na Estruturação de Projetos 1 Roteiro 1. Importância da Estruturação de um Projeto Identificação do Projeto Elaboração dos Estudos Procedimento Licitatório Execução 2. Como selecionar

Leia mais

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II

Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II 2014 Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro Operações de Recebíveis de Royalties de Petróleo II Nota Técnica 14 Nota Técnica nº 14 Operações de Recebíveis de Royalties de

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

Apresentação da Companhia. Janeiro 2011

Apresentação da Companhia. Janeiro 2011 Apresentação da Companhia 1 Janeiro 2011 Notice Esta apresentação poderá conter considerações referentes a perspectivas futuras do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e perspectivas

Leia mais

Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário. Porto Alegre, agosto de 2010.

Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário. Porto Alegre, agosto de 2010. Projetos Atuais e Futuros da CAIXA RS junto ao mercado Naval e Portuário Porto Alegre, agosto de 2010. APOIO AO Polo Naval - Rio Grande Atuação integrada do Governo, por meio da SEINFRA e SEDAI, voltada

Leia mais

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15

ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 1 ARTERIS TRANSCRIÇÃO DA TELECONFERÊNCIA RESULTADOS DO 2T15 Operadora: Bom dia senhoras e senhores, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da Arteris, para discussão dos resultados

Leia mais

SPE PROJECT FINANCE Etanol 2G

SPE PROJECT FINANCE Etanol 2G I Fórum Brasileiro de Economia e Finanças no Agronegócio SPE PROJECT FINANCE Etanol 2G JOSÉ AMÉRICO RUBIANO 13 e 14 de agosto de 2014 SPE SOCIEDADE DE PROPÓSITO ESPECÍFICO Definição Sociedades de Propósito

Leia mais

- CENTRAIS DISTRITAIS DE UTILIDADES - FRIO DISTRIBUÍDO

- CENTRAIS DISTRITAIS DE UTILIDADES - FRIO DISTRIBUÍDO Geração Distribuída - CENTRAIS DISTRITAIS DE UTILIDADES - FRIO DISTRIBUÍDO A QUESTÃO LEGAL: - Estrutura regulatória para um novo serviço. - Modelagem financeira, societária e de implementação. - EPC. -

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos

Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos Edson Dalto Departamento de Transporte e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura Brasília, 15/10/2015 (o conteúdo da apresentação é de responsabilidade

Leia mais

Sete Brasil Participações S.A. Controladora e consolidado Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de

Sete Brasil Participações S.A. Controladora e consolidado Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de Controladora e consolidado Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Material Explicativo sobre Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI)

Material Explicativo sobre Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) Material Explicativo sobre (CRI) 1. Definições Gerais Os Certificados de Recebíveis são títulos lastreados em créditos imobiliários, representativos de parcelas de um direito creditório. O ativo permite

Leia mais

Crédito Privado e os riscos no atual cenário econômico. Elber Kenji Numata Ogasavara

Crédito Privado e os riscos no atual cenário econômico. Elber Kenji Numata Ogasavara Crédito Privado e os riscos no atual cenário econômico Elber Kenji Numata Ogasavara Risco de Crédito - Características do Mercado de Títulos Privados Baixa liquidez de títulos privados Brasileiro Preponderância

Leia mais

Demonstrações Financeiras BTG Pactual Oil & Gás ll Empreendimentos e Participações S.A.

Demonstrações Financeiras BTG Pactual Oil & Gás ll Empreendimentos e Participações S.A. Demonstrações Financeiras BTG Pactual Oil & Gás ll Empreendimentos e Participações S.A. 31 de dezembro de 2013 com relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações

Leia mais

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012

Teleconferência de Resultados. 4T12 e 2012 Teleconferência de Resultados e 2012 28 de fevereiro de 2013 Aviso Legal Algumas das informações aqui contidas se baseiam nas hipóteses e perspectivas atuais da administração da Companhia que poderiam

Leia mais

Agência de Fomento Paulista

Agência de Fomento Paulista Financiamento ao Desenvolvimento Regional Crédito para as Pequenas e Médias Empresas 2011 Agência de Fomento Paulista A Agência de Fomento Paulista - Nossa Caixa Desenvolvimento é uma instituição financeira

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Apresentação institucional

Apresentação institucional Apresentação institucional 2010 Institucional Quem somos Nossos valores Áreas de atuação Equipe Parcerias Contato Quem somos Sociedade de advogados com foco de atendimento em direito empresarial, compreendendo

Leia mais

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão

4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão 4º Fórum Internacional Habitat do Cidadão Painel 2 - Gestão, operação e capacitação para enfrentar os desafios do saneamento e enfrentar a crise hídrica 01 de Outubro de 2015 Agenda Desafios no Setor de

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS.

PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. PALESTRA: LINHAS DE CRÉDITOS. Facilitador: Wolney Luis do Nascimento Sousa. Responsável pelo Evento: 1 LINHAS DE CRÉDITO Motivos Vantagens Desvantagens Aplicação 2 LINHAS DE CRÉDITO Função dos Bancos Para

Leia mais

Workshop de Securitização FIDC E CRI. Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa

Workshop de Securitização FIDC E CRI. Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa Workshop de Securitização FIDC E CRI Comitê de FIDCs da ANBIMA Ricardo Augusto Mizukawa Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Mercado Iniciativas do Mercado - ANBIMA Classificação de FIDCs Formulário

Leia mais

Instrumentos para financiamento e securitização de recebíveis no Brasil Mercados Doméstico e Exportação. João Costa Pereira

Instrumentos para financiamento e securitização de recebíveis no Brasil Mercados Doméstico e Exportação. João Costa Pereira Instrumentos para financiamento e securitização de recebíveis no Brasil Mercados Doméstico e Exportação João Costa Pereira São Paulo, 20 de Agosto 2014 Visão Ser a referência de mercado para soluções de

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

CONTRATOS COM PARTES RELACIONADAS

CONTRATOS COM PARTES RELACIONADAS CONTRATOS COM PARTES RELACIONADAS ITEM 01 Em 05 de dezembro de 2007, a Companhia firmou com o Unibanco quatro cédulas de crédito bancário, nº 044.461076-2, nº 044.461077-0, nº 044.461078-2 e nº 044.461079-6,

Leia mais