Rodrigo Ciarlini Cavalcanti de Albuquerque

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rodrigo Ciarlini Cavalcanti de Albuquerque"

Transcrição

1 UNICAP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS A GLOBALIZAÇÃO DA ECONOMIA E O IMPACTO NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO 2000/2003 RECIFE / 2005

2 UNICAP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS A GLOBALIZAÇÃO DA ECONOMIA E O IMPACTO NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO 2000/2003 Monografia apresentada à UNICAP - Universidade Católica de Pernambuco, orientada pelo Professor Aílton Rosal, como requisito essencial à aprovação no Curso de Ciências Econômicas. Rodrigo Ciarlini Cavalcanti de Albuquerque RECIFE, Junho / 2005 SUMÁRIO

3 Capítulo Introdução Justificativa Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Hipóteses Metodologia...8 Capítulo Globalização Globalização e o Sistema Financeiro Nacional Sistema Financeiro Nacional...17 Capítulo Mercado de Capitais Bolsa de Valores A Evolução do Mercado Financeiro A Bolsa de Mercadorias e Futuros - BM&F Análise de Risco Introdução Risco Cambial Risco Soberano...35

4 Capítulo Análise do Mercado de Ações no Período de 2000 a Evolução da Economia Brasileira no ano de Evolução da Economia Brasileira no ano de Evolução da Economia Brasileira no ano de Evolução da Economia Brasileira no ano de Participação de Investidores Diretos de Capital Estrangeiro Conclusão Bibliografia....54

5 CAPITULO 1 1- INTRODUÇÃO O crescimento do sistema financeiro internacional constitui uma das principais características da globalização. Um volume crescente de capital acumulado é destinado à especulação propiciada pela desregulamentação dos mercados financeiros. Nos últimos quinze anos o crescimento da esfera financeira foi superior aos índices de crescimento dos investimentos, do PIB e do comércio exterior dos países desenvolvidos. Não há uma definição que seja aceita por todos. A globalização está definitivamente na moda e designa muitas coisas ao mesmo tempo. Há a interligação acelerada dos mercados nacionais, há a possibilidade de movimentar bilhões de dólares por computador em alguns segundos, como ocorreu nas Bolsas de todo o mundo, há a chamada "terceira revolução tecnológica" (processamento, difusão e transmissão de informações). Os mais entusiastas acham que a globalização define uma nova era da história humana. Falava-se que globalização se deu no início dos anos 80 quando a tecnologia de informática se associou à de telecomunicações. Outros acreditam que a globalização começou mais tarde com a queda das barreiras comerciais. Um dos problemas deste assunto e que tem sido bastante comentado e discutido é como o Mercado de Capitais Brasileiro responderá a essas mudanças e impactos causados pela globalização. O ponto central da globalização é a integração dos mercados, o que somente é possível através da abertura econômica de cada país. A abertura econômica é entendida aqui como a redução dos impostos incidentes sobre os bens importados, bem como a eliminação dos obstáculos, existentes nos regulamentos, leis, controles, normas, que impedia a livre movimentação das mercadorias e capitais estrangeiros. Esse processo ocorreu no Brasil ao longo da década de 1990 e está ocorrendo o alinhamento do país à onda de expansão do comércio e de capitais liderados pelas empresas dos países desenvolvidos.

6 O movimento de expansão, chamado de globalização, foi possível com as transformações tecnológicas. As transformações tecnológicas atuais estão interligadas com uma outra transformação, a globalização. À medida que o mundo integra os seus mercados e que a competição torna-se um fenômeno em escala mundial, as empresas que utilizam o mercado de capitais possuem um papel primordial de criação de tecnologia, aumento de produtividade e geração de rendas. (VIEIRA, 2001, p. 80) Inserido nessa nova conjuntura e na nova ordem econômica, o Brasil, a exemplo de outros países, fez a abertura econômica para o exterior, aplicou a política de privatizações e empenhou-se em desregulamentar sua economia, oferecendo vantagens às multinacionais que aqui se instalaram. A seletividade dos mercados, movidos pela aceleração da globalização, passou a demandar maior número de dados e informações regidos de maior transparência e solidez. No Brasil, é necessária uma proteção adequada aos investidores, por meio dos órgãos reguladores e fiscalizadores e da garantia de aplicação de uma legislação corporativa adequada para o fomento de mais recursos de longo prazo para as companhias de capital aberto, lembrando que as empresas que optam pelas boas práticas de governança adotam como linhas mestras à transparência, prestação de contas e equidade, portanto adicionam valor empresarial. Com a competição tornando-se um fenômeno em escala mundial, as instituições necessitam detectar suas deficiências, e diante dessa perspectiva é importante evidenciar a responsabilidade das instituições fiscalizadoras e disciplinadoras do mercado de capitais brasileiro, a exemplo da Comissão de Valores Mobiliários CVM e ao importante papel desempenhado pela Bolsa de Valores de São Paulo com o objetivo de fortalecer e expandir o mercado de capitais brasileiro, que além da função de oferecer um mercado para títulos nela registrados, tem a responsabilidade de orientar e fiscalizar serviços prestados por seus membros e ainda difundir as melhores práticas e seus princípios básicos de eqüidade, transparência e justiça.

7 Nosso objetivo nesse trabalho é analisar os impactos associados ao fenômeno da globalização, em relação à economia mundial, notadamente ao mercado de capitais no Brasil. Esta análise é referente ao período 2002/2003. Entendemos que este estudo se mostra importante face às justificativas dadas pelos economistas e analistas do setor e do mercado, onde afirmam ser o mercado de capitais um instrumento indispensável para fomentação de poupança e alavancagem de investimentos às companhias que abrem seu capital, e que são responsáveis pela geração de renda, criação de empregos, portanto, geração de riqueza JUSTIFICATIVA O estudo pretende compreender conceitos e o impacto da globalização da economia no mercado de capitais nacional e examinar os novos rumos para o futuro do mercado de capitais brasileiro. Dessa forma, espera-se tanto ampliar a percepção do tema, quanto aprimorar conhecimento com o intuito de poder compreendê-lo e melhor discuti-lo. Serão investigadas três variáveis consideradas importantes na discussão do tema em questão aspectos políticos, como a soberania nacional e a perda de capacidade decisória, aspectos sociais, demonstrando se afetou ou não a distribuição de renda e se houve enriquecimento por parte dos bancos, e aspectos econômicos, como aumento ou não do PIB, aumento da balança comercial e maior volatilidade. Cientificamente, o trabalho se faz importante uma vez que as constantes mudanças ocasionadas pela globalização da economia afetam e promovem alterações no mercado de capitais. As informações se tornam velozmente obsoletas, instigando estudiosos, especialistas e pesquisadores a aprofundarem seu conhecimento na tentativa de encontrar respostas e argumentos a esse desafio. A importância do desenvolvimento de uma pesquisa sobre o tema, com o intuito de facilitar a compreensão e até mesmo oferecer uma visão prática da aplicabilidade dessas informações, revela-se a partir de observações dos inúmeros problemas originados pela globalização da economia, com reflexos imediatos nos campos sociais, políticos, econômicos e, sobretudo, no mercado financeiro internacional. O estudo persegue a busca

8 por esclarecimentos sobre o acelerado processo de mudanças no mercado de capitais em decorrência da globalização OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo deste trabalho é analisar os impactos da Globalização no Mercado de Capitais Brasileiro, no período de 2000/2003 e demonstrar que a globalização da economia constitui-se em uma fonte inesgotável de discussões, negociações e integração entre as nações Objetivos específicos São objetivos específicos: Analisar a evolução do mercado de capitais no período 2000/2003; Identificar as alterações no mercado de capitais no horizonte de 2000 a 2003 e que foram decorrentes do processo de globalização. 1.3 HIPÓTESES Que as barreiras geográficas são irrelevantes, diante da tecnologia da informação que se encarregou de promover a união entre os países mais longínquos. Discutem-se as repercussões provocadas pela globalização da economia no mercado de capitais, instrumento primordial à fomentação de poupança, alavancagem de investimentos, à geração de riquezas e rendas e fonte ideal de captação de recursos por parte das companhias de capital aberto, enfatizando que o Brasil desponta como um dos mercados emergentes no contexto internacional. Entretanto, todos concordam que é necessária a busca por eficiência, estimulando e atraindo investidores, oferecendo garantias legais por intermédio dos órgãos regulamentadores e fiscalizadores do mercado de capitais nacional. Para o desenvolvimento deste trabalho, a monografia é constituída de 4 capítulos. O capítulo 1 trata da Introdução, da Justificativa e dos Objetivos. No capítulo 2 é feita uma

9 análise do processo de globalização e do Sistema Financeiro Nacional. O capítulo 3 trata do Mercado de Capitais e dos fundamentos da Análise de Risco. No capítulo 4 é feita uma análise da movimentação da BOVESPA no período de 2000 a 2003, através do volume de negócios, verificando a sua variação em função de variáveis econômicas e políticas, nacionais e internacionais. No mesmo capítulo, é apresentada a participação de investidores diretos de capital estrangeiro e as considerações finais. A monografia encerra apresentando a bibliografia utilizada METODOLOGIA A pesquisa será caracterizada como bibliográfica, adotando abordagens de diversos autores, reunindo teorias em toda literatura pesquisada para desenvolvimento do tema, sendo realizada a partir de consultas em livros da área (CAVALCANTE, 1998; LAMEIRA, 2000; PINHEIRO, 2001, EPPING, 2001, VIEIRA, 2001; ROCHA; 2004), artigos e publicações, como da Comissão de Valores Mobiliários CVM, Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA, acesso a periódicos, jornais (PUBLIFOLHA, 2002), revistas, pesquisa em sites da internet (www.iserramar.globo.com; com o objetivo de compreender o impacto da globalização no mercado de capitais nacional, por meio do embasamento social, político, e econômico, para em seguida se ater às teorias, buscando no universo das fontes pesquisadas e na fundamentação de diversos autores, possíveis respostas para o tema em questão. Será também uma pesquisa aplicada, pois serão levantados dados acerca da evolução do mercado financeiro e a abertura econômica, realizando uma análise da variação do volume de negócios realizados pela Bolsa de Valores do Estado de São Paulo (BOVESPA).

10 CAPÍTULO GLOBALIZAÇÃO Quando se faz referência à globalização, é necessário compreender que o processo de internacionalização da economia não é tão atual quanto parece, e remonta no mínimo, ao período mercantilista. As Américas foram descobertas em função da determinação das nações poderosas da época (Portugal e Espanha), que intencionavam atingir novos locais do globo, ampliar seus mercados e conseqüentemente aumentar seus poderes. A descoberta e a colonização da América caracterizam o passo primordial para a estruturação do intercâmbio global, no que se refere à exploração e distribuição de riquezas, fato esse persistente até os dias atuais. Verifica-se também a existência de um sistema internacional apoiado em comunicações eficientes de longa distância (cabos submarinos telegráficos) e meios de transporte industrializados (navio a vapor e ferrovias). Tinha-se em grande parte do globo uma economia vinculada por mercados que compartilhavam informações em tempo quase real. Já naquela época, a economia mundial possuía movimentação internacional de capitais, superior até mesmo à observada até bem recentemente. A primeira guerra e a grande depressão interromperam esse processo. (GRIECO, 1999, p. 101) O processo de mundialização da economia é considerado por estudiosos um fenômeno complexo, entretanto irreversível, e apesar das idéias ainda pouco claras sobre a crescente interdependência das economias internacionais, vivemos uma época em que se faz notória a insuficiência de quadros conceituais para aprender a lidar com uma realidade em tão rápido processo de transformação. Na visão de PINTO (2003, p. 95), tudo indica que não será apenas uma palavra na moda, pois já existem até sinônimos. Os americanos preferem usar o termo globalização, os franceses preferem mundialização e outros, internacionalização. Sabe-se, no entanto, que é responsável pela interligação dos mercados internacionais, possibilita a movimentação de bilhões de dólares por computador em alguns segundos, como ocorre com as bolsas de todo o mundo. A globalização deu origem à chamada terceira revolução tecnológica, isto é, processamento, difusão e transmissão de informações. Alguns adeptos da idéia acham que a globalização define uma nova era da história da humanidade.

11 2.2 GLOBALIZAÇÃO E O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Para PINHEIRO (2001, p. 77), atualmente o mundo vem sofrendo grandes transformações num ritmo acelerado, nunca visto antes. O fenômeno da globalização tem exigido a formação de blocos de cooperação entre países de uma mesma região com objetivo de fortalecerem-se perante o mercado internacional. Se para países mais desenvolvidos esse cenário representa desafios difíceis, para países em desenvolvimento como Argentina, Brasil, México, Rússia e países asiáticos, este pode levá-los a problemas graves de desestruturação socioeconômica. Desde 1993, já havia preocupação com o potencial de formação de uma bolha dos influxos de capital nos mercados emergentes. A polêmica estava centralizada no problema do crescimento desses países, acima da média, baseado nos fluxos de capital resultantes da recessão nos países industrializados acompanhada da queda gradativa da taxa de juros, mundial. Em 1994, já se observava o início de uma moderação dos fluxos de capital, de portfólio, com declínio posterior em Nesse ambiente, os países em desenvolvimento têm se tornado vítimas de mudanças repentinas das expectativas dos investidores. Seus inevitáveis desequilíbrios econômicos, sociais e institucionais, intimamente relacionados ao grau de desenvolvimento, e as políticas macroeconômicas inconclusas para contrabalançá-los, são uma fonte permanente de incerteza. Muitos países de mercados emergentes realizam apenas reformas parciais. Eles, de modo geral, abriram suas economias e freqüentemente buscam reduzir a inflação com restrições financeiras e, em alguns casos, duras reformas monetárias. Entretanto, seus fundamentos econômicos mostram que eles não tiveram êxito na luta contra o déficit fiscal ou a formação de poupanças privadas. Agregando-se a esses desequilíbrios fiscais, as reformas internas de difícil realização, entraves políticos e medidas econômicas inconsistentes, estão criando um entorno para o surgimento de novas crises financeiras, com impactos desfavoráveis sob as relações e os fluxos comerciais. Nos principais centros financeiros do mundo com relação ao volume negociado, a distribuição de volume de operações nas bolsas não ocorre de forma homogênea, quer dizer, algumas bolsas concentram a maior parte do volume e, em conseqüência, têm maior influência sobre as demais. As Bolsas de New York, Tóquio, Londres e Alemanha

12 possuem 70% do volume total. Comparando esses mercados em função de sua estrutura, observando algumas diferenças em termos de capitalização e contratação bursáteis, como ilustra o quadro abaixo: Mercado Global Capitalização bursátil % PIB Contratação bursátil % PIB Reino Unido 90,6 36,7 Japão 68,3 17,0 Estados Unidos 64,3 43,6 Alemanha 18,8 24,3 Fonte: Conseco (1996), apud, PINHEIRO, 2001 Com o fenômeno da globalização dos mercados financeiros, o mercado de capitais brasileiro, para acompanhar esse novo ciclo de desenvolvimento, teve que se reformular e, como resultado, tivemos a redução dos entraves à entrada do capital estrangeiro. Com isso, o investidor estrangeiro passou a ter papel importante para o desenvolvimento do país. Os investidores estrangeiros continuamente deixam de aplicar em seus mercados locais e passam a investir em mercados internacionais, em busca de: maiores lucros; menor risco; ou menor volatilidade por meio da diversificação. No caso brasileiro, por tratar-se de um país emergente, os investidores internacionais vêm em busca de oportunidades para alavancagem de rentabilidade. Portanto, ele pode ser considerado como um capital volátil e sensível à conjuntura internacional. Os investimentos em mercados internacionais, geralmente, são feitos com: investimento direto em ações destes mercados;

13 investimentos indiretos, mediante aquisição de empresas com registros em bolsas de outros países; fundos mútuos abertos e fechados, fundos fiduciários ou companhias de investimento; recibos de depósito de ações (DRs). A entrada de investidores internacionais numa economia pode trazer efeitos positivos e negativos, sendo destacados entre eles: Efeitos positivos: melhora na imagem internacional do país; com entrada de divisas, o governo pode financiar seu déficit por prazos maiores e com taxas de juros menores; o aumento no fluxo de divisas favorece as empresas, propiciando maiores facilidades para investimentos em imobilizado e no aumento da produção, com custos mais favoráveis. Efeitos negativos: um incremento descontrolado do fluxo de divisas pode causar um desequilíbrio nas contas do país; quando um país abre o mercado ao mesmo tempo em que busca uma estabilidade financeira, os investidores passam a preocupar-se com o cumprimento das tarefas do governo (ajuste fiscal, reformas constitucionais, etc.) e qualquer sinal de dificuldade para executá-las, eles perdem a confiança e retiram abruptamente seus recursos;

14 o país tem dificuldades para controlar uma fuga de capitais numa eventual crise financeira internacional. Os centro financeiros podem ser conceituados como cidades especializadas na prestação de serviços financeiros com seus mercados financeiros e suas instituições. No caso dos centros financeiros globais, sua denominação é dada em função de sua abrangência ou área de atuação. De acordo com PINHEIRO (2001, p. 90), os centros financeiros podem ser classificados de acordo com sua ordem hierárquica, da seguinte forma: - Centros globais; - Centros regionais; - Centros offshore; e - Centros nacionais. Os centros financeiros globais oferecem vasta gama de serviços, especialmente nos mercados atacadistas (de grandes volumes), para uma clientela mundial. Há três centros financeiros globais: New York, Tóquio e Londres. Cada um representando o maior dentro de seu fuso horário. Já os centros financeiros regionais internacionais prestam serviços financeiros a uma região e fazem intermediação dos fluxos financeiros dos centros globais e de outros centros regionais e nacionais. A Antuérpia, na Bélgica, pode ser considerado um exemplo como tendo sido um dos primeiros centros financeiros regionais internacionais. Os centros offshore são entrepostos financeiros que fazem a intermediação de fluxos financeiros com pouca ligação com o sistema financeiro do país em que estão situados. Em geral, a denominação aplica-se a lugares como as Ilhas Caimã, Bahamas, Antilhas Holandesas e Andorra.

15 Os centros financeiros nacionais são os que atendem às necessidades nacionais ou regionais, atuando em serviços de varejo e comércio bilateral entre a própria economia e outras economias. Com sua invasão pelos espanhóis, em 1585, Amsterdã passa a ser considerada o principal porto e centro financeiro internacional, durante os dois séculos seguintes. Em 1795, com a ocupação dos franceses, Londres, que já era considerada o maior porto do mundo, passou a ser o principal centro financeiro internacional da época. Paralelamente ao desenvolvimento de Londres como centro financeiro de destaque, surgem outros centros como o de Paris e Berlim. Mas durante a Primeira Guerra Mundial, esses três centros deixam de funcionar e New York assumiu a liderança internacional. No início da década de 60, com a deterioração do balanço de pagamentos dos EUA, em decorrência da Guerra do Vietnã, Londres volta a se destacar no cenário internacional e passa a desempenhar um papel de liderança no desenvolvimento dos mercados de eurodólares e eurobônus. reforçada. Já na década de 70, com o fluxo de petrodólares, Londres tem sua liderança O final da década de 90 vem caracterizado pelas fusões de grandes bolsas de valores como, por exemplo: a associação das Bolsas de Paris, Amsterdã e Bruxelas estão para criar a Euronext; a fusão das Bolsas de Londres e Frankfurt para a criação do ix; a organização de um mercado eletrônico pelas Bolsas Suíça e a Tradepoint Financial Networks Plc, do Reino Unido; o estudo das Bolsas de Madri e Milão para juntar-se à ix.

16 Atualmente, os Estados Unidos são considerados o maior mercado de capitais do mundo e, com isso, tem havido um crescimento do número de empresas estrangeiras registradas na Bolsa de New York. O mercado americano é composto de New York Exchange (NYSE); a National Association of Securities Dealers Automated Quotation System (NASDAQ), as duas de New York; o Midwest Stock Exchange (MSE), de Chicago e outras bolsas regionais. Todavia, a Bolsa de New York é a mais importante Bolsa dos EUA e do mundo. A City of Londres nome dado ao tradicional distrito financeiro de Londres tem sido, há vários séculos, um dos centros financeiros internacionais de destaque. Ocupa hoje a posição de principal centro financeiro do mundo. A bolsa de Londres está convenientemente localizada entre os dois maiores mercados financeiros do mundo, dos EUA e do Japão. O dia de negociação na City of London como é conhecida - coincide com o de Tóquio pela manhã e com o de New York pela tarde. Tóquio é o principal centro financeiro da Ásia e do fuso horário do Pacífico Sul. Embora durante décadas fosse considerado um centro financeiro nacional, a partir da década de 70, com o início de movimento de liberalização financeira, ele passou a destacar-se como centro financeiro internacional e, na década de 80, com um novo movimento de liberalização financeira, adquiriu o status de grande centro financeiro internacional. As causas que proporcionam esse grande avanço da globalização e que ditam essa tendência para o mercado de capitais podem ser atribuídas a quatro forças impulsoras. A primeira é as mutações do desejo dos consumidores de produtos financeiros, que passaram a exigir mais sofisticação e menos custos. A segunda é o próprio mercado local, que não poderia atender às necessidades em termos de volume, prazos e preços, o que obrigou as empresas a buscarem mercados internacionais maiores e mais desenvolvidos. A terceira foi a evolução tecnológica e o extraordinário avanço dos meios de comunicação ocorrido nos últimos dez anos, que possibilitou um grande desenvolvimento das transações com capitais. Hoje, com apenas um telefone ou ordenador portátil, se pode fazer todo tipo de transações financeiras e transferir grandes volumes de capital aos mais distantes mercados do planeta. Com uma boa Mesa de Operações e vários turnos de operadores, pode-se trabalhar 24 horas, utilizando as diferenças entre fusos horários da cada país. A quarta pode

17 ser atribuída ao afrouxamento e, posteriormente, abolição dos controles de câmbio sobre os afluxos de capital das economias. A falta de recursos dos governos e seu crescente endividamento acabou com o sistema intervencionista e iniciou o chamado neoliberalismo, com retorno da visão de mercado. A globalização possibilitou às empresas ampliarem opções de captação e investimentos, como acesso a escala e volume de recursos maiores que nos locais, assim como a associação com empresas estrangeiras. Com isso, houve também criação de novas referências para avaliação dos comportamentos dos diferentes mercados e conseqüentemente grande desenvolvimento das análises técnica e fundamental. A internacionalização ou globalização dos mercados pode causar uma transferência de liquidez, dos pequenos mercados locais, para os grandes, ou então o inverso e com grande rapidez, ampliando, com isso, sua dependência dos capitais especulativos (voláteis) e principalmente a poupança internacional. Esse excessivo grau de dependência dos mercados com relação aos grandes centros financeiros causa uma diminuição em sua capacidade de desenvolvimento e dificulta acesso ao capital para empresas de pequeno tamanho. Além da globalização dos mercados, tem-se produzido momentos importantes, que caracterizaram mudanças nos ciclos dos mercados de capitais, entre eles ressaltamos grandes crises que ocorreram nas bolsas de valores. A globalização afeta os mercados, os agentes econômicos e os governos. E no caso dos mercados financeiros, o grande desenvolvimento dos meios de comunicação que permitiu um incremento no volume de informações e maior rapidez na sua difusão, transformou as bolsas de valores em mercados bursáteis internacionais. Essa mudança provocou grande desenvolvimento de seus mecanismos de negociação e ampliou sua sensibilidade às mudanças da economia. Diante desse fato, embora a globalização dos mercados esteja intimamente ligada com sua dimensão, os especuladores locais passaram a atuar como especuladores internacionais e os capitais que antes giravam somente em âmbito local, passaram a ter giro internacional.

18 As mudanças ocorridas nas economias dos diversos países têm suas repercussões diretas nos mercados financeiros internacionais. O processo de globalização impõe aos países a imperiosa necessidade de fortalecer os seus fundamentos econômicos, sociais e institucionais. Uma crise financeira pode surgir quando os fundamentos macroeconômicos não estão sendo aplicados e, conseqüentemente, o país perde credibilidade sobre os agentes internacionais. A vulnerabilidade externa, que representa uma baixa capacidade de resistência ante a influência de fatores desestabilizadores externos ou choques internacionais, pode levar um país a uma crise financeira ou mesmo econômica. A internacionalização dos mercados pode gerar a dependência de moedas como o dólar dos Estados Unidos e a falta de regulamentação dos mercados, provocando incertezas capazes de abalar os pilares da economia. Essa internacionalização dos mercados leva a uma transferência de liquidez dos mercados locais para os mercados internacionais, ou vice-versa, com grande rapidez, ampliando, com isto, sua dependência em relação ao câmbio. Como conseqüência, esse excessivo grau de dependência dos mercados causa uma diminuição na autonomia para a gestão de suas balanças comerciais e dificuldade no controle do câmbio interno. 2.3 SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Segundo PINHEIRO (2001, p. 88), o sistema financeiro pode ser entendido como sendo igual à soma das unidades operacionais que o compõem e dos responsáveis pelas políticas monetárias, creditícia, cambial e fiscal, que regulam seu funcionamento bem como os fluxos monetários entre os que dispõem de recursos financeiros e os que deles careçam, para suas atividades de produção ou de consumo. Nada mais é, portanto, do que um conjunto, pois os agentes financeiros, sem as limitações doutrinárias ou normativas emanadas das autoridades competentes, resultariam em entidades mal definidas e indisciplinadas. Por outro lado, não teria sentido pensar-se em política econômico-financeira se inexistissem as instituições financeiras.

19 Dessa forma, sabe-se muito bem que um sistema que apresente parcela importante das operações de seus agentes independente das autoridades monetárias revela um perigoso grau de instabilidade. Caso isso ocorra, mais cedo ou mais tarde a situação tornar-se-á insustentável e danosa para o próprio sistema. Assim, a satisfação dos diretores de instituições financeiras, pelo alto índice de liberdade operacional que lhes seja concedido, acaba por tornar-se muito onerosa para a coletividade, que sofrerá diretamente as conseqüências de tal estado de coisas. Conclui-se, então, que a criação de um banco central, para não falar nas demais autoridades que caracterizam o colegiado, que congrega, nas economias modernas, os responsáveis pelas já mencionadas políticas econômico-financeiras, decorre não da imposição do Estado, mas da própria economia, que exige a sua implantação e bom funcionamento. Está aí, então, o motivo pelo qual o sistema financeiro de cada nação é sempre coerente com seu grau de desenvolvimento e com sua força econômica. As instituições surgem, evoluem e diversificam suas funções, como um imperativo do próprio progresso nacional. Compete às autoridades monetárias e fiscais anteciparem-se às necessidades de mercado e da produção, ao mesmo tempo em que cuidam de corrigir e disciplinar as distorções porventura existentes no sistema. Em outras palavras, processo de desenvolvimento é, por definição, cambiante, requerendo e motivando transformações, a começar pelas de ordem estrutural. Por isso mesmo, se o sistema financeiro não acompanha as exigências das modificações acusadas pela economia, ou se funcionam em sentido oposto a elas, tenderá a constituir-se em grave obstáculo às atividades produtivas, desestimulando o esforço da coletividade, que verá frustrados seus justos anseios de progresso. Segundo PINHEIRO (2001, p. 53), o mau funcionamento do sistema financeiro gera perturbações nos fluxos monetários, cujos efeitos, quando excessivos, são de demorada correção e manifestam-se sob as seguintes formas: luta desenfreada pelos recursos financeiros, encarecendo-os;

20 transferência de atividades econômicas próprias da iniciativa privada, para o setor público; instabilidade do nível de preços e conseqüente inutilização das previsões econômicas; desvirtuamento das funções das instituições financeiras elevando o custo do dinheiro e gerando um descrédito com o público; insuficiente dinamização do mercado financeiro nacional, que passa a funcionar como um sistema arterial esclerosado; e desestímulo à poupança espontânea dos indivíduos e das empresas, que passa a ser substituída pela de caráter forçado, nem sempre transformada em investimento, mas em despesa de custeio do estado. Podemos dizer que as principais funções de um sistema financeiro na economia são: promover a poupança; arrecadar e concentrar a poupança em grandes volumes; transformar a poupança em créditos especiais; encaminhar os créditos às atividades produtivas; e gerenciar as aplicações realizadas e manter um mercado para elas. De acordo com PINHEIRO (2001, p. 54), a origem do Sistema Financeiro Brasileiro está na criação em 1808 por alvará de D. João VI, Príncipe Regente, do primeiro Banco, denominado Banco do Brasil. Como única instituição do gênero no país, ele passou a acumular, a partir de 1809, as funções de banco de depósitos, descontos e emissão, gozando ainda do privilégio da venda dos produtos comercializados pela coroa.

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Sistema de Informações de Crédito do Banco Central Solidez para o Sistema Financeiro Nacional Facilidades para os tomadores de empréstimos Transparência para a sociedade istema de Informações de Crédito

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS Código: CTB 000 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2014.2 Professor:

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Parte I MATEMÁTICA FINANCEIRA Perguntas & Respostas Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Nas ações nomina9vas como podemos iden9ficar quem são os acionistas caso aconteça uma venda

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 140, DE 2004. Dispõe sobre as instituições de mercado de capitais, e dá outras providências. AUTOR: Deputado EDUARDO VALVERDE RELATOR:

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383

Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10. www.eadempresarial.net.br. www.eadempresarial.net.br - 18 3303-0383 Curso de CPA 10 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANBIMA SÉRIE 10 www.eadempresarial.net.br SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Uma conceituação bastante abrangente de sistema financeiro poderia ser a de um conjunto de

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS

Mercado de Capitais. Renda Variável. Mercado Primário de Ações. Mercado Primário - ETAPAS. Mercado Primário - ETAPAS Mercado Primário de Ações Mercado de Capitais Renda Variável Mestrando: Paulo Jordão. 03/04/2012 Venda direta aos investidores através de ofertas públicas (IPOs) ou subscrição particular; Motivos: Expansão

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Fases históricas do sistema bancário brasileiro. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.

Fases históricas do sistema bancário brasileiro. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress. Fases históricas do sistema bancário brasileiro Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fases históricas do sistema bancário brasileiro 2 Fases da

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012

Prof. Cid Roberto. Concurso 2012 Prof. Cid Roberto Concurso 2012 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7 São realizadas por bancos de investimentos e demais

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL 1 -- SISTEMA FINANCEIRO E SEUS COMPONENTES BÁSICOS: >> Sistema financeiro = é formado pelo conjunto de mercados e instituições que servem para relacionar poupadores

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A concentração bancária no Brasil é uma ameaça à justiça econômica e social 1 Quais as ameaças

Leia mais

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento.

A moeda possui três funções básicas: Reserva de Valor, Meio de troca e Meio de Pagamento. 29- A lógica da composição do mercado financeiro tem como fundamento: a) facilitar a transferência de riscos entre agentes. b) aumentar a poupança destinada a investimentos de longo prazo. c) mediar as

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR

Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Departamento de Supervisão Indireta e Gestão da Informação Desig Diretoria de Fiscalização Sistema de Informações de Crédito do Banco Central SCR Visão Geral O que é o SCR Experiência em outros países

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS. Prof. Rodrigo O. Barbati CONHECIMENTOS BANCÁRIOS Prof. Rodrigo O. Barbati AULA 01 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema normativo Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional (SFN) pode ser entendido

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL BRUNI BRUNI BRUNI BRUNI. Sistema Financeiro Nacional Capítulo Sistema Financeiro Nacional Bibliografia básica Todo o conteúdo dos slides deve ser acompanhado com o livro Mercados Financeiros, publicado pela Editora Atlas. Objetivos do capítulo Distinguir

Leia mais

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo

BB BNDES. Instituições Financeiras Bancárias. Instituições Financeiras. não Bancárias. Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo Conselho Monetário Nacional - CMN Comissões consultivas Subsistema Normativo Banco Central do Brasil Comissão de valores mobiliários CVM Instituições Especiais Sistema financeiro brasileiro BB BNDES CEF

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

Definição. A sua criação baseia-se em dois princípios distintos

Definição. A sua criação baseia-se em dois princípios distintos Definição Pode ser definido como sendo um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com titulos e valores mobiliarios, tendo como objetivo a canalização de recursos de agentes compradores

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

2 Abertura de capital

2 Abertura de capital 2 Abertura de capital 2.1. Mercado de capitais O Sistema Financeiro pode ser segmentado, de acordo com os produtos e serviços financeiros prestados, em quatro tipos de mercado: mercado monetário, mercado

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Boletim periódico da da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim destina-se a promover discussões sobre temas de conjuntura e não

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof.

Sistema Financeiro Nacional-Aula 22.10.14 22/10/2014. Ciências Contábeis. Sistema Financeiro Nacional. Sistema Financeiro Nacional. Prof. -Aula 22.10.14 22/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITARIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Contábeis Conceitos e Estrutura Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br Surgimento e Finalidade: Cronograma

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais