HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2012 em IFRS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2012 em IFRS"

Transcrição

1 HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2012 em IFRS

2 HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2012 em IFRS Conteúdo 3 Destaques 4 Relatório da Administração 4 Aos nossos clientes, ao mercado e ao público em geral 4 Rede de atendimento 4 Recursos humanos 4 Sustentabilidade 6 Negócios globais 14 Governança 14 Governança corporativa 14 Comitês 15 Diretoria executiva 16 Controles internos e compliance 17 Riscos 17 Gestão de riscos 18 Risco de crédito 31 Risco de liquidez e de captação 36 Risco de mercado 40 Risco operacional 41 Riscos das operações de seguros 46 Capital 46 Gerenciamento, mensuração e alocação de capital 46 Capital regulatório 49 Demostração financeira consolidada 58 Notas explicativas à demostração financeira consolidada 123 Glossário 2

3 Destaques Destaques (em milhões de reais) Do exercício Lucro antes dos impostos Lucro líquido do exercício Ao final do exercício Patrimônio líquido Capital Empréstimos e adiantamentos a bancos Empréstimos e adiantamentos a clientes Total de ativos Índices Retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) 2 13,7% 16,2% Índice de capital 3 13,4% 13,7% Índice de eficiência operacional (IEO) 4 56,6% 60,7% Patrimônio de referência Nível I Para fins de comparabilidade no mercado brasileiro ajustamos o cálculo do índice de eficiência operacional, conforme segue: IEO - ajustado por impostos transacionais 5 53,5% 57,8% 1 Para fins de comparabilidade, 2012 não contempla resultados de previdência, enquanto 2011 apresenta o resultado de R$42m referente a reorganização societária ocorrida em 2011 conforme nota 24 - Investimentos em subsidiárias. 2 O ROE foi calculado dividindo-se o lucro líquido atribuível aos acionistas pelo patrimônio líquido médio atribuível aos acionistas, líquido da capitalização dos juros sobre o capital próprio. 3 O índice de capital foi calculado com base nos requerimentos do Bacen para Basileia II, para o CONEF. 4 O índice de eficiência operacional é definido como o total de despesas operacionais dividido pela receita líquida operacional antes da despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito. 5 O IEO ajustado por impostos transacionais, é definido como o total de despesas operacionais, menos as despesas com impostos transacionais, dividido pela receita líquida operacional antes da despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco menos as despesas com impostos transacionais. 3

4 Relatório da Administração HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração (em milhões de reais) Aos nossos clientes, ao mercado e ao público em geral Aos nossos clientes, ao mercado e ao público em geral Apresentamos o Relatório Anual do HSBC Brasil¹ juntamente com a demonstração financeira consolidada, preparada de acordo com o IFRS, relativa ao exercício findo em 31 de Dezembro de Este relatório está disponível em: Rede Rede atendimento de atendimento O HSBC Bank Brasil S.A. Banco Múltiplo é uma empresa membro do HSBC Brasil, o qual está presente em 545 municípios de todas as regiões do país. Internacionalmente, o HSBC está presente em mais de 80 países e territórios, sendo um dos maiores grupos financeiros do mundo. A rede de atendimento do HSBC Brasil, em 31 de Dezembro de 2012, estava composta por 868 agências e 401 postos de atendimento bancários, postos de atendimento eletrônicos, ambientes de autoatendimento e caixas automáticos. Os clientes contam ainda com mais de caixas automáticos na rede compartilhada com outros bancos no Brasil e Banco 24 Horas. Adicionalmente, os clientes têm à sua disposição mais de 1 milhão de caixas automáticos para saques no exterior por meio da rede Cirrus/MasterCard e Visa Plus/Visa e aproximadamente 29 milhões de estabelecimentos conveniados com a rede Visa Electron para compras com cartão de débito no Brasil e no exterior. Recursos humanos Recursos humanos A estrutura total das empresas do Grupo HSBC no Brasil possuía colaboradores. Para fins de apresentação da demonstração financeira consolidada do HSBC Brasil, o número de colaboradores era ao final do exercício em A área de recursos humanos do HSBC tem o objetivo de apoiar o crescimento sustentável dos negócios por meio de pessoas, atuando de forma a garantir entregas estrategicamente relevantes, comercialmente alinhadas e eficientes. Para criarmos uma cultura de alto desempenho, é preciso articular a estratégia empresarial com as competências individuais isso é feito por meio do alinhamento e consistência dos programas de atração, engajamento, desenvolvimento, gestão de desempenho e recompensa. Os programas de treinamento são focados nas necessidades dos negócios e dos colaboradores, com ações que auxiliam efetivamente ao alcance dos objetivos de negócio. Os programas oferecidos combinam ¹ Os termos e abreviaturas em itálico estão definidos no glossário, página 123 soluções presenciais e a distância (sobretudo e-learnings) e atendem necessidades de integração (ao HSBC Brasil e às funções), desenvolvimento de lideranças e formação comercial e técnica (crédito, vendas, investimentos etc.). Neste sentido, nossa universidade corporativa, a HSBC Business School, foi considerada em 2012 pela revista Melhor Gestão de Pessoas como referência na formação de colaboradores. A estratégia global de desenvolvimento de carreira e identificação de talentos e sucessores cria um fluxo forte e contínuo de pessoas qualificadas para preencher nossas posições Sustentabilidade mais críticas à entrega de nossa estratégia de negócios e ao nosso sucesso comercial. Dessa forma, constrói-se uma vantagem competitiva para o HSBC Brasil, aumentando a retenção e o engajamento dos colaboradores. O HSBC foi eleito em 2012, pela segunda vez consecutiva, uma das 100 melhores empresas para trabalhar do Brasil, pelo ranking da Revista Época em parceira com o Instituto Great Place to Work. Fomos reconhecidos também pelo jornal O Estado de São Paulo como uma das 17 melhores empresas para trabalhar entre as maiores empresas do Brasil. Sustentabilidade O HSBC busca conectar clientes às oportunidades, ajudando objetivos a serem atingidos, empresas a crescerem, e economias e comunidades a prosperarem. Para isso, a empresa se preocupa em manter relacionamentos positivos e de longo prazo junto a todos os seus públicos de relacionamento. Além de obter resultados financeiros sustentáveis, buscamos oferecer produtos e serviços confiáveis aos clientes, engajar e desenvolver colaboradores, gerenciar os impactos sociais e ambientais dos negócios, gerir de modo responsável os riscos de nossa atuação, e promover o desenvolvimento das comunidades de forma duradoura e a proteção ambiental. Este conjunto expressa o conceito e a abordagem quanto ao tema da sustentabilidade para o HSBC, como também ressalta os valores que guiam a nossa empresa. Orientado por essa filosofia, o HSBC possui uma política responsável de concessão de financiamentos, que busca aplicar, positivamente, na comunidade a força do crédito como ferramenta de desenvolvimento. Para a análise do risco de sustentabilidade nos financiamentos, o HSBC segue parâmetros internacionais, como os Princípios do Equador, e é um dos bancos do país que adota políticas setoriais e realiza avaliação de riscos nos processos de concessão de crédito. A empresa adota diretrizes para as áreas de indústria química, infraestrutura de água doce, florestas e produtos florestais, energia, mineração e metais e equipamentos de defesa. Ao avaliar os pedidos de concessão de crédito, o HSBC considera, de forma sistemática, os riscos éticos, 4

5 Relatório da Administração (em milhões de reais) sociais e ambientais inerentes ao negócio. Em setores com maior potencial de impacto, a aprovação está sujeita a uma avaliação adicional e detalhada. Não são financiados projetos que possam gerar riscos, ainda que indiretos, a áreas declaradas patrimônio da humanidade pela Unesco. Sempre tivemos uma postura cautelosa em relação ao financiamento de equipamentos de defesa, e há algum tempo, estamos nos retirando progressivamente desse tipo de atividade. Na área ambiental, o Grupo HSBC lançou um novo programa mundial que será construído sobre o sucesso do HSBC Climate Partnership - que tinha foco em combater as mudanças climáticas - terminado no fim de O Programa HSBC pela Água terá um investimento global de US$ 100 milhões - entre 2012 e e tem como objetivos: proteger bacias hidrográficas importantes para comunidades e negócios ao redor do mundo; promover o acesso à água e higiene a populações em grande necessidade; e estimular formar cidadãos informados e capacitados para tomar ações práticas em proteção aos recursos hídricos. No Brasil, em parceria com a WWF, serão realizadas iniciativas de conscientização, conservação e recuperação da bacia do Pantanal, o que beneficiará a comunidade e o ecossistema locais. Junto com a Earthwatch Institute, colaboradores do HSBC serão capacitados, a partir de 2013, para serem líderes-voluntários na conscientização e no engajamento de colegas e comunidades para ser parte de uma inovadora pesquisa científica sobre recursos hídricos e para o maior engajamento com o tema água. As operações do HSBC Brasil também são geridas com foco na ecoeficiência e na gestão dos impactos diretos. Iniciativas de redução da emissão de resíduos e carbono, além de promoção da reciclagem e melhor utilização da água e da energia, têm função importante na estratégia das operações. Para o HSBC Brasil, apoiar a consolidação de um sistema econômico de baixa emissão de carbono representa, ao mesmo tempo, um grande desafio e uma oportunidade de mercado. O investimento social, um compromisso do HSBC Brasil com o desenvolvimento social, ambiental e econômico das comunidades nos locais onde opera, é coordenado pelo Instituto HSBC Solidariedade, por meio de apoio financeiro e técnico a projetos de organizações não governamentais com foco em educação, meio ambiente e geração de renda para a comunidade. No exercício de 2012, foram 383 projetos apoiados, técnica e/ou financeiramente, o que beneficiou mais de 240 mil pessoas de todo o Brasil. Até Dezembro de 2012, foram capacitadas 217 representantes de instituições, visando o aprimoramento da gestão, da comunicação e sustentabilidade, com o objetivo de fortalecer e desenvolver as ONGs apoiadas. Responsável pela coordenação do programa corporativo de voluntariado, o Instituto engajou cerca de 16% de seu quadro de colaboradores em atividades voluntárias. Em abril do ano passado, o Instituto HSBC Solidariedade se tornou a primeira ONG com origem corporativa no mundo a se associar ao Departamento de Informações Públicas da Organização das Nações Unidas (ONU) um importante reconhecimento da credibilidade do Instituto e de seu apoio à agenda mundial de desenvolvimento sustentável. A partir de então, a ONG assume a responsabilidade de promover as iniciativas da ONU e a aproximação da sociedade brasileira com a Organização. Desde 2006, ações nas três dimensões da sustentabilidade social, econômica e ambiental são divulgadas em relatórios anuais de sustentabilidade do HSBC Brasil. Organizado conforme as diretrizes da GRI, as informações apresentadas visam a fornecer um diagnóstico claro de nossa trajetória de desenvolvimento sustentável. Mais do que uma prestação de contas, o relatório de sustentabilidade é o resultado de um processo conjunto de construção que envolve clientes, acionistas, fornecedores, ONGs e entidades reguladoras. 5

6 HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração (em milhões de reais) Negócios globais Negócios globais Sumário A Administração revisa as atividades operacionais do HSBC Brasil em diversas bases, sendo mais relevante a visão por negócios globais. Nesse sentido, a performance do HSBC Brasil é avaliada através dos seus negócios globais, sendo: Retail Banking and Wealth Management (RBWM), Commercial Banking (CMB) e Global Banking and Markets (GB&M). O RBWM, consolida os negócios de pessoa física. O CMB é dedicado ao atendimento de todo e qualquer cliente pessoa jurídica do HSBC. O GB&M inclui os grandes clientes corporativos, institucionais e governamentais. Lucro / (prejuízo) antes dos impostos % % Retail Banking and Wealth Management (210) (11,4) ,4 Commercial Banking , ,4 Global Banking and Markets , ,6 Outros 1 (54) (3,0) (219) (11,4) Total , ,0 1 Além do Private Banking, o segmento Outros inclui as despesas de reestruturação não alocadas aos negócios. Total de ativos % % Retail Banking and Wealth Management , ,3 Commercial Banking , ,1 Global Banking and Markets , ,9 Outros , ,1 Eliminações entre segmentos (10.921) (9,4) (8.440) (6,4) Total , ,0 Bases de preparação Os resultados aqui apresentados estão em conformidade com as políticas contábeis aplicáveis a demonstração financeira consolidada em IFRS do HSBC Brasil. As operações do HSBC Brasil estão totalmente integradas e, como consequência, a apresentação de informações por segmentos considera alocações internas de certas receitas e despesas. Essas alocações incluem o custo das áreas de suporte na extensão em que tais custos sejam atribuíveis às linhas de negócio. Embora as alocações sejam feitas em bases sistemáticas e consistentes, algum grau de subjetividade é aplicado nesse processo. Quando relevante, as receitas e despesas incluem o resultado de captações intersegmentos, bem como de transações intercompanhias e interlinhas de negócio. Substancialmente essas transações são equivalentes àquelas que prevalecem em transações realizadas nos mesmos termos, incluindo taxas de juros e prêmios de risco aplicáveis às transações com terceiros. 6

7 Relatório da Administração (em milhões de reais) Retail Banking and Wealth Management (RBWM) Prejuízo antes dos impostos Receita líquida de juros Receita líquida de tarifas e comissões Lucro líquido de negociação Prêmios de seguros e contribuições de previdência Outras receitas operacionais Despesas de sinistros e movimentação dos passivos de seguros 1 (52) (1.596) Receita líquida operacional Despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito (2.242) (1.603) Receita líquida operacional Despesas operacionais (4.233) (4.056) Lucro/(prejuízo) antes dos impostos (210) 332 % % Índice de eficiência operacional 67,57 67,70 Dados de balanço Empréstimos e adiantamentos a clientes (bruto) Provisão para redução ao valor recuperável de empréstimos e adiantamentos (2.448) (1.904) Total de ativos Depósitos de clientes Em 30 de Setembro de 2011, a HSBC Vida e Previdência (Brasil) S.A, entidade onde estão registradas as receitas dos produtos de previdência, foi vendida para outra empresa do HSBC. Consequentemente, o ano de 2011 contempla 9 meses de resultados de previdência conforme Nota 24 - Investimentos em subsidiárias. 2 Receita liquida operacional antes da despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito.. Direcionamento estratégico A estratégia do RBWM mantém-se centrada no cliente, focando no atendimento de suas necessidades ao ofertar soluções financeiras de nível global, aliando vantagem competitiva, mobilidade social e geográfica no Brasil e no Mundo, como força geradora de novos negócios. Alinhado com as prioridades estratégicas do HSBC, o RBWM está focado em oferecer produtos que geram altos níveis de relacionamento e retorno, além de uma especializada orientação a gestão de investimentos, nicho em que o HSBC se destaca pelo seu posicionamento de mercado e presença internacional. Performance financeira em 2012 O prejuízo antes dos impostos foi de R$ 210 no período, sendo o resultado R$ 542 menor que o ano anterior. A redução foi fortemente impulsionada pelo aumento nas despesas com redução ao valor recuperável de empréstimo e outras provisões para risco de crédito, baixas por descontinuidade de ativos e parcialmente compensado pelo aumento em todas as linhas de receitas operacionais. O resultado ajustado antes dos impostos em 2012 foi de R$ 79 (R$ 367 em 2011), quando excluídos os efeitos gerados pelas baixas por descontinuidade de ativos (R$ 49) e os portfólios descontinuados em 2011 por decisão estratégica da organização (resultado negativo de R$240). Esses portfólios são relativos aos empréstimos consignados e financiamentos de veículos originados através de terceiros. As receitas líquidas de juros subiram 5% em função de melhor rentabilidade no mix de produtos quando excluída a queda de 71% das receitas oriundas dos portfólios descontinuados em A contribuição das operações de seguros para o RBWM teve um crescimento devido ao aumento principalmente na carteira de vida. Despesas com provisões por redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito cresceram 40% em relação ao mesmo período do ano anterior em função do aumento da taxa de inadimplência, principalmente em cartões de crédito, reestruturações de dívida e dos portfólios descontinuados. As despesas operacionais do ano de 2012, excluindo a baixa por descontinuidade de ativos (R$ 49), representam um crescimento de apenas 3%, bem abaixo dos efeitos inflacionários no período, resultado de ações estratégicas para elevar a eficiência operacional do negócio. 7

8 HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração (em milhões de reais) Destaque nos negócios em 2012 Cenário econômico desafiador com alto índice de inadimplência no país bem como forte pressão para redução de taxas de juros. O RBWM contribuiu substancialmente para que o HSBC Brasil fosse eleito pela segunda vez, uma das melhores empresas para se trabalhar, segundo a revista época. A participação dos produtos de gestão de patrimônio sobre o total de receita líquida operacional aumentou de 21% para 31%. Crescimento de 15% na base de clientes Premium. Eleito pelos clientes como o melhor internet banking no Brasil pela quarta vez em 5 anos. 8

9 Relatório da Administração (em milhões de reais) Commercial Banking (CMB) Lucro antes dos impostos Receita líquida de juros Receita líquida de tarifas e comissões Lucro líquido de negociação Prêmios de seguros e contribuições de previdencia Outras receitas operacionais Despesas de sinistros e movimentação de passivos de seguro 1 (182) (606) Receita líquida operacional Despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito (1.015) (685) Receita líquida operacional Despesas operacionais (1.748) (1.591) Lucro antes dos impostos % % Índice de eficiência operacional 49,56 49,38 Dados de balanço Empréstimos e adiantamentos a clientes (bruto) Provisão para redução ao valor recuperável de empréstimos e adiantamentos (928) (863) Total de ativos Depósitos de clientes Em 30 de Setembro de 2011, a HSBC Vida e Previdência (Brasil) S.A, entidade onde estão registradas as receitas dos produtos de previdência, foi vendida para outra empresa do HSBC. Consequentemente, o ano de 2011 contempla 9 meses de resultados de previdência conforme Nota 24 - Investimentos em subsidiárias. 2 Receita liquida operacional antes da despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito. Direcionamento estratégico A estratégia do segmento Commercial Banking está focada em dois principais objetivos: Intensificar o foco em produtos de comércio exterior e negócios internacionais, tornando-se o banco preferencial de seus clientes e reforçando seu posicionamento global por meio de uma presença qualificada e especializada; Aumentar a receita em colaboração com outras áreas, principalmente com o segmento Global Banking & Markets, através da oferta de produtos e serviços específicos para atender às necessidades internacionais dos seus clientes. Performance financeira em 2012 O lucro antes dos impostos de R$ 764 em 2012 foi decorrente do crescimento das receitas aliado ao forte controle de despesas operacionais, mas impactados pelo aumento significativo da despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito. A receita líquida operacional antes da despesa com redução ao valor recuperável de empréstimo e outras provisões para risco de crédito cresceu 9% em relação ao ano anterior, principalmente nos produtos de capital de giro e comércio exterior, sendo que o último apresentou um forte crescimento nos volumes como consequência da estratégia focada em alavancar as receitas com negócios internacionais. As receitas com tarifas e comissões cresceram 19%, principalmente nos produtos de cash management e cartões, além do aumento de volume de negócios estruturados e de financiamento a importação. Os produtos de seguros para pessoa jurídica também contribuíram para o crescimento das receitas, principalmente na carteira de vida. O foco na redução sustentável de custos e aumento da eficiência mantiveram as despesas sob controle, porém com crescimento acima da inflação devido às despesas de pessoal relacionadas ao acordo coletivo anual da categoria e impostos transacionais em função do crescimento da receita. A desaceleração econômica do Brasil e o aumento da inadimplência resultaram em um aumento de 48% da despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito em comparação com o ano anterior. Destaque nos negócios em 2012 Aumento na receita gerada por clientes do Commercial Banking em conjunto com o Global Banking & Markets em produtos como câmbio, derivativos e emissão de títulos de dívida. 9

10 HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração (em milhões de reais) Crescimento de 13% no número de clientes Commercial Banking utilizando produtos de câmbio e derivativos, com um aumento de receita de 15% em comparação com o ano anterior. Crescimento expressivo das operações de comércio exterior. Expansão da equipe de gerentes de relacionamento com foco em negócios internacionais. Indicações de 21 mil clientes para abertura de contas Premier. 10

11 Relatório da Administração (em milhões de reais) Global Banking and Markets (GB&M) Lucro antes dos impostos Receita líquida de juros Receita líquida de tarifas e comissões Lucro líquido de negociação Outras receitas operacionais Receita líquida operacional Receita/(despesa) com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito (3) 9 Receita líquida operacional Despesas operacionais (483) (517) Lucro antes dos impostos % % Índice de eficiência operacional 26,63 37,96 Dados de balanço Empréstimos e adiantamentos a clientes (bruto) Provisão para redução ao valor recuperável de empréstimos e adiantamentos (29) (11) Total de ativos Depósitos de clientes Receita líquida operacional antes da despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito. Direcionamento estratégico Conectar clientes corporate na América Latina e principais centros globais. Aumentar a conectividade entre segmentos, produtos e geografias. Desenvolver soluções financeiras customizadas para empresas de alto crescimento. Prover produtos de alto valor agregado para clientes Global Banking and Markets e Commercial Banking. Performance Financeira em 2012 Em 2012 os resultados de Global Banking & Markets foram extremamente positivos. O lucro antes dos impostos foi de R$ no período, R$ 474 maior que o ano anterior, o que representa 56% de crescimento. O índice de eficiência também apresentou uma melhora significativa de 38% para 27%. A receita líquida de juros aumentou R$ 349 em relação ao ano anterior. Este crescimento é explicado, principalmente, pelo desempenho de Balance Sheet Management, impulsionado pelas vantagens do ciclo de flexibilização da política monetária (a redução na taxa de juros primária foi de 11.75% em 2011 para 7.25% em 2012). O lucro líquido de negociação aumentou devido ao desempenho consistente nas negociações de operações com taxas de juros. Os ganhos são explicados pelo correto posicionamento do negócio em relação ao cenário de redução das taxas de juros. Operações de Day Trade também contribuíram positivamente. O aumento na receita líquida de tarifas e comissões foi devido, principalmente, ao crescimento de receitas com taxas de custódias, impulsionado pelo aumento nos volumes, além do aumento no resultado da área de payments and cash management, relacionado aos serviços de administração de recebimentos. As despesas operacionais diminuíram R$ 34, principalmente em despesas com pessoal, devido à reversão de valores de marcação a mercado sobre pagamentos baseados em ações e encargos sociais. Destaque nos negócios em 2012 Aumento na base de clientes CMB utilizando produtos de Global Markets (câmbio pronto e derivativos). Relevante desempenho nas operações de dívida local com mais de 50 negócios executados em Crescimento sólido em clientes multinacionais com foco em gestão de caixa e produtos de financiamento às exportações / importações. 11

12 HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração (em milhões de reais) Foco no desenvolvimento de operações em moeda renminbi, aproveitando a posição de destaque no corredor de comércio entre Brasil e China. Global Markets continua a ocupar posições de destaque no ranking de câmbio pronto e derivativos. Terceiro ano consecutivo como líder no Ranking de Dívida Internacional do jornal Valor Econômico. 12

13 Relatório da Administração (em milhões de reais) Outros Prejuízo antes dos impostos Receita líquida de juros Receita líquida de tarifas e comissões Lucro líquido de negociação (1) 9 Outras receitas operacionais Receita líquida operacional Despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito - (1) Receita líquida operacional Despesas operacionais (178) (323) Prejuízo antes dos impostos (54) (219) Direcionamento estratégico Os resultados das operações não incluídos nos negócios (RBWM, CMB e GB&M) são demonstrados em Outros. Seus principais componentes são: os resultados do Private Banking. despesas de reestruturação não alocadas aos negócios globais. Performance financeira em 2012 O resultado do segmento Outros em 2012 foi um prejuízo antes dos impostos de R$ 54 abaixo contra o mesmo período de 2011 principalmente pela menor realização de despesas de reestruturação. O processo de reestruturação visa permitir avanços contínuos na eficiência de nossas operações no Brasil, e a parcela atribuída ao segmento Outros, é referente a quantias que não podem ser atribuíveis aos demais negócios globais. % % Índice de eficiência operacional n/a n/a Dados de balanço Empréstimos e adiantamentos a clientes (bruto) Total de ativos Depósitos de clientes Receita líquida operacional antes da despesa com redução ao valor recuperável de empréstimos e outras provisões para risco de crédito. 13

14 Governança HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Governança Governança corporativa Governança corporativa Como uma organização global, o HSBC adere a políticas internas, padrões, códigos e procedimentos para assegurar o equilíbrio entre obtenção de resultados, prestação de contas e expectativas da sociedade. No Brasil, o HSBC sempre prima pela transparência, alinhamento estratégico, responsabilidade, controle interno e prestação de contas, com o objetivo de zelar pelos interesses dos investidores e da sociedade. Internamente, há um processo independente, o qual garante que os assuntos de maior relevância sejam conduzidos no melhor interesse da empresa. Comitês Comitês Atualmente existe um grupo de comitês principais que garantem o processo de governança do HSBC Brasil, todos ligados ao Executive Committee: Executive Committee (EXCO): composto por 9 membros titulares; periodicidade mensal; representado pelo quadro de diretores responsáveis pelas decisões estratégicas e executivas. Assets and Liabilities Committee (ALCO): composto por 14 membros titulares; periodicidade mensal; engloba Finanças, Tesouraria e executivos de negócios para discutir mensalmente o balanço, liquidez e posicionamento quanto aos riscos de mercado. Risk Management Committee (RMC): composto por 14 membros titulares; periodicidade mensal; assegura a implementação e a manutenção de controles e gestão de riscos conforme exigências locais e mundiais do HSBC. Esse comitê abrange os riscos de crédito, mercado e operacional do HSBC Brasil. Operational Risk and Internal Control Committee (ORICC): composto por 16 membros titulares; periodicidade mensal; compreendido pelos executivos diretamente envolvidos no controle e funções de risco operacional. Audit Committee: composto por 4 membros titulares; periodicidade trimestral; patrocinado pelo head de Auditoria interna, assegura práticas aderentes às políticas e recomendações internas e externas de auditoria. 14

15 Governança Diretoria executiva Diretoria executiva André Brandão Presidente e CEO ANDRÉ GUILHERME BRANDÃO, 48, Presidente e CEO, está no HSBC há 14 anos. Walter Shinomata Diretor Executivo de Commercial Banking WALTER OTI SHINOMATA, 53, Diretor Executivo do Commercial Banking, está no HSBC há 13 anos. Sebastian Arcuri Diretor Executivo do Retail Banking and Wealth Management SEBASTIAN RAMON ARCURI, 41, Diretor Executivo do Retail Banking and Wealth Management, está no HSBC há 18 anos. Ildefonso Netto Chief Risk Officer ILDEFONSO DE CAMARGO MELLO NETTO, 47, Chief Risk Officer, está no HSBC há 14 anos. Martin Peusner Chief Financial Officer MARTIN EDUARDO PEUSNER, 42, Chief Financial Officer, está no HSBC há 6 anos. Hélio Duarte Diretor Executivo de Relações Institucionais HÉLIO RIBEIRO DUARTE, 66, Diretor Executivo de Relações Institucionais, está no HSBC há 15 anos. Vera Saicali Diretora Executiva de Recursos Humanos VERA SILVIA SAICALI, 51, Diretora Executiva de Recursos Humanos, está no HSBC há 6 anos. Marco Tavares Chief Operating Officer MARCO ANTONIO TAVARES, 54, Chief Operating Officer, está no HSBC há 11 anos. Paulo Steiner Head of Business Efficiency PAULO RENATO STEINER, 56, Head of Business Efficiency, está no HSBC há 36 anos. 15

16 HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Governança Controles internos e compliance Controles Internos e Compliance O HSBC Brasil conta com sua estrutura de controles internos, principal responsável por implementar e disseminar a cultura de controles e uma estrutura de compliance, para assegurar que seus administradores e gestores atentem para o fiel cumprimento dos regulamentos e normas aplicáveis aos seus negócios, de acordo com a resolução nº 2.554, de 24 de Setembro de 1998, do CMN, e alterações posteriores, a qual trata da estrutura de controles internos aplicáveis às instituições financeiras. Foram dispensados cuidados adicionais para a prevenção à lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo, com especial observância ao disposto na Lei nº 9.613, de 3 de Março de 1998, e alterações posteriores (Lei de 09 de julho de 2012), bem como às normas complementares estabelecidas pelo Bacen e COAF. Todos os procedimentos e políticas de prevenção à lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo são supervisionados pelo MLRO (Money Laundering Reporting Officer), responsável em Compliance pela equipe de monitoramento de clientes e transações do Grupo HSBC no Brasil. 16

17 Riscos Riscos Gestão de riscos Nossas atividades envolvem em graus variados a análise, avaliação, aceitação e gestão de riscos ou combinações de riscos. As principais categorias de risco que o HSBC está exposto são o risco de crédito, risco de mercado, riscos operacionais em suas várias formas incluindo risco de compliance, risco de liquidez, risco de seguro, risco de pensão, risco fiduciário, risco de reputação e risco de sustentabilidade (ambiental e social). O risco de mercado inclui câmbio, taxa de juros e risco de preços de ações. A abordagem para gestão de riscos do HSBC está relacionada com a sua estrutura de apetite de risco, a qual é aprovada pelo Risk Management Committee (RMC) e pela Diretoria. Essa estrutura é mantida junto aos negócios, operando através dos órgãos de governança, processos e métricas definidas para auxiliar na gestão de riscos. As instruções de apetite de risco definem em vários níveis dos negócios, as expressões quantitativas e qualitativas de riscos aos quais o HSBC Brasil está preparado para assumir de acordo com a sua estratégia e planos de negócios. As métricas quantitativas estão atribuídas a cinco categorias principais: resultado; capital e liquidez; perdas por redução ao valor recuperável e perdas esperadas; diversificação e categoria do risco; e cenário de testes de stress. Os resultados obtidos através do aplicação destas métricas auxiliam em: guiar as atividades de negócio, assegurando que estão alinhadas com as instruções de apetite de risco; determinar a remuneração ajustada ao risco; permitir que as premissas sejam monitoradas, e quando necessário ajustadas através dos ciclos de planejamento subsequentes; e prontamente identificar as decisões de negócio necessárias para mitigar os riscos. Governança e responsabilidade sobre o risco A estrutura de governança e responsabilidade é estabelecida para assegurar a supervisão para a gestão eficaz de risco no HSBC, a nível empresarial regional e global. A estrutura de governança para a gestão de risco é definida no relatório do Group Risk Committee (GRC), com adaptações regionais para subsidiárias importantes. Nossa estrutura de gerenciamento de risco promove o monitoramento contínuo do ambiente de risco e uma avaliação integrada de riscos e suas interações, parte integrante de nossa estrutura de gerenciamento de risco são o apetite de risco, testes de stress e identificação dos riscos principais e emergentes. A nossa forte governança sobre o risco reflete a importância atribuída pela Administração na modelagem da estratégia de risco do HSBC Brasil e no gerenciamento eficiente dos riscos. Esta governança é suportada por uma clara política e sua própria estrutura de risco, disseminada pelo Group Management Board (GMB) com base nos balanced scorecards alinhados com os objetivos de risco e negócios, e pela responsabilidade de toda a equipe em identificar, avaliar e gerenciar os riscos no escopo de suas responsabilidades. Essa responsabilidade pessoal é reforçada pela estrutura de governança corporativa, experiência e treinamentos mandatórios que ajudam a promover e disciplinar uma cultura construtiva para o gerenciamento de risco e controle em todo o HSBC. Durante o período nós desenvolvemos um novo modelo operacional para a função de risco. O novo modelo integra o Compliance com a função de risco, estabelecendo regras de risco para RBWM e CMB alinhados com outros negócios globais e expandindo a responsabilidade de fraudes e segurança de risco. O novo modelo foi desenhado para gerenciar o risco em todas as etapas do processo de forma consistente. Cultura de risco É da responsabilidade de todos os funcionários identificar, avaliar e gerenciar os riscos no âmbito de suas responsabilidades. Nossos padrões globais são fundamentais para equilibrar a nossa abordagem de risco e recompensa. A responsabilidade pessoal é reforçada pelos nossos valores, com a expectativa de que nossos funcionários sejam: Confiáveis, fazendo a coisa certa; Abertos a diferentes idéias e culturas; e Ligados aos nossos clientes, reguladores e uns aos outros. Cenário dos testes de stress Análises de cenário para testes de stress são mecanismos importantes para entender a sensibilidade do capital e dos planos de negócio do HSBC Brasil em situações de eventos extremos, porém plausíveis. Além de considerar o efeito financeiro potencial sobre os planos de negócio, essa ferramenta considera e estabelece planos de ação para mitigar tais eventos, caso aconteçam. Exercícios periódicos são realizados para comparar o capital requerido existente com o volume demandado por cenários de stress, incluindo a deterioração do cenário econômico global de forma mais severa do que a que está sendo experimentada. Técnicas qualitativas e quantitativas são utilizadas para estimar o impacto potencial sobre a posição de capital do HSBC Brasil sob tais cenários. Esses instrumentos auxiliam na mitigação dos riscos apresentados por crises financeiras. Enquanto a predição de eventos futuros pode não cobrir todas as eventualidades nem identificar precisamente os eventos futuros, a análise de cenários históricos pode representar 17

18 HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Riscos informações privilegiadas na identificação de ações necessárias para a mitigação de riscos quando eventos similares acontecerem. Os exercícios desenvolvidos incluem cenários estabelecidos pelo HSBC e/ou eventos específicos analisados pela Administração local. Os resultados desses exercícios, bem como a formulação de medidas de mitigação, são discutidos periodicamente. Risco de crédito Gerenciamento do risco de crédito (Auditado) O risco de crédito é o risco de perdas financeiras no caso de um cliente ou contraparte não cumprir com uma obrigação no âmbito de um contrato. Surge principalmente de empréstimos, financiamentos, adiantamentos e de contratos de arrendamento mercantil, mas também está presente em certos saldos registrados em contas de compensação, tais como garantias e valores de referência dos derivativos, e também do posicionamento do HSBC Brasil em instrumentos de dívida. Entre os riscos em que o HSBC Brasil está exposto, o risco de crédito gera a maior exigência de capital regulatório. O principal objetivo do gerenciamento de risco de crédito é a manutenção de uma forte cultura de responsabilidade sobre empréstimos. O gerenciamento de risco no HSBC Brasil está suportado por uma robusta política de risco e estrutura de controles, em parceria e desafiando as áreas de negócios na definição e execução do apetite de risco, com a reavaliação contínua dos termos e condições reais e cenários, assegurando independência, análise profunda dos riscos, seus custos e formas de mitigação. O risco de crédito é parte da função de risco. A área de risco de crédito cumpre o papel de uma unidade independente de controle de crédito, ao passo que interage com as equipes de negócio para definir prioridades, refinar o apetite de risco, monitorar e reportar exposições de alto risco. O HSBC Brasil adota políticas de crédito, procedimentos e orientações na concessão de crédito que visam satisfazer tanto às exigências locais quanto às normas do HSBC. A autoridade para a aprovação de crédito é delegada pela Diretoria executiva ao Diretor Executivo de Risco, o qual responde ao Presidente do HSBC Brasil sobre questões relacionadas a crédito, mantendo uma linha funcional de comunicação direta com o diretor responsável pela função de Risco na América Latina. A função de Risco de Crédito do HSBC Brasil emprega um alto nível de supervisão e gestão do risco de crédito. Suas responsabilidades incluem: formular as políticas de crédito cujo cumprimento, que está sujeito à aprovação de dispensas, é obrigatório para todas as empresas do HSBC Brasil; determinar o apetite do HSBC Brasil à exposição ao risco de crédito para setores específicos de mercado, atividades e produtos bancários. O HSBC Brasil controla a exposição para setores de alto risco e monitora de perto a exposição a outros, incluindo bens imóveis, setor automotivo, produtos estruturados e transações financeiras alavancadas. Quando necessário, restrições são impostas a novos negócios ou exposições, que podem ser limitadas em relação a grupos econômicos e/ou entidades legais; realizar avaliação independente e objetiva do risco. A área de Risco avalia todas as exposições e linhas de crédito incluindo aquelas embutidas em derivativos originadas ou renovadas dentro dos limites e níveis de alçada estabelecidos; monitorar o desempenho e realizar a gestão das carteiras de crédito, assegurando performance em linha com o perfil e o apetite de risco do HSBC Brasil; estabelecer e manter a política do HSBC Brasil em grandes exposições de crédito, assegurando que as concentrações de exposição às contrapartes, setor ou geografia não se tornem excessivas em relação aos níveis exigidos tanto internamente quanto pelas normas vigentes. A abordagem é designada para ser mais conservadora do que as normas regulatórias; manter e desenvolver a estrutura de gerenciamento de riscos e sistemas do HSBC Brasil, identificando e classificando as exposições significativas e permitindo o gerenciamento com foco nos riscos envolvidos. O Diretor Executivo de Risco preside o Risk Management Committee, que está subordinado ao Risk Management Committee da América Latina e supervisiona os modelos de avaliação de risco tanto para o atacado quanto para o varejo. Metodologias de avaliação, com base em uma ampla gama de ferramentas analíticas e em dados de mercado, são fatores fundamentais para a avaliação de risco dos clientes. A responsabilidade final de definir a classificação de risco recai sobre o Diretor Executivo de Risco, de acordo com os níveis de alçada estabelecidos; atuar ativamente no desenvolvimento de cenários de testes de stress e no refinamento dos indicadoreschave de risco, permitindo sua utilização como instrumento no processo de planejamento dos negócios do HSBC Brasil; relatar sobre os aspectos da carteira de risco de crédito do HSBC Brasil para o Risk Management Committee, auditoria interna e diretoria executiva, por meio de uma variedade de relatórios regulares e pontuais que cobrem: 99 concentrações de risco; 99 desempenho da carteira de varejo e atacado; 99 riscos elevados das carteiras segmentadas; 18

19 Riscos 99 mapa de riscos da condição dos tópicos chave de risco, associados às ações de prevenção e mitigação; 99 as maiores contas comprometidas para todos os segmentos de clientes individuais; 99 limites de exposição e provisões de crédito relacionadas à redução ao valor recuperável; 99 carteira e modelo de avaliação analítica de dados; e 99 resultados e recomendações sobre o teste de stress; coordenar e direcionar iniciativas relacionadas aos sistemas de gerenciamento de risco de crédito. O HSBC Brasil possui uma base de dados centralizada que cobre substancialmente todas as exposições de risco de crédito, proporcionando um nível cada vez mais granular de informações gerenciais para a tomada de decisões; promover as melhores práticas relacionadas ao risco de crédito e outras questões, como risco de sustentabilidade, novos produtos e treinamentos. Qualidade de crédito (Auditado) Nossos sistemas e processos de classificação e de gerenciamento de risco estão estabelecidos para identificar os segmentos com maior concentração de risco e probabilidade de perda. No caso de clientes individualmente significativos, avaliações de risco são realizadas periodicamente, e quaisquer alterações necessárias são implementadas imediatamente. Para varejo os riscos são avaliados e gerenciados por meio de uma ampla gama de modelos de riscos e precificação gerando uma base de dados para toda carteira. Exposição ao crédito Exposição máxima ao risco de crédito (Auditado) A exposição do HSBC Brasil ao risco de crédito ocorre em várias classes de ativos, incluindo derivativos, ativos financeiros mantidos para negociação, empréstimos e adiantamentos a clientes e investimentos financeiros. De forma a evitar a concentração excessiva de risco, as políticas e procedimentos estabelecidos pelo HSBC incluem orientações específicas à manutenção de uma carteira diversificada. Concentrações de risco de crédito identificadas são controladas adequadamente e administradas. A tabela a seguir apresenta a exposição máxima ao risco de crédito dos instrumentos financeiros registrados no balanço patrimonial e nas contas de compensação, sem considerar quaisquer garantias recebidas ou outros reforços de crédito. Para ativos financeiros reconhecidos no balanço, a exposição máxima ao risco de crédito equivale ao valor contabilizado; para garantias financeiras concedidas e contratos similares, é o montante máximo que o HSBC Brasil pagaria caso todas as garantias fossem solicitadas. Para compromissos de empréstimos e outros compromissos relacionados a crédito irrevogáveis durante o ciclo de vida das respectivas linhas de crédito, é o montante total das linhas de crédito comprometidas. Atenção especial é dispensada às exposições problemáticas a fim de acelerar ações corretivas. Quando necessário, utilizamos unidades de riscos especializadas para prover o suporte necessário aos clientes afim de ajudá-los a evitar a inadimplência sempre que possível. Regularmente as equipes de avaliação de crédito e identificação de risco efetuam a revisão de exposições e dos processos para fornecer uma avaliação independente e rigorosa acerca dos riscos de crédito no HSBC Brasil, reforçando o gerenciamento secundário dos riscos e disseminando as melhores práticas. A auditoria interna desempenha uma função terciária, focada nos riscos com uma perspectiva global e na concepção e efetividade dos controles primários e secundários, realizando auditorias de supervisão através de amostragens regionais e globais de toda a estrutura de controle, auditorias específicas de riscos-chaves emergentes e auditoria de projetos para avaliar as principais iniciativas de mudanças. 19

20 HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Riscos Exposição máxima ao risco de crédito (Auditado) Exposição Máxima Offset Exposição Máxima (líquida) Exposição Máxima Offset Exposição Máxima (líquida) Valores em trânsito a receber de outros bancos Ativos financeiros mantidos para negociação Títulos Empréstimos e adiantamentos a bancos Empréstimos e adiantamentos a clientes Ativos financeiros designados ao valor justo Instrumentos financeiros derivativos ( ) ( ) Empréstimos e adiantamentos mensurados ao custo amortizado: ( ) ( ) a bancos ( ) ( ) a clientes ( ) ( ) Investimentos financeiros Títulos Outros ativos Endossos e aceites Outros Garantias financeiras e contratos similares Compromissos de empréstimos e outros compromissos de crédito ( ) ( ) Exclui ações. 2 Exclui as operações entre partes relacionadas. 3 Inclui garantias financeiras, standby letters classificadas como garantias financeiras, bid bond e outras transações relacionadas a garantias e, exclui as operações entre partes relacionadas. 20

HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2011 em IFRS

HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2011 em IFRS HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2011 em IFRS HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada

Leia mais

HSBC Bank Brasil S.A. Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2010 em IFRS. No Brasil e no mundo, HSBC

HSBC Bank Brasil S.A. Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2010 em IFRS. No Brasil e no mundo, HSBC Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2010 em IFRS No Brasil e no mundo, HSBC Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2010 em IFRS Conteúdo 3 4 4 4 4 4 6 12 12 12 13

Leia mais

HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2013 em IFRS

HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2013 em IFRS HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada de 2013 em IFRS HSBC BANK BRASIL S.A - BANCO MÚLTIPLO Relatório Anual e Demonstração Financeira Consolidada

Leia mais

Governança de Riscos. 31 de dezembro de 2012 PUBLIC

Governança de Riscos. 31 de dezembro de 2012 PUBLIC Governança de Riscos 31 de dezembro de 2012 PUBLIC Sumário Visão geral... 2 Estrutura organizacional... 3 Estrutura de Governança de Risco... 4 Estrutura Sênior de Comitês... 5 Executive Committee (EXCO)...

Leia mais

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010

Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 Resolução 3.721 e Default Management. Setembro de 2010 1 Agenda Parte I Risco de Crédito Parte II Estrutura de Cobrança 2 I. Risco de Crédito Visão Geral de Basiléia II Regulamentação Adequação à Resolução

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS. Introdução - 1 - RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Introdução A Administração acredita que a gestão efetiva de riscos é vital para o sucesso da Instituição e conseqüentemente mantém um ambiente de gerenciamento de riscos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

www.panamericano.com.br

www.panamericano.com.br www.panamericano.com.br Agenda Principais dados do Banco Histórico Divulgação das Demonstrações Financeiras Resultado e Balanço Providências e Perspectivas 2 Agenda Principais dados do Banco 3 Composição

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015

Relatório da Administração. 1º Semestre de 2015 Relatório da Administração 1º Semestre de 2015 Sumário 1. Senhores Acionistas... 3 2. Banco Luso Brasileiro S.A.... 3 3. Estrutura Acionária... 3 4. Desempenho Operacional... 3 5. Destaques do Semestre...

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PORTOSEG S.A. CFI Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Portoseg ) é uma instituição financeira privada,

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

Governança de Riscos em Instituições Financeiras

Governança de Riscos em Instituições Financeiras 1 Governança de Riscos em Instituições Financeiras Sérgio Ribeiro da Costa Werlang Vice Presidente Executivo da Área de Controle de Risco e Financeiro Itaú - Unibanco São Paulo, 20 de outubro de 2011 2

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 1 Finalidade da Política de Investimentos: Este documento estabelece as maneiras pelas quais os ativos dos planos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS No Banco De Lage Landen SA (DLL) a Gestão de Riscos é responsabilidade da Diretoria de Risco que se reporta diretamente à Presidência. 1 - Risco Operacional (RO) A

Leia mais

Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS. Banco do Estado do Pará S.A

Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS. Banco do Estado do Pará S.A Ano - 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLES E GERENCIAMENTO DE RISCOS - SUCOR GERÊNCIA DE RISCOS - GERIS Banco do Estado do Pará S.A SUMÁRIO Pág. APRESENTAÇÃO... 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 1.1 Cultura

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Release de Resultado 2T14

Release de Resultado 2T14 BANCO BMG ANUNCIA SEUS RESULTADOS CONSOLIDADOS DO 2T14 São Paulo, 07 de agosto de 2014 O Banco BMG S.A. e suas controladas ( BMG ou Banco ) divulgam seus resultados consolidados referentes ao período encerrado

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Março 2012 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital Pilar 3 Junho de 2013

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital Pilar 3 Junho de 2013 Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital Pilar 3 Junho de 2013 (Em milhares de reais) Esse relatório tem por objetivo a divulgação de informações qualitativas e quantitativas sobre gerenciamento

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

Solução Accenture RiskControl

Solução Accenture RiskControl Solução Accenture RiskControl As rápidas transformações econômicas e sociais que marcaram a primeira década do século XXI trouxeram novos paradigmas para a gestão empresarial. As organizações ficaram frente

Leia mais

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A

DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A 2009 DREBES FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO DIRETORIA DREBES FINANCEIRA S/A [ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS] O presente documento apresenta a Estrutura de Gestão de Riscos da DREBES

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL

1T13 FACT SHEET PERFIL DA COMPANHIA PRESENÇA NO BRASIL: FOCO NA REGIÃO SUL FACT SHEET 1T13 PERFIL DA COMPANHIA Fundado em 1928, o Banrisul é um banco múltiplo: comercial, de desenvolvimento e social, controlado pelo Estado do Rio Grande do Sul. A proximidade com o setor público

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3

2005 Corretora em Nova York. Diversificação do portfólio. 2007 Expansão em Investment Bank, Consignado e Cartões. Estrutura acionária 3 VISÃO GERAL - 2T5 Histórico 99 Início das operações como banco múltiplo 2002 Agência em Nassau 2005 Corretora em Nova York 2009 Início da parceria estratégica com o Banco do Brasil 205 BV Promotora (Consignado

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito 1. Estrutura de Gerenciamento de Em observância à resolução 3.721/2009 do Banco Central do Brasil, o Banco GMAC S.A, doravante denominado Chevrolet Serviços Financeiros, instituiu sua estrutura de gerenciamento

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo

HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo 1/8 Relatório da ia Brasil S.A. - Banco Múltiplo Aos nossos clientes, ao mercado e ao público em geral Apresentamos o relatório da diretoria e as demonstrações financeiras do Brasil S.A. - Banco Múltiplo

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Gerenciamento de Riscos Revisão: Julho/ 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 3. LINHAS DE NEGÓCIOS PRODUTOS OFERTADOS... 3 3.1. CARTÃO DE CRÉDITO...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Instrumentos financeiros - A norma completa

Instrumentos financeiros - A norma completa Instrumentos financeiros - A norma completa Mudanças nos fundamentos requerem planejamento cuidadoso Setembro de 2014, Edição 04/2014 IFRS EM DESTAQUE kpmg.com/br A nova norma irá ter um impacto significativo

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

O Processo de Supervisão no

O Processo de Supervisão no O Processo de Supervisão no Banco Central do Brasil Anthero de Moraes Meirelles Banco Central do Brasil Diretor de Fiscalização Introdução Missão Estrutura Universo Fiscalizável Agenda Processo de Supervisão

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Dezembro 2011 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra.

O gerenciamento de Risco de Mercado abrange todas as empresas do Conglomerado que constam do Balanço Consolidado do Banco Safra. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1 Objetivo Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Mercado no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de gestão em que este modelo

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência ia de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A APRESENTAÇÃO ÍNDICE Relatório de Gerenciamento de Riscos 03 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A.

Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS. Banco Santander (Brasil) S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas Preparadas de acordo com normas de contabilidade Internacional IFRS Banco Santander (Brasil) S.A. 31 de Dezembro de 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ÍNDICE

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital Pilar 3 31 de Dezembro de 2014

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital Pilar 3 31 de Dezembro de 2014 Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital Pilar 3 31 de Dezembro de 2014 Este relatório tem por objetivo a divulgação de informações qualitativas e quantitativas sobre gerenciamento de riscos e requerimentos

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS

ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10. Pagamento Baseado em Ações COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 2 Descrição Item Objetivo 1 Escopo 2 6 Reconhecimento

Leia mais

Com mais de 140 anos de tradição é uma das maiores organizações de serviços bancários e financeiros do mundo.

Com mais de 140 anos de tradição é uma das maiores organizações de serviços bancários e financeiros do mundo. Com mais de 140 anos de tradição é uma das maiores organizações de serviços bancários e financeiros do mundo. Com uma ampla gama de negócios na; Europa, Ásia-Pacífico, Américas, Oriente Médio e África.

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO Introdução O Gerenciamento do Risco de Mercado no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está fundamentado

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais